Ainda dá tempo de fazer do Programa Minha Casa uma política de Estado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ainda dá tempo de fazer do Programa Minha Casa uma política de Estado"

Transcrição

1

2

3 editorial Legado histórico Sergio Watanabe é presidente do SindusCon-SP, vicepresidente da CBIC e diretor da Fiesp Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: sindusconsp.com.br Forte impulsionador do crescimento da construção civil e do PIB nacional, o Programa Minha Casa, Minha Vida ingressa em 2014 com a promissora expectativa de cumprir a meta de contratação de 2 milhões de unidades habitacionais no período do mandato do atual governo federal. O bom andamento das contratações levou a presidenta Dilma a anunciar em dezembro o objetivo de elevar esta meta em mais 700 mil moradias. Se o governo conseguir, será ótimo para ampliar o alcance do programa e reforçar o crescimento do PIB. Atingir a nova meta dependerá, contudo, da realização de ajustes. Os valores do Minha Casa não foram atualizados ao longo de 2013, ano em que o CUB (Custo Unitário Básico) da construção paulista subiu 7,3%. Considerando-se as margens já muito ajustadas das construtoras que operam no programa, tal reajuste é premente. Ainda dá tempo de fazer do Programa Minha Casa uma política de Estado Outro desafio do programa é atender as famílias com salários de até R$ nas grandes metrópoles como São Paulo e Rio de Janeiro. Junto com os governos estaduais e municipais, será necessário elevar os subsídios para viabilizar esse atendimento. Com a alta da inflação, será preciso incluir no programa reajustes anuais dos orçamentos de execução das obras. A ausência dessa atualização afastou da segunda fase do Minha Casa, Minha Vida, diversas construtoras que operaram na primeira fase. Para reduzir custos, também será necessário elevar a produtividade, mediante mais estímulos à mecanização e à industrialização dos processos de construção, e a intensificação dos programas de qualificação de mão de obra. Também será preciso enfrentar outros desafios que retardam o alcance das metas de contratação de moradias para a faixa mais pobre da população e que responde pela maior parte do déficit habitacional nas grandes metrópoles. Entre estes, situam-se a reduzida disponibilidade de terrenos, a morosidade e a burocracia na aprovação de projetos e no licenciamento de empreendimentos nos órgãos públicos, e entraves nos cartórios de registros. Entretanto, a grande expectativa do empresariado era que em 2014 fossem lançadas as bases da terceira fase do programa, a vigorar entre 2015 e Com isso, seria possível traçar projetos de longo prazo, visando à elevação da produção e da produtividade. No final de 2013, a imprensa divulgou notícia, não desmentida pelo Planalto, de que a terceira fase não seria lançada. Desta forma, a continuidade do Minha Casa ficaria circunscrita apenas às promessas das diversas campanhas eleitorais. Uma incerteza desestimuladora de investimentos em 2014 com vistas à edificação de novos empreendimentos em O governo federal ainda tem a alternativa de liderar a aprovação, neste primeiro semestre, da destinação constitucional de recursos permanentes para a habitação popular. Basta retomar a tramitação da PEC da Habitação, que destina um percentual da arrecadação para esta finalidade. Com isso, transformará o programa em uma política de Estado, o que seria um legado histórico da atual administração. revista notícias da construção / janeiro-fevereiro

4 sumário Capa CONSTRUÇÃO DEVE VOLTAR A CRESCER ACIMA DO PIB...6 Mercados de SP e RJ seguem vigorosos IMOBILIÁRIO Crédito imobiliário bate recorde em 2013 QUALIDADE Lançada 3ª edição do Manual do Proprietário Empresa busca inovar em gestão Consitra discute equipamentos para argamassa TRIBUTOS SindusCon-SP pede mudanças no ISS ISS: vitórias no interior paulista OBRAS PÚBLICAS Construção faz propostas para o Sinapi RESPONSABILIDADE SOCIAL º ConstruSer quer receber 52 mil MEIO AMBIENTE Iniciados testes de gerenciamento de resíduos voz do leitor POUPAR INVESTIMENTOS A disposição do governo federal em elevar o superávit fiscal para algo em torno de 2% do PIB não pode se concretizar às custas de cortes nos investimentos. Historicamente, os investimentos na ampliação da infraestrutura têm representado ínfimos percentuais do Orçamento. Cortá-los ainda mais afetaria a produtividade da economia e aumentaria o grau de insatisfação expresso nas recorrentes manifestações populares. Luiz Antônio Messias Vice-presidente de Obras Públicas do SindusCon-SP Escreva para esta Seção correio: R. Dona Veridiana 55, 2º andar, , São Paulo-SP SINDUSCON-SP EM AÇÃO Retrofit do sindicato entra na reta final SindusCon-SP inicia ação de governança REGIONAIS Confraternizações em Campinas e Santos Stéfani Nogueira vence a Copa em Ribeirão Confraternização no ABC reúne mais de 50 Falcão Bauer palestra para 100 universitários Lorenzini forma mais uma turma de alfabetização São José e Ribeirão realizam cursos RELAÇÕES CAPITAL-TRABALHO Sindicato relata qualificação de PCDs colunistas Conjuntura Robson Gonçalves...5 Gestão da Obra Maria Angélica Covelo Silva...18 Jurídico Alexandre Navarro Pereira Gonçalves...20 Empreendedorismo Carlos Alberto Julio...28 Gestão Empresarial Maria Angelica L. Pedreti...34 Saúde Horácio Cardoso Salles...40 Soluções Inovadoras Cláudio Vicente Mitidieri Filho...48 Construção da Carreira Felipe Scotti Calbucci...50 Presidente Sergio Tiaki Watanabe Vice-presidentes Cristiano Goldstein Eduardo May Zaidan Francisco Antunes de Vasconcellos Neto Haruo Ishikawa João Claudio Robusti João Lemos Teixeira da Silva Luiz Antonio Messias Luiz Claudio Minniti Amoroso Maristela Alves Lima Honda Maurício Linn Bianchi Odair Garcia Senra Paulo Rogério Luongo Sanchez Yves Lucien de Melo Verçosa Diretores Paulo Brasil Batistella (Jurídico) Salvador de Sá Benevides (Rel. Internacionais) Diretores das Regionais Eduardo Nogueira (Ribeirão Preto) Elias Stefan Junior (Sorocaba) Emilio Carlos Pinhatari (São José do Rio Preto) Luís Gustavo Ribeiro (Presidente Prudente) Márcio Benvenutti (Campinas) Renato Tadeu Parreira Pinto (Bauru) Ricardo Beschizza (Santos) Rogério Penido (São José dos Campos) Sergio Ferreira dos Santos (Santo André) Representantes junto à Fiesp Titulares: Eduardo Ribeiro Capobianco, Sergio Porto; Suplentes: João Claudio Robusti, José Romeu Ferraz Neto Assessoria de Imprensa Rafael Marko - (11) Nathalia Barboza - (11) Fabiana Holtz - (11) Conselho Editorial Delfino Teixeira de Freitas, Eduardo May Zaidan, José Romeu Ferraz Neto, Maurício Linn Bianchi, Francisco Antunes de Vasconcellos Neto, Odair Senra, Salvador Benevides, Sergio Porto SUPERINTENDENTE José Luiz Machado editor responsável Rafael Marko REDAÇÃO Nathalia Barboza e Fabiana Holtz (São Paulo) com colaboração das Regionais: Ester Mendonça (São José do Rio Preto); Giselda Braz (Santos); Homero Ferreira (Presidente Prudente); Enio Machado, Elizânio Silva e Tatiana Vitorelli (São José dos Campos); Marcio Javaroni (Ribeirão Preto); Sabrina Magalhães (Bauru); Ana Diniz e Simone Marquetto (Sorocaba); Sueli Osório (Santo André); Vilma Gasques (Campinas). Secretaria: Antonia Matos Arte e diagramação Marcelo da Costa Freitas/Chefe de Arte PUBLICIDADE Vanessa Dupont - (11) Pedro Dias Lima - (11) Bruna Batista Avelino - (11) Thiago Rodrigues - (11) Vando Barbosa - (11) Jéssica Schittini - (11) André Maia - (21) Laura Jane - (11) Hamilton Silva - (11) ENDEREÇO R. Dona Veridiana, 55, CEP , São Paulo-SP Central de Relacionamento SindusCon-SP (11) CTP/ impressão: Pancrom Indústria Gráfica Tiragem desta edição: 13,5 mil exemplares Opiniões dos colaboradores não refletem necessariamente posições do SindusCon-SP facebook.com/sindusconsp twitter.com/sindusconsp youtube.com/sindusconspmkt Disponível na App Store e no Google Play 4 revista notícias da construção / janeiro-fevereiro 2014 O papel desta revista foi feito com madeira de florestas certificadas FSC e de outras fontes controladas.

5 Conjuntura Ano eleitoral Robson Gonçalves é professor dos MBAs da FGV e consultor da FGV Projetos Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: fgv.br Os economistas são seres estranhos. Gostam de acreditar que os mercados funcionam e que os preços, deixados livres, operam o milagre da mão invisível. Apesar disso, a alta do câmbio vem acontecendo no Brasil, mas não tem evitado a deterioração das contas externas. Por que será? A resposta depende da seita do economista que responde, quer dizer, de sua corrente teórica. Os conservadores, como é de seu feitio, acusam a política fiscal. O aumento dos gastos do governo eleva a demanda acima do que a oferta é capaz de suportar. O resultado é mais inflação e mais importações. A escassez de dólares no mercado brasileiro eleva a taxa de câmbio, pressionando mais uma vez os preços. Receita: cortes de gastos para adequar a demanda agregada à atual capacidade de crescimento da oferta, reduzindo a pressão sobre preços e câmbio. Cenário mais provável em 2014 é de mais despesas de governo e inflação No extremo oposto, economistas keynesianos afirmam que a situação fiscal não tem relação com o câmbio e seus efeitos (ou não efeitos ). Também apontam para o lado da oferta, mas destacam a baixa competitividade da indústria nacional que convive com um processo de crescimento da demanda, impulsionada pela melhora da distribuição de renda. Assim, seria fundamental elevar os níveis de investimento produtivo, muito baixos em perspectiva internacional e histórica. Mas, enquanto isso, não há como escapar da convivência com níveis mais elevados da taxa de câmbio. Os reflexos inflacionários ocorreriam, sem dúvida. Mas a combinação de mais investimento com dólar mais caro poderia, aí sim, reverter a trajetória preocupante das contas externas. Como se vê, os economistas keynesianos ou desenvolvimentistas equacionam o problema sem colocar em xeque a questão do crescimento econômico. Mas, então, qual é a resposta certa? Se você, caro leitor, acha mesmo que os gastos públicos são a fonte de todos os males, eu o chamaria de conservador. Mas, se prefere acreditar que a indústria nacional está sufocada e que precisamos de dólar mais alto, ainda que às custas de mais um ou dois anos de inflação, então você tem uma alma desenvolvimentista. De minha parte, acredito que não haverá cortes de gastos nem desaceleração de crescimento em ano eleitoral. Em época de campanha, todos os políticos se tornam keynesianos. Então, o cenário mais provável é que o governo pise no acelerador em Mas, como nossos limites do lado da oferta são inegáveis, teremos mais inflação e mais importações outra vez. Quanto a mais de inflação e câmbio? Isso vai depender do mercado internacional de capitais e das repercussões da política monetária nos EUA. Se os capitais externos escassearem de vez, o dólar será bem mais alto e a inflação certamente irá estourar o teto da meta de 6,5%, dando mais emoção à corrida presidencial. Por outro lado, quase todo político é conservador no primeiro ano de mandato. Até o ex-presidente Lula confirmou essa regra em 2003/4. Então, 2015 talvez seja o ano da ressaca conservadora depois da festa keynesiana. O tempo dirá. revista notícias da construção / janeiro-fevereiro

6 capa Motorzinho do PIB NathAlia barboza Após um ano de 2013 que, se não merece ser chamado de desastroso, brilhante também não foi, a construção civil brasileira deve crescer 2,8% em 2014, se o PIB (Produto Interno Bruto) do país aumentar 2% a evolução do setor projetada pelo SindusCon-SP para o ano passado é de 2% para o PIB da construção e de 2,5% para o PIB do país, configurando a primeira vez desde 2006 que o setor amarga uma subida mais modesta que a do PIB brasileiro. As projeções foram anunciadas pelo presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe, em dezembro, na sede da entidade, em entrevista coletiva à imprensa, ao lado do vice-presidente de Economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan, e da coordenadora de estudos de construção civil da FGV (Fundação Getulio Vargas), Ana Maria Castelo. Pelas estimativas apresentadas, o nível de emprego formal do setor em 2014 deverá apresentar alta de 1,5%, enquanto a produção de materiais aumentará 3,6% e a taxa de investimento deverá ficar em 19,8% do PIB (veja quadro). Todos estes números são melhores que aqueles alcançados em 2013: uma taxa de investimento de 19,3% do PIB; alta de 1% no emprego da construção em relação Construção civil estima crescer 2,8% em 2014, se o PIB do país se elevar em 2% a igual período de 2012; e crescimento de 2,6% na produção de materiais. O avanço do PIB do setor menor que o do conjunto da economia para 2013 foi considerado atípico pelo sindicato, sobretudo porque o ano passado iniciou contando com maior contribuição das obras de infraestrutura. Ao final do ano, no entanto, o Programa de Logística ainda não reverteu em atividade para o setor; o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) andou em ritmo mais lento e as concessões públicas só começaram para valer no final de Com isso, um reflexo na atividade da construção civil deverá ocorrer somente em meados de 2014, disse Ana Maria Castelo. Para ela, já há também sinalizações positivas no número de terrenos sendo preparados para obras, o que leva a crer que este ano possa ter um desempenho melhor. Base muito alta Ao comentar a expectativa de crescimento no nível de emprego formal da construção em 2014, Eduardo Zaidan lembrou que a base de comparação já está muito alta. O setor continua trabalhando forte e agora estamos com um nível de Em 2014, as sinalizações para a construção civil são positivas, afirmou Ana Maria Castelo 6 revista notícias da construção / janeiro-fevereiro 2014

7 estoque bastante condizente com o que é preciso. O trabalhador que entrou neste mercado em 2006 ou 2007 permaneceu. O gargalo agora não é o número de empregados, de contingente nas obras. O que se busca é aumentar a qualificação dos operários. O desafio é elevar a produtividade. É isto que as empresas procuram, explicou. De acorco com Ana Maria, a construção imobiliária entrou claramente no final de um ciclo de obras que haviam sido encomendadas entre os anos de 2008 e 2010, período em que o setor experimentou um contexto de demanda muito alto, o que refletiu nas vendas, disse. Grande parte dos lançamentos feitos neste período foi entregue ao longo de No entanto, apesar do cenário mais fraco no setor, os custos de mão de obra, de materiais e equipamentos e de serviços seguirão em alta em Segundo a economista, olhando apenas pela curva de atividade do setor, vê-se uma mudança de patamar: o ritmo de geração de novas obras caiu. O menor consumo de cimento, por exemplo, confirma o ritmo mais lento. Em dezembro, o setor empregava 3 milhões 426 mil trabalhadores. O Estado de São Paulo tinha, naquele mês, 879 mil empregados formais, elevação de 1,37% em 12 meses. No segmento imobiliário, a queda do emprego com carteira assinada em 2013 foi de 0,05%, enquanto no setor de infraestrutura esta taxa cresceu 0,92%. Confiança no crescimento Tradicionalmente, a coletiva à imprensa também divulga os resultados da Sondagem Nacional da Indústria da Construção. Em sua 57ª edição, realizada em novembro pelo SindusCon-SP e pela FGV, as empresas mostraram-se confiantes no crescimento de médio e longo prazo, mas expressaram a necessidade de haver novos estímulos para a economia e uma nova versão para o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida. Outro sinal positivo apontado pelos empresários consultados foram as expectativas sobre investimentos em máquinas e equipamentos e novas tecnologias, que permaneceram em alta. Numa escala de 0 a 100, a expectativa com relação à necessidade de novos estímulos para o setor atingiu 78,3 pontos. Ao mesmo tempo, a confiança dos entrevistados da Sondagem em relação ao crescimento no médio e longo prazos ficou em 62 pontos, enquanto a estimativa de uma nova versão do programa MCMV atingiu 67,3 pontos. As perspectivas dos empresários da construção de crescimento para a economia do país seguiram em alta, com acréscimo de 14,1% em relação à pesquisa anterior (realizada em agosto de 2013). Em comparação a novembro de 2012, porém, o indicador acumulou uma queda de 26,2%. (*) estimativa de crescimento sobre o resultado de 2013 revista notícias da construção / janeiro-fevereiro

8 CAPA No que diz respeito aos indicadores de desempenho corrente das empresas, foi registrado ligeiro avanço, com alta de 0,6% frente ao levantamento anterior. Não vai deixar saudade O indicador de dificuldades financeiras correntes, um ponto que exige atenção, deteriorou-se em relação à pesquisa anterior. Já em relação às perspectivas sobre a condução da política econômica, foram apuradas quedas de 0,7% frente à anterior e de 35,2% em doze meses. Em 2013, o governo implementou várias ações pontuais de incentivo à economia e, com a outra mão, interveio demais. A economia não decolou, afirmou o presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe, na entrevista coletiva. O ano de 2013 não vai deixar saudades, como 2012 não deixou. O ano foi ruim para o Brasil, uma frustração, não só para a construção civil, ressaltou. Segundo Watanabe, grande parte do recuo no ritmo de lançamentos tem a ver com a credibilidade, do governo e da economia, perdida ao longo de O Brasil perdeu muita credibilidade, não só do ponto de vista dos investidores externos, mas também dos internos, disse o presidente. Nos segmentos industrial e comercial, muitos investimentos foram suspensos porque o empresariado não enxergava crescimento suficiente da demanda, acrescentou. Mercados de SP e RJ continuarão vigorosos Embora diversas praças imobiliárias como Brasília, Curitiba e Salvador já estejam dando sinais de estresse, em São Paulo e Rio de Janeiro o segmento continuará vigoroso, apostou o vice-presidente de Economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan. As duas regiões representam cerca de 50% deste mercado no país. O Secovi-SP divulgou recentemente que, de janeiro a novembro de 2013, as vendas de imóveis novos subiram 20,9% (mais unidades) em relação a igual período de 2012 (quando foram vendidas unidades), na Região Metropolitana de São Paulo incluída a Capital, fortalecendo as expectativas de fechar o ano com um volume de comercialização entre 34 mil e 35 mil unidades. Ainda há exemplos de empreendimentos que vendem 70% no final de semana de lançamento, comentou Zaidan. Segundo ele, o mercado entrou numa nova etapa. A demanda por imóveis reprimida nas últimas décadas foi atendida. Temos agora uma nova fase. Daqui em diante, a demanda da construção civil será ditada por itens como renda, massa salarial, disponibilidade de financiamento, aumento no número de famílias e mobilidade espacial, disse. Por isso, para Zaidan, o preço final dos imóveis novos continuará subindo no Rio e em São Paulo, desta vez de forma mais moderada. Vão acompanhar a rentabilidade do salário real, afirmou. Para Watanabe, investidores ficaram mais cautelosos com o país, o que afetou o ritmo do mercado imobiliário. Zaidan ponderou que, mesmo assim, setor ainda mantém bom ritmo em São Paulo e no Rio 8 revista notícias da construção / janeiro-fevereiro 2014

9 Para realizar o sonho do país do futebol, o Brasil tem a força do aço Gerdau. A força da transformação. O aço da Gerdau tem a força da transformação. Os sonhos mudam, o aço da Gerdau se transforma. Reciclamos milhões de toneladas de sucata para produzir aço de qualidade, que está preparando nosso país para ser o palco de todas as torcidas. Nas conquistas mais importantes, estamos sempre com o Brasil.

10 imobiliário Crédito bate recorde em 2013 O mercado de crédito imobiliário deve crescer 15% neste ano, para R$ 126 bilhões, segundo projeções divulgadas pela Abecip (Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), em seu balanço anual. Superando as estimativas da entidade, o volume de imóveis financiados com recursos da poupança cresceu 32% em 2013 novo recorde. Desse montante, o volume destinado às construtoras cresceu 15%, depois de uma queda considerável de 20% no ano anterior. De acordo com Octavio de Lazari Junior, presidente da entidade, a trajetória de recuperação do setor ganhou força no segundo trimestre, superando as expectativas. Com alta de 32%, Abecip renova projeções para este ano Durante encontro empresarial Perspectivas para o Brasil em 2014 e tendências para o mercado imobiliário, promovido pela Fiabci/Brasil e o Secovi-SP, em dezembro, Lazari Junior traçou um cenário do setor. Além das boas condições de emprego e renda, as projeções da entidade encontram respaldo na recuperação das empresas e no apetite dos bancos pelo segmento. Durante o encontro, o presidente da Fiabci/Brasil, Basilio Jafet, disse estar perplexo com o estado de coisas no país. Como é possível que o nosso PIB cresça menos que o da Colômbia, México, Peru e Chile; que o governo se contente em estacionar a inflação na faixa de 6% ao ano, dizendo que nós estamos em um caminho virtuoso, questionou. Entre os desafios para 2014, Jafet observou que a Copa está chegando e o país será a vitrine do mundo por alguns meses. E o que vamos mostrar? Como estamos no campo da infraestrutura, logística, segurança jurídica?, questionou. Outro ponto crítico na sua avaliação é em R$ bilhões o regime tributário do país, cujo único objetivo é extorquir cada vez mais os setores que produzem, sem as contrapartidas 79,9 adequadas. Para Carlos Eduardo Terepins, diretor- presidente da Even, o grande volume de lançamentos imobiliários concentrado no quarto trimestre causou certa preocupação. Isso deve reduzir a velocidade de vendas no início do ano. Com relação ao impacto da implantação do Plano Diretor na capital, o executivo considerou que vivemos um grau elevadíssimo de insegurança jurídica. Desaceleração no comercial No segmento de imóveis comerciais, a CEO da Cushman & Wakefield para a América do Sul, Celina Antunes, observou que os estoques vão crescer em 2014 e que o mercado está em desaceleração, mas não em crise. O volume de investimento que entrava no Brasil caiu bastante e agora está mais concentrado no longo prazo (10 anos ou mais), com reflexo direto na taxa de vacância. Hoje os prédios estão demorando um pouco mais para serem ocupados. Segundo Celina, os preços devem subir um pouco no próximo ano, devido à qualidade superior dos estoques. O jornalista Heródoto Barbeiro afirmou que a pergunta chave para o próximo ano será qual a participação que o Estado terá na economia. (Fabiana Holtz) Aquisição e construção 82,8 +3,6% +32% 109,2 10 revista notícias da construção / janeiro-fevereiro 2014

11

12 qualidade Construção atualiza manuais Revista e ampliada com o apoio de técnicos em gestão e operação de edifícios, a terceira edição do Manual do Proprietário foi lançada pelo SindusCon-SP e pelo Secovi- SP em dezembro. Na ocasião, também foi publicada a segunda edição do Manual das Áreas Comuns. Atualizados com as mais recentes normas técnicas, entre as quais a de Desempenho, os dois manuais, que fornecem todas as informações referentes ao imóvel, como condições de garantia e orientações para uso e manutenção, são entregues pelas construtoras aos usuários e síndicos dos novos edifícios. Guias das Áreas Comuns e do Proprietário ganham nova edição Para Alexandre de Oliveira, coordenador do Grupo de Trabalho dos Manuais do Comitê de Tecnologia e Qualidade (CTQ) do SindusCon-SP e presidente da CompraCon- SP, esse trabalho deve ser tratado como um referencial para guiar as empresas na produção de seus manuais internos. A ideia é trazer o conceito de vida útil desde a concepção do projeto, afirmou. No evento, Oliveira representou o presidente do sindicato, Sergio Watanabe, e o conselheiro José Romeu Ferraz Neto. Oliveira avaliou que ainda não se dá a devida importância ao roteiro de manutenção preventiva. É fundamental investir na formação desse pessoal da área de gestão e manutenção. Esse público não acompanhou a evolução tecnológica incorporada aos edifícios e precisa de treinamento. Entre as principais atualizações, ele destacou que agora a NBR 5674:2012, que trata da manutenção de edificações, vale também para prédios em uso, construídos antes da publicação da edição da norma. Melhorias Responsável pela apresentação de um histórico do trabalho, Lilian Sarrouf, coordenadora técnica do Grupo de Trabalho dos Manuais, destacou os principais resultados obtidos em mais de uma década de discussão sobre o tema. É nítida a melhora do relacionamento com o cliente e dos processos internos relacionados à assistência técnica de construtoras e incorporadoras na capacitação dos profissionais envolvidos, observou. Também presente ao lançamento, Carlos Borges, vice-presidente de Tecnologia e Qualidade do Secovi-SP e membro do CTQ, disse considerar o momento importante por fechar um ciclo. Esse material é fundamental para o aculturamento do nosso cliente, disse, ao elogiar a qualidade do trabalho da revisão dos manuais. Vida útil De acordo com Carlos Del Mar, membro do Conselho Jurídico do Secovi-SP, os manuais ganharam força com a entrada em vigor da Norma de Desempenho (15.575), em julho. A referência ao manual é expressa em diversos trechos da norma, a começar pela vida útil das edificações, afirmou. Segundo ele, a importância legal dos manuais pode ser constatada também no Código de Defesa do Consumidor, onde o tema é tratado em diversos artigos. Para Del Mar, a manutenção deve constar entre os itens mais importantes da norma. (Fabiana Holtz) A versão impressa dos manuais já pode ser adquirida pelo com.br ou pelo telefone (11) revista notícias da construção / janeiro-fevereiro 2014

13

14 qualidade Empresa busca inovar em gestão Ver o colaborador não como despesa mas como o maior ativo da empresa, e criar condições para que ele trabalhe com paixão e ousadia são duas condições essenciais para a gestão das companhias modernas. Esta foi uma das mensagens transmitidas pelo presidente da Pormade, Cláudio Antonio Zini, na palestra Inovação em Gestão, realizada em dezembro, na confraternização de fim de ano do SindusCon-SP. O evento foi coordenado pelo vicepresidente de Relações Capital-Trabalho, Haruo Ishikawa. Precisamos estimular nossos colaboradores a usarem o cérebro e o coração, porque se ganha mais com os neurônios felizes, disse Zini. Assim, a inovação nasce de uma força de trabalho empolgada, mais do que de uma equipe só interessada, completou. Para tanto, a liderança não pode ser autoritária ( o chefe durão morreu ); deve fazer os colaboradores terem vontade de produzir; precisa ser humilde, saber ouvir, ter as perguntas certas e aprender com os erros, comentou. A empresa, prosseguiu Zini, deve reduzir os níveis hierárquicos (na Pormade, são só três), instituir equipes autodirigidas, investir em educação ( manter o trabalhador na ignorância custa mais caro ) e incentivar as pessoas a fazerem, mesmo que errem ( só não erra quem não faz ). O palestrante chamou a atenção para a importância de se criar um clima de confiança, meritocracia e enfrentamento dos problemas dentro da companhia. O [Departamento de] RH não deve ser nem agência de espionagem nem realizador secundário dos desejos dos funcionários, mas desenvolvedor de intelectos. O diretor de RH deve ter a mesma importância de um diretor financeiro. Zini também relatou como a Pormade estimula a aquisição de conhecimento, com gratificações a quem ler textos ou assistir a palestras indicadas pela empresa. De valor entre R$ 5 e R$ 15, essas gratificações podem somar até um 14º salário. Indagado sobre qual é o novo problema enfrentado pela Pormade com sua gestão inovadora, informou que a maior motivação também leva grande parte dos colaboradores a um aumento das expectativas, o que, por sua vez, representa um novo desafio à gestão. (Rafael Marko) Ishikawa homenageia Zini pela palestra motivacional dada no SindusCon-SP Auditoria & Consultoria Empresa especializada em serviços de auditoria e consultoria para a construção civil. Conheça nossos serviços nas áreas de: Auditoria e Consultoria Contábil Consultoria Tributária Saiba mais: Consultoria 14 Trabalhista revista notícias e da Previdenciária construção / janeiro-fevereiro 2014 Consultoria Empresarial

15

16 qualidade Consitra discute soluções de equipamentos para argamassa O Consitra 2 (Consórcio Setorial para Inovação Tecnológica em Revestimento de Argamassa fase 2) realizou em dezembro o Workshop de Equipamentos do Consitra 2, no qual recebeu representantes dos fabricantes e fornecedoras de máquinas e equipamentos Anvi, M-Tec, Menegotti, Phmac e Turbosol. Mercado mostrou-se ressentido de falta de padronização e critérios de comparação O workshop faz parte de uma série de eventos que o consórcio realizará para unir as construtoras e os fabricantes. Cada empresa teve a oportunidade de apresentar sua linha de produtos, restrita a argamassadeiras e bombas de projeção, falando de características técnicas, capacidades, detalhes operacionais etc. Segundo o professor Rafael Pileggi, um dos representantes da Poli-USP no consórcio, o workshop suscitou muitos debates, sobretudo em relação à falta de padronização das soluções e à falta de critérios de comparação entre os produtos disponibilizados no mercado. Todas as empresas têm soluções interessantes. Por que então as construtoras não as usam? Por que continuam a preparar a argamassa em betoneiras? É porque não há um padrão que aponte para a solução correta para cada material. Também não temos como comparar as opções. Percebemos que os fabricantes têm um grande domínio tecnológico, apresentaram bons misturadores, mas não vinham transmitindo isso às construtoras, afirmou Pileggi. Para ele, é preciso criar categorias e classes de equipamentos. Ficou definido que o Consitra 2 fará um estudo neste primeiro semestre para avaliar a eficiência dos equipamentos, com a finalidade de, no futuro, contribuir para que as construtoras especifiquem melhor as soluções mais adequadas a cada tipo de obra, contou Pileggi. O SindusCon-SP é um dos patrocinadores do Consitra 2, ao lado da Abai (associação das indústrias de argamassa), da ABPC (produtores de cal) e do Sinaprocim (sindicato das cimenteiras). A Escola Politécnica da Universidade de São Paulo é parceira e responsável pela coordenação técnica do projeto, que ainda conta com a colaboração de pesquisadores de diversas universidades. (Nathalia Barboza) Consórcio recebe prêmio especial da Pini O representante do SindusCon-SP no Consitra 2, Yorki Estefan, recebeu em dezembro, junto com o coordenador dos comitês de Produtos e Obras do consórcio setorial, Fabio Câmpora, o Prêmio Pini Iniciativa Setorial de Destaque O troféu, que foi entregue durante o Fórum de Compradores, premiou o Consitra 2 por suas ações de pesquisa e divulgação tecnológica na área de argamassa. O Consitra repensa o revestimento externo de forma abrangente. As suas recomendações envolvem praticamente todas as áreas técnicas das construtoras, desde projeto e especificações de materiais, suprimentos, orçamentos, planejamento, terminando na execução de serviços, destacou Estefan. Mário Takeashi 16 revista notícias da construção / janeiro-fevereiro 2014

17

18 GESTÃO DA OBRA Industrialização já! Maria Angelica Covelo Silva é engenheira civil, mestre e doutora em engenharia, diretora da NGI Consultoria e Desenvolvimento Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: com.br Há alguns anos, a construção civil padecia de um mal crônico: a falta de financiamento que forçou as incorporadoras a se tornarem instituições financeiras. Os danos foram muitos. Mas um deles ainda vai render anos de tentativa de recuperação: a falta de visão estratégica das empresas e do setor de forma organizada. A preocupação com uma baixa escala de produção face à demanda reprimida por imóveis levou a um estreitamento do foco de visão em torno de reduzir custos sem uma visão mais abrangente da estrutura de custos e da relação entre estes e características dos produtos diante das necessidades dos clientes. Hoje vemos lideranças lamentando a falta de mão de obra como o principal problema do setor. De novo a cegueira. O problema é a falta de estratégia do setor quanto à natureza de seu processo produtivo e à preparação desta mão de obra. A despeito de todos os avanços, continuamos a produzir edificações (cada vez mais complexas) com sistemas construtivos majoritariamente artesanais, que requerem mão de obra com habilidades de artesão e que possibilitam um patamar de produtividade impossível de ser ultrapassado, por mais que se racionalize. Processo produtivo segue artesanal e impede elevação da produtividade A falta de visão estratégica impediu o setor de vislumbrar que, quando o financiamento viesse, seria necessário produzir com ciclos mais curtos, em maiores volumes e para atender um consumidor (e um investidor) com exigências crescentes. Isso acontece em todos os países em desenvolvimento, mas não somos capazes de olhar para fora e, principalmente, de nos organizarmos. Os estudos econômicos realizados sobre a condição demográfica brasileira mostram um horizonte de médio prazo de inversão da disponibilidade de mão de obra em idade de trabalho. E não estamos enxergando que seja uma questão de sobrevivência do setor alterar significativamente os sistemas construtivos passando a maior grau de industrialização. O foco deverá ser a elevação da produtividade e a melhoria das condições de trabalho, pois o elevado esforço físico exigido na atividade atualmente também faz o setor perder atratividade aos novos trabalhadores que entram no mercado de trabalho. Também precisamos encarar de frente o problema da terceirização: pela informalidade, pelas condições de trabalho (é vergonhoso ver processos a empresas acusadas de trabalho análogo à escravidão) e pela capacidade técnica e gerencial das empresas terceirizadas. Enquanto este mercado funcionar assim, não é possível atingir ganhos da industrialização, do uso de sistemas e processos inovadores, porque estes terceirizados não estão preparados para apropriar os ganhos de produtividade decorrentes destas mudanças e repassá-los à sua estrutura de preços às construtoras. Enquanto o setor não se organizar com eficácia para alterar este quadro, estaremos seriamente ameaçados de um atraso que será difícil de recuperar quando o cenário demográfico e econômico tornar verdadeiramente escassa a mão de obra. Mas é preciso ter visão: o problema está na falta de visão e de estratégia do setor para mudar esta situação. 18 revista notícias da construção / janeiro-fevereiro 2014

19 INFORME PUBLICITÁRIO Especialidade: criar ambientes de trabalho seguros Diminuir o número de acidentes de trabalho e amenizar seus danos, caso aconteçam é a missão do Grupo Worker, especializado em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Com sede em Porto Alegre, escritórios em São Paulo e Rio de Janeiro e trabalhos em todo o Brasil e na América Latina, a empresa nasceu com o propósito de reduzir as estatísticas muitas vezes alarmantes dos acidentes de trabalho só no Brasil, são cerca de 700 mil casos por ano. E evitar, assim, as perdas humanas, os prejuízos financeiros e outros danos à imagem e sustentabilidade dos negócios. Desde 2004, o Grupo Worker coloca o conhecimento e a tecnologia a serviço da segurança do trabalho, com um amplo leque de serviços especializados. Exemplo disso é a clínica de Medicina do Trabalho, criada em 2007 para realizar todos os exames e serviços relacionados à saúde do trabalhador. Hoje, a empresa oferece muito mais. O trabalho passa por uma análise preliminar de riscos de cada empreendimento desde obras de pequeno e médio porte até estaleiros, estádios e aeroportos e por projetos personalizados de engenharia de segurança. Foco: pessoas seguras Cada projeto do Grupo Worker traz um memorial descritivo que estabelece as reais necessidades de investimento em equipamentos que resguardam a integridade dos trabalhadores, como andaimes, elevadores de obra, rampas e passarelas. Para projetos como linhas de vida e esperas de ancoragem, por exemplo, são necessárias análises para definir questões como a força de tração da linha de vida, os pontos de fixação das esperas e o material de confecção de grampos. Os cabos têm de resistir ao peso do trabalhador e ao impacto de uma eventual queda, além de impedir o choque com o chão. Obrigatórias em qualquer construção com mais de 4 metros de altura, as plataformas de proteção evitam que entulhos caiam no canteiro da obra e arredores. Para adequar os projetos à necessidade de cada empreendimento, o Grupo Worker realiza estudos para definir locais de instalação, dimensão e espaçamento das bandejas, além da forração ideal para evitar rompimentos. O trabalho é realizado por engenheiros, arquitetos e projetistas, que atuam juntos com os responsáveis pelo empreendimento na busca da solução mais eficiente. Com essa filosofia, o Grupo Worker já realizou mais de 4,2 mil projetos de segurança do trabalho. Para garantir o funcionamento do sistema de segurança e o cumprimento integral da legislação, o Grupo Worker oferece, ainda, um serviço exclusivo de auditoria, realizado de forma independente e sistemática por uma equipe técnica da área. Assim, é possível detectar possíveis falhas de planejamento ou execução e aprimorar ainda mais a segurança do projeto. Todos saem ganhando. Mas de nada adianta ter equipamentos eficientes sem preparar os verdadeiros agentes da transformação: os funcionários. O Grupo Worker oferece treinamentos especializados que inspiram novas atitudes e ajudam a estabelecer uma cultura de segurança no ambiente de trabalho, como NR5 (CIPA), NR10 (instalações elétricas), NR18 (condições e meio ambiente de trabalho) e NR35 (serviços em altura). Mais do que uma obrigação legal, prover a segurança no local de trabalho é uma forma de atrair e reter bons profissionais, tornando o negócio ainda mais eficiente e próspero. O Grupo Worker está à disposição para ajudar a sua empresa a realizar esse ideal.

20 JURÍDICO Tragédia anunciada Alexandre Tadeu Navarro Pereira Gonçalves é é advogado, sócio da Navarro Advogados, membro do Conselho Jurídico do SindusCon- SP e ex-integrante do Conselho Municipal de Tributos Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: navarro.adv.br Há muitos anos o SindusCon-SP critica severamente a pauta fiscal e a exigência de quitação do ISS como condição à emissão do Habite-se das obras. Há muitos anos empresas vêm se insurgindo pela via judiciail, vitoriosamente, contras tais aberrações, em São Paulo e outros municípios que teimosamente mantêm estes procedimentos ilegais e inconstitucionais. Há muitos anos é pacífica a posição doutrinária contrária a esses dois monstrengos, por sua plena desconexão com os princípios tributários e pelo caráter retrógrado que traduzem, desalinhado das boas práticas de transparência e simplicidade que devem nortear o bom administrador público. Contudo, os últimos mandatários paulistanos pioraram o quadro, sem avanço normativo ou procedimental. Agravou-se a situação com o empoderamento de malfeitores para a coordenação da fiscalização, que passaram a usar subjetivismos outorgados para criar uma máquina nefasta de abusos, achaques e facilitação da corrupção. ISS requer uma nova sistemática sem subjetivismo e separada do Habite-se O Habite-se é um direito do proprietário do imóvel em decorrência da conclusão de uma obra em conformidade com o alvará de execução. É um simples ato de verificação de conformidade física, a ser realizado pelo setor responsável, pelo que não pode ter qualquer relação com o setor de arrecadação tributária, por se configurar inadmissível sanção indireta. O atrelamento é pior até que a pauta fiscal, outro profundo mal, por absoluta falta de base legal e utilidade pública. Só serve como ferramenta de pressão ilegal e brecha para malfeitores. A máquina de achaques tornou-se tão poderosa que até empresas que nada sonegaram acabaram se submetendo para conseguir a emissão do Habite-se em prazos normais, especialmente nos momentos de estrangulamento do mercado, com suas obras já atrasadas pela escassez de mão de obra e materiais. Natural que isso não seja justificativa em termos morais, mas é fundamental separar e tratar adequadamente as mais diversas situações, devendo cada uma ter a devida consequência, nos limites da lei. A insistência do SindusCon-SP, das empresas e do meio jurídico, contrária à vinculação do Habite-se à quitação do ISS e ao atendimento de uma pauta fiscal desconectada da realidade tecnológica e ilegal, não é capricho ou posição enviesada; trata-se de bom senso e conhecimento da realidade prática do setor, que não deveriam ter sido ignorados pelas autoridades. Ocorrida a tragédia, por demais anunciada, com uma amplitude sem precedentes, espera-se que os atuais responsáveis pelas finanças municipais ajam positivamente, curvem-se à verdade dos fatos e eliminem de vez as desnecessárias complexidades e os subjetivismos contidos nas normatizações, que só aproveitam àqueles de má intenção. Resta a esperança de que a notória capacidade e bom senso do atual secretário de Finanças ponham um ponto final neste lamentável episódio, pela criação de uma sistemática simples, clara e transparente de apuração e pagamento do ISS para a construção civil, desvinculada do licenciamento da obra. 20 revista notícias da construção / janeiro-fevereiro 2014

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 Sciesp Clipping 17.06 A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 DESTAK FGTS amplia teto da renda para imóvel com juro menor Famílias

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

A locomotiva de concreto

A locomotiva de concreto A locomotiva de concreto 16 KPMG Business Magazine Construção civil supera período de estagnação, mas ainda há gargalos que podem comprometer o ritmo de investimentos A construção civil no Brasil não para

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/134/imprime89320.asp

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/134/imprime89320.asp Página 1 de 7 Mercado de oportunidades Aquecimento do setor gera oportunidades para engenheiros civis especializados. Confira as principais necessidades das empresas Por Renato Faria Foi-se o tempo das

Leia mais

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015

O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 O Mercado americano de Tecnologia 2014/2015 1. Considerações Gerais Os Estados Unidos, maior potência mundial e tecnológica, apresenta projeções cada vez mais otimistas. Desde 2008, no estouro da crise

Leia mais

MERCADO CORPORATIVO MAIS FAVORÁVEL AO INQUILINO EM 2013

MERCADO CORPORATIVO MAIS FAVORÁVEL AO INQUILINO EM 2013 4º TRIMESTRE 213 escritórios São paulo MARKET REPORT ESCRITÓRIOS RELATÓRIO DE PESQUISA DE ESCRITÓRIOS A+ A e B MERCADO CORPORATIVO MAIS FAVORÁVEL AO INQUILINO EM 213 Inventário Existente: 3.95 milhões

Leia mais

ConstruBusiness - Rumo a 2022

ConstruBusiness - Rumo a 2022 ConstruBusiness - Rumo a 2022 EXPRESS ANO 1/12 Nº44 DEZ/12 CONSTRUBUSINESS 2012 10º CONGRESSO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO Em sua 10ª edição, o Construbusiness elaborou o programa Compete Brasil, com soluções

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

Roberto Gerab. Aposta na baixa

Roberto Gerab. Aposta na baixa Roberto Gerab Aposta na baixa Em um momento em que grandes incorporadoras se mostram reticentes quanto à atuação na baixa renda, incorporadora Kallas cria nova empresa para crescer no segmento Edição 145

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações

Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações Edição: 5132010 Litoral Paulista, sexta-feira, 20 de agosto Página: 1 Grupo Usiminas fabrica em Cubatão e Ipatinga, em Minas Gerais, perfis de aço para a construção de habitações w w w. u s i m i n a s.

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Construção Residencial 16 de dezembro de 2014 Ajuste dos estoques de imóveis residenciais reforça expectativa de menor crescimento da atividade de construção civil nos próximos trimestres Departamento

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Painel 2: As transformações do ambiente de negócios e o impacto sobre a estratégia e gestão de empresas do mercado de construção

Painel 2: As transformações do ambiente de negócios e o impacto sobre a estratégia e gestão de empresas do mercado de construção Painel 2: As transformações do ambiente de negócios e o impacto sobre a estratégia e gestão de empresas do mercado de construção M. M. Eng. Eng. Jorge Jorge Batlouni Neto Neto -- Diretor Diretor HISTÓRIA

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato 1 Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato Estudos Técnicos CNM Introdução Em decorrência da surpresa dos dirigentes municipais com a atual dificuldade financeira vivida pelos

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA Miriam Belchior Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão São Paulo, 15 de julho de 2013 NOVOS MOTORES DO CRESCIMENTO Modelo brasileiro diversificou as fontes de crescimento

Leia mais

INSTITUTO ADM&TEC SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA 2015

INSTITUTO ADM&TEC SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA 2015 INSTITUTO ADM&TEC SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA 2015 DISCIPLINA: PORTUGUÊS PROVA DE 2ª FASE FUNDOS IMOBILIÁRIOS Os Fundos de

Leia mais

Sciesp. Clipping 19.10. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1

Sciesp. Clipping 19.10. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 Sciesp Clipping 19.10 A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 INFO MONEY Vendas de imóveis usados sobem 13,53% em julho no estado

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e Confederação Nacional das. Pronunciamento do Presidente do Banco Central do Brasil, Ministro Alexandre

Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e Confederação Nacional das. Pronunciamento do Presidente do Banco Central do Brasil, Ministro Alexandre São Paulo, 24 de novembro de 2011. Jantar Anual dos Dirigentes de Bancos Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF) Pronunciamento do Presidente

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

Como comprar o seu imóvel. Um jeito único de vender.

Como comprar o seu imóvel. Um jeito único de vender. Como comprar o seu imóvel Um jeito único de vender. NOSSA MISSÃO A Impacto Engenharia investe constantemente em um relacionamento mais estreito com seus clientes e assim oferece um jeito único de servir,

Leia mais

A produtividade da Construção Civil brasileira

A produtividade da Construção Civil brasileira A produtividade da Construção Civil brasileira Índice equipe fgv cbic 3 Apresentação Diretor do Projeto: Ricardo Simonsen Presidente: Paulo Safady Simão 5 6 8 16 Uma Construção cada vez mais formalizada

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Visivelmente, o mercado de imóveis no País está em pleno crescimento basta olhar para os lados...para frente...para trás... Alguns questionamentos:

Visivelmente, o mercado de imóveis no País está em pleno crescimento basta olhar para os lados...para frente...para trás... Alguns questionamentos: Gunther Calvente Grineberg Maio 2011 Mercado Visivelmente, o mercado de imóveis no País está em pleno crescimento basta olhar para os lados...para frente...para trás... Alguns questionamentos: Alguém conhece

Leia mais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais André M. Biancarelli IE-Unicamp Seminário O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro AKB; Centro do Novo Desenvolvimentismo, EESP-FGV São Paulo,

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes

FAQ Perguntas Frequentes FAQ Perguntas Frequentes Índice 01. Incorporação Imobiliária...3 02. Contrato...4 03. Pagamento e Boletos...5 04. Financiamento...6 05. Distrato e Transferência...8 06. Documentações...9 07. Instalação

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012 A Percepção dos Investidores Sobre as Ações das Companhias Brasileiras de Incorporação e Construção Residencial David Lawant,

Leia mais

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp

Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil. Marcelo Weishaupt Proni Unicamp Projeções dos Impactos Econômicos da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil Marcelo Weishaupt Proni Unicamp A discussão sobre os megaeventos ainda é feita com base em informações precárias Sem dúvida,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Fonte: O Globo Data: 16/09/2015 Seção: Economia Versão: Impresso (página 25) e Online Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Retomada de cobrança

Leia mais

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy. Este caso foi escrito inteiramente a partir de informações cedidas pela empresa e outras fontes

Leia mais

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável Placa de reconhecimento foi entregue ao engenheiro durante a Conferência Aqua,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 22 dezembro de 2014

Leia mais

Desafios e Oportunidades para atender as demandas habitacionais. Valter Frigieri Júnor - ABCP

Desafios e Oportunidades para atender as demandas habitacionais. Valter Frigieri Júnor - ABCP Desafios e Oportunidades para atender as demandas habitacionais Valter Frigieri Júnor - ABCP A ABCP Centro Tecnológico da ABCP 15.000 m 2 de área 5.300 m 2 de edificações (60% da área destinada a laboratórios)

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2013

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2013 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2013 Minha Casa Minha Vida (MCMV) Discussão sobre a atratividade dos empreendimentos voltados à Faixa 1 após alterações dos preços

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

I SEMINÁRIO CONSTRUÇÃO CIVIL E SUSTENTABILIDADE

I SEMINÁRIO CONSTRUÇÃO CIVIL E SUSTENTABILIDADE I SEMINÁRIO CONSTRUÇÃO CIVIL E SUSTENTABILIDADE OBJETIVO DO SEMINÁRIO O objetivo principal do I Seminário Construção Civil e Sustentabilidade é reunir no Rio de Janeiro especialistas nacionais e um expert

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

Ecológico. Arranha-céu. O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos. bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações

Ecológico. Arranha-céu. O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos. bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações Mar/Abr 2015 ANO III Nº 16 R E V I S TA A REVISTA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Arranha-céu Ecológico O retrofit de um dos principais ícones norte-americanos bate-papo Com Vitorio Panicucci, da Clavi Incorporações

Leia mais

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros!

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! Consórcio Imobiliário na prática Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! 1 Sobre a empresa A A+ Consórcios iniciou suas atividades com o objetivo de gerir

Leia mais

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped.

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped. Panorama da área fiscal e tributária A área fiscal no Brasil recebe constantemente mudanças e atualizações ligadas aos processos de fiscalização, tributação, contribuição, regulamentação entre outros.

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano

Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano Ainda durante este ano, o Congresso Nacional poderá aprovar novas vantagens para as micro e pequenas empresas optantes do Simples Nacional,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POUPANÇA. Octavio de Lazari Junior Presidente - ABECIP. São Paulo 07 de Março de 2013

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POUPANÇA. Octavio de Lazari Junior Presidente - ABECIP. São Paulo 07 de Março de 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POUPANÇA Octavio de Lazari Junior Presidente - ABECIP São Paulo 07 de Março de 2013 Pauta A Abecip Cenário Macro Poupança Crédito Imobiliário

Leia mais

Arthur Quaresma SBCS08

Arthur Quaresma SBCS08 Qualidade de vida e ambiente de trabalho em canteiros de obra Artur Quaresma Fo. Arthur Quaresma SBCS08 1 Conjuntura De 2004 a 2007, o PIB cresceu 19,3% e a construção, 22,4% Em 2008, o país deverá crescer

Leia mais

Lucro Líquido Ajustado da EVEN atinge R$52,9 MM no ano de 2007.

Lucro Líquido Ajustado da EVEN atinge R$52,9 MM no ano de 2007. Lucro Líquido Ajustado da EVEN atinge R$52,9 MM no ano de 2007. Margem Bruta atinge 38,8%, crescendo 2,5 p.p. em relação a 2006. São Paulo, 10 de março de 2008 A Even Construtora e Incorporadora S.A. EVEN

Leia mais

Sciesp. Clipping 07.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1

Sciesp. Clipping 07.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 Sciesp Clipping 07.06 A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 BAGARAI Mercado imobiliário brasileiro deve vender ainda mais neste

Leia mais

PDG Realty ingressa no mercado imobiliário argentino, adquirindo

PDG Realty ingressa no mercado imobiliário argentino, adquirindo PDG Realty ingressa no mercado imobiliário argentino, adquirindo participação i na TGLT Relações com Investidores: Michel Wurman Diretor Vice-Presidente Financeiro e de RI João Mallet Gerente Financeiro

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas O governo brasileiro, por meio da Receita Federal do Brasil (RFB), está implantando mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes.

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN

COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN COMO ENFRENTAR A INADIMPLÊNCIA NO SEGMENTO EDUCACIONAL SEGUNDO ESPECIALISTAS DA ACERPLAN - Treinar e capacitar os profissionais que cobram e atendem inadimplentes nas escolas; - Cadastrar os inadimplentes

Leia mais

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO

ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES RELATÓRIO TÉCNICO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ROSANA DALLA COSTA FÉLIX MEDIA TRAINING DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL - TREINAMENTO PARA GESTORES

Leia mais

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário

Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário Relatório de Administração Semestre findo em 30 de junho de 2015 JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento Imobiliário 1. Objetivo do fundo O Fundo JS Real Estate Multigestão Fundo de Investimento

Leia mais

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES

PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL MILHÕES A CONSTRUÇÃO CIVIL PODE SER CLASSIFICADA EM TRÊS GRANDES SEGMENTOS CONSTRUÇÃO PESADA MONTAGENS INDUSTRIAIS E EXTRAÇÃO MINERAL EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS, COMERCIAIS E RESIDENCIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL É UM DOS

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

02/02/2013. Para onde correr?

02/02/2013. Para onde correr? 02/02/2013 Para onde correr? Juros historicamente baixos, crescimento modesto, inflação elevada e um ambiente menos hostil, mas ainda cheio de incertezas. Decidir onde aplicar, num cenário desses, é um

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO

Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014. Janeiro-2014 / Sebrae - GO Expectativas dos Pequenos Negócios Goianos para 2014 Janeiro-2014 / Sebrae - GO Sebrae em Goiás Elaboração e Coordenação Técnica Ficha Técnica Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015

RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL. Abril 2015 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS NO BRASIL Abril 2015 Equipe Técnica: Diretor: Carlos Antônio Rocca Superintendente: Lauro Modesto Santos Jr. Analistas: Elaine Alves Pinheiro e Fernando

Leia mais

Embratel como provedora de infraestrutura para Grandes Eventos

Embratel como provedora de infraestrutura para Grandes Eventos I D C C A S E S T U D Y Embratel como provedora de infraestrutura para Grandes Eventos Janeiro, 2015 João Paulo Bruder, Coordenador de Telecomunicações, IDC Brasil Patrocinado pela Embratel A eficiência

Leia mais

Materiais consumidos e resíduos gerados pelos novos. domicílios construídos no Brasil nos últimos 12 anos.

Materiais consumidos e resíduos gerados pelos novos. domicílios construídos no Brasil nos últimos 12 anos. Materiais consumidos e resíduos gerados pelos novos domicílios construídos no Brasil nos últimos 12 anos. Em 2010, existiam 57,3 milhões de domicílios permanentes no Brasil. Desse total, 12,5 milhões são

Leia mais

POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO

POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Outubro / 2014 POLÍTICAS PERMANENTES DE HABITAÇÃO Histórico recente da evolução do crédito à moradia Impactos dos investimentos

Leia mais

A importância de um plano de aposentadoria complementar

A importância de um plano de aposentadoria complementar INFORMATIVO É a melhor maneira de planejar a sua aposentadoria; Poupança com 100% de rentabilidade - Parte Patrocinadora; Rentabilidade totalmente revertida ao participante Datusprev sem fins lucrativos;

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro

Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Revista Lumiere Setembro/2007 Empresas do futuro Se hoje investir em responsabilidade socioambiental é uma opção, em breve será praticamente obrigatório para se manter no mercado. Especialistas da indústria

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

Para-raios CATÁLOGO DE SERVIÇOS. www.tel.com.br

Para-raios CATÁLOGO DE SERVIÇOS. www.tel.com.br PÁGINA 1 RAIOS 4 2 NORMAS E CERTIFICAÇÕES 6 2.1 EXIGÊNCIAS REGULAMENTARES 7 3 A EMPRESA 9 4 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ENGENHARIA 4.1 PROJETO DE SPDA 4.2 MEDIÇÃO DE CONTINUIDADE ELÉTRICA EM ARMADURA DE

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: BRASIL DATA: 26.05.14

VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: BRASIL DATA: 26.05.14 VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: BRASIL DATA: 26.05.14 VEÍCULO: VALOR ECONÔMICO SEÇÃO: EMPRESAS DATA: 23.05.14 Varejo e siderurgia preparam-se para vendas mais fracas Por Renato Rostás e Tatiane Bortolozi

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6

S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6 S I N O P S E S I N D I C A L S E T E M B R O D E 2 0 0 6 ALIMENTAÇÃO. Com data-base em 1º de setembro, o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Alimentação (Setor de Derivados de Milho e Soja), representando

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO

CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO CATEGORIA PRODUTOS E LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DO ANO EMPREENDIMENTOS DE PEQUENO PORTE 01 APRESENTAÇÃO MELNICK EVEN DA EMPRESA APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Melnick Even, com 20 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil 10 Brasil-Portugal no Ceará ABRINDO PORTAS PARA O BRASIL PRESIDENTE DA ADIT BRASIL, FELIPE CAVALCANTE DESTACA O ATUAL PANORAMA DOS INVESTIMENTOS

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS DA FUNÇÃO CONTROLADORIA

OS NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS DA FUNÇÃO CONTROLADORIA Ribeirão Preto -SP OS NOVOS PARADIGMAS E DESAFIOS DA FUNÇÃO CONTROLADORIA Palestrante Luís Valíni Neto Técnico Contábil - Administrador de Empresas pela Universidade de Ribeirão Preto - Pós - graduado

Leia mais

SOMOS UMA AGÊNCIA JOVEM, ÁGIL E CRIATIVA QUE TEM UM PROPÓSITO BEM CLARO: TER BOAS IDEIAS PARA GERAR BONS RESULTADOS.

SOMOS UMA AGÊNCIA JOVEM, ÁGIL E CRIATIVA QUE TEM UM PROPÓSITO BEM CLARO: TER BOAS IDEIAS PARA GERAR BONS RESULTADOS. 2 plenapropaganda portfólio quem somos 3 SOMOS UMA AGÊNCIA JOVEM, ÁGIL E CRIATIVA QUE TEM UM PROPÓSITO BEM CLARO: TER BOAS IDEIAS PARA GERAR BONS RESULTADOS. A Plena é uma agência que atua sempre focada

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

1. Investimento concreto

1. Investimento concreto 1. Investimento concreto 18/09/2008 Exame Revista Setor 137, 138 e 140 Página 1 Página 2 Página 3 Página 4 Comprar imóveis para alugar foi um dos piores negócios nas últimas décadas. Agora até estrangeiros

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT Autor Gustavo César de Alencar LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. RESUMO O objetivo deste trabalho é mostrar todo o esforço que a Light

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Trabalhador por conta própria ganha força, mas informalidade aumenta

Trabalhador por conta própria ganha força, mas informalidade aumenta Boletim 869/2015 Ano VII 09/11/2015 Trabalhador por conta própria ganha força, mas informalidade aumenta Mais de 22 milhões de brasileiros têm empreendimentos sem empregados remunerados. Quase um milhão

Leia mais