DITEC SETOR DE CONTROLE DOF Engº Agrº Markus Otto Zerza.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DITEC SETOR DE CONTROLE DOF Engº Agrº Markus Otto Zerza. markus.zerza@ibama.gov.br"

Transcrição

1 IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Superintendência de São Paulo DITEC SETOR DE CONTROLE DOF Engº Agrº Markus Otto Zerza Analista Ambiental / Gerente Estadual DOF (011) ramais 2663 / 2745 / 2746

2 DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL - DOF Sistema Informatizado de Controle e Fiscalização dos Produtos Florestais Implantação em 01 de setembro de 2006 Portaria 253/06 MMA, IN s 112 e 134/06, 187/08, CONAMA 411/09

3 DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL - DOF A Importância do Cadastro Técnico Federal (CTF): 1. Art. 18 da IN 112/06: Para o transporte de produtos ou subprodutos florestais destinados à pessoa física ou jurídica dentro da mesma Unidade da Federação, cuja atividade não exija o CTF, o vendedor poderá emitir DOF sem a aprovação pelo usuário recebedor, devendo, para tanto, emitir DOF para comércio varejista preenchendo o endereço de destino. Parágrafo Único: Não haverá isenção do uso do DOF independentemente da quantidade comercializada. 2. O princípio i do POLUIDOR / PAGADOR ou do CONSUMIDOR DE RECURSOS NATURAIS / PAGADOR (Reposição Florestal).

4 ALGUNS NÚMEROS: 1. Movimentação financeira total em 2008: R$ ,00 ; 2. SP movimentou R$ , nesse período; 3. A movimentação média é de R$ 11 milhões por dia (picos de 25 milhões); 4. São Paulo tem hoje pátios cadastrados no sistema, sendo que são ativos; : SP recebeu m³ (dados de outubro a dezembro); : SP recebeu m³; : SP recebeu m³; 8. Principais fornecedores: FORNECIMENTO DE MADEIRA SERRADA (M³) MATO GROSSO , , ,0067 RONDÔNIA , , ,6132 PARÁ , , ,7854

5 Principais novidades nos sistemas DOF / CTF: 1. Atividade nova no CTF: Obras civis serviços especializados para construção, que utilizam madeira como INSUMO (prestadores de serviço; ex: aluguel de andaimes) (http://servicos.ibama.gov.br/ctf/manual/html/ htm). 2. Art. 18 (IN 112/06, alterado pela IN 187/08): Para o transporte de produtos ou subprodutos florestais destinados à pessoa física ou jurídica dentro da mesma Unidade da Federação, cuja atividade não exija o CTF, o vendedor poderá emitir DOF sem a aprovação pelo usuário recebedor, devendo, para tanto, emitir DOF para comércio varejista preenchendo o endereço de destino. Parágrafo Único: Não haverá isenção do uso do DOF independentemente da quantidade comercializada. 3. O campo 18 do DOF: o fato de constar Consumidor Final, indica que não foi emitido via oferta no sistema; ou seja, não houve a transferência dos saldos; isso pode indicar que o comprador não está no CTF; 4. O Produto Acabado : pisos, assoalhos, decking e tacos são controlados pelo DOF (IN187/08); produtos acabados adquiridos do PA, MT e RO, vêm com GF, e através da ferramenta da oferta e aceite, e geram saldo de produto acabado; Essa ferramenta obrigou empresas que trabalham apenas com produtos acabados a entraremnoctfenodof; 5. Homologação de pátio: conforme o Art. 14. da IN 112/06, 1 : Somente o local de armazenamento de carga é caracterizado pátio, obrigando o usuário a realizar o controle do seu estoque por meio da emissão DOF. Hoje, qualquer pátio, inclusive i oprimeiro i e o de pessoas físicas (consumidor final) que adquirem qualquer produto madeireiro dos estados do PA, MT e RO, deverá ser homologado pelo IBAMA/OEMA.

6 Principais novidades nos sistemas DOF / CTF: 6. A ferramenta CONVERSÃO DE PRODUTO : De acordo com a Resolução CONAMA nº 411/2009, em seu Artigo 6, 11, a conversão de produtos e subprodutos, inclusive quando se der na área de exploração, será permitida somente para empreendedores devidamente licenciados para essa atividade. Para poder realizar conversões a pessoa, física ou jurídica, deve estar em categoria que permite a conversão. O IBAMA considerava a licença informada no Cadastro Técnico Federal como suficiente para permitir as operações de conversão. Entretanto, a partir da Resolução CONAMA 411/06, inclusive i as conversões feitas na área de exploração (AUTEX) devem ser informadas. Os próprios órgãos ambientais demandam este lançamento, uma vez que a licença informada no CTF é declaratória e muitas vezes não corresponde com a realidade. O mecanismo para que o órgão ambiental estadual (ou o IBAMA) informe o número da licença que permite a atividade de conversão de produtos florestais encontra-se disponível no Módulo Interno do Sistema DOF. Além disso a RESOLUÇÃO CONAMA Nº 237, de 19 de dezembro de 1997 estabelece os critérios básicos para diversos aspectos das atividades de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos ambientais, consideradas efetiva ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental, incluindo aí o licenciamento ambiental e os órgãos competentes das esferas municipal, estadual e federal. 7. Novos PRODUTOS ACABADOS serão incluídos no DOF; 8. Será editada uma nova IN, revogando as anteriores, de forma a juntá-las.

7

8 DOF 1. Esse código de barras que vai gerar o volume no pátio do destinatário; 2. Cinco (5) dias após o vencimento do DOF, o sistema trava as duas empresas; 3. Após a impressão, o saldo sai do emitente, e fica suspenso, uma vez que está em trânsito;

9 DOF

10 CONSULTA PÚBLICA DE GUIA FLORESTAL GF Obs.: deve ser feita através do número do código de barras MAIOR Rondonia Pará Mato Grosso g p g p

11

12 Detalhes a serem observados em uma GF: 1. No campo do destinatário, atentar se o CNPJ é realmente do comprador. 2. Verificar nos sites do monitoramento se os espelhos das GF s batem. 3. Verificar a chave do código de barras MAIOR:

13 CONSULTANDO UM DOF ou a REGULARIDADE DE UMA EMPRESA Acessar: Selecionar: SERVIÇOS ON LINE NO ITEM CONSULTA DE REGULARIDADE, COLOCAR O CNPJ DA EMPRESA RESULTADOS: SE EMPRESA OK, APARECEM OS DADOS BÁSICOS DELA; SE EMPRESA COM PENDÊNCIAS NO IBAMA, APARECE MENSAGEM NÃO FOI POSSÍVEL VERIFICAR... NO ITEM CONSULTAR DOF, SELECIONAR O ESTADO EMITENTE (SP), E COLOCAR O CÓDIGO DE BARRAS DE 16 DÍGITOS

14

ÀS EMPRESAS DO SETOR MADEIREIRO. Assunto: Normatização de Procedimentos / Informações Gerais Site para mais consultas: www.ibama.gov.

ÀS EMPRESAS DO SETOR MADEIREIRO. Assunto: Normatização de Procedimentos / Informações Gerais Site para mais consultas: www.ibama.gov. ÀS EMPRESAS DO SETOR MADEIREIRO Ref.: DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL DOF Assunto: Normatização de Procedimentos / Informações Gerais Site para mais consultas: www.ibama.gov.br/sp São Paulo, outubro de 2008

Leia mais

Centro de Programas de Uso Sustentável DDS / CBRN ABRIL / 09

Centro de Programas de Uso Sustentável DDS / CBRN ABRIL / 09 Centro de Programas de Uso Sustentável DDS / CBRN ABRIL / 09 Atribuições DDS I - desenvolver, aplicar e avaliar práticas e tecnologias que garantam a utilização sustentável dos recursos naturais e a minimização

Leia mais

MANUAL DO DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL DOF

MANUAL DO DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL DOF MANUAL DO DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL DOF MÓDULO WEB MANUAL OPERACIONAL VERSÃO Nº 01 BRASÍLIA DF Agosto de 2006 Manual para Utilização do Sistema DOF Módulo - Web 1. UTILIZANDO O NOVO INSTRUMENTO DE

Leia mais

SISPROF SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PRODUTOS FLORESTAIS Histórico

SISPROF SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PRODUTOS FLORESTAIS Histórico Seminário de Informação em Biodiversidade MMA e Instituições Vinculadas Brasília, 14 e 15 de outubro de 2009 SISPROF SISTEMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PRODUTOS FLORESTAIS Histórico Implantação em

Leia mais

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV ESTRATÉGIA AMBIENTAL CAIXA Portifólio de Produtos Socioambientais Risco

Leia mais

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet

AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet AÇÃO MADEIRA LEGAL Informativo às construtoras - Internet A Ação Madeira Legal está vigorando, desde 02 de Janeiro de 2009. O procedimento implantado pela CAIXA é simples e consiste na apresentação do

Leia mais

MÓDULOS: 1. CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF 2. CADASTRO INICIAL DELPHI 3. DOF WEB. Para uso das empresas madeireiras. Versão Setembro/2006.

MÓDULOS: 1. CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF 2. CADASTRO INICIAL DELPHI 3. DOF WEB. Para uso das empresas madeireiras. Versão Setembro/2006. INSTRUÇÕES PARA USO DO DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL - DOF MÓDULOS: 1. CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF 2. CADASTRO INICIAL DELPHI 3. DOF WEB Para uso das empresas madeireiras. Versão Setembro/2006. SUMÁRIO

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O DOF

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O DOF RESPOSTAS RÁPIDAS DOF Recuperação de Senha do DOF INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O DOF A recuperação de senha para categorias e atividades relacionadas ao Documento de Origem Florestal DOF somente pode ser feita

Leia mais

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente.

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente. Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDENCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO SEMARH Responsável: Alex Viana Silva Cópia Controlada - Revisão 01 de 01/03/2013 e Aprovado

Leia mais

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA.

Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. RESOLUÇÃO CONAMA Nº 379, de 19/10/2006 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 06/2013. Regulamenta o Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras CTF/APP

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 06/2013. Regulamenta o Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras CTF/APP INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 06/2013 Regulamenta o Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras CTF/APP Julho/2013 Instrução Normativa 31/2009 CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal

Leia mais

Cadastro Técnico Federal de Atividades. Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras. de Recursos Ambientais. CTF/APP

Cadastro Técnico Federal de Atividades. Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras. de Recursos Ambientais. CTF/APP Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais. CTF/APP Supes-mg DISPOSITIVOS E AMPAROS LEGAIS Lei 10.165 de 27 de dezembro de 2000 (Dispõe sobre

Leia mais

Instruções para Utilização do Sistema - DOF Módulo Declaração Inicial

Instruções para Utilização do Sistema - DOF Módulo Declaração Inicial Instruções para Utilização do Sistema - DOF Módulo Declaração Inicial ÍNDICE 1. DECLARAÇÃO INICIAL... 2 1.1. Quem deve fazer a Declaração de Estoque?... 2 1.1.1 Instalação do Aplicativo do Sistema DOF...

Leia mais

Alguns aspectos observados sobre o SISFLORA Sistema de Cadastro, Comercialização e Transporte de Produtos Florestais, do estado do Mato Grosso

Alguns aspectos observados sobre o SISFLORA Sistema de Cadastro, Comercialização e Transporte de Produtos Florestais, do estado do Mato Grosso Alguns aspectos observados sobre o SISFLORA Sistema de Cadastro, Comercialização e Transporte de Produtos Florestais, do estado do Mato Grosso Manaus, novembro de 2006 Este relatório trata da funcionalidade

Leia mais

Autorização de Empreendimentos de Fauna Silvestre Etapa 1.1(b) Cadastro da Pessoa Jurídica e Cadastro da Atividade.

Autorização de Empreendimentos de Fauna Silvestre Etapa 1.1(b) Cadastro da Pessoa Jurídica e Cadastro da Atividade. Autorização de Empreendimentos de Fauna Silvestre Etapa 1.1(b) Cadastro da Pessoa Jurídica e Cadastro da Atividade. a) O acesso à página de Cadastro de Atividades do CTF é feito por meio do menu de Serviços

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

CONTROLE ATIVIDADE FLORESTAL. Realização:

CONTROLE ATIVIDADE FLORESTAL. Realização: CONTROLE DA ATIVIDADE FLORESTAL - CAF MANUAL DO USUÁRIO Realização: Fevereiro 2009 Governador do Estado de Minas Gerais Aécio Neves da Cunha Secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Sandro Yamauti Freire Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal

Sandro Yamauti Freire Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal Sandro Yamauti Freire Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal Cuiabá - MT, 20 de agosto de 2012 SUMÁRIO 1. CAR 2. LAF 3. DOF a) Avanços b) Perspectivas de curto, médio e longo prazo c) Desafios

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL- DIQUA COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL- CGQUA COORDENAÇÃO DE AVALIAÇÃO DA QUALDIADE AMBIENTAL- COAV Cadastro Técnico Federal

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: Desafios e Soluções 06/06/12

Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: Desafios e Soluções 06/06/12 Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: Desafios e Soluções 06/06/12 Os desafios da integração do controle florestal Marcos Alves Diniz Capitão da Policia Militar do Estado de São

Leia mais

3- COMPRO MADEIRAS OU OUTRO TIPO DE PRODUTO/SUBPRODUTO FLORESTAL. PRECISO ME CADASTRAR? PRECISO DO DOF?

3- COMPRO MADEIRAS OU OUTRO TIPO DE PRODUTO/SUBPRODUTO FLORESTAL. PRECISO ME CADASTRAR? PRECISO DO DOF? Documento de Origem Florestal DOF - Perguntas frequentes - IBAA - Instituto Brasileiro do eio Amb 1- RECUPERAÇÃO DE SENHA DO DOF A recuperação de senha para categorias e atividades relacionadas ao Documento

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) COMERCIANTE DE PRODUTOS QUÍMICOS, PRODUTOS PERIGOSOS, PNEUS, COMBUSTÍVEIS E DERIVADOS

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: avaliação dos avanços e novos desafios

Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: avaliação dos avanços e novos desafios Sistema de Monitoramento e Controle Florestal de Mato Grosso: avaliação dos avanços e novos desafios Julio César Bachega Consultor em Gestão Florestal j_bachega@hotmail.com Estrutura da apresentação Resgate

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

COMO ESPECIFICAR, ADQUIRIR E RECEBER MADEIRA NATIVA LEGAL

COMO ESPECIFICAR, ADQUIRIR E RECEBER MADEIRA NATIVA LEGAL COMO ESPECIFICAR, ADQUIRIR E RECEBER MADEIRA NATIVA LEGAL A madeira é um material de vasto uso na construção civil por sua qualidade estética e característica de material natural. É utilizada como componente

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

Obrigações Legais Ambientais

Obrigações Legais Ambientais Obrigações Legais Ambientais 2015 PROGRAME-SE PARA CUMPRIR AS OBRIGAÇÕES DE NATUREZA AMBIENTAL EM 2015 Alguns dos principais prazos para cadastros, registros, pagamentos de taxas e outras obrigações de

Leia mais

Diretoria de Licenciamento Ambiental DILIC Gerência de Licenciamento Agrícola e Florestal GELAF

Diretoria de Licenciamento Ambiental DILIC Gerência de Licenciamento Agrícola e Florestal GELAF Diretoria de Licenciamento Ambiental DILIC Gerência de Licenciamento Agrícola e Florestal GELAF Licenciamento das Florestas Plantadas de Santa Catarina: Soluções Encontradas Congresso Florestal Estadual

Leia mais

Art. 1º O Cadastro de Exploradores e Consumidores de Produtos Florestais do Estado de Rondônia CEPROF- RO fica subordinado à Gerência Ambiental.

Art. 1º O Cadastro de Exploradores e Consumidores de Produtos Florestais do Estado de Rondônia CEPROF- RO fica subordinado à Gerência Ambiental. PORTARIA N. 0172/2006/GAB/SEDAM Porto Velho 16 de outubro de 2.006 Cria as normas e procedimentos para o Cadastro de Exploradores e Consumidores de Produtos Florestais do Estado de Rondônia CEPROF-RO O

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 112, DE 21 DE AGOSTO DE 2006. DOU Nº 162, DE 23 DE AGOSTO

Leia mais

É imprescindível ler atentamente o Manual do Sistema do CTF, no site do IBAMA - "Serviços on line" - "Manual do Sistema".

É imprescindível ler atentamente o Manual do Sistema do CTF, no site do IBAMA - Serviços on line - Manual do Sistema. Os empreendedores que desejarem solicitar abertura de processo objetivando licenciar ou regularizar empreendimentos junto ao Ibama, deverão fazê-lo exclusivamente, por meio do endereço eletrônico do Serviços

Leia mais

registro obrigatório de pessoas físicas ou jurídicas que se dedicam a atividades potencialmente poluidoras e/ou à extração, produção, transporte e

registro obrigatório de pessoas físicas ou jurídicas que se dedicam a atividades potencialmente poluidoras e/ou à extração, produção, transporte e Cardápio 1 Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras ou Utilizadoras de Recursos Ambientais; 2 - Cadastro Técnico Federal de Atividades e Instrumentos de Defesa Ambiental; 3 - Cadastro

Leia mais

Supes-mg RECADASTRAMENTO CTF

Supes-mg RECADASTRAMENTO CTF RECADASTRAMENTO CTF RECADASTRAMENTO Exigência contida no Art.46 da Instrução Normativa IBAMA, 06 de março de 2013. Deverá ser realizado exclusivamente por meio do endereço eletronico.www.ibama.gov.br Navegador

Leia mais

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP

DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP DIVISÃO DE LICENCIAMENTO E CONTROLE DA POLUIÇÃO DO PETRÓLEO E PETROQUÍMICOS DPP MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ON LINE PARA RENOVAÇÃO DE LICENÇAS DE OPERAÇÃO PARA COMÉRCIO VAREJISTA DE COMBUSTÍVEIS

Leia mais

1 O que é a Autorização Ambiental para Transporte de Produtos Perigosos?

1 O que é a Autorização Ambiental para Transporte de Produtos Perigosos? 1 O que é a Autorização Ambiental para Transporte de Produtos Perigosos? A Autorização Ambiental para Transporte de Produtos Perigosos é um documento emitido pelo Ibama e obrigatório desde 10 de junho

Leia mais

Controle Ambiental do Transporte de Produtos Perigosos. Belo Horizonte, Fevereiro de 2015

Controle Ambiental do Transporte de Produtos Perigosos. Belo Horizonte, Fevereiro de 2015 Controle Ambiental do Transporte de Produtos Perigosos Belo Horizonte, Fevereiro de 2015 OCORRÊNCIA 2006 M OCORRÊNCIA 2007 OCORRÊNCIA 2008 SUMÁRIO 1) Histórico 2) Instrução Normativa IBAMA n.º 05/2012

Leia mais

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS ESFERA FEDERAL INSCRIÇÃO NO CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF (LEI FEDERAL 6.938/1981) PRAZO DE VENCIMENTO Obrigatória para o registro das pessoas físicas e jurídicas que, em âmbito nacional, desenvolvam atividades

Leia mais

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal Manual da Revenda de Produtos Veterinários Versão 1.0 25/02/2013 P á g i n a 1 Considerações iniciais Com a publicação da Resolução SAA nº 79, de 10/12/2012

Leia mais

CONTAS A PAGAR. Como efetuar o lançamento. Arquivo > Financeiro > Lancamentos > Contas a Pagar. Novo

CONTAS A PAGAR. Como efetuar o lançamento. Arquivo > Financeiro > Lancamentos > Contas a Pagar. Novo CONTAS A PAGAR Serão lançados nesse módulo os documentos relativos a despesas da empresa que ainda serão pagos. Ex: Notas Fiscais de Aquisição de Produtos/Serviços, Contas de Energia, Telefone, Água, Folha

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 06, DE 15 DE MARÇO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 06, DE 15 DE MARÇO DE 2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 06, DE 15 DE MARÇO DE 2013 Regulamenta o Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais - CTF/APP. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Alteração proposta pela MMA/SMCQ/DQAM. Dispõe sobre as informações referentes à movimentação interestadual de resíduos.

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Alteração proposta pela MMA/SMCQ/DQAM. Dispõe sobre as informações referentes à movimentação interestadual de resíduos. Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência:VERSÃO LIMPA 5 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO Data: 26 e 27 de outubro de 2006 Processos n 02001.001037/02-98 e 02001.000597/2004-40

Leia mais

Transporte e receptação de madeira ilegal no Pará

Transporte e receptação de madeira ilegal no Pará Transporte e receptação de madeira ilegal no Pará 1. A investigação do Greenpeace Para expor e constatar meios de exploração ilegal de madeira, o Greenpeace monitorou, por alguns dias, dois caminhões entrando

Leia mais

Ato Declaratório Executivo Conjunto nº 1 de 28.01.2005

Ato Declaratório Executivo Conjunto nº 1 de 28.01.2005 COORDENADORES-GERAIS DO SISTEMA ADUANEIRO E DE TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - COANA/COTEC Ato Declaratório Executivo Conjunto nº 1 de 28.01.2005 Estabelece procedimentos para a avaliação de funcionamento

Leia mais

NOTA: O recadastramento é feito exclusivamente pela internet. Preferencialmente utilize o Mozilla Firefox.

NOTA: O recadastramento é feito exclusivamente pela internet. Preferencialmente utilize o Mozilla Firefox. 1. Cadastro Técnico Federal (Recadastramento) A IN IBAMA nº 06/2013 determinou o recadastramento obrigatório de todas as pessoas físicas ou jurídicas inscritas no Cadastro Técnico Federal de atividades

Leia mais

COMPRAS PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS DE MADEIRA NO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPRAS PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS DE MADEIRA NO ESTADO DE SÃO PAULO 03 de Dezembro de 2015 COMPRAS PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS DE MADEIRA NO ESTADO DE SÃO PAULO Denize Cavalcanti SMA/SP 03 de Dezembro de 2015 HISTÓRICO 2003 Adesão do Estado de São Paulo ao Processo de Marrakesh

Leia mais

Cartilha: Certificado Digital

Cartilha: Certificado Digital Certificação de Entidades Beneficientes de Assistência Social - CEBAS - 1 - Ministério da Educação Secretaria Executiva Secretaria de Educação Continuada, Alfabetizada e Diversidade Diretoria de Tecnologia

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTE DE CONDUTA

TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTE DE CONDUTA TERMO DE COMPROMISSO E AJUSTE DE CONDUTA Termo de Compromisso que entre si firmam o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015)

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.7 - atualizada em 24/04/2015) 1 Conceito e Noções Gerais da NFAe-MEI 1.1 - O que é a Nota Fiscal Avulsa eletrônica MEI

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Instalação do certificado digital Para cada empresa certificadora existe um manual de instalação. Antes de emitir o certificado no cliente, leia atentamente as instruções do manual.

Leia mais

QUESTÕES ACERCA DAS ALTERAÇÕES NOS PROCEDIMENTOS REFERENTES A MADEIREIRAS

QUESTÕES ACERCA DAS ALTERAÇÕES NOS PROCEDIMENTOS REFERENTES A MADEIREIRAS MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O ASSUNTO ABAIXO NA SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO FLORESTAL/SEMA. TEL.: (065) 3613-7200. QUESTÕES ACERCA DAS ALTERAÇÕES NOS PROCEDIMENTOS REFERENTES A MADEIREIRAS Explicação quanto

Leia mais

INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ. SISPASS Gestão de Criador de Passeriformes Silvestres CADASTRO DE CRIADOR AMADOR DE PASSERIFORMES NO ESTADO PARANÁ

INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ. SISPASS Gestão de Criador de Passeriformes Silvestres CADASTRO DE CRIADOR AMADOR DE PASSERIFORMES NO ESTADO PARANÁ INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ SISPASS Gestão de Criador de Passeriformes Silvestres CADASTRO DE CRIADOR AMADOR DE PASSERIFORMES NO ESTADO PARANÁ Criador amador de passeriformes (Pessoa física que mantém

Leia mais

PORTARIA Nº. 93, DE 27 DE JUNHO DE 2008.

PORTARIA Nº. 93, DE 27 DE JUNHO DE 2008. PORTARIA Nº. 93, DE 27 DE JUNHO DE 2008. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso das atribuições legais que lhe confere a Lei Complementar nº. 214, de 23 de junho de 2005, que cria a Secretaria

Leia mais

CONTROLE DE CONTRATOS

CONTROLE DE CONTRATOS CONTROLE DE CONTRATOS RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio e varejo.

Leia mais

RELATÓRIO Adoto, como relatório, a bem-lançada instrução da Unidade Técnica (fls. 343/433 do. volume 1): Introdução

RELATÓRIO Adoto, como relatório, a bem-lançada instrução da Unidade Técnica (fls. 343/433 do. volume 1): Introdução GRUPO I CLASSE V Plenário TC 022.424/2007-8 Natureza: Auditoria de Natureza Operacional Entidade: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis Ibama DEFIN/DF MMA Interessado: Tribunal

Leia mais

Comercializar madeira oriunda de PMFSPE: documentos legais, estratégia e dicas

Comercializar madeira oriunda de PMFSPE: documentos legais, estratégia e dicas Comercializar madeira oriunda de PMFSPE: documentos legais, estratégia e dicas Abril de 2007 Oficina de treinamento para detentores de PMFSPE Apostila elaborada pela equipe do Projeto Floresta Viva no

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 859/2009, de 16-12-09.

LEI MUNICIPAL Nº 859/2009, de 16-12-09. 1 LEI MUNICIPAL Nº 859/2009, de 16-12-09. INSTITUI AS TAXAS DE SERVIÇOS DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL E FLORESTAL, DENTRE OUTROS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários

Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Secretaria De Estado de Fazenda Superintendência de Gestão da Informação Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários Unidade Gestora de Integração de Sistemas Tributários DECLARAÇÃO DE COMPRA

Leia mais

Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas

Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas Regulamentação do licenciamento ambiental de movelarias no Amazonas propostas de instrução normativa elaborada pelo Projeto Floresta Viva e colaboradores dezembro de 2006 INDICE 1. Contexto 3 2. Situação

Leia mais

TESOURARIA ONLINE PADRÃO_VGTUCOPE

TESOURARIA ONLINE PADRÃO_VGTUCOPE TESOURARIA ONLINE PADRÃO_VGTUCOPE RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio

Leia mais

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS OBRIGAÇÕES LEGAIS EDIÇÃO 3 - ANO 2016 OBRIGAÇÕES LEGAIS ESFERA FEDERAL INSCRIÇÃO NO CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF (LEI FEDERAL 6.938/1981) Obrigatória para o registro das pessoas físicas ou jurídicas que,

Leia mais

Tabela CFOPs (Código Fiscal de Operações e Prestações) - VÁLIDOS para fins de Valor Adicionado

Tabela CFOPs (Código Fiscal de Operações e Prestações) - VÁLIDOS para fins de Valor Adicionado 1 de 6 Tabela CFOPs (Código Fiscal de ) - VÁLIDOS para fins de Valor Adicionado Ajustes SINIEF 07/01 (Dec. 5441/02), 05/02 (Dec. 034/03), 09/03 (Dec. 1321/03), 03/04 (Dec. 1893/04), 02/05 (Dec. 3416/05),

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e NOTA CARIOCA. Acesso ao Sistema - Pessoa Física

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA - NFS-e NOTA CARIOCA. Acesso ao Sistema - Pessoa Física ELETRÔNICA - NFS-e NOTA CARIOCA Acesso ao Sistema - Pessoa Física Página 2 de 36 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 4 1.1. DEFINIÇÃO... 4 2. REGRAS PARA CADASTRAMENTO... 5 3. SENHA WEB... 6

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos.

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos. Documento 1 Estatuto ou Contrato Social consolidado com todas as alterações realizadas, devidamente arquivado no registro de comércio da sede da sociedade participante. É o documento pelo qual uma empresa

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE TESOURARIA ONLINE PADRÃO_VGTUCOPE

GUIA RÁPIDO DE TESOURARIA ONLINE PADRÃO_VGTUCOPE GUIA RÁPIDO DE TESOURARIA ONLINE PADRÃO_VGTUCOPE RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para

Leia mais

Aquisição responsável de madeira na

Aquisição responsável de madeira na ESTA PUBLICAÇÃO FOI EDITADA EM PARCERIA POR: GUIA BR 2011 Produção sustentável Aquisição responsável de madeira na construção civil Guia prático para as construtoras WWF-BRASIL WWF-BRASIL/BRUNO TAITSON

Leia mais

Cartão BNDES. Guia Cartão BNDES

Cartão BNDES. Guia Cartão BNDES Guia O é destinado para micro, pequenas e médias empresas para o financiamento da compra de equipamentos, serviços e insumos. As vendas com o cartão BNDES são realizadas exclusivamente no Portal (www.cartaobndes.gov.br)

Leia mais

II SEMINÁRIO O PODER DE COMPRA EM PROL DA SUSTENTABILIDADE

II SEMINÁRIO O PODER DE COMPRA EM PROL DA SUSTENTABILIDADE II SEMINÁRIO O PODER DE COMPRA EM PROL DA SUSTENTABILIDADE Boas Práticas na Administração do Município de São Paulo. Eduardo Aulicino A UMAPAZ, Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz,

Leia mais

CADASTROS NOVOS PARA CRIAÇÃO DE PASSERIFORMES

CADASTROS NOVOS PARA CRIAÇÃO DE PASSERIFORMES CADASTROS NOVOS PARA CRIAÇÃO DE PASSERIFORMES Caso você queira se tornar um criador amador de passeriformes, primeiramente, leia atentamente os requisitos da Instrução Normativa Ibama n 10 de 20 de setembro

Leia mais

MÓDULO EXTERNO SISTEMA DE EMISSÃO DE LICENÇAS - CITES IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVÉIS

MÓDULO EXTERNO SISTEMA DE EMISSÃO DE LICENÇAS - CITES IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVÉIS MANUAL DO USUÁRIO MÓDULO EXTERNO SISTEMA DE EMISSÃO DE LICENÇAS - CITES IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVAVÉIS Elaborado por Soraya Silva Revisado por Naiana Lima

Leia mais

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA COOL 2.0V. (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA COOL 2.0V (Certificado de Origen On Line) MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Pré-requisitos para utilização do sistema....2 Parte I Navegador...2 Parte II Instalação do Interpretador de PDF...2 Parte III

Leia mais

GRUPO 2. Documento para o transporte e armazenamento Plano de Suprimento Sustentável Identificação e localização de áreas protegidas

GRUPO 2. Documento para o transporte e armazenamento Plano de Suprimento Sustentável Identificação e localização de áreas protegidas GRUPO 2 Documento para o transporte e armazenamento Plano de Suprimento Sustentável Identificação e localização de áreas protegidas Documento para o transporte e armazenamento Quais informações devem estar

Leia mais

Sumário Sumário... 2

Sumário Sumário... 2 MANUAL DO USUÁRIO Sumário Sumário... 2 1-Imobiliária... 3 1.1-Imobiliária no sistema Visual EstFlex... 3 2-Configurações iniciais... 3 3-Fornecedor - Proprietário... 3 4-Imóvel... 3 5-Acerto de Quantidades...

Leia mais

CAPÍTULO I DO DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL - DOF

CAPÍTULO I DO DOCUMENTO DE ORIGEM FLORESTAL - DOF INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2013O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

Índice. 1 Requisitos para Funcionamento do Módulo Cedente... 05. 1.1 Instalação do Java... 05. 2 Acesso ao Sicoobnet... 09

Índice. 1 Requisitos para Funcionamento do Módulo Cedente... 05. 1.1 Instalação do Java... 05. 2 Acesso ao Sicoobnet... 09 MÓDULO CEDENTE 2 Índice 1 Requisitos para Funcionamento do Módulo Cedente... 05 1.1 Instalação do Java... 05 2 Acesso ao Sicoobnet... 09 3 Informações Referente Emissão de Boletos e Carnês... 11 4 Instalação

Leia mais

Cadastramento de Software de ponto para Empresa.

Cadastramento de Software de ponto para Empresa. Cadastramento de Software de ponto para Empresa. Conforme o artigo 20 da Portaria Nº 1.510, de 21/08/2009: Art. 20. O empregador usuário do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto deverá se cadastrar no

Leia mais

Manual de Procedimentos do Sistema BPM

Manual de Procedimentos do Sistema BPM Manual de Procedimentos do Sistema BPM (Versão 02 - Setembro/2014) 1 ÍNDICE SISTEMA BPM - BUSINESS PROCESS MANAGEMENT... 3 INTRODUÇÃO... 3 ACESSO AO SISTEMA... 3 Caixa de Entrada... 3 Cadastro da Solicitação...

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013)

PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013) PERGUNTAS E RESPOSTAS Nota Fiscal Avulsa Eletrônica MEI NFAe-MEI SUMÁRIO (versão 1.4 - atualizada em 12/06/2013) 1 Conceito e Noções Gerais da NFAe-MEI 1.1 - O que é a Nota Fiscal Avulsa eletrônica MEI

Leia mais

Resumo das funcionalidades

Resumo das funcionalidades Resumo das funcionalidades Menu MENU Dados Cadastrais Atualizar Cadastro Troca Senha Grupo Usuários Incluir Atualizar Funcionários Incluir Atualizar Atualizar Uso Diário Importar Instruções Processar Status

Leia mais

Serviços Ibama Certificação Digital

Serviços Ibama Certificação Digital Guia da nos 1. Informações Gerais Objetivando garantir mais segurança ao acesso dos usuários dos Serviços do Ibama, foi estabelecido desde o dia 1º de janeiro de 2014, o acesso por meio de certificação

Leia mais

2. Em Destinatário no Exterior, informe o nome e o endereço completo do destinatário no exterior;

2. Em Destinatário no Exterior, informe o nome e o endereço completo do destinatário no exterior; DOF Transações Emitir DOF Exportação Os produtos e subprodutos florestais nativos destinados à exportação deverão estar acompanhados do DOF específico para essa finalidade, denominado DOF Exportação, desde

Leia mais

Documento de Origem Florestal do Amazonas - DOFAM

Documento de Origem Florestal do Amazonas - DOFAM Documento de Origem Florestal do Amazonas - DOFAM Subsidios para a construção de um sistema de controle do transporte e armazenamento de produtos e sub-produtos florestais adaptado à realidade do Amazonas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011 Regula, no âmbito do Instituto Chico Mendes, as diretrizes,

Leia mais

Módulo 14. CgaInformatica. NFe. NFe para o Sistema Retwin

Módulo 14. CgaInformatica. NFe. NFe para o Sistema Retwin Módulo 14 CgaInformatica NFe NFe para o Sistema Retwin 2 Sumário O que é... 3 Benefícios... 3 Requisitos para Instalação e Implantação... 3 Obrigação Backup... 4 Configuração Geral do Sistema... 5 Cadastro

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, 204, DE 22 DE OUTUBRO DE 2008 O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ MANUAL DO USUÁRIO NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA ÍCONES PADRÕES UTILIZADOS 2

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ MANUAL DO USUÁRIO NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA ÍCONES PADRÕES UTILIZADOS 2 ÍNDICE ÍCONES PADRÕES UTILIZADOS 2 PARTE 1 DADOS DO PRESTADOR DE SERVIÇO 4 PARTE 2 SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA EMISSÃO DE NFS-e 7 PARTE 3 ALTERAR SENHA 9 PARTE 4 GERENCIAMENTO DE USUÁRIOS E PERMISSÕES

Leia mais

2 o Para fins desta resolução, reforma de pneu não é considerada fabricação ou destinação. adequada.

2 o Para fins desta resolução, reforma de pneu não é considerada fabricação ou destinação. adequada. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 416, DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a prevenção à degradação ambiental causada por pneus inservíveis e sua destinação

Leia mais

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO)

MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO FISCAL - PAF-ECF (RESPONSÁVEL TÉCNICO) SECRETARIA DA FAZENDA DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DA RECEITA ESTADUAL GEAF - GERÊNCIA DE ARRECADAÇÃO E FISCALIZAÇÃO COAF - COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO FISCAL MANUAL DA EMPRESA DESENVOLVEDORA DE PROGRAMA APLICATIVO

Leia mais

NeXT ERP Manual do usuário. Resumo das principais funcionalidades. Dezembro/2009. NeXT Software

NeXT ERP Manual do usuário. Resumo das principais funcionalidades. Dezembro/2009. NeXT Software NeXT ERP Manual do usuário Resumo das principais funcionalidades Dezembro/2009 NeXT Software Página 1 de 33 Índice Iniciando NeXT ERP...3 Tela inicial...3 Interface padrão do NeXT ERP...3 Interface - Cadastro

Leia mais

DECRETO N.º 3.937, DE 27 DE MARÇO DE 2012.* (JOM DE 30/03 E 04/04/2012)

DECRETO N.º 3.937, DE 27 DE MARÇO DE 2012.* (JOM DE 30/03 E 04/04/2012) DECRETO N.º 3.937, DE 27 DE MARÇO DE 2012.* (JOM DE 30/03 E 04/04/2012) Institui a Nota Fiscal Eletrônica de Serviços, NFS e e o Recibo Provisório de Serviço RPS e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras Registro http://servicos.ibama.gov.br/ctf/modulos/certificadoregistro/certificado... 1 de 1 25/09/2013 09:16 Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Leia mais

Manual para Transportadoras

Manual para Transportadoras Índice 1 Objetivo... 3 2 O Projeto e-suprir... 3 3 Introdução... 3 4 Informações Básicas... 4 4.1 Painel de Controle Compras... 4 5 Acessando o Pedido... 5 6 Digitando o Espelho de Nota Fiscal... 7 6.1

Leia mais

VALIDAÇÃO DOS DADOS. JOTEC Tecnologia em Software. Manual Validação dos dados 1

VALIDAÇÃO DOS DADOS. JOTEC Tecnologia em Software. Manual Validação dos dados 1 VALIDAÇÃO DOS DADOS 1 ÍNDICE Validação dos dados importados...3 CLIENTES / FORNECEDORES / PRODUTOS... 3 TRANSPORTADORAS / VENDEDORES... 5 DUPLICATAS A RECEBER / A PAGAR...7 2 Validação dos dados importados

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

Curitiba PR www.softwar.com.br comercial@softwar.com.br

Curitiba PR www.softwar.com.br comercial@softwar.com.br Curitiba PR www.softwar.com.br comercial@softwar.com.br Sistema indicado para empresas que trabalham com produção: Composto de: Configurações Gerais Sistema Multi-Empresa Controle de Acesso Módulo Almoxarifado

Leia mais

Ex.1: se a unidade de medida utilizada na nota fiscal for a tonelada, o fator de conversão será 1.000, pois cada tonelada corresponde a 1.000 kg.

Ex.1: se a unidade de medida utilizada na nota fiscal for a tonelada, o fator de conversão será 1.000, pois cada tonelada corresponde a 1.000 kg. 1) Tabela - Tipo de Papel: 1.1 - Existe um fator de conversão único a ser adotado? Resposta: Conforme consta no Ajuda do programa, inclusive com os exemplos transcritos abaixo, deve ser indicado o fator

Leia mais