Soluções Consultoria Pré-laje

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Soluções Consultoria 30. 6.3 Pré-laje"

Transcrição

1 Soluções Consultoria Pré-laje Por meio de um trabalho de parceria com consultores especializados, percebeu-se que seria mais adequado utilizar pré-lajes. Como no sistema de Alvenaria Estrutural é muito importante a redistribuição de tensões e, para isso, o papel da laje como diafragma é fundamental, o uso de pré-lajes com monolitização através de complemento in loco se encaixa muito bem. O sistema construtivo apresenta na estrutura de alvenaria peças totalmente pré-moldadas, como as escadas, e peças semi pré-moldadas, as pré-lajes, complementadas com concretagens locais, obtendo-se ligações monolíticas. Para a composição da laje, a pré-laje tem espessura de 40 mm e se constitui numa forma de concreto executada com a armadura positiva da laje (utilizando telas soldadas previamente cortadas), com resistência exigida no projeto estrutural. Atendendo ao projeto de instalações, são colocadas as caixas de luz nos pontos especificados e é indicado o caminhamento dos conduítes. O projeto das pré-lajes foi todo montado em folhas A4, que facilitam o manuseio. Pelo projeto pode-se efetuar diretamente a montagem das lajes. A produção em série e o tratamento de cura adequado garantem a qualidade da peça. Graças à tecnologia do processo, que utiliza um concreto de 20 MPa de resistência final, com 7 MPa em 10 horas, a retirada das peças da fôrma pode ser feita 20 horas após a concretagem. O processo de produção possui duas etapas bem definidas: fabricação e montagem. Cada uma das etapas possui uma sequência de operações expressa através de desenhos e manuais de procedimento. A linguagem dos desenhos e dos manuais visa a integração projeto execução para obter o sucesso na operação conforme mostrado nas páginas seguintes. Observamos também na análise deste processo que a interface projeto execução fica bastante facilitada quando se utilizam processos simples e transparentes que possibilitam por parte da mão de obra um alto grau de entendimento. O fato de se trabalhar com formas metálicas com elementos pré-posicionados garante implicitamente a qualidade, dispensando procedimentos de verificação.

2 Soluções Consultoria Etapa de fabricação das pré-lajes: sequência de operações Figura Fôrmas limpas no pátio Figura Concretagem da pré-laje. Figura Sulcamento para a passagem dos conduítes Figura Criação de rugosidade

3 Soluções Consultoria Etapa de montagem das pré-lajes Figura Visão geral do prédio no início Figura Desforma da pré-laje Figura Içamento da pré-laje Figura Pré-laje chegando ao local de montagem Figura Posicionamento da peça através da grua Figura Montagem terminada Figura Aspecto final da montagem da peças. Figura Visão da concretagem complementar da laje.

4 Soluções Consultoria Solução da interface projeto-execução PROJETO EXECUÇÃO MONTAGEM FABRICAÇÃO Figura Desenho de produção da pré-laje indicando o sulcamento para passagem de conduítes Figura Sulcamento para a passagem dos conduítes Figura Pré-laje sendo montada junto com a colocação dos conduítes Figura 6.23( à esquerda) - Desenho de montagem da pré-laje, indicando peças e posição dos conduítes

5 Soluções Consultoria 34 A utilização do sistema de pré-lajes gerou um aumento de qualidade, com redução de custos, devido aos seguintes fatores: Não-utilização de formas de madeira; O acabamento do teto é perfeitamente liso, pois as peças são fundidas em pistas lisas e niveladas e sem emendas, o que ocorreria com chapas de compensado; Marcação de caixas elétricas e furação de shafts extremamente precisas; Rapidez na montagem (cada pavimento foi montado em 4 horas); Alta precisão no encaminhamento das tubulações elétricas embutidas em laje, evitando o desperdício de mangueiras e erros em subidas na interligação da laje coma alvenaria; Garantia de utilização do acabamento em piso zero, eliminando a execução de contrapiso; A confecção de pré-laje foi feita com mão-de-obra de serventes a um custo muito inferior ao convencional, já que o uso de telas eletrossoldadas dispensa o uso de armadores; Alta produtividade (em maio 99: 25 pavimentosmoldados e montados); Eliminação de sistema de cimbramento, utilizando apenas escoras pontuais (pontos fixos); Controle dimensional preciso; Mão-de-obra necessária em quantidade muito inferior ao processo convencional; Custo menor que o processo convencional; Garantia maior de cumprimento de prazo; Processo transparente e de fácil entendimento da equipe de produção, reduzindo o número de encarregados e supervisores.

6 Soluções Consultoria A escada pré-moldada Um dos problemas na execução de uma estrutura é a construção da escada. Normalmente é necessário um profissional específico, um escadeiro, e dois serventes. A escada, assim, consome muita madeira. As possibilidades de erro são elevadas, forçando uma fase posterior de regularização. A empresa desenvolveu um projeto e um sistema específico para a produção, em obra, da escadaria em lances inteiros pré-moldados. As escadas são fundidas na pista de pré-moldados e içadas através de grua, sendo posicionadas sobre consolos. O resultado é uma escada lisa, regular, podendo ser usada após a montagem. Figura Fôrma armada, pronta para receber o concreto Figura Estoque de peças da escadaria já executadas Figura Escada chegando ao local de utilização Figura Início do posicionamento da escada Figura Final do posicionamento Figura Aspecto final da escadaria concluída

7 Soluções Consultoria Contramarcos em concreto pré-moldado A introdução do elemento pré-moldado visou garantir uma multiplicidade de funções numa única peça. O pré-moldado serve de gabarito para a execução da alvenaria, incorpora as pingadeiras inferiores e superiores e elimina a mão-de-obra de requadração de vãos no revestimento interno e externo. Figura Colocação do contramarco Figura Estoques de contramarcos de concreto

8 Soluções Consultoria Armação em tela eletrosoldada Todo cálculo estrutural das lajes foi feito para que as armações fossem efetuadas em telas eletrossoldadas. As armaduras das pré-lajes são realizadas com mão-de-obra de serventes, sem a necessidade das atividades tradicionais de corte, dobra e montagem de armadura. A perda do material é praticamente inexistente e a mão-de-obra, mínima. Figura Armação da pré-laje utilizando tela soldada 6.8 Laje e teto nível zero Após o assentamento das pré-lajes e posicionamento das tubulações e negativos, é lançada uma camada complementar de concreto (capa) de 5 cm. O nivelamento da laje é feito com nível laser, e se garante a espessura final e a planicidade. A central de pré-moldados possui pistas extremamente lisas, o que possibilita o acabamento inferior da pré-laje apresentar uma continuidade adequada para que o teto do pavimento tipo possa permanecer aparente. Figura Teto aparente (teto zero )

9 Soluções Consultoria Revestimento de gesso em paredes O gesso é aplicado diretamente nos blocos de alvenaria garantindo-se uma espessura de 5 mm, que é mínima, evitando assim desperdício de material. Figura Aspecto do revestimento de gesso nos apartamentos 6.10 Sistema de esquadrias: porta e caixilhos prontos Como o método construtivo adotado garante as medidas dos vãos foram utilizados os sistemas de porta e caixilhos prontos. As portas e batentes são montados fora da obra e os caixilhos de alumínio já são montados com os respectivos vidros e fixados nos contramarcos de concreto. Figura Porta montada, sistema pronto Figura Caixilho com vidros, sistema pronto

10 Soluções Consultoria Instalações Nas construções civis, os subsistemas de instalações são os que mais interferem com os outros, acarretando baixa produtividade e ociosidade na mão-de-obra. Além de prejudicar o término de outros serviços, ocasionam retrabalhos e perda de materiais. Outra dificuldade é conseguir conciliar o orçamento, o cronograma e os resultados esperados, que sempre fogem do controle. O sistema construtivo para instalações foi estudado para acompanhar todas as mudanças implantadas na obra. Desenvolveram-se, com o Consultor de Instalações, soluções que atendessem às premissas de montagem em forma de kits planejados e arrumados em uma central de instalações no próprio canteiro de obras. Isso resultou na industrialização do processo, com aplicação imediata. O projeto de produção dos kits é desenvolvido a partir da subdivisão da instalação em trechos passíveis de montagem na central de produção. O projeto de produção de kits foi estudado tendo como ponto de partida o projeto executivo das instalações, revisto após a realização de uma instalação experimental. Os principais passos do processo são conforme o fluxograma abaixo: Figura Fluxograma das Instalações pelo processo de Kits

11 Soluções Consultoria Projeto para produção dos Kits Figura Detalhe de desenho para produção de kits Construção do protótipo Figura Protótipo dos kits para estudo dos trechos

12 Soluções Consultoria Sub-divisão dos trechos e fabricação dos Kits Figura Central de kits/estoque de tubos de PVC Figura Central de kits/estoque de conexões Figura Montagem dos kits Figura Kits de esgoto prontos Figura Corte dos tubos Figura Kits de água fria prontos

13 Soluções Consultoria Montagem dos Kits em shafts visitáveis Visando desvincular fisicamente as tubulações da obra civil, adotou-se um sistema de shafts visitáveis, que permitem manutenção dos pontos mais sensíveis da instalação sem a necessidade de quebras, além da postergação da execução de instalações para uma fase final da obra. Como nesse sistema construtivo não existe mais o conceito de embutimento de tubulações, comum no processo tradicional, o shaft substitui com vantagens o processo de chumbamento de tubos - além de maior produtividade, evita engrossamentos de paredes, o que acarreta revestimentos adicionais não previstos no custo. Figura Detalhe do desenho de montagem das tubulações no shaft Shafts visitáveis: acessibilidade das instalações Figura Vista das prumadas no shaft Figura Shaft visitável fechado

14 Soluções Consultoria 43 Figura Kits da cozinha montados/visão frontal em close Figura Kits montados:independência entre serviços Figura Vista das prumadas no shaft Nas páginas seguintes realizamos a comparação entre os processos convencionais de produção das Instalações Hidráulico Sanitárias, Instalações de Incêndio e Gás e Instalações Elétricas e os processos adotados na obra em questão. Estes estudos comparativos mostram além das vantagens obtidas ao se adotar processos racionalizados de produção das instalações a necessidade de projetos para produção e de uma forte integração projeto-execução. São apresentados também estudos que demonstram aumento de produtividade entre o processo adotado e o convencional.

15 Soluções Consultoria 44 INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS SERVIÇO PROCESSO CONVENCIONAL PROCESSO ADOTADO Normalmente as passagens são Os prolongamentos são deixados já na prélaje garantindo exatidão de seu MARCAÇÃO E deixadas na forma e são executadas COLOCAÇÃO DE em caixotes de madeirite que na prática nunca são locados com posicionamento, eliminando as etapas de PASSAGENS precisão, ocasionando sempre retirada dos caixotes e chumbamento dos HIDRÁULICAS correções posteriores além da prolongamentos. EM LAJES grande ociosidade de mão de obra e desperdício de material. C O L U N A S VERTICAIS DE ÁGUA, ESGOTO E VENTILAÇÕES R A M A I S VERTICAIS DE ÁGUA, ESGOTO E VENTILAÇÕES DISTRIBUIÇÃO DOS RAMAIS DE ÁGUA R A M A I S HORIZONTAIS DE ÁGUAS E ESGOTOS CENTRAL DE INSTALAÇÕES E MONTAGENS DE KITS LOUÇAS METAIS BARRILETES E São executadas normalmente em enchimento nas paredes. É um serviço oneroso, totalmente artesanal, provocando reserviços; é difícil de acompanhar, causa interferências entre outros serviços e passível de provocar patologias futuras. São embutidos nas alvenarias e nem sempre são precisos, provocando retrabalho, entulho, perda de material e interferência com os outros serviços, além de ser um serviço de baixa produtividade. Em se tratando de alvenaria estrutural, torna-se praticamente inviável a prática de tubulações embutidas no sentido horizontal. São instalados no entreforro e executados no local de montagem. Devido à grande variedade de peças, fica difícil a liberação e controle dos materiais, muitas vezes provocando pedidos repetidos. Neste sistema os materiais são armazenados nos almoxarifados e requisitados somente na hora de da instalação, originando perda de tempo, transtornos e tumulto no início de cada jornada de trabalho, além da despadronização dos serviços, que diminui a produtividade. São montadas normalmente nos locais onde são instaladas, provocando muita sujeira. Os ajustes dos metais são feitos em condições desfavoráveis causando baixa produtividade. São executados e montados no próprio local de instalação com a utilização de registros de gaveta em metal. As colunas são no interior de shafts verticais, visitáveis, que permitem uma fácil inspeção sem necessidade de quebras de paredes. Os shafts podem ser de prémoldados e não provocam interferência com outros serviços. São instalados aparentes por fora da alvenaria, sendo somente necessário a colocação das passagens na pré-laje. As tubulações são colocadas após a cerâmica eliminando-se totalmente as interferências trazendo independência total entre os serviços. O registro geral de gaveta é alojado dentro de shaft, bem como o registro de pressão com o ramal do chuveiro, facilitando o acesso aos pontos que normalmente sofrem mais manutenções. Também são instalados no entreforro, mas com a vantagem de serem montados na central de kits, de forma antecipada e planejada, visando padronizar e compatibilizar as instalações com os outros serviços, eliminando assim as interferências e aumentando a produção. Aqui os materiais são armazenados na própria central. A linha de montagem é planejada de forma que se facilite ao máximo a fabricação dos kits. Estes saem padronizados e em série, não provocando desperdício de materiais com altos índices de produtividade. São premontadas na central de instalações em bancadas apropriadas, que facilitam o controle dos materiais e garantem uma excelente qualidade. As louças são transportadas na obra em paletes, já separadas por unidades para facilitar o transporte. São montados na central de instalações onde são estudados todos os modelos de fixações e suportes, também em forma de kits, com a utilização de registros de PVC (tipo esfera soldável). Tabela 6.1- Comparação entre processo convencional e processo adotado - Instalações Hidráulicas

16 Soluções Consultoria 45 Tabela 6.2- Comparação entre processo convencional e processo adotado - Instalações Elétricas

17 Soluções Consultoria 46 Tabela 6.3- Comparação entre processo convencional e processo adotado - Incêndio e Gás Tabela Estudos comparativos do aumento de produtividade

18 Soluções Consultoria Redes externas em pré-moldados A maneira convencional de instalação de redes externas utiliza escavação manual e execução das caixas de passagem com blocos. O método utilizado se baseia em escavação mecanizada, através de uma miniescavadeira, com as caixas de passagem em pré-moldado de concreto, o que facilita a execução das redes externas e aumenta sua produtividade. Figura Miniescavadeira Figura Rede externa pronta, em caixas prémoldadas

19 Soluções Consultoria Contenções em soil nailing Esta solução foi dada para conter os taludes na divisa lateral do terreno. Esta técnica se baseia em fazer diversos tirantes passivos em um talude e grampear por intermédio de uma tela colocada sobre a superfície do solo com posterior aplicação de concreto projetado. É uma técnica de difícil execução e bastante cara. A idéia inicial do projetista era manter os taludes naturais sem qualquer tipo de contenção além de grama para proteger sua superfície. Durante a fase de obra ocorreram deslizamentos que mostraram que o estudo não foi feito com a profundidade necessária sub-dimensionando as variáveis e que acabaram exigindo a utilização desta técnica. A solução mais correta poderia ter sido a cravação de perfis e a contenção feita através de cortinas de concreto armado, estas contenções poderiam ter sido minimizadas se o patamar dos prédios tivessem sido elevados cerca de um metro. Percebe-se que em obras deste porte é necessário por parte do projetista de fundações um conhecimento maior na área de topografia e implantação de conjuntos. Esta área do projeto conhecida como implantação ficou também a critério do Arquiteto que buscou o melhor arranjo geométrico provavelmente influenciado em obter a melhor solução de compensação volumétrica corte aterro. Percebe-se que não funcionou bem a interface entre o projetista de fundações e o arquiteto resultando numa solução bastante falha. Houveram também diversos desentendimentos entre o projetista de fundações e a equipe de obra em virtude dos problemas ocorridos e que posteriormente motivaram o rompimento do contrato com esta empresa e o concurso de uma outra consultoria para acompanhar o restante das obras.

20 Soluções Consultoria Reservatório superior em fibra de vidro Tradicionalmente, o reservatório superior de um edifício, ou caixa-d água, é construído em concreto, sendo necessária ainda a impermeabilização. Nessa obra, foram utilizados reservatórios em fibra de vidro, que garantem melhor a potabilidade da água, são leves, fáceis de transportar e instalar Reservatório inferior em alvenaria armada e pré-lajes A execução do reservatório inferior segue o mesmo processo construtivo dos pavimentos tipo, mas com uma simplificação: em vez de um reservatório para cada edifício, foi projetado um único reservatório, que atende aos 10 prédios. Para isso, o sistema de abastecimento hidráulico é bastante complexo, e utiliza apenas uma bomba de recalque, com sensores inteligentes, que identificam a necessidade de cada prédio e desviam a captação inferior para o reservatório superior do edifício de maior carência. A falha desta solução foi não ter sido suficientemente estudada em seus aspectos geotécnicos pois também neste caso ocorreram diversos deslizamentos no terreno que acabaram motivando a construção de arrimos não previstos. Houve inicialmente a possibilidade de substituir esta solução por torres metálicas elevadas que se adotadas resolveriam hidraulicamente o problema sem correr o risco de executar obra enterrada. Esta possibilidade foi descartada em virtude de não constar em projeto de prefeitura aprovado e não se ter mais tempo hábil em se aprovar modificativos. Novamente se percebe falha no projeto geotécnico e também falta de integração entre projetos uma vez que a aprovação da solução em projeto de prefeitura foi feita sem o necessário questionamento técnico Revestimentos cerâmicos Com o sistema construtivo implantado foram obtidas lajes com nível zero. Essa laje apresenta-se tão plana que dispensa a necessidade de camada de regularização (contrapiso), possibilitando a execução do revestimento cerâmico do piso diretamente sobre a laje, somente com argamassa colante.

21 Soluções Consultoria RESULTADOS OBTIDOS 7.1 Redução de mão de obra O estudo abaixo foi feito a partir da comparação de 3 processos construtivos possíveis para esta obra e mostra os totais de mão de obra para cada sistema. Os dados foram coletados a partir de obras similares da empresa e servem para demonstrar que a aplicação de um sistema construtivo integrado resultou em grande economia de mão de obra. Os processos são: I. Sistema convencional 1(piar, viga, laje, alvenaria de vedação). II. Sistema convencional 2 (alvenaria estrutural com lajes moldadas in loco).iii. Sistema Itaquera ( sistema adotado). Comparação entre efetivos em função do sistema construtivo adotado (10 prédios) Funções na produção Total Geral do Efetivo Encarregados Total Total Carpinteiros Formas Escada Total Pedreiros Escada Alvenaria Armadores Total Sinal. Grua Total Oper. Grua Total Oper. dumper Total Guincheiros Total Total Formas Serventes Armação Escada Alvenaria Transportes / massa Prédio estruturado (pilar, viga, laje) Estrutura moldada "in loco" Alvenaria de vedação média funcionários / prédio: 30 Transportes com guincho Argamassa feita em obra Sistema Convencional 1 Características Sistema Convencional Características Alvenaria estrutural armada Lajes moldadas "in loco", escada "jacaré" média funcionários / prédio: 22 Transportes com guincho Argamassa feita em obra Características Alvenaria estrutural armada Lajes pré-moldadas (pré-lajes) média Escadas pré-moldadas funcionários / Transporte com gruas e pórtico prédio: 11 Blocos paletizados Argamassa industrializada com transporte pneumático Sistema AVEC / Itaquera Tabela 7.1- Comparação do efetivo total em função do sistema construtivo adotado fabricação e montagem > fabricação e montagem >

22 Soluções Consultoria 51 O gráfico abaixo ilustra os dados da tabela anterior, observar a grande redução de mão de obra obtida principalmente a de serventes. Totais de mão de obra x Sistema Construtivo Totais Encarregados Carpinteiros Pedreiros Funções Armadores 8 2 Sinal. Grua Oper. Grua Oper. Dumper 0 10 Guincheiros Serventes Sistemas Convencional 1 Convencional 2 AVEC / Itaquera AVEC / Itaquera Convencional 2 Convencional 1 Figura 7.1- Gráfico da distribuição de mão de obra em função do sistema construtivo

23 Soluções Consultoria Aumento de produtividade e diminuição do tempo de ciclo Figura 7.2- Evolução do tempo de ciclo das equipes de produção por por edifício CICLO MÉDIO EM DIAS (1 GRUA P/ 6 PRÉDIOS) ,2 14,6 14 ciclo médio 13,5 dias 12 12,2 14 TEMPO DE CICLO A B C D BLOCO E F CICLO MÉDIO EM DIAS (1 GRUA P/ 4 PRÉDIOS) CICLO MÉDIO EM DIAS 14 13,3 ciclo médio 11,2 dias ,3 10,5 TEMPO DE CICLO G H BLOCO I J CICLO MÉDIO EM DIAS Figura 7.3- Gráficos ilustrando os ciclos obtidos nas duas configurações de grua

24 Soluções Consultoria 53 Aumento de produtividade e diminuição do tempo de ciclo de produção Aumento produção lajes x Redução tempo de ciclo efeito "aprendizagem do sistema" 25 Pavimentos / lajes ciclo médio em dias 0 fev mar abr lajes produzidas mai Figura 7.4- Aumento da produção de lajes x redução do tempo de ciclo do processo

25 Soluções Consultoria Composição dos custos nas etapas do processo e redução global da mão de obra Estes gráficos ilustram a reduzida participação da mão de obra na composição do custo do processo. Este percentual de mão de obra permitiu reduzir o custo global da obra em cerca de 15% comparando com os processos convencionais. Relação de custos: processo total Pré-lajes e escada pré-moldada Mão de obra 29% Materiais Equipamentos Mão de obra Materiais 49% Equipamentos 22% Relação de Custos: fase de pré-fabricação Pré-lajes e escada pré-moldada Materiais Equipamentos Mão de obra Equipamentos 24% Relação de custos: fase de montagem Pré-lajes e escada pré-moldada Materiais Equipamentos Mão de obra Mão de obra 38% Materiais 41% Mão de obra 18% Materiais 58% Equipamentos 21% Figura 7.5- Gráficos ilustrando a composição de custos nas diferentes etapas do processo

26 Soluções Consultoria CONCLUSÕES Os métodos e técnicas utilizados na obra de Itaquera não são considerados grandes novidades no setor pois vem sendo aplicados por várias empresas. A mera aplicação passiva dessas soluções, entretanto, leva a vantagens pontuais. No caso do mercado de Habitação Popular, mais especificamente, pode-se inclusive não se obter retornos. O importante é a verdadeira razão dessa utilização. A inter-relação de todos os processos, através de um gerenciamento eficaz e coordenado das tecnologias disponíveis traz o real benefício para a execução da obra, podendo caracterizá-la como uma construção moderna. Fica claro no trabalho que os aspectos relativos a Gestão do Processo e da Interface Projeto-Execução foram fundamentais para o sucesso da obra estudada. O sistema construtivo em Alvenaria Estrutural teve seu uso potencializado chegando a resultados de produtividade interessantes pois foi tratado de maneira integral e não apenas como uma simples substituição da estrutura e vedações. A racionalidade implícita no sistema de alvenaria estrutural é um fator que viabiliza plenamente a utilização dos projetos para produção, deixando neste caso inclusive de existir esta diferença entre projetos executivos e projetos para produção, comuns nos sistemas convencionais, uma vez que o próprio sistema impõe que se projete exatamente o que irá ser construído. Os aspectos desfavoráveis encontrados foram principalmente nas áreas comuns. Nestes setores ocorreram as principais falhas: implantação, topografia e contenções. São áreas com maiores imprecisões geométricas por lidarem com grandes massas e volumes de terra. A área de terraplenagem é normalmente de domínio da obra e neste caso não houve qualquer comunicação entre projeto e obra. A falta de integração entre o Engenheiro de Fundações e Arquiteto também levaram a interpretações superficiais das soluções. Percebeu-se também que a ausência neste projeto do uso de ferramentas computacionais que permitissem de forma mais imediata a visualização da modelagem do terreno também colaboraram para estes resultados.

27 Soluções Consultoria 56 Uma das conclusões deste estudo é a necessidade de um projeto específico para terraplenagem em empreendimentos similares e que este projeto integre as visões dos parâmetros geotécnicos, geométricos e paisagísticos podendo inclusive se constituir em uma nova especialidade de projeto. O estudo de caso também mostrou que a gestão tecnológica adequada, com uma boa interface entre projeto e execução se constituem em fatores de competitividade e sobrevivência da empresa. Outro fator importante foi a ativa participação dos consultores especialistas de instalações e de pré-moldados que em ambos os casos participaram do projeto e também da implantação dos processos técnicos deixando evidente os bons resultados que são obtidos ao se encarar o projeto como serviço. Além da diminuição da mão-de-obra, houve também um aumento considerável de produtividade. Se analisarmos, por exemplo, apenas os serviços relativos às instalações hidráulicas e elétricas, verificamos que alguns dos processos conseguiram dobrar a produtividade do sistema convencional. Esse processo, por suas características altamente industriais, trouxe ainda um efeito aprendizagem muito rápido, que também proporcionou um aumento de produtividade e uma convergência nos tempos de ciclo do processo. Isso possibilitou um melhor planejamento e controle. As características adquiridas pelo sistema proporcionaram um retorno interessante: a diminuição dos custos de mão-de-obra com relação ao custo global, de forma que, agora, os grandes responsáveis pelo custo da obra são os materiais e os equipamentos, diminuindo o grau de incerteza. Essa economia resulta em um aumento da qualidade de trabalho para os funcionários da empresa. Suas funções são simples e requerem menos esforço físico, principalmente de transporte. A empresa conseguiu algo muito importante: desenvolver um produto rentável e de boa qualidade para o mercado de habitações populares apesar do contexto difícil e conturbado onde este trabalho foi praticado.

28 Soluções Consultoria 57 ANEXO I: LAY OUT DO CANTEIRO

29 Soluções Consultoria 58 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALARCÓN, L. F.; MARDONES, D. A. Improving the design-construction interface In: ANNUAL CONFERENCE OF INTERNATIONAL GROUP FOR LEAN CONSTRUCTION, 6., Guarujá, Proceedings. Disponível em: <http://www.ce.berkeley.edu/~tommelein/iglc-6/index.html> Acesso em: 25 ago BEDIN, Carlos A.; OLIVEIRA, Alexandre L.; PRUDÊNCIO, Luiz R. Alvenaria Estrutural de Blocos de Concreto. 1a. edição. Florianópolis: GTec, p. BARROS, Mercia M.B.B.; SABBATINI, Fernando H. Diretrizes para o processo de projeto para a implantação de tecnologias construtivas racionalizadas na produção de edifícios p. Boletim Técnico da Escola Politécnica da USP, Departamento de Engenharia de Construção Civil, BT/PCC/172. CONAN, M. Concevoir um projet d architeture. Paris, L Harmattan, (Collection Villes et Entreprises) CORBETT et al Design of manufacture: strategies, principles and techniques. Massachusetts, Addison-Wesley, FABRICIO, Marcio M.; MELHADO, Silvio B. Desafios para integração de projeto na construção de edifícios in Workshop Nacional Gestão do Processo de Projeto na Construção de Edifícios. São Carlos, 2001 (artigo técnico). FRANCO, Luis S. Aplicação de diretrizes de racionalização construtiva para a evolução tecnológica dos processos construtivos em alvenaria estrutural não armada. São Paulo, p. Tese (Doutorado) Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. LANA, Maria P.C.V; ANDERY, Paulo R.P. Integração projeto-produção: um novo paradigma cultural. In: Gestão do Processo de Projeto na Construção de Edifícios. Workshop Nacional, 1.,São Carlos, Anais. p33-37.

30 Soluções Consultoria 59 MERLI, G. Comakership: a nova estratégia para os suprimentos. Tradução de Gregório Bouer. Rio de Janeiro, Qualitymark, MELHADO, Silvio B. Gestão, cooperação e integração para um novo modelo voltado à qualidade do processo de projeto na construção de edifícios. São Paulo, p. Tese (Livre-Docência) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. Qualidade do projeto na construção de edifícios: aplicação ao caso das empresas de incorporação e construção. São Paulo, p. Tese (Doutorado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. MELHADO, Silvio B.; AGOPYAN, Vahan O conceito de projeto na construção de edifícios: diretrizes para elaboração e controle p. Boletim Técnico da Escola Politécnica da USP, Departamento de Engenharia de Construção Civil, BT/PCC/139. OHASHI, Eduardo A.M. Fluxo de informação no processo de projeto em alvenaria estrutural p. Boletim Técnico da Escola Politécnica da USP, Departamento de Engenharia de Construção Civil, BT/PCC/307. RAMALHO, Marcio A.; CORRÊA Marcio R.S. Projeto de Edifícios de Alvenaria Estrutural. 1a. edição. São Paulo: Editora Pini, p. SABBATINI, Fernando H. Desenvolvimento de métodos, processos e sistemas construtivos: formulação e aplicação de uma metodologia. São Paulo, p. Tese (Doutorado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. Requisitos e critérios mínimos a serem atendidos para solicitação de financiamento em edifícios em alvenaria estrutural junto a Caixa Econômica Federal. Brasília: Caixa Econômica Federal, Disponível em: <http://www1.caixa.gov.br/download/asp/download.asp?scateg=111> Acesso em: 25 ago SOUZA, Ana L.R.; MELHADO, Silvio B. Preparação da Execução de Obras.1a. edição. São Paulo: O Nome da Rosa, p.

Gestão tecnológica em obras de Alvenaria Estrutural

Gestão tecnológica em obras de Alvenaria Estrutural Gestão tecnológica em obras de Alvenaria Estrutural Estudo de caso : Conjunto Residencial Primavera - Itaquera Canteiro com múltiplos edifícios Eng. Leonardo Manzione Março de 2004 Agradecimentos Ao amigo

Leia mais

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS

PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO IN LOCO COMO SOLUÇÃO PARA EDIFÍCIOS VERTICAIS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. PAREDES EXTERNAS EM CONCRETO ARMADO MOLDADO

Leia mais

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO

5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Soluções Consultoria 22 5. ESTUDO DO LAY-OUT DE CANTEIRO Foi feito um projeto específico para o canteiro de obras, conforme anexo. O engenheiro da obra iniciou sua participação nesta fase do processo.

Leia mais

Produtividade da mão de obra do setor de construção no Brasil 100

Produtividade da mão de obra do setor de construção no Brasil 100 O QUE O EXECUTIVO DEVE PERSEGUIR NO SISTEMA CONSTRUTIVO INTERVENÇÕES PARA RESULTADOS DE CURTO PRAZO Produtividade da mão de obra do setor de construção no Brasil 1 32 EUA (Houston) BR (São Paulo) Fonte:Entrevistas,

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL

PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL PRÉ-FABRICAÇÃO EM OBRAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL APRESENTAÇÃO REALIZAÇÃO A portoferraz... Ser referência no mercado imobiliário, desenvolvendo projetos que transformem a ocupação urbana, de maneira criativa

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

DE PROJETOS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

DE PROJETOS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I DE PROJETOS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PROJETO Atividade ou serviço integrante do processo de produção, responsável pelo desenvolvimento,

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br

KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 2a. parte: ECONÔMICA-ESTUDO DE CASO KEPLER ROCHA PASCOAL Engenheiro Civil 98-8833-6064 - kepler@franere.com.br UNIVERSIDADE

Leia mais

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM

PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM PRÉ-MOLD RM Com mais de 20 anos de experiência na fabricação de pré-moldados em concreto, a PRÉ-MOLD RM oferece uma completa linha de produtos para a dinamização de sua obra. Laje Treliçada Bidirecional; Laje Treliçada

Leia mais

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades

A Empresa. Mais de 6,0 mil unidades habitacionais entregues. Hoje em construção são mais de 4100 unidades A Empresa Completou 20 anos em Março 2015 Aproximadamente 500 mil m² de área construída Experiência em obras habitacionais, comerciais e industriais 01 A Empresa Atuação regional no interior do estado

Leia mais

poder de compra x custo da construção poder de compra:

poder de compra x custo da construção poder de compra: w ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO poder de compra x custo da construção poder de compra: - Conceito Geral - Engenheiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalberto1@terra.com.br custo

Leia mais

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS MEMORIAL DESCRITIVO: APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: LOCALIZAÇÃO: Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS DESCRIÇÃO: Edifício

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? ALVENARIA ESTRUTURAL O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? AULA 5 ALVENARIA ESTRUTURAL Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco PREDIO COM BLOCO DE VEDAÇÃO MACEIO

Leia mais

c o m o c o n s t r u i r

c o m o c o n s t r u i r c o m o c o n s t r u i r Leandro Amadio engenheiro civil, diretor técnico Tecnobagno Construção de Banheiros e-mail: banheiropronto@uol.com.br Instalação de banheiros prontos conceito atual de construção

Leia mais

Casa de steel frame - instalações (parte 4)

Casa de steel frame - instalações (parte 4) Página 1 de 6 Casa de steel frame - instalações (parte 4) As instalações elétricas e hidráulicas para edificações com sistema construtivo steel frame são as mesmas utilizadas em edificações convencionais

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a

! Locação precisa de todas as paredes; ! Abrir frente para grande produtividade. ! Preparar uma ligação adequada com a Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas

Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas Transformando aço, conduzindo soluções. Lajes Mistas Nervuradas TUPER Mais de 40 anos transformando aço e conduzindo soluções. A Tuper tem alta capacidade de transformar o aço em soluções para inúmeras

Leia mais

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto)

A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) A importância dos projetos no processo (executivo de paredes de concreto) - Fatores Críticos de Sucesso Francisco Paulo Graziano Características necessárias das estruturas dos em parede estrutural Facilidade

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR?

O QUE SIGNIFICA RACIONALIZAR? Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 3 ALVENARIAS: EXECUÇÃO, Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil

Leia mais

SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA

SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA Concrete Show - 2011 Guilherme Coelho de Andrade PAE / 14 SISTEMA DE VEDAÇÃO RACIONALIZADA Gama Filho - Março de 2009 Guilherme Andrade PAE / 14 UM ÍCONE DA PESQUISA MCKINSEY

Leia mais

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto Trabalho Final: Marcações e Execuções Racionalizadas em Estruturas de Concreto. COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR

Leia mais

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto.

Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. Bairro Novo: Sistema Construtivo em Paredes de Concreto. 1 Escolha do Sistema Construtivo Sistema construtivo com foco nas seguintes características: Alta produtividade Baixo custo de construção Redução

Leia mais

Compatibilização de Projetos. Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS

Compatibilização de Projetos. Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS Compatibilização de Projetos Eng Mário Ribeiro da Silva Filho ProCAD Projetos e Consultoria SS Porque Compatibilizar Projetos? 2 Porque Compatibilizar Projetos? 3 Porque Compatibilizar Projetos? 4 Porque

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Parede de Concreto 29/04/2015 1 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA OBJETIVO - reduzir o déficit habitacional 2009 MCMV Início do Programa 2010 MCMV I 1.000.000 de unid. contratadas 2011/14 MCMV II 2.400.000

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO MAIO DE 2015 Andamento das obras no período Obras no Ático: Início da instalação de luminárias iniciado; Conclusão das

Leia mais

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical

IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil. Subsistema vedação vertical PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco IGDITCC Importância da Gestão, do Desempenho e da Inovação Tecnológica na Construção Civil Aula

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO

PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO PAINÉIS DE CONCRETO PRÉ-MOLDADOS E SOLUÇÕES COMPLEMENTARES PARA O SEGMENTO ECONÔMICO Augusto Guimarães Pedreira de Freitas PEDREIRA DE FREITAS LTDA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO RECIFE/PE AGRADECIMENTO ESPECIAL

Leia mais

Soluções em Lajes Alveolares

Soluções em Lajes Alveolares Soluções em Lajes Alveolares Oferecer Soluções Inovadoras e bom atendimento é o nosso compromisso Presente no mercado da construção civil desde de 1977, o Grupo Sistrel vem conquistando o mercado brasileiro

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS:

VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: Á PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO EM ANEXO. VIMOS SOLICITAR A ANALISE DO PROJETO ARQUITETÔNICO TRATA-SE DE UM CONJUNTO RESIDENCIAL VERTICAL COM AS SEGUINTES CARACTERISTICAS: - 12 EDIFICIOS COM 10

Leia mais

Contenção com muros terrae

Contenção com muros terrae Contenção com muros terrae Prefeitura de Jacareí analisa três soluções para conter talude em área escolar e opta por sistema de blocos de concreto pré-fabricados. Veja comparativo técnico e orçamentário

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo para estruturas de concreto desde a década de 70, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O Sistema SF de Fôrmas para

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO DEZEMBRO DE 2014 Estrutura de Concreto: Conclusão do 9º pavimento 100% executado; Conclusão do 10º pavimento Barrilete,

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO

PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PROJETOS EM ALVENARIA ESTRUTURAL: MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO PRINCIPÍOS BÁSICOS PARA PROJETOS/ MODULAÇÃO E COMPATIBILIZAÇÃO EM ALVENARIA ESTRUTURAL EM BLOCOS DE CONCRETO ARQUITETA NANCI CRUZ MODULAÇÃO

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I UEFS Departamento de Tecnologia CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 2 Histórico e processos da Construção Civil: Evolução da Técnica de Construção Cristóvão C. C. Cordeiro

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas

Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas Belo Horizonte - MG Interface com Outros Subsistemas 10/11/2009 Carlos Chaves LOG Gestão de Obras Subsistemas Deus está nos detalhes Mies van der Rohe (1886-1969) Pavilhão alemão na Feira Mundial de Barcelona

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO. Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br

MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO. Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br MELHORES PRÁTICAS DE EXECUÇÃO DA ALVENARIA DE VEDAÇÃO Prof. Dr. Alberto Casado Lordsleem Jr. acasado@poli.br HABILIDADE? SORTE? ou... BIZARRO? IMPENSÁVEL? Importância Econômica DÁ PARA ACREDITAR QUE UMA

Leia mais

Alvenaria racionalizada

Alvenaria racionalizada Como construir Alvenaria racionalizada A alvenaria de vedação pode ser definida como a alvenaria que não é dimensionada para resistir a ações além de seu próprio peso. O subsistema vedação vertical é responsável

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO

CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO CRONOGRAMA FISICO-FINANCEIRO/MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Construção Institucional Sede Administrativa Proprietário: FENACLUBES Federação Nacional dos Clubes Esportivos Endereço da Obra: Rua Açaí 540 Jardim

Leia mais

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado

Estrutura usual (tradicional) Mais recentemente ESTRUTURAS: FÔRMAS. Lajes Vigas Pilares. Lajes Pilares. Estruturas em Concreto Armado DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I Aula 8 ESTRUTURAS: FÔRMAS Profs. Fernando Henrique Sabbatini, Francisco Ferreira Cardoso Luiz Sergio Franco

Leia mais

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda

Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico. Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para o segmento econômico Otávio Pedreira de Freitas Pedreira Engenharia Ltda Painéis de concreto pré-moldados e soluções complementares para

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Histórico UFBA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Conceituação: O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? Histórico UFBA TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 5 ALVENARIA ESTRUTURAL: PROJETO E RACIONALIZAÇÃO Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL? PREDIO COM

Leia mais

O SISTEMA SF DE FÔRMAS

O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF DE FÔRMAS O SISTEMA SF Fôrmas: A SF Fôrmas utiliza o sistema construtivo de paredes de concreto desde a década de 1970, quando trouxe para o Brasil as primeiras fôrmas de alumínio. O SISTEMA

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência

Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa. Espaçador DL para tela soldada. Barras de transferência Espaçador treliçado ABTC para apoio de ferragem negativa O espaçador treliçado ABTC da FAMETH é utilizado em lajes, substituindo o ultrapassado caranguejo. É indicado para apoiar e manter o correto posicionamento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA CRECHE CRIANÇA FELIZ LOCAL: BALNEÁRIO ICARAÍ DE IGUAPE 1. Descrição As adequações e ampliações da Creche Criança feliz visam melhorar o atendimento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE

A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE A NOVA GERAÇÃO DE OBRAS SISTEMA PREMIERE Esta inovação faz nascer a técnica industrial aplicada a construção no Brasil SISTEMA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL A Construção Sustentável Premiere representa uma

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/109/imprime31727.asp Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas 1 de 9 01/11/2010 23:26 Como construir Lajes com EPS Figura 1 - Corte representativo dos sistemas de lajes treliçadas As lajes tipo volterrana abriram a trajetória das lajes pré-moldadas. O sistema utiliza

Leia mais

Estruturas em concreto armado

Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Mais recentemente... Lajes e Pilares SOMENTE VIGA DE BORDA Estruturas em concreto armado Estruturas em concreto armado Mais recentemente... Pilares

Leia mais

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS Arancibia Rodríguez, Marco A. (1); Novaes, Rogério (2) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Doutorando em

Leia mais

Paredes Maciças as de Concreto

Paredes Maciças as de Concreto Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4B Paredes Maciças as de Concreto Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 O que são?: São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA Por que medir produtividade e perdas? Brasil vive descasamento

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL RELATÓRIO DE INSPEÇÃO PREDIAL Agosto/2011 CONDOMÍNIO VISION Engº Claudio Eduardo Alves da Silva CREA nº: 0682580395 F o n e / F a x : ( 1 1 ) 2 6 5 1-5918 R. C e l. B e n to J o s é d e C a r v a lh o,

Leia mais

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES Autor: Paulo André Brasil Barroso Eng. Civil. Pós-graduado em cálculo estrutural McGill University Montreal Canadá 1975/1977. Sócio de uma das maiores empresas fabricantes de estruturas metálicas do país

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

1. DADOS DO EMPREENDIMENTO 2. PROJETISTAS/PARCEIROS 3.1 DETALHES DE EXECUÇÃO 4. ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE 7. ANÁLISE FINANCEIRA

1. DADOS DO EMPREENDIMENTO 2. PROJETISTAS/PARCEIROS 3.1 DETALHES DE EXECUÇÃO 4. ÍNDICES DE PRODUTIVIDADE 7. ANÁLISE FINANCEIRA RS OBJETIVO Demonstrar as características do Sistema Construtivo de paredes de concreto com forma de Alumínio, pontuando as vantagens e desvantagens desse método de construção. ÍNDICE 1. DADOS DO EMPREENDIMENTO

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

Residencial Recanto do Horizonte

Residencial Recanto do Horizonte MEMORIAL DESCRITIVO Residencial Recanto do Horizonte FUNDAÇÃO E ESTRUTURA As Fundações serão executadas de acordo com o projeto estrutural, elaborado de acordo com as normas técnicas pertinentes e baseadas

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

ANEXO XII Memorial Descritivo

ANEXO XII Memorial Descritivo ANEXO XII Memorial Descritivo Para execução das obras, deverão ser observadas as Especificações Técnicas do Caderno de Encargos da PMPA. Foram elaboradas Especificações Técnicas Complementares, bem como

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase Este Memorial Descritivo tem por finalidade especificar os materiais e serviços a serem executados na REFORMA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod

Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Modulação Automática de Edifícios em Alvenaria Estrutural com a utilização da Plataforma CAD: Programa AlvMod Davi Fagundes Leal 1,, Rita de Cássia Silva Sant Anna Alvarenga 2, Cássio de Sá Seron 3, Diôgo

Leia mais

O PROJETO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS: CARACTERÍSTICAS E A IMPORTÂNCIA PARA A RACIONALIZAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO.

O PROJETO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS: CARACTERÍSTICAS E A IMPORTÂNCIA PARA A RACIONALIZAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO. O PROJETO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS: CARACTERÍSTICAS E A IMPORTÂNCIA PARA A RACIONALIZAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica

Leia mais

- Generalidades sobre laje Treliça

- Generalidades sobre laje Treliça - Generalidades sobre laje Treliça São lajes em que a viga pré-fabricada é constituída de armadura em forma de treliça, e após concretada, promove uma perfeita solidarização, tendo ainda a possibilidade

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

1 - Apresentação. Foto 1. Foto 2. Fotos 1 e 2: Canteiro de obras de uma construção em alvenaria estrutural com blocos cerâmicos.

1 - Apresentação. Foto 1. Foto 2. Fotos 1 e 2: Canteiro de obras de uma construção em alvenaria estrutural com blocos cerâmicos. 1 - Apresentação A alvenaria estrutural é um processo construtivo em que as paredes de alvenaria e as lajes enrijecedoras ALVENARIA funcionam estruturalmente em substituição aos pilares e vigas utilizados

Leia mais

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa

Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Feita de isopor Construir 370 m2 em seis meses sem estourar o orçamento nem gerar entulho: valeu investir na casa Será que é resistente? Aceita qualquer revestimento? E se molhar? Esse mar de dúvidas invade

Leia mais

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências.

LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. LEI Nº 1822, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. Revoga o Anexo I, e altera os Anexos II e III da Lei Municipal n 1.215/2009, e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum, Estado

Leia mais

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA.

CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. CUSTO COMPARADO DE ELEMENTOS PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO: PRÉ-LAJE PROTENDIDA X LAJE ALVEOLAR PROTENDIDA. Adriano Mariot da Silva (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo.

Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. Com relação à industrialização e à racionalização das construções, julgue o item subsecutivo. 85.(STM/CESPE/2011) A taipa de mão é, tradicionalmente, fabricada por meio de processos artesanais ou com forte

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais