Prospecção de Mercado - PMR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prospecção de Mercado - PMR"

Transcrição

1 Prospecção de Mercado - PMR Discriminação 1240/0001/2010 Número de série 0001 Posto/SECOM SECOM/Nova York Data de preenchimento 05/01/2010 Código NCM e Descrição do produto Limite de validade País importador Observações Responsável pela elaboração Função/Cargo Maiôs e biquinis de fibras sintéticas e de outros materiais têxteis 02 anos Estados Unidos Luciana Takano Assistente Técnica Telefone (917) Fax (212) Nome do arquivo Aprovado por PMR PDFc Conselheiro Luis Antonio Silos

2 Estudo sobre o Mercado Americano de Moda Praia Introdução Para analisar as tendências e características do mercado americano de vestuário, é necessário levar em consideração que cada categoria de produto corresponde a um segmento específico da indústria da confecção, com suas peculiaridades próprias. A nomenclatura tarifária adotada pelos Estados Unidos em todas as operações de comércio exterior é denominada Harmonized Tariff Schedule of the United States (HTS ou HTSUS) e tem por base o Harmonized Commodity Description & Coding System (HS). De acordo com a HTS, cada código numérico, composto de dez dígitos, corresponde à descrição de um produto, segundo o critério de agrupamento por categoria. Estes dígitos, representados graficamente por , são chamados capítulos, posições, subposições, itens e subitens. O capítulo, a posição e subposição - separados a cada dois dígitos - são idênticos aos das outras nomenclaturas internacionais existentes; o item e o subitem são desdobramentos utilizados pelas autoridades alfandegárias norte-americanas. O capítulo 61 da HTS diz respeito a vestuário e seus acessórios, de malha. Este estudo abrange os maiôs e biquínis femininos de fibras sintéticas (HTS ) e de outros materiais têxteis (HTS ). 1. Características do Mercado e Tendências do Produto As vendas de maiôs e biquínis, nos Estados Unidos, atingiram US$ 2,7 bilhões no período de maio/2007 a abril/2008, de acordo com estimativas do The NPD Group. Embora o crescimento modesto, de 1,2% neste período, tenha sido bem inferior à taxa de 14,2%, registrada no ano anterior, analistas apontam que o mercado de moda praia tem se mostrado relativamente resistente à crise econômica. Isto se deve, principalmente, à capacidade da indústria em oferecer produtos atraentes ao consumidor. Embora dados mais recentes não estejam disponíveis, no período de junho/2006 a maio/2007, a categoria de peças separadas ( mix-and-match pieces ) apresentou a maior taxa de crescimento de vendas (21,2%), seguida de biquínis (12,7%) e maiôs de peça única (8,8%). No mesmo período, o preço médio das peças de moda praia esteve em US$ 24,99. O mercado de maiôs e biquínis é considerado muito peculiar devido à extrema importância do bom caimento, à sazonalidade das vendas e ao caráter extremamente pessoal e até emocional que afeta a decisão de compra.

3 Existem duas categorias básicas de moda praia: Produtos associados ao desempenho ( performance swimwear ), os quais são fabricados visando o público de times de natação, salva-vidas e nadadores em geral. Neste caso, os consumidores estão mais preocupados com a funcionalidade do produto do que a sua aparência Produtos da moda ( fashion swimwear ), para os quais os fatores principais são tamanho, caimento e aparência geral. Os principais consumidores desta categoria são os freqüentadores de praias No contexto atual de recessão econômica, o consumidor americano tem dado bastante importância ao custo e ao valor das mercadorias. Desta forma, os compradores de moda praia têm mostrado que não se importam em deixar de lado marcas de grife e utilizar cadeias mais populares, tais como Walmart e Old Navy, para comprar maiôs e biquínis a preços mais acessíveis. Em contrapartida, as vendas de marcas novas têm sido as mais afetadas, uma vez que o consumidor normal se sente mais à vontade em comprar marcas préestabelecidas e testadas junto ao público. O efeito da crise pode ser visto, por exemplo, no segmento de surf e esportes de ação. Fabricantes e lojistas têm percebido que os consumidores não estão dispostos a gastar muito e por isso têm se concentrado em peças com preços inferiores a US$ 100,00 além de marcas e estilos já estabelecidos no mercado. Segundo analistas, o fato de as grandes cadeias de varejo se voltarem a maiôs de preços mais acessíveis tem contribuído para mudar a dinâmica do mercado. A importância do custo-benefício ao se adquirir roupa de praia tem levado consumidores a optarem por estilos sólidos e versáteis, que podem ser utilizados de várias formas. Os fabricantes, por sua vez, têm investido em tendências de longo prazo, tais como estampas de animais, tecidos tingidos, detalhes metálicos e cores fortes como roxo, violeta e azul. As principais tendências em moda praia apontadas recentemente por analistas incluem: Volta ao estilo básico, seguindo uma estratégia de baixo risco adotada pelos fabricantes em tempos de crise econômica. Dentro desta estratégia, as tendências incluem cortes familiares ao público (por ex. parte de cima triangular e parte de baixo com cintura baixa), cores sólidas, tons metálicos (ouro e prata), temas náuticos e peças de duas cores; Interesse por peças retrô, tais como estilo Rita Hayworth, dos anos 40, moda hippie e de bolinhas, dos anos 60, cores metálicas, dos anos 70, ou ainda tons fluorescentes e neons, dos anos 80; Cortes assimétricos, tais como peças de um ombro, as quais têm um apelo de luxo; Micro-minissaias sobre biquínis, que são particularmente populares em hotéis e resorts;

4 No segmento de biquínis, tem crescido a popularidade das peças separadas, com um número cada vez maior de marcas oferecendo a opção para que os consumidores possam misturar e coordenar peças. De acordo com a revista Women s Wear Daily (WWD), as principais marcas de moda praia nos EUA incluem: Speedo Nautica Ocean Pacific/Op VJantzen Mossimo Catalina Anne Klein Billabong Roxy Body Glove Algumas tendências/acontecimentos que deverão afetar o mercado de maiôs e biquínis em termos globais incluem: Envelhecimento da população em países desenvolvidos; Uso de tecidos de forma a ajudar a firmar as formas; Interesse pessoal nos cuidados com o corpo e boa forma; Aquecimento global e maior informalidade nos trajes em geral; Aceitação da natação como um passatempo relaxante para uma população em processo de envelhecimento; Fascínio por celebridades e pelo culto ao corpo pelo público jovem, que deverá resultar na expansão do uso da moda praia para outros ambientes, além da piscina e mar; Crescimento e participação crescente das vendas pela internet; Forte presença das peças voltadas a públicos específicos (tais como linha pós-cirúrgica ou linha maternidade), impulsionada pelo uso de tecidos que ofereçam suporte, forma e conforto; Penetração crescente de marcas esportivas; Continuidade e predominância do uso de tecidos sintéticos; Consolidação da China e Brasil como as principais bases para a fabricação de moda praia. Atualmente, a China é o maior exportador mundial de moda praia, sendo responsável por aproximadamente 70% dos embarques mundiais e 25% da capacidade mundial de produção em unidades.

5 2. Apelo do Brasil A moda praia brasileira tem um forte apelo junto ao consumidor mundial, sendo associada ao estilo de vida, sensualidade e swing do país. Por outro lado, as grifes internacionais têm se apropriado do estilo brasileiro conforme visto nas cores exuberantes, cortes baixos e mínimos, e estilo cortininha, lançados por diversas marcas internacionais. Algumas marcas européias têm até utilizado o termo Brazil ou brasilianizado em seus nomes. Consequentemente, os fabricantes brasileiros têm que competir entre eles mesmos e também com as grifes internacionais, que tentam interpretar e adaptar as influências brasileiras para cada mercado. Embora alguns mercados, tais como Portugal e Itália, importem a moda praia brasileira no seu estilo original, o mesmo não acontece com o mercado americano. Assim, os fabricantes brasileiros interessados em vender nos EUA devem adaptar as peças de acordo com as preferências e gostos das americanas. Algumas das marcas brasileiras que têm uma presença consolidada no mercado americano incluem: Rosa Cha criada pelo estilista Amir Slama, é provavelmente a marca brasileira de moda praia mais conhecida no mercado internacional. Nos EUA, a marca é vendida na loja de departamento de luxo Bergdorf Goodmann; Lenny com forte apelo no mercado europeu, devido ao seu estilo elegante, a marca é vendida em vários mercados internacionais, e nos EUA é encontrada em lojas como a Saks e a Barneys; Água de Coco - originada na cidade de Fortaleza, a marca está presente em todo o Brasil e é exportada para 20 países, incluindo os EUA; Cia Marítima - pertence ao Grupo Rosset, o maior fabricante de Lycra na América do Sul. Junto com a Água Doce, marca voltada ao público mais jovem, o grupo é atualmente o maior exportador de biquínis do Brasil e seu principais mercados externos são os EUA e Europa. 3. Perfil das Importações Americanas de Moda Praia e Principais Mercados de Origem De acordo com as estatísticas do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ( US Department of Commerce ) e da Comissão de Comércio Exterior ( US International Trade Commission ), as importações americanas de maiôs femininos de fibras sintéticas (HTS ) atingiram US$ 664 milhões em 2008, resultando em uma taxa média de crescimento anual de aproximadamente 8% desde 2000.

6 Total das Importacões Americanas (HTS: ) (Em US$ 000) Fontes: US Department of Commerce e US International Trade Commission Com um volume aproximado de US$ 5 milhões, o Brasil ocupou a 15ª posição entre os principais países de origem das importações americanas de maiôs femininos de fibras sintéticas, em Nos últimos anos, nota-se o crescimento substancial das importações provenientes de países asiáticos, tais como China, Indonésia e Vietnã, devido ao baixo custo de produção naqueles países. HTS : Maiôs e biquinis, de banho e uso feminino, de fibras sintéticas País Variacão Participacão Em US$ China ,6% 31,0% Indonesia ,8% 14,9% Mexico ,8% 13,0% Dominican Rep ,3% 6,3% Vietnam ,0% 5,8% Cambodia ,5% 5,8% Sri Lanka ,0% 5,6% Taiwan ,7% 4,6% Philippines ,5% 2,6% Bangladesh ,5% 1,9% Canada ,7% 1,8% Israel ,8% 1,5% Colombia ,6% 1,4% Italy ,2% 0,8% Brazil ,2% 0,7% Subtotal : ,6% 97,8% Outros : ,7% 2,2% Total ,16% 100,0% Fontes: U.S. Department of Commerce e U.S. International Trade Commission

7 Por sua vez, as importações americanas de maiôs femininos de outros materiais têxteis (HTS ) continuaram a tendência de queda e registraram US$ 1,8 milhão em Total das Importacões Americanas (HTS: ) (Em US$ 000) Fontes: US Department of Commerce e US International Trade Commission Os principais países exportadores de maiôs femininos de outros materiais têxteis para os EUA foram a China e Itália, enquanto o Brasil ocupou a 4ª posição, com um volume de US$ 115 mil.

8 HTS : Maiôs e biquinis, de banho e uso feminino, de outros materiais têxteis País Variacão Participacão Em US$ China ,5% 26,5% Italy ,3% 20,1% Philippines ,6% 7,9% Brazil ,9% 6,7% Cambodia N/A 6,2% Mexico ,5% 3,6% Portugal ,3% 3,4% Turkey ,4% 3,4% Canada ,0% 2,9% Taiwan ,0% 2,5% France ,6% 2,1% Macao ,4% 2,1% Indonesia ,2% 2,0% El Salvador ,0% 1,6% Thailand ,9% 1,4% Subtotal : ,0% 92,3% Outros : ,7% 7,7% Total ,7% 100,0% Fontes: U.S. Department of Commerce e U.S. International Trade Commission 4. Importações Provenientes do Brasil Tendo atingido o pico de US$ 8,6 milhões, em 2007, as importações de maiôs femininos de fibras sintéticas provenientes do Brasil caíram para US$ 4,9 milhões, em 2008, devido à retração do mercado associada à crise econômica internacional. As exportações do setor têxtil e de confecção brasileiro têm sido consideravelmente afetadas pela queda do volume de vendas para os EUA, um dos principais mercados do país.

9 Importacões Americanas do Brasil (HTS: ) (Em US$ 000) Fontes: US Department of Commerce e US International Trade Commission Embora em menor escala, as exportações brasileiras de maiôs femininos de outros materiais têxteis (HTS ) continuaram apresentando tendência de crescimento, atingindo US$ 115 mil, em Importacões Americanas do Brasil (HTS: ) (Em US$ 000) Fontes: US Department of Commerce e US International Trade Commission

10 5. Regime Tarifário As tarifas norte-americanas de importação para produtos têxteis são elevadas. A unidade de quantidade adotada é a dúzia. No caso de produtos incluídos na HTS e HTS , as tarifas são de 24,9% e 13,2%, respectivamente. Para maiores informações, sugere-se acessar os seguintes endereços eletrônicos: 6. Regulamentos 6.1 Exigências do Decreto de Identificação de produtos têxteis ("Textile Products Identification Act" ou TFPIA) Conforme estabelecido pelo decreto acima, todas as faturas de vestuário de material têxtil devem conter: lista dos componentes, com peso de todas as fibras presentes na vestimenta, assim como lista, em separado, das fibras presentes na parte externa e no forro (com exceção dos materiais que cobrem qualquer parte interna, punhos, coses, colarinhos e outros acabamentos); para roupas feitas com mais de um componente ou material (combinações de malha e não malha, ou combinações de tecidos de malha e/ou de tecidos não-malha com couro, pele, plástico incluindo vinil, etc.), a fatura deve conter as porcentagens por peso de cada material têxtil e por material não têxtil contidas na vestimenta; para roupas de tecido não malha, indicar se o tecido foi feito com fibras pré-tingidas e se há duas ou mais cores na urdidura ou no enchimento; para todas as camisetas brancas e corpetes, especificar se o artigo possui ou não bolsos, acabamentos, ou bordados; para cachecóis, listar as dimensões exatas do comprimento e da largura. 6.2 Rótulos e Etiquetas Todos os produtos têxteis exportados para os EUA devem ser selados, etiquetados, rotulados ou marcados e identificados de qualquer outra maneira. A etiqueta do produto deve conter informação correta e precisa sobre as propriedades do tecido e instruções para seu uso e conservação. Dentre as exigências do TFPIA ( Textile Fiber Products Identification Act ), destacam-se: O nome genérico e as porcentagens, por peso, das fibras que constituem o produto têxtil (excluindo-se ornamentos permitidos) em quantidades

11 superiores a 5% em ordem de predominância por peso, com qualquer porcentagem de fibra (ou fibras) a serem designada(s) como outras fibras (inclusive aquelas presentes em porcentagens inferiores a 5% listada por último); O nome do fabricante, ou o nome ou o número de identificação do registro emitido pela FTC ("Federal Trade Commission") para a(s) pessoa(s) que comercializa(m) ou manuseia(m) o produto de fibra têxtil; O nome do país (ou países) onde o produto tenha sido processado. A partir de julho de 1996, passou a vigorar novo regulamento sobre País de Origem para a importação de tecidos e vestuário, referindo-se à linha de montagem do produto têxtil (excluindo-se os detalhes de acabamento, como botões, franjas, passamanarias). A etiqueta deve conter a inscrição made in, seguida do nome do país onde o produto tenha recebido acabamento final, e não mais o nome do país no qual o produto tenha passado por qualquer outra etapa de fabricação. As instruções específicas para lavagem, assim como as informações sobre as fibras contidas, devem constar no rótulo. Para se protegerem, é comum que os fabricantes façam constar das etiquetas a seguinte recomendação: Lavar à mão e secar no varal. Não garantimos os suportes de arame ou tecidos que não forem lavados corretamente, seguindo-se as orientações. Exemplos de recomendações que podem constar nas etiquetas: 6.3 Embalagem Machine wash (delicate, warm or cold) Cycle with like colors Tumble dry (low, medium, high) Remove promptly Do not use chlorines bleach or fabric softeners Cool iron if needed Wash before first use 100% cotton made in Brazil ou made in the USA with imported fabrics (se for o caso) O uso da embalagem como instrumento de vendas é extremamente desenvolvido em um mercado competitivo como o norte-americano. A embalagem deve confundir-se com o produto e sua imagem e impacto podem definir o sucesso ou o fracasso das vendas. As provisões legais sobre embalagens nos EUA são estabelecidas pelo Fair Packing and Labeling Act. Tais provisões concentram-se basicamente nos aspectos relacionados ao conteúdo das informações transmitidas nas embalagens, principalmente no que se refere a pesos, medidas e descrição do produto e seus componentes, permitindo facilitar comparações de valor em relação aos produtos concorrentes. A embalagem, portanto, deve:

12 Comunicar os atributos e benefícios do produto, destacando suas vantagens em relação aos produtos concorrentes; Atrair e cativar o consumidor. 6.4 Proteção ao Consumidor A fim de proteger trabalhadores e consumidores, o governo federal americano, juntamente com os governos estaduais, criou uma série de agências cuja função básica é estabelecer padrões de qualidade e segurança e, ao mesmo tempo, garantir que os mesmos sejam obedecidos. No caso de o produto ser identificado como prejudicial à saúde, haverá a retirada do mercado, como, por exemplo, no caso de pijama de criança confeccionado com material inflamável. No setor de vestuário, todo produto deve obedecer aos regulamentos e exigências da Agência de Proteção ao Consumidor ( Consumer Protection Agency ou CPA), da Administração de Rodovias Nacionais e Segurança de Tráfego ( National Highway & Traffic Safety Administration ou NHTSA), da Administração de Saúde e Segurança Ocupacional ( Occupational Safety & Health Administration ou OSHA), da Agência de Proteção do Meio-Ambiente ( Environmental Protection Agency ou EPA), e da Comissão de Segurança de Produtos para o Consumidor ( Consumer Product Safety Commission ou CPSC), entre outros. Informações mais detalhadas sobre o assunto estão disponíveis em manual publicado pela CPSC ( Consumer Protection Safety Commission ), sob o título Recall Handbook (www.cpsc.gov). 7. Acesso ao mercado A maioria dos importadores utiliza os serviços de um despachante autorizado para cuidar dos documentos e trâmites junto à alfândega norte-americana. Para a importação de artigos têxteis, é necessário: Apresentação da Declaração de País de Origem ("U.S. Customs Countryof-Origin Declarations") e obediência a outros regulamentos da alfândega, que incluam diretrizes para o preenchimento da fatura que acompanha a mercadoria na entrada no país; Adequação aos padrões para identificação do conteúdo nos rótulos conforme legislação para identificação das fibras têxteis e do conteúdo de lã ("Textile Fiber Products Identification Act - TFPIA" e/ou "Wool Products Labeling Act - WPLA") e instruções para cuidado e limpeza da vestimenta, conforme as Regras sobre Cuidados para Limpeza ("Care Labeling Rule"); Adequação aos padrões de inflamabilidade adotados e supervisionados pela Comissão de Segurança de Produtos para o Consumidor

13 ("Consumer Products Safety Commission ou CPSC), conforme o Decreto de Tecidos Inflamáveis ("Flammable Fabrics Act ou FFA); Cumprimento dos requisitos para obtenção de licença para exportação e para entrada no país, sob o Sistema de Acesso Especial ("Special Access Regime"). O exportador brasileiro que se proponha a conquistar o mercado norteamericano deverá ter em mente: Necessidade de que a empresa esteja dotada de linha de produção que assegure o cumprimento dos contratos nos prazos estipulados, visando à rigorosa regularidade das entregas; Rigorosa manutenção da qualidade do produto; Adaptação do produto às preferências do consumidor americano; Estabilidade de preços. Todos os produtos que entram em território norte-americano têm que ser liberados pela alfândega e estão sujeitos a impostos de importação, a menos que estejam isentos por lei. O imposto de importação é um percentual ad valorem do valor ajustado dos produtos importados; alguns produtos estão sujeitos a um imposto fixo por unidade (litro, quilo, etc.) e outros, a uma combinação do imposto ad valorem e do imposto fixo por unidade importada. O valor ajustado dos produtos importados é calculado pela alfândega e, de modo geral, corresponde ao valor F.O.B. que o importador paga ao exportador pela mercadoria que adquire. A alfândega norte-americana considera ser responsabilidade do exportador a classificação das mercadorias conforme a Tarifa Harmonizada dos EUA ( Harmonized Tariff Schedule of the USA ou HTSUSA). A HTSUSA é publicada pela Comissão Internacional de Comércio dos EUA ( U.S. International Trade Commission - ITC ) e pode ser consultada em sua versão mais atualizada no site A fatura deve conter descrição detalhada da mercadoria e indicar a quantidade de cada artigo embalado em cada caixa ou pacote. Assim, para simplificar o processo alfandegário, é recomendável que o empacotamento seja feito individualmente, por categorias de produtos. Para maiores informações sobre a área têxtil e de vestuário, sugere-se acessar os seguintes endereços eletrônicos: e 8. Distribuição geográfica da indústria têxtil nos EUA Os centros de negócios mais importantes dos setores têxtil e de confecções nos EUA encontram-se nas cidades de Nova York, Chicago, Atlanta, Dallas e Los Angeles.

14 Nova York é internacionalmente conhecida como uma meca para o comércio de confecções, concentrando-se na área conhecida como The Garment District (distrito do vestuário), localizada entre as ruas 28 e 33, entre a Sexta e Sétima Avenidas. Informações sobre o Garment District podem ser obtidas no site Para contacto com agentes, representantes ou distribuidores, sugere-se acessar ou ( American Apparel and Shoes Association ). 9. Principais canais de distribuição Diversos fatores influenciam a seleção de canais de distribuição, tais como hábitos de compras, poder aquisitivo, localização geográfica dos consumidores, dimensão do mercado, etc. A estratégia para distribuição de um produto deverá ser definida tendo em vista o consumidor que se pretende atingir. Do mesmo modo, a estratégia para um mesmo produto será diferente, quer ele se destine a um consumidor individual, quer se destine a grandes compradores. Os canais de distribuição nos EUA estão organizados basicamente em função do tipo de produto - fator que deve determinar a escolha do canal a ser utilizado pelo exportador. Os próprios fabricantes norte-americanos, em sua maioria, utilizam-se dos canais de distribuição existentes, por representarem a solução mais econômica para seus problemas de comercialização. Ao contatar um atacadista, o fabricante evita as despesas em que incorreria caso tivesse que contatar um grande número de varejistas. Dentro dos canais de distribuição, destacam-se as seguintes figuras: Importador/atacadista Firma especializada em importar produtos para revendê-los aos distribuidores. Não entram nesta categoria os distribuidores que importam por conta própria. Distribuidor Qualquer firma vendedora, seja atacadista ou varejista. Agente/Representante Pessoa ou firma que faz compras em nome de outra firma, com base em contrato temporário. Os varejistas de roupas frequentemente utilizam agentes para descobrir novos produtos a serem importados. Intermediários Qualquer agente, distribuidor ou mesmo fabricante que obtenha encomendas para certo produto.

15 Grupos especializados Dispõem de uma boa rede de distribuição, podendo ajudar, também, na adaptação do produto a padrões americanos relativos ao talhe, ao estilo e ao tamanho. São exemplos de grupos especializados: Target Corporation A Target é a segunda maior cadeia de varejo popular nos EUA (após o Walmart). O grupo opera lojas em 48 estados, assim como vendas online através do site Target.com, e inclui a empresa de vestuário The Associated Merchandising Corp. Macy's, Inc. Denominada Federated Department Stores até Junho de 2007, a maior operadora de lojas de departamento dos EUA adotou recentemente o nome da sua maior cadeia: Macy s. Macy s, Inc. opera 840 lojas em 45 estados, Distrito de Columbia, Guam e Porto Rico, sendo suas principais bandeiras a Macy s e a Bloomingdale s. Dentro do grupo, a empresa Macy s Merchandising Group, Inc. ( MMG ), é responsável pelo design, desenvolvimento e marketing dos produtos de marca própria ou private label. Warnaco Group O grupo Warnaco atua no design, fabricação e comercialização de roupas íntimas ( intimate apparel ), vestuário para ginástica e maiôs. Seus produtos são comercializados sob uma variedade de marcas reconhecidas internacionalmente, tais como Calvin Klein, Speedo, Chaps, Warner's e Olga. 10. Mercado Varejista De acordo com as características dos pontos de venda e tipo de produto, o mercado varejista de vestuário dos EUA inclui: Lojas de departamentos ( department stores ): empresas varejistas, que se diferenciam das demais por seu tamanho amplo e pela variedade de mercadorias ofertadas. Exemplos: Dillard s, Lord and Taylor, Macy s, Carsons, Filene s Basement, Nordstrom, Bloomingdale s, Bealls Florida, Barneys New York, Century 21, JCPenney, Neiman Marcus, Kohl s, Sears.

16 Lojas especializadas ( specialty shops ): são varejistas que se especializam em determinado segmento do mercado como, por exemplo, vestuário infantil ou roupas para gestantes. Exemplos de lojas especializadas que costumam oferecer linhas de maiôs e biquínis: The Limited Victoria s Secret J.Crew Gap Anthropologie Brooks Brothers Laura Ashley Casual Corner Banana Republic Bob s Stores Mark, Fore & Strike Lojas de variedades ( variety stores ), lojas de desconto ( discount stores ) e lojas OffPrice : trabalham basicamente com variedade menor, mas com os mesmos tipos de produtos das lojas de departamento. A rentabilidade dessas lojas é resultado de um menor custo operacional, associado a um grande volume vendido, em razão dos preços reduzidos. Exemplos: Kmart Wal Mart Pamida Meijer Target Shopko BJ s Wholesale Club Rose s Burlington Marshall s T.J.Max Hit or Miss Loehman s Outros: lojas de artigos esportivos (Modells, Sports Authority), Gift Shops, Souvenir Stands, Amusement Parks, tee Shirt Shops Vendas por catálogos ( mail order/catalogue retailers ): o marketing direto, como é conhecida essa modalidade de comercialização, tem grande aceitação nos EUA, sendo tendência recente a entrada no ramo também das instituições financeiras, que se aproveitam de mailing lists privilegiadas para promover a venda de produtos especializados de maior valor unitário. Exemplos: L.L.Bean, Blair, Spiegel, One Hanes Place, Land s End, Patagonia, Newport News Compras através da televisão ( home shopping ): vendas efetuadas por intermédio de programas de televisão, as quais incluem artigos de vestuário (www.hsn.com, ) Venda pela Internet ( Internet shopping ): os artigos de vestuários constituem a categoria com a maior taxa de crescimento neste canal. É conveniente por ser acessível 24 horas por dia e por possibilitar comparações de preços entre os diversos fabricantes e comerciantes. Exemplos de sites eletrônicos de vendas online de moda praia: o Best Swimwear o Blue Sky Swimwear o Canyon Beachwear

17 o Everything But Water o Exquisite Swimwear o Hupyee o InStyleSwimwear o L*Space o Ritchie Swimwear o Sophies Swimwear o Sweet Water Swimwear o Swimwear Boutique o Swimwear Essentials o Tropi Ties.com/ o Ujena o Venus Swimwear 11. Fatores relevantes que influenciam a demanda Seja qual for a procedência do produto, o exportador deve ter em mente que a produção para exportação deve ser previamente ajustada às exigências do importador e às características do mercado norte-americano. Antes de escolher o mercado alvo, é preciso fazer uma análise crítica dos produtos, do nível de tecnologia exigido pelo mercado, dos métodos de fabricação, do sistema de controle de qualidade e da capacidade de produção da empresa exportadora. Os dados demográficos, os bons trabalhos de marketing, a procura de produtos de melhor qualidade e o nível de preços são fatores que influenciam a demanda pelo produto. Portanto, o após identificar o cliente alvo (e tendo em mente o sucesso no mercado norte-americano), o exportador deve zelar: pela rigorosa regularidade das entregas; pela completa estabilidade dos preços e sua competitividade; pela estrita manutenção da qualidade do produto a ser exportado; pela adaptação de seu produto (sobretudo aparência e apresentação) às preferências do consumidor norte-americano; pela busca de esquemas de comercialização mais eficientes que os dos seus competidores. Sugerem-se consultas junto a associações comerciais locais, visitas a feiras profissionais do setor, lojas varejistas, escritórios de representações, leitura de revistas especializadas, consultas na internet, etc.

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO PRÁTICO. 4. Aspectos Mercadológicos. 4.1 Pesquisa de Mercado. 4.1.1 Indicadores econômicos

DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO PRÁTICO. 4. Aspectos Mercadológicos. 4.1 Pesquisa de Mercado. 4.1.1 Indicadores econômicos 124 III. DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO PRÁTICO 4. Aspectos Mercadológicos 4.1 Pesquisa de Mercado 4.1.1 Indicadores econômicos Através de um breve estudo sobre os indicadores econômicos referentes ao mercado

Leia mais

2 1 Roupas de Couro [Vestuário]

2 1 Roupas de Couro [Vestuário] 2 1 Roupas de Couro [Vestuário] 1. Definição da categoria Trajes feitos de couro bovino, porco ou carneiro. Números de HS Commodity 4203.10-100, 10-200 Roupas de couro 2. Tendências de Importação (1) Tendências

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

Nome da área, ex.: Departamento Comercial. Assunto da apresentação MZM Store

Nome da área, ex.: Departamento Comercial. Assunto da apresentação MZM Store Nome da área, ex.: Departamento Comercial Assunto da apresentação MZM Store Morena Rosa Group: Uma das Empresas Líderes no Setor de Moda Feminina MORENA ROSA Group Principais números do Morena Rosa Group

Leia mais

2ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA: Visão de Futuro. Reforço da Competitividade do APL de Moda Íntima de Juruaia

2ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA: Visão de Futuro. Reforço da Competitividade do APL de Moda Íntima de Juruaia 2ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA: Visão de Futuro Reforço da Competitividade do APL de Moda Íntima de Juruaia Juruaia, 16/09/2010 SEDE Secretária de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Reforço da Competitividade

Leia mais

2 2 Calçados Esportivos [Artigos Esportivos ]

2 2 Calçados Esportivos [Artigos Esportivos ] 2 2 Calçados Esportivos [Artigos Esportivos ] 1. Definição da categoria A categoria de calçados esportivos inclui não somente aqueles utilizados em competições atléticas, mas também aqueles para uso informal.

Leia mais

CURITIBA PARANÁ MBA GPJ 3/14. Julho de 2015

CURITIBA PARANÁ MBA GPJ 3/14. Julho de 2015 CURITIBA PARANÁ MBA GPJ 3/14 Julho de 2015 A Global Exportation é uma empresa especializada em exportação comercial com distribuição de cargas para compradores independentes e varejistas de distribuidores

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL

ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL ANEXO 3 INDICADORES SETORIAIS SOBRE MODA E TÊXTIL PRINCIPAIS FONTES DE DADOS: CONCLA (Comissão nacional de classificação) Órgão administrado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão criado em

Leia mais

II 02 Calçados de Couro

II 02 Calçados de Couro II 02 Calçados de Couro [Artigos de Vestuário e de Moda] 1. Definição da Categoria Esta categoria abrange os calçados de couro, incluindo botas, excluindo os sapatos esportivos e chinelos. Todos os calçados

Leia mais

Uma das empresas líderes no setor de moda feminina Faturamento aproximado de 350 milhões em 2013 Mais de 6000 clientes multimarcas HISTÓRICO Início das atividades da Morena Rosa Confecções, em Cianorte-PR.

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

L A E R T E J. S I L V A T R A D U T O R J U R A M E N T A D O E I N T E R P R E T E C O M E R C I A L

L A E R T E J. S I L V A T R A D U T O R J U R A M E N T A D O E I N T E R P R E T E C O M E R C I A L SERVIÇOS CONSULARES LEGALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS Para que serve a legalização de documentos? Quais documentos podem ser legalizados no Consulado-Geral? Como faço para legalizar documentos no Consulado-Geral?

Leia mais

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores 0366 PLANO DE MARKETING Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4/2010 17 Valores Índice Introdução Diagnóstico Análise do Mercado Análise da Concorrência Análise da Empresa Análise SWOT Objectivos

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Klako Group Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária Otimização e Controle de Qualidade Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Visite nossa site http://www.klakogroup.com Nossa Empresa Klako Group

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

FEIRA CHIMPORT. A melhor solução em Exportação para a China

FEIRA CHIMPORT. A melhor solução em Exportação para a China FEIRA CHIMPORT A melhor solução em Exportação para a China Por que China? Os tempos mudaram. O mundo mudou. Made in China Made for China Por que China? Consumidores Chineses: 85 bilhões de dólares em produtos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco

Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco O que é o NTCPE? O Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco/NTCPE é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos.

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos

Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender Informações e Contatos FORMAR SEU PREÇO Ficha Técnica 2015 Mania de Empreender TODOS OS DIREITOS RESERVADOS Não é permitida a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio. Informações e Contatos Mania de

Leia mais

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 1. Apresentação Este artigo discute as oportunidades e riscos que se abrem para a

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO

ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO ELABORAÇÃO DO PREÇO DE EXPORTAÇÃO D. Daniela tem uma fábrica de móveis e vende seus produtos para todo o Brasil. Como os produtos de sua fábrica têm ótima qualidade e seus preços no mercado interno são

Leia mais

O MELHOR DA CRIATIVIDADE TÊXTIL-MODA. Outono Inverno 12-13 Maio 2015. Expo Center Norte / Pav. Amarelo The Fashion Textile Show for Latin America

O MELHOR DA CRIATIVIDADE TÊXTIL-MODA. Outono Inverno 12-13 Maio 2015. Expo Center Norte / Pav. Amarelo The Fashion Textile Show for Latin America O MELHOR DA CRIATIVIDADE TÊXTIL-MODA Outono Inverno 12-13 Maio 2015 Expo Center Norte / Pav. Amarelo The Fashion Textile Show for Latin America Première Vision INSPIRAÇÃO para a MODA Com edições em Paris,

Leia mais

:: Webinar. Como o E-Commerce B2B ajuda Indústrias, Distribuidores e Importadores a vender. Eduardo Santos é Gestor de Negócios da Vertis E-Commerce.

:: Webinar. Como o E-Commerce B2B ajuda Indústrias, Distribuidores e Importadores a vender. Eduardo Santos é Gestor de Negócios da Vertis E-Commerce. :: Webinar Como o E-Commerce B2B ajuda Indústrias, Distribuidores e Importadores a vender Eduardo Santos é Gestor de Negócios da Vertis E-Commerce. E-mail: eduardo@vertisnet.com.br Linkedin: br.linkedin.com/pub/eduardo-santos/21/a03/796/

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

Desenvolvimento do Mix de Marketing

Desenvolvimento do Mix de Marketing Desenvolvimento do Mix de Marketing Mix de Marketing O composto de marketing é conhecido no escopo mercadológico como os 4Ps denominados por Jeronme Mc Carthy como: product, price, place e promotion. Na

Leia mais

Classificação por Desempenho no Projeto MERITOCRACIA

Classificação por Desempenho no Projeto MERITOCRACIA Classificação por Desempenho no Projeto MERITOCRACIA Meritocracia é o processo pelo qual as empresas com maiores esforços e engajamento no processo de internacionalização são reconhecidas e favorecidas

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARA INVESTIDORES A PARTIR DE 6 DE JUNHO DE 2012

APRESENTAÇÃO PARA INVESTIDORES A PARTIR DE 6 DE JUNHO DE 2012 APRESENTAÇÃO PARA INVESTIDORES A PARTIR DE 6 DE JUNHO DE 2012 DECLARAÇÃO SAFE HARBOR Esta apresentação contém declarações prospectivas de acordo com a lei Private Securities Litigation Reform Act de 1995.

Leia mais

INFORMAÇÕES RECURSO PARA NOVA FRANQUIA

INFORMAÇÕES RECURSO PARA NOVA FRANQUIA INFORMAÇÕES RECURSO PARA NOVA FRANQUIA INTRODUÇÃO José María Luque, que foi dedicado à musculação competição, começa em 2004, um pequeno negócio de venda de suplementos esportivos: um povo de confiança

Leia mais

FEIRA CHIMPORT. A melhor solução em Exportação para a China

FEIRA CHIMPORT. A melhor solução em Exportação para a China FEIRA CHIMPORT A melhor solução em Exportação para a China Por que China? Os tempos mudaram. O mundo mudou. Made in China Made for China Por que China? Consumidores Chineses: 85 bilhões de dólares em produtos

Leia mais

França, o centro da moda... 4

França, o centro da moda... 4 Parte I Os Fundamentos da Moda 1 A Evolução da Moda......................... 3 França, o centro da moda............................ 4 A moda ditada pela realeza..................................... 4 A

Leia mais

SPRINGS GLOBAL INVESTOR DAY 12 de novembro de 2014

SPRINGS GLOBAL INVESTOR DAY 12 de novembro de 2014 SPRINGS GLOBAL INVESTOR DAY 12 de novembro de 2014 1 DISCLAIMER Esta apresentação pode incluir declarações que representam expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

USITC (United States International Trade Commission) Data Web (US Imports / Export Data)

USITC (United States International Trade Commission) Data Web (US Imports / Export Data) USITC (United States International Trade Commission) Data Web (US Imports / Export Data) Para elaborar estatísticas de exportações e importações norte-americanas, acesse o seguinte site: www.usitc.gov

Leia mais

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como:

Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: TENDÊNCIAS 1. Globalização Empresas que atuavam fora do Brasil, começam a olhar para o nosso mercado e investem na busca de crescer a sua base de clientes, tais como: Grupo Casino Carrefour Wal-Mart C&A

Leia mais

Novas perspectivas do varejo e o impacto no setor de vestuário Relatório de Inteligência Analítico - novembro 2012

Novas perspectivas do varejo e o impacto no setor de vestuário Relatório de Inteligência Analítico - novembro 2012 Vestuário Novas perspectivas do varejo e o impacto no setor de vestuário Relatório de Inteligência Analítico - novembro 2012 Resumo Executivo Em um cenário de empresas cada vez mais competitivas, compreender

Leia mais

Conference Call. Resultados do 2T14 e 1S14

Conference Call. Resultados do 2T14 e 1S14 Conference Call Resultados do 2T14 e 1S14 11/8/2014 Resumo do trimestre Operações nacionais Sandálias 1. Estreia de Havaianas no vestuário em maio contribuiu para o bom desempenho do varejo exclusivo.

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

PREÇO. Administração Mercadológica I

PREÇO. Administração Mercadológica I PREÇO Administração Mercadológica I PREÇO DE RETORNO-ALVO Na determinação de preço de retorno-alvo, a empresa determina o preço que renderia sua taxa-alvo de ROI; Esse método é utilizado por empresas de

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Estudo de caso. Varejo/Atacado Força de vendas Estudo de caso comercial

Estudo de caso. Varejo/Atacado Força de vendas Estudo de caso comercial Estudo de caso Representantes de vendas da Diarco otimizam o sistema de pedidos em mais de 50.000 lojas em todo o país com a Mobile Empresa: Diarco é a principal empresa de comércio atacadista de auto-atendimento

Leia mais

PROGRAMA DE FRANQUIA. Camisa da Latinha Store

PROGRAMA DE FRANQUIA. Camisa da Latinha Store PROGRAMA DE FRANQUIA Camisa da Latinha Store A EMPRESA A Camisa da Latinha é uma empresa baiana que atua no mercado de eventos e entretenimento desde 1996, atendendo a pequenas e grandes empresas em todo

Leia mais

Bem-vindo à. Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável.

Bem-vindo à. Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável. Bem-vindo à DHL EXPRESS Aqui, suas remessas internacionais são entregues de forma rápida, precisa e totalmente confiável. Conheça as diversas vantagens de enviar com a DHL Express. Confira agora mesmo

Leia mais

Orientamos a todos sobre a importância da leitura de nossos termos de uso localizado no link www.canaldapeca.com.br/termos-e-condicoes.

Orientamos a todos sobre a importância da leitura de nossos termos de uso localizado no link www.canaldapeca.com.br/termos-e-condicoes. Este manual tem como objetivo, apoiar o varejista em sua decisão de ampliar suas vendas de forma simples e segura e guiar seus passos dentro do Canal da Peça sempre que você precisar. Orientamos a todos

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Disclaimer Nossas estimativas e declarações futuras têm por embasamento, em grande parte, expectativas atuais e projeções sobre eventos futuros e tendências financeiras que afetam

Leia mais

Se você procura uma franquia, pense numa marca MAIS Q BÁSICA: LUCRATIVA

Se você procura uma franquia, pense numa marca MAIS Q BÁSICA: LUCRATIVA Se você procura uma franquia, pense numa marca MAIS Q BÁSICA: LUCRATIVA A MARCA A MAIS Q BÁSICA nasceu no verão de 2007, uma inspiração da designer Maria Alejandra Rizzo. Com um estilo muito próprio, suas

Leia mais

Luz no fim do túnel. de combustíveis foram responsáveis por US$ 501 bilhões

Luz no fim do túnel. de combustíveis foram responsáveis por US$ 501 bilhões Estados unidos Luz no fim do túnel Os Estados Unidos ainda não se recuperaram totalmente da última crise financeira, que fez estrago nos dos dois lados do Atlântico, mas vêm ensaiando uma recuperação e,

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING

APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING APRESENTAÇÃO DA ESTILLO FASHION TRAINING A Estillo Fashion Training se concentra em tudo o que você quer e precisa saber sobre como trabalhar com imagem pessoal e imagem corporativa. Nosso objetivo é a

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO BOLSAS E ACESSÓRIOS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA

NOTA FISCAL ELETRÔNICA NOTA FISCAL ELETRÔNICA Í n d i c e Julho, 2010 Introdução... 2 1. Acerto dos cadastros de Clientes e de Produtos... 4 1.1. Cadastros Básicos - Cadastro de Clientes... 4 1.2. Cadastros Básicos Cadastro

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS VITÓRIA 2004 Dicas de como participar de feiras Introdução As feiras são eventos ricos em oportunidades de negócios. São ambientes privilegiados para o incremento das

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO CLÍNICA DE ESTÉTICA 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser fotocopiada,

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem a) a modalidade de transporte e a forma de contratação e liquidação de câmbio b)

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Guia de Criação de Infoprodutos

Guia de Criação de Infoprodutos Guia de Criação de Infoprodutos Métodos, técnicas e dicas para a criação de infoprodutos! Da pesquisa, criação, até a venda! www.comocriarinfoprodutos.com 2 Aviso Legal Todos os direitos reservados. Nenhuma

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1

Sejam bem-vindos. Como Elaborar um Plano de Negócios. Educação Sebrae. Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Sejam bem-vindos Unidade de Educação e Desenvolvimento da Cultura Empreendedora 1 Curso 5 dias 1º 2º 3º 4º 5º Curso 10 dias OBJETIVOS 1º Apresentação do curso, empreendedorismo e CCE's 2º Cenário macroeconômico,

Leia mais

PERSONAL SAFETY TECIDOS REFLETIVOS

PERSONAL SAFETY TECIDOS REFLETIVOS PERSONAL SAFETY TECIDOS REFLETIVOS Quem somos A Onyx Refletivos pertence a um grupo de mais de 30 anos com 7 empresas localizadas nos EUA, China e Brasil. A Onyx chega ao mercado nacional para se diferenciar

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. A Fundação Universidade do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET BRASIL ABRIL de 2015 Matriz Cultural do Mercado O Brasil é grande consumidor de produtos gourmet, porém existe logicamente um processo seletivo destes

Leia mais

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden utility house in domus eletro house in light linea domus supri shop outdoor living & garden FEIRA PROFISSIONAL Reunir em um mesmo local e momento investidores e mercado-alvo, formando um ambiente de negócios

Leia mais

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados)

Plano de Negócio. MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) Plano de Negócio MATERIAL PARA TREINAMENTO (Dados e informações poderão ser alterados) O Projeto 04 Cenário Econômico A Demanda Concorrência Estratégia Comercial Operação Rentabilidade O Empreendedor 06

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

Estratégia Internacional

Estratégia Internacional Estratégia Internacional Professor: Claudemir Vasconcelos Aluno: Sergio Abreu Estratégia Internacional A internacionalização não se limita somente ao Comércio exterior (importação & exportação); é operar

Leia mais

A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013

A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013 1 A CENTRALIDADE CRIADA PELO COMÉRCIO ATACADISTA DE CIANORTE - MUDANÇAS NO PERÍODO 2011/2013 INTRODUÇÃO Karina Biasi Pina Acadêmica - Geografia - UNESPAR/Fafipa karinabiasi@hotmail.com Gilmar Aparecido

Leia mais

CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos

CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos CN DUBAI: o exportador brasileiro mais perto do seu cliente. O objetivo do CN DUBAI é a redução da distância entre exportadores brasileiros e seus clientes

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

GESTÃO do DESIGN interrelacionada com GESTÃO do MARKETING

GESTÃO do DESIGN interrelacionada com GESTÃO do MARKETING 1. Gestão do design e a estratégia de marketing A gestão do design tem a função de controlar a criação e desenvolvimento do produto, estando sempre atento e observando as necessidades do mercado e a promoção

Leia mais

manual básico de mídia

manual básico de mídia manual básico de mídia Manual Básico de Mídia 1 2 Manual Básico de Mídia 2015 Índice_ 01. Amostra...4 02. Público-alvo...6 03. Audiência de TV...8 04. GRP...12 05. Alcance e frequência...14 06. Custo por

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

História de Sucesso. Your Gateway to US Markets

História de Sucesso. Your Gateway to US Markets Sua porta de entrada para o Mercado dos Estados Unidos. Al Hamman, Presidente, Hamman Marketing Associates Com mais de 30 anos de experiência em marketing de produto e vendas no Mercado doméstico e extrangeiro,

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing de serviços: Marketing de agronegócios Área: Marketing e Vendas Competências diagnóstico mercadológico; metodologia de análise e segmentação de mercado

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Arezzo&Co Investor Day

Arezzo&Co Investor Day Arezzo&Co Investor Day P&D, Comunicação e Marketing Cláudia Narciso Diretora de P&D e Marketing da marca Arezzo Fabíola Guimarães Gerente de Merchandising da marca Schutz Yumi Chibusa Gestora da marca

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

A FEIRA VERÃO. Brasileiro 26-29 JUNHO. 48ª Feira Internacional da Moda em Calçados e Acessórios. Domingo a Quarta ANHEMBI SP

A FEIRA VERÃO. Brasileiro 26-29 JUNHO. 48ª Feira Internacional da Moda em Calçados e Acessórios. Domingo a Quarta ANHEMBI SP A FEIRA VERÃO do Brasileiro 48ª Feira Internacional da Moda em Calçados e Acessórios 26-29 JUNHO Domingo a Quarta ANHEMBI SP Todo setor se encontra na Feira que é REFERÊNCIA nacional e internacional da

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Combinar peças de mala direta criativas, concisas e sistemáticas com telefonemas, como um meio de formular uma estratégia de exploração e qualificação de prospects (clientes potenciais) mais eficaz

Leia mais

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos

EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos EMBRAER ANUNCIA PERSPECTIVAS DE LONGO PRAZO PARA AVIAÇÃO Estimativas de demanda mundial abrangem os mercados de jatos comerciais e executivos São José dos Campos, 7 de novembro de 2008 A Embraer (BOVESPA:

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO. Prof. Flávio Dias

COMÉRCIO ELETRÔNICO. Prof. Flávio Dias COMÉRCIO ELETRÔNICO Prof. Flávio Dias - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

PLANO DE INTERNACIONALIZAÇÃO

PLANO DE INTERNACIONALIZAÇÃO PLANO DE INTERNACIONALIZAÇÃO CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 6.3b Plano de Internacionalização

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais