Imaginação Deslocamente e Utopia em Lucy, de Jamaica Kincaid

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Imaginação Deslocamente e Utopia em Lucy, de Jamaica Kincaid"

Transcrição

1 Imaginação Deslocamente e Utopia em Lucy, de Jamaica Kincaid Dr. Amarino Oliveira de Queiroz (UFRN) Rogério Mendes Coelho (UFRN) Em seu último livro, intitulado Afro-América: Diálogos Literários na Diáspora Negra das Américas (2009), Roland Walter, critico literário e professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), alerta para a necessidade de ampliar o estatuto da Literatura além da perspectiva estética em razão de nova configuração nas relações econômicas, políticas e culturais que se estabeleceram globalmente nas últimas décadas. Em decorrência do gradual processo de resignificação social, multiplicaram-se os agentes geradores de novas vozes que estabeleceram novas relações e contribuíram, por exemplo, para que se problematizasse os paradigmas da recepção e da crítica literária. Em virtude da valorização do tão somente paradigma estético na percepção da obra literária minimizou-se a importância das prerrogativas éticas que fundamentam a emergência de novas representações poéticas que surgem em razão dos diferentes processos que constituem o que se convencionou chamar de uma circunstância pósmoderna (HARVEY, 2002; JAMERSON, 2000; CONNOR, 2000; HUTCHEON, 1999). Por tempos cânones ou metanarrativas como prefere nomear Hutcheon (1991) fixaram-se hegemonias que por sua vez imobilizaram especificidades identidades, espaços e locuções que definem a base de uma cultura. Não por acaso houve, após a consciência do padrão, a necessidade de experenciar e consequentemente revisitar conceitos como cultura, história, etnicidade, raça, sexo, gênero, classe, estado e nação para que se configurasse a pertinência e autoridade de outras realidades que até então tinham sido ignoradas ou não representadas. Em decorrência disso, não por acaso, ocorre o surgimento de novos autores e poéticas que reivindicam a viabilidade e legitimidade de espaços mais amplos e democráticos. É dessa maneira que o teor e valor literários viabilizam-se não sobretudo do valor estético mas a partir dele, proporcionando a valorização da representatividade da ética como forma. 1

2 Entre os diversos temas que emergem de maneira crescente em virtude da perspectiva posta, os estudos sobre migração ganharam destaque na percepção de um sujeito que passou a relacionar-se como ator, autor ou personagem com a necessidade de transpor fronteiras na busca por uma cidadania reconhecida em meio a um sentimento de referencias globalizantes ou globalizadas. Poder-se-ia compreender a busca por uma cidadania reconhecida que se fundamenta no possível encontro da estabilidade material e espiritual e que por sua vez estaria matizado na idéia de felicidade. Felicidade que para muitos dos que se deslocam apresenta-se inversamente proporcional às insuficiências sociais que não lhes são garantidas em sua locação de origem. Daí a justificativa dos deslocamentos, projetos que procuram reavivar a condição cidadã de quem se desloca, situados no devir como alternativa de estabilidade e sobrevivência. Pensar sobre o deslocamento, uma possibilidade que se vincula a um projeto de realidade alternativa, sugere pensar a respeito do que se constitui o espaço para o qual se desloca; pois muitas vezes, deslocar-se para outro espaço significa habitar outra realidade constituída tão somente da imaginação expectativas de quem se desloca. Não por acaso a imaginação norteia a imprecisão de um espaço constituído tão somente pela necessidade de quem o migra, o que gera conflitos no que diz respeito ao reconhecimento e adaptabilidade do espaço. Desse modo observa-se uma cisão que divide e situa o indivíduo entre uma realidade formada a partir da imaginação, expectativas de quem se desloca e outra realidade distinta, formada de referenciais - históricos, políticos e imaginários reconhecíveis, familiares, previsíveis e, portanto, confortáveis e distintos do lugar imaginado. Onde e como situar-se? Onde e como reconhecer-se? Deslocar-se para espaços idealizados onde se poderia desfrutar, com liberdade, de confortáveis condições de sobrevivência sempre foi recorrente no imaginário do homem, principalmente do Ocidente. Entretanto, vale-se ressaltar o caráter utópico da busca propulsora no sentido em que propõe Ernst Bloch, no Princípio Esperança (2005), pois muitos dos espaços buscados pelos indivíduos que migram só foram possíveis por meio de narrativas, da Literatura, onde o sentido se perfaz nas sucessivas criações e buscas pelo ideal da representação. Talvez, pela Literatura acomodar, sem restrições, a Liberdade necessária para os anseios dos homens. 2

3 Desse modo, a partir de leitura e interpretação de Lucy, romance da escritora antiguana naturalizada americana Jamaica Kincaid, pretende-se refletir, a partir da protagonista Lucy, projetos de utopias de migração, tema/poética recorrente na Literatura do Caribe. O romance de Jamaica Kincaid narra a história e Lucy que, aos dezenove anos de idade deixa sua Ilha no Caribe e vai trabalhar como baby sitter na cidade de Nova Iorque, na casa de uma família comum de classe média americana. O livro, narrado em primeira pessoa, evidencia os conflitos de uma adolescente que migra para outro país em busca de melhores condições de vida. O deslocamento de Lucy é apresentado no romance como possibilidade da protagonista suprir insuficiências afetivas, além das insuficiências materiais relacionadas a questões sociais e culturais de seu país de origem. Um projeto movido pelo desejo de mudança por meio de uma prospecção que se acreditou capaz de redimensionar uma realidade insuficiente e que repercute na constituição de sua identidade, na medida em que explora e busca satisfazer, por suas necessidades e esperança, uma cidadania digna e reconhecida pelo seu projeto de deslocamento. A harmonia entre as necessidades e esperanças dos indivíduos e dos grupos com as funções que asseguram o sistema não é mais do que uma componente anexa de seu funcionamento; a verdadeira finalidade do sistema, aquilo que o faz programar-se a si mesmo com uma máquina inteligente é a otimização da relação global entre os seus input e output (LYOTARD, 2004, p.21) Nesse sentido, é interessante notar que as motivações que envolvem o processo de deslocamento de Lucy não se limitam tão somente a idealização de um espaço mas, sobretudo, da necessidade de materializá-lo, torná-lo possível. Os fundamentos de seu projeto de migração estavam ancorados em suas expectativas, buscando conciliar carências da realidade insuficiente de um espaço de origem com a idealização devir de um espaço imaginado. Reconhecer-se a partir da realidade do outro poderia ser uma estratégia plausível desde que legitimada por si e pelo outro na negociação de reconhecimento mútuo. De acordo com José Manuel Valenzuela Arce, um fato comum nos dias de hoje: Um dos traços definidores do mundo contemporâneo é a intensidade e a interligação dos processos sociais; as migrações e as diásporas 3

4 intensificam-se, redefinindo redes e relações internacionais (...). Os motivos das migrações são variados, incluem a busca de melhores opções de vida, causas de ordem econômica e política, medo ante a violência ameaçadora ou outros tipos de razão (CANCLINI, 2003, p. 153) No entanto, é preciso ressaltar, levando-se em consideração a trajetória da protagonista, que um projeto de migração pode ser ineficiente quando o indivíduo pensa que na tentativa de executar um projeto de deslocamento irá suprir em absoluto as ausências materiais e espirituais, marcas de um passado indelével e pessoal. Marcas, inclusive, imprescindíveis na projeção de uma identidade. Transferir para um espaço devir as carências e responsabilidades sociais, não assumidas interiormente num lugar de origem, pode ser interpretado como um equívoco porque, na transferência de locação, o lugar para o qual se desloca nem sempre assimila o que é cultural e afetivamente significativo para o indivíduo que se desloca e o idealiza, fazendo com que o projeto de migração, a mudança querida e necessária, torne-se distante da idéia concebida, encontrando interferências capazes de comprometer a execução do projeto como felicidade: Em livros que lera quando a trama o exigia alguém era acometido de saudades. Uma pessoa abandonava uma situação pouco agradável e ia para outro lugar muito melhor e, em seguida, ansiava por voltar para onde não era tão bom (KINCAID, 1994, p.44) Os homens conseguem desenvolver suas plenas potencialidades continuando a viver onde eles e seus antepassados nasceram, falando sua própria língua e vivendo segundo os costumes de sua sociedade e cultura. Os homens não são criados por eles próprios: nascem no interior de uma tradição(...) responsável pela definição de seus pensamentos e sentimentos, e que eles não conseguem deter ou mudar, pois ela é responsável pela definição de sua vida interior (BERLIN, 1991, p.44) Na casa em que Lucy passou a trabalhar, em Nova Iorque, observando as fotografias da família americana para quem trabalhava, ela percebia que (...) eles sorriam para o mundo. Dando a impressão de que tudo que nele havia era intolerantemente maravilhoso (KINCAID, 1994, p.6). Como numa propaganda de margarina, aquele talvez fosse o ideal de família para Lucy. Pois para a protagonista, o núcleo familiar americano, ou o que se estabelece como tradição através desse núcleo, tornou-se emblema representativo, a confirmação de um espaço idealizado pelo estilo americano de vida sugerir-se agenciador de uma possível mudança ao proporcionar o 4

5 distanciamento de vínculos culturais indesejáveis e insuficientes de sua realidadeorigem, tornando-se assim capaz de estimular um novo projeto de vida. Enfim, a oportunidade de redimensionar as condições de sobrevivência, de acordo com seus anseios, promessas de felicidade. No entanto, uma felicidade forjada, conquistada e legitimada. Real? Eis a questão. O curioso é que na casa onde Lucy trabalhava não havia indícios suficientes para justificar e sustentar as prerrogativas de um projeto de migração como conquista de felicidade. Pois, a família americana para quem Lucy passou a trabalhar era um exemplo comum de rotinas e dificuldades previsíveis e não o resultado de uma realidade idealizada por alguém. No entanto, para Lucy, as possibilidades de escolhas disponibilizadas pela organização social americana, como cultura e suporte afetivo da família para quem trabalhava, apresentavam-se como alternativa feliz porque eram capazes de suprimir as memórias de seu passado e viabilizar, enfim, seus anseios que antes, em um passado não muito distante, se inviabilizavam. Era como se Lucy estivesse no lugar certo para viabilizar seus anseios. Mas, até que ponto a nova realidade experenciada correspondia a uma nova realidade idealizada? Como, por exemplo, situar a protagonista no seio da família americana se Lucy era ali uma filha sem mãe; uma irmã sem irmãos? Talvez fosse apenas uma baby sitter com carisma suficiente para agradar e servir aos que por ela pagavam um salário e alguns dias de folga por mês. Como se reconhecer e ser reconhecida em um espaço tão díspar, de hábitos e valores tão distintos aos seus e suas expectativas? Como viabilizar sonhos se o que poderia ser compreendido ali como sonho viesse a ser compreendido de maneira diferente? Como atestar realidade às condições da imaginação como ideal e felicidade se se desconhece o paradeiro do destino? A partir das experiências cotidianas evidenciaram-se na protagonista lembranças de sua origem e de seu passado, que também identificaram sua antiga realidade como porto-seguro, proteção diante das diferenças e estranhamentos que ameaçavam seu projeto de felicidade. Eram memórias que Lucy tentava evitar porque poderiam significar o retorno de sua origem e de seu passado. As memórias poderiam atuar como fantasmas em sua rotina e comprometer seu projeto de felicidade. Porém, onde e como acomodar suas memórias, seu passado e seu presente? Não havia pensado um lugar específico, em seus espaços e idealidades, para acomodar suas memórias afetivas. 5

6 O desconforto consistia na memória como digressão de sua felicidade, comprometendoa. Ainda que se já certo que a solidariedade ética para com a parte submergida da experiência das pessoas passe por testemunhar os destroços da histórias e da representação mediante linguagens suficientemente fiéis à dramaticidade dos sentidos, as marcas dessas linguagens devem se trançar com narrativas em curso, para que novas constelações flutuantes consigam recombinar a memória, não apenas temporariamente, mas também espacialmente, outorgando mutabilidade crítica a uma lembrança do passado que convida a se projetar em novas poéticas e políticas da experiência e da subjetividade (RICHARD, 2002, p.195) O conflito que passou a existir foi: como conciliar uma vida e duas realidades, dois mundos tão diversos em prol de um projeto de felicidade que se tornava possível apenas na imaginação? Como entender e conciliar esses lugares e conflitos, por vezes tão incompreensíveis e inconciliáveis e por isso mesmo inadequáveis, a uma prática do cotidiano? As conseqüências são evidentes na voz da protagonista: Estava à época da minha ambigüidade ou seja, por fora parecia uma coisa, por dentro, outra; por fora falsa, por dentro verdadeira (KINCAID, 1994, p. 9). Dessa maneira, como poderia Lucy entender e zelar por um sonho que gradualmente se dissolvia em um espaço que não poderia ser reconhecido como sonho por ser apenas distinto? Um espaço distinto, porém habitado pela mesma natureza humana responsável pelos artifícios de seus tormentos. O que poderia ser estabelecido como parâmetro de realidade para Lucy? Onde situá-la? No delírio de uma espaço idealizado, possível apenas em devaneios? Na negação de um passado? Na otimização de um projeto-presente como garantia de um melhor porvir? É através desses questionamentos, que situam Lucy entre um passado indesejado, um presente conflituoso e uma relação otimista porém insegura com o futuro, que gera na protagonista o desconforto de não se situar como ser-presente em razão de ambigüidades provocadas pelo entre-lugar gerado pelo não-lugar: invençãorealidade, lembrança/esquecimento, ausência/presença articulando-se como vias que se relacionam, se dificultam e se desconhecem com a alteridade. É através dessas 6

7 circunstâncias que Lucy se (in)define como ser presente e afirma uma (nova) realidade e condição. Como as culturas entram em contato por meio dos homens o choque ou a assimilação cultural se faz sempre no seio de um território, a nação, a cidade, o bairro. Dentro desse quadro, o conceito de memória torna-se fundamental para a análise, pois, sabemos que as trocas se fazem em detrimento do grupo que parte, para se implantar, em condições adversas, em terras estranhas (...). A lembrança é possível porque o grupo existe, o esquecimento decorre de seu desmembramento. Entretanto, para ser vivificada, a memória necessita de uma referência territorial, ela se atualiza no espaço envolvente (ORTIZ, 2003, p. 75) Mas, afinal, o que lhe causara tanto desconforto? Uma origem? Um destino? Uma Imaginação? Um desejo? Necessidades? É possível que tudo ao mesmo tempo porque tudo mo que estava experimentando (...) andar de elevador, estar num apartamento, comer comida da véspera guardada numa geladeira eram tão boas que dava pra me acostumar com isso (KINCAID, 1994, p.2). Justifica-se, talvez, por um ponto de vista político, pela (...) transmigrations is the form taken by a colonial desire, whose attractions and fantasies were no doubt complicit with colonialism itself (YOUNG, 1995, p.3). Trata-se de uma situação que foge ao controle do individuo que se insere um projeto de deslocamento. Ele age assim porque naturalmente sente a necessidade de melhorias em sua condição de vida, reconhecendo que a realidade de origem lhe é insuficiente para garantir as condições mínimas de sua sobrevivência. Nota-se, assim, que Lucy apenas reivindica um direto inalienável que se mostra distante da sociedade a que pertencia. É possível que o conflito tenha se dado pelo fato da protagonista ter criado um espaço possível apenas na imaginação. Uma imaginação que se apresenta como idéia insuficiente, pois não apreende a complexidade dos mecanismos de funcionamento que sistematizam outra realidade, uma realidade orgânica. Ao invés de compreender os mecanismos que fundamentam o outro sistema, Lucy o idealiza e o desvirtua de sua natureza, localizando-o no impossível das condições de sua imaginação. Como estabelecer um projeto de migração se se desconhece as condições que fundamentam a 7

8 realidade de seu destino como espaço? É desse modo que a imaginação apresenta-se insuficiente: por fazer a protagonista distanciar-se da realidade que se apresenta. Lucy imaginou um espaço com estruturas políticas e culturais definidas mas estritamente favoráveis a seus interesses e convergentes a suas necessidades. Mas será que a estrutura orgânica da organização social americana estava em acordo com sua imaginação? No entanto, para a protagonista, a idealização, apesar de inconciliável com o que se apresenta como realidade, torna-se importante por mobilizá-la a não permanecer em sua origem, garantindo-lhe condições mínimas de estabilidade, como fora planejado inicialmente. Mais: denunciando as diferenças e insuficiências de outras partes desconhecidas de um mundo que precisa de atenção. Na obra, o que se observa como nocivo para a protagonista é a admissão americana como centro provedor da plena sobrevivência e felicidade. Pois, na escolha de Nova Iorque como espaço que lhe garantiria felicidade, permuta-se a assimilação de valores e culturas outras como preço a ser pago pelo acesso e permanência de uma felicidade que inexiste. Uma faca de dois gumes porque o convívio com esse espaço torna-se tão relevante para a sobrevivência e aquiescência espiritual e material da protagonista quanto perigoso, se compreendido como processo de reivindicação de uma nova identidade que suprime particularidades relacionadas a uma cultura de origem e que se justifica na cômoda posição de pertencer a uma hegemonia política. As conseqüências disso podem provocar no indivíduo que se desloca uma dificuldade de situar-se e estabelecer o que é importante como identidade, pois o indivíduo comum passa a estar situado entre um espaço insuficiente e outro idealizado com perfeição, desestabilizando o sujeito enquanto ser-presente. É a impossibilidade de reivindicar uma origem para o EU dentro de uma tradição de representação que concebe a identidade como satisfação de um projeto de visão totalizante. Ao romper a estabilidade do ego, expressa na equivalência entre imagem e identidade, a arte secreta da invisibilidade da qual fala a poeta migrante quando muda os próprios termos de percepção de pessoa (BHABHA, 1998, p.75) Essa instabilidade sugere ao sujeito que se desloca a ciência de que seu projeto de migração pode vir a se tornar falho por colocar em xeque o desejo que o mobiliza, quando deixa de ter o vislumbre de um olhar estrangeiro, quando passa a pertencer ao sistema e a viver suas mazelas, revertendo o que antes poderia ser considerado um 8

9 despautério da imaginação. Agora que vira esses lugares, pareciam comuns, sujos, gastos tantas eram as pessoas que entravam e saíam deles na vida real que me ocorreu que eu não seria a única pessoa no mundo para quem isso tudo seriam temas de devaneio (KINCAID, 1994, p.1). Mas o espaço idealizado aos poucos se desfaz e as conseqüências dessa desconstrução revertem a instabilidade do sujeito em uma consciência crítica capaz de redimensionar uma nova razão de sobrevivência. Talvez possamos chamar o despertar dessa nova consciência maturidade. A maturidade de uma garota que se torna adulta ao perceber a responsabilidade por seu próprio destino. É a partir dessa consciência que percebe que seu espaço idealizado trata-se apenas de um espaço conveniente às suas necessidades e que assim poderia bem aproveitá-lo. Tratava-se apenas de uma possibilidade de viabilizar seus anseios que antes eram impossíveis em sua locação de origem, embora, por isso mesmo, o espaço americano ainda repercutisse como projeto de felicidade da protagonista. No entanto, um projeto que agora não se apresenta necessariamente idealizado; onde seriam visíveis as diferenças e impossibilidades de uma realidade comum que, apesar de deixar de ser concebida como imaginação, ainda apresenta melhores condições para sobrevivência. A emergência do sujeito humano e psiquicamente legitimado depende da negação de uma narrativa originária de realização ou uma coincidência imaginária entre interesse ou instinto individual. Essas identidades binárias, bipartidas funcionam em uma espécie de reflexo narcíseo do UM no Outro, confrontados na linguagem do desejo pelo processo psicanalítico de identificação. Para a identificação, a identidade nunca é uma a priori, nem um produto acabado; ela é apenas e sempre o processo problemático de acesso a uma imagem da totalidade (BHABHA, 1998, p. 85) Isso fica evidente quando, a partir das fragilidades da família para quem trabalhava e de outras relações pessoais estabelecidas, Lucy questiona o seu mundo idealizado. Será que as pessoas em sua condição: ricas, bem instaladas, belas, com o melhor que o mundo tinha a oferecer ao alcance da mão não conseguiam viver sãs? (KINCAID, 1994, p. 45). Um questionamento compreensível já que o seu projeto de felicidade em deslocamento não apenas se fundamentava no acesso a possibilidades 9

10 materiais, mas também afetivas, que não eram possíveis em seu local de origem. E continua: (...) via um sofá, duas cadeiras e uma parede de livros. Que luxo, pensei, ter uma sala vazia em casa, uma sala de que ninguém realmente precisa. E não é isso que todos no mundo deveriam ter ter mais do que precisam ter? Não era um pergunta que fizesse a Mariah, pois, Ela pensava exatamente o contrário. Tinha tudo em excesso, por isso ansiava por ter menos. Menos, tinha certeza, traria felicidade. Para mim era uma piada e uma alívio observar a infelicidade que o excesso pode trazer; me habituara tanto a observar os resultados da carência (KINCAID, 1994, p.46) Lucy, em Nova Iorque, com o passar do tempo, consegue autonomia, independência; concretiza, de certa maneira, o seu almejado projeto de felicidade, ao menos do ponto de vista material. Consegue, enfim, alugar uma casa, ter um trabalho bem remunerado e a liberdade de fazer, ser, realmente, o que desejava. No entanto, tudo isso lhe parecia agora melancólico, vazio. Enfim, as razões afetivas ganham uma outra dimensão. Tão importante quanto a dimensão material que tivera antes. Inclusive, a consciência de que o que a motivara como projeto não estava relacionado, de fato, com questões materiais. Vê-se como isso se apresenta na narrativa quando Lucy vai a um Museu, quando lembrou da mãe, falecida quando já estava distante, e dos vínculos de seu passado e espaço. Lembrar pareceu tentar justificar seus atos e a razão de sua despedida e distância de sua origem. Num aparente pedido de desculpas. Lucy, enfim, percebe que para construir uma nova realidade não precisaria desconstruir uma realidade anterior. Pois enquanto houvesse memória haveria passado e uma relação afetiva com o que foi vivenciado, e isso era de fundamental importância pois era o que constituía Lucy como indivíduo. Mais: percebe que o amor que tanto buscava estava apenas distante, na saudade mútua dos confins de suas origens, responsável por quem era. É dessa maneira que Lucy descobre a importância de seu passado porque percebe que enquanto houvesse passado haveria o amor, por razões que ainda não saberia explicar. Lucy descobre que a razão que fundamenta a base de seu projeto de deslocamento era a ausência de amor. No entanto, a razão a fez se deslocar e evocar esperanças. Nova Iorque não foi a solução do problema. Nova Iorque não passou a ser extensão apaziguada de seus problemas e que por isso a motivou a se deslocar, pois lá 10

11 também estava, como em sua ilha no Caribe, a ausência de amor. Por isso, sua vida não era uma nova vida como imaginara e queria, mas sim a continuidade de uma antiga vida, também ausente de amor. É dessa maneira que Lucy percebe que tanto a felicidade quanto a infelicidade independem de espaços. Mas, afinal, onde estaria a tal felicidade buscada por Lucy? Certo dia, ao encontrar-se em casa, em sua nova e almejada vida, ao encontrar a folha de um caderno em branco escreve: Gostaria de ser capaz de amar alguém a ponto de morrer de morrer de amor (KINCAID, 1994, 89). Poderia ser o suficiente para Lucy fundamentar outro projeto de deslocamento e felicidade, distante do equívoco de pensar que a necessidade espiritual do amor pudesse ser substituída e ocultada por aquisições ou transposições materiais, na consciência de que para o amor e a felicidade requer-se a contínua busca. 11

12 REFERÊNCIAS BERLIN, Isaiah. Limites da Utopia. Capítulos da História das Idéias. Trad. Valter Lellis Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, BERDN, Zilá; GRANDIS, Rita de. (Org.) Imprevisíveis América. Questões de Hibridização Cultural. Porto Alegre: Sagra: DC Luzzato: ABECON, 1995 BHABHA, Homi. O Local da Cultura. Trad. Myriam Ávila; Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renata Gonçalves. Belo Horizonte: Ed, UFMG, BRAH, Avtar. Cartographies of Diáspora: Contesting Identities. London/New York: Routedge, CANCLINI, Néstor Garcia (Org). Culturas da IberoÁmerica: Diagnósticos e Propostas para seu Desenvolvimento. São Paulo: Moderna, CLIFFORD, James. Routes. London; New York: Routedge, LYOTARD, Jean-François. A Condição Pós-Moderna. Trad. Ricardo Correa Barbosa. Rio de Janeiro: José Olympio, KINCAID, Jamaica. Lucy. Trad, Lia Wyler. Rio de Janeiro: Objetiva, RICHARD, Nelly. Intervenções Críticas: Arte, Cultura e Política. Trad. Rômulo Monte Alto. Belo Horizonte: Ed. UFMG, ORTIZ, Renato. Mundialização e Cultura. São Paulo: Brasiliense, 2003 YOUNG, Robert J.C. Colonial Desire: Hybrity in Theory, Culture and Race. London; New York: Rowthedge, WALTER, Roland. Afro Américas. Recife: Editora Universitária, Culturas, Contextos e Contemporaneidade. IN: Revisões Culturais: Entrelugares, Diferenças e Identidades-em Processo. Seminário Alagoas (UFAL); Salvador: Universidade Federal da Bahia (UFBA): EDUFBA, pp

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO Dennys Rodrigues de Sousa* (Graduando em psicologia pela Faculdades Metropolitanas de Maringá - UNIFAMMA, Maringá-PR, Brasil); André Henrique Scarafiz,

Leia mais

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados

Lu Rochael - Psicóloga e Coach - Todos os direitos reservados Desenvolva e amplie sua autoestima Por que falar de autoestima? Trabalho como terapeuta há 10 anos, período em que pude testemunhar e acompanhar muitos clientes. Qualquer que fosse o motivo pelo qual as

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem.

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem. RESENHA Artigo: ARROYO, M. G. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens adultos populares? Revej@ - Revista de Educação de Jovens e Adultos, V. I; 2007. Estamos diante de um texto que problematiza

Leia mais

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens.

44% 56% 67.896 respostas no Brasil. 111.432 respostas na América Latina. 0,5% Margem de erro. Metodologia e Perfil. homens. Brasil A pesquisa em 2015 Metodologia e Perfil 111.432 respostas na América Latina 44% homens 67.896 respostas no Brasil 0,5% Margem de erro 56% mulheres * A pesquisa no Uruguai ainda está em fase de coleta

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009.

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. 13 Marco Antonio Gonçalves * Num ensaio sobre nossa temporalidade qualificada como

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1

A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 157 A PRESENÇA INDÍGENA NA CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA Renata Baum Ortiz 1 Somos a continuação de um fio que nasceu há muito tempo atrás... Vindo de outros lugares... Iniciado por outras pessoas...

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Romance familiar poesia familiar

Romance familiar poesia familiar Romance familiar poesia familiar Em busca de imagens para uma apresentação, dou com a foto, feita em estúdio, de um garoto de 11 anos de idade chamado Walter Benjamin (1892-1940). Serve de ilustração a

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Logo, fiquem atentos às nossas instruções para que tudo ocorra dentro da normalidade.

Logo, fiquem atentos às nossas instruções para que tudo ocorra dentro da normalidade. Papai e Mamãe, A Escola Bem-Me-Quer apresenta esta cartilha para que vocês possam tornar a adaptação do seu (sua) filho (a) mais tranquila e sem traumas. Mas para isso, é necessário que vocês sigam direitinho

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1

O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1 O PROJETO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE GRUPO DE UMA COOPERATIVA POPULAR 1 Simone Aparecida Lisniowski Mestre em Direito Cooperativo pela UFPR, professora substituta no Departamento

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.

A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu. ISSN 2316-7785 A IMPORTÂNCIA DO PIBID NA FORMAÇÃO DE FUTUROS PROFESSORES Vitor José Petry Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS vitor.petry@uffs.edu.br Resumo O artigo é resultado da análise de

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série

PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série 1 PCN em Ação Relatório 5ª a 8ª série Antonia Terra de Calazans Fernandes Mimoso do Sul - 02 a 05 de maio de 2000 Assistiu e ajudou na coordenação: Marísia Buitoni Caracterização do Grupo Estavam presentes

Leia mais

A Criança e os Mimos. "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..."

A Criança e os Mimos. Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível... A Criança e os Mimos "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..." Autora: Anne M. Lucille[1] "Respeito é quando ensinamos, não quando corrigimos..."

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning)

Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) Estímulo Experimental: Texto para filmagem dos discursos políticos (Brasil Thad Dunning) DISCURSOS 1, 2, 3 e 4 sem mensagem de raça ou classe (o texto do discurso é para ser lido duas vezes por cada ator,

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE

GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE Adriane Ortiz Condé Kreozer 1 Ana Maria Martins 2 Cleonice Cristina Candido 3 Ética e Direitos Humanos INTRODUÇÃO A adolescência é um período de muitas mudanças

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS BAPAK FALA AOS CANDIDATOS PRÓLOGO Subud é um contacto com o poder de Deus Todo Poderoso. Para as pessoas que consideram difícil aceitar tal afirmação, Subud pode ser descrito como a realidade mais além

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

METODOLOGIA PARTICIPATIVA NA AVALIAÇÃO DE CURRICULO

METODOLOGIA PARTICIPATIVA NA AVALIAÇÃO DE CURRICULO METODOLOGIA PARTICIPATIVA NA AVALIAÇÃO DE CURRICULO Maria Célia B. Aires - UFPR Ceusa Valério Gabardo - UFPR Suely Carta Cardoso - UFPR Vilma M. Barra - UFPR RESUMO - O trabalho de pesquisa aqui relatado

Leia mais

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR FERRAZ, Dirce Huf (dirce.ferraz @iap.org.br) IAP CHAVES, Sônia Maria Haracemiv (sharacemiv@gmail.com) Universidade

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Metas EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Colégio Cenecista Dr. José Ferreira QUADRINHOS NA CIÊNCIAS Área de Concentração: Ciências Naturais Disciplina de Concentração: Ciências Professores: Maria José Lima, Polyana Noronha e Thaianne Lopes Uberaba

Leia mais

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

CONTROL+EU. Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r CONTROL+EU Você não sofre porque tem uma programação mental, você sofre porque sua programação

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador.

AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador. AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador. MARISTELA PITZ DOS SANTOS SEMED BLUMENAU 1 Janela sobre a utopia Ela está no horizonte

Leia mais

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO OBJETIVOS Compreender a abordagem geográfica da fome; Discorrer sobre fome e desnutrição; Conhecer a problemática de má distribuição de renda e alimentos no Brasil

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RESUMO EXPANDIDO (2011-2012) A REDESCRIÇÃO DA PEDAGOGIA (A redescrição

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais