RAFAEL RYDLEWSKI SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RAFAEL RYDLEWSKI SILVA"

Transcrição

1 1 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus de Rosana - SP RAFAEL RYDLEWSKI SILVA IIDENTIIFIICAÇÃO DO USO DO CONCEIITO BENCHMARKIING EM HOTÉIIS NA REGIIÃO DA AVENIIDA PAULIISTA E AVENIIDA ENG.. LUIIS CARLOS BERRIINII,, NO MUNCÍÍPIIO DE SÃO PAULO ROSANA SÃO PAULO. 2008

2 2 RAFAEL RYDLEWSKI SILVA IIDENTIIFIICAÇÃO DO USO DO CONCEIITO BENCHMARKIING EM HOTÉIIS NA REGIIÃO DA AVENIIDA PAULIISTA E AVENIIDA ENG.. LUIIS CARLOS BERRIINII,, NO MUNCÍÍPIIO DE SÃO PAULO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Turismo Unesp/Rosana, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Turismo. Orientador: Prof. Msc. Lélio Galdino Rosa ROSANA SÃO PAULO 2008

3 3 RAFAEL RYDLEWSKI SILVA IIDENTIIFIICAÇÃO DO USO DO CONCEIITO BENCHMARKIING EM HOTÉIIS NA REGIIÃO DA AVENIIDA PAULIISTA E AVENIIDA ENG.. LUIIS CARLOS BERRIINII,, NO MUNCÍÍPIIO DE SÃO PAULO Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Turismo Unesp/Rosana, como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Turismo. Linha de pesquisa: experimental Orientador: Prof. Msc. Lélio Galdino Rosa Data de aprovação: / / MEMBROS COMPONENTES DA BANCA EXAMINADORA: Prof. Msc. Lélio Galdino Rosa Presidente e Orientador Universidade Estadual Paulista (UNESP). Prof. Dr. Sérgio Domingos de Oliveira Membro Titular: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Prof a. Msc. Isabela de Fátima Fogaça Membro Titular: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Local: Universidade Estadual Paulista UNESP Campus Experimental de Rosana

4 4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente à minha família, pai, mãe, irmãos e avós. Eles foram à base de tudo durante esses quatro anos vividos em Primavera. Foram a minha motivação, a razão de todos os meus esforços e o reflexo de todo os resultados. Sem eles eu não chegaria aonde cheguei. Agradeço à Universidade Estadual Paulista (UNESP) pelos conhecimentos obtidos durante esses anos, fornecendo todo o embasamento teórico para que eu fizesse este trabalho e que eu possa também me tornar um grande profissional após a faculdade. Agradeço ao meu orientador Lélio Galdino Rosa, por ter conseguido direcionar o meu trabalho, facilitando o desenvolvimento do mesmo. Agradeço à cidade de Primavera, palco de dias, que sem dúvidas, foram os mais marcantes de toda a minha vida. Cada dia foi uma história diferente para se contar, consegui fazer com que essa cidade escura e vazia tenha brilho. Agradeço muito aos meus amigos, fiz muitos, morei em 6 casas diferentes, cada semestre com um grupo de pessoas diferentes. Assim, pude conhecer diversas pessoas e personalidades. É infinita a lista de pessoas que deixaram a sua marca durante esses quatro anos, mas eu não quero esquecer de ninguém. Muito obrigado Prudente, Tiagão, Barba, Patrick, Marcião (eeee Marcião), Smeagol, Lorpa, Lê, Alemão, Kiko, Pan, Pirambóia (ai meninos), Uruguaio, Toshiba, Bigão, Nintendo, Camilão, Lesma, Yuri, Remédio, Dzzi, Nhonhão, Bruna (esse é especial), Chatayara, Mari, Galega, Fernandinho, Paulinha, Tile, Rodrigão, Biro-Biro, Castor, aos pés de frango, entre outros. Mas o meu muito obrigado vai para a minha casa de verdade em Primavera, a república Top of the Pops, para a minha segunda família, as pessoas com que me identifiquei durante os quatro anos: Hamaral, Jão, Hugo e Japa, especialmente para os dois últimos. O Hugo foi meu braço direito durante todos esses tempos, o cara que mais me ajudou quando eu precisei. O Japa foi quem fez com que a casa ficasse cheia, fez com que todos os dias fossem especiais, foi quem transformou Rafael em Vó, o grande camisa 10. A pessoa que construí todas as jogadas naquela casa, estando presente nos dias alegres e nos dias mais difíceis. Obrigado a tudo e a todos!!!!!!!

5 5 RESUMO A necessidade das empresas, em tornarem-se líderes em um mercado altamente competitivo, contribuem para que essas busquem estratégias de aprimoramento entre seus processos. O Benchmarking é uma estratégia para as empresas atingirem esse objetivo, uma vez que ela analisa os seus concorrentes procurando identificar as melhores práticas entre empreendimentos líderes em suas indústrias. Assim, a pesquisa tem como objetivo relacionar benchmarking e hotelaria, fazendo uma análise entre hotéis, pertencentes às redes hoteleiras, diagnosticando a utilização o conceito e o motivo de sua utilização. As empresas analisadas estão localizadas, nas regiões da Av. Paulista e Av. Eng. Luis Carlos Berrini, que constituem os dois maiores pólos hoteleiros do município de São Paulo. O trabalho aborda temas e conceitos referentes à hotelaria como classificações quanto à categoria e tamanho dos meios de hospedagem, evolução das redes hoteleiras no Brasil e em São Paulo e desenvolvimento hoteleiro nas regiões da Av. Paulista e Av. Eng. Luis Carlos Berrini. Posteriormente é realizado um estudo sobre a definição do benchmarking e a sua relação com a hotelaria. Em seguida, é apresentada a pesquisa, identificando os empreendimentos hoteleiros que adotam o conceito e a razão da sua utilização, percebendo características entre esse hotéis e suas redes hoteleiras. Com esses dados são feitos uma tabela e gráficos comparativos com características dos meios de hospedagem e grupos hoteleiros pesquisados. Palavras-Chave: Benchmarking. Hotelaria. São Paulo. Desenvolvimento.

6 6 ABSTRACT The need of enterprises, and to become leaders in a highly competitive market, helps those who seek strategies for improvement of their processes. The benchmarking is a strategy for companies achieving this goal, since it examines their competitors seeking to identify best practices among business leaders in their industries. Thus, the research aims to relate benchmarking and hospitality, making an analysis between hotels, belonging to the hotel network, diagnosing the use of the concept and why their use. The companies analyzed are located in regions of Av. Paulista and Av. Eng Luis Carlos Berrini, which are the two major poles of the hotel city of São Paulo. The work deals with themes and concepts relating to the hotel as ratings on the class size and means of lodging, hotel development of networks in Brazil and in Sao Paulo and hotel development in the regions of Av. Paulista and Av. Eng Luis Carlos Berrini. It is then carried out a study on the definition of benchmarking and its relationship with the hotel business. Then, it presented the research, identifying the hotel business who take the concept and because of its use, realizing that features between hotels and their networks hotel. With these data are made a table and graphics with comparative characteristics of the means of lodging and hotel groups surveyed. Keywords: Benchmarking. Hospitality. São Paulo. Development.

7 7 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1. Hotéis que responderam à análise...38 Gráfico 2. Redes Hoteleiras que responderam à análise...39 Gráfico 3. Origem da rede hoteleira de cada hotel pesquisado...44 Gráfico 4. Categoria dos hotéis pesquisados...45 Gráfico 5. Tamanho dos hotéis pesquisados em relação ao número de apartamentos...46 Gráfico 6. Público-alvo dos hotéis pesquisados...47

8 8 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Classificação do tamanho do hotel em relação ao número de apartamentos...14 Tabela 2. Proposta da Embratur em relação à classificação dos meios de hospedagem quanto à categoria...15 Tabela 3. Chegada de turistas internacionais por região Em milhões de turistas...16 Tabela 4. Evolução dos meios de hospedagem Tabela 5. Maiores redes em operação no Brasil. 1999, Tabela 6. Tabela da utilização do benchmarking em hotéis situados na região da Av. Paulista e Av. Eng. Luis Carlos Berrini...29

9 9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Forma de Avaliação dos Resultados Classificação Quanto ao Tamanho do Hotel em Relação ao Número de Apartamentos Classificação dos Meios de Hospedagem Quanto à Categoria FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA HOTELARIA E A QUESTÃO DA QUALIDADE A globalização e o desenvolvimento dos mercados de viagem e hospedagem Fatores que antecedem o desenvolvimento hoteleiro no Brasil A questão da competitividade e da qualidade para o setor hoteleiro no Brasil Hotelaria: Competitividade e Qualidade Benchmarking: origem, definições e aplicações Benchmarking e Hotelaria: a busca da competitividade e da qualidade CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA OBJETO DE ESTUDO: O SETOR HOTELEIRO EM SÃO PAULO Desenvolvimento hoteleiro na região da Avenida Paulista Desenvolvimento hoteleiro na região da Avenida Eng. Luis Carlos Berrini RESULTADO E DISCUSSÕES Estabelecimentos Hoteleiros Analisados Hotel A Hotel B Hotel C Hotel D Hotel E Hotel F Hotel G Hotel H Interpretação dos Resultados Obtidos...43

10 Análise da Origem da Rede Hoteleira de Cada Hotel Análise da Categoria de Cada Hotel Pesquisado Análise do Tamanho de Cada Hotel Pesquisado Análise do Público-Alvo de Cada Hotel Pesquisado Discussão CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...51 APÊNDICES...53 APÊNDICE A INTRODUÇÃO Nos últimos anos houve um aumento significativo na competitividade entre as empresas, assim obrigando-as a aprimorar os seus processos, produtos e serviços. Essas

11 11 empresas visam oferecer alta qualidade a baixo custo, uma vez que desta forma podem assumir uma posição de liderança no mercado. Leibfried e McNair (1994) afirmam que conquistar e manter uma margem competitiva é a chave para o sucesso em todos os aspectos da vida, seja nos esportes ou numa reunião de diretoria. Trata-se de um sinal claro de sucesso ou fracasso. De acordo com Zairi e Leonard (1995), uma questão central no mundo dos negócios é saber se a noção de competição em um ambiente empresarial moderno precisa ser repensada de forma radical. Muitas variáveis desempenham papéis relevantes na determinação do sucesso competitivo e novas variáveis aprecem a todo instante. A competitividade está diretamente ligada à busca por um aumento na produtividade, que consiste em produzir em grande quantidade com custos reduzidos, mantendo um padrão de qualidade. Sendo que essa relação deve estar de acordo com a necessidade de seus clientes. (CASTELLI, 2001) Seguindo a teoria de Castelli (2001), em hotelaria, a busca por uma maior produtividade deve ser constante, uma vez que as empresas hoteleiras sofrem de maneira contínua mudanças em suas instalações, seus equipamentos, na sua forma operacional e gerencial. Isso ocorre em virtude de alterações socioeconômicas e na necessidade de se tornarem empresas competitivas e/ou líderes no mercado, ou dentro de um segmento de mercado. Em hotelaria, é necessário primar pela qualidade dos serviços prestados, pois isso é uma questão de sobrevivência empresarial, como afirmam Saab e Daemon. Assim, o profissional na área hoteleira, tem que se manter atualizado, acompanhando diversas mudanças, sejam elas, sociais, econômicas, administrativas, ou em relação ao perfil de seus clientes. Então, há uma grande necessidade pela busca de um padrão de qualidade que supere ou alcance os seus concorrentes. Essa necessidade das empresas hoteleiras em buscarem competitividade, se destacando em sua indústria, está diretamente ligada ao fato de medir produtos e serviços entre seus concorrentes e aprimorar seus procedimentos. Portanto, observa-se a importância da utilização do conceito benchmarking entre essas empresas. Segundo o Ministério do Turismo (2007), a hotelaria é o único setor do turismo que utiliza esse conceito. Camp (1993), expressa que o benchmarking é um processo pró-ativo de mudar operações de forma estruturada para atingir a maximização da performance da empresa. Os benefícios do uso do benchmarking são que as funções são forçadas a investigar as melhores práticas da indústria externa e incorporá-las às suas operações. Isso gera empresas lucrativas

12 12 de alta utilização de ativos, que satisfazem as necessidades dos clientes e contam com uma vantagem competitiva. O benchmarking é utilizado em empresas de ponta, como uma ferramenta para a obtenção das informações necessárias para a melhoria contínua e obter vantagem competitiva. Inicialmente empregada pela Xerox Corporation a fim de enfrentar o desafio competitivo japonês dos anos 70,o benchmarking incorpora a busca de excelência, o desejo de ser o melhor dos melhores. (LEIBFRIED e MCNAIR, 1994) O trabalho tem como objetivo analisar como vem se dando o emprego de estratégias de benchmarking (para o planejamento de meios de hospedagem) por meio de um estudo de caso do município de São Paulo, especificamente de estabelecimentos localizados nas regiões da Avenida Paulista e Avenida Eng. Luis Carlos Berrini. Segundo Asmussen, Rocha e Júnior (2002), as regiões da Av. Paulista e Av. Eng. Luis Carlos Berrini são os dois grande pólos hoteleiros de São Paulo. Importantes hotéis e redes hoteleiras, que assumem posição de liderança no mercado, atuam nessas regiões. Assim, é possível constatar que os estabelecimentos hoteleiros situados nessas duas localidades atuam como concorrentes. Portanto, a prática do conceito de benchmarking pode ser aplicada entre os próprios hotéis situados nessas duas regiões. O trabalho irá abordar conceitos e teorias distitntas, buscando estabelecer uma relação entre os mesmos. Primeiramente será feito um levantamento da evolução das redes hoteleiras no Brasil, assim como em São Paulo (enfatizando o desenvolvimento dos hotéis nas duas regiões de estudo), destacando a questão da evolução da competitividade entre esses estabelecimentos turísticos. Em seguida, será feita a análise do conceito benchmarking e sua relação com o setor de meios de hospedagem. Posteriormente, serão identificados os hotéis, pertencentes a redes hoteleiras, localizados na Av. Paulista e Av. Eng. Luís Carlos Berrini, que empregam estratégias de benchamrking em seu planejamento estratégico e caracteriza-los: quanto a sua tipologia, categoria, porte, público-alvo e origem da rede que o administra. Por último, serão identificadas as principais funções da utilização das estratégias de benchmarking para o processo administrativo dos estabelecimentos investigados. 2. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

13 13 Para a realização deste projeto foi estabelecida uma relação entre o benchmarking e a hotelaria, abordando uma região para análise. Esta região está inserida dentro do município de São Paulo, compreendendo hotéis da Av. Paulista e Av. Eng. Luís Carlos Berrini. A pesquisa consiste em um estudo de caso entre hotéis, pertencentes a redes hoteleiras situados na região da Av. Paulista e Av. Eng. Luis Carlos Berrini. Fez-se um levantamento de hotéis para estudo com o objetivo de realizar uma pesquisa qualitativa, com análise não probabilística. Entretanto foram quantificadas algumas variáveis pertinentes de mensuração. Dencker (1998) explica que este tipo de pesquisa está baseado na focalização de um problema: Em geral, a maioria das pesquisas qualitativas se propões a preencher lacunas no conhecimento, tendo caráter descritivo ou exploratório, e poucas se originam no campo teórico. Isso se dá porque a pesquisa qualitativa é especialmente indicada para situações em que a teoria não é suficiente para solucionar o problema e o pesquisador necessita buscar em campo as variáveis que serão consideradas para a análise. Além do exame da bibliografia, portanto, a focalização do problema requer um contato com o plano concreto para geração de questões e identificação de informantes, assim como verificação da pertinência das questões levantadas. As questões serão formuladas no projeto, podendo ser modificadas no decorrer do estudo em um processo de focalização progressiva. (DENCKER, 1998) Trata-se de uma pesquisa exploratória, onde foram escolhidos hotéis, pertencentes a redes hoteleiras, nessas duas regiões de análise. Posteriormente realizou-se o um contato com o representante de cada hotel, por meio de um agendamento de entrevista (o agendamento foi feito por telefone e/ou ). Foram contatados 26 estabelecimentos hoteleiros, com o objetivo de constatar se os mesmos utilizam o benchmarking e questionar o motivo de sua utilização ou não utilização. Participaram da pesquisa 8 hotéis. O levantamento sobre a análise da utilização do conceito foi feito com um questionário, que também identifica características dos hotéis e redes hoteleiras que utilizam esse processo Forma de Avaliação dos Resultados Os resultados da pesquisa foram coletados e avaliados mediante as respostas do questionário feito ao representante do meio de hospedagem analisado.

14 14 Os hotéis pesquisados tiveram as denominações: A, B, C, D, E, F, G e H. Isso se deve ao fato de não divulgar a imagem do hotel. Após serem concebidas as respostas, foi feito uma tabela comparativa com as empresas hoteleiras pesquisadas, relacionando os hotéis com os seguintes itens: localização, origem, categoria, tamanho, público-alvo, utilização do benchmarking e motivo da utilização. Em seguida, foram construídos gráficos para analisar comparativamente as características levantadas dos hotéis e redes hoteleiras pesquisadas (origem, categoria, tamanho e público-alvo) Classificação Quanto ao Tamanho do Hotel em Relação ao Número de Apartamentos De acordo com Duarte (1996), no Brasil chegou-se ao conceito de pequena, média e grande empresa hoteleiras em função do número de unidades habitacionais que o hotel tem para a venda. Pequenos empreendimentos em número de quartos têm menor sofisticação de equipamentos, concentração de tarefas em menor número de funcionários e operação tendendo à simplificação. Os maiores equipamentos, exigem gestão mais sofisticada, controles gerenciais e contabilidade. Tabela 1 Classificação do tamanho do hotel em relação ao número de apartamentos (1996). Tamanho do hotel Número de Apartamentos Pequeno 1 a 40 Médio 41 a 200 Grande >200 Fonte: Duarte (1996) 2.3. Classificação dos Meios de Hospedagem Quanto à Categoria Segundo Duarte (1996), a proposta de classificação da Embratur mantém o número de segmentos em cinco níveis de qualidade e não considera como definitivas as siglas para a abreviação de cada categoria. Assim, fica aberta a possibilidade de se reconhecerem outras

15 15 classificações de hotéis, diferentes dessa classificação oficial, sendo a Embratur uma concorrente dessas publicações. Duarte (1996) ainda cita que com relação aos critérios para classificação, a Deliberação nº367 dá ênfase ao atendimento e serviços, à sua uniformidade. Não esclarece, porém como é feita a avaliação, levantando várias alternativas e deixando claro a subjetividade da avaliação de serviços será um dos maiores obstáculos para se atingir as metas propostas de estabelecer a credibilidade já na definição dos critérios. A forma e o trabalho de campo são realizados por intermédio do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (InMetro), que, junto com a Embratur, credenciam os Institutos e Entidades Classificadores (IEC), os quais avaliam e classificam os meios de hospedagem. Tabela 2 Classificação dos meios de hospedagem quanto à categoria, de acordo com a ABIH (2002). Categoria Símbolo Luxo Superior * * * * * (5 estrelas, SL) Luxo * * * * * (5 estrelas) Superior * * * * (4 estrelas) Turístico * * * (3 estrelas) Econômico * * (2 estrelas) Simples * (1 estrla) Fonte: ABIH (2002) 3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA HOTELARIA E A QUESTÃO DA QUALIDADE Por motivos de enquadramento e consistência teórica o texto seguinte fundamenta-se nas idéias de Lima (2003).

16 A globalização e o desenvolvimento dos mercados de viagem e hospedagem Houve, nas últimas quatro décadas do século XX, uma expansão significativa do número de viagens, sendo que as principais causas, apontadas por estudiosos, são: o crescimento econômico dos países do Norte, a busca de novos mercados, o acirramento da competição, o aumento do tempo livre, do conforto, da segurança e o barateamento das passagens aéreas. Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT) apud Lima (2003), entre 1965 e 2001 o número de chegada de turistas internacionais passou de 112,9 milhões para 692,7 milhões, representando um crescimento de 513%. A receita gerada com o turismo internacional passou de US$ 405,1 bilhões em 1995 para US$ 477,9 bilhões em Entre 1950 e 2001 o mercado de viagens apresentou uma relativa diversificação de destinos, países emissores e objetivos de viagens. A Europa continua recebendo a maior parte (50%) dos turistas internacionais, seguida pelas Américas (26%) e Ásia Oriental (18%). As demais regiões do planeta (África, Oriente Médio e Ásia Meridional) têm participação marginal neste mercado. Tabela 3 Chegada de turistas internacionais por região Em milhões de turistas. REGIÕES PART. % PART % 2001 África 20,3 27,8 4,0 20,8 3 Américas 110,5 128,5 18, Europa 335, ,7 346,4 50 Ásia Oriental/Pacífico 81,4 111,7 16,0 124,7 18 Oriente Médio 13,5 20,3 2,9 13,9 2 Ásia Meridional 4,2 6,4 1,0 6,9 1 TOTAL 565,5 696,7 100,0 692,7 100,0 Fonte: OMT, 2001 apud Lima (2003) Analisando os dados acima, é possível perceber que a tendência do mercado turístico é o crescimento, entretanto, existem algumas variações de desembarque de turistas internacionais. O vertiginoso crescimento das viagens internacionais observados desde o início dos anos sessenta, apresentou inflexão no início dos anos setenta refletindo a desaceleração da economia internacional, afetada pelo segundo choque de petróleo. Entre 1980 e 1982, o número de desembarques internacionais de turistas ficou estagnado em cerca de 287 milhões, segundo a OMT.

17 17 A partir de 1983, o mercado de viagens e hospedagem recupera-se e volta a apresentar grande dinamismo, refletindo a recuperação da economia internacional e a expansão da economia internacional. Entre 1983 e 2000 o número de viagens internacionais no mundo passa de 289,6 milhões para 696,7 milhões (crescimento de 140%), de acordo com a OMT. Um dos fatores que ocasionaram esta recuperação do mercado de viagens é a desregulamentação das atividades aéreas nos Estados Unidos, o principal mercado, com o conseqüente barateamento das passagens e aumento da demanda por hospedagem. Outro ponto forte que favoreceu a expansão mercado de viagens e hospedagem, foi a crescente participação das empresas multinacionais, organizadas em rede, que alimentam o processo de crescimento, oferecendo novos atrativos aos mercados de viagens. Em 2001, houve uma inflexão da atividade turística. O mercado de viagens apresentou um decréscimo de 0,6% nesse ano. Um dos fatores responsáveis por esse fato são os ataques terroristas de 11 de setembro em Nova York, que afetaram principalmente, o trafego aéreo internacional e o mercado de hospedagens. As primeiras redes hoteleiras surgem na Europa e nos Estados Unidos, a partir da segunda metade do século XX, em meio ao processo em curso de concentração e centralização de capital que atraia empresas de médio e grande porte para a operação em setores que demandavam altos investimentos e mobilização de capital para sua operação, como é o caso dos hotéis. Na década de quarenta, surge nos Estados Unidos, o motor-hotel, ou motel, que era um empreendimento situado na beira da estada para atender às necessidades das famílias americanas, que cada vez mais viajavam de automóveis. Nesta época, também se desenvolvem os pequenos hotéis familiares que posteriormente darão origem às grandes redes hoteleiras. Como exemplo, o surgimento das redes Hilton, Quality Courts Motels dando origem, posteriormente, à rede Choice-, a Best Western, Marricout e Sheraton, posteriormente incorporada ao grupo Six Continents. Bull (1994) apud Lima (2003) afirma que nos anos cinqüenta e sessenta, a maioria dos investimentos internacionais realizados por empresas multinacionais no setor de hospedagem era de origem americana e se realizavam mediante de investimentos diretos de capital. Somente a partir da década de 70, com a expansão do turismo no mundo e a globalização dos mercados, que as redes hoteleiras incrementaram sua participação no plano internacional. Datam desta época (década de 70), as aquisições de redes locais de hotéis por parte de grandes empresas aéreas, explorando a complementaridade entre serviços de transporte aéreo

18 18 e hospedagem. Ou, ainda, fundando novas redes de hotéis associados à sua bandeira, localizados em pontos estratégicos de suas rotas. Para Bull (1994) apud Lima (2003), a partir das décadas de setenta e oitenta, o processo de expansão das redes multinacionais no setor de hospedagem modificou-se, sendo mais comum as operações realizadas por meio de acordos de gestão sem investimento por parte das redes e, sendo maior a dispersão da nacionalidade das redes. Segundo o autor: Dentre as principais redes multinacionais que estão estabelecidas nos Estados Unidos encontram-se o Club Mediterranée, Accor e Mériden (França), THF (Reino Unido), hotéis CP (Canadá), Oberoi (Índia), Melia/Sol (Espanha), hotéis Nikko e ANA (Japão) e New World (Hong Kong). Em 1978, as principais multinacionais de hospedagem dos Estados Unidos como Holiday Inn, Westin, Sheraton, InterContinental, Hyatt e Hilton representavam a metade dos hotéis de propriedade estrangeira ou associados, no mundo. Mas a expansão das redes não americanas está reduzindo continuamente esta proporção. Os efeitos-demonstração das economias de operação das redes hoteleiras são, em grande parte, responsáveis por isso. (BULL, 1994, p.239) Em um primeiro momento a maioria das redes concentrou sua atuação no segmento de hospedagem de luxo, em grandes propriedades, situados em grandes cidades ou capitais com intensos fluxos turísticos de negócios. Para Dias (1990) apud Lima (2003) Os sucessivos choque do petróleo nos anos oitenta que provocaram um aumento no custo do combustível levaram diversas companhias aéreas a dificuldades financeiras. Para sobreviverem, essas empresas tiveram que mudar suas estratégias, aumentando seus investimentos em marketing, diversificando rotas e atividades, buscando ampliar e diversificar seus mercados. Assim, grande parte das empresas, passaram a se dedicar, cada vez mais recursos ao turismo de massa, tanto no que se refere ao transporte como ao setor hoteleiro e, mais particularmente, à concepção de viagens organizadas. A partir do inicio da década de 90, houve uma forte recuperação da economia, ocasionando um maior número de viagens de lazer e negócios. Isso ocorreu devido a desregulamentação dos transportes aéreos e a queda no valor das tarifas, assim, houve um aumento na demanda por serviços de hospedagem. Esses fatores determinaram intenso processo de fusões e aquisições entre as operadoras hoteleiras. A redução dos custos operacionais e administrativos, a agregação de profissionais experientes e com conhecimento de mercado e produto, a combinação de recursos complementares, o acesso a novas tecnologias são apontadas por Ferrari (1996) apud Lima

19 19 (2003), dentre as principais vantagens oferecidas às empresas multinacionais nos processos de aquisições e fusões, encurtando a trajetória para uma estruturação organizacional condizente com as exigências do mercado global. Gilberto Dupas (2000) apud Lima (2003) não apenas concorda com a existência do fenômeno de fusões e aquisições como característico desta fase do desenvolvimento do capitalismo, como argumenta que este processo deverá continuar nas próximas décadas: O mundo tem assistido, em todas as áreas econômicas, a um violento processo de fusões e incorporações motivado pela lógica competitiva, que pressupõe saltos tecnológicos e busca de mercados cada vez mais globais. Tudo indica que a tendência de concentração dessas últimas décadas ainda persistirá, apesar de já serem em número muito restrito os líderes mundiais na fabricação de vários produtos em áreas fundamentais à economia contemporânea. (DUPAS, 2000, p. 40) As características dos empreendimentos hoteleiros, que ajudam a compreender os processos de fusões e incorporações dos anos noventa, destaca-se o fato de que são intensivos em capital, demandando grande mobilização de recursos para sua construção e operação. Além disso, são intensivos em mão de obra e operam com uma proporção elevada de custos fixos. Os serviços de hospedagem são oferecidos de forma interrupta, o que implica na necessidade de funcionamento permanente na maior parte dos departamentos e setores de atendimento aos hóspedes. Implica também na necessidade da contratação do dobro ou triplo do número de funcionários normalmente empregados nos estabelecimentos comerciais, devido à necessidade de cumprimento dos turnos para garantir o serviço 24 horas Fatores que antecedem o desenvolvimento hoteleiro no Brasil Até a década de 70 o mercado de viagens e o setor de hospedagem eram pouco desenvolvidos no Brasil. Isso era um reflexo do alto preço das passagens aéreas, a concentração da renda e as limitações da infra-estrutura de transporte rodoviário, marítimo e fluvial. As primeiras estradas asfaltadas surgiram em meados da década de 40 (Via Anchieta e Rio-Petrópolis). Também a infra-estrutura ferroviária era mínima e inexpressiva a navegação fluvial e marítima. Segundo Dias (1990) apud Lima (2003), desde o início do século XX, a capital federal do Brasil, o Rio de Janeiro, sediava os principais empreendimentos, que eram destinados a

20 20 atender viajantes estrangeiros, sobretudo europeus. Em 1859 existiam no Rio, 195 estabelecimentos, hospedarias, sendo 78 (40%) pertencentes a brasileiros. Acredita-se que, dentre os demais, alguns poderiam ser apenas restaurantes e alguns poderiam usar a denominação para encontros furtivos, mesmo entre os hotéis. Em 1980 anuncia-se, no almanaque Laemmert, o primeiro hotel do império, único edifício construído expressamente para ser hotel de primeira ordem, com todas as comodidades indispensáveis e uso apropriado. Em 1908, foi inaugurado o Hotel Avenida, o segundo edifício do Brasil construído especialmente para abrigar a um empreendimento hoteleiro. Possuía 220 apartamentos, representando o maior empreendimento do gênero em operação. Dias (1990) apud Lima (2003) cita: A data de 1908 pode representar o término do período de pioneirismo, já que foi inaugurado o primeiro hotel verdadeiramente grande no Brasil: o Hotel Avenida. Além disso, tinha início uma fase de incentivo fiscal à construção de grandes hotéis. Em 23/12/1907, o Decreto número isentava de todos os emolumentos e impostos municipais, por sete anos, os cinco primeiros grandes hotéis que se instalassem no Distrito Federal, segundo planos aprovados pela prefeitura. Paralelamente, pode-se afirmar que, por essa época, o Brasil passa a fazer parte das rotas do turismo organizado mundial: em 22 de julho de 1907, à bordo do vapor Byron, chega ao Rio de Janeiro, o primeiro grupo vindo em excursão organizada pela agência Cook. (DIAS, 1990, p.56) Candido e Viera (2003) citam que em 1923, ocorre o maior marco da hotelaria no Rio de Janeiro, com a criação do Copacabana Palace Hotel, que representou o primeiro hotel de luxo no país, passando a aglutinar a sociedade carioca e os segmentos empresariais da velha capital. O empreendimento foi construído pelo empresário Otávio Guinle e estimulado pelo presidente Epitácio Pessoa que queria abrigar viajantes estrangeiros com a mesma pompa oferecida na Europa -, o Copacabana Palace buscava seguir o exemplo de hotéis congêneres na Europa, e em especial do Hotel Carlton, em Cannes, que serviu de inspiração para seu projeto, de autoria do francês Joseph Guire. O Copacabana Palace oferecia 223 apartamentos a um público diversificado de viajantes estrangeiros e visitantes da capital, distribuídos em uma área de metros quadrados. Nas décadas seguintes observou-se a proliferação de hotéis de médio e pequeno porte, voltados a atender à demanda doméstica por hospedagem, sobretudo por parte de viajantes de

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC

SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC SEGMENTAÇÃO DO PUBLICO PARA UMA ECOPOUSADA EM IBIRAMA SC 1 INTRODUÇÃO Alice Mecabô 1 ; Bruna Medeiro 2 ; Marco Aurelio Dias 3 O turismo é uma atividade que hoje é considerada um dos meios econômicos que

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking David Vicentin e José Goldfreind Benchmarking pode ser definido como o processo de medição e comparação de nossa empresa com as organizações mundiais best-in-class.

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil

Maximize o desempenho das suas instalações. Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Maximize o desempenho das suas instalações Gerenciamento Integrado de Facilities - Brasil Sua empresa oferece um ambiente de trabalho com instalações eficientes e de qualidade? Como você consegue otimizar

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail.

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: OS SOFTWARES LIVRES COMO MEIOS DE ACESSO À GRADUAÇÃO DE TURISMO* Bárbara Cardoso Delgado Carina Fernandes Neves Janille de Oliveira Morais RESUMO Pretende-se delinear uma análise

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011 Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011 INVESTIMENTOS NO BRASIL: HOTÉIS & RESORTS - 2011 Este relatório foi realizado pela BSH Travel Research, divisão estatística da BSH International e apresenta

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine

Turismo de (bons) negócios. 26 KPMG Business Magazine Turismo de (bons) negócios 26 KPMG Business Magazine Segmento ganha impulso com eventos internacionais e aumento da demanda interna Eventos mobilizaram mais de R$ 20,6 bilhões em 2011 A contagem regressiva

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%)

CRESCIMENTO OFERTA LEITOS (%) 3.9 Oferta Turística Para análise da oferta turística em Sergipe, o PDITS Costa dos Coqueirais apresenta a evolução da oferta turística no estado no período 1980-2000. Indica ainda o número atual de quartos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Contexto Durante a história recente, as percepções públicas a respeito da indústria automobilística tem reagido de acordo com eventos e marcos globais

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Invista no hotel certo

Invista no hotel certo Invista no hotel certo O QUE VOCÊ PROCURA EM UM INVESTIMENTO HOTELEIRO ESTÁ AQUI. A economia de minas gerais cresce acima da média nacional: 5,15% no 1º trim./2011. Fonte: Informativo CEI-PIB MG _Fundação

Leia mais

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? EM ASSOCIAÇÃO COM Empresas com funcionários envolvidos superam

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003

A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003 A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003 Erika Gisele Lotz. Universidade Tuiuti do Paraná e Faculdades Spei Curitiba R. General Aristides Athaide Jr. 414 apto. 308 Curitiba

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÓS-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS Conceituação e Estudos de Caso BRENO BASTOS MIGUEZ 15653 FERNANDA HELENA COSTA

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo

Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo 1 Melhor Prática vencedora: Monitoramento (Capital) Observatório do Turismo da Cidade de São Paulo DESTINO: São Paulo/SP INSTITUIÇÃO PROMOTORA: São Paulo Turismo S/A RESPONSÁVEL: Tasso Gadzanis Luiz Sales

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA

IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA IMAPCTOS DA CRISE ECONÔMICA NAS EMPRESAS DE GUARAPUAVA Uilson Jose Nepchji eliziane.uilson@gmail.com Pedro Anotonio Laurentino Valdemir Monteiro Sandra Mara Matuik Mattos Professora do Curso Ciências Econômicas/

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais