UPP CHAPÉU-MANGUEIRA / BABILÔNIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UPP CHAPÉU-MANGUEIRA / BABILÔNIA"

Transcrição

1 UPP CHAPÉU-MANGUEIRA / BABILÔNIA 09/2014 0

2 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DADOS DEMOGRÁFICOS E ÁREA OCUPADA INDICADORES SOCIOECONÔMICOS E URBANOS CENSO SERVIÇOS URBANOS E CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) LIXO ENERGIA ELÉTRICA EDUCAÇÃO ANALFABETISMO ENTRE CRIANÇAS DE 8 A 9 ANOS DE IDADE ANALFABETISMO ENTRE CRIANÇAS DE 10 A 14 ANOS DE IDADE ANALFABETISMO ENTRE PESSOAS COM 15 ANOS OU MAIS DE IDADE RENDA RENDIMENTO NOMINAL MENSAL DOMICILIAR PER CAPITA DOS DOMICÍLIOS PARTICULARES RENDIMENTO DOS RESPONSÁVEIS PELOS DOMICÍLIOS

3 UPP Chapéu-Mangueira / Babilônia - Informações Básicas 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL Mapa 1 Limite da UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, das comunidades que a compõem e das Regiões Administrativas 2013 Fonte: SABREN/ IPP, 2011, ISP 2013 A UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia é formada apenas por essas duas comunidades. Elas formam um complexo denominado de Complexo da Babilônia. A Tabela 1 mostra a localização das comunidades na UPP na Área de Planejamento 2, na Região Administrativa 5 Copacabana. As duas se localizam no bairro do Leme. Tabela 1 A.P., R.A., Bairro e Nome do Complexo das comunidades localizadas na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2013 Área de planejamento Região administrativa Bairros Nome do Complexo 2 V - Copacabana Leme Babilônia Fonte: SABREN/ IPP (2013) Babilônia Chapéu Mangueira A Tabela 2 apresenta resumidamente as legislações urbanísticas específicas das áreas, o número e o ano do respectivo decreto que regulamenta aquele espaço. Em seguida, a Tabela 3 resume os principais programas de urbanização implementados, em processo de implementação ou planejados nas áreas. Nesta tabela, foi inserida uma coluna indicando a categoria da comunidade conforme uma classificação elaborada para a coordenação do programa Morar Carioca da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro 1. 1 A classificação elaborada para a coordenação do Programa Morar Carioca tem por finalidade dimensionar as ações e os projetos de urbanização a serem implementados. Primeiramente, as comunidades da cidade foram classificadas como urbanizadas ou não- 2

4 As duas comunidades foram decretadas como Áreas de Especial Interesse Social em Observa-se, também, que as duas comunidades estão atualmente em processo de urbanização no âmbito da Fase 1 do Programa Morar Carioca e que já haviam passado por obras de melhoramento pelo Programa Bairrinho. Tabela 2 Legislação Urbanística das comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2013 Legislação Urbanística Babilônia Lei de Área de Especial Interesse Social (AEIS), nº 2912 de 29/10/1999 Chapéu Mangueira Lei de Área de Especial Interesse Social (AEIS), nº 2912 de 29/10/1999 Fonte: SABREN/ IPP (2013) Tabela 3 Programas de Urbanização e Classificação no Morar Carioca das comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2013 Programas de Urbanização Classificação no Morar Carioca Babilônia Chapéu Mangueira Fonte: IPP (2013) Bairrinho Morar Carioca - Fase 1 Bairrinho Morar Carioca - Fase 1 Assentamentos em processo de urbanização > 500 dom Assentamentos em processo de urbanização > 500 dom 2. DADOS DEMOGRÁFICOS E ÁREA OCUPADA 2 A Tabela 4 apresenta os dados sobre área, população, domicílio, número de habitantes por domicílio e densidade demográfica nas duas comunidades analisadas. O Gráfico 1 ilustra a diferença populacional entre as comunidades na área da UPP. Os dados revelam que a comunidade Babilônia é a mais populosa, concentrando 65% (ou hab) da população total. Vale ressaltar, no entanto, que apesar do tamanho da sua população e de ocupar o equivalente a 70% ( m²) da área total das duas comunidades ( m²), a densidade demográfica na Babilônia é sensivelmente menor que no seu vizinho Chapéu-Mangueira (290,9 e 372,3 (hab/ha) respectivamente). urbanizadas. Segundo, as comunidades não-urbanizadas, objetos do programa, foram classificadas de acordo com o tamanho e o grau de urbanização do complexo que integram. São quatro categorias a) Pequenos Assentamentos; b) Assentamentos entre 100 e 500 domicílios; c) Assentamentos com mais de 500 domicílios Parcialmente Urbanizados e; d) Assentamentos com mais de 500 domicílios Não-Urbanizados. Há também comunidades onde a urbanização ainda está em análise. 2 As estimativas de população e domicílios aqui apresentadas foram feitas pelo IPP em 2010, e resultaram da compatibilização do número de domicílios particulares permanentes e de moradores em domicílios particulares permanentes apurados pelo IBGE no Censo Demográfico 2010 com os limites definidos pelo IPP para as favelas. Como os limites adotados pelos dois órgãos eram muito próximos no ano de 2010, foram produzidos resultados estatísticos confiáveis. 3

5 Tabela 4 População, Domicílios, Habitantes por Domicílio, Área e Densidade Demográfica segundo as na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, e Município do Rio de Janeiro População (1) Domicílios (1) Habitantes por Domicílio Área (m²) (2) Densidade demográfica (hab/ha) Babilônia , ,9 Chapéu Mangueira , ,3 Total , ,6 Rio de Janeiro (3) , ,7 Fonte: (1) Instituto Pereira Passos, com base em IBGE, Censo Demográfico (2010) (2) Instituto Pereira Passos (2010) (3) Censo Demográfico IBGE (2010) Gráfico 1 - População segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia Chapéu Mangueira Babilônia Fonte: Instituto Pereira Passos, com base em IBGE, Censo Demográfico (2010) A Tabela 5 distribui a população por sexo e razão de sexo nas duas comunidades. Em ambos os lugares há mais mulheres do que homens (51,94% na Babilônia e 52,91% no Chapéu-Mangueira), o que causa uma razão entre os sexos considerável, de 91,3. As informações sobre as R.A.s onde a UPP se localiza, bem como do município do Rio de Janeiro também estão presentes na tabela, para fins de comparação. É importante ressaltar que, a partir deste ponto, os dados apresentados para a UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia são os divulgados pelo IBGE tendo como base o Censo Demográfico Tabela 5 Sexo e Razão de Sexos segundo as na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, e Município do Rio de Janeiro 2010 Homens % Mulheres % Total Razão de Sexos (H/M) x 100 Babilônia ,06% ,94% % 92,54 Chapéu Mangueira ,09% ,91% % 89,00 Total ,73% ,27% % 91,30 42,77% 57,23% 100% 74,74 Rio de Janeiro 46,83% 53,17% 100% 88,07 4

6 A Tabela 6 abaixo apresenta a população por faixas etárias. Tais faixas distribuem as populações entre crianças (de 0 a 14 anos de idade), jovens (entre 15 a 29 anos), adultos (entre 30 a 64 anos) e idosos (a partir de 65 anos de idade). Os dados mostram que nas duas comunidades a quantidade de crianças é bastante expressiva e similar, atingindo 24% do total de pessoas. Os jovens também são muitos: 26% da população total. Reunidos, os dois segmentos (crianças e jovens) representam 50% da população total. A maior parte da população está na faixa entre 30 e 64 anos de idade e correspondem a 45% do total de moradores, percentual próximo àquele observado no município do Rio de Janeiro e também da R.A. Copacabana. A grande discrepância está entre os idosos. Em ambas as comunidades, as pessoas a partir de 65 anos de idade representam apenas 5% do total da população, percentual muito abaixo da R.A. Copacabana (22,8%) e do município do Rio de Janeiro (10,4%). Tabela 6 Total e percentual de Crianças, Jovens, Adultos e Idosos segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, e Município do Rio de Janeiro 2010 Faixa Etária 0 a a a Total Pessoas % Pessoas % Pessoas % Pessoas % Pessoas % Babilônia % % % 111 5% % Chapéu Mangueira % % % 70 5% % Total % % % 181 5% % Rio de Janeiro 9,6% 19,6% 48,0% 22,8% 100,0% 19,4% 24,1% 46,0% 10,4% 100,0% A Tabela 7 abaixo mantém os mesmos segmentos da Tabela 6 (acima), mas separa a população por sexo. Conforme é possível observar, nascem mais mulheres do que homens nas duas comunidades e essa diferença se mantêm até os 29 anos de idade. Entre os 30 e 59 anos de idade, ambas tem a mesma quantidade de homens e mulheres (808). No entanto, na faixa que começa aos 60 anos de idade, a diferença entre homens e mulheres é importante: elas representam um pouco mais de 60% do total e eles 38,7%. Chama atenção também o fato de que o número total de pessoas com 60 anos ou mais é baixo se comparado aos outros grupos etários, principalmente considerando que com 60 anos de idade o individuo ainda não é idoso. Tabela 7 Faixa Etária por sexo segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2010 Faixa Etária / Sexo 0 a a a Total H M H M H M H M H M Babilônia Chapéu Mangueira Total As duas pirâmides etárias abaixo têm como objetivo ilustrar em conjunto a distribuição etária da população das comunidades Chapéu-Mangueira e Babilônia e compará-la com aquela observada na V R.A. (Copacabana). Conforme já foi destacado nos comentários acima, a população jovem dessas áreas é importante (23,9%), mas a pirâmide mostra que a maior parte das pessoas tem entre 30 e 49 anos de idade. Depois dessa idade, ou seja, a partir dos 50 anos, a população (tanto homens, quanto mulheres) começa a diminuir até chegar a apenas 1% na faixa que começa nos 75 anos. 5

7 Comparada com a pirâmide da V Região Administrativa (Copacabana), nota-se uma clara diferença na distribuição etária. Enquanto que no Chapéu-Mangueira e Babilônia a base da pirâmide é larga, na V R.A. ela é mais estreita. De 20 a 34 anos observa-se um aumento no número de pessoas que volta a se repetir a partir dos 45 anos até os 64 anos de idade. A maior discrepância está na população idosa. Ao contrário da pirâmide da UPP, na V R.A. o topo da pirâmide, que representa os idosos, é bastante larga, sinalizando a diferença alarmante entre essas duas realidades tão próximas geograficamente. Gráfico 2 Pirâmides Etárias das comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia e da UPP Babilônia / Chapéu-Mangueira Mulheres Homens 15% 10% 5% 0% 5% 10% 15% Fonte: Dados do Censo Demográfico IBGE (2010) Mulheres Homens 15% 10% 5% 0% 5% 10% 15% 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS Este item do Panorama dos Territórios apresenta um conjunto de dados socioeconômicos a respeito do território analisado, que revelam aspectos considerados de fundamental importância para entender a realidade da área considerada. Os dados estão apresentados em três seções. A primeira resume um conjunto de informações referentes à infraestrutura e serviços urbanos, assim como à condição domiciliar. Mais concretamente, dizem respeito ao acesso dos domicílios localizados na área da UPP à infraestrutura adequada de água e de esgotamento sanitário, assim como a serviços de coleta de lixo e de fornecimento de energia elétrica. Além disso, incluiu-se nesta seção a condição de ocupação do domicílio. A segunda seção resume algumas informações censitárias de educação, calculadas através do cruzamento entre dados de alfabetização da população com os de distintas faixas etárias. Optou-se pela delimitação de três faixas etárias: de 8 a 9 anos de idades, de 10 a 14 anos de idade e maiores de 15 anos. Dados absolutos de pessoas alfabetizadas ou não destes três recortes etários estão também apresentadas por sexo. Por fim, a terceira seção apresenta os dados de renda considerados mais pertinentes para este contexto. Os dados de renda domiciliar per capita foram observados de acordo com as seguintes faixas de renda: até 1/8 de salário mínimo; de 1/8 até ¼ de salário mínimo; de ¼ até ½ salário mínimo; de ½ até 1 salário mínimo; de 1 a 2 salários mínimos e de mais de 2 salários mínimos. Já os dados que tratam da renda dos responsáveis pelos domicílios e da renda segundo o sexo foram analisados em correspondência com outras faixas de renda: até ½ salários mínimos; de ½ até 1 salário mínimo; de 1 até 2 salários mínimos; de 2 a 3 salários mínimos e de mais de 3 salários mínimos SERVIÇOS URBANOS E CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO Por condição de ocupação entende-se que o domicílio pode ser próprio, alugado, cedido (mesmo que os moradores paguem taxas de conservação), ou ainda ocupado por uma forma que não se encaixa em nenhuma das três acima mencionadas, como por exemplo, através de ocupações. É importante frisar que a classificação dos domicílios nas categorias mencionadas é baseada naquilo que os moradores declararam ao Censo

8 A Tabela 8 mostra que na UPP Babilônia e Chapéu-Mangueira 75% dos imóveis são próprios, média bastante próxima do município do Rio de Janeiro (73%) e superior a média da (61%). Os domicílios alugados representam 24% do total de domicílios da UPP, novamente um percentual mais próximo daquele observado no município, do que na (33%). Finalmente, os domicílios que se enquadram na categoria cedidos são inexpressivos do ponto de vista estatístico no caso da UPP, mas representam 4% do total de domicílios da cidade do Rio de Janeiro e 6% da. Tabela 8 Total e Percentual de Domicílios Particulares Permanentes por Condição de Ocupação segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, R.A. Copacabana e Município do Rio de Janeiro 2010 Condição de Ocupação Próprio Alugado Cedido Outros Total Domicílios % Domicílios % Domicílios % Domicílios % Domicílios % Babilônia % % 2 0% 3 0% % Chapéu Mangueira % 98 24% 2 0% 0 0% % Total % % 4 0% 3 0% % Rio de Janeiro 61% 33% 6% 0% 100% 73% 22% 4% 1% 100% SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO) Entende-se aqui como abastecimento de água adequado o número total de domicílios cujos moradores declararam que suas residências estavam ligadas à rede geral de água, enquanto que inadequado refere-se àqueles que responderam que seus domicílios têm outras formas de abastecimento, por exemplo, proveniente de poços, rios ou através de caminhões pipa (os dados se encontram na Tabela 9). Vale sublinhar que os dados censitários referem-se apenas à cobertura de abastecimento de água. Não apontam, portanto, para a qualidade deste serviço. Para esta finalidade, seriam necessários dados complementares que remetessem, por exemplo, à intermitência no fornecimento. Por sua vez, entende-se aqui como acesso a esgotamento sanitário adequado, tanto os domicílios conectados à rede geral de esgoto ou à rede pluvial 3 quanto aqueles em que os moradores alegaram estarem ligados a uma fossa séptica para despejo. A precariedade do acesso a esta infraestrutura, classificada aqui como inadequada, é medida pela soma de outras formas de despejo que não sejam estas, a saber, fossas rudimentares, valas, diretamente no mato ou encosta, etc. Os domicílios cujos moradores responderam não possuírem banheiro também foram considerados como uma classificação a parte. Enfatiza-se, novamente, que os dados não apontam para a qualidade do serviço prestado, apenas mensuram a cobertura da infraestrutura instalada. A próxima tabela (9) apresenta informações sobre o abastecimento de água nas comunidades da UPP, além da comparação com a Região Administrativa de Copacabana e o município do Rio de Janeiro. Entende-se aqui como abastecimento de água adequado o número total de domicílios cujos moradores declararam que suas residências estavam ligadas à rede geral de água, enquanto que inadequado refere-se àqueles que responderam que seus domicílios têm outras formas de abastecimento, por exemplo, proveniente de poços, rios ou através de caminhões pipa. Segundo os dados do IBGE (Censo 2010), 99,7% dos domicílios da UPP Babilônia e Chapéu-Mangueira tem abastecimento de água considerado adequando, apenas três domicílios da comunidade da Babilônia, localizados no extremo da área (Mapa 2), tem abastecimento avaliado como inadequado. Nesse caso, a média da UPP está mais próxima da (99,9%) do que do município do Rio 3 Segundo as instruções contidas no Manual do Recenseador utilizado durante o levantamento dos dados do Censo 2010, os domicílios conectados à rede geral de esgoto foram contabilizados juntamente com os domicílios que utilizam a rede pluvial como escoadouro. Em função disso, tanto os domicílios ligados à rede geral de esgoto quanto os domicílios que usam a rede pluvial como sistema de coleta serão aqui classificados como domicílios com esgotamento sanitário adequado. 7

9 de Janeiro (98,5%), embora a diferença entre a UPP e a cidade do Rio de Janeiro seja pequena (1,2%). Vale sublinhar, no entanto, que os dados censitários referem-se apenas à cobertura de abastecimento de água, mas não apontam para a qualidade deste serviço. Para tanto, seriam necessários dados complementares que remetessem, por exemplo, à intermitência no fornecimento. Tabela 9 Total e Percentual de Domicílios Particulares Permanentes por Forma de Abastecimento de Água segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, e Município do Rio de Janeiro 2010 Água Adequado Inadequado Total Domicílios % Domicílios % Domicílios % Babilônia ,6% 3 0,4% % Chapéu Mangueira ,0% 0 0,0% % Total ,7% 3 0,3% % Rio de Janeiro 99,9% 0,1% 100% 98,5% 1,5% 100% Mapa 2 Percentual de Domicílios Particulares Permanentes com Acesso a Abastecimento de Água Adequado segundo os Setores Censitários das comunidades na UPP Chapéu- Mangueira e Babilônia 2010 Fonte: Dados do Censo Demográfico IBGE (2010) A Tabela 10 reúne informações sobre esgotamento sanitário na UPP analisada, na e no município do Rio de Janeiro. Entende-se aqui como acesso a esgotamento sanitário adequado, tanto os domicílios conectados à rede geral quanto aqueles que os moradores alegaram estarem ligados a uma fossa séptica para despejo. A precariedade do acesso a esta infraestrutura, classificada aqui como 8

10 inadequada, é medida pela soma de outras formas de despejo que não sejam estas. Os domicílios cujos moradores responderam não possuírem banheiro são considerados como uma categoria especifica, a saber, sem banheiro ou sanitário. Os dados revelam que 95,9% dos domicílios têm esgotamento sanitário avaliado como adequado, sendo que na comunidade Chapéu-Mangueira quase 100% dos domicílios se enquadram nessa categoria. Consequentemente, o percentual de domicílios avaliados como tendo esgotamento sanitário inadequado corresponde a 6% na comunidade da Babilônia (ver Mapa 3), percentual bastante superior ao observado na (0,1%) e um pouco acima da média municipal (5%). O percentual de domicílios sem banheiro ou sanitário é insignificante do ponto de vista estatístico nas três regiões analisadas (UPP, R.A. e município). Tabela 10 Total e Percentual de Domicílios Particulares Permanentes por Tipo de Esgotamento Sanitário segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, e Município do Rio de Janeiro 2010 Esgotamento Sanitário Adequado Com Banheiro ou Sanitário Inadequado Sem Banheiro ou Sanitário Total Domicílios % Domicílios % Domicílios % Domicílios % Babilônia ,0% 47 6,0% 0 0,0% % Chapéu Mangueira ,8% 0 0,0% 1 0,2% % Total ,9% 47 4,0% 1 0,1% % 99,9% 0,1% 0,0% 100% Rio de Janeiro 94,9% 5,0% 0,1% 100% Mapa 3 Percentual de Domicílios Particulares Permanentes com Acesso a Esgotamento Adequado segundo os Setores Censitários das comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2010 Fonte: Dados do Censo Demográfico IBGE (2010) 9

11 LIXO A Tabela 11 trata do destino de lixo nas comunidades que compõem a UPP, na e no município do Rio de Janeiro. Considerou-se para classificar como cobertura adequada, aqueles domicílios cuja coleta é realizada, seja diretamente pelo serviço de coleta porta a porta ou indiretamente através de caçambas colocadas pela Comlurb. Por sua vez, considerou-se como inadequado aqueles domicílios cujos moradores responderam que o destino do lixo é um terreno baldio, um logradouro, um curso d agua ou queimado e enterrado em algum terreno, assim como qualquer outro tipo de destino. Os dados revelam que praticamente 100% dos domicílios da UPP têm coleta de lixo considerada adequada, percentual bem próximo da (100%) e do município do Rio de Janeiro (99,3%). Novamente, é relevante ressaltar que os dados são relativos apenas à cobertura do serviço de coleta, não indicando a qualidade da mesma, como por exemplo, sua frequência ou a condição geral de limpeza local tal como o acúmulo de lixo nos logradouros públicos e nos cursos d água, etc. O Mapa 4 confirma a informação apresentada pela Tabela 11 ao expor que nenhum dos setores censitários das comunidades localizadas na área da UPP possui menos de 99% de cobertura de serviço adequado de coleta de lixo. Tabela 11 Total e Percentual de Domicílios Particulares Permanentes por Destino do Lixo segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, e Município do Rio de Janeiro 2010 Lixo Adequado Inadequado Total Domicílios % Domicílios % Domicílios % Babilônia ,7% 2 0,3% % Chapéu Mangueira ,0% 0 0,0% % Total ,8% 2 0,2% % Rio de Janeiro 100,0% 0,0% 100% 99,3% 0,7% 100% 10

12 Mapa 4 Percentual de Domicílios Particulares Permanentes com Acesso a Coleta de Lixo Adequado segundo os Setores Censitários das comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2010 Fonte: Dados do Censo Demográfico IBGE (2010) ENERGIA ELÉTRICA A Tabela 12 mostra o total e o percentual de domicílios com energia elétrica proveniente de companhia distribuidora (com medidor e sem medidor), de outras fontes ou sem energia. O IBGE considera outras fontes como sendo as fontes de energia solar, eólicas e gerador. No entanto, na prática, sabe-se que essa opção ( outras fontes ) significa que a energia é proveniente de companhia distribuidora, mas que não é computada pela agência fornecedora. Na média, na UPP Babilônia e Chapéu-Mangueira, 70,9% dos domicílios tem energia elétrica proveniente de distribuidora e utilizam medidor. No entanto, esse percentual atinge 100% na comunidade do Chapéu-Mangueira, enquanto que na comunidade da Babilônia apenas 55,9% declararam ter medidor, 6,3% não usam medidor e 37,8% respondeu ter energia elétrica proveniente de outras fontes. O Mapa 5 mostra a distribuição dessas informações segundo os setores censitários do IBGE. Essas informações revelam que a UPP está distante tanto da, onde 95,9% dos domicílios têm energia com uso de medidor, quanto do município do Rio de Janeiro, onde esse percentual é de 92,6%. 11

13 Tabela 12 Total e Percentual de Domicílios Particulares Permanentes por Existência, Tipo de Fonte e Presença de Medidor de Energia Elétrica segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, e Município do Rio de Janeiro 2010 Com Energia de Companhia Distribuidora Com Medidor Sem Medidor Energia Elétrica Com Energia de Outras Fontes Sem Energia Domicílios % Domicílios % Domicílios % Domicílios % Domicílios % Babilônia ,9% 49 6,3% ,8% 0 0,0% % Chapéu Mangueira ,0% 0 0,0% 0 0,0% 0 0,0% % Total ,9% 49 4,2% ,0% 0 0,0% % Total Rio de Janeiro 95,9% 2,8% 1,3% 0,0% 100% 92,6% 6,0% 1,4% 0,0% 100% Mapa 5 Percentual de Domicílios Particulares Permanentes com Energia Elétrica da Companhia Distribuidora e com Medidor ou Relógio segundo os Setores Censitários das comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2010 Fonte: Dados do Censo Demográfico IBGE (2010) 3.2. EDUCAÇÃO As informações que seguem tratam do tema Educação, mais precisamente do percentual de pessoas alfabetizadas e não alfabetizadas em diferentes faixas etárias nas comunidades que compõem a UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia. A título de comparação foi incluído nas tabelas as informações sobre as e o município do Rio de Janeiro. Como definição de alfabetizado considera-se a pessoa capaz de ler e escrever um texto simples. O Estatuto da Criança e do Adolescente entende o acesso à educação como um direito, portanto, um dever do Estado. Isso porque há consenso sobre o fato de que ser alfabetizado é fundamental para estar inserido na sociedade moderna, ter acesso à informação e dispor de condições mínimas para desenvolver-se integralmente. 12

14 Os dados apresentados não revelam a cobertura do ensino na área analisada, ou seja, não é possível inferir o número de crianças que frequentam a escola, portanto, se a demanda está sendo atendida. No entanto, eles sinalizam dois aspectos importantes: a quantidade de crianças alfabetizadas e a quantidade de crianças que não são alfabetizadas, mas deveriam ser ANALFABETISMO ENTRE CRIANÇAS DE 8 A 9 ANOS DE IDADE A Tabela 13 se refere às crianças entre 8 e 9 anos de idade. Nessa faixa etária, 84,7% é alfabetizada e 15,3% ainda são analfabetas. A média de crianças analfabetas na UPP é bastante superior ao observado na (3,6%) e no município do Rio de Janeiro (7,3%), sinalizando que é preciso estar atento para essa realidade, de maneira a não deixar que ela se prolongue ao longo dos anos. Vale lembrar que com esta idade as crianças, idealmente, deveriam estar entre o 2º e o 4º ano e, portanto, já deveriam estar alfabetizadas há pelo menos dois anos. Esses dados sinalizam uma já precoce defasagem escolar ou uma má qualidade no aprendizado destas crianças Tabela 13 Total e Percentual de Pessoas Alfabetizadas e Não Alfabetizadas de 8 a 9 anos segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, e Município do Rio de Janeiro 2010 Crianças de 8 a 9 anos Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total Pessoas % Pessoas % Pessoas % Babilônia 60 82,2% 13 17,8% % Chapéu Mangueira 40 88,9% 5 11,1% % Total ,7% 18 15,3% % 96,4% 3,6% 100% Rio de Janeiro 92,7% 7,3% 100% A próxima tabela (14) compreende a mesma faixa etária que a anterior, mas distingue as crianças segundo sexo. Dentre as 118 crianças entre 8 e 9 anos de idade, 54,3% são meninos e 45,7% são meninas, mas entre aquelas crianças não alfabetizadas 50% são do sexo feminino e a outra metade são do sexo masculino, ou seja, as meninas estão sobrerrepresentadas nesse grupo. A distribuição espacial da taxa de analfabetismo para a faixa etária de 8 a 9 anos de idade pode ser visualizada no Mapa 6. Como pode ser observado, o setor com o maior percentual de pessoas analfabetas de 8 a 9 anos de idade está localizado na comunidade Babilônia. Neste setor (ilustrado em cor mais escura), mais de 17% das crianças não sabem ler nem escrever. Tabela 14 Pessoas Alfabetizadas e Não Alfabetizadas de 8 a 9 anos por Sexo segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2010 Crianças de 8 a 9 anos Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total H M H M H M Babilônia Chapéu Mangueira Total

15 Mapa 6 Percentual de Pessoas de 8 a 9 anos de idade Não Alfabetizadas segundo os Setores Censitários das comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2010 Fonte: Dados do Censo Demográfico IBGE (2010) ANALFABETISMO ENTRE CRIANÇAS DE 10 A 14 ANOS DE IDADE A Tabela 15 se refere às crianças entre 10 e 14 anos de idade que, idealmente, deveriam estar cursando entre o 5º e o 9º ano do ensino fundamental. Nessa faixa etária 96,4% das crianças da UPP é alfabetizada, percentual mais próximo da (98,8%) e do município do Rio de Janeiro (98%) do que a faixa etária analisada acima. Vale ressaltar que, na UPP, a comunidade Chapéu- Mangueira tem quase o dobro de crianças analfabetas (4,8%) se comparada à comunidade da Babilônia. Tabela 15 Total e Percentual de Pessoas Alfabetizadas e Não Alfabetizadas de 10 a 14 anos segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, e Município do Rio de Janeiro 2010 Crianças de 10 a 14 anos Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total Pessoas % Pessoas % Pessoas % Babilônia ,1% 7 2,9% % Chapéu Mangueira ,2% 6 4,8% % Total ,4% 13 3,6% % 98,8% 1,2% 100% Rio de Janeiro 98,0% 2,0% 100% A Tabela 16 distingue as crianças entre 10 e 14 anos de idade segundo sexo. Dentre o total de crianças nessa faixa etária (365), 55,6% são meninas e os demais são meninos (44,4%). E entre o grupo de 14

16 crianças não alfabetizadas, um pouco menos da metade são meninos (46,2%) e a maioria são meninas (53,8%), sinalizando que não há viés de gênero nessa faixa etária. As diferenças internas ao território, por setores censitários, para este recorte etário estão representadas no Mapa 7. Mais uma vez, pode-se notar que a comunidade da Babilônia possui o setor censitário mais problemático da UPP. Neste setor (representado em cor mais escura), entre 5% e 12% das pessoas de 10 a 14 anos de idade não são alfabetizadas. Tabela 16 Pessoas Alfabetizadas e Não Alfabetizadas de 10 a 14 anos por Sexo segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2010 Crianças de 10 a 14 anos Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total H M H M H M Babilônia Chapéu Mangueira Total Mapa 7 Percentual de Pessoas de 10 a 14 anos de idade Não Alfabetizadas segundo os Setores Censitários das comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2010 Fonte: Dados do Censo Demográfico IBGE (2010) ANALFABETISMO ENTRE PESSOAS COM 15 ANOS OU MAIS DE IDADE A próxima tabela (17) apresenta o total e o percentual de alfabetizados e não alfabetizados entre as pessoas de 15 anos ou mais de idade. Trata-se de uma informação relevante porque esse dado é um 15

17 indicador de desenvolvimento social importante para analistas e gestores públicos, pois indica um alto grau de vulnerabilidade social. Os dados mostram que na UPP Babilônia e Chapéu-Mangueira 88,2% das pessoas é alfabetizada, média inferior aquela observada na (98,9%) e no município do Rio de Janeiro (97,1%). Das 11,8% das pessoas que não são alfabetizadas na UPP (percentual muito acima do observado na R.A e na cidade do Rio de Janeiro), a comunidade da Babilônia concentra a grande maioria (295 pessoas), revelando que essa área precisa de atenção especial do poder público, conforme ilustra o Mapa 8. As diferenças internas ao território, por setores censitários, para este recorte etário estão representadas no Mapa 8. A comunidade da Babilônia possui o setor censitário com os percentuais mais elevados. Neste setor (representado em cor mais escura), entre 5% e 20% das pessoas com 15 ou mais anos de idade não são alfabetizadas. Tabela 17 Total e Percentual de Pessoas Alfabetizadas e Não Alfabetizadas com 15 anos ou mais de idade segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, R.A. Copacabana e Município do Rio de Janeiro 2010 Pessoas com 15 ou mais anos Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total Pessoas % Pessoas % Pessoas % Babilônia ,1% ,9% % Chapéu Mangueira ,7% 42 4,3% % Total ,2% ,8% % 98,9% 1,1% 100% Rio de Janeiro 97,1% 2,9% 100% Mapa 8 Percentual de Pessoas com 15 ou mais anos de idade Não Alfabetizadas segundo os Setores Censitários das comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2010 Fonte: Dados do Censo Demográfico IBGE (2010) 16

18 A última tabela (18) distingue a população de 15 anos ou mais de idade segundo sexo. Do total de pessoas nessa faixa etária, pouco mais da metade é do sexo feminino (51,8%) e a outra metade é do sexo masculino (48,2%). No entanto, entre o grupo dos não alfabetizados, 43,3% são mulheres e 56,7% são homens, na contramão da tendência nacional segundo a qual as mulheres são maioria entre a população adulta não alfabetizada. Tabela 18 Pessoas Alfabetizadas e Não Alfabetizadas com 15 anos ou mais de idade por Sexo segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2010 H M H M H M Babilônia Chapéu Mangueira Total Pessoas com 15 ou mais anos Alfabetizadas Não Alfabetizadas Total RENDA RENDIMENTO NOMINAL MENSAL DOMICILIAR PER CAPITA DOS DOMICÍLIOS PARTICULARES Os dados referentes ao rendimento nominal mensal domiciliar per capita dos domicílios particulares agregam informações importantes sobre as condições de vida e o grau de vulnerabilidade em que vivem as pessoas. Dessa forma, estes dados são capazes de auxiliar na construção de um panorama mais completo sobre os territórios. A Tabela 19 traz informações apresentadas pelo Censo 2010 sobre o rendimento nominal mensal domiciliar per capita dos domicílios particulares de acordo com as seguintes faixas de renda: até 1/8 de salário mínimo; mais de 1/8 até ¼; mais de ¼ até 1/2; mais de ½ até 1; mais de 1 até 2; mais de 2 salários mínimos; além de informações de domicílios com renda per capita 0 (zero) ou domicílios sem informações de renda. Tendo em vista que os dados foram levantados no ano de 2010, quando o salário mínimo era de R$ 510,00, as faixas de renda mencionadas correspondem respectivamente aos valores de: até R$ 63,75; entre R$ 63,76 e R$ 127,50; entre R$ 127,51 e R$ 255,00; entre R$ 255,01 e R$ 510,00, entre R$ 510,01 e R$1020,00; e mais de R$1020,01. A análise do cruzamento feito com as duas primeiras faixas de renda possibilita construir uma estimativa aproximada sobre o número de domicílios nos quais habitam pessoas sob a linha de indigência ou de pobreza 5. Além disso, as quatro primeiras faixas de renda podem indicar, de forma aproximada, a quantidade de domicílios nos quais vivem pessoas elegíveis ou já cadastradas no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico), uma vez que estas faixas de renda são utilizadas como critérios básicos para o cadastramento de pessoas em determinados programas sociais. No que diz respeito à linha de indigência o referencial adotado é o mesmo utilizado pelo CadÚnico, que considera o rendimento familiar per capita de R$ 70,00 como um quesito fundamental para o acesso a diversos programas sociais. Para fazer uma correspondência com esse critério, a faixa de renda que vai até 1/8 de salário mínimo, ou seja, até R$ 63,75, também foi utilizada por apresentar um valor aproximado. Contudo, uma vez que esta faixa de renda mostra-se inferior ao rendimento domiciliar per capita (RDPC) usado para definir a linha de indigência, sabe-se que os domicílios em que habitam pessoas com RDPC entre R$ 63,75 e R$ 70,00 não estão contemplados nesta faixa. Isso significa que o 4 Nas tabelas abaixo, os dados do censo relativos às pessoas sem rendimento encontram-se agregados aos dados referentes às pessoas que não declararam renda. 5 Embora existam outras possibilidades, é importante ressaltar que a definição adotada para caracterizar a linha de indigência e a linha de pobreza está baseada nas frações do salário mínimo. 17

19 percentual de indigência é superior ao apresentado na tabela, sobretudo se fosse possível levar em consideração o grupo de domicílios com pessoas que apresentam renda domiciliar per capita nula, dado este desconhecido. Já em relação à linha de pobreza buscou-se fazer uma equivalência entre o valor usualmente adotado para defini-la (R$ 140,00) com a faixa de renda que vai de mais de 1/8 até ¼ de salário mínimo, isto é, de R$ 63,76 a R$ 127,5. Mais uma vez, há uma diferença entre as faixas de renda usadas no levantamento do Censo 2010 e o valor aceito como definidor para a linha de pobreza. Portanto, o percentual de pobreza apresentado na tabela é um valor aproximado. Tabela 19 - Total e Percentual de Domicílios Particulares por Rendimento Nominal Mensal Domiciliar Per Capita segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, e Município do Rio de Janeiro Comunidade total % total % total % total % total % total % total % Babilônia 3 0,4% 25 3,2% ,9% ,8% ,1% 37 4,8% 14 1,8% Chapéu Mangueira 0 0,0% 16 4,0% 69 17,2% ,1% ,6% 37 9,2% 8 2,0% Total 3 0,3% 41 3,5% ,3% ,8% ,0% 74 6,3% 22 1,9% Rio de Janeiro Até 1/8 SM Mais de 1/8 a 1/4 SM 0,1% 0,4% Mais de 1/4 a 1/2 SM Mais de 1/2 a 1 SM Mais de 1 a 2 SM Mais de 2 SM 0,5% 2,8% 10,8% 23,6% 23,7% 34,1% Sem Rendimento ou Sem Informação 1,8% 6,1% 11,7% 75,4% 4,5% 4,3% A Tabela 19 apresenta os dados referentes ao rendimento nominal mensal domiciliar per capita dos domicílios. Considerando a UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia como um todo pode-se verificar que o percentual de domicílios com rendimento nominal mensal domiciliar per capita na faixa de renda que vai até 1/8 de salário mínimo é de 0,3%. Embora este percentual seja inferior ao apresentado para o município do Rio de Janeiro (0,5%), o mesmo mostra-se superior ao percentual referente a R.A. Copacabana, que é de 0,1%. O percentual observado na faixa de renda que corresponde aproximadamente à linha de pobreza também é superior ao encontrado no município do Rio de Janeiro e na : enquanto para a UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia este percentual é de 3,5%, no município do Rio de Janeiro e na é de 2,8% e de 0,4%, respectivamente. Esta discrepância repete-se no que diz respeito à faixa de renda maior que 2 salários mínimos. Se na R.A. Copacabana 75,4% dos domicílios possuem rendimento nominal domiciliar per capita de mais de 2 salários mínimos, na comunidade Babilônia apenas 4,8% dos domicílios agregam esta faixa de renda, fato que aponta para uma distinção considerável entre o território e a cidade. O Mapa 9 mostra as informações de renda domiciliar per capita de até ¼ de salário mínimo de acordo com os setores censitários da UPP. Este dado não inclui domicílios com renda declarada igual a zero, pois como mencionado anteriormente, este grupo refere-se também aos domicílios cujos moradores se recusaram a declarar tal informação. Pode-se perceber que os setores censitários da UPP Chapéu- Mangueira e Babilônia não apresentam diferenças entre si. Tanto os setores censitários da comunidade Babilônia quanto o setor censitário que engloba a comunidade Chapéu-Mangueira possuem entre 3,5% e 4% de domicílios com renda domiciliar per capita até ¼ de salário mínimo. 18

20 Mapa 9 Percentual de Domicílios Particulares com Renda Mensal declarada: RDPC até ¼ de Salário Mínimo segundo os Setores Censitários das comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia 2010 Fonte: Dados do Censo Demográfico IBGE (2010) RENDIMENTO DOS RESPONSÁVEIS PELOS DOMICÍLIOS Escolheu-se trabalhar também com os dados sobre a renda dos responsáveis pelos domicílios, uma vez que os mesmos possibilitam um melhor entendimento sobre as condições de inserção no mercado de trabalho. Pode-se presumir que, quanto menor a renda do responsável pelo domicílio, pior é sua inserção no mercado de trabalho. Da mesma maneira, a renda mais elevada indica que as condições de inclusão no mercado de trabalho são favoráveis. Assim sendo, a Tabela 20 apresenta dados referentes às seguintes faixas de renda: até ½ de salário mínimo; mais de ½ até 1; mais de 1 até 2; mais de 2 a 3; e superior a 3 salários mínimos. Tais faixas de renda correspondem respectivamente aos valores de: até R$ 255,00; entre R$ 255,01 e R$ 510,00; entre R$ 510,01 e R$ 1020,00; entre R$ 1020,01 e 1530,00; e superior a R$ 1530,01. Tabela 20 - Total e Percentual de Responsáveis pelos Domicílios Particulares Permanentes por Cortes de Renda segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia, e município do Rio de Janeiro 2010 Comunidade total % total % total % total % total % total % Babilônia 1 0,1% ,1% ,2% 49 6,3% 41 5,3% 47 6,0% Chapéu Mangueira 10 2,5% ,4% ,4% 60 15,0% 36 9,0% 27 6,7% Total 11 0,9% ,5% ,5% 109 9,3% 77 6,5% 74 6,3% Rio de Janeiro Até 1/2 SM Mais de 1/2 a 1 SM Mais de 1 a 2 SM Mais de 2 a 3 SM Mais de 3 SM Sem Rendimento ou Sem Informação 0,3% 4,2% 9,8% 8,2% 69,3% 8,2% 1,3% 17,1% 24,6% 11,6% 33,3% 12,1% 19

21 Nas comunidades da UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia a faixa de renda que vai até ½ salário mínimo engloba 0,9% dos responsáveis pelos domicílios, enquanto no município do Rio de Janeiro este percentual é de 1,3% e na R.A Copacabana é de 0,3%. Os dados referentes à faixa de renda de mais de ½ até 1 salário mínimo também expõem diferenças bastantes significativas: nas comunidades da UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia o percentual de responsáveis pelos domicílios nesta faixa de renda é de 38,5%, bem maior que o percentual apresentado pelo município do Rio de Janeiro (17,1%) e pela R.A. Copacabana (4,2%). Da mesma forma, os percentuais na faixa de renda superior a 3 salários mínimos indicam, tal como os dados anteriores, uma diferença considerável em relação à cidade. Somente 6,5% dos responsáveis por domicílios na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia estão localizados nesta faixa de renda, percentual este que diverge enormemente dos apresentados pela (69,3%) e pelo município do Rio de Janeiro (33,3%). Verifica-se no Mapa 10 que na comunidade Babilônia está localizado o setor censitário da UPP Chapéu- Mangueira com a maior concentração de responsáveis com renda mensal de até 1 salário mínimo. Já nos demais setores censitários da UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia o percentual de responsáveis por domicílios com renda de até 1 salário mínimo fica entre 35% e 39%. Mapa 10 Percentual de Pessoas Responsáveis com Rendimento Declarado: Renda Mensal de até 1 Salário Mínimo segundo os Setores Censitários das comunidades na UPP Chapéu- Mangueira e Babilônia 2010 Fonte: Dados do Censo Demográfico IBGE (2010) A Tabela 21 expõe os dados referentes ao sexo e renda dos responsáveis pelos domicílios. As faixas de renda observadas foram as mesmas utilizadas na tabela anterior. 20

22 Tabela 21 - Total de Responsáveis pelos Domicílios Particulares Permanentes por Cortes de Renda e por Sexo segundo as comunidades na UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia Comunidade H M H M H M H M H M H M Babilônia Chapéu Mangueira Total Até 1/2 SM Mais de 1/2 a 1 SM Mais de 1 a 2 SM Mais de 2 a 3 SM Mais de 3 SM Sem Rendimento ou Sem Informação Nas duas primeiras faixas de renda, os grupos de homens e mulheres possuem praticamente o mesmo número de indivíduos (333 mulheres contra 331 homens). Da mesma forma, nas faixas de renda que apresentam os maiores rendimentos (mais de 2 a 3 SM e mais de 3 SM), o número de mulheres e de homens é bastante aproximado (77 mulheres contra 74 homens). Dessa forma, pode-se perceber que os dados relativos ao cruzamento entre sexo e renda dos responsáveis pelos domicílios na área da UPP Chapéu-Mangueira e Babilônia está na contra mão das tendências visíveis no mercado de trabalho atual uma vez que, geralmente, as mulheres surgem como grande maioria no grupo de responsáveis por domicílios que recebem até 1 salário mínimo, e como minoria no grupo de responsáveis por domicílios que recebem mais de 3 salários mínimos. 21

UPP TABAJARAS / CABRITOS

UPP TABAJARAS / CABRITOS UPP TABAJARAS / CABRITOS 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS DEMOGRÁFICOS E ÁREA OCUPADA... 4 3. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS E URBANOS CENSO 2010... 7 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1.

Leia mais

UPP TURANO 02/2017 0

UPP TURANO 02/2017 0 UPP TURANO 02/2017 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 8 3.1. SERVIÇOS URBANOS E

Leia mais

UPP TURANO 07/2015 0

UPP TURANO 07/2015 0 UPP TURANO 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 8 3.1. SERVIÇOS URBANOS E

Leia mais

UPP JACAREZINHO 01/2017

UPP JACAREZINHO 01/2017 UPP JACAREZINHO 01/2017 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS DEMOGRÁFICOS E ÁREA OCUPADA... 4 3. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS E URBANOS CENSO 2010... 8 3.1. SERVIÇOS URBANOS E CONDIÇÃO

Leia mais

UPP ROCINHA 02/2017 0

UPP ROCINHA 02/2017 0 UPP ROCINHA 02/2017 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 6 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

UPP PROVIDÊNCIA 02/2017

UPP PROVIDÊNCIA 02/2017 UPP PROVIDÊNCIA 02/2017 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 6 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

UPP CIDADE DE DEUS 01/2017

UPP CIDADE DE DEUS 01/2017 UPP CIDADE DE DEUS 01/2017 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 3.1. SERVIÇOS URBANOS E CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO... 9 3.1.1. CONDIÇÃO DE OCUPAÇÃO... 9 3.1.2. SANEAMENTO BÁSICO (ÁGUA E ESGOTAMENTO

Leia mais

UPP S DO LINS 07/2015

UPP S DO LINS 07/2015 UPP S DO LINS 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 5 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 11 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

UPP VIDIGAL 02/2017 0

UPP VIDIGAL 02/2017 0 UPP VIDIGAL 02/2017 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 6 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4

Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 UPP BOREL 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 1. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 2. INDICADORES SOCIOECONÔMICOS E URBANOS CENSO 2010... 7 2.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

UPP SANTA MARTA 07/2015

UPP SANTA MARTA 07/2015 UPP SANTA MARTA 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 5 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

UPP FORMIGA 07/2015 0

UPP FORMIGA 07/2015 0 UPP FORMIGA 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 6 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

UPP S DE MANGUINHOS 07/2015

UPP S DE MANGUINHOS 07/2015 UPP S DE MANGUINHOS 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 5 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 9 3.1. SERVIÇOS

Leia mais

UPP PAVÃO-PAVÃOZINHO / CANTAGALO

UPP PAVÃO-PAVÃOZINHO / CANTAGALO UPP PAVÃO-PAVÃOZINHO / CANTAGALO 07/2015 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADO CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1.

Leia mais

UPP SÃO CARLOS 07/2015

UPP SÃO CARLOS 07/2015 UPP SÃO CARLOS 07/2015 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Betim, MG 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 346,8 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 378089 hab. Densidade demográfica

Leia mais

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação 33 A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Quase 5 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 7 e 14 anos (18,8% da população da região) vivem no Semi-árido. No Brasil,

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Aglomerados subnormais Primeiros resultados

Censo Demográfico 2010. Aglomerados subnormais Primeiros resultados Censo Demográfico 2010 Aglomerados subnormais Primeiros resultados Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 2011 Conceito de Aglomerado Subnormal Conceito de Aglomerado Subnormal no IBGE É um conjunto constituído

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2011 INTRODUÇÃO Por convenção, denomina-se Universo, o conjunto de características

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Questionário Básico. Notas Técnicas

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Questionário Básico. Notas Técnicas Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Questionário Básico Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 Proporção

Leia mais

Plano de Habitação de Interesse Social do Porto PHIS-Porto. Reunião Pública Diagnóstico 18/06/2015

Plano de Habitação de Interesse Social do Porto PHIS-Porto. Reunião Pública Diagnóstico 18/06/2015 Plano de Habitação de Interesse Social do Porto PHIS-Porto Reunião Pública Diagnóstico 18/06/2015 Diagnóstico do Setor Habitacional Objetivos _ Levantamento de dados que quantifiquem e qualifiquem as necessidades

Leia mais

Diagnóstico. Cidade de Deus (CDD)

Diagnóstico. Cidade de Deus (CDD) Diagnóstico Cidade de Deus (CDD) Área Geográfica Fonte: Instituto Pereira Passos. Rio+Social. Panorama dos Territórios. Janeiro. 2017 População 36.515 - Censo 2010 IBGE 37.148 Rio Como Vamos 47.795 Instituto

Leia mais

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares 1 Rio de Janeiro, 17/01/2014 S I P D Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares O IBGE iniciou uma importante etapa no aprimoramento de seu sistema de pesquisas domiciliares, que propiciará maior eficácia

Leia mais

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA

UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA UPP FALLET-FOGUETEIRO E COROA 09/2014 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1.

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

no Estado do Rio de Janeiro

no Estado do Rio de Janeiro MICROEMPREENDEDORES FORMAIS E INFORMAIS NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 PANORAMA GERAL De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA Panorama dos Territórios UPP FORMIGA 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 5 3.1.

Leia mais

Dicionário da PNAD96 microdado Domicílio

Dicionário da PNAD96 microdado Domicílio Dicionário da PNAD microdado Domicílio V 00 Ano Referência UF Unida da Feração PARTE IDENTIFICAÇÃO E CONTROLE V 00 Número Controle V 00 Número Série V 00 Entrevista V 00 Total Moradores V 00 Total Moradores

Leia mais

SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013

SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013 Encontro Regional CONGEMAS SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013 Cadastro Único e Vigilância Socioassistencial A Vigilância socioassistencial

Leia mais

Pesquisa de Avaliação dos Serviços Públicos de Florianópolis

Pesquisa de Avaliação dos Serviços Públicos de Florianópolis Pesquisa de Avaliação dos Serviços Públicos de Florianópolis A carga tributária brasileira é uma das mais elevadas do mundo, em 2011 ela chegou a 35% do PIB, valor extremamente elevado. Seria de se esperar

Leia mais

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, MAIO

Leia mais

Dicionário da PNAD2002 microdados Arquivo de Domicílios

Dicionário da PNAD2002 microdados Arquivo de Domicílios 4 V00 Ano Referência 5 UF Unida da Feração 5 8 V00 Número controle 3 3 V003 3 Número Série 6 8 V005 5 Total Moradores 0 V006 6 Total Moradores 0 anos ou mais V00 3 V00 4 5 V004 6 V005 8 V006 V004 V003

Leia mais

Maranhão. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Maranhão (1991, 2000 e 2010)

Maranhão. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Maranhão (1991, 2000 e 2010) Maranhão Em, no estado do Maranhão (MA), moravam 6,6 milhões de pessoas, onde parcela considerável (6,%, 396, mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 217 municípios, dos quais um

Leia mais

Geografia População (Parte 2)

Geografia População (Parte 2) 1. Estrutura Etária: Geografia População (Parte 2) A Transição Demográfica corresponde à mudança no perfil de idade dos habitantes, engloba proporções de crianças, jovens/adultos, idosos, homens e mulheres.

Leia mais

Dinâmica populacional. Porto Alegre 2015

Dinâmica populacional. Porto Alegre 2015 Dinâmica populacional Porto Alegre 2015 Conceitos demográficos fundamentais a distribuição mundial Os diferentes aspectos demográficos, tais como população absoluta, densidade demográfica, crescimento

Leia mais

Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4

Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 UPP CAJU 09/2014 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 7 3.1. SERVIÇOS URBANOS E CONDIÇÃO

Leia mais

A Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal (RIDE-DF) no Censo 2010

A Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal (RIDE-DF) no Censo 2010 A Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal (RIDE-DF) no Censo 2010 Coordenação: Rômulo José da Costa Ribeiro Responsável: Rômulo José da Costa Ribeiro 1 Colaboração: Juciano Rodrigues, Rosetta

Leia mais

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010)

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010) Pernambuco Em, no estado de Pernambuco (PE), moravam 8,8 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,4%; 648,7 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 185 municípios,

Leia mais

Índice de Bem-Estar Urbano Local da Região Metropolitana de Manaus

Índice de Bem-Estar Urbano Local da Região Metropolitana de Manaus Índice de Bem-Estar Urbano Local da Região Metropolitana de Manaus Por João Luiz Nery Introdução: O Índice de Bem-estar Urbano (IBEU), desenvolvido pelo INCT Observatório das Metrópoles, resultou na publicação

Leia mais

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JUNHO DE 2012 12 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010)

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010) Acre Em, no estado do Acre (AC) moravam 734 mil pessoas, e uma parcela ainda pequena dessa população, 4,3% (32 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 22 municípios, dos quais sete

Leia mais

HETEROGENEIDADE REGIONAL

HETEROGENEIDADE REGIONAL HETEROGENEIDADE REGIONAL Miguel Matteo*1 Uma das faces da heterogeneidade estrutural é representada pela profunda desigualdade regional brasileira. A distribuição dos setores é profundamente desigual em

Leia mais

O Jardim Canadá no IBGE

O Jardim Canadá no IBGE O Jardim Canadá no IBGE Apps > Mapa > Municípios Nova Lima ( código 3144805) Pirâmide Etária Famílias Fecundidade Migração Religião Nupcialidade Domicílios Educação Deficiência Trabalho Rendimento Nova

Leia mais

Dicionário de variáveis da PNAD 2006 - arquivo de domicílios Microdados da Pesquisa Básica

Dicionário de variáveis da PNAD 2006 - arquivo de domicílios Microdados da Pesquisa Básica 1 4 V0101 Ano referência UF Unida da Feração 8 V010 Número controle 13 3 V0103 3 Número série 16 V0104 18 V010 0 V0106 6 1 V001 PARTE 1 IDENTIFICAÇÃO E CONTROLE Total moradores 10 anos ou mais Espécie

Leia mais

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de São Paulo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 I) INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE

Leia mais

A SITUAÇÃO DA PRIMEIRA INFÂNCIA NAS REGIÕES PAULISTAS

A SITUAÇÃO DA PRIMEIRA INFÂNCIA NAS REGIÕES PAULISTAS 1 A SITUAÇÃO DA PRIMEIRA INFÂNCIA NAS REGIÕES PAULISTAS O detalhamento da distribuição das crianças de 0 a 5 anos de idade nas regiões paulistas ressalta a contribuição do Índice Paulista da Primeira Infância

Leia mais

SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA.

SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA. SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA. Professor Joselias www.concurseiros.org Março de 2008. Um dos indicadores de saúde comumente utilizados

Leia mais

Os Processos de Construção e Implementação de Políticas Públicas para Crianças e Adolescentes em Situação de Rua 1

Os Processos de Construção e Implementação de Políticas Públicas para Crianças e Adolescentes em Situação de Rua 1 1 Os Processos de Construção e Implementação de Políticas Públicas para Crianças e Adolescentes em Situação de Rua 1 Boletim de Pesquisa n. 2, outubro de 2009. Um projeto do Centro Internacional de Estudos

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Bolsa Família, Exclusão Social, Extrema Pobreza, Pobreza, Sistema Eletrônico de Desenvolvimento Social.

RESUMO. Palavras-chave: Bolsa Família, Exclusão Social, Extrema Pobreza, Pobreza, Sistema Eletrônico de Desenvolvimento Social. Informações sobre as famílias do município de SP beneficiárias do Programa Bolsa Família, de acordo com o Sistema Eletrônico de Desenvolvimento Social SEDESO, referentes ao período de abril a junho de

Leia mais

Dicionário de variáveis da PNAD 2007 - arquivo de domicílios Microdados da Pesquisa Básica

Dicionário de variáveis da PNAD 2007 - arquivo de domicílios Microdados da Pesquisa Básica Dicionário variáveis da PNAD 007 - arquivo domicílios PARTE 1 IDENTIFICAÇÃO E CONTROLE 1 4 V0101 Ano referência UF 8 V010 Número controle 13 3 V0103 3 Número série 16 V0104 18 V010 0 V0106 6 1 V001 Total

Leia mais

Noções Básicas sobre

Noções Básicas sobre Tábua Completa de Mortalidade para o Noções Básicas sobre Brasil - 2011 Rio, 29 de novembro de 2012 Data 00/00/00 HISTÓRICO Mortalidade Infantil Em abril de 2012, o IBGE disponibilizou para sociedade os

Leia mais

Desigualdade de gênero nos bancos

Desigualdade de gênero nos bancos Novembro de 2013 Desigualdade de gênero nos bancos APRESENTAÇÃO De acordo com os dados mais atuais da Relação Anual de Informações Sociais 2012 (RAIS), o setor bancário brasileiro tinha, em dezembro daquele

Leia mais

Pesquisa de Percepção dos Serviços Públicos de Blumenau

Pesquisa de Percepção dos Serviços Públicos de Blumenau Pesquisa de Percepção dos Serviços Públicos de Blumenau A carga tributária brasileira é uma das mais elevadas do mundo, em 2011 ela chegou a 35% do PIB, valor extremamente elevado. Seria de se esperar

Leia mais

Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Janeiro a Outubro - Ano/2010

Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Janeiro a Outubro - Ano/2010 Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Janeiro a Outubro - Ano/2010 O Perfil do Assistido foi elaborado em 2007 para analisar os dados estatísticos da população carente que necessita dos serviços

Leia mais

Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Jan. a Agosto - Ano/2010

Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Jan. a Agosto - Ano/2010 Perfil do Assistido da Defensoria Pública - Jan. a Agosto - Ano/2010 O Perfil do Assistido foi elaborado em 2007 para analisar os dados estatísticos da população carente que necessita dos serviços da Defensoria

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE)

CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE) CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE) METODOLOGIA DE PESQUISA DE DADOS SOCIOECONÔMICOS DOS MUNICÍPIOS CAPIXABAS FUCAPE BUSINESS SCHOOL - 2015 Av. Fernando Ferrari, 1358,

Leia mais

Dicionário da PNAD2003 microdados Arquivo de Domicílios

Dicionário da PNAD2003 microdados Arquivo de Domicílios 1 4 V0101 Ano Referência 5 UF 5 8 V010 Número controle 13 3 V0103 3 Número Série 16 18 0 1 Dicionário da PNAD003 microdados Arquivo Domicílios V0105 5 V0106 6 V0104 4 Tipo Entrevista Total Moradores Total

Leia mais

O perfil do trabalhador do comércio do Município de São Paulo

O perfil do trabalhador do comércio do Município de São Paulo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos Sindicato dos Comerciários São Paulo Nota à Imprensa São Paulo, 19 de dezembro de 2005. O perfil do trabalhador do comércio do Município

Leia mais

Geografia População (Parte 1)

Geografia População (Parte 1) Geografia População (Parte 1) 1. População Mundial: Define-se população mundial como o número total de humanos vivos no planeta num dado momento. Em 31 de Outubro de 2011 a Organização das Nações Unidas

Leia mais

UPP S COMPLEXO DA PENHA

UPP S COMPLEXO DA PENHA UPP S COMPLEXO DA PENHA 09/2014 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 4 3. CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 8 3.1. SERVIÇOS URBANOS

Leia mais

Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água em Ambientes Urbanos

Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água em Ambientes Urbanos 1 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamente de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 2537 Água em Ambientes Urbanos Prof. Kamel Zahed Filho Tema 8 Exemplos de Conflitos de Uso de Água

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 1. Governo do Estado da Bahia Secretaria do Planejamento (Seplan) Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI)

NOTA TÉCNICA Nº 1. Governo do Estado da Bahia Secretaria do Planejamento (Seplan) Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) Governo do Estado da Bahia Secretaria do Planejamento (Seplan) Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) NOTA TÉCNICA Nº 1 resultados

Leia mais

2. COMPARAÇÃO DE PERFIL ENTRE ADIMPLENTES E INADIMPLENTES

2. COMPARAÇÃO DE PERFIL ENTRE ADIMPLENTES E INADIMPLENTES PERFIL DO CONSUMIDOR COM E SEM DÍVIDAS NO BRASIL 1. PESQUISA Pesquisa inédita realizada pela CNDL e SPC Brasil buscou avaliar o perfil dos brasileiros adimplentes e inadimplentes, sendo consideradoscomo:

Leia mais

Palavras-chaves: Educação no Campo. Condições socioeconômicas. Alunos do campo.

Palavras-chaves: Educação no Campo. Condições socioeconômicas. Alunos do campo. REALIDADE SOCIOECONÔMICA DOS ALUNOS DO CAMPO DA E.E. WLADISLAU GARCIA GOMES ¹ Laís da Silva; ² Lais Gomes Borges; ³ Juliane Pivetta Ferro; 4 Ademilson Batista Paes. 1 Acadêmica do curso de Ciências Sociais

Leia mais

Educação e Escolaridade

Educação e Escolaridade Já existe certo consenso de que um dos grandes obstáculos para o crescimento da economia brasileira é a capacitação dos nossos trabalhadores, sendo que boa parte desse processo ocorre nas escolas e universidades.

Leia mais

PESQUISA DE DIA DAS MÃES 2016

PESQUISA DE DIA DAS MÃES 2016 PESQUISA DE DIA DAS MÃES 2016 ASSESSORIA ECONÔMICA Sumário Executivo Resumo dos principais resultados da Pesquisa de Dia das Mães 2016 O número médio de presentes no Dia das Mães 2016 será de 1,24 unidades.

Leia mais

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015 Três Coroas Mesorregião: Metropolitana de Porto Alegre - Microrregião: Gramado-Canela Área territorial: 185,54 Km2 - Produto Interno Bruto (2013): R$ 776.096.963,00

Leia mais

RI PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS

RI PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS Informações Gerais RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES PARA O PLANEJAMENTO E ALCANCE DAS PRIORIDADES E METAS DO PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS - GESTÃO MUNICIPAL Município: Porte SUAS: UF: Objetivo do RI: SÃO PAULO

Leia mais

O trabalhador e a inserção ocupacional na construção e suas divisões

O trabalhador e a inserção ocupacional na construção e suas divisões BOLETIM TRABALHO E CONSTRUÇÃO O trabalhador e a inserção ocupacional na construção e suas divisões Número 8 Agosto de 2016 Mercado de Trabalho e Economia Menor dinamismo Taxa de Desemprego Nível de Ocupação

Leia mais

Foto: Harald Schistek

Foto: Harald Schistek Foto: Harald Schistek 43 A adolescência é uma fase especial de afirmação da autonomia do indivíduo, vital para o exercício da cidadania e de seus múltiplos direitos. Caracteriza-se por uma etapa do desenvolvimento

Leia mais

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010

Indicadores Sociais Municipais 2010. Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Indicadores Sociais Municipais 2010 Uma análise dos resultados do universo do Censo Demográfico 2010 Rio, 16/11/ 2011 Justificativa:

Leia mais

Cordilheira Alta. Distribuição dos alunos matriculados no município de Cordilheira Alta em 2005

Cordilheira Alta. Distribuição dos alunos matriculados no município de Cordilheira Alta em 2005 Cordilheira Alta Informações Gerais O município de Cordilheira Alta está localizado na mesorregião oeste, distante 566 Km da Capital. De colonização Italiana, tem uma população de 3.093 habitantes, sendo

Leia mais

Março/2016 Março/2016

Março/2016 Março/2016 São Paulo 2030 Março/2016 Março/2016 2 de 80 OBJETIVO Mapear as opiniões e as percepções dos moradores da cidade da São Paulo em relação a temas do cotidiano e à prestação de políticas públicas, bem como

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade Índice Futuridade Plano Futuridade O FUTURIDADE: Plano Estadual para a Pessoa Idosa é uma iniciativa da Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social - Seads que objetiva fortalecer a rede

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE PULICADA NO DOE DE 2-0-204 SEÇÃO I PÁG 63 RESOLUÇÃO SMA Nº 8, DE 20 DE OUTURO DE 204. Estabelece os critérios para avaliação e classificação dos Municípios do Estado de São Paulo no Programa Pacto das

Leia mais

Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos

Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos Gerência de Produção de Informação GEPIN/GGSIS/DIDES Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos DADOS DO SETOR EDIÇÃO: JUNHO/2005 COMPETÊNCIA: MARÇO/2005 O Caderno de Informações de Beneficiários,

Leia mais

Em 95% das cidades do Semi-árido, a taxa de mortalidade infantil é superior à média nacional

Em 95% das cidades do Semi-árido, a taxa de mortalidade infantil é superior à média nacional 1 Quase 11 milhões de crianças e adolescentes vivem no Semi-árido brasileiro. É uma população mais jovem do que a média brasileira, mas com o futuro comprometido pelos graves indicadores sociais. Em 95%

Leia mais

Prefeitura de Juiz de Fora Subsecretaria de Planejamento do Território - SSPLAT Sra. Cristiane Nasser. Juiz de Fora, 3 de março de 2015

Prefeitura de Juiz de Fora Subsecretaria de Planejamento do Território - SSPLAT Sra. Cristiane Nasser. Juiz de Fora, 3 de março de 2015 Prefeitura de Juiz de Fora Subsecretaria de Planejamento do Território - SSPLAT Sra. Cristiane Nasser Prezada Sra. Cristiane Nasser, Juiz de Fora, 3 de março de 2015 No âmbito do projeto Escritório-Escola

Leia mais

Urbanização Brasileira. Professora: Jordana Costa

Urbanização Brasileira. Professora: Jordana Costa Urbanização Brasileira Professora: Jordana Costa As cidades e a urbanização brasileira. Até os anos 1950 População predominantemente rural. Entre as décadas de 1950 e 1980, milhões de pessoas migraram

Leia mais

Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor

Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento ASSEMAE É uma organização nãogovernamental, sem fins lucrativos, fundada

Leia mais

O Envelhecimento em Portugal

O Envelhecimento em Portugal O Envelhecimento em Portugal Situação demográfica e sócio-económica recente das pessoas idosas I. Enquadramento geral As expressões sublinhadas encontram-se explicadas no final do texto Consideram-se pessoas

Leia mais

Micro e Pequenos Empresários retardam pagamento do 13º, mas a grande maioria conseguirá pagar o benefício até o final de 2003

Micro e Pequenos Empresários retardam pagamento do 13º, mas a grande maioria conseguirá pagar o benefício até o final de 2003 Micro e Pequenos Empresários retardam pagamento do 13º, mas a grande maioria conseguirá pagar o benefício até o final de 2003 Pesquisa coordenada pelo Instituto Fecomércio-RJ a pedido do SEBRAE/RJ (Serviço

Leia mais

Alto Bela Vista. Distribuição dos alunos matriculados no município de Alto Bela Vista em 2005

Alto Bela Vista. Distribuição dos alunos matriculados no município de Alto Bela Vista em 2005 Alto Bela Vista Informações Gerais O município de Alto Bela Vista está localizado na mesorregião oeste, distante 503 Km da Capital. De colonização Italiana e Alemã, tem uma população de 2.098 habitantes,

Leia mais

Análise sobre a participação de negras e negros no sistema científico

Análise sobre a participação de negras e negros no sistema científico Análise sobre a participação de negras e negros no sistema científico Isabel Tavares 1 Maria Lúcia de Santana Braga 2 Betina Stefanello Lima 3 Em 213, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico

Leia mais

Variáveis Frequências Gráficos Medidas de Posição Medidas de Dispersão Medidas Complementares Inferência

Variáveis Frequências Gráficos Medidas de Posição Medidas de Dispersão Medidas Complementares Inferência Tipos de Variáveis Problema Motivador: Um pesquisador está interessado em fazer um levantamento sobre aspectos sócio-econômicos dos empregados da seção de orçamentos de uma companhia (vide tabela). Algumas

Leia mais

Bela Vista do Toldo. Distribuição dos alunos matriculados no município de Bela Vista do Toldo em 2005

Bela Vista do Toldo. Distribuição dos alunos matriculados no município de Bela Vista do Toldo em 2005 Bela Vista do Toldo Informações Gerais O município de Bela Vista do Toldo está localizado na mesorregião norte, distante 382 Km da Capital. De colonização Italiana, Alemã, Polonesa, Ucraniana e Japonesa,

Leia mais

ESTRUTURA TARIFÁRIA DA CAGECE

ESTRUTURA TARIFÁRIA DA CAGECE ESTRUTURA TARIFÁRIA DA CAGECE O modelo tarifário da Cagece leva em consideração os custos dos serviços de água e esgoto e uma parcela destinada a investimentos. Estes custos são representados pelas despesas

Leia mais

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Índice Programa Escola Integrada Avaliação de impacto Amostra Pesquisa Indicadores Resultados Impactos estimados Comentários Programa

Leia mais

MCMV e mobilidade espacial na RMC a rede que se espalha

MCMV e mobilidade espacial na RMC a rede que se espalha MCMV e mobilidade espacial na RMC a rede que se espalha Gislene Pereira - UFPR Jussara Maria Silva - UP Anabelli Simões Peichó - UP Maicon Leitoles - UP Talissa Faszank - UP 11 E 12 DE SETEMBRO DE 2013

Leia mais

BRASIL: TÁBUA COMPLETA DE MORTALIDADE - 2010

BRASIL: TÁBUA COMPLETA DE MORTALIDADE - 2010 Diretoria de Pesquisas DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais COPIS Gerência de Estudos e Análises da Dinâmica Demográfica - GEADD BRASIL: TÁBUA COMPLETA DE MORTALIDADE - 2010 Em cumprimento

Leia mais

Representatividade das MPEs:

Representatividade das MPEs: Representatividade das MPEs: Número de Estabelecimentos Empresarias e Mercado de Trabalho 1 CONTEXTO DAS MPES NO ESTADO DA BAHIA: Estabelecimentos empresariais MPEs: O estado da Bahia possui 174.067 estabelecimentos

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Perfil das Despesas Indicadores Selecionados 14/09/2012 POF 2008 2009 Objetivos: Investigação dos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo Fernando

Leia mais

Adma Figueiredo Geógrafa IBGE. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Geógrafa - IBGE. Neison Freire Arquiteto e Urbanista Fundação Joaquim Nabuco

Adma Figueiredo Geógrafa IBGE. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Geógrafa - IBGE. Neison Freire Arquiteto e Urbanista Fundação Joaquim Nabuco Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa IBGE Ivete Rodrigues Geógrafa - IBGE Neison

Leia mais

Conceição do Araguaia-Pa. Av. Couto Magalhães, S/N, Setor Universitário; oliveiragessi@hotmail.com.br e leonaldo2690@hotmail.com

Conceição do Araguaia-Pa. Av. Couto Magalhães, S/N, Setor Universitário; oliveiragessi@hotmail.com.br e leonaldo2690@hotmail.com DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO BAIRRO CENTRO EM CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA, PA Géssica Oliveira da Silva 1 e Leonaldo Carvalho da silva 2 1,2 Graduandos do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental, IFPA Campus Conceição

Leia mais

Controle Social no Programa Bolsa Família 1

Controle Social no Programa Bolsa Família 1 Controle Social no Programa Bolsa Família 1 Definição É o acompanhamento efetivo da sociedade civil na gestão do Programa Bolsa Família como contribuição para uma maior transparência das ações do Estado

Leia mais

SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012

SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012 SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012 Índice de Desempenho dos Municípios Goianos - IDM THIAGO ALVES, MARCOS ARRIEL, LILLIAN PRADO, EDUIGES ROMANATTO E JULIANA DIAS XVII

Leia mais