ESPAÇOS DISCURSIVOS, GEOGRÁFICOS E AFETIVOS NA LITERATURA DIASPÓRICA CONTEMPORÂNEA Leila Assumpção Harris ( UERJ)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPAÇOS DISCURSIVOS, GEOGRÁFICOS E AFETIVOS NA LITERATURA DIASPÓRICA CONTEMPORÂNEA Leila Assumpção Harris ( UERJ)"

Transcrição

1 ESPAÇOS DISCURSIVOS, GEOGRÁFICOS E AFETIVOS NA LITERATURA DIASPÓRICA CONTEMPORÂNEA Leila Assumpção Harris ( UERJ) Você sente falta da sua terra? Às vezes sinto, mas não quero viver lá. E você, tem saudades da Síria? Tenho, às vezes. Saudades de Damasco, dos cheiros,... mas agora minha casa é aqui. O diálogo entre Zainab, natural do Senegal, há dois anos nos Estados Unidos,e Mouna, que veio da Síria há quase dez faz parte do filme O Visitante, produzido por Thomas Mc Carthy em 2007 e ambientado em Nova Iorque pós 11 de setembro. As duas mulheres estão no país ilegalmente, conscientes de que qualquer deslize por menor que seja, pode precipitar a expulsão do lugar que escolheram como sua casa e o retorno à terra de origem, abandonada por questões de ordem política, financeira e até mesmo de segurança pessoal. O drama pessoal envolvendo os personagens do filme se desenrola simultâneamente a um encontro acadêmico que tem como tema o crescimento econômico das nações em desenvolvimento e que promove os benefícios da globalização para esses países. Há outros momentos no filme que nos fazem pensar nas relações de poder que regem as comunidades transnacionais, mas o breve diálogo entre Mouna e Zainab é suficiente para colocarmos em discussão conceitos como lar/pátria, pertencimento, acolhida. A escolha de um lugar mais desejável no caso os Estados Unidos não implica necessariamente na rejeição da terra de origem. Zainab e Mouna admitem que vez por outra sentem falta do que ficou para trás. Como James Clifford sugere, os processos de esquecimento, assimilação e distanciamento certamente atuam sobre o sujeito diaspórico, mas laços fortes perduram (Clifford:1994, p. 310). Por outro lado, como Avtar Brah aponta nem todo processo diaspórico acolhe uma ideologia de retorno (Brah:1996, p. 16) No filme, as duas personagens deixam claro que não desejam retornar à terra natal, mas a revelação ocorre em uma conversa particular. Ambas sabem que a acolhida (ou não) pelo país escolhido está atrelada a fatores que independem de suas escolhas pessoais. Na verdade, O Visitante sugere que os 36

2 princípios que determinam quem é aceito (ou não) são de ordem política e perpassam questões de gênero, raça e etnia. A edição revisada de New Key Words: A [Revised] Vocabulary of Culture and Society, editada por Tony Bennett, Lawrence Grossberg e Meaghan Morris e publicada em 2005 inclui o verbete home (lar/patria), que ocupa cerca de duas páginas. A abrangência e ambivalência do termo se fazem presentes já na definição inicial, através dos substantivos descanso, estabelecimento e movimento, continuam na explicação de que se trata de um local tanto de origem como de retorno, real ou imaginário (162), e perduram na conclusão de que na contemporaneidade o termo abarca de maneira mais ampla e fluida as tensões entre viajar e morar, transitar e se fixar (164). Tanto o verbete quanto estudos crítico-teóricos sobre as diásporas contemporâneas colocam em relevo o significado especial e complexo (e eu acresentaria visceral) do termo lar/pátria para migrantes e seus descendentes. Os movimentos migratórios contínuos e em grande escala, intensificados a partir da segunda metade do século XX e motivados em grande parte por premências político-econômicas vêm contribuindo para a re-avaliação e desconstrução de cartografias e de categorias epistemológicas. As rupturas desencadeadas a partir de deslocamentos múltiplos geográficos, culturais, linguísticos e psíquicos afetam marcadamente as relações de gênero, em especial as mulheres, que precisam negociar com duas ou mais culturas enquanto repensam suas afiliações nacionais e até mesmo categorias epistemológicas tais como nação, lar e comunidade. Considerando-se que a distinção entre espaço público e espaço privado está firmemente arraigada no imaginário da sociedade patriarcal, o locus crucial para tais negociações é a casa, espaço feminino por excelência. Gaston Bachelard, em seu influente The Poetics of Space inicialmente publicado em 1964, descreve a casa como um espaço feliz, um abrigo de sonhos e sonhadores, um grande berço. Afirma ainda que a casa evoca uma série de imagens que proporcionam provas ou ilusões de estabilidade aos seres humanos. (Bachelard: 1994, p. 4-7). Em The Politics of Home, Rosemary George argumenta que a palavra lar evoca de imediato a esfera privada da hierarquia patriarcal, da identidade gendrada assim como as noções de abrigo, conforto, sustento e proteção. No entanto, ela ressalta o potencial subversivo do termo nas variadas re-definições presentes em narrativas contemporâneas de escritoras migrantes (George: 1999, p.1). A crítica também chama atenção para o sentido mais amplo da palavra casa como o espaço geográfico maior a 37

3 que pertencemos: país, cidade, comunidade e para o fato de que a casa como lugar imaginado pode ser mais facilmente associado a uma paisagem mental do que a um espaço geográfico propriamente dito (p. 11). O conceito de lar/pátria pode ser específico e baseado na realidade ou não. Como Alan Anderson observa, o lar/pátria enquanto construto ou mito pode ser tão significativo quanto um espaço geográfico específico e concreto (Anderson: 2001, p. 16). Argumentando que a condição diaspórica estimula a ficcionalização de memórias e aspirações, Susan Friedman teoriza o que ela chama de uma poética do deslocamento, gerada a partir da conscientização do sujeito feminino da necessidade de deixar sua casa, do reconhecimento que o lar pode ser um local de afeto mas não ser desejado/desejável, e que portanto precisa ser abandonado (Friedman: 2006, p. 195, 205). O ato de partir se configura então como uma pré-condição para a fala, para a escrita, e para a possibilidade de autonomia. Carole Boyce Davies também explora a conexão entre a escrita e o processo diaspórico e afirma que a migração cria o desejo pelo lar/pátria, que por sua vez estimula a re-escritura do lar/pátria. Usando como exemplo as escritoras afro-caribenhas nos Estados Unidos, Davies argumenta que elas desestabilizam duplamente as narrativas oficiais sobre a nação e sobre o lar (Davies: 1994, p. 113) Maritza Loida Pérez, escritora contemporânea que nasceu na República Dominicana e emigrou para os Estados Unidos ainda criança, faz parte desse grupo de escritoras a que Davies se refere. Ao comentar em uma entrevista que a experiência migratória transforma uma simples pergunta como de onde você é? em uma questão complexa, Pérez pondera: Qual o significado de lar quando o país que você deixou para traz não é mais sua casa porque você mudou e sua terra natal também? O lar é o espaço da família? É um espaço emocional? Um espaço físico? São significados diferentes para personagens diferentes (Garza: 1999, p. 3). Falando de sua própria experiência como imigrante, Pérez mantém que identidade, nacionalidade e lar são conceitos paradoxais, cabendo a cada pessoa buscar suas próprias definições e acrescenta: Não associo o conceito de lar/ pátria à uma massa específica de terra; para mim é um espaço abstrato, psíquico que me permite transformar em lar qualquer espaço que eu escolha habitar (Chancy, Dandicat e Pérez: 2004, p. 73). Em Geographies of Home, publicado em 1999, Pérez traça a trajetória de uma família que, assim como ela, emigra da Republica Dominicana para os Estados Unidos. No romance, memórias de uma terra natal marcada pela longa ditadura de Rafael 38

4 Trujillo, narradas através de flashbacks, justapõem-se aquelas relacionadas à luta constante contra a pobreza, alienação e racismo que a família enfrenta em seu destino diaspórico (Quintana: 2005, p. 174). Ao longo dos anos, Papito, Aurelia e seus quatorze filhos tentam se adaptar à nova vida enquanto as crises familiares se sucedem: Beatriz desaparece, Marina é estuprada e sofre um colapso mental, um irmão se envolve com a mulher do outro, e Rebecca é vítima da violência de seu marido. Os pais se sentem incapazes de lidar com os problemas dos filhos e Iliana, a filha mais nova, se sente na obrigação de ajudar a todos. Embora Pérez afirme que seu romance não tem protagonista, pois é sobre uma família e não sobre membros específicos da mesma (Garza: 1999, p. 3), a presente discussão privilegia Iliana e sua mãe Aurelia, as duas personagens que mais se transformam no decorrer da narrativa e cujos questionamentos refletem os da autora. Edward Said argumenta que a pluralidade de visão do sujeito diaspórico propicia a consciência de dimensões simultâneas, uma consciência que lhe permite contrapontear, ou seja, desenvolver uma visão de mundo a partir de perspectivas, senão opostas, certamente diferentes (Said, 2000, p.171). A partir das experiências que acumulam em sua trajetórias diaspóricas, Iliana e Aurelia desenvolvem uma consciência que sintetiza suas experiências una conciencia mestiza, como diria Gloria Anzaldúa. O sotaque de Iliana, nascida na República Dominicana, a identifica como latina, mas a cor da pele e as feições a identificam como afro-americana, exacerbando assim sua sensação de deslocamento e não-pertencimento. Na condição de sujeito diaspórico, a jovem se recorda de ter crescido querendo ser latina ou afro-americana, o que teria lhe permitido pertencer/ ser aceita por um dos dois grupos minoritários, ao invés de ser discriminada por ambos. Ela teria dado sua alma pelo cabelo longo, liso e a pele cor de oliva das amigas que falavam espanhol ou para poder usar o cabelo em trancinhas e falar inglês sem sotaque espanhol como as meninas Johnson que moravam na mesma rua. Detestava quando perguntavam de onde você é?, pois poucos colegas da escola sabiam que a República Dominicana existia e muitos de seus amigos negros achavam que ela queria se exibir quando dizia que era hispânica. i Após um breve prólogo que remete a um passado distante, anterior ao nascimento de Iliana na República Dominicana, o primeiro capítulo abre com a 39

5 descrição do quadro de mensagens afixado à porta do quarto da jovem no dormitório de uma universidade estadunidense, onde ainda se vê os vestígios da palavra nigger que havia sido apagada. A narrativa começa assim focalizando a intolerância racial na comunidade universitária em que a personagem está inserida. Iliana está prestes a abandonar a universidade que havia escolhido por ser longe da casa dos pais a fim de retornar àquela mesma casa. A voz que escuta durante a noite e que a mantém a par das inúmeras crises que se abatem sobre sua família, as hostilidades que enfrenta, o clima inclemente, a sensação de não pertencimento tudo contribui para que Iliana decida retornar ao lugar onde imagina pertencer. Os eventos que se seguem confirmam a observação de Avtar Brah a respeito do espaço doméstico em narrativas diaspóricas: o mesmo espaço geográfico tem o potencial de articular histórias e significados diferentes, de modo que lar pode ser visto tanto como um lugar seguro quanto aterrorizante (Brah: 1996, p. 207). Em casa Iliana está protegida contra a intolerância racial de colegas e o assédio sexual de estranhos; ao mesmo tempo está vulnerável aos acessos de fúria do pai, às provocações e hostilidades das irmãs, incluindo os ataques violentos e insanos de Marina ii. A necessidade de pertencimento também é vital para Aurelia, que adoecera física e emocionalmente ao chegar aos Estados Unidos. A falta do lar/pátria que deixou para traz a deprimiu de tal forma que, incapaz de cuidar da casa e dos filhos, precisou ser hospitalizada por vários meses. Os rostos sombrios e violentos das ruas de Nova Iorque, a neve suja transformada em gelo e manchada de sangue, a mesma pobreza em um cenário diferente tudo a sua volta levava Aurelia a rejeitar sua nova casa e contribuia para sua doença. Anos e anos transcorreram antes que ela conseguisse se sentir em casa, em uma cidade muito diferente da Nova Iorque dos cartões postais enviados por Rebecca enquanto a família ainda residia na República Dominicana. Pela primeira vez, Aurelia se permitiu lançar raízes no solo. Por mais de quinze anos, mudando de apartamento em apartamento, sonhara não em retornar, mas em ir para casa. Dirigir-se a um lugar que não existia em mapa nenhum mas que mesmo assim a faria desistir de se fixar em qualquer outro.só agora ela se dava conta que sua alma não procurava um espaço geográfico e sim um estado de espírito que lhe permitisse aceitar qualquer lugar como seu lar. iii 40

6 No contexto do romance aceitar não significa capitular; sugere sim adaptação e flexibilidade para negociar com línguas e sistemas de valores diversos, com espaços geográficos e afetivos. Quando, após décadas nos Estados Unidos, o marido sugere que a família regresse à República Dominicana, Aurélia descarta a idéia sem qualquer hesitação. Deixa claro que estar perto dos filhos e netos é mais importante para ela do que retornar ao antigo lar/país. Em seu processo diaspórico, Aurélia passa por vários estágios, indo de uma fase de rejeição total ao novo lar, à adaptação, e, finalmente, à preferência por sua nova casa não como espaço físico e sim como espaço familial. Rosemary George comenta sobre o uso excessivo de metáforas de bagagem tanto espiritual como material na literatura de escritores migrantes e se pergunta se essa bagagem que o sujeito diaspórico carrega consigo impede ou facilita o sentido de pertencimento em sua nova vida/morada (George: 1999, p. 8). Curiosamente, no romance em questão vários personagens masculinos trabalham em uma fábrica de malas, porém o tropo é ainda mais significante nas vidas de Aurelia e Iliana. Ainda na República Dominicana, a mãe de Aurelia ao prever a aproximação da morte, entrega à filha um saco contendo itens que julga essenciais para suas futuras jornadas. Aurelia, que quer se distanciar dos poderes e crenças de sua mãe, abandona o saco na estrada, desfazendo-se assim do legado espiritual e cultural da mãe. Só com o passar dos anos, décadas na verdade, Aurelia irá compreender o significado das palavras de sua mãe: O futuro pode lhe ferir se você negar o passado iv. Em Notes on the Post-Colonial, Ella Shohat discute a relevância da recuperação e re-inscrição do passado não como um fetiche a ser reproduzido literalmente mas como um conjunto de memórias e experiências narradas para a criação de sítios de resistência e fortalecimento da identidade comunitária (Shohat: 2006, p. 245). Ao se casar com Papito, Aurelia renega novamente seu legado espiritual ao tornar-se uma Adventista do Sétimo Dia como ele. No entanto, muitos anos mais tarde, sua conexão com as raízes africanas, representadas pelas crenças e poderes da mãe, acaba prevalecendo. Ainda em relação ao passado, Maritza Loida Pérez discorre sobre a importância das mulheres como contadoras de histórias não só pelo que transmitem mas também pelo que omitem e afirma que grande parte das ansiedades das filhas de Aurelia estão associadas ao silêncio da mãe em relação ao passado, incluindo a relação conflituosa com sua própria mãe (Chancy, Dandicat e Pérez: 2004, p. 70). 41

7 Quando, no início da narrativa, Iliana deixa a universidade para voltar para casa, suas malas estão pesadas (os verbos usados indicam o esforço envolvido em carregá-las), provavelmente tão pesadas quanto as que levara ao sair de casa, contendo todo o peso da educação religiosa imposta pelo pai, convicto Adventista do Sétimo Dia. O que ela descarta, ainda que com relutância, ao retornar ao lar também é digno de nota: saias um pouco acima dos joelhos, que seu pai teria considerado indecentes, sapatos sem salto que suas irmãs teriam criticado, brincos que começara a usar às escondidas, e todos os livros, incluindo os didáticos e outros que havia lido vorazmente sem medo que o pai jogasse fora. Iliana tem consciência de que ao voltar para casa terá que abrir mão da independência que começara a conquistar aos poucos, mas permanece firme no propósito de acolher ajudando à familia a resolver seus problemas e ser acolhida buscando refúgio das hostilidades encontradas fora do lar. A sensação de não pertencimento, tão familiar para o sujeito diaspórico, fortalece a noção do lar como um espaço acolhedor. No entanto, como argumenta Susan Friedman, o lar também pode ser um local onde o corpo da mulher é alvo de violência, violência que muitas vezes existe antes do deslocamento diaspórico e continua no novo lar. (Friedman: 2006, p ). Estuprada pela própria irmã, Iliana parece dividida, a princípio, entre negar o acontecido e perdoar Marina, que por sua vez também havia sido estuprada. Ao ser atacada por Marina pela segunda vez, no entanto, Iliana, reage e supera o medo de se tornar insana como a irmã. Christiane Alcantara sugere que quando Iliana finalmente admite para seu amigo Ed que fora atacada, ela confronta a realidade, iniciando assim seu processo de recuperação. Iliana se recusa a ser dominada pelas experiências traumáticas ou por sua irmã (Alcantara: 2009, p. 73). Iliana também é alvo da violência de seu pai, que habitualmente recorria à agressão tanto para proteger como para punir a filha. Nessa ocasião, sem lhe dar tempo de explicar porque ficara fora de casa sozinha até tarde, transgredindo uma das regras da família, Papito a agride física e verbalmente, com socos e xingamentos. Mais uma vez determinada a não se tornar uma vítima, Iliana se vale de sua raiva para não fraquejar diante do pai. Seu ressentimento só se dissipa a partir do momento em que consegue enxergar a vulnerabilidade do pai e perceber sua própria força e responsabilidade. Se não podia depender dele para salvá-la ou culpá-lo por sua existência, caberia a ela enfrentar qualquer dificuldade que encontrasse daqui por diante v 42

8 Susan Friedman observa que para alguns personagens, a poética do deslocamento se instala a partir do momento em que reconhecem que o lar não é o local onde querem estar, e ainda que seja o local do afeto, precisa ser abandonado (Friedman: 2006, p. 205). Em Geographies of Home, esse reconhecimento por parte de Iliana ocorre ao final do romance, quando se prepara mais uma vez para deixar a casa dos pais. No entanto, diferentemente da escolha de uma universidade que lhe permitisse ficar longe do controle do pai e do retorno à casa motivado por ilusões e inseguranças, essa decisão é fruto de experiências e reflexões que a tornam mais madura e independente. A narrativa termina com a descrição da bagagem emocional e espiritual que faz questão de levar consigo. Tudo que vivenciara, tudo o que continuava a sentir por aqueles cujas vidas estavam inexoravelmente ligadas a sua; tudo que herdara de seus pais e aprendera com os irmãos e irmãs ia ajudá-la em sua passagem pelo mundo. Não deixaria nenhuma memória para trás. Todas a tinham formado. Todas eram seu lar. vi Ao comentar sobre a relação entre geografia, cultura, e língua, Carole Boyce Davies observa que a legitimidade do discurso depende do local de fala e da autoridade de quem fala. A falta de credibilidade e/ou autoridade das mulheres interfere no processo de transmissão de suas experiências pessoais. Não é apenas um a questão de geografia física mas de posicionamento do sujeito num sentido mais amplo em termos de raça, classe, gênero, sexualidade, educação, etc (Davies: 1994, p ). A produção literária das escritoras migrantes contemporâneas tem contribuido para legitimar experiências e posicionamentos diversos dos sujeitos diaspóricos vii. Em Feminism and Geography, Gillian Rose argumenta que enquanto o discurso geográfico é implicitamente masculino, o conceito de lugar é associado ao feminino e materno, por extensão, criando-se assim uma feminização do espaço e uma masculinização do conhecimento geográfico (Rose: 1993, p. 47). Quando combina geografia e lar no título do seu romance, Loida Maritza Pérez problematiza não apenas o significado de lar/ pátria mas também a divisão entre espaços discursivos masculinos e femininos. A escolha do plural geografias sinaliza o potencial para uma multiplicidade de trajetórias. e experiências. Embora o lar como espaço afetivo seja de extrema relevância tanto para Aurelia como para Iliana e influencie as escolhas que fazem, o desfecho do 43

9 romance envolve destinos diferentes para ambas, a mãe privilegiando o espaço familial e a filha partindo em busca de outros espaços, experiências. i She would have traded her soul to have the long, straight hair and olive skin of her Spanish-speaking friends or to wear her hair in cornrows and have no trace of a Spanish accent like the Johnson girls down the street. She used to hate the question 'Where you from?' because few of her classmates knew of the Dominican Republic and several of her black friends assumed that she claimed to be Hispanic in order to put on airs. PÉREZ, Loida Maritza. Geographies of Home. New York: Penguin/ Plume Books, 1999, p As traduções do romance são de minha autoria. Daqui por diante as referências ao romance indicarão apenas o número da página. ii Para uma leitura/análise detalha e perspicaz da da personagem Marina, ver ALCANTARA, Christiane F. A Legacy of Violence and trauma in the Diasporic Literature from Hispaniola (Dissertação Apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Letras, Mestrado em Literaturas de Língua Inglesa. Rio de Janeiro: UERJ, 2009) iii Aurelia for the first time granted herself permission to sprout roots past concrete into soil. Throughout more than fifteen years of moving from apartment to apartment, she had dreamed, not of returning, but of going home. Of going home to a place not located on any map but nonetheless preventing her from settling in any other. Only now did she understand that her soul had yearned not for a geographical site but for a frame of mind able to accommodate any place as home. (139) iv The future can hurt if you deny the past (134, 299). v If she could neither depend on him to save her nor blame him for her existence, any difficulties she encountered from then on would have to be hers to work out on her own (324). vi Everything she had experienced, everything she continued to feel for those whose lives would be inextricably bound with hers; everything she had inherited from her parents and had gleaned from her siblings would aid her in her passage through the world. She would leave no memories behind. All of them were her self. All of them were home (324). vi Ver Almeida, 2006, p.195 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALCANTARA, Christiane F. A Legacy of Violence and Trauma in the Diasporic Literature from Hispaniola. Dissertação Apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Letras, Mestrado em Literaturas de Língua Inglesa. Rio de Janeiro: UERJ, ALMEIDA, Sandra G. A nova diáspora e a literatura de autoria feminina contemporânea. In: CALVALCANTI, Ildney, et al, orgs. Da mulher às mulheres: dialogando sobre literatura, gênero e identidades. Maceió: EDUFAL, ANDERSON, Alan B. Diaspora and Exile: A Canadian and Comparative Perspective. International Journal of Canadian Studies 18, 1998, p ANZALDÚA, Gloria Borderlands/ La Frontera. San Francisco: Aunt Lute Books, 1999, 2a edição. BACHELARD, Gaston. The Poetics of Space. Boston: Beacon Press, BENNET, Tony, GROSSBERG, Lawrence e MORRIS, Meaghan. Home. New Keywords: A Revised Vocabulary of Culture and Society. Oxford: Blackwell, 2005, pp BRAH, Avtar. Cartographies of Diaspora: Contesting Identities. London: Routledge,

10 CHANCY, Myriam J.A., DANDICAT, Edwidge, PÉREZ, Loida Maritza. Voices from Hispaniola. Meridians. 5 no. 1, 2004, p CLIFFORD, James. Diaspora. Cultural Anthropology.9.3 (1994), p DAVIES, Carole Boyce. Black Women, Writing and Identity: Migrations of the Subject. New York: Routledge, FRIEDMAN, Susan. Bodies on the Move: a Poetics of Home and Diaspora. Tulsa Studies in Women s Literature (2006), p GARZA, Melita Marie. Searching for Home. Chicago Tribune, 22 de setembro, GEORGE, Rosemary. The Politics of Home: Postcolonial Relocations and Twentieth Century Fiction. Berkeley: University of California Press, PÉREZ, Loida Maritza. Geographies of Home. New York: Penguin/ Plume Books, QUINTANA, Alvina. Reading U.S. Latina Writers: Remapping American Literature. New York: Palgrave McMillan, ROSE, Gillian. Feminism and Geography: The Limits of Geographical Knowledge. London: Blackwell, The Visitor. Thomas Mc Carthy.Estados Unidos, filme,

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Mariana Bassoi Duarte da Silva¹ Maria Virginia Filomena Cremasco² Migração e Refúgio, contribuições da Psicologia

Mariana Bassoi Duarte da Silva¹ Maria Virginia Filomena Cremasco² Migração e Refúgio, contribuições da Psicologia Mariana Bassoi Duarte da Silva¹ Maria Virginia Filomena Cremasco² Migração e Refúgio, contribuições da Psicologia Movimento e migração são as condições de definição histórica da humanidade. Porém, o mundo

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

Os Conflitos da Migração Turca na Alemanha

Os Conflitos da Migração Turca na Alemanha Os Conflitos da Migração Turca na Alemanha As migrações humanas são um fenômeno recorrente desde a nossa pré-história. O homem parece estar sempre em busca de novos horizontes e se evadindo de condições

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS 2010 Fernanda Garcia Resende Bárbara Terra Ávila Estudantes de Psicologia - Centro Universitário

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

MANUAL PARA PAIS E RESPONSÁVEIS SOBRE COMO LIDAR COM O "BULLYING/IJIME"

MANUAL PARA PAIS E RESPONSÁVEIS SOBRE COMO LIDAR COM O BULLYING/IJIME MANUAL PARA PAIS E RESPONSÁVEIS SOBRE COMO LIDAR COM O "BULLYING/IJIME" Consulado Geral do Brasil em Tóquio 2014 1. DEFINIÇÃO DE "IJIME" A expressão japonesa "ijime" significa maltrato. Já a expressão

Leia mais

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante?

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Do you know how to ask questions in English? Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Note que tanto

Leia mais

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? A EDUCAÇÃO PODE ME PREJUDICAR VERDADEIRO? FALSO? APRENDO SEMPRE DE FORMA CONSCIENTE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM Podemos concordar que aprendemos

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A ESPIRAL DAS FAMÍLIAS: As fases do ciclo de vida Claudia cacau Furia César 1 Lucimara Martins Pereira

A ESPIRAL DAS FAMÍLIAS: As fases do ciclo de vida Claudia cacau Furia César 1 Lucimara Martins Pereira A ESPIRAL DAS FAMÍLIAS: As fases do ciclo de vida Claudia cacau Furia César 1 Lucimara Martins Pereira A família é o lugar que dá origem a história de cada pessoa, é o espaço de vida privada onde se dão

Leia mais

Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre

Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre língua portuguesa Escola: Nome: Data: / / Turma: 1. Leia o trecho da letra da música a seguir. migrante Tantos sonhos são desfeitos Uma mãe que afaga o peito Seu filho

Leia mais

RELAÇÕES DE GÊNERO EM UNACCUSTOMED EARTH DE JHUMPA LAHIRI

RELAÇÕES DE GÊNERO EM UNACCUSTOMED EARTH DE JHUMPA LAHIRI RELAÇÕES DE GÊNERO EM UNACCUSTOMED EARTH DE JHUMPA LAHIRI Carine Pereira Marques 1 Jhumpa Lahiri nasceu em Londres em 1967 de pais indianos, e mudou-se para os Estados Unidos aos três anos. Durante sua

Leia mais

O destino dos migrantes na Europa 18 de Agosto

O destino dos migrantes na Europa 18 de Agosto O destino dos migrantes na Europa 18 de Agosto Análise, Crise dos migrantes Perceba como o dinheiro, a cor da pele e a religião determinam a sorte dos migrantes na Europa. Os requerentes de asilo na Europa

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS, EDUCAÇÃO E A IMIGRAÇÃO EUROPÉIA

POLÍTICAS PÚBLICAS, EDUCAÇÃO E A IMIGRAÇÃO EUROPÉIA POLÍTICAS PÚBLICAS, EDUCAÇÃO E A IMIGRAÇÃO EUROPÉIA Mario De Souza Martins 1 Introdução Trabalhamos nesse artigo, com a falta de políticas públicas, desde o início do processo imigratório, até os dias

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado Inglês Aula 01 Título - Frases básicas em Inglês As orações em Inglês também se dividem em Sujeito e Predicado. Ao montarmos uma oração com um sujeito e um predicado, montamos um período simples. Estas

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9

UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 UNIVERSIDADE DE MINAS GERAIS - RS UFMG - EXTENÇÃO JUVIVA 2-CURSO DE ATUALIZAÇÃO EJA E JUVENTUDE VIVA 2-T9 RELATÓRIO: JUVENTUDE NEGRA: PRECONCEITO, VIOLÊNCIA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL MARIA DO SOCORRO SILVA

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

Discutir liderança feminina em pleno século

Discutir liderança feminina em pleno século Liderança feminina Discutir liderança feminina em pleno século XXI parece ultrapassado, mas apenas agora as mulheres começam a ser reconhecidas como líderes eficazes. Somente neste século o reconhecimento

Leia mais

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO

Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O espaço escolar e as diferenças étnico culturais Ana Maria Curvo Dimam dos Santos Pereira RESUMO O presente resumo questiona o preconceito étnico racial numa escola estadual a partir do olhar de uma coordenadora

Leia mais

Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims. Fabiano Andrade Curi

Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims. Fabiano Andrade Curi Linguagem digital na vizinhança ideal: os limites narrativos de The Sims Fabiano Andrade Curi A história de The Sims Lançado em fevereiro de 2000, rapidamente se tornou um dos jogos mais vendidos na história

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Desde os anos oitenta nos acostumamos a um nome que logo se transformaria. Otavio Henrique Meloni 1

Desde os anos oitenta nos acostumamos a um nome que logo se transformaria. Otavio Henrique Meloni 1 297 UM COLAR DE EXPERIÊNCIAS: O OLHAR COTIDIANO DE MIA COUTO EM O FIO DAS MISSANGAS Otavio Henrique Meloni 1 RESUMO O escritor moçambicano Mia Couto apresenta em O fio das missangas sua vertente mais perspicaz:

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil

Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil O mundo tem passado por uma série de dificuldades nos últimos anos. Junto com crises financeiras que, muitas vezes, esvaziam países, nos vemos também

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

Fundamentos Socioculturais e Diversidades

Fundamentos Socioculturais e Diversidades NATURALIZAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Fundamentos Socioculturais e Diversidades MÓDULO III Prof.: MSc. Getulio Ribeiro Histórias da Infância e do Mundo Adulto Da Infância à Melhor Idade

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

Estratégia de escuta psicanalítica aos imigrantes e refugiados: uma oficina de português

Estratégia de escuta psicanalítica aos imigrantes e refugiados: uma oficina de português Estratégia de escuta psicanalítica aos imigrantes e refugiados: uma oficina de português Christian Haritçalde Miriam Debieux Rosa Sandra Letícia Berta Cristiane Izumi Bruno Maya Lindilene Shimabukuro O

Leia mais

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto

Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Condições didáticas geradas para o desenvolvimento do Projeto Propor a reflexão sobre o literário a partir de situações de leitura e essencialmente de escrita. Propor situações didáticas que favoreçam

Leia mais

Habilitações literárias * (assinale o último nível de educação concluído e certificado)

Habilitações literárias * (assinale o último nível de educação concluído e certificado) MIGRAÇÕES QUALIFICADAS/ Emigrantes Este questionário faz parte de uma investigação, sobre profissionais portugueses com qualificação superior que se encontram a trabalhar, na respectiva área, fora do seu

Leia mais

Anna Júlia Pessoni Gouvêa, aluna do 9º ano B

Anna Júlia Pessoni Gouvêa, aluna do 9º ano B DEPOIMENTOS A experiência que tive ao visitar o Centro Islâmico de Campinas foi diferente e única. É fascinante conhecer novas culturas e outras religiões, poder ver e falar com outro povo e sentir o que

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA

O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade APRESENTAÇÃO E PROBLEMÁTICA DESENVOLVIDA O Solista (The Soloist), O Alienista e outras divagações sobre as representações de loucura e normalidade Fernanda Gabriela Soares dos Santos 1 Eu posso até parecer careta De perto ninguém é normal...

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org O Movimento Social Palestino rumo ao FME O Fórum Mundial da Educação na Palestina será realizado

Leia mais

À Contradição inclusão/exclusão a luz das reivindicações

À Contradição inclusão/exclusão a luz das reivindicações 1 À Contradição inclusão/exclusão a luz das reivindicações Christiane Bellorio Gennari de A. Stevão Maria Aparecida Muccilo Resumo Pautaremos à contradição inclusão/exclusão, considerando a realidade atual

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

Diverso é o mundo, e ainda bem.

Diverso é o mundo, e ainda bem. LPLB ME 2 O CONCURSO VESTIBULAR/2001 PÁG. 23 LPLB Questões de 51 a 63 Diverso é o mundo, e ainda bem. (Adaptado de TOLEDO, Roberto Pompeu de. Revista VEJA. São Paulo: Abril, 28 de março de 2001.) PÁG.

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Tradução e mercado de trabalho

Tradução e mercado de trabalho Tradução e mercado de trabalho Entrevista com Maria Franca Zucarello, presidente do Sindicato Nacional de Tradutores Angélica Karim Garcia Simão 1 Para o número sobre tradução da revista abehache, julgamos

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança.

Ser mãe hoje. Cristina Drummond. Palavras-chave: família, mãe, criança. Ser mãe hoje Cristina Drummond Palavras-chave: família, mãe, criança. Hoje em dia, a diversidade das configurações familiares é um fato de nossa sociedade. Em nosso cotidiano temos figuras cada vez mais

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio MARIA EMÍLIA MARTINS DA SILVA

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Campus Sombrio MARIA EMÍLIA MARTINS DA SILVA MARIA EMÍLIA MARTINS DA SILVA RESENHA CRÍTICA SOBRE O FILME O PONTO DE MUTAÇÃO Referência da Obra: CAPRA, Fritijof. O Ponto de Mutação. Atlas: 1990, 135 min. O nome do livro foi extraído de um hexagrama

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 2 Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 33 Na relação social é contar com uma presença humana positiva que seja capaz de ver a força e a beleza dessa presença e manifestação do

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Planificação a longo prazo para o 7º ano de escolaridade. Língua Estrangeira I

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Planificação a longo prazo para o 7º ano de escolaridade. Língua Estrangeira I PLANIFICAÇÃO ANUAL Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém - 135513 Escola Secundária Padre António Macedo Grupo Disciplinar / Disciplina: Ano Letivo: 2014-2015 Ciclo de Ensino: Ano de

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Membro do Conselho

Leia mais

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA

Projeto. Pedagógico ÁGUIA SONHADORA Projeto Pedagógico ÁGUIA SONHADORA 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro narra a história de uma águia inquieta para alçar o primeiro voo; ainda criança, sai pela floresta

Leia mais

RESUMOS COM RESULTADOS... 1334 RESUMOS DE PROJETOS... 1336

RESUMOS COM RESULTADOS... 1334 RESUMOS DE PROJETOS... 1336 1333 RESUMOS COM RESULTADOS... 1334 RESUMOS DE PROJETOS... 1336 RESUMOS COM RESULTADOS 1334 DISCURSOS DE PROFESSORES/TUTORES DE LÍNGUA INGLESA: PRÉ-CONSTRUÍDOS SOBRE A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO EM EAD...

Leia mais

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil

Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Era uma vez Lipe : o nascimento de um amigo imaginário na Educação Infantil Me. Tony Aparecido Moreira FCT/UNESP Campus de Presidente Prudente SP tony.educ@gmail.com Comunicação Oral Pesquisa finalizada

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA.

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Culturas e Conhecimentos Disciplinares Débora Barreiros TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Numa sociedade em que o discurso sobre o respeito à diferença ganha cada

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Gênero e Desigualdades

Gênero e Desigualdades 1 Gênero e Desigualdades Leila Linhares Barsted * Analisar as desigualdades de gênero importa em compreender como se constituem as relações entre homens e mulheres face à distribuição de poder. Em grande

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov.

Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov. Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas NETP/RS traficodepessoas@ssp.rs.gov.br 51-3288 1936 NETP/RS Secretaria da Segurança Pública do Estado É um dos programas

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais