CONSTRUIR EM VIDRO. Enquadramento 2ª Parte. Nuno Valentim Lopes Formação Contínua Ordem do Arquitectos SRN Palácio das Artes Porto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "25-06-2010 CONSTRUIR EM VIDRO. Enquadramento 2ª Parte. Nuno Valentim Lopes Formação Contínua Ordem do Arquitectos SRN Palácio das Artes Porto"

Transcrição

1 CONSTRUIR EM VIDRO Enquadramento 2ª Parte Nuno Valentim Lopes Formação Contínua Ordem do Arquitectos SRN Palácio das Artes Porto Fonte: Silva, João P, Reflexos do Vidro, FAUP,

2 Crystal Palace, Londres, J Paxton, 1851 Carson Pirie Scott, Chicago, Louis Sullivan, Le parisien, Paris, G. Chedanne, Fábrica Steiff, Alemanha, Autor desconhecido,

3 Fábrica Fagus, Alemanha, W. Gropius, 1911 a questão da salubridade, luz, saúde, higienismo, eugenia, ) Kyoto, Séc. XVII (o fim da caixa, diluição progressiva interior/exterior) 3

4 Pavilhão de Barcelona, Mies Van Der Rohe, Casa Schröder, Utrecht, G. Ritveld,

5 Casa Schröder, Utrecht, G. Ritveld, 1924 Fallingwater, F. L. Wright,

6 Pavilhão da Deutscher Werkbund na Exposição de Colónia, Bruno Taut, 1914 (o vidro é fundamental na comunicação das visões expressionistas - de um novo mundo) H. Scharoun, aguarela, 1919 Mies van der Rohe, Arranha-Céus de Vidro, Berlin,

7 Fonte: Silva, João P, Reflexos do Vidro, FAUP, 2006 Ville Savoye, Paris, Le Corbusier,

8 Immeuble Clarté, Geneve, Le Corbusier, 1932 Escola aberta, Amsterdão, J. Duiker, 1930 Fabrica de tabaco, Roterdão, J. A. Brinkmann, L. C. van der Vlugt e M Stam,

9 Maison de Verre, P Charreau, Maison de Verre, P Charreau,

10 Fonte: Silva, João P, Reflexos do Vidro, FAUP, 2006 CASA FARNWORTH, MIES VAN DER ROHE, ILLINOIS, 1946/51 10

11 CASA FARNWORTH, MIES VAN DER ROHE, ILLINOIS, 1946/51 CASA FARNWORTH, MIES VAN DER ROHE, ILLINOIS, 1946/51 11

12 CASA FARNWORTH, MIES VAN DER ROHE, ILLINOIS, 1946/ , 1952,

13 SEAGRAM BUILDING, MIES VAN DER ROHE, NOVA IORQUE, SEAGRAM BUILDING, MIES VAN DER ROHE, NOVA IORQUE,

14 Jacobsen 1955, SOM 1952, Saarinen SEDE DA WILLIS, FABER & DUMAS, NORMAN FOSTER, IPSWICH,

15 SEDE DA WILLIS, FABER & DUMAS, NORMAN FOSTER, IPSWICH,

16 16

17 EDIFÍCIO SUVA, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1988/93 EDIFÍCIO SUVA, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1988/93 17

18 EDIFÍCIO SUVA, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1988/93 EDIFÍCIO SUVA, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1988/93 18

19 EDIFÍCIO SUVA, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1988/93 EDIFÍCIO DE COMÉRCIO E HABITAÇÃO, HERZOG & DE MEURON, SOLOTHURN, 1993/00 19

20 EDIFÍCIO DE COMÉRCIO E HABITAÇÃO, HERZOG & DE MEURON, SOLOTHURN, 1993/00 EDIFÍCIO DE COMÉRCIO E HABITAÇÃO, HERZOG & DE MEURON, SOLOTHURN, 1993/00 20

21 EDIFÍCIO DE COMÉRCIO E HABITAÇÃO, HERZOG & DE MEURON, SOLOTHURN, 1993/00 EDIFÍCIO DE COMÉRCIO E HABITAÇÃO, HERZOG & DE MEURON, SOLOTHURN, 1993/00 21

22 EDIFÍCIO DE COMÉRCIO E HABITAÇÃO, HERZOG & DE MEURON, SOLOTHURN, 1993/00 EDIFÍCIO PRADA, HERZOG & DE MEURON, TOQUIO, 2000/03 22

23 EDIFÍCIO PRADA, HERZOG & DE MEURON, TOQUIO, 2000/03 EDIFÍCIO ROCHE PHARMA, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1993/00 23

24 EDIFÍCIO ROCHE PHARMA, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1993/00 EDIFÍCIO DE COMÉRCIO E HABITAÇÃO, HERZOG & DE MEURON, MUNIQUE, 1996/00 24

25 SEDE DA COMPANHIA RICOLA, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1997/98 EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO, HERZOG & DE MEURON, PARIS, 1996/00 25

26 EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO, HERZOG & DE MEURON, PARIS, 1996/00 EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO, HERZOG & DE MEURON, PARIS, 1996/00 26

27 EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO, HERZOG & DE MEURON, PARIS, 1996/00 INSTITUTO DO MUNDO ÁRABE, JEAN NOUVEL, PARIS, 1981/87 27

28 INSTITUTO DO MUNDO ÁRABE, JEAN NOUVEL, PARIS, 1981/87 INSTITUTO DO MUNDO ÁRABE, JEAN NOUVEL, PARIS, 1981/87 28

29 1997 CAPELA DO CREU-IL Porto Capela e arranjos exteriores do Centro de Reflexão e Encontro Universitário Inácio de Loiola Nuno Valentim Lopes, Frederico Eça 29

30 30

31 31

32 32

33 33

34 34

35 CAIXILHARIAS 35

36 BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO, ÁLVARO SIZA, AVEIRO, 1988/95 BIBLIOTECA DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO, ÁLVARO SIZA, AVEIRO, 1988/95 36

37 MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA, ÁLVARO SIZA, SANTIAGO DE COMPOSTELA, 1986/95 MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA, ÁLVARO SIZA, SANTIAGO DE COMPOSTELA, 1986/95 37

38 CASA I, EDUARDO SOUTO MOURA, NEVOGILDE, 1982/85 CAPELA MORTUÁRIA DO CEMITÉRIO WOODLAND, ERIK GUNNAR ASPLUND, ESTOCOLMO, 1935/40 38

39 CAPELA MORTUÁRIA DO CEMITÉRIO WOODLAND, ERIK GUNNAR ASPLUND, ESTOCOLMO, 1935/40 CAPELA MORTUÁRIA DO CEMITÉRIO WOODLAND, ERIK GUNNAR ASPLUND, ESTOCOLMO, 1935/40 39

40 BANCO PINTO & SOTTO MAYOR, ÁLVARO SIZA, O. AZEMÉIS, 1971/74 BANCO PINTO & SOTTO MAYOR, ÁLVARO SIZA, O. AZEMÉIS, 1971/74 40

41 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO, ÁLVARO SIZA, SETUBAL, 1986/95 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO, ÁLVARO SIZA, SETUBAL, 1986/95 41

42 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO, ÁLVARO SIZA, SETUBAL, 1986/95 FAUP, ÁLVARO SIZA, PORTO, 1986/96 42

43 FAUP, ÁLVARO SIZA, PORTO, 1986/96 CASA EM ALCANENA, EDUARDO SOUTO MOURA, TORRES NOVAS, 1987/92 43

44 RESIDÊNCIAS DE ESTUDANTES ANTIPODE I, HERZOG & DE MEURON, DIJON, FRANÇA, RESIDÊNCIAS DE ESTUDANTES ANTIPODE I, HERZOG & DE MEURON, DIJON, FRANÇA,

45 IGREJA DE ST. PETER, SIGURD LEWERENTZ, KLIPPAN, 1962/66 IGREJA DE ST. PETER, SIGURD LEWERENTZ, KLIPPAN, 1962/66 45

46 IGREJA DE ST. PETER, SIGURD LEWERENTZ, KLIPPAN, 1962/66 CAVES DOMINUS, HERZOG & DE MEURON, CALIFÓRNIA, 1995/97 46

47 CAVES DOMINUS, HERZOG & DE MEURON, CALIFÓRNIA, 1995/97 CASA KOECHLIN, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1993/94 47

48 CASA KOECHLIN, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1993/94 CASA KOECHLIN, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1993/94 48

49 CASA KOECHLIN, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1993/94 CASA KOECHLIN, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1993/94 49

50 CASA KOECHLIN, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1993/94 CASA KOECHLIN, HERZOG & DE MEURON, BASILEIA, 1993/94 50

51 A REABILITAÇÃO DE CAIXILHARIAS CONSERVAÇÃO E CONFLITO COM A SELECÇÃO EXIGENCIAL Selecção Exigencial de Caixilharias. Certificação. Exigências e Normas Aplicáveis. Quadro-síntese 51

52 Exigências Sigla ou Índice Classes de Referência Recomendação (caso de estudo) Unidade Observ. Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção Permeabilidade ao Ar Estanquidade à Água Resistência e Deformação ao Vento Coeficiente de Transmissão Térmica Coeficiente de Transmissão Luminosa Ai A1 A3 A1 -- a) b) Ei E1 - E4 E1 -- a) b) Vi V1 V3 V1 -- a) b) U -- < 3,3 W/m 2 K c) -- Th4 - Th11 Th5 -- d) TL -- > 70 % e) a) Classes segundo o ITE 36, LNEC. A recomendação proposta para o edificado em estudo teve como condições a localização (Porto) e o facto de serem áreas urbanizadas, com Que fachadas peso deverão abrigadas (protegidas ter pelo edificado próximo) que não excedem os 15 metros exigências de cota. culturais face às exigências funcionais? b) Transposição para as Classes segundo o recente documento do LNEC: Componentes de Edifícios: Selecção de Caixilharia e seu Dimensionamento Mecânico. A recomendação proposta para o edificado em estudo teve como condições a localização (Porto) e o facto de serem áreas urbanizadas, com Será fachadas possível abrigadas dar (protegidas resposta pelo a todas estas edificado exigências próximo) que na não reabilitação excedem os 15 metros de cota. de caixilharias de madeira do séc. XIX e início do séc. XX? Factor Solar g -- < 0,25 % f) Reacção ao fogo dos Materiais Isolamento Acústico ou Sonora Exigências Arquitectónicas, Históricas, Mi M0 - M4 M3 -- g) A / F A-B-C-D-E-F D -- h) Rw -- > 33 db i) -- j)...o limite da aproximação exigencial encontra-se nas questões culturais (...) j) Exigências de âmbito cultural não Prof. Blacher parametrizáveis Outras exigências (Anexo 2) Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção Importância do Diagnóstico. Levantamentos. Inspecção. Caracterização dos materiais e anomalias correntes 52

53 Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção Levantamento Recolha arquivística fotográfico Não Pesquisa só do arquivística edifício e caixilharias (de desenhos, em questão, gravuras mas e fotografias também da envolvente época da construção) próxima (o conjunto urbano onde o edifício se insere fornece dados essenciais à estratégia de reabilitação a definir). Levantamentos Bases e Elementos fundamentais para a elaboração do diagnóstico e posterior desenvolvimento da operação de reabilitação Enquadramento Histórico e Urbano Caracterização do Edificado, do Vão e da Caixilharia em estudo Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção Levantamento geométrico/arquitectónico Tão exaustivo quanto possível: alçados/cortes, componentes e pormenorização construtiva Levantamentos Bases e Elementos fundamentais para a elaboração do diagnóstico e posterior desenvolvimento da operação de reabilitação 53

54 Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção [12] Inspecção Testes feitos com instrumentos básicos são normalmente suficientes para determinar anomalias da madeira, pintura e massas (canivetes, escovas metálicas, espátula...) Fornece informações importantes sobre o estado da caixilharia e eventuais patologias dos seus componentes e materiais: Muitas questões madeira; estratégia vidro; acabamentos para a reabilitação (tinta, verniz...); de janelas juntas podem entre ser materiais respondidas (massas, no decurso vedantes, inspecção mastiques...); visual preliminar. ferragens (puxadores, fechos, trincos...); protecção interior/exterior (portadas, estores...); Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção Anomalias Correntes As deteriorações observadas relacionam-se geralmente: A humidade de precipitação é a que assume uma maior relevância, ainda que não seja de excluir a ocorrência de - com a falta de manutenção, associada à acção das humidades; -situações ao próprio patológicas envelhecimento derivadas e degradação da humidade dos de materiais; condensação. (o desempenho acústico/térmico e a estanquidade à água e vento são frequentemente apontados como Quando patologias...) a caixilharia não se encontra devidamente protegida com um esquema de pintura estanque surgem os defeitos decorrentes da madeira exposta 54

55 Colocam-se diversas questões ao reabilitar as caixilharias de madeira existentes nestes edifícios: Restaurar? Conservar tentando melhorar o desempenho? Substituir interpretando o desenho original? Seleccionar um sistema classificado do mercado ou desenhado pelo autor do projecto? E quais as consequências destas opções ao nível da resposta exigencial e da expressão arquitectónica? Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção Estratégias de Intervenção (Do Restauro à Selecção Exigêncial de uma Nova Caixilharia) 1. Restaurar a Caixilharia Utilizando Técnicas e Materiais Tradicionais 2. Conservar a Caixilharia Utilizando Técnicas e Materiais Contemporâneos 3. Conservar a Caixilharia e Introdução de Segunda Caixilharia Interior 4. Substituir por Nova Caixilharia Reinterpretando o Desenho Original 5. Substituir por Nova Caixilharia com Desenho de Autor 6. Substituir através da Selecção Exigencial de uma Nova Caixilharia Classificada 55

56 Enquadramento Histórico e Urbano Caracterização do Edificado, do Vão e da Caixilharia em estudo Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção 1. Restauro Utilizando Técnicas e Materiais Tradicionais 2. Conservar Utilizando Técnicas e Materiais Contemporâneos Restauro Utilizando Técnicas e Materiais Tradicionais 3. Conservar com Introdução de Segunda Caixilharia Interior 4. Substituir por Nova Caixilharia Reinterpretando o Desenho Original 5. Substituir por Nova Caixilharia com Desenho de Autor 6. Selecção Exigencial de uma Nova Caixilharia Classificada Opção mais justificável para edifícios de valor histórico ou monumental quando existam caixilharias da origem do edifício ou com trabalho de marcenaria de valor. Dificuldades de ordem económica e técnica, pois cada vez se torna mais difícil encontrar artífices com experiência ou qualificação para este tipo de trabalho. Não é possível quantificar o desempenho desta solução. Enquadramento Histórico e Urbano Caracterização do Edificado, do Vão e da Caixilharia em estudo Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção 1. Restauro Utilizando Técnicas e Materiais Tradicionais 2. Conservar Utilizando Técnicas e Materiais Contemporâneos 3. Conservar com Introdução de Segunda Caixilharia Interior Conservar a Caixilharia Utilizando Técnicas e Materiais Contemporâneos Materiais e Técnicas de Conservação [8] 4. Substituir por Nova Caixilharia Reinterpretando o Desenho Original 5. Substituir por Caixilharia com Desenho de Autor 6. Selecção Exigencial de uma Nova Caixilharia Classificada - introdução de vedantes de borracha em pontos críticos; Apesar - reforço de de também encaixes não ou ser realização possível quantificar de próteses o ; seu desempenho, garante-se com esta solução a contenção de custos - utilização uma vez de vidros que se com utilizam melhor técnicas desempenho; correntes mais acessíveis aos construtores. Quando existem caixilharias originais (ou desenhos que as permitam reproduzir) utilizando materiais e técnicas contemporâneas À - adaptação semelhança ou da substituição podemos opção anterior melhorar de ferragens continua-se o desempenho, (dobradiças, desta forma praticamente fechos, a garantir etc.); sem o respeito alteração histórico/arquitectónico da expressão original, e a nomeadamente própria - aplicação integração de tintas, através urbana betumes de: com e melhorias mastiques de com desempenho melhor desempenho (e economia). e durabilidade. 56

57 Enquadramento Histórico e Urbano Caracterização do Edificado, do Vão e da Caixilharia em estudo Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção 1. Restauro Utilizando Técnicas e Materiais Tradicionais 2. Conservar Utilizando Técnicas e Materiais Contemporâneos Conservar com a Introdução de Segunda Caixilharia Interior 3. Conservar com a Introdução de Segunda Caixilharia Interior 4. Substituir por Nova Caixilharia Reinterpretando o Desenho Original 5. Substituir por Nova Caixilharia com Desenho de Autor 6. Selecção Exigencial de uma Nova Caixilharia Classificada Se esta segunda caixilharia for uma caixilharia de mercado (classificada), poderá quantificar-se em projecto o desempenho. Quando existe a possibilidade física de introduzir uma segunda caixilharia pelo interior, esta solução poderá revelar-se No entanto como as condicionantes a que globalmente físicas e melhor as exigências corresponde integração às exigências arquitectónica de desempenho obrigam e frequentemente necessidades de a conservação recorrer a soluções arquitectónica. desenhadas especificamente só com ensaios do protótipo se poderá avaliar esta nova caixilharia interior. RECONSTRUÇÃO DO CHIADO, ÁLVARO SIZA, LISBOA,

58 RECONSTRUÇÃO DO CHIADO, ÁLVARO SIZA, LISBOA, 1989 Enquadramento Histórico e Urbano Caracterização do Edificado, do Vão e da Caixilharia em estudo Selecção Exigencial de Caixilharias Adaptação de caixilho simples a caixilho duplo [8] Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção 1. Restauro Utilizando Técnicas e Materiais Tradicionais 2. Conservar Utilizando Técnicas e Materiais Contemporâneos Substituir por Nova Caixilharia Reinterpretando o Desenho Original 3. Conservar com Introdução de Segunda Caixilharia Interior 4. Substituir por Nova Caixilharia Reinterpretando o Desenho Original 5. Substituir por Nova Caixilharia com Desenho de Autor 6. Selecção Exigencial de uma Nova Caixilharia Classificada Pormenores construtivos [11] Esta estratégia poderá ser dividida em duas opções: a reprodução integral da caixilharia existente ou a É No neste entanto caso esta indispensável solução poderá um conhecimento ser a única possível profundo quando, dos elementos por exemplo, que estamos constituem perante a janela uma fachada em causa para (re)interpretação dessa caixilharia. se bastante intervir exposta sem alterar ao sol/chuva/ruído, a essência desta não caixilharia. temos possibilidade de introduzir uma segunda caixilharia interior e A pelas suposta características reprodução da do envolvente desenho original ou do próprio poderá conduzir edifício, somos a enormes obrigados equívocos a aproximarmo-nos, de resultado desastroso tanto quanto quando Só procedendo a ensaios se poderá quantificar o desempenho desta solução. se possível, intervém da solução em conjuntos original. edificados com valor histórico. 58

59 Enquadramento Histórico e Urbano Caracterização do Edificado, do Vão e da Caixilharia em estudo Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção 1. Restauro Utilizando Técnicas e Materiais Tradicionais 2. Conservar Utilizando Técnicas e Materiais Contemporâneos Substituir por uma Nova Caixilharia com Desenho de Autor 3. Conservar com Introdução de Segunda Caixilharia Interior 4. Substituir por Nova Caixilharia Reinterpretando o Desenho Original 5. Substituir por Nova Caixilharia com Desenho de Autor 6. Selecção Exigencial de uma Nova Caixilharia Classificada Riscos: Caixilharia incerteza pormenorizada do desempenho pelo próprio da caixilharia projectista, será necessária sem obrigatoriedade a consulta de dos repetir diversos o desenho documentos ou o e material normas nacionais/internacionais original/pré-existente e não sobre seleccionando o tema (bastante um sistema dispersos de e mercado. por sintetizar) para apoio à pormenorização construtiva desta opção. À semelhança das soluções tradicionais, poderá em muitos casos ser o corolário lógico dos processos de Nota: À reabilitação semelhança repare-se do da na edifício, solução forma muitas anterior como o vezes pormenor só através profundamente resolve de ensaios a integração intervencionado. será possível da portada avaliar e o a desempenho introdução do desta isolamento solução térmico Enquadramento Histórico e Urbano Caracterização do Edificado, do Vão e da Caixilharia em estudo Selecção Exigencial de Caixilharias Importância do Diagnóstico Estratégias de Intervenção 1. Restauro Utilizando Técnicas e Materiais Tradicionais 2. Conservar Utilizando Técnicas e Materiais Contemporâneos Selecção Exigencial de uma Nova Caixilharia Classificada 3. Conservar com Introdução de Segunda Caixilharia Interior 4. Substituir por Nova Caixilharia Reinterpretando o Desenho Original 5. Substituir por Nova Caixilharia com Desenho de Autor 6. Selecção Exigencial de uma Nova Caixilharia Classificada Todas Opção as possível intervenções se: não de existem substituição dados da conferem preexistência, uma responsabilidade quando as exigências suplementar do conforto ao projectista, são elevadas confiando ou quando ao seu intencionalmente critério, conhecimento se pretende e mesmo dar um cultura, sinal exterior uma solução claro da que intervenção sendo alternativa interior. à preexistência deverá por aparente oposição revelar-se uma solução integrada ou não fosse o centro histórico um dos maiores catálogos de soluções e materiais distintos. 59

60 Principais Referências Bibliográficas e de Imagens 1. Deplazes, Andrea, Constructing Architecture, 2ª Edição (Inglês), Basileia: Birkhäuser, Lopes, Nuno Valentim, Reabilitação de Caixilharias de Madeira em Edifícios do Séc. XIX e Início do Séc. XX Tese: Mestrado em Reabilitação do Património Edificado, FEUP: Porto, Schittich, Christian et al, Glass Construction Manual, Basileia: Birkhäuser, Silva, João P, Reflexos do Vidro Prova Final para licenciatura em Arquitectura, FAUP: Porto, Revista Tectonica nº 10 Vidrio (I), Madrid, Revista Detail nº 1/2 Construir em Vidro, Munique, Revista Detail nº 7/8 Construir em Vidro, Munique, 2007 Outras Fontes de Imagens 1. FAUP (In)formar a modernidade/arquitecturas portuenses:morfologias, movimentos, metamorfoses. Porto: FAUP Publicações, Nonell, Anni Günther, Tavares, Rui Atlas Histórico de Ciudades Europeas. Centre de Cultura Contemporània de Barcelona. Barcelona: Salvat Editores, Barata-Fernandes, Francisco Transformações e Permanência na Habitação Portuense. Porto: FAUP Publicações. 4. Nonell, Anni Günther Porto, 1763/1852: A construção da cidade entre despotismo e liberalismo. Porto: FAUP Publicações, Teixeira, Joaquim J. L. Descrição do sistema construtivo da casa burguesa do Porto entre os seculos XVII e XIX Provas de aptidão pedagógica e capacidade científica [...]. Porto: FAUP, Outubro New York Landmarks Conservancy Repairing Old a nd Historic Windows: A MAnual for Architects and Homeowners. New York, USA: John Wiley & Sons Inc., Inventário do Património Arquitectónico do Porto [IPAP] e Arquivo Histórico do Porto 8. Radford, William A. Old House measured and scaled detail drawings for Builders and Carpenters: Na early Twentieth-Century Pictorial Sourcebook with 183 Detailed Plates. New York: Dover Publications, Segurado, João E.S. Materiais de Construção. 6ª Edição. Lisboa: Livraria Bertrand, Alvão, Domingos A cidade do Porto na obra do fotógrafo Alvão. Porto: Ed. Fotografia Alvão,

25-06-2010. A história da Arquitectura é a história da luta pela janela (...). CONSTRUIR EM VIDRO. (Lao Tse) Le Corbusier. Enquadramento 1ª Parte

25-06-2010. A história da Arquitectura é a história da luta pela janela (...). CONSTRUIR EM VIDRO. (Lao Tse) Le Corbusier. Enquadramento 1ª Parte CONSTRUIR EM VIDRO Enquadramento 1ª Parte Nuno Valentim Lopes Formação Contínua Ordem do Arquitectos SRN Palácio das Artes Porto Trinta raios convergem no eixo da roda e é o centro que a faz mover... Molda-se

Leia mais

ILUMINAÇÃO NATURAL BREVE RETROSPECTIVA HISTÓRICA

ILUMINAÇÃO NATURAL BREVE RETROSPECTIVA HISTÓRICA ILUMINAÇÃO NATURAL BREVE RETROSPECTIVA HISTÓRICA A HISTÓRIA DA ILUMINAÇÃO NATURAL NA ARQUITETURA FAZ PARTE DA PRÓPRIA HISTÓRIA DA ARQUITETURA EGITO ANTIGO 2780 A.C A 2280 A.C. O GRANDE TEMPLO DE AMMON,

Leia mais

O MODERNISMO - ARQUITECTURA

O MODERNISMO - ARQUITECTURA O MODERNISMO - ARQUITECTURA ARTE VS TÉCNICA TRADIÇÃO VS MODERNIDADE ACADEMISMO VS FUNCIONALISMO FORMA VS FUNÇÃO BELO VS ÚTIL PAPEL DO ARQUITECTO NA SOCIEDADE O MODERNISMO - ARQUITECTURA ESCOLAS DE BELAS-ARTES

Leia mais

Nº2 JUNHO 2002 SISTEMA DE FACHADA PLANAR VIDRO EXTERIOR AGRAFADO

Nº2 JUNHO 2002 SISTEMA DE FACHADA PLANAR VIDRO EXTERIOR AGRAFADO Nº2 JUNHO 2002 SISTEMA DE FACHADA PLANAR VIDRO EXTERIOR AGRAFADO Pedro Filipe Quaresma A monografia apresentada foi realizada no âmbito da cadeira de Tecnologias da Construção do 11ª Mestrado em Construção

Leia mais

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC

FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES. Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FAUL 2007 REVESTIMENTOS DE PAREDES DE EDIFÍCIOS RECENTES Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt Laboratório Nacional de Engenharia Civil - LNEC FUNÇÕES E EXIGÊNCIAS FUNCIONAIS Como especificar revestimentos

Leia mais

MAIS JANELAS EFICIENTES

MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA nos edifícios portugueses TEKTÓNICA 2014 Lisboa 06 de Maio de 2014 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Instaladores de Janelas Eficientes

Instaladores de Janelas Eficientes Instaladores de Janelas Eficientes LNEG, 8 julho BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Carga horária 25 horas A. Teoria: Objetivos 1.

Leia mais

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO

O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO O GUIA TERMOS DE REFERÊNCIA: EXEMPLO DE APLICAÇÃO VASCO PEIXOTO DE FREITAS Faculdade Engenharia Universidade do Porto Laboratório de Física das Construções /FEUP - AdePorto SUMÁRIO 1. Introdução 2. Tipificação

Leia mais

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura ANEXO III PROGRAMA PRELIMINAR Programa_Preliminar_JC_DOM 1 Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura PROGRAMA PRELIMINAR Índice! " #! $ % &' ( Programa_Preliminar_JC_DOM

Leia mais

REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE

REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE REABILITAÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA 2ª FASE A ASSOCIAÇÃO COMERCIAL INICIOU EM 1842 A CONSTRUÇÃO DO PALÁCIO DA BOLSA, UM DOS MAIS NOTÁVEIS MONUMENTOS PORTUENSES DA

Leia mais

CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP

CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP CONSTRUÇÃO PRÉ-FABRICADA TORRE DO BURGO CATARINA CARVALHO MIGUEL SIMÕES RAFAEL SANTOS C2 FAUP ABSTRACT A construção pré-fabricada trata-se da utilização de elementos já produzidos antes do processo construtivo

Leia mais

02 02 2010 [MARCAÇÃO CE]

02 02 2010 [MARCAÇÃO CE] 02 02 2010 2 [MARCAÇÃO CE] Neste documento está um resumo do processo de marcação CE para o mercado da caixilharia. Esperamos que possa servir de ajuda a todos os interessados, para que a transição seja

Leia mais

NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA

NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA NORMAS URBANÍSTICAS E REABILITAÇÃO URBANA Paula Morais mail@paulamorais.pt O REGIME LEGAL DA REABILITAÇÃO URBANA Alguns aspectos da sua evolução Decreto Lei n.º 307/2009, de 27 de Outubro Decreto Lei n.º

Leia mais

A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios

A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios Luís Viegas Mendonça Engenheiro Civil Spybuilding Lda. - Director Geral Miguel Martins do Amaral Engenheiro Civil Spybuilding Lda. - Director

Leia mais

Pós-Graduação em Reabilitação Urbana

Pós-Graduação em Reabilitação Urbana FICHA DE CURSO 1. Designação do Curso: Pós-Graduação em 2. Denominação do Diploma ou Certificado Diploma de Pós-Graduação em 3. Objetivos Gerais e Enquadramento: O sector da construção habitacional em

Leia mais

As principais conclusões foram as seguintes:

As principais conclusões foram as seguintes: A REABILITAÇÃO EXIGE PROJETO IN SITU Vasco Peixoto de Freitas Professor Catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Diretor do Laboratório de Física das Construções * Nesta sessão foi

Leia mais

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE CORRER CONFORT. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE CORRER CONFORT. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo CATÁLOGO 2011 Índice Introdução 03 Perfis. Soleiras, verga, ombreira 04. Vidro duplo 05. Vidro simples 06. Tri-rail 07 Pormenores 08 Acessórios 10 Série de correr CONFORT comercializada pela, surge numa

Leia mais

G17 Brice Binachon José Caetano Nuno Rodrigues O ALUMÍNIO

G17 Brice Binachon José Caetano Nuno Rodrigues O ALUMÍNIO G17 Brice Binachon José Caetano Nuno Rodrigues O ALUMÍNIO O ALUMÍNIO - História 1808 - Humphry Davy estabeleceu a existência do metal e atribui-lhe o nome alumina 1825 - Hans Christian Oersted consegui

Leia mais

KÖMMERLINGR. Número 1 em Europa em Perfis de PVC. Técnica e Estética

KÖMMERLINGR. Número 1 em Europa em Perfis de PVC. Técnica e Estética KÖMMERLINGR Número 1 em Europa em Perfis de PVC Técnica e Estética 3 1 2 O que há no interior de uma janela fabricada com perfis Eurofutur? O VIDRO [1] As propriedades isolantes da janela dependem muito

Leia mais

Série de correr THERMOLINE

Série de correr THERMOLINE A dedica-se à extrusão de perfis de alumínio de secções variadas, com maior ou menor complexidade, consoante as necessidades dos clientes. A extrusão de alumínio permite toda a liberdade de concepção em

Leia mais

Mestrado em Construções Civis

Mestrado em Construções Civis Mestrado em Construções Civis Guarda, 22 de fevereiro de 2015 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos do ciclo de estudos... 4 2.1. Objetivos gerais... 4 2.2. Objetivos específicos... 4 3. Competências

Leia mais

ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows.

ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows. ecoprodutos Instituto Politécnico de Castelo Branco Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 www.boavistawindows.com Francisco Pereira Branco Francisco.branco@boavistawindows.com CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL ALGUNS

Leia mais

SIZA VIEIRA. maría josefa agudo martínez. Sevilla, marzo 2003

SIZA VIEIRA. maría josefa agudo martínez. Sevilla, marzo 2003 SIZA VIEIRA maría josefa agudo martínez Sevilla, marzo 2003 Casa de Chá/Restaurante Boa Nova 1958-1963 Piscinas de marés Leça da Palmeira Portugal 1961-1966 Casa Alcino Cardoso Lugar da Gateira, Moledo

Leia mais

Sistema A.045 - Caracterização

Sistema A.045 - Caracterização Sistema A.045 - Caracterização Sistema de batente com rotura de ponte térmica, vedação central e câmara europeia as ferragens. Permite a construção de caixilhos de abrir com uma ou mais folhas móveis,

Leia mais

Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes

Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes Sistemas de perfis Softline 70 mm para janelas deslizantes Descrição Técnica do Sistema Secção lateral janela Secção central janela Secção lateral porta Secção central porta O sistema de perfis EKOSOL

Leia mais

IHRU Ciclo de conferências Centros históricos e vida contemporânea. Auditório do Metropolitano de Lisboa, estação Alto dos Moinhos, em 2009.11.

IHRU Ciclo de conferências Centros históricos e vida contemporânea. Auditório do Metropolitano de Lisboa, estação Alto dos Moinhos, em 2009.11. IHRU Ciclo de conferências Centros históricos e vida contemporânea Auditório do Metropolitano de Lisboa, estação Alto dos Moinhos, em 2009.11.06 Participação de Vítor Cóias (GECoRPA) no painel Intervenções

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

Foto: Arquitecto Luis Santos Edifício Desfo: Grijó

Foto: Arquitecto Luis Santos Edifício Desfo: Grijó Foto: Arquitecto Luis Santos Edifício Desfo: Grijó Sistema A.062 - Caracterização Sistema de batente com rotura de ponte térmica, vedação central e câmara europeia para as ferragens. Permite a construção

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U DE C U R R I C U L U M V I T A E

M O D E L O E U R O P E U DE C U R R I C U L U M V I T A E M O D E L O E U R O P E U DE C U R R I C U L U M V I T A E Nome Correio electrónico Informação Pessoal VIEIRA, Pedro Filipe de Freitas Amaral Morada Rua D.José I nº47 2ºesq 3080 202 Figueira da Foz Portugal

Leia mais

2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014. Passive House com Cross Laminated Timber - CLT

2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014. Passive House com Cross Laminated Timber - CLT 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 Passive House com Cross Laminated Timber - CLT AVEIRO, NOVEMBRO 2014 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DA TISEM, LDA 2. SISTEMA CONSTRUTIVO CLT (CROSS LAMINATED TIMBER) 3.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INSTALAÇÕES TÉCNICAS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INSTALAÇÕES TÉCNICAS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular INSTALAÇÕES TÉCNICAS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular INSTALAÇÕES

Leia mais

SÉRIE INVICTA S 1 FOLHA BATENTE

SÉRIE INVICTA S 1 FOLHA BATENTE SÉRIE INVICTA S 1 FOLHA BATENTE ' SÉRIE INVICTA S 82 83 84 85 Fotografias gerais e pormenores Modelo Invicta S Tipologia 1 folha de batente Certificações Segurança anti-intrusão (EN 1627) 4 Grau pára-chamas

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com

Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com Um Contributo para a Sistematização do Conhecimento da Patologia da Construção em Portugal www.patorreb.com Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático LFC FEUP Portugal vpfreita@fe.up.pt Sandro M. Alves

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DA ARTE LICENCIATURA E MESTRADO EM HISTÓRIA DA ARTE DOCENTE: PROFESSOR DOUTOR CARLOS MOURA VIAGEM A MADRID:

Leia mais

AVANTIS 95 Janelas e portas passivas

AVANTIS 95 Janelas e portas passivas AVANTIS 95 Janelas e portas passivas www.sapabuildingsystem.pt 1 2 www.sapabuildingsystem.pt JANELAS PASSIVAS Com a nova janela Avantis 95, baseada no conceito casa passiva, os benefícios do alumínio são

Leia mais

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios

A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios ENEC 2011 Encontro Nacional de Engenharia Civil A Sustentabilidade nos Projectos de Reabilitação de Edifícios João Appleton 21 de Maio de 2011 A sustentabilidade corresponde a um conceito recente que,

Leia mais

PROJECTO REQUEST. Lisboa 10.10.2012. www.building-request.eu

PROJECTO REQUEST. Lisboa 10.10.2012. www.building-request.eu PROJECTO REQUEST Lisboa 10.10.2012 www.building-request.eu 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ANFAJE 2 A 1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Missão A ANFAJE pretende representar e defender os seus associados bem

Leia mais

2. REQUISITOS DAS ARGAMASSAS PARA REPARAÇÃO

2. REQUISITOS DAS ARGAMASSAS PARA REPARAÇÃO ESTUDO DE ARGAMASSAS DE CAL HIDRAULICA DE REFECHAMENTO DE JUNTAS DE PEDRAS José Domingos Costa Cimpor Argamassas Grupo Cimpor Portugal jdcosta@cimpor.com Ana Pérez Lobato Morteros de Galicia,S.L. Grupo

Leia mais

Vasco Peixoto de Freitas

Vasco Peixoto de Freitas VIDROS EM FACHADAS Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA - UNIVERSIDADE DO PORTO SUMÁRIO I. VIDRO EM FACHADAS II. PROPRIEDADES DOS VIDROS

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

Ciclo Obra Aberta * Visitas guiadas a obras da autoria do arquitecto José Marques da Silva

Ciclo Obra Aberta * Visitas guiadas a obras da autoria do arquitecto José Marques da Silva Ciclo Obra Aberta * Visitas guiadas a obras da autoria do arquitecto José Marques da Silva 17 de Outubro Sábado 10h30 - Estação de S. Bento (1896-1916), por Nuno Tasso de Sousa - Teatro Nacional S. João

Leia mais

> O Poder da Inovação > ADN Jofebar

> O Poder da Inovação > ADN Jofebar O Poder da Inovação > O Poder da Inovação > ADN Jofebar ADN Jofebar Nome - Jofebar, S.A Data de Nascimento- 1985 Actividade Primária: Serralharia tradicional Actividade Actual: Atelier especializado na

Leia mais

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória. Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII

LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória. Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII Ficha de Unidade Curricular (FUC) Curso LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL Obrigatória Unidade Curricular TECNOLOGIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃOII Opcional Área Científica ENGENHARIA CIVIL Classificação

Leia mais

DESENHO DA FACHADA NA OBRA DE HERZOG & DE MEURON C2 TURMA C2 MARIA ABREU PETRA SIMÕES PEDRO OLIVEIRA

DESENHO DA FACHADA NA OBRA DE HERZOG & DE MEURON C2 TURMA C2 MARIA ABREU PETRA SIMÕES PEDRO OLIVEIRA NA OBRA DE HERZOG & DE MEURON C2 TURMA C2 MARIA ABREU PETRA SIMÕES PEDRO OLIVEIRA 01 ARQUITECTOS E OBRA Palavras chave: Herzog & de Meuron; alçado; desenho; materiais;texturas;composição ''Supomos que

Leia mais

Destaque ARQUITECTURA

Destaque ARQUITECTURA ARQUITECTURA ARQUITECTURA Edificio Bloom Space for Business Localização Este edifício situa-se na Rua de Campolide em Lisboa. Com sua localização privilegiada sobre o Parque do Monsanto, coração verde

Leia mais

Zendow oscilo-paralelas. + liberdade para o seu espaço + isolamento térmico e acústico + segurança

Zendow oscilo-paralelas. + liberdade para o seu espaço + isolamento térmico e acústico + segurança OSCILO-PARALELAS + liberdade para o seu espaço + isolamento térmico e acústico + segurança Zendow oscilo-paralelas A tecnologia e a estética Zendow O sistema de janelas e portas oscilo-paralelas Zendow

Leia mais

Reabilitação do Património nas Smart Cities O Caso de Lisboa

Reabilitação do Património nas Smart Cities O Caso de Lisboa Quarta conferência do ciclo dedicado às Smart Cities Reabilitação do Património nas Smart Cities O Caso de Lisboa João Appleton 19 de Junho de 2014 Esta apresentação parte de três pressupostos: A reabilitação

Leia mais

CURRICULUM VITAE nuno miguel de matos silva arquitecto

CURRICULUM VITAE nuno miguel de matos silva arquitecto CURRICULUM VITAE nuno miguel de matos silva arquitecto identificação nuno miguel de matos silva, 1976 rua dr. alberto soares machado, 9 38100-146 Aveiro +31 962 282 948 matossilva.arq@gmail.com mail@numa.pt

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO REABILITAÇÃO DO PATRIMÓNIO CONSTRUÍDO 2013-2014

PÓS-GRADUAÇÃO REABILITAÇÃO DO PATRIMÓNIO CONSTRUÍDO 2013-2014 PÓS-GRADUAÇÃO REABILITAÇÃO DO PATRIMÓNIO CONSTRUÍDO 2013-2014 00. APRESENTAÇÃO Tendo em consideração a importância crescente da reabilitação urbana no sector da construção, considera-se pertinente a realização

Leia mais

Argamassas e ETICS. Reflexões actuais Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas e ETICS Argamassas e ETICS. Reflexões actuais, Concreta, Porto, 2015.11.19 1 Sistema ETICS Manual de Aplicação

Leia mais

news Editorial No interior Jul. - Set. 2009 Inovação Technal

news Editorial No interior Jul. - Set. 2009 Inovação Technal Editorial Iniciamos esta Technal News, expressando o nosso sentimento de orgulho pela inauguração no mês de Junho, do Centro de Ensaios Technal e do novo Show Room, dois espaços modernos, inovadores e

Leia mais

iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO

iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO iii REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO Guia de Termos de Referência para o Desempenho Energético-Ambiental 1 2 REABILITAÇÃO DE EDIFÍCIOS DO CENTRO HISTÓRICO DO PORTO Guia de Termos

Leia mais

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG

Wilderness. casa ÚLTIMAS REPORTAGENS FG+SG casa Wilderness A construção, assimétrica, quebrada, composta por múltiplos volumes, que se contraem ou se expandem do corpo principal, reinventa, contemporânea, as tradicionais casas de campo britânicas.

Leia mais

Fachada A.080. 04/15 A.080 - Fachadas - Pag.1

Fachada A.080. 04/15 A.080 - Fachadas - Pag.1 Fachada A.080 04/15 A.080 - Fachadas - Pag.1 EXTRUSAL A.080 É COMPOSTO POR SEIS OPÇÕES DISTINTAS. SISTEMA DE FACHADA A.080 SOLUÇÃO HÉLIOS Solução integrada para envidraçados e controlo solar. Vidros e

Leia mais

G R U P O Painéis Ventilados em G.F.R.C. damos forma ao progresso Painéis Ventilados em G.F.R.C. A Pavicentro apresenta uma solução inovadora de painéis para tamponamento de edifícios - o PAINEL VENTILADO

Leia mais

PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO ADOPTADO NA RECONS- TRUÇÃO DO PANO DE MURALHA SE DO BALUARTE DO CAVALEIRO EM CHAVES

PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO ADOPTADO NA RECONS- TRUÇÃO DO PANO DE MURALHA SE DO BALUARTE DO CAVALEIRO EM CHAVES Revista da Associação Portuguesa de Análise Experimental de Tensões ISSN 1646-7078 PROCESSO DE MONITORIZAÇÃO ADOPTADO NA RECONS- TRUÇÃO DO PANO DE MURALHA SE DO BALUARTE DO CAVALEIRO EM CHAVES J. T. Q.

Leia mais

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO

SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO SEMINÁRIO A EMERGÊNCIA O PAPEL DA PREVENÇÃO As coisas importantes nunca devem ficar à mercê das coisas menos importantes Goethe Breve Evolução Histórica e Legislativa da Segurança e Saúde no Trabalho No

Leia mais

Aglomerado de cortiça expandida - ICB

Aglomerado de cortiça expandida - ICB Aglomerado de cortiça expandida - ICB Características Técnicas Características essenciais Massa Volúmica / Densidade Coeficiente de Condutibilidade Térmica Tensão de Ruptura à Flexão Tensão de Compressão

Leia mais

Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70. Perfil de Calidad

Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70. Perfil de Calidad Sistema softline Dupla Junta Arredondada 70 mm SL/DJ-R 70 Perfil de Calidad Sl/DJ-R 70 Secção lateral Sistema de perfis de desenho suave e arestas arredondadas para janelas e portas de sacada de batente

Leia mais

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT

CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT SOLUÇÕES EFICIENTES PARA A ARQUITECTURA E CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS CLT PORTO, JUNHO 2015 ÁREAS DE ACTUAÇÃO: SOLUÇÕES DE ENGENHARIA CERTIFICAÇÃO VERTENTES PRINCIPAIS: INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PARCERIA

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLOGIA QUALIDADE POUPANÇA GARANTIA SUSTENTABILIDADE ESTÉTICA FUNCIONALIDADE DESIGN CONFORTO I+D+I

INOVAÇÃO TECNOLOGIA QUALIDADE POUPANÇA GARANTIA SUSTENTABILIDADE ESTÉTICA FUNCIONALIDADE DESIGN CONFORTO I+D+I SISTEMA COR 60 FOLHA OCULTA A CORTIZO desenvolveu mais de 50 sistemas exclusivos de janelas, fachadas, painel compósito e sistemas de proteção solar de última geração. Esta aposta na inovação permite-nos

Leia mais

Experiência Profissional A partir do ano de 2000 trabalha em regime de profissional liberal.

Experiência Profissional A partir do ano de 2000 trabalha em regime de profissional liberal. Curriculum Vitae Dados Pessoas Filipa Mourão Data de nascimento, 26 de Dezembro de 1970 Rua Professor Damião Peres 26, 1600-609 Lisboa Tel. 914329698 Formação Académica / Habilitações Licenciada em Arquitectura

Leia mais

Câmara Municipal de Lisboa BOAVISTA. eco-bairro um modelo integrado de inovação sustentável

Câmara Municipal de Lisboa BOAVISTA. eco-bairro um modelo integrado de inovação sustentável Câmara Municipal de Lisboa BOAVISTA eco-bairro um modelo integrado de inovação sustentável Bairro da Boavista BAIRRO DA BOAVISTA O Bairro da Boavista Localizado na periferia ocidental de Lisboa e cercado

Leia mais

Treinamento. Internacional. 28 de Setembro - 11 de Outubro AVEIRO - PORTUGAL VENHA SENTIR A PASSIVE HOUSE. Organização:

Treinamento. Internacional. 28 de Setembro - 11 de Outubro AVEIRO - PORTUGAL VENHA SENTIR A PASSIVE HOUSE. Organização: VENHA SENTIR A PASSIVE HOUSE Organização: 28 de Setembro - 11 de Outubro 2015 AVEIRO - PORTUGAL Lisboa Porto Aveiro A Academia Passivhaus e o Passivhaus Institut têm todo o orgulho em anunciar o primeiro

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

PLANO DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA - CONSERVAÇAO DAS SUPERFÍCIES ARQUITETÔNICAS DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA

PLANO DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA - CONSERVAÇAO DAS SUPERFÍCIES ARQUITETÔNICAS DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: CONSERVAÇÃO DAS SUPERFÍCIES ARQUITETÔNICAS

Leia mais

00. APRESENTAÇÃO 01. OBJETIVOS 02. DESTINATÁRIOS

00. APRESENTAÇÃO 01. OBJETIVOS 02. DESTINATÁRIOS 00. APRESENTAÇÃO Tendo em consideração a importância crescente da reabilitação urbana no sector da construção, considera-se pertinente a realização de um curso de Pós-Graduação subordinado a esta temática.

Leia mais

Perfil Profissional. Rui Castro Perfil Profissional 1

Perfil Profissional. Rui Castro Perfil Profissional 1 Perfil Profissional Rui Castro Perfil Profissional 1 Conteúdos 1. Apresentação 2. Curriculum Curriculum vitae 3. Obras e projectos Experiência profissional Rui Castro Perfil Profissional 2 1. Apresentação

Leia mais

Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70. Sistemas de ventanas de PVC

Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70. Sistemas de ventanas de PVC Sistema SOFTLINE Dupla Junta 70 mm SL/DJ-70 Sistemas de ventanas de PVC SL/DJ-70 Secção Lateral Sistema de perfis de desenho suave e arestas arredondadas para janelas e portas de sacada de batente ou oscilobatentes

Leia mais

As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica.

As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica. GUILHOTINAS As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica. Com um sistema de ferragens de elevado desempenho, a solução de janelas de guilhotina

Leia mais

Casa Tugendhat. A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa.

Casa Tugendhat. A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa. Casa Tugendhat Casa Tugendhat A Casa Tugendhat foi projectada pelo Arquitecto Ludwing Mies Van Der Rohe ( 1886-1969) e localiza-se em Brno, na República Checa. O ARQUITECTO Ludwing Mies Van der Rohe nasceu

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 ÍNDICE SOLUÇÕES EM ARGAMASSAS PARA A REABILITAÇÃO ENERGÉTICA Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto André Correia

Leia mais

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS

INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONSTRUÇÃO COM PAINÉIS DE MADEIRA CLT UMA NOVA GERAÇÃO DE EDIFÍCIOS LISBOA, JULHO 2015 SISTEMA CONSTRUTIVO CLT - CONCEITO CARACTERÍSTICAS GERAIS ESTRATOS ORTOGONAIS

Leia mais

JANELAS DE PVC E PVC-ALUMÍNIO TOP 72. Soluções actualizadas para garantir um maior conforto na sua casa

JANELAS DE PVC E PVC-ALUMÍNIO TOP 72. Soluções actualizadas para garantir um maior conforto na sua casa JANELAS DE PVC E PVC-ALUMÍNIO TOP 72 Soluções actualizadas para garantir um maior conforto na sua casa 2 Mais qualidade para o seu lar Máximo conforto custos energéticos reduzidos - mínimo esforço com

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações História da arte Evolução das expressões artísticas, a constituição

Leia mais

Reabilitação amiga do Património

Reabilitação amiga do Património 1 Reabilitação amiga do Património Vítor Cóias GECoRPA Luís Mateus Monumenta A VELHA CONSTRUÇÃO Depois de uma década de crescimento explosivo do parque habitacional, Portugal vê-se hoje a braços com um

Leia mais

DR Technal CITAL JANELA DE CORRER BÁSICA

DR Technal CITAL JANELA DE CORRER BÁSICA DR Technal CITAL JANELA DE CORRER BÁSICA DR Technal CITAL, uma linha de estética simples e limpa linha de janelas Technal, oferece uma excelente relação entre o desempenho técnico e o valor do investimento.

Leia mais

5 PASSOS PARA A MARCAÇÃO CE EM CAIXILHARIAS

5 PASSOS PARA A MARCAÇÃO CE EM CAIXILHARIAS 5 PASSOS PARA A MARCAÇÃO CE EM CAIXILHARIAS Este documento é uma pequena ferramenta que o guiará nos passos necessários para a obtenção da marca CE em caixilharias, de acordo com a norma portuguesa NP

Leia mais

Conforto e segurança. Conforto acústico : R w = 40 db * UMA CHAVE ÚNICA SEM NENHUMA MARCA APARENTE UMA VERDADEIRA PROTECÇÃO

Conforto e segurança. Conforto acústico : R w = 40 db * UMA CHAVE ÚNICA SEM NENHUMA MARCA APARENTE UMA VERDADEIRA PROTECÇÃO Conforto e segurança UMA CHAVE ÚNICA SEM NENHUMA MARCA APARENTE Cada chave Fichet é talhada com extrema precisão numa máquina de comando digital. Não possuindo qualquer marca aparente, é impossível Identificála

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

Paulo A. M. Moradias. Pedro D. Silva. João Castro Gomes

Paulo A. M. Moradias. Pedro D. Silva. João Castro Gomes Paulo A. M. Moradias Pedro D. Silva João Castro Gomes C-MADE, Centro de Materiais e Tecnologias da Construção, Universidade da Beira Interior stomas@ipcb.pt Neste trabalho foi efetuado um estudo experimental

Leia mais

sistemas em pvc rehau Euro-design 70 a evolução das caixilharias em pvc face ao FUTUro www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria

sistemas em pvc rehau Euro-design 70 a evolução das caixilharias em pvc face ao FUTUro www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria sistemas em pvc rehau Euro-design 70 a evolução das caixilharias em pvc face ao FUTUro www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria VIVER COM ESTILO E CoNfortO COM JANELAS REHAU Euro-Design 70 As janelas

Leia mais

Inspeção técnica de edifícios (ITE) FICHAS DE INSPECÇÃO E REGISTO: GESTÃO INTEGRADA DE INFORMAÇÃO SOBRE O EDIFICADO ANTIGO DO SEIXAL

Inspeção técnica de edifícios (ITE) FICHAS DE INSPECÇÃO E REGISTO: GESTÃO INTEGRADA DE INFORMAÇÃO SOBRE O EDIFICADO ANTIGO DO SEIXAL Inspeção técnica de edifícios (ITE) FICHAS DE INSPECÇÃO E REGISTO: GESTÃO INTEGRADA DE INFORMAÇÃO SOBRE O EDIFICADO ANTIGO DO SEIXAL TIAGO FERREIRA 1, ROMEU VICENTE 2, J. MENDES DA SILVA 3, HUMBERTO VARUM

Leia mais

Sistema A.080. Conceito. Esqueleto. Soluções construtivas. Aberturas. Perfis de alumínio. Tratamentos de superfície

Sistema A.080. Conceito. Esqueleto. Soluções construtivas. Aberturas. Perfis de alumínio. Tratamentos de superfície A.080 Sistema A.080 Conceito Fachada cortina ligeira, versátil, com atenuação térmica e acústica. Estrutura composta por montantes e travessas, ambos com envergadura de 50mm, sendo os montantes os elementos

Leia mais

22-03-2010. 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética SUMÁRIO

22-03-2010. 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética SUMÁRIO Take a week to change tomorrow A Certificação Energética e o Sector da Construção SUMÁRIO 1. Enquadramento do Sistema de Certificação Energética 2. As Novas Exigências Regulamentares 3. As Principais mudanças

Leia mais

SÉRIE C 1 FOLHA / 2 FOLHAS CORRER TELESCÓPICA CORRER

SÉRIE C 1 FOLHA / 2 FOLHAS CORRER TELESCÓPICA CORRER SÉRIE C 1 FOLHA / 2 FOLHAS CORRER TELESCÓPICA CORRER PORSEG, SISTEMAS DE SEGURANÇA, S.A. PRODUTOS CORTA-FOGO E/OU ACÚSTICOS PORTAS METÁLICAS SÉRIE C SÉRIE C 47 48 Fotografias gerais PORSEG, SISTEMAS DE

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DE IMÓVEIS Análise de Dois Anos de Aplicação

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DE IMÓVEIS Análise de Dois Anos de Aplicação MÉTODO DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DE IMÓVEIS Análise de Dois Anos de Aplicação João Branco Pedro * jpedro@lnec.pt António Vilhena avilhena@lnec.pt José Vasconcelos de Paiva jvpaiva@lnec.pt Resumo

Leia mais

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 Em julho de 2013 entrou definitivamente em vigor a NBR 15.575, a norma de desempenho de

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL 349 A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL Jacinta Bugalhão O conjunto monumental militar designado globalmente como Cidadela de Cascais (e que engloba, nesta acepção,

Leia mais

Joana Maria Peixoto Bogas FACHADAS DE VIDRO. Explorar os limites da utilização do vidro na. Universidade do Minho Escola de Engenharia

Joana Maria Peixoto Bogas FACHADAS DE VIDRO. Explorar os limites da utilização do vidro na. Universidade do Minho Escola de Engenharia Universidade do Minho Escola de Engenharia FACHADAS DE VIDRO Explorar os limites da utilização do vidro na construção Joana Maria Peixoto Bogas FACHADAS DE VIDRO Explorar os limites da utilização do vidro

Leia mais

Sistema EC VEKASLIDE CONFORTO SEM LIMITES. Benefícios técnicos do sistema. Com VEKASLIDE aproxime a natureza á sua casa.

Sistema EC VEKASLIDE CONFORTO SEM LIMITES. Benefícios técnicos do sistema. Com VEKASLIDE aproxime a natureza á sua casa. De vekaslide convence cada pormenor. n Envidraçamento até 4 mm, permitindo duplos e triplos envidraçamentos. n O especial desenho da junta teflonada permite um deslizamento suave e silencioso da folha

Leia mais

PROPOSTA # 17 REPARAÇÃO E MELHORAMENTO DO ESTABELECIMENTO ESCOLAR DO 1.º CICLO DE RIBAFRIA

PROPOSTA # 17 REPARAÇÃO E MELHORAMENTO DO ESTABELECIMENTO ESCOLAR DO 1.º CICLO DE RIBAFRIA ORÇAMENTO PARTICIPATIVO DE ALENQUER ǀ OPA 2015 REPARAÇÃO E MELHORAMENTO DO ESTABELECIMENTO ESCOLAR DO 1.º CICLO DE RIBAFRIA Divisão de Obras Municipais Departamento Operativo 1 DESCRIÇÃO DA PROPOSTA Pretende-se

Leia mais

CRIATIVIDADE VERSUS REGULAMENTAÇÃO DOIS PROJECTOS Adriana Floret

CRIATIVIDADE VERSUS REGULAMENTAÇÃO DOIS PROJECTOS Adriana Floret DOIS PROJECTOS Adriana Floret Existente Existente localização 1. EDIFÍCIO DOS LÓIOS C.H. PORTO Existente Existente localização 1. EDIFÍCIO DOS LÓIOS C.H. PORTO Existente 1ª Visita a obra: Construtivamente:

Leia mais

VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS

VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS Manuel Pinto 1 e Vasco Peixoto de Freitas 2 RESUMO As recomendações técnicas sobre ventilação existentes em vários países propõem

Leia mais