11 DE SETEMBRO EM NOVA YORK: DAS REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICAÇÕES MIDIÁTICAS À INCOMPREENSÃO DAS DIFERENÇAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11 DE SETEMBRO EM NOVA YORK: DAS REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICAÇÕES MIDIÁTICAS À INCOMPREENSÃO DAS DIFERENÇAS"

Transcrição

1 Sérgio Dayrell Porto 11 DE SETEMBRO EM NOVA YORK: DAS REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICAÇÕES MIDIÁTICAS À INCOMPREENSÃO DAS DIFERENÇAS

2 APRESENTAÇÃO 11 DE SETEMBRO EM NOVA YORK: DAS REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICAÇÕES MIDIÁTICAS À INCOMPREENSÃO DAS DIFERENÇAS Sérgio Dayrell Porto Currículo (*)Coordenador do Curso de Comunicação Social do IESB Pós-doutor e Ph.D em Comunicação pela McGill University-Montreal-Canadá Estágio Sênior no CNRS- Centre National de la Recherche Scientifique - Paris-França Pesquisador Associado Sênior da Faculdade de Comunicação da UnB ( Professor Titular aposentado ) Pesquisador 1A do CNPq - líder do grupo de pesquisa: Interpretação de Produtos Culturais - Meios de Comunicação e Processos de Significação; coordenador do projeto integrado de pesquisa: Pesquisas Qualitativas em Comunicação - 11 de setembro em Nova York: Representações e Significações Midiáticas ( CNPq-IESB- UnB) Objeto e finalidade da pesquisa Esta apresentação do livro 11 DE SETEMBRO EM NOVA YORK - A INCOMPREENSÃO DAS DIFERENÇAS pretende também servir de relatório final da pesquisa 11 DE SETEMBRO EM NOVA YORK: REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICAÇÕES MIDIÁTICAS, elaborada por um grupo de 18 pesquisadores - 16 professores ( 4 doutores, 11 mestres e 1 especialista ) e 2 estudantes/bolsistas do Curso de Comunicação Social do IESB -, reunidos em um projeto integrado de pesquisa aprovado pelo CNPq Metodologias Qualitativas em Comunicação. As ressonâncias dos atentados de 11 de setembro nos Estados Unidos e em todo o mundo foram de tal ordem que passamos a adotar esta data não só como um marco histórico redefinidor das relações conflituosas entre Ocidente e Oriente, mas também como fato discursivo capaz de inaugurar uma nova episteme e, portanto, uma nova ordem discursiva, caracterizada não só pelas batalhas e bravatas econômicas, políticas e bélicas, mas também pela beligerância midiática, retórica e ritualística. Signos, símbolos, mitos e valores estão sendo, desde então, redimensionados e ressignificados, distinguindo-se duas vias midiáticas: a informação e a propaganda, cujas fronteiras se tornam, neste momento, difusas. Conseqüentemente, justifica-se que pesquisadores da área de Comunicação Social

3 e das subáreas de Jornalismo e Publicidade e Propaganda se reúnam sob o abrigo de um grande Projeto Integrado de Pesquisa e estabeleçam como recorte de observação o período iniciado em 11 de setembro de 2001 até nossos dias, tempo em que as principais produções midiáticas serviram como estudos de caso motivadores de novas representações, aferições, análises, interpretações e debates. A idéia, neste momento, é sintetizar um pensamento predominante que foi se revelando à pesquisa, à medida que seus autores testemunhavam em reuniões de grupos, e posteriormente em artigos e relatórios, a presença de uma tendência hegemônica. Buscavase finalmente responder a um questionamento fundamental, a respeito da atual tensão política entre Ocidente e Oriente, cujos maiores protagonistas são os Estados Unidos e alguns países do Oriente-Médio. Ora, este problema não podia e não pode ser compreendido unicamente sob a ótica solidária de uma cultura regional das Américas, pois transcende os limites geográficos e afetivos de nossas culturas locais. Ficou claro que os porquês dessas agressões estão contidos em um emaranhado de posturas políticas e discursos sociais, melhor dizendo: formações discursivas de cunho ideológico, a ponto de denominarmos este livro que resulta da mesma pesquisa: A INCOMPREENSÃO DAS DIFERENÇAS. Representações e ortodoxia metodológica Ao adotar a metodologia de pesquisa qualitativa da Análise do Discurso, nos avizinhamos da proposta de Dominique Maingueneau, criador da concepção e da expressão INTERIN- COMPREENSÃO DISCURSIVA REGULAMENTADA, que aplicada ao problema da pesquisa, significa que a nossa postura interpretativa em relação ao acontecimento de 11 de setembro de 2001 acaba sendo a composição necessária de dois elementos inseparáveis, independente de sermos norte-americanos ou americanos do centro e/ou sul-americanos. Em qualquer uma das três posições, todas elas próximas aos acontecimentos, guardamos conosco o sentimento de pertencimento e de distanciamento da situação. No atual mundo globalizado, sermos iguais dentro do sistema capitalista, como poderiam propor simbolicamente as Torres Gêmeas, traz ao mesmo tempo o sentimento de impossibilidade, e este mega símbolo, hoje destruído pelo ataque iconoclasta de 11 de setembro, pode não ter passado de uma alegoria, um anti-símbolo de uma pretensa e impossível igualdade entre os povos, sejam eles americanos, sejam eles de toda a parte, capitalistas ou não. A respeito das idéias de Dominique Mangueneau, guardamos a seguinte citação: O caráter constitutivo da relação interdiscursiva faz aparecer a interação semântica entre os discursos como um processo de tradução, de inter-incompreensão regulamentada. Cada um introduz o outro na sua própria abrangência, traduzindo seus enunciados nas categorias do Mesmo, e não tem nada a ver com este Outro que ele constrói, sob a forma de simulacro... a identidade de um discurso coincide com a rede de incompreensão no qual ele é tomado. Não há, de um lado o sentido, de outro certos mal-entendidos contingentes em sua comunicação, mas, em um só movimento, há o sentido como mal-entendido ( tradução do autor desta apresentação) (MAINGUENEAU, 1984, p.11 e 12 ). Já com o distanciamento de um pouco mais de um ano dos fatos e acontecimentos de 11 de setembro de 2001, em Nova York e Washington, tomando as nossas percepções de tudo o que vimos, sentimos, ouvimos e lemos, principalmente através da análise do discurso do que disse e mostrou a mídia brasileira, e também a internacional, nos deparamos com ditos, não-ditos, interditos e também com dizíveis ( supostamente ditos ou a serem ditos ), que acabaram construindo e reconstruindo os

4 fatos/acontecimentos a que nos referimos acima, expressando objetividades, subjetividades, interpretações, pontos de vistas, compromissos ideológicos conscientes e inconscientes, distanciamentos e pertencimentos, tanto da parte dos veículos analisados quanto de seus próprios analistas. Como não existe discurso sem sujeito, impossível haver também discurso sem ideologia. Ora, essa imposição da linguagem sobre a nossa idealizada ação de sujeitos, fadados a lembranças e a esquecimentos, não denigre a nossa capacidade observadora e de análise, mostrando, no entanto, uma relatividade possível em nossas percepções. Foucault comenta nossas prisões linguageiras ou às estruturas lingüísticas, dentre estas, as de função sujeito: Eu gostaria de ter percebido em mim mesmo que no momento em que falo uma voz sem nome me precedia desde muito tempo: a mim me bastaria me colocar em cadeia, seguindo a frase, de aí me instalar, sem que eu tivesse lugar fixo, em seus interstícios, como se ela me fizesse sinal, se colocando, por um instante, em suspenso ( FOUCAULT, 1971, p.7 ) tradução livre do autor. Caso optássemos por outros métodos, que não a Análise do Discurso, certamente poderíamos pretender e ousar uma intimidade maior com a verdade dos fatos. No entanto, sendo ortodoxos, estamos certos de que contribuímos apenas com uma parte do todo, e que este possa constituir-se num amplo tecido explicativo dos acontecimentos. Importante lembrar que estamos presos às nossas formações discursivas, e, se isso é uma virtude, também é uma limitação. Sem o radicalismo de Maingueneau, mas sem nos afastar muito dele, vejamos o que diz Eni Puccinelli Orlandi a respeito dessas formações: E aqui, sem dúvida, nossa diferença era a de considerar, tanto na análise como na história da análise do discurso, a noção de formação discursiva. Esta é uma noção formadora da análise do discurso, na França, seja para a filosofia de Michel Foucault seja para a proposta de análise de Michel Pêcheux. Para mim, é a noção que permite ultrapassar as posições estritas do estruturalismo e guardar no entanto a perspectiva não conteudística, seja relativa ao sentido, seja ao sujeito, seja à história. As formações discursivas, ao mesmo tempo em que determinam uma posição, não a preenchem de sentido. Se, no início, essa noção foi compreendida como regiões fechadas e estabilizadas, logo se percebeu que elas são atravessadas ( eu diria mesmo constituídas) pelas diferenças, pelas contradições e pelo movimento. Mas são um princípio de organização para o analista e são parte da constituição dos discursos e dos sujeitos. As formações discursivas não são constituídas a priori como evidências ou lugares estabilizados mas como regiões de confronto de sentidos (ORLANDI, 1994,pp ). Para tornar as coisas ainda mais claras, buscamos também em Orlandi a definição e o conceito de formações discursivas : A formação discursiva é, enfim, o lugar de constituição do sentido e da identificação do sujeito. É nela que todo sujeito se reconhece ( em sua relação consigo mesmo e com os outros sujeitos ) e aí está a condição do famoso consenso intersubjetivo ( a evidência de que eu e tu somos sujeito) em que, ao se identificar, o sujeito adquire identidade ( Pêcheux, Les Vérités de la Palice, 1975). É nela também, como dissemos, que o sentido adquire sua unidade ( ORLANDI,1988, p.58 ).

5 Por fim, dando maior contorno às exigências de nossa metodologia de trabalho, lembramos do que diz Vignaux em relação aos contatos entre realidade e representações: Além disso, o discurso não tem como função constituir a representação fiel de uma realidade mas assegurar a permanência de uma certa representação ( Vignaux, 1979 Argumentation et discours de la norme ). Por isso há, na gênese de todo discurso, o projeto totalizante de um sujeito, projeto este que o converte em autor. Este projeto é o de assegurar coerência e a completude de uma representação. O sujeito se constitui como autor ao constituir o texto (ORLANDI, 1988, p ). Assim, metodologicamente, os capítulos deste livro, que traduzem as participações individuais de professores neste projeto integrado de pesquisa, apresentam-se mais como nacos de sentido do que portadores da verdade dos fatos de 11 de setembro de 2001, em Nova York e Washington. Breve histórico: Em viagem recente que fizemos aos Estados Unidos, na segunda quinzena do mês de janeiro de 2002, as nossas conversas com diversos cidadãos norte-americanos, nas cidades de Nova York, Washington, Colegge Park (Maryland) e Chapel Hill (North Carolina), nos campi das universidades de Columbia (NY), New York University, American University ( Washigton), University of Maryland e University of North Carolina, referiam-se, quase sempre, a SEPTEMBER 11, dia e mês do ataque terrorista às Torres Gêmeas do World Trade Center, no " dowtown" da ilha de Manhattan, Nova York, e também à parte do prédio do Pentágono, em Washington. Lembro-me de uma das entrevistas que fizemos, mais precisamente aquela com o Dr. James W. Carey, coordenador do Programa de Doutorado da Graduate School of Journalism da Columbia University, em Nova York, em que SEPTEMBER 11 se constituía um novo marco, dramático e trágico, da história social e política contemporânea dos Estados Unidos e do ocidente, símbolo de um ataque terrorista de enormes proporções mundiais, com repercussões especiais na mídia e na formação das opiniões das populações que dela dependem. Da nossa parte, viajar aos Estados Unidos, algum tempo depois do atentado, foi também uma ousadia, traduzida na vontade de saber como estavam reagindo os norte-americanos à tamanha agressão, e quais suas formas materiais e espirituais de reação. A impressão foi tão forte que voltamos dispostos a pesquisar o evento/tragédia em amplas dimensões, todas elas intermediadas pelos atuais meios de comunicação de massa e em rede: internet, televisão, jornais gráficos, revistas semanais de informação, revistas de entretenimento; e também pelo comportamento dos leitores, telespectadores, navegadores virtuais e atores da sociedade civil, além de seus dirigentes e governantes. Fizemos todos os nossos trajetos aéreos, o prof. José Romildo de Oliveira Lima ( assessor da Coordenação de Comunicação Social do IESB - área de Jornalismo) e eu, pela American Airlines, estando assim à flor da pele na captação dos sentimentos e do calor do momento. Nas televisões, a presença constante do presidente George W. Bush, tentando aprovar um novo orçamento para os EUA, cujo destaque maior se encontrava na enorme verba solicitada para armamentos e guerras à vista com os países árabes, passava aquela sensação de que não só os norte-americanos estavam envolvidos nos acontecimentos do momento. A questão nos parecia então bem maior, transcendia as Américas, estava em jogo a segurança de todo o mundo. A televisão nos passava medo, algum pânico, exigia de nós solidariedade direta e indireta, todos contra o terrorismo. Um outro sinal de tensão era visível no rigor das revistas nos aeroportos, e no tom agressivo de determinados habitantes da cidade de Nova York. Os prestadores de serviços, principalmente os motoristas de ônibus e taxistas, eram um nervo só, à flor da pele. Um fato nos chamou a atenção, também em Nova York, numa loja de equipamentos eletrônicos, quando pedíamos informações para

6 possíveis compras, o tratamento recebido foi o mais agressivo possível. O que estava em jogo era algo maior e parecia não caber nas dimensões de nossas identidades e diferenças culturais. O mundo parecia não mais se entender, pelo menos naquela parte significativa das Américas. Das Torres Gêmeas à Torre de Babel, o espaço a percorrer era já muito pequeno. Por outro lado, ja havíamos aproveitado o projeto integrado de pesquisa que desenvolvíamos no CNPq, denominado PESQUISAS QUALITATIVAS EM COMUNICAÇÃO, com sede e foro na Faculdade de Comunicação da UnB, para dar uma forma mais pragmática às suas novas dimensões, quando de minha passagem da UnB para o IESB, o que se deu formalmente em agosto de Logo após esse trânsito, e no exercício do cargo do coordenador do Curso de Comunicação Social do IESB, sendo surpreendidos pelo acontecimento/trágédia a que nos referimos, reformulamos então o problema da própria pesquisa. NOVA YORK 11 DE SETEMBRO: REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICAÇÕES MIDIÁTICAS passou a ser o tema, o problema, o objeto da pesquisa. Representações estas que são de ordem social e coletiva, no sentido sociológico do termo, formadoras do fato social capaz de acionar produções de significações do imaginário coletivo ligadas ao ataque de 11 de setembro de 2001 às cidades de Nova York e Washington. Ataque ou guerra, acontecido na manhã do dia 11 de setembro de 2001, chegando essas representações à nossa recepção pela filtragem da mídia, inicialmente televisão, internet, rádio, jornais em tempo real, e depois pelas narrativas orais das pessoas, pelos jornais vespertinos, jornais matutinos dos dias seguintes, revistas semanais, filmes, vídeos, fotos, comentários acadêmicos, análises dos cientistas e jornalistas políticos, comentários do senso comum, reportagens em todos os tipos de publicações etc. Fato social criado com a intervenção da mídia internacional e brasileira, provocador também dos imaginários das simbologias individuais, produzindo assim um quadro complexo de significações e conseqüentes interpretações. Para nós, latino-americanos, problema mais agudo se impôs, na medida em que passamos a dever ao processo de significação do acontecimento algo que não deveria simplesmente manifestar ou ocultar posturas e posições de pertencimento e/ou de afastamento. Existiria uma ótica própria nas Américas para se ver, sentir e analisar esses acontecimentos, ou, a partir do fato de sermos cidadãos de um mundo em chamas e também ligados à profissão de frios analistas, jornalistas objetivos e instigantes publicitários, teríamos comprometida a nossa postura interpretativa? Reafirmando o método de análise Sendo fiéis a uma metodologia básica, já nascida nos tempos da pesquisa na UnB - METODOLOGIAS QUALITATIVAS EM COMUNICAÇÃO, adotamos coletivamente a ANÁLISE DO DISCURSO -, seja ela de estilo francês ou anglo-saxão, eu diria mais de inspiração francesa, seguidora dos caminhos de Michel Foucault e de Michel Pêcheux, e nesta pesquisa específica, de Eni Puccinelli Orlandi e Dominique Maingueneau, interessando-nos a forma social, econômica e política por meio da qual as notícias, as análises e os comentários se faziam ao ataque terrorista, através dos principais órgãos de imprensa. O nosso filtro foram as condições de produção, circulação e consumo dessas notícias, dando assim ao próprio ataque terrorista um discurso plural de diferentes produções e versões, e enfatizando a realidade da incompreensão das diferenças, que acabou dando nome à pesquisa. Ou, dito de outra forma, foi ficando evidente à medida que a pesquisa progredia a questão da inter-incompreensão discursiva regulamentada daqueles intérpretes do atentado, como produtores de notícias e/ou divulgadores e analistas.

7 Linha de Pesquisa: Como linha de pesquisa adotamos deslocadamente os ESTUDOS CULTURAIS EM COMUNICAÇÃO, vertente das IDENTIDADES CULTURAIS, diagnosticada por Stuart Hall, em seu livro "Identidades Culturais na Pós-Modernidade" ( HALL, 1977) e no seu artigo " Who Needs Identity"( HALL, 2 000), na medida em que interpretamos 11 de setembro em Nova York muito mais como uma alegoria, uma impossibilidade de consensos, ou pelas dificuldades de identificação entre interpretações e possíveis gestos de solidariedade e de aversão, do que propriamente como um símbolo que conseguisse reunir, em convergência, interpretações e posturas culturais, favoráveis ou contra. Seria o mesmo que dizer que, às avessas, os Estudos Culturais da Comunicação podem explicar teoricamente o ataque terrorista às Torres Gêmeas em Nova York. Segundo Richard Johnson, Os Estudos Culturais dizem respeito às formas históricas da consciência ou da subjetividade, ou às formas subjetivas pelas quais nós vivemos ou, ainda em uma síntese bastante perigosa, talvez uma redução, os Estudos Culturais dizem respeito ao lado subjetivo das relações sociais (JOHNSON, 1999, P.25). Estamos diante de um fenômeno a ser melhor explicado pela alegoria, que é a metáfora continuada como tropo de pensamento, e consiste na substituição do pensamento em causa por outro pensamento, que está ligado, numa relação de semelhança, a esse mesmo pensamento. Ou, segundo a proposta de Benjamin, a alegoria é vista como o outro da história ( HANSEN, 1986, p. 1 e 8 ), um anti-símbolo, diferente e diverso do que propõem os símbolos. Encontramos símbolo desde o início e com freqüência para significar a celebração de um contrato ou convenção. Aristóteles diz que um nome é um símbolo, ou seja, um signo convencional ( PEIRCE, 1972, p.128 ). Sendo assim, norte-americanos, americanos do centro e sul-americanos, unidos ou não pela latinidade, terão certamente maiores dificuldades de explicação do atentado do que analistas de todo o mundo. A proximidade parece prejudicial e o símbolo seria impotente para dizer ao presidente Bush, ou aos povos árabes, por que as torres foram destruídas. A linha de pesquisa fica mesmo sendo estudos culturais contemporâneos, nessa versão não ortodoxa, ou deslocada alegoricamente, como acabamos de afirmar. A equipe: A nossa equipe de pesquisa foi composta por 18 pesquisadores, assim divididos: Quatro doutores, com formações diversas, uma canadense, outra norte-americana, outra da América Central e outra do Brasil. Sérgio Dayrell Porto ( McGill University - Graduate Program in Communications - Montreal - Canadá - coordenador ) Eduardo Manhães ( ECO-UFRJ) Suyan de Mattos ( Universidade Autônoma do México ) e Sérgio Euclides Leal de Souza ( Universidade de Bolden - Colorado - EUA ) Onze mestres, sendo sete com formação na UnB ( Brasil), dois na Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil), um no Canadá e Estados Unidos e outro no Reino Unido: Brasil UnB Universidade de Brasília: Lara de Podestá Haje ( Comunicação - Políticas e Novas Tecnologias ) Walter Menon ( Comunicação - Artes ) Érica Maria de Andrade ( Comunicação - Economia ) Marco Antonio Pires Lima ( Comunicação - Cultura )

8 Valéria Castanho ( Comunicação Assessoria de Imprensa ) Josi Anne Paz ( Comunicação Publicidade ) Bárbara Sena Costa ( Psicologia ) Brasil - Universidade Federal de Santa Catarina: Mauro Castro de Azevedo e Souza (Engenharia de Produção0 Bruno Carvalho (Engenharia de Produção) Canadá e Estados Unidos: Clémence Delannoy Hommer - Ciência Política - McGill University ( undergraduate); Artes - Pratt Institutte - New York ( mestrado) Reino Unido- País de Gales: José Romildo de Oliveira Lima ( University of Walles - Cardiff - País de Gales - Jornalismo) Um especialista: Equador Lucas Clavijo ( fotografia ) Dois estudantes bolsistas de Iniciação Científica do CNPq: Carlos Eduardo de Souza Gomes, estudante do 6º semestre/noturno do curso de Jornalismo, e Otto Phelippe Ferreira dos Santos, estudante do 3º semestre noturno de Publicidade. Doutores convidados: Além da equipe de 18 pesquisadores presentes, para a edição deste livro foram convidados cinco doutores, na condição de estarem produzido reflexões que enriquecem a nossa experiência interpretativa sobre os acontecimentos de 11 de setembro: Dione de Oliveira Moura ( Universidade de Brasília ) - doutora em Ciências da Informação, exercendo atualmente a chefia do departamento de Jornalismo da UnB. Participou do início da pesquisa como conferencista, tratando os temas do dito, do dizível e do não dito, dentro da metodologia da Análise do Discurso. Neste livro ela faz analogias com a cobertura dada pela imprensa inglesa ao lançamento da bomba atômica em Hiroshima. Eugênio Trivinho ( Universidade Católica de Santos ) - já havia participado do II Ciclo de Comunicação do IESB, em junho de Como ex-coordenador do grupo de trabalho da COMPÓS Comunicação e Sociedade Tecnológica sente-se familiarizado para aproximar a velocidade, a violência e a tecnologia, mostrando o habitat no qual aconteceu o atentado às Torres Gêmeas em Nova York. Maria Cristina Franco Ferraz ( Universidade Federal Fluminense) o artigo que assina liga o fato/evento de 11 de setembro a um universo teórico, de ordem filosófica, sociológica e política da maior relevância no contexto tecnológico em que hoje vivemos. Luiz Martins da Silva ( Universidade de Brasília) introduz neste livro/pesquisa questões da economia política do signo e/ou do simulacro, mostrando como o acontecimento trágico de Nova York pode ser visto como um tipo de reação a um mundo conduzido por pouquíssimas vozes. Zélia Leal Adghirni ( Universidade de Brasília ) desvenda os mistérios do mundo árabe à compreensão do mundo ocidental. Jornalista, tendo vivido alguns anos no Marrocos, ela tem a sensibilidade para tratar questões do mundo muçulmano, no entanto, dentro de uma postura jornalística, com os distanciamentos e as objetividades possíveis.

9 SUMÁRIO DA PESQUISA E DO LIVRO: APRESENTAÇÃO 11 DE SETEMBRO EM NOVA YORK: DAS REPRESENTAÇÕES E SIGNIFICAÇÕES MIDIÁTICAS À INCOMPREENSÃO DAS DIFERENÇAS - SÉRGIO DAYRELL PORTO Ia. PARTE: INTERNET INTERNET E CARNAVALIZAÇÃO DAS IMAGENS Capítulo 1- O Mito e o Potencial Crítico das Fantasias Cômicas sobre o 11 de Setembro na Internet - Marco Antônio Pires Lima "O texto analisa a produção de imagens cômicas na Internet sobre os atentados de 11 de setembro. Os usuários dos meios de comunicação de massa utilizam, deturpam, reapropriam os diferentes significados do fluxo ininterrupto da própria comunicação de massa. A concepção carnavalesca de mundo é aqui discutida como um dos elementos presentes na comicidade destas imagens" ( retirado do autor ). O Presidente George W. Bush construiu uma imagem heróica ao afirmar que o combate que travaria com os responsáveis pelo atentado era um combate do bem contra o mal. Nesta condição, ele seria o líder do bem. Optando pelo lado mais fraco, o cômico na internet sugeriu que o herói seria o outro, Bin Laden, eleito como um herói frágil, pateta, um Dom Quixote contemporâneo (idem). INTERNET E A PROPOSTA DE UMA NOVA ÉTICA Capítulo 2 - O Bem contra o Mal: a representação do discurso de Bush na Imprensa - José Romildo de Oliveira Lima " Passados apenas dois dias do trágico evento, o presidente Bush propõe ao mundo, através da rede mundial de computadores, uma reflexão e uma postura de caráter épico, em que as éticas do bem e do mal se opõem, estilo civilização versus barbárie ". ( retirado do do autor ) O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse hoje que o país deve libertar o mundo do mal. As declarações foram feitas durante uma cerimônia em que orou pelas vítimas dos atentados da última terça-feira (11), em Nova York e Washington (idem) 2 A. PARTE : MÍDIA IMPRESSA 2 A -MÍDIA IMPRESSA BRASILEIRA - JORNAIS Capítulo 3 - O Dia da Infâmia - Eduardo Manhães

10 "Trata-se de uma análise de discurso das matérias de O GLOBO imediatamente posteriores ao episódio de 11 de setembro de 2001, em que as Torres Gêmeas foram derrubadas...fica evidente que o modo de noticiar está baseado na oposição entre civilização e barbárie característica do discurso épico, reduzindo o ocorrido à natureza truculenta do ato, sem contextualizá-lo na ordem social e política do capitalismo globalizado..." ( retirado do autor ) Os atentados foram comparados ao ataque japonês à base de Pearl Harbor, no Havaí, em 7 de dezembro de 1941, data conhecida como o Dia da Infâmia, que fez com que os EUA entrassem na Segunda Guerra. O dia 11 de setembro de 2001 também mudará a história americana: Os Estados Unidos irão encontrar os responsáveis e puni-los ( idem). Capítulo 4 - Os Dez Dias que Abalaram o Mundo e um Novo TIMING para a Política Internacional dos estados Unidos - Lara Haje " A série de oito reportagens - Os Dez Dias que Abalaram o Mundo - publicada pelo jornal norte-americano WASHINGTON POST e reproduzida pelo CORREIO BRAZILIENSE no período de 30 de janeiro a 06 de fevereiro de 2002, propõe-se a ser o trabalho de reconstituição mais detalhado publicado até hoje sobre os dez dias posteriores ao ataque às Torres Gêmeas em 11 de novembro de A escolha de relatar os meandros da reação da Casa Branca aos atentados, sem qualquer tipo de contraposição no que diz respeito à posição do outro, revela um trabalho que contraria os princípios básicos de um jornalismo pretensamente imparcial, de ouvir, no mínimo, os diferentes lados envolvidos em um fato". ( retirado da autora ) As reportagens mostram detalhes minuciosos da reação da Casa Branca: de pensamentos do presidente George W. Bush a declarações de diferentes membros do governo norteamericano, passando pelas atitudes tomadas em cada momento do dia. O jornalista aceita a versão dos fatos de apenas um dos lados envolvidos nos acontecimentos governo americano ainda que os dados tenham sido colhidos com várias fontes desse governo. Fontes estas, portanto, que compartilham visão semelhante sobre o assunto. A contraposição da informação base do jornalismo político está completamente ausente do texto ( idem ) 2B - MÍDIA IMPRESSA BRASILEIRA - REVISTAS Capítulo 5 - Sobre o 11 de Setembro: Notícia, Opinião e Recepção em VEJA - Sérgio Euclides de Souza e Érica Andrade " De que forma e em que medida VEJA, a revista semanal de informação de maior circulação no País, atendeu à nossa exortação de que a tragédia de terça-feira exige de todos nós um reconhecimento sóbrio da sua complexidade. Aqui, a cobertura jornalística não pode restringir-se ao factual, a despeito do seu horror patente: ela precisa ser analítica; tratar os fatos em questão da perspectiva de suas causas, implicações, desdobramentos e consequências; ser generosamente abrangente na abordagem dos diferentes pontos de vista envolvidos... Imaginar que é possível um mundo no qual a imensa diversidade de crenças, concepções e modos de vida seja reduzida a um conflito de morte entre duas

11 abstrações - "nós e eles" - implica submetermo-nos, sem exceções, ao risco da destruição total" ( retirado dos autores ). O verdadeiro alvo visado pelos terroristas que atacaram Nova York e Washington na semana passada não foram as Torres Gêmeas do sul de Manhattan nem o edifício do Pentágono. O atentado foi cometido contra um sistema social e econômico que, mesmo longe da perfeição, é o mais justo e livre que a humanidade conseguiu fazer funcionar ininterruptamente até hoje... Foi uma agressão perpetrada contra os mais caros e mais frágeis valores ocidentais: a democracia e a economia de mercado. ( revista Veja nº 1718, de 19/9/01). Capítulo 6 - Manifestações Midiáticas do Atentado de 11 de Setembro na ISTO É - Carlos Eduardo Fonseca A revista ISTOÉ possui uma forma diferenciada de tratar a notícia. Percebe-se a utilização de recursos retóricos na produção das reportagens e editoriais, de forma que o leitor é conduzido a uma conclusão que não é a sua, mas do editor da revista... Neste material, foram identificadas técnicas de redação que provocam a alegorização das matérias em função de interpretações do autor para o atentado. Alegoria é a representação de uma idéia por meio de imagens ( retirado do autor ). A narrativa é construída de forma a imbuir o leitor de que o atentado é um ocorrido fantasioso. Os dois parágrafos seguintes tratam o choque dos aviões contra as torres do World Trade Center (WTC) e contra o Pentágono como um trailer ou mesmo um filme estadunidense, configurando uma espetacularização do ocorrido. Havia mais. Como grand finale, os dois gigantescos prédios em chamas do WTC ruíram, levantando uma fumaça que escondeu toda a parte sul de Manhattan. Para completar o roteiro desta terrível peça real que acaba com qualquer ficção já imaginada em Hollywood, o outrora impenetrável Pentágono, centro de defesa americana, foi parcialmente demolido por um terceiro avião (idem). Capítulo 7 - Queda no Olimpo: A Cobertura de 11 de Setembro na Revista Caras - Josi Anne Paz "O perfil editorial de CARAS não era compatível com a cobertura investigativa e analítica que o fato exigia e, ainda assim, a revista realizou um conjunto de reportagens e editou um vídeo sobre o caso Nova York - World Trade Center". Quando a revista afirma que ninguém pode dizer que o mundo inteiro não ficou indiferente ou que o mundo de celebridades não ficou indiferente, acabou construindo o sinônimo entre sentimento das celebridades igual a sentimento do mundo. Gerald Thomas explica ao espectador leigo (TV Bandeirantes ) o que realmente aconteceu no dia 11 de setembro: sendo as duas torres as mais altas da cidade de Nova York - que é conhecida pela vanguarda na luta pelas causas sociais (todos os movimentos progressistas começaram aqui, desde os movimentos artísticos modernistas até a gay and wooman's liberation ), o ataque ao Word Trade Center é uma ataque a todas essas novas conquistas"( retirado da autora). 2C MÍDIA IMPRESSA - ASSESSORIAS Capítulo 8-11 de setembro: um "negócio das arábias" para a imagem do governo Bush - Valéria Castanho

12 Este trabalho tem como objeto de estudo a imagem institucional do governo Bush após 11 de setembro. O objetivo é mostrar como os atentados terroristas beneficiaram o presidente americano, que, até então, já com oito meses de mandato, amargava índices enormes de impopularidade, para de um dia para o outro, romper a casa dos 80% de aprovação, tornando-se, então, um herói nacional. Através, principalmente, de matérias e artigos publicados no CORREIO BRAZILIENSE e nas revistas VEJA E ÉPOCA, procurou-se analisar o discurso que estava sendo veiculado em vários cantos do planeta entre setembro de 2001 e meados abril de 2002, para observar o homem falando. Tentamos mostrar também que, se essa imagem de super-herói não se internacionalizou foi devido à própria política isolacionista adotada pelo presidente, que, passando a pautar a sua plataforma de governo em cima da guerra contra o o terror, começou a exigir essa mesma contrapartida ( retirado da autora ). 3 a. PARTE: MÍDIA ELETRÔNICA/TV Capítulo 9 - Guerra, Televisão e Superexcitação dos corpos: ensaio de reflexão acerca dos atentados de 11 de setembro de Maria Cristina Franco Ferraz Este ensaio explora os vínculos entre guerra e televisão, analisando certos aspectos dos ataques ao WTC e ao Pentágono, no dia 11 de setembro de Estabelece relação entre o front mediático configurado pelo Pentágono e pelo Cable News Network - CNN, quando dos conflitos dos anos 90 no Golfo Pérsico e os recentes atentados ao centro nevrálgico do Império. ( retirado da autora ) Como durante a Guerra do Golfo, também na terça-feira 11 de setembro foi muito difícil esquivar-se da mira da televisão. Nossos corpos tornaram-se de fato alvos nervosos do tubo catódico. Assim como os quatro aviões de linha comercial, essa arma potentíssima de instauração e captura de regimes de temporalidade, dos afetos e corpos das populações foi, naquele dia, desviada e, de modo inaudito, completamente inesperado, posta a serviço daqueles que atacaram e destruíram as Torres Gêmeas do WTC, em Nova York. (idem) 4 A.PARTE: PUBLICIDADE Capítulo 10 - PUBLICIDADE E A VENDA DE UM NOVO HERÓI NÃO HOLLYWOODIANO Efeito Colateral: Um Novo Herói Surge na Linguagem Publicitária Após 11 de Setembro - Clémence Delannoy Homer e Mauro Castro " A cultura norte-americana tinha sido atingida. Todas as crenças de honestidade, justiça, igualdade e liberdade foram atacadas por um inimigo. A economia, caracterizada pela Bolsa de Valores de Nova York, marcava o medo e o receio dos investidores, cidadãos do país. Havia um composto cultural que foi prontamente abalado, o consumismo. A mídia e a publicidade precisavam avaliar como comunicar com o seu público. Ligado ao processo de comunicação de massa houve uma * substituição dos antigos e tradicionais super-heróis por pessoas comuns. No mesmo

13 dia 11 a figura de bombeiros subindo as escadas do World Trade Center, momentos antes da queda das torres, caracterizavam os novos heróis norte-americanos. Pessoas comuns apareciam com mais frequência nas TVs, revistas e jornais. A substituição não foi planejada, o governo não teve tempo para preparar super-heróis. A mídia não pôde sobrepor com qualquer astro de cinema o esforço individual da população e das forças de segurança pública. Não era ficção. Começou então, logo depois do evento, um questionamento e reavaliação dos valores centrais à identidade norte-americana. A maioria da população não tinha noção do grau, nem da profundidade, do sentimento anti-norte-americano compartilhado por tantas pessoas no mundo inteiro. Depois do 11 de setembro a natureza e a necessidade do consumo mudaram, se tornaram mais complexas. O fato de comprar agora podia se transformar num ato patriótico, um desafio às dúvidas nacionais e mundiais sobre o destino da nação. A primeira tarefa do governo foi de reafirmar, entre o seu povo, a força da cultura norte-americana. A propaganda e as mídias começaram a serem usadas pelo governo para vender a imagem de uma nação forte, inocente e unida." ( retirado dos autores). 5 A. PARTE: CONTEXTOS E LEITURAS DE ACONTECIMENTO 5 A Arte e cultura Capítulo 11 - Mil Imagens em uma só palavra - Lucas Clavijo ( em CD que acompanha o livro ) " São fotos de Nova York, inicialmente captadas na internet, na televisão, nos jornais e nas revistas, e depois também tiradas dos escombros do local do atentado, durante o mês de junho de 2002, há dez meses do trágico evento. Não existem vítimas, isto é, fotos das pessoas que morreram, quase 4 mil; as fotos traduzem verticalmente a queda de poderes, jamais tocados e ultrajados". ( retirado do autor ) Os dias seguintes ao atentado ficaram marcados pelas imagens da tragédia, repetidas vezes no noticiário da televisão e também pela web, internet viciada em imagens de terror. Até que ponto, os seres humanos são capazes de suportar em um grau tão excessivo a realidade (idem) Capítulo 12 - O Poética do Terror - Walter Menon A guerra como espetáculo para a mídia. Permanecemos no campo da estética da guerra como apontada por Walter Benjamin. Onde então encontrar os elementos marcantes para este pensador, que constituem a guerra como fenômeno de massa espetacularizado? Já não podemos tê-los tão claramente à nossa frente, no entanto eles encontram-se, ainda que de forma diluída, por toda a produção e transmissão televisiva do atentado. O 11 de setembro, à primeira vista, surge, isto é, simplesmente se produz nas telas de TV com todo o peso da gratuidade de um gesto estético sem autor, desvinculado de toda relação visível com as esferas estruturais da sociedade". ( retirado do autor ) Capítulo 13 - A Terceira Torre: Por uma Leitura Arquetípica da Catástrofe - Suyan de Mattos

14 " Lembro-me do ocorrido no dia 11 de setembro de 2001 com a nitidez do imediato: dois aviões se chocaram contra as duas maiores torres dos Estados Unidos. Tudo destruído. Mas o que significa aquilo? Comecei a procurar todas as imagens relacionadas com os destroços deixados por esse fato histórico. Alguns já diziam que o fim do século XX tinha sido a queda do muro de Berlim e o início do XXI seria a queda das Torres Gêmeas. Pouco depois revi uma imagem que me surpreendeu: a Torre de Tatlin, uma escultura do início do século XX, que me parecia uma referência direta aos escombros das Torres Gêmeas. Logo comecei a fazer um apanhado sucessivo de todas as imagens que pudessem vir a ter correlação significativa. Ocorreu-me a questão: o que foram as torres das catedrais medievais? Por que buscam os homens ligar a terra ao céu?... Em minha abordagem, às Torres Gêmeas somam-se a Torre de Tatlin e a do Tarô ( a Torre de Babel ). A Torre de Babel é uma explicação mítica para as diferenças culturais, manifestas aqui em conflitos linguísticos. Temos então a Torre de Babel, por fundar as diferenças, e a Torre de Tatlin, idealizando a retomada da unidade mundial ( na qual o comunismo nega a diferença). Traduziríamos Torre de Babel como fim da unidade e o início da diferença, e a Torre de Tatlin, como uma nova proposta de unidade e pelo fim da diferença, e aqui retomaríamos às Torres Gêmeas pela institucionalização da diferença, por uma globalização que não passa pela busca da igualdade". (retirado da autora) Capítulo 14 - ÊXTASE OU INOCÊNCIA? - Bárbara Costa Morei em Nova York 18 anos e estava em Brasília caminhando, ouvindo meu walkman, quando ouvi o locutor dar a notícia. Inicialmente achei que não fosse verdade, as minhas pernas ficaram bambas e senti um frio no corpo inteiro. Coloquei a chave na fechadura com as mãos tremendo e ouvi o telefone disparando. Ela ( minha melhor amiga ) ligou para avisar que metade da minha turma do segundo grau tinha morrido, pois a maioria trabalhava como bombeiro. Outro depoimento, oposto ao primeiro: Na hora a euforia foi total,eu achei o máximo! Putz!Nossa e agora? eles vão cair e tal. Depois a gente teve acesso à TV e assistia às imagens. Então, nessa hora eu fiquei preocupado, não havia motivo algum para ficar eufórico, quem ia se ferrar agora ia ser a gente. - O que mudou na vida das pessoas após o episódio de 11 de setembro? Estas questões foram feitas a alunos do quarto semestre de Comunicação Social ( do IESB), na disciplina Psicologia Aplicada à Comunicação.O estudo teve uma orientação etnometodológica, com uma abordagem qualitativa, dando ênfase à compreensão do fenômeno". ( retirado de depoimentos colhidos pela autora) 5B economia e política Capítulo 15 - VELOCIDADE E VIOLÊNCIA - Dromocracia como regime transpolítico da cibercultura - Eugênio Trivinho "Alçada a vetor organizatório da existência contemporânea, a lógica da velocidade irradia para todos os setores a imagem de um mundo feito à sua semelhança, estrutura o seu regime hierárquico no plano da invisibilidade e se apresenta como a forma mais sutil da violência téncica". ( retirado do autor ) Capítulo 16 -GLOBALIZAÇÃO DAS COMUNICAÇÕES UMA NOVA GUERRA FRIA EM TRÊS FRENTES Luiz Martins da Silva O mundo ficou, de fato, global, mas menos universal; na verdade, quase unidimensional e monologal, uma vez que o panorama da difusão internacional encontra-se compactado pela atuação oligopólica de quatro agências de notícias, dez corporações de entretenimento e por uma centena de grupos de publicidade. ( retirado do autor )

15 Capítulo 17 - A FACE OCULTA DO 11 DE SETEMBRO Zélia Leal Adghirni Um ano depois do ataque ao WTC que revelou ao mundo a face mais extremista de um mundo mulçumano irado, a névoa volta a cair sobre a realidade de um povo que se tornou sinônimo de terror. É lamentável ter que se constatar que foram necessários a destruição de duas torres e a morte de milhares de inocentes para que uma outra maneira de ser enxergar o mundo viesse à tona. (retirado da autora ) 6 A. PARTE: VINCULAÇÕES METODOLÓGICAS E PROCEDIMENTOS INTERPRETATIVOS Capítulo 18 - A Imprensa e a Construção do Discurso sobre a Ciência: A Explosão da Bomba de Hiroshima - Dione de Oliveira Moura Diante das pressões que a imprensa recebe na atualidade para dar conta de um recorte/retrato mais contextualizado e justo da realidade social, é importante observar o discurso da imprensa construindo e reconstruindo o DIZÍVEL( o que pode ser dito) e insinuando o NÃO-DITO ( em um interminável jogo de esconde-esconde discursivo). É esse possível equilíbrio entre o dizível e o não dito, que nos possibilita perceber o lugar de fala do A SER DITO ( aquele discurso ainda não aceito pela imprensa, ainda marginal, mas que reivindica espaço e voz". Como parte interpretativa, faz-se a análise da manchete do jornal MANCHESTER GUARDIAN que anunciou a explosão da Bomba de Hiroshima, em 7 de agosto de O artigo analisa como foi construída essa imagem da Ciência como vencedora da Segunda Guerra". ( retirado da autora ) Da pesquisa ao livro: Como já mencionado, este livro tem como perspectiva expor o redimensionamento das possibilidades objetivas e interpretativas presentes nas áreas do jornalismo e da publicidade e propaganda, buscando criar formas novas de informação e de percepção estética do real, mesmo quando o desafio à vista seja debruçar-se sobre trágicos acontecimentos. O jornalismo, que não se limita a noticiar fatos, mas que desempenha com ousadia sua capacidade de ser também uma forma a priori de revelar e velar acontecimentos, encontra na publicidade e na propaganda uma parceria que se afirma pelo apreço a formas de sentimentos e emoções das pessoas na construção da realidade. Maurice Mouilllaud diz: Ao mesmo tempo em que a figura tem uma profundidade, um aquém a que se refere, ela é um relevo: promover uma imagem ou uma informação é destacar do real uma superfície, um simulacro ( na linguagem estóica da percepção ) que vem à frente com relação a um fundo sem imagem. ( MOUILLAUD e PORTO, 1997, p.37 ) Numa perspectiva pragmática do interacionismo simbólico e de uma de suas subáreas, mais conhecida como dramaticismo, abordagem da comunicação que esteve em voga dos anos 20 a 60 nos Estados Unidos, seus principais autores Kenneth Burke e Dalziel Hugh Duncan justificavam a substituição do tradicional paradigma da

16 comunicação como informação (emissor, receptor, canal, mensagem, intenção e feedback) pela proposta dramaticista ( ato, cena, agente, agência(vitimação) e intenção/proposta/ catarse), que significa compreender e acolher a dimensão catártica da própria comunicação, saindo um pouco da elaboração fria de uma engenharia de sistemas que pensou inicialmente a informação, pelos idos de Na medida em que noticiar fatos, interagir com o outro, mover vontades, denunciar erros de governantes e da humanidade, sofrer simpaticamente com o outro, são características, até naturais, do conhecimento e do agir comunicativos, sentimos que uma esfera intencional motivadora preside todo e qualquer ato comunicativo, seja ele de informação e também de propaganda. Burke diz: O que está envolvido, quando dizemos o que as pessoas estão fazendo, e por que o fazem? Uma resposta a esta pergunta está ligada com as formas básicas do pensamento, as quais, de acordo com a natureza do mundo necessariamente experimentado por todos os seres humanos, são exemplificadas através da atribuição que damos aos nossos motivos e intenções. Pode-se hoje simplificar o assunto através deste pentadlo de termos chaves: Ato, cena, agente, agência, proposta, os quais podem ser entendidos quase em um relance (BURKE, 1945, p. XV). Certamente um fato que merece ser notícia passa por essa triagem da motivação humana, na medida em que consegue atrair e envolver simpaticamente receptores e leitores. Ora, o ataque terrorista a que nos referimos, com suas diversas representações midiáticas, numa perspectiva pragmática, interacionista simbólica e dramaticista, encontra resposta imediata nas motivações das pessoas e também nas suas intenções, as mais profundas. Se, como já nos referimos acima, a linha de pesquisa em que se insere o presente trabalho de investigação se situa no campo dos Estudos Culturais, e se, por definição e conceito dado por Richard Johnson, estes estudos mostram o lado subjetivo das relações sociais, embora correndo o risco de perigosa redução, como adverte o próprio autor citado, essas mesmas relações subjetivas requerem e justificam o método da Análise de Discurso, na medida em que os textos que nós estudamos são produzidos sob forma de discurso, que são os momentos precisos em que os sujeitos se inserem na produção da linguagem. Portanto, uma aproximação entre Interacionismo Simbólico e Estudos Culturais Contemporâneos, identificados neste trabalho como linha de pesquisa, esforço teórico e epistemológico, e a Análise de Discurso, identificada aqui como método de investigação, ao que tudo indica, pode resultar num casamento de bons frutos. 11 de setembro em Nova York: A Incompreensão das Diferenças é, portanto, um livro fiel às perspectivas teórico/epistemológicas do Interacionismo Simbólico e dos Estudos Culturais Contemporâneos, e também ortodoxamente ligado à metodologia da Análise do Discurso, mostra gestalticamente diversas possibilidades de leituras, inúmeros enfoques sobre os trágicos acontecimentos de um ano atrás na cidade de Nova York e Washington, e que são, ao mesmo tempo, símbolos e/ou alegorias de um mundo próspero, imponente e em crise de relacionamento. Segundo Eni Puccinelli Orlandi: Problematizar as maneiras de ler, levar o sujeito falante ou o leitor a se colocarem questões sobre o que produzem e o que ouvem nas diferentes manifestações da linguagem, são funções próprias da análise do discurso. Não temos como não

17 interpretar. Isso nos coloca em estado de reflexão e, sem cairmos na ilusão de sermos conscientes de tudo, permite-nos ao menos sermos capazes de uma relação menos ingênua com a linguagem.(orlandi, 2000, p.9). Este livro não pretende ser porta-voz da verdade dos fatos, apenas analisa, com rigor metodológico, possibilidades de representações e significações construídas principalmente pela mídia. Os conceitos e interpretações aqui expostos são de inteira responsabilidade interpretativa dos autores que assinam seus artigos/capítulos, muito embora todas eles não deixem de ser feixes de possibilidades e de impossibilidades, tal como Santo Agostinho definia os signos e símbolos. O livro traz diversas leituras que se produziram na interação fenomenológica de sujeito e objeto, que sem se deixar levar por subjetivismos, trazem, no entanto, intervenções de sujeitos sobre uma realidade histórica. Como diz Eni Orlandi, observando-se o funcionamento da linguagem na sociedade ( o procedimento dos escritores competentes e dos leitores competentes, por exemplo) podem-se apreender os mecanismos pelos quais fixam-se certos sentidos ( e não outros ) ( ORLANDI, 1988, p.21 ). O que lutamos contra pode ser resumido em três propostas: não existem o autor onipotente, a transparência do texto e o leitor onisciente, como também afirma Eni Orlandi ( ORLANDI, 1988, p.11) : Gostaria aqui apenas de chamar a atenção para o fato de que a relação entre autor, leitor e texto nega a possibilidade de pensar-se: a um autor onipotente, cujas intenções controlassem todo percurso da significação do texto; b a transparência do texto, que diria por si toda ( e apenas uma ) significação; e, ainda c um leitor onisciente, cuja capacidade de compreender dominasse as múltiplas determinações de sentidos que jogam em um processo de leitura (ORLANDI, 1988, p.11). Ao distinguirmos este livro com o título: 11 de setembro em Nova York A Incompreensão das Diferenças desejamos ser fiéis a uma de nossas vinculações metodológicas, seguindo a linha proposta por Dominique Maingueneau, de que a identidade de um discurso coincide com a rede de incompreensão no qual é tomado, conforme afirmamos no início desta apresentação. Um pouco menos radical, mas de igual valor epistemológico, gostaríamos também de nos vincular à proposta de Orlandi: O sujeito não se apropria da linguagem num movimento individual. A forma dessa apropriação é social. Nela está refletido o modo como o sujeito o fez, ou seja, sua interpelação pela ideologia. O sujeito que produz linguagem também está reproduzido nela, acreditando ser a fonte exclusiva de seu discurso, quando, na realidade, retoma sentidos preexistentes. ( ORLANDI, 1988, p.19) Por fim, esta trajetória de pesquisa, que traz a marca explícita de uma escolha epistemológica e metodológica do Interacionismo Simbólico, dos Estudos Culturais Contemporâneos e da Análise de Discurso, não poderia ter sido realizada sem o apoio institucional do CNPq Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, e do IESB Instituto de Educação Superior de Brasília. Sérgio Dayrell Porto Coordenador da pesquisa e organizador do livro

18 Bibliografia: MAINGUENEAU, Dominique. Genèses du Discours. Bruxelas, Pierre Mardaga, 1984 FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo, Loyola, 2000 ORLANDI, Eni Puccinelli (org.). Gestos de Leitura. Campinas, Editora da Unicamp, 1994 ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso de Leitura. Campinas e São Paulo, Editora da Unicamp e Cortez, 1988 ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso Princípios & Procedimentos. Campinas, Pontes, HALL, Stuart. Identidades Culturais na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro, DP&A Editora, 1997 HALL, Stuart. Who Needs Identity in Identity: A Reader. London, Sage Publications e The Open University, JOHNSON, Richard. O Que É, Afinal, Estudos Culturais? in O Que É, Afinal, Estudos Culturais. Organizado por Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte, Autêntica, HANSEN, Joao Adolfo. Alegoria Construção e Interpretação da Metáfora. São Paulo, Atual Editora, 1986 PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica e Filosofia. São Paulo, Cultrix, 1972 MOUILLAUD, Maurice e Sérgio Dayrell Porto ( org,) O Jornal da forma ao Sentido. Brasília, Paralelo 15, 1997 BURKE, Kenneth. A Grammar of Motivies. University of Califórnia Press, 1945.

19 SUMÁRIO Prefácio Prof. José Salomão David Amorim Apresentação Prof. Sérgio Dayrell Porto 1 a. parte Internet Capítulo 1 - O mito e o potencial das fantasias cômicas sobre o 11 de setembro na internet prof. Marco Antonio Pires Lima Capítulo 2 O bem contra o mal: a representação do discurso de Bush na imprensa prof. José Romildo de Oliveira Lima

20 2 a. parte 2A - Mídia impressa - jornais Capítulo 3 O dia da infâmia Prof. Eduardo Dias Manhães Capítulo 4 Os dez dias que abalaram o mundo e um novo timing para a política internacional dos Estados Unidos profa. Lara Haje 2B - Mídia impressa revistas semanais Capítulo 5 Sobre o 11 de setembro: notícia, opinião e recepção em Veja prof. Sérgio Euclides Braga Leal de Souza e profa. Érica Andrade Capítulo 6 Manifestações midiáticas do atentado de 11 de setembro na Isto É Carlos Eduardo Fonseca ( aluno do 6º semestre de jornalismo bolsista de Iniciação Científica do CNPq) 2C Mídia impressa/multimídia revistas de entretenimento/cd Capítulo 7 Queda no Olimpo: a cobertura de 11 de setembro na revista Caras profa. Josi Anne Paz 2D - Mídia impressa assessorias Capítulo 8 11 de setembro: um negócio das arábias para a imagem do governo Bush profa. Valéria Castanho 3 a. parte Mídia Eletrônica: TV Capítulo 9 Guerra, televisão e superexcitação dos corpos: ensaio de reflexão acerca dos atentados de 11 de setembro de 2001 profa. Maria Cristina Franco Ferraz 4 a. parte: Publicidade Capítulo 10 Efeito colateral: um novo herói surge na linguagem publicitária após 11 de setembro profa. Clémence Delannoy Homer e prof. Mauro Castro 5 a. parte Contextos e Leituras de Acontecimento 5 A Arte e Cultura Capítulo 11 Mil imagens em uma só palavra prof. Lucas Clavijo Capítulo 12 A poética do terror prof. Walter Menon Capítulo 13 A terceira torre: por uma leitura arquetípica da catástrofe profa. Suyan de Mattos Capítulo 14 Êxtase ou Inocência profa. Bárbara Costa

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA Themis Rondão Barbosa 1 IFMS Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um texto publicitário da SKY publicado na revista Veja (n.

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Inovação e o Telejornalismo Digital

Inovação e o Telejornalismo Digital Inovação e o Telejornalismo Digital Prof. Antonio Brasil Cátedra UFSC - RBS 2011 Telejornalismo Digital Novas práticas, desafios e oportunidades O que é Telejornalismo Digital Inovação tecnológica Interatividade

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Fotografia: Rumos 1. Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE

Fotografia: Rumos 1. Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE Fotografia: Rumos 1 Mahamed PRATA 2 Wilton MARTINS 3 Universidade de Fortaleza, Fortaleza - CE RESUMO O presente artigo descreve o processo criativo e produtivo da fotografia de capa da revista A Ponte

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

JE SUIS CHARLIE EU SOU CHARLIE. Dois pontos de vistas

JE SUIS CHARLIE EU SOU CHARLIE. Dois pontos de vistas JE SUIS CHARLIE EU SOU CHARLIE Dois pontos de vistas 1. INTRODUÇÃO Paris, França, 7 de janeiro de 2015, mais precisamente na sede do jornal Charlie Hebdo às 11h33, dois homens dão início ao maior atentado

Leia mais

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS RESENHA A CORAGEM DA TEORIA ORLANDI, E. P. Ciência da Linguagem e Política: anotações ao pé das letras. Campinas: Pontes, 2014, 128 pp. Pensar sozinho isto é sábio. Nietzsche para ler ao som de Panis et

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA Figura 1 - Francisco Paoliello Pimenta, professor na Universidade Federal de Juiz de Fora acervo pessoal de Francisco Paoliello Pimenta Não há separação entre o conhecimento

Leia mais

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN)

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) 25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) Introdução Nesta pesquisa, desenvolve-se um trabalho pautado nos

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil de Melo Salgueiro, Eduardo "O MAIOR

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS Geralda Maria de Carvalho Zaidan Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP Introdução Este trabalho pretende constituir-se numa síntese da

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda

Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda Contextos sobre o crescimento dos cursos de Publicidade e Propaganda TOMITA, Iris Y. mestre Unicentro - PR RESUMO A expansão dos cursos de Publicidade e Propaganda nos anos 1990 reflete um contexto histórico

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo

A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite Preâmbulo A Escola Livre de Teatro e O alfabeto pegou fogo Vilma Campos dos Santos Leite UFU Universidade Federal de Uberlândia Palavras chave : Formação Teatral; Pedagogia do Teatro; História do Teatro Preâmbulo

Leia mais

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES Cristiane Renata da Silva Cavalcanti 1 Silmara Dela Silva 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atravessada pela historicidade constitutiva do

Leia mais

Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador

Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador Luciana Maria Crestani (UPM-SP) RESUMO: Este artigo faz uma reflexão sobre perspectivas enunciativas que se abrem a partir dos recursos da internet

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2

Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2 Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2 Resumo: Com a ascensão das novas tecnologias muitos campos de saber estão aos poucos

Leia mais

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER

MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER MÍDIA EDUCAÇÃO: UM LONGO CAMINHO A PERCORRER Maria Elisabeth Goidanich O presente seminário foi dividido em quatro partes para melhor entendermos o que é mídia educação e o que podemos fazer a respeito

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014.

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. Aprova o Guia para o Relacionamento com a Imprensa do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 50 Discurso no Economic Club de Nova

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes. Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes.

SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes. Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes. SEMANA DO SERVIDOR PÚBLICO sugestão de palestrantes Otimize seu orçamento e mantenha um bom nível de palestrantes. resultados positivos para os servidores? qualidade de vida fernando rocha wesley schunk

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas.

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas. TROCAS NA INTERNET COM ESPAÇOSTEMPOS CURRICULARES CALDAS, Alessandra da Costa Barbosa Nunes UERJ ANDRADE, Nivea Maria da Silva UERJ CORDEIRO, Rosangela Lannes Couto UERJ GT-12: Currículo Agência Financiadora:

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM

Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM Anexo I Ementário das Modalidades conforme Categorias DA EXPOCOM JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada a agências de jornalismo experimentais, criadas, desenvolvidas

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho # Tantas # Edição 01 # Ano 01 Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho Editorial Missão e Valores

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

O JORNALISMO DE DOMINIQUE WOLTON E AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS BRASILEIROS DE JORNALISMO 1

O JORNALISMO DE DOMINIQUE WOLTON E AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS BRASILEIROS DE JORNALISMO 1 O JORNALISMO DE DOMINIQUE WOLTON E AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS BRASILEIROS DE JORNALISMO 1 Rebecca Batista Vicente Faculdade de Jornalismo Centro de Linguagem e Comunicação vicente.rebecca@gmail.com

Leia mais

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito.

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Século XXI Oficialmente, o século XXI, inicia-se cronologicamente no final do ano 2000. Historicamente podemos destacar que os eventos que aconteceram um ano após a entrada do novo milênio marcam a chegada

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 93/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Jornalismo, Bacharelado,

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE. Resumo SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE Cleide Aparecida Carvalho Rodrigues 1 Resumo A proposta para a realização do SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO EM REDE surgiu durante uma das atividades do Grupo de Estudos de Novas Tecnologias

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

Curso de Comunicação Social da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE Presidente Prudente-SP.

Curso de Comunicação Social da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE Presidente Prudente-SP. 500 DE QUAL MEIO AMBIENTE? Ana Luiza Barilli Nogueira, Munir Jorge Felicio Curso de Comunicação Social da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE Presidente Prudente-SP. RESUMO A comunicação social se auto

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR

O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR Silmara Cristina Dela Silva 1 Este trabalho é parte de uma pesquisa

Leia mais

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS RELACIONADOS À FUNÇÃO REFERENCIAL: RESUMO RESUMO DESCRITIVO > Resume estrutura temática > Inclui

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS. (certificado pelo CNPq e pela UEMS)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS. (certificado pelo CNPq e pela UEMS) UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS (certificado pelo CNPq e pela UEMS) ATIVIDADES 2009 - Projeto de Evento Segundo Semestre II Encontro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4000 - JORNALISMO MISSÃO DO CURSO O curso de Jornalismo do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar o profissional dentro

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA. NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA. NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA NÍVEL VII e VIII-MANHÃ; NÍVEL IX e X-NOITE PROFESSORES - ORIENTADORES PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO Adriana S. Kurtz Mídia e cultura de massa Cinema

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE: RESOLUÇÃO Nº /00-CEPE 1 Fixa o Currículo Pleno do Curso de Comunicação Social, Habilitações em Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade e Propaganda, do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes. O,

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE

NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE NOVO MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ADAPTADA À RESOLUÇÃO 001/2013 - CNE 1º Período TEORIA DA COMUNICAÇÃO I Conceitos de comunicação e de comunicação social. Contexto histórico do surgimento da

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE: O PENSADO O VIVIDO DE SUA NECESSIDADE ÀS BARREIRAS ENFRENTADAS

INTERDISCIPLINARIDADE: O PENSADO O VIVIDO DE SUA NECESSIDADE ÀS BARREIRAS ENFRENTADAS INTERDISCIPLINARIDADE: O PENSADO O VIVIDO DE SUA NECESSIDADE ÀS BARREIRAS ENFRENTADAS Adriana Azevedo Paes de Barros Doutoranda em Comunicação Social e Professora UMESP Não existe nada mais prático do

Leia mais