Seminário Ser Cidadão Global num Mundo em Mudança 13 de novembro de 2014 Auditório do Camões ICL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário Ser Cidadão Global num Mundo em Mudança 13 de novembro de 2014 Auditório do Camões ICL"

Transcrição

1 Seminário Ser Cidadão Global num Mundo em Mudança 13 de novembro de 2014 Auditório do Camões ICL RELATÓRIO

2 Introdução No âmbito do projeto Despertar para a Educação Global Reforçar as competências dos membros das Organizações da Sociedade Civil europeias promovido, em Portugal, pelo Instituto Marquês de Valle de Flôr e pela AIDGLOBAL Acção e Integração para o Desenvolvimento Global foi dinamizado o Seminário Ser Cidadão Global num Mundo em Mudança, no dia 13 de novembro de 2014, no Auditório do Camões-Instituto da Cooperação e da Língua. O Seminário teve como objetivo a reflexão e a partilha sobre os diversos temas associados à Cidadania Global, como a globalização, os novos paradigmas do desenvolvimento e a a transformação social. Dessa forma, o Seminário combinou dinâmicas formais (a exposição dos oradores, seguida de perguntas e respostas) com outras não-formais (dinâmicas de reflexão). Ao longo do dia de trabalho foi-se construindo o mural Ser Cidadão Global num Mundo em Mudança onde se agruparam todos os comentários e reflexões dos participantes. Estiveram presentes cerca de 30 participantes de diversas Organizações da Sociedade Civil, desde sindicatos a associações juvenis e outros a título individual (ver Anexo 1). Apresenta-se em baixo o programa do seminário com as dinâmicas que foram realizadas no seguimento das comunicações:

3 Hora Tema Orador/a Exercício de reflexão 9h30 Abertura Gonçalo Marques Vice-presidente do Camões - ICL Ana Isabel Castanheira - IMVF - 10h00 Cada vez mais ricos ou mais pobres? Desigualdades sociais no mundo Padre António Leite - Missionário Verbita Escreva uma palavra ou frase sobre o que considera ter sido mais marcante/importante. RECURSO: BALÃO 10h40 Desafios da Globalização Luís Francisco Carvalho - Professor e Investigador, Dep. Economia Política e DINÂMIA'CET, ISCTE-IUL Identifiquem, em pares, um dos maiores desafios da globalização e como é que esse desafio pode ser enfrentado. RECURSO: CÍRCULO DE PAPEL VERDE 11h20 11h40 12h20 13h00 14h30 14h30 Que Desenvolvimento queremos? Novos paradigmas do Desenvolvimento Quem governa o mundo? O poder da Sociedade Civil Iniciativas de Transição (Cidades em Transição /Aldeia das Amoreiras/upcycling, etc) Pausa Justa Isabel Cruz Instituto de Sociologia, Universidade do Porto João Joanaz de Melo Diretor Técnico da Plataforma Salvar o Tua e Presidente da Assembleia Geral do GEOTA Almoço livre Plataforma Transição Portugal QUE DESENVOLVIMENTO QUER PARA O FUTURO? Expresse a sua ideia de forma artística. RECURSO: FOLHA DE PAPEL BRANCA Concorda que a Sociedade Civil tem poder? Enquanto Cidadão qual o seu compromisso pessoal para tornar o mundo melhor? Escreva o seu compromisso. RECURSO: ESTRELA CANCELADA

4 A Educação é a arma mais poderosa para mudar o mundo Nelson Mandela 15h1014 h45 O papel da Educação na Mudança Social Patrícia Santos Centro de Investigação de Estudos em Sociologia ISCTE-IUL Em grupos de três, sugiram caminhos alternativos para uma Educação mais transformadora e proponham uma forma prática de promover esse caminho. RECURSO: CAMINHO 15h30 A Educação para Cidadania Global em Portugal e na Europa Apresentação Estudo & Apresentação Curso Educar para a Cidadania Global Susana Damasceno AIDGLOBAL Leitura do mural com as reflexões do dia e identificação dos aspetos mais importantes/relevantes 16h45 Conclusões & Encerramento IMVF/AIDGLOBAL Partilha em grupo das conclusões A sessão Iniciativas de Transição foi cancelada pela impossibilidade de ter presente um representante da Plataforma Transição Portugal.

5 Abertura DESPERTAR PARA A EDUCAÇÃO GLOBAL A sessão de abertura esteve a cargo do Vice-Presidente do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua, Gonçalo Marques e de Ana Isabel Castanheira, coordenadora de projetos do IMVF. Gonçalo Marques destacou os 3 aspetos mais importantes do projeto Despertar para a Educação Global : 1. O caráter inovador - um curso de educação global é um desafio; 2. As parcerias o projeto envolve 3 países europeus (Alemanha, Portugal e Roménia) e 6 parceiros (AIDGLOBAL e IMVF em Portugal, DEAB, finep e E-PiZ na Alemanha, APSD-Agenda 21 na Roménia), o que se traduz numa maior troca de experiências e boas práticas; 3. O modelo de financiamento financiado pela Comissão Europeia e pelo Camões - Instituto da Cooperação e da Língua. Destacou, ainda, os desafios de 2015, nomeadamente o Ano Europeu do Desenvolvimento, no qual a sociedade civil terá, uma vez mais, um papel fundamental. Ana Isabel Castanheira apresentou o projeto no âmbito do qual foi realizado o Seminário: Despertar para a Educação Global que tem como objetivo: * Contribuir para uma melhoria na qualidade da Educação Global através do seu reforço de competências, conhecimentos e compreensão acerca da teoria e prática; * Contribuir para o aumento do número de multiplicadores de Educação Global na europa. O projeto é promovido pela Organização alemã DEAB, implementado em três países (Alemanha, Portugal e Roménia) e tem como destinatários técnicos e voluntários das Organizações da Sociedade Civil. Uma das principais atividades é criar um referencial de Educação Global para ser utilizado no campo da Educação Não Formal. Ana Isabel Castanheira apresentou a equipa do projeto e explicou o programa do dia.

6 Cada vez mais ricos ou mais pobres? Desigualdades sociais no mundo Seguiu-se o Padre António Leite, superior provincial dos Missionários do Verbo Divino em Portugal, que integrou o painel Cada vez mais ricos ou mais pobres? - Desigualdades sociais no Mundo. Este sacerdote destacou alguns dos contrastes no desenvolvimento, a partir da sua experiência na Argentina e referiu a necessidade de formar consciências e de se envolver as pessoas na criação e dinamização de comunidades, dando grande importância à capacitação. Após o debate, pediu-se aos participantes para escreverem, num papel em forma de balão de pensamento uma palavra ou frase sobre o que consideram ter sido mais marcante ou importante na comunicação. As respostas foram: - O nosso caminho depende do chão que pisamos; - Simplicidade, Partilha; - Chão; - Respeito; - Sobreviver cá e lá; - O chão que pisamos molda-nos; - Encontrar caminhos alternativos; - Partir do chão que pisamos; - A utilização da experiência como discurso;

7 - Participação; - Espaços/Momentos para Formação/Partilha; - Omissão; - Realidades diferentes; - Chão; - É importante o chão que pisamos, P. António Leite; - É uma questão de Aceitação; - O-Missão; - Envolver pessoas como sujeitos ativos; - Sombra; - Ser sujeito activo/aceitação; - Aceitação; - Dignidade. Desafios da Globalização Luís Francisco Carvalho, professor e investigador do ISCTE, apresentou 4 respostas possíveis aos Desafios da Globalização : 1 a não resposta; 2 a adoção de uma estratégia reformista: avançar nas lógicas de governação global; 3 - a alterglobalização: procura de uma globalização alternativa onde a cidadania global se sobrepõe à cidadania nacional; 4: a desmundialização: repensar os temas de participação e representação política e revalorizar o espaço nacional. O Professor referiu alguns dos desafios específicos da globalização, como as migrações e os Direitos Humanos. Após as perguntas e respostas pediu-se aos participantes para identificarem, em pares, um dos maiores desafios da globalização e como é que esse desafio podia ser enfrentado. As respostas, escritas em papéis verdes em forma de círculo, foram as seguintes: - DESAFIO: como garantir a Democracia em termos de igualdade e justiça; - Axiologia

8 Linguística. Definição comum onde todo o presente e ação se vão desenvolver; - Desafio: assimetrias // Estrutura reformista e globalização alternativa; - Autonomia da dimensão política face à económica // ultrapassar a crise da legitimidade da democracia; - Crise de legitimidade de representação política // Desglobalização - autonomia do político em relação ao enonómico; - Como agir localmente num processo de globalização (governação global) // Maior governaça local através duma maior intercomunicação; - Como garantir a democracia em termos de igualdade e justiça? Através de um poder individual e coletivo/real EFETIVO. - Interculturalidade - Aceitação mútua Cidadania Amor - Crise da legitimidade e da democracia // Risco: - Liberalização; - Privatização; - Gestão do risco Estratégia global alternativa + Gestão local recursos imateriais GLOCAL Gestão global, recursos (i)materiais; - Priorizar o ser humano em qualquer medida política, económica e em qualquer situação // cumprimento dos direitos humanos; - Desglobalização - autonomia do político em relação ao económico + Crise de legitimidade da representação política.

9 Que Desenvolvimento queremos? Novos paradigmas do Desenvolvimento A professora Isabel Cruz do Instituto de Sociologia da Universidade do Porto apresentou uma questão abrangente que se impõe: Que desenvolvimento queremos? Novos paradigmas do desenvolvimento (ver Anexo II). Neste painel, a oradora fez uma reflexão sobre crescimento/industrialização/desenvolvimento, tendo afirmado que estas abordagens não são iguais em todos os países nem têm uma ligação linear. Concluiu, ainda, que o desenvolvimento de uma macroeconomia não deve assentar num crescimento implacável do consumo. A professora falou de decrescimento, um conceito que visa a sustentabilidade ambiental e a preservação dos recursos, entre outros aspetos, e apresentou o Índice da Felicidade Interna Bruta, criado pelo Butão, como exemplo de que o crescimento não pode ter apenas em conta critérios económicos. Após o debate, solicitou-se aos participantes que, expressassem de forma artística, o desenvolvimento que queriam para o futuro. Algumas das ideias foram expressas em origami, outras desenhadas e outras escritas. As ideias presentes foram: - Um Homem educa-se através de outros Homens (ditado Africano); - O poder/força da palavra crescer ; - Como medir e comparar outros crescimentos para além do PIB?; - Como crescer e redistribuir?; - Como avaliar crescimento subjetivo, pobreza subjetiva ou felicidade subjetiva?; - Como incluir a cultura, valores, Espiritualidade e Religião à Natureza nos Outros Crescimentos?; - Descrescimento: de ricos em PIB a ricos em recursos; - Inclusão; - Economia verde; - Resiliência às alterações climáticas; - Educação; - Redução de emissões CO2; - Cooperação; - Independência energética.

10

11

12 Quem governa o mundo? O poder da Sociedade Civil João Joanaz de Melo, diretor técnico da Plataforma Salvar o Tua, falou à audiência sobre o poder que a sociedade civil pode ter na governação do mundo. Salientou, também, que a nossa esfera de cidadania não tem limites, ao contrário da esfera de ação profissional, deixando umas dicas de como intervir e sobre o que funciona e o que não funciona. Deu o seu testemunho enquanto ativista da Plataforma Salvar o Tua e do GEOTA e enquanto voluntário a título individual, tendo referido a importância da participação (individual e em grupo) na sociedade civil, pois só assim pode haver transformação social. (ver Anexo III). Após o debate, perguntou-se aos participantes Concordam que a Sociedade Civil tem poder? Enquanto Cidadão qual o seu compromisso pessoal para tornar o mundo melhor?, pedindo para escrever o compromisso num papel em forma de estrela. As respostas foram as seguintes: - Estou disposto a reduzir o meu consumo, mudar para um consumo local, responsável, eficiente e menor; - Aumentar o tempo de intervenção como: Voluntária em Organizações Sociais Ativista em Organizações Políticas; - Educar em casa, implementar projetos educativos; - Trabalhar mais para o desenvolvimento, interesse comum, e menos para o desevolvimento individual; - Aplicar os 8 R`s : Em casa;

13 No meu bairro; No meu trabalho; - Continuar a melhorar as minhas competências para desempenhar melhor as minhas funções; - Participação. Envolvimento; - Serei mais participativa na sociedade civil para, em conjunto, lutar por um mundo melhor; - Estou disposta a reduzir o lixo em minha casa. Gostaria de ver os hipermercados reduzirem as embalagens; - Desloco-me quase sempre em bicicleta; - Dou apoio jurídico a imigrantes em situação irregular; - Estou em vias de eliminar o consumo de carne; - Mudar o paradigma monetário-financeiro para: * Mobilizar recursos novos projetos; * Valorizar trabalho e o ambiente; - Inscrever-me e informar-me sobre a Plataforma Salvar o Tua ; - Investigação e apoio a/em comunidades vulneráveis às alterações climáticas; - Juntos fazemos a diferença! Participação; Voluntariado;

14 Intervenção; - Mudar os meus hábitos de consumo. Colaborar com uma associação local; - Capacitação das comunidades locais; - Informação para a mobilização; - Compromisso pessoal: aumentar o envolvimento em formas de ação coletiva; - Matar a fome a quem precisa. Oferecer 1 sopa quente...; - Envolvimento cívico!; - Considero que, diariamente, já contribuo para um mundo mais sustentável ao nível pessoal, mas também ao nível profissional. Sinto necessidade de ir mais longe, de uma maior mobilização e envolvimento em questões relacionadas com a qualidade de vida das pessoas.

15 O papel da Educação na Mudança Social A investigadora Patrícia Santos do Centro de Investigação de Estudos em Sociologia analisou O papel da Educação na Mudança Social, levando os participantes numa viagem entre conceitos, práticas e pedagogias (ver Anexo IV). Referindo o Relatório de Desenvolvimento Humano (2010), mostrou que a aposta na Educação leva a um aumento de alguns fatores, como: criatividade, liberdade para alcançar os objetivos, consciência de como evitar riscos para a saúde e a resistência à exploração. Apresentou ainda algumas frases de Paulo Freire ( Educação como prática da liberdade, 1983), como: Em lugar de aulas exclusivamente passivas, o diálogo. Em lugar do professor orador, o coordenador de debates e animador cultural. Em lugar de treinar pessoas para simplesmente se adaptarem, formar agentes sociais de mudança. Após o debate, os participantes foram convidados a sugerir caminhos alternativos para uma Educação mais transformadora e a proporem uma forma prática de promover esses caminhos. Para tal, usaram post-its. As respostas foram: - Mudança de paradigma: Saber fazer; Professor/Facili tador; - Criar o gosto por aprender: ensinar a questionar e a refletir ; - Respeito pela diferença (ritmos, características, processos...); - Promoção da reflexibilidade e poder crítico; - Aprendizagem baseada na experiência e autonomia; - Maior investimento na formação académica dos professores/valorização do papel do

16 professor; - Menos formalidade; promoção de competências sociais e pessoais; metodologias dinâmicas ativas; promover grupos de reflexão e partilha de experiências; - Afirmação de valor de forma natural tão cedo quanto possível; - Aplicabilidade prática dos conteúdos; - Criação de uma educação mais transversal, adaptada aos interesses e necessidades do grupo; - Na educação dos adultos - Relançar o modelo RVCC melhorado; - Método Paulo Freire; - Partir da realidade vivida pelas pessoas; basear-se na experiência; elaborar projetos específicos baseados nos conhecimentos das pessoas.

17 A Educação para Cidadania Global em Portugal e na Europa Apresentação de estudo. Apresentação Curso Educar para a Cidadania Global. Para fechar o cartaz de oradores, Susana Damasceno, presidente da direção da AIDGLOBAL, apresentou os resultados do estudo Global What? realizado, no âmbito deste projeto, sobre factos e necessidades de Educação para a Cidadania Global nos três países parceiros: Alemanha, Portugal e Roménia (ver Anexo V). Apresentou ainda o curso sobre Educação para a Cidadania Global que terá lugar entre janeiro e maio de 2015, tendo para tal convidado todos a participar. Partilha de conclusões No final da sessão, os participantes refletiram sobre o que aprenderam e o que poderão fazer nas suas vidas para tentar mudar o mundo. Pediu-se para escreverem em post-its o que levam na bagagem para casa. As respostas foram: - Ainda temos muito que fazer para sermos cidadãos do mundo!; - As minhas ações locais e a sua importância para o mundo global; - (Transform)Ação; - Educar em novos contextos (museus, associações, integração entre escolas, espaços públicos); - Crescimento responsável; - Sustentabilidade do desenvolvimento: Sociedade/Economia/Ambiente; - Poder individual - Garante da democracia;

18 - Mudar o meu comportamento para intervir ainda mais na sociedade civil para ajudar a fazer a mudança global acontecer (grão a grão...); - Partir da realidade (do chão que pisas). As grandes possibilidades de adaptação às necessidades; - Alternativa e mudança; - Permacultura mental através do respeito pela diferença, a equidade e a partilha de recursos de mudança; - Desenvolver através dos outros. A importância do pensamento crítico. - participação Governança Local dignidade Liberdade mundo AmOr Aceitação sustentabilidade realidades cidadania educacação equilíbrio respeito - DESENVOLVIMENTO implica envolvimento : - Pessoal, colectivo, prático, direto Aceitação: respeito, refletivo, etc... - Cidadania Global é um novo conceito que descobri! Seria interessante perceber o que a Educação Intercultural tem a ver com isso! Divulgação O seminário foi sendo partilhado na página de facebook do IMVF Atores do Desenvolvimento. Pode-se ainda consultar a notícia no site da AIDGLOBAL.

19 OBRIGADA A TODOS PELA VOSSA PRESENÇA E PARTICIPAÇÃO!

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA

INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA Parcerias Comunitárias INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA FORMAÇÃO 10 de abril de 2014, Biblioteca Almeida Faria Montemor-o-Novo A formação em Intervenção Comunitária procura aprofundar e dar a conhecer novos conceitos,

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

GLOCAL 2012 PENSAR GLOBAL, AGIR LOCAL

GLOCAL 2012 PENSAR GLOBAL, AGIR LOCAL GLOCAL 2012 PENSAR GLOBAL, AGIR LOCAL IV CONFERÊNCIA DE AGENDA 21 E SUSTENTABILIDADE LOCAL SEIA, 11 E 12 DE OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA [VERSÃO 25SET2012] DEBATE «(DE)CRESCIMENTO?!» VISITAS «ECONOMIA LOCAL»

Leia mais

Plano de Ação 2016 GRACE

Plano de Ação 2016 GRACE Plano de Ação 2016 GRACE Mensagem da Direção É tempo de preparar mais um ano de intensa atividade do GRACE, procurando consolidar o capital de experiência e partilha acumulado e alargar novas perspetivas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS SESSÕES

ORGANIZAÇÃO DAS SESSÕES ORGANIZAÇÃO DAS SESSÕES 1ª Sessão - Apresentação da Kutsemba e dos Voluntários e Gestão das Expectativas de ambas as partes (3H) - 8 Maio Formadora(s) : Ana Vitorino / Joana Loureiro / Ana Diniz Apresentação

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE Discurso de SE o Sr. Presidente da Assembleia Nacional por ocasião da sessão inaugural da III edição do Curso de Liderança e Inovação na Gestão do Desenvolvimento,

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

GOVERNO FALHA PROMESSA

GOVERNO FALHA PROMESSA GOVERNO FALHA PROMESSA Plano de Implementação da Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável não responde ao compromisso assumido pelo Primeiro-Ministro na Cimeira de Joanesburgo No seguimento de

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

Patrocínio. Academia UBUNTU. Eu sou porque Tu és. Só posso ser Pessoa através das outras Pessoas. Outubro 2010 / Setembro 2011

Patrocínio. Academia UBUNTU. Eu sou porque Tu és. Só posso ser Pessoa através das outras Pessoas. Outubro 2010 / Setembro 2011 Academia UBUNTU Eu sou porque Tu és. Só posso ser Pessoa através das outras Pessoas Outubro 2010 / Setembro 2011 UBUNTU O Ubuntué a essênciado ser humano. Fala-nosdo facto que, sózinho, ninguém pode existir

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TRABALHO E FORMAÇÃO NO CONGRESSO DO ANO INTERNACIONAL DOS VOLUNTÁRIOS Senhora Presidente da Comissão Nacional para o Ano Internacional do Voluntariado, Senhor

Leia mais

Relatório de Gestão 2014

Relatório de Gestão 2014 Relatório de Gestão 2014 Índice I. Introdução...3 II. Actividade...4 Eixos de ação... 4 Governação Integrada... 4 Liderança Servidora... 4 Participação e cidadania... 4 Empregabilidade solidária... 4 Migrações

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

COMBATER O VIH/SIDA, MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS

COMBATER O VIH/SIDA, MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS 6 COMBATER O VIH/SIDA, MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS Em 1994, na Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento das Nações Unidas, 179 nações uniram-se na afirmação do direito universal a uma vida

Leia mais

As áreas transversais da educação ganham assim relevo a par do currículo.

As áreas transversais da educação ganham assim relevo a par do currículo. Da escola espera-se a prestação de um serviço transformacional. Da escola espera-se a adoção de uma postura de intervenção no meio. Mas uma intervenção que tem subjacente uma intencionalidade (planificada)

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Referencial de Educação Financeira em Portugal Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Educação para a Cidadania: novo quadro

Leia mais

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020

Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Prioridades do FSE para o próximo período de programação 2014-2020 Rosa Maria Simões 31 de janeiro de 2013, Auditório CCDR Lisboa e Vale do Tejo Agenda Resultados da intervenção FSE Contributos do FSE

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS. Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento. Sessão Pública ABERTURA MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Coerência das Políticas: O Desafio do Desenvolvimento Sessão Pública 19.01.2011 Assembleia da República ABERTURA Senhor Presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros

Leia mais

Instituições europeias

Instituições europeias Envelhecer com Prazer Rua Mariana Coelho, nº 7, 1º E 2900-486 Setúbal Portugal Tel: +351 265 548 128 Tlm: 96 938 3068 E-mail: envelhecimentos@gmail.com www.envelhecer.org Instituições europeias Inês Luz

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais.

Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais. CONCLUSÕES DO III CONGRESSO APRESENTAÇÃO DOS RELATORES Por fora podemos ser diferentes, mas por dentro somos todos iguais. Tomás, 9 anos Projecto Intervir em Marvila na EB1 Dr. João dos Santos Painel 1

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020

Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020 Iniciativa Portugal Inovação Social Novos programas de financiamento da inovação social no Portugal2020 Santa Casa da Misericórdia de Santarém 28 Maio 2015 Tema ENTIDADES PÚBLICAS PORTUGAL 2020 Objetivos

Leia mais

DISCURSO DO SR. PRESIDENTE DA UNIÃO DAS MUTUALIDADES PORTUGUESAS, DR. LUÍS ALBERTO DE SÁ E SILVA

DISCURSO DO SR. PRESIDENTE DA UNIÃO DAS MUTUALIDADES PORTUGUESAS, DR. LUÍS ALBERTO DE SÁ E SILVA DISCURSO DO SR. PRESIDENTE DA UNIÃO DAS MUTUALIDADES PORTUGUESAS, DR. LUÍS ALBERTO DE SÁ E SILVA Protocolo de Cooperação entre Associação Nacional de Municípios Portugueses e Confederação Nacional das

Leia mais

Terra: O Planeta que queremos ter!

Terra: O Planeta que queremos ter! Terra: O Planeta que queremos ter! 1. Localização da Acção: Centro Cultural e de Congressos de Aveiro (Grande Auditório) 2. Data de realização da Acção: 22 e 23 de Abril de 2008 3. Descrição e objectivos

Leia mais

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010 Formando o aluno para a responsabilidade social Esther Carvalho Março 2010 Missão "Servir com excelência, por meio da educação, formando cidadãos éticos, solidários e competentes" Visão "Ser referência

Leia mais

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável Fevereiro de 2011 1 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 1Apresentação Esta plataforma expressa a visão e os objetivos

Leia mais

Guia do Voluntário a

Guia do Voluntário a Guia do Voluntário a 1. A AIDGLOBAL A AIDGLOBAL é uma Organização Não Governamental para o Desenvolvimento (ONGD), sem fins lucrativos, com sede em Loures, que promove Acções nos domínios da Integração

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 A prática da cidadania constitui um processo

Leia mais

As principais conclusões foram as seguintes:

As principais conclusões foram as seguintes: A REABILITAÇÃO EXIGE PROJETO IN SITU Vasco Peixoto de Freitas Professor Catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Diretor do Laboratório de Física das Construções * Nesta sessão foi

Leia mais

LÍDERES DA CPLP ENCONTRO DE JOVENS. Este desafio é nosso! Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA

LÍDERES DA CPLP ENCONTRO DE JOVENS. Este desafio é nosso! Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA ENCONTRO DE JOVENS Iº ENCONTRO DE JOVENS LÍDERES COMUNIDADE DE PAÍSES DA CPLP NA DIÁSPORA PORTUGUESA Aveiro, 22 a 24 de Junho de UNIVERSIDADE DE AVEIRO Entidades Promotoras Parceiros Apoios O que é o Festival

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS

AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS Acção 1 1 AÇÃO 2 COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E O INTERCÂMBIO DE BOAS PRÁTICAS A B Parcerias Estratégicas na área da Educação, Formação

Leia mais

SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS DE JUVENTUDE

SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS DE JUVENTUDE Rua do Almada, N.º 679 1º - Salas 101 / 2 /3 4050-039 Porto - Portugal T: 222 007 767 / F: 222 007 868 / T: 919 191 106 fnaj@mail.telepac.pt SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS DE JUVENTUDE SOBRE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS

Leia mais

EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS)

EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS) N20120229n EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS) A 29 de Fevereiro de 2012, Mendes Bota interveio na sessão de abertura do colóquio subordinado ao tema

Leia mais

GLOSSÁRIO INOVAÇÃO SOCIAL

GLOSSÁRIO INOVAÇÃO SOCIAL GLOSSÁRIO INOVAÇÃO SOCIAL glos sário 5 Introdução A Inovação Social é uma abordagem que procu ra oferecer novas soluções para responder a necessidades sociais diversas, tais como: o envelhecimento da

Leia mais

OFICINA SAÚDE, SUSTENTABILIDADE E BEM VIVER

OFICINA SAÚDE, SUSTENTABILIDADE E BEM VIVER OFICINA SAÚDE, SUSTENTABILIDADE E BEM VIVER Universidade Popular dos Movimentos Sociais 14 e 15 de Junho de 2012 Aldeia Velha,Casimiro de Abreu, Fazenda do Bom Retiro Rio de Janeiro, Cúpula dos Povos,

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

(Des)Enlace entre cidadãos e sistemas sociais: em torno dos laços sociais na intervenção dos assistentes sociais.

(Des)Enlace entre cidadãos e sistemas sociais: em torno dos laços sociais na intervenção dos assistentes sociais. 2013 1ª Conferência 20 de Março, das 14:30 às 17:00 h Cidadania em tempos de crise: Implicações para a intervenção educativa, social e comunitária Isabel Menezes. Professora Associada com Agregação da

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

Excelências Senhoras e Senhores,

Excelências Senhoras e Senhores, Excelência Sr. Blaise Campaoré - Presidente do Burkina Faso, Excelência Sr. Jean Ping, Presidente da Comissão da União Africana, Sr. Soumaila Cissé Presidente da Comissão Económica dos Estados da África

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde (No Âmbito das Comemorações dos 10 Anos da Assinatura do Acordo de Cooperação Cambial) SESSÃO DE ABERTURA Intervenção

Leia mais

SALVAR SALVAR O MUNDO OBJETIVOS DO MILÉNIO MELHORAR A SAÚDE MATERNA

SALVAR SALVAR O MUNDO OBJETIVOS DO MILÉNIO MELHORAR A SAÚDE MATERNA SALVAR SALVAR O MUNDO 2015 OBJETIVOS DO MILÉNIO MELHORAR A SAÚDE MATERNA 5 Em 1994, na Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento das Nações Unidas, 179 nações uniram-se na afirmação do

Leia mais

CÍRCULOS DE APRENDIZAGEM

CÍRCULOS DE APRENDIZAGEM CÍRCULOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO 15 de abril de 2014, Lisboa Story Centre Construir, compartilhar e expressar o conhecimento através de um processo de diálogo aberto e reflexão profunda em torno de questões

Leia mais

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal Data: 10 e 11 de dezembro de 2010 Local: UFPR Praça Santos

Leia mais

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações O Futuro é hoje: visões e atitudes para um Portugal sustentável Introdução 1.Sustentabilidade e Responsabilidade Social; 2. O Desenvolvimento Sustentável;

Leia mais

2º Encontro Local Educação para a Cidadania Global na Escola - Seixal

2º Encontro Local Educação para a Cidadania Global na Escola - Seixal 2º Encontro Local Educação para a na Escola - Seixal Camara Municipal do Seixal, 30 de abril de 2014 Encontro organizado em conjunto pela Rede ECG e pela C. M. do Seixal e que contou com a participação

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015 Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo II Cimeira de Presidentes de Parlamentos Lisboa, 11 de maio de 2015 Senhora Presidente da Assembleia da República, Senhores Presidentes, Senhores Embaixadores,

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos. Seminário - Conclusões

Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos. Seminário - Conclusões Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos Seminário - Conclusões O Seminário Desafios da Inclusão, 3 anos do Centro de Recursos decorreu no dia 22 de Junho de 2012, no Auditório da Escola do Cerco,

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

24 Horas pelo Combate à Pobreza e Exclusão Social. 6 de Outubro 2010 reúne ONG s no combate à pobreza

24 Horas pelo Combate à Pobreza e Exclusão Social. 6 de Outubro 2010 reúne ONG s no combate à pobreza 24 Horas pelo Combate à Pobreza e Exclusão Social 6 de Outubro 2010 reúne ONG s no combate à pobreza O Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social (AECPES) tem como objectivo reafirmar e reforçar

Leia mais

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas MISSAO PERMANENTE DE PORTUGAL JUNTO DAS NaфEs UNIDAS EM NOVA IORQUE Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal Jorge Sampaio Reunião de Alto Nîvel da Assembleia Geral das Nações Unidas Nova Iorque

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA PLANO ESTRATÉGICO 2016-2019 INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA FICHA TÉCNICA Publicação editada ao abrigo do novo Acordo Ortográfico, exceto a transposição de conteúdos de documentos elaborados

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO

FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO FEDERAÇÃO EUROPEIA DOS EMPREGADORES DA EDUCAÇÃO COMITÉ SINDICAL EUROPEU DA EDUCAÇÃO Declaração Conjunta da FEEE e do CSEE sobre a «Promoção da Autoavaliação das Escolas e dos Professores» no âmbito do

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Discurso do Secretário de Estado do Emprego Octávio Oliveira Dia Nacional do Mutualismo 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Muito boa tarde a todos! Pretendia começar por cumprimentar o Senhor Presidente

Leia mais

Intercâmbio Juvenil Youth Outdoor II

Intercâmbio Juvenil Youth Outdoor II Intercâmbio Juvenil Youth Outdoor II Associação de Defesa do Património Cultural e Natural de Soure 21 a 29/julho/2015 adpcns@sapo.pt 1 Objetivo do Intercâmbio Youth Outdoor II! é um projeto de intercâmbio

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017

PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 PARECER DA UMAR relativo ao O III PLANO NACIONAL DE PREVENÇÃO E COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS 2014-2017 Antes de concretizar a análise do referido Plano cumpre-nos dizer que é necessário que todos

Leia mais

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem para o Ciclo 4 de pilotagens, a iniciar em fevereiro de 2013. Instruções Histórias de Aprendizagem do Ciclo 4 Contar

Leia mais

Educação para um mundo mais Justo e Sustentável

Educação para um mundo mais Justo e Sustentável Educação para um mundo mais Justo e Sustentável A AIDGLOBAL assumiu, desde a sua génese, a Educação para o Desenvolvimento, com vista à promoção de uma Cidadania Global, como uma das suas áreas prioritárias

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Responsabilidade Social. Maria José Maurício Formadora - Educação para a Cidadania e Relações Humanas

Responsabilidade Social. Maria José Maurício Formadora - Educação para a Cidadania e Relações Humanas SEMINÁRIO ECO-ESCOLAS ESCOLAS 2009 16 de JANEIRO DE 2009 CASA MUNICIPAL DA CULTURA - SEIA Responsabilidade Social Maria José Maurício Formadora - Educação para a Cidadania e Relações Humanas Conceito de

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais