Eng. Hamilton Budal Arins Crea 3271d Cart

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eng. Hamilton Budal Arins Crea 3271d Cart 10.018"

Transcrição

1 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Gaspar, 14 de setembro de 2001 Prezados Senhores: Ref. ESTRUTURA E VIGAS PROTÓTIPO Estamos apresentando relatório da empresa BUREAU DE PROJETOS E CONSULTORIA LTDA e da empresa ENESCIL ENGENHARIA DE PROJETOS LTDA, empresas contratadas pela PROTÓTIPO para elaboração a nível nacional, através de um plano de amostragem, de ensaios teóricos, instrumentação, prova de carga e monitoramento das vigas Protótipo. Estes relatórios respondem as dúvidas do comportamento da viga calha, miolo de enchimento e da ligação desses concretos de idades diferente. O acervo de nossa empresa, com o início da tecnologia, as obras executadas com os devidos registros acervados no CREA e comentários diversos, são apresentados a seguir. Eng. Hamilton Budal Arins Crea 3271d Cart Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

2 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA ACERVO, TECNOLOGIA,BIBLIOGRAFIA E DEMAIS QUESTIONAMENTOS Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

3 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA RELATÓRIO ENESCIL ENGENHARIA Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

4 ENESCIL ENGENHARIA DE PROJETOS LTDA. À Protótipo Estruturas Especiais Ltda. A/C Eng. Hamilton Budal Arins São Paulo, 5 de abril de 2002 Ref.: Comentários aos relatórios da Bureau de Projetos e Consultoria Ltda. de Setembro/2001. Prezado Engenheiro: Atendendo à solicitação de VSa., no sentido de avaliar os questionamentos sobre a qualidade das vigas pré-moldadas da Protótipo, estamos apresentando, as nossas considerações sobre o tema. Sempre foi colocada em dúvida a aderência entre a viga-calha da Protótipo e seu enchimento (miolo), inclusive com comentários alusivos à possibilidade de redução da vida útil da estrutura. Assim, com base no relatório da Bureau / IPT e com base em nossa experiência em projetos nossos elaborados para VSa. com a utilização de vigas-calha Protótipo, temos a informar o que segue: 1) As amostras cilíndricas retiradas da alma da viga central do viaduto de acesso a Santur mostram que, seria impossível distinguir o plano onde termina a viga-calha ou onde começa o enchimento, se não fosse pela cor distinta entre os dois concretos (concreto da viga-calha feito na indústria com fck 50MPa e o concreto RUA ALVES GUIMARÃES 507 CONJ. A CEP: SÃO PAULO SP FONE: (011) FAX: (011)

5 ENESCIL ENGENHARIA DE PROJETOS LTDA. do enchimento feito in situ com 20MPa) e, também, pelo tamanho do agregado máximo de cada concreto (micro concreto na viga calha e pedra 2 no concreto do enchimento). Este exame visual da amostra e do buraco deixado na viga é por si só bastante convincente quanto à qualidade da ligação, isto é, da aderência entre os dois corpos; 2) Sob a ação de carga móvel nos ensaios programados não se observou movimentação relativa entre as superfícies de contato da viga-calha e do seu enchimento (miolo) nos buracos, sendo dois buracos junto aos apoios da viga e um terceiro buraco no meio do vão da viga. Essas movimentações relativas não foram observadas nem a olho nu e nem com os instrumentos utilizados nas suas medições. Portanto, se estas movimentações ocorreram, foram tão pequenas que a precisão dos aparelhos foram incapazes de registrá-las, isto é, foram inferiores a 0,01 mm; 3) As deformações previstas nos buracos circulares foram maiores e próximas daquelas previstas teoricamente. A explicação para o fato é que o comportamento da viga foi semelhante àquele que ocorreria em uma viga normal de concreto armado, onde existe fissuração que não é levada em conta no modelo teórico analítico. Assim, obtivemos: a) deformação longitudinal teórica no ½ do vão prevista de 69x10-6 mm contra uma deformação observada média nos ensaios de 92x10-6 mm; b) deformação teórica por tração, inclinada a 45 0, prevista junto do apoio de 9,7x10-6 mm contra uma deformação de tração observada média RUA ALVES GUIMARÃES 507 CONJ. A CEP: SÃO PAULO SP FONE: (011) FAX: (011)

6 ENESCIL ENGENHARIA DE PROJETOS LTDA. nos ensaios de 8,5x10-6 mm. Além disso, essas deformações foram medidas no próprio enchimento, assegurando que ele está trabalhando, isto é, não está inerte no interior da viga (ver fotos dos aparelhos medidores instalados nos buracos da viga no relatório da Bureau ); 4) A partir das amostras cilíndricas retiradas das vigas foi feito ensaio de resistência do conjunto a esforços cortantes (corte puro no plano de contato entre a viga-calha e o enchimento) no IPT/SP. Nestes ensaios observou-se que o rompimento se deu à tensão média de 6,2 MPa, assegurando que a ligação era monolítica. Além disso, o rompimento não se deu no plano de contato entre viga-calha e enchimento, mas no enchimento, isto é, o plano de ligação estava, tão bem aderente, tão monolítico, que sua resistência ao cisalhamento foi superior àquela do concreto do enchimento; 5) Cabe observar que as tensões de ruptura do corpo de prova foram superiores à fck=20mpa do concreto utilizado no enchimento. Porém foram inferiores à do concreto utilizado na viga-calha. Isto era de se esperar porque o corpo de prova extraído é composto pelos dois concretos e ele se rompeu no concreto do enchimento, de menor resistência. Mesmo assim, a tensão de ruptura foi superior aos 20MPa, o que atesta, também, a boa qualidade do concreto do enchimento; 6) A flecha teórica prevista no ½ do vão da viga com o RUA ALVES GUIMARÃES 507 CONJ. A CEP: SÃO PAULO SP FONE: (011) FAX: (011)

7 ENESCIL ENGENHARIA DE PROJETOS LTDA. carregamento executado na prova de carga era de 6,8mm e o valor obtido na prova de carga in situ foi de 6,3mm, o que indica claramente que o enchimento está funcionando de forma solidária e monolítica com a viga-calha, pois, se não fosse isso, os valores seriam pelo menos 17% maiores do que os 6,8mm previstos, (ver relatório da Bureau ); enchimento e a viga-calha são : 7) Outros fatores construtivos que asseguram a boa ligação entre o 7.1) No plano superior horizontal formado pelo enchimento e a laje superior temos, apesar da junta fria, o empenamento do concreto de enchimento, fazendo com que o concreto da laje que é armado pela ferragem própria da laje se conecte perfeitamente com o concreto do enchimento. Além disso, o enchimento é armado com estribos que penetram na laje, tornando a ligação entre laje e enchimento perfeita e completa. Também, o peso próprio da laje durante sua concretagem pressiona o plano de junção da laje com o enchimento da viga-calha. É importante acrescentar que a tensão de cisalhamento neste plano não ultrapassa o valor de Vrd1= 0,52 MPa em nenhum ponto da viga; 7.2) No plano inferior longitudinal de contato entre o enchimento e a viga-calha a ligação é bastante eficaz, pois durante a concretagem do enchimento seu peso pressiona o referido plano de contato permanentemente até a cura do próprio enchimento. Além disso, as formas internas da viga-calha são de madeira rugosa e logo RUA ALVES GUIMARÃES 507 CONJ. A CEP: SÃO PAULO SP FONE: (011) FAX: (011)

8 ENESCIL ENGENHARIA DE PROJETOS LTDA. após sua retirada as superfícies internas da viga-calha são escovadas e preparadas para a futura concretagem do enchimento. Neste plano as tensões de cisalhamento atingem no máximo o valor de 2,7MPa, sendo bem inferiores aos valores obtidos nos ensaios de cisalhamento que atingiram 6,2 MPa; 7.3) Nos dois planos laterais (que de fato são ligeiramente inclinados) de contato entre a viga-calha e o enchimento, valem as mesmas observações do item anterior quanto à rugosidade das formas e à escovação das paredes internas da viga-calha. Porém, os estribos da viga-calha tem cobrimento zero para aumentar a rugosidade das superfícies verticais internas das paredes da viga-calha e existe um efeito cunha durante a concretagem do miolo devido à ligeira inclinação das faces laterais da viga-calha. Nestes planos laterais a tensão de cisalhamento máxima não ultrapassa 0,2MPa estando bem abaixo até do que o valor de Vrd1-0,52MPa; 7.4) A cada 2,2m aproximadamente o interior da viga-calha tem septos, transversinas de enrijecimento dela própria, que estabelecem planos de ligação do enchimento com a viga-calha, isto é, o enchimento não é contínuo, é segmentado, compartimentado, tornando a ligação do enchimento com a viga-calha mais eficiente; 7.5) Existem estribos e armaduras de pele no enchimento atendendo às determinações de armaduras mínimas da Norma de Pontes (NBR-7187) reduzindo a retração do enchimento e eliminando a fissuração do próprio enchimento; RUA ALVES GUIMARÃES 507 CONJ. A CEP: SÃO PAULO SP FONE: (011) FAX: (011)

9 ENESCIL ENGENHARIA DE PROJETOS LTDA. 7.6) A retração hidráulica do concreto da viga-calha e da laje do tabuleiro são maiores que a do concreto de enchimento (miolo), já que as perdas d água dos concretos da viga-calha e da laje são maiores e mais rápidas pois são facilitadas pelo contato externo com o meio ambiente, o que não ocorre com o concreto do enchimento que é permanentemente confinado, sua perda d água se dá predominantemente por difusão. Além disso, o concreto da viga calha é executado com mais cimento, mais água e menos agregados graúdos do que o concreto do enchimento, resultando em maior retração do concreto da viga-calha do que no concreto de enchimento. Tudo isso faz com que o enchimento segmentado seja abraçado pelo conjunto viga-calha, laje e septos da viga-calha acrescendo a aderência entre os corpos envolvidos; 8) A necessidade função do enchimento, posterior da calha se deve ao alívio de peso que produz na viga-calha, viabilizando e reduzindo o custo do transporte e do lançamento da própria viga-calha Protótipo. Contudo, para a concretagem posterior da laje, a viga calha é carregada com o peso próprio dela, o do enchimento, o da pré-laje e o da laje moldada in situ. Assim, se o enchimento não estiver curado e funcionando solidariamente, monoliticamente, com a própria viga-calha, ela por si só não suportaria o momento fletor resultante deste carregamento. Assim, como se não bastassem todas as explicações anteriores, por absurdo fica aqui demonstrada a eficácia da aderência entre a viga-calha e o enchimento, pois, como já mencionamos, se esta aderência não fosse perfeita haveria colapso da estrutura durante a concretagem da laje do tabuleiro. Portanto, esta eficácia se assegura de forma inequívoca logo após a concretagem da laje, o que só se dá quando o concreto do enchimento atinge fck = 20 MPa. Milhares de vigas já foram RUA ALVES GUIMARÃES 507 CONJ. A CEP: SÃO PAULO SP FONE: (011) FAX: (011)

10 ENESCIL ENGENHARIA DE PROJETOS LTDA. executadas no Brasil e Alemanha e nunca houve colapso durante a construção de qualquer obra com utilização desta técnica; 9) Se por alguma razão, em algum segmento da viga, a ligação viga-calha/enchimento não for perfeita, ou vier a falhar, ainda assim poderíamos afirmar, (conforme relatório da Bureau) o que segue: no máximo; 9.1) O momento fletor de ruptura da peça seria reduzido em 2,3% máximo, 15%; 9.2) O esforço cortante de ruptura da peça seria reduzido em, no 9.3) As deformações decorrentes da perda de rigidez por descolamento seriam superiores em, no máximo, 16%; 9.4) Estes fatores fazem com que se considere pouco importante o enchimento com a obra em serviço, sua utilidade se prende à fase construtiva de concretagem da laje como mostramos acima e ao preenchimento do interior da viga-calha evitando a corrosão das armaduras; 10) A viga protótipo apresenta características que a tornam superior em qualidade quando comparada com qualquer viga pré-moldada de concreto armado convencional executada in situ pelas razões abaixo elencadas: RUA ALVES GUIMARÃES 507 CONJ. A CEP: SÃO PAULO SP FONE: (011) FAX: (011)

11 ENESCIL ENGENHARIA DE PROJETOS LTDA. 10.1) Como a viga calha é sempre executada com fck = 50 MPa ela apresenta um consumo mínimo de cimento bem superior àquele de uma viga prémoldada armada convencional que normalmente utiliza fck = 25 MPa. O consumo mínimo de cimento, como sabemos, é um dos principais itens que asseguram a durabilidade de uma peça de concreto, mantidos os dois outros importantes fatores de durabilidade que são: relação água-cimento e cobrimento, nos mesmos níveis nas duas vigas em comparação; 10.2) Como a viga-calha é executada em indústria especializada e com certificado ISO-9002, caso da Protótipo, ela apresenta maior qualidade e garantias quanto a dimensões, cobrimentos e contra-flechas do que sua concorrente fabricada in situ pela construtora; 10.3) Para assegurar boa conexão entre viga-calha e enchimento, o enchimento é armado com estribos e pele que não são considerados, a favor da segurança, no dimensionamento da viga como um todo. Resultando aí em uma reserva estratégica, aumentando a resistência à ruptura da viga ao cisalhamento. Além disso, como a fck da viga calha é superior à fck das demais vigas pré-moldadas de concreto armado, isto também contribui para o aumento da resistência aos esforços cortantes, pois a viga Protótipo é dimensionada com fck = 25 MPa tão somente; 10.4) Como a armadura de flexão fica envolta em concreto com fck = 50 MPa (parte inferior da alma da viga-calha) a proteção aos ferros de flexão está mais adequada, pois a fissuração é menor. Além disso, o concreto da viga-calha é micro- RUA ALVES GUIMARÃES 507 CONJ. A CEP: SÃO PAULO SP FONE: (011) FAX: (011)

12 ENESCIL ENGENHARIA DE PROJETOS LTDA. concreto (utiliza pedra 0 ) o que assegura o perfeito preenchimento dos vazios entre as barras de flexão, fato que nem sempre se consegue em vigas pré-moldadas de concreto armado convencional fabricadas in situ. Entendemos que os esclarecimentos e considerações aqui reunidas à luz do relatório da Bureau, tenham dirimido quaisquer dúvidas a respeito da qualidade das obras que utilizam as vigas pré-moldadas Protótipo. Para concluir temos, ainda, o questionamento referente aos projeto elaborado com vigas em balanços. Ora, neste caso foi utilizada uma concretagem de ligação da viga no vão com seus balanços, através do enchimento onde a armadura superior longitudinal (negativa) foi disposta para suportar momentos negativos e armaduras longitudinais (pele) foram colocadas para que em conjunto suportassem como o enchimento do miolo o peso próprio de toda a estrutura em balanço. Nesta fase, o talão inferior da viga é comprimido e a parte superior da viga é tracionada, contando com armadura de sobra para suportar estes esforços, limitando dessa forma a fissuração da viga. Após a concretagem da laje, onde toda a ferragem superior de flexão da viga é disposta, o funcionamento da viga se modifica deslocando-se a linha neutra para cima, assegurando compressão em quase toda a alma da viga (viga + enchimento). A parte superior da viga ainda sujeita a tração por estar acima da linha neutra não apresenta nenhuma tendência de fissuração excessiva, porque está condicionada e limitada pela deformação por tração e pela própria fissuração da laje do tabuleiro no seu trecho sobre os apoios. Além disso, a própria ferragem existente (construtiva) da viga ali existente, limita com segurança a abertura de fissuras na junta. Também, RUA ALVES GUIMARÃES 507 CONJ. A CEP: SÃO PAULO SP FONE: (011) FAX: (011)

13 ENESCIL ENGENHARIA DE PROJETOS LTDA. as próprias juntas de união dos trechos de viga-calha são tratadas com resina epóxica (penetrando por capilaridade), aumentando o cobrimento das armaduras de pele e estribos posicionados no enchimento neste trecho das vigas. Sem mais para o momento, Atenciosamente, Catão F. Ribeiro ENESCIL Engenharia de Comércio Ltda. RUA ALVES GUIMARÃES 507 CONJ. A CEP: SÃO PAULO SP FONE: (011) FAX: (011)

14 Anexo VI Relatório IPT

15 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Na Alemanha onde adquirimos a tecnologia, obras são executadas a mais de 50 anos e no Brasil a Protótipo executa pontes a mais de 15 anos sem nunca até a presente data qualquer problema de durabilidade, descolamento ou colapso da estrutura tenha acontecido. Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

16 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Vide acervo de obras em anexo, todas registradas com as devidas guias de Responsabilidade Técnica do CREA, órgão regulador da profissão de engenharia. Rua João Zermiani, 255 CEP: Fone/Fax: (047) Gaspar S.C

17 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Salientamos também que todas as obras da BR 101 que estão abaixo relacionadas, foram executadas dentro da técnica Protótipo, com projetos da empresa ENESCIL de São Paulo na responsabilidade do Eng. Catão Francisco. Todos estes projetos foram devidamente aprovados pelo DNER regional, e DNER DAP Brasília. Relação dos projetos da BR 101 OBRAS BR-101 / SANTA CATARINA Lote 1 e 2 Contratante: Cesbe Engenharia Obras: P. I. 01 Est Km ,57 m 2 P. I. 02 Est Km ,57 m 2 P. I. 03 Est ,14 851,90 m 2 P. I. 04 Est Km 43,6-534,57 m 2 P. I. 05 Est Km 44,2-534,57 m 2 P. I. 08 Est ,50 Km 45,4-534,57 m 2 Lote 3 Contratante: TORC Obras: P. I. Km Barra Velha 321,86 m 2 P. I. Km ,70 321,86 m 2 P. I. Km ,50 369,91 m 2 P. I. Km ,20 Acesso São João do Itaperiú 439,76 m 2 P. I. Km Acesso Itapocu 317,10 m 2 P. I. Km Araquari 313,82 m 2 P. I. Km Araquari 313,82 m 2 P. I. Km ,20 Acesso a Barra Velha 602,11 m 2 P. I. Km Acesso Sec. Barra Velha 369,91 m 2 Lote 4 Contratante: Conserva Obras: P. I. Km Acesso a Piçarras 369,91 m 2 P. I. Km Acesso Itajubá/Medeiros 369,91 m 2 P. I. Km Acesso Penha 369,91 m 2 Viaduto Acesso Beto Carrero Penha Km ,00 m 2 Galerias Est / / / ,00 m 2 Passarela Est Km 107 Acesso a Penha 336,16 m 2 Passarela Est Km 108 Acesso a Penha 336,16 m 2 Passarela Est Km 109 Acesso a Penha 336,16 m 2 Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

18 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Lote 6 Contratante: Camargo Correa / Andrade Gutierrez / OAS Obras: Viaduto Acesso a Santur Est , ,91 m 2 P. I. Acesso a Rodoviária Itapema Est , ,96 m 2 P. I. Acesso Peixaria Est , ,88 m 2 P. I. Acesso a Morretes Est Itapema 280,80 m 2 Viaduto Acesso a Porto Belo Est ,53 m 2 Lote 8 Contratante: Camargo Correa / Andrade Gutierrez / CBPO Obras: Passarela São José Km 278 estaca ,36 m 2 Passarela Biguaçú Est ,30 280,17 m 2 Passarela Biguaçú Est ,67 317,37 m 2 Viaduto Porto Belo BR 101 SC lote 6 Projeto integralmente executado por Protótipo aprovado no DNER em Maio de 1998 conforme atesta certificado expedido por Consorcio Camargo Correa/Andrade Gutierrez/OAS em anexo. Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

19 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Rua João Zermiani, 255 CEP: Fone/Fax: (047) Gaspar S.C

20 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Viaduto Santur BR 101 SC lote 6 Projeto integralmente executado por Protótipo aprovado no DNER em Maio de 1999 conforme atesta certificado expedido por Consorcio Camargo Correa/Andrade Gutierrez/ OAS em anexo. Obra com 196 m de comprimento Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

21 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Projetos executados no Rio de Janeiro Obra viaduto... Construtora Basic Projeto Enescil Supervisão DER e Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro Fotos Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

22 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

23 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Obras ITA Construtora Seta Engenharia Ltda Supervisão GERASUL empresa privatizada Exigência ISSO 9000 Obras Arroio Suzano, Arroio Teixeira Soares, Viaduto Rede Férrea Fotos. Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

24 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

25 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

26 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Obra executada na Prefeitura de Dona Emma SC em 25/02/94 conforme certidão emitida. Ponte com 25 metros de vão livre por 12,00 de largura classe 45. Esta obra é uma das que estão em trafego normal a mais de 7 anos sem nenhuma característica de fadiga de material ou qualquer apresentação de fissura nas vigas. Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

27 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

28 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Obra executada Município de Joinville em 29/11/96 conforme certidão e guia RT Ponte com dois vãos livres de 25m por 12,00 de largura classe 45 Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

29 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

30 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Ponte no Município de Joinville executada em Janeiro de 1995 com 3 vãos de 25 m mais um balanço de 5 m em cada ponta com 22 m de largura Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

31 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Comentário referente à hipótese de calculo adotada para obras com balanço nas extremidades: É de nosso entender que a área em questão da viga em balanço está sujeita a compressão e todas as armaduras para suportar a tração do balanço estão incorporadas na laje tabuleiro, que juntamente com o miolo da viga calha recebe toda ferragem de tração. Salientamos que a viga calha neste caso está funcionando apenas como uma forma adicional, participando do conjunto para sustentar a concretagem do miolo, que juntamente com a laje tabuleiro estão armadas de forma a suportarem os esforços solicitados. Vide desenho do projeto estrutural. A área de emenda só estará sujeita a compreensão, em serviço, impossibilitando qualquer condição de ruptura da seção no plano de junção das peças. Segue abaixo fotos de obras já executadas com esse método e em pleno funcionamento em obra com condição de trafego acima de veículos hora, corredor do mercosul, BR 101 trecho SC. As obras estão há mais de 4 anos com trafego intenso e em perfeitas condições sem a apresentação de qualquer fissura ou fadiga e fragilização de materiais, apesar de utilizarem apenas armaduras passivas. A estrutura de execução de obras com emenda no balanço já está plenamente aprovada pelos órgãos DNER e DER SC e DER MG, com ótimos resultados, sem a apresentação de qualquer espécie de fissura ou flecha, conforme atesta o acervo e as fotos em anexo, comprovando a teoria de calculo apresentada. Relação de algumas das obras executadas no sistema balanço com vigas Protótipo: Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

32 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA 1 Construtora Barbosa Mello MG Obra executada com vigas Protótipo com sistema de balanços nas seguintes características: Guia de RT aprovada pelo DER MG executada na rodovia de contorno de Gov. Valadares em 28/10/98 Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

33 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

34 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Foto de PI 03 BR 101 SC lote 1 Projeto aprovado pelo DNER e de autoria da ENESCIL-SP Supervisão da obra Esteio PR Execução e pré-moldados PROTÓTIPO DATA DE EXECUÇÃO 14/10/98 Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

35 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

36 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Obra Viaduto Beto Carrero Construtora Conserva de Estradas Ltda Local Br 101 lote 4 SC - data de execução Fev Projeto aprovado pelo DNER e pelo DER SC Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

37 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

38 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA O calculo da fadiga do aço não apresentado em alguns relatórios de memorial de calculo, utiliza a seguinte rotina: Valores Admissíveis de Flutuação de Tensões nas Armaduras, Segundo a Norma Alemã DIN 1054 O efeito fadiga das armaduras pode ser verificado pelo calculo de flutuações de tensões, feito em seção fissurada. A norma Alemã DIN 1054, {4} fixa os valores admissíveis de flutuações de Tensões, ( σ s ), para as combinações mais desfavoráveis de cargas em serviço. A) barras retas ou com pequenas curvaturas σ s= 1800 kg/cm 2 B) Barras com forte curvatura estribos σ s= 1400 kg/cm 2 C) Malhas ou barras soldadas σ s= 800 kg/cm 2 Denomina-se fator de fadiga o fator pelo qual se deve multiplicar a área de armadura, numa seção, para atender às flutuações de tensão especificadas para o aço em uso. O fator de fadiga é igual ao quociente da variação de tensões calculadas ( σ s ), pela variação admissível ( σ s ), ( σ s ), Fator de fadiga = >= 1,0 ( σ s ), Tal literatura é plenamente encontrada em livros traduzidos para o Português, tais como Concreto Armado de Walter Pfeil Editora Livro Técnico e poderá ser facilmente analisado por calculista acostumado com a utilização de normas Alemãs. Se observar atentamente a memória de calculo que apresenta os resultados do calculo das vigas longarinas, podemos notar que a diferença de armadura adotada entre a especificada no memorial de calculo e a detalhada em projeto, representa exatamente a armadura calcula pela fadiga. Exemplo: A viga V1 vão dois da memória de calculo apresenta como necessário em calculo, 9 ferros de 25mm e o utilizado em projeto 16 ferro de 25mm em 4 camadas mais 5 camada com 2 ferros de 16mm. Essa diferença representa a armadura adicional de fadiga. Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

39 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA Com relação à pressão na base do tubulão, salientamos que a NBR6122 de 1996 prescreve que a pressão admissível máxima para rocha sã maciça sem laminação ou sem sinal de decomposição o limite 30kg/cm2 e para rochas laminadas 15kg/cm2. Quando adotamos a tensão de 15 kg/cm2 como limite, conforme atesta a sondagem e a visualização in-loco, as rochas existentes são do tipo rocha sã e maciça, sem laminação e sem sinal de decomposição. Desta maneira, estamos com utilização de tensão 50% abaixo do prescrito nas Normas Brasileiras. Segue bibliografia encontrada nas melhores livrarias Brasileiras e nas livrarias da Europa: BIBLIOGRAFIA 1 Leonhardt, F.; Mönnig, E.: Vorlesungen über Massivbau, 1º Vol.: Grundlagen zur Bemessung im Stahlbetonbau. 2ª Ed., Berlim, Springer, Leonhardt, F.; Mönnig, E.: Vorlesungen über Massivbau, 2º Vol.: Sonderfälle der Bemessung im Stahlbetonbau. 2ª Ed., Berlim, Springer, Leonhardt, F.; Mönnig, E.: Vorlesungen über Massivbau, 3º Vol.: Grundlagen zum Bewehren im Stahlbetonbau. 2ª Ed., Berlim, Springer, Wischers, G.; Manns, W.: Ursachen für das Entstehen von Rissen in jungem Beton. Beton 23 (1973), Nº-4, pg : Nº 5, pg Nawy, E.G.: Cracrk control through reinforcement distribution in two-way acting slabs and plates. Journal ACI, Proc. Vol. 69 (1972), Nº 4, pg Rao, P. S.: Die Grundlagen zur Berechnung der bei statisch unbestimmten Stahlbetonkonstruktionen im plastischen Bereich auftretenden Umlagerungen der Schnittkräfte. DafStb. Cad. 177, Berlim, W. Ernst u. Sohn, 1966 Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

40 PROTÓTIPO ESTRUTURAS ESPECIAIS LTDA 7 Rostásy, F. S.; Koch, R.; Leonhardt, F.: Zur Mindestbewehrung von Zwang von Aussenwänden aus Stahileichtbeton. DafStb, Cad. 267, Berlim, W. Ernst u. Sohn, Falkner, H.: Zur Frage der Rissbilbung durch Eigen-und Zwängspannungen infolge Temperatur in Stahlbetonbauteilen. DafStb, Cad. 208, Berlim, W. Ernst u. Sohn, Kehlbeck, F.: Einfluss der Sonnenstrahlung bei Brückenbauwerken. Düsseldorf, Werner, Leonhardt, F.; Schelling, G.: Torsionsversuche na Stahlbetonbalken. DafStb, Cad. 239, Berlim, W. Ernst u. Sohn, Schiessl, P.: Admissible crack width in reinforced concrete structures. Relatório Preliminar, Tomo II do Colóquio IABSE-FIP-CEB-RILEM-IASS, Liège, Junho, Avram, C.: Mihaescu, A: Espacement et ouverture des fissures dês éléments prismatiques em béton armé soumis à la compressiom excentrée. Estratto da Costruzioni i cemento armato Studi e Rendiconti Volume 7, Deutsch, I.: Allgemeine Theorie der Bildung von Schrägrissen infolge Querkraftbeanspruchung. Anais da AIPGC, Vol (1973), pg Rüsch, H.: Die Ableitung der charakteristischen Werte der Betonzugfestigkeit. Beton 25 (1975), Nº 2, pg Rüsch, H.: Jungwirth, D.: Stahlbeton. Spannbeton, Band 2 Berücksichtigung der Einflüsse von Kriechen und Schwinden auf das Verhalten der Tragwerke. Düsseldorf, Werner, Koch, R.: Verformungsverhalten von Stahlbetonstäben unter Biegung und Längszug im Zustand II auch bei Mitwirkung dês Betons zwischen den Rissen. Tese apresentada à Universidade de Stuttgart, Trost, H.: Auswirkungen des Superpositionsprinzips auf Kriech-und Relaxations-probleme bei Beton und Spannbeton. Rua João Zermiani, 255 Fone/Fax: (047) CEP: Gaspar S.C

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES

ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES ÍNDICE DO LIVRO CÁLCULO E DESENHO DE CONCRETO ARMADO autoria de Roberto Magnani SUMÁRIO LAJES 2. VINCULAÇÕES DAS LAJES 3. CARREGAMENTOS DAS LAJES 3.1- Classificação das lajes retangulares 3.2- Cargas acidentais

Leia mais

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3

Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 Vigas Gerber com Dentes Múltiplos: Dimensionamento e Detalhamento Eduardo Thomaz 1, Luiz Carneiro 2, Rebeca Saraiva 3 1 Prof. Emérito / Instituto Militar de Engenharia / Seção de Engenharia de Fortificação

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES. Disciplina: Projeto de Estruturas. Aula 7 AULA 7 CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES Disciplina: Projeto de Estruturas CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS 1 CLASSIFICAÇÃO DAS ARMADURAS ALOJAMENTO DAS ARMADURAS Armadura longitudinal (normal/flexão/torção) Armadura

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE

ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE 53 ENSAIO DE LIGAÇÃO PILAR PRÉ-MOLDADO FUNDAÇÃO MEDIANTE CHAPA DE BASE Mounir K. El Debs Toshiaki Takeya Docentes do Depto. de Engenharia

Leia mais

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado

Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado BE8 Encontro Nacional Betão Estrutural 8 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 8 Análise de procedimentos para medida de rotações e curvaturas em vigas de concreto armado Bruna Catoia 1, Carlos A.T. Justo,

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA

UNIVERSIDADE DE MARÍLIA UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Faculdade de Engenharia, Arquitetura e Tecnologia SISTEMAS ESTRUTURAIS (NOTAS DE AULA) Professor Dr. Lívio Túlio Baraldi MARILIA, 2007 1. DEFINIÇÕES FUNDAMENTAIS Força: alguma causa

Leia mais

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção

Módulo 5 Lajes: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Dimensionamento de Lajes à Punção NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo ELU e ELS Força Cortante em Dimensionamento de à Punção - Detalhamento - - Conclusões Estado Limite Último

Leia mais

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional

Leia mais

Estruturas Mistas de Aço e Concreto

Estruturas Mistas de Aço e Concreto Universidade Federal do Espírito Santo Estruturas Mistas de Aço e Concreto Prof. Fernanda Calenzani Programa Detalhado Estruturas Mistas Aço e Concreto 1. Informações Básicas 1.1 Materiais 1.2 Propriedades

Leia mais

Lajes de Edifícios de Concreto Armado

Lajes de Edifícios de Concreto Armado Lajes de Edifícios de Concreto Armado 1 - Introdução As lajes são elementos planos horizontais que suportam as cargas verticais atuantes no pavimento. Elas podem ser maciças, nervuradas, mistas ou pré-moldadas.

Leia mais

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção

Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Sociedade Goiana de Cultura Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Laboratório de Materiais de Construção Ensaios de Stuttgart Reprodução em Laboratório Consorte, Anna Karlla G. Oliveira,

Leia mais

Este curso consiste de uma introdução ao cálculo estrutural das vigas de concreto armado, ilustrada através do estudo de vigas retas de edifícios.

Este curso consiste de uma introdução ao cálculo estrutural das vigas de concreto armado, ilustrada através do estudo de vigas retas de edifícios. Introdução 1 1. Introdução O objetivo do cálculo de uma estrutura de concreto armado é o de se garantir: uma segurança adequada contra a ruptura decorrente das solicitações; deformações decorrentes das

Leia mais

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado

Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Estudo do Cisalhamento em Vigas de Concreto Armado Luiz Alves ramos 1, Antonio Alves da Silva 2, luizalvesramos@gmail.com 1 deca_univap@yahoo.com.br 2, guido@univap.br 3, carlos@univap.br 4 Universidade

Leia mais

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas.

2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 2012 Duração prevista: até 4 horas. 2 a Prova de EDI-49 Concreto Estrutural II Prof. Flávio Mendes Junho de 212 Duração prevista: até 4 horas. Esta prova tem oito (8) questões e três (3) laudas. Consulta permitida somente ao formulário básico.

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO

ENSAIOS DE STUTTGART REPRODUÇÃO EM LABORATÓRIO ENSAIOS DE STUTTGART RERODUÇÃO EM LABORATÓRIO Andrea Corrêa Rocha (1); Maria das Graças Duarte Oliveira (1); aulo Sérgio Oliveira Resende (1); Alberto Vilela Chaer (2) (1) Acadêmicos de Engenharia Civil,

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1

MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0. PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 MEMORIAL DE CÁLCULO 071811 / 1-0 PLATAFORMA PARA ANDAIME SUSPENSO 0,60 m X 2,00 m MODELO RG PFM 2.1 FABRICANTE: Metalúrgica Rodolfo Glaus Ltda ENDEREÇO: Av. Torquato Severo, 262 Bairro Anchieta 90200 210

Leia mais

Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado

Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado Análise do Uso de Vigas Transversinas em Pontes de Concreto Armado João Paulo Teixeira Oliveira Rodrigues Fulgêncio 1 Fernando Amorim de Paula 2 Crysthian Purcino Bernardes Azevedo 3 Resumo O emprego de

Leia mais

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Fundamento da mecânica dos pavimentos e da ciência dos pavimentos rígidos Projetar uma estrutura que dê conforto,

Leia mais

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3.

CÁLCULO DE VIGAS. - alvenaria de tijolos cerâmicos furados: γ a = 13 kn/m 3 ; - alvenaria de tijolos cerâmicos maciços: γ a = 18 kn/m 3. CAPÍTULO 5 Volume 2 CÁLCULO DE VIGAS 1 1- Cargas nas vigas dos edifícios peso próprio : p p = 25A c, kn/m ( c A = área da seção transversal da viga em m 2 ) Exemplo: Seção retangular: 20x40cm: pp = 25x0,20x0,40

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS ANÁLISE ESTRUTURAL DE RIPAS PARA ENGRADAMENTO METÁLICO DE COBERTURAS Leandro de Faria Contadini 1, Renato Bertolino Junior 2 1 Eng. Civil, UNESP-Campus de Ilha Solteira 2 Prof. Titular, Depto de Engenharia

Leia mais

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS

Módulo 4 Vigas: Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento Exemplo. Segurança em Relação aos ELU e ELS NBR 6118 : Estados Limites Últimos Estados Limites de Serviço Detalhamento P R O M O Ç Ã O Conteúdo Segurança em Relação aos ELU e ELS ELU Solicitações Normais ELU Elementos Lineares Sujeitos à Força Cortante

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO

5ª LISTA DE EXERCÍCIOS PROBLEMAS ENVOLVENDO FLEXÃO Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Professor: Armando Sá Ribeiro Jr. Disciplina: ENG285 - Resistência dos Materiais I-A www.resmat.ufba.br 5ª LISTA

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS

ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA DOBRA NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE UM PERFIL DE AÇO FORMADO A FRIO APLICADO NO SETOR DE ESTRUTURAS METÁLICAS Fábio Sumara Custódio (1), Marcio Vito (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante

Bloco sobre estacas Bielas Tirantes. Método Biela Tirante 1/20 Método Biela Tirante Pile Cap subjected to Vertical Forces and Moments. Autor: Michael Pötzl IABSE WORKSHOP New Delhi 1993 - The Design of Structural Concrete Editor: Jörg Schlaich Uniersity of Stuttgart

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO

LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO LISTA 3 EXERCÍCIOS SOBRE ENSAIOS DE COMPRESSÃO, CISALHAMENTO, DOBRAMENTO, FLEXÃO E TORÇÃO 1. Uma mola, com comprimento de repouso (inicial) igual a 30 mm, foi submetida a um ensaio de compressão. Sabe-se

Leia mais

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM SUPERINTENDÊNCIA. ANEXO III - Estudo de Viabilidade

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM SUPERINTENDÊNCIA. ANEXO III - Estudo de Viabilidade ANEXO III - Estudo de Viabilidade 1. OBJETIVO Estabelece requisitos para elaboração e apresentação de Estudo de Viabilidade, em atendimento ao que prevê o Capítulo IV da Norma aprovada. 2. DEFINIÇÃO DE

Leia mais

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos

Sistemas mistos aço-concreto viabilizando estruturas para Andares Múltiplos viabilizando estruturas para Andares Múltiplos Vantagens Com relação às estruturas de concreto : -possibilidade de dispensa de fôrmas e escoramentos -redução do peso próprio e do volume da estrutura -aumento

Leia mais

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária)

3.6.1. Carga concentrada indireta (Apoio indireto de viga secundária) cisalhamento - ELU 22 3.6. rmadura de suspensão para cargas indiretas 3.6.1. Carga concentrada indireta (poio indireto de viga secundária) ( b w2 x h 2 ) V 1 ( b w1 x h 1 ) V d1 - viga com apoio ndireto

Leia mais

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS

ESCADAS USUAIS DOS EDIFÍCIOS Volume 4 Capítulo 3 ESCDS USUIS DOS EDIFÍCIOS 1 3.1- INTRODUÇÃO patamar lance a b c d e Formas usuais das escadas dos edifícios armada transversalmente armada longitudinalmente armada em cruz V3 V4 Classificação

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO

ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO ANÁLISE EXPERIMENTAL DE LAJES LISAS COM ARMADURA DE COMBATE À PUNÇÃO RESUMO Orientando (Dijalma Motta Leopoldo), Orientador (Alexandre Vargas); UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) djalmamotta@hotmail.com,

Leia mais

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO

REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO CURSO PRÁTICO DE DIAGNOSTICO, REPARO, PROTEÇÃO E REFORÇO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO REFORÇO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO, Á FLEXAO, COM FIBRA DE CARBONO PROF. FERNANDO JOSÉ RELVAS frelvas@exataweb.com.br

Leia mais

Resistência. dos Materiais II

Resistência. dos Materiais II Resistência Prof. MSc Eng Halley Dias dos Materiais II Material elaborado pelo Prof. MSc Eng Halley Dias Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Aplicado ao Curso Técnico de

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: alargamento, estruturas, eurocódigos, pontes, reforço.

Resumo. Palavras-chave: alargamento, estruturas, eurocódigos, pontes, reforço. A Utilização do Eurocódigo em Projetos de Alargamento e Reforço de Pontes Rodoviárias de Concreto José Afonso Pereira Vitório 1, Rui Manuel de Menezes e Carneiro de Barros 2 1 Doutor em Estruturas pela

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados.

As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. LAJES DE CONCRETO ARMADO 1. Unidirecionais As lajes de concreto são consideradas unidirecionais quando apenas um ou dois lados são considerados apoiados. 1.1 Lajes em balanço Lajes em balanço são unidirecionais

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

FUNÇÃO DO SISTEMA DE MASSA MOLA = ATENUAR VIBRAÇÕES

FUNÇÃO DO SISTEMA DE MASSA MOLA = ATENUAR VIBRAÇÕES Análise do comportamento estrutural das lajes de concreto armado dos Aparelhos de Mudança de Via (AMV), com sistema de amortecimento de vibrações, oriundas dos tráfegos dos trens, da Linha 2 - Verde, do

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

detalhamento da armadura longitudinal da viga

detalhamento da armadura longitudinal da viga conteúdo 36 detalhamento da armadura longitudinal da viga 36.1 Decalagem do diagrama de momentos fletores (NBR6118/2003 Item 17.4.2.2) Quando a armadura longitudinal de tração for determinada através do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono

Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Reforço Estrutural de Lajes de Concreto Armado com Fibra de Carbono Roberta Aparecida Tomaz, Flavia Lopes Soares, Paulo Henrique Maciel Barbosa Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix / roberta.tomaz2013@gmail.com

Leia mais

Considerando-se a necessidade de uma discussão a respeito de uma norma

Considerando-se a necessidade de uma discussão a respeito de uma norma 685. 68 João Eduardo Di Pietro é engenheiro civil (1980), mestre (1993) e doutor (2000) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFSC.

Leia mais

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 1 ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 2 ÍNDICE: 1) Estacas Hélice Continua 2) Provas de Carga Estática 3) Ensaios Dinâmicos

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado

A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado A Utilização da Argamassa na Reparação de Pilares de Concreto Armado M. Margarida Corrêa (1); João Carlos Vinagre (2); Regina Helena Souza (2) (1) Mestre, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica

Leia mais

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES

ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 O núcleo central de inércia é o lugar geométrico da seção transversal

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANÁLISE DO DIMENSIONAMENTO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM RIGIDEZ κ APROXIMADA E PELO MÉTODO DO PILAR PADRÃO COM CURVATURA APROXIMADA PARA EFEITOS DE 2º ORDEM Augusto Figueredo

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES

ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES ESTRUTURAS METÁLICAS UFPR CAPÍTULO 5 FLEXÃO SIMPLES 1 INDICE CAPÍTULO 5 DIMENSIONAMENTO BARRAS PRISMÁTICAS À FLEXÃO... 1 1 INTRODUÇÃO... 1 2 CONCEITOS GERAIS... 1 2.1 Comportamento da seção transversal

Leia mais

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3

Doutoranda, PPGEC/ UFRGS, p.manica.lazzari@gmail.com 2,3 Análise Estrutural Não Linear de Vigas em Concreto Armado Utilizando o ANSYS 14.5 Paula Manica Lazzari 1, Américo Campos Filho 2, Francisco de Paula Simões Lopes Gastal 3 Resumo 1 Doutoranda, PPGEC/ UFRGS,

Leia mais

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler

RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7. Professor Alberto Dresch Webler Resistências dos Materiais dos Materiais - Aula 5 - Aula 7 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS AMB 28 AULA 7 Professor Alberto Dresch Webler 1 Aula 7 Tensão e deformação de cisalhamento; Tensões e cargas admissíveis;

Leia mais

Identificação DAHER Tecnologia

Identificação DAHER Tecnologia 1 Interessado: Jacson Polese dos Santos - ME. Rua Bandeirantes, 976. - Sítio Cercado. CEP 81.900-490. Curitiba Paraná. 1 de 6 Curitiba, 19 de setembro de 2006. 2 Referência: Avaliação de Triângulos pac

Leia mais

Detalhamento de Concreto Armado

Detalhamento de Concreto Armado Detalhamento de Concreto Armado (Exemplos Didáticos) José Luiz Pinheiro Melges Ilha Solteira, março de 2009 Exercícios - Detalhamento 1 1. DIMENSIONAR E DETALHAR A VIGA ABAIXO. 1.1 DADOS A princípio, por

Leia mais

AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA SOBRE O RIO PARANÁ DURANTE O LANÇAMENTO E PROVA DE CARGA

AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA SOBRE O RIO PARANÁ DURANTE O LANÇAMENTO E PROVA DE CARGA AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA 9 AUSCULTAÇÃO DA ESTRUTURA METÁLICA DA PONTE RODOFERROVIÁRIA SOBRE O RIO PARANÁ DURANTE O LANÇAMENTO E PROVA DE CARGA Maximiliano Malite Toshiaki

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES

ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS. Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 1 ESTACAS HÉLICE CONTÍNUA, PROVAS DE CARGA ESTÁTICA e ENSAIOS DINÂMICOS Eng. Marcio Abreu de Freitas GEOFIX FUNDAÇÕES 2 ÍNDICE: 1) Estacas Hélice Continua 2) Provas de Carga Estática 3) Ensaios Dinâmicos

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA CÁLCULO E DIMENSIONAMENTO DE POSTES DE CONCRETO ARMADO COM SEÇÃO TRANSVERSAL DUPLO T Hevânio D. de Almeida a b, Rafael A. Guillou a,, Cleilson F. Bernardino

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Disciplina: Sistemas Estruturais em Concreto Armado Assunto: Dimensionamento de

Leia mais

TÍTULO: Avaliação de Flechas em Vigas de Concreto Armado Utilizando Teoremas de Mohr. AUTOR(ES): Thomaz, Eduardo C.S.; Carneiro, Luiz A.V.

TÍTULO: Avaliação de Flechas em Vigas de Concreto Armado Utilizando Teoremas de Mohr. AUTOR(ES): Thomaz, Eduardo C.S.; Carneiro, Luiz A.V. TÍTULO: valiação de Flechas em Vigas de Concreto rmado Utilizando Teoremas de Mohr UTOR(ES): Thomaz, Eduardo C.S.; Carneiro, Luiz.V. NO:011 PLVRS-CHVE: valiação, flechas, vigas e teoremas de Mohr. e-rtigo:

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar

Rigidez à flexão em ligações viga-pilar BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Rigidez à flexão em ligações viga-pilar Bruna Catoia 1 Roberto Chust Carvalho 2 Libânio Miranda Pinheiro 3 Marcelo de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil. Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil Disciplina: 1365 - ESTRUTURAS DE CONCRETO IV NOTAS DE AULA MARQUISES Prof. Dr. PAULO SÉRGIO DOS SANTOS

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0022 CRUZETAS DE CONCRETO ARMADO

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

Sobre o assunto fissuração de peças de concreto armado assinale a alternativa incorreta:

Sobre o assunto fissuração de peças de concreto armado assinale a alternativa incorreta: Exercício 1: A definição empregada pela NBR 6118:2003 distância entre o centro de gravidade da armadura longitudinal tracionada até a fibra mais comprimida de concreto advinda da teoria do dimensionamento

Leia mais

Reforço e Alargamento de Pontes Rodoviárias com a Utilização de Protensão Externa

Reforço e Alargamento de Pontes Rodoviárias com a Utilização de Protensão Externa Reforço e Alargamento de Pontes Rodoviárias com a Utilização de Protensão Externa José Afonso Pereira Vitório (1); Rui Carneiro de Barros (2) (1) Engenheiro Civil; professor convidado da disciplina Reforço

Leia mais

São todos aqueles relacionados às ações mecânicas, movimentações de origem térmica, impactos, ações cíclicas, retração, fluência e relaxação.

São todos aqueles relacionados às ações mecânicas, movimentações de origem térmica, impactos, ações cíclicas, retração, fluência e relaxação. 6.3.4 Mecanismos de deterioração da estrutura propriamente dita São todos aqueles relacionados às ações mecânicas, movimentações de origem térmica, impactos, ações cíclicas, retração, fluência e relaxação.

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

Figura 17.1 Laje nervurada bidirecional (FRANCA & FUSCO, 1997)

Figura 17.1 Laje nervurada bidirecional (FRANCA & FUSCO, 1997) ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 17 Libânio M. Pinheiro, Julio A. Razente 01 dez 2003 LAJES NERVURADAS 1. INTRODUÇÃO Uma laje nervurada é constituída por um conjunto de vigas que se cruzam, solidarizadas

Leia mais

Efeito do comportamento reológico do concreto

Efeito do comportamento reológico do concreto Efeito do comportamento reológico do concreto FLECHAS E ELEENTOS DE CONCRETO ARADO 1 - INTRODUÇÃO Todo o cálculo das deformações de barras, devidas à fleão, tem por base a clássica equação diferencial

Leia mais

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Introdução JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Há, na literatura técnica, uma grande lacuna no que se refere ao projeto de juntas. Com o objetivo de reduzir esta deficiência, este trabalho apresenta

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Aberturas em lajes Momentos fletores na laje.

Aberturas em lajes Momentos fletores na laje. 1 / 13 Aberturas em lajes Momentos fletores na laje. Laje quadrada armada em cruz, com abertura quadrada no centro, ver Stiglat [19]. L a mem mre mr mi = Ki. p. L 2, onde p é a carga distribuída na laje.

Leia mais

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados

MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados Projeto e Dimensionamento de de Estruturas metálicas e mistas de de aço e concreto MÓDULO 1 Projeto e dimensionamento de estruturas metálicas em perfis soldados e laminados 1 Sistemas estruturais: coberturas

Leia mais

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal

Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I Lista de exercícios sobre barras submetidas a força normal 1) O cabo e a barra formam a estrutura ABC (ver a figura), que suporta uma carga vertical P= 12 kn. O cabo tem a área

Leia mais

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE

NORMA TÉCNICA CRUZETA DE CONCRETO ARMADO DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DPE 1. OBJETIVO Esta norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas mínimas exigíveis para o fornecimento das cruzetas

Leia mais

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO ANALISE DA EFICIÊNCIA DE ESTRIBOS CONTÍNUOS COMPARADOS AOS ESTRIBOS TRADICIONAIS UTILIZADOS EM VIGAS DE CONCRETO ARMADO Anderson Borges da Silva (1), Prof. Esp. Alexandre Vargas (2) RESUMO UNESC Universidade

Leia mais

Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais.

Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais. Aula 04 Peças submetidas à flexão simples: solicitações normais. 1. Introdução. Nas aulas anteriores foram fornecidas as bases teóricas para verificação analítica da segurança de estruturas de concreto.

Leia mais

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução Efeitos da Mudança da NBR 7188:2013 nos Projetos de Pontes. Estudo de Caso: Projeto de Recuperação da Ponte sobre o Rio Correias na BR 101/SC. Pauline Fonseca da Silva 1, Marcus Alexandre Noronha de Brito

Leia mais