História e Memória de Vigário Geral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "História e Memória de Vigário Geral"

Transcrição

1 História e Memória de Vigário Geral

2 2

3 História e Memória de Vigário Geral Maria Paula Araujo e Ecio Salles Patrocínio Parceria

4 Copyright 2008 Maria Paula Araujo e Ecio Salles COLEÇÃO TRAMAS URBANAS curadoria HELOISA BUARQUE DE HOLLANDA consultoria ECIO SALLES projeto gráfico CUBÍCULO HISTÓRIA E MEMÓRIA DE VIGÁRIO GERAL produção editorial ROBSON CÂMARA revisão TETÊ OLIVEIRA revisão tipográfica ROBSON CÂMARA fotos RODRIGO GOROSITO, NICOLA DRACOULIS, ARQUIVO NACIONAL e CPDOC JB. A editora agracede a ajuda do pessoal do AfroReggae, especialmente Daniela Roffi, e a simpatia dos moradores de Vigário Geral. A69h Araujo, Maria Paula Nascimento História e memória de Vigário Geral / Maria Paula Araujo e Ecio Salles. - Rio de Janeiro : Aeroplano, (Tramas Urbanas; 6) ISBN Vigário Geral (Rio de Janeiro, RJ) - História. 2. Vigário Geral (Rio de Janeiro, RJ) - Condições sociais. 3. Favelas - Rio de Janeiro (RJ) - História. I. Salles, Ecio. II. Título. III. Série CDD: CDU: (815.31) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS AEROPLANO EDITORA E CONSULTORIA LTDA Av. Ataulfo de Paiva, 658 / sala 401 Leblon Rio de Janeiro RJ CEP: TEL: Telefax:

5 Nas tantas periferias brasileiras periferia urbana, periferia social se reforçam cada vez mais movimentos culturais de todos os tipos. Os mais visíveis talvez sejam os de alguns segmentos específicos: grupos musicais, grupos cênicos, grupos dedicados às artes visuais. Mas de idêntica importância, embora com menos visibilidade, é a produção intelectual que cuida, além de questões artísticas, de temas históricos, sociais ou políticos. A coleção Tramas Urbanas faz, em seus dez volumes, um consistente e instigante apanhado dessa produção amplificada. E, ao mesmo tempo, abre janelas, estende pontes, para um diálogo com artistas e intelectuais que não são originários de favelas ou regiões periféricas dos grandes centros urbanos. Seus organizadores se propõem a divulgar o trabalho de intelectuais dessas comunidades e que pela primeira vez na nossa história, interpelam, a partir de um ponto de vista local, alguns consensos questionáveis das elites intelectuais. A Petrobras, maior empresa brasileira e maior patrocinadora das artes e da cultura em nosso país, apóia essa coleção de livros. Entendemos que é de nossa responsabilidade social contribuir para a inclusão cultural e o fortalecimento da cidadania que esse debate pode propiciar. Desde a nossa criação, há pouco mais de meio século, cumprimos rigorosamente nossa missão primordial, que é a de contribuir para o desenvolvimento do Brasil. E lutar para diminuir as distâncias sociais é um esforço imprescindível a qualquer país que se pretenda desenvolvido.

6 A todos os integrantes do AfroReggae, aos moradores de Vigário Geral e estudiosos do tema que compartilharam conosco suas idéias: Manoel Ribeiro, Rosilene Alvim, Eugênia Paim, Regina Novaes e Ilana Strozenberg.

7 Sumário 09 Prefácio 10 Mapa de Vigário Geral 12 Apresentação 16 Cap.01 Pensando a favela no Rio de Janeiro Um resumo da bibliografia sobre o tema 36 Cap.02 Apresentando Vigário Geral Uma descrição etnográfica de Vigário Geral e uma apresentação das diferentes versões sobre sua origem na década de Cap.03 Histórias, histórias de vida, histórias de Vigário Uma narrativa sobre a história e a memória de VigárioGeral nas décadas de 1960 e 1970, a partir do depoimento e das lembranças de seus moradores 110 Cap.04 Violência, criminalidade e mediação de conflitos Uma discussão sobre o crescimento da violência, e as tentativas de solucionar o problema, nas últimas décadas (1980 e 1990) 136 Cap.05 O Afro Reggae em Vigário Geral Um resumo da trajetória do grupo em Vigário e dos projetos que desenvolve desde Cap.06 A Guerra Um histórico da rivalidade entre Vigário Geral e Parada de Lucas ao longo das últimas décadas 182 Cap.07 Conclusão 186 Bibliografia geral da pesquisa 191 Crédto de Imagens 195 Sobre os autores

8

9 Prefácio Tendo como fonte de informação privilegiada a memória de seus habitantes mais antigos, os Pioneiros, a história da favela se constrói num jogo dinâmico entre as narrativas desses personagens e a análise do contexto sócio-econômico e político do Brasil e da cidade do Rio de Janeiro em que estão situados. Nesse jogo, vão se tornando evidentes as várias e intrincadas relações que ligam favela e asfalto, a cidade informal e a cidade formal. Desde as primeiras páginas, quando é levado a um passeio pelas ruas e praças de Vigário, o leitor se sente ingressando num universo de vivências individuais e coletivas em que as diversas dimensões da vida afetiva, política, social e econômica vão se articulando num quadro complexo, muitas vezes contraditório mas, sempre, profundamente humano. Sem cair na armadilha de uma visão romântica nem fugir do tema da violência, o livro, é, sem dúvida, uma contribuição da maior importância para a construção de uma cidade em que o diálogo e a colaboração venham substituir a discriminação e os confrontos que são o flagelo da vida urbana contemporânea. Ilana Strozenberg

10 DUQUE DE CAXIAS LINHA VERMELHA MARINHA DO BRASIL BEIRA BEIRA PARADA DE LUCAS

11 Vigário Geral 01 PRAÇA DA MOCIDADE 02 QUADRA POLIESPORTIVA 03 PRAÇA DA MOCIDADE 04 CAIXA D ÁGUA 05 AFRO REGGAE 06 ONDA AZUL 07 POSTO MÉDICO 08 BAR DO SR.SANDOVAL 09 ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES 10 QUADRA VILA NOVA 11 CIEP - MESTRE CARTOLA 12 POSTO DA POLÍCIA MILITAR 13 PASSARELA SOBRE FERROVIA 14 ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE VIGÁRIO GERAL IGREJAS

12 Apresentação A idéia deste livro surgiu a partir de uma entrevista com José Junior, coordenador executivo do Grupo Cultural Afro Reggae (GCAR). 1 A entrevista, feita por mim e por um grupo de alunos bolsistas do Departamento de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), era uma etapa de uma pesquisa que tinha por objetivo estudar lideranças comunitárias e dirigentes de projetos artísticos de cunho social. No meio da conversa Junior propôs: Por que vocês não fazem uma história de Vigário Geral? Topamos na hora e iniciamos, a partir daí, um processo que culminou na assinatura de um convênio entre o AfroReggae e a UFRJ para a realização de uma pesquisa que teria como produto final um livro sobre a história de Vigário Geral, favela localizada no bairro homônimo na Zona Norte carioca. Nesta parceria eu, como professora de História Contemporânea da UFRJ, e Ecio Salles, como coordenador cultural do 1 O Grupo Cultural Afro Reggae (GCAR) surgiu em 1993 com o intuito de oferecer uma formação cultural e artística para jovens moradores de favelas de modo que eles tivessem meios de construir suas cidadanias e com isto pudessem escapar do caminho do narcotráfico e do subemprego, transformando-se também em multiplicadores para outros jovens. Inicialmente atuando apenas em Vigário Geral, o GCAR desenvolve hoje projetos em outras quatro comunidades (Parada de Lucas, Complexo do Alemão, Cantagalo e Nova Era, em Nova Iguaçu).

13 AfroReggae, dividimos a coordenação da pesquisa. Cíntia Aparecida Almeida Ramos e Luiz Felipe Félix da Silva, então alunos do curso de História, foram contratados como estagiários. Os equipamentos para a realização de uma pesquisa com base principalmente em depoimentos orais (gravadores digitais, computadores, gravadores de CD, máquinas filmadora e fotográfica) tinham sido comprados havia pouco tempo com financiamento da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ) para um amplo estudo (do qual a história de Vigário Geral faria parte) chamada Vidas Cariocas. Araci Alves Santos, ex-aluna da universidade, ficou responsável pelas transcrições das entrevistas. Contamos também com a colaboração do Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre a Infância e Juventude (NEPI), um grupo de pesquisa coordenado pelas professoras Rosilene Alvim e Eugênia Paim que, junto com estudantes de Ciências Sociais da UFRJ, realizara um trabalho de pesquisa e reflexão sobre o episódio que ficou conhecido como a chacina de Vigário Geral, quando 21 moradores da favela foram assassinados por policiais militares. 2 O NEPI nos cedeu parte deste material e partilhou conosco sua reflexão sobre o dramático evento. Mas se a UFRJ entrava com alunos, equipamentos, técnica em pesquisa e suporte analítico, o AfroReggae entrava com o passaporte de livre trânsito dentro da favela, com a confiança dos moradores, com o conhecimento da região e com tudo que tornava possível nosso trabalho. Neste sentido, a parceria era completa e total, e gerou também um outro dado mais do que positivo: a colaboração e participação de muitos moradores no projeto da pesquisa concedendo entrevistas, emprestando fotos antigas, passeando com nossa equipe pela favela, nos recebendo com carinho e simpatia. De tal forma que creio que podemos dizer que muitos desses moradores são co-autores deste livro. 2 O trabalho do NEPI tem o título Vigário Geral: uma noite tão comprida e foi organizado por Rosilene Alvim e Eugênia Paim.

14 14

15 Apresentação 15 Nosso principal desafio foi encontrar um tom adequado para o texto: queríamos que fosse uma narrativa histórica, resultado de pesquisa com fontes primárias e secundárias, com análise da bibliografia sobre o tema, com procedimentos metodológicos científicos. Mas queríamos que fosse, também, um livro de divulgação. Nossa maior ambição é que pudesse ser lido por moradores de Vigário Geral. Não necessariamente por todos, mas pelos jovens, pelos estudantes. Este livro é resultado desse esforço. Um esforço em traduzir, em linguagem não acadêmica, o resultado de um trabalho feito a partir de técnicas e métodos de pesquisa histórica. Um esforço que só foi possível por esse encontro/parceria entre universidade, organização não-governamental e moradores da favela. A idéia que norteou nossa equipe o tempo todo, foi a proposta de buscar um tipo de conhecimento que fosse além do acadêmico. Acreditamos que o papel do historiador não é se encerrar numa torre de marfim, e que a universidade não deve se isolar da sociedade. Acreditamos que articulações ricas e produtivas podem e devem se estabelecer entre a linguagem e o saber acadêmico e as linguagens e saberes da sociedade. Além disso, não fazemos coro com aqueles que advogam que a distância seja essencial para a seriedade e a cientificidade da análise histórica. Não acreditamos neste historiador neutro, distante, imparcial. Pelo contrário, acreditamos que assumindo claramente seus posicionamentos o historiador pode até lidar melhor com eles. Portanto, assumimos que este trabalho é fruto de um profundo envolvimento nosso não só com a favela de Vigário Geral e seus moradores, mas principalmente, com a perspectiva de aprofundar os laços entre a favela e o asfalto representadas no caso, por Vigário Geral e pela UFRJ. Assim, ele se soma a muitos outros que têm a mesma preocupação: contribuir para a superação da dicotomia ainda existente entre favela e cidade formal e para a construção de uma cidadania ampla, republicana e inclusiva.

16 Cap.01 Pensando a favela no Rio de Janeiro Cap.01 Pensando a favela no Rio de Janeiro

17 Cap.01 Pensando

18 Desde que surgiu, na virada do século XIX para o século XX, congregando no Morro da Providência 1 (também chamado de Morro da Favella) soldados sobreviventes das inúmeras campanhas da Guerra de Canudos, a favela faz parte do cenário e da crônica do Rio de Janeiro. 2 E das pesquisas dos estudiosos que procuram entender a cidade seus problemas e suas soluções. Nas últimas décadas, e principalmente nos últimos anos, o tema favela e seus múltiplos aspectos - tem sido abordado, discutido e analisado por diferentes pesquisadores e especialistas. A favela tem sido estudada como questão urbana, como problema social, como imagem das gigantescas desigualdades de nosso país e de nossa cidade. Muitas vezes a abordagem associa os temas criminalidade, tráfico de drogas, violência policial, alta taxa de mortalidade entre jovens. Outras vezes a favela é abordada justamente pelo ângulo contrário, pelo que oferece de solução em termos de moradia, de relações de solidariedade, de vida comunitária. Ela tem sido estudada, também, como locus importante de produção artística e cultural. Inúmeros grupos de música, teatro, dança e expressão corporal têm sido implantados em comunidades populares e vêm desenvolvendo 1 Morro localizado entre os bairros Santo e Cristo e Gamboa no Centro do Rio de Janeiro. 2 ZYLBERBERG, Sonia. Morro da Providência: memórias da Favella. Secretaria Municipal de Cultura,

19 Pensando a favela no Rio de Janeiro 19 experiências estéticas interessantes e criativas. Jornais locais, criação coletiva de teatro e dança, recuperação da memória e da história local são alguns exemplos dessa recente produção artística, cultural e intelectual nascida e crescida nas favelas. Muitas vezes a favela é abordada como contraponto ao asfalto, à cidade formal, produzindo uma narrativa que se constrói o tempo todo em torno desta polaridade, desta oposição, deste contraste. Outras vezes, pelo contrário, o que se acentua são as pontes entre uma e outra, as ligações entre estas duas faces da cidade. Ligações que podem ser culturais, políticas, econômicas ou criminosas. Os fios que unem (ou desunem) a favela e o asfalto podem ser vistos de forma positiva ou negativa. As relações políticas possibilitadas pela realidade da favela têm sido objetos de muitos estudos: nas décadas de 1960 e 1970, essas comunidades foram palco de lutas contra a remoção, de formação de movimentos associativos (as associações de moradores tiveram importante papel na história política do Rio de Janeiro) e tornaram-se alvos de políticos dos mais variados matizes. Sobre tudo isso muito se escreveu. Nos últimos anos, a ação de diversas organizações não governamentais tem criado um cenário novo e original em muitas favelas do Rio de Janeiro: trabalhos artísticos e culturais, de cunho social e comunitário vêm esboçando estratégias de inclusão para inúmeros jovens moradores. O AfroReggae, em Vigário Geral; o Nós do Morro, no Vidigal; a Companhia Étnica de Dança, no Andaraí e o Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (Ceasm), na favela da Maré, são bons exemplos desse processo. Alguns trabalhos renderam produtos de divulgação como livros, revistas, jornais e páginas na internet. O site Favela tem memória 3 é uma das realizações mais interessantes desse movimento. A favela, portanto, tem sido objeto de estudo freqüente da sociologia, da ciência política, da história e da antropologia. 3

20 20 História e memória de Vigário Geral Personagem da crônica jornalística e da crônica policial, palco de iniciativas artísticas e culturais. Entre essas diferentes abordagens um ponto em comum se sobressai: a certeza de que é impossível pensar a cidade do Rio de Janeiro sem pensar a favela. É impossível entender os problemas de nossa cidade sem levar em conta a favela, assim como é impossível apontar soluções para esses problemas que não passem também pela favela. Melhor dizendo pelas inúmeras favelas do Rio de Janeiro. O conjunto da bibliografia sobre as favelas cariocas espelha essa convicção. É impossível traçar uma síntese dessa bibliografia. Mas as pesquisadoras Licia do Prado Valladares e Lídia Medeiros conseguiram levantar praticamente tudo que se escreveu sobre o tema no último século. O livro Pensando as favelas do Rio de Janeiro, : uma bibliografia analítica 4 é um excelente guia para quem deseja se aprofundar no assunto. De uma forma geral, essa bibliografia apresenta algumas temáticas recorrentes, dependendo da abordagem do autor. Em primeira instância, o tema favela é quase sempre associado aos temas cidade, metrópole, explosão demográfica e êxodo rural. Vista por este ângulo a favela está longe de ser fenômeno exclusivo do Rio de Janeiro ou, mesmo, do Brasil. Existe toda uma literatura que analisa o surgimento e crescimento das favelas como expressão do processo de urbanização da América Latina. Um processo marcado por acentuada explosão demográfica, pelo êxodo rural e por soluções elitistas e excludentes de amplas parcelas da população que ficaram fora da cidadania urbana. O contexto latino-americano é apresentado, por exemplo, por Anthony e Elizabeth Leeds, em um livro escrito em 1978, que se 4 VALLADARES, Licia do Prado e MEDEIROS, Lidia. Pensando as favelas do Rio de Janeiro, : uma bibliografia analítica. Rio de Janeiro, Relume Dumará, FAPERJ: URBANDATA, 2003.

21 Pensando a favela no Rio de Janeiro 21 tornou um clássico sobre o assunto: A sociologia do Brasil urbano. 5 A obra analisa experiências de áreas invadidas em várias cidades latino-americanas como Lima, Santiago e Rio de Janeiro e relaciona o surgimento das favelas à precarização das condições de vida no campo que teria gerado migrações crescentes para os grandes centros urbanos. Uma abordagem mais moderna do tema favela articulado com a questão da urbanização na América Latina aparece no livro do historiador argentino José Luis Romero, América Latina: as cidades e as idéias. 6 Romero também aponta o processo de desenraizamento rural e a contundente marcha para as cidades que ocorreu em quase todos os países latino-americanos na primeira metade do século XX como responsáveis pela vertiginosa explosão demográfica e urbana vivida pelo continente. Os dados são surpreendentes: por volta do ano 1900 apenas umas dez cidades na América Latina superavam a marca de cem mil habitantes. Mas em 1940 quatro cidades ultrapassavam um milhão de habitantes: Buenos Aires, México, Rio de Janeiro, São Paulo. E mais quatro, o meio milhão: Lima, Havana, Montevidéu, Santiago. Nas décadas subseqüentes, México e Buenos Aires ultrapassaram os oito milhões de habitantes; Rio de Janeiro, os seis milhões e São Paulo, os sete milhões e meio. A explosão demográfica modificou o perfil das cidades. Além de promover um intenso processo de massificação, produziu também, na visão de Romero, uma divisão no interior da urbes: de um lado a cidade normatizada, de outro a cidade anômica. A cidade normatizada é aquela submetida às normas tradicionais e oficiais do espaço urbano. A cidade anômica é a que cresceu à margem da e muitas vezes contra a cidade oficial. As favelas são uma de suas maiores expressões. Cresceram intensamente, sobretudo a partir de 1940, e receberam vários nomes: callampas no Chile, 5 LEEDS, Anthony e LEEDS, Elizabeth. A sociologia do Brasil urbano. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, ROMERO, José Luis. América Latina: as cidades e as idéias. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2004.

22 22 História e memória de Vigário Geral

23 Pensando a favela no Rio de Janeiro 23

24 24 História e memória de Vigário Geral villas na Argentina, favelas no Brasil, cantegriles no Uruguai, barriadas no Peru, cidades perdidas no México, pueblos piratas na Colômbia. Apesar de apontar para um binômio e uma oposição entre metrópole (sociedade normatizada) e favela (sociedade anômica), Romero enfatiza a integração entre os dois pólos, salientando que um não pode viver sem o outro: São dois irmãos inimigos que se vêem forçados a integrarem-se, como as sociedades que os habitam. Para ele, no entanto, entre o confronto e a integração há um longo caminho a ser percorrido. Este ponto do confronto entre a favela e a sociedade normatizada aparece também, com muita freqüência, na literatura brasileira. A oposição entre morro e asfalto é recorrente não só na bibliografia especializada, mas também no senso comum, na linguagem coloquial e na crônica jornalística. O título do livro de Zuenir Ventura Cidade partida 7 é uma boa expressão dessa forma de ver a questão. A obra, que trata especificamente de Vigário Geral, corrobora a tese de duas cidades opostas: uma regida por leis, com seu elenco de direitos e deveres; outra à margem da lei, desassistida pelo Estado, desprovida de serviços básicos. Mas Zuenir não pretende defender teses sociológicas. Trata-se, na verdade, de um relato jornalístico que teve por objetivo principal contar a história de como a favela vivenciou e superou a trágica experiência da chacina de 1993, quando 21 trabalhadores foram mortos por policiais. O livro é, antes de tudo, o registro e a valorização da experiência comunitária de Vigário Geral. Indo em outra direção, Adair Rocha aborda o tema confronto entre a cidade formal e as favelas para negá-lo. Seu livro Cidade cerzida: a costura da cidadania no morro Santa Marta 8 tem esse objetivo. A idéia da cidade cerzida opõe-se à tese da cidade partida. Adair combate a visão de duas cidades opostas, antagônicas, que mal se conhecem, regidas por códigos completa- 7 VENTURA, Zuenir. Cidade partida. São Paulo, Companhia das Letras, ROCHA, Adair. Cidade cerzida: a costura da cidadania no morro Santa Marta. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 2000.

25 Pensando a favela no Rio de Janeiro 25 mente distintos. Para ele, estas duas realidades, embora diferentes, são expressões da moderna vida urbana e produzem, o tempo todo, relações de intercâmbio, de troca e de sociabilidade que atravessam as diferenças. Essas relações são as costuras da cidade cerzida. Segundo Adair, a idéia de uma dicotomia intransponível é extremamente nociva porque justifica a segregação e a discriminação dos moradores das favelas que passam a ser vistas, essencialmente, como lugares fora-da-lei, marginais, guetos de violência, que só prejudicam a cidade oficial. Adair sugere que esta visão, que aprisiona o favelado como o outro, pode ser combatida pelas atividades associativas das comunidades, principalmente aquelas ligadas à cultura, à comunicação, ao lazer. Estas atividades, para ele, consolidam e valorizam a identidade dos moradores e, ao mesmo tempo, permitem a criação de pontes entre o morro e o asfalto. O jornal comunitário Eco, produzido no morro Santa Marta desde a década de 1970, é o exemplo que Adair utiliza para expor sua tese. A noção de oposição entre a favela e a cidade formal perpassa outras obras, geralmente sendo combatida pelos autores que identificam nessa dualidade o germe da discriminação e do estranhamento em relação aos moradores das favelas. Marcos Alvito e Alba Zaluar, em Um século de favela, 9 afirmam que a dualidade serviu para alimentar o estigma da favela como lugar de desordem, de doenças, de imoralidade e de crime. No livro, organizado por eles, mostram que esse processo vem de longe, do final do século XIX, ganhando corpo com os projetos de modernização do Rio de Janeiro todos envolvendo estratégias de embranquecimento e refinamento da cidade. A reforma de Pereira Passos, 10 no início do século XX, já delineara duas cidades separadas: uma, civilizada, que se mirava em Paris; 9 ALVITO, Marcos e ZALUAR, Alba (orgs.). Um século de favela. Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, Francisco Pereira Passos, então prefeito do Rio.

26 26 História e memória de Vigário Geral outra, povoada de negros e mestiços, ex-escravos e brancos pobres, afastada do centro e das áreas nobres urbanas. Para Alba e Alvito, superar esta divisão dicotômica é fundamental para romper o estigma das classes perigosas e tornar possível a aposta na integração entre esses dois mundos. A imagem das classes perigosas também é utilizada por Cecília Coimbra em um livro que tem por objetivo a análise das políticas de segurança pública. Operação Rio: o mito das classes perigosas. Um estudo sobre a violência urbana, a mídia impressa e os discursos de segurança pública 11 analisa o convênio firmado entre o Governo do Estado e as Forças Armadas para garantir a segurança do Rio de Janeiro, em uma clara violação dos direitos das populações moradoras das favelas cariocas. Mais uma vez é feito um paralelo com a cidade do início do século, na qual as elites, através de argumentos higienistas e criminais, discriminavam a população pobre, confinada nos morros e periferias, considerados por essas elites locais potencialmente perigosos e violentos. A Operação Rio trazia embutida uma concepção de segurança pública que criminalizava preliminarmente todo e qualquer habitante de favela. Tornava-o potencialmente, até prova em contrário, um assaltante, um malfeitor, um traficante. Um outro aspecto da abordagem clássica sobre a favela é aquele que enfoca o problema de ordem urbanística e habitacional. Deste ponto de vista, ela é abordada como problema ou solução para a questão da moradia, especialmente das camadas populares. Sua geografia, as questões referentes ao saneamento básico (ou à falta dele), a estética peculiar das favelas, os puxadinhos, as soluções em termos de transporte, a visão da favela como um bairro popular são os temas dessa abordagem que privilegia a discussão da sua integração na malha urbana. Existem dois clássicos trabalhos com esta perspectiva. Um 11 COIMBRA, Cecília. Operação Rio. O mito das classes perigosas: um estudo sobre a violência urbana, a mídia impressa e os discursos de segurança pública. Rio de Janeiro, Oficina do Autor, Niterói, Intertexto, 2001.

27 Pensando a favela no Rio de Janeiro 27 deles é o livro de Lucien Parisse, publicado em 1969, pelo Centro Nacional de Pesquisas Habitacionais, Favelas do Rio de Janeiro evolução sentido. 12 O outro é o de Janice Perlman, O mito da marginalidade: favelas e política no Rio de Janeiro, 13 lançado em A antropóloga norte-americana, então professora de Planejamento Urbano e Regional da Universidade da Califórnia, residiu dois anos no Brasil para realizar seus estudos sobre as comunidades cariocas. O Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional (IPPUR) da UFRJ tem tido um destacado papel na produção de análises e propostas nesta direção. O livro A crise da moradia nas grandes cidades, 14 organizado por Luiz César Queiroz, professor e pesquisador do instituto, é um bom exemplo desta abordagem. A favela é vista como expressão de uma crise de moradia requerendo, neste sentido, soluções urbanísticas e de planejamento habitacional. Neste eixo de abordagem (moradia/planejamento habitacional), o problema das favelas no Rio de Janeiro deu origem a mais uma dicotomia: remoção x urbanização. que esteve presente, durante as últimas quatro décadas, na literatura especializada e, é claro, nos movimentos de resistência dos moradores de favelas. O livro de Licia Valladares do Prado Passa-se uma casa: análise do programa de remoção de favelas do Rio de Janeiro 15 é uma boa contribuição a esse debate. A autora analisa as políticas públicas de habitação voltadas para a população favelada e conclui pelo fracasso das políticas de remoção. O próprio título da obra demonstra que os programas habitacionais não atingiram o 12 PARISSE, Lucien. Favelas do Rio de Janeiro evolução sentido. Rio de Janeiro: Centro Nacional de Pesquisas Habitacionais, PERLMAN, Janice E. O mito da marginalidade: favelas e política no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Paz e Terra, QUEIROZ, Luiz César (ver comentário 52). A crise da moradia nas grandes cidades: da questão da habitação à reforma urbana. Rio de Janeiro, UFRJ, VALLADARES, Licia do Prado. Passa-se uma casa: análise do programa de remoção das favelas do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1978.

28 28 História e memória de Vigário Geral objetivo de fixar os antigos moradores de favelas nos conjuntos habitacionais para os quais eram enviados. A população removida, depois de algum tempo, passava sua casa, com o intuito de retornar às suas antigas moradias nas favelas. Nos últimos anos, os estudos sobre a favela têm colocado em relevo questões como educação, cultura, relações políticas, universo simbólico e memória. A educação popular ligada a projetos de desenvolvimento comunitário foi analisada por Victor Valla em Educação e favela: políticas para as favelas do Rio de Janeiro, Publicado em 1986, o livro mostra como que, durante o longo período analisado, as favelas foram objeto de intervenções externas, vindas principalmente da Igreja Católica e do Governo do Estado. Para Valla, os inúmeros projetos educacionais implementados nas comunidades ao longo de mais de quarenta anos, tinham por principal objetivo o controle social e político de seus moradores. No entanto, os temas educação e cultura têm aparecido de forma diferente nas análises que são feitas. Eles aparecem, muitas vezes, entrelaçados com estudos sobre juventude, exclusão social, violência. A educação, a arte e a cultura aparecem como respostas políticas e estratégias de inclusão social. O livro Cultivando vida, desarmando violências: experiências em educação, cultura, lazer, esporte e cidadania com jovens em situações de pobreza, 17 organizado por Mary Castro e editado pela Unesco, procura fazer uma análise de vários grupos e trabalhos comunitários, ao mesmo tempo em que apresenta uma reflexão sobre este tipo de iniciativa de forma geral. Projetos artísticos, culturais e comunitários passam a ser vistos não como tentativas de controle da população das favelas (tal como é sugerido por 16 VALLA, Victor Vincent (org.). Educação e favela: políticas para as favelas do Rio de Janeiro, Petrópolis, Vozes/ABRASCO, CASTRO, Mary Garcia (org). Cultivando vida, desarmando violências: experiências em educação, cultura, lazer, esporte e cidadania com jovens em situações de pobreza. Edições Unesco, 2001.

29 Pensando a favela no Rio de Janeiro 29 Valla), mas sim como legítimas expressões dos anseios, desejos, carências e visões de mundo destas comunidades. As relações políticas vivenciadas no universo das favelas constituem um tema importante da sociologia política contemporânea. Uma das abordagens mais clássicas foi proposta em Voto e máquina política: patronagem e clientelismo no Rio de Janeiro. 18 O estudo pioneiro de Eli Diniz procura situar as relações de tipo clientelistas no dia-a-dia das comunidades, em redes que ligam as suas formas associativas (como associações de trabalhadores ou religiosas e escolas de samba) aos parlamentares e representantes do poder público, numa relação de troca de benefícios por votos. Para a autora, a base dessas relações teria sido questionada a partir da década de 1970 quando as associações populares passaram a ter uma atenção maior para a questão da autonomia em relação ao Estado. Mas a vinculação entre populismo e clientelismo permaneceria, ainda, como um forte traço das relações políticas entre o Estado e as favelas. Apesar da visão crítica sobre o problema, o livro de Diniz nos mostra que o clientelismo é, de certa maneira, filho da ampliação da democracia partidária. É o aumento da democracia política que cria um cenário propício para a proliferação de relações de troca de tipo clientelista. Seguindo e aprofundando esta idéia básica de Diniz, o cientista político Paulo D Ávila, no texto Tanto aqui como alhures: o clientelismo como fenômeno moderno, 19 sugere que o clientelismo pode ser encarado como um instrumento de ação popular na busca para auferir benefícios que, de outro modo, dificilmente poderiam ser alcançados pelos canais formais da política. O clientelismo seria, portanto, uma forma específica de comunidades carentes 18 DINIZ, Eli. Voto e máquina política: patronagem e clientelismo no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Paz e Terra, D ÁVILA FILHO, Paulo. Tanto aqui como lá ou alhures: o clientelismo como fenômeno moderno, VII Encontro Luso Afro Brasileiro, IUPERJ (www.iuperj.br/lusofonia/ papers). Disponível no site da IUPERJ.

Nº 3 - Nov/14 TRABALHO COMUNITÁRIO

Nº 3 - Nov/14 TRABALHO COMUNITÁRIO ! Nº 3 - Nov/14 o ã ç n e t a A T S PRE TRABALHO COMUNITÁRIO Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! apresenta pontos importantes para a implantação de projetos e programas de base comunitária.

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

VALORES E ATITUDES O Brasil e o mundo querem conhecer o que os brasileiros pensam e fazem de melhor.

VALORES E ATITUDES O Brasil e o mundo querem conhecer o que os brasileiros pensam e fazem de melhor. coleção VALORES E ATITUDES O Brasil e o mundo querem conhecer o que os brasileiros pensam e fazem de melhor. Pensamentos inovadores, práticas de êxito. pva_08.indd 1 24/3/2006 18:13:33 Lançada em setembro

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

O Projeto PROVOZ é um Projeto Social de Desenvolvimento para a população de Fortaleza que privilegia a cidadania e os direitos inerentes à todos os

O Projeto PROVOZ é um Projeto Social de Desenvolvimento para a população de Fortaleza que privilegia a cidadania e os direitos inerentes à todos os O Projeto PROVOZ é um Projeto Social de Desenvolvimento para a população de Fortaleza que privilegia a cidadania e os direitos inerentes à todos os cidadãos brasileiros ao nível da sua realidade local.

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS.

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS. CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS DAURIMAR PINHEIRO LEÃO (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior

InfoReggae - Edição 32 Inclusão Digital 11 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE

EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE EDITAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MUNICÍPIO DE CAUCAIA-CE 1. INTRODUÇÃO A ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE LUZIA LOPES GADÊLHA, por meio do Termo Convênio nº 05/2015, como parte integrante do Projeto Fortalecendo

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

InfoReggae - Edição 33 Panorama das ONGs no Brasil 25 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior. Coordenador Editorial Marcelo Reis Garcia

InfoReggae - Edição 33 Panorama das ONGs no Brasil 25 de abril de 2014. Coordenador Executivo José Júnior. Coordenador Editorial Marcelo Reis Garcia O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo

Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo Início Notícias Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo Iniciativa é parte do projeto Rios da Serra. Sede provisória da organização é montada no Prado TERÇA FEIRA, 19 DE MAIO

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil FORMATO: Documentário: 1X 52 HD FULL 16:9 GENERO: Documentário em técnica mista: SINOPSE: Morro da Favella é um documentário

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Terapia Comunitária como metodologia de Desenvolvimento Comunitário

Terapia Comunitária como metodologia de Desenvolvimento Comunitário Terapia Comunitária como metodologia de Desenvolvimento Comunitário Cecília Galvani* Colaboração: Coletivo Pontos de Encontro A Terapia Comunitária (TC) Há cerca de 20 anos, em Fortaleza (CE), na Favela

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Relatório de Atividades

Relatório de Atividades PROJETO BOLA NA REDE Relatório de Atividades "O Mestre na arte da vida faz pouca distinção entre o seu trabalho e o seu lazer, entre a sua mente e o seu corpo, entre a sua educação e a sua recreação, entre

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP.

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. POP: Prêmio Nacional de Relações Públicas Categoria: Relações Públicas e Responsabilidade Social Profissional: Aislan Ribeiro Greca Empresa: Petrobras 10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. 2008

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil.

Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Conferencia Internacional Violencia en Barrios en America Latina Notas sobre experiências de Pacificação em favelas do Rio de Janeiro - Brasil. Lia de Mattos Rocha Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais A campanha do prefeito de Duque de Caxias Alexandre Aguiar Cardoso, natural de Duque de Caxias, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS >>> Rodas de Conversa A SEE, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (unicef) e com a colaboração de ONGs,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

Habitação Social e Cidadania: a experiência do programa Morar Feliz em Campos/RJ

Habitação Social e Cidadania: a experiência do programa Morar Feliz em Campos/RJ Cidadania na Sociedade do Conhecimento Habitação Social e Cidadania: a experiência do programa Morar Feliz em Campos/RJ Ana Paula Serpa Nogueira de Arruda Bolsista da CAPES Processo 10394125, Brasil. Doutoramento

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

3 -Objetivos Específicos

3 -Objetivos Específicos 2014 1 Conceito O Dia C Dia de Cooperar é uma iniciativa do Sistema OCEMG que com o apoio e a participação efetiva das cooperativas de Minas gerais, buscarão desenvolver em suas localidades, um elenco

Leia mais

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 RESUMO O Voz do Nicéia é um projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

Política externa e democracia no Brasil. Reseña. Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213

Política externa e democracia no Brasil. Reseña. Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213 Reseña Política externa e democracia no Brasil Dawisson Belém Lopes São Paulo, Editora UNESP, 213 A defesa das instituições democráticas entra definitivamente na agenda internacional da América Latina

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul PARZIANELLO, Geder Universidade Federal do Pampa RESUMO Projeto

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 ANEXO II ATA DA 10ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA MULHER REALIZADA NOS DIAS 04 E 05 DE SETEMBRO

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009

Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Minha Casa, Minha Vida ignora o que PT e movimentos já fizeram Escrito por Pedro Fiori Arantes 01-Out-2009 Não é verdade que a esquerda apenas critica e não sabe o que propor. A história da luta por moradia

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO

FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMANDO AS LIDERANÇAS DO FUTURO Fúlvia Rosemberg: analisa ações de inclusão e apresenta programa voltado para a formação de novas lideranças

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

VIOLÊNCIA E SAÚDE RELATO DE UM EXPERIÊNCIA

VIOLÊNCIA E SAÚDE RELATO DE UM EXPERIÊNCIA A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi EJE: Comunicacion y Extensión AUTORES: Garcia, Gabriela Viero 1 Tumelero, Samira Valduga 2 Rosa, Rosane 3

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais