Cód. 42 Médico Reumatologista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cód. 42 Médico Reumatologista"

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2007 Cód. 42 Médico Reumatologista 1. A síndrome dolorosa que habitualmente surge acima de 50 anos de idade, manifestando-se com dor e rigidez no pescoço, ombros, membros superiores, parte baixa da coluna e coxo-femurais, cursando com provas de atividade inflamatórias bastante alteradas e sendo responsiva a pequenas doses de corticóides é: A) policondrite recidivante. B) fibromialgia. C) lúpus miofascial. D) polimialgia reumática. 2. Febre com duração maior do que 5 dias, hiperemia conjuntival bilateral, alteração na mucosa oral, alterações nas extremidades, exantema polimorfo e adenomegalia são critérios diagnósticos da doença de: A) Behçet. B) Schurg Strauss. C) Kawasaki. D) de Wegener. 3. Na atualidade o reagente de fase aguda mais sensível na avaliação do processo inflamatório é a: A) Mucoproteínas. B) PCR ultra sensível. C) VHS. D) Eletroforese de proteínas. 4. Perda visual de vários graus, principalmente pela lesão retiniana, dificuldade para olhar para cima, congestão venosa na retina, micro aneurismas, capilares drop out, depósitos algodonosos, neuropatia anterior isquêmica e êmbolos retinianos, são manifestações oculares de: A) doença de Takayasu. B) lúpus profundo. C) granulomatose de Wegener. D) doença de Merrel-Strump. 5. Complete: A sobrevida dos portadores de artrite reumatóide é 20% menor quando comparada à da população normal, e a mortalidade aumenta em relação direta com a gravidade da artrite. A sobrevida do subgrupo de pacientes reumatóides com envolvimento de mais de 30 articulações é de apenas em cinco anos, número equivalente à sobrevida dos pacientes com doença coronariana tri-arterial. A) 15 a 20%. B) 50 a 60%. C) 40 a 45%. D) < 15%. 6. São anticorpos miosite específicos: A) Anti Ro; anti La. B) Anti U1RNP; AntiU2RNP. C) Anti Anti-Ku; Anti SCl70. D) Anti-Mi-2; anti-jo Massa tumoral móvel dentro do músculo, com poucas manifestações clínicas, cuja biópsia mostra necrose de fibras musculares e regeneração com agregados de células inflamatórias constituídas pos linfócitos, células plasmáticas e histiócitos no perinísio e endomísio, ocorre na: A) polimiosite clássica. B) dermatomiosite clássica. C) deramatopolimiosite clássica. D) lesão mesenquimal pseudo-sarcomatosa benigna. 1

2 8. Na artrite reumatóide estabelecida o tratamento padrão ouro inicial é: A) Inibidor de TNF e metotrexate, AINES e CE. B) Abatacept, AINES e CE. C) Metotrexate e cloroquina, AINES e CE. D) Rituximabe, AINES e CE. 9. Criança de 9 anos de idade com clínica de ARj: artrite de 12 articulações (forma poliarticular), há seis meses. Há uma semana tem rigidez importante, exacerbação das dores e diminuição das atividades lúdicas. O ecocardiograma revelará: A) miocardite reumatóide. B) coração normal. C) derrame pericárdico acentuado. D) espessamento pericárdico. 10. O exame específico para diagnóstico do LES é a determinação de: A) anticorpo anti Sm. B) anticorpo antinúcleo (FAN por Hep 2). C) células LE. D) anticorpo anti RNP. 11. O anticorpo considerado como marcador de atividade de doença é o: A) FAN. B) anti Ro/Anti La. C) anti RNP. D) anti DNAn. 12. Em se tratando de esclerose sistêmica, a fibrose pulmonar é importante achado clínico, sendo, pelo Colégio Americano de Reumatologia, considerada como critério: A) maior. B) de prognóstico. C) de avaliação funcional. D) menor. 13. Na esclerose sistêmica, os pacientes com quadro muscular importante parecem estar em maior risco para o desenvolvimento de: A) doença ano-retal. B) doença intersticial pulmonar. C) doença cardíaca. D) gastroparesia. 14. Considerando-se a síndrome mista do tecido conectivo, pode-se afirmar que os critérios diagnósticos: A) de Sharp são bem es pecíficos. B) de Sharp são pouco específicos. C) de Kasukawa tem pouca sensibilidade. D) de Sharp revisado é bem específico. 15. Considerando-se a síndrome mista do tecido conectivo pode-se afirmar que a presença do anticorpo anti RNP: A) confere proteção renal diminuindo a ocorrência de lesão renal proliferativa. B) confere proteção renal diminuindo a ocorrência de lesão renal membranosa. C) não confere proteção renal. D) confere proteção renal diminuindo a ocorrência de lesão mesangial. 16. O ressecamento da mucosa vaginal com freqüente dispaurenia e infecção urinaria, associadas à doença tubular renal, como acidose tubular, síndrome de Fanconi ou diabetes insipidus ocorrem na (no): A) síndrome de Sjögren. B) síndrome de Behçet. C) lúpus sistêmico. D) síndrome de Felty. 2

3 17. A manifestação clínica mais freqüente da febre reumática é: A) cardite leve. B) eritema marginatum. C) nódulo de Maynet (subcutâneo). D) artrite. 18. Na síndrome do anticorpo antifosfolípide a perda fetal espontânea e recorrente é mais comum no: A) 1 o trimestre somente, sendo causa de infertilidade. B) 1 o e 2 o trimestres, sendo causa de infertilidade controlável. C) 2 o e 3 o trimestres da gravidez. D) final da gestação, não constituindo problema de infertilidade, por ser raro. 19. Na espondilite anquilosante com comprometimento somente axial e uveite, o tratamento mais eficaz consiste no uso de: A) sulfassalazina. B) bloqueador de TNFa. C) leflunomide. D) metotrexate. 20. Excluindo-se os primeiros seis meses de vida, em crianças com menos de dois anos de idade o agente etiológico mais freqüente de artrite séptica é: A) Haemophilus influenzae. B) estreptococo ß hemolítico do grupo A de Lancerfield. C) Pseudomonas aeruginosa. D) Pneumocystis carinee. 21. Para diagnóstico da doença de Lyme o melhor método é: A) Western Blotting. B) bacterioscopia direta (líquido sinovial). C) cultura do líquido sinovial. D) hermocultura. 22. A DORT relacionada ao trabalho com martelo pneumático é a artrose: A) de IFPs. B) de cotovelos. C) de joelhos. D) de tornozelos. 23. A língua em framboesa é achado semiológico que ocorre em: A) artrite reumatóide extra-articular. B) lúpus mucocutâneo. C) lúpus discóide. D) sarcoidose. 24. O exame que está alterado na fibromialgia é: A) oeptídio citrulinado C. B) canca. C) polissonografia. D) panca. 25. Atualmente as lesões do disco intervertebral com síndrome radicular devem ser tratadas: A) com cirurgia descompressiva com artrodese. B) com descompressão e substituição do disco por prótese acrílica. C) clinicamente. D) com descompressão e substituição disco por prótese de titânio. 26. São interleucinas (IL) antiinflamatórias: A) IL-1; TNFa. B) antagonista do receptor de IL-1; IL10. C) IL-6; IL-10. D) IL-6; TNFa. 3

4 27. O mecanismo de eliminação do ácido úrico é: A) a excreção renal simples. B) a excreção fecal balanceada. C) a secreção tubular renal. D) Misto: renal e fecal. 28. A osteoporose pode ser tratada com dos es mensais de: A) alendronato. B) ibandronato. C) eesidronato D) teriparitida. 29. A podobarometria avalia: A) o grau de anquilose do 1 o pododáctilo. B) a força de reação do solo. C) a força de estiramento do tendão aquileu. D) o grau de anquilose do tornozelo. 30. Nódulos de Bouchard surgem nas: A) IFDs. B) MCFs. C) bainhas tendíneas. D) IFPs. 31. Pedreiro de 45 anos trabalhava em um andaime no 10 o andar, quando caiu acidentalmente. O laudo da necropsia evidenciou traumatismos múltiplos (crânio, bacia e membros). Na parte I, linhas a e b, do atestado de óbito devem constar, respectivamente: A) queda acidental de andaime indefinido e trauma de crânio segundos. B) politraumatismo segundos e queda acidental de andaime segundos. C) trauma de crânio segundos e politraumatismo segundos. D) trauma de crânio segundos e queda acidental de andaime indefinido. 32. Criança de 2 anos, portadora de comunicação interventricular (CIV); vinha passando bem e estava sendo preparada para a correção cirúrgica. Em uma manhã foi encontrada morta pela mãe em seu quarto. Na parte I, linhas a e b, do atestado de óbito devem constar, respectivamente: A) parada cardíaca indefinido e comunicação interventricular 2 anos. B) morte súbita indefinido e comunicação interventricular 2 anos. C) comunicação interventricular 2 anos e em branco. D) arritmia cardíaca indefinido e comunicação interventricular 2 anos. 33. Leia atentamente as situações abaixo. I. Atestado de óbito que contém erro quanto à identificação do cadáver. II. Atestado de óbito assinado em branco. III. Atestado de óbito que contém causas de morte vagas. IV. Atestado de óbito no qual não existe a causa básica, apenas as complicações. Pode(m) ser considerado(s) atestado(s) falso(s): A) apenas II. B) I, II, III e IV. C) I e II. D) nenhum deles. 34. Em relação ao atestado médico, é incorreto afirmar que: A) a emissão de um atestado médico falso em uma consulta na qual o honorário da consulta foi pago pelo cliente caracteriza agravante à infração cometida. B) não se admite eticamente qualquer majoração de honorários para o fornecimento de atestado médico. C) a cobrança do preço normal de uma consulta para a emissão de um atestado falso não caracteriza agravante à infração cometida. D) um atestado preenchido em um formulário que não o da Associação Paulista de Medicina, no estado de São Paulo, não pode ser considerado um atestado falso. 4

5 35. Considerando a Lista de Doenças de Notificação Compulsória no Estado de São Paulo, não requer notificação imediata: A) sarampo. B) febre tifóide. C) tuberculose. D) hipertermia maligna. 36. Considerando a Lista de Doenças de Notificação Com pulsória no Estado de São Paulo, requer notificação imediata: A) leptospirose. B) tétano neonatal. C) AIDS. D) leishmaniose. 37. Durante uma campanha para prevenção do câncer prostático, a secretaria de saúde de um município realizou para a população atendida testes de glicemia e medida de pressão arterial. Esse procedimento: A) é aceitável, porém, os resultados aferidos têm pouca utilidade prática. B) é compatível com o princípio de integralidade do SUS. C) é compatível com o princípio de eqüidade do SUS. D) tem elevada relação custo-efetividade. 38. Segundo a Lei n o 8080/90, constitui o SUS o conjunto de ações e serviços de saúde prestados por órgãos e instituições: A) públicas federais, estaduais e municipais, da administração direta e indireta. B) públicas federais, estaduais e municipais, da administração direta e indireta, das fundações mantidas pelo Poder Público, além das ligadas à iniciativa privada. C) públicas federais, estaduais e municipais, da administração direta. D) públicas federais, estaduais e municipais, da administração direta e indireta e das fundações mantidas pelo Poder Público. 39. Leia atentamente as afirmações abaixo. Considerando o contínuo movimento de pactuação entre os três níveis de gestão, visando ao aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde, a NOAS (Norma Operacional de Assistência à Saúde)/2002: I. estabelece o processo de regionalização como estratégia de hierarquização dos serviços de saúde e de busca de maior eqüidade. II. cria mecanismos para o fortalecimento da capacidade de gestão do Sistema Único de Saúde e mantém os critérios prévios de habilitação de estados e municípios. III. amplia as responsabilidades dos municípios na Atenção Básica. É(são) correta(s): A) I, II e III. B) apenas a III. C) I e III. D) apenas a II. 40. Este parágrafo faz parte do relatório da 8ª Conferência Nacional de Saúde. Complete as lacunas. O principal objetivo a ser alcançado é o Sistema Único de Saúde, com expansão e fortalecimento do setor em níveis federal, estadual e municipal, tendo como meta um progressiva. A) público, participação popular no controle social. B) estatal, municipalização. C) público, hierarquização. D) estatal, estatização do setor. 5

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

RESUMO DOS PRINCIPAIS AUTO-ANTICORPOS E MARCADORES REUMÁTICOS

RESUMO DOS PRINCIPAIS AUTO-ANTICORPOS E MARCADORES REUMÁTICOS RESUMO DOS PRINCIPAIS AUTO-ANTICORPOS E MARCADORES REUMÁTICOS [ Índice ] Lúpus eritematoso sistêmico Esclerodermia Polimiosite/Dermatomiosite Doença mista do tecido conjuntivo Síndrome de Sjögren Vasculites

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Cód. 35 Médico Infectologista

Cód. 35 Médico Infectologista PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2007 Cód. 35 Médico Infectologista 1. São considerados artefatos que podem simular o surgimento de um surto de infecção hospitalar: A)

Leia mais

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br

Forum de Debates INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM. Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Forum de Debates Sociedade Paulista de Reumatologia INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM PACIENTE COM LES Rui Toledo Barros Nefrologia - HCFMUSP rbarros@usp.br Resumo do Caso Feminino, i 43 anos diagnóstico prévio

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 32 QUESTÃO 17 Qual teste é utilizado para diagnosticar a restrição da mobilidade lombar nos pacientes com Espondilite Anquilosante? a) Teste de Patte. b) Teste

Leia mais

Definição. Febre Reumática. Introdução. Introdução. Epidemiologia 24/08/2011

Definição. Febre Reumática. Introdução. Introdução. Epidemiologia 24/08/2011 Definição Febre Reumática Doença inflamatória, sistêmica, deflagrada pelo agente infeccioso Streptococcus β-hemolítico do grupo A, que ocorre em pessoas geneticamente predispostas ; Professor Leonardo

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO II

SISTEMA CIRCULATÓRIO II SISTEMA CIRCULATÓRIO II Conceito: Edema pulmonar é o acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Observação: se a cada batimento, o VD bombear apenas 1 gota a mais de sangue que o VE, dentro de 2 horas o

Leia mais

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Artropatias inflamatórias crônicas

Artropatias inflamatórias crônicas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Artropatias inflamatórias crônicas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Principais manisfestações músculo-esqueléticas das doenças reumatológicas -

Leia mais

Doença inflamatória da coluna vertebral podendo ou não causar artrite em articulações periféricas e inflamação em outros órgãos como o olho.

Doença inflamatória da coluna vertebral podendo ou não causar artrite em articulações periféricas e inflamação em outros órgãos como o olho. O termo reumatismo, embora consagrado, não é um termo adequado para denominar um grande número de diferentes doenças que tem em comum o comprometimento do sistema músculo-esquelético, ou seja, ossos, cartilagem,

Leia mais

Polimialgia reumática e arterite temporal Resumo de diretriz NHG M92 (fevereirio 2010)

Polimialgia reumática e arterite temporal Resumo de diretriz NHG M92 (fevereirio 2010) Polimialgia reumática e arterite temporal Resumo de diretriz NHG M92 (fevereirio 2010) Hakvoort L, Dubbeld P, Ballieux MJP, Dijkstra RH, Meijman HJ, Weisscher PJ, Willemse BG, Eizenga WH traduzido do original

Leia mais

António Ramalho UVEITES

António Ramalho UVEITES UVEITES CLASSIFICAÇÃO ANATÓMICA ANTERIOR o Irite o Iridociclite o Ciclite anterior INTERMEDIÁRIA o Pars planite o Hialite o Cilcite posterior POSTERIOR o Coroidite focal o Coroidite multifocal o Coroidite

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

Banco de imagens Aparelho locomotor Semiologia Médica II. Espondilite Anquilosante

Banco de imagens Aparelho locomotor Semiologia Médica II. Espondilite Anquilosante Banco de imagens Aparelho locomotor Semiologia Médica II Espondilite Anquilosante Espondilite Anquilosante É uma doença de caráter inflamatório, crônico e progressivo que afeta primariamente as articulações

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular

Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2007 Cód. 25 Médico Cirurgião Vascular 1. Quanto à etiologia da embolia arterial aguda, podemos dizer que: A) ocorre freqüentemente naqueles

Leia mais

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares

artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares artrite reumatoide Um guia para pacientes e seus familiares A artrite reumatoide não é o único desafio na vida dos pacientes. Mas muitos problemas

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009)

Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009) Artrite Resumo de diretriz NHG M90 (agosto 2009) Janssens HJEM, Lagro HAHM, Van Peet PG, Gorter KJ, Van der Pas P, Van der Paardt M, Woutersen-Koch H traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa

Doenças pulmonares intersticiais. Ft. Ricardo Kenji Nawa Doenças pulmonares intersticiais Ft. Ricardo Kenji Nawa Definição As doenças pulmonares intersticiais (DIP) constituem um grupo heterogêneo de situações que levam a um acometimento difuso dos pulmões,

Leia mais

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo Caso 14 1ª Parte Gabriel, 17 anos, procurou Maria, agente comunitária de saúde, para saber onde poderia tratar de seus vários dentes com buracos porque queria servir ao Exército. Maria pergunta se esse

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE

SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ASSISTENTE

Leia mais

Exames Laboratoriais em Reumatologia

Exames Laboratoriais em Reumatologia Exames Laboratoriais em Reumatologia Kaline Medeiros Costa Pereira Disciplina de Reumatologia da Unifesp Fleury Medicina e Saúde Agenda Proteínas de fase aguda ASLO Complemento total e frações Antifosfolípides

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Nefropatia por IgA. Vega Figueiredo Dourado de Azevedo. 1. Introdução

Nefropatia por IgA. Vega Figueiredo Dourado de Azevedo. 1. Introdução Nefropatia por IgA Vega Figueiredo Dourado de Azevedo 1. Introdução Nefropatia por IgA é uma glomerulonefrite proliferativa mesangial caracterizada pelo depósito de IgA no mesângio 1. A apresentação clinica

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA/ REUMATOLOGIA

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA/ REUMATOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA/ REUMATOLOGIA 131 INSTRUÇÕES AO

Leia mais

Imunossupressores e Agentes Biológicos

Imunossupressores e Agentes Biológicos Imunossupressores e Agentes Biológicos Histórico Início da década de 1960 Transplantes Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Doenças autoimunes Neoplasias Imunossupressores Redução

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc

6/22/2015. Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Acupuntura na Osteoartrose Prof. Gustavo Vilela da Silveira, MSc Osteoartrose 1 Osteoartrose Outras denominações ; Artrose; Doença Articular Degenerativa; Artrite Degenerativa. 2 É a doença articular mais

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / /

Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / / Questionário para Entrevistas investigação de RAM Nome do paciente: Nome do entrevistador: Data: / / A. Medicamentos que utiliza Nome fármaco Nome comercial dose Via administração Data início Data fim

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO Curso: FISIOTERAPIA Disciplina: FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO SISTEMA OSTEO-MIO- ARTICULAR Professor:

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo Generalidades: Febre Reumática (FR) Moléstia Reumática (MR) ou Reumatismo no Sangue Ao ser descoberta a prevalência era muito elevada Ao descobrir a relação entre infecção por estreptococos

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins DOENÇAS DA PRÓSTATA P/ Edison Flávio Martins PRÓSTATA NORMAL Peso: 15 a 20 gr Localização: Abaixo da bexiga Atravessada pela uretra Função: Reprodutiva DOENÇAS DA PRÓSTATA Infecção: Prostatite aguda e

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51

PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 51 QUESTÃO 26 A heparina administrada por via endovenosa necessita de um co-fator para interferir no mecanismo da coagulação. Identifique-o: a) antitrombina III. b) plaquetário

Leia mais

Doenças sistémicas e implicações para a visão

Doenças sistémicas e implicações para a visão Doenças sistémicas e implicações para a visão O papel do Optometrista é cada vez mais de importante, tanto na detecção de anomalias como no acompanhamento das previamente detectadas por médico. Muitas

Leia mais

Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva Braga ¹; Juliana Campos Rodovalho ¹; Mariana Atti ¹; Flávia Martins Gervásio ²

Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva Braga ¹; Juliana Campos Rodovalho ¹; Mariana Atti ¹; Flávia Martins Gervásio ² Avaliação epidemiológica de pacientes portadores de doenças reumáticas atendidos na Clínica Escola de Fisioterapia da Eseffego-UEG no período de 2006 a 2008 Giselle de Abreu Ferreira ¹; Ana Karolina Paiva

Leia mais

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular.

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA EXOFTALMIA Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. Fisiopatologia Secundário a um aumento do volume de gordura

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica 01 Demências; 02 Depressão; 03 Hipertensão Arterial Sistêmica Primária e Secundária; 04 Infecções

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE

CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS OU REGIONAIS INSTRUMENTAL PARA GRUPO DE TRABALHO SAÚDE II CONFERÊNCIA DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL Instrumental de Trabalho baseado nas Propostas Aprovadas na I Conferencia Estadual

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

preenchido. Presc. Máxima mensal 372 comprimidos 60 comprimidos,

preenchido. Presc. Máxima mensal 372 comprimidos 60 comprimidos, ESPONDILITE ANCILOSANTE Portaria SAS/MS n 640 24/07/2014 Medicamento SULFASSALAZINA METOTREXATO NAPROXENO CID 10 M45, M46.8 M45, M46.8 Apresentação 500mg (comprimido) 2,5mg (comprimido)e 500mg (comprimido)

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS AUTO-IMUNES

CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS AUTO-IMUNES Doenças auto-imunes CLASSIFICAÇÃO DAS DOENÇAS AUTO-IMUNES sistêmicas: LES, artrite reumatóide órgão-específicas: tireoidite de Hashimoto, hepatite auto-imune, Doença de Graves LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS COMPLICAÇÕES DE DROGAS IMUNOBIOLÓGICAS EM UTILIZAÇÃO NO BRASIL Dra. Ana Cristina de Medeiros Ribeiro Reumatologista do HC FMUSP e CEDMAC Doutoranda pela FMUSP IMUNOBIOLÓGICOS NO BRASIL Anti-TNF

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

Cópia dos exames: VHS, PCR, hemograma, plaquetas, ALT, AST e creatinina. Cópia do exame de imagem das áreas afetadas pela doença.

Cópia dos exames: VHS, PCR, hemograma, plaquetas, ALT, AST e creatinina. Cópia do exame de imagem das áreas afetadas pela doença. ARTRITE REUMATOIDE Portaria SAS/MS n 710 27/06/2013 Medicamento NAPROXENO SULFASSALAZINA CID 10 M05.0, M05.3, M05.8, M06.0, M06.8, M08.0 Apresentação 500mg (comprimido) 500mg (comprimido) Presc. Máxima

Leia mais

1. CANDIDATURA A UM DESEJO

1. CANDIDATURA A UM DESEJO 1. CANDIDATURA A UM DESEJO Dados da criança: (dd/mmm/aaaa i.e. 01Jan2000) Nome: Sexo: Masculino Feminino Doença: Data de Nascimento: Telefone: Morada actual: Idade: Desejo da Criança: Língua-materna: Já

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

ONCO HEMATO. anemia falciforme D57.0 Anemia falciforme com crise. D57.1 Anemia falciforme sem crise

ONCO HEMATO. anemia falciforme D57.0 Anemia falciforme com crise. D57.1 Anemia falciforme sem crise ONCO HEMATO anemia falciforme D57.0 Anemia falciforme com crise D57.1 Anemia falciforme sem crise anemia hemolítica autoimune D58.9 Anemia hemolítica hereditária não especificada D59.0 Anemia hemolítica

Leia mais

PARA O INÍCIO DAS ATIVIDADES OS ALUNOS DEVEM APRESENTAR-SE NA SALA 220 - SERVIÇO DE REUMATOLOGIA

PARA O INÍCIO DAS ATIVIDADES OS ALUNOS DEVEM APRESENTAR-SE NA SALA 220 - SERVIÇO DE REUMATOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA - PUCRS PRÁTICA EM SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III - 2012-2 PROGRAMA DE ENSINO TEÓRICO E PRÁTICO - MÓDULO VII ORTOPEDIA REUMATOLOGIA FISIATRIA PARA O INÍCIO DAS ATIVIDADES OS ALUNOS

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Losartan e a Prevenção de Aneurisma de Aorta Habashi

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

LAUDO MÉDICO PERICIAL.

LAUDO MÉDICO PERICIAL. 1 LAUDO MÉDICO PERICIAL. Preâmbulo. Ao primeiro dia do mês de outubro do ano de 2008, o Perito Dr. OSCAR LUIZ DE LIMA E CIRNE NETO, designado pelo MM Juiz de Direito da 18ª Vara Cível da Comarca de São

Leia mais

AULAS TEÓRICAS SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 DATA HORÁRIO ASSUNTO PROFESSORES

AULAS TEÓRICAS SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 DATA HORÁRIO ASSUNTO PROFESSORES SEMIOLOGIA MÉDICA GERAL I 5º PERÍODO 2009/2 4 ago 11:00 ÀS 11:50 RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE E ÉTICA MÉDICA FLÁVIA MAGALHÃES 11 ago 11:00 ÀS 11:50 ANAMNESE FLÁVIA MAGALHÃES 18 ago 11:00 ÀS 11:50 SEMIOLOGIA

Leia mais

Prof André Montillo UVA

Prof André Montillo UVA Prof André Montillo UVA Doença Articular Degenerativa Sinônimos: Osteoartrite Osteoartrose: Artrose Artrose Condramalácea Artrite Degenerativa Artrite Hipertrófica Artrite Deformante Doença Articular Degenerativa

Leia mais

Esclerose Sistêmica. Conteúdo. Definição. Definição UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA. acdffisio@gmail.com

Esclerose Sistêmica. Conteúdo. Definição. Definição UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA. acdffisio@gmail.com UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CURSO DE FISIOTERAPIA Esclerose Sistêmica Disciplina Fisioterapia em Reumatologia acdffisio@gmail.com Definição Classificação Epidemiologia Fisiopatologia Diagnóstico Quadro

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

www.pediatric-rheumathology.printo.it FEBRE REUMÁTICA E ARTRITE REATIVA POS-ESTREPTOCÓCICA

www.pediatric-rheumathology.printo.it FEBRE REUMÁTICA E ARTRITE REATIVA POS-ESTREPTOCÓCICA www.pediatric-rheumathology.printo.it FEBRE REUMÁTICA E ARTRITE REATIVA POS-ESTREPTOCÓCICA O que é? A Febre Reumática é uma doença desencadeada por uma infecção pelo estreptococo. A doença pode levar a

Leia mais

Artrite reumatoide Sociedade Brasileira de Reumatologia

Artrite reumatoide Sociedade Brasileira de Reumatologia Artrite reumatoide 1 Artrite Reumatoide Cartilha para pacientes CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Artrite Reumatoide da Sociedade Brasileira de Reumatologia ILUSTRAÇÃO DA CAPA: Le déjeuner des canotiers,

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

21/08/14. Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença. Ciclo de Atualização em Farmacologia. DMARDs

21/08/14. Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença. Ciclo de Atualização em Farmacologia. DMARDs Ciclo de Atualização em Farmacologia Farmacologia da Inflamação Drogas Modificadoras de Doença Drogas Modificadoras de Doença - DMARDs @ Diasese-modifying antirheumatoid drugs; @ Suprimem em parte ou totalmente

Leia mais

Caso Clínico! João Henrique Angelotto

Caso Clínico! João Henrique Angelotto Caso Clínico! João Henrique Angelotto Identificação Paciente feminina, 70 anos, nascida no leste da África, procedente de New England (EUA). Queixa Principal Dor nas costas e na perna há 2 semanas. HDA

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

O SR. DR. VALDERÍLIO FEIJÓ AZEVEDO Inicialmente, bom-dia! Ministro do Supremo Tribunal Federal, e demais autoridades,

O SR. DR. VALDERÍLIO FEIJÓ AZEVEDO Inicialmente, bom-dia! Ministro do Supremo Tribunal Federal, e demais autoridades, O SR. DR. VALDERÍLIO FEIJÓ AZEVEDO Inicialmente, bom-dia! Excelentíssimo Senhor Gilmar Mendes, Ministro do Supremo Tribunal Federal, e demais autoridades, senhoras e senhores. Represento aqui a ANAPAR

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 064 /2015 - CESAU Salvador, 13 de abril de 2015 OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA: 3 a promotoria de Justiça de Dias D'Àvila / Dispensação

Leia mais

Exercício Físico & Doenças Reumatológicas

Exercício Físico & Doenças Reumatológicas Exercício Físico & Doenças Reumatológicas Bruno Gualano Universidade de São Paulo Gualano et al., 2010. Autoimmunity Reviews, 569-573 Temas de pesquisa Espondiloartrite Síndrome Antifosfolípíde Sjogrën

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Protocolos e Normatizações - Reumatologia

Protocolos e Normatizações - Reumatologia Protocolos e Normatizações - Reumatologia Introdução e conceitos gerais sobre dores nos membros Pacientes com queixas relativas ao sistema músculo-esquelético são freqüentemente encaminhados aos serviços

Leia mais