A VIAGEM DO EMIGRANTE DOS TEMPOS DA VELA AO SEGUNDO PÓS-GUERRA COM PARTICULAR ATENÇÃO À PARTIDA DO PORTO DE TRIESTE de Francesco Fait

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A VIAGEM DO EMIGRANTE DOS TEMPOS DA VELA AO SEGUNDO PÓS-GUERRA COM PARTICULAR ATENÇÃO À PARTIDA DO PORTO DE TRIESTE de Francesco Fait"

Transcrição

1 A VIAGEM DO EMIGRANTE DOS TEMPOS DA VELA AO SEGUNDO PÓS-GUERRA COM PARTICULAR ATENÇÃO À PARTIDA DO PORTO DE TRIESTE de Francesco Fait Para nós observadores do século XXI a viagem do emigrante possui uma importância particular, de tudo, já perfeitamente presente às milhões de pessoas que nas décadas e séculos passados foram protagonistas ou testemunhas e aos observadores que lhe precederam. Não a caso, no período que ficou conhecido como grande emigração transatlântica, entre 1871 e 1914, existia o costume de esticar um fio do convés do navio à terra firme, o qual se arrebentava no momento em que o navio se distanciava do cais para levar a sua carga de emigrantes ao oceano. Era uma simbologia forte e evidente, apesar de, na realidade, não totalmente representativa, seja porque amiúde os emigrantes eram viajantes experientes e sagazes que arrebentavam e emendavam o fio várias vezes (basta pensar a Golondrinas e Birds of Passage, que se movevam sazonalmente entre a Europa e as Américas), seja porque frequentemente o embarque acontecia em portos estrangeiros, em terras nas quais o viajante não haviam nenhum vínculo, e então nestes casos o fio já havia sido arrebentado centenas e milhares de quilômetros atrás, talvez em qualquer estação ferroviária rumorosa e cheia de gente. Sem contar que a viagem pelo mar, a travessia transoceânica, era só um segmento da viagem do emigrante, que teve e teria tido outras fases igualmente importantes no percurso de casa ao porto de embarque, na permanência no próprio porto e então, no desembarque acontecido, no mesmo modo, de novo em porto e finalmente ainda em viagem até o destino final. Porém, continua de qualquer forma inegável que a travessia oceânica seja embebida de um peso simbólico tendendo a caracterizar-la como o ápice e o emblema da experiência emigratória. As viagens, viagens por mar para fins emigratórios, em fundo se assimilham todas

2 nos paradigmas que as compõem, ao ponto que poderiam ser fatas análises diacrônicas a partir do período da vela ao segundo pós-guerra fazendo um confronto e comparando-os, por exemplo, a gênese da decisão de partir ao invés da alimentação, ou o pernoitamento a bordo, ou então o alojamento uma vez alcançado o porto de desembarque. A presente contribuição tentará recontar tais paradigmas sobretudo com respeito ao período mítico da viagem do emigrante, incluindo as últimas décadas de 1800 e os primeiros anos de 1900, com particular atenção a situação do porto de Trieste, que na primeira década do século XX teve um papel muito significante para o tráfego emigratório europeu às Américas (e que foi notável também no período entre as duas guerras com respeito às partidas dos hebreus para a Palestina e de um certo interesse particular para a emigração italiana assistir do segundo pós-guerra). Foram utilizadas fontes diversas, que se referem à bibliografia científica, à documentação arquivada, à análise de prosas de escritores, às recordações autobiográficas daqueles que haviam atravessado o oceano como emigrante. Não é este o lugar para uma reflexão historiográfica sobre as fontes mas um elemento chama atenção já à primeira vista: a viagem com fins emigratórios era interpretada em modo muito diverso de quem o analisava com respeito a quem o vivia, e não era só uma questão de diferença de padrão cultural. Assim sendo, por exemplo, Georges Guyan comentava em 1898 a visão de frotas de emigrantes italianos em movimento: Os emigrantes são mandados tão distante, em terras incultas, para preparar-las, de maneira que depois, em um segundo momento, sejam trabalhadas e as regiões nas quais terminam aglomerados, são ainda mais inóspitas, poderíamos dizer, ainda mais selvagens que as partes remotas da Itália que foram as suas demoras anteriores; e, entre o ponto de partida e aquele de chegada, essa gente atravessou a civilização contemporânea como o viajante apressado atravessa um oásis, vindo das regiões do deserto mais distante. È gente destinada a não usufruir da civilização intra vista per um momento; os emigrantes não são iniciados a ela, não participam, senão

3 completamente em modo passivo, isto é, na medida em que são vítimas. 1 O escritor francês no parágrafo apenas citado descrevia pelo menos dois tòpoi emigratórios: o emigrante visto como vítima e a antinomia civilização/nãocivilização, tòpoi sobre os quais se poderia discutir. No primeiro caso se pode observar como não é tão óbvio dar ao imigrante o estereótipo do despreparado 2. No segundo emerge com certa prevenção e pressa no subdividir o mundo em zonas geográficas, incluindo-as ao grupo da civilização ou àquele contrário e no negligenciar que até nas zonas identificadas como civis existiam espaços, outrossim vastos, de marginalidade, também sendo aceita a observação que o emigrante entrava em contato com uma civilização somente vislumbrada, com a qual haveriam contato a distância, permanecendo fatalmente confinados nos vagões ferroviários de terça e quarta classe somente para serem transferidos em pousadas ínfimas, dispersas nas periferias das grandes cidades, ou naquelas estruturas frequentemente perigosas e imundas que eram a casa do imigrante. Porém podem parecer muito diferente da imagem apenas descrita as valutações de alguns que a experiência emigratória tinham vivido realmente, obtendo uma visão mais astuta e desencantada, que pode derivar ao mesmo tempo da proximidade e distância aos eventos narrados (proximidade por terem sido protagonistas e distância pelo tempo decorrido entre o evento da imigração e o momento da recordação), mas também, provavelmente, da luz refletida do sucesso substancial da experiência emigratória, quando o sucesso aconteceu. Em fundo, a vida a bordo através do oceano não era nada mais do que uma fotografia do que acontecia em terra firme. Se nascia, se adoentava, se morria: Muitas mulheres eram... quase no fim e partivam igualmente, talvez convencidas de economizar na viagem ou economizar no parto, porque não custava nada; a verdade era que as crianças pequenas menores de 6 meses ou menores de um ano não pagavam nada, estavam com a mãe. Em cada viagem nascia um, dois; um ou dois...

4 bem, sempre bem, sempre bem. Nenhuma criança jamais morreu. Em vez disso, em cada viagem morriam um ou dois homens, talvez idosos, talvez tristes, não sei que coisa tinham A citação é transcrita de Giuseppe D'Angelo, Il viaggio, il sogno, la realtà. Per uma storia dell'emigrazione italiana in Venezuela ( ), Edizione del Paguro, Salerno, 1995, p A este propósito foi observado como a escolha inicial dos emigrantes era muito frequentemente mais estratégica do que geralmente se possa pensar: Os acontecimentos depois de chegar ao novo mundo valiam quase sempre para provar que, juntamente a uma parte 'irreflexiva' e alcançado definitivamente o seu destino, a maior parte dos emigrantes, era residente in pectore que naquele passo não era desprovida de um próprio projeto e colocava em prática, antes e depois da partida da Europa, uma série de movimentos estratégicos, de maneira alguma ingênua, mirados a realização, através da valorização de poucos recursos (solidariedade familiar e parental, instituições mutualísticas étnicas, redes de relações interpessoais, etc.), de resultados satisfatórios. Fonte: E. Franzina, Traversate, Le grandi migrazioni transatlantiche e i racconti italiani del viaggio per mare, Editoriale umbra, Foligno, 2003, p Texto retirado das memórias de Lucia Nebbiolo Gonella, piemontese, que em 1901 emigrou em Argentina recém-nascida, atravessando várias vezes o oceano até 1960, ano no qual reentrou na Itália para residir definitivamente em Gênova. Fonte: C. Lupi, Trenta giorni di macchina a vapore. Appunti sul viaggio delgi emigranti transoceanici, Movimento operaio e socialista, N.3, setembro-dezembro 1983, p. 479

5 A decisão de partir A decisão de partir, de deixar a própria casa, de iniciar a viagem, possui razões que remontam a situações de necessidade ou de desconforto: miséria, desemprego, exploração, impostos excessivos, usura, conjuntura do clima ou do mercado. Situações profundas, enraizadas, insolúveis em breve tempo, que em um certo ponto porém parecem ser resolvidas jogando a carta da emigração. Sobre a escolha de emigrar e sobre a meta decidida, pelo menos na primeira fase da grande emigração, os intermediários, os mediadores, os funcionários da emigração, os representantes das companhias de navegação possuem um papel fundamental e se tornam imediatamente os destinatários da polêmica anti-emigratória, imediatamente dedicada a descreverlos como perturbadores sutis e desonestos e, de reflexo, a descrever o futuro emigrante como autômatos privados de discernimento: Por toda a parte estão espalhados personagens que sentem o cheiro da miséria e da insatisfação e oferecem o bilhete de embarque àqueles desgraçados que querem abandonar a pátria, ou lhe instigam a vender a casa, ou as propriedades rurais e a terra, para obter o dinheiro da viagem. Os médicos que estudam o poder da sugestão poderiam fazer observações certeiras sobre os emigrantes, para ver como uma idéia introduzida no cérebro pode agir quase sem uma participação da consciência sobre a vontade do homem. A fome, a fraqueza, o abatimento exaltam a manipulabilidade e tornam mais fácil a sugestão. O vetor estende a mão a estes miseráveis para levantarlos e emprega toda a arte do seu trabalho para impressioná-los, para interessar-los, para jogar nos seus cérebros a idéia da redenção. Uma vez obtida a promessa ele faz com que ela seja mantida: sustentando-os se titubeantes, conduzindo-os em frente mesmo quando davam um passo para trás. 4 A propaganda, o advertising emigratório, foi em cada caso um fenômeno vasto, complexo e estruturado, bem além do clichè do recrutador turvo e enganador, da qual a figura em todos os casos foi somente a ponta do iceberg, ou seja, o elo da corrente mais perceptível e percebido pelo emigrante, e próprio por isso submetido

6 frequentemente a recriminações e represarias dos descontentes e delusos A. Martellini, Il commercio dell'emigrazione: intermediari e agenti, em P. Bevilacqua, A. De Clementi, E. Franzina (coordenado por), Storia dell'emigrazione italiana. Partenze, Donzelli, Roma, p.293. Algumas vezes, aqueles que induziam a emigração eram pessoas insuspeitáveis, como aconteceu em Cavenzano (Campolongo al Torre, Udine) onde a falar foi o padre durante uma homilia dominical em 3 de novembro de 1878, na qual, tendo como pretexto o argumento da homilia 'sobre os Faraós' disse que aqui também existiam faraós que davam a entender ao povo que nas Américas deveriam lutar contra serpentes e contra a febre amarela. As serpentes, disse ele, são elas que se alimentam do pobre povo para sustentar o seu lobo; e a febre amarela é aqui, onde eu desde quando sou pároco enterrei entre 7 e 800 indivíduos dos quais pelo menos 600 mortos de pelagra, como posso comprovar dom os meus registros. Não creditem, disse, que eu estou aconselhando vocês a emigrarem; mas ao invés de morrer de pelagra será sempre melhor tentar a América; a menos que os seus patrões não mudem o sistema, para não chegar ao ponto de conduzir os bois sozinhos e arrastar o arado. Fonte: F. Cecotti, D. Mattiussi, Un'altra terra, un'altra vita. L'emigrazione isontina in Sud America tra stroria e memoria ( ), Centro de Pesquisa e Documentação Histórica e Social Leopoldo Gasparini, Gorizia, 2003, pp Se vede por exemplo nas linhas que seguem, nas quais Francesco Sartori, um agricultor vêneto, fala sobre as boas-vindas reservadas aos intermediários em Marselha, em novembro de 1877, que haviam prometido um embarque em um navio a vapor que se revelou no fim das contas um navio a vela: Chegaram os traidores de Marselha. De P..., C... e T... E nós em cerca de 100 pessoas os encurralamos e queríamos matar todos os três. Uma confusão, extraordinário assim. Fonte: E. Franzina, Merica! Merica! Emigrazione e colonizzazione nelle lettere dei

7 contadini veneti e friulani in America Latina ( ), Cierre Edizione, Verona, 1984, p.79. A partir do terço quarto do século XIX foram os países de imigração a criar canais de comunicação com a Europa, frequentemente mandando seus agentes além do oceano. Brasil e Argentina ofereciam condições atraentes (respectivamente passagem gratuita, aquisição imediata dos direitos civis, repatriação gratuita para viúvas, órfãos e trabalhadores inválidos e alojamento gratuito em hotel para emigrantes por alguns dias com viagem gratuita em direção ao interior do país) predominantemente na Itália e na Europa Meridional. No caso dos Estados Unidos, a propaganda e a venda de terras para produção e cultivo, que se endereçou principalmente a Grã Bretanha e Europa Setentrional, foi organizada por vários estados como Texas, Virginia ou Califórnia, mas também por companhias ferroviárias como a Illinois Central, a Kansas Pacific, a Missouri Pacific, a Union Pacific. Foram utilizadas técnicas publicitárias avanzatas e persuasivas, sobretudo feita pelas companhias ferroviárias que invadiram estações, hotéispara emigrantes e pontos e portos de embarque e de desembarque com material de todos os tipos e em alguns casos mais além com exposições itinerantes, organizaram pequenos albergues nos lugares de destinação como primeira assistência, incentivaram os recém-chegados a escrever para casa esperando assim obter novas adesões. 6 Na Itália, a controlar o recrutamento dos emigrantes, foram, antes da lei de 1901, as grandes agências, geralmente localizadas em cidades litorâneas, como as genovesas Colajanni, Laurens, Gondrand ou as napolitanas Ciamberini, Rocco Piaggio e Raggio, as quais foram obrigadas porém pela mesma lei a transferir esta gestão às companhias de navegação. A estrutura das agências antes e das companhias depois era pulverizada em uma rede verdadeiramente maciça, que obviamente cresceu junto com o desenvolvimento quantitativo do tráfego emigratório: em 1892 os mediadores eram cerca 5.000, em , em e em Sobre o tipo de pessoa que se dedicava a tal atividade não havia diferença substancial entre a situação precedente e aquela sucessiva à lei de 1901, que tinha abolido a figura da

8 agência de emigração para confiar também a fase do recrutamento ao vetor, ou seja, à companhia de navegação. Se tratava em todos os casos de pessoas que tinham um certo prestígio ou credibilidade social, uma certa cultura, além de um discreto grupo de ocasiões nas quais podiam mostrar tais dotes: prefeitos, secretários municipais, párocos, professores primários, autoridades municipais, marechais da polícia aposentados, barbeiros, comerciantes. 8 Avaliar o impacto e o sucesso da propaganda sobre a decisão de emigrar é nos dias atuais muito difícil. A grande quantidade de material que restou para a posteridade (anúncios em jornais, panfletos, brochuras, folhetos) poderiam induzir a superestimar o peso e o papel, enquanto que parece realmente que, passada a fase inicial na qual as únicas informações sobre o mundo ao qual se aspirava eram aquelas fornecidas por quem tinha interesse em alistar mão-de-obra e passageiros, fossem mais credíveis as notícias que chegavam de parentes e conhecidos que a emigração haviam já vivido ou estavam vivendo. E frequentemente os canais da comunicação se tornavam então as cartas, documentos caracterizados de uma evidência comunicativa que a publicidade frequentemente e notoriamente abusiva ou mesmo enganadora de certo não possuía. Quem as escrevia conhecia a situação, seja em pátria que no novo mundo, e não devendo vender nenhuma passagem podia ser considerado sincero e honesto nas valutações P. Taylor, The Distant Magnet. European Migration to the USA, Eyre & Spottiswoode, Lodon, 1971, pp A. Martinelli, Il commercio dell'emigrazione, cit., p Op. Cit., p É sempre necessário, porém levar em conta que existem também cartas por assim dizer inspiradas, seja no senso emigracionista que no senso anti-emigracionista, nos quais eventos desconfortáveis eram ocultados o deformados por várias razões; no primeiro caso, por exemplo, para receber o dinheiro pela intermediação e no segundo para favorecer os ambientes próximos aos proprietários de terras que temiam o êxodo

9 dos agricultores das suas terras. A viagem antes da viagem, a escolha do porto, o pernoite e o embarque no navio Muito frequentemente o emigrante, logo após ter deixado a terra dos antepassados, alcançava o porto de embarque em trem, provando no vapor terrestre aquelas condições de imundice, super lotação e promiscuidade que caracterizariam as fases sucessivas da viagem. Teodorico Rosati, um especialista em saúde marítima, em 1908 lançava acusas contra a sociedade ferroviária italiana que concedendo aos emigrantes o desconto de 50% na tarifa ordinária, ensacava aqueles desgraçados em vagões de quarta classe, fazendo-os viajar mais lentamente que os trens de carga, e dando até a preferência de trânsito aos trens com gado. 10 Acontecia sempre que os emigrantes na sua viagem de trem devessem trocar de vagão em estações em países dos quais não conheciam a língua, e hoje se encontram nos arquivos históricos, em maio a documentos seqüestrados das autoridades policiais, mapas manuscritos nos quais estão marcados os nomes das localidades onde efetuar as trocas de trem para chegar ao porto de embarque. 11 Informações que poderiam ser dadas também por representantes das diversas companhias de navegação localizadas nos pontos mais freqüentados, os quais faziam notar a sua afiliação com distintivos ou peças de vestuário decoradas com as cores sociais das respectivas sociedades. Para o emigrante era já iniciada a aventura em um território desconhecido, para decifrá-lo era forçado ás vezes a confiar nos conselhos e nas experiências de gente nunca antes vista, que não raramente se revelava fanfarrão, trapaceiro o ainda pior, e podiam realmente terminar muito mal por terem acreditado em pessoas erradas. Não era um caso, de fato, que nos terminals ferroviários das cidades litorâneas estariam como sentinelas, a ajudar os órgãos competentes, representantes de sociedades humanitárias, como a San Raffaele, ou presença documentada na estação de Trieste nos primeiros anos de 1900 da Liga Contra o Tráfico das Brancas. A respeito da escolha do porto de embarque ao qual destinar o emigrante, não se tratava decerto de uma questão sobre a qual fosse dado um modo ao interessado de

10 pronunciar-se; muito claro deste ponto de vista um documento não reconhecido (mas produzido no ambiente da Câmara de Comércio de Trieste, então somos em 1913 cidade do império austro-húngaro), no qual se pleiteava uma norma sobre a emigração que canalizava integralmente o grandioso movimento nacional no porto de Trieste: Somente na Áustria, onde o respeito da liberdade individual não é muito marcado em outros campos, se opõem [à fixação por lei da obrigação de servir-se do porto de Trieste para os emigrantes austríacos]: 1. que não é lícito realizar violência à livre escolha da via de embarque da parte do emigrante, 2. que a viagem via Trieste há uma duração maior, 3. que os meios de transporte disponíveis em Trieste não são suficientes para cobrir todo o movimento migratório do país. Não será difícil de minar estas objeções. Não é o emigrante a escolher o porto de embarque, mas as companhias de navegação as mesmas que segundo as indicações do grupo aumentam ou abaixam os preços de passagem em modo de equalizar o número de emigrantes transportados por cada sociedade à quota atribuída nos acordos internacionais; mas a multidão inumerável de agentes, mediadores e intermediários de todos os gêneros que exploram o emigrante ignorante e analfabeto fazendo-o viajar cegamente, frequentemente com longos giros viciosos T. Rosati, Assistenza sanitaria degli emigranti e marinai, Vallardi, Milão, 1908, p Um mapa muito bonito desse tipo se encontra reproduzido em F. Cecotti, D. Mattiussi, Un'altra terra, un'altra vita, cit., p Arquivo do Estado de Trieste, Câmera de Comércio, arquivo 155, posição

11 Eis então a situação do mercado internacional dos embarques dos emigrantes delineada com eficácia, esta era dominada por um cartel de empresas que reunia companhias de navegação inglesas, holandesas, alemãs, francesas e norte americanas, que de fato determinavam o tráfego emigratório entre a Europa e o Canadá e os EUA. O cartel subdividia preventivamente entre os participantes zonas de influência e portos de partida, escalas e destinos. Quanto entre a programação e a realidade se realizavam descartes se aplicava uma tarifa de compensação em virtude da qual as sociedades que haviam trabalhado mais do que o devido eram obrigadas a dar uma parte do próprio lucro àquelas que, ao contrário, haviam sido penalizadas. 13 A influenciar na fixação dos percentuais confiados às diversas companhias nos vários portos não era só a força contratual das próprias companhias, sendo frequentemente determinantes com respeito às decisões, algumas vezes somente anunciadas, dos governos. É então neste sentido provável que a dar uma quota relevante das emigrações Westbound para os Estados Unidos à companhia triestina Società Austriaca di Navigazione (mais conhecida simplesmente como Austro Americana) e assim com respeito ao porto de Trieste, não haviam sido irrelevantes, as prospectivas de uma nacionalização da emigração austríaca que seria portanto partida toda da capital do Litoral Austríaco. Trieste soube assim conquistar nos primeiros anos de 1900 a quota de 4% da emigração continental em direção ao Estados Unidos, o que a permitiu de colocar-se em nono lugar na classificação relativa aos anos A importância da escala triestina teria crescido ainda mais, havendo já sido previstas para o futuro percentual maior que o dobro (precisamente de 7 % depois de primeiro de maio de 1915 e de 10 % para o período incluso entre o primeiro de janeiro de 1919 e 31 de dezembro de 1929), se não se fosse intrometido o início da primeira guerra mundial a zerar os tráfegos emigratórios. Uma vez fora do trem, os emigrantes haviam o problema do pernoitamento até o momento ao qual seriam embarcados, e a situação era diferente de acordo com a cidade e o país ao qual haviam tido a sorte de terem sido endereçados. Na Itália, já antes de 1901, a permanência antes do embarque era por lei responsabilidade do

12 mediador, com o objetivo de eliminar o costume de afluir os emigrantes furtivamente com larga antecedência com respeito à data de partida para assim fornir a vasta rede de operadores econômicos que tiravam vantagem das suas permanências na cidade. Do ponto de vista infra-estrutural, não existiam os hotéis ou casa dos emigrantes, mas somente as pousadas autorizadas, que em 1905 eram a Nápoles 87 (com 2400 camas), em Gênova 33 (720 camas), em Palermo 25 (770 camas), em Messina 18 (341 camas) E. Franzina, Traversate..., cit., p. 40. A prática dos cartéis, que era permitida do direito internacional e se realizava à luz do dia: servia para evitar formas de concorrência, ditas a faca, que haviam no passado causado danos enormes às companhias. A Hamburg-Amerika Linie avia iniciado em 1885 fazendo um acordo com as companhias britânicas para reduzir o volume dos tráfegos destas últimas companhias a Hamburgo em troca de um abandono alemão de Gutemburgo. Depois, em 1888, foi feito um acordo entre as companhias alemãs e a Red Star Line da Antuérpia. Em 1892, estas companhias, juntamente com a Holland- Amerika Linie, fundaram o assim chamado grupo do atlântico norte - North Atlantic Steamship Association com o intuito de fixa algumas regras para a publicidade comparativa e as quotas dos tráfegos futuras em proporção às divisórias de Em 1908 foi a Cunard Line a promover um cartel com as outras companhias com a idéia de fixar as tarifas e repartir os fluxos emigratórios. Fonte: P. Taylor, The Distant Magnet,, cit., p G. Russo, Emigrazione transoceanica e trasporti marittimi dal porto di Trieste, Bollettino dell'emigrazione, N.2, 1919, p.4. A classificação é a seguinte: Nápoles passageiros em média ao ano; Brema ; Gênova ; Hamburgo ; Havre (a média se refere porém ao período ); Antuérpia ; Roterdã , Fiume (atualmente Rijeka) , Trieste Parece evidente portanto que, à luz do tráfego de dimensões colossais que se deu nos anos precedentes à primeira guerra mundial 16 anos nos quais a liderança nas

13 partidas para as Américas foi concedida dos portos da Europa setentrional àqueles italianos grande parte dos emigrantes se dispersavam nas cidades portuárias confiando-se à estalajadeiros abusivos. Estes terminavam por formar um verdadeiro e próprio lobby, capaz de obter em 1907 em Nápoles o fechamento de uma casa do emigrante que poderia ter hospedado 900 emigrantes, 17 de induzir a cidade a uma greve geral quando, quatro anos depois, para enfrentar uma epidemia de cólera, as autoridades sanitárias preparam um posto de saúde para emigrantes. 18 Os portos italianos eram deficitários também de outras infra-estruturas necessárias às operações de embarque: basta citar o caso de Gênova que por grande parte de 1800 se serviu de um atracadouro, Ponte Calvi, privo de construções ou barracas, e apenas entre os anos 1877 e 1890, no âmbito de ampliar as estruturas portuárias, um atracadouro propositalmente construído (Ponto Federico Guglielmo) foi destinado somente ao tráfego de passageiros e foi erguida a Estação Marítima, dotada de dois edifícios utilizados para controles e serviços (alfândega, consultas médicas, lojas, latrinas) separados por um barracão capaz de proteger do sol e das intempéries os passageiros em espera. 19 Muito diversa a situação nos portos alemães, como Hamburgo, onde existiam adicionalmente um condomínio para os emigrantes que se estendia sobre uma área de metros quadrados concedido gratuitamente pelo Estado por 25 anos à Hamburg-Amerika Linie, com tantas lojas, locais de culto e de entretenimento, ou como Brema, onde haviam preferido evitar a centralização e logo utilizar as pousadas, 50 pousadas para emigrantes, e se necessário também para mais de 5.000, cada uma das quais constituía um alojamento bom sob qualquer aspecto e funcionando em modo impecável. 20 Em Trieste, a sociedade líder do mercado local da emigração, a Austro Americana, 21 ao contrário 15. A. Molinari, Porti, trasporti e companie, em P. Bevilacqua, A. De Clementi, E.

14 Franzina (editado por), Storia dell'emigrazione italiana. Partenze, cit., p Em 1913, ano no qual o tráfego atingiu o seu ápice, os volumes de tráfego foram: Nápoles: ; Gênova: ; Palermo: ; Messina: Fonte: A. Molinari, Porti, trasporti e compagnie, ci., p G. Rossoli, L'assistenza sanitaira all'emigrazione di massa verso le Americhe ( ), em Sanità, scienza e storia, N. 2, 1986, p A. Molinari, Porti, trasporti e compagnie, cit., p A. Gibelli, Emigranti, bastimenti, transatlantici. Genova e la grande ondata migratoria, in P. Campodonico, M. Fochessati, P. Piccione (editado por), Transatlantici, Scenari e sogni di mare, Skira, Milão, 2004, p T. Rosati, Assistenza sanitaria degli emigranti e dei marinai, cit., pp De 1903, ano em qual foi ativado o serviço de transporte além do oceano de emigrantes pela Cunard Line no porto de Trieste, até 1914, ano em que tal serviço foi interrompido por conta da explosão do conflito, a Austro Americana, embarcou 83% dos emigrantes e as concorrentes Cunard Line e Canadian Pacific Railway respectivamente embarcaram 14,7 e 2,3% dos passageiros de terça classe que tiveram como destino: 73,5% em direção ao Estados Unidos, 22.1% para América do Sul e 4,4% para o Canadá. Fonte: A. Kalc, Prekooceansko izseljevanje skozi Trst , em Zgodovinski časopis, ano 46, 1992, n.4, pp. 484 e 489. das concorrentes na praça, escolheu seguir o modelo do porto de Hamburgo, munindo-se de uma casa do emigrante, 22 que foi várias vezes visitada por autoridades, sanitárias e de segurança pública, que produziram continuamente documentos preocupantes e alarmantes.

15 Em março de 1905 interveio uma guarda sanitária da Prefeitura de Trieste que iniciou o seu relatório notando que para os mil e duzentos viajantes em partida com o piróscafo Gerty, faltavam colchões, sendo disponíveis 600 colchões novos e 300 colchões em uso sobre piróscafos. Assim prosseguia o elenco das irregularidades: Uma parte dos emigrantes não recebe nem ao menos uma coberta para a noite [..] Os emigrantes se cortam os cabelos [assim no original Nota do autor] ou se raspavam a barba nos dormitórios [..] Nos dormitórios por causa da massa de pessoas, por causa de muito lixo acumulado, pelo barro que existe em todos os ambientes, sem que ninguém se preocupe em deixar aberta pelo menos uma parte das janelas há um fedor insuportável [..] São unidos 2 ou 3 assim chamados leitos e sobre eles fazem dormir 5 6 pessoas [..] Os banheiros são mantidos pessimamente. 23 Em abril de 1906 foi registrado um caso de varíola, que foi pretexto para o relatório de um médico do Hospital civil, que escreveu entre outras coisas:... o espaço disponível é somente para no máximo 700 emigrantes e os irmão Cosulich colocam lá mais de As macas são muito próximas umas das outras; e estão presentes até nos corredores. Até os refeitórios deixam muito a desejar, não existem lixeiras estáveis, o lixo é simplesmente empilhado no quintal onde permanece por muitos dias e no fim são entregues aos agricultores (!). Sendo assim, um local onde se considera um fluxo extraordinário de emigrantes (100 recém-chegados por dia) constitui um permanente perigo. E a prova foi obtida precisamente com este caso de varíola que pode infectar sabe-se lá quantos indivíduos, aglomerados como senão naqueles ambientes. A casa de boas-vindas não é dotada de nenhum aparato de desinfecção a vapor; em certas cidades onde fluem tantos emigrantes tudo é melhor organizado; cito Marselha, Gênova, Nápoles e etc.! Para tal fim adquiriu um edifício que foi projetado em 1980 e materializado logo depois. Se encontrava no distrito periférico de Servola, de frente para o mar, e era

16 uma bela construção localizada no centro de uma área verde. As dimensões em planta eram 38 x 50 metros e era constituído de um porão, dois andares superiores mais um terceiro andar no sótão. O proprietário era a Sociedade dos Amigos da Infância e servia para dar alojamento a colônias de crianças, frequentemente com doenças pulmonares, fazendo-as gozar dos benefícios dos banhos de mar. Em 1893 em todo o edifício haviam quatro salões destinadas a dormitórios, dois deles capazes de hospedar 15 meninos e duas capazes de hospedar 15 pagantes. Em agosto de 1894 os técnicos da Sociedade projetaram a preparação de outros dois grandes quartos no sótão. Em 1913 a Casa do emigrante sofreu enormes mudanças: aumento do edifício, ao qual foi adicionado 3 andares, e a usa destinação exclusiva a dormitórios, capazes de dar descanso a 3000 emigrantes, e adicionando outros dois edifícios destacados, os quais combinados como pavilhões de isolamento e outro de refeitório. A nova Casa do emigrante não pôde quitar as suas tarefas por alguns meses, em um primeiro momento por causa da explosão da guerra e da conseqüente cessação dos fluxos emigratórios e em um segundo momento, a partir de outubro de 1916, sendo destinada a um hospital auxiliar. O edifício em questão existe ainda hoje, embora reestruturado recentemente. Se encontra na Via Italo Svevo 15 e hospeda uma escola. Fontes: Prefeitura de Trieste, Área de Planejamento Urbano, Arquivo de desenho técnico, desenho 6536 e Arquivo Geral da Prefeitura de Trieste, Magistrado Civil, Seção IV, 566/ Arquivo Geral da Prefeitura de Trieste, Magistrado Civil, exibição /1905, 1/9-2/ Arquivo Geral da Prefeitura de Trieste, Magistrado Civil, exibição /1906, 4/4-1/1906. Outros casos de varíola na Casa do emigrante da Austro Americana se deram em O problema sanitário foi levantado ainda, continuamente, tanto até forçar a Austro Americana a substituir a prática de lotar além da medida a Casa do emigrante e a

17 procurar locais suplementares, utilizando também próprias embarcações que serviam de albergues provisórios em mar: um albergue flutuante, que não permite que os emigrantes proliferem na cidade e sejam hospedados no centro da cidade, trazendo tanto perigo para a nossa saúde pública. 25 Resta o fato que a questão sanitária ligada a passagem na cidade de milhares de emigrantes por ano era de extrema urgência, sobretudo para uma cidade que, como Trieste, revelava em matéria de saúde e higiene um sofrimento surpreendente. A cidade havia crescido em modo desproporcional naquela década entre os recenseamentos de 1900 e 1910, dando vida a um aumento demográfico de mais de habitantes, mensurável na ordem de 28,5%, enquanto o sistema de esgoto e aquele fornecimento de água restavam totalmente inadequados. A situação habitativa era desastrosa, somente em parte aliviada pelo programa de edificação de casas populares confiado ao Instituto Municipal de Habitações Mínimas. Entre as classes populares imperava a tuberculose, o alcoolismo, a pobreza e a decadência. E se difundiam as epidemias, como o tifo e a varíola, que em 1913 registrou 15 casos mortais. 26 Portanto parece hoje que fosse freqüente o medo que entre os passageiros de terceira classe existissem portadores de infecções capazes de funcionar como estopim e infectar alojamentos populares, aluga-leito ou mesmo a Casa do emigrante. Os lugares de recuperação para os emigrantes são sempre descritos, em documentos históricos, que se ocupam de questões que interessam a burocracia sanitária, e de quem os escreve a distância de anos em uma prospectiva de reconstrução histórica, como péssimos e portanto investidos de reprovação. E é certamente possível seguilos em caráter concentracionais, basta pensar somente ao fato que vinham posicionados o mais próximo possível às estações ferroviárias para evitar ou reduzir ao mínimo relacionamentos e contatos com os residentes até a partida do navio. Mas ocorre sempre ter presente o fato que foi muito pior aos emigrantes que terminavam naqueles portos privos de infra-estrutura dedicadas à eles, obrigados a mover-se em

18 grupos à mercê de contágios e pessoas mal-intencionadas, para depois acamparem sobre os bancos a esperar o navio compondo aquelas imagens de uma multidão indefesa e desesperada que foram tantas vezes descritas. Chegava finalmente o momento do embarque, precedida das fases de preparação do navio, que decerto deveriam parecer misteriosas a quem as via pela primeira vez: o vai-e-vem de trabalhadores que efetuavam manutenções e preparação de bordo, dos coffinanti que derrubavam o conteúdo dos seus cestos enormes nos funis para o carvão. E, finalmente, acontecia o embarque através do passadiço, símbolo e prelúdio daquela realidade líquida que teria sido para todos a base de apoio do navio na fase de passagem do velho ao novo mundo Em dezembro de 1913 a Prefeitura confiou um estudo sobre as causas da difusão do tifo a um cientista trazido propositalmente de uma outra cidade. O relatório não foi de maneira alguma tranqüilizante, resultando inexistentes ou insuficientes todas aquelas instituições geralmente elencadas no conceito de 'saneamento higiênico'. Estas são: uma boa canalização, um distanciamento ideal dos lixões e das imundices, uma provisão irrepreensível de água, o controle do mercado de alimentos, o melhoramento das más condições de moradias. Algumas circunstâncias resultavam particularmente alarmantes, como por exemplo o fato, que na peixaria, além da água de Aurisina [ou seja do aqueduto público] foi canalizada a água do porto, depois de ser feita uma simples depuração. Ora, aquela água marinha foi colhida a somente 150 metros da saída de alguns canais da cidade e é exposta além de tudo a contínua poluição dependendo do movimento dos navios. Fonte: W. Prausnitz, Parere del Prof. Prausnitz sulle condizioni igieniche di Trieste in nesso all'epidemia di tifo, Graz, 1913, Arquivo General da Prefeitura de Trieste, Magistrado Civil, Seção V, 1913/ A travessia Antes do advento dos navios a vapor, os emigrantes viajavam a vela. Se tratava de

19 travessias que frequentemente se transformavam em verdadeiras e próprias odisséias, e não é a caso que se referiam aos navios a vela, na metade de 1800, chamando-os Coffin Ships. Eram embarcações que efetuavam transportes mistos, pessoas e mercadorias (como farão também depois, por décadas, os navios a vapor). Por quanto diz respeito à direção da Europa à América setentrional, no trajeto Westbound, transportavam, além de passageiros, também ferro, tecidos, vidro, tijolos e produtos químicos e ao retorno, no trajeto Eastbound, algodão, tabaco, trigo, gado e porcos. 28 Os emigrantes zarpavam da Havre para Nova Orleans, de Brema para Baltimor, de Liverpool para Nova Iorque, Quebéc e Boston, dividindo a viagem com vacas, ovelhas, porcos, à mercê dos ventos, das correntes, das geleiras. Sendo aleatória a duração da viagem, era muito difícil para os passageiros calcular as provisões e o dinheiro de qual munir-se, o que os deixavam expostos à fome o aos truques da tripulação que conheciam perfeitamente o mecanismo e os abusam ás vezes dando conscientemente notícias erradas no momento do embarque. 29 Nos tempos da vela não demorou muito para se improvisar vetores para os emigrantes, bastava ter um veleiro de dimensões médias; o investimento poderia ser até modesto mas, reciprocamente, o frete era muito elevado: em 1851 o frete por emigrante era páreo ao custo por tonelada de um veleiro. 30 Muito frequentemente a partir da improvisação nasciam situações críticas. De uma dessas, que se refere a cidade de Trieste, restaram pistas nos arquivos porque foi de uma gravidade tal para ter sido objeto de interesse da parte das autoridades judiciárias e da polícia da cidade, então capital do Litoral Austríaco. Em 1888 dois banqueiros triestinos, Isacco e Giuseppe Morpurgo, alugaram três navios a vapor do Lloyd Austriaco, o Helios, o Orion e o Medusa, que zarparam de Trieste respectivamente em 25 de outubro, 25 de novembro e 27 de dezembro, todos os três diretamente ao Brasil com as suas cargas de emigrantes do território de Trieste e do Reino da Itália. 31 A tentativa dos irmãos Morpurgo de dedicar-se continuamente e definitivamente ao

20 tráfego de emigrantes teve um fim frustrante por uma série de fatores concomitantes, primeiro de tudo uma ação penal por seus danos feita pela polícia austríaca e a proibição de instituir agências de emigração a Trieste emitido da autoridade local do Litoral Austríaco em janeiro de Mas foi uma tentativa notável, que na primeira viagem teve um epílogo muito interessante, com um contingente de cerca duzentos triestinos que, desembarcando em uma localidade diferente a respeito daquela acertada, reagiram a delusão produzida pela mudança das promessas e a realidade com uma série de reivindicações e 27. G. Carosio, Navi da emigranti, em Lamerica! Da Genova a Ellis Island: il viaggio per mare negli anni dell'emigrazione italiana, Sagep, Genova, 2008, p P. Taylor, The distant Magnet, cit., p M. A. Jones, Transatlantic Steerage Conditions. From Sail to Steam, , em B. Flemming Larsen, H. Bender, K. Vein (Editores), On distant shores. Proceedings of Marcus Lee Hansen Immigration Conference, Aalborg, Denmark, June29 July 1, 1992, The Danes Worldwide Archieves, 1993, p A. Molinari, Porti, trasporti e compagnie, cit., p A reconstrução da história dos triestinos repatriados se encontra no Arquivo do Estado de Trieste, sede do Litoral, Atos Gerais, b. 481, f exigências, às quais na subscrição dos contratos, o intervento do cônsul austríaco e enfim o repatriamento à Trieste, via Gênova em um navio inglês, que os permitiu de tornar a casa em 14 de janeiro de 1889, dois meses e meio depois da partida. O comportamento recalcitrante e pouco remissivo tomado no Brasil pelos triestinos poderiam ser um convite a reflexão sobre o esteriótipo do emigrante como sujeito passivo, abandonado à uma corrente que era incapaz de controlar.

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 4 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Querida criança, Além desta revisão, estude, em seu Material Didático, os conteúdos do Volume III. Leia este texto: ASA BRANCA

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Receita infalível para uma boa viagem

Receita infalível para uma boa viagem Receita infalível para uma boa viagem Para que a tão sonhada viagem de férias não se transforme em um pesadelo, alguns cuidados básicos devem ser tomados. Pensando no seu conforto e na sua segurança nesse

Leia mais

Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo

Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo Tabela: Dados de domicílio (continua) Código da unidade da federação (UF) Código do município Código do distrito Código do subdistrito

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SCUBA TRIP Passageiros: 1 2 3 4 5 6 Dados do Pacote Comprado: Destino com saída em / / e retorno em / /, através da Agência de Viagens, de acordo com a reserva previamente

Leia mais

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai Histórias do Velho Testamento Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas

Leia mais

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus.

JÓ Lição 05. 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. JÓ Lição 05 1 1. Objetivos: Jô dependeu de Deus com fé; as dificuldades dele o deu força e o ajudou a ficar mais perto de Deus. 2. Lição Bíblica: Jô 1 a 42 (Base bíblica para a história e o professor)

Leia mais

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR Introdução: Aqui nesse pequeno e-book nós vamos relacionar cinco super dicas que vão deixar você bem mais perto de realizar o seu sonho

Leia mais

Últimas noticias sobre o Rally de Washington 2011

Últimas noticias sobre o Rally de Washington 2011 Últimas noticias sobre o Rally de Washington 2011 Faça uma cópia colorida do seu passaporte e do seu visto americano. Quando chegar ao hotel, deixe seus valores, passaporte e documentos no cofre do quarto

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

CONDICÕES ESPECÍFICAS DISNEY CRUISE LINE ANEXO

CONDICÕES ESPECÍFICAS DISNEY CRUISE LINE ANEXO CONDICÕES ESPECÍFICAS DISNEY CRUISE LINE ANEXO 1-Passagem e contrato A passagem/bilhete e do contrato do Cruzeiro Disney Cruise (disponível em www.disneycruise.com/cruisecontract). Os formulários necessários

Leia mais

BARCO À VISTA! por Paulo Pinheiro*

BARCO À VISTA! por Paulo Pinheiro* BARCO À VISTA! por Paulo Pinheiro* Sentiu uma descarga de adrenalina grande quando notou o barco encalhado. Olhou ao redor, céu azul, praia, mar e mata, tudo calmo e deserto, e um barco na outra ponta

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

Acredito ter sido escolhido para recebê-lo porque os senhores também queriam homenagear o Brasil e o povo brasileiro.

Acredito ter sido escolhido para recebê-lo porque os senhores também queriam homenagear o Brasil e o povo brasileiro. Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Prêmio Lech Walesa Gdansk, Polônia 29 de setembro de 2011 É uma grande honra, para mim, receber este prêmio da fundação que leva o nome do companheiro Lech Walesa,

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Ir. KatiaRejaneSassi Os desafios da travessia Aqueles que viveram a maravilhosa experiência de conseguir libertar-se da dominação egípcia sentem no deserto o desamparo total.

Leia mais

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

UNIDADE VI ESCREVENDO E-MAILS QUE GERAM RESULTADOS

UNIDADE VI ESCREVENDO E-MAILS QUE GERAM RESULTADOS UNIDADE VI ESCREVENDO E-MAILS QUE GERAM RESULTADOS Nessa unidade vou mostrar para você como escrever e-mails que geram resultados. Mas que resultados são esses? Quando você escreve um e-mail tem que saber

Leia mais

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras...

As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... As fotos a seguir são tristemente verdadeiras... Quem é responsável por enfrentar esta situação? Prefeitura? Entidades de defesa do ambiente?? Governo? Meios de comunicação? Cientistas? Organizações

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

Cuidados com a sua casa durante a viagem. Não comente sua viagem perto de pessoas estranhas. Uma opção é contratar um caseiro de confiança.

Cuidados com a sua casa durante a viagem. Não comente sua viagem perto de pessoas estranhas. Uma opção é contratar um caseiro de confiança. VIAGENS Cuidados com a sua casa durante a viagem Não comente sua viagem perto de pessoas estranhas. Uma opção é contratar um caseiro de confiança. Nas áreas externas, não deixe ferramentas e escadas, elas

Leia mais

Os planos de aula que estão descritos a seguir estão orientados para os seguintes objetivos educacionais:

Os planos de aula que estão descritos a seguir estão orientados para os seguintes objetivos educacionais: Caro Professor, A BM&FBOVESPA preparou para você algumas sugestões de planos de aula. Compreendem atividades que podem ser desenvolvidas em sala de aula para o tratamento de temas econômicos e financeiros.

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus?

Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? Você é um Cristão Embaixador ou Turista do Reino de Deus? 2 Coríntios 5:18-20 Ora, tudo provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber,

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna.

COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna. COMO VIAJAR BARATO EM 7 SIMPLES PASSOS O Seu guia definitivo para viajar pelo mundo sem gastar uma fortuna. aprendaaviajarbarato.com.br ALINE BALTAZAR 1 Don t let your dreams be dreams... Jack Johnson

Leia mais

Tema: Quatro Pecados Contaminantes

Tema: Quatro Pecados Contaminantes Tema: Quatro Pecados Contaminantes Data: 01.11.14 Culto: Sábado Pr. Leandro Hoje o mundo está à mercê do vírus ebola que é um vírus extremamente contaminante, porém há algo mais contaminante que este vírus

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa.

- Sinal de transito agora só em Angra comentou Sandrinha, minha esposa. Angra dos Reis Agosto 2013 Depois da viagem a Londres, Lisboa, Praga e Genebra, esta seria a primeira travessia marítima que eu iria participar. Como o pessoal do grupo Maratonas Aquáticas tinha conseguido

Leia mais

REGULAMENTO Promoção Comercial VAI NA TORCIDA, VAI DE LOCALIZA

REGULAMENTO Promoção Comercial VAI NA TORCIDA, VAI DE LOCALIZA REGULAMENTO Promoção Comercial VAI NA TORCIDA, VAI DE LOCALIZA Produtos em Promoção: Aluguel de veículos para pessoas físicas, pagos exclusivamente com Cartões de Crédito e Débito Visa ( Cartões Participantes

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Responsabilidade. Responsabilidade - NÃO

Responsabilidade. Responsabilidade - NÃO Exercitando o Caráter 6 a 9 anos Responsabilidade Caráter é o jeito que a gente realmente é. É o modo como agimos quando não há ninguém olhando... As pessoas boas fazem coisas boas, não para ganhar aprovação

Leia mais

Conheça os Seus Direitos de Passageiro

Conheça os Seus Direitos de Passageiro Conheça os Seus Direitos de Passageiro Índice Via Aérea... 2 Pessoas com deficiências e pessoas com mobilidade reduzida... 2 Embarque recusado... 2 Cancelamento... 2 Atrasos consideráveis... 2 Bagagem...

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. (Do Sr. JÂNIO NATAL) Senhor Presidente,

CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. (Do Sr. JÂNIO NATAL) Senhor Presidente, COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES REQUERIMENTO N O, DE 2011 (Do Sr. JÂNIO NATAL) Requer a realização de Audiência Pública para debater questões relativas à aviação civil brasileira. Senhor Presidente, Requeiro,

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

REGRAS E CONDIÇÕES DOS BILHETES

REGRAS E CONDIÇÕES DOS BILHETES REGRAS E CONDIÇÕES DOS BILHETES A emissão de bilhetes aéreos, através do resgate de Pontos Multiplus, combinados com o pagamento de parcela em dinheiro, é denominado Pontos + Dinheiro ou Produto, e oferecido

Leia mais

Temos hoje mais de 6.000 clientes agenciados de 18 a 62 anos de idade.

Temos hoje mais de 6.000 clientes agenciados de 18 a 62 anos de idade. A Empresa Criada há 14 anos atrás após eu voltar de Londres onde morei por 2 anos e trabalhei em fazendas, hotéis e navios cruzeiros. Percebi que não tinha no Brasil uma agência de intercâmbios focadas

Leia mais

Os planos de aula que estão descritos a seguir estão orientados para os seguintes objetivos educacionais: Identificar situações que envolvam risco;

Os planos de aula que estão descritos a seguir estão orientados para os seguintes objetivos educacionais: Identificar situações que envolvam risco; Caro Professor, A BM&FBOVESPA preparou para você algumas sugestões de planos de aula. Compreendem atividades que podem ser desenvolvidas em sala de aula para o tratamento de temas econômicos e financeiros.

Leia mais

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça?

Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Você Gostaria Que Eu Lhe Desse Um Plano, Para ATRAIR 3 Ou 4 Vezes Mais Clientes Para O Seu Negócio, De Graça? Caro amigo (a) Se sua empresa está sofrendo com a falta de clientes dispostos a comprar os

Leia mais

Mistérios no banheiro: o que é isso entre os azulejos?

Mistérios no banheiro: o que é isso entre os azulejos? Mistérios no banheiro: o que é isso entre os azulejos? Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Água e vida / o caminho cíclico dos materiais no ambiente / a reprodução e a ocupação de novos ambientes

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

LIÇÃO 2 Esteja Preparado

LIÇÃO 2 Esteja Preparado LIÇÃO 2 Esteja Preparado Lembra-se do dia em que começou a aprender a ler? Foi muito difícil, não foi? No princípio não sabemos nada sobre leitura. Depois ensinaramlhe a ler as primeiras letras do alfabeto.

Leia mais

Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015

Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015 Segunda-feira, dia 04 de maio de 2015 Pousamos no pequeno aeroporto de Katmandu um pouco depois das 6 da manhã. Apenas três aviões cargueiros estavam no aeroporto e poucas caixas com produtos para a população.

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Sistema de Ensino Unidade Portugal Série: 5 o ano (4 a série) Período: TARDE AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VIII PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Nome: Turma: Data: 19/9/2009 Valor da prova: 8,0 Nota: Eixo temático

Leia mais

manual liga elo7 2.0 ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS

manual liga elo7 2.0 ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS ORIENTAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE EVENTOS Olá Elosetter, Então você está com vontade de organizar um evento? O Elo7 incentiva as ações que fortaleçam e integram a comunidade artesanal e

Leia mais

GLOBAL ASSIST SERVICES

GLOBAL ASSIST SERVICES GLOBAL ASSIST SERVICES GLOBAL ASSIST SERVICES Imprevistos podem acontecer quando você está viajando. Um passaporte pode ser extraviado. Você pode ficar doente de repente. Um advogado precisa ser chamado

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957

Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957 Código de Ética dos Profissionais da Propaganda Outubro de 1957 Define os princípios éticos que devem nortear a publicidade I. A propaganda é a técnica de criar opinião pública favorável a um determinado

Leia mais

Obrigado por escolher o lindo navio MSC FANTASIA da MSC Cruzeiros para o seu cruzeiro de férias e bem vindo ao nosso mundo!

Obrigado por escolher o lindo navio MSC FANTASIA da MSC Cruzeiros para o seu cruzeiro de férias e bem vindo ao nosso mundo! Detalhes da sua reserva Santos, Ilha Grande, Ilhabela, Seu itinerário Santos Data de Embarque 28/11/12 Porto de Embarque Horário de partida 18:00 Santos, Brasil Data de Desembarque 01/12/12 Porto de Desembarque

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

5º. Dia 3 de Março. Enxergando a vida do ponto de vista dedeus. Que é a sua vida? Tiago 4.14b; nvi

5º. Dia 3 de Março. Enxergando a vida do ponto de vista dedeus. Que é a sua vida? Tiago 4.14b; nvi 5º. Dia 3 de Março Enxergando a vida do ponto de vista dedeus Que é a sua vida? Tiago 4.14b; nvi Nós não vemos as coisas como são, mas como nós somos.anaïs Nin O modo de você enxergar sua vida molda sua

Leia mais

A ORDEM É RECICLAR, O DEVER É NÃO DESPERDIÇAR

A ORDEM É RECICLAR, O DEVER É NÃO DESPERDIÇAR A ORDEM É RECICLAR, O DEVER É NÃO DESPERDIÇAR Marcus Eduardo de Oliveira (*) A cultura do desperdício e do descarte, não apenas de recursos, mas também de energia e produtos acabados, vem sofrendo um duro

Leia mais

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha?

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha? Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná Publicada em 08 de fevereiro de 2009 Jornalista: O Brasil ainda tem

Leia mais

PLANO DE OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO GRATUITA DE PRÊMIOS

PLANO DE OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO GRATUITA DE PRÊMIOS PLANO DE OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO GRATUITA DE PRÊMIOS HAVAN LOJAS DE DEPARTAMENTOS LTDA, com matriz na Rodovia Antônio Heil, 200, Centro, na cidade de Brusque, Estado de Santa Catarina, CEP 88353-100 _

Leia mais

DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912. Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro.

DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912. Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro. DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912 Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro. O Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil: Faço saber que o Congresso Nacional decretou e eu

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça?

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PLE CERIFICADO INTERNACIONAL DE LÍNGUA PORTUGUESA CILP SIMULADO COMPREENSÃO LEITORA E ASPECTOS LINGUÍSTICOS NÍVEL BÁSICO ESCOLAR A2 Leia os

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76 Acordo Marítimo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Francesa Assinado em 24 de outubro de 1975 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 38 Solenidade de Regulamentação do

Leia mais

O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS

O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS Janeiro de 2001 O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS 1) Saber que o pão se corta sempre com as mãos, que um homem não se deve sentar até que todas as mulheres

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos O presente projeto de Lei que autoriza a implantação do Corredor Capão Redondo / Campo Limpo / Vila Sonia é apresentado de maneira descolada do Projeto de Lei 0017/2014, ora em 2ª votação, e que autoriza

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR

UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR UNIVERSIDADE JÁ GASTA MAIS DO QUE O MEC QUER DAR Nas contas do ex-reitor da USP, anteprojeto da reforma não atende ao acordo com os reitores REFORMA UNIVERSITÁRIA Gabriel Manzano Filho O aumento de recursos

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

O passageiro. 1.Edição. Edição do Autor

O passageiro. 1.Edição. Edição do Autor 1 1.Edição Edição do Autor 2012 2 3 Jonas de Paula Introdução Esse conto relata um mal entendido que poderia acontecer com qualquer pessoa em qualquer lugar, tem haver com a questão da globalização e seu

Leia mais

Nº DO EMOLUMENTO. 160,00 120 - Passaporte Diplomático 120.1 Concessão Grátis 130 - Passaporte Oficial 130.1 Concessão

Nº DO EMOLUMENTO. 160,00 120 - Passaporte Diplomático 120.1 Concessão Grátis 130 - Passaporte Oficial 130.1 Concessão 110 - Passaporte Comum 110.3 Concessão de Passaporte Biométrico 8 110 - Passaporte Comum 110.4 Concessão de Passaporte Biométrico sem apresentação do documento anterior 16 120 - Passaporte Diplomático

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA O GOVERNO

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

TABELA DE EMOLUMENTOS CONSULARES

TABELA DE EMOLUMENTOS CONSULARES TABELA DE S CONSULARES NATUREZA DO 110 - Passaporte Comum 110.3 Concessão de Passaporte Biométrico 8 110 - Passaporte Comum 110.4 Concessão de Passaporte Biométrico sem apresentação do documento anterior

Leia mais

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos?

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Banco Central do Brasil Editada em dezembro de 2002. Com certeza, você já foi alguma vez a um banco e

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e ,, 2, Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de

Leia mais

Documentos para o Embarque

Documentos para o Embarque Documentos para o Embarque C A N A s a c i D 2 Documentos para o Embarque Embarque Check-in Antes de embarcar em um voo, todos os passageiros devem fazer o check-in. Apresente-se para o check-in no horário

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Programa de Treino de Mar

Programa de Treino de Mar ÍNDICE 1 - APORVELA 1.1 Objectivos 1.2 - Parceiros 1.3 - Programa Jovens e o Mar 2 - PROGRAMA JOVENS E O MAR 3 - TREINO DE MAR 3.1 Treino de Mar 3.2 Organização a Bordo 3.3 Actividades a Bordo e em Terra

Leia mais

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ACORDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL O Japão e a República Federativa do Brasil, Desejosos de regular suas relações mútuas na área de Previdência Social, Acordaram

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

QUEM É A PESSOA IDOSA?

QUEM É A PESSOA IDOSA? INTRODUÇÃO Líder, este caderno é seu, para cadastrar e acompanhar as pessoas idosas no domicílio. Ele contém os principais indicadores que nos levam a conhecer a realidade na qual vivem as pessoas, permitindo

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS BINGO DA ÁGUA EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Desenvolver ações educativas e de mobilização social é disseminar informações visando o controle de doenças e agravos à saúde e fomentar nas pessoas o senso de responsabilidade

Leia mais

Adamus. Japão. Inspirar Consciências. www.crimsoncircle.com

Adamus. Japão. Inspirar Consciências. www.crimsoncircle.com Adamus sobre o Japão www.crimsoncircle.com Inspirar Consciências Adamus sobre o Japão Excerto das canalizações de Adamus na Escola de Mistério de Kauai, março de 2011 Apresentando Adamus Saint-Germain

Leia mais