Especialização Disciplina Sistemas Distribuídos Prof. Cesar A. Tacla UTFPR/Curitiba

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Especialização Disciplina Sistemas Distribuídos Prof. Cesar A. Tacla UTFPR/Curitiba"

Transcrição

1 - 1 -

2 - 2 -

3 - 3 -

4 A arquitetura de um sistema é a sua estrutura em termos dos elementos (componentes) constituintes. O objetivo de uma arquitetura (e de dividi-la em componentes) é assegurar que a estrutura satisfaça e satisfará as necessidades dos usuários. As maiores questões envolvidas na definição da arquitetura referem-se à confiabilidade, gerenciabilidade, flexibilidade e balanceamento custo-desempenho do sistema. Quando estudamos modelos de arquitetura buscamos padrões arquiteturais que definem a localização dos componentes, ou seja, onde colocar o componente na rede buscando padrões que dêem boa distribuição da carga de trabalho e dos dados. Enfim, a arquitetura trata da divisão de responsabilidades entre os componentes do sistema (processos servidores, clientes e outros processos) e de posicionar estes componentes na rede. Esta divisão de responsabilidades e posicionamento tem implicações no desempenho, confiabilidade e segurança do sistema

5 No diagrama de componentes, as relaçõesdescrevem os papéis funcionais e padrões de comunicação utilizados entre os componentes. Por exemplo, os componentes cliente e servidor são capazes de enviar e receber bytes (vetor de bytes)

6 No diagrama de componentes, representa-se os componentes localizados nos respectivos ambientes ou máquinas onde executam

7 - 7 -

8 - 8 -

9 - 9 -

10 Um servidor pode ser cliente de outro. Por exemplo, um servidor de páginas WEB é cliente de um servidor de arquivos local que gerencia os arquivo das páginas. Outro exemplo é o proxy de WEB (ver slide seguinte)

11 - 11 -

12 Servidores proxy de WEB possuem um espaço de armazenamento temporário para páginas WEB recentemente visitadas pelos clientes. Ao invés de transferir todos os pedidos que chegam até ele aos servidores WEB, primeiramente verifica se a página solicitada está disponível no cache local. Caso esteja disponível e atualizada, serve-a ao cliente. Um servidor proxy aumenta a disponibilidade do serviço (caso um servidor WEB torne-se indisponível ( caia ), suas páginas continuam disponíveis em cache, e aumenta o desempenho do serviço

13 Servidores podem rodar em computadores diferentes, mas oferecendo um serviço único. Por exemplo, uma base de dados que possui muitos acessos (muitos clientes) pode ser replicada em diversos servidores que garantem a disponibilidade do serviço com um desempenho satisfatório.por exemplo, o serviço de busca Googlepossui vários servidores replicados (índices para páginas WEB): ou.com.br ou.com. Outro exemplo, são sites que oferecem linksalternativos para fazer downloadde arquivos. Isto indica replicação de dados (ex

14 - 14 -

15 Applets são bastante usadas e servem para ilustrar esta variação da arquitetura cliente-servidor. A vantagemde se utilizar applets (ou código móvel) é prover um tempo de resposta melhor ao usuário, principalmente nos casos onde há muita interatividade (ex. preenchimento de formulários). Como o cliente interage localmente com a applet, não há desperdício de banda de passagem e nem atrasos na comunicação entre cliente e servidor

16 A applet pode comunicar-se com o servidor com o objetivo de manter o usuário atualizado. Por exemplo, uma applet consulta de tempos em tempos informações sobre cotações de ações disponíveis no servidor e mostra ao usuário. Este modelo é conhecido por push model

17 Exemplos de applets numa arquitetura cliente-servidor do tipo push. Banco do Brasil: Lances de jogos de futebol (sites esportivos)

18 Applets numa arquitetura cliente-servidor do tipo push. Exemplos: Banco do Brasil: -

19 - 19 -

20 Todos os hosts são iguais no compartilhamento de recursos e comunicação

21 As idéias precursoras ou a visão de Licklider levou a criação do protocolo host-to-host NCP, precursor do TCP/IP

22 Alguns eventos levaram ao predomínio da arquitetura cliente-servidor: -A Internet tornou-se gradualmente mais comercial, levando as empresas a criarem firewalls para protegerem as informações e controlarem o acesso; -Milhões de pessoas se conectam a Internet por meio de seus desktops que não podem competir com o poder de processamento dos servidores que formam a espinha dorsal da Internet; -Muitas aplicações da Internet se baseiam na arquitetura cliente-servidor: WWW, FTP

23 - 23 -

24 - 24 -

25 - 25 -

26 - 26 -

27 - 27 -

28 - 28 -

29 - 29 -

30 - 30 -

31 - 31 -

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação 1 Universidade Federal Fluminense Campus de Rio das Ostras Curso de Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Professor: Leandro Soares de Sousa e-mail: leandro.uff.puro@gmail.com site:

Leia mais

Banco de Dados para Redes. Cassio Diego cassiodiego.com

Banco de Dados para Redes. Cassio Diego cassiodiego.com Banco de Dados para Redes Cassio Diego cassiodiego.com 1 Agenda 03/11 - Unidade 4 + Exercícios; 10/11 - Unidade 5 + Exercícios; 17/11 - Revisão; 24/11 - AV2; 01/12 - AV3. 2 Aula de hoje UNIDADE 4: ARQUITETURA

Leia mais

Introdução a Banco de Dados. INTRODUÇÃO

Introdução a Banco de Dados. INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O termo banco de dados é bastante popular em diversas áreas de atuação. Com o aumento da utilização de computadores na manipulação de dados que envolvem diversas aplicações, os bancos de dados

Leia mais

1.1. Definição do Problema

1.1. Definição do Problema 13 1 Introdução Uma das principais preocupações de área de engenharia de software diz respeito à reutilização [1]. Isso porque a reutilização no contexto de desenvolvimetno de software pode contribuir

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Desbravando o Mundo Digital

Resumo Aula-tema 07: Desbravando o Mundo Digital Resumo Aula-tema 07: Desbravando o Mundo Digital Você já ouviu falar em redes sociais, Twitter, Web 2.0, Blog, Orkut, YouTube? As mudanças que ocorrem na área da tecnologia são constantes e tão rápidas

Leia mais

Arquiteturas para Sistemas Distribuídos I

Arquiteturas para Sistemas Distribuídos I Arquiteturas para Sistemas Distribuídos I Pedro Ferreira Departamento de Informática Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Tópicos Estilos Arquiteturais: formas de desenhar o software do SD Organização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores FTP Prof. Thiago Dutra Agenda n Definição de FTP n Características do FTP n Usos Comuns do FTP n Funcionamento do FTP n Mensagens FTP n Códigos de Resposta

Leia mais

Sistema Operacional. Implementação de Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Implementação de Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Implementação de Processo e Threads O mecanismo básico para a criação de processos no UNIX é a chamada de sistema Fork(). A Figura a seguir ilustra como que o processo e implementado.

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA - CIDADÃO 1. PORTAL DA SALA DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO

MANUAL DO SISTEMA - CIDADÃO 1. PORTAL DA SALA DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO 1. PORTAL DA SALA DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO O portal da Sala de Atendimento ao Cidadão está disponível no endereço: www.cidadao.mpf.mp.br. Nesse ambiente é possível registrar uma manifestação, consultar

Leia mais

SIG. USANDO A TECNOLOGIA COMO SUPORTE Tecnologias de Apoio

SIG. USANDO A TECNOLOGIA COMO SUPORTE Tecnologias de Apoio SIG USANDO A TECNOLOGIA COMO SUPORTE Tecnologias de Apoio Os Sistemas de Informações e os Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) podem ser manuais e eletrônicos. I parte SIGs eletrônicos Tecnologias

Leia mais

Catálogo de Serviços

Catálogo de Serviços Catálogo de Serviços ID: SN04 Nome: E-mail Descrição: Serviço de e-mail para servidores do GDF Catalogado: 31/07/2013 Última revisão: 14/08/2013 Coordenação: Coordenação Técnica do Centro de Dados - COCED

Leia mais

Elementos básico de uma rede Samba - Local Master Browser

Elementos básico de uma rede Samba - Local Master Browser Servidor Samba Linux Samba é o protocolo responsável pela integração de máquinas Linux com Windows, permitindo assim a criação de redes mistas utilizando servidores Linux e clientes Windows. Samba, é uma

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulo 4 - Aula 5

Sistemas Distribuídos Capítulo 4 - Aula 5 Sistemas Distribuídos Capítulo 4 - Aula 5 Aula Passada Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Aula de hoje Chamada de Procedimento Remoto - RPC Fundamentos 1 Chamada de Procedimento

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação Parte I Prof. Thiago Dutra Agenda Camada de Aplicação n Introdução n Visão Geral n Aplicações de Rede n Desenvolvimento n Arquiteturas

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 4

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 4 FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS MÓDULO 4 Índice 1. Evolução dos Sistemas Operacionais Continuação...3 1.1. Década de 70... 3 1.2. Década de 80... 4 2 1. EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS OPERACIONAIS CONTINUAÇÃO

Leia mais

Conceitos de Segurança

Conceitos de Segurança I N S T I T U T O F E D E R A L D E S E R G I P E P R O F. M A R C E L O M A C H A D O C U N H A W W W. M A R C E L O M A C H A D O. C O M Por que alguém iria querer invadir um computador? Utilizar o computador

Leia mais

DESVENDADO O TCP/IP. Prof. Me. Hélio Esperidião

DESVENDADO O TCP/IP. Prof. Me. Hélio Esperidião DESVENDADO O TCP/IP Prof. Me. Hélio Esperidião TCP/IP INTERNAMENTE Quando dois computadores tentam trocar informações em uma rede, o TCP/IP precisa, primeiro, determinar se os dois computadores pertencem

Leia mais

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 6 - Threads Com o conceito de múltiplos threads (multithread) é possível

Leia mais

Inclusão Digital em São Paulo. Julio Semeghini. Diálogo Público - Os Desafios da Inclusão Digital

Inclusão Digital em São Paulo. Julio Semeghini. Diálogo Público - Os Desafios da Inclusão Digital Diálogo Público - Os Desafios da Inclusão Digital Inclusão Digital em São Paulo Julio Semeghini Subsecretário de Tecnologia e Serviços ao Cidadão Secretaria de Governo Governo do Estado de São Paulo 08

Leia mais

Técnicas de Programação para a Web. Luiz Cláudio Silva. Novembro de 2005. Apresentação

Técnicas de Programação para a Web. Luiz Cláudio Silva. Novembro de 2005. Apresentação Técnicas de Programação para a Web Luiz Cláudio Silva Novembro de 2005 Apresentação Objetivos Gerais Identificar os diversos modelos de funcionamento de uma aplicação Web Citar as caracterísitcas de uma

Leia mais

Banco de Dados para Redes. Cassio Diego cassiodiego.com

Banco de Dados para Redes. Cassio Diego cassiodiego.com Banco de Dados para Redes Cassio Diego cassiodiego.com 1 Agenda 10/11 - Unidade 5 + Exercícios; 17/11 - Revisão; 24/11 - AV2; 01/12 - AV3. 2 Aula de hoje UNIDADE 5: ESTRUTURA DE ARMAZENAMENTO DE BANCO

Leia mais

Orientações para U.lização de Ferramentas de Comunicação

Orientações para U.lização de Ferramentas de Comunicação Orientações para U.lização de Ferramentas de Comunicação Introdução Diferente da maioria das ins.tuições, em geral, a FBASD e suas filiadas são dirigidas por pais de pessoas com síndrome de Down que tem

Leia mais

Nota Fiscal Alagoana. Manual para Envio de Arquivo de Cupons Fiscais via Webservice

Nota Fiscal Alagoana. Manual para Envio de Arquivo de Cupons Fiscais via Webservice GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS CSGII - COORDENADORIA SETORIAL DE GESTÃO DA INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO Nota Fiscal Alagoana Manual para Envio de Arquivo de Cupons Fiscais via Versão 1.0 20/04/2009 Índice Analítico

Leia mais

Rede Local - Administração Gestão de Objetos da Rede: Active Directory

Rede Local - Administração Gestão de Objetos da Rede: Active Directory Rede Local - Administração Gestão de Objetos da Rede: Active Directory Formador: Miguel Neto (migasn@gmailcom) Covilhã - Novembro 10, 2015 Internet VS Intranet Miguel Neto Rede Local - Administração Novembro

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação

Administração de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação A tecnologia da informação está em toda parte nos negócios 1 Departamentos comuns em uma organização FUNDAMENTOS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DA TECNOLOGIA

Leia mais

Navegadores Browsers

Navegadores Browsers Navegadores Browsers Internet Explorer Chrome Firefox Internet Explorer Chrome Firefox CESPE - 2013 - TRT - 10ª REGIÃO (DF e TO) - Técnico Judiciário Acerca dos conceitos de sistema operacional (ambientes

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. M.e Helber Wagner da Silva helber.silva@ifrn.edu.br Maio de 2014 Roteiro Introdução Estrutura e Funções do Sistema Operacional Sistemas Operacionais existentes

Leia mais

Rede de Computadores (REC)

Rede de Computadores (REC) Rede de Computadores (REC) Aula 04 Camada de Aplicação Prof. Jackson Mallmann dcc2jm@joinville.udesc.br Exemplos de requisição via telnet. iniciar / executar / cmd (Windows) telnet endereço telnet 192.168.1.3

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE INFORMÁTICA

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE INFORMÁTICA Florianópolis, 29 de abril de 2016. COMUNICADO Ao Responsável pelo Controle Interno Municipal Em complementação ao Comunicado feito aos Controles Internos municipais, datado de 08/04/2016, referente ao

Leia mais

Capítulo 2 A Camada de Aplicação Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática

Capítulo 2 A Camada de Aplicação Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática Capítulo 2 A Camada de Aplicação Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática slide 1 Capítulo 2: Camada de aplicação 2.1 Princípios de aplicações de rede 2.2 A Web e o HTTP 2.3 FTP 2.4 Correio

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Microcontroladores e Microprocessadores Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Conversão de Qualquer base para Decimal Decimal para Binário Hexadecimal para binário Componentes básicos de

Leia mais

Anexo III. Pesquisa de satisfação

Anexo III. Pesquisa de satisfação Anexo III Pesquisa de satisfação Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2014-2016 Página 1 de 7 1. Introdução Em maio de 2015 a ANVISA iniciou o processo formal de planejamento da

Leia mais

O Correio Electrónico (E-Mail) é um dos serviços mais populares da Internet.

O Correio Electrónico (E-Mail) é um dos serviços mais populares da Internet. O Correio Electrónico internet O Correio Electrónico O Correio Electrónico (E-Mail) é um dos serviços mais populares da Internet. Com o Correio Electrónico pode enviar mensagens para pessoas de todo o

Leia mais

BANCO DE DADOS. Professor: André Dutton

BANCO DE DADOS. Professor: André Dutton BANCO DE DADOS Professor: André Dutton BASES TECNOLÓGICAS Conceito de bases de dados. Modelos conceituais de informações. Modelos de dados: relacional, de redes e hierárquicos. Introdução à teoria relacional:

Leia mais

Administração de Sistemas Proprietários. Prof. Rodrigo Siqueira

Administração de Sistemas Proprietários. Prof. Rodrigo Siqueira Administração de Sistemas Proprietários Prof. Rodrigo Siqueira Lição 1: Funções de servidor Edições do Windows Server 2008 O que são funções de servidor? O que são as funções de serviços de infra-estrutura

Leia mais

www.equilibriumweb.com

www.equilibriumweb.com www.equilibriumweb.com design por cristian c. de almeida APRESENTAÇÃO O mercado está cheio de empresas jovens e inovadoras. O que diferencia a Equilibrium Web das demais é a experiência de ter trabalhado

Leia mais

Proporcionar a modelagem de sistemas utilizando todos os conceitos da orientação a objeto;

Proporcionar a modelagem de sistemas utilizando todos os conceitos da orientação a objeto; Módulo 7 UML Na disciplina de Estrutura de Sistemas de Informação, fizemos uma rápida passagem sobre a UML onde falamos da sua importância na modelagem dos sistemas de informação. Neste capítulo, nos aprofundaremos

Leia mais

Guia de desenvolvimento de um aplicativo para o sistema operacional Android

Guia de desenvolvimento de um aplicativo para o sistema operacional Android Guia de desenvolvimento de um aplicativo para o sistema operacional Android Introdução Este documento será voltado para o desenvolvimento de um aplicativo na plataforma Android (sistema operacional do

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Tecnologias WEB Web 3.0 Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos As pessoas geram o conhecimento; A informação é a matéria prima na geração de

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Comunicação em Sistemas Distribuídos Sumário Comunicação

Leia mais

SIMULADO A - COBIT 5 PORTUGUES

SIMULADO A - COBIT 5 PORTUGUES SIMULADO A - COBIT 5 PORTUGUES 1. Que atributo está associado a um processo já estabelecido? a. Definição do Processo b. Medida do Processo c. Otimização do Processo d. Gerenciamento de Desempenho 2. Que

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL. instrumento de INCLUSÃO SOCIAL

INCLUSÃO DIGITAL. instrumento de INCLUSÃO SOCIAL INCLUSÃO DIGITAL instrumento de INCLUSÃO SOCIAL Brasil Telecom Área territorial: 2,6 milhões de km² (33% do território nacional) 25% do PIB (R$ 276 bilhões em 2001) 23% da População (40 milhões) 10.548

Leia mais

26 de agosto de 2014 Belo Horizonte - MG Claudio Mello

26 de agosto de 2014 Belo Horizonte - MG Claudio Mello Cloud Computing IX Encontro dos Profissionais de TI das Cooperativas Mineiras 26 de agosto de 2014 Belo Horizonte - MG Claudio Mello Apresentação 20 anos de experiência nas áreas de Tecnologia da Informação

Leia mais

5 - Qual é a principal vantagem de desenvolvimento de código por pares:

5 - Qual é a principal vantagem de desenvolvimento de código por pares: 1 - Quais são os atributos essenciais de um bom software: a) Ser baseado numa boa linguagem de programação b) Fácil manutenção, segurança, eficiência e aceitabilidade c) Fácil manutenção e simplicidade

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais

Administração de Sistemas Operacionais Administração de Sistemas Operacionais João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 08/2009 1 / 9 Ementa Características de um servidor da plataforma Linux: fundamentos, configuração e administração; 2 / 9 Ementa

Leia mais

HouseManager - Projeto de Automação Residencial

HouseManager - Projeto de Automação Residencial HouseManager - Projeto de Automação Residencial Rodrigo de Moraes UNISINOS Universidade do Vale dos Sinos Av. Unisinos, 950, São Leopoldo, RS, Brasil digao@sinos.net Resumo Neste artigo será apresentada

Leia mais

Objetivos. Definir e classificar os principais tipos de softwares Básico Aplicativos

Objetivos. Definir e classificar os principais tipos de softwares Básico Aplicativos Objetivos Definir e classificar os principais tipos de softwares Básico Aplicativos Software Categorias Principais de Software Básico Chamado de Sistema Operacional. Informa ao computador como ele deve

Leia mais

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAR ALTERAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAR ALTERAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAR ALTERAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.03.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.03.01.pdf Data: 31/07/2000 STATUS: EM VIGOR A Assessoria

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C. Exercícios: Structs

Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C. Exercícios: Structs Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de programação em linguagem C Exercícios: Structs 1. Utilizando estrutura, fazer um programa em C que permita

Leia mais

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS Marcelo Henrique dos Santos Marcelo Henrique dos Santos Email: Site: marcelosantos@outlook.com www.marcelohsantos.com.br TECNOLOGIA EM JOGOS

Leia mais

FSW CTIS FÁBRICA DE SOFTWARE. case fsw ctis

FSW CTIS FÁBRICA DE SOFTWARE. case fsw ctis 01 FSW CTIS FÁBRICA DE SOFTWARE case fsw ctis 01 DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SISTEMA SETOR DE ATUAÇÃO CLIENTE Governo VIGÊNCIA Agosto/2014 a junho/2015 ABRANGÊNCIA Município de São Paulo FSW CTIS O

Leia mais

Análise de Mercado. Plano de Negócios

Análise de Mercado. Plano de Negócios Análise de Mercado Plano de Negócios Estudo de Clientes 1 º passo Identificando as características gerais dos clientes Se pessoas físicas Qual a faixa etária? Na maioria são homens o mulheres? Tem família

Leia mais

Virtualização de Servidores. Adirlhey Assis Marcus Vinicius Coimbra

Virtualização de Servidores. Adirlhey Assis Marcus Vinicius Coimbra Virtualização de Servidores Adirlhey Assis Marcus Vinicius Coimbra Curriculum Autor: Marcus Coimbra Graduado em Informática, possui MBA em e-commerce e MIT em Governança de TI, atua na área a 25 anos,

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão

Arquitetura TCP/IP. Apresentado por: Ricardo Quintão Arquitetura TCP/IP Apresentado por: Ricardo Quintão Roteiro Conexões Inter-redes Serviço Universal Rede Virtual (inter-rede ou internet) Protocolos para ligação inter-redes (TCP/IP) Divisão em camadas

Leia mais

Pesquise defeitos o erro incapaz de conectar ao server da Voz em um servidor de unidade

Pesquise defeitos o erro incapaz de conectar ao server da Voz em um servidor de unidade Pesquise defeitos o erro incapaz de conectar ao server da Voz em um servidor de unidade Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Problema Solução Informações Relacionadas

Leia mais

ANEXO TÉCNICO REQUERIMENTOS DE INFRAESTRUTURA BEMATECH GEMCO NFC-e

ANEXO TÉCNICO REQUERIMENTOS DE INFRAESTRUTURA BEMATECH GEMCO NFC-e ANEXO TÉCNICO REQUERIMENTOS DE INFRAESTRUTURA BEMATECH GEMCO NFC-e Introdução Este documento tem por objetivo demonstrar uma visão geral dos requerimentos e necessidades de infraestrutura para a implantação

Leia mais

CE03 TIPOS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO

CE03 TIPOS DE COMÉRCIO ELETRÔNICO 1 2 Conhecer os diversos tipos de comércio eletrônico e seus benefícios para as empresas e consumidores. 3 Para atingir os objetivos propostos serão abordados os seguintes tópicos: 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS

Leia mais

Guia de impressão. Carregamento de bandejas. Guia de impressão. 1 Remova totalmente a bandeja.

Guia de impressão. Carregamento de bandejas. Guia de impressão. 1 Remova totalmente a bandeja. Página 1 de 10 Guia de impressão Esta seção explica como carregar bandejas para 250 e 550 folhas e o alimentador de várias funções. Ela também inclui informações sobre orientação do papel, definição do

Leia mais

Projeto de Aplicações WEB WEB I

Projeto de Aplicações WEB WEB I Projeto de Aplicações WEB I Aula 01 I A beleza está nos olhos do usuario! É um mundo grande (enorme)... Mas quem está realmente nele? Assegurar que satisfaçam os usuários. Tudo começa com um bom Planejamento.

Leia mais

FI Admin: aplicação para administração de dados. Curso LIS e Direve 2014

FI Admin: aplicação para administração de dados. Curso LIS e Direve 2014 FI Admin: aplicação para administração de dados Curso LIS e Direve 2014 FI-Admin Aplicação para administração de dados das fontes de informação da BVS Atualmente utilizado para LIS e DirEve Aplicações

Leia mais

WINDOWS XP. Autor: Amarildo Correia de Melo

WINDOWS XP. Autor: Amarildo Correia de Melo WINDOWS XP Autor: Amarildo Correia de Melo COLEÇÃO NAVEGANDO NO WINDOWS XP INFORMÁTICA Editora Melo LTDA 1ª EDIÇÃO 2015 DEDICATÓRIA: À minha família, pelo o incentivo e companheirismo. " O Senhor é meu

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação Slide 1 Aplicação e Protocolo de Aplicação Aplicação: processos distribuídos em comunicação rodam nos computadores usuários da rede como programas de usuário trocam

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Descrever requisitos funcionais e não funcionais Explicar como os requisitos de software podem

Leia mais

ROTEIRO PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DIGITAL A1

ROTEIRO PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DIGITAL A1 ROTEIRO PARA EMISSÃO DE CERTIFICADO DIGITAL A1 Informações importantes sobre a emissão do Certificado A1: 1. Todos os certificados do tipo A1 emitidos no computador/usuário são gerados em um único Repositório

Leia mais

SOFTWARE DE CONTROLE DE ENTREGAS USANDO DISPOSITIVOS MÓVEIS E WEB SERVICE SOBRE A PLATAFORMA.NET

SOFTWARE DE CONTROLE DE ENTREGAS USANDO DISPOSITIVOS MÓVEIS E WEB SERVICE SOBRE A PLATAFORMA.NET SOFTWARE DE CONTROLE DE ENTREGAS USANDO DISPOSITIVOS MÓVEIS E WEB SERVICE SOBRE A PLATAFORMA.NET Autor: Ivan Carlos Junges Orientador: Francisco Adell Péricas Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos

Leia mais

FIQUE POR DENTRO DA INTERNET

FIQUE POR DENTRO DA INTERNET Instituto de Educação infantil e juvenil Primavera, 2013. Londrina, de. Nome: Ano: Tempo Início: término: total: Edição XX MMXIII Fase 3 Grupo A FIQUE POR DENTRO DA INTERNET Um em cada dez consumidores

Leia mais

Structural Patterns - Proxy

Structural Patterns - Proxy Prover um controle de acesso para determinados objetos, de tal maneira que estes objetos estejam protegidos ou subordinados ao objeto proxy. A idéia é que o objeto produto seja acessível pela aplicação

Leia mais

Rede de computadores Servidor. Professor Carlos Muniz

Rede de computadores Servidor. Professor Carlos Muniz Rede de computadores Professor Carlos Muniz Definição Em informática, um servidor é um sistema de computação que fornece serviços a uma rede de computadores. Esses serviços podem ser de natureza diversa,

Leia mais

MARCELO NEGRÃO DIRETOR COMERCIAL TÉC. www.brc.com.br 11 2165 8888

MARCELO NEGRÃO DIRETOR COMERCIAL TÉC. www.brc.com.br 11 2165 8888 MARCELO NEGRÃO DIRETOR COMERCIAL TÉC. Appliance Marco Civil da Internet O OMNE3 é a única ferramenta que garante a integridade dos registros que constam em banco de dados de relatórios. Através de um

Leia mais

Plano de Ensino CURSO: TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS DISCIPLINA: JOGOS MASSIVOS PELA INTERNET

Plano de Ensino CURSO: TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS DISCIPLINA: JOGOS MASSIVOS PELA INTERNET CURSO: TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS DISCIPLINA: JOGOS MASSIVOS PELA INTERNET Matriz Curricular 016-1 Carga Horária 80 H/A EMENTA Estudo dos fundamentos para elaboração de um projeto usuários pela Estudo

Leia mais

Espaço Vida Saudável 1

Espaço Vida Saudável 1 Espaço Vida Saudável 1 Índice Cadastro de EVS... Pág 03 Novas Normas de Localização... Pág 09 Licença de funcionamento... Pág 12 Lançamento Pacote EVS... Pág 26 2 Cadastro EVS Por que cadastrar? Estar

Leia mais

Virtualização: o caminho para usar os recursos computacionais de forma inteligente

Virtualização: o caminho para usar os recursos computacionais de forma inteligente Virtualização: o caminho para usar os recursos computacionais de forma inteligente 26 de Agosto de 2015 Belo Horizonte - MG Fabrício Roulin Bittencout Bom dia a todos! Sejam bem-vindos! Apresentação Doutorando

Leia mais

Soluções de gestão de clientes e de impressão móvel

Soluções de gestão de clientes e de impressão móvel Soluções de gestão de clientes e de impressão móvel Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca comercial registada da Microsoft Corporation nos

Leia mais

TUTORIAL SOBRE O GOOGLE DOCS

TUTORIAL SOBRE O GOOGLE DOCS TUTORIAL SOBRE O GOOGLE DOCS O Google Docs é um recurso do Google que funciona como um HD virtual permitindo criar e compartilhar trabalhos on-line. Ele é uma ferramenta com características da nova tendência

Leia mais

Guia do Usuário Gestor Web TIM

Guia do Usuário Gestor Web TIM Gestor Web TIM Página 1 de 15 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 FUNCIONALIDADES 4 2.1 Login 4 Gestor Web TIM 2.2 Número Abreviado 6 2.3 Conta Pré-Paga 6 2.4 Chamadas Originadas 8 2.5 Siga-me 9 2.6 Limite de Créditos

Leia mais

Passagens de Mensagens

Passagens de Mensagens Passagens de Mensagens Felipe A. Cavani Caio Scaramucci Orientador: Prof. Norian Marranghello 11/04/2002 1 Sumário 1 Introdução 2 2 Primitivas básicas de comunicação 2 2.1 Serviço de transporte.......................

Leia mais

Computação Instrumental

Computação Instrumental Computação Instrumental Antonio Cesar Germano Martins amartins@sorocaba.unesp.br Engenharia Ambiental 2º Semestre de 2016 1 Memória de Massa Entrada Barramento Saída Memória Principal Unidade Central de

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 1 - OBJETIVO Prover orientação e apoio para a segurança da informação de acordo com os requisitos do negócio e com as leis e regulamentações pertinentes para a melhor utilização dos recursos disponíveis

Leia mais

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos O presente documento tem como objetivo apresentar as diretrizes e orientar no preenchimento do formulário de inscrição

Leia mais

Desafios da Implantação da IDE.Bahia. Iara Musse Felix Murilo Oliveira Diego Mendes Rodrigues

Desafios da Implantação da IDE.Bahia. Iara Musse Felix Murilo Oliveira Diego Mendes Rodrigues Desafios da Implantação da IDE.Bahia Iara Musse Felix Murilo Oliveira Diego Mendes Rodrigues Salvador, 16 de Dezembro de 2014 O Contexto de Desenvolvimento do Projeto Qualidade e completude das especificações

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. César Melo

Redes de Computadores. Prof. César Melo Redes de Computadores Prof. César Melo 1 Onde +Detalhes 2 Parte I: Introdução Objetivos: Introduzir conceitos básicos em redes Abordagem: descritiva Internet como exemplo Ler capítulo 1 do livro texto

Leia mais

T écnicas de Obtenção de Requisitos

T écnicas de Obtenção de Requisitos T écnicas de Obtenção de Requisitos Profa. Rosângela Penteado DC UFSCar rosangel@dc.ufscar.br 1 Roteiro Obtenção de Requisitos T écnicas de levantamento de requisitos Entrevistas Questionários Casos de

Leia mais

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br

- Campus Salto. Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Disciplina: Sistemas de Arquivos Docente: Fernando Santorsula E-mail: fernandohs@ifsp.edu.br Sistemas de Arquivos- Parte 2 Pontos importantes de um sistema de arquivos Vários problemas importantes devem

Leia mais

Atualização de Software Guia do Usuário

Atualização de Software Guia do Usuário Atualização de Software Guia do Usuário Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. As informações contidas neste

Leia mais

1- Confiabilidade ( 2 ) Proteção contra perdas e estragos. 2- Integridade ( 3 ) Proteção contra interferência de cortes de funcionamento

1- Confiabilidade ( 2 ) Proteção contra perdas e estragos. 2- Integridade ( 3 ) Proteção contra interferência de cortes de funcionamento Grupo 11 1. Em um SID a segurança é de grande importância, ela deve garantir que apenas usuários autorizados acessem recursos e garantir que a informação transmitida pela rede somente possa ser alcançada

Leia mais

Modem e rede local Guia do usuário

Modem e rede local Guia do usuário Modem e rede local Guia do usuário Copyright 2008 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. As únicas garantias para produtos

Leia mais

O Sistema de Computação

O Sistema de Computação Departamento de Ciência da Computação - UFF O Sistema de Computação Profa. Débora Christina Muchaluat Saade debora@midiacom.uff.br O Sistema de Computação Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes

Leia mais

AULA 3 Trabalhando com apresentações do Microsoft PowerPoint

AULA 3 Trabalhando com apresentações do Microsoft PowerPoint AULA 3 Trabalhando com apresentações do Microsoft PowerPoint Olá caro estudante! Nessa aula estudaremos os aspectos relacionados a apresentações do Microsoft PowerPoint. Esse item é muito importante e

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA

PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA 16 PROVA DE NOÇÕES DE INFORMÁTICA QUESTÃO 51: Em um computador com o sistema operacional Windows 2000, um usuário possui a seguinte configuração de permissões sobre um arquivo: As opções abaixo representam

Leia mais

SeTIC - Infraestrutura e Serviços e Sistemas de TIC. Visão Geral. Novembro/2015. Visão Geral

SeTIC - Infraestrutura e Serviços e Sistemas de TIC. Visão Geral. Novembro/2015. Visão Geral SeTIC - Infraestrutura e Serviços e Sistemas de TIC Novembro/2015 SeTIC Infraestrutura, Serviços e Sistemas de TIC Missão: Planejar, pesquisar, aplicar e desenvolver produtos e serviços de tecnologia da

Leia mais

Pesquisa Banda Larga Móvel

Pesquisa Banda Larga Móvel Pesquisa Banda Larga Móvel Fórum Nacional de Entidades Civis de Defesa do Consumidor e Idec Apresentação para CDUST Veridiana Alimonti 17 de dezembro de 2012 2 Pesquisa realizada em parceria entre FNECDC

Leia mais

Voltar. Voltar. Voltar

Voltar. Voltar. Voltar Introdução à Informática Capítulo 1 Computadores: Ferramentas para a Era da Informação Objetivos Descrever as características fundamentais dos computadores. Identificar os componentes básicos de um sistema

Leia mais

2) Em relação aos algoritmos de sincronização de relógios:

2) Em relação aos algoritmos de sincronização de relógios: Curso: REDES Disciplina: SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Professor (a): MARCELA SANTOS Data da Aplicação: 23 de maio de 2010 Teste referente à AV2 Nota: Visto do Professor (a): Nome: 1) Sistemas monoprocessados

Leia mais

INE 5323 Banco de Dados I

INE 5323 Banco de Dados I UFSC-CTC-INE Curso de Ciências de Computação INE 5323 Banco de Dados I Ronaldo S. Mello 2006/1 http://www.inf.ufsc.br/~ronaldo/ine5323 Horário Atendimento: Quintas-feiras, das 17h30 às 19h Programa da

Leia mais

LOGÍSTICA LOGISTICA: Para profissionais que buscam conhecimentos de como gerenciar o armazenamento, o transporte e a distribuição de produtos entre outros serviços e monitoramento de operações dentro de

Leia mais

WBA PLD COMPLIANCE. WBA PLD Compliance: Controle, Avalie, Audite, Revise. Garanta que a política e os procedimentos estão sendo seguidos corretamente.

WBA PLD COMPLIANCE. WBA PLD Compliance: Controle, Avalie, Audite, Revise. Garanta que a política e os procedimentos estão sendo seguidos corretamente. WBA PLD COMPLIANCE WBA PLD COMPLIANCE Atenda as normas do COAF corretamente com o WBA PLD Compliance! O aplicativo atende os principais pilares da prevenção à lavagem de dinheiro e ao combate ao terrorismo:

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR SANTO ANDRÉ

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR SANTO ANDRÉ PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO O Instituto de Ensino Superior Santo André dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia

Leia mais

Diagramas de Sequência

Diagramas de Sequência Diagramas de Sequência Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros,

Leia mais