O PROCESSO DE VERTICALIZAÇÃO DE COPACABANA, RIO DE JANEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PROCESSO DE VERTICALIZAÇÃO DE COPACABANA, RIO DE JANEIRO"

Transcrição

1 O PROCESSO DE VERTICALIZAÇÃO DE COPACABANA, RIO DE JANEIRO Luiz Ricardo Schiavinato Valente UERJ João Pedro de Andrade Eduardo UERJ INTRODUÇÃO Verticalização, no contexto urbanístico, consiste num processo que ocorre em grandes cidades e metrópoles com a construção de inúmeros e grandes edifícios. Tal processo acontece por conta da necessidade de espaço físico para habitação e instalações de serviços e comércio em uma cidade, que por sua vez, já está densamente ocupada. Além de provocar uma alteração na paisagem da localidade, a verticalização do espaço pode ser percursora do processo ocupacional, mudando o perfil populacional de certa porção do espaço urbano. A verticalização já ocorreu e ainda ocorre em diversas cidades do Brasil e do mundo. Nos Estados Unidos, as cidades de Chicago e Nova York tiveram contato com esse fenômeno desde muito cedo e, no Brasil, as cidades de São Paulo, Recife e Rio de Janeiro são alguns dos melhores exemplos. No caso das cidades brasileiras, tal processo ocorreu em áreas pontuais levando em consideração suas características atrativas diferenciadas. Em São Paulo, ocorreu próximo ao centro financeiro e grandes avenidas. No Recife próximo à famosas praias, como a de Boa Viagem, por exemplo. E no Rio de Janeiro no centro financeiro da cidade, principalmente na Avenida Rio Branco, nas bordas de vias de grande circulação (como a margem do Aterro do Flamengo), na região da Grande Tijuca, na Zona Norte e praticamente em toda a Zona Sul da cidade: Botafogo, Copacabana, Leme, Ipanema, Leblon, etc. Tais áreas sofreram o processo de verticalização por motivos diferentes e em períodos históricos diferentes. O recorte deste artigo é o bairro de Copacabana, que teve seu processo de verticalização ocorrendo entre os anos 1930 (com o Plano Agache) e 1950, com a pressão imobiliária e com a expansão da Zona Sul litorânea carioca (Chagastelles, 2012). Para entender esse fenômeno é preciso, primeiramente, conhecer a história de

2 ocupação do bairro específico e suas características espaciais, bem como o processo de ocupação e urbanização singular que esta porção do espaço urbano teve. OBJETIVOS Esta pesquisa, que está em estágio inicial de produção, visa entender como se deu a ocupação do bairro de Copacabana a fim de compreender o processo de verticalização que se apresentou fortemente no mesmo entre as décadas de 1930 e Além disso, busca-se o conhecimento do histórico de construção e do uso do espaço nas edificações residenciais construídas para ter como resultado o maior conhecimento do perfil das pessoas que habitam o bairro. METODOLOGIA O desenvolvimento da pesquisa levou em consideração as práticas de campo no bairro de Copacabana, com observação empírica e entrevistas com moradores da localidade, além da revisão bibliográfica, com busca de um aporte teórico-conceitual, bem como a coleta de dados primários referentes à própria evolução urbana do recorte em tela. HISTÓRIA E OCUPAÇÃO DE COPACABANA Onde hoje se encontra o famoso bairro de Copacabana, antes da ocupação portuguesa era apenas uma grande praia isolada delimitada por uma cadeia de morros e habitada por índios tamoios, que a chamavam de Sacopenapã. Como referência, em Cardoso (1986, p. 19) é visto que o nome atual, de origem quíchua (família de línguas indígenas da América Andina), surgiu apenas no século XVII, após pescadores da região encontrarem na praia uma imagem da Virgem de Copacabana, santa muito popular na região do lago Titicaca, entre o Peru e Bolívia. A primeira construção mais formal que o local teve foi uma pequena igreja em devoção à Virgem de Copacabana, construída em 1746, que ficava localizada onde hoje está o Forte de Copacabana, no Posto Seis. O local era considerado isolado, cercado de lendas, e evitado por conta do seu difícil acesso e pela grande distância em relação à

3 área urbana da então cidade do Rio de Janeiro. Por isso, Copacabana não se desenvolveu em conjunto com o resto da cidade e servia apenas como vila de pescadores e local veranista para famílias ricas de outros bairros que mantinham chácaras e sítios para aproveitar os períodos de verão. A área passou a ser sistematicamente ocupada a partir de 1892, após a abertura do túnel Real Grandeza, de cinco metros e meio de largura atual túnel Velho na Rua Siqueira Campos, pela Companhia Ferro-Carril do Jardim Botânico, possibilitando a ligação de Copacabana a Botafogo por linhas de bonde, que chegaram ao Leme em Com o acesso e circulação facilitados, o bairro surgiu com a abertura de ruas e a proliferação de loteamentos. No início do século XX, a gestão do prefeito Pereira Passos trouxe ao Rio de Janeiro grandes transformações urbanísticas visando melhorar a dinâmica e modernizar a cidade aos moldes europeus. Os banhos de mar e a praia finalmente começaram a ser valorizados, em acordo com os novos costumes europeus, e em 1906 foi inaugurada a simbólica Avenida Atlântica avenida que beira toda a linha costeira do Leme ao final de Copacabana e o túnel do Leme, o atual túnel Novo. Por muitos anos o bairro se desenvolveu em ritmo desacelerado e com aspecto residencial definido. Porém, o grande impulso de crescimento de Copacabana veio nos anos 30, coincidindo com a Revolução de Trinta, na área política, e com o movimento Modernista, no campo das artes, colocando em evidência o Brasil urbano. Nessa época, o Rio de Janeiro que era capital federal passou por uma expansão industrial importante e se tornou o principal centro urbano do país. Com a construção do Copacabana Palace, em 1923, o bairro entrou para o mapa do turismo internacional e acabou se tornando palco de uma urbanização singular, conforme destacado em sua tese de doutorado, FERNANDES, Ulisses da Silva (2006, p ) cita que: (...) o Copacabana Palace emerge na teia urbana do bairro como um ícone das transformações que a ele se sucederiam e, mesmo que não intencionalmente, lá está até hoje como a marcar tamanha monta de transformação. A partir do seu empreendimento, Copacabana acabaria por encetar a visão monumental que fez antever um novo estilo de vida, uma nova forma de gestão do urbano e eclodir o mito que a fez ser representativa do moderno.

4 Diferente do Centro da cidade e de bairros mais antigos, Copacabana se formou em um cenário sofisticado, apresentando grandes edifícios de apartamentos residenciais com um novo e moderno conceito de moradia. Tais edifícios, de diversos estilos arquitetônicos, começaram a multiplicar nos 7,84 km² do bairro nos anos de 1930 com imensos e charmosos apartamentos. O processo de verticalização começa aqui. Nessa época, em Copacabana, se instalou a elite urbana, com estrangeiros, intelectuais, artistas e milionários. A região cresceu moderna, movimentada e cosmopolita, lançando modas e hábitos próprios. Se diferenciando dos bairros do subúrbio, a principal forma de moradia em Copacabana era em prédios de apartamentos residenciais e morar em prédios de Copacabana era motivo de status. Copacabana ficou famosa e cresceu. Cresceu tanto que nos anos de 1950 era tão movimentada quanto o Centro da cidade, com arranha-céus com coberturas e ruas e calçadas lotadas de lojas, pessoas, carros de passeio e ônibus. Em sua obra, o autor Gilberto Velho (1989, p. 18) explicita que em: qualquer hora do dia e grande parte da noite há um enorme movimento de pessoas, especialmente na Avenida Copacabana, que apresenta intensa concentração de comércio, vários cinemas, restaurantes, bares, edifícios de escritórios ao lado dos residenciais etc. É uma multidão extremamente variada e colorida, composta por moradores, pessoas que trabalham ali, visitantes, turistas etc. O crescimento e fama também atraíram moradores de classe média de outras áreas e migrantes de outros estados, todos em busca do glamour de morar no bairro mais famoso do Brasil. Esse processo desencadeou uma ocupação desordenada e uma grande demanda para a indústria imobiliária, que por sua vez, aproveitou para construir freneticamente novos edifícios que se diferenciavam dos luxuosos prédios construídos na década de 1930 com centenas de unidades de apartamentos conjugados que passaram a ser ocupados por famílias menos favorecidas economicamente. Um exemplo desse tipo de moradia é o famoso Edifício Richard, na rua Barata Ribeiro, que é um prédio de 12 andares, com 540 apartamentos de um cômodo, com cerca de moradores e uma média de 4 pessoas por unidade. O boom imobiliário fez desaparecer

5 as áreas verdes para dar lugar a uma selva de concreto. O bairro cresceu verticalmente e com isso viu sua população dobrar entre 1945 e Para conter o crescimento populacional do bairro e evitar ao máximo a perda do prestígio da região, em 1963 foi proibida a construção de novos edifícios com apartamentos conjugados, o que em parte explica o crescimento das favelas localizadas nas encostas dos morros que circundam o bairro. VERTICALIZAÇÃO: O CONCEITO A verticalização caracteriza-se como uma nova forma de ocupação do espaço. Essa temática está ligada, intimamente, com o processo de urbanização das grandes cidades, aliada, aos agentes sociais e interesses econômicos que, de certa forma, estruturam as cidades de forma vertical. Nesse contexto, o referido processo acaba reproduzindo uma revolução na forma de construir e reproduzir, além disso, os agentes transformadores adquirem responsabilidade na dinâmica modeladora e comportamental da vida urbana, especialmente no Brasil. Nesse sentido, Mendes (1992, p.30) lembra que: a verticalização é um processo intensivo de reprodução do solo urbano, oriundo de sua produção e apropriação de diferentes formas de capital, principalmente consubstanciado na forma de habitação, como é o caso do Brasil. Além da associação junto às inovações tecnológicas, que interferem no processo, alterando a paisagem urbana. Pode-se inferir que o capital financeiro, capital imobiliário, capital produtivo e outros agentes do espaço urbano visam a apropriação do espaço como se este fosse apenas uma mercadoria. Com isso, há a possibilidade de obtenção do lucro, mas também ofertar produtos imobiliários para determinados tipos de consumidores. Assim, Souza (1994, p. 135) julga que a verticalização é o resultado da multiplicação do solo urbano [...] provavelmente a resultante no espaço produzido de uma estratégia entre múltiplas formas de capital fundiário, imobiliário e financeiro, que cria o espaço urbano.

6 COPACABANA: UM BAIRRO EM EXPANSÃO VERTICAL O bairro de Copacabana passou por inúmeras transformações espaciais, que vão desde alterações/construções das vias públicas, praias e questões de ocupação humana. Nesse sentido, em meados do século XX, Copacabana foi um reflexo das reformas administrativas e urbanísticas promovidas pelo, então prefeito, Pereira Passos. Nitidamente, ao longo do seu mandato, são verificadas inúmeras mudanças na cidade, como a construção de vias de acesso, pavimentações e eletrificação da região; tais mudanças, contribuíram para a integração do bairro da zona sul ao restante da cidade. A localidade, como já explicitado, possuía difícil acesso no século XVIII, concentrando apenas alguns sítios e chácaras. Entretanto, com a construção do Túnel do Leme, a Avenida Atlântica, o Hotel Copacabana Palace, o bairro passou a adquirir certa integração com o restante da cidade, atraindo cada vez mais novos moradores. Em assim sendo, Gilberto Velho afirmava: é interessante percorrer os jornais dos anos 40 até 60, examinando seus suplementos de imóveis, especificamente os dominicais. Coisas do gênero: Paraíso a beira-mar, Seja feliz em Copacabana, More como gente de bem em Copacabana, Não negue a sua família o direito de morar em Copacabana etc (VELHO, 1989 p.24). Depois da construção do Hotel Copacabana Palace, surge uma mudança na estruturação urbana do bairro e a sua configuração. Alguns anos após a construção do hotel, Copacabana passa a lidar com construções de grandes edifícios que, de certa forma, acabam por obedecer uma estética da época. Nas décadas de 40 e 50 o bairro sofreu um fluxo de ocupação urbana local visando um maior status oferecido a quem residia no bairro, assim, a especulação imobiliária passou a valorizar o solo, tendo uma substituição das residências por prédios de grande porte nas suas variadas funções e usos. Com a pressão imobiliária, a Prefeitura Municipal foi praticamente obrigada em

7 1946 a liberar o gabarito dos prédios de Copacabana para 8, 10 ou 13 andares, conforme a localização (Abreu, 1987). Nesse sentido, os preços dos terrenos cresceram astronomicamente devido à escassez e grande procura, expulsando a população carente para habitações menos valorizadas dentro do próprio bairro (como prédios mais humildes que remetem aos cortiços e ruas afastadas da orla) e para os morros, formando as favelas. Dada a integração ao bairro, julga-se importante destacar, que Copacabana atraiu um grande contingente populacional para aquele espaço a partir de O bairro somava características marcantes, como as belezas naturais onde cada traçado do relevo, o mar e a praia imprimiam uma leitura única daquele espaço simbólico que possuía visibilidade social e de lazer. Além disso, entrava em cena alguns agentes de configuração da nova paisagem do bairro, como o poder público, as imobiliárias e as construtoras que iniciavam uma nova área em expansão urbana, e como não havia mais espaço e o bairro era bem definido por limites físicos, a expansão se tornou vertical. O bairro da zona sul possuía boas condições de vida que contrapunham com a vida no subúrbio e da periferia carioca. Nessa perspectiva, os moradores alcançavam o seu status social abordada pelo antropólogo Gilberto Velho: verifica-se a existência de uma estratégia de mobilidade social baseada em estabelecimento de objetivos claros e de um esforço às vezes gigantesco. Sem dúvida, há uma sensação de triunfo com a chegada a Copacabana. As pessoas vêem confirmadas suas qualidades pessoais, sua capacidade de alcançar objetos difíceis, etc (VELHO, 1989, p. 8). Com a incorporação de Copacabana à malha urbana carioca pôde-se desenvolver melhor o bairro. Entretanto, devido ao crescimento da cidade do Rio de Janeiro, houve uma necessidade de ampliação do sistema de transportes, então notou-se um sufocamento da localidade pela proliferação dos carros e ônibus nas vias deste bairro carioca. As favelas começam a fazer parte, também, desse cenário. Desde de 1915, já

8 havia relatos sobre terrenos sendo invadidos e a construção irregular e desordenada de barracos que cresciam sobre as encostas dos morros. A partir dos anos 1930, quando surgem as construções de modo verticalizado, Copacabana já apresentava favelas razoáveis pelos morros da Babilônia, Leme e Cantagalo. Com esse crescimento desordenado e o caos urbano, Copacabana começa a perder o seu status de bairro atraente para outros locais da Zona Sul carioca. Desse jeito, não há mais aquele alvoroço pela sua procura e nem o seu prestígio, como anteriormente em meados dos anos 1960, contudo, Copacabana levanta o seu título de bairro com as maiores concentrações urbanas do Brasil. CONSIDERAÇÕES FINAIS Copacabana claramente expõe a sua complexidade, contando com uma mistura de classes sociais, etnias e variadas culturas. Apartamentos conjugados dividem espaço com luxuosos hotéis, turistas se misturam com trabalhadores nas calçadas, a praia democrática e a história de um passado luxuoso faz de Copacabana uma das paisagens mais famosas do Brasil e conhecida no mundo inteiro. No que se refere à moradia e habitantes, o bairro apresenta grandes contrastes. Trechos próximos às favelas possuem um aluguel mais barato, contrapondo os altos preços da orla, na qual a população mais rica reside e as ruas mais próximas ao Posto Seis, que são consideradas quase Ipanema e por essa razão são mais valorizadas. Tendo como base um imóvel de 90m² com dois dormitórios, apartamentos afastados da praia possuem um preço médio de 3 mil reais mensais, enquanto um do mesmo tamanho próximo à orla pode chegar a 14 mil reais por mês. Considera-se, por hora, que o processo de verticalização experimentado por esta porção do espaço urbano carioca influenciou claramente a formação do bairro e as pessoas que nele habitam à medida em que se criou áreas elitizadas em determinados locais do bairro, contrapondo com as desigualdades sociais e a favelização do mesmo. A verticalização permite a grande concentração de pessoas em um pequeno espaço físico,

9 desencadeando e criando relações sociais muito peculiares e restritas, como a perda da privacidade pela proximidade dos apartamentos, estresses causados pelos barulhos do cotidiano e a diminuição dos espaços de moradia. AGRADECIMENTOS Reservarmos este espaço para registrar nossos agradecimentos aos professores da Universidade do Estado do Rio de janeiro UERJ ligados ao Instituto de Geografia (IGEOG) que proporcionaram a elaboração e o melhor desenvolvimento deste trabalho através da contribuição de seus conhecimentos sobre área. Ao Prof. Dr. Ulisses da Silva Fernandes pelo comprometimento e disponibilidade em ajudar e à Prof.ª. Dr ª. Susana Mara Miranda Pacheco pelo interesse e paciência. REFERÊNCIAS ABREU, Maurício de Almeida. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IPLANRIO/ZAHAR, CARDEMAN, David. O Rio de Janeiro nas Alturas. Rio de Janeiro: Mauad, CARDOSO, Elizabeth et al. História dos Bairros Memória Urbana: Copacabana. Rio de Janeiro: João Fortes Engenharia / Editora Index, CHAGASTELLES, Gianne Maria Montedônio. Copacabana Arranha os Céus: A Sua Verticalização e a Sua Abertura Para o Mundo ( ). Disponível em: _verticalizacaocopacabanacasanova.pdf. Acesso em 20 de mar. de CHIARADIA, Clóvis. Dicionário de palavras brasileiras de origem indígena. São Paulo: Limiar, FERNANDES, Ulisses da Silva. A Natureza Monumental do Copacabana Palace. 194 f. Tese (Mestrado em Geografia) Instituto de Geociências, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, MENDES, C. M. O Edifício no Jardim: um Plano Destruído a Verticalização em Maringá. Tese (Doutorado em Organização do Espaço) Faculdade de Filosofia Letras e

10 Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, REIS, José de Oliveira. O Rio de Janeiro e seus Prefeitos: Evolução Urbanística da Cidade. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, SOUZA, Maria A. A. A Identidade da Metrópole. São Paulo: EDUSP, VELHO, Gilberto. A Utopia Urbana: Um Estudo de Antropologia. Rio de Janeiro: Zahar, Ed. 5ª, URLs consultadas:

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos

Rio de cara nova. Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos Rio de cara nova Conheça dez obras que prometem mudar a cara da cidade nos próximos dez anos por Ernesto Neves 01 de Agosto de 2011 Fonte: Revista Veja Rio Cidade do Rock O terreno de 250 mil metros quadrados

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA

6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6. VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA 6.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar a valorização imobiliária do solo urbano decorrente da urbanização do promovida pelo poder público municipal e da implantação

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

NUEVOS USOS PARA LOS SECTORES DE EMBAJADAS EN BRASILIA

NUEVOS USOS PARA LOS SECTORES DE EMBAJADAS EN BRASILIA NUEVOS USOS PARA LOS SECTORES DE EMBAJADAS EN BRASILIA Giuliana de Freitas Frederico de Holanda Universidade de Brasília, Brasil INTRODUÇÃO Na comemoração do aniversário de cinquenta anos da inauguração

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana

Urban View. Urban Reports. Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana Urban View Urban Reports Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana coluna Minha cidade, meu jeito de morar e de investir programa Falando em Dinheiro Rádio Estadão ESPN Butantã: a bola da

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

Praias em Processo de Urbanização

Praias em Processo de Urbanização Praias em Processo de Urbanização Conforme citado anteriormente, os perfis 3, 4, 6, (Passo de Torres), 11, 12, 15, 16, 18, 43 (Balneário Gaivota), 20, 22, 23, 26,44, 45 (Arroio do Silva), 28, 29, 30, 32,

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

5. LEVANTAMENTO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO 5.1. RELAÇÕES TEMÁTICA / SÍTIO SÍTIO PROPOSTO O sítio proposto para a implantação situa-se no limite dos bairros Menino Deus e Praia de Belas, divididos pela Avenida

Leia mais

RIO DE JANEIRO: conhecendo um pouco da sua história pelas experiências e visualizações de campo

RIO DE JANEIRO: conhecendo um pouco da sua história pelas experiências e visualizações de campo RIO DE JANEIRO: conhecendo um pouco da sua história pelas experiências e visualizações de campo Fernanda Endo Faleiros Graduanda em Geografia UFU/ IG fefalleiros@hotmail.com Sérgio Luís Dias Machado Graduando

Leia mais

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009.

Portaria de acesso social, vista interna. Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. Portaria de serviços, vista interna Fonte: SAMPAIO, 10/out/2009. CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE O Condomínio Ilhas do Sul abrange uma área total de 30.178m² e tem 118.000m² de área construída. O acesso se faz

Leia mais

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República

Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Distrito Federal Água e Esgoto Amplia-se a rede de esgoto na capital da República Com a proclamação da República, em 1889, a Inspetoria Geral de Obras Públicas passou a se chamar Inspeção Geral das Obras

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

Revista CONSTRUÇÃO E MERCADO Edição 142 MAIO 2013

Revista CONSTRUÇÃO E MERCADO Edição 142 MAIO 2013 Revista CONSTRUÇÃO E MERCADO Edição 142 MAIO 2013 ENTREVISTA Wilson Marchi Arquitetura de mercado Arquiteto discute a padronização da arquitetura no segmento residencial e aponta mudanças que começam a

Leia mais

Em ritmo chinês A arquiteta Mariana Gerotto, de 26 anos, mudou-se para a Vila Andrade, na Zona Sul, em 2000, mas só recentemente descobriu ser esse o nome do bairro. Apesar de ele estar gravado nas placas

Leia mais

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil - SEPesq O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil Vivian K.Levy Mestranda em Arquitetura e Urbanismo Unirriter Vivianklevy@gmail.com Resumo Este artigo trata da evolução, do caminho que a tipologia do

Leia mais

CENÁRIO. do Mercado Imobiliário do Rio de Janeiro. 1º semestre 2015

CENÁRIO. do Mercado Imobiliário do Rio de Janeiro. 1º semestre 2015 CENÁRIO do Mercado Imobiliário do Rio de Janeiro 1º semestre 2015 CENÁRIO do Mercado Imobiliário do Rio de Janeiro 1º semestre 2015 Em um cenário de incertezas polí co-econômicas e de uma maior rigidez

Leia mais

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana 6.1. A Dinâmica de Uso e Ocupação do

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO E A VERTICALIZAÇÃO EM PONTA NEGRA, NATAL-RN

PRODUÇÃO DO ESPAÇO E A VERTICALIZAÇÃO EM PONTA NEGRA, NATAL-RN Mariana de Vasconcelos Pinheiro¹ Márcio Moraes Valença (Orientador da Pesquisa)² ¹UFRN - marianavasconcelos@globo.com ²UFRN marciovalenca@ufrnet.br PRODUÇÃO DO ESPAÇO E A VERTICALIZAÇÃO EM PONTA NEGRA,

Leia mais

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO A área de lazer cada vez mais assume posição de destaque nos informes publicitários do mercado imobiliário residencial. O programa dos condomínios residenciais

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

Domicílios e ocupação no Rio

Domicílios e ocupação no Rio ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Domicílios e ocupação no Rio Nº 20010505 Maio - 2001 Alcides Carneiro - IPP/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro PREFEITURA DA CIDADE DO RIO

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo

A em pre sa. Institucional. Edifício Waterloo A em pre sa Institucional Desde 2003 no mercado do Vale do Aço, a Costa Construtora investe em qualidade e tecnologia com o objetivo de atender toda a demanda na área de construção civil e melhorar o desempenho

Leia mais

Com revitalização da Zona Portuária, Centro do Rio pode voltar a ser opção de moradia

Com revitalização da Zona Portuária, Centro do Rio pode voltar a ser opção de moradia Com revitalização da Zona Portuária, Centro do Rio pode voltar a ser opção de moradia Coração da cidade perdeu 120 mil moradores em 40 anos, segundo dados do IBGE. Reabitá-lo é um desafio para o poder

Leia mais

1. Investimento concreto

1. Investimento concreto 1. Investimento concreto 18/09/2008 Exame Revista Setor 137, 138 e 140 Página 1 Página 2 Página 3 Página 4 Comprar imóveis para alugar foi um dos piores negócios nas últimas décadas. Agora até estrangeiros

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

Carlos Alexandre de Bortolo 1. Eixo temático: O CAMPO E A CIDADE

Carlos Alexandre de Bortolo 1. Eixo temático: O CAMPO E A CIDADE DO MARKETING IMOBILIÁRIO AO BOM NEGÓCIO: UMA ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS IMOBILIÁRIAS E A ATUAÇÃO DOS AGENTES NO MERCADO IMOBILIÁRIO EM LONDRINA E MARINGÁ - PR Eixo temático: O CAMPO E A CIDADE Carlos Alexandre

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS

TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EVOLUÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS: ESTUDO DO BAIRRO FUNCIONÁRIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças

PORTO MARAVILHA. Permanências e Mudanças PORTO MARAVILHA Permanências e Mudanças MOMENTO ESPECIAL CV Rio + 20 Copa das Confederações 450 Anos da Cidade & Copa América Jogos Olímpicos de 2016 2011 2012 2013 2014 2015 2016 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA

Leia mais

Palavras-Chave: Especulação Imobiliária; Segregação Residencial; Catalão GO; Reprodução do Espaço;

Palavras-Chave: Especulação Imobiliária; Segregação Residencial; Catalão GO; Reprodução do Espaço; A AÇÃO DOS PROMOTORES IMOBILIÁRIOS EM CATALÃO GOIÁS: Especulação imobiliária e segregação residencial. Paulo César Pereira Matos Aluno de Graduação em Geografia UFG/Catalão GETeM Grupo de estudos e pesquisas

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

Detecção de mudanças no uso e cobertura do solo entre os anos de 2004 e 2009 na Cidade do Rio de Janeiro

Detecção de mudanças no uso e cobertura do solo entre os anos de 2004 e 2009 na Cidade do Rio de Janeiro Coordenadoria Geral de Planejamento Urbano CGPU Núcleo de Indicadores Urbanos - NIU Assessoria de Informações Urbanísticas - AIU 18/10/2011 1 Detecção de mudanças no uso e cobertura do solo entre os anos

Leia mais

ESPACIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - RJ Gisele dos Santos de Miranda Clarisse da Cunha Müller PUC Rio gigisa@gmail.com

ESPACIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - RJ Gisele dos Santos de Miranda Clarisse da Cunha Müller PUC Rio gigisa@gmail.com AS TRANSFORMAÇÕES LOCAIS NO BAIRRO RIO DA PRATA, EM CAMPO GRANDE, A PARTIR DA EXPANSÃO DE CONDOMÍNIOS FECHADOS: UMA PERSPECTIVA MULTIESCALAR DA DINÂMICA INTRODUÇÃO ESPACIAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

EDIFÍCIO AVENIDA CENTRAL:

EDIFÍCIO AVENIDA CENTRAL: EDIFÍCIO AVENIDA CENTRAL: o core geográfico do comércio de produtos de informática no Rio de Janeiro Artigo apresentado no I Seminário Internacional sobre Cidade e Serviços: As múltiplas abordagens da

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

Centros comerciais: Produto e produtor de uma segregação sócio-espacial na cidade do Rio de Janeiro

Centros comerciais: Produto e produtor de uma segregação sócio-espacial na cidade do Rio de Janeiro Centros comerciais: Produto e produtor de uma segregação sócio-espacial na cidade do Rio de Janeiro Autores: Leandro Henrique Vouga Pereira Eduardo Cândido de Moraes Silva Sumário 1- Resumo...3 2- Introdução...3

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Valéria Grace Costa ***, Antônio Cláudio Moreira Lima e Moreira, Suzana Pasternak, Maria de Lourdes Zuquim, Simone Cotic Clarissa Souza, Letícia

Leia mais

ALTERAÇÕES NO PLANO PILOTO E O CONDOMÍNIO ALFABARRA

ALTERAÇÕES NO PLANO PILOTO E O CONDOMÍNIO ALFABARRA ALTERAÇÕES NO PLANO PILOTO E O CONDOMÍNIO ALFABARRA Capítulo 3 ALTERAÇÕES NO PLANO PILOTO E O CONDOMÍNIO ALFABARRA Conforme apresentado, no Plano Piloto elaborado para a área compreendida entre a Barra

Leia mais

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário Novo Plano Diretor de SP 2014 Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário 1 Eixos de Estruturação de Transformação Urbana (4 x) O que é o Eixo? São áreas próximas à infraestrutura de transporte

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016

Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Diretrizes para o Plano de Urbanização da ZEIS 3 C 016 Aprovadas pelo Conselho Gestor em 27 de julho de 2011 LEGENDA: Diretrizes propostas pela PMSP Diretrizes propostas pelos membros da sociedade civil

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza.

A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza. A Nova Velha Praça do Ferreira: signo da requalificação do Centro de Fortaleza. Ricardo Alexandre Paiva FAUUSP-DAUUFC paiva_ricardo@yahoo.com.br O objeto de estudo do presente trabalho é uma análise do

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. GEOGRAFIA - Grupos

Leia mais

13.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

13.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 13. POLUIÇÃO VISUAL 13.1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Este estudo visa avaliar os impactos da Poluição Visual existente na região da Operação Urbana e os impactos positivos ou negativos que serão gerados pelas

Leia mais

LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS

LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS LÓGICA TERRITORIAL NA ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL DA CIDADE DE SALVADOR: APLICANDO AS GEOTECNOLOGIAS RIOS, R.B. 1 RESUMO: Nos dias atuais o ordenamento territorial, torna-se de suma importância frente aos

Leia mais

A ARQUITETURA MAIS RENOMADA DO MUNDO CHEGA EM SÃO LUÍS. Material para treinamento. Uso exclusivo interno.

A ARQUITETURA MAIS RENOMADA DO MUNDO CHEGA EM SÃO LUÍS. Material para treinamento. Uso exclusivo interno. A ARQUITETURA MAIS RENOMADA DO MUNDO CHEGA EM SÃO LUÍS. Material para treinamento. Uso exclusivo interno. Barcelona, Catalunha. A terra de Gaudí, Miró e Dalí. Consagrada mundialmente como capital da arte,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 399- TRABALHO DE CURSO -2011/2 BELLE MARE ALUNA: ORIENTADORA: TERESA FARIA NOVEMBRO 2011 AGRADECIMENTOS AGRADEÇO A TODOS QUE ACREDITARAM,

Leia mais

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE

RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE OLIMPÍADAS 2016 RESUMO DAS INTERVENÇÕES APONTADAS COMO LEGADO DAS OLIMPÍADAS PARA A CIDADE 1 Principais intervenções previstas para as Olimpíadas: A Infraestrutura urbana Porto Maravilha Projeto de revitalização

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

RONDONÓPOLIS (MT): INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE VERTICALIZAÇÃO EM BAIRRO NOBRE

RONDONÓPOLIS (MT): INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE VERTICALIZAÇÃO EM BAIRRO NOBRE RONDONÓPOLIS (MT): INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE VERTICALIZAÇÃO EM BAIRRO NOBRE Josenilton Balbino de Melo Mestre em Geografia/PPGEO/UFMT joseniltonbalbino@hotmail.com Sônia Regina Romancini (Orientadora)

Leia mais

Prima. Empreendimentos Inovadores.

Prima. Empreendimentos Inovadores. Prima. Empreendimentos Inovadores. Fundada em 2005, a Prima Empreendimentos Inovadores é uma empresa voltada para o desenvolvimento turístico e imobiliário, com foco em produtos de alto valor agregado

Leia mais

O RIO DE JANEIRO DO SÉCULO XX: A expansão da cidade do centro para o sul

O RIO DE JANEIRO DO SÉCULO XX: A expansão da cidade do centro para o sul O RIO DE JANEIRO DO SÉCULO XX: A expansão da cidade do centro para o sul BRANDÃO, Helena Câmara Lacé (1); MARTINS, Angela Maria Moreira (2) (1) Arquiteta e Urbanista, Mestre e Doutoranda em Ciências em

Leia mais

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado

SP-URBANISMO. Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado SP-URBANISMO Nova Luz Projeto Urbanístico Consolidado Setembro 2011 Perímetro da Nova Luz Sala São Paulo Parque da Luz Praça Princesa Isabel Largo do Arouche Igreja de Santa Ifigênia Praça da República

Leia mais

RELAÇÕES SOCIAIS EM BAIRROS CONCENTRADORES DE LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP

RELAÇÕES SOCIAIS EM BAIRROS CONCENTRADORES DE LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP RELAÇÕES SOCIAIS EM BAIRROS CONCENTRADORES DE LANÇAMENTOS IMOBILIÁRIOS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP Márcia Alvarenga dos Santos 1, Fabio Ricci 2, Moacir José dos Santos 3, Pedro de Alcântara Bittencourt

Leia mais

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana

Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana Página 1 de 5 Busca Déficit habitacional é a principal preocupação da política urbana O Estatuto da Cidade prevê a criação de planos pilotos para o desenvolvimento de cidades e municípios. Para tornar

Leia mais

AQUECIMENTO IMOBILIÁRIO:

AQUECIMENTO IMOBILIÁRIO: AQUECIMENTO IMOBILIÁRIO: Como efeito inevitável do bom momento econômico do país e de todo o processo de revitalização da cidade em função da Copa de 2014 e da Olimpíada de 2016, o Rio de Janeiro vive

Leia mais

O Rio de Janeiro conta sua participação na história do mercado imobiliário corporativo

O Rio de Janeiro conta sua participação na história do mercado imobiliário corporativo Mercado O Rio de Janeiro conta sua participação na história do mercado imobiliário corporativo Acervo de Francisco Silva Junior 14 12 Rua do centro do Rio em meados dos anos de 1950 N a última edição da

Leia mais

3. As favelas no Rio de Janeiro: Origem e situação atual

3. As favelas no Rio de Janeiro: Origem e situação atual 60 3. As favelas no Rio de Janeiro: Origem e situação atual Favela Macedo Sobrinho removida em 1970 Barracão De zinco Sem telhado Sem pintura lá no morro Barracão é bangalô Lá não existe Felicidade De

Leia mais

A CIDADE DE SANTOS NOS LIMITES DA VERTICALIZAÇÃO: UMA ANÁLISE A PARTIR DOS ANOS DE 1970

A CIDADE DE SANTOS NOS LIMITES DA VERTICALIZAÇÃO: UMA ANÁLISE A PARTIR DOS ANOS DE 1970 A CIDADE DE SANTOS NOS LIMITES DA VERTICALIZAÇÃO: UMA ANÁLISE A PARTIR DOS ANOS DE 1970 Introdução Gilsélia Lemos Moreira 1 Universidade Estadual de Santa Cruz- UESC E-mail: santisbana@hotmail.com O processo

Leia mais

UM ESTUDO CRÍTICO SOBRE O PROCESSO DE TRANFORMAÇÃO ÁREA DE RISCO EM ÁREA DE RICOS NA AVENIDA FILADÉLFIA EM ARAGUAÍNA - TO

UM ESTUDO CRÍTICO SOBRE O PROCESSO DE TRANFORMAÇÃO ÁREA DE RISCO EM ÁREA DE RICOS NA AVENIDA FILADÉLFIA EM ARAGUAÍNA - TO UM ESTUDO CRÍTICO SOBRE O PROCESSO DE TRANFORMAÇÃO ÁREA DE RISCO EM ÁREA DE RICOS NA AVENIDA FILADÉLFIA EM ARAGUAÍNA - TO Antonio Marcos P. Marinho - Acadêmico do curso de Geografia do CAMUAR-UFT marcosnvo@hotmail.com

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

O IMPACTO DO RUÍDO COM A IMPLANTAÇÃO DE UM SHOPPING CENTER. E. M. L. Moraes; M. Coutinho; F. Simón.

O IMPACTO DO RUÍDO COM A IMPLANTAÇÃO DE UM SHOPPING CENTER. E. M. L. Moraes; M. Coutinho; F. Simón. O IMPACTO DO RUÍDO COM A IMPLANTAÇÃO DE UM SHOPPING CENTER E. M. L. Moraes; M. Coutinho; F. Simón. RESUMO As atividades comerciais estão intrinsecamente ligadas ao crescimento urbano que por sua vez exigem

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

Limites de proteção do Outeiro, Convento e Igreja Nossa Senhora da Penha em Vitória

Limites de proteção do Outeiro, Convento e Igreja Nossa Senhora da Penha em Vitória Limites de proteção do Outeiro, Convento e Igreja Nossa Senhora da Penha em Vitória Seminário "Minha Vitória: Humana, Criativa e Sustentável" Prefeitura Municipal de Vitória 28 de Setembro de 2015 Os bens

Leia mais

MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010

MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010 MUDANÇAS ESPACIAIS NO BAIRRO VILA GARCIA, MUNICIPIO DE JACAREÍ SP NO PERIODO DE 1970 A 2010 José Maria Filho ¹, Bruno Rodrigo 1, Sandra Maria Fonseca da Costa¹ 1 Universidade do Vale do Paraíba Faculdade

Leia mais

O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte

O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte David Jose A. V. de Magalhães 1 Elisa Araujo de Salvo Brito 2 Iara Almeida Silva

Leia mais

A invenção de Copacabana

A invenção de Copacabana Julia O Donnell A invenção de Copacabana Culturas urbanas e estilos de vida no Rio de Janeiro (1890-1940) Apresentação Alguns anos atrás, numa tarde de sábado, ouvi numa pequena rua de Copacabana uma discussão

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014

VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014 VILA MADALENA COL. SANTA CLARA PROF. MARCOS 2014 ORGANIZAÇÃO DA APRESENTAÇÃO I. CONTEÚDOS ATITUDINAIS II. CONTEÚDOS PROCEDIMENTAIS III. CONTEÚDOS CONCEITUAIS 1. AS TRANSFORMAÇÕES DA VILA MADALENA Da vila

Leia mais

Urban View. Urban Reports. É velho, mas está novo: retrofit e requalificação urbana

Urban View. Urban Reports. É velho, mas está novo: retrofit e requalificação urbana Urban View Urban Reports É velho, mas está novo: retrofit e Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Qual é a mudança mais rápida e barata que

Leia mais

RB CAPITAL RENDA II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII

RB CAPITAL RENDA II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII RB CAPITAL RENDA II FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CÓDIGO BM&FBOVESPA: RBRD11 ISIN: BRRBRDCTF008 Relatório de Análise Abril de 2011 Sumário Introdução... 3 Empreendimento AmBev... 4 Empreendimento

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

Amanda Biondino Sardella¹ ¹Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Geografia amandabsardella@gmail.com

Amanda Biondino Sardella¹ ¹Universidade Federal do Rio de Janeiro Departamento de Geografia amandabsardella@gmail.com A CARTOGRAFIA HISTÓRICA COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE DAS FUNCIONALIDADES NAS ÁREAS DE SÃO CRISTÓVÃO E MARACANÃ The Historical Cartography as an analysis tool of the functionalities of São Cristóvão e Maracanã

Leia mais

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em

O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em O Tangará é um pássaro característico da região sudeste paulista que tem seu nome derivado de duas palavras da língua tupi que significam andar em volta. Por isso, é considerado um verdadeiro acrobata.

Leia mais

Helbor. News. Helbor lança prédio comercial no Rio e mais um residencial em Santa Catarina

Helbor. News. Helbor lança prédio comercial no Rio e mais um residencial em Santa Catarina HelborNews Especial Master Imobiliário 2009 valoriza prédios comerciais da Helbor e de seus parceiros A conquista do Prêmio Master Imobiliário 2009, promovido pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação) e

Leia mais

O PAPEL DAS CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS IMOBILIÁRIAS NA CIDADE DE TRÊS LAGOAS-MS

O PAPEL DAS CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS IMOBILIÁRIAS NA CIDADE DE TRÊS LAGOAS-MS O PAPEL DAS CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS IMOBILIÁRIAS NA CIDADE DE TRÊS LAGOAS-MS OBAL, Karoline Kolosinski Bolsista PET Geografia UFMS/CPTL - karol_kolosiuski@yahoo.com.br GOMES, Thayná Nogueira Mestranda

Leia mais

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos

A Criação de Espaços Particulares. Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos A Criação de Espaços Particulares dos jardins aos espaços condominiais Condomínios horizontais: das vilas aos condomínios suburbanos Sílvio Soares MACEDO PAISAGISMO BRASILEIRO (São Paulo, 2012) EDUSP e

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho

Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários. Rodrigo Bicalho Plano Diretor Estratégico de São Paulo e Reflexos nos Negócios Imobiliários Rodrigo Bicalho Objetivos do Plano Aproximar local de residência e trabalho Concentrar o adensamento nos eixos de transporte

Leia mais

Vitória uma expressão local da cultura de consumo contemporânea¹

Vitória uma expressão local da cultura de consumo contemporânea¹ Vitória uma expressão local da cultura de consumo contemporânea¹ Luiza Dazzi Braga² Lygia Maria Muniz Perini³ Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES. Resumo Este artigo é parte de um projeto

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Existe apagão de hotéis no Brasil? O setor diz que não. Reportagem do portal Exame.com 28/04/2011

Urban View. Urban Reports. Existe apagão de hotéis no Brasil? O setor diz que não. Reportagem do portal Exame.com 28/04/2011 Urban View Urban Reports Existe apagão de hotéis no Brasil? Reportagem do portal Exame.com 28/04/2011 Problemas de superlotação são pontuais, segundo hoteleiros e consultores trânsito da cidade ficasse

Leia mais

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 244 INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE João Victor de Souza

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA]

PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA] PESQUISA DE OPINIÃO [ZONEMANENTO BAIRRO ESPLANADA] OBJETIVO Diagnosticar a opinião de moradores proprietários de imóveis no Jardim Esplanada sobre a possível mudança de zoneamento de residencial para comercial

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais