As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas. Apoio. Volume 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas. Apoio. Volume 3"

Transcrição

1 As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas Volume 3

2

3

4 carta ao leitor Hilton Moreno, engenheiro eletricista, consultor e presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Elétricos - Nema Brasil Caro amigo(a) do setor de instalações elétricas, Começo esta carta agradecendo mais uma vez a todos que continuam apoiando o projeto da Coleção Elétrica, seja por meio de mensagens eletrônicas, cartas, telefonemas ou durante conversas pessoais. Fico também muito feliz por saber que novos colegas passaram a receber e apreciar o conteúdo desta publicação. Permanentemente estimulados pelos leitores e motivados a trazer novos e úteis conhecimentos aos profissionais, preparamos para esta terceira edição da Coleção Elétrica algumas matérias que atendem aos objetivos do projeto. Você encontrará interessantes textos sobre a história dos fusíveis e dos disjuntores, componentes indispensáveis à proteção das instalações elétricas; sobre a evolução do projetista, profissional que sofreu diversas transformações com os avanços tecnológicos; sobre os efeitos da eletricidade no corpo humano; entre outras temáticas. Como nas vezes anteriores, destaco a seção Biografia, em que o homenageado é uma figura ímpar do setor: o engenheiro eletricista, nascido em Portugal e com brilhante carreira no Brasil, Armando Reis Miranda, ou, como carinhosamente o tratamos no dia-a-dia, simplesmente, Engenheiro Miranda. Como poderá ser apreciado ao longo do texto, sua história de vida é um aprimorado exemplo de luta, dedicação, persistência, coragem e desafios. E tudo isso recheado de muita competência, conhecimento teórico e complementados por vivência prática inigualável. Pessoalmente, tem sido um grande aprendizado conviver profissionalmente com o Engenheiro Miranda, particularmente nas reuniões da ABNT, nas quais ele se destaca com suas posições técnicas firmes e conceitos sólidos, que muito têm contribuído para o avanço da normalização técnica nacional. Faço votos para que você, amigo(a) leitor(a), aprecie este terceiro fascículo da Coleção Elétrica e aguardamos com todo interesse seus comentários, críticas e sugestões. Boa leitura e abraços! Hilton Moreno expediente Diretores Adolfo Vaiser José Guilherme Leibel Aranha Gerência de planejamento Sergio Bogomoltz Circulação Emerson Cardoso Marina Marques Administração Paulo Martins Oliveira Sobrinho Jornalista responsável Flávia Lima MTB Coordenador técnico Hilton Moreno Direção de arte e produção Leonardo Piva Colaboradores Bruno Moreira, Leonardo Faria, Mauro Júnior, Sergio Bogomoltz Revisão Gisele Folha Mós Publicidade Diretor comercial Adolfo vaiser Contatos Publicitários Ana Maria Rancoleta Vanessa Marquiori Cesar Dallava Capa Kanji Design Impressão Gráfica Ipsis Distribuição Correios Atitude Editorial Ltda. Rua Piracuama, 280 cj. 72 / Pompéia CEP / São Paulo - SP Fone/Fax - (11) grandes questões Choques elétricos ainda são realidade no Brasil e no mundo. Como o corpo reage à eletricidade e métodos para evitar a fuga de corrente são objetos desta reportagem. história A origem e a difusão dos fusíveis e dos disjuntores, dispositivos de proteção fundamentais às instalações elétricas em todos os níveis de tensão. biografia As aventuras e as contribuições do engenheiro português Armando Reis Miranda para as instalações elétricas brasileiras. dentro da lei Presente em praticamente todos os países e em todos os segmentos econômicos, a pirataria e a contrafação de produtos têm uma longa história, diferentemente das Leis que as coíbem, que são relativamente recentes. evolução Dos árduos e cansativos projetos elétricos desenhados a mão em papéis de seda aos rápidos e também eficazes softwares de projetos. Como o avanço tecnológico conferiu enérgicas e profundas transformações à profissão do projetista. identidade As raízes culturais do Brasil são uma das justificativas para a despreocupação do brasileiro com normas, leis e regulamentos técnicos. Veja como o comportamento baseado no jeitinho brasileiro acaba comprometendo, muitas vezes, a qualidade de projetos e das instalações elétricas, afetando, de modo geral, o desenvolvimento do País. descontração Jogo desafia o leitor a identificar os sete erros na instalação elétrica ilustrada índice 06-07

5 grandes questões Por Bruno Moreira Ilustração: Mauro Jr. Com a passagem de corrente elétrica pelo corpo, a contração do coração se desorganiza. Em alguns casos, é impossível restabelecer o batimento coordenado necessário para promover a circulação sangüínea. Pára-choque elétrico Sem as devidas precauções técnicas e sem a merecida atenção, especialmente, em ambientes molhados, o corpo humano, desprotegido, funciona como um verdadeiro imã de corrente elétrica. São nestas situações que a eletricidade passa de benéfica para malévola em um piscar de olhos. Visitas esporádicas a jornais impressos e televisivos facilmente reforçam a afirmação de que acidentes domésticos causados por choques elétricos são há anos fatos corriqueiros no Brasil e no mundo. A fatalidade ocorre, na maioria das vezes, quando a pessoa encontra-se com o corpo molhado, como foi o caso do menino argentino Farid Affad. A criança de sete anos nadava na piscina de um hotel luxuoso da Bahia quando, ao avistar um refletor que se encontrava próximo à borda da piscina, esforçou-se para alcançá-lo. O equipamento estava com um fio desencapado e a passagem de corrente elétrica para o garoto foi inevitável. Outro caso, este com grande destaque na mídia, curiosamente, aconteceu também na Bahia. O músico da banda Olodum, José Nilton Teixeira de Souza, 22 anos, conhecido como Zóião, havia acabado de sair do banho, quando, ainda molhado, encostouse no refrigerador, recebendo a descarga elétrica. Em ambos os casos, o desfecho da história foi fatal. Tanto o músico quanto o menino argentino chegaram a ser levados ao hospital com vida, mas não resistiram. Como o corpo reage Grande parte das pessoas sabe, ou deveria saber, que choques elétricos podem ser fatais. Mas o que exatamente acontece com nosso corpo e em quais condições ele nos leva à morte? Para que a resposta possa ser dada com propriedade, primeiro, deve-se ressaltar, conforme nos informa o engenheiro eletricista e professor Hilton Moreno, que todas as sensações do corpo humano, de uma forma ou de outra, são produzidas por sinais elétricos que são enviados pelas células nervosas ao cérebro. Assim funciona nosso coração. A grosso modo, ele recebe estímulos elétricos causados por reações químicas internas e se contrai; o sangue circula e todos os outros órgãos começam a trabalhar. A peculiaridade da situação é que a passagem de uma corrente elétrica externa, causada por um choque, é sentida pelo coração da mesma forma, interferindo no batimento cardíaco regular. A contração se desorganiza e, em alguns casos, pode ser impossível restabelecer o batimento coordenado necessário para promover a circulação do sangue; conseqüentemente o corpo entra em colapso e a pessoa não resiste. A intensidade que uma corrente elétrica deve ter para que seja percebida conscientemente por uma pessoa é chamada de limiar de percepção. De acordo com Hilton Moreno, esse limite depende de muitos fatores, como a área do corpo que está em contato com o condutor de eletricidade, a temperatura, as condições psicológicas do indivíduo, se ele está calmo ou estressado e se a pele está seca ou molhada. De qualquer modo, em freqüências de 50 Hz e 60 Hz, que são as mais usuais nas instalações elétricas em todo o mundo, o limiar de percepção ficará em torno de 0,5 ma. Há também, de acordo com Moreno, o limite de largar, ponto além do qual a corrente elétrica que flui pelo corpo provoca um estímulo nervoso, paralisando os músculos, fazendo uma pessoa em contato com um condutor vivo não ser mais capaz de soltá-lo, fenômeno chamado de tetanização. A corrente supera os impulsos elétricos que são enviados pela mente e os anula, podendo bloquear um membro ou o corpo inteiro, ignorando totalmente a consciência do indivíduo e a sua vontade de interromper o contato. Este limiar também depende de diversos fatores, mas, em geral, fica entre 6 ma e 14 ma (média 10 ma) em mulheres e entre 9 ma e 23 ma (média de 16 ma) em homens. Em relação aos efeitos cardíacos, há também um limite para que o batimento comece a se descompassar. O chamado limiar da fibrilação ventricular depende igualmente de vários fatores próprios de cada indivíduo, mas, da mesma forma, de parâmetros elétricos como duração, caminho e tipos de corrente (alternada ou contínua). No caso da corrente alternada, diz o engenheiro Hilton Moreno, há uma considerável redução neste limiar quando ela circula por mais de um ciclo cardíaco. Experiências práticas têm mostrado que correntes de 5 ma já provocam choques desconfortáveis

6 Tipos de DR Nos Estados Unidos e no Japão, é muito difundido o uso dos DRs eletrônicos, os quais possuem nível da proteção maior, com valores de correntes de sensibilidade de 5 ma, especialmente nas proteções incorporadas diretamente nas tomadas. Já na Europa, assim como nos países que seguem a norma IEC, o uso do dispositivo eletrônico é limitado a uma proteção adicional, conforme prescreve a ABNT NBR 5410, que não proíbe o uso do DR eletrônico, todavia impõe que ele poderá ser utilizado desde que haja também uma proteção diferencial eletromecânica. Definições: - DR eletromecânico É um dispositivo diferencial que possui um sensor eletromagnético de correntes residuais e um sistema disparador mecânico que faz atuar o desligamento dos contatos do dispositivo. A atividade deste produto não depende da tensão de alimentação. - DR eletrônico É um dispositivo que possui, no seu sistema sensor, um circuito eletrônico que faz a soma vetorial das correntes diferenciais e que pode aumentar a sensibilidade do sensor, impondo a necessidade de uma tensão de alimentação para que o dispositivo funcione. O DR eletromecânico, por não depender da tensão de alimentação, estará sempre supervisionando a situação da instalação, independentemente da condição de tensão de entrada ou sua alimentação. Já o eletrônico, em caso de perda da alimentação, além de não prover a proteção, também impõe a necessidade de religamento (reset) ao retorno na tensão de alimentação. Como se proteger Para evitar riscos à vida do ser humano, faz-se mais do que necessária a adoção de medidas de proteção contra possíveis passagens de corrente elétrica proveniente de equipamentos para o corpo humano. A ABNT NBR 5410 norma de instalações elétricas de baixa tensão indica que o princípio fundamental relativo à proteção contra choques elétricos compreende que as partes vivas perigosas não devem ser acessíveis (para evitar o contato direto) e que as massas ou partes condutoras acessíveis não devem oferecer perigo, seja em condições normais, seja em caso de alguma falha que as tornem acidentalmente vivas (para evitar o contato indireto). Para evitar contatos diretos, a norma prescreve a proteção básica, que consiste na isolação das partes vivas; no uso de barreiras ou invólucros de proteção; em obstáculos; na colocação fora do alcance das pessoas; no uso de dispositivos de proteção à corrente diferencial-residual de alta sensibilidade; e na limitação de tensão. Para evitar contatos indiretos, deve haver a proteção supletiva, que inclui medidas, como eqüipotencialização e seccionamento automático da alimentação, o uso de isolação suplementar e o de separação elétrica. De modo geral, informa o engenheiro eletricista Sérgio Bogomoltz que a proteção básica de uma instalação elétrica incorpora todos os anteparos contra a eletricidade, como a parte plástica da tomada, a cobertura dos condutores e o soquete. O intuito é que a pessoa encontre barreiras, diz. Já a proteção suplementar leva em conta a possibilidade de a parte metálica do condutor encostar, por exemplo, em uma tubulação metálica. Invariavelmente, uma corrente passará por esse condutor que, ao estar em contato com outro material condutivo, irá energizá-lo. Em uma reação em cadeia, a corrente passará do equipamento para uma pessoa que tocá-lo. A proteção supletiva, de acordo com Bogomoltz, é um conjunto de ações que tem início com o aterramento das partes metálicas de uma instalação. Com isso, a corrente que passaria diretamente para a pessoa em números menores devido à alta resistência ôhmica do corpo humano é transformada em uma grande corrente que é escoada pela terra. O engenheiro informa que esse valor mais elevado da corrente será responsável por acionar o seccionamento automático da alimentação que é a medida suplementar na proteção das instalações elétricas. O objetivo do seccionamento é evitar que uma tensão de contato (UB) superior à tensão de contato limite (UL) se mantenha por um tempo suficiente para resultar em risco de efeito fisiológico adverso às pessoas. Os fusíveis e os disjuntores podem funcionar como dispositivos de proteção contra choques elétricos, contudo, como suas sensibilidades para detectar alguma falta na corrente que perpassa os condutores são baixas, normalmente, o dispositivo utilizado apontado pela NBR 5410 é o Diferencial Residual, mais conhecido como DR. O funcionamento deste dispositivo, explica resumidamente, Bogomoltz, consiste na verificação da soma vetorial de todas as correntes que percorrem os condutores de uma instalação elétrica. Em condições normais, o somatório será igual a zero. Caso haja alguma falta de corrente, o DR acusará e desligará os aparelhos. De acordo com Hilton Moreno, a NBR 5410 aponta que esses equipamentos podem ser de dois tipos: de alta sensibilidade (até 30 ma inclusive) e de baixa sensibilidade (acima de 30 ma). Segundo o engenheiro, em esquemas de aterramento TN, que são os mais utilizados nas instalações brasileiras, a proteção supletiva sempre é garantida, conforme determina a NBR 5410, pelo DR, seja de alta ou de baixa sensibilidade. Para garantir Em determinados circuitos da instalação, a norma ABNT NBR 5410 indica que a proteção contra choques elétricos deve ser realizada obrigatoriamente por DRs de alta sensibilidade, ou seja, com corrente diferencial-residual nominal igual ou inferior a 30 ma. É o caso dos seguintes circuitos: que servem a pontos de utilização situados em locais contendo banheira ou chuveiro; que alimentam tomadas de corrente situadas em áreas externas à edificação; de tomadas de corrente situadas em áreas internas que possam alimentar equipamentos no exterior; que, em locais de habitação, servem a pontos de utilização situados em cozinhas, copas-cozinhas, lavanderias, áreas de serviço, garagens e demais dependências internas molhadas em uso normal ou sujeitas a lavagens; que, em edificações não-residenciais, servem a pontos de tomada situados em cozinhas, copas-cozinhas, lavanderias, áreas de serviço, garagens e, no geral, em áreas internas molhadas em uso normal ou sujeitas a lavagens. O DR é tido pelos engenheiros eletricistas como um dispositivo que traz segurança ao projeto e tranqüilidade ao projetista e ao usuário. Como não há garantias de que, após um longo uso das instalações, a corrente passe adequadamente pelos condutores sem que haja uma descarga de energia para qualquer aparelho, e como não é possível saber se somente o sistema de aterramento dará conta de uma falta na passagem da corrente, emprega-se o DR como uma medida imprescindível para a prevenção de acidentes. Funcionando como um verdadeiro inspetor de qualidade da instalação elétrica, o DR pode, justamente por isso, trazer alguns inconvenientes àqueles que o tiverem instalado em sua residência. Isso porque, caso uma determinada instalação não esteja nas melhores condições de funcionamento, apresentando elevadas correntes de fuga, o dispositivo será sempre acionado, seccionando a alimentação de energia elétrica, ou seja: o jantar à luz de velas virará rotina. Dessa forma, faz-se necessário, obviamente, uma análise minuciosa das condições da instalação antes que seja colocado o DR. Para evitar que acidentes relacionados a choques elétricos ocorram, o engenheiro eletricista Hilton Moreno recomenda que o morador chame um profissional para verificar se seu edifício possui um DR instalado e, caso exista, se está funcionando corretamente, se há um sistema de aterramento adequado e ativo, se todas as caixas, tanto nas áreas comuns quanto nos apartamentos, têm um fio terra em seu interior. Por último, mas não menos importante, que a atenção redobre, principalmente, ao manejar equipamentos elétricos em ambientes molhados ou sujeitos a lavagens, áreas de maior risco

7 história Por Flávia Lima Fusível desenvolvido por Thompson, em Modelo de fusível criado por Cockburn, no fim do século XIX. Frutos da necessidade Para suprir a necessidade de proteger a lâmpada, nasceu o fusível. Anos mais tarde, para atender a uma demanda industrial, o disjuntor foi criado. Com a função de oferecer segurança às instalações elétricas, ambos os dispositivos logo passaram a ser empregados em larga escala e em todo o mundo. Relativamente simples, embora com mecanismo complexo, os disjuntores e os fusíveis são, provavelmente, os dispositivos mais conhecidos de uma instalação elétrica e indispensáveis à sua proteção. Nasceram de uma necessidade gerada a partir do desenvolvimento da energia elétrica. Primeiro, para proteger o filamento da lâmpada recém descoberta, inventou-se o fusível. Mais tarde, o avanço industrial motivou a criação dos disjuntores. Os dispositivos ganharam escala e tornaram-se indispensáveis em praticamente todas as instalações elétricas. Ambos têm a missão primária de proteger os componentes dos sistemas elétricos contra sobrecargas e curtos-circuitos. Não se sabe quando exatamente surgiu o primeiro fusível. É fato que, nos anos 1860, fios de platina desempenhavam seu papel, sendo empregados para proteger cabos submarinos. Oficialmente, o primeiro fusível teria aparecido com a patente de Thomas Edison, em 1880, mas há indícios de que a primeira alusão ao equipamento data de, pelo menos, cem anos antes. O fusível As primeiras referências ao fusível que se tem notícia são de 1774, em textos de Edward Nairne, quando este menciona proteção elétrica em experiências com energia eletrostática. Conforme relata o livro Electric fuses, editado pela IEE Power & Energy Series, a próxima citação do dispositivo ocorreria apenas em 1887, durante a apresentação de um trabalho de A. C. Cockburn à Sociedade de Engenheiros Telegráficos. Nesse momento, veio a público a informação de que fios de platina eram utilizados com o objetivo de proteger cabos submarinos em Aproximadamente uma década depois, em 1879, um considerável número de fusíveis começou a ser utilizado, mas descobriu-se que essa simples construção de fios não era adequada para algumas aplicações. Foi então que, naquele ano, o professor S. P. Thompson introduziu um novo e melhorado modelo de fusível. Consistia em dois fios de aço conectados juntos a uma esfera metálica. Acreditava-se que a esfera poderia ser uma liga de chumbo ou estanho ou algum material condutor com baixo ponto de fusão. Quando uma corrente elevada atravessasse o fusível por um longo período, derretendo o chumbo, as gotas caiam dos fios, interrompendo o circuito. Em um modelo mais sofisticado, Cockburn usou um peso para tracionar um fio de platina que se fundia a partir de um determinado nível de corrente. Com isso, explica o engenheiro eletricista Paulo de Almeida Junior, gerente de marketing da Bussmann, atuações com correntes eram possíveis entre 1,5 e 2,0 vezes a corrente nominal atribuída a cada conjunto. Uma variação desse sistema foi patenteada em 1883 por C. V. Boys e H. H. Curryngham. No seu arranjo, a corrente fluía por meio de dois filamentos que eram soldados juntos em suas extremidades. Alguns mecanismos que desempenhavam a função de proteção foram desenvolvidos, mas nada muito parecido ao conhecido fusível. Foi então que demonstrações de lâmpadas de filamentos incandescentes ocorridas na Grã Bretanha, pelo físico Joseph Swan, em 1878, e quase simultaneamente por Thomas Edison, nos Estados Unidos, estimularam o surgimento dos primeiros fusíveis efetivamente. De acordo com o livro Electric fuses, os fusíveis de Swan não eram muito empregados para proteger instalações elétricas contra sobrecargas ou curtos-circuitos, mas para salvaguardar as lâmpadas contra falhas no filamento. O dispositivo compreendia um filamento de cobre-latão envolvido em um material arco extinguível. Já, em 1880, Thomas Alva Edison teria criado o primeiro fusível mais parecido com o que vemos no mercado, com o encapsulamento de um fio delgado em um cartucho de vidro, protegendo as partes adjacentes, ou mesmo algum operador próximo, de eventuais faíscas resultantes da atuação do fusível. O invento de Edison, segundo o gerente de marketing do Grupo Legrand, Antonio Eduardo de Souza, teria sido incitado por um problema. Thomas Edison construiu sua primeira central elétrica, 12-13

8 Primeiros fusíveis Origem: Estados Unidos Data: 1890 Acabamento: vidro transparente Base: média, ideal para lâmpadas de T. Edison Curiosidade: Até o ano de 1900, todos os fusíveis de Edison eram feitos de vidros transparentes. A primeira patente do fusível foi adquirida por Thomas Edison em abril de A história define o fusível como um invento de Thomas Edison, mas o físico Joseph Swan participou significativamente dessa criação. A dúvida sobre quem seria o inventor do fusível foi, inclusive, tema de algumas cartas trocadas entre físicos no início do século XX. Parte de uma dessas correspondências, assinada por J. H. Holmes, e escrita em 1932, é reproduzida a seguir e evidencia a dúvida sobre quem efetivamente teria introduzido o fusível. Relembrando a origem dos fusíveis, eu sempre encontro incertezas sobre quem realmente deveria levar o crédito de ser o seu primeiro inventor. Trata-se de um caso muito claro de que a necessidade foi a mãe da invenção. Estive procurando registros sobre o que se sabe acerca de fusíveis no início dos anos de 1880 e o primeiro volume do livro Electric Illumination compilado por J. Dredge e publicado em agosto de 1882, em Ofícios da Engenharia revela, na página 630, que a patente de Edison, adquirida em 1881, parece ser a primeira notificação de fios de proteção. Diz também que o invento de Edison era chamado de safety guard. Creio, entretanto, que Swan tenha usado um artifício para o mesmo propósito antes de abril de Isso porque Cragside (primeira casa a ser iluminada com energia elétrica, localizada na Inglaterra) perto daqui, foi iluminada com as lâmpadas de Swan em meados de dezembro de (...) Na descrição de iluminação elétrica do sistema de Swan, encontrada no projeto do Teatro Savoy, de 3 de março de 1882, os fusíveis de segurança (shunts) estão referidos não demasiado intencionado a proteger contra os perigos, os quais estão próximos à impossibilidade de ocorrer no trabalho prático, mas de proteger as lâmpadas contra a destruição por sobrecarga. Isso confirma o que Campbell Swinton disse sobre o Drawing Office at Elswick, em 1882, de que já havia um vasto número de chaves, fusíveis, interruptores e outros aparatos. Fabricante: General Electric Origem: Estados Unidos Data: 1897 Acabamento: porcelana Cor: latão Base: média, ideal para lâmpadas de T. Edison Curiosidade: os fusíveis da GE, de até 25 A, possuíam coberturas removíveis de latão. A patente deste fusível permaneceu de 1882 a Fabricante: General Electric Origem: Estados Unidos Data: 1919 Tensão: 125 V Acabamento: porcelana Cor: latão Base: média, ideal para lâmpadas de T. Edison Curiosidade: Os fusíveis de 15 A / 125 V possuíam uma cobertura removível de latão e janela de inspeção com formato hexagonal. Sua patente teve duração de 1911 a Fabricante: General Electric Origem: Estados Unidos Data: 1919 Tensão: 125 V Acabamento: porcelana Cor: lartão Base: média, ideal para lâmpadas de T. Edison Curiosidade: Os fusíveis de 30 A / 125 V possuíam cobertura removível de vidro e janela de inspeção redonda. Sua patente teve duração de 1911 a Fonte: Bulbcollector.com 14-15

9 Disjuntor alguns dados históricos 1902 Fábricas começam a investir na produção de linhas de fusíveis 1904 Cutter Manufacturing Co., localizada na Philadelphia (EUA), começa a produzir interruptores de circuitos. A companhia introduziu um produto que se tornou um sucesso industrial. Este novo dispositivo protetor, primeiro utilizado como elemento interruptor de tempo inverso, passou a ser conhecido como I-T-E interruptor (I-T-E breaker) 1921 Merlin Gerin fabrica o primeiro disjuntor a óleo para alta tensão 1925 O Código Norte-Americano de Eletricidade (NEC) exige que os disjuntores sejam encapsulados e de fácil operabilidade Convivência harmônica: fusíveis e disjuntores são empregados em instalações elétricas de diferentes níveis de tensão Westinghouse inicia comercialização de seu disjuntor a sopro modular 1935 Square D fabrica o primeiro disjuntor para uso residencial 1951 Square D introduz os disjuntores do tipo plug-in no mercado em Nova York, movida a carvão, conseguindo acender lâmpadas por vez, mas esses produtos possuíam um filamento muito sensível às variações elétricas. Com a missão de resolver a questão, nasceu o fusível. O conceito utilizado foi o mesmo empregado nas lâmpadas: fusíveis de vidro, com filamentos com base de algodão e ligas metálicas, que se rompem após o aquecimento provocado por uma sobrecarga ou curto-circuito. O consultor técnico da Schneider Electric, Miguel Rosa Junior, conta que, no final do século XIX, houve um grande avanço quanto ao design dos fusíveis, quando um engenheiro da Brush Electrical Engineering Company, W. M. Mordy, patenteou o primeiro fusível elétrico tipo cartucho. Este dispositivo era preenchido com um material que extinguia o arco elétrico gerado na atuação do dispositivo, seccionando e protegendo o circuito em caso de falta. Com o tempo, os fusíveis ganharam alto desempenho, designs modernos e tamanhos reduzidos, mantendo o mesmo conceito, mas agora composto por um envoltório cerâmico e por um elemento que se funde, no caso de uma sobrecarga ou curto-circuito. Este elemento está imerso em um material arco extinguível arenoso, que elimina o arco elétrico gerado durante sua fundição. Os fusíveis ganharam emprego em todo o mundo, protegendo instalações domésticas, automotivas e industriais em larga escala e em todos os níveis de tensão. A evolução das normas técnicas e o desenvolvimento tecnológico industrial foram os principais contribuintes para o aperfeiçoamento do dispositivo. O disjuntor Os disjuntores se distinguem dos fusíveis, pois são dispositivos que podem ser rearmados após sua atuação. São muito mais práticos e adequados para aplicações residenciais e mesmo para algumas aplicações industriais, onde se tem correntes de curto-circuito presumíveis relativamente baixas, afirma Paulo de Almeida Junior. Com função semelhante à dos fusíveis, os disjuntores possuem uma corrente nominal definida. Ultrapassado este limite, após algum tempo, há o desligamento automático do dispositivo, protegendo, dessa maneira, os componentes da instalação. Não se sabe ao certo quando o disjuntor, como o conhecemos, teria efetivamente sido inventado. Almeida Junior conta que o engenheiro e professor Ademaro Cotrim biografado da primeira edição desta Coleção costumava dizer que os disjuntores teriam sido inventados após a crise de Segundo ele, nesse período, houve um aumento significativo do número de incêndios, pois os fusíveis queimados eram substituídos por moedas e outros objetos metálicos. Nesse instante, a Westinghouse teria começado a fabricar os disjuntores a sopro. Uma forma aproximada de disjuntor foi patenteada nos Estados Unidos por Thomas Edison, em 1879, muito embora seus sistemas usassem fusíveis. O objetivo do dispositivo patenteado era proteger a fiação dos circuitos de iluminação contra sobrecargas e curtos-circuitos acidentais. Há indicações de que os disjuntores começaram a aparecer nos Estados Unidos assim que a distribuição de energia se desenvolveu em escala industrial, o que corresponde ao final do século 19 e começo do século 20. Melhorias foram observadas na primeira metade do século 20 relativas à corrente nominal do dispositivo e ao tempo de interrupção das sobrecorrentes. Antes de 1926, esses tempos eram de cerca de 45 ciclos, sendo que, em 1960, já havia disjuntores com tempos de interrupção de dois ciclos. Uma das primeiras patentes que se sabe do disjuntor refere-se ao voltado para alta tensão, conhecido como SF6, que teria sido desenvolvido na Alemanha em 1938 por Vitaly Grosse e, mais tarde, em 1951, nos Estados Unidos. No Brasil, os disjuntores começaram a ser utilizadas com maior freqüência a partir da década de A retomada da urbanização na Europa e nos Estados Unidos permitiu a expansão do setor elétrico e a consolidação de grandes multinacionais do segmento, permitindo o desenvolvimento dos disjuntores. Fusível versus disjuntor Os fusíveis apresentam, em geral, menor custo e são mais simples do que os disjuntores. O fusível, tendo atuado uma vez, deve ser substituído, ao passo que o disjuntor, após o seu desarme, pode ser utilizado novamente. No entanto, esta ação pode conduzir o usuário comum a simplesmente rearmar o disjuntor e ignorar a falha elétrica, assim como substituir o fusível sem solucioná-la pode ser perigoso, particularmente, se o problema que ocasionou a queima foi um curto-circuito. Na opinião de Almeida Junior, onde há correntes de curtocircuito mais altas, o fusível ainda tem uma excelente relação benefício-custo, pois são muito mais baratos e compactos que os disjuntores correspondentes. Hoje podemos ter um fusível atuando dentro de uma seccionadora para uso em redes de até 200 ka de curto-circuito presumido e com tamanho idêntico a um minidisjuntor modular de 18 mm. Ele acrescenta que, com o crescente uso de automação, com o uso de inversores de freqüência e outros dispositivos de partida e parada suave à base de componentes eletrônicos de potência (tiristores, transistores, diodos e IGBTs), o fusível ainda se mantém como um dispositivo atual, pois é o único que consegue atuar em menos de meio ciclo de onda, limitando adequadamente o I2t, que é a energia que fluiria para os componentes eletrônicos sensíveis. São os fusíveis ultrarápidos, indicados para uso em correntes de curto-circuito de até 300 ka. Tais fusíveis são confeccionados com elementos de prata, enclausurados em um corpo de um tipo de cerâmica especial, chamada esteatita, preenchido com areia impregnada com resina curada em autoclaves. A maior evolução nos disjuntores nos últimos anos foi, de acordo com Miguel Rosa Junior, os limitadores, que possuem a capacidade de atuar de forma muito rápida em curtos-circuitos de alta intensidade. Quanto maior o nível de curto-circuito, mais rápida é a atuação de disparos do disjuntor. Com isso, foi possível utilizar os disjuntores em aplicações heavy-duty (mineração, siderurgia) ou sensíveis (hospitais, data centers), em razão do alto grau de eficiência na resposta às ocorrências anormais que possam surgir nas instalações elétricas

Instalações Elétricas Prediais

Instalações Elétricas Prediais Abril de 2010 Sumário Tópicos Sumário Corrente Elétrica Fundamentos da proteção 1 Contra Choques Elétricos A Corrente Elétrica no Corpo Humano Fundamentos da proteção contra choques elétricos. 2 Eletrodos

Leia mais

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar Minidisjuntores MBW Correntes nominais de 2 a 70 A Curvas de disparo B e C Versões monopolar, bipolar, tripolar e tetrapolar Interruptores Diferenciais Residuais DRs RBW Sensibilidade de ou 0mA Correntes

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas A U A UL LA Manutenção eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. O operador chamou a manutenção mecânica, que solucionou o problema. Indagado sobre o tipo de defeito encontrado, o mecânico

Leia mais

Choque Elétrico Efeitos da corrente elétrica. Medidas de Prevenção. O que é um choque elétrico? Choque elétrico é a perturbação que ocorre no organismo humano quando percorrido por uma corrente elétrica.

Leia mais

1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL

1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL 1. PROJETO ELÉTRICO RESIDENCIAL Um Projeto Elétrico é a previsão escrita da instalação, com todos os seus detalhes, localização dos pontos de utilização da energia elétrica, comandos, trajeto dos condutores,

Leia mais

Apoio. As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas

Apoio. As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas Apoio As histórias e os personagens do mundo das instalações elétricas Apresentação Com a missão de suprir a carência de informações históricas e culturais acerca do mundo das instalações elétricas e sua

Leia mais

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Fusíveis

Curso Técnico de Eletrotécnica Disciplina: Prática de acionamentos elétricos I Prof. Epaminondas de Souza Lage Fusíveis 1. Conceituação Prof. Epaminondas Lage Os fusíveis são dispositivos de proteção que, pelas suas características, apresentam destaque na proteção contra correntes de curto-circuito, podendo também atuar

Leia mais

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI:

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI: AInterferência Eletromagnética nas Redes de Computadores Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA 28 de maio de 2007 EMI Electromagnetic Interference O ambiente

Leia mais

Deu curto! Como o nosso assunto é a eletricidade, poderíamos

Deu curto! Como o nosso assunto é a eletricidade, poderíamos A U A UL LA Deu curto! Como o nosso assunto é a eletricidade, poderíamos dizer que a história do banho interrompido serviu para melhorar a ligação entre o pai e o filho. Ernesto, percebendo que aquele

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO

PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO PROTEÇÃO CONTRA CHOQUE ELÉTRICO SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO DA ALIMENTAÇÃO Prof. Marcos Fergütz Março/2014 O CHOQUE ELÉTRICO OCORRE POR Fonte: www.google.com.br/imagem Fonte: SIEMENS Efeitos do Choque Elétrico

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Geração e Aproveitamento de Energia Elétrica Capítulo 07 (pág. 115) Acendimento de uma lâmpada

Geração e Aproveitamento de Energia Elétrica Capítulo 07 (pág. 115) Acendimento de uma lâmpada Geração e Aproveitamento de Energia Elétrica Capítulo 07 (pág. 115) - Uma corrente elétrica não pode ser vista, mas seus efeitos podem ser percebidos; Acendimento de uma lâmpada Diferença de potencial

Leia mais

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos

Curso de Física. Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos. Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina. Fenômenos elétricos e magnéticos Curso de Física Aula 1: Fenômenos Elétricos e Magnéticos Prof. Rawlinson Medeiros Ibiapina Sumário 1. O Poder das Pontas; 2. Blindagem eletrostática; 3. Capacitores e suas aplicações; 4. Resistores; 5.

Leia mais

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Fabricado no Brasil Dispositivos D Proteção contra correntes de fuga à terra em instalações elétricas de baixa

Leia mais

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, sequenciadas

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

Capítulo 02. Resistores. 1. Conceito. 2. Resistência Elétrica

Capítulo 02. Resistores. 1. Conceito. 2. Resistência Elétrica 1. Conceito Resistor é todo dispositivo elétrico que transforma exclusivamente energia elétrica em energia térmica. Simbolicamente é representado por: Assim, podemos classificar: 1. Condutor ideal Os portadores

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

Dispositivos de proteção contra choques elétricos e esquemas de aterramento

Dispositivos de proteção contra choques elétricos e esquemas de aterramento Dispositivos de proteção contra choques elétricos e esquemas de aterramento Dispositivos de proteção contra choques elétricos e Esquemas de aterramento 1 Norma técnica...03 1.1 ABNT...03 1.2 Avaliação

Leia mais

Certificação de instalações elétricas de baixa tensão: Portaria Inmetro 51/2014

Certificação de instalações elétricas de baixa tensão: Portaria Inmetro 51/2014 Certificação de instalações elétricas de baixa tensão: Portaria Inmetro 51/2014 Eduardo Daniel Certiel Brasil 2014 Associação membro da Associação Brasileira de Certificação de Instalações Elétricas Certiel

Leia mais

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons Elétrica Quem compõe a instalação elétrica - quadro de luz - centro nervoso das instalações elétricas. Deve ser metálico ou de material incombustível, e nunca de madeira (na sua parte interna ou externa).

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

DICAS PARA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM CASA

DICAS PARA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM CASA DICAS PARA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM CASA SELO PROCEL Prefira equipamentos com SELO PROCEL, e/ou consumo A de consumo de energia. GELADEIRA Evitar abrir a porta toda hora. Regular o termostato

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO ELETRIFICADOR DE CERCA EC- rural MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

Leia mais

Exercícios de Física Potência Elétrica

Exercícios de Física Potência Elétrica Questão 01 - Um estudante resolveu acampar durante as férias de verão. Em sua bagagem levou uma lâmpada com as especificações: 220 V - 60 W. No camping escolhido, a rede elétrica é de 110 V. Se o estudante

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10

ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 (1) Rogério Pereira da Silva Resumo Este trabalho tem como objetivo geral apresentar uma forma de Adequação a NR-10 e a elaboração do Prontuário. Descrevendo

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

COLINAS Instalações Elétricas - CS Nº 6782 Data da Realização: 21/09/2010

COLINAS Instalações Elétricas - CS Nº 6782 Data da Realização: 21/09/2010 COLINAS Instalações Elétricas - CS Nº 6782 Data da Realização: 21/09/2010 1 INTRODUÇÃO Prezado(a) Senhor(a) Síndico(a), Estamos encaminhando os resultados do check-up efetuado nas instalações elétricas

Leia mais

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas.

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Artigos técnicos 02 Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Instalação elétrica defasada é foco de

Leia mais

Exercícios de Física Lei de Ohm

Exercícios de Física Lei de Ohm Questão 01 - A intensidade da corrente i, e a resistência R do circuito abaixo valem: diminuindo o valor da resistência elétrica do corpo. A lei de Ohm afirma que: 5 A 1 A 250 Ω 100 Ω R i a) Mantida constante

Leia mais

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Segurança Elétrica em Ambiente Hospitalar Prof. Ernesto F. F. Ramírez Choque Elétrico Intensidade da corrente circulação de corrente elétrica através do organismo humano Percurso da corrente Duração do

Leia mais

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de Capítulo 1: Eletricidade É um fenômeno físico originado por cargas elétricas estáticas ou em movimento e por sua interação. Quando uma carga encontra-se em repouso, produz força sobre outras situadas em

Leia mais

na nuvem/terra como se houvesse uma longa vara de metal conectando-as. Veja como a "quebra" funciona. Quando o campo elétrico se torna muito forte

na nuvem/terra como se houvesse uma longa vara de metal conectando-as. Veja como a quebra funciona. Quando o campo elétrico se torna muito forte Introdução (relâmpago/raios) O relâmpago é um dos fenômenos mais bonitos da natureza e também um dos mais mortais. Com as temperaturas dos raios sendo maiores do que a da superfície do Sol e com as ondas

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 16 Proteção Contra Choques Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Terminologia à respeito do assunto Esquemas de aterramento

Leia mais

Instalações elétricas resumo

Instalações elétricas resumo Instalações elétricas resumo Na instalação elétrica de um prédio (residencial, comercial ou industrial), temos basicamente: - Equipamentos relacionados com a alimentação da instalação, tais como geradores,

Leia mais

Produtos & Serviços. Banco de Capacitores

Produtos & Serviços. Banco de Capacitores HV Denki Engenharia Apresentação A HV Denki é um empresa de engenharia com foco na Eficiência e na Qualidade de Energia, tem como objetivo oferecer aos seus clientes a melhor opção de solução, assim como

Leia mais

Instalações elétricas em piscinas aspectos de segurança

Instalações elétricas em piscinas aspectos de segurança 96 Instalações elétricas em piscinas aspectos de segurança Elaborado por Ricardo Pereira de Mattos Não são poucos, infelizmente, os acidentes relacionados às instalações elétricas em piscinas. Embora a

Leia mais

Conceitos básicos sobre aterramentos

Conceitos básicos sobre aterramentos Conceitos básicos sobre aterramentos (Estudo Técnico 2: Aterramento de cercas e currais.) José Osvaldo S. Paulino 1 Aspecto físico de aterramento industrial PROGRAMA: Conceitos básicos sobre aterramento.

Leia mais

Instalações de média tensão ABNT NBR 14039

Instalações de média tensão ABNT NBR 14039 52 Instalações de média tensão ABNT NBR 14039 Capítulo IV Seleção e instalação de componentes Parte 1 Por Marcus Possi* O foco deste artigo é o Capítulo 6 da norma ABNT NBR 14039 Instalações elétricas

Leia mais

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger

SOBRETENSÃO. saiba como se proteger SOBRETENSÃO saiba como se proteger O QUE É UMA DESCARGA ELÉTRICA? Descargas atmosféricas são relâmpagos que produzem uma quantidade extremamente grande de energia elétrica pulsada de milhares de ampères

Leia mais

Painel Setorial de Disjuntores INMETRO

Painel Setorial de Disjuntores INMETRO Painel Setorial de Disjuntores INMETRO Aspectos de segurança para disjuntores no âmbito das normas NBR 5361 e NBR IEC 60898 Eng. Carlos Alberto Quintas Lima EATON Rio de Janeiro, 11 de outubro de 2005

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

Professor João Luiz Cesarino Ferreira

Professor João Luiz Cesarino Ferreira Exercícios 1º Lei de Ohm e Potência elétrica 1º) 2º) 3º) Um fio com uma resistência de 6,0Ω é esticado de tal forma que seu comprimento se torna três vezes maior que o original. Determine a resistência

Leia mais

TÉCNICO EM REDE DE COMPUTADORES

TÉCNICO EM REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL TÉCNICO EM REDE DE COMPUTADORES Fundamentos de Eletricidade e Telecomunicações Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Eletricidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR Flávio Augusto Mereu Pioto Técnico Pleno de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção Centro de Manutenções Especiais CTEEP Brasil fpioto@cteep.com.br

Leia mais

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo

REVISÃO ENEM. Prof. Heveraldo REVISÃO ENEM Prof. Heveraldo Fenômenos Elétricos e Magnéticos Carga elétrica e corrente elétrica. Lei de Coulomb. Campo elétrico e potencial elétrico. Linhas de campo. Superfícies equipotenciais. Poder

Leia mais

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias NOVOS Disjuntores RX 3 A solução ideal para instalações residenciais e terciárias Ambiente Residencial - área úmida Ambiente Residencial Soho - Pequeno Escritório ou Home Office Ambiente Residencial -

Leia mais

COMUNICADO PADRÃO BRASILEIRO DE PLUGUES E TOMADAS E FIO TERRA

COMUNICADO PADRÃO BRASILEIRO DE PLUGUES E TOMADAS E FIO TERRA COMUNICADO PADRÃO BRASILEIRO DE PLUGUES E TOMADAS E FIO TERRA A ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica, considerando que em parte da mídia estão sendo veiculadas informações inconsistentes

Leia mais

HISTORIA DA ELETRICIDADE

HISTORIA DA ELETRICIDADE 1 HISTORIA DA ELETRICIDADE RESUMO OS PRIMEIROS PASSOS Grécia Antiga - Tales descobre as propriedades do âmbar. Ásia Menor descobre-se as propriedades de um pedaço de rocha atrair pequenos pedaços de ferro

Leia mais

Exercícios Eletrodinâmica

Exercícios Eletrodinâmica Exercícios Eletrodinâmica 1-Uma lâmpada permanece acesa durante 5 minutos por efeito de uma corrente de 2 A, fornecida por uma bateria. Nesse intervalo de tempo, a carga total (em C) liberada pela bateria

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 19/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Previsão de Carga Especiais NBR-5410 Cargas Especiais? Em geral, são cargas de uso comum em um edifício.

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Instalações Elétricas de Baixa Tensão Porto Alegre, Maio de 2010 Revisão: B Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CHAVE ESTÁTICA MONOFÁSICA 2 A 6 KVA ÍNDICE Introdução 01 Principais aplicações 01 Características técnicas 02 Descrição de funcionamento 03 Instalação 04 Armazenamento 05 Assistência

Leia mais

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Engenharia Elétrica - UniFOA 7 Período Professor Paulo André Dias Jácome Engenheiro Eletricista CREA-RJ 168734/D Bibliografia: Básica: - Instalações Elétricas Hélio Creder

Leia mais

A iluminação além da imaginação

A iluminação além da imaginação A iluminação além da imaginação 2014 Índice Introdução... 4 Aplicações...5 Conhecendo o Iluminador... 6 Instalação e Uso... 7 Recomendações Elétricas... 8 Solucionando problemas... 13 Especificações técnicas...

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Proteção de Sistemas Elétricos Disjuntores, DR e DPS. Júlio Bortolini Engenheiro Eletricista Soprano Eletrometalúrgica e Hid. Ltda

Proteção de Sistemas Elétricos Disjuntores, DR e DPS. Júlio Bortolini Engenheiro Eletricista Soprano Eletrometalúrgica e Hid. Ltda Proteção de Sistemas Elétricos Disjuntores, DR e DPS Júlio Bortolini Engenheiro Eletricista Soprano Eletrometalúrgica e Hid. Ltda DISJUNTORES Definição Disjuntor Disjuntor: dispositivo de seccionamento

Leia mais

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira João Saad Júnior - PY1DPU - Pesquisador do CEPEL de 1978 a 2013, atualmente aposentado membro do O QUE É COMPATIBILIDADE

Leia mais

PICCOLO. Empresa. Relatório de Ensaio. Características Gerais. Características Construtivas

PICCOLO. Empresa. Relatório de Ensaio. Características Gerais. Características Construtivas Empresa 08 de maio de 1971 - O Engº Paschoal Graziano, com vasta experiência no mercado de eletroeletrônica, e o filho Engº Nunziante Graziano Neto, com a garra e a determinação de um jovem engenheiro,

Leia mais

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE 38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE PROTEÇÃO ELÉTRICA VISTA COMO EFICIÊNICA ENERGÉTICA RICARDO DANIELI ZANIN 1 RENATO PESSANHA SANTOS 1 EDISON LUIZ MENDES 1 (1) Endereço: TME SANASA Rua Abolição, 180 Bairro:

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO.

ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IMPLANTAÇÃO. OBRA: COL. EST. RESIDENCIAL SÃO PEDRO - PROJETO PADRÃO SECULO XXI. LOCAL: - Rua Tucunaré com Rua Pacu e Avenida Astolpho Leão Borges APM-05, Residencial São Pedro Goianira - GO ESPECIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES

Leia mais

Física LIVRO 3 Unidade 1 Avaliação capítulos 4 e 5 Eletricidade. Sinopse de questões

Física LIVRO 3 Unidade 1 Avaliação capítulos 4 e 5 Eletricidade. Sinopse de questões Sinopse de questões 1. Circuitos 2. Associação de resistores 3. Circuitos residenciais 4. Geradores 5. Receptores 6. Leis de Kirchoff 7. Ponte de Wheatstone 8. Capacitores 9. Capacitor plano 10. Associação

Leia mais

Dicas de segurança www.eletropaulo.com.br Atendimento ao Cliente - 0800 72 72 120 Atendimento de Emergência-0800 72 72 196

Dicas de segurança www.eletropaulo.com.br Atendimento ao Cliente - 0800 72 72 120 Atendimento de Emergência-0800 72 72 196 Dicas de segurança Dicas de segurança Fios e cabos partidos Cuidado: a eletricidade não tem cheiro, nem cor. Não se aproxime dos fios caídos ou pendurados, nem toque em pessoas ou objetos que estejam em

Leia mais

Segurança com a eletricidade

Segurança com a eletricidade Exper. 1 Segurança com a eletricidade Objetivo Levar o aluno a conhecer alguns riscos da eletricidade e a se preocupar com a prevenção de acidentes elétricos em seu ambiente de trabalho. Conscientizar

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 2 (POTENCIA ELÉTRICA E CIRCUITOS)

ACESSO FÍSICA LISTA 2 (POTENCIA ELÉTRICA E CIRCUITOS) ACESSO FÍSICA LISTA 2 (POTENCIA ELÉTRICA E CIRCUITOS) 22. Considerando a tarifa aproximada de R$ 0,40 por kwh cobrada pela Copel em Curitiba, calcule o custo mensal (30 dias) dos banhos de uma família

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Proteção Diferencial. GE Energy Services Industrial Solutions. imagination at work

Proteção Diferencial. GE Energy Services Industrial Solutions. imagination at work GE Consumer & Industrial GE Energy Services Industrial Solutions Proteção Diferencial DR - Interruptor Diferencial Residual DDR - Disjuntor com Proteção Diferencial DOC (Diff-o-Click) - Blocos Diferenciais

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas MATERIAL DE REFERÊNCIA: PROFESSOR SERGIO PASTL A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas A proteção passiva contra fogo em estruturas metálicas é relativamente recente

Leia mais

TÍTULO DA PALESTRA. Logomarca da empresa

TÍTULO DA PALESTRA. Logomarca da empresa IV ENADSE DISPOSITIVOS DE PROTEÇÃO CONTRA SURTOS CONCEITOS E APLICAÇÕES Nome Empresa Eng. Renato de Brito Sanchez 2014 1. Conceitos ESCOPO 2. Aspectos normativos 3. Aplicações: Corrente Alterna 4. Aplicações:

Leia mais

Proteção Diferencial

Proteção Diferencial GE Consumer & Industrial GE Energy Management Industrial Solutions Proteção Diferencial DR - Interruptor Diferencial Residual DDR - Disjuntor com Proteção Diferencial DOC (Diff-o-Click) - Blocos Diferenciais

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO AULA 1 PROJETO ELÉTRICO 1- Introdução 2- Normas técnicas Todo projeto deve ser concebido a luz de uma norma técnica. No Brasil, a normatização é de responsabilidade da Associação Brasileira de Normas Técnica

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro 60 Capítulo IV Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração Paulo Fernandes Costa* Nos três capítulos anteriores, foram discutidos os aspectos da escolha e

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas e Telefônicas Prof. Dorival Rosa Brito 1

Projeto de Instalações Elétricas e Telefônicas Prof. Dorival Rosa Brito 1 ATERRAMENTO Por que aterrar? Liga-se à terra para proteger edificações e pessoas contra descargas atmosféricas e cargas eletrostáticas geradas em instalações de grande porte. Em instalações elétricas,

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV001 Maquete com Instalação Elétrica Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Maquete com Instalação Elétrica Você gostaria de aprender

Leia mais

q = (Unidade: 1 C = 1A) t I m

q = (Unidade: 1 C = 1A) t I m 1 Corrente Elétrica Como visto no modulo anterior, os materiais condutores, devido as suas características físicas, formam elétrons livres quando de suas ligações atômicas. Contudo essas partículas que

Leia mais

Relês. Funcionamento dos Relês

Relês. Funcionamento dos Relês Relês Por Diego Marcelo dos Santos Postado em: http://www.infoescola.com/eletronica/rele/ Tendo o surgimento em torno do século XIX o Relê tempo das centrais analógicas nas localidades mais remotas. Os

Leia mais

ENGENHARIA, CONSULTORIA E TREINAMENTO.

ENGENHARIA, CONSULTORIA E TREINAMENTO. 1 CURSO DE ATUALIZAÇÃO TÉCNICA PARA PROFISSIONAIS DA ÁREA DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Nota: 2º Curso do Gênero no Interior do Estado de São Paulo PERIODO: 06 A 10 DE AGOSTO DE 2012

Leia mais

EnErgia Elétrica Em tudo Ensino Fundamental I

EnErgia Elétrica Em tudo Ensino Fundamental I em tudo Energia elétrica Ensino Fundamental I Em tudo, energia elétrica. 1 Para chegar até nossas casas, ela passa pelos cabos elétricos instalados nas torres e nos postes e deve sempre percorrer seu caminho

Leia mais

Capítulo XI. Energias renováveis alternativas. Requisitos técnicos para a conexão de sistemas fotovoltaicos à rede elétrica

Capítulo XI. Energias renováveis alternativas. Requisitos técnicos para a conexão de sistemas fotovoltaicos à rede elétrica 34 Capítulo XI Energia solar fotovoltaica Sistemas conectados à rede elétrica: requisitos para a conexão e proteções Por Jonas Rafael Gazoli, Marcelo Gradella Villalva e Juarez Guerra* Neste artigo vamos

Leia mais

Lição 6. Instrução Programada

Lição 6. Instrução Programada Lição 6 Na lição anterior, estudamos os geradores e vimos que a produção de energia elétrica, não poderia ser feita simplesmente a partir do nada. A produção de energia elétrica, só era possível, quando

Leia mais

Introdução... 2. Identificação do aparelho...3. Fixação do aparelho no box...3. Instalação elétrica...4. Acionamento do aparelho...

Introdução... 2. Identificação do aparelho...3. Fixação do aparelho no box...3. Instalação elétrica...4. Acionamento do aparelho... Introdução... 2 Identificação do aparelho...3 Fixação do aparelho no box...3 Instalação elétrica...4 Acionamento do aparelho...4 Dados técnicos...5 Certificado de garantia...6 ÍNDICE INTRODUÇÃO O gerador

Leia mais

Unidade 14. Circuitos elétricos

Unidade 14. Circuitos elétricos Unidade 14 Circuitos elétricos Pra início de conversa... Nesta aula, você vai conhecer um circuito elétrico e seus componentes, conhecer a lei de Ohm e saber como utilizá-la para os cálculos de correntes,

Leia mais