COMAT - Comissão de Materiais. Eng. Cezar Valmor Mortari Diretor de Construção Metálica SINUSCON Goiás

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMAT - Comissão de Materiais. Eng. Cezar Valmor Mortari Diretor de Construção Metálica SINUSCON Goiás"

Transcrição

1 COMPARATIVO TÉCNICO FINANCEIRO ENTRE PRÉDIOS MULTIANDARES ESTRUTURADOS EM CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL e ESTRUTURADOS EM AÇO-CONCRETO COMAT - Comissão de Materiais Eng. Cezar Valmor Mortari Diretor de Construção Metálica SINUSCON Goiás Data: 23/05/2014

2 Autoria: Colaboradores: CEZAR VALMOR MORTARI - Eng. Civil - Graduado em 1984 pela UFRGS Diretor de Construção Metálica do SINDUSCON GO Diretor Técnico da IRONTEC Construção Metálica Conselheiro do CTComex da FIEG FERENGE - Projetista Estrutura Metálica: Eng. Paulo Sérgio Ribeiro ERREVE - Projetista Concreto Armado: Eng. Ricardo Veiga Projetista Concreto Armado: Eng. João Bosco da Costa SARKIS Engenharia: Eng. Sarkis Nabi Curi Eng. Luiz Henrique Ceotto CMO Construtora: Eng. Moacyr Moreira GH Fundações: Eng. Gustavo Botelho Eng. Fernando Ottoboni Pinho - Manual CBCA - Viabilidade Econômica SINDUSCON GO - Revista Mais - Maio 2014 Editora PINI - Revista Construção e Mercado - Maio 2014 Editora ABRIL - Revista Exame Setembro 2012

3 A QUESTÃO DA PRODUTIVIDADE: O crescimento do Brasil entre 2001 e 2011 teve uma média de 3,7% Destes: Veio da Expansão do Emprego e Aumento da População Ativa e 2,70% Consumo 1% Veio do aumento da Produtividade Crescimento do Brasil nos últimos dois anos: 1,80% Destes: Veio da Expansão do Emprego e Aumento da População 1,60% Ativa 0,20% Veio do aumento da Produtividade Ou seja: A produtividadae brasileira está ESTAGNADA Perspectiva para o crescimento do PIB neste panorama: PÍFIO Produtividade Brasileira média entre 1950 e 1980: 4,50%

4 A QUESTÃO DA PRODUTIVIDADE: Produtivida Chinesa: 9% Segundo a consultoria McKinsey, em 1998, a produtividade nas obras brasileiras era de 30% da americana Produtividade média (prédio 20 pavimentos) - Construção Convencional: 26 a 36hh/m2 - Média: 31 hh/m2 Produtividade média (prédio 20 pavimentos) - Construção Industrializada: 12 a 18hh/m2 - Média: 15 hh/m2 Conclusão: PRÉ-FABRICAÇÃO E MECANIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO

5 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO:

6 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO:

7 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Dados Gerais do Edifício: Localização: a bnome do Empreendimento: Empreendedor: c darquiteto: Chácara Santa Rita - Goiânia GO Residencial Palácio do Bosque - Bloco E Sarkis Engenharia Jorge Squeff - Goiânia GO Fachada : Sobrecarga : ALVENARIA REBOCADA 200 kg/m² ecalculista Concreto Armado: Las Casas - Belo Horizonte MG 01 Subsolo; 01 Térreo e 23 Tipos - Total = 25 fnúmero de Pavimentos: Pavimentos gárea Construída \Subsolo: m² Área Construída \ pavimento 768

8 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Dados Gerais do Edifício: iárea Construída Total: 9230m² jnível 1o. Pavimento: - 2,64 m knível 25o. Pavimento: + 65,4 m laltura dos Pilares: 68,04 m Volume total de Concreto Armado: m 2042 m3 Espessura n Equivalente: 0,2212 m3\m 2 Peso o de Aço Longo kg Taxa p Equivalente: 93,90 kg\m3 Tipo q de Paredes: Alvenaria leve (bloco de vermiculita e=9cm - 500kg/m³)

9 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Dados Gerais do Edifício: Tipo de Lajes: Laje de concreto armado maciço (12cm) Tipo de Estrutura Principal: Concreto Armado moldado in loco Área de Lajes Total: 9230 m² Volume total de Concreto Armado: 1692 m3 Peso de Aço Longo kg Número de Lajes: 25 unidades Número de Pilares: 32 unidades Altura dos Pilares: 68,04 m Custo Médio Geral da Forma: 45,71 \m2 Custo Médio Geral da Armadura: 7,60 \kg 93,90 kg/m³

10 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Dados Gerais do Edifício: Custo Médio Concreto Bombeado fck=25 Mpa Custo Médio Concreto Armado Parede (e=18 cm) CUB Adotado (Março 2014) - Sinduscon GO 957,54/m² Área Real (AR) 9230 m² Área Privativa Total (APT) 85% da Área Real - Adotado 290,00 909, ,5 m² \m 3 \m 3

11 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Dados Gerais do Edifício: Valor de Venda de Mercado \ m ,00 VGV - Valor Geral de Vendas APT x Valor de Venda de Mercado \ m ,00 (Adotad o)

12 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Custos 1 FORMA: Custo m³ Custo m² 1.1 Forma (Fabricação): 66,00 \m2 8457,5 m² , Forma (Mont\Desmont): 17,44 \m m² , Cimbramento: 65,72 \m m³ ,24 Custo total da Forma: ,32 639,72 117,27

13 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Custos 2 CONCRETO: Custo m³ Custo m² 2. Fornecimento ,00 \m m³ 1 Mpa ,00 2. Lançamento: 32,00 \m m³ ,00 2. Alisamento: 10,00 \m m² ,00 2. Controle 8,00 \m m³ 4 Tecnológico: ,00 Custo Total do Concreto: , ,55 70,49

14 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Custos 3 ARMADURA: Custo m³ Custo m² 3.1 Fornecimento CA50\60: 4,00 \k g kg ,51 3.2MDO: 3,60 \k g kg ,16 Custo Total da Armadura: ,66 861,12 157,86

15 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Custos 4 MOVIMENTAÇÃ O VERTICAL: Custo m² Custo m³ 4.1 Grua: ,00 \m ês 7 mês , Plataforma de Cremalheira ,0 0 \m ês 7 mês ,00 Custo Total da Movimentação: ,00 132,39 24,27

16 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Custos CUSTO TOTAL: ,98 CUSTOS EQUIVALENTES RASO: 2.017,78 369,89 Custo Agregado de Administração Direta na obra: 15,00% 55,48 302,67 CUSTO EQUIVALENTE COM ADMINISTRAÇÃO DIRETA (m3): 2.320,4 5 (/m3)

17 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Custos CUSTO EQUIVALENTE COM ADMINISTRAÇÃO DIRETA (m2): CUSTO TOTAL COM ADMINISTRAÇÃO DIRETA (): Prazo Total do Prédio: 540 dias Prazo Total da Estrutura: 210 dias CICLO: 8,4 dias Custo Total da Fundação: , ,33 (Fora Fundação) 1, ,00 425,37 (Adotado) (/m2)

18 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA:

19 Estruturas Mistas Aço Concreto Edifícios Híbridos

20 Estruturas Mistas Aço Concreto Edifícios Híbridos

21 Estruturas Mistas Aço Concreto Edifícios Híbridos

22 Estruturas Mistas Aço Concreto Edifícios Híbridos

23 Estruturas Mistas Aço Concreto Edifícios Híbridos

24 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: Custos II ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: a Peso da Estrutura Metálica kg b Taxa de Consumo 48,54 Eng. Paulo Sérgio c Calculista de Estrutura Metálica Ribeiro kg\m 2 d Calculista da parte mista Concreto Eng. Ricardo Veiga

25 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: Custos CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA: Custo \ m2 1 SOMENTE ESTRUTURA METÁLICA: 1.1 Estrutura Metálica Principal 9,40 \ kg kg , Custo total da Estrutura Metálica: ,00 456,25

26 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: Custos SOMENTE LAJE EM STEEL 2 DECK: Laje em Steel Deck com Stud 2.1 Bolts 88,00 Armadura de Retração e 2.2 Negativa 5, Fornecimento 25 Mpa 275, Lançamento: 32, Alisamento: 10,00 \m2 9230m ,00 \kg 19383kg ,00 \m3 969,15m ,25 \m3 969,15m ,80 \m2 9230m , Controle Tecnológico: 8,00 \m3 969,15m ,20 Custo total da Laje Steel Deck: ,25 Custo m² 141,58

27 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: Custos 3 MOVIMENTAÇÃO VERTICAL: Custo m² 3.1Grua: ,00 \m ês 5 mês ,00 Plataforma de 3.2 Cremalheira ,00 \m ês 5 mês , Custo Total da Movimentação: ,00 18,96

28 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: Custos 4 SOMENTE NÚCLEO DE CONCRETO (Contraventamento) : Custo m² 4.1 Paredes de Concreto Armado (e=18cm) 909,24 \ m3 195,84 m ,23 Custo total do Núcleo de Concreto: ,29,23

29 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: Custos 5 SOMENTE Preenchimento em Concreto dos Pilares: Custo m² 5.1 Formas 45, Armaduras 7, Fornecimento 25 Mpa 275, Lançamento: 32, Stud Bolts nos Pilares 5, Controle Tecnológico: 8,00 Custo total do Preenchimento em Concreto dos Pilares: \m2 \kg \m3 \m3 \unid \m3 1960m kg 200m3 200m3 6532unid 200m , , , , , , ,28 31,50

30 1º Caso EDIFÍCIO RESIDENCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: Custos CUSTO TOTAL: CUSTOS EQUIVALENTES RASO: Custo Agregado de Administração Direta na obra: 3% 20, ,76 667,58 CUSTO EQUIVALENTE COM ADMINISTRAÇÃO DIRETA (m2): CUSTO TOTAL COM ADMINISTRAÇÃO DIRETA (): Prazo Total do Prédio: 480 dias Prazo Total da Estrutura: 135 dias CICLO: 5,4 dias (Fora Fundação) ,45 (Ganho de 210 dias dias = 75 dias = 2 1\2 meses) 687,60 (/m2) CUSTO EQUIVALENTE TOTAL 667,58

31 VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: (Diminuição no prazo de execução em 2 1\2 meses) 1 Diminuição das Fundações: 1. Valor das Fundações em 1 Concreto Armado: 1. 2 * Adotado: Valor das Fundações em Estrutura Metálica - Diminuição de 17% nas cargas - Diminuição de 15% no valor 15% GANHO REAL: GANHOS INTANGÍVEIS: , ,50 Por serem cargas menores, podem conduzir a uma solução global de fundação mais econômica Por serem pilares mais esbeltos, soluciona-se melhor as interferências com vizinhos ,50

32 VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: 2 Precisão das Dimensões: 2.1 GANHO REAL: * Adotado Diminuição média de 1cm da espessura do reboco das fachadas do prédio: 2.2 GANHOS INTANGÍVEIS: 5443,2 m2 Diminuição de retrabalhos para ajustes de esquadro \ prumo Pode-se iniciar o revestimento de baixo para cima, muito mais conveniente Implantação da cultura das medidas em Milímetro em todos os setores da obra 6, ,2 0

33 VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: Diminuição pela metade do número de trabalhadores em 5 meses e todos os trabalhadores em 2,5 meses (contingente em concreto: 30 homens) GANHO REAL: Menos Acidentes de Trabalho (Base: acidentes \ ano em 2 milhões de trabalhadores formais) 3.2 GANHOS INTANGÍVEIS: 0,15% 0,73% ,00 Diminuição da possibilidade de perdas e lucros cessantes por embargos Diminuição de eventuais perdas na imagem da empresa Possibilidade de Ganhos no indice FAP - Fator Acidentário Previdenciário * Adotado 200 mil como custos médio total de um acidente de trabalho 30, ,00

34 VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: Diminuição pela metade do número de trabalhadores em 5 meses e todos os trabalhadores em 2 meses GANHO REAL: Menos Reclamatórias Trabalhistas (Adotado 3 reclamatórias no período) 3, , , , GANHOS INTANGÍVEIS: Diminuição da incerteza de ações de indenização milionárias Aumento do foco da equipe na produção Diminuição da possibilidade de Autuações do Ministério do Trabalho * Adotado como 25 mil uma inicial média e acordos por 1\3 da

35 VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: 5 Diminuição de 2,5 meses no prazo de execução 5.1 GANHO REAL: Redução dos custos fixos da equipe administrativa de obra e de escritório central - Adotado 6% 2,5 6 % , , GANHOS INTANGÍVEIS: Aumento da Produção - crescimento mais rápido da empresa * Adotado como incidente sobre o custo estimado da opção Estrutura Metálica

36 VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: 6 Diminuição de 2,5 meses no prazo de execução 6.1 GANHO REAL: Redução do Custo Financeiro do Investimento (0,7% do VGV) 2,5 0,50 % , ,00 * Entendido com Custo financeiro: Capital de Giro, Cauções, Retenções, Taxas, Inflação 6.2 GANHOS INTANGÍVEIS: Aumento da Capacidade Financeira da Empresa - Liquidez Diminuição do Endividamento

37 7.2 GANHOS INTANGÍVEIS: Melhoria do moral da equipe percebendose mais produtiva que os players do mercado COMPARATIVO TÉCNICO FINANCEIRO ENTRE PRÉDIOS VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: 7 Diminuição de 2,5 meses no prazo de execução 7.1 GANHO REAL: Aumento da Produtividade, com aumento do faturamento no mesmo prazo 5% 13,88% , ,08 * Entendido que haverá um valor agregado - lucro agregado, devido ao faturamento com recursos humanos externos, adotado como 2,5 meses de 18 meses, ou seja 13,88% de ganho agregado na equipe de administração - pode ser entendido como um potencial aumento de 13,88% no faturamento da empresa, com os mesmos recurso humanos. Assim projetando 5% de lucro líquido sobre o incremento de faturamento.

38 VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: 8 Diminuição de 2,5 meses no prazo de execução 8.1 GANHO REAL: Ganho financeiro na exploração do imóvel (Aluguel ou mudança para indexador mais favorável) (0,9% do VGV com 70% de ocupação) 2,5 0,63 % , ,50 * Entendido como VGV o Valor Geral de Vendas 8.1 GANHOS INTANGÍVEIS: Antecipação da ocupação do imóvel perante a concorrência: imagem associada à competência Melhoria do Portfólio para efeito de cadastro no sistema financeiro

39 VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: Ganhos Agregados da Solução Estrutura Metálica: Valor Custo Estrutura Metálica: Valor Reduzido com Vantagens da Estrutura Metálica: Valor Custo Concreto Armado Convencional: Diferencial de Custo a MAIOR da solução Estrutura Metálica: , , , ,33 3,73% FATORES DECISIVOS QUE NÃO COLABORARAM PARA VIABILIZAÇÃO DA ESTRUTURAÇÃO METÁLICA NESTE PROJETO: 1 Desmodulação Vãos entre pilares muito próximos - 2

40 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO:

41 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO:

42 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO:

43 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL Dados Gerais do Edifício: Fachada: Vidro alocalização: Nome do b Empreendimento: cempreendedor: *** darquiteto: Setor Bueno - Goiânia GO Business Center Building - Hipotético Projeto Hipotético Sobrecarga: 300 kg/m² Calculistas Concreto Eng. Ricardo Veiga \ Eng. João Bosco da e Armado: Costa Número de 01 Subsolo; 01 Térreo e 20 Tipos - Total = 22 f Pavimentos: Pavimentos Área Construída Total: m²

44 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL jnível 1o. Pavimento: - 4 m knível 25o. Pavimento: + 74 m laltura dos Pilares: 78 m mvolume total de Concreto Armado: 4375 m3 Espessura n Equivalente: 0,2681 m3\m2 Peso o de Aço Longo kg Taxa p Equivalente: 83,94 kg\m3 Tipo q de Paredes: Tipo r de Lajes: Alvenaria leve (bloco de vermiculita e=9cm - 500kg/m³) Laje tipo Nervurada

45 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL CUB Adotado (Março 2014) - Sinduscon GO 1442,61 /m 2 (Padrão Comercial Alto) Área Real (AR) m2 Área Privativa Total (APT) 88% da Área Real - Adotado 14361,6 m2 Valor de Venda de Mercado \ m ,00 VGV - Valor Geral de Vendas APT x Valor de Venda de Mercado \ m ,0 0 (Adotado)

46 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL Concreto Tipo de Estrutura Principal: s Armado moldado in loco tárea de Lajes Total: m2 uvolume total de Concreto Armado: 4375 m3 vpeso de Aço Longo kg xnúmero de Lajes: 22 unidades ynúmero de Pilares: 16 unidades waltura dos Pilares: 78 m z Custo Médio Geral da Forma: \m2 46,79 a a Custo Médio Geral da Armadura: 7,60 acusto Médio Concreto Bombeado bfck=25 Mpa 290,00 acusto Médio Concreto Bombeado bfck=25 Mpa 310,00 \kg \m3 \m3

47 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL CUB Adotado (Março 2014) - Sinduscon GO 1442,61 /m2 (Padrão Comercial Alto) Área Real (AR) m2 Área Privativa Total (APT) 88% da Área Real - Adotado 14361,6 m2 Valor de Venda de Mercado \ m ,00 VGV - Valor Geral de Vendas APT x Valor de Venda de Mercado \ m ,00 (Adotado)

48 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: Solução Laje Nervurada sem Protensão 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL CUSTOS: Custo \ m3 Custo \ m2 1 FORMA: 1.1 Forma (Fabricação): 1.2 Forma (Mont\Desmont): 1.3 Cimbramento: 72,60 19,18 72,29 \m m ,93 \m m ,37 \m m ,77 Custo total da Forma: ,07 389,34 104,37

49 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL 2 CONCRETO: Custo m³ Custo m² 2.1 Fornecimento 30 Mpa 3100,00 \m m , Lançamento: 32,00 \m m , Alisamento: 10,00 \m m , Controle Tecnológico: 8,00 \m m ,33 Custo Total do Concreto: ,33 367,31 103,82

50 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL 3 ARMADURA: Custo m³ Custo m² 3.1 Fornecimento CA50\60: 4,00 \k g k g , MDO: 3,60 \k g k g ,00 Custo Total da Armadura: ,00 701,72 188,10

51 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL 4 INSERTS METÁLICOS PARA FIXAÇÃO FACHADA DE VIDRO Custo m³ Custo m² 4.1 Fornecimento Aço 4,00 \kg 1100 kg 4.400, MDO \ Chumbadores : 90,00 \un un ,00 Custo Total da Inserts: ,00 46,27 12,40

52 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL 5 MOVIMENTAÇÃO VERTICAL: Custo m³ Custo m² 5.1 Grua: ,00 \m ês 8 mês , Plataforma de Cremalheira ,00 \m ês 8 mês ,00 Custo Total da Movimentação: ,00 58,52 15,69

53 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL CUSTO TOTAL: ,40 CUSTOS EQUIVALENTES RASO: 1.583,15 424,37 Custo Agregado de Administração Direta na obra: 15,00% 63,66 237,47

54 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL CUSTO EQUIVALENTE COM ADMINISTRAÇÃO DIRETA (m3): 1.820,63 (/m3) CUSTO EQUIVALENTE COM ADMINISTRAÇÃO DIRETA (m2): 488,37 (/m2) CUSTO TOTAL COM ADMINISTRAÇÃO DIRETA (): ,26

55 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL MOLDADO IN LOCO: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL Prazo Total do Prédio: 600 dias Prazo Total da Estrutura: 240 dias (Fora Fundação) CICLO: 10,91 dias Custo Total da Fundação: ,0 0 1, ,0 0 (Adotado)

56 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA:

57 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: 2º Caso EDIFÍCIO COMERCIAL Peso da Estrutura Metálica kg Taxa de Consumo 36,64 kg\m2 Calculista de Estrutura Metálica Calculista da parte Mista Concreto Eng. Paulo Sérgio Ribeiro Eng. Ricardo Veiga \ Eng. Paulo Sérgio Ribeiro

58

59 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA: 1 SOMENTE ESTRUTURA METÁLICA: 1.1 Estrutura Metálica Principal 9,80\kg kg , Custo total da Estrutura Metálica: ,00 359,09

60 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA: 2 SOMENTE LAJE EM STEEL DECK: 2.1 Laje em Steel Deck com Stud Bolts 88,00 \m m , Armadura de Retração e Negativa 5,00 \kg 34272kg , Fornecimento 25 Mpa 290,00 \m3 1713,6m , Lançamento: 32,00 \m3 1713,6 m Alisamento: 10,00 \m m Controle Tecnológico: 8,00 \m3 1713,6 m , , ,80 Custo total da Laje Steel Deck: ,00 143,15

61

62 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA: 3 MOVIMENTAÇÃO VERTICAL: 3.1 Grua: ,00 \m ês 5 mê s , Plataforma de Cremalheira ,00 \m ês 5 mê s , Custo Total da Movimentação: ,00 10,72

63 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA: 4 SOMENTE NÚCLEO DE CONCRETO (Contraventamento) : 4.1 Paredes de Concreto Armado (e=18cm) 956,55 \m 3 561, m ,80 Custo total do Núcleo de Concreto: ,50 32,92

64 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA: SOMENTE Preenchimento em Concreto 5 dos Pilares: 5.1 Formas 40,51 \m Armaduras 7,60 \kg kg 5.3 Fornecimento 25 Mpa 275,00 \m m3 5.4 Lançamento: 48,00 \m m3 5.5 Stud Bolts nos Pilares 5,00 \un 1512 id unid 5.6 Controle Tecnológico: 8,00 \m 3 Custo total do Preenchimento em Concreto dos Pilares: 0 m , , , , m3 984, ,00 11,45

65

66 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA: CUSTO TOTAL: ,50 CUSTOS EQUIVALENTES RASO: 557,34 Custo Agregado de Administração Direta na obra: 3 % 16,72 CUSTO EQUIVALENTE COM ADMINISTRAÇÃO DIRETA (m2): CUSTO TOTAL COM ADMINISTRAÇÃO DIRETA (): ,30 557,34 (/m2)

67 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA: Prazo Total do Prédio: 510 dias Prazo Total da Estrutura: 150 dias CICLO: 6,82 dias (Fora Fundação ) (Ganho de 240 dias dias = 90 dias = 3meses) CUSTO EQUIVALENTE TOTAL 557,34

68 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: (Diminuição no prazo de execução em 3 meses) 1 Diminuição das Fundações: 1.1 Valor das Fundações em Concreto Armado: , GANHO REAL: * Adotado: Valor das Fundações em Estrutura Metálica - Diminuição de 20% nas cargas - Diminuição de 18% no valor 18% , ,00 GANHOS INTANGÍVEIS: Por serem cargas menores, podem conduzir a uma solução global de fundação mais econômica Por serem pilares mais esbeltos, soluciona-se melhor as interferências com vizinhos Por terem Momentos baixos, conduzem a soluções mais simples

69 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: (Diminuição no prazo de execução em 3 meses) 2 Precisão das Dimensões: 2.1 GANHO REAL: * Adotado Diminuição média de 1cm da espessura do reboco das fachadas do prédio: 8424 m2 2, , GANHOS INTANGÍVEIS: Diminuição de retrabalhos para ajustes de esquadro \ prumo Pode-se iniciar o revestimento de baixo para cima, muito mais conveniente Implantação da cultura das medidas em Milímetro em todos os setores da obra

70 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: (Diminuição no prazo de execução em 3 meses) Diminuição pela metade do número de trabalhadores em 8 meses e todos os trabalhadores em 3 meses (contingente em concreto: 40 homens) GANHO REAL: Menos Acidentes de Trabalho (Base: acidentes \ ano em 2 milhões de trabalhadores formais) 0,15% 1,02% ,00 40, , GANHOS INTANGÍVEIS: Diminuição da possibilidade de perdas e lucros cessantes por embargos Diminuição de eventuais perdas na imagem da empresa Possibilidade de Ganhos no indice FAP - Fator Acidentário Previdenciário * Adotado 200 mil como custos médio total de um acidente de trabalho

71 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: (Diminuição no prazo de execução em 3 meses) Diminuição pela metade do número de trabalhadores em 8 meses e todos os trabalhadores em 3 meses GANHO REAL: Menos Reclamatórias Trabalhistas (Adotado 3 reclamatórias no período) 3, , , , GANHOS INTANGÍVEIS: Diminuição da incerteza de ações de indenização milionárias Aumento do foco da equipe na produção Diminuição da possibilidade de Autuações do Ministério do Trabalho * Adotado como 25 mil uma inicial média e acordos por 1\3 da inicial + 20% de honorários

72

73 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: (Diminuição no prazo de execução em 3 meses) 5 Diminuição de 3 meses no prazo de execução 5.1 GANHO REAL: Redução dos custos fixos da equipe administrativa de obra e de escritório central - Adotado 6% 3 6% , , GANHOS INTANGÍVEIS: Aumento da Produção - crescimento mais rápido da empresa * Adotado como incidente sobre o custo estimado da opção Estrutura Metálica

74 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: (Diminuição no prazo de execução em 3 meses) 6 Diminuição de 3 meses no prazo de execução 6.1 GANHO REAL: Redução do Custo Financeiro do Investimento (0,7% do VGV) 3 0,60% , ,80 * Entendido com Custo financeiro: Capital de Giro, Cauções, Retenções, Taxas, Inflação 6.2 GANHOS INTANGÍVEIS: Aumento da Capacidade Financeira da Empresa - Liquidez Diminuição do Endividamento

75 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: (Diminuição no prazo de execução em 3 meses) 7 Diminuição de 3 meses no prazo de execução 7.1 GANHO REAL: Aumento da Produtividade, com aumento do faturamento no mesmo prazo 5% 15,00% , ,00 * Entendido que haverá um valor agregado - lucro agregado, devido ao faturamento com recursos humanos externos, adotado como 2,5 meses de 18 meses, ou seja 13,88% de ganho agregado na equipe de administração - pode ser entendido como um potencial aumento de 13,88% no faturamento da empresa, com os mesmos recurso humanos. Assim projetanto 5% de lucro líquido sobre o incremento de faturamento. 7.2 GANHOS INTANGÍVEIS: Melhoria do moral da equipe percebendose mais produtiva que os players do

76 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: (Diminuição no prazo de execução em 3 meses) 8 Diminuição de 3 meses no prazo de execução 8.1 GANHO REAL: Ganho financeiro na exploração do imóvel (Aluguel ou mudança para indexador mais favorável) (1,0% do VGV com 80% de ocupação) 3 0,72 % , ,36 * Entendido como VGV o Valor Geral de Vendas 8.1 GANHOS INTANGÍVEIS: Antecipação da ocupação do imóvel perante a concorrência: imagem associada à competência Melhoria do Portfólio para efeito de cadastro no sistema financeiro

77 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: VALORES E VANTAGENS AGREGADOS PELA SOLUÇÃO METÁLICA: (Diminuição no prazo de execução em 3 meses) Ganhos Agregados da Solução Estrutura Metálica: ,52 Valor Custo Estrutura Metálica: ,30 Valor Reduzido com Vantagens da Estrutura Metálica: ,78 Valor Custo Concreto Armado Convencional: ,26 Diferencial de Custo a MENOR da solução Estrutura Metálica: 59,15%

78 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE CUSTOS DA ESTRUTURA METÁLICA MISTA E HÍBRIDA: FATORES DECISIVOS QUE COLABORARAM PARA VIABILIZAÇÃODA ESTRUTURAÇÃO METÁLICA NESTE PROJETO: 1 Modulação repetitiva e adequada (Atende necessidades das garagens e usa todo o potencial do Aço) 2 Número reduzido de Pilares (com núcleo de contraventamento em posição diametralmente centralizada)

79 RESUMO INFOGRÁFICO EDIFÍCIO RESIDENCIAL Vantagens Solução Aço-Concreto Valor Estrutura Concreto Armado Valor Estrutura Mista Aço-Concreto Valor Final da Solução Aço- Concreto a Comparar +3,73%

80 RESUMO INFOGRÁFICO EDIFÍCIO COMERCIAL Valor Estrutura Concreto Armado Valor Estrutura Mista Aço-Concreto Valor Estrutura Mista Aço-Concreto Valor Final da Solução Aço- Concreto a Comparar +59,15%

81 OUTRAS VANTAGENS RELEVANTES A SEREM CONSIDERADAS A FAVOR DA SOLUÇÃO EM ESTRUTURA METÁLICA - MISTA E HÍBRIDA: Sistema Construtivo mais silencioso: Simpatia com a comunidade da vizinhança Por ter pilares menores, gera aumento de ABL (Área Bruta Locável), vassoura e melhoria de vagas nas garagens área de Incentivo, dentro do mercado, pela melhoria e compatibilidade dos projetos Incentivo pela migração contínua para a Construção Industrializada - Aumento da Produtividade Profissionalização da construção - desaparecimento gradativo e inexorável da figura do Servente Diminuição drástica do uso de madeira nas obras: menos pressão por desmatamento e diminuição de práticas ilícitas de legalização de madeira Canteiros mais simplificados e mecanizados

82 OUTRAS VANTAGENS RELEVANTES A SEREM CONSIDERADAS A FAVOR DA SOLUÇÃO EM ESTRUTURA METÁLICA - MISTA E HÍBRIDA: Melhor desempenho ao Sismo: muitas regiões do Brasil devem considerar este efeito, especialmente em Edifícios Altos Redução do Desperdício Redução do Custo de Operação e Manutenção ao longo da viga útil do empreendimento Associado às demais tecnologias pré-fabricadas, gera uma construção com grande facilidade de intervenções com baixo índice de entulho e alta reciclabilidade Custos mais previsíveis: redução dos graus de incerteza nos empreendedores Sinergia e aderência cada vez maiores com as técnicas da Lean Construction, programas LEED e metas de Sustentabilidade

83 Nome do palestrante: Engenheiro Cezar Valmor Mortari Telefone: (62) OBRIGADO!

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto

Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto Oportunidades de ganhos gerados pela adoção de Sistemas Estruturais em Aço e mistos Aço-Concreto XI Fórum Técnico Gestão do Processo Construtivo Sinduscon-DF, 21 de novembro de 2013 Oportunidades oferecidas

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz

Notas de aulas - Concreto Armado. Lançamento da Estrutura. Icléa Reys de Ortiz Notas de aulas - Concreto Armado 2 a Parte Lançamento da Estrutura Icléa Reys de Ortiz 1 1. Lançamento da Estrutura Antigamente costumava-se lançar vigas sob todas as paredes e assim as lajes ficavam menores

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO

EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Contribuição técnica nº 19 EDIFÍCIOS GARAGEM ESTRUTURADOS EM AÇO Autor: ROSANE BEVILAQUA Eng. Consultora Gerdau SA São Paulo, 01 de setembro de 2010. PROGRAMA Introdução Vantagens da utilização de Edifícios

Leia mais

Coberturas duráveis, com galvanização

Coberturas duráveis, com galvanização Coberturas duráveis, com galvanização A Fifa definiu que a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, em 2014, deverá perseguir o que chamou de Green goals, ou seja, metas verdes, numa alusão à desejada sustentabilidade

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012

Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012 Aplicação do Concreto Pré-Moldado em Sistemas Construtivos Mistos / Híbridos Prof. Dr. Marcelo Ferreira, 14/03/2012 Concreto Pré-Moldado em Sistemas Mistos O benefício da Construção Mista Industrializada

Leia mais

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço

Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Sistemas de Pisos em Estruturas de Aço Aplicações para edificações Estruturas de Aço e Madeira Prof Alexandre Landesmann FAU/UFRJ AMA Loft A1 1 Definição do sistema estrutural do pavimento Lajes armadas

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES Autor: Paulo André Brasil Barroso Eng. Civil. Pós-graduado em cálculo estrutural McGill University Montreal Canadá 1975/1977. Sócio de uma das maiores empresas fabricantes de estruturas metálicas do país

Leia mais

Estruturas mistas de aço e concreto

Estruturas mistas de aço e concreto Estruturas mistas de aço e concreto Eng. Djaniro Álvaro de Souza Gerdau Aços Brasil 56º CONGRESSO BRASILEIRO DO CONCRETO Natal, 08 de Outubro de 2014 Sistema misto de aço e concreto Sistema no qual um

Leia mais

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PRINCIPÍOS BÁSICOS PARA PROJETOS/ MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO EM ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS DE CONCRETO ARQUITETA NANCI CRUZ MODULAÇÃO

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 1 Introdução 1.1. Motivação Na construção civil, os méritos de um determinado sistema construtivo são avaliados com base em fatores tais como: eficácia, resistência, durabilidade e funcionalidade. Nenhum

Leia mais

Imagem: Aflalo e Gasperini Arquitetos

Imagem: Aflalo e Gasperini Arquitetos Caracterização do Empreendimento: - Localização: São Paulo/SP - Área das torres: 98.500m2 - Construção: Wtorre Engenharia - Arquitetura: Aflalo/Gasperini Arquitetos - Tipologia: Escritórios corporativos

Leia mais

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? AULA 5 ALVENARIA ESTRUTURAL Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco PREDIO COM BLOCO DE VEDAÇÃO MACEIO

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

Concretos de Alto Desempenho

Concretos de Alto Desempenho Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Concretos de Alto Desempenho Conceito Alto Desempenho ACI:... que atende

Leia mais

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS

CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Departamento de Estruturas e Construção Civil ECC 1008 Estruturas de Concreto CONCEPÇÃO ESTRUTURAL E PRÉ-FORMAS Aulas 5-8 Gerson Moacyr Sisniegas Alva DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

Aços Longos. Soluções Lajes

Aços Longos. Soluções Lajes Aços Longos Soluções Lajes Soluções Lajes Dentre os desafios da engenharia civil, o sistema construtivo de lajes deve atender à eficiência estrutural, visando a soluções seguras, economicamente viáveis

Leia mais

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados

Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados Integração entre sistemas de cobertura metálica e estrutura de concreto em galpões. Aplicações em sistemas prémoldados e tilt-up Vitor Faustino Pereira Engenheiro Civil Professor Adjunto UEL Sócio Diretor:

Leia mais

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DO EVENTO 13 :30 13:45 Abertura - Dr. Antonio Carlos, diretor SINDUSCON RIO 13:45 14:30 Introdução ao BIM:

Leia mais

construir em aço? Quando ESTRUTURAS TRANSPORTE ENGENHARIA ENGENHARIA Roteiro para escolha do sistema estrutural mais adequado

construir em aço? Quando ESTRUTURAS TRANSPORTE ENGENHARIA ENGENHARIA Roteiro para escolha do sistema estrutural mais adequado /2009 Quando construir em aço? Roteiro para escolha do sistema estrutural mais adequado FERNANDO OTTOBONI PINHO* Q uando construir em aço? A pergunta é frequentemente repetida. E as respostas estão quase

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL

PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL APRESENTAÇÃO REALIZAÇÃO A portoferraz... Ser referência no mercado imobiliário, desenvolvendo projetos que transformem a ocupação urbana, de maneira criativa

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I UEFS Departamento de Tecnologia CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 2 Histórico e processos da Construção Civil: Evolução da Técnica de Construção Cristóvão C. C. Cordeiro

Leia mais

Relatório Técnico. Analise de sistemas de lajes.

Relatório Técnico. Analise de sistemas de lajes. Relatório Técnico. Analise de sistemas de lajes. Interessado ARCTEC Arquitetura, Construções e Tecnologia. Rua Boulevard 28 de Setembro, 389, sala 312 Vila Isabel. Rio de Janeiro Junho, 2005. 1 ESCOPO.

Leia mais

ODEBRECHT HOLDING. 190 mil integrantes. Atuação em 27 países

ODEBRECHT HOLDING. 190 mil integrantes. Atuação em 27 países ODEBRECHT HOLDING 190 mil integrantes Atuação em 27 países TERRENO ÁREA DO TERRENO 80.000 m² ÁREA MÁX. UTILIZADA (4x) 320.000 m² ÁREA CONSTRUÍDA TOTAL 595.000 m² 23 37 22 S 46 42 07 W CONCEITO CIDADE COMPACTA

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais

ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais ALVENARIA DE BLOCOS DE CONCRETO Recomendações gerais LA-J ARTEFATOS DE CIMENTO LUCAS LTDA Av. Cônsul Assaf Trad 6977 Em frente ao Shopping Bosque dos Ipês / Campo Grande MS 0800 647 1121 www.lajlucas.com.br

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA Por que medir produtividade e perdas? Brasil vive descasamento

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Depto. Eng. Construção Civil da EPUSP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva S/C ltda. arco@uol.com.br A busca de soluções para o aumento

Leia mais

Concepção do Projeto Estrutural com Ênfase em Prédios Altos

Concepção do Projeto Estrutural com Ênfase em Prédios Altos Concepção do Projeto Estrutural com Ênfase em Prédios Altos Engº Cláudio Creazzo Puga CONCRETESHOW São Paulo, 27 a 29 de agosto de 2008 Por que se Constrói i em Alvenaria Estrutural? A busca pela redução

Leia mais

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S

S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S S T E E L D E C K A S O L U Ç Ã O D E F I N I T I V A E M L A J E S Próprio (kn/m 2 ) M. Inércia Laje Mista ( 6 mm 4 /m) Vãos Máimos sem Carga sobreposta 2.000 Vãos Máimos 2.0 2.0 2.400 Triplos Balanço

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES

SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES SISTEMA CONSTRUTIVO CASA EXPRESS DE PAINÉIS PREMOLDADOS MISTOS DE CONCRETO ARMADO E BLOCOS CERÂMICOS PARA PAREDES E LAJES INTRODUÇÃO: A CASA EXPRESS LTDA. é uma empresa do ramo da construção civil, sediada

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço Contribuição técnica nº 2: Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados Autores: Eng. M.Sc. Ygor Dias da Costa Lima Prof. Dr. Alex Sander C. de Souza Contato: alex@ufscar.br 1 Análise

Leia mais

Insumo/Aux. Descrição Unidade Coeficiente Preço Unitário Preço Total

Insumo/Aux. Descrição Unidade Coeficiente Preço Unitário Preço Total COMPOSIÇÃO ANALÍTICA DE PREÇO UNITÁRIO Cliente: Edificações Obra: CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL DO PARI Local: VÁRZEA GRANDE - MT 1 Estaca raiz diâmetro de 200mm M 1 0102015 Ferreiro (sgsp) H 0,847272

Leia mais

Projeto Arquitetônico: AUTOR: Arq. Lilian Camargo Ferreira de Godoy CREA GO 1352/D

Projeto Arquitetônico: AUTOR: Arq. Lilian Camargo Ferreira de Godoy CREA GO 1352/D MEMORIAL DESCRITIVO INFORMAÇÕES GERAIS Nome do empreendimento: Residencial Jardim das Tulipas Incorporação: SC Parque Oeste Industrial Residence SPE LTDA. Realização e Construção: SERCA CONSTRUTORA LTDA.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa (BÔNUS E DESPESAS INDIRETAS) Itens de valor percentual

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS. Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues

N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS. Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues N.19 Agosto 2003 ESTUTURAS MISTAS Mário Fernandes Patrícia Carvalho Ricardo Gouveia Ricardo Gouveia Rute Rodrigues EDIÇÃO: CONSTRULINK PRESS Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto.

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. 1 Escolha do Sistema Construtivo Sistema construtivo com foco nas seguintes características: Alta produtividade Baixo custo de construção Redução

Leia mais

DE PROJETOS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

DE PROJETOS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I DE PROJETOS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PROJETO Atividade ou serviço integrante do processo de produção, responsável pelo desenvolvimento,

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ESTRUTURA PRÉ-FABRICADA NA ESPLANADA DO CONDOMÍNIO DE EDIFÍCIOS HEMISPHERE 360º AQUILES GADELHA PONTE T&A PRÉ-FABRICADOS S/A 19/11/2014

UTILIZAÇÃO DE ESTRUTURA PRÉ-FABRICADA NA ESPLANADA DO CONDOMÍNIO DE EDIFÍCIOS HEMISPHERE 360º AQUILES GADELHA PONTE T&A PRÉ-FABRICADOS S/A 19/11/2014 UTILIZAÇÃO DE ESTRUTURA PRÉ-FABRICADA NA ESPLANADA DO CONDOMÍNIO DE EDIFÍCIOS HEMISPHERE 360º AQUILES GADELHA PONTE T&A PRÉ-FABRICADOS S/A 19/11/2014 DADOS DO EMPREENDIMENTO CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO:

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades A Empresa Completou 20 anos em Março 2015 Aproximadamente 500 mil m² de área construída Experiência em obras habitacionais, comerciais e industriais 01 A Empresa Atuação regional no interior do estado

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

Características gerais e viabilidade executiva

Características gerais e viabilidade executiva 1 Laje Bubbledeck Características gerais e viabilidade executiva Ossimar Fernandes Duarte Júnior juniorfd@gmail.com MBA Gerenciamento de Obras, Tecnologia e Qualidade da Construção Instituto de Pós-Graduação

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

c o m o c o n s t r u i r

c o m o c o n s t r u i r c o m o c o n s t r u i r Leandro Amadio engenheiro civil, diretor técnico Tecnobagno Construção de Banheiros e-mail: banheiropronto@uol.com.br Instalação de banheiros prontos conceito atual de construção

Leia mais

Aula 4 : Desenho de Estruturas

Aula 4 : Desenho de Estruturas Aula 4 : Desenho de Estruturas Índice: UNIDADE 4 DESENHO DE ESTRUTURAS 4.1 Introdução; Fundações: - São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Sistema laje-viga-pilar

Sistema laje-viga-pilar Sistema laje-viga-pilar Pré-dimensionamento das lajes de concreto, vigas e pilares de aço Taipe-101 (004) Taipe/Taiwan 509m (448m) aço Prof. Valdir Pignatta e Silva AÇÕES tudo aquilo que pode produzir

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E INDUSTRIALIZAÇÃO: PORTO ATLÂNTICO LESTE. Edson Kater Diretor de Construção. 25 de Agosto de 2015

SUSTENTABILIDADE E INDUSTRIALIZAÇÃO: PORTO ATLÂNTICO LESTE. Edson Kater Diretor de Construção. 25 de Agosto de 2015 SUSTENTABILIDADE E INDUSTRIALIZAÇÃO: PORTO ATLÂNTICO LESTE Edson Kater Diretor de Construção 25 de Agosto de 2015 Localização Porto Maravilha: uma região em transformação! Masterplan Porto Atlântico Leste

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM TRABALHISTA DO CARIRI DIAGRAMAS DA OBRA 5ª MEDIÇÃO 15/4/2014 CURVA DE PROGRESSO FÍSICO PREVISTO X EXECUTADO QUADRO DE EFETIVO

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM TRABALHISTA DO CARIRI DIAGRAMAS DA OBRA 5ª MEDIÇÃO 15/4/2014 CURVA DE PROGRESSO FÍSICO PREVISTO X EXECUTADO QUADRO DE EFETIVO DIAGRAMAS DA OBRA 5ª MEDIÇÃO PREVISTO X EXECUTADO 100% CURVA DE PROGRESSO FÍSICO SERVIÇOS PRELIMINARES MOVIMENTOS DE TERRA / TERRAPLENAGEM INFRAESTRUTURA SUPERESTRUTURA PAREDES E PAINÉIS REVESTIMENTOS

Leia mais

SOBRE A TABELA DE CUSTOS:

SOBRE A TABELA DE CUSTOS: SOBRE A TABELA DE CUSTOS: As composições de custos unitários de serviços aqui apresentadas integram o banco de dados de composições genéricas da PINI resumido no livro TCPO14 - Tabelas de Composições de

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

QUANDO CONSTRUIR EM AÇO?

QUANDO CONSTRUIR EM AÇO? QUANDO CONSTRUIR EM AÇO? Roteiro para escolha do sistema estrutural mais adequado Fernando Ottoboni Pinho Engenheiro Consultor da Gerdau Açominas A pergunta Quando construir em aço? é freqüentemente repetida.

Leia mais

UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo

UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo Materiais e Tecnologia Construtiva I Prof. Angelo Just da Costa e Silva Escolha do terreno Demolição Limpeza do terreno CONCEITOS INICIAIS Instalações provisórias

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

...VAI MUITO ALÉM DO QUE VOCÊ IMAGINA

...VAI MUITO ALÉM DO QUE VOCÊ IMAGINA REVISTA AU REFERÊNCIAS DE APLICAÇÃO DE PISO ELEVADO O CHÃO QUE VOCÊ PISA......VAI MUITO ALÉM DO QUE VOCÊ IMAGINA 1- Quais as principais diferenças entre pisos elevados para áreas internas e externas? E

Leia mais

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A.

Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. Concreto PVC A Utilização do Sistema Royal para construção de casas populares. Arq. Tiago S. Ferrari Royal do Brasil Technologies S.A. O Sistema Construtivo O sistema construtivo Royal (Concreto-PVC) nasceu

Leia mais

OBRA- CONSTRUÇÃO DE CENTRO DE EVENTOS EVENTOS LOCAL:

OBRA- CONSTRUÇÃO DE CENTRO DE EVENTOS EVENTOS LOCAL: MEMÓRIA DE CALCULO: OBRA- CONSTRUÇÃO DE CENTRO DE EVENTOS EVENTOS LOCAL: Área Anexa ao Ginásio Municipal de Esportes Gerson Luis Milanesi Parapuã. Tipo de Projeto- Construção 54,06 m2 ART. 92221220110130074

Leia mais

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS Evanisa F. R. Q. Melo (1); Rubens M. Astolfi (2); Leunir Freitas (3); Ricardo Henryque Reginato Quevedo

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

CICLO 2 PLANILHA DE PARAMETRIZAÇÃO E COMPARAÇÃO ENTRE SISTEMAS PARA EDIFÍCIOS ALTOS

CICLO 2 PLANILHA DE PARAMETRIZAÇÃO E COMPARAÇÃO ENTRE SISTEMAS PARA EDIFÍCIOS ALTOS CICLO 2 TUTORIAL: PLANILHA DE PARAMETRIZAÇÃO E COMPARAÇÃO ENTRE SISTEMAS PARA EDIFÍCIOS ALTOS PAREDE DE CONCRETO ALVENARIA ESTRUTURAL ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO Marcos Hesketh GMO Engenharia Versão 1

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

Telas Soldadas Nervuradas

Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Telas Soldadas Nervuradas Belgo Qualidade As Telas Soldadas de Aço Nervurado são armaduras pré-fabricadas constituídas por fios de aço Belgo 60 Nervurado, longitudinais e transversais,

Leia mais

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural

BIM BIM. Building Information Modeling no Projeto Estrutural. Impactos e benefícios potenciais. Modelagem de Informação do Edifício Projeto Estrutural BIM Building Information Modeling no Impactos e benefícios potenciais Nelson Covas BIM Building Information Modeling ou Modelagem de Informação da Construção ou Modelagem de Informação do Edifício Premissas

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES LAJES Serão o piso ou a cobertura dos pavimentos. As lajes poderão ser: Maciças - moldadas in loco, economicamente viável para h 15 cm. Nervurada

Leia mais

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I Aula 8 ESTRUTURAS: FÔRMAS Profs. Fernando Henrique Sabbatini, Francisco Ferreira Cardoso Luiz Sergio Franco

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Histórico UFBA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Histórico UFBA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 5 ALVENARIA ESTRUTURAL: PROJETO E RACIONALIZAÇÃO Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? PREDIO COM

Leia mais

RESIDENCIAL EDELWEISS

RESIDENCIAL EDELWEISS MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL EDELWEISS FLORIANÓPOLIS, JUNHO DE 2011. Empreendimento: Edifício Residencial Edelweiss Endereço: Rua Homero de Miranda Gomes Estreito. Florianópolis / SC. INFORMAÇÕES GERAIS:

Leia mais

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto)

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) - Fatores Críticos de Sucesso Francisco Paulo Graziano Características necessárias das estruturas dos em parede estrutural Facilidade

Leia mais

Câmara Municipal de Itajubá

Câmara Municipal de Itajubá . - ÁREA EXTERNA 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 35.063,79 PLACA DA OBRA DE ACORDO COM A LEI MUNICIPAL Nº. 2551 DE 06/07/2005, IIO-PLA-005 1.1 MODELO REFERÊNCIA PMI/SEMUP, INCLUSIVE O FORNECIMENTO, UNID 1,00

Leia mais