ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESPECIAL DE LAJE PRÉ-FABRICADA, PRÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESPECIAL DE LAJE PRÉ-FABRICADA, PRÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS"

Transcrição

1 ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESPECIAL DE LAJE PRÉ-FABRICADA, PRÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS ATA DA: 1ª REUNIÃO : 2009 DATA: INÍCIO: 10 h TÉRMINO: 13 h LOCAL: FIESP AV. Paulista, º Andar Auditório COORDENADOR: SECRETáARIO: José Bento Ferreira Alvaro Almeida 1 PARTICIPANTES 1.1 PRESENTES (P) Produtor (C) Consumidor (N) Neutro Entidade Representante Telefone Classe ABECE Marcos Monteiro (11) C ABILAJE José Otávio Rosolen (19) P ABNT/CB-18 Inês C. S. Battagin (11) P AcelorMittal José Luiz de M. Andrade (11) P ANAMACO Rubens Morel N. Reis (11) C ANFAT Sergio Navas (11) P ArcelorMittal David de Bellesteros (11) P CB-28 Alba Regina Franchini (21) N Cefet / MG José Celso da Cunha (31) N Cerâmica Tiago Faulim (15) P Faulim Coplas Erica Tonieti (11) P Coplas Ângelo Tonieti (11) P Coplas Claudio Acemel (11) P CSN Weber Reis (11) P CSN Rodrigo Gonçalves (24) P Amorim CSN Bruno Mendes Grillo (24) P SINAPROCIM José Carlos de O. Lima (11) P Gerdau Fábio de Assis Lack (21) P Gerdau Ana Carolina Ventura (11) P Gerdau Daniel Ribeiro Castro (11) P Gerdau Ricardo Marra Antunes (21) P L.A. Falcão Mauricio M. Resende (11) N Bauer Lajes Conart Paulo Ricardo Pavão (11) P Lajes Conart Nayra Gabriele Bueno (11) P Lajes Imperial Eraldo Riva Campelo (15) Lam. Satélite Paulo Mastro Pietro (11) P Lenc Marin Orlando O. Silva (11) N Mediterrânea Carlos Rinaldi (19) P Progress Tânia Amílcar (19) R.S.P.IND. Diego Almeida (11) C 1

2 COM. SEAE/MF Carmen Monteiro (21) N SINAPROCIM Daniel de Luccas (11) P SINPROCIM Anderson A. Oliveira (11) P SINPROCIMEN Mario Renato G. Azevedo (62) P TO Treliara Paulo Eduardo Sanches (16) P Araraquara Treliças Faulim Aguinaldo Faulim (15) P Treliças Faulim Rosiman Souza Fernandes (15) P UNIFESP José Bento Ferreira (12) N Votoraço Camila Christiani dos Santos (24) P 1.2 AUSENTES JUSTIFICADOS Nada Consta 2 EXPEDIENTE 2.1 O Eng. Anderson Augusto de Oliveira atuou com secretário (AD-HOC) 2.2 Leitura e aprovação da ata anterior com as seguintes correções: Onde se lê: Na frase:... definição dos diâmetros mínimos dos fios da armadura treliçada em função da sua altura. Para TR 6 a composição sugerida foi ABNT NBR Leia-se:... definição dos diâmetros mínimos dos fios da armadura treliçada em função da sua altura. Para TR 6 a composição sugerida foi TR Onde se lê: Acrescentou ainda que não haja motivos para estabelecer-se que a uma peça com TR 6 deva ter o mesmo desempenho de outra com TR 8... Leia-se: Acrescentou ainda que não há motivos para estabelecer-se que uma peça com TR 6 deva ter o mesmo desempenho de outra com TR 8. Onde se lê: O Sr. Daniel (SINAPROCIM) pediu a apresentação do Sr. Itamar (ILTRUK) fosse projetada. Leia-se: O Sr. Daniel (SINAPROCIM) pediu que a apresentação do Sr. Itamar (ILTRUK) fosse projetada. Onde se lê: comparativo de custo e histórico de obras realizadas. Proposta para inserção da TR 6. Leia-se: comparativo de custo e histórico de obras realizadas e proposta para inserção da TR 6. 3 ASSUNTOS TRATADOS 3.1 O Prof. José Bento (Coordenador) deu inicio a reunião informando que seria necessário conforme determinado pela ABNT, realizar a eleição do coordenador. 3.2 A comissão por unanimidade reconduziu o Prof. Bento à coordenação dos trabalhos. 3.3 O Sr. Mario Renato (Sinprocimento) ressaltou que a ata da reunião chegou na semana da reunião, e solicitou que a mesma fosse enviada com no mínimo duas semanas de antecedência. 3.4 O Prof. Bento (coordenador) pediu desculpas pelo transtorno e informou que o Sr. Alvaro (ABNT) teve um problema com suas anotações e foi auxiliado pelos membros da comissão para elaborar a ata. 2

3 3.5 APRESENTAÇÃO DE ESTUDO DE LAJES PRÉ-FABRICADAS Seguindo a ordem do dia, foi apresentado pelos Sr. Anderson (SINPROCIM) e Sr. Daniel (SINAPROCIM), um estudo sobre a utilização de TR 6 em lajes pré-fabricadas O Sr. Anderson (SINPROCIM) iniciou a apresentação informando que a utilização de TR 6 ocorre desde o inicio da década e ressaltou que esse produto visa competir com a lajes maciças de pequena espessura moldadas in loco Foi destacado que esse produto é aplicado, sobretudo em habitações de interesse social (CDHU, Casa 1.0, Habitasampa, entre outros), além de empreendimentos voltados a classe média, que possuem vãos relativamente pequenos, em torno de 4,00m Foram apresentados fotos de aplicação e projetos habitacionais da CDHU e Programa de Urbanização de Favelas da PMSP, onde reforça a necessidade de pequenos vãos O Sr. Daniel (SINAPROCIM), dando continuidade apresentou um estudo de verificação do comportamento de pré-lajes com diferentes tipos de armaduras treliçadas O estudo tem o objetivo de analisar o comportamento de uma laje pré-moldada em suas várias etapas, desde a fabricação até a utilização. Para isso foram construídos 6 módulos em escala 1:1 com dimensões de 3,74 x 4,54 m para simular um ambiente comum em habitações conforme item desta ata Os materiais empregados nestes módulos foram de qualidade e a mão-de-obra de formandos do curso de pedreiro da Escola Senai As composições das armaduras treliçadas adotadas foram: TR 6634, TR 6644, TR 6744, TR 7744, TR 8634 e TR No estudo foram utilizadas pré-lajes treliçadas maciças PT-M10 (3+7) - sendo as peças produzidas com diferentes espaçadores plásticos para cobrimentos de 1,0, 1,5 e 2,0 cm. Os diferentes cobrimentos adotados foram necessários para atender a uma laje de 10 cm de espessura, para as diferentes alturas de armaduras treliçadas Foram apresentadas fotos do processo de fabricação das peças e montagem dos módulos O espaçamento entre as linhas de escora de madeira foi de aproximadamente 1,20 m Foi realizado ensaio para verificar a deformação das lajes no momento da concretagem (CARGA DE TRABALHO). Os ensaios ficaram a cargo do L.A Falcão Bauer, na oportunidade representada pelo Sr. Mauricio Marques (L.A. Falcão Bauer), que apresentou os resultados a comissão Os resultados foram obtidos através da diferença de leituras inicial (antes da concretagem) e final (após a concretagem) Nos três primeiros módulos foram instalados relógios comparadores em 3 pontos (R1, R2 e R3) centrais da laje, conforme esquema abaixo: 3

4 Nos três outros módulos foram instalados relógios comparadores em 5 pontos (R1, R2, R3, R4 e R5), sendo R4 e R5 próximos aos apoios alinhados com R3, conforme esquema abaixo: O Sr. Daniel (SINAPROCIM), apresentou um comparativo de custo entre TR 6634 e TR 6745 demonstrando que a adoção da TR 6745 implicará em um encarecimento do produto em cerca de 20 % Conclusões do trabalho - A utilização da TR 6634 é tecnicamente viável, respeitando suas limitações; - Não é possível fornecer lajes treliçadas maciças para altura acabada de 10 cm, respeitando o cobrimento mínimo vigente nas ABNT NBR 9062 e 6118,, sem que se utilize TR6; - A utilização de TR 6 é uma realidade, havendo necessidade de que o produto tenha requisitos definidos e amparados em normas técnicas. 3.6 COMENTÁRIOS E ANÁLISES DA COMISSÃO SOBRE A APRESENTAÇÃO O Sr. Marra (Gerdau) destacou sua preocupação quando se diz que a norma não tem caráter de fiscalização e ressaltou que é importante perceber que a norma tem um papel orientativo e que é a preocupação dele nos trabalhos junto com a ABNT. Destacou também que não se deve estabelecer em norma um produto que possa apresentar algum tipo de risco á segurança do usuário O Prof. Bento (Coordenador) esclareceu ao Sr. Marra (Gerdau) que esse assunto já é bem discutido pela comissão desde que ela foi formada e que deve-se garantir através da norma que o produto em estudo possa ser fiscalizado, isto é, a norma é um instrumento de fiscalização, não sendo papel da comissão fiscalizar. Para isso é necessário se preocupar com o atendimento às condições técnicas, como serão feitas e como serão controladas no mercado não é nossa função. 4

5 O Nosso objetivo não é introduzir no mercado um produto que induz ao erro ou mau uso, mas não podemos ser introspectivos ao achar novos produtos causarão problemas. A revisão da norma é exatamente para criar mecanismos técnicos de controle dos produtos Foi questionado se na obra apresentada com estrutura metálica (fotos da apresentação) houve algum indicio de comportamento fora do esperado ou alguma patologia. O Sr. Daniel (SINAPROCIM), informou que não tinha conhecimento de nenhum problema na obra citada e que ela foi concluída a mais 4 anos. O Sr. José Otávio Rosolen (Abilaje) complementou que acompanhou a execução dessa obra até a sua finalização e que não constatou problemas durante esse período. Foi sugerido visitar uma das obras apresentadas com cerca de 5 anos de utilização, para verificar seu comportamento atual A Sra. Ana (Gerdau) questionou qual o espaçamento entre linhas de escora adotado no ensaio. O Sr. Daniel informou que foi adotado 1,20m por se tratar de uma medida usual em obras O Prof. Celso (CEFET) questionou o motivo da deformação acusada pelo relógio R5 do módulo 6644, que ficou acima das demais leituras apresentadas para a mesma posição. O Sr. Daniel (SINAPROCIM) informou que um dos motivos para que isto tenha ocorrido é o fato das pré-lajes serem apoiadas diretamente nos blocos e o mesmo não tinha bom nivelamento. O Sr. Daniel (SINAPROCIM), ficou de verificar no local qual a situação do apoio após a concretagem O Prof. Celso (CEFET) questionou o seguinte: qual a idade de fabricação das pré-lajes no dia da concretagem?. Foi informado que as peças haviam sido fabricadas há cerca de 2 semanas O Sr. Andrade (Arcelor) questionou se haveria algum motivo especifico para os relógios R4 e R5 terem sido instalados somente em 3 módulos. Foi então esclarecido que a concretagem dos módulos foram feitas em duas fases (manhã e tarde) e que por sugestão do Prof. Bento a instalação dos relógios R4 e R5 se deu na parte da tarde, por isso a ausência de resultados nos módulos moldados na parte da manhã O Sr. Daniel (SINAPROCIM) explicou que uma laje de 10 cm com TR8 não atende ao cobrimento mínimo exigido pelas ABNT NBR 6118 e 9062, ao passo que a TR6 permite a execução com cobrimento de até 2,0 cm e reforçou que a proposta de inclusão da TR6 na norma é abranger a utilização em laje pré-moldadas maciças e não nas lajes nervuradas com elementos de enchimento. Destacou também que objetivo foi comparar o desempenho entre TR6, TR7 e TR8 para a mesma situação de carregamento, constatando assim que não foi observada diferença de comportamento significativa entre as treliças sob carga de trabalho, que é o foco do estudo O Sr. Andrade (ACELORMITTAL) expressou a preocupação de que a inclusão da TR6 na norma poderia favorecer o mau uso, baseando-se na pesquisa do IBOPE na qual foi apresentado que a maioria dos consumidores de laje treliçada não são técnicos O Sr José Carlos (SINAPROCIM) relatou que em conversa com o novo presidente do CREA-SP foi discutida a idéia da criação de um convênio para fiscalização, cabendo a entidade o papel de fiscalizador e não a CE. Ressaltou também que é dever da comissão criar uma norma em condições de ser uma ferramenta de fiscalização O Sr. Carlos Rinaldi (Mediterrânea) comentou que a TR6 é viável e utilizar a laje treliçada no lugar da laje moldada in loco é uma forma de incentivar as obras populares a utilizarem lajes e se esse produto não for normatizado ele continuará a ser usado da mesma forma O Sr Campelo (Imperial) comentou que a preocupação de alguns membros da comissão com o mau uso generalizado da TR 6 não é representativo se for considerado que para fabricantes de lajes esse seria um produto a mais para ter no seu estoque, além disso, o peso de uma treliça TR 6 comparada ao peso por metro linear de uma treliça TR8 de mesma composição é insignificante. 5

6 Prof. Bento (Coordenador) expressou sua preocupação em não contemplar a TR6 na norma uma vez que, conforme apresentado pelo SINAPROCIM/SINPROCIM, sua aplicação é uma realidade desde o início da década e sendo ela tecnicamente viável não se pode ignorá-la Sr José Carlos (SINAPROCIM) relatou sua experiência na Europa, informando que os fabricantes de lajes possuem equipamentos próprios para fabricar armaduras treliçadas e produzem conforme a necessidade do cliente e destacou que tanto as normas européias quanto as brasileiras contemplam a possibilidade de produção de outros produtos desde que tenham acordo comercial entre as partes interessadas. Informou aos presentes que as entidades (Sinaprocim e Sinprocim) representam aproximadamente 7 mil indústrias no Brasil e que, portanto tem o dever de buscar a isonomia competitiva para essas indústrias Quanto aos testes realizados, lembrou aos presentes que a armadura treliçada atua somente na carga de trabalho, pois na fase da laje consolidada a armadura não é e não deve ser considerada, reforçou ainda que as discussões até o momento devam ser somente no momento da concretagem (carga de trabalho).outras discussões devem ser tratadas no momento da revisão das outras normas relacionadas O Sr Rosolen (ABILAJE) comentou que a maior parte dos sinistros com lajes pré-fabricadas se dá com grandes vãos o que não é o caso O Prof. Bento (Coordenador) relatou sua experiência com perícias em lajes treliçadas na qual a ocorrência de sinistros acontece sobretudo em grandes vãos devido ao escoramento mal executado A Sra. Inês (ABNT/CB-18) comentou que usualmente as normas são elaboradas após o produto já estar disseminado e aceito pelo mercado, destacando ainda que se o produto não é bom ele acaba caindo em desuso O Prof. Celso (CEFET) expressou sua preocupação com relação aos valores das deformações apresentados questionando quais os limites de aceitação a serem considerados e afirmando que os valores não estavam bons O Prof. Bento (Coordenador) informou que serão realizados ensaios no laboratório do SENAI-SP para comparar com os resultados obtidos no estudo, lembrando que para esta situação a norma a ser considerada é a ABNT NBR Avaliação do desempenho de vigotas sob carga de trabalho destacando que ainda não era possível dizer se os valores apresentados eram bons ou ruins A Sra. Ana (GERDAU) reforçou que a inclusão de uma nova altura de treliça poderá trazer danos ao consumidor pela falta de responsáveis técnicos nas fabricas de lajes O Prof. Bento (Coordenador) esclareceu que a comissão não está inserindo um produto novo, pois o mesmo já existe a tempos, o que está sendo feito é regulamentá-lo, pois ignorá-lo seria uma irresponsabilidade da comissão de estudos A Sra. Inês (ABNT/CB-18) informou que as comissões de estudo são responsáveis por aquilo que elas produzem, e elas podem responder legalmente por isso Em função das importantes deliberações e da responsabilidade da comissão de estudos o Sr. José Carlos (SINAPROCIM), questionou se alguns dos membros presentes eram contra a gravação da reunião. A gravação tem o objetivo de se obter uma ata mais detalhada, rica de informações e não apenas suas decisões. Informou também que todas as reuniões em que participa na FIESP são gravadas, pois demonstra clareza e transparência (três) dos 38 (trinta e oito) membros presentes se manifestaram contra a gravação. 6

7 O Prof. Bento (Coordenador) informou que a questão levantada já foi tema de discussão em outra reunião e que na oportunidade decidiu-se pela não gravação Ficou decidido que a inclusão da TR 6 é caso resolvido e que as próximas deliberações ficarão para definir suas limitações. 4 OUTROS ASSUNTOS 4.1 O Sr. Andrade (ACELORMITTAL) questionou se a presente reunião estaria sendo gravada e após verificar-se junto ao técnico de som da FIESP, conformou-se a gravação. 4.2 A Sra. Alba (ABNT/CB-28) de forma incisiva destacou que está gravação seria intencional e que levaria esse assunto para a ABNT para mudar o local da reunião. 4.3 O Sr. Anderson (SINPROCIM) informou aos presentes que não houve qualquer tipo de intenção e sim uma falha de comunicação de sua parte com a equipe de som da FIESP, ressaltando que todas as reuniões realizadas naquela sala tem como procedimento padrão serem gravadas, caso não seja necessário gravar é necessário avisá-los com antecedência. 4.4 Ficou decidido que a gravação da reunião seria excluída pelo técnico de som da Fiesp. A exclusão foi acompanhada pelos Srs. Andrade (ACELORMITTAL), Anderson (SINPROCIM) e Sra. Alba (ABNT/CB-28). 4.5 Devido ao fato ocorrido decidiu-se que a realização da próxima reunião será em outra sala de reunião da FIESP, que não possua sistema de gravação instalada. 5 PRÓXIMA REUNIÃO: - Data: 29/04/ Horário: 09h30min às 13h00min - Local: Fiesp Av. Paulista, º andar ORDEM DO DIA: - Apresentação dos resultados do ensaio no Senai - Definição de saliência superior - Continuidade dos trabalhos 7

ATA ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESPECIAL DE LAJE PRÉ-FABRICADA, PRÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS

ATA ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESPECIAL DE LAJE PRÉ-FABRICADA, PRÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESPECIAL DE LAJE PRÉ-FABRICADA, PRÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS ATA ATA DA: 3ª REUNIÃO: 2010 DATA: 28.04.2010 INÍCIO: 10h00 TÉRMINO: 12h30 LOCAL: ABNT

Leia mais

Entidade Representante Classe

Entidade Representante Classe ATA ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESPECIAL DE LAJE PRÉ-FABRICADA, PRÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS ATA DA: 4ª REUNIÃO: 2011 DATA: 25.05.2011 INÍCIO: 09h30 TÉRMINO: 12h30 LOCAL: ABNT

Leia mais

1 PARTICIPANTES 1.1 PRESENTES. Entidade Representante Classe 1.2 AUSENTES JUSTIFICADOS. Não houve. (P) Produtor (C) Consumidor (N) Neutro

1 PARTICIPANTES 1.1 PRESENTES. Entidade Representante Classe 1.2 AUSENTES JUSTIFICADOS. Não houve. (P) Produtor (C) Consumidor (N) Neutro ATA ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESPECIAL DE LAJE PRÉ-FABRICADA, PRÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS ATA DA: 5ª REUNIÃO: 2010 DATA: 30.06.2010 INÍCIO: 10:00 TÉRMINO: 12:30 LOCAL: ABNT

Leia mais

ATA ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESPECIAL DE LAJE PRÉ-FABRICADA, PRÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS

ATA ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESPECIAL DE LAJE PRÉ-FABRICADA, PRÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESPECIAL DE LAJE PRÉ-FABRICADA, PRÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS ATA ATA DA: 5ª REUNIÃO: 2009 DATA: 02.09.2009 INÍCIO: 10 h TÉRMINO: 12:30 h LOCAL: FIESP

Leia mais

Entidade Gestora Técnica

Entidade Gestora Técnica 1 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE LAJES Av. Paulista, 1313 10º andar Conj. 1070 01311-923 São Paulo SP Tel.: (11) 3149-4051 Fax: (11) 3149-4049 www.abilaje.com.br abilaje@terra.com.br Entidade Gestora

Leia mais

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço

Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados em aço Contribuição técnica nº 2: Análise comparativa de soluções de laje para edifícios estruturados Autores: Eng. M.Sc. Ygor Dias da Costa Lima Prof. Dr. Alex Sander C. de Souza Contato: alex@ufscar.br 1 Análise

Leia mais

Aços Longos. Soluções Lajes

Aços Longos. Soluções Lajes Aços Longos Soluções Lajes Soluções Lajes Dentre os desafios da engenharia civil, o sistema construtivo de lajes deve atender à eficiência estrutural, visando a soluções seguras, economicamente viáveis

Leia mais

Entidade Representante Classe

Entidade Representante Classe ATA ABNT/CEE 94 COMISSÃO DE ESTUDO ESECIAL DE LAJE RÉ-FABRICADA, RÉ-LAJE E DE ARMADURAS TRELIÇADAS ELETROSSOLDADAS ATA DA: 3ª REUNIÃO: 2011 DATA: 27.04.2011 INÍCIO: 09h30 TÉRMINO: 12h30 LOCAL: ABC Av.

Leia mais

Entidade Gestora Técnica

Entidade Gestora Técnica 1 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE LAJES Av. Paulista, 1313 10º andar Conj. 1070 01311-923 São Paulo SP Tel.: (11) 3149-4051 Fax: (11) 3149-4049 www.abilaje.com.br abilaje@terra.com.br Entidade Gestora

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Prof. LIA LORENA PIMENTEL LAJES LAJES Serão o piso ou a cobertura dos pavimentos. As lajes poderão ser: Maciças - moldadas in loco, economicamente viável para h 15 cm. Nervurada

Leia mais

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho

Erro! Fonte de referência não encontrada. - Laje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Erro! Fonte de referência não encontrada. - aje pré-fabricada Avaliação do desempenho de vigotas e pré-lajes sob carga de trabalho Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Foro Nacional

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

RELATORIO DE ENSAIO ECC/149.701/08 TELA DE PROTEÇÃO CONTRA-QUEDAS ENSAIOS DIVERSOS. Rua 14, 1126 - Centro 14620-000 Orlândia SP.

RELATORIO DE ENSAIO ECC/149.701/08 TELA DE PROTEÇÃO CONTRA-QUEDAS ENSAIOS DIVERSOS. Rua 14, 1126 - Centro 14620-000 Orlândia SP. Fl.: 1/7 RELATORIO DE ENSAIO ECC/149.701/08 TELA DE PROTEÇÃO CONTRA-QUEDAS ENSAIOS DIVERSOS Interessado: MORLAN S/A. Rua 14, 1126 - Centro 14620-000 Orlândia SP. (38.187) 1. MATERIAL ENSAIADO: Tela de

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para

Leia mais

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS Data: 26 de novembro de 2012 Local: Auditório Rebouças - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Geólogo Fábio Augusto Gomes

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO.

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. Flávia Previatto Baldini; Anderson Mendes de Oliveira; José Leonel Alves dos Santos. Sika Química Ltda. Rodovia Marechal Rondon,

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA

PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA ECC 1008 ESTRUTURAS DE CONCRETO PRÉ-DIMENSIONAMENTO DA ESTRUTURA (Aulas 9-12) Prof. Gerson Moacyr Sisniegas Alva Algumas perguntas para reflexão... É possível obter esforços (dimensionamento) sem conhecer

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas.

Esta Norma fixa os requisitos para especificação, fabricação, fornecimento e recebimento de armaduras treliçadas eletrossoldadas. NBR 14862 - MAIO 2002 - Armaduras treliçadas eletrossoldadas - Requisitos Origem: Projeto 18:314.01-004:2001 ABNT/CB-18 - Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados CE-18:314.01 - Comissão de Estudo

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje.

MANUAL DE COLOCAÇÃO. Laje Treliça. Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. MANUAL DE COLOCAÇÃO Laje Treliça Resumo Esse material tem como objetivo auxiliar no dimensionamento, montagem e concretagem da laje. Henrique. [Endereço de email] 1 VANTAGENS LAJE TRELIÇA É capaz de vencer

Leia mais

PRODUTOS PARA CONsTRUçãO CIVIL E MECÂNICA

PRODUTOS PARA CONsTRUçãO CIVIL E MECÂNICA PRODUTOS PARA CONsTRUçãO CIVIL E MECÂNICA VOTORAÇO VS 50 Construção Civil Principais características dimensionais e de propriedades mecânicas do produto, conforme a ABNT NBR 7480. Especificação Diâmetro

Leia mais

3. PROCESSO PRODUTIVO, TRANSPORTE,

3. PROCESSO PRODUTIVO, TRANSPORTE, 3. PROCESSO PRODUTIVO, TRANSPORTE, MONTAGEM E CONCRETAGEM CAPÍTULO 3 3.1. O PROCESSO PRODUTIVO DAS VIGOTAS TRELIÇADAS O processo produtivo de lajes formadas por vigotas treliçadas é considerado relativamente

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS Soluções estruturais e arquitetônicas em aço, traduzidas em estética, conforto, segurança e versatilidade. Catálogo destinado ao pré-lançamento do produto.

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 06. LAJE Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP LAJE As lajes são estruturas destinadas a servirem de cobertura, forro ou piso para uma edificação.

Leia mais

São José dos Campos, Brasil, 19 de novembro de 2015 Fernando Nunes Frota

São José dos Campos, Brasil, 19 de novembro de 2015 Fernando Nunes Frota INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO São José dos Campos, Brasil, 19 de novembro de 2015 Fernando Nunes Frota FOLHA

Leia mais

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos A nova versão da ISO 9001:2015 - Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos Criada pela International Organization for Standardization (ISO), a ISO 9001 é uma série de normas sobre gestão da qualidade

Leia mais

LAJES EM CONCRETO ARMADO

LAJES EM CONCRETO ARMADO LAJES EM CONCRETO ARMADO CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas, que são armaduras pré-fabricadas soldadas em todos os pontos de cruzamento, apresentam inúmeras aplicações na construção civil, destacando-se

Leia mais

SÚMULA DA 85ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 85ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 19 de maio de 2015 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. Indl. Mec. e Seg. Trab. Elio Lopes

Leia mais

Reunião para discussão de Currículo 2007 - Segunda sessão Ata de reunião

Reunião para discussão de Currículo 2007 - Segunda sessão Ata de reunião Reunião para discussão de Currículo 2007 - Segunda sessão Ata de reunião Data: 07 de julho de 2006. Horário: 14:00-15:55. Docentes presentes: Anderson, Flávio (Coordenador de Graduação), Paulo Ivo, Vertamatti

Leia mais

Aquário do Pantanal Campo Grande -MS. Concreto autoadensável x concreto convencional. Sandra Regina Bertocini

Aquário do Pantanal Campo Grande -MS. Concreto autoadensável x concreto convencional. Sandra Regina Bertocini Aquário do Pantanal Campo Grande -MS Concreto autoadensável x concreto convencional Sandra Regina Bertocini PROBLEMA!!! Teste SIMULAR AS QUATRO VIGAS Teste Mudanças Para as vigas foi utilizado Concreto

Leia mais

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho

A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Paredes de Concreto: Cálculo para Construções Econômicas A importância do projeto de paredes de concreto para os projetistas estruturais Arnoldo Augusto Wendler Filho Sistema Construtivo Sistema Construtivo

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rafael Menezes Albuquerque São José dos Campos Novembro2005 Relatório de Estágio

Leia mais

CE-18:406.04 Comissão de Estudos de Argamassa Colante

CE-18:406.04 Comissão de Estudos de Argamassa Colante CE-18:406.04 Comissão de Estudos de Argamassa Colante ATA DA REUNIÃO DATA: 25/03/2010 INÍCIO: 9h TÉRMINO: 13h LOCAL: ABCP COORDENADOR: Anderson Oliveira SINAPROCIM SECRETÁRIO: Marcelo Gustavo Martins -

Leia mais

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil

Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO ANALISANDO A RIGIDEZ DO ENGASTAMENTO ENTRE VIGAS E PILARES E UTILIZANDO

Leia mais

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil.

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Ata de Reunião 1. IDENTIFICAÇÃO DA REUNIÃO Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Líder da Reunião: Regina Silvério Telefones: (61) 3426-0785 Ordem do dia: Reunião

Leia mais

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONSTRUÇÃO CIVIL OSASCO 2012 2 ADEMILSO PINTO BRUNO TEIXEIRA DOCE USO DO AÇO NA CONTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30

1.1 Conceitos fundamentais... 19 1.2 Vantagens e desvantagens do concreto armado... 21. 1.6.1 Concreto fresco...30 Sumário Prefácio à quarta edição... 13 Prefácio à segunda edição... 15 Prefácio à primeira edição... 17 Capítulo 1 Introdução ao estudo das estruturas de concreto armado... 19 1.1 Conceitos fundamentais...

Leia mais

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CONDEIXA-A-NOVA ACTA Nº 2/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 2009/04/27

ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CONDEIXA-A-NOVA ACTA Nº 2/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 2009/04/27 ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CONDEIXA-A-NOVA ACTA Nº 2/2009 REUNIÃO ORDINÁRIA DE 2009/04/27 mod. EXP 14.1 Aos vinte e sete dias do mês de Abril do ano de dois mil e nove, reuniu no Salão Nobre dos Paços do

Leia mais

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL AÇO PARA CONSTRUÇÃO CIVIL GG 50 O VERGALHÃO QUE ESTÁ POR DENTRO DAS MELHORES OBRAS VERGALHÃO GERDAU GG 50 Para o seu projeto sair do papel com segurança e qualidade, use o Vergalhão Gerdau GG 50. Produzido

Leia mais

Projeto: CLUBE DA MATEMÁTICA 1

Projeto: CLUBE DA MATEMÁTICA 1 ESCOLA ESTADUAL DE GUARAITUBA ENSINO FUNDAMENTAL Rua Carlos Alberto Dugonski, 76. Jardim Viviane. Colombo. Paraná. Tel./Fax: (41) 3666 33 35 /e-mail: guaraituba-colombo@netescola.pr.gov.br Projeto: CLUBE

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Anne Caroline Paim Baldoni Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho,

Leia mais

MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO

MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO MÁXIME CONSULTORIA E ENGENHARIA LTDA PORTFÓLIO PORTFÓLIO Prefácio A Máxime Consultoria e Engenharia foi fundada em 2004 pelos engenheiros e mestres em construção civil pela POLI/USP, Maurício Marques Resende

Leia mais

SÚMULA DA 68ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 68ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 26 de novembro de 2013 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. civil, eng. oper. mec. máq.

Leia mais

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade

Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Realização: Controle de execução de estruturas de concreto para assegurar o desempenho estrutural com foco na segurança e durabilidade Ricardo Leopoldo e Silva França PALESTRA do Gogó da Ema! Quatro apresentações,

Leia mais

O www.romanio.com.br

O www.romanio.com.br O www.romanio.com.br VANTAGENS Dispensa usos de compensados Simplifica armação Otimiza vãos de maior envergadura Racionaliza a construção de lajes nervuradas Nervuras tecnicamente dimensionadas, de modo

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Rodrigo Ferreira de Oliveira

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Rodrigo Ferreira de Oliveira Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rodrigo Ferreira de Oliveira São José dos Campos. Novembro 2005 Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

Considerando-se a necessidade de uma discussão a respeito de uma norma

Considerando-se a necessidade de uma discussão a respeito de uma norma 685. 68 João Eduardo Di Pietro é engenheiro civil (1980), mestre (1993) e doutor (2000) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFSC.

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA PRESIDÊNCIA - DEPUTADO MAJOR ARAUJO

ESTADO DE GOIÁS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA PRESIDÊNCIA - DEPUTADO MAJOR ARAUJO Ata da Audiência Pública sobre a anulação dos concursos da Polícia Militar e da Polícia Civil Por iniciativa do Deputado Estadual Major Araújo, presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia

Leia mais

CE-18:406.04 Comissão de Estudos de Argamassa Colante

CE-18:406.04 Comissão de Estudos de Argamassa Colante CE-18:406.04 Comissão de Estudos de Argamassa Colante ATA DA REUNIÃO DATA: 21/07/2011 INÍCIO: 10h TÉRMINO: 13h LOCAL: ABCP COORDENADOR: Anderson Oliveira SINAPROCIM SECRETÁRIO: Marcelo Gustavo Martins

Leia mais

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56

COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO CNPJ/MF nº 47.508.411/0001-56 ATA DE REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, REALIZADA EM 28 DE FEVEREIRO 2003 Aos vinte e oito dias do mês de fevereiro

Leia mais

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA

5 - FORROS 5.1 - FORRO DE MADEIRA 5 - FORROS APÓS ESTUDAR ESTE CAPÍTULO; VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE: Escolher o tipo de forro ideal para a sua edificação; Executar corretamente os apoios das lajes pré-fabricadas; Especificar corretamente

Leia mais

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto

Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto Recomendações para Elaboração de Projetos Estruturais de Edifícios de Concreto INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objetivo fornecer aos projetistas e contratantes, recomendações básicas e orientações

Leia mais

ATA DA 1ª REUNIÃO DO FORUM TÉCNICO DO PROGRAMA ARPA EM 2014. Realizada no dia 30 de abril de 2014

ATA DA 1ª REUNIÃO DO FORUM TÉCNICO DO PROGRAMA ARPA EM 2014. Realizada no dia 30 de abril de 2014 ATA DA 1ª REUNIÃO DO FORUM TÉCNICO DO PROGRAMA ARPA EM 2014 Realizada no dia 30 de abril de 2014 Em trinta de abril de 2014, das 9:40h às 17:30h, em conformidade com a convocação eletrônica previamente

Leia mais

Reunião do Conselho Deliberativo da ABGE - Gestão 2014/2015 Data: 15/04/2014 - Horário: 16h00 - Local: Sede da ABGE

Reunião do Conselho Deliberativo da ABGE - Gestão 2014/2015 Data: 15/04/2014 - Horário: 16h00 - Local: Sede da ABGE Reunião do Conselho Deliberativo da ABGE - Gestão 2014/2015 Data: 15/04/2014 - Horário: 16h00 - Local: Sede da ABGE Presentes: Adalberto, Bartorelli, Eduardo, Francisco N. Jorge, João Jerônimo, Kátia,

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Disciplina: Materiais de Construção I Assunto: Concreto II Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br A trabalhabilidade é influenciada pela consistência e pela coesão. As principais

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel ATA DE REUNIÃO Evento: Local: 2ª Reunião do Comitê Intersetorial de Políticas Públicas para a Juventude CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel Data: 20 de fevereiro de 2013 Horário: 15h00min Nesta

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/235.585/12 ESPUMA EXPANSIVA PARA FIXAÇÃO DE PORTAS DE MADEIRA ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/235.585/12 ESPUMA EXPANSIVA PARA FIXAÇÃO DE PORTAS DE MADEIRA ENSAIOS DIVERSOS Pág.: 1/5 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº CCC/235.585/12 ESPUMA EXPANSIVA PARA FIXAÇÃO DE PORTAS DE MADEIRA ENSAIOS DIVERSOS INTERESSADO: ULTRALUB QUIMICA LTDA. Estrada dos Crisantemos, 155 Jardim Flórida. 06407-120

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin.

Resumidamente, vamos apresentar o que cada item influenciou no cálculo do PumaWin. Software PumaWin principais alterações O Software PumaWin está na versão 8.2, as principais mudanças que ocorreram ao longo do tempo estão relacionadas a inclusão de novos recursos ou ferramentas, correção

Leia mais

Produtos de Aço para Indústria e Construção Civil

Produtos de Aço para Indústria e Construção Civil Produtos de Aço para Indústria e Construção Civil CATÁLOGO 2015 AÇOS longos E PLANOS PRODUTOS DE AÇO PARA INDÚSTRIA E CONSTRUÇÃO CIVIL SUMÁRIO Sobre a Dimensão Aços Longos e Planos Produtos para Produtos

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13008 10 E Técnico de Instalações Elétricas Carlos Jorge Oliveira Rodrigues Escola Secundária de São Pedro do Sul 13791 10 E Técnico de Instalações Elétricas Daniel dos Santos Rodrigues Escola Secundária

Leia mais

Ata da 37ª. Reunião Extraordinária de Congregação das Faculdades Unificadas da Fundação Educacional de Barretos, realizada no dia 10 de outubro de

Ata da 37ª. Reunião Extraordinária de Congregação das Faculdades Unificadas da Fundação Educacional de Barretos, realizada no dia 10 de outubro de Ata da 37ª. Reunião Extraordinária de Congregação das Faculdades Unificadas da Fundação Educacional de Barretos, realizada no dia 10 de outubro de 2007 na sala 22 do com início às 16horas com a presença

Leia mais

2.1 Na ausência e/ou eleição do Coordenador ou Secretário atuaram na reunião como tal: Eustáquio Ferreira atuou como coordenador e como secretário.

2.1 Na ausência e/ou eleição do Coordenador ou Secretário atuaram na reunião como tal: Eustáquio Ferreira atuou como coordenador e como secretário. CB -18: - Comitê Brasileiro de Cimento CE - - CE-18:600.08 - Comissão de Estudos de Postes e Cruzetas Ata da Reunião 9ª/2011 Data: 18.05.2011 Início: 9h Término: 17h30min Duração: 07:30 LOCAL: LACTEC Curitiba

Leia mais

SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo

SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo Entidades Setoriais Nacionais Mantenedoras SINAPROCIM Sindicato Nacional da Indústria de Produtos de Cimento SINPROCIM - Sindicato da Indústria de Produtos de Cimento do Estado de São Paulo Endereço: Av.

Leia mais

Prof. Marcelo Ferreira:

Prof. Marcelo Ferreira: MINI CURRICULUM IRIA LÍCIA OLIVA DONIAK Engenheira Civil, graduada pela PUC-PR em 1988,atua no setor concreto desde 86,tendo iniciado suas atividades em Laboratório de Controle Tecnológico,posteriormente

Leia mais

ATA LIDA E APROVADA EM: 10/07/13 ATA DA 2ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECÍFICA DO FUNDEB / 2013

ATA LIDA E APROVADA EM: 10/07/13 ATA DA 2ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECÍFICA DO FUNDEB / 2013 ATA LIDA E APROVADA EM: 10/07/13 ATA DA 2ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECÍFICA DO FUNDEB / 2013 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 Ata da 2ª Reunião Ordinária da Câmara

Leia mais

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO O que é uma Norma Técnica? O que é uma Norma Técnica? Documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido, que fornece, para uso repetitivo,

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS

ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS AULA 04 ATUALIZAÇÃO EM SISTEMAS ESTRUTURAIS Prof. Felipe Brasil Viegas Prof. Eduardo Giugliani http://www.feng.pucrs.br/professores/giugliani/?subdiretorio=giugliani 0 AULA 04 INSTABILIDADE GERAL DE EDIFÍCIOS

Leia mais

Certificado de Presença em Evento no ISEP

Certificado de Presença em Evento no ISEP *** Adam Silva *** ***c527078fe56b04280dcae9cc3541593d73d82015c12f65f060135ed5*** *** Adulcínio Adulcínio Duarte Rodrigues *** ***09d09b00214962ffdfefa4e2473001b55ffba6c7bbdc74ef3063ec95*** *** Alberto

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DAS COMUNIDADES

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DAS COMUNIDADES MPPR-0046.13.002014-5 ATA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Aos 18 de abril de 2013, às 19h, na Rua da Cidadania da Regional Boa Vista, localizada na Av. Paraná, 3600, no Bairro Boa Vista, em Curitiba-PR, tiveram início

Leia mais

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO

ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL DE UMA ESTRUTURA EM CONCRETO ARMADO Artigo submetido ao Curso de Engenharia Civil da UNESC - Como requisito parcial para obtenção do Título de Engenheiro Civil ANALISE DA INFLUÊNCIA DE DIFERENTES SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL NO CUSTO FINAL

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo para estruturas de concreto desde a década de 70, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O Sistema SF de Fôrmas para

Leia mais

REPARO EM LAJE "CELADA" EVITANDO O USO DA MARRETA

REPARO EM LAJE CELADA EVITANDO O USO DA MARRETA REPARO EM LAJE "CELADA" EVITANDO O USO DA MARRETA Prof. Marco Pádua Vamos analisar aqui um problema não muito raro que pode causar surpresa desagradável e, alem de atrasar a obra, pode trazer perda de

Leia mais

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA.

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Aos quatro (04) dias do Mês de Março (03) do ano de Dois Mil e Treze (2013), às 17:35 horas, com a presença de nove (09) vereadores,

Leia mais

O que é EPS? Classe F-L: 11,0 Kg/m 3 Material retardante à chama classe F Condutividade Térmica: λ do EPS: 0,028 kcal/h.m².ºc

O que é EPS? Classe F-L: 11,0 Kg/m 3 Material retardante à chama classe F Condutividade Térmica: λ do EPS: 0,028 kcal/h.m².ºc LAJES COM E.P.S. O que é EPS? O EPS (Poliestireno Expandido) é comumente chamado de Isopor. É um produto derivado do petróleo. A matéria-prima, poliestireno, sofre uma expansão de 20 a 50 vezes, resultando

Leia mais

MEMÓRIA: 9ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação. Apresentação do andamento das ações do Comitê e encaminhamentos pertinentes.

MEMÓRIA: 9ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação. Apresentação do andamento das ações do Comitê e encaminhamentos pertinentes. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Fórum Permanente das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: 9ª Reunião Ordinária do Comitê Tecnologia e Inovação Assunto: Apresentação

Leia mais

PROGRAMA DE NORMALIZAÇÃO

PROGRAMA DE NORMALIZAÇÃO APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO

ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO 1 ALTERNATIVAS ESTRUTURAIS PARA O SISTEMA DE PISO EM EDIFÍCIOS DE CONCRETO ARMADO Texto complementar 1. INTRODUÇÃO Os primeiros edifícios com estrutura de concreto armado foram concebidos utilizando-se

Leia mais

ATA DA PRIMEIRA ASSEMBLÉIA GERAL PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO SUL AMERICANA DE ENGENHARIA ESTRUTURAL ASSEMBLÉIA DE ENCERRAMENTO DAS

ATA DA PRIMEIRA ASSEMBLÉIA GERAL PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO SUL AMERICANA DE ENGENHARIA ESTRUTURAL ASSEMBLÉIA DE ENCERRAMENTO DAS ATA DA PRIMEIRA ASSEMBLÉIA GERAL PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO SUL AMERICANA DE ENGENHARIA ESTRUTURAL E ASSEMBLÉIA DE ENCERRAMENTO DAS "XXV JORNADAS SUL-AMERICANAS DE ENGENHARIA ESTRUTURAL" DATA: 15 de novembro

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO

MONITORAMENTO DE NORMALIZAÇÃO FEVEREIRO 1) ABNT/CB-02 - COMITÊ BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO CIVIL ABNT NBR 5476 - Requisitos para o sistema de gestão de manutenção. Reunião 17 de fevereiro Houve uma mudança no escopo onde se define a necessidade

Leia mais

O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Aços CA-50 e CA-25

O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Aços CA-50 e CA-25 O AÇO ESTRUTURAL (uma parte do material desta página foi extraída do site www.gerdau.com.br) Os aços são classificados conforme sua resistência, definida pela sua composição e processo de fabricação. Assim,

Leia mais

Registro da Oficina de Avaliação Nova Alvorada do Sul - MS

Registro da Oficina de Avaliação Nova Alvorada do Sul - MS 1 Registro da Oficina de Avaliação Nova Alvorada do Sul - MS Data: 04/12/2012 Horário: 14h00minh às 17h00minh Local:Câmara Municipal Município: Nova Alvorada do Sul Número de participantes: 21 Equipe de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO - UPE VESTIBULAR 2006 PAGINA - 1 CANDIDATOS REMANEJADOS POR CURSO (Data:21/02/2006) 102 - LETRAS (PORTUGUES E INGLES E

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO - UPE VESTIBULAR 2006 PAGINA - 1 CANDIDATOS REMANEJADOS POR CURSO (Data:21/02/2006) 102 - LETRAS (PORTUGUES E INGLES E VESTIBULAR 2006 PAGINA - 1 102 - LETRAS (PORTUGUES E INGLES E SUAS LITERATURAS) ENTRADA: 02 TURNO: DIU FACULDADE DE FORMACAO DE PROFESSORES DE NAZARE DA MATA - FFPNM TAMYRYS THEREZA GONCALVES CIDRIM 1010447

Leia mais