CIBERESPAÇO E SMART MOBS: A RESIGNIFICAÇÃO DE LUGARES E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA PLANETÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIBERESPAÇO E SMART MOBS: A RESIGNIFICAÇÃO DE LUGARES E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA PLANETÁRIA"

Transcrição

1 CIBERESPAÇO E SMART MOBS: A RESIGNIFICAÇÃO DE LUGARES E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA PLANETÁRIA CYBERSPACE AND SMART MOBS: NEW MEANINGS FOR PLACES AND CONSTRUCTION OF GLOBAL CITIZENSHIP RESUMO Geovana Maria Cartaxo de Arruda Freire As novas tecnologias de informação e comunicação (TICs) têm desenhado perspectivas ousadas e até então inimagináveis nas relações entre as pessoas, as comunidades e os governos, antes possíveis apenas em filmes de ficção científica. O presente trabalho visa analisar as manifestações sociais e políticas organizadas com o apoio de ferramentas do ciberespaço. As chamadas smart mobs e flash mobs, têm se expandido em todo mundo. Especificamente, será analisada aqui, a smart mob com maior abrangência no mundo, a primeira que ganhou contornos globais por atingir 88 países e cerca de 4 mil cidades, organizada pela ONG ambientalista WWF (Fundo para a proteção da Natureza) sobre o aquecimento global. Iluminar a relevância e significado dessas novas práticas e confrontá-las com as previsões dos principais teóricos da cibercultura, que se dividem em argumentar a perda de experiência causada pelas novas tecnologias e a constituição de não-lugares, enquanto outros advogam a resignificação de lugares e construção de uma ciberdemocracia, é o objetivo geral deste trabalho, que refletirá releituras do conceito de cidade, cidadania e democracia e os novos direitos. PALAVRAS-CHAVES: CIBERESPAÇO; CIDADANIA PLANETÁRIA; SMART MOBS; CIBERDEMOCRACIA; CIBERCULTURA ABSTRACT The new information and communication technologies (ICTs) have designed bold and perspectives hitherto unimaginable in relations between people, communities and governments, but possible only in science fiction films. This study aims to examine the political and social events organized with the support of tools of cyberspace. The socalled smart mobs and flash mobs have been expanding worldwide. Specifically, it will be analyzed here, with a smart mob in the wider world, which won the first contours global reach by 88 countries and approximately 4 thousand cities, organized by the WWF environmental NGOs (Fund for the Protection of Nature) on global warming. Illuminate the importance and significance of these new practices and comparing them with forecasts of the main theorists of cyberculture, which is divided in arguing the loss of experience caused by new technologies and the establishment of non-places, while others advocate the construction of places and new meanings of cyberdemocracy is the aim of this work, which reflect the concept of rereading city, citizenship and democracy and the new rights. 7647

2 KEYWORDS: CYBERSPACE; CYBERDEMOCRACY; SMART MOBS; GLOBAL CITIZENSHIP; CYBERCULTURA Introdução As novas tecnologias de informação e comunicação (TICs) têm desenhado perspectivas ousadas e inimagináveis nas relações entre as pessoas, antes possíveis apenas em filmes de ficção científica. A internet, criada inicialmente para estabelecer uma comunicação entre computadores (STEINBERGER, 2004: 56), revoluciona as relações por estabelecer uma comunicação imediata e a troca de dados entre as pessoas e por propiciar uma ampliação na visão e percepção inovadoras (omnivisão, Levy), como as ferramentas do Google Earth, GPS tracking, entre outras. No entanto, alguns teóricos alertam para as promessas do ciberespaço e para alguns desafios na implementação de suas potencialidades. Steinberg (2004,p.13) ressalta que, por vezes, se fala mais da internet do que se utiliza efetivamente, uma vez que as promessas econômicas, sociais, culturais e mentais dessa rede ficam cada vez mais ousadas e as práticas menos relevantes. Iluminar a relevância e significado dessas novas práticas e confrontá-las com as previsões dos principais teóricos da cibercultura é o objetivo geral deste trabalho, que refletirá releituras do conceito de cidade, cidadania e democracia. A internet e as novas tecnologias (celulares, palmtops, notebooks, Kindle) têm multiplicado as formas de sociabilidade. A cada ano surgem novas práticas no ciberespaço com a criação de ferramentas como FaceBook, Orkut, Twitter, que são as redes sociais mais populares da atualidade. Esse crescente aprofundamento da vida no ciberespaço tem levado alguns teóricos a aventarem uma perda de contato com o "mundo real" e consequente perda de experiências (VIRILIO,1990, 1997), desespacialização, (AUGE, 1995) descentramento, desterritorialização (GUATTARI, 1980) e levado a um esvaziamento das cidades. Numa visão diametralmente antagônica, teóricos como LEMOS (2006), LEVY (2002) e RHEINGOLD (2003), afirmam que as novas tecnologias têm engendrado uma inteligência coletiva, com comunidades virtuais emancipatórias, e uma cidadania planetária e interativa (SANTOS, 2006), que resignificam os espaços territoriais, engendram cibercidades e aperfeiçoam uma ciberdemocracia. Assim, as questões as quais este trabalho se propõe discutir são: existiria mesmo uma resignificação dos lugares pelo uso das novas tecnologias, e a "construção" de cibercidades? As novas tecnologias têm levado ao exercício novo do fazer democrático e ao engendramento de uma cidadania planetária? Ou o que há é um esvaziamento crescente dos espaços urbanos, a criação de não-lugares, e uma perda de experiências? Qual o papel das smart mobs neste contexto conceitual e na ação política dos cidadãos conectados? 7648

3 O presente trabalho visa a discutir esse antagonismo, analisando as manifestações sociais e políticas organizadas com o apoio e mobilização por mecanismos do ciberespaço, as chamadas smart mobs e flash mobs, têm se expandido em todo mundo. Especificamente, será analisada aqui, a smart mob com maior abrangência no mundo, a primeira que ganhou contornos globais por atingir 88 países e cerca de 4 mil cidades, organizada pela ONG ambientalista WWF (Fundo para a proteção da Natureza) sobre o aquecimento global. A mobilização ocorreu no dia 28 de março às 20h30min (no horário de cada país), e conclamava as pessoas a apagarem as luzes por uma hora, bem como ao desligamento da iluminação de importantes monumentos em diferentes pontos do planeta (de Torre Eiffel, a Cristo Redentor e estátua do Padre Cícero). Foi a terceira vez que a chamada Hora do Planeta (Earth hour) foi realizada e a primeira a qual o Brasil participou. 1. Características e desafios da Cibercultura A sociedade em rede, fomentada pelo uso das novas tecnologias, principalmente da internet, propicia a insurgência de percepções multifacetadas da realidade (antes bipolarizada), promove a quebra de hierarquias e descentraliza controles. Tal configuração promove o desenvolvimento de uma cibercultura. André Lemos (2003) define cibercultura como: A forma sócio-cultural que emerge da relação simbiótica entre a sociedade, a cultura e as novas tecnologias de base microeletrônica que surgiram com a convergência das telecomunicações com a informática na década de 70 (2003,p.12). Alguns autores denominam de sociedade da informação, ou do conhecimento, o modelo pós-industrial que predomina na atualidade, baseadas na valorização da informação, como comenta Werthein: A realidade que os conceitos das ciências sociais procuram expressar refere-se às transformações técnicas, organizacionais e administrativas que têm como fator-chave não mais os insumos baratos de energia como na sociedade industrial mas os insumos baratos de informação propiciados pelos avanços tecnológicos na microeletrônica e telecomunicações (2000, p.71). Mansell e Wehn (apud Werthein, 2000, p.76) aludem a uma sociedade do conhecimento, um passo a frente da sociedade da informação, em que a ampliação do acesso à informação promoveria uma sociedade não passiva, mas produtora de conhecimento. No entanto advertem aos países desenvolvidos, para os quais o papel das tecnologias de informação na construção de uma 'sociedade do conhecimento' inovadora poderá ser muito relevante e contribuir para o desenvolvimento sustentado, mas será acompanhado de muitos riscos. 7649

4 Além dos riscos, a maioria dos autores alerta para os desafios a superar. Werthein (2000,p75) define como principais desafios: desemprego tecnológico; invasão de privacidade; conflitos éticos; necessidade de equacionamento dos direitos autorais e da propriedade intelectual; a ansiedade, o ruído e poluição visual e de informação. Sem dúvida, um enorme vácuo tem surgido em relação às formas de conter a desregulação e ao acesso a conteúdos como músicas, filmes, livros e dados, sem que aconteça a necessária contrapartida aos seus autores. Andrew Keen, em seu recente trabalho, o Culto do Amador, profetiza o fim da cultura e do conhecimento, e uma maior facilidade de manipulação da verdade, com a Web 2.0, a web colaborativa, em que todos têm a possibilidade de ser autores, com seus blogs e compartilhadores de imagens e sons. Keen apresenta dados preocupantes sobre o deslocamento dos referenciais culturais clássicos, por exemplo, o fato de que 25% das lojas de discos dos Estados Unidos fecharam em Ao autor classifica estes locais não só como espaços comerciais, mas sobretudo como espaços de encontro, diálogo, aprendizagem sobre música. Acrescenta que em 2005 o prejuízo na música causado pela pirataria ultrapassou 1 bilhão de dólares, e que para cada música vendida pela internet, cerca de 40 são adquiridas ilegalmente (2009, p.103). As questões ligadas à perda da privacidade também são relevantes e implicadas pelas novas tecnologias de informação. Percebe-se uma mudança de valores e do próprio conceito de privacidade, num mundo fetichista que incensa a celebridade. A proteção a privacidade e intimidade precisam de novos contornos, principalmente em relação ao mercado.. A privacidade integra o âmbito dos direitos da personalidade, resguardados pelo artigo 5, X da Constituição Federal: São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação O direito à intimidade e privacidade constituem um limite ao direito à informação, cada dia mais ameaçado pela sociedade da informação, sendo a manifestação do consentimento a referência ao sistema de tutela da privacidade, como comenta Paesani: O direito à privacidade, ou direito ao resguardo, tem como fundamento a defesa da personalidade humana contra injunções ou intromissões alheias. Esse direito vem assumindo, aos poucos, maior relevo, com a expansão das novas técnicas de comunicação, que colocam o homem em exposição permanente. (2008, p 33) Se por um lado há a percepção da internet como um acidente, que causará danos irremediáveis à sociabilidade pela perda de experiências (VIRILIO, 1997) e pelo descentramento (AUGE, 1995), há uma construção teórica sólida, oposta, que advoga a existência de uma cibercultura comprometida com a transformação proativa da sociedade, pelo uso das novas tecnologias. Nesse sentido, Lemos, comenta o conceito de cibercidade e os diversos projetos que visam a articular o ciberespaço e a cidade (cibercidades): 7650

5 Todos têm como objetivo principal aproveitar o potencial das novas tecnologias de informação e comunicação para, em tese, reaquecer o espaço público, recuperar o interesse pelos espaços concretos da cidade, criar novas formas de vínculo comunitário, dinamizar a participação política e ajudar a população na apropriação social dessas tecnologias (LEMOS, 2003, p. 21) Teóricos da cibercultura, como Pierre Levy, defendem que o ciberespaço não promove a substituição ou perda de experiências, mas complexifica e desloca os centros de percepção, muitas vezes ampliando a capacidade de sentidos (Levy, 1998, p.10). Mas não há dúvidas de que a cidade está perdendo, em parte, seus marcos significativos. Que a desvalorização dos centros urbanos é crescente e que há o fortalecimento de espaços homogeneizados e assépticos, como shopping centers e condomínios fechados. Levy também questiona a concepção de cidade e espaço público, que são desvalorizados pelos mais jovens, nascidos na cibercultura, mas como superar esses desafios? 2. O território, o lugar e as novas tecnologias As cidades têm sido o tema de debate de grandes pensadores da contemporaneidade. Como a esfinge, a cidade provoca inquietações e previsões, nem sempre confirmadas, que podem devorar-nos. Espaço, lugar, não-lugar e território são dimensões que aqui serão expostas a partir da visão dos teóricos que vêem as novas tecnologias como um aspecto positivo, de abertura de possibilidades e significações para a vida urbana e o surgimento de cibercidades, que não pretendem substituir os espaços concretos (LEMOS, LEVY), em oposição àqueles que analisam as mudanças como uma transformação asséptica da vida urbana e como um empobrecimento (perda da experiência) da vida contemporânea, ensejada pela velocidade que se impõe nas cidades (transporte, comércio, ócio ou falta dele) (VIRILIO, AUGE, 1997, 1995). A cidade pós-industrial acena para a virtualidade, e a para construção de espaços cibernéticos. As cidades virtuais, em que o acelerado processo de fluxos de informação desconhece distâncias e tempo, tomam outra dimensão nos processos de agir, comprar, se divertir, se encontrar, trabalhar etc. A palavra virtual vem do latim medieval virtuallis, derivado de virtus, de força, potência. É o que existe em potência (possibilidade), e não em ato. O virtual tende a atualizar-se sem ter passado concretamente pela realização formal. O virtual não se opõe ao real, são formas diferentes de ser (LEVY, 1996, p.15) A cidade virtual implica em formas diferentes de usar a cidade, e em mudanças em relação à referência nos centros urbanos. A centralidade espacial, como referência simbólica, perde sentido. As cibercidades atendem assim, ao crescimento da insegurança social, à instalação de não-lugares e ao fluxo comunicativo crescente, transformando-se em uma espécie de salvação das cidades reais, onde predomina o espaço de lugares (LEMOS, 2001, p.19) 7651

6 Guattari afirma que: o homem contemporâneo é fundamentalmente um ser desterritorializado. Seus territórios existenciais originais o corpo, espaço doméstico, clã, culto não são mais postos em solo estável, mas integram-se desde agora em um mundo de representações precárias e em constante movimento. (1996, p.6) A desterritorialização marca a era da sociedade pós-industrial pela perda de controles fronteiriços, pela flexibilização das fronteiras, sejam políticas, econômicas, sociais e culturais, permitidas pelas rápidas comunicações e fluxos estabelecidos na cibercultura. Guerra Filho afirma "trata-se de uma sociedade baseada na circulação de informações, de forma cada vez mais intensa e sofisticada, em que a circulação de informações computadorizada é imprescindível a todas as áreas, da produção e do conhecimento" (1997, p.22). Auge afirma que as cidades estão se transformando em não-lugares, devido à mediação das tecnologias, resultando num esvaziamento de significados dos espaços urbanos. A mediação entre o indivíduo com os não-lugares, segundo Auge[1], se dá pela palavra e pela imagem. Para ele, a relação com os não-lugares reais da pós-modernidade (as autopistas, os supermercados, os aeroportos), também se definem pelas palavras e textos que indicam seu modo de uso de forma prescritiva (tomar o corredor da direita), proibitivo (proibido fumar), ou informativo (você entrou em Beaujolais) e recorre a ideogramas mais ou menos explícitos e codificados (1995, p.99). A perda da experiência ocasionada pela velocidade é descrita por Paul Virilio[2] como resultado do descentramento, que ocasionaria um egoísmo vazio. Acrescenta que a perda da experiência do movimento desconstrói não só o ordenamento do território, da arquitetura, mais também do ambiente da experiência humana (1990, p. 4). A desterritorialização é um fato, mas não implica necessariamente numa perda de experiência ou empobrecimento de relações, visto que, como afirma LEVY, as comunidades hoje são semânticas, se aglutinam em torno de temas e interesses comuns fortalecendo a identidade e não esvaziando-a. A insurgência de movimentos globais baseados na máxima pensar globalmente e agir localmente (Agenda 21, 1992) reflete essa ambigüidade da desterritorialização, que de fato ameaça o sentimento de pertencimento mas não tem em si uma desconstrução da política ou da democracia, visto que hoje os conflitos e problemas são globais e exigem ecos planetários para sua solução. O aquecimento global consiste no desafio global mais importante a enfrentar, assim como a degradação dos oceanos, a manutenção das florestas tropicais e a diminuição do uso de substâncias tóxicas. Lemos propõe a tentativa de rever os conceitos de território, lugar, mobilidade e comunidade, diante do ciberespaço e da experiência das mídias locativas, mídias pósmassivas, que utilizam serviços de localização e dispositivos eletrônicos que interagem com o entorno. No Manifesto das Mídias Locativas, Lemos define: 7652

7 Mídia Locativa. Tecnologias e serviços baseados em localização (LBT e LBS) cujos sistemas infocomunicacionais são atentos e reagem ao contexto. Ação comunicacional onde informações digitais são processadas por pessoas, objetos e lugares através de dispositivos eletrônicos, sensores e redes sem fio. Dimensão atual da cibercultura constituindo a era do ciberespaço vazando para o mundo real (Russel, 1999), a era da internet das coisas. Território é o elemento do Estado que compreende a base física, porção do globo ocupada e que serve de limite ao exercício da jurisdição de um país, segundo a definição da ciência política. Território é o âmbito de validez da ordenação jurídica chamada Estado (Kelsen, 1974, p. 247). Lemos define território como área controlada com fronteiras definidas onde a mobilidade e fluxos são regulados. O território é o espaço do exercício de controles, Lemos acrescenta à ciência política clássica o aspecto não físico dos territórios, os territórios informacionais. Lemos propõe uma releitura do conceito de território, que não mais se restringe a espaços físicos, mas se alastra pelo ciberespaço, propiciando reterritorializações. Admite que o homem é um ser desterritorializado, e que precisa da técnica para construir seu habitat. A cultura humana é uma des-reterritorialização da natureza (LEMOS, 2006, p. 3). Só podemos pensar o território a partir de uma dimensão integral das diferentes formas sociais, como lugar de processos de semantização (territorialização), bem como de movimentação (desterritorialização), a partir de múltiplas relações de poder (Foucault) e/ou desejo (Deleuze). Todo espaço, físico ou simbólico, apropriado por forças políticas, econômicas, culturais ou subjetivas, se transforma em território (LEMOS, 2006, p. 5). Lemos exemplifica as smart mobs como processos de reterritorializações e nomadismos (2006, p 10), pois as smart mobs representam um ponto de fuga aos controles. O lugar seria o preenchimento de significados de um espaço, que são criados pelas dinâmicas do território. Se visto como um ponto fixo a porções do espaço, ele desapareceria com o crescimento da mobilidade moderna, mas a nova dimensão de lugar compreende a intersecção de fluxos (LEMOS, 2009, 6). O autor define, o território informacional, como uma nova produção social, que pode ser entendido como as áreas onde existe a interseção do fluxo informacional do ciberespaço e o espaço urbano, controlado digitalmente (LEMOS, 2009, 7) 3. Smart mobs e o fortalecimento de comunidades: a cidadania interativa O fortalecimento do sentimento de pertencimento a uma comunidade global, a junção de pessoas por seus interesses comuns, independente de sua nacionalidade, classe social ou profissão, tem sido o fenômeno mais inovador e emancipatório propiciado pelas novas tecnologias. Para Levy, as comunidades não se interligam por proximidades territoriais ou institucionais mas por proximidades a semânticas (2002). Hobsbawn reflete sobre essa dimensão nova das relações pós ciberespaço: Os eventos nos últimos anos foram realmente espetaculares e transformadores do mundo e também inesperados e imprevisíveis. A natureza revolucionária do período que vivemos vai muito além das mudanças na política global, que, em poucos meses, 7653

8 estão tornando desatualizados os atlas preparados pelos cartógrafos. Nunca antes na história a vida humana normal e as sociedades em que ela ocorre foram tão radicalmente transformadas em tão pouco tempo: não apenas em único período da vida, mas em parte de um período da vida (Hobsbawn, 1995, p 214). Rheingold afirma que o renascimento do poder de colaboração ter sido despertado pelo uso de computadores que estimularam o espírito cooperativo, o que para muitos parece uma dolorosa ironia[3]. Segundo Pierre Levy (2003, p. 67) o desenvolvimento de comunidades virtuais é um dos eventos mais importantes dos últimos anos, visto que faz advir uma forma nova de socializar. As comunidades constituem o fundamento social e a chave da ciberdemocracia. Reinhold narra que após o surgimento das primeiras redes virtuais, os participantes tiveram necessidade de se encontrar fisicamente, promovendo um piquenique que se tornou anual Verão da Rede Well próximo a São Francisco, fenômeno este repetido por diversas comunidades virtuais no mundo. O autor avança, e vislumbra o uso da tecnologia para novas propostas sociais, e classifica como uma evidência concreta do usos das novas tecnologias para propostas humanitárias e democráticas nas práticas da sociedade civil (ONGs) e das organizações em fins lucrativos[4]. Desde 1997, pensadores repercutem a capacidade inovadora e a transformação do que entendemos por espaço e tempo, resultante das novas tecnologias, como afirma Giddens: Trata-se efetivamente da transformação do espaço e do tempo. Eu defino como ação a distância, e relaciono sua intensificação nos últimos anos ao surgimento da comunicação global instantânea e ao transporte de massa (...). A globalização não é um processo único, mas uma mistura complexa de processos, que frequentemente atua de maneira contraditória, produzindo conflitos, disjunções e novas formas de estratificação (1997, p13). O crescimento da confiabilidade no outro, a crescente troca de informações pessoa a pessoa (peer to peer, ou P2P), e a efervescência de comunidades nascidas no ciberespaço é reconhecida e comentada por um dos mais ácidos críticos da web colaborativa, Andrew Keen. Ele afirma que a pesquisa realizada por Edelman PR atestou que, em 2003, somente 23% confiavam em pessoas, em 2006 cresceu para 68% a confiança nas pessoas (2009, p 86). Este importante dado demonstra os efeitos transformadores da interação mediada pelas novas tecnologias nas sociabilidades e o enorme potencial de articulação e aperfeiçoamento da colaboração em prol de causas humanitárias e planetárias. A potencialidade no uso das novas tecnologias, além de possibilitar ações globais, fortalece o local e seus marcos. Uma experiência interessante de Fortaleza é descrita no portal Carnet de Notes[5] (LEMOS, 2009): 7654

9 Excelente iniciativa mesclando redes sociais (blogs e microblogs) com mapas em um exercício de cidadania, tornando coletivamente visível o que só é visível individualmente, os buracos por onde passamos e caímos todos os dias em cidades como Fortaleza e Salvador. A inciativa de blogueiros e tuiteiros de Fortaleza mostra como mapas, redes sociais e mídias locativas podem ser instrumentos de cidadania e de pressão sobre os poderes públicos. Além disso, mapeando o que está no entorno, cria-se uma atenção focada nos lugares, um olhar vigilante e crítico sobre o espaço urbano. Emerge aqui possibilidades de criação de novos significados dos lugares em meio a um urbanismo racionalizante e uma sociabilidade ubana politicamene apática. Essa iniciativa deveria ser tomada aqui também, onde o nosso já tradicional "asfalto de açúcar" transforma cada trecho de ruas e avenidas em verdadeira cratera. A convergência de mídias, possibilitada pelo rápido desenvolvimento tecnológico, tem conseguido, de certa forma, superar o maior obstáculo: a popularização ao acesso ao ciberespaço e à miríade de informações e redes sociais possibilitadas por ela. A convergência das diversas mídias se dá nos celulares que acessam à internet e se comunicam por mensagens curtas, tiram fotografias, fazem filmes, recebem notícias, enfim, transformam o dispositivo num faz-tudo das novas tecnologias. O acesso a conteúdo gratuito dos principais jornais e revistas na internet, como o New York Times e o Estado de São Paulo, só para citar dois muito importantes, também pode ser feito via celulares, e gadgets como Ipods e Kindles. Ethan Zuckerman (2007) define o celular como a grande tecnologia do século, pois é o principal instrumento de ativismo. É mais acessível e difundido nos países em desenvolvimento, onde o acesso à informação e às novas formas de manifestação são mais urgentes. Zucherman elenca alguns dados que demonstram a importância do telefone celular. Na China, em 2005, eram 350 milhões de usuários de celular, e apenas 100 milhões de usuários de computadores. As estimativas atuais do mercado são de 2 bilhões de usuários de celular, e de cerca de 3,3 bilhões em Markoff, em matéria veiculada pela Folha de São Paulo afirma que já são 4 bilhões de celulares no mundo. Como se aduz das novas práticas sociais no ciberespaço é preciso encontrar e compreender as dinâmicas que se instalam na prática democrática advinda da concretização de comunidades virtuais. O fortalecimento dessas comunidades e a possibilidade de manifestações globais levam a diferentes compreensões de democracia, que não podem se restringir à democracia representativa clássica, ou ser reduzidas ao voto, mas, sobretudo ao que se engendra numa ciberdemocracia. Segundo Levy: Quando em geral a democracia eletrônica faz pensar em voto eletrônico, defendo aqui a idéia de que o essencial da renovação democrática da cibercultura se deve a um aumento da transparência dos governos (e da vida social em geral), assim como a emergência de novos espaços (virtuais) de deliberação e diálogo político. Nem os jornais, os salões e os cafés do século XIX, nem a abundância midiática e televisiva do fim do século XX haviam permitido semelhante acessibilidade à informação 'politica', semelhante abertura do espaço de conversação, semelhante disponibilidade de instrumentos ao serviço do cidadão no sentido de influenciar seus representantes.(2002, p.117) 7655

10 A espantosa disponibilidade de informações, de toda a espécie, sobre a vida política, assim como a frequencia de fóruns de discussão, civilizados e bem organizados, tornam o debate político cada vez mais transparente, e preparam uma nova era do diálogo político que conduz a democracia a um estagio superior: a ciberdemocracia (LEVY, 2002, p.124) Levy acrescenta a realização das previsões de McLuhan, a consciência global, hoje possível pelo uso das novas tecnologias que também engendra um Estado transparente: A novidade trazida pela internet a mundialização da política reside mormente na possibilidade, para os movimentos de oposição ou as organizações ativistas, de se organizarem e coordenarem em tempo real a escala planetária (2002, 136). SANTOS define a cidadania interativa, modo surgido na sociedade em rede, a qual: no mundo contemporâneo, a cidadania parece estar sendo caracterizada também pelo acesso aos meios que garantem a interatividade, tanto entre os cidadãos quanto entre os distintos atores na sociedade, tanto públicos quanto privados. Nesse sentido, parecem ser relevantes não apenas os recursos materiais, dados pela condição econômica, mas em especial os recursos simbólicos controlados pelos indivíduos para o exercício do que estamos denominando a cidadania interativa (2004, p. 209) Na cidadania interativa, como afirma Castells (2003, p. 114), os movimentos sociais do século XXI, ações coletivas deliberadas que visam a transformação de valores e instituições da sociedade, manifestam-se na e pela Internet, assim como os ambientalistas, feministas, movimentos de direitos humanos (...), numa lista infindável de projetos sociais e causas políticas. CASTELLS questiona se o uso da Internet é puramente instrumental ou se de fato o ciberespaço leva a uma transformação das regras do jogo político-social que acaba por afetar o próprio jogo. Os movimentos sociais na sociedade em rede têm como característica serem mobilizados em torno de valores culturais e preencherem o vazio deixado pela crise das organizações herdadas da "era industrial" (sindicatos, partidos etc). Os movimentos em rede trabalham com a opinião pública, perseguem o poder sobre a mente e não poder sobre o Estado. As comunidades virtuais e o terceiro setor apontam para novas formas de mobilização e articulação que confirmam o foco nas idéias, ações e transformações na vida cotidiana, muito distante da articulação política partidária tradicional, mais condicionada ao poder. As smart mobs traduzem essa mudança. 5. Conceito de Smart Mob e o estudo de caso Hora do Planeta Rheingold cunhou o termo smart mob. Principal teórico das smart mobs e da cibercultura nos Estados Unidos, ele as descreve e as analisa no livro Smart mobs: a 7656

11 próxima revolução social (Smart mobs. The next social revolution). Rheingold afirma que as novas tecnologias propiciam ações coletivas e formas de agir que nunca seriam possíveis antes, amplificando os talentos humanos para cooperação. Smart mobs são manifestações que utilizam as novas tecnologias como forma de comunicar e atingir um maior número de pessoas que, em geral, não se conhecem, mas têm alguma causa em comum. As novas formas de agregação e manifestação social descritas por Rheingold, podem ser de dois tipos: as smart mobs que têm caráter político, e são manifestações que utilizam a internet, por meio de blogs ou Twitter, ou as tecnologias do celular, principalmente o SMS (short message system) como forma de comunicação e mobilização. As flash mobs, lembram os happenings dos anos 1970, com características artísticas e performáticas, sem a necessidade do caráter político. São manifestações artísticas, lúdicas, que libertam a imaginação e buscam uma crítica ao cotidiano e à massificação dos comportamentos sociais. Um exemplo recente das flash mobs são as silent parties (festas silenciosas), reuniões de centenas de jovens nos metrôs de Londres e nos Estados Unidos, munidos de tocadores de música (walkmans, Ipods, Iphones) a dançar isolados ao som da música escolhida, com seus fones de ouvido, numa estranha festa sem música para os que vêm mas não participam da festa. Os metrôs deixaram de ser locais de passagem, tornando-se locais de intervenção lúdica. Transformaram-se e foram resignificados em seus usos. Das smart mob, ou mobilização inteligente, a mais conhecida e discutida no mundo foi a grande mobilização promovida na Espanha em 2004, após os atentados na Estação Ferroviária Atocha, em Madri. O governo espanhol, mesmo sem a devida investigação, atribuiu a autoria dos atentados ao grupo separatista Basco, ETA, descartando a possibilidade (que depois se confirmara) de que o atentado poderia ser uma represália da rede Al Qaeda, pelo apoio do governo espanhol à política norteamericana no Iraque. Diante do embuste governamental, as pessoas se mobilizaram via mensagens de celular (SMS) e internet, em passeatas e manifestações contra o governo que resultaram numa reviravolta nas eleições do país, que ocorreram poucos dias após o ato. Diversas outras smart mobs se espalharam pelo mundo: na China mais de um milhão de mensagens fizeram o governo recuar na instalação de uma indústria poluente (paraxileno) em 2007 (Schieck, 2007). Em 2009 o Greenpeace realizou uma smart mob global contra a ampliação de um aeroporto Heathrow em Londres, em que mais de manifestantes, com camisetas temáticas, invadiram o aeroporto e centenas de pessoas pelo mundo se inscreveram como co-proprietárias de parte de um terreno comprado pelo Greenpeace para impedir a expansão. No Chile em 2006 e 2007 foram realizadas smart mobs contra a Microsoft, assim como no Paquistão, contra o Presidente Pervez Musharraf e em Uganda pelos direitos das mulheres (Lemos, 2006). A mais significativa smart mob, do ponto de vista de sua força política, ocorreu nas Filipinas, em 2001, contra o presidente Estrada. A manifestação de mais de um milhão de pessoas que saíram às ruas vestidos de preto, de forma pacífica, sem nenhuma violência, derrubou um governante corrupto. 7657

12 Há registro de algumas flash mobs também no Brasil, como a descrita pelo sitio do jornal O Estado de São Paulo, ocorrida no período de 8 e 13 agosto de 2003, em São Paulo: Maluquices públicas programadas por O convite vem por . Você deve estar em certo local, a certa hora. Lá, receberá instruções de um organizador sobre o que deve fazer. Pode ser, por exemplo, imitar o canto de um pássaro ou jogar-se no chão, aos gritos. (...) (o evento) reuniu cerca de 100 pessoas no cruzamento da Avenida Paulista com a rua Augusta, uma das mais movimentadas de São Paulo. Os participantes aguardaram o primeiro sinal verde após o relógio do canteiro marcar 12h40. Eles atravessaram a Avenida Paulista, tiraram um sapato cada e bateram com ele no chão, repetidas vezes. Logo em seguida, calçaram o sapato e foram embora. O fenômeno das Flash mobs está se espalhando rapidamente pela Europa e Estados Unidos. É uma manifestação sem objetivo político, articulada com instantes de antecedência por ou mensagens de telefone celular. (Jornal Estado de São Paulo, 2003) As flash mobs têm recebido mais atenção da mídia por suas características inusitadas e estética inovadoras. Alguns exemplos têm sido as Guerrilhas Gay, em Los Angeles, em que grupos se reúnem em restaurantes para uma festa gay, tudo comunicado por celular no dia da performance. Recentemente a flash mob No Pants (sem calças) foi realizada em abril de 2009, no metrô de São Paulo, tendo ocorrido em mais de 20 cidades pelo mundo. A performance consistia em reunir as pessoas na mesma estação de metrô, numa hora predeterminada, as quais deveriam tirar as calças, ficando somente com as roupas debaixo e entrarem juntos no trem. A manifestação tinha algumas regras: não deviam conversar, rir ou expressar qualquer desconforto, nem utilizar roupas apelativas, ou com conotações sexuais. Ao final do ato, todos deveriam se vestir e se disperar, causando estranhamento nas pessoas. A mais recente smart mob brasileira foi a concentração na Praça dos Três Poderes do dia 6 de maio de 2009, em que centenas de manifestantes levaram uma vela para iluminar a Justiça no Brasil e pedir a saída do ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal. A organização Fora Gilmar era suprapartidária, formada por cidadãos que utilizam blogs e mensagens na internet e celular, que organizaram a manifestação. Para Rheingold (apud Lemos, 2006) smart mobs : consist of people who are able to act in concert even if they don t know each other.the people who make up smart mobs cooperate in ways never before possible because they carry devices that possess both communication and computing capabilities. 7658

13 Como se viu, as novas tecnologias têm sido apropriadas por muitos outros, além daqueles que pretendem realizar manifestações artísticas, lúdicas e aparentemente despropositadas, como fez o WWF, na Hora do Planeta. 7. Estudo de caso: A Hora do Planeta A mobilização planetária, liderada pela Organização não governamental WWF (Fundo pela Conservação da Natureza), a Hora do Planeta, convocou o mundo para um gesto simples em defesa do Planeta: apague as luzes por uma hora no dia 28 de março às 20:30. Realizada desde 2007, para alertar sobre o aquecimento global e pressionar os governos por compromissos efetivos para diminuição da emissão de gases do efeito estufa, pela primeira vez a Hora do Planeta aconteceu no Brasil, em Reuniu 88 países e mais de 4 mil cidades ao redor do globo, que "apagaram" monumentos como a Torre Eiffel, em Paris; a Torre Aucland Sky, na Nova Zelândia; a Ópera de Sydney, na Austrália; o templo Rizal Shrine, um dos principais monumentos de Manila nas Filipinas; a estátua Merlion, e as torres gêmeas Petronas, de Cingapura; o ninho do Pássaro, em Pequim. Não só as pirâmides, mas também o Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro, e o Centro Cultural Dragão do Mar, em Fortaleza, até a estátua do Padre Cícero, em Juazeiro, ficou às escuras. São Paulo, Brasília e Belo horizonte, e diversas outras cidades pelo Brasil, realizaram manifestações nas ruas à luz de velas. Em Moscou a estimativa é que mais de um milhão de pessoas desligaram as luzes. Na Espanha cerca de 15% da população, em torno de 7 milhões de pessoas. No Canadá a energia elétrica teve uma redução de consumo de cerca de 15%. Na África do Sul um concerto às escuras foi realizado cais Victoria & Albert Waterfront, levando o bispo, ganhador do premio Nobel da Paz, Desmond Tutu a afirmar que a Hora do Planeta foi um dos maiores movimentos sociais já vistos no mundo, segundo dados do Informativo online do WWF, Na internet, no sítio do WWF são citadas as inúmeras comunidades utilizadas para a mobilização no Orkut, no Twitter (com 1542 seguidores), no Flirck, e no Youtube (com exibições de vídeos sobre a Hora do Planeta ). A mensagem era clara: vote pelo Planeta. A idéia de um ciberativismo e o do exercício de uma cidadania planetária pelo meio ambiente foi difundida pela primeira vez de forma global, ao atingir a maior parte dos países do planeta. O uso de novas tecnologias foi fundamental para a mobilização. Apesar de no Brasil a ONG ter tido o apoio das mídias tradicionais, como a televisão, foi pela internet e pelos dispositivos móveis que o evento teve maior difusão e repercussão. A resposta da comunidade pode ser medida principalmente pelas visitas no sitio do WWF-Brasil no período da campanha, o aumento no mês de março foi de 250%, em relação ao mês anterior, atingindo visitas somente no dia 28 de março, sendo o terceiro sitio mais visitado do mundo, dentre os sitios do WWF, neste dia. O mais visitado foi o sitio da Rússia com pageviews, seguido pelo Reino Unido com visitantes, em quarto lugar a Espanha com visitas, seguido pelo Canadá com visitantes (OLIVEIRA, 2009). A mobilização de centenas de milhares de pessoas pelo ciberespaço, com a construção de comunidades no Twitter, Flirck e a exibição de vídeos no Youtube caracteriza o 7659

14 evento como uma mobilização que utilizou as novas tecnologias como principal ferramenta de divulgação e envolvimento, com a culminância num processo viral de comunicação, em que cada elo dissemina a mensagem aos seus amigos, criando uma verdadeira comunidade global contra o aquecimento global. No sitio eletrônico do WWF é possível encontrar a convocação para continuar a cibervotação por meio da participação nas comunidades criadas, inclusão de fotos, vídeos e mensagens: Essa é a primeira eleição que acontece simultaneamente no mundo inteiro. No páreo, estão o nosso planeta e o aquecimento global. Para quem você vai dar seu voto?" (WWF, 2009). O potencial de articulação do terceiro setor se traduziu na smart mob planetária Hora do Planeta, estabelecendo um canal de participação e colaboração da sociedade civil, sobre o terceiro setor, nos moldes do que afirma Dowbor: Se associarmos a expansão deste setor de atividades com as dinâmicas estruturais que sustentam o paradigma da colaboração visto acima urbanização e expansão do consumo coletivo; tecnologias de informação e conectividade social; expansão das políticas sociais que favorecem processos descentralizados e participativos e primazia da economia do conhecimento que privilegia intercâmbios concluímos que se trata não de um subprocesso menor do setor publico, mas do resgate, por parte das comunidades, de um mínimo de sentido na organização dos esforços sociais (2007,p 159). No dia 1 o de abril, uma notícia no sítio do WWF-Brasil afirmava: A participação dos brasileiros via internet foi fundamental para o sucesso da Hora do Planeta. Durante o ato simbólico, internautas de todo País enviaram mensagens via Twitter sobre sua participação no movimento. Além disso, fotos e vídeos se multiplicaram na web, confirmando a força deste gesto pelo planeta. Vários registros do apagar das luzes em diferentes pontos do Brasil foram publicados espontaneamente em sites como YouTube, Flickr e Orkut (WWF- Brasil,2009). No sitio do WWF Austrália, país que iniciou o movimento há três anos, é possível encontrar os seguintes dados que traduzem a forte participação planetária no evento: cidades em 88 países pelo globo participaram; 73 capitais nacionais participaram; 18 dos 20 países do G20 participaram; 9 entre as 10 mais populosas cidades do mundo participaram; Cobertura por 24 horas pelos meios de comunicação; 7660

15 O Vice Presidente dos Estados Unidos celebrou a Hora do Planeta com o Presidente do Chile Os marcos mundiais mais importantes da Terra ficaram escuros: as Pirâmides (Egito), Burj Al Arab hotel (Dubai), Torre Eiffel (França), Vaticano (Itália), Acrópoles (Grécia), Big Ben (Reino Unido), Las Vegas Strip and Empire State Building (EUA), Cristo Redentor (Brasil), Estádio Ninho do Pássaro(China) e as Torres Gêmeas de Petronas (Malasia). Durante a campanha de 2009 : Foram encontradas 87 milhões de menções a Hora do Planeta na web. ; A Hora do Planeta tem pelo menos 2.4 milhões de apoios de comunidades na internet; Durante as 24 horas que transcorreram a Hora do Planeta foram exibidas mais de 8,3 milhões de vezes os vídeos e imagens do evento; A Hora d Planeta foi mencionada 300 vezes por segundo na web; O vídeo A Hora do Planeta foi visto 10 vezes em cada segundo; A hora do Planeta foi o tópico mais mencionado no twitter no dia 28 de março. (WWF Australia, 2009) Estes dados traduzem a importância das novas tecnologias como possibilitadoras de um manifesto planetário e indutoras de mobilizações em tempo real. O uso da internet pelos movimentos sociais contemporâneos, como o ambientalismo e os movimentos de gênero, têm longa caminhada. Rheingold[6] (1993) no seu clássico Virtual Comunity (Comunidades Virtuais,1993) descreve com pormenores os avanços do uso dos computadores pelas organizações da sociedade civil e a formação das primeiras comunidades virtuais. O uso de correios eletrônicos, listas e comunidades ambientalistas têm conseguido superar as dificuldades financeiras, as barreiras acadêmicas na participação de congressos internacionais e sobretudo, difundido as mensagens ecológicas e popularizado termos científicos e técnicos. 8. Considerações finais É fato que o senso de comunidade urbana com referências de vizinhança e de centralidade da cidade tem perdido significado, principalmente em países como o Brasil, em que a violência e a falta de planejamento das cidades transforma o espaço público num verdadeiro caos. E este sim, um fator de isolamento e de esvaziamento dos espaços públicos. No entanto, as novas tecnologias, que de certa forma, contribuem também para o esvaziamento em alguns aspectos da vida urbana, tem criado novas 7661

16 formas de sociabilidade e engendrado comunidades virtuais capazes de interagir, fortalecer e articular movimentos com o uso das novas tecnologias. As novas tecnologias têm se afirmado como uma ferramenta de colaboração e transformação. O uso das novas tecnologias como ferramenta de interação e construção de comunidades tem servido, inclusive, para resignificar e incentivar a esfera pública, pois permite o exercício da cidadania interativa, das mobilizações com uso da informação em tempo real (smart mobs), engendrando uma ciberdemocracia planetária (como na Hora do Planeta), bem como fortalecendo a democracia local (smart mob na Espanha, 2004; smart mobs na China, 2005, Chile, em 2006, e Uganda, em 2006). O caso da Hora do Planeta ilustra esta nova possibilidade de manifestação, que teve como símbolos os marcos urbanos do Planeta (Cristo Redentor, Torre Eiffel, Ninho do Pássaro, Big Ben, entre outros), ensejou diversas manifestações de rua, propiciou uma interação planetária por uma causa global e iniciou verdadeiramente a cidadania planetária. O chamamento a votar, iniciado pela Organização Não Governamental WWF enseja uma nova perspectiva democrática e renova o paradigma do exercício da cidadania. Inaugura um forte movimento de solidariedade planetário e transgeracional. O movimento a Hora do Planeta só foi possível devido a articulação pela e na internet. Produziu um evento global que afirma os propósitos positivos e inovadores da cibercultura. Confirma a possibilidade de materializar as promessas da cibercultura em atos globais e locais em defesa da sustentabilidade planetária e do fortalecimento de uma cultura de colaboração mundial. O direito ao meio ambiente, à democracia e a vida digital, configuram os mais novos direitos, que alguns autores classificam como direitos a terceira, quarta e sétima dimensão de direitos (HOESCH, 2003), como forma didática de expor a historicidade dos direitos, ressaltando a necessária indivisibilidade dos direitos fundamentais. Os territórios e lugares não se tornam necessariamente não-lugares, ou lugares assépticos, mas dão vez a outros significados e ações, como se percebe nas flash mobs e smart mobs que se espalham por todo o globo, levando a novos usos dos espaços. 9. Bibliografia AUGE, Marc. Los no lugares. Espacio Del anonimato. Barcelona: Gedisa editorial CASTELLS, Manuel. A Galáxia da Internet reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., DOWBOR, Labislau. Democracia Econômica: um passeio pelas teorias. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, ESTADO DE SÃO PAULO. Caderno Tecnologia. São Paulo: Disponível em Acessado em 20 de abril de

17 GIDDENS, Anthony. Para além da esquerda e direita. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, GUERRA FILHO, Willis Santiago. Autopoiese do direito na sociedade pósmoderna. Porto Alegre: Livraria do Advogado, HOESCHL, Hugo César. A vida digital e os direitos da sétima dimensão. Disponível em: <http://www.digesto.net/ddigital/digital/panorama1.htm>. HOBSBAWN, Eric. A crise atual das ideologias. O mundo depois da queda. Rio de Janeiro: paz e Terra, 1995 KELSEN, Hans. Teoria Generale Del Derecho e dello Stato. 5 ed. Milão: Etas Libri, LEVY, Pierre. Ciberdemocracia. Lisboa: Editions Odile Jacob LEVY, Pierre. O que é virtual. Trad. São Paulo: Ed. 34, LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 31, LEMOS E VALENTIN, Cibercultura e infraestrutura de redes sem fio no Brasil. Acessado em em 29 deabril de 2009 LEMOS, André. Manifesto das Mídias Locativas. Disponível em : Acessado em 12 de maio de 2009 LEMOS, André (org). Cibercidade as cidades na cibercultura. Rio de Janeiro: E- papers, 2004 LEMOS e CUNHA (org.) Olhares sobre a Cibercultura. Porto Alegre: Sulina,2003. MARKOFF, JOHN. Folha de São Paulo. Caderno New York Times. São Paulo, segunda-feira, 11 de maio de 2009 O ESTADO DE SÃO PAULO. Caderno Cidades. São Paulo 2003 Disponível em acessado em 20 de abril de OLIVEIRA, Denise. Dados sobre a Hora do Planeta (mensagem eletrônica pessoal - ). Mensagem recebida por Geovana Cartaxo em 15 de abril de 2009 PAESANI, Liliana. Direito e Internet Liberdade de informação, privacidade e responsabilidade. 4 ed. São Paulo: Editora Atlas, 2008 VIRILIO, Paul. El cibermundo, la politica de lo peor. Madrid: Catedra,

18 VIRILIO, Paul. La vitesse e La viellesse, Disponível em RHEINGOLD, Howard. Virtual Comunity (1993). Acessado em em 20 de abril de RHEINGOLD, Howard. Smat Mobs. Perseus Publishing, SANTOS, Hermílio. Cibercidades e o exercício da cidadania interativa, In: LEMOS, A. (org). Cibercidade As cidades na cibercultura. Rio de Janeiro: e-papers, 2004 STEINBERG, Gustavo. Política em pedaços ou Política em bits. Brasília: Editora Universidade de Brasília, SCHIEK, Monica. Flash mobs e Smart mobs: uma análise do cenário das metrópoles contemporâneas Disponível em Acessado em 21 de abril de WWF Brasil, Disponível em WWF Austrália, Disponível em acessado em 14 de maio de ZUCKERMAN, Ethan, Mobile Phones and Social Activism. Disponível em [1] Pero, los no lugares reales de la sobremodernidad, los que tomamos cuando transitarnos por La autopista, hacemos las compras en el supermercado o esperamos en un aeropuerto el próximo vuelo para Londres o Marsella, tienen de particular que se definen también por las palabras o los textos que nos proponen: su modo de empleo, en suma, que se expresa según los casos de modo prescriptivo ("tomar el carril de la derecha"), prohibitivo ("prohibido fumar") o informativo ("usted entra en El Beaujolais") y que recurre tanto a ideogramas más o menos explícitos y codificados (los del código vial o los de las guías turísticas) como a la lengua natural. [2] La perte de l exo-centration territoriale développe et accroît l ego-centration comportementale de l homme, non seulement dans le vide, mais ici-bas, sur cette terre même, archétype de toute spatialité corporelle, arche perdue de l expérience du mouvement. La voilà bien la décentralisation, déconstruction non seulement de l aménagement du territoire ou de l architecture, mais de l environnement même de l expérience humaine. Égotisme suprême, égocentrisme plus puissant que tous les anthropocentrismes et les égocentrismes qui façonnèrent naguère l histoire et la géographie, et dont Copernic, Galilée, Kepler tentèrent vainement de nous délivrer (VIRILLIO, 1997, p.4). 7664

19 [3] The experience has to do with the way groups of people are using CMC to rediscover the power of cooperation, turning cooperation into a game, a way of life a merger of knowledge capital, social capital, and communion. The fact that we need computer networks to recapture the sense of cooperative spirit that so many people seemed to lose when we gained all this technology is a painful irony. (Virtual comunities, online, 1993) [4] Are virtual communities just computerized enclaves, intellectual ivory towers? The answer must lie in the real world, where people try to use the technology for the purpose of addressing social problems. Nonprofit organizations on the neighborhood, city, and regional levels, and nongovernmental organizations (NGOs) on the global level, can be seen as modern manifestations of what the enlightenment philosophers of democracy would have called "civil society." The ideal of building what one pioneer, Howard Frederick, calls a "global civil society" is one clear vision of a democratic use of CMC. Nonprofits and NGOs that use CMC effectively are concrete evidence of ways this technology can be used for humanitarian purposes. (Rheingold,1993) [5] [6] Environmental scientists and activists are dispersed throughout the world, generally don't have the money to travel to international conferences, and are compartmentalized into academic institutions and disciplines. The uses of electronic mailing lists and grassroots computer networks began to spread through the scientific and scholarly parts of the ecoactivist grapevine through the late 1980s. Just as virtual communities emerged in part as a means of fulfilling the hunger for community felt by symbolic analysts, the explosive growth in electronic mailing lists covering environmental subjects has served as a vehicle for informal multidisciplinary discussions among those who want to focus on real-world problems rather than on the borders between nations or academic departments. 7665

O MOVIMENTO ECOLÓGICO E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA PLANETÁRIA: ANÁLISE DA SMARTMOB A HORA DO PLANETA

O MOVIMENTO ECOLÓGICO E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA PLANETÁRIA: ANÁLISE DA SMARTMOB A HORA DO PLANETA O MOVIMENTO ECOLÓGICO E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA PLANETÁRIA: ANÁLISE DA SMARTMOB A HORA DO PLANETA Geovana Maria Cartaxo de Arruda Freire Resumo A cibercultura tem descortinado novas relações entre as

Leia mais

CIBERCIDADES. Um Modelo de Inteligência Coletiva. André Lemos Facom - UFBA

CIBERCIDADES. Um Modelo de Inteligência Coletiva. André Lemos Facom - UFBA CIBERCIDADES. Um Modelo de Inteligência Coletiva André Lemos Facom - UFBA Vivemos na cidade e sentimos sua transformação a cada dia. As novas tecnologias de comunicação e informação estão reconfigurando

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

Internet: A Rede Revolução

Internet: A Rede Revolução Internet: A Rede Revolução A era da informação. Nunca se teve tanto acesso às notícias como agora. Nunca se recebeu tantas informações e fatos mundiais como hoje. As notícias chegam até nós de forma rápida,

Leia mais

Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2

Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2 Moda e Internet: Uma reflexão sobre a ascensão dos blogs de moda no Ceará. Moema Mesquita da Silva Braga 1 Rafael Alves 2 Resumo: Com a ascensão das novas tecnologias muitos campos de saber estão aos poucos

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

Marketing digital NARCISO SANTAELLA

Marketing digital NARCISO SANTAELLA Marketing digital 1 Introdução As agências de publicidade recorrem ao marketing digital para conquistar o público que hoje tem na web uma das principais fontes de informação. Utilizar todos os recursos

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 Bruna Mayara de Lima Cibotto 2 ; Patrícia Marques da Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3. RESUMO: O presente

Leia mais

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis

Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Fórum de Informática Educativa- CEPIC NTM Cultura Digital e Educação: desafios contemporâneos para a aprendizagem escolar em tempos de dispositivos móveis Profª Drª Cíntia Inês Boll / Faced/UFRGS Rafaela

Leia mais

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas

Programa do Curso. Cultura da mobilidade e Educação: desvendando possibilidades pedagógicas UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I MESTRADO EM EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE LINHA DE PESQUISA: JOGOS ELETRÔNICOS E APRENDIZAGEM GRUPO DE PESQUISA: COMUNIDADES VIRTUAIS

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES

JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 01 06 JORNALISMO CULTURAL E CRÍTICA DE ARTE NA WEB. ANÁLISE DA PRODUÇÃO TEXTUAL E PARTICIPAÇÃO DO PÚBLICO EM SITES AGUIRRE, Alexandra 1 BASÍLIO,

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

Mova São Luís e a Experiência de um Movimento Social no Facebook 1

Mova São Luís e a Experiência de um Movimento Social no Facebook 1 Mova São Luís e a Experiência de um Movimento Social no Facebook 1 Ana Paula Pereira COELHO 2 Patrícia AZAMBUJA 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA RESUMO Este trabalho foi realizado a partir

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

O IMPACTO SOCIAL DA INTERNET

O IMPACTO SOCIAL DA INTERNET O IMPACTO SOCIAL DA Miguel Gomes da Costa Junior Rede de milhões de computadores de todo o mundo interligados por linhas telefônicas, fibra ótica e satélites. Poderosa fonte de informação e comunicação

Leia mais

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM

ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM ANÁLISE DA CONVERGÊNCIA NA RÁDIO SÃO FRANCISCO FM INTRODUÇÃO/DESENVOLVIMENTO Bruna Vieira de Oliveira Ricardo Rigaud Salmito 1 Esta pesquisa pretende analisar se a criação do site da rádio São Francisco

Leia mais

As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional

As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional Tiago Mainieri 1, Universidade Federal de Goiás Eva Ribeiro 2, Universidade Federal de Goiás Resumo: O artigo apresenta a comunicação organizacional

Leia mais

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação PASTORAL DIGITAL na ótica do Diretório de Comunicação Para a Igreja, o novo mundo do espaço cibernético é uma exortação à grande aventura do uso do seu potencial para proclamar a mensagem evangélica. Mensagem

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto 1333 USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto Discente do curso de Ciências Contábeis da UNOESTE.

Leia mais

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação

Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação Colóquio Internacional Democracia e interfaces digitais para a participação pública (Projeto) PPG-AU/UFBA Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo 1 Contexto e justificativa Odesenvolvimento

Leia mais

INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS)

INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS) INTERAÇÃO SOCIAL NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE (BVS) Joanita Barros 1, Juliana Sousa 2 1 Bibliotecária, Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME/OPAS/OMS),

Leia mais

O futuro do YouTube - VEJA.com

O futuro do YouTube - VEJA.com Entrevista O futuro do YouTube 29/08/2009 10:49 Por Leo Branco Nesta semana, Chad Hurley, de 32 anos, um dos criadores do YouTube, esteve no Brasil e falou a VEJA sobre o futuro do maior site de vídeos

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES

UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES Uma reflexão sobre a rede mundial de computadores 549 UMA REFLEXÃO SOBRE A REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES por Guilherme Paiva de Carvalho * CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet,

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1

Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1 Celular 3G como mídia: características da plataforma e condicionantes para a produção de conteúdo 1 Priscila Grison 2 Carlos Augusto Locatelli 3 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Resumo: Este

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB

TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB TRABALHOS TÉCNICOS Serviço de Documentação e Informação EDIÇÃO E GESTÃO DE CONTEÚDO PARA WEB Gestão do Conhecimento hoje tem se materializado muitas vezes na memória organizacional da empresa. O conteúdo

Leia mais

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia:

INTRODUÇÃO. Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: INTRODUÇÃO Desde que a imprensa surgiu, a comunicação se baseia na tecnologia: 1450 Imprensa de Gutemberg 1940 Primeiras transmissões na TV 1960 Internet começa a ser desenvolvida 1973 Primeira ligação

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

Governo 2.0. TerraForum. Inclusão, participação e inovação como estratégia. Dr. José Cláudio C. Terra. Junho 2009

Governo 2.0. TerraForum. Inclusão, participação e inovação como estratégia. Dr. José Cláudio C. Terra. Junho 2009 Governo 2.0 Inclusão, participação e inovação como estratégia Dr. José Cláudio C. Terra Junho 2009 TerraForum www.terraforum.com.br/governo Agenda Contexto e Tendências Governo 2.0 Objetivos Os 3 poderes

Leia mais

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA Paula Junqueira 7º CONGRESSO RIO DE EDUCAÇÃO CONSTRUINDO A SUA MARCA A marca é o ativo mais importante, independente do tamanho de sua empresa. As mídias sociais são

Leia mais

Empreendedorismo em rádio e os desafios da comunicação online

Empreendedorismo em rádio e os desafios da comunicação online 26º Congresso Brasileiro de Radiodifusão Empreendedorismo em rádio e os desafios da comunicação online @caiotulio_costa Brasília, 21 de junho de 2012 O Brasil tem 9.500 rádios 4.500 são comerciais A proposição

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

Panópticas: Elementos para uma Teoria da Cidadania Digital.

Panópticas: Elementos para uma Teoria da Cidadania Digital. Hackers, Monopólios e Instituições Panópticas: Elementos para uma Teoria da Cidadania Digital. Sergio Amadeu da Silveira Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero Camadasdeprotocolos AplicaçãoHTTP,SMTP,FTP,SSH,IRC,SNMP,NNTP,POP3,

Leia mais

ACTA: SIM AOS DIREITOS AUTORAIS E NÃO À LIBERDADE DE EXPRESSÃO

ACTA: SIM AOS DIREITOS AUTORAIS E NÃO À LIBERDADE DE EXPRESSÃO ACTA: SIM AOS DIREITOS AUTORAIS E NÃO À LIBERDADE DE EXPRESSÃO Resumo Bruna Caldeira Brant Diogenes Malaquias Sousa José Silvério Duraes Leonardo Ferreira Silva Luiz Melk de Carvalho Marcela Baccarini

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL IDEIAS QUE VÃO LONGE

REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL IDEIAS QUE VÃO LONGE REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL IDEIAS QUE VÃO LONGE A Associação Social Good Brasil, instituição sem fins lucrativos, com sede na Rua Deodoro, 226, Centro, Florianópolis SC, registrada no Registro Civil

Leia mais

CRI Centro de Referência em Inovação. CRI Nacional

CRI Centro de Referência em Inovação. CRI Nacional CRI Nacional Relatório: 10 de Dezembro de 2014 ABERTURA Professor Hugo Tadeu e Carlos Arruda O professor Hugo Tadeu, coordenador do Centro de Referência em Inovação Nacional, fez a abertura do encontro

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 PORTAL DO FÓRUM GOIANO DE EJA: INTERAÇÃO SOCIAL E EDUCAÇÃO EM AMBIENTE VIRTUAL Danielly Cardoso da Silva Karla Murielly Lôpo Leite Maria Emília de Castro Rodrigues O presente texto tem por objetivo apresentar

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: RELATÓRIO DA PESQUISA ONLINE NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: Hábitos de Navegação na Internet: será que nossos alunos e educadores navegam com segurança na Internet no Estado do Rio de Janeiro? REALIZAÇÃO:

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea

Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Comunicação em Rede e a Experiência Digital Contemporânea Carlos Alberto Messeder Pereira 1 A primeira ideia que deve ficar clara para que possamos entender a natureza da comunicação em rede e sua dinâmica

Leia mais

Um projeto social SET EXPERIMENTAL Idealização e direção: Giuliano Chiaradia. https://artmobileproject.com

Um projeto social SET EXPERIMENTAL Idealização e direção: Giuliano Chiaradia. https://artmobileproject.com Um projeto social SET EXPERIMENTAL Idealização e direção: Giuliano Chiaradia. https://artmobileproject.com Gostaríamos de apresentar um projeto inovador de inclusão e arte digital. ÍNDICE: 1. O projeto

Leia mais

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes

C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO. A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes C.P.F. DOS ENVOLVIDOS: 105111179-06 085997089-29 093745209-23 KRIO A integração entre a tecnologia e a comunicação para Jovens Aprendizes FLORIANÓPOLIS 2014 2 RESUMO: O projeto apresentado é resultado

Leia mais

O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE 1 INTRODUÇÃO

O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE 1 INTRODUÇÃO O ORKUT COMO FERRAMENTA INTERATIVA NO CONTEXTO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA: UMA EXPERIÊNCIA DA BIBLIOTECA CENTRAL DA UFPE Lílian Lima de Siqueira MELO Especialista em Gestão e Tecnologia da Informação

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

A quem se destina: empresas, ONGs e instituições, personalidades, lideranças, profissionais liberais, CEOs e executivos.

A quem se destina: empresas, ONGs e instituições, personalidades, lideranças, profissionais liberais, CEOs e executivos. 1 REPUTAÇÃO DIGITAL Na era da informação digital, sua reputação não é construída apenas e partir das informações que você disponibiliza. Blogueiros, ativistas, funcionários, clientes e outras pessoas participam

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

Considerações sobre a Galáxia da Internet: uma revisão da obra de Manuel Castells frente ao panorama atual da Internet

Considerações sobre a Galáxia da Internet: uma revisão da obra de Manuel Castells frente ao panorama atual da Internet Considerações sobre a Galáxia da Internet: uma revisão da obra de Manuel Castells frente ao panorama atual da Internet Maria Clara Aquino 1 O livro A Galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho

mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho mídia, psicologia e subjetividade I 2014-2 I egc I ufsc sílvio serafim marisa carvalho Sumário Conhecimento introdução EGC estudo Mídias conceito teoria Cibercultura processo Inovação mídias Temas seminários

Leia mais

Jornalismo móvel espaço de lugares e não-lugares e de novas práticas profissionais 1

Jornalismo móvel espaço de lugares e não-lugares e de novas práticas profissionais 1 Jornalismo móvel espaço de lugares e não-lugares e de novas práticas profissionais 1 Beatriz de Araújo Cavenaghi 2 Maria José Baldessar 3 Universidade Federal de Santa Catarina Resumo A partir da popularização

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

O flashmob como intervenção social e política 1. Marina DARCIE 1 Maria Cristina GOBBI 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

O flashmob como intervenção social e política 1. Marina DARCIE 1 Maria Cristina GOBBI 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP O flashmob como intervenção social e política 1 Marina DARCIE 1 Maria Cristina GOBBI 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO As tecnologias estão cada vez mais emaranhadas ao nosso cotidiano,

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS

O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS O USO DA INTERNET E SEUS EFEITOS SOBRE O PROCESSO DE SUBJETIVAÇÃO DE USUÁRIOS BRASILEIROS Lucas Germani Wendt; Leonardo Pestillo de Oliveira; Letícia Rossi RESUMO: O presente projeto terá por objetivo

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino As Redes Sociais Virtuais são grupos ou espaços específicos na Internet, que permitem partilhar dados e informações, sendo estas de caráter geral

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade

Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade Version 13 11 2007 Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade A inegável evolução das relações internacionais pode ser atribuída principalmente ao reconhecimento

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Construindo Comunidades Virtuais de Aprendizagem : TôLigado O Jornal Interativo da sua Escola Brasilina Passarelli Brasília 2004 Artigo publicado,

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS

Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS Marcele Bastos Consultora de comunicação mbastos.sa@gmail.com MÍDIAS SOCIAIS TEMAS o O que são mídias sociais (conceito, apresentação dos diversos canais das redes sociais, gestão dos canais) o Moda ou

Leia mais

- Reconhecer as redes que possibilitam a circulação de informações, mercadorias e pessoas.

- Reconhecer as redes que possibilitam a circulação de informações, mercadorias e pessoas. EIXO TEMÁTICO I: GEOGRAFIAS DO COTIDIANO Tema 1: Cotidiano de Convivência, Trabalho e Lazer Tópico 6: Redes e circulação Objetivos: - Reconhecer as redes que possibilitam a circulação de informações, mercadorias

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

MÍDIAS DIGITAIS Sociedade da Informação e Cultura Digital

MÍDIAS DIGITAIS Sociedade da Informação e Cultura Digital APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA CURSO: Pós-graduação em Mídias Digitais DISCIPLINA: PROFESSOR: Luiz di Marcello (luizdimarcello@gmail.com) CALENDÁRIO: 30/05/09; 06, 20 e 27/06/09; 04/07/09 HORÁRIO: 08:00h às

Leia mais

www.tratadodeeducacaoambiental.net jornadario20@gmail.com

www.tratadodeeducacaoambiental.net jornadario20@gmail.com www.tratadodeeducacaoambiental.net jornadario20@gmail.com Nós, educadoras e educadores dos mais diversos lugares do Planeta, neste momento em que o mundo novamente coloca em pauta as grandes questões que

Leia mais

Hora do Planeta 2009 Perguntas e Respostas. (Documento interno)

Hora do Planeta 2009 Perguntas e Respostas. (Documento interno) Hora do Planeta 2009 Perguntas e Respostas (Documento interno) Hora do Planeta 2009 Perguntas e Respostas O que é? A Hora do Planeta é um ato simbólico, promovido pela Rede WWF, no qual governos, empresas

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 PORTAL EDUCACIONAL COMO APOIO A UMA EDUCAÇÃO INOVADORA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Curitiba PR Maio 2010 Roberto F. Bentes SISTEMA FIEP SENAI roberto.bentes@fiepr.org.br Silvana Martinski SISTEMA FIEP

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

MARKETING DIGITAL E MÍDIAS SOCIAIS: EVOLUÇÃO E FUTURO

MARKETING DIGITAL E MÍDIAS SOCIAIS: EVOLUÇÃO E FUTURO MARKETING DIGITAL E MÍDIAS SOCIAIS: EVOLUÇÃO E FUTURO Prof. Paulo Henrique Leme Professor na Universidade Federal de Lavras e membro do Grupo de Estudos em Marketing e Comportamento do Consumidor (GECOM)

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

aberje 2010 Microsoft Brasil estréia no PR Digital e marca ponto positivo para sua comunicação institucional

aberje 2010 Microsoft Brasil estréia no PR Digital e marca ponto positivo para sua comunicação institucional aberje 2010 Microsoft Brasil ponto positivo para sua Introdução Fundada em 1989, a Microsoft Brasil possui 13 escritórios regionais em todo o País e gera localmente oportunidades diretas na área de tecnologia

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS E SEU PAPEL NA SOCIEDADE

A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS E SEU PAPEL NA SOCIEDADE A INFLUÊNCIA DAS REDES SOCIAIS E SEU PAPEL NA SOCIEDADE Arthur de Alvarenga Barros 1 Michelle Fernanda Alves do Carmo 2 Rafaela Luiza da Silva 3 RESUMO Com base nos textos disponibilizados pela disciplina

Leia mais

Projeto Cidade Inteligente e Sustentável Smart City Módulo 1 CIS APPs

Projeto Cidade Inteligente e Sustentável Smart City Módulo 1 CIS APPs Projeto Cidade Inteligente e Sustentável Smart City Módulo 1 CIS APPs Projeto Cidade Inteligente O que é O Projeto Cidade Inteligente e Sustentável - Smart City é uma ação focada no uso da tecnologia e

Leia mais

No Brasil 66,3 milhões de pessoas acessam a web, e 36,9 milhões são tidos como ativos diariamente na rede (IBOPE).

No Brasil 66,3 milhões de pessoas acessam a web, e 36,9 milhões são tidos como ativos diariamente na rede (IBOPE). Índice: - Apresentação; - Introdução; - @BohnGass na Rede; - Como você pode participar na campanha digital @Bohn- Gass; 1. Aderindo às campanhas digitais do @BohnGass: 2. Sendo pró-ativo dialogando e apresentando

Leia mais

Aprender e Ensinar em 140 Caracteres- Comunicação em Rede: formação na cibercultura. Resumo

Aprender e Ensinar em 140 Caracteres- Comunicação em Rede: formação na cibercultura. Resumo Aprender e Ensinar em 140 Caracteres- Comunicação em Rede: formação na cibercultura Rosemary dos Santos PROPED-UERJ rose.brisaerc@gmail.com Felipe Silva Ponte PROPED-UERJ felipesilvaponte@yahoo.com.br

Leia mais

Prefácio. Eliane Schlemmer

Prefácio. Eliane Schlemmer Prefácio Eliane Schlemmer SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SCHLEMMER, E. Prefácio. In: PORTO, C., and SANTOS, E., orgs. Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar [online]. Campina

Leia mais

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1

RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 RESENHA A INTERNET À LUZ DO DIREITO CONSTITUCIONAL E CIVIL 1 Fabiana Rikils 2 Elói Martins Senhoras 3 A internet tem produzido uma crescente transformação fática na sociedade global que repercute em diferentes

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ANTÔNIO TAVARES PEREIRA ROMILSON BARSANULFO DA SILVA A IMPORTÂNCIA DAS REDES SOCIAIS PARA A COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA

FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA FRANCISCO JOSÉ PAOLIELLO PIMENTA Figura 1 - Francisco Paoliello Pimenta, professor na Universidade Federal de Juiz de Fora acervo pessoal de Francisco Paoliello Pimenta Não há separação entre o conhecimento

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais