VIAJO PORQUE PRECISO, VOLTO PORQUE TE AMO UM RELATO INTIMISTA DE ALGUMAS VIAGENS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIAJO PORQUE PRECISO, VOLTO PORQUE TE AMO UM RELATO INTIMISTA DE ALGUMAS VIAGENS"

Transcrição

1 VIAJO PORQUE PRECISO, VOLTO PORQUE TE AMO UM RELATO INTIMISTA DE ALGUMAS VIAGENS Camila Gonzatto da Silva 1 Não poder orientar-se em uma cidade não significa grande coisa. Mas se perder em uma cidade como quem se perde em uma floresta requer toda uma educação. Walter Benjamin Começo tomando emprestado o título de um filme de Karin Aïnouz e Marcelo Gomes, lançado em O filme conta a história de Zé Renato, um geólogo de 35 anos, que faz uma viagem de inspeção no interior do Nordeste para fazer um estudo do impacto de implantação de um canal de água, ligando Xexéu ao Rio das Almas. A viagem começa no fim e termina no começo, na garganta do Rio das Almas, onde o canal hídrico deve ter início. Ela é uma metáfora do estado emocional do personagem. Zé Renato tenta esquecer a ex-mulher, que terminou o relacionamento com ele. Ao longo da jornada, ele vai se reencontrando em meio à solidão e melancolia da paisagem, dos lugares visitados e das pessoas que passam pelo caminho. Mais do que conhecer novos lugares, novas culturas, viagens proporcionam reencontros consigo mesmo, permitem desbravar o desconhecido fora e dentro. Viajo desde que me conheço por gente. Minha primeira grande viagem foi aos dois anos de idade. Meu vô tinha comprado uma Kombi nova e colocou toda a família dentro dela para uma jornada rumo à Argentina. Esses foram meus primeiros passos em solo estrangeiro. Para poder sair, ganhei um RG com foto, número e um carimbo de não alfabetizada. Ou seja, minha identidade nacional começa a ser fixada a partir de um deslocamento, identificar-se para sair. E, claro, voltar. Se o movimento entre fronteiras coloca em evidência a instabilidade da identidade, é nas próprias linhas de fronteira, nos limiares, nos interstícios, que sua precariedade se torna mais visível. Aqui, mais do que a partida ou a chegada, é cruzar a fronteira, é estar ou permanecer na fronteira, que é o 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul Brasil.

2 acontecimento crítico. (...) A possibilidade de cruzar fronteiras e de estar na fronteira, de ter uma identidade ambígua, indefinida, é uma demonstração do caráter artificialmente imposto das identidades fixas. O cruzamento de fronteiras e o cultivo propositado de identidades ambíguas é, entretanto, ao mesmo tempo uma poderosa estratégia política de questionamento das operações de fixação de identidade. (SILVA, 2004, p. 89). Da viagem à Argentina lembro pouco. Tenho algumas lembranças do interior da Kombi, da estrada e dos policiais que pediram a minha identificação. Lembro mais da minha segunda grande viagem. Esta totalmente em solo nacional. Aqui eu não precisava me identificar, mas minha identidade RG viajou junto. E, minha identidade de viajante, seguiu tomando forma. Eu tinha cinco anos, meus pais tinham acabado de trocar o nosso fusca por um gol branco, zero quilômetros. Fomos meus pais, eu, minha vó paterna, a Dona Miguelina, e meu tio materno, o tio Fredo, numa viagem de Passo Fundo no Rio Grande do Sul, rumo a Natal no Rio Grande do Norte. Nunca tinha pensado nisso, mas essa minha travessia do Brasil é ainda mais simbólica do que

3 parece: sair de um Rio Grande no Sul para chegar em no Norte. Viajamos um mês, pelo litoral brasileiro, parando em várias cidades. Lembro do Carnaval de rua no Rio e em Vitória. Lembro do garçom baiano que cortava a pizza à xadrez de forma incrivelmente rápida. Lembro das praias do nordeste. Lembro da convivência com minha vó e meu tio, com quem dividia quartos de hotel. Lembro do dia que me perdi no hotel e bati na porta errada. Além dessas grandes viagens, minha infância foi marcada com muito deslocamento. Minha família nunca viveu inteira na mesma cidade e sempre se visitou muito. Minha lembrança dos meus finais de semana não fogem a pequenas viagens para a casa dos meus avós ou de tios. Todo verão, também íamos para Santa Catarina, com exceção de um ou dois, que passamos férias no Rio de Janeiro. Lembro também de uma viagem que fiz com o meu tio, o mesmo Fredo, e meus avós maternos, de carro, para Brasília. Na época, tinha racionamento de combustível e achar um posto com gasolina era uma aventura a ser vencida a cada tantos quilômetros. Já adolescente, fiz minhas primeiras viagens sozinha, com amigas do colégio. Mas o gosto mesmo pela viagem veio da infância, naquele longínquo 1982, quando fui para a Argentina e aprendi a gostar dos hermanos, ou em 1985, quando atravessei o Brasil. Viajar naquela época pode parecer hoje mais fácil, mas talvez não fosse. As estradas eram tão inseguras quanto hoje, os carros menos equipados, os telefones celulares ainda não existiam. Hoje a minha família viaja menos e eu muito mais. Poderia passar páginas e páginas relatando viagens a diferentes lugares. É possível ver fotos de algumas de minhas viagens em minha página do Flickr (http://www.flickr.com/photos/camilagonzatto/). Na verdade, não conheço muitos lugares. Gosto de voltar para os meus preferidos. Montevideo é um deles. Há alguns anos, pelo menos uma vez por ano, passo um final de semana por lá com meu marido. Essas viagens de lazer me são muito caras. São elas que permitem o reencontro consigo mesmo, são elas que permitem o errar sem destino, são elas que permitem o perder-se sem pressa para encontrar-se. Para elas, há que se ter a disposição do viajante, muito mais do que a do turista, tem que se estar aberto para o que encontrar, para o que acontecer, para o diferente. É nelas que olhamos para o outro de forma amorosa.

4 Pero, entendámonos bien: viajar, si, hay que viajar, habría que viajar, pero sobre todo no hacer turismo. Esas agencias que cuadriculan la tierra, que La dividen en recorridos, estadías, en clubes cuidadosamente preservados de toda proximidad social abusiva, que han hecho de La naturaleza un producto, así como otros quisieran hacerproducto de La literatura y del arte, son las primeras responsables de convertir a unos en espectadores y a otros en espetáculo. Quienes se equivocan de papel, como es sabido, se ven prontamente estigmatizados y si es posible se los envía de vuelta en charteres a sus lugares de origen. El mundo existe todavia en su diversidad. Pero esa diversidad poço tiene que ver con El calidoscópio ilusório del turismo. Tal vez una de nuestras tareas más urgentes sea volver a aprender a viajar, en todo caso, a lãs regiones más cercanas a nosotros, a fin de aprender nuevamente a ver. (AUGÉ, 2008, p. 16) Poder sair, para mim, é sinônimo de poder descansar. Normalmente, não consigo fazer isso em Porto Alegre. Se estou aqui, estou trabalhando. Então, se consigo sair, sem levar meu computador, isso já é um grande início. Cheguei a fazer algumas viagens sem celular. Em 2005, passei quase 30 dias na Europa, sem telefone. Mas, hoje em dia, é impossível. A tecnologia já permite levar o telefone e usar mensagem de textos a preços módicos. Foi em uma viagem a Nova York, em 2008, em que levei o meu telefone, que recebi uma ligação para marcar a entrevista da seleção do mestrado. Estivesse eu sem celular, talvez esse texto não tivesse sido escrito nesse contexto. Montevideo, 2009

5 Mas viagens muitas vezes estão bem longe do lazer. A maior parte de minhas viagens estão relacionadas a trabalho, sejam festivais de cinema para acompanhar filmes ou para apresentar projetos, ou mesmo viagens curtas para reuniões. Já fiz também algumas viagens de pesquisa para escrever roteiros. Para escrever histórias sobre lugares específicos é preciso conhecê-los. Foi assim que conheci a fronteira de Jaguarão do Sul e Rio Branco no Uruguai, e revisitei as Missões Jesuíticas do Rio Grande do Sul. Essas viagens foram base para dois roteiros da série Primeira Geração (http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/rbstvrs/capa-interna,0,0,0,0,primeira- Geracao.html), da RBS TV. Muito do que vi e fotografei esteve presente na filmagem dos episódios. Eram histórias ficcionais, com crianças protagonistas, que contavam com um pano de fundo de realidade. Aquelas histórias poderiam ter acontecido naqueles lugares. Outro projeto da RBS TV que me fez viajar foi o 4 Destinos (http://www.clicrbs.com.br/especial/rs/4-destinos/home,0,2239,home.html), que fiz a pesquisa em Blumenau e Caxias do Sul. Fronteira Brasil/Uruguai, em Jaguarão/Rio Branco.

6 Campo de girassóis na região das Missões. Também fiz algumas viagens para estudar. A primeira foi a minha mudança de Passo Fundo para Porto Alegre para cursar o curso de Publicidade e Propaganda na UFRGS. Mais do que uma viagem, foi uma mudança. A viagem mesmo foi quando vim fazer o vestibular. Já conhecia a cidade, mas a relação com ela foi de outra forma. Mais do que visitá-la, comecei a vivenciá-la. Uma das viagens mais marcantes de estudo foi a ida para Cuba para fazer o Taller Avanzado de Guión na Escuela Internacional de Cine y TV em San Antonio de los Baños. Essa foi uma viagem que começou muito antes de entrar no avião. A decisão de fazer o curso e os preparativos ocuparam alguns meses. Foram cinco semanas intensas e marcantes em Cuba. Falo não apenas do curso, que foi excelente, mas principalmente da vivência em um país completamente diferente do nosso e com uma realidade difícil de entender, difícil de gostar e mais difícil ainda de criticar. O somatório das experiências educacionais e pessoais foi o grande ganho. Fui para Cuba, em 2006, em uma época de incertezas, quando o então presidente Fidel Castro estava doente, ninguém sabendo se ele sobreviveria, se os Estados Unidos invadiriam a ilha, o que aconteceria. Mas esse era o clima antes da viagem, lá o mais impactante foi o

7 contato com uma realidade que foge dos pré-conceitos que podemos ter em relação a lugares que não conhecemos. Foi em Cuba que vi o mais lindo dos céus estrelados e a água mais cristalina do mar. Mas também foi em Cuba que vi tantas outras coisas que tornaram a viagem menos fácil. Mural do Hall da Escola de Cinema e TV de Cuba Nessa linha de viagem-estudo fiz algumas com o grupo das aulas de arte do antigo Torreão. Capitaneadas por Jailton Moreira, artista, curador e nosso grande mestre, conhecemos muitas obras de arte ao vivo e discutimos sobre elas. Com o grupo fui visitar museus em Nova York (viagem já citada), fui conhecer o Centro de Arte Contemporânea de Inhotim, em Brumadinho/MG, e a cidade histórica de Ouro Preto, e fiz uma expedição para o deserto da Bolívia. Agora me preparo para uma visita a Paris e Londres, com o intuito de visitar museus.

8 Arte de rua no bairro Dumbo, em Nova York. Penetrável, de Hélio Oiticica, em Inhotim.

9 A Bolívia, assim como Cuba e as duas grandes viagens da infância, são um capítulo a parte de minha história. É a ela que dedico a parte final desse texto. Os muitos desertos da Bolívia O Jailton me convidou para ir para a Bolívia. Normalmente, ele propõe as viagens e as pessoas se inscrevem. Essa era a terceira vez que ele levava um grupo para a Bolívia e quarta vez que ele próprio ía. Esse terceiro grupo foi uma curadoria. Ele convidou um a um dos alunos. Todos aceitaram. Eu demorei um pouco a decidir. Já namorava essa viagem desde sua primeira edição. Mas não é uma viagem fácil. Tem que se estar disposto a passar mal. Ninguém passa por aquela altitude sem senti-la. Tem que se estar disposto a passar alguns dias sem banho. Tem que se estar disposto a fazer algum trabalho artístico. Essa não é uma viagem para ver arte e sim um desafio de produzir algo em relação a uma paisagem extrema. Extrema em beleza, extrema em diferença, extrema em tamanho, extrema em altitude. Eu aceitei a empreitada. Para mim, essa parecia a maior aventura a qual tinha me disposto. Mais do que viajar de Kombi para a Argentina, mais do que atravessar o Brasil, mais do que qualquer outra viagem que eu já tivesse feito sozinha ou acompanhada. Decidi, então, que o meu trabalho seria um diário. Escolhi um Moleskine vermelho e o coloquei na mochila junto com três canetas uma roxa, uma verde e uma azul e um conjunto de canetinhas hidrográficas coloridas. Também levei uma câmera fotográfica analógica, com cinco rolos de filme 35mm, asa 400 (infelizmente não encontrei para vender nem asa 100, nem 200), e uma câmera digital simples, de 7 megapixels. A câmera digital tinha o objetivo de ser documental, registrar o grupo, a viagem. A câmera analógica era para produzir imagens escolhidas. Essas seriam as minhas ferramentas de trabalho.

10 Caderno de anotações A viagem começou no dia 7 de outubro. Fomos de Porto Alegre para Buenos Aires. Mas o diário só começou mesmo no dia 8, quando voamos de Buenos Aires para Jujuy, no norte da Argentina. A ideia é que a subida rumo à altitude fosse gradual. A cidade não é nada demais, mas a pousada era confortável. Acabei comprando uma canequinha de mate, erva e bomba no Carrefour. Já tinha levado uma mini garrafa térmica para fazer chás no frio do deserto. O chimarrão parecia que traria um certo calor e conforto. Lembro que era um Carrefour bacana, cheio de coisas, mas acabamos comprando quase nada. A ideia era não ir preparados demais para o deserto. Já tínhamos várias amenidades que levamos de Porto Alegre: remédios, lenços umedecidos, barrinhas de cereal, castanhas, damascos e afins. Ali a sensação ainda era de preparação, a viagem ainda não tinha de fato começado. E assim foram os próximos dias. No dia seguinte, fomos de van até a divisa com a Bolívia. A paisagem do norte da Argentina é bonita, principalmente o Sierro de Los Siete Colores e as montanhas com os primeiros cactos. Na fronteira, um ônibus estava nos esperando e nos levaria até Tupiza, a nossa cidade de adaptação, na qual dormiríamos três noites. A fronteira foi um

11 choque de realidade: muita sujeira e muita pobreza, numa paisagem devastada debaixo de um sol ardido. Os pneus do ônibus foram outro choque de realidade melhor que não precisassem frear de última hora. Foi na fronteira que percebi que o conforto estava prestes a acabar e que nos próximos dias tudo seria bem diferente. Não tenho nenhuma anotação fresca da fronteira no meu caderno, apenas anotações a posteriori. A última que tenho é ainda da Argentina e marca uma altitude de 2200m. Estávamos começando a subir. Talvez esse fosse o real início da viagem, mas para mim, esse início só veio dar as caras bastante tempo depois. A viagem da fronteira até Tupiza, de acordo com o diário, foi quase dersértica em todos os sentidos. Chacoalhamos por uma estrada de terra quase o tempo todo. Tupiza me surpreendeu positivamente. Parece, de certa maneira, algumas cidades do interior do nordeste. Mas uma cidade ajeitadinha, com asfalto e uma única sinaleira. Nas três noites que jantamos em Tupiza, comemos pizza, em restaurantes de uma mesma franquia, se é que se pode falar em franquia no interior da Bolívia... O hotel era bem bom, com banheiro nos quartos, chuveiro e cama confortável. Os móveis eram feitos de madeira de cactos, em um tom clarinho. Um lugar simpático.

12 Nos dois dias inteiros que ficamos em Tupiza, fizemos tours ao redor da cidade. A paisagem é exuberante, com montanhas esculpidas pelo vento. Foi nesse período que me permiti tentar desenhar. Nunca desenhei na minha vida, além dos traços infantis. Mas me entreguei à empreitada, saísse o que saísse, sem censura. Foi a minha primeira grande disponibilidade da viagem, fora a disponibilidade maior de tê-la aceitado fazer.

13 Mas ao mesmo tempo em que me permiti desenhar, começaram os questionamentos sobre o que seria escrever um diário e quais os limites do registro textual. Relendo as anotações para escrever esse texto, parece que agora elas fazem mais sentido. Durante aqueles três dias não pareciam fazer. Eu já nem sabia mais o que escrever. Qualquer coisa parecia banal, fosse uma descrição do que estávamos fazendo, fosse o registro de um sentimento. O que eu achava que seria uma aventura, no dia a dia, estava muito tranquilo, ainda não parecia uma aventura. Mas o que é uma aventura? Achei que eu fosse descobrir isso quando começasse o tour pelo deserto.

14 Página do diário do segundo dia de tour em Tupiza: um questionamento sobre a solidão. Paisagem do almoço, citado nas páginas do caderno, na foto acima.

15 Cholita em algum lugar ao norte de Tupiza. O nosso tour pelo deserto da Bolívia começou mesmo no dia 12 de outubro. Tupiza já é deserto, mas ali tínhamos a praticidade de toda noite voltar ao hotel e nos acomodarmos em nossos quartos. Levantamos cedo, carregamos os jipes. No total eram três carros (Santos, David e Martín, os motoristas), que nos levavam, além de uma cozinheira, a Delmira. A ideia era viajar em torno de 12h por dia, recorrendo um caminho pré-estabelecido durante cinco dias, até chegar em La Paz. Esse foi o início da viagem para mim. E iniciou super bem, com uma paisagem belíssima de campos de capim dourado a mais de 4000m de altitude. Eles pareciam muito com os Campos de Cima da Serra, só que muito mais altos e áridos. Uma paisagem confortável.

16 O início da viagem. Depois disso há um buraco no diário. Só volto a escrever no dia 15. No diário está explicado que foi porque passei mal. E, realmente passei mal. No dia que chegamos a 5000m de altitude, tive o mal de altura: a dor de cabeça mais forte que já senti na minha vida, um pouco de falta de ar, ânimo nenhum para nada. Nesse momento, me questionei o que tinha ido fazer naquele fim de mundo, naquela altura toda... Mas era só olhar para o lado e havia sempre uma surpresa para ver, mais uns quilômetros para andar e o tempo foi passando e a dor de cabeça, à base de muito remédio, foi passando também. Sem dúvida, o cansaço da altitude, os dias chacoalhando dentro do carro e as noites sem luz, me fizeram não escrever. Mas, também a dúvida sobre o que e por que escrever me paralisou. Desses dias sem anotação, vale lembrar das hospedarias simples, das cidades desertas e, principalmente, do deserto que não é um só. Essa foi uma grande lição boliviana: não existe um deserto, são vários. A cada dia víamos uma paisagem diferente, lagos coloridos azul, vermelho, verde e amarelo, deserto com pedras, montanhas, capim dourado. Apenas uma vez passamos no deserto clássicos dos filmes que todos assistimos: um areião. Vale lembrar também dos colegas de grupo. A medida

17 em que o tempo foi passando e que o mal de altura foi pegando um aqui outro ali, o grupo ficou mais coeso, mais amigo, mais companheiro. E, por fim, não há como esquecer da música boliviana, sempre alegre, que se repetia sem parar, independentemente do jipe em que se estava. As pausas eram proporcionadas pelos i- pods dos companheiros de viagem. Mas quando acabava a bateria, lá voltavam os embalos bolivianos. Laguna Esmeralda com flamingos Mas o mais esperado ainda estava por vir: o Salar de Uyuni, o maior deserto de sal do mundo. Antes dele, porém, o jipe em que eu estava estragou. Ficamos, eu, Fred, Jailton, Guilherme e Estevão, no meio de um deserto de areia, enquanto os outros jipes seguiram para a nossa próxima parada: um hotel de sal, na entrada do Salar, com chuveiro (!). Ficamos mais de duas horas na função do carro, com uma certa apreensão com a possível chegada da noite (os motoristas se orientam pelas montanhas e sem luz, já viu...) e ganhamos um presente. Quando nos aproximamos para cruzar um trilho de

18 trem no meio do nada, lá vinha um. Ficamos eufóricos, descemos do carro e corremos para registrar o momento. O deserto de sal, afinal, era tudo o que a gente esperava e mais um pouco. A paisagem é realmente exuberante. O céu azul tocando o chão branco é uma imagem difícil de esquecer. Ficamos apenas um dia e meio nele. Mas a vontade era de ficar mais. A sensação daquele lugar é de puro deslocamento. Não dá para entender essa paisagem. Ela é muito diferente de tudo o que conhecemos. As fotos não conseguem registrar a plenitude da experiência. As fotos, na verdade, não registraram o deserto, assim como o diário também não o fez. As fotos registraram as pequenas experiências artísticas, que tentei fazer sozinha ou em grupo na imensidão branca. Foram experiências singelas, não há como competir com o deserto.

19 Experiências com uma bola vermelha no branco e azul do Salar

20 Experiências vestida com um saco azul no branco e azul do Salar Experiências com balões brancos azul no branco e azul do Salar

21 O Salar foi formado por sais de derramamento vulcânico e tem abaixo dele a maior reserva de lítio do planeta. O motorista Martín nos contou que há uma lenda em torno da formação do Salar. Segundo ele, havia uma mãe que tinha dois filhos. Um deles morreu e o leite do peito dela derramou e se transformou em sal, formando o salar. A mãe é o grande Tulupa, o vulcão que guia a todos os motoristas no Salar. Vulcão Tulupa às margens do Salar Relendo anotações como essa, parece que a ideia de diário faz mais sentido. Tem coisas que só lembrei por meio das anotações e das fotos. Na memória, ficaram apenas as lembranças mais marcantes, os detalhes mais inusitados, como o sabor simples da comida de Delmira, que toda a noite era um alento a nossa dura jornada. A viagem não terminou no Salar. Ainda fomos para La Paz, uma cidade muito colorida e pobre. Mais uma vez, a realidade foi forte. Entre tecidos, lãs e muitos objetos religiosos, achamos escondida em uma galeria, uma pequena loja, que vendia e trocava livros. Era de um americano que viajou toda a America Latina e resolveu ficar na Bolívia. Compramos um café orgânico e quase deixamos o nosso Lonely Planet da

22 Bolívia. Mas valia a pena trazê-lo de volta, para olhar os mapas e quem sabe um dia voltar. O diário ficou inacabado. Foi uma pena. Talvez ele valha muito mais para o depois. A aventura existiu, com todas as suas vicissitudes. Foi uma aventura boliviana. Não sei que aventura eu esperava. Mas as viagens são sempre diferentes daquilo que a gente espera. Esse é o barato de viajar. Viajo porque preciso, volto porque gosto daqui. Referências AUGÉ, Marc. El viaje imposible. Barcelona: Gedisa, SILVA, Tomaz T. (org). Identidade e Diferença A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2004.

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades?

Existe espaço para os covers mostrarem seus trabalhos? As pessoas dão oportunidades? A Estação Pilh@ também traz uma entrevista com Rodrigo Teaser, cover do Michael Jackson reconhecido pela Sony Music. A seguir, você encontra os ingredientes da longa história marcada por grandes shows,

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

A DIVERSIDADE NA ESCOLA

A DIVERSIDADE NA ESCOLA Tema: A ESCOLA APRENDENDO COM AS DIFERENÇAS. A DIVERSIDADE NA ESCOLA Quando entrei numa escola, na 1ª série, aos 6 anos, tinha uma alegria verdadeira com a visão perfeita, não sabia ler nem escrever, mas

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

!!!!! Castelo neuschwanstein/neuschwanenstein em Fussen. host family que recebeu minha irmã em 2010/2011 em Augsburg

!!!!! Castelo neuschwanstein/neuschwanenstein em Fussen. host family que recebeu minha irmã em 2010/2011 em Augsburg Alemanha Eu cheguei na Alemanha no dia 14 de Agosto de 2014, e desde então moro em Potsdam, a capital de Brandeburgo e 30 minutos de Berlim A minha host family me buscou no aeroporto e desde o primeiro

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário

O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário epílogo O mar de Copacabana estava estranhamente calmo, ao contrário do rebuliço que batia em seu peito. Quase um ano havia se passado. O verão começava novamente hoje, ao pôr do sol, mas Line sabia que,

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO)

EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) Explorando a obra EXPLORANDO A OBRA (ALUNOS SENTADOS EM CÍRCULO) INTRODUÇÃO Antes da leitura Peça para que seus alunos observem a capa por alguns instantes e faça perguntas: Qual é o título desse livro?

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

Temario Serie 1. Introducción / Lección 1. Competencias: Gramática: Vocabulario: Las Introducciones. Nombres Tudo bem!

Temario Serie 1. Introducción / Lección 1. Competencias: Gramática: Vocabulario: Las Introducciones. Nombres Tudo bem! Temario Serie 1 Introducción / Lección 1 Introducciones Nombres Tudo bem! Las Introducciones > muito prazer, tudo bem, com licença Vocabulario: com licença por favor obrigado, obrigada muito prazer bom

Leia mais

Guia do Mochileiro. www.thesimstv.net

Guia do Mochileiro. www.thesimstv.net Guia do Mochileiro O Guia do Mochileiro foi totalmente desenvolvido por mim. Os direitos autorais dele pertem exclusivamente ao LPTS, sendo proibida cópia parcial ou integral do texto e das fotos. Os Sims

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem

..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem 1 2 ..::10 A equação matemática que garante o sucesso financeiro da viagem Quanto mais viajamos e entendemos a dinâmica da estrada, mais fácil se torna encontrar formas de economizar e juntar dinheiro

Leia mais

FOTO-AVENTURA. Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA

FOTO-AVENTURA. Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA Nova Zelândia CADA QUILÓMETRO É UMA POTENCIAL FOTOGRAFIA IR AO OUTRO LADO DO MUNDO APENAS PARA FOTOGRAFAR NÃO É PARA QUALQUER

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

paraíso Novo rumo no Inspiração one experience Relatos de quem tem história

paraíso Novo rumo no Inspiração one experience Relatos de quem tem história Novo rumo no paraíso Como uma viagem para a ilha de Saint Barths fez a mercadóloga Jordana Gheler trocar a carreira que tinha no Brasil por outra muito mais ensolarada [ depoimento concedido a Ana Luiza

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Receita infalível para uma boa viagem

Receita infalível para uma boa viagem Receita infalível para uma boa viagem Para que a tão sonhada viagem de férias não se transforme em um pesadelo, alguns cuidados básicos devem ser tomados. Pensando no seu conforto e na sua segurança nesse

Leia mais

Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Edição de um filme a partir de fotografias

Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Edição de um filme a partir de fotografias PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO RELATÓRIO DE ATIVIDADE Anelise de Brito Turela Ferrão Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Edição de um filme a partir de fotografias ANIVERSÁRIO GEMEOS / 7

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

CACHOEIRAS em PERNAMBUCO

CACHOEIRAS em PERNAMBUCO quinze quilômetros. A do Poço do Soldado é uma das mais populares. Os moradores dizem que a força da água é uma verdadeira massagem. Na do Caboclo há duas duchas, escorrego e piscinas naturais, além de

Leia mais

PRÓLOGO. #21diasdeamor. DEUS É AMOR 1 João 4:8

PRÓLOGO. #21diasdeamor. DEUS É AMOR 1 João 4:8 PRÓLOGO DEUS É AMOR 1 João 4:8 Quando demonstramos amor, estamos seguindo os passos de Jesus. Ele veio para mostrar ao mundo quem Deus é. Da mesma maneira, temos a missão de mostrar ao mundo que Deus é

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7 Sumário Introdução - O novo hábito... 1 Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3 Sobre o vocabulário... 4 Benefícios... 7 Perguntas Frequentes sobre o Orçamento Doméstico... 10 Capítulo 2 - Partindo

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

Relato de parto: Nascimento do Thomas

Relato de parto: Nascimento do Thomas Relato de parto: Nascimento do Thomas Dia 15 de dezembro de 2008, eu já estava com 40 semanas de gestação, e ansiosa para ter meu bebê nos braços, acordei as 7h com uma cólica fraca, dormi e não senti

Leia mais

18/11/2005. Discurso do Presidente da República

18/11/2005. Discurso do Presidente da República Discurso do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega de certificado para os primeiros participantes do programa Escolas-Irmãs Palácio do Planalto, 18 de novembro de 2005

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração.

Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração. Primeiro relatório de intercâmbio de longa duração. Marcus Vinícius Rodrigues Garcia. Petrópolis, Rio de Janeiro, Brasil. Liège, Belgica. Bom, agora já faz quase três meses que eu estou aqui na Bélgica

Leia mais

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br

Guia Prático para Encontrar o Seu. www.vidadvisor.com.br Guia Prático para Encontrar o Seu Propósito de Vida www.vidadvisor.com.br "Onde os seus talentos e as necessidades do mundo se cruzam: aí está a sua vocação". Aristóteles Orientações Este é um documento

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

Distrito 4570 RELATÓRIO DE INTERCAMBISTA BRASILEIRO NO EXTERIOR (Outbound)

Distrito 4570 RELATÓRIO DE INTERCAMBISTA BRASILEIRO NO EXTERIOR (Outbound) Distrito 4570 RELATÓRIO DE INTERCAMBISTA BRASILEIRO NO EXTERIOR (Outbound) Nome do Intercambista: Julia Albuquerque da Silva Romaguera Louro Data: 16.11.14 Patrocinado no Brasil pelo Rotary Club de: Rotary

Leia mais

, como desenvolver o seu primeiro infoproduto

, como desenvolver o seu primeiro infoproduto Olá! Seja bem-vindo a essa série de três vídeos, onde eu quero mostrar exatamente como criar, como desenvolver e como fazer um marketing do seu próprio produto digital, criando um negócio altamente lucrativo

Leia mais

ATIVIDADES PARACURRICULARES DE ATRIBUIÇÕES PROFISSONAIS (APAP)

ATIVIDADES PARACURRICULARES DE ATRIBUIÇÕES PROFISSONAIS (APAP) ATIVIDADES PARACURRICULARES DE ATRIBUIÇÕES PROFISSONAIS (APAP) DAYUMA CRUZ 308.2095 2 Este relatório visa à inclusão do Relatório de Viagem nas Atividades Paracurriculares de Atribuições Profissionais

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Paródia 1ªA. Música Fugidinha Michel Teló. Cheguei na escola não consegui entender. Mas depois de um tempo tudo foi se resolver

Paródia 1ªA. Música Fugidinha Michel Teló. Cheguei na escola não consegui entender. Mas depois de um tempo tudo foi se resolver Paródia 1ªA Música Fugidinha Michel Teló Cheguei na escola não consegui entender Mas depois de um tempo tudo foi se resolver Tudo dando certo eu vou ficar esperto E vestibular eu vou fazer Sempre tem aquele

Leia mais

Iracema estava na brinquedoteca

Iracema estava na brinquedoteca Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Iracema estava na brinquedoteca com toda a turma quando recebeu a notícia de que seu sonho se realizaria. Era felicidade que

Leia mais

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a

Como escrever um estudo de caso que é um estudo de caso? Um estudo so é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a Página 1 1 Como escrever um Estudo de Caso O que é um estudo de caso? Um estudo de caso é um quebra-cabeça que tem de ser resolvido. A primeira coisa a lembre-se de escrever um estudo de caso é que o caso

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

análise da sequência de

análise da sequência de Laila Vanetti - Setembro de 2014 Laila Vanetti - Setembro de 2014 último encontro análise da sequência de vendas de Conrado adolpho 1º E-mail Conrado adolpho Assunto: O que fizemos aqui na Webliv... Oi,

Leia mais

10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA

10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA Maldivas - Brasil DAS MALDIVAS AO BRASIL A CÂMARA DE MAURÍCIO MATOS PARTIU DA EUROPA, ATRAVESSOU A ÁSIA, PASSOU UNS DIAS NAS MALDIVAS, DEPOIS VOOU SOBRE ÁFRICA

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Segundo Relatório de Intercâmbio de Longa Duração

Segundo Relatório de Intercâmbio de Longa Duração Segundo Relatório de Intercâmbio de Longa Duração Carlos Araujo RCRJ/Nova Iguaçu Odense, Danmark. Ainda depois de 4 meses na Dinamarca, este país ainda consegue fazer surpresas. Desde de agosto, a minha

Leia mais

Genialidade, Fernando Pessoa

Genialidade, Fernando Pessoa Um homem de génio é produzido por um conjunto complexo de circunstâncias, começando pelas hereditárias, passando pelas do ambiente e acabando em episódios mínimos de sorte. Genialidade, Fernando Pessoa

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Literatura de cordel. O VALE DO CATIMBAU Autor: Paulo Tarciso

Literatura de cordel. O VALE DO CATIMBAU Autor: Paulo Tarciso Literatura de cordel O VALE DO CATIMBAU Autor: Paulo Tarciso Me escutem caros ouvintes Pois quero apresentar Um vale muito encantado Que existe neste lugar Beleza não tem igual O Vale do Catimbau Convido

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel

Projeto Gráfico e Editoração Coordenadoria de Comunicação Social. Revisão gramatical Lucia Anilda Miguel Elaboração Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude e Coordenadoria de Comunicação Social do Ministério Público do Estado de Santa Catarina. Contato Rua Bocaiúva, 1.750, 4º andar - Centro -

Leia mais

Após o término da Segunda Guerra Mundial foram trabalhar no SíNo Quinta das Amoreiras, de propriedade de Augusto Camossa Saldanha, aqui entre Miguel

Após o término da Segunda Guerra Mundial foram trabalhar no SíNo Quinta das Amoreiras, de propriedade de Augusto Camossa Saldanha, aqui entre Miguel Vamos falar umas poucas palavras sobre nosso pai. Na tradição japonesa nessas horas esquecemos a tristeza e falamos das alegrias, das virtudes de quem foi. O duro é esquecer a tristeza. Hiroshi Watanabe

Leia mais

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim 17% não 83% 2. O que achou da transformação do Largo de Pinheiros? Diferente, muito

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais