Inovação em/da Gestão: Mudança ou Continuidade?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inovação em/da Gestão: Mudança ou Continuidade?"

Transcrição

1 Inovação em/da Gestão: Mudança ou Continuidade? Alexandre Faria 1 FGV-EBAPE; Sobre continuidade e mudança em/da gestão A gestão moderna continua sendo criticada por sua incapacidade de promover as necessárias mudanças ou alternativas que ajudariam a construir melhores organizações e sociedades e uma ordem mundial mais justa e equilibrada. O trabalho pioneiro de Frederick Taylor descreveu a gestão moderna ou científica como uma das mais extraordinárias inovações sociais produzidas nos EUA. Taylor ressaltou que a gestão científica significa mais uma revolução mental do que um conjunto de métodos e práticas que resulta no melhor desempenho de organizações industriais modernas. Ele estava certo, mas poucos o escutaram. O que Taylor estava lembrando é que por desafiar o status quo, inovações são atividades inerentemente políticas. A crença das pessoas na gestão científica ou moderna como inovação válida vem sendo construída às pressas desde então; apesar das contribuições importantes trazidas pelas críticas, este processo continua sendo conduzido de forma equivocada. Raramente os praticantes e outros membros da sociedade são convidados para a co-construção de modelos e frameworks de gestão. Por causa disso alguns especialistas sugerem que organizações sem gestão são mais capazes de inovar. Neste artigo mostro que o problema principal é que a área não compreende que mudança e continuidade são faces da mesma moeda. A gestão científica construída nos EUA é uma extraordinária inovação por defender a transferência do controle da grande corporação para membros da sociedade que tenham mérito/qualificação. A gestão moderna se baseia no princípio democrático de que organizações baseadas em conhecimento científico têm mais chance de responder às forças do mercado (livre) e alcançar o melhor desempenho econômico e promover por meio do capitalismo gerencial o bem-estar da sociedade. Essa inovação construiu a gerência como classe composta de profissionais assalariados que assumem o controle das grandes corporações e permitem que a estrutura de propriedade dessas organizações seja democraticamente distribuída por meio do mercado de capitais. Se esta inovação promete tantas mudanças importantes, por que a gestão moderna sofreu resistência desde os primeiros momentos? Uma primeira razão é que os princípios de gestão foram introduzidos para a organização do trabalho efetuado por escravos em grandes plantações do Sul dos EUA. Cabe destacar que esse quadro persiste, e não apenas nos EUA. Uma segunda razão é que a gestão moderna criou gerência como uma classe neutra entre capital e trabalho. Cabe destacar que os conflitos entre capital e trabalho persistem, e não apenas nos EUA. Uma terceira razão é que o ideal de mercado livre poucas vezes foi respeitado por causa das elites; esse quadro também persiste e não apenas nos EUA. Não surpreende então que a gestão moderna continue enfrentando resistências e críticas. Será que a gestão moderna é então uma 1 Professor da EBAPE-FGV, Phd in Business Administration pela University of Warwick (UK); Chair da Critical Management Studies Division do Academy of Management; Diretor do Módulo Brasil do International Masters in Practicing Management IMPM. 1

2 inovação que na prática promove muito mais a continuidade de mecanismos e estruturas de dominação e injustiça, do que mudança? O ditado quanto mais se muda, mais a mesma coisa fica se aplica bem à gestão moderna. O problema maior é que, em resposta, ao invés de promover debates amplos e a polifonia, resistência e política foram tornados ilegítimos pela área. Este artigo mostra que os defensores da gestão moderna costumam ser prepotentes ou ingênuos por não reconhecerem estruturas e mecanismos de continuidade que tanto impulsionam quanto restringem a capacidade da área de gestão de promover mudanças. Esses mecanismos ajudaram a impulsionar a área, mas também a afastou da possibilidade de promover as mudanças prometidas e necessárias. Não são poucas as organizações e gerentes que continuam entendendo que resistência e política são obstáculos, ao invés de meio necessário para a construção de inovações efetivas. Poucas são as organizações e gestores que convidam membros da sociedade e críticos para seus processos de planejamento estratégico ou inovação. Poucas são as organizações e gestores que valorizam os conhecimentos e práticas de política de seus gestores e funcionários. O que está errado com a gestão, afinal? Quais são as implicações de depositarmos tantas esperanças e recursos em uma área caracterizada mais pela prepotência e ingenuidade do que pela capacidade de transformação e engajamento? Por que uma inovação tão importante pode estar causando mais problemas do que soluções? Enfim, o que pode ser feito? É importante entendermos que a gestão científica acabou se tornando uma inovação válida aos olhos da sociedade devido à sua importância em termos (geo)políticos, e não apenas econômicos ou sociais. Os EUA eram um país marcado por diferenças profundas entre o Norte e a Sul em termos raciais e políticos e também entre as elites e o resto da população. As estratégias de projeção do país no contexto internacional da época eram marcadas pelo mito do excepcionalismo com base nos princípios de ordem econômica livre, democracia e direitos humanos. Gestão científica foi apresentada por meio de programas de educação e pesquisa como superior a outras formas inferiores de organização do trabalho, do mesmo modo com que a modernidade na Europa rebaixou o antigo ou tradicional em séculos anteriores. O significado da gestão como mudança foi construído por meio de imposição e ingenuidade. Quem poderia pensar de outra forma, após a expansão de business schools e difusão dos MBAs em todo o país a partir dos anos 1960 e, em seguida, para diversos países e regiões? Cabe destacar que as principais escolas, currículos e agendas de pesquisa foram constituídas por universidades e instituições mais vinculadas às elites dos EUA, sugerindo que esta inovação significa(va) mais continuidade dos mecanismos que intencionava corrigir do que mudança propriamente dita. A gestão moderna ganhou esse significado após a Segunda Guerra, ao ser associada à campanha exitosa dos EUA e ser interpretada como responsável pela riqueza econômica do país. Seus princípios também respondiam ao temor de que grandes corporações pudessem colocar em risco a democracia por meio do abuso de seu poder político e econômico em relação ao mercado, governo e sociedade. Consequentemente, os princípios da gestão moderna atenuavam o temor de que o capitalismo gerencial dos EUA viesse a reproduzir as trajetórias políticas que levaram a grandes conflitos e ao colonialismo. Essa corporação pública assume em grande parte o papel do governo e 2

3 ajuda a equilibrar as forças da sociedade e a promover para o mundo pós-guerra um modelo exemplar de democracia, civilização e progresso. Em outras palavras, a gestão moderna representa a própria pax americana. Não surpreende, por conseguinte, que a gestão moderna enfrente tantos obstáculos para promover as mudanças prometidas. Por sua vez, não surpreende as críticas crescentes a este modo de governança que se tornou global. O que isso tem a ver com as economias emergentes? Esse caráter político da gestão moderna e os processos correspondentes de gestão de significados têm antecedentes e implicações internacionais pouco exploradas e que ficaram particularmente importantes para as economias emergentes e seus gestores e líderes. Em grande parte, a gestão moderna foi imposta ao Terceiro Mundo e também à Europa como uma necessária mudança para a (boa) gestão do mundo e para a civilização. Assim como nos EUA, também ficamos ser a perspectiva de que inovação envolve tanto mudança quanto continuidade. Os processos de imposição/adaptação denominados de americanização que ocorreram em diversos países e regiões (incluindo Europa e América Latina) durante a Guerra Fria foram representados por autoridades e instituições de educação e pesquisa como mudança. Processos de resistência dentro das organizações e a construção de alternativas por praticantes e acadêmicos foram marginalizados. Um dos principais problemas atuais é que alternativas inovadoras de gestão ou alternativas à gestão praticadas e teorizadas em diferentes cantos do mundo foram tornadas ilegítimas. Estamos todos à espera de um novo guru ou de um modismo que substitua o anterior. Estruturas locais de continuidade, que costumam ser chamadas de tradições e vinculadas ao atraso ou subdesenvolvimento pelos discursos da gestão moderna, foram substancialmente marginalizadas ou excluídas. As organizações familiares e de pequeno porte no Brasil (e na Índia), por exemplo, foram marginalizadas ou excluídas da área. O senso comunitário advindo da mistura de raças no Brasil e do sincretismo religioso foi em grande parte substituído por um senso de competição e individualismo imposto pela gestão moderna. As cooperativas foram tratadas pelo senso comum estabelecido pelos discursos de gestão moderna como atrasadas. A polifonia e a pluriversalidade advindas da vinculação da gestão a projetos nacionais ou locais de desenvolvimento foram suprimidas. Em suma, diferentes tipos de capitalismo, diferentes tipos de modernidade, diferentes tipos de organização, e alternativas ao capitalismo e à modernidade acabaram sendo marginalizados em escala global. O cenário contemporâneo mostra que alternativas, ao invés de mais modismos, são necessárias. Analistas reconhecem que a ascensão das economias emergentes tem sido gerada mais pela resistência a algumas da gestão moderna do que pela subordinação irrestrita e irrefletida. De outra maneira, como explicar as práticas comunitárias de marketing e P&D desenvolvidas pela Natura, por exemplo? Como explicar o lançamento do programa bolsa-família quando a literatura de gestão e as chamadas best practices prescreviam responsabilidade social corporativa e estratégias da BoP? Como explicar o extraordinário desempenho dos arranjos produtivos locais e das cooperativas agrícolas frente à literatura que prescrevia a mercadização? 3

4 Os temores de que uma nova ordem surja e demande outros tipos de gestão têm provocado reações muito conservadoras na área de gestão, ao invés de debates, diálogos e inovação. Por outro lado, muitos acreditam que a crise inevitavelmente levará a tais inovações. Mas, como será o futuro? A análise de processos de inovação da gestão no contexto da crise dos anos 1980s pode ser útil para nos posicionarmos no contexto da crise contemporânea e assumirmos novas responsabilidades. Inovação da gestão ou gestão da inovação? É importante então aprendermos com o passado recente. A partir de meados dos anos 1980s surgiram inovações vinculadas à mudança na área. Aquele contexto de crise forçou a área a reconhecer suas limitações. Autores que defendiam mudança e inovação foram ouvidos e processos de resistência organizacional foram reconhecidos pela área. Tais processos ocorreram em paralelo ao processo de emergência da ordem neoliberal e o desmantelamento da ordem keynesiana no mundo euro-americano em um processo iniciado formalmente com a transformação do Chile no primeiro laboratório neoliberal. Tendo em vista que inovação é uma atividade inerentemente política e a dinâmica envolvendo mudança e continuidade, amarras do passado recente continuaram presentes. O processo nos faz lembrar o princípio fordista de que automóveis podem ser de qualquer cor desde que seja preta. Para alguns, inovação podia gerar mudança desde que esta promovesse continuidade. Mecanismos de gestão da inovação anunciavam mudança, mas promoviam continuidade. Esse processo é sofisticado e merece uma análise que transcenda a dicotomia mudança versus continuidade. O processo envolveu dois padrões principais: mudança continuante e continuação mutante (fig. 1; tab. 1). Fig. 1 - Continuum mudança-continuidade da inovação Mudança extrema Mudança continuante Continuidade mutante Continuidade extrema Tab. 1 Tipos de inovação Tipo Descrição Exemplo Mudança extrema Inovação que promove a ruptura com tradições, valores e conhecimentos prevalentes A teoria da relatividade Mudança continuante Continuidade mutante Continuidade extrema Inovação que tende mais a romper com tradições, valores e conhecimentos prevalentes do que reproduzi-los Inovação que tende mais a reproduzir do que romper com tradições, valores e conhecimentos prevalentes Inovação que reproduz tradições, valores e conhecimentos prevalentes e tende a bloquear alternativas Melhoria contínua, processos de auto-gestão, arranjos produtivos locais Responsabilidade social corporativa; estratégias da base da pirâmide Gestão de carreira 4

5 A ascensão da disciplina de marketing nos anos 1980s ilustra o funcionamento do processo de gestão da inovação. A gestão total de marketing era tida como uma inovação necessária no contexto da crise. Seus defensores criticavam a orientação dominante das grandes corporações, o chamado imperialismo corporativo. O mantra do marketing é tudo (e do tudo é marketing) anunciava sem maiores resistências que as grandes corporações que não satisfizessem as necessidades de seus clientes não sobreviveriam. Acadêmicos, firmas de consultoria, escolas de negócios, grandes editoras e grandes corporações concordaram que era imperativo inovar e desafiar o status quo por meio de uma orientação total de marketing. Surgiram então diversas inovações do tipo mudança continuante (de fora para dentro) que retomaram o princípio da soberania do consumidor. Marketing de guerra, marketing verde, marketing de relacionamento, marketing de redes, marketing de cidades, etc. que foram disseminadas em escala global. Entretanto, os resultados não foram tão positivos como imaginávamos. O que ocorreu então? Como podemos evitar a repetição de equívocos? A literatura de organizações argumenta que crises são particularmente importantes para justificar mudanças nas estruturas de poder; de fato, marketing total representa não uma mudança/inovação extrema, mas sim uma mudança continuante ao retomar a soberania do consumidor. A parte mais visível do processo mudança continuante era governada pela parte menos visível i.e., continuidade mutante. Como explicar esse fenômeno? O fato é que crises são também usadas por grupos dominantes para o reforço de posição. Os discursos de mudança continuante em contextos de crise são úteis para reforçar a continuidade por meio de processos mais conservadores de inovação. Tab. 2 As duas faces da crise Crise como mudança Crise como continuidade Mudança continuante: crises são usadas como Continuidade mutante: crises são usadas para justificativa e lógica para a construção de reforçar a posição dominante; esta costuma posições de poder pelos menos favorecidos; ser a parte invisível das respostas às crises esta costuma ser a parte mais visível das respostas às crises Sob a perspectiva de economias, emergentes tais inovações mais conservadoras ajudaram a bloquear as críticas ao capitalismo e à ordem de consumismo que se difundiu em escala global com a imposição/difusão da ordem neoliberal e também as críticas que vinculavam a ordem neoliberal ocidental a americanismo, imperialismo ou ocidentalismo. De certa forma marketing total ajudou a bloquear e a tornar ilegítimas inovações e mudanças que poderiam ter ajudado a evitar as seguidas crises da ordem neoliberal. Cooperativas e APLs deveriam protagonizar a literatura de marketing no Brasil, por exemplo. Economias emergentes e países menos desenvolvidos não foram convidados a co-produzir tais inovações e isso representa uma grande perda para a área. Em gestão estratégia cabe destacar o trabalho de Mintzberg. Gestão estratégica é uma das mais conservadoras disciplinas da área de gestão. O autor conseguiu inovar nos anos 1980s ao mostrar que estratégia corporativa sob uma perspectiva top-down é mais parte do problema do que da solução. Os autores cunharam o conceito de estratégia emergente, e mostraram que a gestão estratégica total envolve a combinação de processos top-down e bottom-up. Naquele contexto de crise o trabalho de Mintzberg tornou legítimo em gestão estratégica o conceito de descontrole controlável. A dicotomia controle-descontrole foi substituída por uma lógica de continuum. Esta 5

6 proposta era inovadora e, portanto, política, por mostrar que mesmo em gestão estratégica os contraditórios podem coexistir. O conceito de guarda-chuva (que simboliza o lado top-down) por sua vez ajudou a construir o significado de que contraditórios podem existir desde que submetidos a uma ordem estabelecida. Ou seja, o guarda-chuva representava o lado continuidade mutante daquela inovação. O guarda-chuva é estabelecido pela alta hierarquia ao invés de ser co-construído por processos não apenas bottom-up e top-down, mas também outside-in por meio da polifonia. Esta era uma pretensão importante não apenas dos gerentes e subordinados dentro das grandes organizações, mas também do Terceiro Mundo. Lidando com a crise Atores e instituições buscam legitimar as idéias, os valores e as demandas que eles/elas defendem ao mesmo tempo em que negam ou rebaixam aqueles aos quais se opõem por meio de processos de gestão de significados. Um significado desfavorável e as resistências correspondentes podem ser transformados em significado favorável e aceitação por meio de processos de gestão do significado. A ascensão da China e de outras economias emergentes sem provocar grandes atritos ilustra este tipo de processo. Em situações adversas ou de crise os diferentes lados da equação disputam o mercado de inovações/idéias. Ao invés de impor valores e preferências, é preferível a institucionalização da inovação/idéia. Institucionalização se dá por meio de padrões ou estratégias de interação e de adaptação da organização em relação ao contexto; é um processo resistente. Líderes têm que conhecer os valores que interessam em determinado contexto; como são construídos na cultura e na estrutura social da organização. Educação, por exemplo, é muito usada para este propósito. Os processos de institucionalização marcados pela cooperação, polifonia e coconstrução são mais efetivos. No entanto, tais processos laterais tendem a ficar raros devido às seguidas crises da ordem neoliberal e ascensão de mecanismos de soft domination (ou seja, alterando percepções, preferências e valores). Após os eventos de 11 de setembro as estratégias de responsabilidade social corporativa envolvendo grandes corporações, governos nacionais, ONGs e instituições transnacionais proliferaram nas economias emergentes e outros cantos do resto do mundo. Por serem tidos como contextos potencialmente hostis a legitimação de tais inovações tem ocorrido mais por soft domination (ou seja, alterando percepções, preferências e valores) do que por co-construção, cooperação e polifonia. Estratégias de responsabilidade social em economias emergentes têm sido acompanhadas de outros tipos de estratégias de legitimidade ou soft domination. Tais estratégias são de central importância para organizações e gestores em economias emergentes que resistem e ajudam a construir alternativas às seguidas crises da ordem neoliberal ocidental. Tabela 3 Estratégias de Legitimação Estratégia Insinuação Definição/descrição Comportamentos que são usados para fazer a organização parecer mais atrativa para outros 6

7 Promoção Comportamentos que apresentam a organização como altamente competente, efetiva e bem-sucedida Exemplificação Comportamentos usados para projetar imagens de integridade, responsabilidade social e confiabilidade moral; esta estratégia costuma também buscar a imitação de outras organizações ou entidades. Fonte: Adaptado de Amantino de Andrade e Mendonça (2003). Propondo uma agenda para amanhã (e depois) No contexto atual, soft power e soft leadership tornaram-se termos usuais no meio da alta hierarquia das grandes corporações. Isso ajuda a explicar as tantas críticas contemporâneas à área. O conceito de soft power foi inventado no início da década passado, já no contexto pós-guerra Fria, para o âmbito das relações internacionais dos EUA. A literatura argumenta que mecanismos de hard power são custosos demais ou pouco efetivos quando comparados aos de soft power (ver tabela 3 a seguir). Mais recentemente, o conceito de soft power foi aplicado aos CEOs tendo em vista o crescente engajamento das grandes corporações com questões de política e governança em diferentes contextos que exigem intervenções/inovações de gestão menos autoritárias e mais participativas. Tabela 4 - Soft e Hard Power Tipos Comportamento Fontes Exemplos Soft Atrair e cooptar Qualidades intrínsecas Comunicação Carisma, exemplo Hard Ameaçar e induzir Ameaças, Intimidação Pagamentos, recompensas Contratar, demitir, demover Promoções, compensações Segundo a McKinsey um dos principais desafios para CEOs é a ascensão de economias emergentes e a eventual ascensão de ordens autoritárias e potencialmente irresponsáveis (especialmente no que diz respeito à China). Soft leadership significa o engajamento de CEOs com questões de (high) politics que são apresentadas como típicas no resto do mundo (especialmente em economias emergentes) e classificados como global issues (tais como pobreza, mudanças climáticas, segurança alimentar, etc.) pelas instituições de governança global. Esta virada soft tende a reforçar a continuidade da crise e passa a ser um dos mais importantes desafios para organizações e seus líderes em economias emergentes. Alternativas são necessárias e bem-vindas. Por um lado, entendo que este quadro torna evidente e urgente a necessidade de capacitação política de líderes e gestores por meio do reconhecimento de que inovação envolve dinâmicas complexas de mudança e continuidade. Por outro lado, entendo que o Brasil (e outras economias emergentes) está em posição privilegiada para assumir a responsabilidade de construir modelos de inovação e de gestão baseados em cooperação, co-construção e polifonia (i.e., outras tradições). Estamos prontos? 7

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

The Globally Responsible Leader A CALL FOR ACTION

The Globally Responsible Leader A CALL FOR ACTION The Globally Responsible Leader A CALL FOR ACTION O líder globalmente responsável Uma Chamada para a Ação A competitiva economia de mercado, nosso atual modelo de desenvolvimento, vem demonstrando uma

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Liderança Feminina Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Sobre o Hay Group Hay Group é uma consultoria global em gestão que trabalha com líderes para transformar estratégias

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ Temas em Relações Internacionais I 4º Período Turno Manhã Título da

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Presença nacional, reconhecimento mundial. Conheça a Fundação Dom Cabral Uma das melhores escolas de negócios do mundo, pelo ranking de educação executiva

Leia mais

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios

Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Cinco principais qualidades dos melhores professores de Escolas de Negócios Autor: Dominique Turpin Presidente do IMD - International Institute for Management Development www.imd.org Lausanne, Suíça Tradução:

Leia mais

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Contribuições das Federações de Pequenos Agricultores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

09/07/2013. Apresenta

09/07/2013. Apresenta Apresenta 1 por Diana Santos 2 Muitos estudos sobre políticas de gestão de pessoas com vistas a melhorar o desempenho dos colaboradores; Durante toda existência humana, as equipes constituíram a forma

Leia mais

1 Descrição do Problema

1 Descrição do Problema 1 Descrição do Problema Este capítulo apresentará o problema de pesquisa em questão. Além disso, serão apresentados o contexto, os objetivos, a motivação, a relevância e a delimitação do estudo. 1.1 Introdução

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO

EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO MÓDULO 3 - A organização O conceito fundamental para a administração é o de ORGANIZAÇÃO, uma vez que toda a aplicação administrativa vai ocorrer numa organização e

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

RESOLUÇÃO: O QUE É GEOGRAFIA

RESOLUÇÃO: O QUE É GEOGRAFIA O QUE É GEOGRAFIA 01. (Ufpe) Vamos supor que um determinado pesquisador escreveu o seguinte texto sobre a Amazônia brasileira. "A Amazônia brasileira, uma das principais regiões do País, está fadada ao

Leia mais

Oportunidade de Negócios e Desafios por meio da Cooperação Internacional

Oportunidade de Negócios e Desafios por meio da Cooperação Internacional Oportunidade de Negócios e Desafios por meio da Cooperação Internacional Chiaki Kobayashi Kobayashi.Chiaki@jica.go.jp Agência de Cooperação Internacional do Japão(JICA) 1 O que é a Agência de Cooperação

Leia mais

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo?

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS NAYARA DE SOUZA ARAUJO Identidade: importância e significados Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? SÃO PAULO 2012 O que define um povo

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça.

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. No campo das Relações Internacionais, Joseph Nye dispensa apresentações. Um dos fundadores da teoria liberal, Nye ajudou

Leia mais

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou

Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Christian Jean-Marie Boudou Aula 4 A FOME NO MUNDO CONTEMPORÂNEO OBJETIVOS Compreender a abordagem geográfica da fome; Discorrer sobre fome e desnutrição; Conhecer a problemática de má distribuição de renda e alimentos no Brasil

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva Gestão da Mudança nas Organizações Leila Oliva O roteiro Conduzir a mudança e o papel da liderança: Os papeis que vivemos; Jornada emocional da mudança. Conduzir a mudança organizacional: Os 8 passos do

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

APL como Estratégia de Desenvolvimento

APL como Estratégia de Desenvolvimento APL como Estratégia de Desenvolvimento Marco Crocco Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional 3a Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais 1 A Difusão da Perspectiva de APL Um balanço

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Exercícios Reorganização Política Internacional

Exercícios Reorganização Política Internacional Exercícios Reorganização Política Internacional 1. (Ufg 2013) Analise a charge a seguir. A charge refere-se a dois temas: o papel do Estado na economia e as relações de trabalho. A respeito desses temas,

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca : Compreensão básica para a Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca É importante verificar que há diversos grupos que compõem uma cultura. As subculturas, constituídas por grupos de pessoas com um padrão

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

NOVAS ABORDAGENS ESTRATÉGICAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

NOVAS ABORDAGENS ESTRATÉGICAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS NOVAS ABORDAGENS ESTRATÉGICAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Fernando Filgueiras, Doutorando em Ciência Política no IUPERJ; Mestre em Ciência Política pela UFMG; Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas

Leia mais

Desenvolvendo líderes globais na América Latina

Desenvolvendo líderes globais na América Latina Desenvolvendo líderes globais na América Latina 47 Desenvolvendo líderes globais na América Latina As empresas da região somente realizarão seu potencial internacional se tiverem aspirações globais claras

Leia mais

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt

MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt MODELO RACIONAL DE ORGANIZAÇÃO Teoria Geral da Administração Pública Robert B. Denhardt Disciplina: Governo Eletrônico/EGC/UFSC Professores: Dr. Aires Rover e Dr. Denilson Sell Equipe: David Lemos, Luiza

Leia mais

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: TUTELA E COOPERAÇÃO

BRASIL E ESTADOS UNIDOS: TUTELA E COOPERAÇÃO BRASIL E ESTADOS UNIDOS: TUTELA E COOPERAÇÃO Luiz Carlos Bresser-Pereira Folha de S. Paulo, 28.11.1982 As relações de cooperação e conflito que unem os Estados Unidos e o Brasil são o pano de fundo da

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio

REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio Universidade de Brasília IX Semana de Extensão 30 de setembro de 2009. REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio ubi@usp.br

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

RELATÓRIO HOGAN JUDGMENT

RELATÓRIO HOGAN JUDGMENT DECODIFICANDO SEUS ESTILOS DE PENSAMENTO E TOMADA DE DECISÃO 30, Junho, 2015 RELATÓRIO HOGAN Jane Doe ID UH565487 SUMÁRIO EXECUTIVO Este relatório examina os estilos de julgamento e de tomada de decisão

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

APRESENTAÇÃO O curso se apresenta como um novo centro inovador de conceitos, metodologias e pesquisas de gestão de pessoas nas organizações.

APRESENTAÇÃO O curso se apresenta como um novo centro inovador de conceitos, metodologias e pesquisas de gestão de pessoas nas organizações. CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013/1 1. MASTER EM GESTÃO DE PESSOAS 2. MASTER EM GESTÃO EMPRESARIAL 3. MASTER EM MARKETING 4. MASTER EM HOSPITALIDADE 1. MASTER EM GESTÃO DE PESSOAS APRESENTAÇÃO O

Leia mais

O Caminho da Expansão

O Caminho da Expansão O Caminho da Expansão por Luiz Otavio da Silva Nascimento Ao se deparar com um cenário econômico favorável, muitos varejistas optam por continuar o desenvolvimento de suas operações no ritmo sempre adotado,

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS São Paulo Av. Princesa Diana, 760 34000-000 Nova Lima MG Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus BH Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo,

Leia mais

VOCÊ CONSOME O QUE? - CONSUMO, STATUS, RESÍDUOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL GULLA, CLAUDIO EDUARDO 1 - UERJ. DUARTE, Luana 2 UERJ. SILVA, Tairis 3 UERJ

VOCÊ CONSOME O QUE? - CONSUMO, STATUS, RESÍDUOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL GULLA, CLAUDIO EDUARDO 1 - UERJ. DUARTE, Luana 2 UERJ. SILVA, Tairis 3 UERJ VOCÊ CONSOME O QUE? - CONSUMO, STATUS, RESÍDUOS E EDUCAÇÃO AMBIENTAL GULLA, CLAUDIO EDUARDO 1 - UERJ claudioeduardouerjped@gmail.com DUARTE, Luana 2 UERJ Luanycristine_87@hotmail.com SILVA, Tairis 3 UERJ

Leia mais

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS Mar del Plata, 4 de novembro de 2005. Senhor Presidente da Nação

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES Luiz Carlos Bresser-Pereira Senhor, nº 24, março de 1980 Estou passando pelos corredores e ouço: Quando as empresas brasileiras forem dirigidas por administradores

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

BREVE APRESENTACAO, ~

BREVE APRESENTACAO, ~ BREVE APRESENTACAO, ~ Jornal era considerado mídia obrigatória O principal diferencial costumava ser o volume de circulação, principalmente se o jornal era auditado pelo IVC. Os jornais eram procurados

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

O Investimento Social no Brasil & Inglaterra

O Investimento Social no Brasil & Inglaterra O Investimento Social no Brasil & Inglaterra Márcia Woods IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social 1ª Conferência sobre Investimento Social Estrangeiro no Brasil 23 de novembro de 2009

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS Parceria: Ingresso Agosto 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Pós-Graduação em Política e Relações Governamentais O programa objetiva

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

Políticas Públicas I. Classificações de Welfare State e Modelos de Análise de Políticas Públicas. Professora: Geralda Luiza de Miranda Julho/2011

Políticas Públicas I. Classificações de Welfare State e Modelos de Análise de Políticas Públicas. Professora: Geralda Luiza de Miranda Julho/2011 Políticas Públicas I Classificações de Welfare State e Modelos de Análise de Políticas Públicas Professora: Geralda Luiza de Miranda Julho/2011 Temas Classificações de Welfare State (Titmuss e Esping-Andersen).

Leia mais

Entrevista com o Professor François Vellas, Ph.D.

Entrevista com o Professor François Vellas, Ph.D. http://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.0057 213 Entrevista com o Professor François Vellas, Ph.D. Interview with Professor François Vellas, Ph.d. Entrevista / Interview Professor François Vellas é, atualmente,

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Reforming the Global Financial Architecture

Reforming the Global Financial Architecture Comunicações Reforming the Global Financial Architecture Data e local: 20-24 de junho de 2011, London School of Economics, Londres, Reino Unido Evento: Reforming the Global Financial Architecture Representante

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Vivendo de acordo com nossos valores...

Vivendo de acordo com nossos valores... Vivendo de acordo com nossos valores... o jeito Kinross Nossa empresa, Kinross, é uma empresa internacional de mineração de ouro sediada no Canadá, com operações nos Estados Unidos da América, Rússia,

Leia mais

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL.

FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. FÓRUM SOBRE CONHECIMENTO E APRENDIZADO PARA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E A REDUÇÃO DA POBREZA NO NORDESTE DO BRASIL. Tema 4: A participação e o empoderamento das comunidades locais conduzem a uma

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial Tipos de Administração Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Tipos de Administração Pública BUROCRÁTICA 1 - Administração 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial lac.consultoria@gmail.com

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais