MILAGRE EM NOVA IORQUE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MILAGRE EM NOVA IORQUE"

Transcrição

1 Luanne Rice MILAGRE EM NOVA IORQUE Tradução Carla Morais Pires

2

3 Ao irmão Luke Armour

4 1 D urante o Verão, as árvores haviam- -se tornado altas e entroncadas, com as raízes bem enterradas no solo fértil da ilha, os galhos ansiosos estendidos em direcção ao Sol dourado. O vento salgado soprara de leste, tingindo de prateado as agulhas dos pinheiros. Todas as pessoas sabiam que as melhores árvores de Natal vinham do Norte, com as melhores de todas a provir da Nova Escócia, onde as estrelas se suspendem mais abaixo no céu. Dizia-se que a luz das estrelas se alojava nos ramos, que a aurora boreal cobria as agulhas com magia. As árvores da Nova Escócia tornaram-se mais resistentes com a proximidade do mar e mais luminosas por causa das estrelas.

5 LUANNE RICE Em Pleasant Bay, Cape Breton, no longínquo Norte da Nova Escócia, havia uma plantação de árvores pertencente a Christopher Byrne. A sua família emigrara da Irlanda para o Canadá quando ele era criança; havia respondido a um anúncio para trabalhar numa plantação de árvores de Natal. Era um trabalho brutalmente duro, e eles eram muito pobres, e Christy recordava-se dos tempos em que se deitava com uma fome dilacerante. Aos doze anos, media um metro e oitenta, crescendo demasiado depressa para as posses da família, tendo a mãe, muitas vezes, sentido necessidade de sacrificar a própria refeição para que o filho mais velho tivesse comida suficiente. Bem que precisava dela para resistir às forças da natureza, pois o vento norte bramia, as neves do Árctico precipitavam-se a toda a velocidade, e o calor do Verão irrompia em labaredas, e Christy ultrapassava tudo isso. Quando estavam no campo, a mãe costumava tocar a sineta para os chamar para o jantar. Ele adorava aquele som. Independentemente do pouco que tinham, a mãe fazia o seu melhor para se certificar de que Christy recebia em amor mais do que o bastante e em comida quantidade que lhe fosse suficiente, ou quase. A fome fizera de Christy Byrne um trabalhador obstinado e dera-lhe uma forte motivação para a prosperidade. Poupava todos os tostões que ganhava para comprar terrenos, usando a perícia e o instinto que aprendera com o pai para plantar as suas próprias árvores e sobreviver às brutais forças da natureza. O amor e a generosidade da mãe tornaram-no um homem excelente, e isso fizera dele um bom pai. Tinha consciência disso. Não havia dúvidas, o seu coração acalentava uma enorme paixão pelos filhos. Foi por isso que naquele ano, ao cortar as árvores na encosta e preparando-se para as vender, no Sul, sentira um tumulto de esperança e confusão. 12

6 MILAGRE EM NOVA IORQUE Todos os anos, no primeiro dia de Dezembro, Christy encaminhava-se para sul, para a cidade de Nova Iorque. Hordas de vendedores de árvores rumavam à resplandecente ilha de Manhattan, vindos das planícies de Winnipeg, das florestas nevadas a norte de Toronto e a leste do Quebeque, dos bosques verdejantes de Vermont e do Maine, dos lagos do Wisconsin, das penínsulas ermas do Michigan. As árvores eram cortadas e amarradas, transportadas em camiões TIR pelas magníficas pontes ornamentadas que atravessam os rios East e Hudson, descarregadas em esquinas, desde Litte Italy a Gramercy Park, de Tribeca a Morningside Heights, e os vendedores esperavam obter, com um mês de boas vendas, o rendimento digno de um ano de trabalho. Os vendedores de árvores eram um punhado de pessoas com mau aspecto. Jardineiras e casacões, com capuz, constituíam o seu uniforme. Alguns chegavam em caravanas, como ciganos, estacionavam os atrelados na beira do passeio e passavam o mês de Dezembro encolhidos de frio, com o monóxido de carbono a sair, bem como o escasso calor. Alguns punham um enorme Pai Natal iluminado ou um boneco de neve no tejadilho da caravana. No que tocava a vender árvores de Natal, Christy não tinha rival. Costumava deixar a família para trás e viajar sozinho. Montava o seu posto numa esquina, em Chelsea, dispunha luzinhas brancas para exibir as suas árvores com as centelhas de salitre, e usava a sua verborreia irlandesa para as vender, até à última, ao preço mais elevado, a tempo de chegar a casa na véspera de Natal, carregado de bombons, nozes, chocolates requintados e queijos das melhores lojas de Manhattan. Levava ainda bonecas de cabelo louro, soldadinhos de chumbo, patins prateados e trenós para Bridget e Danny. Para Mary, camisolas macias de lã encarnada e delicadas camisas de noite, de seda. Porque não gastar alguns dos ganhos com a família? Lucrara bastante com as pessoas glamorosas de Nova Iorque. 13

7 LUANNE RICE Regressaria a casa e contaria a toda a gente, diria a Danny, o que o esperava. Seremos sócios, tu e eu prometera Christy. Quando chegar a altura, vais herdar metade desta quinta. Aplica-te na escola, filho. Não podes tomar a silvicultura como certa. Tens de ser um cientista aprender tudo sobre os padrões meteorológicos, e a acidez do solo, e as larvas. Queres dizer que é preciso uma cultura livresca? Para se ser silvicultor? perguntara Mary, rindo. Sentido, Christy fizera por não o mostrar; ela nunca havia valorizado as devidas competências. O pai de Mary frequentara durante dois anos a universidade de Halifax, trabalhara na linha da frente de uma empresa lagosteira, e Christy sabia que ela tinha planos semelhantes para o filho. Isso e instinto retorquira Christy, consciente de que o filho estava a ouvir, querendo que se sentisse orgulhoso do seu legado na silvicultura. Tomar conta dos terrenos requer o nosso melhor, tudo! É um trabalho mágico, lá isso é, fazer crescer do nada as árvores de Natal, com ajuda do sol e da terra. E da precipitação atalhara Danny. Pluviosidade moderada e frentes fechadas. Christy rira, afectuosamente, perante as palavras caras e a expressão séria no olhar do filho. Porém, após a morte de Mary, com um ataque cardíaco, quatro anos antes, tivera de começar a levar os filhos com ele para Nova Iorque. Danny tinha doze anos na altura, e Bridget, oito. A escola dava-lhes sempre autorização, juntamente com um mês de lições para estudarem e trabalhos de casa para fazerem enquanto o pai despachava as árvores. Na primeira vez que foi à cidade, os olhos de Danny saíram-lhe das órbitas: as torres, as pontes, as lojas de luxo. 14

8 MILAGRE EM NOVA IORQUE É isto Nova Iorque? perguntara, no primeiro ano, boquiaberto. É tão grande, pai! Como uma floresta de prédios, todos iluminados! Mas não esqueças a quinta aconselhara Christy. Nunca, pai respondera Danny. Assim, Christy alugava dois quartos na pensão de Mrs. Quinn, ali mesmo na Nona Avenida, onde podia ir olhando pelas árvores. Um quarto grande para ele e para Danny, e outro mais pequeno para Bridget. Tinha posses para isso, porque os seus abetos e pinheiros eram os melhores, e ele conseguia sempre arranjar nova-iorquinos que pagassem o dobro do que pagariam noutras esquinas. Punha uma corrente à volta das árvores para que ninguém as pudesse roubar e, além disso, dormia com um olho aberto. Não poria as mãos no fogo pelos nova- -iorquinos: os sem-abrigo deitariam mão a qualquer coisa, e os endinheirados escapar-se-iam com o que pudessem. É assim que os ricos ficam mais ricos dizia ele. Mary costumava censurá-lo pela atitude de desconfiança quanto aos cidadãos abastados de Manhattan. Christy, eles põem-nos o pão na mesa durante o ano inteiro, têm estado a suportar a hipoteca dos terrenos e vão pagar a universidade ao Danny isto se algum dia o deixares afastar-se o suficiente da quinta. Por isso, não fales mal deles! Ah, têm tanto dinheiro que nem reparam no ar que respiram alegara Christy, ignorando o reparo. Nem na neve, excepto para reclamarem que lhes estraga os sapatos caros. Estão tão ocupados a fugir do vento que se esquecem de sentir o seu ferrão nos rostos, fazendo-os saber que estão vivos. Bem, tu gostas de aceitar os dólares deles insistia ela. Lá isso gosto ria-se Christy. Acredita, eles têm mais do que o suficiente; portanto, não vão sentir falta. Se duplicasse os preços, provavelmente venderia duas vezes mais 15

9 LUANNE RICE depressa. Os ricos adoram gastar dinheiro, e se alguma coisa lhes custar muito, encontram ainda mais motivos para se vangloriarem. És um maldizente, Christy Byrne costumava Mary dizer, abanando a cabeça. Vender árvores de Natal com esse tipo de mentalidade é uma espécie de pecado, é, sim senhor. Vai arranjar-te sarilhos, escreve o que estou a dizer. A família de Mary vivera confortavelmente, e ela nunca fora para a cama com fome. O que sabia ela?, perguntava Christy a si próprio nos bosques húmidos de chuva, nos curtos e encantados verões da Nova Escócia, ao caminhar ao longo dos frescos regatos de água cristalina, sentindo o enlevo da brisa, enquanto aparava o precioso crescimento dos abetos, dando-lhes a forma de árvores de Natal, calculando os belos dividendos que trariam em Dezembro. Naquele ano, com as potentes serras a roncar como demónios, cuspindo lascas de madeira na sua cruel e diabólica destruição do melhor da natureza, Christy percebeu que Mary tinha razão. No último Inverno, Manhattan apesar de todo o dinheiro que lhe dera a ganhar ao longo dos anos havia reclamado o maior preço imaginável, os juros de todos os seus proveitos, aquilo que Mary apelidara certo dia de ganância, agravado para além de toda a compreensão: Nova Iorque ficara- -lhe com o filho. Três anos de luzes de néon provaram ser uma tentação demasiado grande para o filho adolescente. E na última véspera de Natal, após uma época de vendas excepcional, Danny informara o pai de que não iria regressar a casa com ele e com Bridget. Ficaria em Nova Iorque, procuraria um emprego, faria ali a sua vida. O que queres dizer com «fazer a tua vida»? perguntara Christy. 16

10 MILAGRE EM NOVA IORQUE Deixa-me ficar, pai Não consigo falar mais sobre o assunto! Não entendes! Ficar em Nova Iorque? Estás maluco, Danny? A tensão entre eles tornou-se terrível. Christy agarrou-lhe na manga, sentiu Danny soltar-se desprendera-se literalmente com um sacão. E isso fez Christy agarrá-lo com mais firmeza. Não se pode falar sobre isto queixou-se Danny. Nunca se pôde. É sempre como tu queres, pai a quinta. Há uma coisa que quero fazer agora. É o meu sonho, pai. E tenho de o seguir! Ensinaste-me a não perder tempo com conversas quando há trabalho a fazer. Danny falava a sério, e tinha razão: Christy ensinara-lhe isso mesmo. Falar consumia muito tempo quando havia toda uma quinta que precisava de ser tratada. Claro, o que Danny não sabia era que Christy tinha medo de falar. Receava que os filhos lhe fizessem perguntas para as quais não soubesse as respostas, que lhe dissessem coisas que agitassem as suas emoções. Não havia palavras para expressar o quanto os amava. Danny olhava para o pai com o olhar resoluto, e que não podia ser dissuadido, de um sonhador. Christy sentia-se ferido, magoado. Como poderia o seu filho ter um sonho, algo que o manteria em Nova Iorque, de que ele nada sabia? No fundo, sabia o suficiente para se culpar a si próprio. Não havia sido na realidade um ouvinte receptivo. Mas, mais importante, como poderia deixar Danny sozinho naquele lugar? Não era possível. Christy segurou-o com mais força, Danny libertou-se. O primeiro confronto entre pai e filho, ali, naquele momento. Envolveram-se ali mesmo na esquina. Christy lutava com o próprio filho e, ao tentar a todo o custo agarrá-lo, havia-lhe rasgado o casaco a nova parca acolchoada que lhe comprara 17

11 LUANNE RICE no início da estação. Com as penas a esvoaçarem, o cotovelo de Danny bateu acidentalmente no nariz do pai. O sangue corria-lhe enquanto tentava deter Danny. Se ao menos pudesse falar com o filho, impedi-lo de fugir, talvez o conseguisse chamar à razão. Ali estavam eles, engalfinhados no passeio coberto de neve, com Bridget a gritar para que parassem. A Polícia fora chamada. Carros-patrulha haviam acorrido de imediato, com as sirenes a estrondear. A luta derrubara a gambiarra de luzes brancas que se emaranhara no passeio, iluminando a neve ensanguentada. Um agente agarrara Christy, algemando-lhe as mãos atrás das costas, e Danny aproveitara a oportunidade para fugir. O último vislumbre que Christy tivera do filho havia sido o seu vulto, iluminado pelas luzes azuis da Polícia, a escapulir- -se por entre a multidão de curiosos, com as penas brancas de ganso a irromperem do casaco rasgado como uma tempestade de neve. Está um frio de rachar dissera Christy ao agente que o multava na esquadra. Ele vai ter fome e frio, com a parca estragada. É esse o espírito do Natal. Talvez devesse ter pensado nisso antes de lhe dar uma tareia retorquiu o polícia. Era o agente Rip Collins. Christy era demasiado orgulhoso para protestar, para revelar os seus verdadeiros sentimentos, de mágoa e pavor, a um agente da Polícia de Nova Iorque. O que sabia ele? O que sabia alguém daquela cidade brutal, ofuscante e vistosa? Com todas as suas luzes falsas, os templos à ganância, gente insensata tão facilmente levada a pagar pequenas fortunas por uns simples pinheiros. Libertado com termo de identidade, Christy deixou a esquadra, voltando para a pensão de Mrs. Quinn. O sangue alvoroçava-se-lhe nas veias; esperava, mesmo quando já não 18

12 MILAGRE EM NOVA IORQUE havia esperança, que o filho estivesse lá. Porém, apenas encontrou Bridget, sentada na cama, com o rosto lavado em lágrimas. Christy pegou na filha e, com a maior das tristezas, regressou ao Canadá. Havia uma audiência marcada para Março, mas o agente Collins falou com o adjunto do procurador encarregado do assunto, contando-lhe o que realmente acontecera. E com Danny sem ser encontrado apesar de ter Collins e outros polícias à sua procura, a queixa contra Christy havia sido retirada. Embora devesse sentir-se aliviado, Christy sentia-se desmoralizado; para a Polícia de Nova Iorque e para o sistema, a sua família tornara-se exemplo de mais um conflito doméstico a juntar-se às estatísticas, e o filho mais um miúdo de rua. Agora, um ano depois, a pickup estava carregada e pronta para regressarem a Nova Iorque. Haviam recebido apenas um postal de Danny, com uma imagem da Ponte de Brooklyn, sem qualquer indicação na mensagem de onde se encontrava a viver ou como estava a sair-se. Somente as palavras desabridas: «Estou óptimo. Não se preocupem comigo.» Nem uma palavra sobre sentir a falta de Christy, ou de Bridget, ou dos doze hectares da família, ou dos seus abetos situados na orla do mundo. O rapaz nascera numa terra mágica do Norte, habitada por águias-de-cabeça-branca, ursos-pretos, raposas-vermelhas e raposas-prateadas, e mochos enormes. Trocara-a pelas cavernas urbanas de Nova Iorque, povoadas por jogadores e prostitutas. Christy detestava fervorosamente a cidade, não queria voltar a pôr lá os pés. Mas sabia que precisava de o fazer. Tinha de instalar as árvores na mesma esquina, em Chelsea, pendurar as gambiarras, que faziam com que os cristais de sal brilhassem nas agulhas dos pinheiros, atraindo os clientes, preparar o seu melhor sorriso e lançar o seu encanto, vender as árvores e pôr o dinheiro no 19

13 LUANNE RICE banco. Mas, acima de tudo, tinha de estar no mesmo lugar de sempre para Danny saber onde o encontrar. Vamos, Bridget! gritou, do fundo das escadas. Ela apareceu no andar de cima, arrastando outra mala enorme. O que é isso? perguntou. São as minhas coisas, pai. As tuas coisas já estão na carrinha, Bridget! Só vamos estar fora durante vinte e quatro dias. O que levas aí? Roupas de festa, pai. Os seus olhos verdes reluziam. Christy olhou para ela. Tinha agora quase treze anos, era uma senhorinha. Enrolara sozinha o seu bonito cabelo castanho, amarrara-o com uma fita de veludo bordeaux que havia encontrado algures. Mas por que diabo pensaria ela que iria precisar de roupas de festa? Christy trabalhava o dia todo, todos os dias, até as árvores estarem todas vendidas. Bridget começou. O Danny vai voltar para nós, e vamos levá-lo a um sítio especial para comemorar. Deixa aí a mala. Sê uma boa menina, e vamos andando. Vi um programa sobre Nova Iorque na televisão, pai disse, as palavras saindo em catadupa, começando a descer as escadas com o malão. Há lugares de luxo onde ainda não fomos, lugares que o Danny iria adorar palácios, pai! Cobertos de cristais e ouro, e com árvores de Natal maiores do que as mais velhas da nossa montanha, todas enfeitadas com fitas e luzinhas. A sério, pai. Como o país das fadas! As raparigas a tomar chá com os pais, e os rapazes todos enfarpelados, com gravatas e tudo, todos tão felizes e a celebrar, juntos, o feriado. Não é assim que costumas celebrar esse dia atalhou Christy, rudemente. Mas temos de fazer alguma coisa excepcional quando o Danny voltar para nós! 20

14 MILAGRE EM NOVA IORQUE Entra na carrinha, Bridget disse, apontando com determinação para a porta da frente. Ela fez cara feia, passando por ele a manquejar devido ao peso da mala. De forma relutante, Christy pegou nela e pô- -la no compartimento atrás do assento. Depois entraram e fecharam as portas com força. Christy aquecera o carro para a filha, mas não achou que ela fosse reparar. Não importa, disse para si próprio. Uma das formas que tinha de aferir que havia sido um bom chefe de família era os filhos nunca comentarem se sentiam calor a mais ou se os estômagos não lhes doíam de fome; tomavam como certa a vida confortável que levavam, o que era tão- -somente o que as crianças deveriam fazer. Christy nem sequer tentaria forçar Danny a voltar para casa. Havia jurado a si próprio. Tinha apenas de se certificar de que o filho não passava fome. E saber se conseguira, de qualquer forma, aproximar-se do seu «sonho». Olhando para a encosta da quinta voltada para o mar, interrogava-se como poderia algum sonho ser melhor do que aquilo pertencia tudo a Danny e a Bridget. Se conseguisse prender o vento, capturar a luz do Sol, fá-lo-ia para dar aos filhos. Vamos ver o Danny, pai insistiu Bridget. Devias estar contente. Para não perturbar a filha, tentou descontrair o rosto dos esgares que, pelos vistos, ia fazendo sem notar, mas sofria muito por dentro. Quanto mais calmo tentava parecer, mais sentia que as esperanças de Bridget aumentavam. E apenas com um único postal recebido, Christy compreendia bem a razão de ser daquela sua angústia. O veículo de dezoito rodas, alugado, que ele carregara com as árvores esperava já no final do caminho de acesso à quinta, 21

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha.

David pensou que o pai, às vezes, dizia coisas raras, estranhas. A mãe suspirou fundo ao enfiar de novo a agulha. ESTRELAS DE NATAL David acordou. O pai tinha aberto a janela e estava a olhar para as estrelas. Suspirava. David aproximou-se. Ouviu novo suspiro. O que tens, pai? perguntou. O pai pôs-lhe as mãos nos

Leia mais

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke.

Brincar às guerras. Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Brincar às guerras Está muito calor para jogar basquete. Vamos fazer outra coisa sugeriu Luke. Os amigos sentaram-se à sombra do salgueiro a decidir o que fazer. Tens mais balões de água? perguntou Danny.

Leia mais

Vêm agora a caminho, mas não deixa de esperar pelo pôr-do-sol

Vêm agora a caminho, mas não deixa de esperar pelo pôr-do-sol Capítulo 2 Onde estiveste, Caminhante? Porque voltaste? Porque queria ter a certeza que estavas bem. Em que posso ajudar-te? Vi-te em sonhos e estavas diferente? Sei que precisas de um amigo. Terei todo

Leia mais

ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR EDUCAÇÃO CÍVICA E PORTUGUÊS. 3.º Período - Abril

ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR EDUCAÇÃO CÍVICA E PORTUGUÊS. 3.º Período - Abril ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR EDUCAÇÃO CÍVICA E PORTUGUÊS 3.º Período - Abril Ano/ Turma: 7.º B Diretora de Turma e Professora de Português: Ana Cruz Alunos: N.º 1 Alexandrina Fonseca Na minha opinião, se

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

O violoncelo do Senhor O

O violoncelo do Senhor O O violoncelo do Senhor O Estamos cercados e sob fogo inimigo. O meu pai, como a maioria dos pais, irmãos mais velhos, e alguns avós, foi combater. As crianças e as mulheres, os velhos e os doentes, ficaram

Leia mais

Apesar de tudo isso, Dora está ansiosa para ver Paco novamente, e tais pensamentos fazem-la ainda mais animada com a festa.

Apesar de tudo isso, Dora está ansiosa para ver Paco novamente, e tais pensamentos fazem-la ainda mais animada com a festa. O AMOR DA FLORESTA O sol sobe acima da floresta Amazônica e as árvores enormes perenes, permitem raios de luz para passar entre suas folhas e pintar o chão da floresta em sombras sarapintadas. Em uma das

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa

Agora não posso atender. Estou no. Vou comprar o último livro do José Luís Peixoto. Posso usar a tua gravata azul? A Ana Maria vai ser nossa MODELO 1 Compreensão da Leitura e Expressão Escrita Parte 1 Questões 1 20 O Luís enviou cinco mensagens através do telemóvel. Leia as frases 1 a 5. A cada frase corresponde uma mensagem enviada pelo Luís.

Leia mais

"Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa)

Os Emigrantes Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) "Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) Estava um dia lindo na rua. O sol brilhava como nunca brilhou, e, no cais, havia muitas pessoas As pessoas estavam tristes

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

copyright Todos os direitos reservados

copyright Todos os direitos reservados 1 2 Espaço das folhas 3 copyright Todos os direitos reservados 4 Autor Jorge Luiz de Moraes Minas Gerais 5 6 Introdução Folha é apenas uma folha, uma branca cor cheia de paz voltada para um querer, um

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

chuva forte suas filhas não estavam em casa, decidiram chamar moradores vizinhos a ajudar a encontrá-las. Procuraram em cada casa, loja e beco que

chuva forte suas filhas não estavam em casa, decidiram chamar moradores vizinhos a ajudar a encontrá-las. Procuraram em cada casa, loja e beco que As Três Amigas Em 1970, em uma cidade pequena e calma, havia três amigas muito felizes, jovens e bonitas. O povo da cidade as conhecia como um trio de meninas que não se desgrudavam, na escola só tiravam

Leia mais

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43

Shué também cantou na Festa de Natal da Escola O Gotinhas...fim 42 43 O Gotinhas 43 Era uma vez um País feito de nuvens. Ficava no cimo de uma enorme montanha impossível de expugnar. Lá viviam muitos meninos. Cada um tinha a sua própria nuvem. Uma enorme cegonha do espaço

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA Uma Aventura na Serra da Estrela Coleção UMA AVENTURA Atividades Propostas Leitura em voz alta de um ou dois capítulos por aula. Preenchimento das fichas na sequência

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

O ENSINO ESPECIAL A LENDA DA SERRA DA ESTRELA DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 A MARIA CASTANHA A TURMA DO O DIA DE S.MARTINHO O PÃO NA NOSSA

O ENSINO ESPECIAL A LENDA DA SERRA DA ESTRELA DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 A MARIA CASTANHA A TURMA DO O DIA DE S.MARTINHO O PÃO NA NOSSA VOLUME 1, EDIÇÃO 1 DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 NESTA EDIÇÃO: A MARIA CASTANHA 2 A TURMA DO 2.º 2.ª 3 O DIA DE S.MARTINHO 4 O PÃO NA NOSSA ALIMENTAÇÃO A TURMA DO 1.º 2.ª 5 6 O ENSINO ESPECIAL 7 SOLIDARIEDADE

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

A qualidade de vida. Vou responder para vocês, é só ler está história que vou contar.

A qualidade de vida. Vou responder para vocês, é só ler está história que vou contar. A qualidade de vida Dentre as prioridades da maioria das instituições de ensino está a qualidade da alimentação oferecida aos seus alunos, isso por desempenhar um papel primordial no ciclo de vida e principalmente

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

Ópera ligeira: À Procura de um Pinheiro

Ópera ligeira: À Procura de um Pinheiro Ópera ligeira: À Procura de um Pinheiro De José Carlos Godinho A ópera é uma fantasia em torno do pinheiro de Natal e encerra uma mensagem ecológica de proteção à natureza. Os enfeites da árvore, Bolas,

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

Departamento de Especulações.indd 11 03/07/15 16:43

Departamento de Especulações.indd 11 03/07/15 16:43 1 Os antílopes têm uma visão dez vezes melhor do que a nossa, disseste me. Foi no início ou quase. O que significa que numa noite clara eles conseguem ver os anéis de Saturno. Ainda passariam alguns meses

Leia mais

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver.

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. ANTES DE OUVIR A VERDADE FADE IN: CENA 01 - INT. SALA DE ESTAR NOITE Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. Plano aberto revelando o revólver nas mãos de, um homem de 35 anos, pele clara

Leia mais

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra

Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra Era um peixe tão feio que nem parecia um peixe. Uma pedra feita de carne fria musgosa e invasiva, salpicada de verde e branco. A princípio não o vi, mas depois encostei a cara ao vidro e tentei ficar mais

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Rosana! Rosanaaa! Ô menina! Onde que cê se meteu, diacho de moleca!!

Rosana! Rosanaaa! Ô menina! Onde que cê se meteu, diacho de moleca!! A Promessa N.Lym Consegui um bom emprego em São Paulo! Não posso levar você comigo, mas você pode me esperar. Prometo que vou voltar, vamos nos casar e morar juntos, bem longe daqui! Rosana ficou a pensar

Leia mais

A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837)

A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837) A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837) Há muitos anos, vivia um imperador que gostava tanto de vestimentas novas e bonitas, que gastou todo o seu dinheiro a vestir-se bem. Não se preocupava

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

OFICINA DOS BRINQUEDOS

OFICINA DOS BRINQUEDOS OFICINA DOS BRINQUEDOS António Torrado escreveu e Cristina Malaquias ilustrou C omeça num sótão de uma velha casa a história que vamos contar. De uma mala entreaberta sai uma vozinha queixosa: Está frio,

Leia mais

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE Lisboa 2014 A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE O MEU PAI SANGRA HISTÓRIA E AQUI COMEÇARAM OS MEUS PROBLEMAS Tradução de JOANA NEVES Fui visitar o meu pai a Rego Park. Há muito

Leia mais

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada?

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada? Levante-se o réu. 6 ...capítulo um Fiquei de pé. Por um momento vi Glória de novo, sentada no banco no píer. A bala acabara de atingir a sua cabeça, de lado, o sangue ainda nem tinha começado a escorrer.

Leia mais

CAPÍTULO PRIMEIRO. Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento.

CAPÍTULO PRIMEIRO. Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento. CAPÍTULO PRIMEIRO Num dia de Abril de 1957, pela hora da tarde, apareceu em certa aldeola da costa um automóvel aberto, rápido como o pensamento. Já alguém tinha dado por ele quando ainda vinha à distância,

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

A ovelhinha que veio para o jantar

A ovelhinha que veio para o jantar A ovelhinha que veio para o jantar Oh não! OUTRA VEZ sopa de legumes! queixou-se o lobo, que já era velhinho. Quem me dera ter uma ovelhinha aqui à mesa. Fazia já um belo ensopado de borrego! Eis senão

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11)

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Mensagem 1 A metáfora do Caminho Introdução: A impressão que tenho é que Jesus escreveu isto para os nossos dias. Embora

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

Fany Aktinol. o tom da infância. o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50

Fany Aktinol. o tom da infância. o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50 Fany Aktinol o tom da infância o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50 Eu me chamo Françoise e escrevo para não esquecer, para não deixar morrer, mas principalmente para lembrar e preencher

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS Alice no País das Maravilhas Índice Capítulo Um Pela Toca do Coelho Abaixo 7 Capítulo Dois A Chave de Ouro 13 Capítulo Três O Mar de Lágrimas 19 Capítulo Quatro A História do Rato

Leia mais

IANSÃ PONTOS DE LINHA. 1. Oh, Iansã menina é do cabelo loiro Sua espada é de prata Sua coroa é de ouro

IANSÃ PONTOS DE LINHA. 1. Oh, Iansã menina é do cabelo loiro Sua espada é de prata Sua coroa é de ouro IANSÃ PONTOS DE LINHA 1. Oh, Iansã menina é do cabelo loiro Sua espada é de prata Sua coroa é de ouro 2. Iansã mãe virgem Do cabelo louro Ela desceu do céu Num cordel de ouro 3. Ventou nas matas Ventou

Leia mais

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A.

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Portugal ISBN 9789892311340 Reservados todos os direitos Edições

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

O homem que tinha uma árvore na cabeça

O homem que tinha uma árvore na cabeça O homem que tinha uma árvore na cabeça Era uma vez um homem que tinha uma árvore na cabeça. No princípio era apenas um arbusto com folhas esguias e acastanhadas. Depois os ramos começaram a engrossar e

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

O dia em que nós pegamos Papai Noel

O dia em que nós pegamos Papai Noel O dia em que nós pegamos Papai Noel Na nossa turma em Aracaju uns 15 moleques de 9 a 10 anos de idade, no tempo em que menino era muito mais besta do que hoje, quem sabia de tudo era Neném, cujo verdadeiro

Leia mais

Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto

Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto 1 Gostava de redacções, como gostava! Dos seis filhos da família Santos apenas ele e a Nazaré (que andava no 9. ano) gostavam de escrever; de resto eram também os únicos que passavam horas a ler, nos tempos

Leia mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Restaurante Top 5 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Mensagem do Restaurante Olá, Sabemos que é momento de comemorar. E se não fosse uma data ou momento especial,

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

O patinho de Sam. Vais gostar do lugar quando lá chegares disse o avô de Sam.

O patinho de Sam. Vais gostar do lugar quando lá chegares disse o avô de Sam. O patinho de Sam Vais gostar do lugar quando lá chegares disse o avô de Sam. Não vou, não replicou Sam. Mas Sam sabia que tinha de ir para a quinta de qualquer forma. Todos os alunos de Mrs Southerden

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia,

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia, FICHA TÉCNICA Título: O Peixe Azul Autora: Margarida Fonseca Santos Copyright by Margarida Fonseca Santos e Editorial Presença, Lisboa, 2003 Capa: Lupa Design Danuta Wojciechowska Composição, impressão

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE

TALVEZ TE ENCONTRE AO ENCONTRAR-TE TALVEZ TE ENCONTRE Vivaldo Terres Itajaí /SC Talvez algum dia eu te encontre querida Para renovarmos momentos felizes, Já que o nosso passado foi um passado lindo, Tão lindo que não posso esquecer Anseio

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

para ajudar você a descobrir que o Natal é para a vida

para ajudar você a descobrir que o Natal é para a vida para ajudar você a descobrir que o Natal é para a vida O Fabinho está na igreja, no primeiro banco. Com o queixo apoiado nas mãos, ele está olhando o presépio. Um presépio grande como se montava antigamente.

Leia mais

Quando for grande... QUERO SER PAI!

Quando for grande... QUERO SER PAI! Quando for grande... QUERO SER PAI! Ficha Técnica Autora Susana Teles Margarido Título Quando for grande...quero SER PAI! Ilustrações Joana Dias Paginação/Design Ana do Rego Oliveira Revisão Brites Araújo

Leia mais

Narrador Era uma vez um livro de contos de fadas que vivia na biblioteca de uma escola. Chamava-se Sésamo e o e o seu maior desejo era conseguir contar todas as suas histórias até ao fim, porque já ninguém

Leia mais

Como Vencer os Ventos Contrários?

Como Vencer os Ventos Contrários? Como Vencer os Ventos Contrários? E logo ordenou Jesus que os seus discípulos entrassem no barco, e fossem adiante para o outro lado, enquanto despedia a multidão. E, despedida a multidão, subiu ao monte

Leia mais

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa

O GIGANTE EGOÍSTA. Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa O GIGANTE EGOÍSTA Autor: Oscar Wilde Nacionalidade: Irlandesa Todas as tardes, quando vinham da escola, as crianças costumavam ir brincar para o jardim do Gigante. Era um grande e belo jardim, todo atapetado

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

Texto: Zainab Aziz Redacção: Andrea Schmidt/Christine Harjes/Guy Degen Tradução: Maria Kremer

Texto: Zainab Aziz Redacção: Andrea Schmidt/Christine Harjes/Guy Degen Tradução: Maria Kremer LEARNING BY EAR - Aprender de Ouvido As Jovens 8º Episódio Higiene pessoal Texto: Zainab Aziz Redacção: Andrea Schmidt/Christine Harjes/Guy Degen Tradução: Maria Kremer Personagens: [Characters] Ancora:

Leia mais

A escola começa. Eu tenho sumo diz Sadie e uma maçã. Eu também tenho sumo diz Sam e uma laranja...e

A escola começa. Eu tenho sumo diz Sadie e uma maçã. Eu também tenho sumo diz Sam e uma laranja...e A escola começa No PRIMEIRO dia de escola, Sadie e a mãe encontram Sam e o pai. Estou entusiasmada! diz Sadie, aos saltos para cima e para baixo. Eu estou nervoso diz Sam, apertando com força a mão do

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais