TRANSFORMAÇÃO OU MUDANÇA ORGANIZACIONAL? - UMA PROPOSTA DE REFERENCIAIS Cor Tir AdMil Rui Manuel Rodrigues Lopes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSFORMAÇÃO OU MUDANÇA ORGANIZACIONAL? - UMA PROPOSTA DE REFERENCIAIS Cor Tir AdMil Rui Manuel Rodrigues Lopes"

Transcrição

1 TRANSFORMAÇÃO OU MUDANÇA ORGANIZACIONAL? - UMA PROPOSTA DE REFERENCIAIS Cor Tir AdMil Rui Manuel Rodrigues Lopes Enquadramento Uma das consequências da crise financeira que se instalou no mundo ocidental, que teve o seu catalisador mais visível com a falência em 15 de setembro de 2008, do banco de investimentos norte-americano Lehman Brothers, foi a de fazer emergir um quadro terminológico associado habitualmente à teoria das organizações e ao meio empresarial, mas que se instalou nos programas e objetivos que os Governos, designadamente dos países mais atingidos pela crise, formularam e procuraram concretizar. Foi neste âmbito, que passamos a conviver de uma forma mais insistente com expressões como as de transformação organizacional, reforma das instituições, resposta a desafios de mudança, e racionalização de estruturas, a título exemplificativo. Na realidade, este fenómeno de procurar alinhar o contexto envolvente com as estratégias prosseguidas pelos Países e pelas empresas ou instituições públicas, que não é novo, tem porém, presentemente, características muito próprias, tal como refere o Prof. Adriano Moreira 1 ao caracterizar o atual contexto político-estratégico: Um dos traços mais preocupantes da crescente desordem mundial está na impossibilidade de identificar os centros que exercem o poder de governar ( ) trata-se em primeiro lugar de identificar a fonte da desordem que inquieta em vários domínios, políticos, económicos e sobretudo da paz ( )a ordem prevista nos textos em vigor está ultrapassada em muitos aspetos essenciais, o presente tem mais dúvidas e exigências do que seguranças. Neste âmbito, e no caso concreto das Forças Armadas, o modelo de análise proposto pelo Comando de Treino e Doutrina do Exército Norte-Americano, através de um documento denominado TRADOC Pamphlet (The U.S. Army Capstone Concept), de Dezembro de 2012, identificou 3 questões determinantes para a definição de uma estratégia consistente: - How does the Army view the future operational environment? - Given the future operational environment, what must the Army do as part of the joint force to win the Nation s wars and execut successfully the primary missions outlined in defense strategic guidance? - What capabilities must the Army possess to accomplish these missions? 1 Moreira, Adriano, O imprevisto, DN de 13mai14 1

2 Na abordagem que é efetuada no referido documento é interessante de verificar a caracterização do ambiente operacional que é efetuada, ao se reconhecer que a complexidade do mesmo, embora não sendo um dado novo, tem dimensões diferentes, associadas à maior rapidez com que os efeitos de uma operação se refletem no contexto operacional, fruto das acrescidas capacidades das tecnologias de informação, que possibilitam a comunicação instantânea através dos media e das redes sociais, situação potenciada, nalguns casos, pela existência de diferenças culturais que não são facilitadoras da interação entre os militares e as comunidades. Deste modo, constata-se a proliferação de acontecimentos que exigem análise num período cada vez menor de tempo e que conduzem à necessidade de não só se conhecer a localização do oponente, mas também de conhecer a sua intenção, impondo, assim, novos desafios à ação de comando. No caso nacional, este processo de análise situa-se no âmbito do modelo português de planeamento estratégico-militar, estabelecido pela Lei n.º 29/82, de 11 de Dezembro, Lei da Defesa Nacional e das Forças Armadas (LDNFA) e pela Lei n.º 111/912, de 29 de Agosto, Lei Orgânica de Bases da Organização das Forças Armadas (LOBOFA). Esta metodologia permite estabelecer e definir as opções estratégicas de defesa nacional e militares 2. Este processo de planeamento é materializado no denominado ciclo de planeamento de forças, para o qual concorrem um conjunto de entidades e organismos do Estado, iniciando-se com a avaliação da situação política, económica e financeira e terminando com a execução dos programas de forças. Foi um pouco neste enquadramento que surgiu o documento, que procura enquadrar a atual reorganização em curso nas Forças Armadas, designado Defesa , no qual se verifica que a expressão utilizada é a de reforma estrutural, como elemento preponderante que consubstanciará a implementação de um modelo que deverá responder ao desafio da mudança. Neste enquadramento e no caso vertente deste artigo, o nosso propósito é tão só o de apresentar um conjunto de referenciais, definições e abordagens concetuais e metodológicas que nos permitem abordar, de uma forma sistematizada, alguns conceitos no âmbito da formulação e implementação de uma estratégia organizacional, quando confrontada com os desafios da mudança. 2 Englobam o Programa do Governo, as Grandes Opções do Conceito Estratégico de Defesa Nacional (GOCEDN), o Conceito Estratégico de Defesa Nacional (CEDN), a Diretiva Governamental de Defesa Nacional (DGDN), o Conceito Estratégico Militar (CEM), as Missões das Forças Armadas (MIFAS), o Sistema de Forças (SF) e o Dispositivo de Forças (DF) 3 Resolução do Conselho de Ministros nº 26/2013, de 19 de Abril 2

3 Assim, elegemos um conjunto de referenciais sustentados em modelos analíticos com alguma estabilidade como são o caso dos apresentados por Ansoff, Pettygrew e Kotter. 1. Um conceito de transformação organizacional É habitual confundir-se o conceito de transformação organizacional com o de mudança organizacional. Contudo, poucas mudanças são verdadeiramente transformacionais. Na realidade, enquanto toda a transformação é mudança, nem toda a mudança é transformação. Para Daszko e Sheinberg, 4 transformar é criar algo completamente novo, num processo efetuado numa sequência descontínua, que não permite sequer antever o seu resultado final e que implica obrigatoriamente uma mudança das mentalidades ao nível organizacional. Nesta medida, podemos afirmar que uma transformação exige que se altere a matriz cultural da organização, atuando não só nos aspetos visíveis e tangíveis (v.g. a cor da farda, o logotipo, etc), mas igualmente nos valores partilhados entre todos os colaboradores. Assim, o habitualmente denominado cimento integrador de toda a organização, papel habitualmente atribuído à cultura organizacional, terá de ser alterado por forma a permitir um bem maior: a sobrevivência da organização num contexto que lhe estará a ser crescentemente desfavorável e que não está a permitir atingir o desiderato fundamental de qualquer estratégia empresarial: criar mais valor aos clientes do que o valor oferecido pelos concorrentes. 5 Porém, neste particular, como nos aconselha John Kotter, num processo de transformação ou mesmo de mudança organizacional as alterações de raiz cultural apenas serão passíveis de materializar numa fase adiantada do processo. Assim, para este autor, cultural change comes last, not first 6. Assim, apenas depois de se terem obtido resultados com a adoção, com sucesso, de novos métodos durante um período de tempo, que possam ser reconhecidos pelos colaboradores e que imponham uma clara alteração dos processos de funcionamento, é que se poderá avançar para o objetivo de se implementar um quadro de normas e valores, diferente do antecedente. 4 Survival is optional. Only leaders with new knowledge can lead the transformation ; 5 Cardeal, citado por Ceitil, Evolução da estratégia empresarial no mundo pós-moderno, D&F, MAR Kotter, J., Leading Change, Harvard Business School Press, 1996, p

4 Um processo de transformação tem, deste modo, uma lógica fraturante, de difícil implementação gradualista, uma vez que existe um claro reconhecimento por parte da organização que as capacidades que possui não garantem a sua sobrevivência, num contexto com o qual se torna evidente um profundo desalinhamento, sendo indispensável que a liderança possua, neste caso, uma visão verdadeiramente transformacional. Transformar uma organização, significa assim ter a coragem de iniciar uma jornada em direção ao desconhecido, com determinação, mas também com a flexibilidade de ir aprendendo e corrigindo durante o caminho, fruto de uma aprendizagem constante. Para Daszko e Sheinberg, 7 The end state of transformation cannot be described because it cannot be seen. How the organization will look in its next cycle of transformation is unknown and unknowable. 2. O diagnóstico estratégico Análise do contexto Figura nº 1 O diagnóstico estratégico Modelo de Ansoff Na perspetiva de Ansoff 8 o reconhecimento da necessidade de realizar uma mudança organizacional de nível estratégico, resulta da existência de um diferencial/desalinhamento entre as características do ambiente geral e do ambiente particular 9 que rodeiam uma organização (mais ou menos turbulento ou incerto - com uma plêiade de 7 Survival is optional. Only leaders with new knowledge can lead the transformation ; 8 Ansoff, Igor, Implanting Strategic Management, Prentice Hall, Contexto envolvente na fig nº 1 4

5 ameaças mas também de oportunidades) e a estratégia que vem sendo prosseguida, sustentada em capacidades que se têm revelado insuficientes. Quando estes fatores não estão devidamente alinhados (v.g. fig nº 1) então é o momento de encetar uma mudança organizacional ou de suportar os riscos decorrentes desse desalinhamento com eventuais repercussões negativas, neste caso, ao nível do desempenho da organização. Nesta medida, percebendo-se o porquê mudar, importa de seguida formular uma estratégia organizacional que permita responder à segunda questão decisiva nesta análise o que mudar? Neste ponto, importa igualmente ter presente o que devemos entender por estratégia organizacional. Escolhemos duas abordagens que convergem em conceitos em tudo semelhantes. Para Cardeal 10, uma estratégia organizacional pode ser definida como o caminho selecionado pela empresa para alcançar a sua visão e os seus objetivos, enquanto que para o General G. Sullivan 11 strategy is a set of concepts for action ( ) vision and values get you to the starting line; it takes a lot of hard work to go from there to the finish line. The hard work is focused by strategy ( ) at its essence strategy is an intelectual construct linking where you are today with where you want to be tomorrow. Noutra dimensão, que importa diferenciar é o corpo concetual que emoldura o conceito de estratégia na sua dimensão política, o qual na definição do General Cabral Couto é a Ciência e arte de desenvolver e utilizar as forças morais e materiais de uma unidade política ou coligação, a fim de se atingirem objetivos políticos que suscitam, ou podem suscitar, a hostilidade de outra vontade política. 12 Assim, a aplicação e generalização do conceito de estratégia a diferentes áreas do saber, evidencia que a sua essência é intemporal e independente dos contextos onde é aplicada, uma vez que o seu campo aplicacional é o de procura alinhar e dar coerência à trilogia Ends Ways and Means, utilizando determinados processos e metodologias de cariz analítico, para observar o contexto envolvente e daí extrair consequências para o posicionamento atual e futuro da organização, Instituição ou Estado soberano em causa. 10 Cardeal, citado por Ceitil, Evolução da estratégia empresarial no mundo pós-moderno, D&F, MAR Sullivan, Gordon, Hope is not a method, NY, Broadway Books, 1997, p Couto, A.C., Elementos de Estratégia, Apontamentos para um curso, IAEM,

6 3. Um referencial para estruturar a mudança Dando sequência ao diagnóstico efetuado, relativo ao alinhamento da organização com o seu ambiente envolvente e respondida à questão porquê mudar, deverá ter-se em seguida a perceção da amplitude e da profundidade da mudança a realizar, a qual poderá envolver conforme apresentamos no ponto precedente uma verdadeira transformação. Assim, é fundamental perceber o que terá de ser mudado na organização, respondendo objetivamente à questão: o que mudar? O modelo analítico de Pettygrew 13, reúne sinteticamente o conjunto de fatores que deverão ser analisados aquando da formulação e implementação de um processo de mudança, enfatizando a interação contínua entre o contexto, o processo e o conteúdo da mudança, ressaltando a importância da regulação entre os três. A cada uma das fases estarão naturalmente associadas metodologias adequadas ao estudo dos parâmetros em questão como é o caso, a título exemplificativo do modelo analítico SWOT 14, no que à abordagem do contexto envolvente diz respeito. Figura nº 2 A Estruturação da Mudança Modelo de Pettygrew 13 Pettygrew, A. The awakening giant, continuity and change in ICI, citado por Faria Bilhim, Teoria Organizacional, ISCSP, S (strenghts), W (weaknesses), O (opportunities), T (threats) 6

7 4. Os erros a evitar numa mudança organizacional Em muitas situações identificadas por John Kotter, no livro Leading Change 15, o esforço para se concretizar uma mudança organizacional tem-se revelado um verdadeiro desapontamento, indutor de um desperdício de recursos e de uma enorme frustração no seio dos colaboradores. Nesta medida, o autor descreve os oito erros mais comuns com que deparou na investigação efetuada: 1º Permitir demasiada complacência, ao não se conseguir incutir na organização um sentido de urgência para a realização de uma mudança. No seu entendimento, é indispensável criar alguma inquietude, forçando os colaboradores a saírem da sua zona de conforto, forçando-os a aceitarem um esforço adicional em nome de um objetivo de melhoria organizacional; 2º Não criar uma coligação de vontades suficientemente forte, assumindo-se que não é suficiente um envolvimento ativo da liderança de topo, sendo indispensável contar com o apoio de colaboradores, com posição hierárquica, prestígio e conhecimento da organização para liderar e motivar equipas em direção a novos objetivos; 3º Subestimar o conceito de visão, uma vez que o mesmo permite a focalização dos esforços numa determinada direção; 4º Não abrir canais de comunicação, que permitam que as informações sobre o processo em curso fluam em tempo por toda a organização; 5º Permitir o aparecimento sucessivo de obstáculos bloqueadores, designadamente os que têm origem no comportamento de colaboradores colocados em lugares-chave da organização, não consentâneo com os objetivos que se pretendem atingir, sendo por vezes inevitável a confrontação e mesmo o afastamento dos mesmos dos cargos que ocupam; 6º Não conseguir obter pequenas vitórias / short wins, nos primeiros 6 a 18 meses, que permitam o reconhecimento por parte dos colaboradores dos méritos da mudança em curso; 7º Declarar vitória muito cedo, sem ter garantido que a totalidade dos objetivos foi devidamente alcançada; 8º Negligenciar uma ancoragem firme dos novos vetores de mudança na cultura da organização, materializada através da clara assunção de que já existe uma forma diferente de como fazemos as coisas por aqui. 15 Kotter, J., Leading Change, Harvard Business School Press,

8 Conclusões As exigências que um contexto envolvente crescentemente complexo, turbulento e incerto coloca aos países, aos órgãos do Estado e às empresas, aproximam conceitos e metodologias, próprias do planeamento e da ação estratégicas, sendo no entanto indispensável diferenciar e perceber também os pontos de convergência, entre o conceito de estratégia, enquanto vetor da ciência política e o conceito que tradicionalmente se associa à teoria das organizações, o qual se traduz na escolha de uma caminho, efetuado por uma organização, com o objetivo de concentrar esforços para tornar real a visão que a liderança tem do futuro. Neste enquadramento, enfatizamos a necessidade de se dominarem as práticas e os processos de transformação ou de mudança organizacional, tendo sido sugeridos os modelos de Ansoff, Pettygrew e Kotter. De facto, transformar ou mudar uma organização exige saberes analíticos sendo a diferença entre estes conceitos colocada na amplitude e na profundidade com que se pretende intervir na organização. Tradicionalmente, considera-se a ocorrência de uma mudança organizacional quando se produzem alterações numa das dimensões da organização, quer seja na estratégia, estrutura ou nas pessoas. Já a transformação implica mudanças que ocorrem simultaneamente nas diferentes dimensões da organização, sendo articulada pela cultura e conduzida obrigatoriamente pelos seus líderes. Alguns dos erros na implementação destes processos (como mudar) foram identificados por Kotter e por nós sistematizados; importa no entanto perceber que todo este caminho se inicia com um rigoroso, esclarecido e objetivo diagnóstico da situação; porquê mudar e o que mudar, são questões que exigem dos líderes, qualquer que seja a área funcional da vida em sociedade, respostas claras e inequívocas. 8

A METODOLOGIA DO PLANEAMENTO POR CENÁRIOS NUM CONTEXTO VUCA

A METODOLOGIA DO PLANEAMENTO POR CENÁRIOS NUM CONTEXTO VUCA A METODOLOGIA DO PLANEAMENTO POR CENÁRIOS NUM CONTEXTO VUCA We are in a new world, using old tools Thomas Friedman, The World is Flat - A brief history of the twenty-first Cor Tir AdMil Rui M. Rodrigues

Leia mais

A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO.

A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO. A GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL À LUZ DAS NORMAS DA FAMÍLIA ISO 9000 APLICABILIDADE A UMA UNIDADE TIPO REGIMENTO. Ten Mat Jaime Coelho Ten AdMil António Martins Ten AdMil Edgar Fontes Ten AdMil Fernando Cardoso

Leia mais

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA

IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1 IDENTIDADE DA CPLP NO DOMÍNIO DA DEFESA 1. INTRODUÇÃO As identidades coletivas, em qualquer domínio considerado, assumem uma importância central; a sua afirmação dá sentido aos projetos comuns, promove

Leia mais

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA

Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA Logística Uma nova fórmula para o Exército CONCEITOS ESTRUTURANTES DA CIÊNCIA LOGÍSTICA A Logística, ciência de origem militar que despontou das necessidades de preparação, movimentação e colocação de

Leia mais

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios Workshop A Competitividade das Empresas & o Balanced Scorecard Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão JAIME RAMOS GUERRA JLM CONSULTORES DE GESTÃO, SA () INSTITUTO POLITECNICO DE LEIRIA jaime.guerra@jlm.pt

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Gestão Empresas Módulo Estratégia Empresarial

Gestão Empresas Módulo Estratégia Empresarial Formação em Gestão Empresas Crescimento Pessoal Impacto Global 1 Índice 1. Introdução 3 2. Pensamento e planeamento estratégico 4 3. Análise do meio envolvente 7 4. A empresa 9 5. Alianças estratégicas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015

Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Plano Estratégico da Universidade Aberta 2011-2015 Paulo Maria Bastos da Silva Dias Índice 1. Nota de Abertura... 1 2. Áreas de Intervenção e Desenvolvimento... 4 2.1 Formação e Aprendizagem ao Longo da

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Análise SWOT Pedro Vaz Paulo 1. PROJECTO CRIAR EMPRESA 1. Projecto Definição 1. Âmbito do negócio 2. Inovação 3. Concorrência 4. Análise SWOT 5. ( ) 2. ANÁLISE SWOT Definição A Análise

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Organização da Aula Empreendedorismo Aula 2 Competitividade: Século XXI Contextualização Vantagem Competitiva

Organização da Aula Empreendedorismo Aula 2 Competitividade: Século XXI Contextualização Vantagem Competitiva Empreendedorismo Aula 2 Prof. Me. Fabio Mello Fagundes Organização da Aula Competitividade Estratégia Ambiente das organizações Competitividade: Século XXI Hiperconcorrência Contextualização Economia globalizada

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO. www.aese.pt/gen

Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO. www.aese.pt/gen Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS GEN LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO www.aese.pt/gen BEM-VINDO AO GEN É com muito gosto que lhe apresentamos o GEN, criado pela AESE, numa perspetiva de

Leia mais

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres

G t es ã tão E t s t ra é té i g? ca O Que é isso? TEORIA TE DAS DA ORGANIZA OR Ç GANIZA Õ Ç ES E Prof. Marcio Peres Gestão Et Estratégica? téi O Que é isso? TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Prof. Marcio Peres Estratégias Linhas de ação ou iniciativas altamente relevantes que indicam como serão alcançados os Objetivos Estratégicos.

Leia mais

Gestão da Mudança na Implantação de um Escritório de Processos

Gestão da Mudança na Implantação de um Escritório de Processos de um Escritório de Processos - Os principais pontos de atenção, seus sintomas e as medidas que o Gestor do Escritório de Processos deve adotar durante a sua implantação - Introdução...2 A Importancia

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INOVAÇÃO

GUIA DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INOVAÇÃO GUIA DE BOAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INOVAÇÃO 5 Enquadramento O que é a inovação Tipos de Inovação 50 Tópicos de inovação 10 Razões para inovar 10 Riscos de não inovar 10 Bloqueios à inovação 10 Questões

Leia mais

PROGRAMA DE DIREÇÃO DE EMPRESAS

PROGRAMA DE DIREÇÃO DE EMPRESAS 2016 JANEIRO > JULHO PORTO www.aese.pt/pde Escola associada: PROGRAMA DE DIREÇÃO DE EMPRESAS OBJETIVOS DO PROGRAMA O PDE atinge este ano a sua sexagésima edição, destacando-se como o Programa mais vezes

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE CRISE Desafios e Oportunidades

COMUNICAÇÃO DE CRISE Desafios e Oportunidades COMUNICAÇÃO DE CRISE Desafios e Oportunidades Mariana Victorino Docente convidada e Investigadora na FCH/UCP Diretora Geral da Porter Novelli Omnicom Group De que vamos falar? Contexto tecnológico e comunicacional

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

PENSAMENTO ESTRATÉGICO

PENSAMENTO ESTRATÉGICO nuno cardeal PENSAMENTO ESTRATÉGICO Antecipar as ondas do futuro universidade católica editora Lisboa 2014 Índice Prefácio 11 Capítulo 1 Introdução à Estratégia 1.1 Evolução da Gestão Estratégica 13 1.2

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

Teoria x Prática. Como a implantação de um sistema de Service Desk pode afetar a governança de TI. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Teoria x Prática. Como a implantação de um sistema de Service Desk pode afetar a governança de TI. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Teoria x Prática Como a implantação de um sistema de Service Desk pode afetar a governança de TI Apresentação A tradução dos conceitos de governança e gestão de

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio.

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio. GESTÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO: a participação dos controles internos na gestão estratégica corporativa Nome: Ricardo Alexandre Gonçalves de Moura (Auditor especialista em revisão de controles internos

Leia mais

SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ESTRATÉGIA CORPORATIVA PARA AS ORGANIZAÇÕES. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ESTRATÉGIA CORPORATIVA PARA AS ORGANIZAÇÕES. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN: 1676-6822 Ano IX Número 16 Junho de 2009 Periódicos Semestral SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ESTRATÉGIA CORPORATIVA PARA AS ORGANIZAÇÕES LIMA, Sílvia Aparecida

Leia mais

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados.

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. 1 Conceituação, análise, estruturação, implementação e avaliação. 2 Metodologia é sempre válida: Proporcionando aos executivos

Leia mais

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO

USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO USO DA COMUNICAÇÃO ALINHADA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TOMADA DE DECISÃO Alexandra Lemos Ferraz 1 Evandro Oliveira da Silva 2 Edimar Luiz Bevilaqua 3 Fernando Nobre gomes da silva 4 Matheus Trindade

Leia mais

(In)certezas e desafios na Gestão de Pessoas

(In)certezas e desafios na Gestão de Pessoas (In)certezas e desafios na Gestão de Pessoas As novas formas de organização do trabalho desafiam a gestão de recursos humanos (GRH) a reinventar os seus modelos e a integrar no seu portefólio ferramentas

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Balanced scorecard: a importância da proposição de valor para clientes

Balanced scorecard: a importância da proposição de valor para clientes Balanced scorecard: a importância da proposição de valor para clientes A proposição de valor para clientes é uma componente fulcral da estratégia das organizações. Para aquelas que utilizam ou planeiam

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SINDICAL DOS SEGURANÇAS DA POLICIA JUDICIÁRIA. Artigo de opinião

ASSOCIAÇÃO SINDICAL DOS SEGURANÇAS DA POLICIA JUDICIÁRIA. Artigo de opinião Artigo de opinião Na nossa newsletter passamos a ter espaço para artigos de opinião, porque todos temos algo a acrescentar no que toca ao pensamento estratégico da carreira. Para primeiro artigo escolhi

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

CCCS PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR (UC) INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 2013/2014 7,5 ECTS

CCCS PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR (UC) INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 2013/2014 7,5 ECTS CCCS PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR (UC) INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 2013/2014 7,5 ECTS A UC Introdução às Ciências Empresariais visa transmitir uma perspetiva científica, sociocultural e ética

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

Seminário Segurança da Informação e Gestão de Risco IESM - 23MAI13. Comunicação do Secretário-Geral Adjunto do MDN. Contra-Almirante Mário Durão

Seminário Segurança da Informação e Gestão de Risco IESM - 23MAI13. Comunicação do Secretário-Geral Adjunto do MDN. Contra-Almirante Mário Durão Seminário Segurança da Informação e Gestão de Risco IESM - 23MAI13 Comunicação do Secretário-Geral Adjunto do MDN Contra-Almirante Mário Durão Enquadramento Durante mais de 30 anos da minha vida profissional,

Leia mais

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação CARLOS MATIAS RAMOS, Bastonário da Ordem dos Engenheiros Começo por citar um texto da autoria do Eng. Ezequiel de Campos, que consta do

Leia mais

Intervenção inicial do Governador Carlos da Silva Costa na Conferência. Para uma Reforma Abrangente da Organização e Gestão do Setor Público

Intervenção inicial do Governador Carlos da Silva Costa na Conferência. Para uma Reforma Abrangente da Organização e Gestão do Setor Público Intervenção inicial do Governador Carlos da Silva Costa na Conferência Para uma Reforma Abrangente da Organização e Gestão do Setor Público Fundação Calouste Gulbenkian, 28 de janeiro de 2013 Minhas senhoras

Leia mais

SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012

SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012 SEMINÁRIO MODELOS DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DAS CAPACIDADES DE DEFESA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Instituto da Defesa Nacional, 29 de março de 2012 CONCLUSÕES 1. A Europa está atualmente confrontada com um

Leia mais

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Eduardo Alves de Oliveira eduaopec@yahoo.com.br SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Rua Pacheco Leão, 1235 - Fundos

Leia mais

República de Moçambique. Presidência da República

República de Moçambique. Presidência da República República de Moçambique Presidência da República Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique e Comandante-Chefe das Forças de Defesa e Segurança, por ocasião

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: sexta-feira, 16 de Novembro de 2012 17:40 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS O PAPEL ESTRATÉGICO DO RH NA GESTÃO DA MUDANÇA Breno Antonio Rodrigues de Castro (FGV) * Resumo No contexto organizacional atual, em que a mudança é inevitável, independentemente de sua proporção e de

Leia mais

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações Introdução: Os Sistemas de Informação (SI) enquanto assunto de gestão têm cerca de 30 anos de idade e a sua evolução ao longo destes últimos anos tem sido tão dramática como irregular. A importância dos

Leia mais

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições Prefácio Dezoito anos passados da primeira obra do autor sobre a temática, e olhando o percurso a esta distância, não deixamos de nos surpreender pela evolução realizada no mundo empresarial e na sociedade.

Leia mais

Como organizar um processo de planejamento estratégico

Como organizar um processo de planejamento estratégico Como organizar um processo de planejamento estratégico Introdução Planejamento estratégico é o processo que fixa as grandes orientações que permitem às empresas modificar, melhorar ou fortalecer a sua

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE SOFTWARE

CONSTRUÇÃO DE SOFTWARE CONSTRUÇÃO DE SOFTWARE Náthilla Tavares Fagundes, Pablo Galvão, Wytor Venancio Rodrigues Faculdade de Tecnologia SENAC Goiânia/GO (SENAC/GO) Av. Independência número 1002 - CEP 74645-010 Setor Leste Vila

Leia mais

Planeamento. Capítulo 3. Missão. definição dos fins estratégicos gerais da empresa. o que a distingue de outras empresas

Planeamento. Capítulo 3. Missão. definição dos fins estratégicos gerais da empresa. o que a distingue de outras empresas Capítulo 3 Planeamento Missão definição dos fins estratégicos gerais da empresa visão do que a empresa quer ser a longo prazo o que a distingue de outras empresas Exemplo 1: Levi Stauss We seek profitable

Leia mais

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL 1 ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL ORGANIZATION THE FIRST STEP TO BUSINESS CONTROL Adriane C. Lopes * Elisiane Godoy* Emanuel O. Batista* Sheila C. M. Guilherme* Aparecida Vani Frasson

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII

PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII PLANO NACIONAL DE AÇÃO PARA OS DIREITOS DA CRIANÇA As crianças são encaradas como sujeitos de direitos, a partir do momento em que o seu bem-estar é concebido como uma consequência

Leia mais

1. Designação do Curso A CONTRATUALIZAÇÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE. 2. Fundamentação

1. Designação do Curso A CONTRATUALIZAÇÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE. 2. Fundamentação 1. Designação do Curso A CONTRATUALIZAÇÃO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE 2. Fundamentação A política da saúde tem a difícil tarefa de estabelecer prioridades e alcançar compromissos entre objetivos sociais contraditórios

Leia mais

MODELO DE APLICAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS A EMPRESAS AUXILIARES DO NAVAL

MODELO DE APLICAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS A EMPRESAS AUXILIARES DO NAVAL PROJETO AUXNAVALIA PLUS Atividade 4: Implementação do Plano de Negócios MODELO DE APLICAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS A EMPRESAS AUXILIARES DO NAVAL METODOLOGIA Modelo de Aplicação de um Plano de Negócios

Leia mais

General José Alberto Loureiro dos Santos

General José Alberto Loureiro dos Santos Reformar o Estado Forças Armadas General José Alberto Loureiro dos Santos Introdução Os cidadãos que vivem num espaço geográfico determinado e entendem ter interesses e objetivos comuns a atingir e a preservar

Leia mais

Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano

Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE AMORA Curso Profissional de Técnico de Turismo Planificação Anual de Operações Técnicas em Empresas Turísticas OTET 12.º Ano Componente de Formação Técnica Ano Letivo

Leia mais

COMO ANALISAR UMA EMPRESA ATRAVÉS DO MODELO SWOT?

COMO ANALISAR UMA EMPRESA ATRAVÉS DO MODELO SWOT? COMO ANALISAR UMA EMPRESA ATRAVÉS DO O que é a análise SWOT? Como fazer um diagnóstico estratégico da empresa? Como avaliar o posicionamento de mercado? Como desenvolver pontos fortes quantificáveis? Como

Leia mais

FINALIDADE. Apresentar um enquadramento sobre o modelo de gestão estratégica da Marinha e abordar a sua implementação prática através do EPM

FINALIDADE. Apresentar um enquadramento sobre o modelo de gestão estratégica da Marinha e abordar a sua implementação prática através do EPM FINALIDADE Apresentar um enquadramento sobre o modelo de gestão estratégica da Marinha e abordar a sua implementação prática através do EPM AGENDA Enquadramento Modelo de Gestão Estratégica Implementação

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DA POSTURA ESTRATÉGICA

MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DA POSTURA ESTRATÉGICA MÉTODOS PARA AVALIAÇÃO DA POSTURA ESTRATÉGICA ENSAIO Marilena Coelho de Azevedo Mestre em Ciências de Engenharia (Engenharia de Produção) pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF) e graduada

Leia mais

Estudo Melhores Competências! Melhor Turismo!

Estudo Melhores Competências! Melhor Turismo! Estudo Melhores Competências! Melhor Turismo! Sumário Executivo Abril de 2013 1 Introdução O estudo Melhores Competências! Melhor Turismo contempla, ao nível dos seus principais objetivos, uma dupla dimensão:

Leia mais

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL Ponte de Lima, 27 Junho 2015 www.hqnstrategyconsulting.com 1 PLANO REGIONAL DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL O desenvolvimento de um Plano Regional para

Leia mais

Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014

Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014 www.pwc.pt/academy Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014 Formação profissional para profissionais. Mobilizar e capacitar profissionais Valorizar conhecimentos, experiências

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

A implementação da formação organizacional numa cadeia hoteleira

A implementação da formação organizacional numa cadeia hoteleira A implementação da formação organizacional numa cadeia hoteleira Maria João Rosendo Oliveira Gomes 1, João Emanuel Gonçalves S. Costa 1 1 Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche, Instituto

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

Paulo Gerhardt. Como Fazer um Planejamento Eficaz Sem Complicações

Paulo Gerhardt. Como Fazer um Planejamento Eficaz Sem Complicações Paulo Gerhardt Como Fazer um Planejamento Eficaz Sem Complicações Paulo M.T. Gerhardt 1ª edição 2013 Gerhardt, Paulo M. T. Como Fazer um Planejamento Eficaz Sem Complicações / Paulo M. T. Gerhardt Porto

Leia mais

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra

29/03/12. Sun Tzu A Arte da Guerra 29/03/12 Com planejamento cuidadoso e detalhado, pode-se vencer; com planejamento descuidado e menos detalhado, não se pode vencer. A derrota é mais do que certa se não se planeja nada! Pela maneira como

Leia mais

Palavras-chave: Marketing internacional; marketing Mix; Distribuição; Forca de vendas

Palavras-chave: Marketing internacional; marketing Mix; Distribuição; Forca de vendas Marketing Mix Internacional Comunicação Empresarial Marketing Internacional José António Gonçalves Costa 7828 Resumo Neste artigo vou procurar definir o que é o Marketing internacional, Marketing Mix e

Leia mais

Objetivo Crescimento. Inovação e Formação

Objetivo Crescimento. Inovação e Formação Objetivo Crescimento Inovação e Formação Uma área para investimentos prioritários Tem-se vindo a defender a necessidade de concentrar esforços nos setores de bens e serviços transacionáveis como motor

Leia mais

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS

REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS Rafael Echeverría REVALORIZAR AS COMPETÊNCIAS CONVERSACIONAIS São chaves para as pessoas e as organizações, porque são as únicas que apoiam as grandes transformações pelas quais a sociedade e o mundo estão

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Balanced Scorecard e SIADAP: Articulação, Integração e Desenvolvimento

Balanced Scorecard e SIADAP: Articulação, Integração e Desenvolvimento 50 Administração Pública Interface Balanced Scorecard e SIADAP: Articulação, Integração e Desenvolvimento O BSC poderá ser a solução quando a necessidade de mudança se centrar no alinhamento da organização

Leia mais

Análise financeira e gestão de riscos no setor segurador

Análise financeira e gestão de riscos no setor segurador Análise financeira e gestão de riscos no setor segurador Intervenção do Presidente do ISP, Professor Doutor José Figueiredo Almaça, na Entrega de Diplomas do 11º Curso de Pós Graduação em Análise Financeira,

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação de Tecnologia da Informação Profa. Célia Cristina Vicente celiacristina@victia.com.br MBA Governança de TI Onde Estamos no Curso??? Profa. Célia Cristina MBA Governança de TI 1 1 - Pode dizer-me que caminho

Leia mais

O ALINHAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA COM O MARKETING ESTRATÉGICO. UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE SERVIÇOS. Luciano Crocco

O ALINHAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA COM O MARKETING ESTRATÉGICO. UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE SERVIÇOS. Luciano Crocco UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO O ALINHAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA COM O

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO ESTRATÉGICA NA COMPETITIVIDADE

INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO ESTRATÉGICA NA COMPETITIVIDADE INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULADE DE CIENCIAS ECONOMICAS VIANNA JUNIOR A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO ESTRATÉGICA NA COMPETITIVIDADE Igor Danitheus Sixel Bomfim 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Teresinha Moreira

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

Análise SWOT Grupo ADS

Análise SWOT Grupo ADS Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Disciplina de Aspectos Sócio-Profissionais da Informática 5º Ano Ano Lectivo

Leia mais

SIARL Sistema de Administração do Recurso Litoral

SIARL Sistema de Administração do Recurso Litoral SIARL Sistema de Administração do Recurso Litoral João HERDEIRO 1, Marisa SILVA 1 e Paulo PATRÍCIO 1 1 Direção-Geral do Território, Portugal (ajherdeiro@dgterritorio.pt; marisas@dgterritorio.pt; ppatricio@dgterritorio.pt)

Leia mais

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Contributos conjuntos do Conselho Geral e do Reitor em resposta à solicitação de 22 de outubro de

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 O Papel da Cultura Lean no Contexto Actual António Abreu ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 Sumário i. O

Leia mais

business case financial services seguros

business case financial services seguros business case financial services seguros Empresa Instituição Seguradora Enquadramento O setor segurador em Portugal enfrenta, atualmente, importantes desafios. Estes, colocam estas empresas numa posição

Leia mais

Formulação Estratégica da PMERJ

Formulação Estratégica da PMERJ Formulação Estratégica da PMERJ Dezembro.2012 Projeto de Formulação Estratégica da PMERJ O Projeto de Formulação Estratégica da PMERJ foi resultado de todo realinhamento estratégico da SESEG, facilitado

Leia mais

Testemunho pessoal do coordenador científico. Testemunhos. Coordenador: Nuno Côrte-Real

Testemunho pessoal do coordenador científico. Testemunhos. Coordenador: Nuno Côrte-Real Testemunho pessoal do coordenador científico Coordenador: Nuno Côrte-Real Como o próprio nome indica, trata-se de um programa generalista que aborda de uma forma integrada e sistémica os mais relevantes

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais