Posicionamento Estratégico das Cadeias Multinacionais de Hotéis: Avaliação do Mercado Hoteleiro Brasileiro Para Negócios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Posicionamento Estratégico das Cadeias Multinacionais de Hotéis: Avaliação do Mercado Hoteleiro Brasileiro Para Negócios"

Transcrição

1 Posicionamento Estratégico das Cadeias Multinacionais de Hotéis: Avaliação do Mercado Hoteleiro Brasileiro Para Negócios Autor: Plínio Vidigal Coriolano Resumo Este artigo objetivou analisar o posicionamento estratégico das cadeias multinacionais de hotéis na avaliação da atratividade do mercado hoteleiro brasileiro para negócios. A pesquisa utilizou uma metodologia de estudo exploratório/explanatório e é um resumo da tese de doutorado do autor (Coriolano, 1998). Uma estrutura analítica foi desenvolvida baseada primordialmente na revisão da literatura de estratégia multinacional, teorias e conceitos de negócios internacionais, e estratégia de gerenciamento de hospitalidade de forma a possibilitar a discussão do problema de pesquisa: <em que grau o posicionamento estratégico para negócios das cadeias multinacionais de hotéis reflete a percepção de atratividade dos altos dirigentes vis-à-vis o mercado hoteleiro brasileiro>. 14 cadeias multinacionais hoteleiras de um total de 20 - que compunha o universo de pesquisa - participaram. Os resultados da pesquisa levaram à presunção de que dois grupos distintos de cadeias de hotéis têm posicionamentos estratégicos diferentes em relação ao mercado brasileiro. Se para as cadeias hoteleiras presentes no mercado este posicionamento - avaliado através de questões de pesquisa - casa com a percepção de atratividade de mercado dos altos dirigentes, para hotéis ausentes do mercado esse casamento não está sempre claro, especialmente devido à falta de coleta consistente de informações e a uma certa desatenção aos movimentos da concorrência. Introdução A saturação da indústria hoteleira nos países desenvolvidos, especialmente nos EUA, tem impulsionado as cadeias de hotéis a cruzarem fronteiras e buscarem outros mercados mais promissores: muitas cadeias de hotéis maduras descobriram que a sua sobrevivência futura e crescimento dependem da exploração bem-sucedida de mercados mundiais; constatação que as faz procurar ansiosamente por oportunidades e por parceiros de desenvolvimento hoteleiro em todo o mundo. Dentre esses mercados promissores estão aqueles ditos emergentes, ou seja, que vêm mostrando grande potencial para direcionamento de negócios. Go et al. (1990) afirmam estar a indústria hoteleira presentemente entre as mais competitivas e orientadas ao crescimento. O impulso ao going global tem mexido com todas as cadeias multinacionais de hotéis, que não pretendem ficar para trás nessa corrida. Uma corrida que propicie, em adição a crescimento e aumento de faturamento, os benefícios do maior reconhecimento de marca e do avanço do market-share. Na outra ponta encontram-se os diversos governos no mundo, que tomam a decisão de atrair ativamente o turismo internacional e de encorajar as companhias hoteleiras a expandirem para 1

2 seus países, gerando inúmeras oportunidades para investidores hoteleiros, empresários de imóveis e operadores. Assim, a indústria hoteleira, ao buscar a expansão global, tem experimentado crescentes interdependências. A regionalização dos mercados mundiais, com a criação de blocos comerciais, acelera ainda mais o fenômeno da globalização, fazendo-se sentir entre nós por força da implantação do Mercosul. O Brasil, no bojo das reformas do Real, não quer ficar a reboque - por motivos mais do que evidentes, como ingresso de divisas para melhoria da balança comercial, geração de empregos, fomento à infra-estrutura, ingresso do país no circuito de turismo internacional etc. -, mas ainda carece de um plano estratégico integrado e consistente para a atração da indústria hoteleira internacional. Tendência à Globalização As empresas de hoje estão competindo em uma economia mundial para sobrevivência, crescimento e lucratividade. A globalização das indústrias de serviços vem se acelerando sob pressão de avanços tecnológicos em comunicação, transporte e viagens (Levitt, 1983), da desregulamentação abrangente e competição crescente (Enderwick, 1990), bem como da maior demanda de produtos globais por cidadãos globais (Ohmae, 1989). Porter (1986), Douglas e Craig (1989) e Kogut (1989) descreveram a evolução da globalização. Douglas e Craig (1989) consideram que esta evolução tem três fases-chave: 1) a entrada inicial no mercado estrangeiro, 2) a expansão de mercados nacionais, e 3) a globalização. Os trabalhos dos pesquisadores sobre globalização refletiram as mudanças de fases: 1) o foco principal nas décadas de 60 e 70 foi o investimento direto, que envolve locação, controle e comprometimento (Stopford & Wells, 1972; Dymsza, 1972), quando houve a emergência de muitas companhias multinacionais; 2) o foco da pesquisa no início dos anos 80 foi o da competição em mercados múltiplos (Hout, Porter & Rudden, 1982) e o do argumento de métodos alternativos de operação (como licenciamento), além de investimento direto para expansão internacional (Contractor, 1981); 3) a teoria presente focaliza-se na coordenação global, integração e formação de rede/cadeia. Porter (1986) argumentou que a base da estratégia internacional deveria ser a coordenação internacional, a cadeia de valor e a configuração das atividades internacionais. Ghoshal e Bartlett (1990) acentuaram a necessidade da construção de uma rede interorganizacional para integrar as atividades da corporação multinacional. Muitos pesquisadores, não obstante, ainda vêem a corporação global como um mito. Fleenor (1993) acredita que, a despeito de forças de impulso positivas, como acesso a mercados maiores e de crescimento mais rápido; custos operacionais mais baixos nas formas de mãode-obra de baixo custo, incentivos governamentais e ausência de intervenção governamental; melhor acesso a matérias-primas e tecnologia etc., a corporação considera uma estratégia de globalização, na realidade e na prática, por força da competição. Ambiente Internacional 2

3 Cada organização existe em seu ambiente. O ambiente no contexto internacional está crescentemente mais complexo, incerto e mudando rapidamente (Preble, Rau & Reichel, 1989; Pearce & Robinson, 1988), devido à instabilidade das condições políticas mundiais, às regras governamentais variadas, aos níveis e sistemas de economias diferentes, às diferenças culturais diversas, aos efeitos de mudanças tecnológicas, e à crescente competição global. O ambiente cria tanto oportunidades quanto riscos/ameaças à companhia internacional. De maneira a aproveitar as oportunidades e reconhecer os riscos e ameaças, a firma precisa analisar as condições ambientais. Mais ainda, deve avaliar cuidadosamente seus pontos fortes e fracos de forma a manter vantagem competitiva, corrigir seus pontos fracos e empregar suas capacidades de maneira efetiva no ambiente operacional. Sethi (1982) e Godiwalla (1986) encaram a análise do ambiente como uma das partes mais importantes nos seus modelos de planejamento de estratégia multinacional. O Ambiente Externo Baseados na abordagem da teoria organizacional, os pesquisadores dividem o ambiente basicamente em externo e interno e o analisam usando vários fatores (Dill, 1958; Bourgeois, 1980). Fayerweather (1981), Sethi (1982) e Pearce & Robinson (1988) indicaram que, devido ao fato de as multinacionais se depararem com múltiplos ambientes - político, legal, econômico, sócio-cultural e tecnológico - têm que mudar e se adaptar ao ambiente local. Preble, Rau e Reichel (1989) fizeram uma análise descritiva dos tipos principais de fatores ambientais: legal, econômico, político, competitivo, tecnológico e cultural, bem como riscos (balança de pagamento, inflação e estabilidade política). Argumentam que firmas multinacionais baseadas nos E.U.A. devem ajustar-se ao ambiente de rápida mudança. Fatehi-Sedeh e Safizadeh (1989) indicaram que as multinacionais consideram a estabilidade sócio-política do país anfitrião como uma das mais importantes considerações ao alocar fundos para projetos no estrangeiro. Riscos políticos advêm de forças governamentais e públicas. É muito importante entender as políticas e regulamentações do governo anfitrião antes de a companhia multinacional entrar em um país. Stoever (1985) indicou nove ferramentas usuais de políticas usadas por Países em Desenvolvimento mais Lento (PDL): varredura de pré-investimento; incentivos (período de isenção de taxas, privilégios de importação e isenção de tarifas); subsídios (assistência na construção ou treinamento, empréstimos com juros baixos); garantias do governo anfitrião (seguro para o investimento, conversibilidade da moeda, repatriação de dividendos e capital); proteção tarifária e/ou monopólios locais; promoções; regulamentações, necessidade de licença; leis para atingir vários objetivos; licenças especiais, permissões, privilégios para investidores. As firmas multinacionais deveriam considerar atentamente estas questões antes de entrar em um país; senão, enfrentarão com maior probabilidade ameaça ou risco em sua operação nele. Blodgett (1991) argumentou que, enquanto a regulamentação do investimento do país anfitrião é um dos fatores ambientais importantes, é principalmente tratado como uma limitação. Entretanto, parece que alguns governos estão tendendo a suavizar suas políticas de investimento estrangeiro e reduzir as barreiras em direção ao investimento direto estrangeiro (Globerman 1988). Contractor (1990) estudou padrões de propriedade nos anos 80 que indicaram que os governos em geral relaxaram as restrições em relação ao nível de participação acionário de investidores estrangeiros. As joint-ventures na proporção aumentaram. 3

4 Em resumo, o ambiente externo de países anfitriões afeta as decisões de investimento das multinacionais. Risco/estabilidade política, políticas governamentais referentes ao investimento estrangeiro e sua entrada, e questões econômicas e fiscais são as preocupações principais das multinacionais e um campo de estudo para pesquisadores. O Ambiente Interno Dill (1958) definiu o ambiente interno como ambiente tarefa ou específico. Porter (1980) classificou o ambiente interno em cinco forças competitivas: a ameaça de novos entrantes, o poder de barganha dos clientes, o poder de barganha dos fornecedores, a ameaça de substitutos, e competidores. As cinco forças competitivas coletivamente determinam a lucratividade da indústria (Glaister, 1991). Para atingir sucesso competitivo, as firmas devem entender as cinco forças competitivas na estrutura industrial. Porter (1990) reiterou seu prévio modelo de cinco forças e criou um novo modelo - o modelo do Diamante da Nação - para ajudar companhias multinacionais a analisar o ambiente interno ou operacional. Argumentou que a criação da vantagem competitiva é baseada em quatro atributos de uma nação que dão forma ao ambiente e são: 1. condições de fatores: a posição da nação em fatores de produção, tais como mão-deobra qualificada e infra-estrutura, necessários para competir em uma dada indústria; 2. condições de demanda: a natureza da demanda em uma nação por produto industrial ou serviço; 3. indústrias afins e de apoio: a presença de indústrias afins que sejam internacionalmente competitivas; 4. estratégias empresariais, estrutura e rivalidades: as condições na nação governando como as empresas são criadas, organizadas e administradas, e a natureza da rivalidade doméstica. Além dos quatro atributos, há dois outros fatores envolvidos no modelo diamante : governo e chances - condições políticas e legais, e as oportunidades de fazer negócios -, respectivamente. Porter (1991) argumentou que a origem da vantagem competitiva deve ser a mais próxima (os fatores de entrada) ou ambiente local no qual a firma está baseada. Uma multinacional precisa comparar e analisar as próprias vantagens competitivas e as características das vantagens comparativas nacionais de forma a poder promover o sucesso internacional em uma indústria globalizada. As multinacionais deveriam também analisar os pontos fortes e fracos de suas áreas funcionais, tais como: administração, finanças, marketing, recursos humanos, pesquisa e desenvolvimento, e operações. Fayerweather (1981) e Pearce e Robinson (1988) sugeriram a análise das capacidades da firma em termos de seus recursos, tecnologia, habilidades mercadológicas, capital, mão-de-obra e matérias-primas. Yip (1989) deu atenção a fatores mercadológicos, fatores de custo, fatores ambientais e fatores competitivos em seu estudo de multinacionais. Ohmae (1989) viu a globalização da perspectiva do consumidor em que as necessidades do consumidor se globalizaram; portanto, as companhias têm que se globalizar para atender às necessidades dos consumidores. Para resumir, para ser bem sucedida e lucrativa a firma multinacional deve analisar suas vantagens competitivas (todos os seus recursos/bens, habilidades, tecnologia etc.), entender 4

5 seus consumidores, fornecedores, competidores e substitutos, e analisar suas áreas funcionais internas e seus bens tangíveis e intangíveis. Varredura do Ambiente Internacional Aguilar (1967), o pioneiro do estudo da varredura do ambiente, definiu a atividade como o processo que procura informação sobre eventos e relações no ambiente externo da companhia; o conhecimento que daria assistência à alta direção na sua tarefa de traçar o curso de ação futuro da companhia. Portanto, a varredura do ambiente é um método sistemático para analisar os ambientes externo e interno e identificar as tendências principais que influenciam as decisões estratégicas da firma multinacional. Como há uma enormidade de influências no ambiente internacional externo e interno que muito afetam as organizações multinacionais, uma avaliação cuidadosa e sistemática do ambiente internacional é vital para o sucesso de uma multinacional. As organizações bem sucedidas são aquelas que mais efetivamente interagem com seus ambientes (Subramanian, Fernandes & Harper, 1993/3; Hambrick, 1982; Pfeffer & Salancick, 1978). Muitos pesquisadores têm estudado a prática da varredura do ambiente por multinacionais. Keegan (1974) estudou as fontes de informação obtidas por companhias multinacionais para suas atividades de varredura. Identificou três tipos de fontes: fontes humanas e documentais dentro e fora da organização, bem como fenômenos físicos (objetivos, eventos, circunstâncias) fora dela. Percebeu que executivos de multinacionais realizam pouca varredura do ambiente. O Connel e Zimmerman (1979) e Preble, Rau e Reichel (1989) estudaram o impacto relativo de domínios ambientais nas decisões estratégicas. Ambos analisaram de perto os domínios político, sócio-cultural, econômico e tecnológico; enquanto os primeiros também olharam para o ecológico, os últimos examinaram ainda os setores legal e competitivo. Incitaram as companhias a terem uma unidade de varredura ambiental confiável para monitorar o ambiente em constante mudança. Kobrin et al. (1980) descobriram que a avaliação do ambiente não-econômico está se tornando uma nova função gerencial em firmas internacionais relativamente grandes. Identificaram os aspectos mais importantes do ambiente estrangeiro como estabilidade política, clima ao investimento estrangeiro, remessa de lucros e controles de câmbio, taxação, expropriação, atitudes de partidos políticos em relação ao investimento estrangeiro, greve e distúrbios de trabalhadores, procedimentos administrativos, atividades industriais do setor público, e imagem pública da firma. Kennedy (1984) enfocou a importante relação entre a análise do ambiente externo e o planejamento corporativo estratégico. Companhias internacionais deveriam integrar as previsões de tendências ambientais no processo de planejamento estratégico. Apesar de a varredura do ambiente ser vital para o planejamento estratégico das multinacionais, relativamente poucas multinacionais estabeleceram unidades formais de varredura sistemática para monitorar o ambiente internacional em constante mudança. Preble, Rau e Reichel (1989) fizeram uma análise de levantamento descritivo referente à avaliação do ambiente internacional de 450 multinacionais americanas. Descobriram que apenas 5% das firmas têm uma unidade de varredura ambiental atrelada ao processo de planejamento. Johanson e Vahlne (1977) identificaram dois tipos de conhecimento: objetivo - que pode ser aprendido - e prático - que pode ser adquirido somente através da experiência operacional real no mercado estrangeiro. Talvez seja este também um dos fatores responsáveis pela inconsistente varredura do ambiente no processo de planejamento de grande parte das 5

6 multinacionais, já que, como observou Cavusgil (1982), as firmas aumentam o comprometimento de recursos em um mercado estrangeiro individual não em passos extraordinários, mas em pequenas doses que correspondem a cada aumento incremental no seu conhecimento prático. Huo e McKinley (1992), por seu turno, tentaram compreender as características do país anfitrião que favorecem ou desencorajam o uso de três estratégias genéricas de negócios descritas por Porter, a saber: liderança em custos, diferenciação e foco. Para eles, as características que afetam essas estratégias são: (1) a heterogeneidade demográfica da população nacional; (2) a renda nacional per capita; e (3) o nível de qualificação da força de trabalho nacional. Li (1994/3) examinou dois fatores que ampliam ou reduzem a habilidade de expansão das firmas, cultura e tamanho da firma, bem como duas estratégias de expansão, padrão seguindo o cliente e padrão seguindo o líder, para a expansão internacional em serviços, tomando por base uma pesquisa com multinacionais na região da Ásia-Pacífico. As conclusões foram que o padrão estratégico de expansão seguindo o cliente ainda é válido em países em desenvolvimento e que, em relação ao padrão seguindo o líder, as multinacionais seguem tanto seus competidores domésticos quanto internacionais no exterior como uma estratégia defensiva. Segundo Hamel e Prahalad (1985), as multinacionais de serviços realizam investimentos para proteger uma posição de mercado internacional de ataques dos principais competidores ou para competir nos territórios uns dos outros. Em relação à cultura, diferenças entre as culturas dos países natal e anfitrião afetam as estratégias de entrada de multinacionais e, no tocante a tamanho da firma, a expansão internacional está positivamente relacionada a ele. Não obstante, Erramilli (1991), examinando os efeitos da experiência internacional na seleção de firmas de serviços por mercados estrangeiros, verificou que à medida que sua experiência aumenta e torna-se geograficamente mais diversificada, as firmas de serviços tendem a escolher mercados que são culturalmente menos similares ao de seu país natal. Em resumo, o sucesso de uma multinacional está condicionado à sua habilidade de estabelecer e desenvolver procedimentos e práticas baseadas no entendimento do ambiente desafiador e incerto do país anfitrião. Qualquer decisão estratégica feita por uma organização é afetada por seu ambiente externo e interno, e quando uma firma entra em um mercado internacional, o ambiente será mais dinâmico e complexo. Será difícil monitorar, analisar e adaptar-se ao ambiente em mutação. Entretanto, é de se argumentar que todas as dimensões dos ambientes externo e interno carreguem influência igual e afetem todas as tomadas de decisão. Deve haver alguns fatores-chave que carregam mais peso do que outros. É muito importante identificar os fatores-chave que influenciam as decisões de escolha feitas pelas multinacionais de forma a que se possa analisar a efetividade do processo de decisão. A Pesquisa Percepção De Atratividade Tem sido cada vez mais defendido o papel que fatores comportamentais desempenham em amplos aspectos das decisões internacionais de marketing, tais como envolvimento inicial em mercados estrangeiros, escolha de países como mercados e escolha dos modos de entrada no exterior (Aharoni, 1966; Johanson & Vahlne, 1977; Reid, 1980; Cavusgil, 1980, 1982). Toda essa literatura centra-se no conhecimento dos tomadores de decisões sobre os mercados 6

7 estrangeiros e nas percepções, opiniões, crenças e atitudes que nascem deste conhecimento, ou mesmo da falta dele. Tanto é assim que seus defensores sugerem uma relação geralmente positiva entre o conhecimento dos tomadores de decisões sobre o mercado e o nível e ritmo dos comprometimentos de recursos da firma com esses mercados estrangeiros. Johanson e Vahlne (1977) postulam uma relação direta entre conhecimento de mercado e comprometimento de mercado (comprometimento de recursos com um mercado particular), relação que pode ser explicada através de variáveis intervenientes de incerteza e risco percebido. Claro está que a familiaridade com o mercado estrangeiro reduz a incerteza e cria autoconfiança nos tomadores de decisões, tornando-os conseqüentemente mais agressivos no comprometimento de recursos (Cavusgil, 1982). Segundo Hoffman e Gopinath (1994) em seu estudo da importância de negócios internacionais na agenda de empresários americanos, questões a esse respeito são relevantes para as firmas, e para um terço dos respondentes, configurando-se como críticas para o sucesso futuro, estando as questões referentes a negócios internacionais entre as duas ou três mais importantes da agenda estratégica. Também Slattery e Olsen (1984, p.59) caracterizam as avaliações em caráter pessoal e subjetivo que os gerentes de hospitalidade fazem do ambiente: se um gerente de hospitalidade percebe alguma faceta da atividade ambiental, então ela existe. Se ele não percebe essa característica do ambiente, então para ele ela não existe. Aí reside, segundo Hall (1977 apud Slattery & Olsen, 1984), a importância de se abordar os altos dirigentes, pois a percepção gerencial do ambiente está condicionada à posição hierárquica na organização. E é nesse nível que as decisões, casadas ou não com a realidade, são tomadas. Não obstante, os dirigentes internacionais têm que tomar decisões em um ambiente não familiar caracterizado pela escassez de informação confiável (Mascarenhas, 1982). O estudo exploratório/explanatório presente para avaliar o posicionamento estratégico das grandes cadeias multinacionais de hotéis por meio da percepção de atratividade do mercado hoteleiro brasileiro pelos dirigentes aumenta o volume informativo disponível. Problema De Pesquisa O problema de pesquisa analisado foi: em que medida a atratividade do mercado hoteleiro brasileiro reflete-se no posicionamento estratégico para negócios das cadeias multinacionais de hotéis na percepção de seus dirigentes. O universo de pesquisa constitui-se de 20 grandes cadeias multinacionais hoteleiras com base em 2 critérios: 1) que fossem geograficamente dispersas - com presença em 10 ou mais países; e 2) que tivessem ao menos 100 propriedades ou mais de quartos. Calcados na idéia de expansão hoteleira e globalização, esses critérios funcionaram para selecionar as cadeias multinacionais que efetivamente têm poder de afetar a indústria globalmente. No total, 14 responderam o convite de participação, sendo divididas nos grupos para análise: de cadeias presentes no mercado, cujo comportamento é de expansão; e de cadeias ausentes do mercado, cujo comportamento é de entrada. As cadeias participantes da pesquisa e já presentes no mercado hoteleiro brasileiro à época da coleta de dados (meados de 1995) foram: Accor (Sofitel, Novotel etc.), Best Western, Club 7

8 Med, Forte (+Le Meridien), Hilton, Holiday Inn, Ramada (+Renaissance), Grupo Sol (Sol, Meliá). E as ausentes: Choice, Marriott, Preferred, Radisson, The Ritz-Carlton, Wyndham. Para viabilizar o objetivo de pesquisa foi necessário caracterizar o posicionamento estratégico das cadeias multinacionais hoteleiras, pois a partir dessa caracterização é que foi possível realizar o cruzamento com a percepção de atratividade informada. Foram, então, criados 4 grupos de questões de estudo, 3 deles para a caracterização do posicionamento estratégico e o último para a obtenção da resposta de percepção de atratividade do mercado hoteleiro brasileiro. Questões Do Estudo As questões do estudo foram avaliadas através da identificação de fatores que melhor viessem a caracterizar o posicionamento estratégico para negócios das cadeias multinacionais de hotéis de forma a poder analisar e discutir o quanto a atratividade reflete-se nesse posicionamento na percepção de seus dirigentes. Foram, portanto, analisadas as seguintes áreas: A. condições/oportunidades do país e do turismo local no médio e longo prazos. Incluem-se aqui as condições do ambiente do Brasil externas à empresa (políticas, econômicas, turísticas etc.), avaliadas também como ameaças e oportunidades. B. ações e movimentações dos competidores. Aqui entram alguns fatores ambientais internos (destacando-se competidores, percepção de marca, perfil do hotel no Brasil e desempenho da cadeia no Brasil ). C. informação e pesquisa de mercado (consistência e a freqüência da informação levantada sobre o país e o significado dos relatórios produzidos sobre ele). Entram diversas variáveis que pretendem levantar a consistência, a freqüência e o teor das informações levantadas sobre o país, que também dão conta de aspectos genéricos de estratégia internacional. D. percepção de atratividade (grau de interesse e decisão de entrada e/ou ampliação de participação no mercado hoteleiro brasileiro) informada. A saber:. forte interesse: o mercado hoteleiro brasileiro é percebido como tendo grande potencial de crescimento e, por esse fator, de grande interesse;. interesse limitado: o mercado hoteleiro no Brasil estaria estagnado segundo a percepção dos dirigentes das cadeias hoteleiras multinacionais; portanto, de interesse limitado;. sem interesse: o mercado hoteleiro brasileiro não é atrativo no momento. Esses dados foram tabulados, cruzados e discutidos e propiciaram a formulação de proposições e a geração de algumas conclusões a seguir (Coriolano, 1998). Conclusões Há diversas variáveis que se somam para caracterizar o posicionamento estratégico para negócios de uma organização. Para responder ao problema de pesquisa em que medida a atratividade do mercado brasileiro reflete-se no posicionamento estratégico para negócios das cadeias multinacionais de hotéis na percepção de seus dirigentes foram selecionadas questões cognitivas que avaliaram a percepção de tomadores de decisões de forma a armar o confronto entre o posicionamento estratégico caracterizado por essas questões e a informação 8

9 dada a respeito da própria percepção de atratividade. O que se pretendeu foi estabelecer o grau de casamento entre essas duas pontas tanto para cadeias presentes no mercado hoteleiro brasileiro quanto para cadeias ausentes dele. As cadeias hoteleiras da pesquisa informaram ter, quase que unanimemente, forte interesse pelo mercado hoteleiro brasileiro. Tal percepção de atratividade de mercado pode refletir-se em posicionamento estratégico com vistas a estabelecer negócios de expansão ou entrada. Ou não. A conveniência de se constatar esse casamento ou descasamento da maneira proposta reside no fato de ser esta percepção a dos verdadeiros tomadores de decisão no contexto da hotelaria, que são os altos dirigentes das grandes e principais cadeias multinacionais com capacidade para afetar a indústria globalmente; indústria que dá sinais de crescente concentração e globalização. Proposições (Hipóteses de Trabalho) Algumas proposições puderam ser levantadas como hipóteses de trabalho a partir da tentativa preliminar de cruzamento de algumas questões do estudo, também mostrando-se verdadeiras a partir do cruzamento dos dados da pesquisa: Proposição 1: quanto mais a organização estiver comprometida com projetos no país, tanto maior será o nível de informação obtido. Porém, a percepção da atratividade do país via informação só melhora a partir do momento que os negócios estão por se consolidar e não antes. Percebe-se que existe maior freqüência de atualização da informação sobre o mercado hoteleiro brasileiro e sistematização da coleta entre as cadeias do grupo presente no mercado. Da parte das cadeias ausentes do mercado, essa freqüência de atualização aumenta somente conforme as perspectivas de negócios já estejam por confirmar-se. A informação é predominantemente usada para viabilizar novos negócios. Proposição 2: a percepção de atratividade aumenta muito com a constatação de que os competidores já estão se movimentando em busca de oportunidades de negócios no país. A proposição acima ficou caracterizada para o grupo das cadeias presentes no mercado hoteleiro: há um avanço do interesse da cadeia hoteleira pelo Brasil por força da atuação dos competidores. Existe uma forte percepção quanto à presença e à estruturação dos concorrentes, ou mesmo de movimentações de entrada no mercado, tendo reflexos em última análise na própria percepção de atratividade, que fica intensificada. Em função da noção do timing de penetração no mercado brasileiro, a percepção das organizações de hotéis formula a imagem de disputa entre concorrentes, com prêmio para os mais agressivos. Proposição 3: a avaliação de possível instabilidade política aumenta a percepção de risco e, conseqüentemente, diminui a percepção de atratividade. Porém, a melhora na cotação da estabilidade política e, muito predominantemente, a necessidade de expansão das cadeias hoteleiras multinacionais, criam boas perspectivas para negócios. Neste sentido, corrobora em muito a similaridade entre os mercados de origem e o anfitrião. As respostas sobre percepção de risco do país para a hotelaria cruzadas com as da importância do mercado brasileiro indicaram que novos negócios devem vir para o país como parte de uma política global das organizações. Não obstante, a estabilidade política apontada pelos respondentes é fator essencial para a viabilização de projetos, aumentando a percepção de 9

10 atratividade. De uma certa forma, o risco aparente é minimizado por formas de entrada/expansão no mercado hoteleiro brasileiro de baixo aporte de recursos. O mercado brasileiro, capitalista e ocidental, e aberto ao comércio em política neoliberal, é bastante similar para negócios aos de seus anfitriões, exceção feita somente à língua. Proposição 4: a constatação de atratividade aumenta o nível de estado de alerta das companhias hoteleiras, que progressivamente tomam medidas ativas para viabilizar negócios no país. A avaliação do mercado brasileiro serviu para constatar a atratividade, a partir de respostas que colocam, predominantemente, o mercado hoteleiro brasileiro entre os melhores do momento e, secundariamente, logo atrás de mercados quentes do momento. Com algumas ações já em curso, seja a busca de fatia de mercado, seja a tentativa de consolidação da posição do líder. As respostas a respeito do timing de penetração no mercado brasileiro deram forte argumento ao aumento do nível de estado de alerta das companhias hoteleiras, que identificaram uma corrida por conquista de mercado desenrolando-se francamente. O cruzamento das respostas sobre condições de expansão de negócios no Brasil e sobre comportamento em relação ao mercado brasileiro mostrou que em função de condições boas e crescentes para a expansão de negócios no país, as companhias hoteleiras têm comportamento pró-ativo, buscando oportunidades e avaliando o potencial de mercado constantemente. Proposição 5: volume turístico baixo parece não ser fator determinante para diminuição do interesse no país, possivelmente porque as cadeias hoteleiras sabem que o investimento no setor requer decisão com anos de antecedência e este panorama já poderá ter mudado. O volume turístico foi caracterizado como ainda potencial e apenas considerado bom em regiões restritas, porém com perspectivas (claro que se fosse apenas baixo sem apresentar perspectivas de crescimento não haveria impulso à penetração de mercado). Esse volume baixo foi apontado como um determinante que dificulta a penetração no Brasil, porém não predominantemente. Cruzando-se as respostas às questões sobre taxa média de ocupação hoteleira anual e sobre avaliação da renda hoteleira gerada no Brasil foi possível inferir que o mercado hoteleiro brasileiro é capaz de gerar boa ocupação média anual e faturamento compatível com o índice de mercado mundial, fator de impulso ao investimento com vistas a uma situação futura ainda mais promissora. Proposição 6: a percepção de atratividade capaz de gerar negócios é muito influenciada negativamente por políticas pouco claras e pouco definidas do governo para o setor de turismo, bem como por infra-estrutura deficiente. Com base nas respostas sobre barreiras de penetração no Brasil, demonstrou-se que existe um grande consenso quanto a esses dois determinantes - políticas governamentais indefinidas e pouco claras para o setor de turismo e infra-estrutura deficiente - como os reais fatores que dificultam uma maior penetração no Brasil. As cadeias hoteleiras fazem mesmo, em geral, uma dobradinha, citando-os conjuntamente. Posicionamento Estratégico x Percepção de Atratividade de Mercado Baseando-se nos dados analisados das respostas obtidas - e tendo em vista que a atratividade de mercado informada não variou, ou seja, todas as cadeias quase unanimemente afirmaram 10

11 ter forte interesse pelo mercado hoteleiro brasileiro -, foi possível chegar às seguintes conclusões para cada grupo levantado de questões: A. No tocante a turismo e potencial de mercado hoteleiro, o posicionamento estratégico das cadeias multinacionais de hotéis demonstra interesse pelo país ao analisar o turismo crescente para o Brasil, por vezes claro, por vezes com algumas incertezas. Mas sempre avaliando o potencial como enorme ou a realizar-se, apesar de que ainda restrito a certas regiões. Corrobora a avaliação da grande maioria sobre a retomada da expansão hoteleira mundial. Especificamente no tocante ao mercado hoteleiro brasileiro, é visto predominantemente pelos dois grupos analisados - de cadeias presentes nesse mercado e de cadeias ausentes dele - como estando entre os melhores do mundo. Em menor proporção, viria logo atrás de mercados quentes. O país é visto, em geral, em relação à percepção de risco para a hotelaria, como politicamente estável mas ainda arriscado. Esse risco chega a desaparecer para uma pequena parcela das cadeias presentes no país. As barreiras de penetração no Brasil existem, marcadamente a infra-estrutura deficiente e a falta de uma política governamental clara e consistente para o setor. Em suma, é possível afirmar que a percepção de atratividade de mercado está sim refletida na avaliação feita do turismo e do potencial de mercado hoteleiro no contexto brasileiro para os dois grupos de cadeias hoteleiras. B. O posicionamento estratégico das cadeias hoteleiras em relação à competição e expansão/entrada de mercado está refletido na percepção de atratividade dos dirigentes: mais claramente para as cadeias presentes no mercado e menos claramente para as ausentes dele. Um aspecto que corrobora este fato é a idéia de consolidação no mercado, seja para os que já são líderes, seja para os que estão aumentando sua presença no país e buscando market-share. O interesse forte pelo mercado hoteleiro brasileiro também está refletido na percepção de grande movimentação dos competidores, que tentam entrar ou expandir-se no mercado. Para as cadeias ausentes do mercado, há divisão de opinião entre o fato concreto - competidores melhor estruturados e posicionados - e talvez a falta de informação - a avaliação de que os competidores estão ausentes do mercado. Existe sim uma dicotomia entre as cadeias presentes e ausentes; enquanto as primeiras são claramente impulsionadas pela ação dos competidores, as segundas não conseguem avaliar a conseqüência dessa ação. O tempo de penetração para a grande maioria está acontecendo, tornando a disputa bastante aberta. Mesmo para outra parte expressiva dos respondentes, que avalia que o timing já ocorreu, existe idéia de emparelhamento no curto prazo com os protagonistas atuais. O mercado hoteleiro é nitidamente importante para os planos operacionais das cadeias hoteleiras multinacionais na arena internacional. Todas se imaginam superiores a seus concorrentes em vários fatores diferenciais e esperam expandir-se predominantemente através de formas de baixo envolvimento de recursos, notadamente contratos de gerenciamento e franchising. A forma de joint-venture indicada em ambos os grupos denota para os já presentes vontade de somar forças com grupos já estabelecidos e para as ausentes, necessidade de um canal para travar conhecimento de mercado. A média de ocupação hoteleira no Brasil é em geral de boa a ótima, com algumas exceções de sempre. Mesmo assim, a renda hoteleira gerada é apontada como 11

12 satisfatória apenas pela metade dos respondentes presentes no país, os outros apontando-a como levemente ou significantemente inferior à marca mundial. Em suma, é possível afirmar que a percepção de atratividade de mercado está sim refletida na avaliação feita da competição e expansão/entrada de mercado no tocante às cadeias presentes no mercado hoteleiro brasileiro. Essa percepção não se reflete tão claramente para as cadeias ausentes do mercado. C. Em relação a informação e pesquisa de mercado, a diferença de posicionamento estratégico entre os dois grupos fica mais evidente dado ao maior distanciamento das respostas e, por conseguinte, revelando que para as cadeias presentes no mercado brasileiro a percepção de atratividade informada casa com o posicionamento estratégico tomado, já para os ausentes, este casamento não se verifica. Veja-se: as cadeias ausentes seguem o mercado esporadicamente em sua maioria, ou atualizam suas informações mercadológicas sobre ele em freqüência muito baixa. Já as cadeias presentes no mercado brasileiro realizam essa atualização predominantemente todo mês e sistematicamente, ou quando muito semestralmente. Interesse forte é medido por nível de informação alta; daí o descolamento - no grupo das cadeias ausentes do mercado - entre um nível baixo de informação e um forte interesse informado. As cadeias presentes no mercado têm procurado com sua informação mercadológica realizar predominantemente novos negócios, mas também procurado destacar-se da concorrência através de um melhor posicionamento. Por suas respostas, as cadeias ausentes do mercado voltam a indicar que o interesse não deveria ser tão forte assim, pois as respostas variam muito, sem objetivamente utilizar a informação que dispõem, em alguns casos, para concretização de ações. Quando o fazem, procuram melhor posicionamento - com finalidade incerta já que ausentes do país - até concretização de negócios, só que em porcentagem abaixo do esperado. As condições de expansão de negócios no Brasil são vistas como boas e crescentes pelos dois grupos e geram comportamento pró-ativo por parte delas - de avaliação constante de seu potencial e procura de oportunidades -, especialmente para as cadeias presentes no mercado. É reflexo puro da freqüência de levantamento de informações mercadológicas. Em suma, é possível afirmar que a percepção de atratividade de mercado está sim refletida na avaliação feita da informação e pesquisa de mercado no tocante às cadeias presentes no mercado hoteleiro brasileiro. Essa percepção, entretanto, não se reflete no posicionamento adotado para negócios para as cadeias ausentes do mercado. Visão do Autor Há dois pontos que merecem comentário, um quanto às proposições, outro quanto ao cruzamento entre posicionamento estratégico e percepção de atratividade. As proposições levantadas como hipóteses de trabalho - fruto de extensa revisão bibliográfica e cruzamento tentativo - foram confirmadas a partir do cruzamento dos dados da pesquisa, levando a um melhor entendimento dos condicionantes da percepção de atratividade a partir da caracterização do posicionamento estratégico para negócios. O cruzamento dos dados da pesquisa - posicionamento estratégico x percepção de atratividade -, ou seja, a caracterização do posicionamento estratégico para negócios das grandes cadeias multinacionais de hotéis a partir de questões de pesquisa e o confronto com a 12

13 percepção de atratividade informada teve o mérito de desvendar duas situações. A primeira para as cadeias presentes no país, para as quais existe casamento entre a percepção de atratividade informada e o posicionamento estratégico estudado para todos os grupos de questões. A segunda para as cadeias ausentes do mercado hoteleiro brasileiro, para as quais o casamento dá-se claramente apenas quando o estudo do posicionamento estratégico limita-se ao turismo e potencial de mercado hoteleiro, sendo declinante ao se introduzir as questões sobre competição e entrada de mercado. O descasamento quase que total verifica-se no cruzamento entre a percepção de atratividade informada e o posicionamento estratégico estudado para as questões relativas a informação e pesquisa de mercado. A diferença entre os dois grupos de cadeias pode ser atribuída principalmente ao distanciamento do mercado por parte das cadeias ausentes dele, fator que ainda gera um falso conhecimento e entendimento a seu respeito. Assim, quando o posicionamento estratégico é caracterizado com vistas a validar a percepção de atratividade informada, pontos de indefinição são revelados, como certa incerteza a respeito da movimentação de competidores e suas conseqüências e, pior ainda, a falta de informação atualizada sobre o mercado e a boa utilização da mesma com vistas à concretização de negócios. Como visto anteriormente, a varredura do ambiente é uma prática que ainda requer melhor atenção por parte de organizações, especialmente se pretendem ser globais em orientação e deter fatias crescentes do mercado mundial de hospedagem. Por fim, mais uma vez fica estabelecido o viés surgido a partir da percepção dos tomadores de decisão sobre a atratividade de mercado quando essa avaliação não decorre de um estudo criterioso e isento das questões que, por caracterizarem o posicionamento estratégico para negócios, verdadeiramente configuram a atratividade de mercado. Novamente seria aconselhável, como sugerem diversos estudiosos, a criação de núcleos específicos dentro da organização - dos quais os tomadores de decisão tomem parte - para estudo e acompanhamento dos mercados e de todas as decisões que gerem negócios. Referências Bibliográficas AGUILAR, F.J. (1967). Scanning the Business Environment. New York, NY: McMillan AHARONI, Yair (1966). The Foreign Investment Decision Process. Boston, MA: Harvard Graduate School of Business Administration (Division of Research) BLODGETT, L.L. (1991). Partner Contributions as Predictors of Equity Share in International Joint Ventures. Journal of International Business Studies, 22 (1): BOURGEOIS, L. (1980). Strategy and Environment: A Conceptual Integration. Academy of Management Review, 5 (1): CAVUSGIL, S.Tamer (1982). Some Observations on the Relevance of the Critical Variables for Internationalization Stages. Pp.: In: CZINKOTA, Michael R., ed.. Export Management. Nova York, NY: Praeger (1980). On the Internationalization Process of Firms. European Research, 8 (6) Novembro: CONTRACTOR, Farok J. (1990). Contractual and Cooperative Forms of International Business: Towards a Unified Theory of Modal Choice. Management International Review, 30 (1):

14 (1981). The Role of Licensing in International Strategy. Columbia Journal of World Business, 16 (4): CORIOLANO, Plínio Vidigal (1998). Posicionamento Estratégico das Cadeias Multinacionais de Hotéis na Avaliação de Mercado Hoteleiro Brasileiro para Negócios. São Paulo, 253pp.. Tese (Doutorado) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas. DILL, W.R. (1958). Environment as an Influence on Managerial Autonomy. Administrative Science Quaterly, 2 (2): DOUGLAS, Susan P. & CRAIG, C.Samuel (1989). "Evolution of Global Marketing Strategy: Scale, Scope and Synergy". Columbia Journal of World Business, 24 (3) Outono: DYMSZA, W.A. (1972). Multinational Business Strategy. New York, NY: McGraw-Hill ERRAMILLI, M. Krishna (1991). "The Experience Factor in Foreign Market Entry Behavior of Service Firms". Journal of International Business Studies, 22 (3): FATEHI-SEDEH, K. & SAFIZADEH, M.H. (1989). The Association Between Political Instability and Flow of Foreign Direct Investment. Management International Review, 29 (4): 4-13 FAYERWEATHER, J. (1981). Four Winning Strategies for the International Corporation. Journal of Business Strategy, 2 (2) Outono: FLEENOR, Debra (1993). "The Coming and Going of the Global Corporation". Columbia Journal of World Business, 28 (4) Inverno: 6-16 GO, Frank M.; PYO, Sung Soo; UYSAL, Muzaffer; MIHALIK, Brian J. (1990). "Decision Criteria for Transnational Hotel Expansion". Tourism Management, 11 (4) Dezembro: GHOSHAL, Sumantra & BARLETT (1990). The Multinational Corporation as Interorganizational Network. Academy of Management Review, 15 (4): GLAISTER, K. (1991). International Success: Company Strategy and National Advantage. European Management Journal, 9 (3): GLOBERMAN, S. (1988). Government Policies Toward Foreign Direct Investment: Has a New Era Dawned?. Columbia Journal of World Business, 23 (3): GODIWALLA, Y.H. (1986). Multinational Planning: Developing a Global Approach. Long Range Planning, 19 (2): HALL, R.H. (1977). Organisation: Structure and Process. New Jersey: Prentice Hall HAMBRICK, D.C. (1982). Environmental Scanning and Organizational Strategy. Strategic Management Journal, 3: HAMEL, G. & PRAHALAD, C.K. (1985). Do You Really Have a Global Strategy?. Harvard Business Review, 63 (4) Jul/Ago: HOFFMAN, Richard C. & GOPINATH, C. (1994). "The Importance of International Business to the Strategic Agenda of U.S. CEOs". Journal of International Business Studies, 25 (3): HOUT, T.; PORTER, M.E.; RUDDEN, E. (1982). How Global Companies Win Out. Harvard Business Review, 60 (5) Set/Out:

15 HUO, Y.Paul & McKINLEY, William (1992). "Nation as a Context for Strategy: The Effects of National Characteristics on Business-Level Strategies". MIR - Management International Review, 32 (2): JOHANSON, J. & VAHLNE, J. (1977). The Internationalization Process of the Firm: A Model of Knowledge Development and Increasing Foreign Commitments. Journal of International Business Studies, Primavera/Verão: KEEGAN, W.J. (1974). Multinational Scanning: A Study of the Information Sources Utilized by Headquarters Executives in Multinational Companies. Administrative Science Quaterly, 19 (3): KENNEDY, C.R.Jr. (1984). The External Environment-Strategic Planning Interface: U.S. Multinational Corporate Practices in the 1980s. Journal of International Business Studies, 15 (2): KOBRIN, Stephen J.; BASEK, J.; BLANK, S.; La PALOMBARA, J. (1980). The Assessment and Evaluation of Non-economic Environments by American Firms: A Preliminary Report. Journal of International Business Studies, 11 (1): KOGUT, Bruce (1989). Research Notes and Communications: A Note on Global Strategies. Strategic Management Journal, 10: LEVITT, R. (1983). The Globalization of Markets. Harvard Business Review, 61 (3) Mai/Jun: LI, Jiatao (1994). "Experience Effects and International Expansion: Strategies of Service MNCs in the Asia-Pacific Region". MIR - Management International Review, 34 (3): MASCARENHAS, Briance (1982). Coping With Uncertainty in International Business. Journal of International Business Studies, 13 Outono: O CONNELL, J.O. & ZIMMERMAN, J.W. (1979). Scanning the International Environment. California Management Review, 22 (2): OHMAE, Kenichi (1989). The Global Logic of Strategic Alliances. Harvard Business Review, Mar/Abr: PEARCE II, John A. & ROBINSON Jr., Richard B. (1988). Strategic Management: Strategy Formulation and Implementation. 3ª Edição. Homewood, IL: Irwin PFEFFER, J. & SALANCIK, F.R. (1978). The External Control of Organizations. New York, NY: Harper and Row PORTER, Michael E. (1991). Towards a Dynamic Theory of Strategy. Strategic Management Journal, 12 (1): (1990). The Competitive Advantage of Nations. Londres: The MacMillan Press (1986). Changing Patterns of International Competition. California Management Review, 28 (2): 9-40 (1980). "Competitive Strategy: Techniques for Analyzing Industries and Competitors". Nova York, NY: The Free Press/McMillan Publishing Co. PREBLE, J.F.; RAU, P.A.; REICHEL, A. (1989). The Environmental Scanning Practices of Multinational Firms: An Assessment. International Journal of Management, 6 (1):

16 REID, Stan (1980). A Behavioral Approach to Export Decision Making. In: BAGOZZI, R.P. et al., eds.. Marketing in the 80's: Changes and Challenges. Chicago, IL: American Marketing Association SETHI, N.K. (1982). Strategic Planning System for Multinational Companies. Long Range Planning, 15 (3): SLATTERY, Paul & OLSEN, Michael D. (1984). "Hospitality Organisations and Their Environment". "International Journal of Hospitality Management", 3 (2): STOEVER, W.A. (1985). The Stages of Developing Country Policy Toward Foreign Investment. Columbia Journal of World Business, 20 (3) STOPFORD, John M. & WELLS Jr., Louis T. (1972). Managing the Multinational Enterprise. New York, NY: Basic Books Inc. SUBRAMANIAN, Ram; FERNANDES, Nirmala; HARPER, Earl (1993). "Environmental Scanning in U.S. Companies: Their Nature and their Relationship to Performance". MIR - Management International Review, 33 (3): YIP, George S. (1989). Global Strategy... In a World of Nations?. Sloan Management Review, Outono:

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Programa Prof. João Pedro Couto Objectivos Esta disciplina tem como finalidade fornecer aos alunos um conjunto de elementos que permitam aos mesmos, utilizando uma lógica de raciocínio

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 1 Negócios Internacionais: Fundamentos 2004 Prentice Hall, Inc 1-1 Objectivos do Capítulo Definir negócios internacionais

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

Vantagens Competitivas (de Michael Porter)

Vantagens Competitivas (de Michael Porter) Vantagens Competitivas (de Michael Porter) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: SOARES, Claudio César. Introdução ao Comércio Exterior Fundamentos Teóricos do Comércio Internacional.

Leia mais

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás Polo: Petrobras Programa do Módulo I Módulo I: Planejamento Estratégico

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt PRINCIPAIS TÓPICOS A emergência da Diplomacia Económica e suas razões As mudanças

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL

OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL OS BENEFÍCIOS DO IDE E PRODUÇÃO INTERNACIONAL Mara Janaina Gomes de Oliveria 1 ¹Mestre em Economia pela Unesp Professora do IMMES RESUMO O investimento direto estrangeiro tornou-se, desde o inicio de 90,

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

MBA Executivo em Gestão de Pessoas

MBA Executivo em Gestão de Pessoas ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Gestão de Pessoas www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX: (11) 3711-1000 MBA

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica

Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica Capital de risco: oportunidade de financiamento para as empresas de base tecnológica Heloise das Neves Balan Nathalie Aparecida dos Santos Rôas RESUMO - O presente trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Como Projetar Cenários Setoriais para Business Valuation

Como Projetar Cenários Setoriais para Business Valuation Como Projetar Cenários Setoriais para Business Valuation! Quais as relações entre ambiente e estratégia! O que é fator crítico de sucesso?! Quais as etapas para elaboração de cenários?! O Modelo Estrutura-Conduta-

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão 5 Conclusão A partir deste estudo, foi possível observar como as teorias de internacionalização puderam explicar diferentes aspectos da expansão para a China das empresas estudadas. A teoria Poder de Mercado

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Projeto Setorial de Exportação. ABF Associação Brasileira de Franchising

Projeto Setorial de Exportação. ABF Associação Brasileira de Franchising Projeto Setorial de Exportação ABF Associação Brasileira de Franchising Abril / 2013 INTRODUÇAO A ABF A Associação Brasileira de Franchising é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 1987. Hoje a ABF

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Estratégia Internacional

Estratégia Internacional Estratégia Internacional Professor: Claudemir Vasconcelos Aluno: Sergio Abreu Estratégia Internacional A internacionalização não se limita somente ao Comércio exterior (importação & exportação); é operar

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

CGBA Certificate in Global Business Administration

CGBA Certificate in Global Business Administration CGBA Certificate in Global Business Administration Desafios Internacionais, Líderes Globais O CERTIFICATE IN GLOBAL BUSINESS ADMINISTRATION O Certificate in Global Business Administration (CGBA), criado

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br

MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br Aula 3 Modelos de Estratégias de Crescimento MBA em Gestão Empresarial Prof. Luiz Henrique Moreira Gullaci, Ms. : luizhenrique@gullaci.com.br PRINCIPAIS MATRIZES DE ANÁLISE EM PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 Agenda 1. Demanda por profissionais e a estratégia de gestão de pessoas 2. Gestão de pessoas tendências

Leia mais

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos Plano Aula 10 24/10/2011 - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos 1 Exercício de Desenvolvimento Pessoal O objetivo deste exercício é praticar os conceitos de Controle

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS RESUMO

PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS RESUMO PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS CLASSIFICAÇÃO JEL: F12 Fernanda De Negri RESUMO Este artigo analisa a relação entre os padrões tecnológicos e o desempenho externo das

Leia mais

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Problema Questionamentos no Brasil a respeito dos conceitos de cumulatividade

Leia mais

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009

LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Maria Teresa Baggio Rossi. 20 de maio de 2009 BARREIRAS À IMPLEMENTAÇÃO DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Maria Teresa Baggio Rossi 20 de maio de 2009 Agenda Ambiente Empresarial Fator Motivador Objetivo

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais