1.2 - HIPÓTESES DO TRABALHO Hipótese Geral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1.2 - HIPÓTESES DO TRABALHO. 1.2.1 - Hipótese Geral"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO Mesmo sendo a Construção Civil o setor da economia responsável pela criação e manutenção de grande número de empregos diretos e indiretos, no Brasil, o descaso com os trabalhadores continua gerando elevados índices de acidentes de trabalho. Esses elevados índices se caracterizam devido a uma série de peculiaridades que acabam tornando as medidas preventivas para acidentes de trabalho muito complexas. Segundo pesquisas, amplamente divulgadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, a Construção Civil é responsável por 21,55% de todos os acidentes registrados no país. Este elevado índice deve-se à situação precária, no que diz respeito à higiene, segurança, treinamento e meio ambiente, que se encontra o setor da Construção Civil. Essas más condições de higiene e segurança no trabalho existentes nos canteiros de obra, segundo Saurin (2000, Pg. 01), tem sido apontadas com freqüência como uma dos símbolos do atraso tecnológico e gerencial que caracteriza a indústria da construção, em especial, em caráter local conforme analisado nesta pesquisa. Por outro lado, nos últimos anos tem se observado no país um grande esforço no sentido de modernizar este setor industrial, principalmente motivado pelo aumento da competição e pelo crescente grau de exigência de qualidade por parte dos consumidores e produtividade por parte dos Empreendedores. Neste contexto foi aprovada a nova versão da Norma Regulamentadora N.º 18 Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção, que foi publicada pela Portaria Nº 4 de 4 de julho de Essa norma estabelece medidas de higiene e segurança no trabalho durante a execução de obras. O avanço proporcionado por esta norma é inegável, no entanto, existem ainda diversas dúvidas quanto à interpretação da mesma e questionamentos a respeito da viabilidade técnica e econômica de algumas de suas exigências. Trata-se de uma pesquisa exploratória descritiva, compreendendo levantamento bibliográfico, visitas in loco, entrevistas, coleta e análise de dados, discussões e observações de características de um determinado empreendimento.

2 11 O presente trabalho surge principalmente como uma iniciativa de avaliar as condições de saúde e segurança do trabalho em canteiros de obras de edificações e utilização de máquinas e de equipamentos da Construção Civil no Município de Cascavel. Diversas aplicações da NR18 compõem esta análise tais como: as proteções coletivas, proteções contra incêndio, máquinas, equipamentos, organização, limpeza, instalações elétrica e equipamentos de proteção individual. Este estudo apresenta de maneira representativa as condições de não observância de cumprimento da NR 18, tornando-se assim instrumento de informação e também instrumento de orientação para casos análogos aos verificados na cidade de Cascavel JUSTIFICATIVAS A Construção Civil é um dos componentes da economia do país, exercendo influências diretas e indiretas sobre o meio de subsistência da população. Dentre os diversos setores da economia do país, a construção civil é um dos ramos de atividades que expõe seus trabalhadores a maiores riscos de saúde. Os acidentes de trabalho verificados na construção civil, são ocasionados pela falta de treinamento, falta de mão de obra especializada, elevado índice de rotatividade de funcionários e, sobretudo a não aplicação das Normas de Segurança, em especial a NR-18 que trata das condições de meio ambiente de trabalho na indústria da construção. Sabe-se que as características das atividades exercidas na construção civil obrigam os trabalhadores a inúmeras situações de risco. Nota-se, ainda, que a maioria dos empresários, engenheiros e construtores estão preocupados apenas em cumprir aspectos legais, através das rotinas trabalhistas, não havendo preocupação com a qualidade de vida das pessoas, ficando as condições de trabalho, na maioria das vezes, inadequadas e inseguras (Sinduscon, 1994 Pg. 17). Através deste trabalho pretende-se identificar as principais dificuldades enfrentadas pelas empresas e/ou profissionais liberais no cumprimento das exigências das normas de segurança vigentes no que diz respeito a: organização e limpeza no canteiro de obra, proteção contra quedas de altura e incêndio, elevador de carga, elevador de pessoal, máquinas, equipamentos e ferramentas diversas,

3 12 armações de aço, instalações elétricas provisórias, equipamentos de proteção individual, gerando conhecimento sobre as condições reais que se encontra a industria da construção civil, subsetor de edificações, no município de Cascavel HIPÓTESES DO TRABALHO Hipótese Geral Este estudo tem como hipótese principal a verificação de alguns tipos de canteiros de obras da cidade de Cascavel, Estado do Paraná, encontram-se em desconformidade com as determinações das normas de segurança do trabalho, em especial com a NR 18, no que diz respeito a utilização de proteção contra quedas de altura, elevador de carga, elevador de pessoal, máquinas e ferramentas diversas, gruas, serra circular, setor de carpintaria, armações de aço, instalações elétricas provisórias, ordem e limpeza, proteção contra incêndio, bem como utilização de Equipamentos de Proteção Individual e coletivas Hipóteses Específicas Existe grande resistência por parte das empresas à implantação de programas de segurança, que incluem: treinamentos (capacitação técnica), capacitação física (ginástica laboral), fiscalização interna dos prestadores de serviço na utilização de equipamentos de proteção coletiva e individual, resistência em adquirir e utilizar equipamentos com novas tecnologias, higiene, limpeza e organização do ambiente de trabalho. Os trabalhadores da Construção Civil são expostos a situações de risco, que na maioria das vezes poderiam ser evitadas com o simples cumprimento das normas de segurança, em especial a NR 18 que é específica para a Construção Civil. Além dos riscos de acidentes, os trabalhadores da construção civil labutam em ambientes de trabalho com condições de higiene, organização, limpeza e saúde precárias. A preocupação existente, por parte de engenheiros, administradores, empreendedores e até mesmo dos empregados, no planejamento dos canteiros de obra para melhor otimização de espaços e melhores condições de saúde e

4 13 segurança do trabalho se demonstra extremamente volúvel. A importância desta fase de planejamento é deixada em segundo plano. Soma-se ainda a considerável ineficiência do Ministério do Trabalho em divulgar a NR 18, tanto em caráter de divulgação quanto em caráter de informação aos profissionais, empresários e trabalhadores que acabam interpretando como medidas punitivas ao invés de medidas preventivas OBJETIVOS DO TRABALHO Objetivo Geral O objetivo do presente trabalho consiste em verificar e analisar a aplicação da Norma de Segurança: a NR-18 (Norma Regulamentadora das Condições e Meio Ambiente do Trabalho na Indústria da Construção), dentro de uma amostragem das diversas tipologias de edificações da Cidade de Cascavel, no estado do Paraná, referenciando exclusivamente aos itens: proteção contra incêndio, ordem e limpeza de canteiro da Obra, a utilização de elevador de carga, elevador de pessoal, máquinas, equipamentos, ferramentas diversas, armações de aço, instalações elétricas provisórias, queda em altura bem como a utilização de Equipamento de Proteção Individual Objetivos Específicos a) De acordo com os dados observados em Obra, analisar qual a relação existente entre tipologia de Obras visitadas e correspondente aplicação da NR 18. b) Temos ainda como objetivo secundário, Identificar as principais dificuldades enfrentadas na implantação do canteiro de obra, organização do layout, seguindo exigências da Norma Regulamentadora. c) Analisar ainda a condição de rejeição à utilização de Equipamento de Proteção Individual por parte dos trabalhadores, bem como a indiferença verificada por parte dos engenheiros e empresários em relação a falta de distribuição de todos os EPI s adequados e necessários para cada função ou atividade exercida;

5 14 d) Observar as atividades executadas em obra e observar o cumprimento ou não aos itens que devem ser aplicados visando a segurança do trabalhador de acordo com a NR LIMITAÇÕES DO TRABALHO Este trabalho será limitado a uma amostragem do setor de edificações da construção civil da cidade de Cascavel. As visitas serão realizadas em diversas tipologias de obras, não restringindo à fase de execução, ficando a análise dos canteiros de obra, no que diz respeito a Segurança e Saúde do Trabalhador baseada nas determinações constante na Norma Regulamentadora Nº 18 que entrou em vigor em dezembro de Considerando os objetivos da pesquisa e a significativa extensão da Norma será realizada uma seleção dos itens a serem analisados conforme os seguintes critérios: a) selecionar exigências relacionadas ao subsetor edificações, foco desta pesquisa, não sendo incluído os itens não aplicáveis a este setor; b) abordar os pontos da Norma que fossem possíveis de serem verificados visualmente no canteiro em uma única visita, excluindo os itens de difícil comprovação; c) não incluir as exigências relacionadas à tecnologia construtiva. Desta forma a pesquisa será restrita aos pontos fundamentais, listado a seguir: 1. Utilização de Equipamento de Proteção Individual; 2. Proteção contra quedas de altura; 3. Elevador de carga; 4. Elevador de pessoal; 5. Setor de carpintaria - Serra circular; 6. Máquinas e ferramentas diversas; 7. Armações de aço; 8. Instalações elétricas provisórias; 9. Ordem e limpeza; 10. Gruas; 11. Proteção contra incêndio;

6 15 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 O AMBIENTE DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Atualmente a Construção Civil é responsável, conforme dados de 1996, por 9,2% do PIB (Produto Interno Bruto). Verifica-se, ainda, que a Indústria da Construção responde significativamente pela geração de empregos, formação do investimento e importantes efeitos multiplicadores setoriais. Contribui, ainda, com cerca de 6% da mão-de-obra nacional, sendo correspondente a 3,5 milhões de trabalhadores, sendo que desses, apenas 1,4 milhão de trabalhadores são contribuintes do sistema oficial previdenciário (Sinduscon-SP, 1999 Pg. 40). No entanto, a indústria da construção brasileira é, igualmente detentora de importante contribuição no perfil acidentário nacional. Estudo efetivado através da Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho do Ministério do Trabalho, revela que a construção, enquanto grupo econômico e sob aspecto da freqüência de ocorrências, é a maior causadora de Acidentes de Trabalho graves e fatais, invalidez permanente e incapacidade parcial permanente no país (Sinduscon-SP, 1999 Pg 41). Segundo Belk (1976, Pg. 25 e 26) para um elevado número de países analisados, se verificou que os índices de acidentes de trabalho na Construção Civil superam os índices da industria em geral. Segundo Souza, citado por Baú (1999 Pg 06), o despreparo dos trabalhadores aliado às más condições de trabalho oferecidas aos operários, e as situações perigosas inerentes às atividades do ramo, geram uma grande participação da construção civil nos índices de ocorrência dos acidentes e trabalho. A indústria da construção civil não se caracteriza como uma atividade homogênea. Ela se caracteriza por apresentar uma série de peculiaridades, que se iniciam a partir do processo de instalação do canteiro de obra e estende-se até as fases finais de conclusão dos trabalhos, envolvendo um elevado número de riscos, razão pela quais as medidas preventivas são mais complexas. Na maioria das obras de construção civil, observa-se também que o elevado número de acidentes se explica pela insubsistência de serviços de prevenção de acidentes.

7 Os Sub-setores da Construção Civil Segundo definição do IBGE, a indústria da Construção se segmenta em apenas duas atividades básicas com características distintas: Edificações; Conforme Cruz (1997 Pg. 117) o subsetor de edificações, possui grande importância para a economia, por ser fundamental para as demais atividades e para o conjunto da população. Contudo, este sub-setor é caracterizado pelo uso de processos tradicionais apresentando uma série de peculiaridades que o diferencia das demais atividades produtivas, algumas das quais são fontes de permanentes dificuldades para a gestão dos recursos humanos, destacando o setor como um dos mais necessitados de atenção quando se analisam aspectos voltados à melhoria da qualidade de vida no trabalho tais como: saúde, higiene, segurança, benefícios, relações interpessoais e autonomia. O sub-setor edificações compreende obras destinadas à habitação, ao comércio, à indústria. Às atividades sociais, culturais, esportivas e de lazer; Construção Pesada; A construção pesada abrange vias de transporte, obras hidráulicas, de saneamento, de irrigação e drenagem, obras de arte, de geração e transmissão de energia elétrica de sistemas de comunicação e de infra-estrutura de forma geral TIPOLOGIA DE OBRAS O sub-setor edificações, objeto de estudo desse trabalho, apresenta ainda uma grande diversidade quanto ao tipo de obras, sendo as mesmas caracterizadas como térreas, sobrados, edifícios verticais; sendo assim facilmente subdividido por tipologias. De acordo com o Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado do Paraná CREA/PR, para fins de fiscalização, as edificações possuem classificações e exigências diferentes, conforme QUADRO 01.

8 17 QUADRO 01: parâmetros para fiscalização do CREA/PR EDIFICAÇÕES PROJETOS NECESSÁRIOS - Edificações habitacionais com até 100m2 Apenas o projeto Arquitetônico - Edificações habitacionais com mais de 100m2 Projeto arquitetônico, estrutural, - Edificações comerciais e industriais com até 100m2 - Edificações comerciais e industriais com mais de 100m2 - Edificações de habitação coletiva e para fins especiais (escola,creches, ginásios, edifícios públicos, postos de serviços, etc) de qualquer dimensão. hidráulico, elétrico e telefônico. Projeto Arquitetônico, Elétrico e telefônico Projeto Arquitetônico, estrutural, hidráulico, elétrico, telefônico e prevenção de incêndios - Edificações com 2 ou mais pavimentos Independente da área e do tipo de obra é necessário o projeto estrutural - Edificações com 4 ou mais pavimentos Além dos Projetos referentes área e tipo FONTE ATO 37/92 CREA/PR. de obra, será exigido ART de Projeto de Fundação O CREA/PR classifica ainda as obras como do tipo moradia popular e pequenas reformas como: a) Moradia Popular: casas térreas, individuais e de até 70,0m 2 de área construída; b) pequena Reforma: aquelas executadas uma única vez na unidade habitacional e no mesmo pavimento existente e não podendo ultrapassar a área de 70m2. Para o CREA-PR a classificação de tipologias de obras é definida apenas para identificar e diferenciar os projetos necessários para cada tipo de edificação. No entanto, no que diz respeito à área de segurança, nota-se que dependendo do tipo de obra os riscos são bastante diferenciados, devidos, além de outros fatores, à organização e arranjo físico da obra, ou seja, a disposição do canteiro da obra. Intensificando isto temos ainda que, segundo Baú (1999 Pg. 19) a organização dos canteiros influencia na presença de áreas de risco, bem como salienta em seu trabalho que o padrão da obra a ser construída interfere na organização do canteiro da obra.

9 18 Para melhor desenvolvimento e caracterização do trabalho apresentado, adotou-se, contudo uma nova tabela de Tipologias de Obras, desenvolvida a partir da tabela do CREA-PR, proporcionando assim melhor manipulação dos dados coletados em obra. Desenvolveu-se então o QUADRO 02, onde se identificam os tipo de obra e a Respectiva Tipologia aplicada. QUADRO 02: Tipologia Aplicada EDIFICAÇÕES TIPOLOGIA APLICADA - Edificações Térreas, residenciais e comerciais de Tipologia 01 padrão baixo ou intermediário com até 100m2; - Edificações Térreas, residenciais e comerciais de Tipologia 02 padrão médio e alto padrão acima de 100m2; - Sobrados de médio ou alto padrão de acabamento, Tipologia 03 individuais ou geminadas - Edificações de até 04 Pavimentos residenciais ou Tipologia 04 comerciais; (exceto edificações térreas residenciais e comerciais e sobrados) - Edificações com mais de 04 Pavimentos residenciais Tipologia 05 ou comerciais PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS DE ALTURA. Segundo o Ministério do Trabalho e a Fundacentro (1981 Pg 27), se verifica que na construção civil existem inúmeras situações de elevado risco. A falta de proteção em situações de quedas de altura constitui-se na causa principal de elevado número de acidentes fatais, vitimando centenas de trabalhadores a cada ano, como indicam as estatísticas no Brasil. Várias atividades dentro da construção envolvem riscos de queda de altura, das quais se destacam: a) Áreas periféricas de lajes; b) Aberturas de pisos; c) Vãos de acesso às caixas de elevadores; d) Vãos de escadarias ou rampas; e) Serviços executados em sacadas e/ou varandas; f) Construção e manutenção de telhados e/ou coberturas; g) Montagem e desmontagem de andaimes fachadeiros;

10 19 h) Montagem e desmontagem de torres de elevadores de obras; i) Trabalhos em andaimes suspensos; j) Montagem de elementos estruturais (pré-moldados, metálicos); k) Trabalhos em confecção de fôrmas, ferragens e concretagem de estruturas e lajes; l) Manutenção de fachadas de edifícios; m) Inspeção e manutenção de chaminés; Para neutralizar estes riscos podem ser adotadas as medidas de proteção coletivas e proteção individual, sendo que as medidas de proteção coletivas contra quedas de altura são: a) Guarda-corpo b) Barreiras verticais, e telas fixadas com altura regulável em suportes verticais, c) Proteção em aberturas nos pisos, d) Proteção em vão de elevadores e) Proteção em vão de escadas fixas, ELEVADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA E DE PESSOAL Os elevadores de carga são equipamentos de tração destinados à movimentação de carga (materiais) ou de pessoal. Segundo Belk (1976 Pg 62 a 65), para o transporte seguro de cargas ou de pessoas, deve-se obrigatoriamente observar os diferenciais de construção do equipamento apresentado de acordo com sua utilização, carga ou pessoal, sendo terminantemente proibido o uso do transporte de maneira simultânea. O elevador de carga também pode ser conhecido como guincho, sendo os principais tipos classificados como: a) Por transmissão de engrenagens por corrente; b) automático com comando eletro-mecânico; O operador do guincho (guincheiro) deve possuir local de trabalho coberto, que o proteja contra queda de materiais. Componentes do guincho: 1.1 Torre Torre de estrutura metálica

11 Torre com folga mínima de percurso de 6m acima do último nível de utilização; 1.2 Cabine Cabine com estrutura metálica Fechamentos laterais com 1,0m de altura Teto fechado com altura mínima de 2 metros Piso dimensionado para resistir 1,5 (uma e meia) vez a carga licenciada Sistema de frenagem automático. 1.3 Guincho Máquina de tração com controle de descida de carga Possuir embreagem centrífuga Ser dotado de freio eletromecânico 1.4 Comando Para utilização do elevador como de movimentação carga, obrigatoriamente deve-se existir comando externo, através de botoeira ou manivelas de retorno, localizado em cada nível ou pavimento a que o elevador servir. Para utilização do elevador como de movimentação de pessoal, obrigatoriamente deve-se existir comando interno através de botoeira ou manivelas de retorno que permitam seu adequado uso. Os elevadores de movimentação de passageiros devem obrigatoriamente dispor de: freio mecânico (manual) situado no interior elevador, conjugado com interruptor de corrente; interruptor nos fins de curso superior e inferior, conjugado com freio eletromagnético; sistema de frenagem automática, a ser acionado em caso de ruptura do cabo de tração; sistema de segurança eletromecânica no limite superior a 2,00 m abaixo da viga superior da torre; interruptor de corrente, para que se movimente apenas com as portas fechadas;

12 21 cabina metálica com porta pantográfica ou de correr (Somente para movimentação de pessoal); sistema de comunicação eficiente e seguro (somente para movimentação de pessoal). 2 Existência de Sinalização 2.1 O elevador deve ter uma placa com indicação da carga máxima licenciada e número máximo de pessoas a serem transportadas. 2.2 O elevador deve ter uma placa proibindo o transporte simultâneo de pessoas e carga GRUA Segundo Rousselet (1999), a grua é um guindaste de lança horizontal, que é suportada por uma estrutura metálica vertical, denominada torre, em torno da qual, seu braço rotativo, denominado lança, pode girar. Suportado pela lança, corre um pequeno troley (carrinho), onde está pendurado um gancho. Na extremidade da lança é instalado um pára-choque, para impedir a queda do troley. Nas edificações, as torres das gruas são normalmente fixas, instaladas no seu interior ou próximo a uma das fachadas e montadas sobre blocos de concreto. A resistência do solo e da base (bloco de ancoragem), deve suportar o peso da estrutura da grua e as forças adicionais, tais como: torque de giro, carga do vento, carga dinâmica. A ponta da lança deve ficar, no mínimo, a 3,00 m (três metros) de distância de qualquer obstáculo e a 6,00 m (seis metros), quando se tratar de cabo elétrico SETOR DE CARPINTARIA - SERRA CIRCULAR. No setor de carpintaria segundo Rousselet (1999), a Serra Circular de Bancada é uma máquina de corte, cuja ferramenta é constituída de um disco circular, provido de arestas cortantes em sua periferia, montado num eixo, que lhe transmite movimento rotativo, sendo acionado por um motor elétrico, através de polias e correias. A serra circular de bancada é um equipamento obrigatório na indústria da construção civil, utilizado para corte da madeira utilizada na execução das formas

13 22 que moldam as peças de concreto armado. Os dispositivos de segurança do equipamento são: Lâmina separadora ou cutelo divisor - é um dispositivo que se instala atrás da lâmina da serra, cuja a função é manter separadas as partes já serradas da madeira, evitando que se encostem. Protetores fixos: são peças de madeira ou metal utilizados para proteger as partes móveis da serra. Protetor móvel: é a coifa, cuja finalidade é evitar o choque acidental do operador com os destes do disco de serra, devendo ser auto-ajustável, devido á variedade do material a ser cortado. Abas laterais: em forma de arco são acoplados à base inferior da coifa em ambos os lados com a finalidade de evitar que qualquer partícula que se desprenda da lâmina da serra ou da madeira que estiver sendo cortada, venha a atingir o operador. Janelas de inspeção: é uma abertura feita na parte frontal da coifa, com a finalidade de permitir ao operador da serra a visualização do disco de corte na madeira, evitando assim a necessidade de se trabalhar com a coifa erguida. Empurradores: para evitar contato das mãos do operador com o disco de serra, com peças pequenas ou na operação final de corte, deve ser utilizado um dispositivo empurrador como elemento intermediário, que pode ser um pedaço de madeira. Suporte de apoio: quando as peças forem de grande comprimento, é recomendável a utilização de suportes, que podem ser cavaletes de madeira MÁQUINAS E FERRAMENTAS DIVERSAS. No ambiente de uma obra, várias máquinas e ferramentas perigosas e de manuseio complexo são distribuídas num pequeno espaço físico, tais como: Betoneiras são equipamentos largamente usados na construção civil, e servem para fabricar concreto e argamassas diversas, através da mistura de cimento, água e agregados. Elas são constituídas normalmente, dos seguintes componentes: caçamba carregadora, cuba de mistura, dosador de água, motor elétrico, á gasolina ou diesel. Guindastes Compressores,

14 23 Rosqueadeiras elétricas, Correias Transportadoras, Máquina de dobrar e cortar ferro, Serra circular de bancada, Guinchos e Torres, Também temos as ferramentas diversas, que são equipamentos portáteis que cada operador possui a sua, elas podem ser manuais e elétricas tais como: Ferramentas manuais tais como: Ferramentas para atarrachar: como chaves de fenda, chaves de grifo ou inglesa; Ferramentas para entalhar, furar e golpear tais como: formão, talhadeira pesada, martelos de carpinteiro ou de unha, de rebite para chapas de aço, picaretas, enxadas, brocas, puas, trados e cavadeiras; Ferramentas para cortar: como serrotes e serra de ponta, machados; Outras ferramentas manuais; como alicates, lima ou grosa, pés de cabra; Ferramentas elétricas tais como: lixadeira, furadeiras, esmerilhadeira, ARMAÇÕES DE AÇO. Conforme Rousselet (1999), o trabalho em concreto armado apresenta diversidade de riscos e grande incidência de acidentes. Tais serviços se desenvolvem em fases distintas, mas, freqüentemente, são realizados simultaneamente. Os trabalhos em concreto armado se dividem nas seguintes fases: fôrma, escoramento, armações de aço, concretagem e desforma. Alusivamente, para este trabalho vamos estudar somente de Armações de Aço. Armações de aço (corte e dobra do aço): deve-se estudar o local de estocagem de vergalhões para que fique próximo do local de trabalho, devendo-se colocar a ferragem sobre cavaletes, separada por bitola. As dobragens e corte de vergalhões devem ser feitas sobre bancadas ou plataformas apropriadas e estáveis, apoiadas em superfícies planas, que se evite locais de circulação de operários, devendo o local ser amplo e bem iluminado, a estocagem deverá ficar longe de fiações elétricas aéreas. Os operadores de máquinas de cortar vergalhões devem ser qualificados, experientes e receberem treinamentos adequados.

15 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. A eletricidade é uma fonte de perigo, podendo causar a morte das pessoas que trabalham sem tomar cuidados especiais. As instalações elétricas nos canteiros de obras, segundo MORAES (2002 Pg. 34), embora provisórias nunca deve ser precárias, mas precisam ser feitas de forma correta, para que sejam seguras. As instalações provisórias em obra servem para ligar as máquinas e iluminar o local da obra. Assim devem ser observados os seguintes princípios gerais: a) A instalação elétrica deve ser executada, ampliada ou reparada por profissional devidamente habilitado, (eletricista). b) Os circuitos elétricos quando não embutidos, devem ser protegidos contra impactos e a fiação colocada sobre isoladores de porcelana. c) As chaves de faca e porta fusíveis devem ser colocados em caixas, fechadas por portinholas e somente podem ser usados para circuitos de distribuição e nunca para acionamento de aparelhos. d) Os dispositivos de partida e parada de máquinas devem ser adequados à potência de seus motores, e devem ser colocados ao alcance do operador. e) Todas as carcaças de equipamentos elétricos devem ser ligados à terra, principalmente guinchos, vibradores, etc. f) Todas as emendas de fios devem ser isoladas adequadamente. g) Para iluminação no canteiro de obras devem ser usados soquetes à prova de tempo ou aparelhos apropriados bem como interruptores blindados. h) Os que trabalharem em eletricidade devem estar familiarizados com os métodos de respiração artificial destinado a socorrer os acidentados por choque elétrico. i) Fusíveis queimados devem ser substituídos por outros de igual capacidade, nunca devendo ser feita a ligação direta. j) A instalação elétrica deve ser executada de acordo com as normas Técnicas Brasileiras.

16 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS. As medidas de Prevenção Contra Incêndios em obra são simples e dependem de algumas providências básicas. No caso de existir material inflamável em estoque, este deve ser colocado em local isolado devidamente sinalizado. Deve ser feita uma limpeza diária da serragem acumulada junto a serra circular. Deve ser proibido o fumo na obra, pelo menos na fase de execução da estrutura. A obra deve possuir extintores e quantidade suficiente, com pelo menos dois tipos de classe de fogo sendo alocados de maneira a possuir em toda sua projeção de área equipamento móvel de proteção. O local dos extintores deve ser devidamente sinalizado e desimpedido. Os extintores devem merecer a manutenção adequada de acordo com a orientação do fabricante e das normas técnicas. Deve haver na obra uma equipe treinada a fim de que saiba usar os extintores no momento necessário (mestre, apontador, guardas, etc.). Devem ser proibidas as fogueiras noturnas e queimas de resíduos, papéis e madeiras. Deve ser proibido o aquecimento de marmitas em fogareiro improvisado dentro da obra a não ser em fogareiros próprios e em locais determinados pela administração EPI Equipamento de Proteção Individual é todo dispositivo de uso individual destinado a proteger a integridade física do trabalhador. O fornecimento do EPI ao trabalhador bem como a obrigatoriedade de utilização é responsabilidade do empregador.

17 ORDEM E LIMPEZA. Segundo Sampaio (1998), para ser possível a prevenção de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais num canteiro de obra e garantir um ambiente saudável de trabalho, é necessário adotar medidas e regras. Destacam-se, entre tantas, a ordem e a limpeza, consideradas as primeiras que devem ser objeto de atenção de Engenheiros, mestres e encarregados. Desde o início da obra a ordem e a limpeza devem ser cuidadosamente planejadas até a entrega do empreendimento ao cliente, pois, quando um canteiro está ordenado e limpo diminuem as confusões e os trabalhos realizados são mais eficazes.

18 MÉTODO DE TRABALHO ADOTADO Neste capítulo serão apresentadas as várias etapas pelas quais o trabalho será desenvolvido, para que o objetivo deste seja atingido, conforme ilustrado na FIGURA 01. ESPECIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO DOS CONCEITOS E VARIÁVEIS DEFINIÇÃO DAS TIPOLOGIAS DE OBRAS CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO PRÉ-TESTE DO INSTRUMENTO ELABORAÇÃO DO INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS SELEÇÃO DA AMOSTRA COLETA DOS DADOS VISITAS IN LOCO ENTREVISTAS ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS FIGURA 01: Fluxograma do Método adotado OPERACIONALIZAÇÕES DOS CONCEITOS E VARIÁVEIS Conhecidos os conceitos que serão utilizados e empregados nesse trabalho, partiu-se para a operacionalização das variáveis, ou seja, deve-se ter pleno conhecimento dos fenômenos que interferem na análise desse trabalho, ou seja, as peculiaridades da Indústria da Construção Civil e o que a NR-18 e as demais normas vigentes estabelecem. A construção civil apresenta características específicas em seu processo de produção, tendo como variáveis fundamentais a serem consideradas nesse trabalho as descritas abaixo: a) Tipologia da Obra: uma das principais variáveis a serem consideradas e diferenciadas neste trabalho. Nota-se que,

19 28 embora a NR-18 não faça ressalvas específicas e diretas quanto ao tipo de obra, os riscos existentes em uma edificação térrea são bastante diferenciados dos de uma edificação vertical, principalmente, no que se refere à organização do canteiro de obra, máquinas e equipamentos utilizados e, sobretudo quanto ao risco de quedas de altura; b) Fase de Execução da Obra: ocorrem mudanças dos riscos ocupacionais de acordo com as diversas fases da obra, sendo que a NR-18 especifica e diferencia as normas e/ou exigências para cada fase de execução; DEFINIÇÃO DAS TIPOLOGIAS DE OBRAS Para início da pesquisa foram adotados critérios tipológicos para as obras que seriam analisadas. As tipologias das obras foram definidas baseadas na classificação Apresentada na QUADRO 02, desenvolvida exclusivamente para manipulação de dados deste trabalho. Desta forma, temos a seguinte classificação: TIPOLOGIA 01: Obras térreas comerciais e residenciais de baixo ou intermediário padrão de acabamento com até 100 m²: TIPOLOGIA 02: Obras térreas comerciais e residenciais de médio ou alto padrão de acabamento com mais de 100m 2 ; TIPOLOGIA 03: Sobrados de médio ou alto padrão de acabamentos, individuais ou geminadas Sobrados: obras residenciais de médio e/ou alto padrão, podendo ser individuais ou geminados; TIPOLOGIA 04: Edificações de até 04 Pavimentos residenciais ou comerciais; TIPOLOGIA 05: Edificações com mais de 04 Pavimentos residenciais ou comerciais CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO Para elaboração deste trabalho foi necessário caracterizar população alvo a fim de avaliar melhor os dados coletados, ou seja, os itens avaliados da NR-18.

20 SELEÇÃO DA AMOSTRA De acordo com o elevado número de obras em andamento no Município de Cascavel, foram visitadas obras em diferentes localizações e executadas por diferentes empreendedores, a fim de obter os dados para a pesquisa. As obras visitadas obrigatoriamente deveriam estar enquadradas nas Tipologias adotadas conforme QUADRO ELABORAÇÃO DO INSTRUMENTO PARA COLETA DE DADOS Para que a coleta de dados fosse objetiva e para que ao mesmo tempo se obtivesse o maior número de dados, disposto de maneira a facilitar a manipulação, se desenvolveu duas planilhas adotadas como padrão para coleta de dados. As planilhas foram constituídas para atender aos objetivos específicos do trabalho através de perguntas claras e objetivas, incluindo a caracterização do empreendimento e as questões relacionadas ao problema proposto devendo, ainda, ser de fácil aplicação e auto explicativas.

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA

DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA ASSOCIAÇÃO DOS CONSTRUTORES E INCORPORADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE CAPÃO DA CANOA DICAS DE SEGURANÇA NA OBRA Profissional qualificado e registrado operando o Guincho ( com certificado); Profissional qualificado

Leia mais

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA;

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; CONTEÚDO DO TRABALHO Doenças ocupacionais e riscos da construção civil; Quedas; Choque elétrico; Soterramento. A construção é um dos ramos mais antigos do

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3 Curso Técnico Segurança do Trabalho Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho MÄdulo 5 Desenvolvimento Parte 3 Instalações Elétricas a) Manter quadros de distribuição trancados e circuitos identificados;

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS

MOVIMENTAÇÃO E TRANSPORTE DE MATERIAIS E PESSOAS Página: 1 de 13 Texto final APROVADO pelo CPN em 2 SET de 2010, considerando a Nota Técnica O66 2010- DSST/SIT/MTE ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais

Leia mais

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc.

O Brasil tem utilizados desses equipamentos em todas as obras como os Estádios de Futebol, Portos, Aeroportos, Construção Civil, etc. GRUAS Os modernos Canteiros de Obras se utilizam de GRUAS para reduzirem o número de operários, auxiliar no cumprimento de prazos apertados e viabilizar a implantação de diversos sistemas de pré-moldados

Leia mais

Seja bem Vindo! NR 8 Edificações. Carga horária: 30hs

Seja bem Vindo! NR 8 Edificações. Carga horária: 30hs Seja bem Vindo! Curso NR 8 Edificações CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 30hs Conteúdo programático: Introdução Circulação Atividades em Edificações com Risco de Queda Cuidados Extras na Circulação

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional. Procedimento de Grua

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional. Procedimento de Grua 1) OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais e de pessoas

Leia mais

18.14.6 Os acessos da obra devem estar desimpedidos, possibilitando a movimentação dos equipamentos de guindar e transportar. (118.

18.14.6 Os acessos da obra devem estar desimpedidos, possibilitando a movimentação dos equipamentos de guindar e transportar. (118. 18.14. Movimentação e transporte de materiais e pessoas. 18.14.1 Os equipamentos de transporte vertical de materiais e de pessoas devem ser dimensionados por profissional legalmente habilitado. (118.256-0

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 10 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio Ciclo de Vida do Empreendimento: Todos os empreendimentos tem um ciclo de vida - têm um início, um crescimento

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO

9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO 9.7 FORMULÁRIOS DE CONTROLE DE QUALIDADE DA EXECUÇÃO Instrução de trabalho de concretagem de peça estrutural Fonte: Modelos elaborados e cedidos pela Construtora Giacomazzi Ltda., de Curitiba-PR. 1. OBJETIVO

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR LOGO DA EMPRESA EMPRESA: DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: LOCAL DA ATIVIDADE: ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR FOLHA: 01 DE 10. DATA DE EMISSÃO: DATA DE APROVAÇÂO: REVISÃO: HORÁRIO: ASSINATURA DOS ENVOLVIDOS NA

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 9 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia

Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia Questionário de Identificação das Principais Situações de Grave e Iminente Risco nos Canteiros de Obras da Indústria da Construção no Estado da Bahia O presente trabalho é resultado de um consenso estabelecido

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O PCMAT DE UMA OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE CRICIÚMA-SC COM A NR 18 - ESTUDO DE CASO RESUMO Lucas Vaz Franco Crispim (1), Clovis Norberto Savi (2) UNESC Universidade do Extremo

Leia mais

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2

Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Segurança do Trabalho no Canteiro de Obras PARTE 2 Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): 2 Áreas vazadas: Equipamento de Proteção Coletiva (EPC) 18.13.1. É obrigatória a instalação de proteção coletiva

Leia mais

18.14.24.2 É proibida a utilização de gruas para o transporte de pessoal.

18.14.24.2 É proibida a utilização de gruas para o transporte de pessoal. Texto aprovado pelo CPN e CTPP. GRUAS 18.14.24 Gruas 18.14.24.1 A ponta da lança e o cabo de aço de levantamento da carga devem ficar no mínimo a 3,00m (três metros) de qualquer obstáculo e ter afastamento

Leia mais

NOVO MODELO DE PCMAT BASEADO NAS CONTRIBUIÇÕES DO PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE NA CONSTRUÇÃO

NOVO MODELO DE PCMAT BASEADO NAS CONTRIBUIÇÕES DO PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE NA CONSTRUÇÃO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. NOVO MODELO DE PCMAT BASEADO NAS CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

FICHA DE VERIFICAÇÃO DE SERVIÇO - COMPACTAÇÃO DE ATERRO

FICHA DE VERIFICAÇÃO DE SERVIÇO - COMPACTAÇÃO DE ATERRO SISTEMA DA QUALIDADE FVS 01 FICHA DE VERIFICAÇÃO DE SERVIÇO - COMPACTAÇÃO DE ATERRO = APROVADO = REPARADO / REPROVADO = NÃO APLICÁVEL 01 O local está limpo, sem entulhos, vegetação ou madeira? O material

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção

Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção Por que eu devo utilizar equipamentos de segurança e onde encontrá-los? Os Equipamentos de Proteção Individual (EPI) foram feitos para evitar

Leia mais

PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998

PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998 PORTARIA N.º 20, DE 17 DE ABRIL DE 1998 MINISTÉRIO DO TRABALHO SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe confere o

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno.

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno. CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno GRUAS 16 Valores (Formador David Inverno) Introdução Gruas No âmbito da UFCD

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária)

MANUAL TÉCNICO. (Proteção Periférica Primária e Secundária) MANUAL TÉCNICO (Proteção Periférica Primária e Secundária). 2 SUMÁRIO Proteção Periférica Primária e Secundária...03 Descrição Técnica...04 Sistema de Ancoragem...06 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização

Leia mais

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18 Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Cestos aéreosa GT- Cesto Aéreo(em discussão no CPN) É proibido a utilização de equipamentos de guindar

Leia mais

Demolições. Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição:

Demolições. Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição: Demolições Algumas ações devem ser executadas antes de se iniciar e durante uma demolição: Desligamento das linhas de fornecimento de energia elétrica, água, inflamáveis líquidos e gasosos liquefeitos,

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 70 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 70 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO LISTA DE CHECAGEM DE ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO 1 Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções:

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS 1 O SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho elaborou esta norma com o objetivo de estabelecer as condições mínimas no cumprimento

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS ELEVADOR A CABO ELEVADOR DE CREMALHEIRA Elevador de cremalheira e pinhão Maior custo compra / aluguel; Maior padrão de segurança;

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Carpinteiro de Obras CBO 7155-25 COD-SGE 013.541 MODALIDADE Qualificação Profissional Básica Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 220 horas ITINERÁRIO Regional

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX)

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX) ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL OBJETIVO DO REQUISITO: Demonstrar mensalmente os resultados qualitativos e quantitativos dos serviços, avaliando o cumprimento das obrigações e metas estabelecidas

Leia mais

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho 1 0 Dia Realizar a apresentação dos participantes 1. Técnica de Lista de presença; apresentação e O multiplicador

Leia mais

ANEXO IX EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 007/2013

ANEXO IX EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 007/2013 ANEXO IX EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 007/2013 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÃO HIDROMÉTRICA 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1.

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS

ELEVADOR DE TRAÇÃO A CABO E CREMALHEIRAS 1. OBJETIVO Esta apresentação tem por objetivo estabelecer diretrizes mínimas para assegurar a implementação de medidas preventivas e de proteção para a utilização de Elevadores de Tração a Cabo e Cremalheiras,

Leia mais

ANEXO X NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 004/2012

ANEXO X NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 004/2012 ANEXO X NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 004/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. A Norma Regulamentadora nº 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção,

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas (Item 18.14.1 ao 18.14.23.6 com redação dada pela Portaria SIT n.º 224, de

Leia mais

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS

CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS CPR MG COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR-18 APLICADA AOS CANTEIROS DE OBRAS DEFINIÇÃO DE GRUA: GUINDASTE UNIVERSAL DE TORRE PARA TRANSPORTE DE CARGAS, TANTO NA HORIZONTAL COMO NA VERTICAL SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO

Leia mais

Dicas de Segurança no Canteiro de Obras

Dicas de Segurança no Canteiro de Obras Dicas de Segurança no Canteiro de Obras INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL EDIFICAÇÕES Coleção Manuais 2008 DSST Divisão de Saúde e Segurança no Trabalho INSTALAÇÕES ELÉTRICAS página 1 Este suplemento é parte

Leia mais

HOSPITAL DE CARIDADE DR. ASTROGILDO DE AZEVEDO

HOSPITAL DE CARIDADE DR. ASTROGILDO DE AZEVEDO HOSPITAL DE CARIDADE DR. ASTROGILDO DE AZEVEDO CGC 95.610.887/0001-46 Inscrição Municipal 0315.411.661-0 Entidade Filantrópica reconhecida como Utilidade Pública Municipal. Estadual e Federal PPRA PROGRAMA

Leia mais

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA manual TÉCNICO BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA Sumário Balancim Individual - Cadeirinha...03 Instrução de Montagem...05 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização da NR-18...11 Balancim Individual -

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

www.drmequipamentos.com.br 1

www.drmequipamentos.com.br 1 www.drmequipamentos.com.br 1 INSTITUCIONAL: DRM EQUIPAMENTOS - Locações e Vendas de Equipamentos para Construção Civil A DRM - Locações e Vendas de Equipamentos corresponde à grande evolução na indústria

Leia mais

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão. Andre Cavalcanti Santos Téc. em saúde e segurança do trabalho E-mail: cavalcanti_sst@hotmail.com Sumário Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

Leia mais

Plataformas e Superfícies de Trabalho ANTONIO PEREIRA DO NASCIMENTO

Plataformas e Superfícies de Trabalho ANTONIO PEREIRA DO NASCIMENTO Plataformas e Superfícies de Trabalho ANTONIO PEREIRA DO NASCIMENTO Andaimes (Classificação) Simplesmente apoiados Fachadeiros Móveis Em balanço Suspensos mecânicos Suspensos

Leia mais

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Introdução A Engemix possui uma equipe de Engenheiros de Segurança e Meio Ambiente capacitada para dar todo subsídio técnico para implantação, operação e desmobilização

Leia mais

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O

DOU 201 21/01/2011 24/01/2011) * O 18.15. Andaimes. 18.15.1.1 Os projetos de andaimes do tipo fachadeiro, suspensos e em balanço devem ser acompanhados pela respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica. (Nova redação dada pela Portaria

Leia mais

Gestão da produção: Sistemas isolados. Gestão da produção: Funções envolvidas. Conteúdo. Gestão Integrada. Gestão Integrada

Gestão da produção: Sistemas isolados. Gestão da produção: Funções envolvidas. Conteúdo. Gestão Integrada. Gestão Integrada Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Gestão Integrada Conteúdo Gestão Integrada Getsão de Fluxos Físicos Gestão

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES

INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES INSTALAÇÃO E SEGURANÇA NOS ELEVADORES Objetivo: Analisar as condições de funcionamento e segurança dos seus equipamentos 19/06/2015 Autor: LUIZ BARATTA - SENGE / RJ 1 HISTÓRICO Estima-se que no Brasil

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba e a promoção da saúde e segurança dos profissionais.

Leia mais

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS

CADERNO DE PROTEÇÕES COLETIVAS Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado, para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum modo cair dela. Moisés (1473 A.C.). Deuteronômio 22.8 CADERNO DE PROTEÇÕES

Leia mais

http://creaweb.crea-pr.org.br/procrea/arquivosaula/curso11/modulo3/aula3/cv_flavio_freitas_dinao.html

http://creaweb.crea-pr.org.br/procrea/arquivosaula/curso11/modulo3/aula3/cv_flavio_freitas_dinao.html MÓDULO 01 AULA 04 SEGURANÇA NO TRABALHO Aqui serão enfocadas as peculiaridades deste assunto tão destacado, e que visa à proteção daqueles que interagem de alguma maneira com o processo de edificação de

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

DDS DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA. Parte 4

DDS DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA. Parte 4 DDS DIÁLOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA Parte 4 1 AUTOR HÉLIO MARCOS DA SILVA Iniciou sua carreira em 1987 como auxiliar de escritório em um Tabelionato; 1994 Formou-se em Técnico em Segurança do Trabalho e 1998

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATIVIDADES INDICE 1.0 OBJETIVO... 1 2.0 DOCUMENTOS DE REFERENCIA... 1 3.0 DEFINIÇÕES... 2 4.0 RESPONSABILIDADES... 5

LIBERAÇÃO DE ATIVIDADES INDICE 1.0 OBJETIVO... 1 2.0 DOCUMENTOS DE REFERENCIA... 1 3.0 DEFINIÇÕES... 2 4.0 RESPONSABILIDADES... 5 Título LIBERAÇÃO DE ATIVIDADES Código EMAP-PC-20 Versão 0 Data 05/03/2015 Elaborado Por Aprovado por Francisco Lusivaldo M. Bezerra Daniel Aroucha INDICE 1.0 OBJETIVO... 1 2.0 DOCUMENTOS DE REFERENCIA...

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA PALESTRA PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA OBJETIVO: PASSAR CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIA ADQUIRIDA NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM TRABALHO EM ALTURA O QUE DIZ A LEI SEGUNDO A LEI, A CULPA ESTÁ

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 02 Folha: 1 de 5 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Jerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS GONZALEZ CÁCERES, João Rafael Engenheiro Eletricista Centro Universitário de Lins (UNILINS) E-mail: eng_jrafael@yahoo.com.br Resumo: Um dos

Leia mais

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga 16 Valores Introdução No âmbito da ufcd 5811 Sistemas de transporte e elevação de cargas, foi-nos

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As Normas Regulamentadoras aplicáveis aos serviços a

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N.º 201 DE 21 DE JANEIRO DE 2011 (D.O.U. de 24/01/2011 Seção 1 págs 100 e 101) Altera a Norma Regulamentadora n.º 18, aprovada

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 18.15 Andaimes e Plataformas de Trabalho (Alterado pela 18.15.1 O dimensionamento dos andaimes, sua estrutura de sustentação e fixação,

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC)

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e de Proteção Coletiva (EPC) PCC 2302 Gestão da Produção na Construção Civil Profº Francisco Ferreira Cardoso Juliana Bueno Silva Thales Landgraf Soraia Regina

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Procedimento para Bancada de Serra Circular Elétrica Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1) OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos e condições mínimas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DAS NORMAS REGULAMENTADORAS

ASPECTOS LEGAIS DAS NORMAS REGULAMENTADORAS INTRODUÇÃO Esta cartilha tem o objetivo de servir como um manual sobre alguns conceitos das Normas Regulamentadoras e para intervenção nas atividades onde existam riscos de queda de trabalhadores. Uma

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL)

MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MANUAL DE MONTAGEM (BALANCIM MANUAL) MEDIDAS DE SEGURANÇA QUANTO À MONTAGEM E USO DE ANDAIMES SUSPENSOS 1. O andaime não deve ser montado muito próximo à redes de energia elétrica. 2. Não utilizar o andaime

Leia mais

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de Objetivos Sensibilizar os operadores de Ponte Rolante quanto à necessidade de neutralizar ao máximo a possibilidade de ocorrência de acidentes. Adotar procedimentos de rotina,

Leia mais

S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R E I R A D O N A S C I M E N T O

S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R E I R A D O N A S C I M E N T O Modificações recentes e em fase de aprovação para trabalhos com andaimes, gruas e elevadores de obras dentro do âmbito federal e municipal S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R

Leia mais

ANEXO 06 MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO 06 MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO 06 MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Obras de compartimentação e adequações de instalações. Unidade: Nova sala para GAI e CAC em Porto Alegre Endereço: Rua Sete de Setembro, 730 4º andar Porto Alegre/RS.

Leia mais

18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas (Item 18.14.1 ao 18.14.23.6 com redação dada pela Portaria SIT n.º 224, de 06 de maio de 2011)

18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas (Item 18.14.1 ao 18.14.23.6 com redação dada pela Portaria SIT n.º 224, de 06 de maio de 2011) 18.14 Movimentação e Transporte de Materiais e Pessoas (Item 18.14.1 ao 18.14.23.6 com redação dada pela Portaria SIT n.º 224, de 06 de maio de 2011) 18.14.1 As disposições deste item aplicam-se à instalação,

Leia mais

FÓRUM NORDESTE SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO JOÃO PESSOA, 24/02/2016

FÓRUM NORDESTE SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO JOÃO PESSOA, 24/02/2016 FÓRUM NORDESTE SOBRE CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DO TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO JOÃO PESSOA, 24/02/2016 NOVAS EXIGÊNCIAS LEGAIS APLICÁVEIS AOS ELEVADORES DE OBRAS ANTONIO PEREIRA DO NASCIMENTO SRTE-SP

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Análise de Sistema de Gestão de Segurança e Saúde na Construção Civil e os Acidentes Fatais.

Análise de Sistema de Gestão de Segurança e Saúde na Construção Civil e os Acidentes Fatais. Análise de Sistema de Gestão de Segurança e Saúde na Construção Civil e os Acidentes Fatais. Lie Tjiap Liung e Marcelo Tacitano Ministério do Trabalho e Emprego. 1- Introdução e Objetivo As mudanças que

Leia mais

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1. Do Objeto A Empresa que firmar contrato com a Universidade São Judas Tadeu, obriga-se a cumprir integralmente os Procedimentos

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 40 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERRA CIRCULAR DE BANCADA

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 40 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM SERRA CIRCULAR DE BANCADA LISTA DE CHECAGEM DE SERRA CIRCULAR DE BANCADA 1 AUTOR DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções:

Leia mais

PROJETO DE FISCALIZAÇÃO DO MTE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

PROJETO DE FISCALIZAÇÃO DO MTE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL OBJETIVOS PROJETO DE FISCALIZAÇÃO DO MTE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL VIGÊNCIA 2010 / 2011 Redução do número de acidentes graves e fatais do setor; Redução da mão de obra informal; Atendimento à demanda

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO / CHECK LIST EM MARMORARIAS

LISTA DE VERIFICAÇÃO / CHECK LIST EM MARMORARIAS LISTA DE VERIFICAÇÃO / CHECK LIST EM MARMORARIAS Manuel Adacio Ramos Paulo Médico do Trabalho Subgerência da Vigilância em Saúde do Trabalhador/GVISAM Coordenação de Vigilância em Saúde/SMS/PMSP LISTA

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O Sistema de Proteção Coletiva contra Queda de Altura na Indústria da Construção Civil Aledson Damasceno Costa Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/BA Agosto 2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário

Leia mais

Este Termo de Referência foi elaborado em cumprimento ao disposto na legislação federal e municipal correspondente.

Este Termo de Referência foi elaborado em cumprimento ao disposto na legislação federal e municipal correspondente. INTRODUÇÃO ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Este Termo de Referência foi elaborado em cumprimento ao disposto na legislação federal e municipal correspondente. DO OBJETO REGISTRO DE PREÇOS PARA AQUISIÇÃO DE

Leia mais