A Obra: Cena Musical Independente em uma perspectiva Gonzo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Obra: Cena Musical Independente em uma perspectiva Gonzo"

Transcrição

1 Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Faculdade de Comunicação e Artes Centro de Pesquisa em Comunicação Habilitação: Comunicação Social Orientador: Sandra Tosta Supervisor: Eduardo Jesus A Obra: Cena Musical Independente em uma perspectiva Gonzo Nome Matrícula Telefone Bernardo Costa (31) de Faria Biagioni Felipe Canêdo (31) Figueiredo Henrique Duarte (31) Vieira Lucas Sallum Castro Silva (31)

2 Bernardo Biagioni Felipe Canêdo Henrique Duarte Vieira Lucas Sallum A OBRA: CENA MUSICAL INDEPENDENTE EM UMA PERSPECTIVA GONZO Trabalho apresentado à disciplina Projeto Experimental III, da Faculdade de Comunicação e Artes da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Orientador: Sandra Tosta Belo Horizonte 2011

3 Bernardo Costa de Faria Biagioni Felipe Canêdo Figueiredo Henrique Duarte Vieira Lucas Sallum A Obra: Cena Musical Independente em uma perspectiva Gonzo Trabalho apresentado à disciplina Projeto Experimental III, da Faculdade de Comunicação e Artes da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Sandra Pereira Tosta (Orientadora) PUC Minas Belo Horizonte, 06 de junho de 2011.

4 DEDICATÓRIA A Dylan, Plant, Page, Morrison, Waits, Young, Gallagher, Gallagher, Lennon, Mccartney, Strummer, Hendrix, Ramone, Ramone, Ramone, Hornby, Kerouac, Bukowsky, Takeda, Buarque, Ginsberg, Burroughs, Jagger, Richards, Watters, Johnson, Jackson, Veloso, Nicholson, Costelo, Bertolucci, Rimbaud, Baudalaire, Berry, Bowie, Clapton, Leminsky, Meldas, Abreu, Pop, Wolf, Cash, Zé, Scorcese, Reed, Rotten, Vicious, Tarantino, Rocha, Thompson, Bangs, Carlos, Dias, Dias, Lee, Casablanca, Maçã/Apple, Gaye, Wood, Wats, Setzer, Ventania, Jazzbo, Belchior, Maia, Daltrey, Moon, Townshed, Tosh, Marley, e...

5 AGRADECIMENTOS Agradecemos primeiramente à nossa orientadora Sandra Tosta. Ao professor Chico Braga pela orientação inicial. Aos professores Kika e Serelle, por enfiar contracultura na nossa cabeça. Aos donos d A Obra Claudão, Marcelinho, Lino e aos demais funcionários por nos possibilitarem a realização deste projeto. Ao professor Eduardo Jesus, pela ajuda com as referências. À produtora de vídeos Brokolis do Brasil, à produtora Cambalhota Filmes, à Eduardo Zunzaren, por disponibilizarem a nós seus equipamentos de video sem custo algum e à André de Marco Paoliello pelo seu tempo e talento na captura das imagens de depoimento.

6 Quando aquela porta se abir Eu já não sei O que vai ser Nova Chance - Radiotape

7 RESUMO A pesquisa buscou retratar e desvendar os meandros da cena musical independente de Belo Horizonte, a partir da perspectiva do estabelecimento A Obra, localizado na região da Savassi, na capital mineira. Entrevistas em profundidade e pesquisas bibliográficas e documentais foram os meios utilizados na busca por atingir o objetivo de se discutir a importância e o valor do local em questão para a cena independente nacional. Durante o projeto, buscou-se relatar o quanto os eventos, festivais e shows que acontecem n A Obra, além das relações pessoais e institucionais que contribuem das mais diversas maneiras na produção, difusão e consumo da cadeia do universo do mundo da música em Minas Gerais e que envolvem de alguma forma o estabelecimento. Finalmente, foi realizada também uma pesquisa sobre Jornalismo Gonzo e sobre as áreas de contato entre os campos do jornalismo e da literatura, para que essa escola do jornalismo pudesse servir como inspiração e alvo quando se fosse retratar A Obra.

8 SUMÁRIO 1 A PRIMEIRA VISITA Introdução JORNALISMO E LITERATURA Todas as musas e a musa plebéia do jornalismo Da mistura entre as técnicas literárias e o não ficcionalismo jornalístico surge o novo! A Realidade não passa de uma opinião A HISTÓRIA Uma Obra em construção A Era Melda Abrir um bar A obra d A Obra A Inauguração OMB Entra em Cena Crise e Retomada CONSTRUINDO A OBRA Quem somos, para onde vamos Movimento Punk. O pai Indústria Cultural. A mãe A CENA Um estranho no ninho O Nascimento da Cena A Cena Cultural Independente A Rede CONCLUSÃO A Obra O Jornalismo Gonzo e a Obra A Indústria Cultural, o punk, e a cena... 74

9 1 A PRIMEIRA VISITA Um cigarro aceso descansava no cinzeiro de latão sobre a mesa de plástico amarela do bar. Sua fumaça subia serpentando em meio àquele ambiente barulhento onde as pessoas falavam alto, já deviam estar alegres e sentindo os efeitos do álcool. Acho que passava da meia-noite. No copo lagoinha à minha direita repousava um líquido amarelado que o garçom do lugar chamou de pinga da roça, no copo à minha esquerda meio cheio, cerveja semi-quente. Estávamos sentados em uma mesa na calçada, bem na esquina da Avenida do Contorno com a Rua Professor Moraes. De onde eu estava, dava para ver a grade cinza que nos separava dos carros que passavam na Contorno e duas mocinhas que pareciam namoradas e riam muito e gesticulavam sobre uma história de Porto Seguro sentadas de frente para mim, na mesa ao lado à nossa. Quando nosso amigo designer chegou gritando, decidimos que era hora de executarmos nosso ritual dos sábados à noite e de partir em busca de alguma fuzarca para que esquecêssemos os problemas da semana. Chamamos o garçom, que era nosso amigo, e pedimos: cinco cachaças, cinco pasteis, um maço de cigarros de palha e a conta. Quando a bebida chegou, fizemos um brinde barulhento à vida e viramos tudo de uma vez. A dose era bem grande: quase um copo lagoinha cheio, de modo que todos fizemos caretas e o Lucas fez aquele drama que ele sempre faz, levando a mão à boca e ficando mudo durante quase um minuto enquanto riamos dele. Dividimos a conta e comemos os pasteis, depois disso era hora de partir para o crime : acendemos os cigarros no isqueiro que ficava preso à parede de azulejos por uma corrente, compramos um chiclete de melancia e descemos a rua como se fôssemos uma gangue de cidadãos subterrâneos. Adilson sempre dizia que o chiclete cheiroso atraia as gatinhas. Esta era a noite em que iam me levar para conhecer pela primeira vez a tal boate A Obra. Já havia ouvido casos interessantes sobre o 8

10 recinto, como quando um dos meus amigos fora parar na casa de uma mocinha que de manhã saiu e o deixou preso, ou quando um outro amigo nosso tirou a roupa lá dentro, porque disse que estava muito calor. Eu tinha a impressão de que a boate era freqüentada por pessoas estranhas. Enquanto descíamos a Professor Moraes em nossas calças jeans apertadas, camisetas de banda e sapatos de couro - discutíamos quem estava presente uma vez quando roubamos uma placa de trânsito enorme e levamos para a casa do Rodney: - O Diniz tava sim! - Não! O Fred que tava, até que ele baixou as calças e saiu correndo ali. - Ah, é mesmo... Mas quem ajudou a carregar a placa? - Não sei... Quando chegamos a uma distância de um quarteirão do posto de gasolina da Rua Rio Grande do Norte, na esquina com Avenida Getúlio Vargas, comecei a ver os tipos que estariam presentes nessa noite esquisita. Um sujeito de uns 40 anos, óculos pesados de armação preta e cabelos amarelos tinha a nítida cara de alguém que havia acabado de descobrir a penicilina e me lembrava fatalmente o excêntrico publicitário Andy Warhol. Uma menina bem masculina conversava com ele parecia um menininho em trajes infantis suas madeixas escorridas naquele corte de cabelo curto fluido na cara a provia um ar de lolita fatal. Naquela hora acho que a última (e enorme) dose de cachaça já devia estar quase absorvida pelo meu fígado. Eu via tudo com uma estranha sensação de filme em câmera lenta. Passamos direto no posto enquanto eu fitava uma dúzia de pessoas que deviam ter saído diretamente de filmes dos anos 80 e 90 e entramos direto em uma fila. Nem tive tempo de apreciar a fachada da boate e já estávamos quase entrando naquele portal debaixo de um toldo amarelado escrito A Obra Bar dançante. Pensei: que diabos é um bar dançante e preenchi uma cartela de entrada enquanto o 9

11 Henrique provocava o segurança puxando sua gravata e rindo da sua cara. A entrada tinha um ar soturno. De fora você via aquela calçada de pedrinhas portuguesas escuras em frente a uma gráfica e aquele pé direito alto com grandes pilastras de concreto. O mesmo tipo de vidro que separava a entrada da gráfica - indo do chão ao teto - era o que também nos dividia daquele universo estranho do bar dançante. A impressão que eu tive era a de que ali poderia ser a acolhida que eu imaginava para amantes do estilo de vida rock n roll concretizado em minha cabeça por uma vasta bibliografia adolescente de discos, livros e filmes, como por exemplo Definitely Maybe 1, Clube dos Corações Solitários 2, e Quase Famosos 3. Sempre senti falta de um lugar assim, mas nunca soube. Uma porta enorme, preta e com uma imagem de um sujeito punk que percebi depois, era de Niro, no filme Taxi Driver - guardava o portal para o mistério d A Obra, de lá pra dentro, as pessoas se transformavam em animais da noite: o rock e o ambiente sinistro libertavam os demônios que a cidade de Belo Horizonte guardava em cada uma delas. A decoração era bastante rústica e muito provavelmente inspirada em uma construção fato que eu confirmaria depois. A primeira música que ouvi lá dentro foi Rock This Town da banda de rockabilly do guitarrista Bryan Setzer da década de As pessoas gingavam como se estivéssemos em uma casa noturna dos anos 1950 sem o menor constrangimento. Os cabelos esvoaçando e um lado para o outro, os braços balançando e os sapatos se arrastando no piso de concreto. Eu não acreditava que existia um lugar em Belo Horizonte, bem no olho da Savassi, que tocasse músicas como essa. Até então, na verdade, eu achava que ninguém mais a conhecia. E muito 1 Definitely Maybe: disco lançado pela banda Oasis em Clube dos Corações Solitários: livro de literatura pop escrito por André Takeda. 3 Quase Famosos: filme dirigido por Cameron Crowe, lançado em

12 menos, acreditava que alguém em BH além de mim poderia gostar de Stray Cats. Não posso negar que senti uma apreensão, me senti um peixe fora d água em meio àquela confusão toda. O barman abriu duas cervejas e jogou uma tampinha na cara do Bernardo, que me trouxe uma. Depois disso só me lembro da ressaca que tive no dia seguinte, e que voltei pra casa a pé cantando Johnny Cash a plenos pulmões com o Lucas enquanto o sol nascia. Imagino que a noite tenha sido boa... 11

13 1.1 Introdução O estabelecimento A Obra - Bar Dançante é uma casa noturna de Belo Horizonte, Minas Gerais, localizada na região da Savassi, na zona sul da cidade. Há 14 anos o bar se mantém atuante em um mercado muito competitivo que exige inovações constantes e uma forte dinâmica de interação com os públicos que movimentam o cenário cultural mineiro. O presente trabalho se propõe a investigar quais interações seriam estas, como elas se estabelecem e, principalmente, como A Obra se mantém ocupando um espaço importante na cena cultural independente do Brasil há tanto tempo. Sendo assim, buscamos entender os processos de interação comunicacional que se estabelecem como diálogos, entre o público e a casa e dentro da cena musical independente brasileira através de entrevistas, e discussões atuais sobre cenas independentes e redes de práticas musicais. Para isso, procuramos entender historicamente o desenvolvimento do diálogo d A Obra com os membros da cadeia produtiva da música independente por meio de entrevistas com os sócios fundadores do bar. Tivemos um interesse especial em garimpar as formas de interação que se estabelecem a partir d A Obra, como também as que a envolvem ou simplesmente as relações que surgem de lá, ou literalmente lá dentro. A partir de uma base teórica e de uma pesquisa bibliográfica e documental, nosso estudo de campo e nossas entrevistas em profundidade, acreditamos que conseguimos capturar a essência desse movimento elástico e maleável que acontece na cena cultural mineira atualmente. A Obra se configura de uma maneira singular no cenário das casas noturnas de Belo Horizonte. Com características próprias, conseguiu se firmar em um mercado volátil sem grandes mudanças de estrutura. O local em estudo está direcionado a um ambiente urbano que busca levar à capital mineira culturas e hábitos que vão além de raízes locais e que se relacionam com estilos de vida, consumo e costumes que são atrelados a uma cultura alternativa e de escala global. Inseridos neste contexto urbano, observamos um culto ao local que transcende a simples configuração de espaço de entretenimento noturno. 12

14 Observamos também, a falta de material que relata e documenta a evolução da cena independente de Belo Horizonte nos últimos 20 anos. Finalmente, faz-se necessário justificar a escolha do Jornalismo Gonzo como prisma e lente para relatar o que acontece na cena cultural independente mineira. O Gonzo, assim como o Novo Jornalismo, foi uma voz que representou as ânsias e as problemáticas de uma geração como o jornalismo tradicional não poderia. Além disso, ele teve uma capacidade de diálogo impactante no público que ela representava, muito maior do que teria o jornalismo tradicional. O universo desconexo, dinâmico e aloprado de uma casa noturna que se inspira no movimento Punk é certamente um cenário interessante para experimentações Gonzo. Assim como no momento de ascensão do movimento Punk, podemos traçar um paralelo com o momento atual onde as cenas independentes se consolidam e crescem de forma anárquica sem que as pessoas que participam desse crescimento tenham muita noção de onde essa expansão vai os levar. Assim, buscamos representar a cena cultural independente mineira através da perspectiva do Jornalismo Gonzo, sempre nos atentando para tentarmos averiguar nossos questionamentos motrizes: qual o segredo da longevidade d A Obra, e como ela se impõe como sede e berço da cena musical independente belo-horizontina. 13

15 2. JORNALISMO E LITERATURA 2.1 Todas as musas e a musa plebéia do jornalismo A fronteira que divide literatura e jornalismo é relativa, e cada vez mais relativizada. As duas atividades - não só por terem como instrumento fundamental as estratégias discursivas e a palavra em si - têm múltiplas linhas de contato e diversos tipos de relações. Existe um receio antigo de compreender o jornalismo como gênero literário, e por isso Trotsky¹ - autor que não tem muitos méritos literários, mas que viveu como poucos a experiência de ser jornalista através de suas incursões pela Europa (DEUTSCHER, 2005), durante sua participação no jornal revolucionário de Lênin em Londres, o Iskra. E como fundador do famigerado jornal do PCUS, Pravda destaca-o das outras musas, em uma metáfora onde o jornalismo seria uma musa plebéia, já que não tem a si o reconhecimento ligado à arte da literatura, uma musa amoldada e por direito: Todas as musas, inclusive a musa plebéia do jornalismo, apesar de apresentar os flancos sólidos, encontram dificuldades para viver em tempo de revolução. (TROTSKY, 1977, p.17) Contudo, apesar de ressalvas de setores de estatura nas duas áreas, a relativização da fronteira entre jornalismo e literatura se concretiza de muitas formas e com razoável freqüência. Ela acontece através dos romancesreportagens, do articulismo criativo, e das experiências do Novo Jornalismo e do Jornalismo Gonzo, caracterizando, muitas vezes e indissociavelmente interseções dos dois campos e passeando sobre territórios intermediários (VÁSQUES MEDEL, 2002). A relação entre literatura e jornalismo conhece um primeiro momento de esplendor com a aparição das revistas culturais do século XVIII, estreita-se ao longo do século XIX e constitui um dos capítulos fundamentais da cultura do século XX. (GUTIERREZ apud CASTRO; GALENO, 2002, p. 23) O jornalista Tom Wolfe, um dos precursores do Novo Jornalismo escola que protagonizou a intensificação da relação entre Jornalismo e Literatura no século XX descreve que os jornalistas da sua geração tinham 14

16 grande admiração pela literatura e pelo status que emanava dela. Segundo ele, no cenário das redações de jornais dos anos 1960, o sonho de escrever um romance era comum, e ninguém imaginava que de uma tentativa de reverenciar a literatura como forma de homenagem, poderia nascer algo inovador como o que estaria por vir. Nem que desta experiência surgiria um gênero que protagonizaria a cena da criação literária nos anos subseqüentes. E, no entanto, no começo dos anos 60, uma curiosa idéia nova, quente o bastante para inflamar o ego, começou a se insinuar nos estreitos limites da statusfera das reportagens especiais. Tinha um ar de descoberta. Essa descoberta, de início modesta, na verdade, reverencial, poderíamos dizer, era que talvez fosse possível escrever jornalismo para ser... lido como um romance. Como um romance, se é que me entendem. Era a mais sincera forma de homenagem a O Romance e àqueles grandes, os romancistas, claro. Nem mesmo os jornalistas pioneiros nessa direção duvidavam sequer por um momento de que o romancista era o artista literário dominante, agora e sempre. Tudo o que pediam era o privilégio de se vestir como ele... até o dia em que eles próprios chegassem à ousadia de ir para a cabana e tentar para valer... Eram sonhadores, claro, mas uma coisa eles nunca sonharam. Nunca sonharam com a ironia que vinha vindo. Nunca desconfiaram nem por um minuto que o trabalho que fariam ao longo dos dez anos seguintes, como jornalistas, roubaria do romance o lugar de principal acontecimento da literatura. (WOLFE, 2005, p. 19) Devido às várias superfícies de contato e à intensa relação entre o Jornalismo e a Literatura, muitas vezes, a linha que separa os dois é construída a partir da diferenciação entre factual e ficcional. Moacyr Scliar, conhecido escritor e cronista brasileiro afirma no artigo Jornalismo e literatura: a fértil convivência (2002), que há sim uma fronteira entre jornalismo e ficção, mas ressalva que ela é uma fronteira permeável e permite uma útil e amável convivência. É comum conceituar-se os dois campos a partir de uma diferença: a matéria constitutiva do jornalismo sendo o real, e a da literatura sendo o fantástico, como, por exemplo, descreve Reynaldo Damásio em texto da Revista Entre Livros. Segundo ele: o jornalismo lida com a apresentação objetiva dos fatos, e a literatura seria o campo da pura invenção, em que o real pode ser um mero pretexto, ou nem isso (DAMAZIO, 2005, p. 07). A literatura, como explica Vásquez Medel, por constituição, se orienta para o que é importante e a informação jornalística para o que é urgente. Por assim dizer, o jornalismo se preocupa mais com o quotidiano enquanto a 15

17 literatura se preocupa mais com a história. Contudo, o jornalismo se coloca como importante fonte para historiadores e escritores, e, além disso, em casos como romances-reportagens e nas experiências do Novo Jornalismo e do Gonzo Jornalismo, ele se utiliza técnicas literárias e passa a se preocupar com temas menos corriqueiros e mais longevos. O processo histórico de institucionalização de ambas as estratégias discursivas em questão abarca muitas coincidências e interações mútuas, que confirmam um passado de influências recíprocas. Tal fato ressalta a dificuldade em delimitar-se claramente os dois campos. Resulta inegável a influência de pautas de escritura e modelos literários para a construção de determinados discursos jornalísticos, não é de menor importância a presença do jornalismo (com seus temas, recursos, procedimentos, e técnicas) na criação literária (especialmente no século XX), sem esquecer o fato de que as figuras do escritor e do jornalista (sobretudo de opinião) às vezes coincidem com a mesma pessoa. (VÁSQUEZ MEDEL, apud CASTRO; GALENO, 2002, p. 15) Muito se discute sobre a factualidade do jornalismo e a ficcionalidade da literatura. E o próprio jornalismo - com seu modelo tipificado através do tripé: neutralidade, transparência e verdade, com sua exigência de objetividade, com sua construção histórica que resultou em editorias direcionadoras de público e que favorecem a rotulação de notícias constitui-se como expressão teórica e técnica submetida ao procedimento da construção de narrativas que relatam acontecimentos e, por conseguinte, existe submetido às categorias narrativas (SATO, apud CASTRO; Gustavo de; GALENO, Alex, 2002, p. 32). Ele se constitui como atividade simbólica, como qualquer outra atividade discursiva, e, portanto, está debelado pelas seduções e subjetividades inerentes ao discurso. O mundo real, objeto do jornalismo factual, é uma esfera de componentes cognoscíveis, que é, e independe da atividade de algum sujeito para existir. Tal esfera, em constante mutação, constitui a chamada realidade, com a qual deve lidar a atividade jornalística. E a linguagem - que entremeia o mundo e a leitura que o repórter faz dele - como afirma Nanami Sato, quando tenta representar o real funciona como mediadora da relação dialética, entre sujeito e mundo real em contínua mudança. 16

18 A representação, inata ao fazer jornalístico, é uma forma de substituição, reprodução, e figuração. Ela acontece por meio de signos, e se relaciona com o mundo representado de maneira complexa. Numa visão dualista do signo, pode-se dizer que a representação se dissolve no signo, afirma Nanami Sato, podendo, portanto, até encobrir a realidade. Em vez de revelar o real, pode-se dizer que a representação, ao dar-lhe suporte, substitui a totalidade e a encarna, em vez de remeter a ela. (SATO apud CASTRO; GALENO, 2002, p. 31). A representação em uma notícia, onde o real é captado por um indivíduo e relatado através da linguagem, pode ser compreendida pelo leitor (espectador, ouvinte ou o que seja) de maneira a distorcer o real e não corresponder ao factual que motivou a construção da notícia. A imposição da objetividade, ao exigir do jornalista que apague suas marcas pessoais quando relata um acontecimento em terceira-pessoa, cria uma ilusão de autonomia, como se houvesse de alguma forma a existência independente da linguagem (SATO, 2002). Aparência e realidade, fato e agente, substância e atributo se misturam O efeito dessa objetividade e dessa impessoalidade faz confundir a história enquanto processo, com o acontecimento enquanto espetáculo (BACCEGA apud CASTRO; GALENO, 2002, p.31). Alguns recortes do processo histórico são apresentados como se constituíssem a totalidade dele. Assim, mistura-se a urgência do dia-a-dia tratada pelo jornalismo com a importância da história tratada pela literatura de maneira a distorcer as duas coisas. A presentificação do texto, que faz com que o leitor sinta que a notícia está acontecendo no momento em que ela está sendo lida, constitui mais uma deformidade do jornalismo. O periodismo, como empreendimento, necessita de um esquema industrial de captação de notícias (ainda mais em tempos imediatistas de webjornalismo); isso faz com que ele dependa muito das fontes, que podem apresentar posições estereotipadas e até ter relações clientelistas com determinados veículos. A consulta a especialistas, que freqüentemente têm pouco espaço para aprofundar suas idéias nos veículos de comunicação, constitui também um esvaziamento de conteúdos e mais estereotipagem, como afirma Pierre Bourdieu em sua conhecida Sociologia Crítica do Jornalismo (BOURDIEU, 1997). 17

19 Finalmente, a própria ordenação dos acontecimentos, de forma a estabelecer uma narrativa constitui uma distorção da realidade. Seguir a cronologia do acontecimento constitui fórmula de consumo fácil, já que cria ilusão cronológica com tempo ficcional gradativo. A seleção dos momentos substitui o real por um real representado e traduz valoração do que se considera como momentos significativos (SATO apud CASTRO; GALENO, 2002, p.32) Portanto como não nos deixam negar os romances-reportagens, ou até mesmo o realismo fantástico de Garcia Marquez, que tem um pé na realidade pode-se dizer que: nem o jornalismo é 100% factual, nem é 100% ficcional a literatura. A realidade é fluida e o discurso não consegue dar conta inteiramente dela. O jornalismo, como toda criação humana, é errático e refém da narrativa. 2.2 Da mistura entre as técnicas literárias e o não ficcionalismo jornalístico surge o novo! O Novo Jornalismo não poderia ter surgido em outra época, senão na explosão cultural e comportamental dos loucos anos 1960 dos Estados Unidos. As técnicas jornalísticas da época já não podiam dar conta de um universo de drogas, experiências psicodélicas, do rock ganhando as massas, das roupas coloridas e da guerra contra a Guerra do Vietnã. Para entender essa geração era preciso mais tato, mais pessoalidade, mais envolvimento. O distanciamento, a observação, a não-participação eram princípios questionáveis para aqueles que queriam entender o que estava acontecendo nos corredores das faculdades ou nas praias da Califórnia ou mesmo nos movimentos de Ken Kesey, um dos coordenadores do Teste do Ácido que rodou a América no meio da década. Escrevi O teste do ácido do refresco elétrico e fiquei esperando os romances que, tinha certeza, iam jorrar da experiência psicodélica... mas eles também nunca apareceram. Descobri depois que os editores também esperavam por isso. Praticamente choravam por romances dos novos autores, que deviam estar por aí em algum 18

20 lugar, novos autores que escreveriam os grandes romances da vida hippie e da vida do campus, dos movimentos radicais ou da Guerra do Vietnã, da maconha ou do sexo, da militância negra ou dos grupos de encontro, ou do torvelinho todo ao mesmo tempo. Eles esperam, e tudo que conseguiram foi o Príncipe da Alienação. (WOLFE, 2005, p.52) De uma hora para a outra jornalistas obscuros de todo o país tinham na mão uma oportunidade única de virar o jogo contra os romancistas ficcionistas uma classe que tinha muito mais prestígio entre os americanos letrados. A realidade estava revirando a ficção. Até então se um jornalista aspirava a status literário, o melhor a fazer era ter o bom senso e a coragem de abandonar a imprensa popular e tentar entrar para a grande liga, relata Wolfe. E no entanto, a verdade estava muito mais interessante do que a fantasia. Existia curiosidade, vontade de conhecer e de entender tudo aquilo que estava engatinhando da Califórnia para o mundo. Os Novos Jornalistas tinham só para si os loucos obscenos barulhentos cobiçosos mau-luxuriosos empapados de drogas anos 60 da América com sua cara de bezerro de ouro. (WOLFE, 2005, p.53) Um dos primeiros jornalistas a entender que essa revolução estava acontecendo na literatura americana foi Tom Wolfe. Ao seu lado, estavam pessoas como Trumam Capote e Gay Talese. Eles começaram a perceber que a realidade contada segundo algumas técnicas aplicadas nos romances de ficção, resultaria em uma nova forma não só de se contar histórias, mas como também de se fazer jornalismo. Nenhum deles cunhou o termo Novo Jornalismo, mas todos sabiam que reportar o mundo daquela maneira bebendo na literatura, nos diálogos de cena-a-cena, na observação participativa era uma maneira completamente nova de se fazer notícia. Contudo, mesmo com todo o frenesi em cima de obras que destacassem o movimento hippie dos anos 1960, o livro de Wolfe que mais reflete sobre o período, O Teste do Ácido do Refresco Elétrico, nunca foi um best seller. Na obra, ele conta, minuciosamente, a jornada psicodélica do escritor Ken Kesey, autor de Um estranho no ninho, que viajou com uma trupe por todo o Estados Unidos para distribuir LSD droga que logo seria proibida pelo governo americano. 19

21 Wolfe faz o relato embasado em alguns dos princípios básicos do Novo Jornalismo, a começar pela apuração minuciosa, pelo relato de detalhes e pela observação participativa. Paralelamente a isso, o jornalista ainda emprega palavras em caixa-alta em momentos específicos do texto, como também se utiliza de dúzias de dois pontos (:) para destacar momentos de loucura, de intensidade, de algo que está além do que seria compreensível para o leitor comum. 2.3 A Realidade não passa de uma opinião O Jornalismo Gonzo não é um simples subproduto do Novo Jornalismo, é a radicalização e adaptação da inovação deste estilo à personalidade conflituosa e pujante do homem que o inventou. Mas, nesse ano (1966), a Medalha de Honra de melhor de todos os escritores freelances foi para um jornalismo obscuro da Califórnia chamado Hunter Thompson, que rodou com os Hell's Angels durante dezoito meses como repórter, e não como membro, o que teria sido mais seguro a fim de escrever Hell's Angels: medo e delírio sobre duas rodas. (WOLFE, p. 46, 2005) Uma das principais influências de Tom Wolfe é o jornalista sombrio e taciturno Hunter S. Thompson, responsável pelo surgimento do Gonzo. Enquanto Trumam Capote repaginava o jornalismo escrevendo um livro sobre uma chacina no meio-oeste americano, entrevistando famílias, suspeitos e criminosos, Hunter mergulhou de vez no seu objeto de estudo ou a sua pauta - e encarou a ideia de passar 18 meses na estrada com a gangue de motoqueiros mais perigosa do mundo. Desse período saiu o primeiro grande texto Gonzo de Thompson, que aliava não só técnicas de literatura, como também uma análise sociológica e filosófica do grupo em questão. Se o Novo Jornalismo conseguia ir além da superfície por conta das técnicas de literatura e da subjetividade iminente, o Gonzo Jornalismo, de Hunter Thompson, regogizava no fundo escuro do poço, longe da luz, iluminado apenas pelo envolvimento completo do autor com a sua obra. Nesse 20

22 ponto, Thompson pode ser mais comparado ao poeta francês Arthur Rimbaud do que a qualquer outro jornalista. Ao contrário do Novo Jornalismo, no Gonzo, dificilmente é possível se dividir o texto jornalístico do seu autor. Em muitos momentos, inclusive, fica a dúvida do foco de uma reportagem: os sentimentos do jornalista ou o fato. Entre os rótulos rotineiramente impingidos ao Gonzo, estacam-se, via de regra, as críticas que tem por objetivo a sua desqualificação como um gênero pertencente ao universo jornalístico. A princípio, isto acontece porque as principais características do Gonzo - proximidade entre repórter e fato, interação entre repórter e acontecimento e a sempre destacada distorção do conteúdo noticioso, a partir da experiência do repórter - vão de encontro à idéia de imparcialidade e à noção de objetividade, promessas paulatinamente apontadas como requisitos essenciais à estrutura do jornalismo, que são garantidas pelo tripé neutralidade, transparência e verdade, ausente da base conceitual do Gonzo. (SANTOS, 2009, p.8) Assim como o Novo Jornalismo, o Gonzo só tomou formas e ganhou legitimidade por conta do contexto histórico em que está inserido. Em um período de grandes transformações culturais, do movimento hippie ganhando às massas, da loucura iminente, um jornalista como Hunter Thompson não só tinha mais propriedade para desfilar sobre tais assuntos, como também arrancava uma certa credibilidade da sociedade. Hunter era um hippie no meio do movimento psicodélico. E era um hippie com uma máquina de escrever na mão, um olhar ácido sobre a sociedade americana, e com sede de ver todo este universo entrar em colapso, ebulir e romper com as estruturas tradicionais do jornalismo, da sociedade e da política como um todo. Nesse ponto, com a credibilidade que tinha entre os malucos americanos dos anos 1960 que, segundo Tom Wolfe, era toda a sociedade americana - Hunter ficou livre para fazer seus relatos sempre em primeira pessoa, inventar personagens, cenas e acontecimentos importantes, mesmo que isso envolvesse o então presidente Richard Nixon e sua família sendo vistos em uma tribo de canibais no meio do Havaí. Thompson admite que muitas das histórias descritas em seus artigos nunca aconteceram. Seu estilo de escrever, de caráter extremamente confessional (principalmente pelo uso obrigatório do narrador na primeira pessoa) e fazendo uso de uma linguagem clara e direta, faz com que o leitor acredite que os fatos que estão sendo 21

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC

Sistema de Ensino CNEC 1 SUMÁRIO VOLUME 1 "O homem é um pedaço do Universo cheio de vida." Ralph Waldo Emerson Capítulo 1 O Tempo não para 5 Capítulo 2 Você percebendo-se como sujeito histórico 20 Capítulo 3 O Universo que nos

Leia mais

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin Fotos: Luís Antônio Rodrigues No Perfil & Perfil Em meio às gravações no estúdio Brothers da Lua do músico, juntamente com o gravamos uma entrevista, onde eles nos contam como começou essa amizade e parceria,

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão

ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão ZECA CAMARGO Jornalista e Apresentador Rede Globo de Televisão Zeca Camargo foi o convidado da segunda edição do RBS Debates, dia 23 de Julho, em Florianópolis. O evento reuniu mais de mil estudantes e

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Leila Cristina Leite Ferreira-UFPA RESUMO: Este artigo traz como discussão a captação, a elaboração e a

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 80 Memória Oral 24 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte,

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU

USUÁRIO QUE APANHOU NA PRISÃO, SOFREU NOME LUIS FILIPE PERTENCENTE A ALGUMA ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL? ESTADO MUNICÍPIO RIO DE JANEIRO (RJ) NOVA FRIBURGO DESCRIÇÃO DO CASO QUALIFICAÇÃO SEXO MASCULINO IDADE 22 25 COR GRAU DE INSTRUÇÃO

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA!

GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA! ISSN 2177-9139 GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA! Thaís Eduarda Ávila da Silveira thaisuab3@gmail.com Universidade Federal de Pelotas, Pólo Sapucaia do Sul, 92990-000 Sapucaia do

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

Veja todo o material ou clique no índice abaixo para ir direto para o que precisa.

Veja todo o material ou clique no índice abaixo para ir direto para o que precisa. 1 Carta às Noivas Olá, em primeiro lugar, parabéns por estar se casando! Esperamos que este material à ajude a saber mais sobre casamentos e também no planejamento correto da sua festa. Veja todo o material

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

VIDAS PARALELAS. LIVRO l. Série: VIDAS 1ª EDIÇÃO. Patty Freitas

VIDAS PARALELAS. LIVRO l. Série: VIDAS 1ª EDIÇÃO. Patty Freitas VIDAS PARALELAS VIDAS PARALELAS LIVRO l Série: VIDAS 1ª EDIÇÃO 2014 Patty Freitas Os livros são abelhas que levam o pólen de uma inteligência à outra James Russel Lowell DEDICATÓRIA Dedico este livro

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL

A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL A EDUCAÇÃO E A BUSCA PELA PAZ ENTREVISTA COM PROFESSOR PIERRE WEIL Por: Daniela Borges Lima de Souza1 e Bruno Mourão Paiva2 Francês, nascido em 1924, o professor Pierre Weil é escritor, educador e psicólogo

Leia mais

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O cirurgião dentista Robinson Shiba, proprietário da rede China In Box, em 1992 deixava de exercer sua profissão como dentista para inaugurar a primeira

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil!

Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Os 3 Passos da Fluência - Prático e Fácil! Implemente esses 3 passos para obter resultados fantásticos no Inglês! The Meridian, 4 Copthall House, Station Square, Coventry, Este material pode ser redistribuído,

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

NADJA VLADI - Editora da revista Muito.

NADJA VLADI - Editora da revista Muito. NADJA VLADI - Editora da revista Muito. Jornalista, doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Faculdade de Comunicação da UFBA. Atualmente atua como editora-coordenadora da revista Muito do

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0 Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos CAIO HENRIQUE TEODORO DOS SANTOS Página 1 Versão 1.0 2013 Esforcei-me ao máximo para transmitir em poucas páginas algumas dicas

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha

O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha O USO DE DROGAS (Depoimento emocionado de Luiz Fernando Veríssimo sobre sua experiência com as drogas). Vale a pena ler Tudo começou quando eu tinha uns 14 anos e um amigo chegou com aquele papo de experimenta,

Leia mais

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 15 Para que serve este Livro 17 Como usar este livro 1. PARA ENTENDER A PROFISSÃO 23 O que é preciso para ter sucesso na profissão 23 TALENTO - Como saber se você tem 24 CONHECIMENTO-Como

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

A fotografia de Jørgen Angel

A fotografia de Jørgen Angel A fotografia de Jørgen Angel Jørgen Angel (nascido em 1951, em Copenhagen na Dinamarca) trabalhou como fotógrafo profissional no cenário musical desde sua adolescência, no final dos anos 60, até o início

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

www.thesimstv.net Não foi fácil chegar ao topo. Mas ela irá mostrar como.

www.thesimstv.net Não foi fácil chegar ao topo. Mas ela irá mostrar como. Não foi fácil chegar ao topo. Mas ela irá mostrar como. Querido Diário, hoje começo uma nova vida. Nem acredito, parece que foi ontem que entrei pela primeira vez naquele karaokê... Minha vida mudou completamente

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia

É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Entrevista a Carlos Amaral Dias É a pior forma de despotismo: Eu não te faço mal, mas, se quisesse, fazia Andreia Sanches 04/05/2014 O politicamente correcto implica pensar que a praxe é uma coisa horrível.

Leia mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais

Família e dinheiro. Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? Todos juntos ganham mais 1016327-7 - set/2012 Quer saber mais sobre como usar melhor o seu dinheiro? No site www.itau.com.br/usoconsciente, você encontra vídeos, testes e informações para uma gestão financeira eficiente. Acesse

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806.

De volta para casa. Game Design Document. Versão: 2.0. Alessandra RA 1385789. Aline RA 1382286. Allan RA 1385006. Fabio RA 1385806. De volta para casa Game Design Document Versão: 2.0 Professor Orientador: Esp. Marcelo Henrique dos Santos Autores: Alessandra RA 1385789 Aline RA 1382286 Allan RA 1385006 Fabio RA 1385806 Iris RA 1383599

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista:

Entrevista Descrição da demanda: Relatório da Entrevista: Entrevista Dia 21/05, às 19:00, no MOM Família de 2 pessoas: Roney e Helena Endereço da casa: Rua Uberlândia, 531 (esquina com Rua Padre Eustáquio) Tempo: 2h Presentes: Amanda Descrição da demanda: Os

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

09/09/2004. Discurso do Presidente da República

09/09/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de recepção da delegação brasileira que participou das Olimpíadas de Atenas Palácio do Planalto, 09 de setembro de 2004 Meu caro Grael, Meu querido René Simões,

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Português Compreensão de texto 2 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Compreensão de texto Nome: Data: Leia este texto expositivo e responda às questões de 1 a 5. As partes de um vulcão

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã

Oficina de Roteiro - Onda Cidadã Oficina de Roteiro - Onda Cidadã ---Pesquisa Todo vídeo necessita de pesquisa para ser produzido. Isto ajuda a organizar as ideias e facilita a produção. Faça a sua própria pesquisa (...) você deve fazer

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE

A CRIANÇA NA PUBLICIDADE A CRIANÇA NA PUBLICIDADE Entrevista com Fábio Basso Montanari Ele estuda na ECA/USP e deu uma entrevista para e seu grupo de colegas para a disciplina Psicologia da Comunicação, sobre sua história de vida

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Projeto Internos: a fotografia no hospital

Projeto Internos: a fotografia no hospital CRIAÇÃO Projeto Internos: a fotografia no hospital Haná Vaisman É impossível ficar três meses lidando com uma pessoa todo dia e falar que ela é só paciente e você só médico. Você acaba tendo preocupações

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA Aluno (a): Turma: 2º Ano Professora: Data de entrega: Valor: 20 pontos CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Leitura e interpretação de textos

Leia mais

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1 1. Pateo do Collegio conhecia conhecia 16 18 0 1. Pateo do Collegio gostei gostei 33 0 1 Pateo do Collegio 3% Pateo do Collegio gostei 0% conhecia 53% conhecia 47% gostei 97% Por quê? Aprendi mais sobre

Leia mais

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Novo Negócio 12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Vinícius Gonçalves Equipe Novo Negócio Espero sinceramente que você leia este PDF até o final, pois aqui tem informações muito importantes e que

Leia mais

Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária

Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária Lideranças do movimento Moinhos Vive relembram luta dos bairros de Porto Alegre (RS) contra especulação imobiliária Casarões da Luciana de Abreu estão há 11 anos em disputa na Justiça Foto: Ramiro Furquim/Sul21

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

REQUERIMENTO Nº /2008

REQUERIMENTO Nº /2008 REQUERIMENTO Nº /2008 Requer VOTO DE APLAUSO à Srª VIOLETA JAFET, por ter completado 100 anos de idade, no dia 10 deste mês de fevereiro de 2008, boa parte dos quais dedicada ao Hospital Sírio-Libanês,

Leia mais