CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA - UNIPÊ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MATHEUS NUNES MORAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA - UNIPÊ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MATHEUS NUNES MORAIS"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA - UNIPÊ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MATHEUS NUNES MORAIS CULTURA E SUBCULTURA: Um estudo do setor de Tecelagem da BETA S.A/JP João Pessoa PB 2008

2 MATHEUS NUNES MORAIS CULTURA E SUBCULTURA: Um estudo do setor de Tecelagem BETA S.A/JP Monografia apresentada ao Centro Universitário de João pessoa - UNIPÊ, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração. Orientador: Professor Ms. Márcio R L Ferreira João Pessoa PB 2008

3 M827c Morais, Matheus Nunes. CULTURA E SUBCULTURA: um estudo no setor de Tecelagem da BETA S.A/JP / Matheus Nunes Morais. João Pessoa, f. Monografia (Curso de Administração) Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ 1. Cultura Organizacional. 2. Comportamento Organizacional. 3. Subcultura I. Título. UNIPÊ / BC CDU - 658

4 MATHEUS NUNES MORAIS CULTURA E SUBCULTURA: Um estudo do setor de Tecelagem da BETA S.A/JP Monografia apresentada ao Centro Universitário de João pessoa - UNIPÊ, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Administração. APROVADA EM / /2008 BANCA EXAMINADORA Prof. Ms. Márcio R L Ferreira Orientador - UNIPÊ Profa. Dra. Silvana Medeiros Costa Examinadora - UNIPÊ Profa. Dra. Maria Luiza da Costa Santos Examinadora - UNIPÊ

5 Dedico aos meus pais, que são um grande exemplo para mim, pelo apoio constante e excelente educação.

6 AGRADECIMENTOS Primeiramente, agradeço a DEUS, fonte de estímulo e dedicação. Aos meus pais, que me aconselharam nos momentos mais importantes da minha vida, sempre torcendo pelo meu sucesso e estando ao meu lado quando necessário. Sou eternamente agradecido a eles. Ao meu irmão, futuro administrador. Aos meus amigos que me acompanham. Alguns mais próximos, outros mais distantes, mas sempre com algo a contribuir. Agradecimento aos amigos: Otacílio, Olavo e Jomarlos. Ao professor Márcio Ferreira, pela ajuda fornecida em momentos nebulosos para mim, onde o apoio clareou meus pensamentos e me guiou diante das idéias. A todos os professores que lecionaram durante o curso. Tanto aqueles com os quais tive oportunidade de criar um laço de amizade, quanto aos que tive pouco contato, mas me concederam um pouco de sua experiência. À coordenação do curso de administração, no qual as professoras Ilka e Silvana estão fazendo um ótimo trabalho. Aos nobres, Marcelo, Leverrier e Rosânia, com os quais tenho grande amizade. A Isabela, minha namorada, que me ajudou bastante para conclusão da monografia. Agradeço ao grande amigo Hudson, que ajudou na formatação do trabalho e a Thaís, pelo apoio prestado. A empresa Beta S.A, onde tive oportunidade de executar a pesquisa. O meu muito obrigado a todos!

7 Ao acordar pela manhã, você tem duas opções: voltar a dormir e a sonhar ou levantar e correr atrás dos seus sonhos. A escolha é sua! Pravs J.

8 MORAIS, Matheus Nunes. CULTURA E SUBCULTURA: Um estudo no setor de tecelagem da BETA S.A/JP f. Monografia (Graduação em Administração) Centro Universitário de João Pessoa Unipê RESUMO A presente pesquisa tem como objetivo compreender a subcultura da empresa BETA S.A, unidade de João Pessoa. A cultura organizacional é atualmente um dos fatores que favorece na boa relação entre os funcionários, fornece uma imagem adequada aos clientes internos e externos, ajuda na realização de projetos com o trabalho em equipe, dentre outras atribuições. Os princípios adotados pelas organizações são transmitidos, primeiramente, pelos seus fundadores e logo após pelos seus presidentes, diretores e gerentes, dentre outros. A comunicação e o comportamento adotados pelo corpo gerencial irão ditar a conduta seguida pelos funcionários. A boa transmissão das informações faz com que haja solidificação nos conceitos primordiais da cultura da empresa. O estudo realizado no setor de Tecelagem utilizou questionário, com perguntas objetivas e análise de documentos internos a fim de estudar a cultura e a subcultura presente no setor de tecelagem da empresa. Os resultados evidenciaram que a empresa BETA S.A mantém uma boa relação com seus funcionários e uma cultura conservadora. Palavras-chave: Comportamento organizacional. Cultura organizacional. Subcultura.

9 MORAIS, Matheus Nunes. CULTURE AND SUBCULTURE: A study at weave room department of BETA S.A Company/JP p. Monograph (Management graduation) Centro Universitário de João Pessoa Unipê ABSTRACT The present research has as objective to comprehend the subculture of the BETA S.A company, Joao Pessoa plant. Organizational culture, nowadays, is one of the factors that favors a good relationship between employees, provides an appropriate image to internal and external clients, and helps in projects completion with a work group, among other tasks. The adopted principles by the companies are firstly transmitted by its founders and afterwards by its presidents, directors and managers, among others. The communication and behavior adopted by the management group will direct the conduct followed by the employees. A good transmission of information creates solidification on the primary concepts of culture in the company. The study realized on the weaving sector used questionnaires with objective questions and the analysis of internal documents with the aim of study the culture and subculture of the company. The results showed that the BETA S.A Company keeps a good relationship between its employees and a conservative culture. Keywords: Organizational behavior. Organizational culture. Subculture.

10 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 01 Tempo de trabalho na empresa Gráfico 02 Idade do funcionário Gráfico 03 Diálogo entre chefe e subordinado Gráfico 04 Ambiente de trabalho Gráfico 05 Avaliação do trabalho Gráfico 06 Receptividade às novas idéias Gráfico 07 Benefícios Gráfico 08 Conhecimento das políticas da empresa pelos empregados Gráfico 09 Meios de comunicação internos Gráfico 10 Valorização do trabalho de funcionário pela empresa Gráfico 11 Recompensas por desempenho... 45

11 LISTA DE FIGURAS Figura 01 Organograma Figura 02 Manual do empregado de uma organização Figura 03 O iceberg da cultura organizacional Figura 04 Conseqüências e implicações da cultura organizacional Figura 05 Um modelo de processo de desenvolvimento organizacional Figura 06 Empresa BETA S.A... 36

12 LISTA DE SIGLAS CEO Presidente executivo (Chief executive officer). ISO 9001 Organização internacional para padronização (International standard organization). Referente a certificação internacional da qualidade. ISO Organização internacional para padronização (International standard organization). Referente a certificação internacional do meio ambiente. OHSAS Série de avaliação de saúde e segurança ocupacional (occupational health and safety assessment series). Referente a certificação internacional para saúde e segurança ocupacional. BDMG Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais SUDENE Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste.

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO VISÃO GERAL SOBRE CULTURA A ORGANIZAÇÃO O CONCEITO DE ORGANIZAÇÃO O PAPEL DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES SOCIALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO CULTURA ORGANIZACIONAL CONCEITO DE CULTURA ORGANIZACIONAL A IMPORTÂNCIA DA CULTURA NAS ORGANIZAÇÕES A CULTURA E SEUS DIFERENTES NÍVEIS O APRENDIZADO DA CULTURA PELOS EMPREGADOS AS SUBCULTURAS NAS ORGANIZAÇÕES MUDANÇA ORGANIZACIONAL Por que mudar a cultura organizacional Como mudar a cultura de uma organização Resistência as mudanças PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA PROBLEMATIZAÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos CAMPO EMPÍRICO UNIVERSO E AMOSTRAGEM INSTRUMENTO DE COLETA DE DADOS...37

14 6 ANÁLISE DE DADOS: A SUBCULTURA DO SETOR DE TECELAGEM DA EMPRESA BETA S.A DESCREVER OS PRINCÍPIOS DA CULTURA ORGANIZACIONAL VERIFICAR O PAPEL DAS PESSOAS PARA A FORMAÇÃO DA CULTURA LEVANTAR OS ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS NA CULTURA ORGANIZACIONAL NO SETOR DE TECELAGEM CONCLUSÃO...47 REFERÊNCIAS...48 APÊNDICE A...50

15 13 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho busca relatar a importância da cultura organizacional no mundo dos negócios corporativos nos dias atuais, tomando como referência a empresa BETA S.A e analisando-a de modo sistemático e objetivo. A cultura de uma sociedade é determinada de acordo com o meio no qual ela está inserida. Da mesma forma acontece com as empresas. Segundo Dubrin (2003, p. 352) a cultura de uma sociedade ajuda a estabelecer a cultura de uma empresa, ou seja, os valores, as crenças, as atitudes da sociedade adentram na empresa, moldando-a através da educação, conversas informais e pela mídia. Em toda organização é necessário que haja estudos para melhor gerenciar as pessoas e o estudo da cultura organizacional ajuda no gerenciamento, levando a melhores práticas e melhores resultados. A cultura organizacional é pouco abordado nas empresa, portanto este projeto de monografia irá tratar este tema, demonstrando sua importância, além das vantagens e conseqüências. O desenvolvimento da cultura em uma empresa é bastante importante, pois representa em resultados positivos para a organização, melhora a eficiência e a eficácia organizacional. Será abordado no primeiro capítulo o assunto da visão sobre a cultura. Uma abordagem inicial sobre cultura. No segundo capítulo será relatado o significado de organização, sua formação, sua estrutura, o papel das pessoas que compõem o quadro funcional da empresa e como se dá o início das pessoas nas empresas. O objetivo do terceiro capítulo ponto principal do presente trabalho é conceituar a cultura organizacional, expor a importância da mesma para as organizações, relatar os tipos de cultura e avaliar o aprendizado da cultura pelo empregado. A modificação da cultura organizacional será abordada no quarto capítulo, onde serão indicados os motivos que levam a essa mudança, como ela é realizada e de que maneira devem ser solucionados os conflitos gerados pela resistência. Os procedimentos metodológicos e a análise de dados serão demonstrados no capítulo cinco e seis, respectivamente.

16 14

17 15 2 VISÃO GERAL SOBRE CULTURA Segundo o professor Roberto Huck (www.arkheia.fapesp.com.br) a origem da palavra antropologia expressa o estudo do homem ou o tratado do homem. Contudo a Antropologia Cultural visa estudar o comportamento humano, padronizado e aprendido, chamando-a assim de cultura. Huck afirma ainda que a Antropologia Cultural subdividiu-se em: lingüística, arqueologia, etnologia, etnografia, folclore e antropologia aplicada. Contudo, o conceito de Cultura surgiu em 1871 com o livro Cultura Primitiva do antropólogo inglês Edward B. Tyler, considerado o pai do conceito moderno de cultura. Segundo Tyler, citado por Huck (www.arkheia.fapesp.com.br) a cultura é o todo complexo que inclui conhecimentos, crenças, arte, moral, leis, costumes ou qualquer outra capacidade ou hábitos adquiridos pelo homem enquanto membro de uma sociedade. Percebem-se as formas de organização de uma sociedade e tradições que são transmitidas de geração para geração através do conhecimento dos mais velhos para os mais jovens. As crianças são expostas às doutrinas existentes na sociedade através do seu cotidiano. Para Chiavenato (1999, p. 138) a cultura pode ter dois significados: pode ser o conjunto de costumes, civilização e realizações de uma sociedade ou época, ou composto de artes erudição e demais manifestações do intelecto humano coletivo. Com isso, todo indivíduo é dotado de cultura, pois nascem e crescem dentro de um modelo cultural já constituído. A análise de cada cultura conta com o relativismo e o subjetivismo de cada pessoa que o distingue. As crenças e comportamentos só poder ser compreendidos em relação ao seu contexto cultural (CHIAVENATO, 1999, p. 138). Desta forma, cada pessoa julga as crenças e comportamentos de outras culturas a partir da sua própria cultura. Já Hoebel e Frost, citado em Rossano Nunes, referem-se à cultura como a soma total integrada dos traços comportamentais aprendidos, características dos membros de uma sociedade, que abrangem todo o seu modo de vida tecnológica e ideológica (www.veritas.com.br). É a simples evolução que há dentro da própria cultura, a diversificação e o contato com outros modelos de culturas. O ser humano se adapta a sociedade que se modifica, aprendendo com experiências cotidianas e aderindo ou não aos valores éticos e sociais, aos comportamentos e as doutrinas que vão surgindo. Há opção de escolha para adesão de uma característica da nova cultura dentro da cultura existente. Isto torna o ser humano flexível e adaptável às mudanças.

18 16 3 A ORGANIZAÇÃO As organizações iniciaram com a era da administração clássica no século XX quando empresas seguiram o rumo do aumento da eficiência no nível operacional, na divisão do trabalho e na ênfase na análise (CHIAVENATO, 2000, p. 29), cujo efeito se deve ao crescimento acelerado e desordenado das empresas e da necessidade de aumentar a eficácia e a competência das organizações. As companhias passaram a abranger um número grande de pessoas. Portanto, no século XX, surgiram à estrutura organizacional, o layout de fábrica e máquinas, os recursos materiais e humanos, dentre outros conceitos. Da prática iniciaram estudos, surgindo assim à teoria. A organização necessitava de entendimento, pois sua estrutura não parava de crescer e foi quando se iniciou diversos estudos organizacionais e modernas teorias que durante os anos foram aprimoradas e testadas na prática. 3.1 O CONCEITO DE ORGANIZAÇÃO Toda empresa requer o mínimo de ordem e padronização para seu correto funcionamento e adequação como organização prestadora de serviços ou de bens de consumo. Paulo Nunes define organização como: Qualquer organização como um conjunto de duas ou mais pessoas que realizam tarefas, seja em grupo, seja individualmente, mas de forma coordenada e controlada, actuando num determinado contexto ou ambiente, com vista a atingir um objectivo pré-determinado através da afectação eficaz de diversos meios e recursos disponíveis, liderados ou não por alguém com as funções de planear, organizar, liderar e controlar. (www.notapositiva.com.br) Segundo Maximiano (1992), a organização trata de esforços individuais para realização de propósitos coletivos. Devido a isto, as empresas são também conhecidas como organizações. O objetivo principal para o bom funcionamento é a boa organização dos trabalhos, onde há divisão do trabalho e cada um tem um papel fundamental dentro do desenvolvimento do produto e/ou serviço. Todavia, para Mintzberg (2006, p. 12), o trabalho organizado origina dois pontos fundamentais e opostos: a divisão do trabalho em várias tarefas a serem executadas e a coordenação dessas tarefas. Desta forma, a organização cria sua base estrutural. Há organizações que necessitam de várias pessoas e uma estrutura que a solidifique perante suas

19 17 atividades ou simplesmente duas pessoas dividindo as atividades entre si. Tais atividades da divisão do trabalho são fundamentais, implicando no surgimento da coordenação das tarefas como processo de organização frente à expansão da empresa. É o gerenciamento como fonte de administração do processo e de pessoas. Figura 01: Organograma. Fonte: Site da Qualidade da empresa BETA S.A (documento interno). Montana (2003, p. 170) fala que organizar é reunir recursos físicos e humanos a fim de realizar os objetivos da empresa. Do mesmo modo, a estrutura organizacional é expresso pelo organograma da empresa, onde os postos são determinados e transmitidos para o entendimento de todos. 3.2 O PAPEL DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES O ser humano é composto pelo senso do pensar, chamada de razão e pelos sentidos, chamada de sentimento, fatores que agregam virtudes ao indivíduo, seja proveniente da educação, treinamento, experiências, comunicação, dentre outras formas. Virtudes essas que ajudam a moldar o ser humano e que fazem de sua sensibilidade fator fundamental para construir o ambiente a sua volta. Portanto, podemos afirmar que o ser humano é um ser invariável, subjetivo e único, impossível de ser manipulado como se faz com a máquina. Os novos modelos estruturais organizacionais para o século XXI deverão incluir valores, princípios e guias axiológicos que dignifiquem todo ser

20 18 humano que trabalhe. Sem esquecer os interesses que movem as organizações, complementa-se a função de uma empresa sobre o ambiente (SOTO, 2002, p. 270). Sendo assim, toda organização deve prezar pela construção de valores, princípios e guias para a melhor conduzir seus trabalhadores e de forma a dignificar o trabalho feito, agregando-lhe valor. Qual colaborador não fornecerá melhor desempenho após receber elogios por um trabalho bem feito? Qual trabalhador não se sentirá satisfeito ao saber que a empresa tem metas, objetivos, valores, princípios, políticas, treinamento, etc. e que essas características fundamentais se fazem cumprir, além de serem bastante apoiadas pelo corpo gerencial? Estas atitudes são como uma manutenção preventiva para os trabalhadores, funciona como limpeza e lubrificação em uma máquina, sendo que no colaborador funciona como efeito motivador. As pessoas são os recursos mais importantes em uma organização. Elas fazem à cultura, tomam as decisões, operam as máquinas e analisam o desempenho. Ou seja, geram resultados para a empresa. O bom condicionamento das operações são as relações interpessoais perante chefe e subordinado. Uma liderança bem feita trará bons resultados. Já uma liderança mal feita, a base de ameaças, pouco diálogo e baixa motivação trará péssimos resultados, afetando a equipe de trabalho juntamente com a empresa no geral. Dentro de um setor de tecelagem, como é na empresa BETA S.A, os fatores determinantes são empregados para uma população de 300 pessoas em média, contando na maioria com operadores. Se não houver um bom gerenciamento, resultará no mal desempenho dos funcionários, na baixa produção e consequentemente afetará o processo, criando assim um gargalo para a empresa. Portanto as pessoas devem ser a base de sustentação para o bom desempenho da organização. 3.3 SOCIALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO De acordo com Chiavenato (1999, p. 146), a missão, a visão os objetivos organizacionais e a cultura constituem o modelo no qual as pessoas trabalham e se relacionam nas organizações. As características são fundamentadas a todos os colaboradores, porém são bastante focadas nos funcionários que estão ingressando na organização. A forma de integração e socialização se dá para o aculturamento social do novo funcionário, além de banir antigos hábitos do recém-funcionário. Somados a isto existem os paradigmas que os

21 19 novos funcionários podem possuir decorrentes de outros empregos anteriores e que as empresas não apóiam. Dá-se o nome de socialização organizacional a maneira como a organização recebe os novos funcionários e os integra a sua cultura, ao seu contexto e ao seu sistema para que eles possam comportar-se de maneira adequada as expectativas da organização (CHIAVENATO, 1999, p. 146). Robbins (1998, p. 380) trata a socialização como um processo necessário e importante na empresa cujo objetivo é ajudar os novos contratados a se adaptarem a sua nova cultura. O momento crucial de socialização é quando um novo funcionário integra o corpo de funcionários da empresa. O iniciado terá de aprender a cultura da organização e se adequar a determinados procedimentos e comportamentos que a empresa desejar que ele apresente. Ainda segundo Robbins (1998, p. 381) a socialização utiliza-se de três passos primordiais: a pré-chegada, o encontro e a metamorfose. Estes passos mostram a chegada do novo funcionário até sua completa socialização ao meio organizacional. A pré-chegada abrange os aprendizados ocorridos anteriormente à chegada de um funcionário na empresa. Após a chegada do mesmo, dará o encontro que é o segundo passo da socialização. O encontro refere-se ao aprendizado perante a presença de um condutor, que irá expor a realidade da organização, possibilitando ao novo empregado a possibilidade de divergência de realidades. A partir do momento em que o novo funcionário aceita a realidade da organização e a exerce no seu cotidiano empresarial, ele irá aperfeiçoar suas maneiras de acordo com a política da empresa. Dessa forma trará uma mudança positiva, melhorando seu desempenho nas atividades exigidas pelo cargo. Nesse momento ocorre a terceira fase, a metamorfose. Segundo Chiavenato (1999, p. 148) a integração divide-se em vários modelos: Formal ou Informal. O processo formal toma como base a atenção especial dada ao novo funcionário explicando-lhe sua função, além de detalhes necessários, porém sempre formal. Já o processo informal não fornece atenção especial, apenas pouca atenção, porém coloca o funcionário diretamente a frente da sua nova função. Individual ou Coletivo. O processo de integração pode ser feito unicamente com um funcionário ou coloca-lhe juntamente com outros que também estão iniciando. Uniforme ou Variável. Durante a integração até a consolidação do empregado como funcionário pleno à realização das suas atividades, a empresa pode determinar passos ou não. Quando há um passo a passo para completar o processo de integração, chama-se de uniforme,

22 20 quando a empresa não possui este passo a passo para integração do novo funcionário, então se chama de variável. Seriado ou Randômico. O processo de integração que utiliza o formato seriado dar-seá pelo treinamento e encorajamento, realçando os passos da integração. Enquanto que o randômico permite que o novo funcionário fique a vontade e agindo por conta própria Reforço ou Eliminação. A socialização por reforço apóia determinadas qualidades presentes no novo funcionário, enquanto que a socialização por eliminação reforça a não presença de determinada qualidade ou característica, que a empresa não apóie. Chiavenato (1999, p. 151) refere-se a socialização e a integração como sendo um elemento de fixação e manutenção da cultura organizacional. Contudo, a integração pode ocorrer de um a cinco dias, de acordo com qual necessidade e intensidade a empresa pretende que o novo funcionário absorva. Figura 02: Manual do empregado de uma organização. Fonte: Chiavenato (1999, p. 152) Segue acima um modelo de manual do empregado, contendo informações básicas aos funcionários que Chiavenato (1999, p. 152) considera ser um modelo típico.

23 21 4 CULTURA ORGANIZACIONAL Este capítulo refere-se ao entendimento da cultura organizacional. Devido a sua abrangente influência dentro da organização, torna-se necessário salientar a importância que a cultura organizacional possui nos resultados da empresa. A conduta de cada pessoa dentro da empresa é moldada de acordo com as definições da cultura, isso implica no modelo de gestão e na devida eficácia da empresa. Portanto, cada empresa possui seu modelo de gestão e cultura própria. Fica a critério da empresa a forma de definir seus valores e determinar a visão, missão e política a serem seguidas, além de repassá-las aos empregados e assim criar a cultura da organização. A imagem que a empresa adquirir perante a sociedade será o reflexo da boa ou má administração da cultura que foi imposta. 4.1 CONCEITO DE CULTURA ORGANIZACIONAL Wagner e Hollenbeck (1999, p. 367) conceituam cultura organizacional com uma maneira informal e compartilhada de perceber a vida e a participação na organização, que mantém os seus membros unidos e influencia o que pensam sobre si mesmos e seu trabalho. Percebe-se que Wagner e Hollenbeck utilizam-se de fatores como informal e compartilhada, ou seja, a cultura deve ser aceita e compartilhada por todos e estar presente no cotidiano, nas conversas, nos comportamentos, nas atitudes, entre outros. Porém ele não retrata no seu conceito a necessidade de fatores formais também influenciarem na cultura organizacional. Robbins (1998, p. 374) conceitua cultura organizacional como sendo: um sistema de significados partilhados, mantidos por seus membros que distingue a organização de outras organizações. Referente ao conceito de Robbins, sistema de significados partilhados são características que formam a essência da cultura. São elas: inovação e tomada de decisão, atenção a detalhes, orientação para resultados, orientação para pessoas, orientação para equipes, agressividade e estabilidade. Chiavenato (1999, p. 138) expressa o conceito de cultura organizacional como sendo equivalente ao modo de vida da organização em todos os seus aspectos, como idéias, crenças, costumes, regras, técnicas, etc..

24 22 Conceito de cultura organizacional segundo Schein: É um padrão de assuntos básicos compartilhados que um grupo aprendeu como maneira de resolver seus problemas de adaptação externa e integração interna, e que funciona bem a ponto de ser considerado válido e desejável para ser transmitido aos novos membros como a maneira correta de perceber, pensar e sentir em relação àqueles problemas. (apud CHIAVENATO, 1999, p. 139) Conceito de cultura organizacional segundo Jacques: É a maneira costumeira ou tradicional de pensar e fazer as coisas que é compartilhada por todos os membros da organização e que os novos membros devem aprender e concordar para serem aceitos no serviço da organização. (apud CHIAVENATO, 1999, p. 139) Figura 03: O iceberg da cultura organizacional. Fonte: Chiavenato (1999, p. 140) Desta forma, observa-se que para os autores acima citados, o significado da cultura organizacional é bastante parecido. Ou seja, a organização estabelece sua forma de acordo com as decisões do cotidiano, constitui sua personalidade de acordo com as atitudes tomadas e define seu caráter conforme sua ética e justiça. Existem determinados fatores que podem ser vistos facilmente, pois estão explícitos, enquanto que outros requerem uma análise detalhada, pois estão implícitos e são de difícil observação. A figura acima apresenta os aspectos formais - de fácil identificação - que representam de 10% a 20%, e os informais- de difícil identificação- que representa o restante. (CHIAVENATO, 1999, p. 140).

25 A IMPORTÂNCIA DA CULTURA NAS ORGANIZAÇÕES Wagner e Hollenbeck (1999, p. 367) definiram quatro funções básicas da cultura na organização que têm como objetivo principal unir socialmente a organização, ajudando a reforçar o comportamento da equipe. Serve como uma série de fatores que, quando unidos, ajudam a explicar como e porque as coisas são do jeito que são. Essas funções são: dar aos membros uma identidade organizacional, facilitar o compromisso coletivo, promover a estabilidade organizacional e moldar o comportamento para ajudar os membros a dar sentido a seus ambientes. A cultura organizacional é importante para unir as equipes, definir padrões e procedimentos, estabelecer políticas e princípios, criar e manter missão e visão, moldar comportamentos, proporcionar eficiência e conquistar resultados. Baseados nos princípios do seu fundador, a empresa surge com status de única, com definições próprias. Estas características tornam a empresa diferente das demais. Dependendo da sua força, a cultura organizacional de uma empresa pode causar um impacto penetrante na eficácia da organização (DUBRIN, 2003, p. 356). A cultura reflete as decisões da organização, podendo trazer resultados tanto positivos quanto negativos. As conseqüências dos atos impensados trazem problemas para a administração da cultura. Portanto, a manutenção, estudo e administração da cultura organizacional são de competência do corpo gerencial, primordialmente. Figura 04: Conseqüências e implicações da cultura organizacional. Fonte: Dubrin (2003, p. 356) Quando a cultura é bem definida e existe um bom envolvimento e participação dos funcionários pode proporcionar benefícios financeiros para a empresa. Segundo Denison

26 24 (apud DUBRIN, 2003, p. 356) as empresas nas quais os empregados percebiam a existência de uma ligação entre os esforços individuais e as metas da companhia demonstraram maiores retornos de investimentos e vendas. Por mais abrangente que a cultura possa ser na empresa, ela possui fortes efeitos. A inovação requer poder de criação dos funcionários e geração de idéias. Portanto, a qualidade de desenvolvimento do poder criativo faz com que a inovação seja parte da cultura de uma empresa. A compatibilidade de fusões e aquisições mostra a reação de várias empresas e suas culturas. Caso não seja bem gerenciada haverá choque de culturas e irá criar uma série de problemas. Ao se fundir ou adquirir uma outra empresa, a administração e o controle da cultura a ser criada deverá ser feita da forma mais moderada possível, impedindo o choque entre elas. Segundo O Reilly, Chatman e Caldwell (apud DUBRIN, 2003, p. 357) O bom ajuste empresa/organização resulta em mais comprometimento e maior satisfação com o trabalho. Quando a personalidade da empresa se auto-ajusta com a personalidade do empregado, e viceversa, a relação entre pessoa/organização torna-se mais eficiente. Referente a direção da atividade e liderança, Moran (apud DUBRIN, 2003, p. 358) fala que na organização a sua cultura deveria ser o modo como você soluciona os problemas, cria produtos e trabalha em equipe,(...) ela deveria ser o modo como você lidera. 4.3 A CULTURA E SEUS DIFERENTES NÍVEIS Uma empresa molda a cultura através de características que ficarão visíveis quando colocadas em prática, significando detalhes que a empresa irá valorizar mais. São as práticas empresarias que determinam o modelo a ser seguido. Portanto, uma empresa pode valorizar a prática de recompensa por desempenho como fator motivacional, ou pode renegar tal prática e assumir uma postura de desempenho como mera conseqüência do trabalho bem feito. Analisaremos abaixo diferentes níveis de cultura, os quais serão definidos pelas empresas de acordo com suas necessidades. Cultura Conservadora. Conforme Chiavenato (1999, p. 143) as empresas conservadoras apresentam a rigidez, a manutenção do status quo e o conservantismo, como características.

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas.

membros do time, uma rede em que eles possam compartilhar desafios, conquistas e que possam interagir com as postagens dos colegas. INTRODUÇÃO Você, provavelmente, já sabe que colaboradores felizes produzem mais. Mas o que sua empresa tem feito com esse conhecimento? Existem estratégias que de fato busquem o bem-estar dos funcionários

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO

EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO BIBLIOGRAFIA CORPORATIVO EMPREENDEDORISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Os negócios não serão mais os mesmos em poucos anos Velocidade Custo X Receita cenário mudou Novos Concorrentes competição

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr.

Construindo o Conteúdo da Liderança. José Renato S. Santiago Jr. Construindo o Conteúdo da Liderança José Renato S. Santiago Jr. Gestão Estratégica de RH Módulo 1: Alinhando Gestão de Pessoas com a Estratégia da Empresa Módulo 2: Compreendendo e Dinamizando a Cultura

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

P R O P O S TA C O M E R C I A L

P R O P O S TA C O M E R C I A L P R O P O S TA C O M E R C I A L Joinville, 03 de setembro de 2014. Proposta para: treinamento líder coach Prezado, Temos o prazer de enviar a proposta do Treinamento Líder Coach, para sua análise e apreciação.

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO

QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - QDO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL - "QDO" 1. FOLHA DE RESULTADOS DO QDO 2. PERFIL E INTERPRETAÇÃO DO D.O. 3. FUNDAMENTAÇÃO 4. INTERPRETAÇÃO DO DIAGNÓSTICO 5. ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE QDO 6.

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos

Governança Corporativa e o Escritório de Projetos Governança Corporativa e o Escritório de Projetos OBJETIVOS Conhecer a Governança Corporativa Entender os tipos de estruturas organizacionais Compreender o modelo de Escritório de Projetos O que é Governança

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE

ATENDIMENTO AO CLIENTE ATENDIMENTO AO CLIENTE 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 PROBLEMAS PARA CLIENTES SÃO PROVOCADOS POR: PROPRIETÁRIOS GERENTES SUPERVISORES SINTOMAS DE MAU ATENDIMENTO VOCÊ PODE TER CERTEZA

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio.

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio. Gestão Corporativa Governança Corporativa é o conjunto de processos, costumes, políticas, leis que regulam a maneira como uma empresa é dirigida, administrada ou controlada. PROCESSOS PESSOAS TECNOLOGIA

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação.

Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Olá caros alunos!!! Vamos repassar as questões da prova do dia 09/02, com relação às Matérias que lecionamos durante a nossa preparação. Usarei como referência o Gabarito 1. Questão 26 : O Código de Conduta

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Eduardo Rocha Diretor da DSG Consultoria Capacitar seus colaboradores, do gerente aos coordenadores é o melhor caminho para melhorar a eficácia

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais