Otimização do Tratamento com Antimicrobianos Utilizando Princípios de Farmacodinâmica Prof. Dr. Lauro Santos Filho UFPB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Otimização do Tratamento com Antimicrobianos Utilizando Princípios de Farmacodinâmica Prof. Dr. Lauro Santos Filho UFPB lauro.santos@superig.com."

Transcrição

1 PK - PD Otimização do Tratamento com Antimicrobianos Utilizando Princípios de Farmacodinâmica Prof. Dr. Lauro Santos Filho UFPB

2 Farmacologia Clínica PK PD de drogas antimicrobianas Center for Anti-Infective Research and Development Division of Infectious Diseases, Hartford Hospital / Connecticut USA Preceptor: David P. Nicolau, PharmD, FCCP

3 Astra-Zeneca Training Antimicrobial Pharmacodynamics Hartford Anti-Infective Preceptorship August 8-98 Hilton Hartford Hotel (Astra-Zeneca) Faculty: Hartford Hospital 1. David P. Nicolau, PharmD, FCCP 2. Jaber Aslanzadeh,, MD, PhD,, ABMN 3. Joseph L. Kuti,, PharmD 4. Charles L. Nightingale,, PharmD, PhD 5. Richard Quintiliani,, MD, PhD

4 Stewardship Tactics for Antimicrobial Resistance Trends Dubletree Guest Suites Times Square August New York - NY USA (Shering-Plough) Faculty: - Donald E. Low,, MD, PhD / Mont Mont Sinai Hospital, Toronto CANADA - David P. Nicolau, PharmD / Hartford Hospital, Connecticut USA - Robert C. Owens, PharmD / Maine Medical Center, Maine USA - Alla Paskovaty,, PharmD / Sloan - Nina Yousefzadeh,, PharmD / Mount Sloan-Kettering Cancer Center,, N.York USA Mount Sinai Medical Center,, N.York USA

5 Development of anti-infectives ertapenem tigecyclin daptomicin linezolid telithromicin quinup./dalfop. cefepime ciprofloxacin aztreonam norfloxacin imipenem cefotaxime clavulanic ac. cefuroxime gentamicin cefalotina nalidíxico ac. ampicillin methicilin vancomicin rifampin chlortetracyclin streptomycin pencillin G prontosil

6 Development of Antimicrobial Agents and Paralleling Decrease in Mortality in the Industrialized World

7 Antibioticoterapia Desde o advento da quimioterapia antimicrobiana, uma considerável controvérsia rsia tem existido acerca do método m mais apropriado para administrar antibióticos, ticos, maximizando a ação a contra os microrganismo e minimizando a ação a tóxica t e os efeitos colaterais para o paciente. (Toxicidade Seletiva)

8 Farmacodinâmica de Antimicrobianos A aplicação adequada dos princípios pios de farmacodinâmica na estratégia de dosagem optimiza a exposição aos antimicrobianos Melhora os resultados clínicos e microbiológicos Diminui a emergência de resistência bacteriana Essas estratégias de dosagem promovem outros benefícios em termos de farmacoeconomia,, tais como: Melhora mais rápida r nos sinais e sintomas da infecção Redução na quantidade de droga requerida no período de 24 horas Kuti et al., 2002

9 PK PD Historical Aspect Pharmacokinetic-pharmacodynamic (PK-PD) PD) concepts were initially identified in the 1940s d 1950s by Harry Eagle, M.D.,, the founding father of the field. Through experiments conducted in rodents, Dr. Eagle identified the time-dependent pattern of penicillin bactericidal activity (Eagle et al., 1950)

10 PK - PD The full significance of Dr. Eagle s s investigations not appreciated until many years later. During the late 1970s through the early 1990s, PK-PD PD concepts were re-discovered and expanded upon through numerous elegantly designed rodent experiments conducted by Dr. William A. Craig,, among others. (Craig, 1998; Dudley et al., 2000; Nightingale et al., 2002).

11 Farmacologia Clínica A farmacologia de antimicrobianos é diferenciada, em que o alvo para o antibiótico tico não é apenas um sítio s de ação no nosso organismo, mas uma entidade inteiramente separada chamada microrganismo. A resposta do paciente aos antibióticos ticos não é apenas atribuída à interação hospedeiro-droga droga,, como em muitos outros medicamentos, mas ao decréscimo do número n de unidades formadoras de colônias bacterianas como resultado da terapia antimicrobiana. (Nightingale et al., 2002; )

12 PHARMACODYNAMIC (PD) - The discipline of studying the interation betwen antibiotics and their efects on pathogens is refered to as antimicrobial pharmacodynamics,, and this term is used to reflect the relationship between measurements of drug exposure in serum, tissues and body fluids and the pharmacological and toxicological effects of drugs. - (Nightingale et al., 2002; Quintiliani,, 2004).

13 Antimicrobial Pharmacodynamics a) establishing newer optimal dosing regimens for currently availble drugs; b) developing new antimicrobials and new formulations; c) establishing susceptibility breakpoints, and d) formulating guidelines for empirical theraphy of infections.

14 Farmacodinâmica: PD Estuda o metabolismo da droga no organismo, correlaciona a concentração da droga com seu efeito farmacológico ou eficácia cia clínica

15 Farmacocinética tica: : PK Avalia o nível n de absorção ão, distribuição ão, metabolismo e a excreção da droga, determinando ndo a dose requerida para que seja atingida o nível n adequado no local da infecção.

16 Pharmacokinetics (PK) Pharmacokinetics includes the study of absorption, distribution, metabolism and elimination on the ative concentration of antimicrobial agents in blood and other fluids as well as in the tissues were infection may be develop. Traditional PK studies examine the time course of drug concentration in serum. (Craig,, 1998, Nightingale et al, 1992).

17 Farmacocinética tica - Para antimicrobianos de administração oral é muito importante conhecer a biodisponibilidade absoluta e a variabilidade da absorção digestiva. Sendo necessário dispor de informações sobre a concentração sérica maxima (Cmax max) após s a administração de uma determinada dose, o tempo requerido para alcançar ar o nível n sérico maximo (Tmax), a meia vida plasmática (t1/2 ),, taxa de ligação com proteínas e a difusão em diferentes tecidos e líquidos. l

18 Terminologia Relação AUC / MIC é calculado pela divisão da área abaixo da curva (AUC) pela concentração inibitória mínima m (MIC). Constitui o parâmetro farmacodinâmico mais utilizado para correlacionar a exposição com o efeito de algumas drogas concentração ão-dependentes tais como: fluoroquinolonas, daptomicina e tigerciclina.

19 Terminologia Bacteriostático tico / Bactericida AUC f = fração livre da droga (unbound( unbound) Cmax max = Pico (peak( peak), valor máximo m de concentração Tmax = tempo máximo m para obtenção da Cmax Vd = volume de distribuição Biodisponibilidade = quantidade de droga ativa que atinge a circulação sistêmica

20 Terminologia Meia Vida (half( half-time = t1/2t /2) - período de tempo requerido para que a quantidade ou concentração da droga seja reduzida à metade. Efeito pós p s Antibiótico tico (PAE) é a supressão persistente do re-crescimento bacteriano após s exposição a um agente antimicrobiano. Geralmente é menor ou inexistente em drogas que agem na parede celular.

21 Terminologia Área abaixo da curva (AUC) parâmetro farmacocinético comum calculado multiplicando a concentração da droga (em um compartimento) pelo intervalo de tempo. Representa a comparação do tempo total de exposição, usualmente calculado com base no intervalo das doses em 24 horas (24AUC)

22 f = fração livre da droga (unbound( unbound) A taxa de ligação das proteínas é considerada um importante parâmetro de comparação dos antimicrobianos: a) Somente a fração livre exerce efeito antibiótico tico e é capaz de difundir no espaço o extra-vascular (tecidual). b) A taxa de ligação pode diminuir o nível n de eliminação da droga aumentando a meia vida (t1/2(t ), e prolongando o intervalo das doses.

23 Drogas Concentração ão-dependentes Aumentando a concentração (Cmax max) acima da concentração mínima necessária (CIM) para inibir o crescimento bacteriano (Cmax max/mic) maximiza a eradicação bacteriana. Em doses padronizadas os drogas concentração dependentes são: Aminoglicosídeos deos, Fluoroquinolonas, Metronidazol e Colistina (LI et al., 2001; CRAIG, 2002).

24 Drogas Tempo-dependentes As drogas exibem atividade bactericida quando a concentração livre da droga permanece acima da MIC (f T>MIC) durante determinado tempo. a) Beta-lactams (penicillinas, cefalosporinas, monobactamicos, carbapenemicos); b) Lincosaminas Lincosaminas (clindamicina); c) Macrolideos (eritromicina eritromicina, clarithromycin); d) Azalideos / Ketolideos (azitromicina e) Glicopeptides Glicopeptides (vancomicina); f) Oxazolidinonas (linezolida) azitromicina, telitromicina);

25 Tabela I : Antimicrobial pharmacodynamic parameters predictive of therapeutic outcome arameters orrelating ith efficacy C max /MIC AUC/MIC T > MIC Examples Aminoglycosides Fluoroquinolones (Azalides) Azithromycin Fluoroquinolones Ketolides (Telithromycin) linezolid, daptomycin β-lactams (Penicilins( Penicilins, Carbapenems, Cephalosporins) Macrolides (Clarhitromycin, Erithromycin) Oxazolidinones (Linezolid Organism kill Concentration- dependent Concentration- dependent Time-dependent herapeutic goal Maximize exposure Maximize exposure Optimize duration of exposure max = maximum plasma concentration; MIC = minimum inibitory concentration; T = time UC = area under the plasma concentration-time time curve; eferences: Drusano,, et al., 1997; Drusano,, et al., 1998; Craig, 1998; DeRike, 2006

26 L.Santos Farmacodinâmica: parâmetros CMAXMAX AUC = área sob a curva, concentração da droga com relação ao tempo Cmax = concentração máximam Tmaxmax = tempo máximom 0,75 0,1 T>CIM AUC T>MIC = tempo acima da MIC CIM Conc TMAXMAX Tempo

27 L.Santos Farmacodinâmica: parâmetros CMAX AUC = área sob a curva, concentração da droga com relação ao tempo Cmax = concentração máximam Tmax = tempo máximom 0,75 0,1 T>CIM AUC T>MIC = tempo acima da MIC CIM Conc TMAX Tempo

28 Table II: Comparisons between quinopristin-dalfopristin, linezolid, and daptomycin Agent Dosage oute of administration Dosage adjustments Volume of distribution (L/Kg) Protein binding Elimination half-life life armacodynamic preditor Cidality Adverse effects Significant interactions Cost-day 1 quinopristin-dalfopristin 7,5 mg/kg q8h or 7,5 mg/kg q12h i.v. None required for renal impairement No data avaiable for hepatic insufficiency Quinopristin: : 0,45 Dalfopristin: : 0,24 Quinopristin: : = Dalfopristin = Quinopristin = 0,9-1,1 Dalfopristin = 0,4-7 Concentration dependent Cidal except against enterococci Venous events, myalgias Inibits cytocrome P450 3A4 metabolism $ linezolid 600 mg q12h or 400 mg q12h i.v. or p.o. None required for renal or hepatic impairement 0, Concentration independent Static except against penicillin-susceptible Myelosupression None p.o. $129, i.v. = $ 170 daptomycin 4 mg/kg q12h i.v Cl CR 30ml/min: min: increase doseing interval to q48h None required for hepatic impairemen 0, Concentration dependent Cidal against all strains Creatinine kinase elevations None $ 168

29 Implications of PK/PD Properties on Dosing Pattern of activity Concentration-dependent killing and moderate-to to-prolonged persistent effects Time-dependent killing and minimal-to to-no persistent effects Time-dependent killing and moderate-to to-prolonged persistent effects Drugs Aminoglycosides Daptomycin Ketolides Quinolones All ß-lactams Azithromycin Clindamycin Glycopeptides Linezolid Macrolides Tetracyclines Goal of therapy Enhance concentrations Enhance duration of exposure Enhance amount of drug AUC=area under the plasma-concentration curve; MIC=minimal inhibitory concentration; PK= pharmacokinetics; PD=pharmacodynamics Major PK/PD parameters 24-h h AUC-MIC Peak-MIC Time above MIC 24-h h AUC-MIC Craig WA. Infect Dis Clin North Am. 2003;17:

30 Empiric Use of β-lactams for the Hospitalized CAP Patient Spectrum of Activity Penicillin G Antimicrobial Ceftriaxone & cefotaxime Advantage(s) Considered parenteral drugs of choice for CAP (susceptible strains of S. S pneumoniae) Active in vitro against 90%- 95% of S. pneumoniae,, also active against H. influenzae and methicillin-susceptible S. aureus Preferred agent (along with ceftriaxone, cefotaxime, and amoxicillin) for proven penicillin-susceptible strains of S. pneumoniae Extensive published experience documents clinical efficacy Disadvantage(s) Not active against atypicals Retrospective analysis showed higher mortality for cephalosporins alone than for cephalosporins plus macrolides or fluoroquinolones alone Limited spectrum of activity against common pulmonary pathogens other than S. pneumoniae Mandell LA, et al. Clin Infect Dis. 2003;37:

31 50 Penicillin-resistant S. pneumoniae in vitro Is Common1,2 S. pneumoniae resistance rate (%) Respiratory season Intermediate (MIC µg/ml) Resistant (MIC >2 µg/ml) 1. Alexander Project Available at Accessed July 11, Data on file (PROTEKT US Study Report ). Farrell DJ, et al. Emerg Infect Dis. 2005;11(6):851-8.

32

33 Optimizing the Antimicrobial Treatments Using Pharmacokinetics and Pharmacodynamic Principles Santos Filho, L. 1, Kuti,, J.l. 2, Nicolau, D.P. 2 1 Pharmacy Department/ Clinical Microbiology Laboratory, Federal University of Paraiba, Brazil 2 Center for Anti-Infective Research and Development, Hartford Hospital, Hartford CT, USA

34 Simulação de Monte Carlo Mais recentemente,, o uso de modelos não clínicos de infecção incorporando conceitos de PK-PD PD e técnicas de Simulação de Monte Carlo têm refinado o paradigma da avaliação de compostos antimicrobianos. (Ambrose et al., 2000; Dudley et al. 2000; Drusano et al., 2001).

35 Simulação de Monte Carlo Dados de PK data derivados de populações de pacientes combinado com a distribuição da MIC capaz de eliminar os organismos alvo podem ser usados com dados de PD para predizer o sucesso clínico e microbiológico gico. Esta técnica tem sido utilizada para escolher regimes de tratamento para uma melhor evolução clínica do paciente, assim como auxiliar na tentativa de estabelecer novos break points de susceptibilidade. (Bradley et al., 2003; Mouton et al., 2004).

36 Monte Carlo Simulation Probability of Target Attainment (PTA) is the probability that a given drug/dose dose will achieve its pharmacodynamic target at a given MIC. Cumulative Fraction of Response (CFR): predict the percentage of population likely to achieve the PD target by analizing the regimen s PTA with respects the MICs of an actual population of isolates.

37 Addressing Resistance Evolution in Pseudomonas aeruginosa Using Pharmacodynamic Modeling: Application to Meropenem Dosage and Combination Therapy Santos Filho,, Lauro1; Eagye,, Kathryn J.2; Kuti,, Joseph L.2; ; Nicolau, David P.2,3 1 Pharmacy Department/Clinical Microbiology Laboratory, Federal University of Paraiba, Brazil; 2 Center for Anti-Infective Research and Development, 3 Division of Infectious Diseases, Hartford Hospital, Connecticut USA

38 Table 1 MIC 50, MIC 90 and percent susceptibility for 208 isolates of P. aeruginosa. Compound MIC 50 MIC 90 % Susceptibility Cefepime Ceftazidime Ciprofloxacin Gentamicin Levofloxacin Meropenem Piperacillin/Tazobactam Tobramycin

39 Table 2. Cumulative fraction of response at bacteriostatic,, bactericidal and suppressive pharmacodynamic targets for meropenem against isolates of P. aeruginosa collected from various anatomic sites. CFR (%) Suppressive CFR (%) Meropenem Regimen Bacteriostatic a Bactericidal b Monotherapeutic c Combination d 1g q8h g q8h g q8h-3hr INF g q8h-3hr INF a CFR were calculated at 20% ft >MIC (vs. 208 isolates) b CFR were calculated at 40% ft >MIC (vs. 208 isolates) c CFR were calculated at C MIN /MIC > 6.2 (vs. 146 susceptible isolates) d CFR were calculated at C MIN /MIC > 1.7 (vs. 146 susceptible isolates)

40 Table 3. Cumulative fraction of bacteriostatic and bactericidal response for meropenem against P. aeruginosa collected from different body sites. Respiratory (n=107) Wounds (n=25) Urine (n=64) Meropenem Regimen Static CFR a (%) Cidal CFR b (%) Static CFR a (%) Cidal CFR b (%) Static CFR a (%) Cidal CFR b (%) 1g q8h g q8h g q8h-3hr INF g q8h-3hr INF a CFR were calculated at 20% ft b CFR were calculated at 40% ft ft >MIC ft >MIC

41 Figure 2. Probability of bactericidal target attainment of various regimens of meropenem when the target is 40% ft ft >MIC. Meropenem PTA at 40%T>MIC Figure 3. Probability of bacteriostatic target attainment of various regimens of meropenem when the target is 20% ft ft >MIC. Meropenem PTA at 20%T>MIC Probability of Target Attainment MIC Probability of Target Attainment MIC Meropenem 1000mg q8h Meropenem 2000mg q8h Meropenem 1000mg q8h-3hr INF. Meropenem 2000mg q8h-3hr INF. Meropenem 1000mg q8h Meropenem 2000mg q8h Meropenem 1000mg q8h-3hr INF. Meropenem 2000mg q8h-3hr INF. Figure 4. Probability of target attainment of various regimens of meropenem when the target is C MIN /MIC of > 6.2. Meropenem PTA at 6.2 Cmin/MIC Figure 5. Probability of target attainment of various regimens of meropenem when the target is C MIN /MIC of > 1.7. Meropenem PTA at 1.7 Cmin/MIC MIC MIC Meropenem 1000mg q8h Meropenem 2000mg q8h Meropenem 1000mg q8h-3hr INF. Meropenem 2000mg q8h-3hr INF. Meropenem 1000mg q8h Meropenem 2000mg q8h Meropenem 1000mg q8h-3hr INF. Meropenem 2000mg q8h-3hr INF.

42 Resultados Clínicos: Sucesso ou Falha São avaliados pela taxa de resposta (normalização da temperatura ou contagem de leucócitos) citos) Sucesso - solução completa ou parcial dos sinais agudos e sintomas no final do tratamento com antibiótico tico ou na alta, o que ocorrer primeiro. Parcial se aplica a pacientes que permanecem com c infecção mas demonstram melhora nos sinais e sintomas, ou pacientes que foram a óbito por outras causas que não a infecção. Falha inclui as seguintes situações: persistência ou progressão dos sinais e sintomas, presença a de superinfecção com necessidade de antibióticos ticos concomitantes ou alternativos, intolerância à droga utilizada ou, morte em decorrência da infecção.

43 Resultados Microbiológicos Inclui infecão erradicada ou presumidamente erradicada. Considerando erradicação como a eliminação do organismos original do sitio primário rio de isolamento durante, ou ao final da terapia antimicrobiana. Eradicação Presumida: definida como ausência de fluido ou secreção para cultura, ou avaliação de acompanhamento, associado com melhora do paciente. Falha Microbiológica: pacientes com infecção persistente (presença a do MO original a partir do sítio s primário, rio, desenvolvimento de resistência por um patógeno inicialmente sensível) ou superinfecção (segundo patógeno geno).

44 Testes de Sensibilidade - Antibiograma Difusão / Diluição / E-test

45 Triagem da Resistência: Kirby Bauer

46 Avaliação de Antimicrobianos

47 Microbiologia Clínica Aplicação de Conceitos de PK-PD PD Durante os últimos anos estamos assistindo a diversos processos que podem condicionar o futuro da Microbiologia Clínica e dos laboratórios rios de diagnostico microbiológico (ROBINSON et al., 1999). O microbiologista deve definir sua posição, aprofundar sua atividade e dar um maior valor aos resultados que diariamente fornece aos clínicos que estão em contato direto com os pacientes.

48 Microbiologia Clínica Neste contexto se insere a leitura interpretada do antibiograma, e de sua utilização derivam aspectos relevantes como: 1. melhor utilização dos antimicrobianos, 2. vigilância e controle do aparecimento e disseminação de resistência aos antimicrobianos 3. Consequentemente, um melhor manejo das doenças infecciosas.

49 Leitura Interpretada do Antibiograma Na década d de 70` e 80`, muitos laboratórios rios começaram a analisar de maneira sistemática tica os dados de sensibilidade, tratando de comparar seus resultados com os possíveis mecanismos de resistência. Permitindo detectar e identificar presuntivamente alguns mecanismos de resistência mais comuns ou conhecidos na época.

50 Leitura Interpretada do Antibiograma Esse processo foi denominado Leitura Interpretada do Antibiograma e se fundamentou no conhecimento molecular dos mecanismos de resistência e na interpretação terapêutica das provas de sensibilidade in vitro com a finalidade principal de melhorar a terapia antimicrobiana Courvalin,, 1992.

51 Leitura Interpretada do Antibiograma Em paralelo, se desenvolveram métodos m automatizados com finalidade de simplificar o processo e promover uma melhor reprodutibilidade na metodologia. Livermore et al., 2002.

52 Leitura Interpretada do Antibiograma Sem dúvida, d a próxima etapa de rotina será a convergência com os diferentes sistemas de tipagem epidemiológica com base molecular, para estabelecer a clonalidade dos isolamentos estudados, simultaneamente com os mecanismos de resistência. Em paralelo a interpretação do antibiograma pasa a ter um componente farmacológico utilizando conceitos de PK PD dos antimicrobianos testados.

53 Leitura Interpretada do Antibiograma: Uma Nova Abordagem Utilizando Aspectos Farmacocinéticos e Farmacodinâmicos Interpretive Reading of the Antibiogram: A new Approach Using Pharmacokinetics and Pharmacodynamics Concepts Santos Filho, L.1; Kuti,, J.L.2; ; Nicolau, D.P.2 Departamento de Ciencias Farmacêuticas / Disciplina Microbiologia Clinica, Universidade Federal da Paraiba, Brasil 1 Center for Anti-Infective Research and Development, Hartford Hospital, Hartford Connecticut, USA 2

54 Tabela I - Alguns exemplos da leitura interpretada do antibiograma e das modificaçõe realizadas na interpretação dos resultados. icrorganismo Fenótipo Observado Provável vel Mecanismo de Resistência Mudanças as na Interpretação e Implicações Terapêuticas nterobactérias rias Sinergia de Ac. Clavulanico e Cefalosporinas de 3 a Geração Beta lactamase de Espectro Ampliado ESBL Resistência a todas cefalosporinas P. aeruginosa Sinergia Imipenem e EDTA Metalo-betalactamase Resistência a carbapenems H. influenzae Ac. Nalidixico R Mutações em gyra ± parc Perda de sensibilidade às quinolonas Estafilococos Oxacilina R PBP2a Resistência a todos os beta-lactâmicos Enterococos Vancomicina R Teicoplannina R vanb Evitar o uso de glicopéptidios ptidios. pneumoniae Oxacilina R PBP modificada Possivel resistência a penicilinas e cefalosporinas de 1 a e 2 a geração

55 Requisitos Necessários para a Leitura Interpretada Identificação previa ou simultânea do microrganismo estudado Análise do conjunto dos resultados das provas de sensibilidade Utilização de antibióticos ticos marcadores ou indicadores de resistência Conhecimento da epidemiologia local com relação a resistência a antimicrobianos

56 Vantagens da Leitura Interpretada Detecção de novos mecanismos de resistência Análise epidemiológica da resistência bacteriana Adequação dos tratamentos antimicrobianos com a política de controle Melhoria da qualidade do antibiograma

57 PROTEKT Study Centers (n=72) in anada (7) USA (9) Mexico (4) Brazil (6) Germany (8) Netherlands (1) Eire (1) France (4) UK (2) Sweden (1) Poland (1) Hungary(1) Portugal (2) Spain (2) Turkey (2) Switzerland (3) Austria (1) Italy (2) China (1) Japan (6 S Korea(2 Hong Kong ( Indonesia (1) Argentina (2) Australia (2)

58 PROTEKT : S pneumoniae PenI and PenR (n=2817) Intermediate (MIC µg/ml), resistant (MIC 2.0 µg/ml) Canada 10.8%, 10.3% USA 9.6%, 31.1% Intermediate + resistant <10% 10-20% 20-30% 30-40% 40-50% >50% No data Mexico 33.4%, 23.6% Brazil 38.7%, 7.8% Argentina 10.9%, 16.4% South Korea 10.6%, 69.9% Japan 19.1%, 46.5% Hong Kong 1.4%, 67.1% Australia 15.8%, 4.4%

59 PROTEKT : S pneumoniae Macrolide Resistance (n=2817) Erythromycin resistance (MIC 1.0 µg/ml) Canada 16.3% USA 30.0% <10% 10-20% 20-30% 30-40% 40-50% >50% No data Mexico 28.6% Brazil 7.8% Argentina 10.9% South Korea 86.2% Australia 12.3% Japan 80.2% Hong Kong 72.9% PROTEKT Study Data

60 Bibliografia: LINN, E. Review of Pharmacokinetics and Pharmacodynamics of Antimicrobial Agents. Mayo Clin. Proc.. 73: , 1122, NIGHTINGALE, C.H., MURAKAWA, T., AMBROSE, P.G. (Eds.) (2002) Antimicrobial Pharmacodynamics in the Theory and Clinical Practice.. Marcel Dekker, Inc. New York, NY., USA, EBERT, S.C. Application of pharmacokinetics and pharmacodynamics to antibiotic selection. Pharmacy and Therapeutics.. 29: , 253, 2004.

61

62 enter of Anti-Infective Research and Development CAIRD Hartford Hospital Connecticut USA

1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO

1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO 1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO Antimicrobianos antimicrobiano (anti+microbiano) Que extermina micróbios ou impede sua proliferação antibiótico (anti+bio+t+ico)

Leia mais

Tratamento das Infecções Causadas por Enterobactérias Produtoras de ESBL - Implicações das Novas Recomendações do CLSI (2010)

Tratamento das Infecções Causadas por Enterobactérias Produtoras de ESBL - Implicações das Novas Recomendações do CLSI (2010) 1 Tratamento das Infecções Causadas por Enterobactérias Produtoras de ESBL - Implicações das Novas Recomendações do CLSI (2010) As betalactamases de espectro ampliado ou estendido (ESBL) recebem esta denominação

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO MSC INES STRANIERI LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER - HUJM UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO - UFMT

Leia mais

Dra. Thaís Guimarães

Dra. Thaís Guimarães Dra. Thaís Guimarães ANTIMICROBIANOS Produtos capazes de destruir microorganismos ou de suprimir sua multiplicação ou crescimento. Antibióticos = produzidos por microorganismos Quimioterápicos = sintetizados

Leia mais

ESPECTRO AMPLIADO (ESBL)

ESPECTRO AMPLIADO (ESBL) Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 6, n. 1, 2005. 45 PREVALÊNCIA DE BETA LACTAMASES DE ESPECTRO AMPLIADO (ESBL) EM ENTEROBACTÉRIAS ISOLADAS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES

Leia mais

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos?

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Dra. Vanessa Schultz Médica Infectologista Especialização em Gestão de Risco Hospitalar Coordenadora do SCIH do Hospital Mãe de Deus Canoas Não possuo;

Leia mais

Microbiologia no controlo e prevenção de IACS. Valquíria Alves Viana do Castelo 2014

Microbiologia no controlo e prevenção de IACS. Valquíria Alves Viana do Castelo 2014 Microbiologia no controlo e prevenção de IACS Valquíria Alves Viana do Castelo 2014 Microbiologia: Componente essencial em qualquer Programa de Controlo de Infecção PPCIRA 2013 Clinical Microbiology and

Leia mais

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 Antibioticoterapia NA UTI Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 O uso racional de Antimicrobianos 1) Qual antibiótico devo escolher? 2) Antibióticos dão reações alérgicas? 3) Vírus fica bom com antibiótico?????????

Leia mais

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde I - RESUMO EXECUTIVO Responsáveis: - Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de

Leia mais

3. Administre antibióticos de amplo espectro, de preferência bactericidas, em dose máxima e sem correção de dose para insuficiência renal ou

3. Administre antibióticos de amplo espectro, de preferência bactericidas, em dose máxima e sem correção de dose para insuficiência renal ou ATENÇÃO O ILAS disponibiliza esse guia apenas como sugestão de formato a ser utilizado. As medicações aqui sugeridas podem não ser adequadas ao perfil de resistência de sua instituição. GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA

Leia mais

Resistência Microbiana e Registro de Medicamentos GGMED/ANVISA

Resistência Microbiana e Registro de Medicamentos GGMED/ANVISA Resistência Microbiana e Registro de Medicamentos GGMED/ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Definições Resistência Microbiana: : capacidade dos microorganismos (especialmente

Leia mais

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL 1 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II - NOTIFICAÇÃO... 3 1. Vigilância / Requerimentos...

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS APLICADAS À FARMÁCIA Perfil de Sensibilidade de Staphylococcus aureus e conduta terapêutica em UTI adulto de Hospital Universitário

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina Preâmbulo: Vancomicina é um glicopeptídeo que tem uma ação bactericida por inibir

Leia mais

Terapia antimicrobiana nas infecções do pé diabético

Terapia antimicrobiana nas infecções do pé diabético J Vasc Br 2003, Vol. 2, Nº1 61 SIMPÓSIO PÉ DIABÉTICO Terapia antimicrobiana nas infecções do pé diabético Antimicrobial therapy in diabetic foot infections Hélio S. Sader 1, Anaí Durazzo 2 O paciente diabético

Leia mais

Dr. Pedro F. Del Peloso, Laboratório Richet» Página 11. Introdução. Prezado Cliente MicroScan,

Dr. Pedro F. Del Peloso, Laboratório Richet» Página 11. Introdução. Prezado Cliente MicroScan, MicroFocus Uma Análise Macro de Assuntos de Micro Novembro/2009 - Fevereiro/2010 www.siemens.com.br Índice 02 Microbiologia Clínica e Atenção Farmacêutica na Antibioticoterapia 09 Uso de Painéis Convencionais

Leia mais

Terapia Antimicrobiana 1 e 2 de setembro de 2015. Para os animais. pela saúde. por você.

Terapia Antimicrobiana 1 e 2 de setembro de 2015. Para os animais. pela saúde. por você. II SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Terapia Antimicrobiana 1 e 2 de setembro de 2015 Para os animais. pela saúde. por você. O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas durante o

Leia mais

Protocolo Assistencial de Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Adultos

Protocolo Assistencial de Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Adultos 1/8 Fluxograma 2/8 Medidas de Prevenção BUNDLE DE PREVENÇÃO: 1. Higienização das mãos conforme os 5 momentos preconizados pela OMS. A meta de higiene de mãos é de 75% de adesão. 2. Manter pacientes em

Leia mais

Inovações Métodos Analíticos - Microbiologia. Gabriel T. Luiz Outubro/2012

Inovações Métodos Analíticos - Microbiologia. Gabriel T. Luiz Outubro/2012 Inovações Métodos Analíticos - Microbiologia Gabriel T. Luiz Outubro/2012 Sistema MICROSCAN Siemens Healthcare Diagnostics 2012 Siemens Healthcare Diagnostics. All rights reserved PAINÉIS ANALISADORES

Leia mais

Novidades no Antibiograma para a Prática Clínica. Tereza Bandeira Faculdade de Medicina - Unichristus LabPasteur - DASA tereza.bandeira@dasa.com.

Novidades no Antibiograma para a Prática Clínica. Tereza Bandeira Faculdade de Medicina - Unichristus LabPasteur - DASA tereza.bandeira@dasa.com. Novidades no Antibiograma para a Prática Clínica Tereza Bandeira Faculdade de Medicina - Unichristus LabPasteur - DASA tereza.bandeira@dasa.com.br Agência Reguladoras Internacionais Criar e Reavaliar os

Leia mais

Estratégias de redução do uso de animais em estudos pré-clínicos. Carlos Kiffer Larissa Fontes Generoso

Estratégias de redução do uso de animais em estudos pré-clínicos. Carlos Kiffer Larissa Fontes Generoso Estratégias de redução do uso de animais em estudos pré-clínicos Carlos Kiffer Larissa Fontes Generoso Introdução Desenvolvimento de produtos farmacêuticos e biotecnológicos: SEGURO EFICAZ Desenvolvimento

Leia mais

sexualmente transmissíveis, traqueobronquites,

sexualmente transmissíveis, traqueobronquites, Uso de antimicrobianos em clínica médica The use of anti-microbials in general practice BEATRIZ GRAEFF SANTOS SELIG- MAN Médica Internista, Especialista em Nefrologia e Mestre em Clínica Médica pela UFRGS.

Leia mais

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus

INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus INFECÇÃO POR Staphylococcus aureus Atualmente no HUCFF quase 100% das amostras de MRSA isoladas em infecções hospitalares apresentam o fenótipo de CA-MRSA (S. aureus resistente a oxacilina adquirido na

Leia mais

Mecanismos de Aquisição de Resistência Bacteriana Antimicrobianos.

Mecanismos de Aquisição de Resistência Bacteriana Antimicrobianos. Mecanismos de Aquisição de Resistência Bacteriana a Disciplinae IOSHIE IBARA TANAKA Antimicrobianos. Serviçode Microbiologia -2005 Como as bactérias vêm ao mundo? Por divisão binária da célula-mãe; Tempo

Leia mais

Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna e não é diabética.

Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna e não é diabética. REVISÃO INTEGRADA DOS ANTIBACTERIANOS Casos clínicos Caso 1 infecções da pele Doente do sexo feminino, obesa, com 60 anos apresenta insuficiência venosa crónica, febre, sinais inflamatórios numa perna

Leia mais

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR Cecília Santana Bala Pereira Discente do Curso de Farmácia da Universidade Severino Sombra, Vassouras/RJ,

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle *

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, dezembro de 2010. Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * Embora o controle

Leia mais

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Informações do Sistema de Notificação Estadual de Infecções Hospitalares de Mato Grosso Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Indicadores de IH Sistema

Leia mais

Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Adultos

Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Adultos 1/5 Fluxograma Febre Temperatura axila 38 C Leucocitose Leucócitos 11.000 céls./mm3 Suspeita Clínica: Infiltrado pulmonar novo, iniciado há mais de 48hs após início de ventilação mecânica, na presença

Leia mais

Resistência aos Antimicrobianos em Infecção do Trato Urinário Comunitária. Rubens Dias Instituto Biomédico, UNIRIO

Resistência aos Antimicrobianos em Infecção do Trato Urinário Comunitária. Rubens Dias Instituto Biomédico, UNIRIO Resistência aos Antimicrobianos em Infecção do Trato Urinário Comunitária Rubens Dias Instituto Biomédico, UNIRIO FREQUÊNCIA ELEVADA DE ITU IMPORTÂNCIA Infecção bacteriana mais frequente na comunidade

Leia mais

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo? 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE CENTRO UNIVERSITÁRIO AMPARENSE - UNIFIA

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE CENTRO UNIVERSITÁRIO AMPARENSE - UNIFIA TRATAMENTO AGUDO DA PIELONEFRITE POR ESCHERICHIA COLI EM GESTANTES. TREATMENT OF ACUTE PYELONEPHRITIS ESCHERICHIA COLI IN PREGNANCY. Danielle Souza Oliveira 2 ; João Victor Fornari 1 ; Daniele Rodrigues

Leia mais

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM ROGA IALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS Administrar a dose pós-diálise ou administrar 2 / 3 da dose normal como dose suplementar pós-diálise; acompanhar os níveis. AMICACINA P: dosar assim como o Cl

Leia mais

Estratégia de economia nos serviços de saúde através da terapia sequencial antimicrobiana.

Estratégia de economia nos serviços de saúde através da terapia sequencial antimicrobiana. Estratégia de economia nos serviços de saúde através da terapia sequencial antimicrobiana. Cláudia Aparecida Avelar Ferreira 1, Bruno Luttembarck Barreto Vianna 2 Justificativa A tendência mundial pelo

Leia mais

STAPHYLOCOCCUS AUREUS RESISTENTES EM ANIMAIS DE COMPANHIA

STAPHYLOCOCCUS AUREUS RESISTENTES EM ANIMAIS DE COMPANHIA Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 16, n. 16, p. 95 101 STAPHYLOCOCCUS AUREUS RESISTENTES EM ANIMAIS DE COMPANHIA FREITAS, Adriano Biase de 1 PEREIRA, Jeane Quintiliano 2 TEIXEIRA, Daniel Ribeiro

Leia mais

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa

Uso de antibióticos no tratamento das feridas. Dra Tâmea Pôssa Uso de antibióticos no tratamento das feridas Dra Tâmea Pôssa Ferida infectada Ruptura da integridade da pele, quebra da barreira de proteção Início do processo inflamatório: Dor Hiperemia Edema Aumento

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) *

AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) * AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) * Silvana de Lima Vieira dos SANTOS¹ ; Maria Márcia BACHION¹

Leia mais

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves PROFILAXIA CIRÚRGICA Valquíria Alves INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO (ILC) Placeholder for your own subheadline A infecção do local cirúrgico (ILC) é uma complicação comum da cirurgia, com taxas de incidência

Leia mais

NEW DELHI METALO-BETA-LACTAMASE NDM. Marcelo Pillonetto LACEN/PR Curitiba, 04 de julho de 2013

NEW DELHI METALO-BETA-LACTAMASE NDM. Marcelo Pillonetto LACEN/PR Curitiba, 04 de julho de 2013 NEW DELHI METALO-BETA-LACTAMASE NDM Marcelo Pillonetto LACEN/PR Curitiba, 04 de julho de 2013 Resistência Bacteriana Previa ao uso de antimicrobianos Resistência intrínseca Resistência adquirida S.aureus

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter spp: mecanismos de resistência e aspectos para a terapia. Beatriz M Moreira

Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter spp: mecanismos de resistência e aspectos para a terapia. Beatriz M Moreira Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter spp: mecanismos de resistência e aspectos para a terapia Beatriz M Moreira Bactérias Gram-negativas nãofermentadores Pequena exigência nutricional amplamente encontrados

Leia mais

ABSTRACT RESUMO ORIGINAL ARTICLE / ARTIGO ORIGINAL

ABSTRACT RESUMO ORIGINAL ARTICLE / ARTIGO ORIGINAL ABSTRACT ORIGINAL ARTICLE / ARTIGO ORIGINAL Resistance of Streptococcus pyogenes to macrolides and penicillin in a paediatric population Resistência do Streptococcus pyogenes aos macrólidos e à penicilina

Leia mais

Pneumococo resistente à penicilina: implicações práticas

Pneumococo resistente à penicilina: implicações práticas S74 Jornal de Pediatria - Vol. 75, Supl.1, 1999 0021-7557/99/75-Supl.1/S74 Jornal de Pediatria Copyright 1999 by Sociedade Brasileira de Pediatria ARTIGO DE REVISÃO Pneumococo resistente à penicilina:

Leia mais

ISOLAMENTO DE Serratia marcescens PRODUTORA DE IMP E KPC: RELATO DE CASO

ISOLAMENTO DE Serratia marcescens PRODUTORA DE IMP E KPC: RELATO DE CASO ISOLAMENTO DE Serratia marcescens PRODUTORA DE IMP E KPC: RELATO DE CASO Tháigor Rezek Varella 1, Kesia Esther da Silva 2, Mariana Garcia Croda 3, Cecília Godoy Carvalhaes 4, Ana Cristina Gales 4, Simone

Leia mais

STAPHYLOCOCCUS AUREUS RESISTENTES (MARSA) ISOLADOS EM PSITACÍDEOS

STAPHYLOCOCCUS AUREUS RESISTENTES (MARSA) ISOLADOS EM PSITACÍDEOS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 129 133 STAPHYLOCOCCUS AUREUS RESISTENTES (MARSA) ISOLADOS EM PSITACÍDEOS MARQUES, Daniel dos Santos Melo 1 MOURA, Marcos de Assis 2 BALTHAZAR,

Leia mais

Avaliação da qualidade dos discos com antimicrobianos para testes de disco-difusão disponíveis comercialmente no Brasil

Avaliação da qualidade dos discos com antimicrobianos para testes de disco-difusão disponíveis comercialmente no Brasil ARTIGO ORIGINAL 0RIGINAL PAPER Avaliação da qualidade dos discos com antimicrobianos para testes de disco-difusão disponíveis comercialmente no Brasil Recebido em 29/10/01 Aceito para publicação em 25/06/02

Leia mais

Uma Breve História do Antibiótico. Germano do Carmo

Uma Breve História do Antibiótico. Germano do Carmo Uma Breve História do Antibiótico Germano do Carmo Da Utopia dos Primórdios à Realidade dos Nossos Dias No princípio era o verbo... Antigo Testamento -A Praga de Justiniano de 541 a 750 dc, matou entre

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: FARMACOLOGIA BÁSICA Código: ODO-015 CH Total: 60 horas Pré-requisito:

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Médico assessor e sócio do Grupo Fleury

Declaração de Conflitos de Interesse. Médico assessor e sócio do Grupo Fleury Declaração de Conflitos de Interesse Médico assessor e sócio do Grupo Fleury ASESORIA MÉDICA INDO ALÉM NAS DOENÇAS INFECIOSAS C F H G Assessor Médico Fleury Medicina Diagnóstica POR QUE FAZER ASSESSORIA

Leia mais

Estimativa do número de casos no Brasil. A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação. Os casos de doença meningocócica

Estimativa do número de casos no Brasil. A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação. Os casos de doença meningocócica Antibioticoterapia das meningites bacterianas ❶ Importância do tema Estimativa do número de casos no Brasil A diminuição do Haemophylus influenzae com a vacinação Os casos de doença meningocócica Alterações

Leia mais

Tratamento das infecções por gram -

Tratamento das infecções por gram - V Congresso Norte Nordeste De Infectologia DEFAFIO NA TERAPIA ANTIMICROBIANA ATUAL Tratamento das infecções por gram - Cristiano Melo Gamba Médico Infectologista Hospital do Servidor Público Estadual SP

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br EXEMPLOS DE ESQUEMAS COMPARTIMENTAIS DO CORPO TGI COMPARTIMENTO CENTRAL CÉREBRO FÍGADO ELIMINAÇÃO METABÓLICA EXCREÇÃO RENAL OUTROS

Leia mais

DOSES E EFEITOS LATERAIS DOS ANTIMICROBIANOS

DOSES E EFEITOS LATERAIS DOS ANTIMICROBIANOS DOSES E EFEITOS LATERAIS DOS ANTIMICROBIANOS Antimicrobianos Dose de manutenção em adultos com função renal normal Efeitos laterais Aminoglicosídeos Amicacina 15 mg/kg q24h EV Efeitos laterais comuns a

Leia mais

Parâmetros para profilaxia cirúrgica

Parâmetros para profilaxia cirúrgica Parâmetros para profilaxia cirúrgica O objetivo da profilaxia antimicrobiana em cirurgia é prevenir a infecção de sítio cirúrgico, atingindo níveis do antibiótico no sangue e nos tecidos que exceda, em

Leia mais

TEMAS. Sepse grave e Choque Séptico Microrganismos produtores de KPC A problemática da Resistência Microbiana nas UTIs

TEMAS. Sepse grave e Choque Séptico Microrganismos produtores de KPC A problemática da Resistência Microbiana nas UTIs 5ª OFICINA DE INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS Francisco Kennedy S. F. de Azevedo Médico Infectologista Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

ANTIBIOTICOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA

ANTIBIOTICOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA ANTIBIOTICOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA DOENÇA PERIODONTAL Professora Melania Amorim IMIP UFCG IPESQ ISEA melamorim@uol.com.br CONCEITOS BÁSICOS Doença periodontal => doença infecto-inflamatória que acomete

Leia mais

Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança Monitor: Fernando Pessuti. Niterói, 25 de novembro de 2015

Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança Monitor: Fernando Pessuti. Niterói, 25 de novembro de 2015 Professor: Luiz Antônio Ranzeiro Bragança Monitor: Fernando Pessuti Niterói, 25 de novembro de 2015 Nitrofurantoína Nitrofurano Sintético Pró-droga: Sofre reação de redução para formar composto ativo Bactérias

Leia mais

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA USO ADULTO USO OTOLÓGICO Forma farmacêutica e apresentação Solução otológica: frasco contendo 10 ml com conta-gotas. Composição Cada (1 ml) contém

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA EMPÍRICA DA FEBRE NEUTROPÉNICA DEFINIÇÕES Febre neutropénica: T. auricular > 38ºC mantida durante 1 h, em doente com contagem absoluta de neutrófilos (CAN) < 500/mm 3, ou < 1000/mm

Leia mais

Antibióticos e Quimioterápicos

Antibióticos e Quimioterápicos Antibióticos e Quimioterápicos Introdução Os antibióticos são produtos de enorme importância não apenas na área de saúde, como também na economia, visto que apenas nos Estados Unidos, cerca de 100.000

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL Professora Marília da Glória Martins Definição Denomina-se infecção puerperal qualquer processo infecioso bacteriano do trato genital, que ocorra nos primeiros dez dias de puerpério,

Leia mais

PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS

PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS Gabriella Oliveira Mendes¹, Maria Cristina da Silva Pranchevicius² e Pedro Manuel

Leia mais

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Medicamentos Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia para Registro de Novas Associações

Leia mais

Escherichia coli COM ELEVADO PERFIL DE RESISTÊNCIA AOS ANTIMICROBIANOS ISOLADA DA URINA DE UM CÃO COM CISTITE (RELATO DE CASO)

Escherichia coli COM ELEVADO PERFIL DE RESISTÊNCIA AOS ANTIMICROBIANOS ISOLADA DA URINA DE UM CÃO COM CISTITE (RELATO DE CASO) 1 Escherichia coli COM ELEVADO PERFIL DE RESISTÊNCIA AOS ANTIMICROBIANOS ISOLADA DA URINA DE UM CÃO COM CISTITE (RELATO DE CASO) DANILO MUNDIM SILVA 1, BRUNO CABRAL PIRES 1, LÍGIA PINHO CUCCATO 1, THAIS

Leia mais

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014

Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Guia de Antibioticoterapia 2014 Hospital Universitário Pedro Ernesto Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Guia de Antibioticoterapia 2014 Situação Clínica Situações Especiais Erisipela ou Celulite Clavulim Oxacilina sepse ou sepse

Leia mais

ANTIBIOGRAMA. Rev.: 07 03/2013. Laborclin Produtos para Laboratórios Ltda. Rua Cassemiro de Abreu, 521 CEP 83.321-210 0800-410027 sac@laborlcin.com.

ANTIBIOGRAMA. Rev.: 07 03/2013. Laborclin Produtos para Laboratórios Ltda. Rua Cassemiro de Abreu, 521 CEP 83.321-210 0800-410027 sac@laborlcin.com. ANTIBIOGRAMA Trabalho elaborado pela equipe do Setor Técnico da Laborclin destinado à orientação para execução do antibiograma pela técnica de difusão em disco de Kirby & Bauer. Página 1 de 32 1. DEFINIÇÃO

Leia mais

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011

GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR GUIA DE ANTIBIOTICOTERAPIA EMPÍRICA PARA O ANO DE 2011 INFECÇÕES S SITUAÇÃO CLÍNICA

Leia mais

Controle de bactéria multirresistente

Controle de bactéria multirresistente Controle de bactéria multirresistente Módulo Especial VII Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar HRT, Revisão 2009 1 Controle de bactéria multirresistente 1- Conceitos Bactéria multirresistente (BMR):

Leia mais

Artigo Original IMPACTO FARMACOECONÔMICO DA RACIONALIZAÇÃO DO USO DE ANTIMICROBIANOS EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA

Artigo Original IMPACTO FARMACOECONÔMICO DA RACIONALIZAÇÃO DO USO DE ANTIMICROBIANOS EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA Ingrid de Queiroz Fernandes 1 Hermes Fernandes de Sousa 2 Maria Adriana Maciel de Brito 3 Sammara Nunes Tavares 4 Vânia Cordeiro de Matos 2 Mariana de Oliveira Brizeno de Souza 4 Artigo Original IMPACTO

Leia mais

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web ALGUNS EVENTOS E DADOS IMPORTANTES DA INTERNET NO BRASIL E NO MUNDO NO BRASIL Primeira conexão à redes (Bitnet) => Outubro 88 Domínio.br foi registrado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 Recomendações para prevenção e controle das enterobactérias produtoras

Leia mais

Pneumonia Adquirida na Comunidade

Pneumonia Adquirida na Comunidade artigo de revisão Pneumonia Adquirida na Comunidade Community-Acquired Pneumonia Filipe Teixeira Piastrelli ¹, Isabella Mendonça Velloso¹, Leonardo Ambrósio Toledo¹, Maarmedi Cunha¹, Nayara Peluzio Rocha¹,

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável

TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Toplanina é um pó liófilo injetável de coloração branca a quase branca, para uso após reconstituição. Apresenta-se em frasco-ampola

Leia mais

Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando

Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando Sarampo Estados Unidos, 2000 Em 2000, um total provisório de 86 casos confirmados de sarampo foi notificado ao CDC pelos departamentos de saúde estaduais e locais, representando um registro baixo e um

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

PÓS- GRADUAÇÃO lato sensu EM MICROBIOLOGIA CLÍNICA NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

PÓS- GRADUAÇÃO lato sensu EM MICROBIOLOGIA CLÍNICA NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PÓS- GRADUAÇÃO lato sensu EM MICROBIOLOGIA CLÍNICA NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CONCEITOS GERAIS SOBRE AGENTES ANTIMICROBIANOS NATÁLIA ARRUDA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 2008 PÓS-

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

FANCLOMAX FANCICLOVIR

FANCLOMAX FANCICLOVIR MODELO DE BULA FANCLOMAX FANCICLOVIR Apresentações: Cartucho contendo 1 blister com 10 comprimidos de 125 mg cada Cartucho contendo 1 blister com 7 comprimidos de 250 mg cada Cartucho contendo 3 blísteres

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

Incidência bacteriana e perfil de resistência a antimicrobianos em pacientes pediátricos de um hospital público de Rondônia, Brasil

Incidência bacteriana e perfil de resistência a antimicrobianos em pacientes pediátricos de um hospital público de Rondônia, Brasil Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada Journal of Basic and Applied Pharmaceutical Sciences ISSN 1808-4532 Incidência bacteriana e perfil de resistência a antimicrobianos em pacientes pediátricos

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES.

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Qualquer alteração do padrão de resposta ao tratamento usual de uma

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina

Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Prof. Dr. Jorge Luiz Nobre Rodrigues Dpto de Saúde Comunitária da UFC Faculdade de Medicina Caso Clínico Masc, 30 anos, apresentando febre após QT para LMA (3 o ciclo). Nos 2 ciclos anteriores apresentou

Leia mais

DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC No- 44, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 DOU de 28/10/2010

DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC No- 44, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 DOU de 28/10/2010 DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO-RDC No- 44, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 DOU de 28/10/2010 Dispõe sobre o controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição

Leia mais

J. Melo-Cristino, Letícia Santos, Mário Ramirez e Grupo de Estudo Português de Bactérias Patogénicas Respiratórias

J. Melo-Cristino, Letícia Santos, Mário Ramirez e Grupo de Estudo Português de Bactérias Patogénicas Respiratórias em Artigo Portugal Original em 2003 e 2004 Original Article J. Melo-Cristino 1 Letícia Santos 1 Mário Ramirez 1 e Grupo de Estudo Português de Bactérias Patogénicas Respiratórias 2 Estudo Viriato: Actualização

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção

Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Informe aos profissionais de saúde sobre as características da infecção por Mycobacterium abscessus, medidas para diagnóstico, tratamento e prevenção Em decorrência das infecções causadas por micobactéria,

Leia mais

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL

USAR OS ANTIBIÓTICOS DE FORMA RESPONSÁVEL INFORMAÇÃO PARA O PÚBLICO SOBRE O DIA EUROPEU DOS ANTIBIÓTICOS O Dia Europeu dos Antibióticos terá lugar no dia 18 de Novembro de 2009. Este dia tem por objectivo proporcionar uma oportunidade de sensibilização

Leia mais

Padronização de Antimicrobianos

Padronização de Antimicrobianos Padronização de Antimicrobianos GE-CIH Infectologia Hospital do Servidor Público Estadual Fevereiro de 2011 Padronização de Antimicrobianos Objetivos Uniformizar condutas quanto à prescrição de antimicrobianos

Leia mais

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes AULA DO PRODUTO Curso inicial & Integração Novos Representantes 1 HELICOBACTER PYLORI A bactéria Helicobacter pylori foi descoberta em 1982 pelos australianos Barry J. Marshall e J. Robin Warren. Até então,

Leia mais

ANTIBIOGRAMA. Rev.: 05 04/2011. Laborclin Produtos para Laboratórios Ltda. Rua Cassemiro de Abreu, 521 CEP 83.321-210 0800-410027 sac@laborlcin.com.

ANTIBIOGRAMA. Rev.: 05 04/2011. Laborclin Produtos para Laboratórios Ltda. Rua Cassemiro de Abreu, 521 CEP 83.321-210 0800-410027 sac@laborlcin.com. ANTIBIOGRAMA Trabalho elaborado pela equipe do Setor Técnico da Laborclin destinado à orientação para execução do antibiograma pela técnica de difusão em disco de Kirby & Bauer. Página 1 de 29 1. DEFINIÇÃO

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais