DIASPORA. AS DINÂMICAS DA MOBILIDADE HAITIANA NO BRASIL, NO SURINAME E NA GUIANA FRANCESA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIASPORA. AS DINÂMICAS DA MOBILIDADE HAITIANA NO BRASIL, NO SURINAME E NA GUIANA FRANCESA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MUSEU NACIONAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL DIASPORA. AS DINÂMICAS DA MOBILIDADE HAITIANA NO BRASIL, NO SURINAME E NA GUIANA FRANCESA Joseph Handerson Rio de Janeiro Fevereiro de

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MUSEU NACIONAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL DIASPORA. AS DINÂMICAS DA MOBILIDADE HAITIANA NO BRASIL, NO SURINAME E NA GUIANA FRANCESA Joseph Handerson Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Doutor em Antropologia Social. Orientador: Dr. Federico Guillermo Neiburg Rio de Janeiro Fevereiro de

3 DIASPORA. AS DINÂMICAS DA MOBILIDADE HAITIANA NO BRASIL, NO SURINAME E NA GUIANA FRANCESA Joseph Handerson Orientador: Dr. Federico Guillermo Neiburg Tese de Doutorado submetida ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Doutor em Antropologia Social. Aprovada por: Prof. Dr. Federico Guillermo Neiburg (Orientador) PPGAS/Museu Nacional/UFRJ Profª. Drª. Giralda Seyferth PPGAS/Museu Nacional/UFRJ Profª. Drª. Olívia Maria Gomes da Cunha PPGAS/Museu Nacional/UFRJ Prof. Dr. Omar Ribeiro Thomaz PPGAS/IFCH/Unicamp Prof. Dr. Sidney Antonio da Silva PPGAS/UFAM Prof. Dr. Fernando Rabossi (Suplente) PPGSA/IFCS/UFRJ Prof. Dr. John Cunha Comerford (Suplente) PPGAS/Museu Nacional/UFRJ Rio de Janeiro Fevereiro de

4 Handerson, Joseph Diaspora. As dinâmicas da mobilidade haitiana no Brasil, no Suriname e na Guiana Francesa/Joseph Handerson. Rio de Janeiro: UFRJ/Museu Nacional, f.: il.; 31 cm. Orientador: Federico Guillermo Neiburg Tese (doutorado) UFRJ/Museu Nacional/Programa de Pós- Graduação em Antropologia Social, Referência Bibligráficas: f Diaspora. 2. Mobilidade haitiana. 3. Brasil. 4. Guiana Francesa. 5. Suriname. I. Neiburg, Federico (Orient.) II. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. III. Título. 3

5 Dedico esta tese aos haitianos e às haitianas, à Marie Flore Joseph (in memoriam) e à Francine Pinto da Silva Joseph 4

6 AGRADECIMENTOS Ao meu orientador Federico Neiburg, agradeço, antes de mais nada, pelo apoio e exemplo de ser humano. Também pelas orientações e rigorosas críticas, pois ensinou-me a ser ainda mais exigente com o trabalho acadêmico. Devo muito a ele a minha formação antropológica e a oportunidade que tive de fazer um trabalho de campo multissituado em vários países (Brasil, Guiana Francesa, Suriname e Haiti). Sinto-me privilegiado pelas orientações recebidas. Aos professores Giralda Seyferth, Olívia Maria Gomes da Cunha, Omar Ribeiro Thomaz, Sidney Antônio da Silva, por terem aceito o convite para participar na banca de defesa. Aos membros da minha banca de qualificação Giralda Seyferth e John Comerford, pelos comentários e sugestões que enriqueceram o trabalho. A todos os professores, do Museu Nacional de quem fui aluno no doutorado, e com quem tanto aprendi: Moacir Palmeira, Luiz Fernando Duarte, Giralda Seyferth, João Pacheco de Oliveira, Antônio Carlos de Souza Lima e Federico Neiburg; e os de outros programas: Mariza Peirano, Priscila Faulhaber, Fernando Rabossi e Benoit De L Estoile. Ao meu co-orientador Benoit De L Estoile do doutorado sanduiche na École Normale Supérieure (ENS) e École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) em Paris, pelos comentários e sugestões valiosas que enriqueceram este trabalho. A todos os professores, da ENS, do Institut de Recherche Interdisciplinaire sur les Enjeux Sociaux (IRIS) da EHESS em Paris, ao assistir a seus cursos estimulantes, Benoît de L Estoile, Alban Bensa, Florence Weber, Michel Agier, 5

7 Michel Peraldi, Benoît Trépied, Éric Wittersheim, Marie Salaün e Natacha Muchnik. Aos membros do Núcleo de Pesquisas em Cultura e Economia (NUCEC) do PPGAS/MN/UFRJ, em especial a Eugênia Motta e Gustavo Onto pelas contribuições a este trabalho; Pedro Braum, Jean Sergo e Jonhy Fontaine pela parceria na pesquisa coletiva no Haiti; Flávia Dalmaso, Felipe Evangelista, Natacha Nicaise, Ana Fiod, Uliana Esteves, Mélanie Montinard e Rosa Vieira pelas conversas. Aos membros do Laboratório de Antropologia e História (LAH), especialmente profª Olívia da Cunha, pelos comentários e pelos questionamentos instigantes em reuniões em relação à minha pesquisa. Também, aos demais integrantes do LAH, com quem discuti a pesquisa em encontros e seminários, Marcelo Moura, Alline Torres, Rogério Brittes, Thiago Niemeyer, Carlos Gomes e Mariana Renou. A todos os meus colegas do doutorado, destaco em especial a Guilherme Figueiredo, Marcos Carvalho, Clark Mangabeira, Katiane Silva, Manuela Cordeiro, Ângela Facundo e Pablo Barbosa, pelo companheirismo. Ao meu amigo Alain Pascal Kaly, agradeço pelas leituras críticas ao trabalho e, também pela acolhida nas minhas idas ao Rio de Janeiro. A todos os pesquisadores com quem partilhei os resultados da pesquisa em reuniões e encontros, por fazerem comentários e críticas que contribuíram para qualificar o trabalho, especialmente, Laurence Fontaine, Louis Herns Marcelin, Amélie Grysole e Clémence Léobal. Aos membros do laboratório Migrations Internationales, Espaces et Sociétés (MIGRINTER) da Université de Poitiers (França), em nome do diretor Cédric Audebert, agradeço a todos seus integrantes pela acolhida, pelos acervos disponibilizados, muito contribuíram para eu aprofundasse os meus estudos sobre as questões migratórias. 6

8 Aos professores do seminário Diasporas, migrations et religions da Université Toulouse 2 Le Mirail, particularmente Chantal Bordes-Benayoun, pela oportunidade de apresentar a minha pesquisa, agradeço pelos comentários valiosos. Ao diretor, Jhon Picard Byron, do departamento de Antropologia e Sociologia da Faculté d Ethnologie da Université d État d Haiti (UEH), pela oportunidade de apresentar a minha pesquisa nessa instituição, agradeço a ele e aos participantes pelos comentários e sugestões. À professora Eny Fetter Zambrano, por ter-me acompanhado do início da graduação até esta etapa de formação, pelas correções de português e pelo carinho. Também agradeço à professora Maria Lauzada pela revisão do português. Aos membros da secretaria do departamento de Sociologia e Antropologia da École Normale Supérieure (ENS) e os representantes discentes dessa instituição pela acolhida durante a estada em Paris para o doutorado sanduíche na Formation Doctorale Sciences de la Société, vinculada à École doctorale 286 da EHESS e da ENS. À Capes-Cofecub (França), agradeço a bolsa de estudo do doutorado sanduiche no quadro do Projeto Formas de governo e práticas econômicas ordinárias, coordenado pelo professor Federico Neiburg (no Brasil) e Benoît De L Estoile (na França). Ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) do Museu Nacional/UFRJ e ao NUCEC, agradeço pelos recursos econômicos e apoios para realizar a pesquisa nos diferentes lugares, bem como para apresentála em alguns seminários no Brasil e no exterior. Aos membros da secretaria do PPGAS do Museu Nacional/UFRJ, especialmente Adriana Valcarce, Anderson Simões e Alfonso Santora e da biblioteca, Fernanda Ribeiro e Carla de Freitas, pela atenção e dedicação. 7

9 Aos membros da Associação dos Haitianos no Brasil (AIHB), especialmente Wildrique, Seide, Berny, Augustin e Laguerre que foram grandes parceiros no meu engajamento em campo. Aos meus interlocutores haitianos bem informados, especialmente a Wilson, Evens e Jerome, que me ajudaram no desenvolvimento da pesquisa, pelos contatos valiosos, pela locomoção colocada à minha disposição para me deslocar na Guiana Francesa e em Fonds-des-Nègres, a minha gratidão. Ao professor Osmar Schaefer, pela amizade, por partilhar comigo os difíceis desafios iniciais e guiar, cuidadosa e pacientemente, meus primeiros passos nessa empreitada acadêmica desde a minha chegada ao Brasil em fevereiro de Foi uma das pessoas que me incentivou a estudar Antropologia. Aos professores Normélia Parise, Kátia Cilene do Couto e Jorge Eremites, pelo apoio constante e pelos comentários ao meu trabalho. À Pastoral da Mobilidade Humana em Tabatinga, especialmente Irmã Patrizia Licandro; Irmã Santina Perin e Graça Nascimento da Pastoral da Migração em Manaus e Irmã Rosita Milesi do Instituto de Migrações e Direitos Humanos (IMDH) em Brasília, pela gentileza e generosidade com que cederam dados e documentos sobre os haitianos chegados ao Brasil, bem como à migração no Brasil. Aos amigos que me acolheram nas minhas idas e vindas ao Rio de Janeiro durante o período de doutorado: Cauê Machado, Evandro Bonfim, Marcos Carvalho, Rafael Bispo, Ângela Facundo, Luiz Álvarez, Marcelo Moura, Marcela Franzen, Guilherme Heurich, Luiz Felipe Benites, Simone Silva, Beatriz Vergara e Ludger Jean Louis. Ao Nicolas Victorino e sua mãe que me acolheram em Letícia (Colômbia) por ocasião da pesquisa de campo na Tríplice Fronteira. À Francine, pelo amor, pelo incentivo aos estudos, pelo companheirismo durante os trabalhos de campo. Agradeço pelas incansáveis vezes em que teve de me ouvir falando de diaspora e peyi blan. Também, agradeço pelos comentários e pelas sugestões durante o trabalho de campo e a escrita. 8

10 À família Pinto da Silva que me acolheu no Brasil com muito carinho, a quem me dirijo agora, sem vocês Paulo, Marília e Paula não seria possível realizar esse trabalho. À minha família no Haiti: Brunette Dangervil; na Guiana Francesa e na França: Patrick Dangervil, Marius Dangervil, Minouche e Chavanne, que me acolheram e ajudaram a instalar-me nesses lugares para realizar a pesquisa e o doutorado sanduíche. Também, agradeço Anne e Benita pela acolhida em Paris. À minha mãe Marie Flore (in memoriam) que desde eu criança se preocupou em me proporcionar a melhor formação educacional possível. À minha avó Élucie Joseph (in memoriam) que me incentivava aos estudos desde a minha infância, proporcionando-me os materiais escolares. À minha bisavó Jeanne (in memoriam) que sempre me protegeu. E também, meu pai Castro, meu tio Arnold (in memoriam), meus irmãos Sheudia, Casselande e Christopher e sobrinhas, agradeço-lhes pelo apoio mesmo à longa distância. Finalmente, a todos aqueles que contribuíram, de alguma forma, para que esse trabalho fosse realizado, minha gratidão eterna. 9

11 RESUMO Diaspora. As dinâmicas da mobilidade haitiana no Brasil, no Suriname e na Guiana Francesa Joseph Handerson Orientador: Dr. Federico Guillermo Neiburg Esta tese analisa as experiências de mobilidade dos haitianos no Brasil, que abarca, em alguns casos, o Suriname e a Guiana Francesa. A pesquisa articulase a partir de três dimensões: 1) as lógicas e os circuitos das mobilidades haitianas; 2) as lógicas das casas e das configurações de casas das quais as pessoas em mobilidade e imobilidade fazem parte; 3) os sentidos do termo diaspora (e o campo semântico que ele delineia), a partir da perspectiva dos sujeitos estudados, ponto central para compreender os sentidos sociais da mobilidade no espaço (trans)nacional haitiano, qualificando pessoas, objetos, casas, dinheiro e ações. O foco é o contingente de haitianos vindos ao Brasil pela Tríplice Fronteira Brasil, Colômbia e Peru, de 2010 a 2013 e os que foram para o Suriname e a Guiana Francesa neste mesmo período. A pesquisa etnográfica articula-se a partir da Tríplice Fronteira, mas desenvolve-se também em Manaus, na Guiana Francesa, no Suriname e no Haiti. Palavras-chave: Diaspora, mobilidade haitiana, Brasil, Suriname e Guiana Francesa. 10

12 REZIME Diaspora. As dinâmicas da mobilidade haitiana no Brasil, no Suriname e na Guiana Francesa Joseph Handerson Orientador: Dr. Federico Guillermo Neiburg Tèz sa a analize eksperyans mobilite ayisyèn yo nan peyi Brezil epi nan kèk ka tou, nan Sirinam ak Lagiyan fransè. Rechèch la gen twa dimansyon: 1) lojik ak sikui mobilite ayisyèn yo; 2) lojik kay ak konfigirasyon kay, moun ki pati aletranje ak sila ki rete Ayiti yo fè pati; 3) sans mo dyaspora a (ak chan semantik li esplike a), nan lide moun ki fè pati etid la. Sa a, se yon pwen enpòtan pou konprann siyifikasyon sosyal mobilite a nan espas (trans)nasyonal ayisyen. Yo itilize mo dyaspora a pou dekri moun, objè, kay, lajan ak aksyon. Etid lan konsantre l sou ayisyen ki vini Brezil epi ki pase nan trip fwontyèr Brezil, Kolombi ak Perou, ant lane 2010 a 2013, ak sila yo k ale Sirinam ak Lagiyan fransè nan menm epòk sa a. Rechèch ètnografi a kòmanse nan trip fwontyèr la, men li devlope tou, etan Manaus, Lagiyan, Sirinam ak Ayiti. Mo kle: Dyaspora, mobilite ayisièn, Brezil, Sirinam ak Lagiyan fransè. 11

13 RÉSUMÉ Diaspora. As dinâmicas da mobilidade haitiana no Brasil, no Suriname e na Guiana Francesa Joseph Handerson Orientador: Dr. Federico Guillermo Neiburg Cette thèse porte sur les expériences de mobilité des Haïtiens au Brésil, et comprend ainsi le Suriname et la Guyane française. La recherche comporte trois dimentions: 1) la logique et les circuits de la mobilité haïtienne, 2) la logique des maisons et la configuration de maisons auxquelles les personnes en mobilité et immobilité font parties; 3) les sens du terme diaspora (et le champ sémantique qu il décrit), du point de vue des sujets étudiés, centrale pour comprendre les significations sociales de la mobilité dans l espace (trans)nationale haïtien, pour décrire les personnes, objets, maisons, monnaies et les actions. L accent tombe sur les Haïtiens venus au Brésil par la triple frontière (Brésil, Colombie et Pérou), de 2010 à 2013, et ceux qui sont allés au Suriname et en Guyane française durant la même période. La recherche ethnographique est articulé a partir de la triple frontière, mais elle se développe également à Manaus, en Guyane française, au Suriname et en Haïti. Mots-clés: Diaspora, mobilité haïtien, Brésil, Suriname et Guyane française. 12

14 ABSTRACT Diaspora. As dinâmicas da mobilidade haitiana no Brasil, no Suriname e na Guiana Francesa Joseph Handerson Orientador: Dr. Federico Guillermo Neiburg This thesis analyzes Haitians mobility experiences in Brazil, which includes, in some cases, Suriname and French Guyana. The research is arranged in three dimensions: 1) the logic and circuits of Haitian mobilities; 2) the logic of houses and house configurations in which people in mobility and immobility are part of; 3) the meanings of the term diaspora (and the semantic field constitutes), from the perspective of the subjects studied, which is central to understand the social meanings of mobility in the (trans)national Haitian space, qualifying people, objects, houses, money and actions. The focus is the contingent of Haitians coming to Brazil through the Triple Border Brazil, Colombia and Peru, from 2010 to 2013 and those who went to Suriname and French Guiana in the same period. The ethnographic research is developed from the Triple Frontier, but it also continued in Manaus, French Guyana, Suriname and Haiti. Key-words: Diaspora, Haitian mobility, Brazil, Suriname and French Guyana. 13

15 SUMÁRIO Lista dos mapas, figuras e liustrações...16 Lista de siglas e abreviaturas...18 Epígrafe...20 Notas e Convenções do texto...21 Glossário...23 Introdução...30 Gênese...30 Questões da pesquisa...36 Caminhos da investigação...45 Múltiplos engajamentos...58 Historicidade da mobilidade haitiana...67 Estrutura da tese...74 Parte 1: Brasil 1.Mobilidade haitiana na Tríplice Fronteira Brasil, Colômbia e Peru Se soubesse que aqui era assim, não teria vindo Chegada à Tabatinga Brasil está aberto As pessoas viajam com que? Kongo e vyewo Onde estavam e quem eram os haitianos na Tríplice Fronteira? Casa do Padre Associativismo Chèche lavi, detrui lavi Mobilidade haitiana em Manaus Da Tríplice Fronteira à Manaus: Experiências e trajetórias Ser preto = ser haitiano? Onde estavam os haitianos em Manaus? Casa das grávidas e trabalho Redes da mobilidade Mobilidade e família Mobilidade e práticas governamentais

16 Parte 2: Guiana Francesa e Suriname 3. Lógicas e circuitos: Guiana Francesa e Suriname Tenho alguém que me protege, mesmo estando no meio do mar Existe um movimento para Equador Uma vida de depòte Papéis e documentos Onde estavam os haitianos na Guiana Francesa? Historicidade haitiana na Guiana Francesa Os haitianos no Suriname Paramaribo A travessia Suriname e Guiana Francesa Parti, deixei o Haiti, mas o Haiti nunca me deixa Associações haitianas e Rádio Mosaïques Diferenças entre gerações Baz Parte 3: Haiti 4. Casa diaspora, diaspora da casa A questão da casa Fond-des-Nègres Jinette e casa diaspora Fanfan e casa local Casas diaspora e configurações de casas Sentidos sociais da diaspora Meu sonho é ser diaspora Sentidos analíticos e políticos do termo diaspora Diaspora, como você vai? Viajar e partir Está fazendo coisas de diaspora Peyi blan e diaspora Considerações finais Referências Anexos Anexo I: Resolução 97/ Anexo II: Resolução 102/ Anexo III: Quantidade de haitianos que chegaram à Tabatinga Anexo IV: Os dados dos migrantes que chegaram ao Brasil em Anexo V: Legendas dos desenhos

17 LISTA DOS MAPAS, FIGURAS E ILUSTRAÇÕES Foto1: Haitianos indo em direção ao porto de Tabatinga...30 Fig 1: Diaspora haitiana espalhada pelo mundo...42 Mapa 1: Localização do trabalho de campo...55 Mapa 2: Localização do trabalho de campo na Tríplice Fronteira...55 Mapa 3: Localização do trabalho de campo em Fonds-des-Nègres e Pemerle...56 Foto 2: Os haitianos atravessam de balsa...82 Mapa 4: As flechas indicam os circuitos da mobilidade haitiana...92 Foto 3: Haitianos na frente da agência telefônica e de câmbio Foto 4: Haitianos (em Santa Rosa) ligam para familiares no Haiti Foto 5: Eu e a equipe preparando o almoço kay pè a Foto 6: As mulheres preparam o almoço Foto 7: Os haitianos formando fila, aguardando o horário do almoço Foto 8: Membros do Comitê dos haitianos Foto 9: Marcha realizada pelos haitianos Foto 10: Eu, coordenando a Assembleia Geral de fundação da AIHB Foto 11: 300 haitianos viajam de barco de Tabatinga à Manaus Foto 12: Haitianos formam fila para embarcar rumo à Manaus Foto 13: Haitianos frente ao salão paroquial de São Geraldo em Manaus Foto 14: Quarto com os beliches na casa das grávidas, Kay fanm ansent Mapa 5: Percursos da mobilidade haitiana pela Argentina Foto 15: Antiga casa do blan Lili desocupada e as ruinas da usina Foto 16: Augustin Foto 17: Constant frente à sua casa que ele mesmo construiu Fig 2: A família de Constant do primeiro casamento Fig 3: A família de Constant do segundo casamento Foto 18: Haitianos chegam à SBBS de manhã cedo para trabalhar Foto 19: Eu e uma comerciante haitiana no mercado de Paramaribo Foto 20: Rádio Mosaïques

18 Foto 21: Uma kay diaspora (casa diaspora) Foto 22: Uma kay lokal (casa local) Foto 23: Twalèt (banheiro) e Latrin (latrina) Foto 24: Twalèt ijienik (banheiro higiênico) da kay diaspora Foto 25: Mercado de Fonds-des-Nègres Foto 26: Caminhão leva produtos para o mercado de Fonds-des-Nègres Foto 27: Comerciante leva mercadorias em cima do burro Foto 28: Comerciantes transportam mercadorias no tap-tap Fig 4: A família de Jinette em Foto 29: A casa diaspora da irmã Altamère Foto 30: Jinette e sua casa Foto 31: Casa diaspora de Altamère residente em Paris Fig 5: Lakou de Jinette e as casas Foto 32: Jinette sentada na galeri da kay diaspora de Altamère Foto 33: Kwuizin da kay diaspora de Altamère Foto 34: Jinette com a mão em cima do basin Foto 35: Pomp dlo em Fonds-des-Nègres Foto 36: A sala da kay diaspora Fig 6: A família de Fanfan em Fig 7: A família de Gislène em Foto 37: O quarto de Fanfan, preparação das malas para a viagem Fig 8: Lakou e casa de Fanfan Foto 38: Gislène na frente da casa de Fanfan Foto 39: A casa de Fanfan, a principal a direita Foto 40: Fanfan no salon e sal a manje da gwo kay Foto 41: Kwuizin da kay lokal de Jinette Foto 42: Jerome na frente da casa do seu primo Foto 43: O corredor que divide pelo meio as peças do segundo andar Fig 9: Configurações de casas Foto 44: Uma propaganda de serviços oferecidos por haitianos

19 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ACNUR: Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados Brasil ADCHF: Association pour le Développement de la Culture Haïtienne et de la Formation Guiana ADCJCA: Association pour le Développement Communautaire de la Jeunesse Colinoise Guiana AIDE: Association pour l Insertion le Dévelopement et l Éducation Guiana AIHB: Associação dos Imigrantes Haitianos no Brasil ASFMF: Association de Soutien aux Familles des Malades et de Formations Guiana ATA: Allocation Temporaire França BID: Banco Interamericano de Desenvolvimento CCF: Cour de Cassation Français França CEP: Conseil Électoral Provisoire Haiti CETAM: Centro de Educação Tecnológica do Amazonas Brasil CIRH: Comité International pour la Reconstruction Haiti CNBB: Conferência Nacional dos Bispos de Brasil CNDA: Cour Nationale du Droit d Asile França CNIg: Conselho Nacional de Imigração Brasil CONARE: Comitê Nacional para os Refugiados Brasil CPF: Código de Pessoa Física Brasil CRA: Centre de Rétention Administrative França FOMIN: Fundo Multilateral de Investimento IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Brasil IHSI: Institut Haïtien de Statistique et d Informatique Haiti INSEE: Institut National de la Statistique et des Études França INSS: Instituto Nacional de Seguro Social Brasil 18

20 IRD: Institut de Recherche pour le Développement França MHAVE: Ministère des Haïtiens Vivant à L Étranger Haiti MINUSTAH: Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti MJNI: Ministério de Justiça e Negócios Interiores Brasil MSF: Médicos Sem Fronteira Brasil MTE: Ministério do Trabalho e Emprego Brasil OFII: Office Français de L Immigration et de l Integrátion França OFPRA: Office Français de Protection des Réfugiés et Apatrides França OHS: Organisation des Haïtiens au Suriname OQTF: Obligation à Quitter le Territoire Français França ONU: Organização das Nações Unidas PAF: Police Administrative Frontalière França PIB: Produto Interno Bruto PF: Polícia Federal Brasil PNUD: Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento RNDP: Rassemblement des Démocrates Progressistes Haiti SBBS: Stichting Behoud Bananen Sector Suriname UEA: Universidade Estadual do Amazonas Brasil UFAM: Universidade Federal do Amazonas Brasil 19

21 Epígrafe Essa música é titulada Lembrança do Haiti. Othello Bayard ( ), músico e violista haitiano, é o compositor da letra e da melodia desses acordes que soam no coração e na memória coletiva do povo haitiano. Não é o hino nacional do país, mas geralmente, é utilizado como um hino para expressar o patriotismo, o amor pela Perla das Antilhas, como era apelidado o Haiti no século XIX e XX. A letra da música está traduzida em inglês e francês, aqui aproveito para traduzir duas estrofes em português. Haïti chérie ou Ayiti cheri ou encore Souvni Dayiti Haiti querido ou Ayiti querido ou ainda Lembrança do Haiti 1º Estofre Haiti querido, melhor país do que você não há. Precisei tê-lo deixado para compreender seu valor, Precisei lhe sentir a falta para poder apreciá-lo, Sentir realmente tudo o que representava para mim. Tem bom sol, bom rio e boa bebida, Debaixo de árvore, há sempre boa sombra, Há bom vento que nos refresca, Haiti Thomas, você é um país que me é caro. 2º estofre Quando está no peyi blan, há um frio ruim que nunca é agradável, E durante o dia, é obrigado a ter medo de queimar carvão Não pode ver a claridade, enquanto o céu fica nublado. Durante seis meses, todas as árvores não possuem nenhuma folha. No meu país, existe sol para aquecer. Durante o ano, toda árvore tem medo de dar sombra, Boa brisa de mar está sempre soprando nas nossas praias. Haiti Thomas, você é um país que me é caro. 20

22 NOTAS E CONVENÇÕES DO TEXTO 1) Todas as fotos identificadas como crédito meu são do autor do trabalho. 2) Os mapas foram retirados do google maps, mas o trabalho de edição foi realizado pelo autor do trabalho. 3) A tradução das citações em línguas estrangeiras (francês, inglês, espanhol e créole) é do autor do trabalho. 4) Os nomes das pessoas são fictícios, à exceção daqueles de pessoas públicas como agentes religiosos, políticos e dos presentes em textos públicos. 5) Os nomes dos lugares nos quais foi realizada a pesquisa e dos outros citados no texto são todos verídicos. 6) A palavra diaspora está em itálico e sem acento para realçar seu uso em créole entre os haitianos, língua oficial do Haiti junto com o francês, assim como aquela com y, dyaspora. Também o termo com acento e sem itálico (diáspora) destaca o seu sentido analítico. Uso o termo diaspora sem o artigo a, alarga o seu uso: além da referência à pessoa enquanto sujeito, também como adjetivo, qualificando pessoas, objetos, casas, dinheiro e ações. A palavra é utilizada no singular e não no plural: diaspora em vez de diasporas visto, no universo haitiano, particularmente na língua créole, ela não possuir s no final. 7) No texto encontram-se algumas palavras escritas na língua original créole para dar ênfase ao uso e significado nativo, por exemplo: pati (partir), vwayaje (viajar). 8) No glossário, são traduzidos os sentidos das palavras em créole utilizadas no texto. 9) Para algumas expressões nativas, colocou-se a tradução literal, além da tradução equivalente em português. Por exemplo: lòt bò dlo significa 21

23 literalmente do outro lado da água, mas em português seria além-do-mar, referindo-se ao exterior, ao país estrangeiro. 10) Algumas expressões ou palavras nativas estão entre aspas para dar ênfase aos termos ou problematizá-los, quando seus significados e sentidos são polêmicos. 11) Nas citações bibliográficas, palavras ou expressões em itálico ou sublinhadas são reproduzidas tais como no texto original. 12)Termos ou expressões criadas pelo autor são utilizadas em itálico ou entre aspas duplas, por exemplo, mundo da diaspora. 13) Nenhuma palavra em créole possui s no final, visto que, nessa língua, as palavras não possuem s no plural, mas sim yo, antes ou depois delas. Por exemplo, em creole se fala no plural diaspora yo, mas não diasporas. 14) As expressões e frases mais curtas enunciadas pelos sujeitos da pesquisa são conservadas na língua original créole, além das traduções em português entre parênteses ou vice-versa. 15) Alguns termos são deixados na língua original, com as definições nativas sem a tradução em português, porque não possuem palavras equivalentes. São polissêmicos, utilizados em vários contextos e com vários significados, por exemplo, raketè, blan, baz, kongo, vyewo e peyi blan. 16) Colocam-se em anexo as legendas dos desenhos das genealogias utilizadas neste trabalho. 17) As citações recuadas à direita, com a letra em tamanho menor, com mais de três linhas, sem aspas, são bibliográficas ou falas dos interlocutores do autor do estudo. 22

24 GLOSSÁRIO Andeyò ou endehors: Literalmente fora de, sendo aquilo que está à margem. No entanto, o uso prático refere-se aos lugares do campo, às regiões do interior do país. Quando uma pessoa diz que fulano ap viv andeyò, significa: Fulano vive ou reside no campo, no interior, nas zonas rurais. Quando diz: Sicrano se moun andeyò, significa: Sicrano é uma pessoa do campo, do interior. Ajans: A palavra se refere às agências de viagem ou às pessoas que trabalham nelas. O termo pode ser também sinônimo de raketè; nesse sentido, ajans é aquele que organiza viagem clandestina, implica sempre pagamento de dinheiro ou objetos de outra natureza, como carros, terrenos, casas, animais (vacas, cabritos etc). Aquin ou Aken: É uma Cidade (Comuna) no Haiti e faz parte do arrondissement (divisão geográfica) Aquin, localizada no sul do país, há menos de dez quilômetros de Fonds-des-Nègres. Basin: É uma bacia construída de concreto, para guardar água da torneira ou da chuva. Baz: É um espaço de sociabilidade, local onde as pessoas se encontram. O termo é polissêmico, possui múltiplos usos e significados, pode estar relacionado aos grupos de gang; grupos de pessoas que se reúnem para conversar; local de grupos musicais, de comitês, associações etc. Blan: Literalmente, pode ser traduzido como branco, mas optei por não traduzir o termo no texto, porque não possui apenas conotação racial, isto é, não se refere somente a uma pessoa branca. Blan tem um conteúdo de alteridade, significa 23

25 também, o outro, o estrangeiro, o não-nacional, além de ser associado a uma determinada classe social e a determinados comportamentos. Também é utilizado para qualificar objetos, casas, dinheiro e ações. Bokit: Significa balde. Borlette ou bòlèt: É uma loteria tradicional no Haiti. Os haitianos, no exterior e outros nacionais também jogam. Bourèt: É um carrinho de mão que serve para transportar objetos. Cremas: Licor tradicional no Haiti, feito com coco, leite de vaca, leite condensado e álcool. Geralmente se bebe em ocasiões de festas de primeira comunhão, casamento, acompanhado de bolo. Croix-des-Bossales: Um grande mercado popular na região central de Port-au- Prince. Durante o regime colonial, nesse local os colonizadores vendiam os escravos, negros nascidos na Ilha e os originários da África, estes últimos eram apelidados bossales. A tradução literal da palavra composta seria Cruz dos Bossales. Croix-des-Bouquets: É uma Comuna (Cidade) do Haiti, localizada no departamento do Oeste, faz parte do arrondissement de Croix-des-Bouquets, próximo à Capital Port-au-Prince. Cuvette ou kivèt: É uma bacia com multiplicidade de uso, mas geralmente, ela serve para guardar água utilizada na casa, para tomar banho ou expor produtos nos mercados. Depòte: Refere-se à pessoa deportada de algum país estrangeiro, pode ser pelo fato de não possuír documento de residência no local, ou por ter cometido algum crime, sendo estes últimos chamados de bandi; geralmente, são mal vistos na sociedade haitiana. Dèyè: Significa atrás, dèyè kay la, atrás da casa. Dèyè kay pè a: Atrás da casa do Padre 24

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

Seminário debate medidas para migrantes e refugiados

Seminário debate medidas para migrantes e refugiados Seminário debate medidas para migrantes e refugiados Buscando construir orientações e diretrizes nas ações de acolhida a migrantes e refugiados, a Cáritas Brasileira realizou nos dias 19 e 20 de outubro

Leia mais

Migrações Alguns números

Migrações Alguns números Migrações Alguns números Dados gerais: Mundo» Há 232 milhões de migrantes internacionais no mundo (ONU, 2013), ou 3.2% da população mundial» Os migrantes internacionais compõem 10.8% da população das regiões

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Thais Lara Marcozo Severo Set. 2012

Thais Lara Marcozo Severo Set. 2012 Thais Lara Marcozo Severo Set. 2012 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS MIGRAÇÃO IMIGRANTES EMIGRANTES VOLUNTÁRIOS FORÇADOS CONFLITOS ARMADOS MOTIVAÇÃO ECONÔMICA PERSEGUIÇÃO CATÁSTROFES AMBIENTAIS REFUGIADO MOLDES

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE

DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE DISCURSO SOBRE LEVANTAMENTO DA PASTORAL DO MIGRANTE FEITO NO ESTADO DO AMAZONAS REVELANDO QUE OS MIGRANTES PROCURAM O ESTADO DO AMAZONAS EM BUSCA DE MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA DEPUTADO MARCELO SERAFIM

Leia mais

REMESSAS DO EXTERIOR. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

REMESSAS DO EXTERIOR. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil REMESSAS DO EXTERIOR Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Trabalhando com. Refugiados

Trabalhando com. Refugiados Trabalhando com Refugiados Quem são os refugiados? O refugiado é uma pessoa que está fora do seu país porque foi (ou estava em risco de ser) vítima de graves violações de direitos humanos em razão da sua

Leia mais

Chefe Assessoria junto ao Poder Executivo (Apex) da CNC. (Compareceu) Suplente Roberto Luis Lopes Nogueira

Chefe Assessoria junto ao Poder Executivo (Apex) da CNC. (Compareceu) Suplente Roberto Luis Lopes Nogueira R E L A Ç Õ E S D O T R A B A L H O Órgão Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Representação Efetiva Conselho Nacional de Imigração (CNIg) Representantes: Titular Marjolaine Bernadette Julliard Tavares

Leia mais

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC 1ª edição 2005 Realização Apoio CRÉDITOS Produção Ethnos estratégias socio ambientais - ethnosconsultoria@uol.com.br

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br. Portaria nº 00.004/2015 - Emissão de CTPS para Estrangeiros

Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br. Portaria nº 00.004/2015 - Emissão de CTPS para Estrangeiros Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br Portaria nº 00.004/2015 - Emissão de CTPS para Estrangeiros PORTARIA Nº 4, DE 26 DE JANEIRO DE 2015 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE

Leia mais

..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem

..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem 1 2 ..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem Quanto mais viajamos e entendemos a dinâmica da estrada, mais fácil se torna encontrar formas de economizar e juntar dinheiro

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

PROJETO ESTUDO SOBRE A MIGRAÇÃO HAITIANA AO BRASIL DIÁLOGO BILATERAL Pesquisa Brasil. Brasília, 08 de abril de 2014

PROJETO ESTUDO SOBRE A MIGRAÇÃO HAITIANA AO BRASIL DIÁLOGO BILATERAL Pesquisa Brasil. Brasília, 08 de abril de 2014 PROJETO ESTUDO SOBRE A MIGRAÇÃO HAITIANA AO BRASIL DIÁLOGO BILATERAL Pesquisa Brasil Brasília, 08 de abril de 2014 Estudo utiliza três metodologias distintas, a saber: Análise de informações de registros

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Nossa Missão, Visão e Valores

Nossa Missão, Visão e Valores Nossa Missão, Visão e Valores Missão Acolher e mobilizar os imigrantes na luta por direitos, cidadania e empoderamento social e político; Combater o trabalho escravo, a xenofobia, o tráfico de pessoas

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO

PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA EM SÃO PAULO UNHCR ACNUR QUEM SOMOS ACNUR O ACNUR foi criado para proteger e assistir às vítimas de perseguição, da violência e da intolerância. Desde então, já ajudou mais de 50

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 015/2015

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 015/2015 DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA ADM 049/2015-02/02/2015 BOLETIM 015/2015 Novos procedimentos para emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) para estrangeiros A Portaria SPPE nº 4/2015

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

Filiada à. Portaria Nº 4, de 26 de janeiro de 2015 Secretaria de Políticas Públicas de Emprego

Filiada à. Portaria Nº 4, de 26 de janeiro de 2015 Secretaria de Políticas Públicas de Emprego SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO PORTARIA Nº 4, DE 26 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre os procedimentos para emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) para estrangeiros. A SECRETÁRIA

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

No Sri Lanka, um trabalhador da etnia Tamil exibe documento comprovando a obtenção de cidadania da sua esposa.

No Sri Lanka, um trabalhador da etnia Tamil exibe documento comprovando a obtenção de cidadania da sua esposa. No Sri Lanka, um trabalhador da etnia Tamil exibe documento comprovando a obtenção de cidadania da sua esposa. Esta é uma publicação do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) com o

Leia mais

Homens. Inteligentes. Manifesto

Homens. Inteligentes. Manifesto Homens. Inteligentes. Manifesto Ser homem antigamente era algo muito simples. Você aprendia duas coisas desde cedo: lutar para se defender e caçar para se alimentar. Quem fazia isso muito bem, se dava

Leia mais

Perguntas importantes: Que tipo de trabalho desempenhará para empresa brasileira? * Definição do tipo de visto e documentos necessários

Perguntas importantes: Que tipo de trabalho desempenhará para empresa brasileira? * Definição do tipo de visto e documentos necessários Mercado de Imigração no Brasil - Tipos de vistos e correta aplicação nas diversas modalidades de contratação de estrangeiros por empresas sediadas no Brasil. Maio 2015 Vou receber um estrangeiro em minha

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Trajetórias dos Imigrantes Açorianos em São Paulo Processos de Formação, Transformação e as Ressignificações Culturais

Trajetórias dos Imigrantes Açorianos em São Paulo Processos de Formação, Transformação e as Ressignificações Culturais Trajetórias dos Imigrantes Açorianos em São Paulo Processos de Formação, Transformação e as Ressignificações Culturais Conselho Editorial Av. Carlos Salles Block, 658 Ed. Altos do Anhangabaú, 2º Andar,

Leia mais

A Migração de Haitianos para o Brasil

A Migração de Haitianos para o Brasil A Migração de Haitianos para o Brasil Mariana Longhi Batista Alessi 1 RESUMO Desde o terremoto de janeiro de 2010, uma onda de haitianos passou a buscar refúgio no território brasileiro. O presente artigo

Leia mais

SONHOS SE TORNAM REALIDADE NA NOVA ESCÓCIA, NO CANADÁ WWW.NSISP.CA #NSISP

SONHOS SE TORNAM REALIDADE NA NOVA ESCÓCIA, NO CANADÁ WWW.NSISP.CA #NSISP SONHOS SE TORNAM REALIDADE NA NOVA ESCÓCIA, NO CANADÁ WWW.NSISP.CA #NSISP EDUCAÇÃO DE CLASSE MUNDIAL COM O MUNDO EM SUA SALA DE AULA Desde 1997, o Programa Internacional de Estudantes da Nova Escócia (NSISP,

Leia mais

Informações Acadêmicas - Intercâmbio

Informações Acadêmicas - Intercâmbio Destino (Cidade/País): Toulouse, França Nome: Gustavo Linari Rodrigues Informações Acadêmicas FEA Administração Graduação Diurno Economia Pós Noturno Contabilidade Atuaria Informações Acadêmicas - Intercâmbio

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária

Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária Casarões da Luciana de Abreu estão há 11 anos em disputa na Justiça Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 85 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

O Fetiche do Emprego: Relações de Trabalho e Migração na Faixa de Fronteira entre o Estado do Amapá e a Guiana Francesa.

O Fetiche do Emprego: Relações de Trabalho e Migração na Faixa de Fronteira entre o Estado do Amapá e a Guiana Francesa. UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAP S-GRADUAÇÃO GRUPO DE PESQUISA: MIGRAÇÃ ÇÃO, TRABALHO E POLÍTICAS PÚBLICAS P NA AMAZÔNIA O Fetiche do Emprego: Relações de Trabalho e

Leia mais

Iniciativas para o enfrentamento ao tráfico de migrantes

Iniciativas para o enfrentamento ao tráfico de migrantes Cooperação Internacional como ferramenta para o Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Iniciativas para o enfrentamento ao tráfico de migrantes 1 Por meio do Decreto n. 5.017, de 12 de março de 2004, foi

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online.

Metodologia. Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Assunto E-commerce Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. Quantidade de entrevistas realizadas: 1.652 mulheres Perfil: 18 a 50 anos Mercado: Brasil

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim.

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim. INTRODUÇÃO LIVRO: ECONOMIA E SOCIEDADE DIEGO FIGUEIREDO DIAS Olá, meu caro acadêmico! Bem- vindo ao livro de Economia e Sociedade. Esse livro foi organizado especialmente para você e é por isso que eu

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando

Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social. O Projeto Social Luminando Lúmini Art Centro de Pesquisa, Cultura e Ação Social O Projeto Social Luminando O LUMINANDO O Luminando surgiu como uma ferramenta de combate à exclusão social de crianças e adolescentes de comunidades

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

200 Opportunities to Discover PORTUGUESE. www.second-language-now.com

200 Opportunities to Discover PORTUGUESE. www.second-language-now.com BASIC QUESTIONS 200 Opportunities to Discover PORTUGUESE Basic Questions - Portuguese TABLE OF CONTENTS 1. SABE?...3 2. COMO?...4 3. QUANTO TEMPO?...5 4. QUANTOS?...6 5. QUANTO?...7 6. COM QUE FREQUÊNCIA?...8

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso no encontro com representantes

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil

Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil Como os refugiados e imigrantes se adaptam no Brasil O mundo tem passado por uma série de dificuldades nos últimos anos. Junto com crises financeiras que, muitas vezes, esvaziam países, nos vemos também

Leia mais

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente?

REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. Ás vezes quando ouvimos falar sobre a corrupção, o que vem em mente? REDAÇÃO GANHADORA DO 1 LUGAR, 9 ANO, ESCOLA E.E.E.F. MARIA COMANDOLLI LIRA. ALUNA: KETLY LORRAINY R. DE OLIVEIRA PROFESSORA: MARIA PEREIRA DE CALDAS TEMA: CORRUPÇÃO : O QUE EU POSSO FAZER PARA COMBATE-LA

Leia mais

UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS

UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS Bíblia para crianças apresenta UM LÍDER DO TEMPLO VISITA JESUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Byron Unger; Lazarus Adaptado por: M. Maillot; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido

Leia mais

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria

A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria A Cura de Naamã - O Comandante do Exército da Síria Samaria: Era a Capital do Reino de Israel O Reino do Norte, era formado pelas 10 tribos de Israel, 10 filhos de Jacó. Samaria ficava a 67 KM de Jerusalém,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 25 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos.

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos. O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima oitava edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação

Leia mais

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes 1 CONVENÇÃO N. 159 Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes I Aprovada na 69ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1983), entrou em vigor no plano internacional em

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

Divisão de Atos Internacionais

Divisão de Atos Internacionais Page 1 of 9 Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 38.018, DE 7 DE OUTUBRO DE 1955. Promulga o Acôrdo relativo à concessão de um título de viagem para refugiados que estejam sob a jurisdição do Comité

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2. Exercícios Semana 4. 1) Complete os diálogos usando o tempo verbal mais adequado:

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2. Exercícios Semana 4. 1) Complete os diálogos usando o tempo verbal mais adequado: Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 4 Revisão Tempos verbais: 1) Complete os diálogos usando o tempo verbal mais adequado: 1 2 2) Revisão verbos SABER, PODER e QUERER: 3)

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Avaliação do Programa Cidadania em Trânsito ALUNOS Novembro / 2013

Avaliação do Programa Cidadania em Trânsito ALUNOS Novembro / 2013 Avaliação do Programa Cidadania em Trânsito ALUNOS Novembro / 2013 1 INDICE: METODOLOGIA:... 3 PERFIL DOS RESPONDENTES:... 4 CIDADANIA EM TRÂNSITO... 5 A Gidion é uma empresa que:...5 Você sabe se tem

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre

Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre Prova bimestral 5 o ano 3 o Bimestre língua portuguesa Escola: Nome: Data: / / Turma: 1. Leia o trecho da letra da música a seguir. migrante Tantos sonhos são desfeitos Uma mãe que afaga o peito Seu filho

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

DATUSPREV CHEGOU O MOMENTO DE APROVEITAR!

DATUSPREV CHEGOU O MOMENTO DE APROVEITAR! DATUSPREV INFORMATIVO CHEGOU O MOMENTO DE APROVEITAR! Quem já cumpriu 5 anos de contribuição pode solicitar o benefício de aposentadoria programada? Essas e mais informações pra você neste Informativo.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Programa transmitido em 26 de fevereiro

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37

MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 MOISÉS NO MONTE SINAI Lição 37 1 1. Objetivos: Ensinar que quando Moisés aproximou-se de Deus, os israelitas estavam com medo. Ensinar que hoje em dia, por causa de Jesus, podemos nos sentir perto de Deus

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RECURSOS HUMANOS O PROGRAMA O Programa Municipal de Voluntariado

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

Informações Acadêmicas - Intercâmbio

Informações Acadêmicas - Intercâmbio Destino (Cidade/País): Milão, Itália Nome: Filippe de Camargo Cordeiro Informações Acadêmicas FEA Administração Graduação Diurno Economia Pós Noturno Contabilidade Atuaria Informações Acadêmicas - Intercâmbio

Leia mais

O Segredo para Crianças

O Segredo para Crianças O Segredo para Crianças A Lei da Atração para os Pequenos Christina Hanser O Segredo para Crianças A Lei da Atração para os Pequenos Christina Hanser Copyright 2008 por Christina Hanser Capa e Ilustrações

Leia mais

SUMÁRIO EU E MEUS COLEGAS... 8 A CASA: ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA COM MEUS FAMILIARES... 18 A ESCOLA: ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA COM MEUS COLEGAS...

SUMÁRIO EU E MEUS COLEGAS... 8 A CASA: ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA COM MEUS FAMILIARES... 18 A ESCOLA: ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA COM MEUS COLEGAS... SUMÁRIO 1 EU E MEUS COLEGAS... 8 FAZENDO AMIGOS... 8 BRINCAR É CONVIVER COM OS AMIGOS... 10 VAMOS CIRANDAR?... 12 O MAPA DA MINHA MÃO... 16 PARA LER... 17 2 A CASA: ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA COM MEUS FAMILIARES...

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERNACIONAIS 1. RAZÕES DAS MIGRAÇÕES FATORES ATRATIVOS X FATORES REPULSIVOS - CONDIÇÕES DE VIDA - OFERTAS DE EMPREGO - SEGURANÇA -

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais