representação da mulher em: o berro do cordeiro em nova york.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "representação da mulher em: o berro do cordeiro em nova york."

Transcrição

1 representação da mulher em: o berro do cordeiro em nova york. O presente artigo tem como pretensão mostrar, dentro do romance O Berro do Cordeiro em Nova York (1995), da escritora latino-americana matogrossense Tereza Albues a construção da protagonista narradora. Será enfatizado que a personagem colocada em cena é vítima do poder agressor local praticado pelos donos do capital, que tratam seus subalternos com injustiça e preconceito. Conseguintemente, sua trajetória é marcada por apagamentos e migrações. Porém, é configurada, na narrativa, uma situação que serve como ferramenta para emancipá-la Dessa forma a personagem passa por um processo de metamorfose: de objeto transforma-se em sujeito de sua História. PALAVRAS CHAVES: ficção; realidade; poder; migração; memória. Carmelita 1 Tereza Albues escritora mato-grossense nasceu em Várzea Grande em 24 de agosto de Graduou-se, nas décadas de 70, pela UFRJ em Direito, Letras e Jornalismo. Em 1983, mudou-se para os Estados Unidos, onde residiu até 05 de outubro de 2005, data de seu falecimento, quando foi vítima de um câncer. Tereza Albues é autora de uma produção literária que tem o romance como gênero predominante, embora também tenha escrito contos. Sua estréia literária oficial ocorreu em 1980, com a escritura do romance Pedra Canga, que foi publicado no Rio de Janeiro, em Posteriormente, sua produção seguiu com os seguintes romances: Chapada da Palma Roxa (1991), Travessia dos Sempre Vivos, (1993), O Berro do Cordeiro em Nova York, (1995) e a Dança do Jaguar (2000). 1 Mestranda em Letras (Literatura e Práticas Culturais) da Universidade Federal da Grande Dourados.

2 O Berro do Cordeiro em Nova York, caracteristicamente, dilui as fronteiras de gênero, oscilando entre autobiografia/romance, ficção/ memória, realidade/imaginação. Nele é descrito, explicitamente, a trajetória de uma família pobre perambulando de um lugar para o outro no espaço de Mato Grosso em busca de sobrevivência. Destaca-se a narradora personagem Tereza Albues que enfatiza com muita propriedade as várias peripécias que teve que passar, durante sua infância no campo: as opressões, os preconceitos, a fome e as injustiças. Sua vida foi marcada por exílios. Quando criança vivia deslocando-se de um lugar para o outro, quando adulta as migrações continuaram, de Mato Grosso para Rio de Janeiro e deste para Nova York. Um aspecto revelado na estrutura do romance e essencialmente importante é o entrecruzamento entre os dois espaços onde a urdidura se passa: Brasil (o sítio chamado cordeiro em Mato Grosso) e Estados Unidos (Nova York). No título do romance, esses dois espaços estão entrecruzados, mesclados, imbricados. O sitio Cordeiro personifica-se, e berra, em Nova York, através da voz de Tereza Albues. Conforme Leonice Rodrigues Pereira, 2 O berro, presente não só no título do livro mato-grossense, mas em todo o seu texto, apresenta o sentido de rebeldia diante das situações experimentadas pela protagonista, o que contraria o uso convencional do termo cordeiro, carregado da idéia de obediência e de passividade (PEREIRA, 2007, p. 27). O berro pode ser entendido como uma metáfora construída pela escritora para denunciar as injustiças presenciadas durante a sua infância. Através de sua memória, ela traz para o presente os maus tratos praticados pelos donos do capital, a impunidade dos latifundiários, a escravidão branca e o preconceito racial. Embora o romance apresente uma gama bastante extensa de temas, este estudo será focado na trajetória da narradora-personagem Tereza, ressaltando as humilhações, as opressões e os maus tratos vivenciados por ela durante a sua existência, sobretudo, durante sua infância e adolescência. 2 Professora no campus Jane Vanini UNIMAT Cáceres/MT

3 Por isso, cito a seguir vários fragmentos retirados do romance que evidenciam as várias situações de preconceitos raciais, vividas por ela. Tereza costumava ir à casa de Vitor e Gertrudes família tradicionalbrincar com sua amiguinha Eunice, uma das filhas do casal. Ela passava tardes brincando, no quintal, debaixo do imenso pomar, carregado de laranjeiras. Porém, em um desses dias vivenciou um episódio que a deixou marcada para sempre. O fato remói e faz doer seu estômago cada vez que se lembra, e que resolveu imortalizá-lo através desse registro. Um dia ao chegar, na bela mansão, pela porta dos fundos (esta entrada que me era permitida), encontro Dona Gertrudes, a mãe de Eunice, na cozinha, descascando uma laranja. Ela me examina da cabeça aos pés como se estivesse procurando algo, me encolho, o que ela está querendo comigo? Achei, ela grita enquanto arregalo os olhos em fogo, esta presilha é muito minha. Procurei-a na casa inteira, veja só onde a encontro, pendurado nos seus trapos. Avança e arranca da minha blusa vermelha um alfinete de fraldas que eu estava usando pra esconder o rasgão da roupa. Fico com a barriga de fora, envergonhada me defendendo, esse alfinete é meu, por favor, preciso dele. Está me chamando de mentirosa? Era só o que me faltava, ser destratada na minha própria casa por uma molambenta, some da minha frente, infeliz, antes que eu perca a paciência. (B C, 1995, p ). Tereza, mesmo sabendo que era inocente, e que as acusações eram injustas, nada dizia para se defender. Observada pelos colegas e pelos empregados, quase morreu de vergonha. Seu rosto queimava como um fogo. Arrasada e chorando saiu correndo, tapando com as mãos a nudez devido o rasgão na roupa feito por dona Gertrudes. Mal pode esquecer a experiência vergonhosa com Gertrudes, outro episódio semelhante voltou a acontecer, dias depois, porém, dessa vez, com outra antagonista - dona Isabel - no papel principal.

4 Aconteceu. Em plena luz do dia com testemunhas e tudo. Num domingo de sol quando estreei garbosamente um lindo par de sapatos na missa das nove na igreja de São Gonçalo, aconteceu. Dona Isabel me interceptou à saída, dedo em riste no meu peito, furando o vestidinho surrado de opala azul com florzinhas vermelhas. Ei, olha aqui, sua atrevida! Você é pobre, de onde tirou esse sapato tão chic? Foi o tio Guido quem me deu, respondi, intimidada. Mas não pode usá-lo, é calçado de gente rica. Você é pobre! Pobre! Ouviu! Repetiu levantando a voz colérica. Eu sem saber o que fazer olhado pro sapato azul-marinho de camurça com listras vermelhas e laços brancos, salto Anabela, minha vaidade e alegria se desvanecendo num misto de culpa e medo. Dona Isabel, eu ganhei eles, foi presente, repito quase chorando, com vergonha, dos curiosos que começam a se juntar na calçada da igreja ( B C, 1995, p. 156). A menina, de apenas dez anos, não tinha bagagem suficiente para entender que o preconceito era institucionalizado e traçava suas regras. Tinha vontade de revoltar-se, de berrar expor o nó de revolta que comprimia seu estômago, bater o pé e dizer por ex: que os sapatos lhes pertenciam e ninguém poderia lhe impedir de usá-los. Ao invés disso, voltava para casa, escondia- os como se fossem roubados. Sabia que mesmo humilhada, enxotada não poderia berrar a sua dor, porque o poder poderia esmagá-la (BC, 1995, p. 156). (...) Papai vamos unir e berrar nossa dor, protestar contra essa série de violências que há mil anos estão perpetrando entre nós, nossa geração passada, e outras que virão, não vê que o nosso silêncio é cumplicidade? Alguém tem que gritar para que esses abusos terminem. Vamos começar agora. Não minha filha, psiu! Fica quita, eles têm poder, esmagam a gente, com o calcanhar de suas botas, feito baratas (BC, 1995, p.156).

5 O preconceito vivenciado pela autora é um traço muito constante na narrativa. Em muitas partes do romance, ela deixa claro que o tratamento desumano que recebia devido à cor de sua pele, tinha origem na sua própria família. Tereza, logo cedo, na sua tenra infância percebeu que sua mãe, dedicava mais atenção ao seu irmão Gabriel, de pele clara. Ela estava sempre em segundo plano. Tratamento semelhante recebia de suas cinco tias e de sua avó Antonina: que se diziam brancas legítimas, não me perdoavam a cor da pele. Racistas ferrenhas, tinham vergonha de ter na família uma negrinha, como me chamavam (BC, 1995, p. 42). A família, de um modo geral, mostrava-se indiferença a sua presença, a ignorava, eram rudes, e frequentemente, a escorraçavam de perto deles, com exceção de seu pai Venâncio que sempre a tratava com carinho e respeito. Tereza, ainda menina, por intermédio de Siá Rumania, descobriu que o motivo dos maus-tratos recebidos tinha raiz e vinha de longa data, estava relacionado ao casamento de seus pais. Seus avôs maternos, brancos e donos de Engenho, não consentiram o casamento porque seus avôs paternos além de não terem posses também eram negros. Diziam filho de negro, negro é. E de todos os filhos do casal, Tereza foi a única que nasceu com as características do pai pele escura, cor de canela, cabelos crespos. Inclusive quando seu irmão Gabriel nasceu, a avó ficou muito feliz por ele ter traços finos e deu graças a Deus por não ter um netinho negro. Um aspecto muito importante a ressaltar na personalidade da Tereza criança oprimida- foi o seu reconhecimento na alteridade. Aos poucos, adquiriu autoconsciência de sua condição de sujeito inferior e começou a agir no sentido da transformar a sua realidade. Então, começou a colocar em prática um projeto quase utópico de libertação: Estudar. Porém, até nisso ela era vedada. Suas próprias tias- hóspedes permanentes a impediam de estudar, criando situações repletas de obstáculos para que Tereza não se aproximasse dos materiais escolares. A luta com as tias redobrava-se, e quase sempre tinha que estudar às escondidas. Em muitas ocasiões, quando era flagrada desempenhando tal tarefa, escondia imediatamente, livro, caderno, lápis e apontador. Mas de acordo com a autora, as dificuldades que eram criadas se tornavam em grande desafio que serviam como motivação para empenhar-se e estudar cada vez mais. Desta maneira, lançava-se com fúria

6 em seus estudos, refugiando-se no misterioso mundo dos livros, revistas e gibis. Estratégia bem sucedida que serviu, de um lado, para distanciar-se de suas tias analfabetas, as quais não admitiam que Tereza - uma criatura inferior soubesse ler e escrever-, dizendo: essa menina é presunçosa, quer imitar os ricos, quem ela pensa que é? (BC, 1995, p. 54). E por outro lado, foi beneficiada em suas notas, que passaram a ser habitualmente dez em todos os conteúdos ministrados na escola. Tereza, mesmo criança, sabia que o estudo poderia ser um subterfúgio para uma possível reviravolta futura. Amadurecimento que fica explícito na afirmação seguinte: (..) Não foi difícil concluir que os estudos era minha arma, só através dele eu me distanciaria da opressão daquelas mulheres, haveria de conseguir respeito, admiração e liberdade para fazer o que quisesse, dispunha de um trunfo poderoso em minhas mãos. Eu tinha apenas oito anos, o amadurecimento madrugando com a visita da dor antecipada, me fazendo crescer interiormente, embora na aparência a menina continuasse feia e desajeitada à medida que caminhava sem pressa para a adolescência (B C, 1995, p. 54). O pai de Tereza, cansado de ser vítima das urdiduras praticadas pelos latifundiários, cansado de servir de mão de obra escrava barata, migrou para Cuiabá. Alugou uma casa no porto, onde de tão pequena a família vivia empilhada. Comprava verduras e revendia na rua para sustentar a família. E nesse novo espaço, Tereza passou por um novo desafio. Apresentou-se no Colégio, particular Imaculado Coração de Maria. Participou do processo seletivo para admissão e foi classificada com excelentes notas. Os pais de Tereza a matricularam nesse Colégio cofiando nas promessas de um famoso deputado local, que garantiu colocar seu nome na lista dos contemplados pela LBA. Porém, a tal promessa nunca foi cumprida. A diretora teve paciência e permitiu que Tereza estudasse, ali, durante um tempo, por conta de suas boas notas, mas, posteriormente a expulsou. O pai de Tereza, ao conversar com o deputado sobre o assunto, cobrando-lhe, a bolsa prometida, este lhe disse:

7 olha, Venâncio, o Colégio Coração de Maria é escola de rico, você é pobre, e pra gente na sua condição, tem o Colégio público, gratuito (BC, 1995, p.152). Passado algum tempo, a jovem mulher Tereza é obrigada a deixar sua família. Vai para o Rio de Janeiro, e lá consegue um emprego como auxiliar de escritório. Tereza estava feliz, a nova vida era tudo o que queria liberdade contudo, adaptar-se a outra cultura não foi um processo fácil. Sofreu a tortura do esmagamento cultural. Seu modo de vestir, de falar, de andar denunciava que era moça do interior, e por conta disso foi motivo de muitas chacotas. Não sabia nem discar os números do telefone, desconhecia as gírias, atrapalhava-se nos bondes, nos ônibus lotado, nos elevadores e nas feiras (BC, 2005, p.145). Tudo piorou quando, ao não ceder ao assedio do patrão foi imediatamente despedida. Mas como a própria escritora afirma: temos muitos rios correndo dentro de nós, cada qual com a sua natureza, podemos submergir ou flutuar, depende de como lidamos com as suas águas. Tem gente que se deixa apanhar pela correnteza bravia e dela jamais se desvencilha por covardia ou conformismo (BC, 1995, p.130). Esse não é o caso de Tereza, que rapidamente refez-se. Saiu a campo a procura de um novo emprego. Teve muita sorte. Foi admitida, em uma empresa numa companhia Italiana de gás engarrafado. Iniciou como auxiliar de secretária do Dr. Giovannoni, mas logo foi promovida para secretária da diretoria. Ganhava muito bem. Não acreditava que ela - de menina do Cordeiro que emergira dum rancho de lacraias estava secretariando um poderoso diretor de uma companhia internacional. Mas era difícil para Tereza suportar a prepotência do Dr. Giovannoni, que a menosprezava afirmando sempre que Tereza era pobre! Pobre! Pobre! Ali estava Dr. Giovannoni, me encarando, olhos escancarados, em pé, se agitando, tomando as proporções de Mussolini, me apontando. Você é pobre, fique no seu lugar (BC, 1995, p.157). Teresa começou a odiar o carcamano fascista que parecia sempre querer determinar o seu lugar na vida. As palavras você é pobre! Pobre! Pobre! Ampliava-se, inflamava-se dentro dela, queimando-a como fogo. Teve vontade de berrar, até tentou desencavar o berro da menina de dois anos que um dia foi ouvido em Nova York, mas não foi capaz: revirei minhas vísceras, busquei-o com as mãos em sangue, mas não consegui arrancá-lo, emperrou, amedrontado que estava por anos de repressão, agora repisado pela bota Italiana (BC, 1995, p.152). Na sua condição de niilização, ela não

8 conseguia exprimir nem um gemido para denunciar. Após cinco anos na empresa, suportando as humilhações, pediu demissão da companhia. Fez vestibular para a Faculdade Nacional de Direito, arranjou um excelente emprego na área de Educação e Cultura, fez economias, comprou carro, apartamento, viajou para a Europa. Fez questão de passar em Milão, porque ali residia seu eis patrão, Dr. Giovannoni. Vejo a passagem por Milão como um projeto pessoal de Tereza, em materializar seu desejo de revide. Seu objetivo era mostrar para o ES patrão que mesmo após tanto opressão, ela tinha conseguido, através de seus esforços, emancipar como sujeito, conseguindo um lugar de destaque e respeito na sociedade. Ao chegar ao aeroporto de Milão, fez questão de ligar par Giovannoni que ficou surpreso com sua presença em Milão. Como um bom cavaleiro, ofereceu a ela e sua irmã hospedagem em sua casa, mas ela gentilmente agradeceu, informando-o que já havia feito reserva em um hotel. Então, o Dr. fez questão de convidá-la para um jantar em sua residência. Nessa noite Tereza esforçou-se o máximo em esbanjar sua riqueza: usou vestido de seda pura, sapatos elegantes, jóias, sua irmã que também estava com ela se vestiu elegantemente. Ao adentrar na mansão do Dr. não pode deixar de perceber seu assombro diante do que via, diante de seu comportamento Tereza tinha certeza que a concepção determinista do Dr. havia desmoronado. Ele e a esposa nos ofereceram um verdadeiro banquete, (servido em mesa finamente decorada, candelabro e talheres de prata, copos de cristais) regado a vinhos e iguarias finas, eu a eis secretária pobretona, convidada de honra, ocupando um lugar de destaque à mesa, nem precisei berrar a minha vitória, pra quê? Ele estava me oferecendo o troféu de mão beijada. (...) Gertrudes e Dona Izabel também me convidariam para um almoço, me receberiam na enorme sala de vistas com móveis de jacarandá, a parede abarrota de quadros da família. A mesma sala que em criança me era vedada a entrada (BC, 1995, p. 159).

9 A ação da Tereza de fingir que aceitava as agressões psicológicas do Dr. Giovannoni durante o tempo que trabalhou em sua companhia faz lembrar a civilidade dissimulada, discutida por Homi Bhabha (2003, p.139), em que o suposto nativo faz aquilo que se espera e age de acordo com as regras estabelecidas. No entanto, dentro do seu ser planeja o revide, o contra-ataque. Logo, Tereza, para poder resistir, faz de conta que aceita o que lhe é imposto para poder negar no momento apropriado. Com a civilidade dissimulada, Tereza, na sua condição de oprimida, ganha tempo e força para a hora do combate. Tudo isso sem que o opressor- Giovannoni - percebesse. Nessa linha de pensamento, também se verifica a cordialidade, mas não a do cortês e sim a cordialidade da sobrevivência Tereza mostrase equilibrada, através da máscara, se ajusta na imposição que vem de cima para baixo para poder sobreviver, na confiança de que haveria uma hora em que poderia agir. De acordo com Silviano Santiago (2006, p. 223), A máscara brasileira mostra o retorno das tradições nativas do mundo contemporâneo para que o homem moderno possa recarregar as baterias da sobrevivência. (...) A máscara é censura velada é recalque. Foi uma forma encontrada por Tereza como estratégia de defesa contra as hostilidades, as transgressões e os maus tratos vividos durante sua existência. Através do disfarce e subterfúgio, ela conseguiu munição para suportar as amarras opressoras vivido durante todos os episódios de sua existência. Santiago apud Otavio Paz (2006, p. 246) menciona que A cordialidade é uma arma, é uma peça de resistência é a defesa do individuo contra a sociedade. Outro aspecto a sublinhar na personalidade da narradora protagonista é seu espírito nômade que sempre a acotovela, não suporta a vida sedentária. Dessa vez, sua viagem alcança vôos mais altos, vai morar em São Francisco, Califórnia, e depois, em Nova York: ali vivi momentos de felicidades indescritíveis. Conhece vários lugares. Vive vários amores. Contudo, continua ligada ao espaço de Mato Grosso, faz questão de não perder sua identidade, de não cortar o cordão umbilical que a liga ao cerrado, ao pantanal. E crítica, ferozmente, a atitude dos vários Severinos que encontrou nos Estados Unidos, brasileiros que, com menos de dois anos de residência, dizem que esqueceram o português, têm vergonha da

10 própria cultura, não querem se relacionar com os patrícios, falam mal do Brasil, tentam desesperadamente se americanizar macaqueando trejeitos e costumes (BN, 1995, p. 136). Tereza possui uma atitude de insurgência, escreve a partir de seu locus de enunciação, faz questão de falar sobre sua cultura, sua geografia, sua história, traz sempre em sua companhia uma pedrinha, que apanhou do sitio do cordeiro. Sempre nos momentos difíceis buscava forças olhando para a pedra, ao tocá-la era como se estivesse tocando o chão de Mato Grosso. Apesar das experiências tortuosas, Tereza sobreviveu. Possui total domínio sobre o passado. Aparenta equilíbrio, e é capaz até de dar risada. E diante dos obstáculos ela era capaz de: armar uma rebelião, arrebentar a casca, sair pela mata adentro ou afora, se desvencilhando dos cipós das teias de aranha que insistem na sua permanência, ganhar o sol, a lua, o fogo, queria estar na circunferência do mundo, e correr o risco de estar viva (BC, 1995, p.236). Enquanto os filhos Jason e Michael estão na escola, sai andar pelas ruas de Nova York, aproveita para dar uma volta no West Village, começando pela Bleecker Street. Atravessa a Washington Square. Em pleno meio dia, dá de cara com várias pessoas que a abordam, oferecendo-lhe drogas, observa que bem do lado tem um parque azulado de policiais, que nada percebem (BC, 2005, p. 19); continua sua caminhada, observa as loja os barzinhos, restaurantes, dá de cara com a transculturação, o hibridismo ao passar por dezenas de babás jamaicanas, latinas, africanas e assim sucessivamente.

11 Bibliografia ALBUES, Tereza. O Berro do Cordeiro em Nova York. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, BHABHA, Homi k. O Local da Cultura. Tradução de Myrian Ávila, Eliana L.L. Reis e Gláucia R. Gonçalves. Belo Horizonte: UFMG, PEREIRA, Leonice. Dois espaços dois momentos: Anarquistas Graças a Deus, de Zélia Gattai, e o Berro do Cordeiro em Nova York, de Teresa Albues. In: Revista ECOS, Linguistica e Literatura. Cáceres-MT: Editora Unemat, SANTIAGO, Silviano. O entre-lugar do discurso Latino-Americano. São Paulo: Editora Perspectiva, SANTIAGO, Silviano. As raízes e o Labirinto da América latina. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

A LEITURA DO MUNDO DE ANALICE UMA LEITURA AQUÉM E ALÉM DAS PALAVRAS Maria Clara da Gama Cabral Coutinho UERJ

A LEITURA DO MUNDO DE ANALICE UMA LEITURA AQUÉM E ALÉM DAS PALAVRAS Maria Clara da Gama Cabral Coutinho UERJ A LEITURA DO MUNDO DE ANALICE UMA LEITURA AQUÉM E ALÉM DAS PALAVRAS Maria Clara da Gama Cabral Coutinho UERJ Brejo de Areias, Paraíba Com 7 anos de idade eu entrei a primeira vez na escola. A minha professora

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4 Precisa-se de Pais Espirituais Objetivo do Senhor: - Glorificar o nome de Deus, revelar Seu poder e beleza e atribuir a Ele toda glória. - Provocar o desejo de marcar significativamente a sua descendência/

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO

JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO CISNE BRANCO 1 2 JOSÉ ARAÚJO CISNE BRANCO 3 Copyright 2011 José Araújo Título: Cisne Branco Editoração e Edição José Araújo Revisão e diagramação José Araújo Capa José Araújo Classificação: 1- Literatura

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança.

Material: Uma copia do fundo para escrever a cartinha pra mamãe (quebragelo) Uma copia do cartão para cada criança. Radicais Kids Ministério Boa Semente Igreja em células Célula Especial : Dia Das mães Honrando a Mamãe! Principio da lição: Ensinar as crianças a honrar as suas mães. Base bíblica: Ef. 6:1-2 Texto chave:

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

OS DIREITOS DA CRIANÇA. Fanny Abromovich (O mito da Infância Feliz)

OS DIREITOS DA CRIANÇA. Fanny Abromovich (O mito da Infância Feliz) OS DIREITOS DA CRIANÇA Fanny Abromovich (O mito da Infância Feliz) Nós crianças, pedimos que os adultos pensem um pouco nos direitos que temos de viver de um jeito legal com mais atenção para aquilo que

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA

O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA RESENHA O GRITO DE DENÚNCIA DE TEREZA: HISTÓRIA, CORPO E LITERATURA LUCIANA SANTOS BARBOSA* AMADO, Jorge. Tereza Batista cansada de guerra. São Paulo: Martins, 1972. Esta resenha objetiva descrever e analisar

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012.

MALDITO. de Kelly Furlanetto Soares. Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. MALDITO de Kelly Furlanetto Soares Peça escritadurante a Oficina Regular do Núcleo de Dramaturgia SESI PR.Teatro Guaíra, no ano de 2012. 1 Em uma praça ao lado de uma universidade está sentado um pai a

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

Gratuidade com os outros

Gratuidade com os outros 2ª feira, dia 21 de setembro de 2015 Gratuidade com os outros Bom dia! Com certeza, todos nós já experimentamos como é bom brincar com amigos, como nos faz felizes trocar jogos e brinquedos, como sabe

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

Versículo para memorizar: Deus ama quem dá com alegria (2 Coríntios 9:7)

Versículo para memorizar: Deus ama quem dá com alegria (2 Coríntios 9:7) A ALEGRIA DE OFERTAR A lição a seguir é relato de um fato ocorrido durante a Campanha de Missões de Setembro /2001. O objetivo principal é desenvolver nas crianças o amor pela contribuição na obra missionária.

Leia mais

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA

INDÍGENAS NO BRASIL SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE. Capítulo 5 DEMANDAS DOS POVOS E PERCEPÇÕES DA OPINIÃO PÚBLICA Capítulo 5 SITUAÇÃO DOS INDÍGENAS NO BRASIL HOJE Percepção de diferenças entre índios e não índios no Brasil hoje Estimulada e única, em % Base: Total da amostra (402) NÃO S/ URBANOS POPULAÇÃO NACIONAL

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão , Luiz Inácio Lula da Silva, na visita ao Assentamento Lulão Santa Cruz de Cabrália-BA, 28 de setembro de 2005 Meu caro governador Paulo Souto, governador do estado da Bahia, Meu querido companheiro Miguel

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

A Vida de Jacó. 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá.

A Vida de Jacó. 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. A Vida de Jacó 1- Gálatas 6:7 Não se enganem: ninguém zomba de Deus. O que uma pessoa plantar, é isso mesmo que colherá. 2- Gênesis 25:19-26 Esta é a história de Isaac, filho de Abraão. Isaac tinha quarenta

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837)

A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837) A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837) Há muitos anos, vivia um imperador que gostava tanto de vestimentas novas e bonitas, que gastou todo o seu dinheiro a vestir-se bem. Não se preocupava

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver.

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. ANTES DE OUVIR A VERDADE FADE IN: CENA 01 - INT. SALA DE ESTAR NOITE Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. Plano aberto revelando o revólver nas mãos de, um homem de 35 anos, pele clara

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Preparando meu filho para a liberdade

Preparando meu filho para a liberdade Preparando meu filho para a liberdade Marcos Rezende Fonte: www.insistimento.com.br Você parou para observar o que está passando na televisão quando o seu filho a está assistindo? Ou já parou para refletir

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação

Centro de Combate à Violência Infantil. O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Centro de Combate à Violência Infantil O amor por princípio, a defesa dos direitos das crianças e dos adolescentes por vocação Centro de Combate à Violência Infantil Violência Física contra Crianças e

Leia mais

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento CHAVE DE ANTEROS de Adriano Henrique Cândido Segundo Tratamento Copyright 2013 by Adriano Henrique Cândido. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. CENA 01 - INT. IGREJA - NOITE FADE IN., 20 e poucos anos, entra

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Curso Intermediário de LIBRAS

Curso Intermediário de LIBRAS Curso Intermediário de LIBRAS 1 Curso Intermediário de LIBRAS 2 Unidade 2 Fazer as compras Sábado foi dia de ir ao Tok Stok. Nós, casal, fomos passear e dar uma voltada para olhar os moveis e objetos.

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na Prólogo O ritmo pulsante da música tomava seu corpo até os All Stars cor-de-rosa de cano alto. Ela queria usar as sandálias de salto alto que tinha comprado na última viagem a Atlanta, mas havia cometido

Leia mais

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS

João Evangelista dos Santos Gestor da GPAC/SDS A SDS através da Gerência de Prevenção e Articulação Comunitária GPAC/UPP, apresenta a mensagem informativa, por meio de Literatura popular sobre a lei 11.340/06, Lei Mª. da Penha. Parabenizamos o NUPREV-Sertão

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Ir. KatiaRejaneSassi Os desafios da travessia Aqueles que viveram a maravilhosa experiência de conseguir libertar-se da dominação egípcia sentem no deserto o desamparo total.

Leia mais

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Autora: Tell Aragão Personagens: Cantor Apresentador Maluco Nino Nana Sapinho 1 Sapinho 2 Voz de locutor Cena 1 A cortina abre. As duas crianças estão na sala assistindo

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014)

Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014) 1 Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014)

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem Tudo bem. Eu vou para casa! Foi o que uma moça disse a seu namorado, na República Central-Africana. Tudo começou porque ele ia fazer uma viagem

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Testemunha fiel Defender a vida até a morte

Testemunha fiel Defender a vida até a morte Bíblia:- A Sociedade no tempo de Jesus e sua Proposta Como funcionava a sociedade no tempo de Jesus e sua Proposta Testemunha fiel Defender a vida até a morte Nona Parte Por que querem matar Jesus? 1 Porque

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

Coluna África em Conto: "Mamedjane, um conto moçambicano"

Coluna África em Conto: Mamedjane, um conto moçambicano Coluna África em Conto: "Mamedjane, um conto moçambicano" por Por Dentro da África - domingo, fevereiro 22, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/coluna-africa-em-conto-mamedjane-um-conto-mocambicano-2

Leia mais

Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr.

Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr. Palestra para os pais Rede de Adolescentes Tema: Sexo + Adolescente =? Como conversar sobre sexo com seu filho Palestrante: Dr. Isaac Azevedo INTRODUÇÃO: A conversa sobre sexualidade é delicada e precisa

Leia mais

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1 Direitos Reservados - Pg 1 Aviso aos que se acham malandros, ou que querem ser processados ou parar na cadeia. Este livro é registrado com todos os direitos reservados pela Biblioteca Nacional. A cópia,

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA

LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA LEITURA ORIENTADA NA SALA DE AULA Uma Aventura na Serra da Estrela Coleção UMA AVENTURA Atividades Propostas Leitura em voz alta de um ou dois capítulos por aula. Preenchimento das fichas na sequência

Leia mais

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água

Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille. Água Aluno (a): Ana Paula Batista Pereira Série: 3º Ano do Ensino Médio Professora: Deysiane Maria Assis Zille Água Tu és um milagre que Deus criou, e o povo todo glorificou. Obra divina do criador Recurso

Leia mais

O TABU ENTRE A PALMADA E O DIÁLOGO

O TABU ENTRE A PALMADA E O DIÁLOGO O TABU ENTRE A PALMADA E O DIÁLOGO Por Vivian Vasconcellos Especialistas afirmam que, quando se trata de violência contra crianças, a família é responsável pelos maiores casos de agressão. Segundo Gilberto

Leia mais

Morar no exterior relato de uma imigrante

Morar no exterior relato de uma imigrante Morar no exterior relato de uma imigrante Ms. Josiane Vill - UFSC josivill@hotmail.com A opção de morar no exterior... Morar no exterior nunca esteve presente nos meus objetivos de vida, nem mesmo em meus

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha

A vivência na conjugalidade é todo um processo que engloba outros processos como a intimidade, a vida sexual, o trabalho, a procriação, a partilha Existe um facto para o qual também devemos dar atenção: o agressor poderá estar numa posição de solidão. Poucos serão os agressores que terão a consciência do problema que têm, a agressividade que não

Leia mais

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro

70% 500.000. De acordo com a nova lei, são crianças e adolescentes. 1. de estupro O QUE É VIOLÊNCIA SEXUAL Todos os anos, estima-se que 500.000 70% Mulheres das vítimas sejam vítimas de estupro no Brasil, e que outros tantos milhões sofram com abusos e violências sexuais. de estupro

Leia mais

Fany Aktinol. o tom da infância. o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50

Fany Aktinol. o tom da infância. o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50 Fany Aktinol o tom da infância o tom da infancia - miolo 7L.indd 3 24/1/2011 14:24:50 Eu me chamo Françoise e escrevo para não esquecer, para não deixar morrer, mas principalmente para lembrar e preencher

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

Texto 1 PRA DAR NO PÉ (Pedro Antônio de Oliveira)

Texto 1 PRA DAR NO PÉ (Pedro Antônio de Oliveira) PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 3 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 PRA DAR NO PÉ (Pedro

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Lagoa Santa, 2015 Mariana Pimenta 2015

Leia mais

META Apresentar os principais motivadores internos e externos que infl uenciam na aprendizagem.

META Apresentar os principais motivadores internos e externos que infl uenciam na aprendizagem. A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER META Apresentar os principais motivadores internos e externos que infl uenciam na aprendizagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: definir motivação; identificar as

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão

Lição 2 Por que Necessitamos de Perdão? Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador. A Bênção pelo Perdão. A Bênção pelo Perdão Lição 1 Nosso Pai é um Deus Perdoador 1. Você já fugiu de casa? Para onde foi? O que aconteceu? 2. Qual foi a maior festa que sua família já celebrou? Explique. 3. Você é do tipo mais caseiro, ou gosta

Leia mais

Tema: Quatro Pecados Contaminantes

Tema: Quatro Pecados Contaminantes Tema: Quatro Pecados Contaminantes Data: 01.11.14 Culto: Sábado Pr. Leandro Hoje o mundo está à mercê do vírus ebola que é um vírus extremamente contaminante, porém há algo mais contaminante que este vírus

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais