UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS BACHARELADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS BACHARELADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS BACHARELADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA A UTILIZAÇÃO DO EPS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Evelen Freire Delgado de Paiva MOSSORÓ - RN 2011

2 EVELEN FREIRE DELGADO DE PAIVA A UTILIZAÇÃO DO EPS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Monografia apresentada a Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA, Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas para a obtenção do título de Bacharel em Ciência e Tecnologia. Orientadora: Profª. D.Sc Halane Maria Braga Fernandes Brito - UFERSA. MOSSORÓ - RN 2011

3 EVELEN FREIRE DELGADO DE PAIVA A UTILIZAÇÃO DO EPS NA CONSTRUÇÃO CIVIL DATA DE DEFESA: 14/12/2011 BANCA EXAMINADORA Profª. D.Sc Halane Maria Braga Fernandes Brito - UFERSA Presidente Profª. D.Sc Marília Pereira de Oliveira- UFERSA Primeiro Membro Profª D.Sc Marineide Jussara Diniz - UFERSA Segundo Membro

4 DEDICATÓRIA Aos meus pais, Afrânio Delgado de Paiva e Rutilênia Freire Delgado, aos meus irmãos, Enver Freire Delgado e Afrânio Delgado de Paiva Filho, por toda dedicação comigo, por sempre me incentivarem e acreditarem no meu potencial, pelo carinho, amor e compreensão durante os momentos difíceis.

5 AGRADEDIMENTOS A Deus, por estar presente em todos os momentos da minha vida, guiando-me e dando-me serenidade e coragem para seguir no caminho certo. A toda a minha família, em especial aos meus pais e meus irmãos, pela educação, incentivo, pela admiração que tenho dos meus pais e estimulo para seguir esses exemplos, pelo carinho e o amor incondicional, essa conquista é nossa. Aos meus professores, que me passaram ensinamentos que contribuíram para essa conquista. A professora Halane Brito pela compreensão e confiança ao aceitar ser minha orientadora. Aos meus amigos de faculdade, Daianne Fernandes, Michelle Vieira, Renan Soares e Daiane de Oliveira, que contribuíram nessa caminhada. curso. A todos os meus colegas de turma pela convivência e amizade construída ao longo do Aos meus amigos, próximos ou distantes, que em um simples gesto ou palavra, contribuíram de alguma forma para essa vitória. Enfim, a todas as pessoas que, de uma maneira ou de outra, contribuíram para a realização deste trabalho.

6 EPÍGRAFE Quem acredita sempre alcança (Renato Russo)

7 RESUMO Para o desenvolvimento deste trabalho foi realizado um estudo detalhado sobre a utilização do Poliestireno Expandido- EPS na construção civil, por meio de uma pesquisa bibliográfica e de um estudo de caso, através de uma visita técnica no canteiro de obra de um residencial que faz o uso do Poliestireno Expandido EPS no seu empreendimento. O mercado da construção civil está sempre em busca de novas tecnologias em materiais para atingir a eficiência e conforto em seus projetos. A utilização do EPS se iniciou na Europa e hoje está difundido pelo mundo, compondo esse mercado da construção civil há alguns anos, pois suas propriedades são muito favoráveis para esse mercado, suas características se destacam como a sua leveza, gerando uma redução de custos por diminuir a carga das fundações,possui o benefício de ser isolante térmico e acústico a qual é uma de suas melhores qualidades e mais usáveis. Diante desse contexto podemos analisar a viabilidade do uso do Poliestireno Expandido para a construção civil atual. Palavras-chave: Poliestireno Expandido. Construção civil. Isolante térmico e acústico.

8 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Características exigíveis para o EPS NBR Quadro 2 - Referências normativas

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Laje treliçada unidirecional com EPS I Figura 2 - Laje treliçada unidirecional com EPS II Figura 3 - Laje treliçada bidirecional com EPS I Figura 4 - Laje treliçada bidirecional com EPS II Figura 5 - Cobertura I Figura 6 - Cobertura II Figura 7 - Isolamento térmico sobre a impermeabilização Figura 8 - Isolamento térmico sob a impermeabilização Figura 9 - Telhado de fibrocimento Figura 10 - Telha cerâmica Figura 11 - Telhado concluído Figura 12 - Isolamento com revestimento de argamassa Figura 13 - Isolamento em ambiente interno Figura 14 - Isolamento em dutos de ar condicionado Figura 15 - Pavimento flutuante Figura 16 - Construção do forro suspenso por tirante Figura 17 -Painéis monólito de EPS Figura 18 Painel divisório Figura 19 Fundações de estradas I Figura 20 Fundações de estradas II Figura 21 Preparação do terreno da cabeceira da ponte BR Figura 22 - Primeira camada dos blocos de EPS Figura 23 Última camada e início da concretagem sobre filme de pead e tela metálica... 40

10 Figura 24 Juntas de dilatação Figura 25 - Drenagem em muro de arrimo Figura 26- Drenagem em pisos internos Figura 27 - Drenagem em gramados Figura 28 - Adicionando areia e cimento Figura 29 - É adicionado EPS em flocos Figura 30 - A betoneira misturando os materiais Figura 31 - O concreto leve Figura 32 - Moldagem dos blocos de concreto leve Figura 33 - Os Blocos após a cura do concreto leve Figura 34 - Isolamento térmico de parede externa Figura 35 Diferença entre parede com blocos leves e parede de alvenaria convencional Figura 36 Muro com junta de dilatação Figura 37 - EPS entre as juntas de dilatação... 49

11 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos MATERIAL E MÉTODOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA EPS O EPS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Nivelamento de lajes e fôrmas para concreto com EPS... Erro! Indicador não definido Lajes industrializadas ou nervuradas utilizando o EPS Concreto leve O EPS como isolante térmico e acústico Isolamento térmico de lajes impermeabilizadas Isolamento térmico de telhados com EPS Isolamento térmico de paredes externas Isolamento térmico para dutos de ar condicionado com EPS Isolamento térmico de tubulações e reservatórios Isolamento térmico em câmaras frigoríficas O EPS como isolante acústico Pavimento flutuante Fôrros isolantes e decorativos com EPS Painéis autoportantes Painéis divisórios Sistema de blocos vazados de EPS Fundação para estradas Juntas de dilatação Drenagem... 41

12 6 ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 51

13 12 1 INTRODUÇÃO A humanidade está sempre desenvolvendo novas tecnologias para melhorar sua forma de vida, essas evoluções tecnológicas estão relacionadas, principalmente, as melhorias em suas moradias. Aliada a essas novas tecnologias, vieram novas idéias e matérias-prima, substituindo assim os materiais tradicionais por materiais alternativos, proporcionando dessa forma redução de custos e aumento no conforto. Em 1949 na Alemanha, os químicos Fritz Stastny e Karl Buchholz realizam a descoberta do Poliestireno Expandido, sendo sua sigla internacional o EPS de acordo com a norma DIN ISO-1043/78(ABRAPEX, 2006). De acordo com a revista arquitetonline (2010), a utilização do EPS na construção civil brasileira começou na década de 90, mas somente nos últimos anos, com o desenvolvimento de sistemas construtivos modernos, é que a sua adoção ganhou importância e relevância. Um dos projetos pioneiros no Norte/Nordeste do Brasil foi a construção do Complexo Hoteleiro de Sauípe, de cinco unidades, nas quais foram usados m³ de EPS no revestimento das paredes e das lajes treliçadas. O EPS, mais conhecido como Isopor, é um plástico celular rígido que pode apresentar uma variedade de formas e aplicações. Vem crescendo cada vez mais a utilização do EPS no mercado. Existem inúmeras aplicações em artigos de consumo, embalagens industriais e principalmente na construção civil, sendo esse o foco desse projeto monográfico. O EPS além do importante benefício de não afetar o meio ambiente, se destaca na construção civil pela sua leveza, capacidade de isolamento térmico e acústico, às quais ainda se associa ao baixo custo, além da resistência mecânica, baixa densidade, facilidade de manuseio e resistência a compressão. No desenvolvimento de materiais de construção civil, e de outros materiais utilizados pela sociedade atualmente, é importante que sejam ecológicos que tenham a finalidade de não agredir o meio ambiente e, além disso, serem viáveis financeiramente. Assim, o EPS além de se adequar a esses parâmetros é 100% reciclável. Conforme a Associação Brasileira de Poliestireno Expandido (2006) existem algumas aplicações do EPS na construção civil: Enchimento de lajes e fôrmas para concreto

14 13 Lajes industrializadas Concreto leve Isolamento térmico e acústico Piso flutuante Forros isolantes e decorativos Fundação para estradas Drenagem, etc 2 JUSTIFICATIVA Com o célere crescimento da construção civil no Brasil, surge à necessidade de investimento em vantagens competitivas frente a seus concorrentes. Dessa forma o EPS possibilita redução de custo e tempo total da obra, ocasionando assim maior confiabilidade, flexibilidade, velocidade e qualidade na obra. Aliado a todas essas vantagens o EPS é um material reciclável, contribuindo assim para a preservação do meio ambiente. 3 OBJETIVOS 3.1Objetivo geral Este trabalho abrange as possíveis utilizações do Poliestireno Expandido como material para a Construção Civil, abordando suas vantagens para o aprimoramento da obra.

15 Objetivos específicos Para alcançar o objetivo geral foram estabelecidos os seguintes objetivos específicos: Analisar as inúmeras utilizações do poliestireno expandido na construção civil; Estimar os benefícios do uso do EPS na construção civil; Levantamento do uso do EPS in loco em uma construção; 4 MATERIAL E MÉTODOS Na metodologia dessa monografia será realizada uma pesquisa bibliográfica, onde Vergana (2000) conceitua pesquisa bibliográfica como um estudo sistematizado desenvolvido com base em material publicado em livros, revistas, redes eletrônicas, ou seja, material acessível ao público para pesquisas. Este trabalho se dividiu em duas etapas, sendo a primeira correspondente a pesquisa bibliográfica e a segunda uma visita in loco para verificação do uso do EPS.

16 15 5 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 5.1 EPS A Associação Brasileira de Poliestireno Expandido ABRAPEX (2006) define o EPS como um plástico celular rígido, resultado da polimerização do estireno em água, como agente expansor. Para a transformação do EPS, emprega-se o pentano, um hidrocarboneto que se deteriora rapidamente pela reação fotoquímica gerada pelos raios solares, o que não compromete o meio ambiente. Outros aditivos também podem ser adicionados a esse procedimento para o melhoramento das propriedades do EPS. O produto final são pérolas de até 3 milímetros de diâmetro, que se destinam à expansão. Segundo Luiz Molina Luz (2007) o processo de transformação física se divide em três etapas: A pré-expansão: A expansão do poliestireno (PS) expansível é efetuada numa primeira fase num préexpansor através de aquecimento por contato com vapor de água. O agente de expansão incha o PS para um volume cerca de 50 vezes maior do original. Daí resulta um granulado de partículas de isopor constituídas por pequenas células fechadas, que é armazenado para estabilização. O armazenamento intermediário: O armazenamento é necessário para permitir a posterior transformação do isopor. Durante esta fase de estabilização, o granulado de isopor arrefece o que cria uma depressão no interior das células. Ao longo deste processo o espaço dentro das células é preenchido pelo ar circundante. A moldagem: O granulado estabilizado é introduzido em moldes e novamente exposto a vapor de água, o que provoca a soldadura do mesmo; assim obtém-se um material expandido, que é rijo e contém uma grande quantidade de ar.

17 16 Os produtos finais de EPS são inodoros, não contaminam o solo, água e ar, são 100% reaproveitáveis e recicláveis e podem voltar à condição de matéria-prima. O poliestireno expandido não serve de alimento a nenhum ser vivo, inclusive microorganismos, portanto não atrai cupins nem apodrece. (ABRAPEX, 2006) O EPS é produzido em duas versões: Classe P, não retardante à chama, e Classe F, retardante à chama. Também é dividido em 3 grupos de massa específica aparente: I - de 13 a 16 kg/m3, II - de 16 a 20 kg/m3, III - de 20 a 25 kg/m3, conforme mostra o quadro 1. (ABRAPEX, 2006) Quadro 1 - Características exigíveis para o EPS NBR Fonte: ABRAPEX (2006) Para a identificação do produto deve estar em posição visível, com logomarca do fabricante, símbolo de reciclável, e identificação do tipo I, II ou III. São identificados da seguinte forma: Cor azul, para classe P ( não retardante à chama) Cor vermelha, para classe F ( retardante à chama) 5.2 O EPS NA CONSTRUÇÃO CIVIL A espuma rígida de poliestireno aliada com suas características e vantagens vem se estabilizando no mercado da construção civil há 35 anos. O EPS destaca-se como isolante térmico nas temperaturas de 70º a 80º Celsius, é um excelente material para preenchimento de

18 17 rebaixos ou vazios necessários em processos construtivos, sobretudo em lajes e painéis pré fabricados ou semi industrializados pela facilidade de recortar. Leveza, durabilidade e resistência são qualidades que podem ser uma solução para aterros estáveis sobre solos frágeis. Para o uso adequado do EPS é recomendado à verificação do material adquirido se a densidade e a espessura são combinadas. (ABRAPEX, 2006) Segue-se abaixo, no quadro 2, as referências normativas empregadas ao EPS na construção civil: Quadro 2 - Referências normativas. Norma Referente NBR Materiais celulares de poliestireno para isolamento térmico na construção civil e câmaras frigoríficas NBR 7973 Determinação de absorção d'água - Método de ensaio NBR 8081 Permeabilidade ao vapor d' água - Método de ensaio NBR 8082 Resistência à compressão - Método de ensaio NBR Inspeção e amostragem de isolantes térmicos - Procedimento NBR Ensaio de flamabilidade - Método de ensaio NBR Determinação da massa específica aparente - Método de ensaio NBR Determinação da condutividade térmica - Método de ensaio Fonte: Adaptado ABRAPEX (2006) seguir. As principais aplicações do EPS na construção civil serão comentadas nos itens a

19 Nivelamento de lajes e fôrmas para concreto com EPS O EPS possui características adequadas para situações onde seja necessário o nivelamento de lajes, oferece baixa absorção de água, que permite uma melhor e mais rápida cura do concreto, sendo feito o uso do EPS em placas para a correção. A grande vantagem no uso do EPS nesse caso é devido a sua leveza e resistência, podendo ser usado até e oferece até nos materiais produzidos dentro das normas da ABNT. (ABRAPEX, 2006) É importante que em enchimentos de lajes, a previsão do cálculo considere o uso do EPS, diminuindo assim o dimensionamento da estrutura e fundações. A utilização de fôrma de EPS em lajes nervuradas pode ser em uma só direção ou em grelha, fazendo com que o acabamento seja efetuado apenas no plano inferior, economizando, assim, no cimbramento, na mão-de-obra e no tempo. É usado como revestimento da madeira da fôrma e pela sua qualidade semi-elástica permite a retirada da fôrma facilmente e sem perdas significativas. Na obtenção de detalhes complexos em relevos ou recortes no concreto, o EPS pode ser recortado e aplicado dentro das fôrmas de madeira, que na retirada é obtido os relevos ou recortes desejados no concreto acabado. (ABRAPEX, 2006) Lajes industrializadas ou nervuradas utilizando o EPS Nas construções de edifícios de múltiplos andares, as lajes são responsáveis pelo alto consumo de concreto, sendo de grande importância a escolha adequada da laje, visando soluções técnicas e econômicas viáveis. As lajes industrializadas ou pré-fabricadas também podem ser nervuradas. Segundo a NBR 6118 (2003), lajes nervuradas são "lajes moldadas no local ou com nervuras prémoldadas, cuja zona de tração é constituída por nervuras entre as quais pode ser colocado material inerte." É considerada uma evolução natural das lajes maciças sendo essas lajes responsáveis por quase dois terços do volume total de concreto da estrutura. As lajes nervuradas resultam na redução de grande parte do concreto abaixo da linha neutra, economizando na espessura total da laje, devido aos vazios criados em um padrão rítmico de arranjo. Com esse tipo de laje é formado sistema estrutural de alta eficácia, com nervuras espaçadas regulamente dispostas em uma ou duas direções (ABRAPEX,2006). Dentre os diferentes tipos de lajes, destacam-se:

20 19 Laje nervurada pré-fabricada unidirecional (Fig. 1 e 2): É tradicional nesse tipo de laje utilizar em preenchimento de vão das nervuras, tijolos cerâmicos ou blocos de concreto, sendo esses materiais influenciadores no peso da laje e ainda permitem o vazamento de concreto e perdas quando ocorre quebra. A solução para esses pontos negativos é o uso do EPS nesses preenchimentos que é um material leve e além de reduzir a mão de obra e o entulho nas lajes. Figura 1 - Laje treliçada unidirecional com EPS I Fonte: Sahecc lajes (2008) Figura 2 - Laje treliçada unidirecional com EPS II Fonte: Tecnocell (2008)

21 20 Laje nervurada bidirecional (Fig. 3 e 4): É uma concepção recente, onde é utilizado o EPS como elemento de preenchimento entre nervuras. Admite-se executar grandes vãos com lajes delgadas, bem estruturadas e com economia. O alívio do peso reduzirá o dimensionamento da estrutura se tornando mais econômico. Figura 3 - Laje treliçada bidirecional com EPS I Fonte: Sahecc lajes (2008) Figura 4 - Laje treliçada bidirecional com EPS II Fonte: Autoria própria (2011)

22 21 O EPS pode ser fornecido como peça pronta, no comprimento de 1 metro com a seção necessária à laje desejada. Tem facilidade no corte e os pedaços que sobram são aproveitados na própria laje evitando perda no material Concreto leve O concreto tradicional é obtido pela mistura cimento areia e brita, enquanto que no concreto leve é feito a substituição da brita pelo EPS em forma de pérolas pré-expandidas, os flocos, cujo volume é constituído de 95% de ar, proporcionando um concreto de baixa densidade aparente (a densidade do concreto leve varia conforme a necessidade do uso, variando de, já a do concreto convencional é aproximadamente de ). (ABRAPEX, 2006) Diante das suas propriedades de baixa densidade, isolante térmico e acústica e considerável resistência, o EPS é utilizado em componentes que não exigem grandes esforços, ressaltando que em obra de pequeno ou grande porte há economia no custo da obra com o uso desse concreto leve, pelo dimensionamento estrutural adequado e facilidade no manuseio. Segundo as disposições complementares da DIN 4102 (1998) ao que se refere ao seu comportamento mediante o fogo, ao julgar o comportamento do concreto leve perante as chamas deve-se: Fazer uma declaração sobre a resistência ao fogo das peças fabricadas com esse material. Levar em conta que o concreto leve pode ser empregado como proteção contra fogo de peças de construção ( não muito resistente) e como elemento de paredes divisórias e tetos. Analisar que o ensaio de flamabilidade é feito segundo as disposições complementares da norma DIN 4102 (1998), onde classifica o concreto leve de EPS como material de construção B (não inflamável). O concreto leve tem diversificadas aplicações como regularização de lajes em geral (inclinação para escoamento), painéis de fechamento (prédio, galpões), elementos pré-

23 22 fabricados (lajotas, blocos vazados), pavimentos (calçadas), mobiliário (base para montagem de móveis) e áreas de lazer( quadras de esportes), entre outras O EPS como isolante térmico e acústico O isolamento térmico e acústico é uma preocupação cada vez maior dos profissionais da construção civil. Na hora de realizar seus projetos é analisado o conforto térmico do ambiente, a economia na diminuição de gastos e a estabilidade nas estruturas devido às variações de temperatura, sendo que tudo isso pode ser obtido com o beneficiamento de um material isolante. Em razão dos sólidos serem bons condutores de calor e ao contrário disso, os gases estagnados serem maus condutores, faz com que os isolantes sejam materiais celulares ou laminares, onde em sua composição são formados de células de gás ou ar, como é o caso da composição do EPS, já citada anteriormente. (ABRAPEX, 2006) Apesar de ser um ótimo isolante térmico, o EPS não tem boas propriedades acústicas: não tem massa, não tem o efeito massa-mola-massa de algumas espumas, que também são leves, mas com bons desempenhos nessa área. (YOSHIMOTO, 2006) Isolamento térmico de lajes impermeabilizadas A impermeabilização das lajes faz uso de produtos específicos com objetivo de proteger as diversas áreas contra a ação da água. Não é aceito hoje construções de lajes com coberturas expostas ao sol sem isolamento térmico devido a danos na dilatação e ao desconforto térmico que a sua ausência pode causar. O EPS é um excelente isolante térmico, além de seu baixo custo e alto eficiência, sua fixação é fácil e com espessuras bem delgadas. Por exemplo, para climas do Brasil, cerca de 30mm de espessura de placa ( são suficientes para isolar essas lajes. (ABRAPEX, 2006)

24 23 Para adotar cobertura em laje são analisados diferentes fatores como: acessibilidade, isolamento térmico, inércia térmica, ventilação, proteção do elemento estanque (material que impermeabiliza como: manta asfáltica e borracha líquida) e controle de difusão do vapor. Fica a cargo do projetista a escolha entre os fatores citados da melhor opção que acate as exigências construtivas e seja viável economicamente. Visando o conforto térmico juntamente com a economia de energia, dois tipos de lajes atendem essas exigências, conforme mostrado na Fig. 5 e Fig. 6: Figura 5 - Cobertura I Fonte: ABRAPEX(2006) Figura 6 - Cobertura II Fonte: ABRAPEX(2006) A figura 5 é uma cobertura com elemento isolante(material azul da ilustração) térmico, mas sem ventilação resultando em uma cobertura que não há o comportamento termohigrométrico, e sim a transmissão de calor. Já a figura 6 mostra a cobertura que possui

25 24 elemento isolante e ventilação controlando o comportamento termo-higrométrico e a transmissão de calor. Na implantação do projeto é preciso analisar a inclinação da cobertura, que geralmente está entre 1,5% e 3%, evitando empoçamento de água. Quando necessário colocar barreiras de vapor, o ideal é que estenda o processo à elevação nas bordas de cobertura. A densidade aparente do EPS tem que ser suficiente para resistir às cargas permanentes e móveis sem que haja deformação plástica, de acordo com o critério de cargas não ultrapassam 1/5 da solicitação e que provoca 10% de deformação prevista na norma NBR 8082 (1983). Os métodos mais comuns para isolar lajes impermeabilizadas, segundo recomendações da ABRAPEX (2006) são: Isolamento térmico sobre a impermeabilização (ISO nº6) (Fig. 7) onde as placas de EPS são fixadas com o próprio material de fixação impermeabilizante. Se este não contiver solventes orgânicos que venha dissolver o EPS, até asfalto de baixo ponto de fusão pode ser usado para fixar as placas. O procedimento é o seguinte: coloca-se um filme de poliéster sobre as placas e sobre este a proteção mecânica da argamassa, em lajes transitáveis é aplicado o contrapiso e em seguida é fixado o piso de acabamento, quando as lajes forem para o trânsito de veículos o contrapiso deve ser armado, deixando juntas de dilatação desde o contrapiso. Figura 7 - Isolamento térmico sobre a impermeabilização Fonte: ABRAPEX(2006)

26 25 Isolamento térmico sob a impermeabilização (ISO 5, 7, 8 e 9) (Fig. 8): nesse método é aplicada sobre a regularização da laje uma camada impermeável ao vapor de água, seguindo as especificações do isolamento anterior colam-se as placas de EPS, levando em consideração as limitações desse material às altas temperaturas e solventes orgânicos. Após a impermeabilização aplica-se a proteção mecânica ou o contrapiso indicado, para o acabamento final. Figura 8 - Isolamento térmico sob a impermeabilização Fonte: ABRAPEX(2006) Isolamento térmico de telhados com EPS Em climas como os do Brasil que possui frio intenso no sul, calor excessivo no verão tropical, é necessário a proteção da edificação atrás do isolamento térmico de telhados e paredes, visando o conforto ou a economia de energia. A cobertura é o maior responsável pelas trocas de calor nos edifícios de um ou dois pavimentos. Em edificações térreas, a superfície de exposição ao calor ou frio tem 70% de troca de calor pelo telhado, enquanto que nos sobrados a média é 50% sendo fundamental o isolamento térmico na cobertura (ABRAPEX, 2006). O EPS usado para o isolamento térmico de telhas pode ser fornecido em placas nas espessuras adequadas ou qualquer medida determinada pelo construtor. Esse

27 26 dimensionamento do isolante é calculado com base na irradiação e no aquecimento provocado pelo sol. Em climas quente úmido a necessidade de uma resistência térmica é aproximadamente 1,1. Considerando uma cobertura de telhas cerâmicas, a resistência térmica será aproximadamente 0,5364, que comparado-se com a resistência recomendada de 1,1 falta cerca de 0,5636, que será completada pelo isolante. O EPS adequado é da classe F - retardante às chamas, que de acordo com a norma NBR (2007) possui uma resistência térmica de 0,286 para cada centímetro de espessura. (ABRAPEX, 2006) O isolamento térmico de telhados pode ser realizado durante a construção ou até mesmo na recuperação de obras (reforma), tendo o primeiro caso mais facilidade na aplicação do EPS já que vai ser colocado juntamente com os outros materiais, enquanto que na reforma vai ter que se aplicado sob a cobertura já pronta. No isolamento térmico de telhados pode ser feito diretamente sob as telhas, nesse caso, há diferentes posições de acordo com o processo construtivo, tipo de telhas ou até para telhado já concluído. Segue-se algumas recomendações quanto ao uso do EPS no telhado: Telhado de fibrocimento (Fig. 9) As placas de EPS são colocadas em dimensões adequadas, acoplado com as telhas, sobre as terças metálicas ou entre elas, ajustadas para não deixar frestas. Usa-se como apoio fios de arame esticados transversalmente as terças e fixados nelas. Figura 9 - Telhado de fibrocimento Fonte: ABRAPEX(2006)

28 27 Telhado de telhas cerâmicas ou ardósia (Fig. 10) Colocar as placas de EPS com juntas verticais sobre os caibros, se possível com encaixes na horizontal que impeçam a penetração da água; sobre os caibros é anexado ripas como mata-juntas e sobre elas as ripas de apoio das telhas sem frestas. Figura 10 - Telha cerâmica Fonte: ABRAPEX(2006) Telhados já concluídos (Fig. 11) Sempre que a estrutura e o espaço interno permitir, deve-se aplicar as placas sob as telhas, fixando-as sob os caibros, pregando-se ripas como mata-juntas. Não havendo condições de fazê-lo pode-se sempre isolar sobre o forro, seja ele de laje, madeira ou gesso. Sua fixação pode ser feita com adesivos à base de água ou álcool.

29 28 Figura 11 - Telhado concluído Fonte: ABRAPEX(2006) Isolamento térmico de paredes externas Dentre as inúmeras qualidades e utilidades do EPS na construção civil, a mais eficiente é o isolamento de paredes externas, por suprir as pontes térmicas, reduzir os movimentos devido ao diferencial de temperatura na estrutura e acrescentar a inércia térmica, mantendo a temperatura interna da casa, além de ser hidrófobo, sua absorção de água é mínima. Existe o isolamento com placas de EPS classe F (retardante à chama) no qual as placas são fixadas na alvenaria. Sobre elas é aplicado uma tela de arame galvanizado tipo galinheiro, que recebera o acabamento com argamassa que deve ser pintada com tinta resistente a água (Fig. 12).

30 29 Figura 12 - Isolamento com revestimento de argamassa Fonte: ABRAPEX(2006) Em casos que deseja aplicar o EPS já com a parede construída, a reforma ocorre na parede interna (Fig. 13). O EPS é aplicado internamente no ambiente havendo perda da inércia térmica, mas o poliestireno expandido proporciona uma rápida adaptação de temperatura do ambiente. Nesse caso o acabamento é feito com placas de gesso acartonado, proporcionando uma obra seca, limpa e econômica ( ABRAPEX, 2006).

31 30 Figura 13 - Isolamento em ambiente interno Fonte: ABRAPEX(2006) Isolamento térmico para dutos de ar condicionado com EPS Os dutos de ar condicionado em chapas galvanizadas precisam ser isolados termicamente para manter a temperatura e umidade adequada do ar até a saída dos difusores, evitando ainda com esse isolamento a condensação do vapor d água na face externa, oriundo da diferença de temperatura dos ambientes. O isolante adequado para tal finalidade é o EPS classe F, devido as suas características já citadas anteriormente, conforme figura 14. São utilizadas placas de EPS com espessuras de, dependendo da posição do duto em relação ao edifício, onde a colocação deve ser bem ajustada sobre os dutos, sem espaços vazios e as juntas vedadas com asfalto frio. A proteção das arestas é feita por cantoneiras de chapa galvanizada, fixadas com fitas de plástico. (ABRAPEX, 2006)

32 31 Figura 14 - Isolamento em dutos de ar condicionado Fonte: ABRAPEX(2006) Isolamento térmico de tubulações e reservatórios Instalações industriais e instalações para ar condicionado têm necessidade de isolamento térmico nas tubulações e reservatórios de água gelada. As instalações residenciais de água quente, seja por aquecedores ou placas solares também necessitam também de isolamento térmico. A solução mais adequada é usar calhas de EPS nos tubos e placas ou segmentos nos reservatórios, onde o EPS pode ser usado com tranqüilidade de - Celsius. ( ABRAPEX, 2006) Isolamento térmico em câmaras frigoríficas Em grandes centros urbanos é essencial o uso de câmaras frigoríficas para suprir a necessidade do mercado interno e até externo. A construção destas câmaras frigoríficas exige bastante cuidado com a isolação térmica e impermeabilização, devendo-se usar materiais de boa qualidade e durável. O EPS tem se mostrado excelente para essa finalidade, devendo apenas tomar cuidado quanto à especificação do EPS dentro da NBR (1993). As câmaras podem ser fabricadas in loco que são construídas no local de maneira convencional, piso alvenaria e lajes de cobertura. É feito o isolamento com chapas de EPS de

Manual de Utilização EPS na Construção Civil 1

Manual de Utilização EPS na Construção Civil 1 Manual de Utilização EPS na Construção Civil 1 prefácio A PINI sente-se honrada por ter recebido da Abrapex Associação Brasileira do Poliestireno a missão de editar este Manual de Utilização do EPS na

Leia mais

Wagner Stocco. David Rodrigues

Wagner Stocco. David Rodrigues Ano 02 Adriana Petito de Almeida Silva Castro Wagner Stocco David Rodrigues n. 03 CONCRETO LEVE COM USO DE EPS p.44-49 Instituto de Engenharia Arquitetura e Design INSEAD Centro Universitário Nossa Senhora

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ISOPORTEC A ISOPORTEC é focada na produção de soluções em isopor de alta performance para a construção civil, valorizando produtos que fazem diferença nos projetos mais complexos.

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo.

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. 85.(STM/CESPE/2011) A taipa de mão é, tradicionalmente, fabricada por meio de processos artesanais ou com forte

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO

SISTEMA CONSTRUTIVO ISOCRET ESTRUTURA /REVESTIMENTO Sistema Construtivo Fabricado de acordo com a ISO 9002 Conforto as normas ASTM( EUA) e ABNT (Brasil). Comprovada em testes de desempenho realizados pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

O que é EPS? Classe F-L: 11,0 Kg/m 3 Material retardante à chama classe F Condutividade Térmica: λ do EPS: 0,028 kcal/h.m².ºc

O que é EPS? Classe F-L: 11,0 Kg/m 3 Material retardante à chama classe F Condutividade Térmica: λ do EPS: 0,028 kcal/h.m².ºc LAJES COM E.P.S. O que é EPS? O EPS (Poliestireno Expandido) é comumente chamado de Isopor. É um produto derivado do petróleo. A matéria-prima, poliestireno, sofre uma expansão de 20 a 50 vezes, resultando

Leia mais

Casa de steel frame - instalações (parte 4)

Casa de steel frame - instalações (parte 4) Página 1 de 6 Casa de steel frame - instalações (parte 4) As instalações elétricas e hidráulicas para edificações com sistema construtivo steel frame são as mesmas utilizadas em edificações convencionais

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

SOLUÇÃO PARA CONSTRUÇÃO

SOLUÇÃO PARA CONSTRUÇÃO MAIOR RAPIDEZ MAIS PRATICIDADE MAIOR RESISTÊNCIA MUITO MAIS ECONOMIA acabamento SUPER LISo SOLUÇÃO PARA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Aircrete PAINéIS INTERNOS AIRCRETE PAInéis divisórios A SOLUÇÃO INTELIGENTE

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 3)

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 3) CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 3) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

Sistemas de Impermeabilização

Sistemas de Impermeabilização Sistemas de Impermeabilização Projecto de Construção CET Seia Eng. Sá Neves Eng. Sá Neve Sistema invertido ou tradicional : Os sistemas em cobertura invertida são os mais aconselháveis devido a maior durabilidade

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

Construindo Soluções em EPS.

Construindo Soluções em EPS. Construindo Soluções em EPS. Agora sua obra pode ser inovadora, com muita segurança e por um custo menor. Índice Legendas 1 Isolantes Termofoam 11 Laje Fácil Isolantes Termofoam 3 Isolantes Placas de EPS

Leia mais

POLIESTIRENO EXPANDIDO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

POLIESTIRENO EXPANDIDO NA CONSTRUÇÃO CIVIL POLIESTIRENO EXPANDIDO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Claudio Gouvêa dos Santos 1 Luciana Boaventura Palhares 2 Raphael de Oliveira Duarte 3 Thiago Henrique Cardoso Gonçalves 3 Mariana de Melo Almeida Horta 3 Wagner

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montagem Paredes com estrutura metálica W11 Construção A paredes consistem de uma estrutura metálica revestida com uma mais s de gesso, aparafusadas de ambos os lados. A estrutura metálica

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES

IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES IMPERMEABILIZAÇÃO EM EDIFICAÇÕES Necessidade da impermeabilização Introdução a Impermeabilização Projeto de impermeabilização Execução de impermeabilização 1 - A NECESSIDADE DA IMPERMEABILIZAÇÃO Problemas

Leia mais

Execução de projetos com vista à impermeabilização

Execução de projetos com vista à impermeabilização Execução de projetos com vista à impermeabilização O arquiteto e o engenheiro, ao realizar um projeto para qualquer tipo de construção, devem preocupar-se com os problemas de impermeabilização já durante

Leia mais

Revestimentos térmicos acoplados a sistemas impermeabilizantes, subcoberturas e isolantes térmicos de alto desempenho. Produtos ideais para tornar

Revestimentos térmicos acoplados a sistemas impermeabilizantes, subcoberturas e isolantes térmicos de alto desempenho. Produtos ideais para tornar Divisão Nota As informações contidas nesta ficha são baseadas em nosso conhecimento para a sua ajuda e orientação. Salientamos que o desempenho dos nossos produtos depende das condições de preparo da superfície,

Leia mais

Placostil - Wall Paredes

Placostil - Wall Paredes 0 0 Placostil - Wall Paredes Conceitos Sistema Placostil Wall Paredes É um sistema de paredes de vedações internas constituídas por uma estrutura metálica de chapa de aço galvanizado, sobre a qual se aparafusam,

Leia mais

Características de Isolamento

Características de Isolamento CONSTRUÇÃO CIVIL - COBERTURAS E FECHAMENTOS Características de Isolamento EPS (poliestireno expandido) O EPS é um plástico celular rígido, resultante da expansão do estireno com o auxílio de vapor d água.

Leia mais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas de Manta de PVC Soluções completas para impermeabilização A MC-BAUCHEMIE apresenta ao mercado da construção um

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO

MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO MEMORIAL DESCRITIVO/TÉCNICO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Carmo de Minas. ENDEREÇO: Rua Luiz Gomes, nº. 150, Bairro: Centro, CEP: 37472-000. CNPJ: 18.188.243/0001-60. ENDEREÇO DA OBRA: Rua Euclides

Leia mais

CAPÍTULO IV - ALVENARIA

CAPÍTULO IV - ALVENARIA CAPÍTULO IV - ALVENARIA Alvenaria é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta de pedras naturais ou artificiais, ligadas ou não por argamassa. Segundo ZULIAN et al. (2002) também

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Características Densidade: 1,02 g/cm 3 Aparência: Cor preta Composição básica: emulsão asfáltica modificada com elastômeros

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

Portfólio de Produtos

Portfólio de Produtos www.isorecort.com.br Portfólio de Produtos Faça o download de um leitor de QR Code na loja virtual do seu celular ou tablet e baixe nosso catálogo. Qualidade em suas Diversas Formas Qualidade Quando o

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível,

São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que levaria à derrubada de árvores para utilizar a madeira como combustível, TIJOLOS ECOLÓGICOS Casa construída com tijolos ecológicos Fonte: paoeecologia.wordpress.com TIJOLOS ECOLÓGICOS CARACTERÍSTICAS São assim denominados pois não utilizam o processo de queima cerâmica que

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

Orientações para Instalação do SISTEMA C da AMF

Orientações para Instalação do SISTEMA C da AMF Orientações para Instalação do SISTEMA C da AMF O SISTEMA C é o tipo de sistema estrutural para forros removíveis mais utilizado no mundo, combinando rapidez e simplicidade na instalação com preço econômico.

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura intro isolantes cálculos exemplos e testes 2 introdução

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA 1 PRELIMINARES 1.1 Instalações do canteiro de obra vb 1,00 5.000,00 5.000,00 90,09 1.2 Placa de obra 2,00m x 3,00m, conforme orietações da administração vb 1,00 550,00 550,00 9,91 SUB TOTAL PRELIMINARES

Leia mais

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1 Vandoir Holtz 1 ARGAMASSA Classificação das argamassas: Segundo o emprego: Argamassas para assentamento de alvenarias. Argamassas para revestimentos; Argamassas para pisos; Argamassas para injeções. DOSAGEM

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

Manual do Impermabilizador

Manual do Impermabilizador Rev.05 Manual do Impermabilizador Esta especificação técnica tem por objetivo fornecer subsídios na metodologia adequada de impermeabilização com mantas asfálticas. Em cada caso, deverão ser analisadas

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

Coberturas duráveis, com galvanização

Coberturas duráveis, com galvanização Coberturas duráveis, com galvanização A Fifa definiu que a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, em 2014, deverá perseguir o que chamou de Green goals, ou seja, metas verdes, numa alusão à desejada sustentabilidade

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas. Prof. Guilherme Brigolini

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas. Prof. Guilherme Brigolini UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Prof. Guilherme Brigolini Impermeabilidade das construções Impedir a passagem indesejável água, fluído e vapores Pode conter

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água.

1.1 DEFINIÇÕES Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 1 Libânio M. Pinheiro; Cassiane D. Muzardo; Sandro P. Santos Março de 2004 INTRODUÇÃO Este é o capítulo inicial de um curso cujos objetivos são: os fundamentos do concreto;

Leia mais

PISOS ELEVADOS. Pisos Elevados

PISOS ELEVADOS. Pisos Elevados 1 Sistema de Piso Elevado DataFloor Durabilidade e flexibilidade Branco Mesclado O sistema de piso elevado DataFloor foi desenvolvido para proporcionar máxima flexibilidade no uso do espaço em ambientes

Leia mais

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança KNAUF SAFEBOARD HOMOLOGADO IRD-CNEN Nº 140312 Knauf Folheto Técnico 08 / 2014 Knauf Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança Estabilidade e blindagem de ambientes submetidos à radiação

Leia mais

Catálogo de Produtos 1

Catálogo de Produtos 1 Catálogo de Produtos 1 NOSSO PROPÓSITO é tornar a vida das pessoas mais confortável e segura mediante soluções construtivas de muita qualidade e nenhuma preocupação. 2 3 4 1 Empresa 1.1 Posicionamento

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto COBERTURAS Madeira Tirantes Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial Concreto Em telhas de barro/metálicas/fibrocimento Proteções: Em lajes Concreto Tijolos Domos, etc. Shed Terça Pestana

Leia mais

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02

RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE. Julho 2011 Revisão 02 RELATÓRIO TÉCNICO ORIENTATIVO PARA REVITALIZAÇÃO DOS CENTOS DE SAÚDE Julho 2011 Revisão 02 2 INTRODUÇÃO Os Centros de Saúde incluídos nesta categoria são unidades que foram construídas recentemente e que

Leia mais

Desde 1982 no mercado, a Redes Paulista sistema Dry-Wall, Forros e Divisórias comercializa e instala todos os tipos de divisórias.

Desde 1982 no mercado, a Redes Paulista sistema Dry-Wall, Forros e Divisórias comercializa e instala todos os tipos de divisórias. Somos pioneiros no segmento de Dry Wall, divisórias, forros, biombos, redes de proteção, construção, reformas, entre outros, desde 1982 e oferecemos a nossos clientes garantia, procedência e profissionalismo.

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

Situação errada: piso escorregadio

Situação errada: piso escorregadio A calçada deve ser construída a partir do meio-fio (guia) de concreto pré-moldado instalado pela Prefeitura ou pelo loteador, que faz parte do acabamento com 15cm de altura entre o passeio e a rua. Os

Leia mais

Aula 23: IMPERMEABILIZAÇÃO

Aula 23: IMPERMEABILIZAÇÃO PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Construção Civil PCC-2436 ecnologia da Construção de Edifícios II Aula 23:

Leia mais

Mantas de Isolamento termoacústico

Mantas de Isolamento termoacústico Espessura Manta 5 mm (400gr/m²) Manta 10 mm (500gr/m²) Manta Duto Manta 20 mm (700gr/m²) Capacidade de isolamento térmica elevada. Maior rendimento do ar condicionado. Cinta Duto metálico MANTA DUTO 03

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 1 Introdução 1.1. Motivação Na construção civil, os méritos de um determinado sistema construtivo são avaliados com base em fatores tais como: eficácia, resistência, durabilidade e funcionalidade. Nenhum

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL

REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL REINVENTANDO O ISOLAMENTO ACÚSTICO E SUSTENTÁVEL Reinventing how cork engages the world. A REINVENÇÃO DO CONFORTO E DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maximizando o conforto e a eficiência energética com ACOUSTICORK.

Leia mais

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém O PVC E O SISTEMA ROYAL É leve (1,4 g/cm3), o que facilita seu manuseio e aplicação; Resistente à ação de fungos, bactérias, insetos e roedores; Resistente à maioria dos reagentes químicos; Bom isolante

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

Em toda construção o natural é ter técnica.

Em toda construção o natural é ter técnica. Em toda construção o natural é ter técnica. A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras,

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF Fôrmas: A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo de paredes de concreto desde a década de 1970, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O SISTEMA

Leia mais

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto

Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Knauf Folheto Técnico 2008 Paredes Knauf Soluções que sustentam a qualidade do seu projeto Estabilidade, resistência a impactos, proteção termoacústica e outras características inovadoras que não dividem

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

Elementos de Escoamento

Elementos de Escoamento DISCIPLINA: TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO II PERÍODO: 6 PROFESSORA: DÉBORA CRISTINA ALMEIDA Elementos de Escoamento André Renato Augusto César Carlos Augusto Eduardo Felipe Ivano Heleno Vicente Neto Ytallo

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DA GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL AGG MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO: CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S. A. CERON OBRA: ENDEREÇO: REFORMA E ADEQUAÇÃO DE SALAS NO PRÉDIO DA UNIDADE DE NEGÓCIOS NORTE UNN, VISANDO A INSTALAÇÃO DO POSTO DE ENSAIO

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais