Engloba todos os aspectos das viagens pelos quais o turista conhece a vida e o pensamento da comunidade receptora ou local (Pires, 2004).

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engloba todos os aspectos das viagens pelos quais o turista conhece a vida e o pensamento da comunidade receptora ou local (Pires, 2004)."

Transcrição

1 Turismo O turismo é, actualmente, uma actividade transversal a toda a economia, que tem efeitos directos e indirectos sobre outros sectores, o que o torna, citando a Organização Mundial do Turismo (OMT), key driver do progresso sócioeconómico. O Turismo na Economia Nacional O turismo tem vindo a ter na economia nacional, a par com a tendência mundial, uma crescente relevância. A importância económica do turismo é aferida pela Conta Satélite do Turismo em Portugal (CSTP). 2

2 A(=23,F"'(*$()%'*'",$(G$%,'*$/ A CSTP integra as várias actividades e produtos relacionados directa ou indirectamente, reflectindo a real importância do sector e permitindo a comparação com outros sectores de actividade. A(=23,F"'(*$()%'*'",$(G$%,'*$/ Analisando o posicionamento do sector nas principais receitas externas, o turismo regista valores superiores a qualquer dos restantes sectores exportadores nacionais 3

3 A(=23,F"'(*$()%'*'",$(G$%,'*$/ É óbvia a importância do sector do turismo para a economia portuguesa. O turismo é um sector verdadeiramente estratégico, onde o país detém claras vantagens competitivas a serem exploradas. O Plano Estratégico Nacional do Turismo Da consciencialização da importância do sector, surgiu, por iniciativa do Governo e sob a égide do Ministério da Economia e da Inovação, o Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT, 2006). 4

4 O Plano Estratégico Nacional do Turismo Documento base para o desenvolvimento do turismo em Portugal, onde está reflectida a estratégia a seguir, com as linhas mestras orientadoras para o desenvolvimento sustentado do sector, visando a coesão territorial, a criação de riqueza e de emprego e a contribuição para o bem-estar da população. A(=23,F"'(*$()%'*'",$(G$%,'*$/ Contribuição do turismo para o equilíbrio da Balança de Pagamentos Contribuição do turismo para o Produto Interno Bruto Contribuição do turismo para a criação de empregos O turismo como motor da actividade empresarial 5

5 =23,F"'(%2/&23$/ Engloba todos os aspectos das viagens pelos quais o turista conhece a vida e o pensamento da comunidade receptora ou local (Pires, 2004). Arte Música e dança Gastronomia típica Folclore =23,F"'(%2/&23$/ Artesanato (lembranças) Arquitectura tradicional 6

6 Património arquitectónico Igrejas, procissões, festas religiosas Agricultura tradicional da região Desenvolvimento científico Património natural Etc, etc. =23,F"'(%2/&23$/ =23,F"'(%2/&23$/ Os aspectos culturais são um forte impulso para o desenvolvimento da actividade turística. MAS, a animação é um elemento fundamental de qualquer destino turístico. 7

7 H(,"#'3&I*%,$(4'F()50*&'F Os eventos são factores de renovação e revitalização de lugares e regiões que têm grandes impactos a nível económico, social e cultural. H(,"#'3&I*%,$(4'F()50*&'F A celebração de eventos constitui uma estratégia efectiva de diversificação da oferta turística, como forma de captar novos segmentos de procura, e renovar o interesse dos visitantes habituais. 8

8 =23,F"'(40()50*&'F Os eventos ajudam a promover destinos e a captar turistas. Segundo Yeomann (2006), eles podem mesmo ser vistos como uma forma de turismo, estando intimamente relacionados com prosperidade económica e desenvolvimento. O lugar ocupado pelos eventos no PENT O PENT(2006) dedica um lugar importante ao sector dos eventos, reconhecendo a importância do mesmo para a economia nacional e o desenvolvimento do turismo. 9

9 O lugar ocupado pelos eventos no PENT No capítulo dedicado às linhas de desenvolvimento estratégico, o ponto III.6 é dedicado aos Eventos: Objectivo Dinamização de um calendário nacional de eventos que assegure a notoriedade do destino e o enriquecimento da experiência do turista O lugar ocupado pelos eventos no PENT J'*&0K(L)G=(M899N-((#O(PQR 10

10 Megaeventos J'*&0K(L)G=(M899N-(#O(PSR Grandes eventos promocionais J'*&0K(L)G=(M899N-(#O(PSR 11

11 Animação local J'*&0K(L)G=(M899N-(#O(PTR Animação local J'*&0K(L)G=(M899N-(#O(PTR 12

12 Impactos Económicos J'*&0K((U$F0$4'(0"(L0$3%0 M:PVPRW(7$&X,0*F'* 0(Y$// M:PV8R!"#$%&'(( M:PPPR( Impactos Sociais J'*&0K((U$F0$4'(0"(.$*&$*$(M:PPZR 13

13 Impactos Culturais J'*&0K((U$F0$4'(0"(.$*&$*$(M:PPZR Impactos Ambientais J'*&0K(U$F0$4'(0"!"#$%&'(( M:PPPR(0(132C(M899:R 14

14 Trabalho prático estrutura 1. Breve caracterização do evento: origens, público-alvo, nº participantes data, local de realização outras informações que julguem pertinentes 2. Levantamento dos principais impactos económicos, sociais e culturais gerados pelo evento na cidade/região/país Bibliografia CRUZ, R. (2001), Introdução à Geografia do Turismo, Roca, São Paulo MATHIESON, A. e WALL, G. (1982), Tourism: Economic, Physical and Social Impacts, Longman Publishing Group, Essex PEARCE, D. (1989), Tourist Development, Longman Scientific & Technical, Essex PIRES, E. (2004), As Inter-relações Turismo, Meio Ambiente e Cultura, Instituto Politécnico de Bragança, Bragança RUSCHMANN, D. (1999), Turismo e Planejamento Sustentável: a Protecção do Meio Ambiente, Papirus Editora, São Paulo SANTANA, A. (1997), Antropología y Turismo, Editorial Ariel, Barcelona TURISMO DE PORTUGAL, I.P., (2006), Plano Estratégico Nacional do Turismo, Turismo de Portugal IP, Lisboa YEOMANN, I. et al (2006), Gestão de Festivais e Eventos: Uma perspectiva Internacional de Artes e Cultura, Editora Roca, São Paulo 16

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento

OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL OTIC- IPS Oficina de Transferência de Tecnologia e Conhecimento 28 de Novembro de 2006 Agenda Como surgiu Missão Objectivos Estrutura organizativa Principais linhas de

Leia mais

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente República de Angola Ministério do Ambiente Seminário Energias Limpas em Angola: Ministério da Energia e das Águas O Impacto das Energias Limpas no Ambiente Direcção Nacional de Tecnologias Ambientais 7

Leia mais

O MONTADO DE SOBRO E A CORTIÇA

O MONTADO DE SOBRO E A CORTIÇA O MONTADO DE SOBRO E A CORTIÇA CARACTERIZAÇÃO Pretende-se valorizar um recurso endógeno de grande valor e significado económico como é o montado de sobro e cortiça para o qual pretendem encontrar novas

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Turismo e Lazer Ano letivo 2012-2013 Unidade Curricular Itinerários Turísticos ECTS 7 Regime Obrigatório Ano 3.º Ano Semestre 1.º Semestre Horas de trabalho globais Docente (s) Augusto José Moutinho

Leia mais

Formação COMPETÊNCIAS FORMAÇÃO PARA A PRODUTIVIDADE. Consultoria SERVIÇOS SOLUÇÕES À MEDIDA DE CADA CLIENTE PARA AUMENTO DE EFICIÊNCIA

Formação COMPETÊNCIAS FORMAÇÃO PARA A PRODUTIVIDADE. Consultoria SERVIÇOS SOLUÇÕES À MEDIDA DE CADA CLIENTE PARA AUMENTO DE EFICIÊNCIA OFERECEMOS SERVIÇOS DIFERENCIADOS, EM PARCERIA COM OS NOSSOS CLIENTES, DE FORMA A ULTRAPASSAR AS SUAS EXPECTATIVAS E A PRODUZIR RESULTADOS TRANSFORMATIVOS Ao unir o talento dos profissionais de todo o

Leia mais

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO

PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 2015-2016 PLANIFICAÇÃO - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO DE TURISMO DISCIPLINA: TURISMO INFORMAÇÃO E ANIMAÇÃO TURÍSTICA. 11º ANO GESTÃO

Leia mais

APRESENTAÇÃO EXCLUSIVA A FABRICANTES, PRODUTORES E MARCAS DE PORTUGAL

APRESENTAÇÃO EXCLUSIVA A FABRICANTES, PRODUTORES E MARCAS DE PORTUGAL APRESENTAÇÃO EXCLUSIVA A FABRICANTES, PRODUTORES E MARCAS DE PORTUGAL O QUE É? O centro PIC é o inovador centro de negócios, no centro de Portugal, 100% dedicado a promover e ajudar o crescimento das

Leia mais

monitorização da aplicação abordagem LEADER - PRODER da Estratégia Local de Desenvolvimento

monitorização da aplicação abordagem LEADER - PRODER da Estratégia Local de Desenvolvimento monitorização da aplicação da Estratégia Local de Desenvolvimento abordagem LEADER - PRODER 2009 2011 Projectos inovadores de revitalização do mundo rural, em Abrantes, Constância e Sardoal TAGUS, 12 de

Leia mais

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO

FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO FORMULÁRIO DE PRÉ-PROJECTO iniciativa CENTROS DE EXCELÊNCIA :: iniciativa :: gestão :: financiamento ÍNDICE NOTAS EXPLICATIVAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PRÉ-PROJECTO 3 I - INFORMAÇÃO GERAL 5 1.

Leia mais

GASTRONOMIA, PATRIMÓNIO CULTURAL um ativo da restauração e do turismo nacional

GASTRONOMIA, PATRIMÓNIO CULTURAL um ativo da restauração e do turismo nacional GASTRONOMIA, PATRIMÓNIO CULTURAL um ativo da restauração e do turismo nacional A Gastronomia Nacional é "bem" que deve ser vivido para ser compreendido e apreciado. É fundamental que o nosso rico Património

Leia mais

Turismo de Natureza e Turismo de Mar O Turismo em Zonas Costeiras

Turismo de Natureza e Turismo de Mar O Turismo em Zonas Costeiras Turismo de Natureza e Turismo de Mar O Turismo em Zonas Costeiras Adriana Rodrigues, Entidade Regional Turismo Centro Portugal Fábrica Centro Ciência Viva I 05 novembro 2015 Capítulo I Perspetiva Mundial

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos PRINCÍPIOS GERAIS Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos Funções Operacionais 30-03-2006 1 30-03-2006 2 PRINCÍPIOS GERAIS Apoio à Governação (em todos os Ministérios) Serviços de planeamento,

Leia mais

ATIVIDADE CONSULTORIA ESTRATÉGICA MARKETING E COMUNICAÇÃO ESTUDOS EVENTOS PUBLICAÇÕES FORMAÇÃO

ATIVIDADE CONSULTORIA ESTRATÉGICA MARKETING E COMUNICAÇÃO ESTUDOS EVENTOS PUBLICAÇÕES FORMAÇÃO 1 ATIVIDADE 6 ATIVIDADE CONSULTORIA ESTRATÉGICA MARKETING E COMUNICAÇÃO ESTUDOS EVENTOS PUBLICAÇÕES FORMAÇÃO 7 ESTUDOS Os estudos são ferramentas importantes para conhecer tendências, comportamentos, perfis

Leia mais

Isabel Raposo INAG, I.P.

Isabel Raposo INAG, I.P. Isabel Raposo INAG, I.P. E se no futuro não tivermos água? O Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água (PNUEA) aprovado em 2005, pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 113/2005, de 30 de Junho,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE --------------- MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE --------------- MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE --------------- MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO Intervenção de Sua Excelência Paulo Francisco Zucula, Ministro dos Transportes e Comunicações, por

Leia mais

Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET. Um compromisso e um desafio a enfrentar

Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET. Um compromisso e um desafio a enfrentar Implementar Sistemas de Garantia da Qualidade em Linha com o Quadro EQAVET Um compromisso e um desafio a enfrentar Gonçalo Xufre Silva Presidente do Conselho Diretivo da Agência Nacional para a Qualificação

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho 2007 1 O sector do turismo assume um papel relevante na economia portuguesa, confirmado pelo peso que representa no PIB e no emprego, em

Leia mais

Seminário Cascais e a sua Costa : Potencialidades e Vulnerabilidades das Alterações climáticas para o Turismo Local

Seminário Cascais e a sua Costa : Potencialidades e Vulnerabilidades das Alterações climáticas para o Turismo Local Seminário Cascais e a sua Costa : Potencialidades e Vulnerabilidades das Alterações climáticas para o Turismo Local Departamento de Desenvolvimento e Inovação João Portugal 10 Outubro 2014 Turismo o que

Leia mais

O Meio Ambiente das Organizações

O Meio Ambiente das Organizações O Meio Ambiente das Organizações Meio Envolvente Contextual Meio Envolvente Transaccional Nadim Cassamo 1 Meio Ambiente das Organizações Contexto Económico Clientes Meio Envolvente Contextual Meio Envolvente

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º 02/SAICT/2016

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º 02/SAICT/2016 \ REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO N.º 02/SAICT/2016 SISTEMA DE APOIO À INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA (SAICT) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

Leia mais

Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Modelo de Excelência em Gestão Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Conceitos Fundamentais Os Fundamentos da Excelência em Gestão expressam conceitos que

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO ANUAL. ANO LECTIVO: 2011/2012 DISCIPLINA: Geografia ANO: 9º. (1ºPeríodo) AULAS (de 45 )

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO ANUAL. ANO LECTIVO: 2011/2012 DISCIPLINA: Geografia ANO: 9º. (1ºPeríodo) AULAS (de 45 ) ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO ANUAL ANO LECTIVO: 2011/2012 DISCIPLINA: Geografia ANO: 9º Aulas previstas 1º Período: 30 (45 ) 2º Período: 32 (45 ) 3º Período: 20 (45 ) UNIDADE

Leia mais

Termos de referência

Termos de referência REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério da planificação e desenvolvimento GABINETE DAS ZONAS ECONÓMICAS DE DESENVOLVIMENTO ACELERADO -GAZEDA Termos de referência elaboração da estratégia de comunicação e marketing

Leia mais

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT A Learning Factory tem actualmente como parceiros: 1. Plano curricular (módulos e carga horária) Formação Inicial (4 módulos) Learning Factory Workshop Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA DO TURISMO Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA DO TURISMO Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular ECONOMIA DO TURISMO Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Turismo 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ECONOMIA

Leia mais

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho)

Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes. Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/2004, de 27 de Julho) Escola Secundária Dr. João Carlos Celestino Gomes Curso de Educação e Formação Nível 2 Tipo 2 (Despacho Conjunto nº 453/04, de 27 de Julho) Área de Formação: 523-ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO Saída profissional:

Leia mais

ECONOMIA DA EXPERIÊNCIA

ECONOMIA DA EXPERIÊNCIA ECONOMIA DA EXPERIÊNCIA Turismo Estudos Estratégicos do Turismo para 2020 (OMT, 1997) A tendência do turista para as próximas décadas: viajar para destinos onde, mais do que visitar e contemplar, fosse

Leia mais

III Encontro Paulista de Museus. Caio Luiz de Carvalho presidente da SPTuris

III Encontro Paulista de Museus. Caio Luiz de Carvalho presidente da SPTuris III Encontro Paulista de Museus Caio Luiz de Carvalho presidente da SPTuris TURISMO: ATIVIDADE ESTRATÉGICA Proporciona instalações turísticas e recreacionais que também podem ser usadas pela população

Leia mais

Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR. Miguel Coutinho

Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR. Miguel Coutinho Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR Miguel Coutinho PROJECTO ADAPTAÇÃO efeitos impactos MITIGAÇÃO CLIMA Adaptação: um conceito darwinista Diversidade genética Adaptação: um conceito

Leia mais

Medidas de Acolhimento para a População Idosa. Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008

Medidas de Acolhimento para a População Idosa. Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008 Medidas de Acolhimento para a População Idosa Instituto da Segurança Social, I.P. C.D.S.S - Vila Real 26 Setembro 2008 I Feira Social Novos Trilhos para a Participação Social Rede Social de Peso da Régua

Leia mais

Workshop. 22 e 23 Setembro 2009. Inscrições até 17 de Setembro Acesso Gratuito. Introdução e Sensibilização à Dança Inclusiva

Workshop. 22 e 23 Setembro 2009. Inscrições até 17 de Setembro Acesso Gratuito. Introdução e Sensibilização à Dança Inclusiva 22 e 23 Setembro 2009 Inscrições até 17 de Setembro Acesso Gratuito Formadores Rafael Alvarez e Carla Ribeiro Local de realização Escola Superior de Dança Informações Fundação LIGA Rua do Sítio ao Casalinho

Leia mais

ALENQUER NO QUADRO DO PORTUGAL 2020. 7 de Setembro de 2015

ALENQUER NO QUADRO DO PORTUGAL 2020. 7 de Setembro de 2015 ALENQUER NO QUADRO DO PORTUGAL 2020 7 de Setembro de 2015 ALENQUER PORTUGAL 2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS ITI Instrumentos Territoriais Integrados (concretizáveis através de Pactos para o Desenvolvimento

Leia mais

Pág. 1 de 48 MAPA DE PESSOAL 2015 - TURISMO DE PORTUGAL - 1ª ALTERAÇÃO LISTA DE ATIVIDADES/PROCEDIMENTOS E POSTOS DE TRABALHO NECESSÁRIOS*

Pág. 1 de 48 MAPA DE PESSOAL 2015 - TURISMO DE PORTUGAL - 1ª ALTERAÇÃO LISTA DE ATIVIDADES/PROCEDIMENTOS E POSTOS DE TRABALHO NECESSÁRIOS* MAPA DE PESSOAL 2015 - TURISMO DE PORTUGAL - 1ª ALTERAÇÃO LISTA DE ATIVIDADES/PROCEDIMENTOS E POSTOS DE TRABALHO NECESSÁRIOS* existentes 1ª Alteração Funções Dirigente superiores 1 1 Presidente Conselho

Leia mais

FACTORES DE COMPETITIVIDADE Assegurar a Qualificação do Território e das Cidades Aumentar a eficiência da Governação

FACTORES DE COMPETITIVIDADE Assegurar a Qualificação do Território e das Cidades Aumentar a eficiência da Governação O Papel do QREN na Dinamização da Economia Transmontana ÍNDICE QREN Quadro de Referência Estratégico Nacional das orientações à estruturação Programas Operacionais Temáticos DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA LOCAL

Leia mais

Economia Internacional I

Economia Internacional I Economia Internacional I Capítulo 6 Que Política Comercial? Este capítulo analisa as políticas e os instrumentos de política que os governos adoptam para gerir as suas relações comerciais externas; O enquadramento

Leia mais

Stand Turismo do Douro

Stand Turismo do Douro Programa de Animação Stand Turismo do Douro Bolsa de Turismo Lisboa 2011 23 a 27 de Fevereiro Dia 23, quarta-feira 11h30 Abertura Oficial do Programa de Animação Turismo do Douro 11h55 - Praça da Animação

Leia mais

EMPREGABILIDADE. Integ na Electomec.

EMPREGABILIDADE. Integ na Electomec. Desde a sua criação, a Universidade da Beira Interior tem vindo a desempenhar a sua missão como centro de criação, transmissão e difusão de cultura, de ciência e de tecnologia, com uma forte ênfase na

Leia mais

A Conta Satélite de Turismo para Portugal. Lisboa, 21 de Setembro de 2006

A Conta Satélite de Turismo para Portugal. Lisboa, 21 de Setembro de 2006 A Conta Satélite de Turismo para Portugal Lisboa, 21 de Setembro de 2006 1 A Conta Satélite de Turismo para Portugal (CSTP) (2000-2002) ÍNDICE: A CSTP Enquadramento Institucional Apresentação genérica

Leia mais

Geografia do Turismo. apresentação da disciplina. objectivos programa metodologia avaliação calendarização bibliografia

Geografia do Turismo. apresentação da disciplina. objectivos programa metodologia avaliação calendarização bibliografia Geografia do Turismo Curso de Especialização Tecnológica Técnicas e Gestão de Turismo 2012/2013 2009/2010 30 de novembro de 2012 apresentação da disciplina objectivos programa metodologia avaliação calendarização

Leia mais

Painel III INDÚSTRIAS CRIATIVAS O potencial da Propriedade Intelectual nos segmentos de entretenimento. Luiz Carlos Prestes Filho SEDEIS

Painel III INDÚSTRIAS CRIATIVAS O potencial da Propriedade Intelectual nos segmentos de entretenimento. Luiz Carlos Prestes Filho SEDEIS Painel III INDÚSTRIAS CRIATIVAS O potencial da Propriedade Intelectual nos segmentos de entretenimento Luiz Carlos Prestes Filho SEDEIS CREATIVE INDUSTRIES ECONOMIA CRIATIVA Primeira definição, 1998, Reino

Leia mais

Compreender os conceitos fundamentais e a terminologia no âmbito da contabilidade de custos;

Compreender os conceitos fundamentais e a terminologia no âmbito da contabilidade de custos; CONTABILIDADE DE CUSTOS APLICADA [13803] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Visa-se preparar o aluno nas técnicas necessárias à organização de contabilidades internas no contexto da indústria do turismo.

Leia mais

A estratégia de especialização inteligente para a região do Alentejo

A estratégia de especialização inteligente para a região do Alentejo O Sistema Nacional de Investigação e Inovação: desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 A estratégia de I&I e infraestruturas A estratégia de especialização inteligente para a região do Alentejo Fundação

Leia mais

O Desenvolvimento Local e a Abordagem EQUAL O PROVE Promover e Vender

O Desenvolvimento Local e a Abordagem EQUAL O PROVE Promover e Vender O Desenvolvimento Local e a Abordagem EQUAL O PROVE Promover e Vender Encontro Nacional Desenvolvimento Local em Portugal Lisboa 9 de Maio 2013 O PROVE e os seis princípios EQUAL Inovação Trabalho em Parceria

Leia mais

Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann

Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann CONFERENCE REGIONAL POLICY AROUND THE WORLD 29 de Setembro de 2008, Porto, Alfândega Nova do Porto Intervenção de Encerramento da Vice-Presidente da CCDR-N, Ana Teresa Lehmann 1. Em tempos de incerteza

Leia mais

(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis

(RSCECE e RCCTE) e a posição ocupada por Portugal no ranking do potencial de crescimento do mercado das energias renováveis As metas ambientais fixadas pela União Europeia para 2020 (aumento da eficiência energética e da utilização de energias renováveis em 20%), a recente legislação criada para o sector dos edifícios (RSCECE

Leia mais

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos

CAPITULO 6. Rendimentos e repartição dos rendimentos CAPITULO 6 Rendimentos e repartição dos rendimentos A actividade produtiva e a formação de rendimentos A repartição funcional dos rendimentos A repartição pessoal dos rendimentos A redistribuição dos rendimentos

Leia mais

Compreender os conceitos fundamentais e a terminologia no âmbito da contabilidade de custos;

Compreender os conceitos fundamentais e a terminologia no âmbito da contabilidade de custos; CONTABILIDADE ANALÍTICA I [12003] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Pretende-se fornecer um enquadramento teórico e prático da Contabilidade de Custos ou Analítica, em particular, dos objetivos prosseguidos

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Características Gerais Área de Educação e Formação Curso Profissional Saída Profissional Nível de Formação Modalidade de Formação Legislação Duração Certificação Equivalência Escolar

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais

NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo)

NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo) A INTERDISCIPLINARIDADE DOS SIG NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Madalena Mota Margarida Roque (Escola Secundária de Pinhal Novo) SUMÁRIO 1-Os SIG no ensino 1.1-Vantagens dos SIG no ensino e a formação dos professores

Leia mais

Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial PORTO 12/11/2014

Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial PORTO 12/11/2014 Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial PORTO 12/11/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES Medellin Cali Barranquila

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS Maria Graciette Cardoso Pitra Engª Química CHEFE DO DPTº Da BIOMASSA MINEA/DNER INTRODUÇÃO Angola, país actualmente com grande crescimento económico,

Leia mais

Maximização de oportunidades

Maximização de oportunidades Maximização de oportunidades Portugal Sou Eu Jaime Carvalho Esteves Partner PwC Agenda 1. Portugal Sou Eu 2. Equilíbrio sustentado da balança comercial Visão holística 3. Vantagens comparativas 4. Setores

Leia mais

Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo. Santarém, 16 de Outubro

Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo. Santarém, 16 de Outubro Gastronomia & Vinhos no contexto do Plano Estratégico Nacional do Turismo Santarém, 16 de Outubro - 2008 PENT- Plano Estratégico Nacional do Turismo Uma estratégia para o desenvolvimento do Turismo em

Leia mais

Campanha Cereja do Fundão 2016

Campanha Cereja do Fundão 2016 Campanha Cereja do Fundão 2016 Fundão responsável por mais de 50% da produção nacional de cereja. Mais de 300 produtores organizados Marca territorial de excelência Produção em 2015: 6 mil toneladas Investimento

Leia mais

Conferencia AQUASHARE 2012

Conferencia AQUASHARE 2012 REPÚBLICA DE MOCAMBIQUE MINISTERIO DA ENERGIA Conferencia AQUASHARE 2012 PERSPECTIVAS DA ENERGIA HIDROELECTRICA EM MOCAMBIQUE PASCOAL ALBERTO BACELA MINISTERIO DA ENERGIA MOCAMBIQUE MAPUTO, 10-11 MAIO

Leia mais

Reunião Técnica - ENOTURISMO PRODUTO ESTRATÉGICO PARA PORTUGAL - CONCLUSÕES

Reunião Técnica - ENOTURISMO PRODUTO ESTRATÉGICO PARA PORTUGAL - CONCLUSÕES Reunião Técnica - ENOTURISMO PRODUTO ESTRATÉGICO PARA PORTUGAL - CONCLUSÕES Cartaxo, 30 de Junho de 2009 Na sequência da reflexão desenvolvida ao longo deste dia de trabalho, foi possível comprovar que

Leia mais

CONVITE PROVERE PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS (1ª FASE)

CONVITE PROVERE PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS (1ª FASE) CONVITE PROVERE PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSOS ENDÓGENOS (1ª FASE) Avaliação das Estratégias de Eficiência Coletiva aprovadas no âmbito do QREN 2007 2013 AVISO Nº 01/CENTRO/2015 15 de maio

Leia mais

Intervenção do Deputado do Partido Socialista Berto Messias. Participação Cívica dos Jovens

Intervenção do Deputado do Partido Socialista Berto Messias. Participação Cívica dos Jovens Intervenção do Deputado do Partido Socialista Berto Messias Participação Cívica dos Jovens Sr. Presidente Sras. e Srs. Deputados Sr. Presidente do Governo Sras. e Srs. Membros do Governo Está plasmado

Leia mais

Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar-se nas respetivas características e ativos existentes no seu território, concentrando r

Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar-se nas respetivas características e ativos existentes no seu território, concentrando r Estratégia Regional de Especialização Inteligente Ateliê de AMBIENTE & RECURSOS NATURAIS Évora, 19 de Março de 2014 Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar-se nas respetivas características

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE CONTABILIDADE ANALÍTICA E GESTÃO ORÇAMENTAL

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE CONTABILIDADE ANALÍTICA E GESTÃO ORÇAMENTAL PROGRAMA DA DISCIPLINA DE CONTABILIDADE ANALÍTICA E GESTÃO ORÇAMENTAL LICENCIATURA BI-ETÁPICA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ANO LECTIVO 2006/2007 3.º ANO ANUAL DOCENTE: Equiparado a Assistente do 1.º Triénio

Leia mais

Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais. Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz

Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais. Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz Iª FEIRA ANUAL DO LIVRO 23 DE FEVEREIRO 2010 1 Estrutura da Apresentação 1. Introdução 2. Quadro Analítico 3. Problemática

Leia mais

1. A Chefs Agency. 2. Missão. 3. Objectivos. 4. Serviços. 5. Os chefs. 6. Clientes. 7. Parcerias

1. A Chefs Agency. 2. Missão. 3. Objectivos. 4. Serviços. 5. Os chefs. 6. Clientes. 7. Parcerias 1. A Chefs Agency 2. Missão 3. Objectivos 4. Serviços 5. Os chefs 6. Clientes 7. Parcerias 1. A Chefs Agency A Chefs Agency é especialista na definição e construção de imagens de marca na área da gastronomia.

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE CONTABILIDADE DE GESTÃO E CONTROLO ORÇAMENTAL I

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE CONTABILIDADE DE GESTÃO E CONTROLO ORÇAMENTAL I PROGRAMA DA DISCIPLINA DE CONTABILIDADE DE GESTÃO E CONTROLO ORÇAMENTAL I ANO LECTIVO 2006/2007 3.º ANO 1.º SEMESTRE SEMESTRAL Docente: Assistente do 1.º Triénio Daniel Ferreira de Oliveira CARGA HORÁRIA

Leia mais

Inovação no Setor da Vinha e do Vinho. 2.ª Edição 2012/2013

Inovação no Setor da Vinha e do Vinho. 2.ª Edição 2012/2013 Inovação no Setor da Vinha e do Vinho 2.ª Edição 2012/2013 Objetivos Reconhecer e premiar um projeto académico, que se destaque no âmbito da inovação no setor da vinha e do vinho. Um prémio que incentiva

Leia mais

Isabel Margarida da Costa Martins. Gestão Estratégica da Sazonalidade em Turismo: o Caso de Aveiro

Isabel Margarida da Costa Martins. Gestão Estratégica da Sazonalidade em Turismo: o Caso de Aveiro Universidade de Aveiro Departamento de Economia, Gestão e Engenharia 2010 Industrial Isabel Margarida da Costa Martins Gestão Estratégica da Sazonalidade em Turismo: o Caso de Aveiro Dissertação apresentada

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI

INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI 11/05/011 INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI Prof. Carlos Faria (adaptação) 011 O CONCEITO DE TI A Tecnologia da Informação abrange todos os aspectos envolvidos no gerenciamento das informações de uma organização.

Leia mais

AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO

AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO (2006 2009) Maio 2011 1 OBJECTIVOS Identificar as empresas gazela e as empresas de crescimento elevado (ECE) do tecido empresarial português. Caracterizar

Leia mais

Gestão da Informação oportunidade ou necessidade? Luis Borges Gouveia

Gestão da Informação oportunidade ou necessidade? Luis Borges Gouveia Gestão da Informação oportunidade ou necessidade? Luis Borges Gouveia Apresentação no IESF 19:00, 12 de Abril de 2006 Gestão da Informação: oportunidade ou necessidade? As preocupações com a Gestão da

Leia mais

Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV. Paulo César Cunha FGV Energia

Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV. Paulo César Cunha FGV Energia Pesquisa, Inovação e Capacitação em Energia a experiência da FGV Paulo César Cunha FGV Energia Há 70 anos a FGV nasceu com o objetivo de preparar pessoal qualificado para a administração pública e privada

Leia mais

EDITAL. Iniciativa NEOTEC

EDITAL. Iniciativa NEOTEC EDITAL Iniciativa NEOTEC O XVI Governo Constitucional, numa linha de continuidade da acção política do XV Governo Constitucional, considera essencial uma aproximação da inovação ao sector produtivo, de

Leia mais

Kit de Imprensa Controlinveste

Kit de Imprensa Controlinveste Kit de Imprensa Controlinveste A nossa história Com uma relevância crescente na vida dos portugueses, a Controlinveste é um dos maiores grupos de media em Portugal, com presença nos sectores da imprensa,

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PLANEAMENTO DE RH S

RECURSOS HUMANOS PLANEAMENTO DE RH S RECURSOS HUMANOS Introdução Definição e conceitos Introdução Definição e conceitos Planeamento de rh s? Introdução Definição e conceitos Definição e conceitos Cascio, (1986): O planeamento de RH s é: um

Leia mais

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 DECLARAÇÃO SOBRE A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO COMO CONTRIBUTO PARA A BOA GOVERNAÇÃO

Leia mais

Competitividade do subsector do caju em Moçambique

Competitividade do subsector do caju em Moçambique Competitividade do subsector do caju em Moçambique Máriam Abbas 1 04 de Setembro de 2013 1 Assistente de investigação do Observatório do Meio Rural e mestranda em Economia no Instituto Superior de Economia

Leia mais

A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO

A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO A BICS E O EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO A BICS COMO AGENTE NA PROMOÇÃO DO EMPREENDEDORISMO E DA INOVAÇÃO EMPRESARIAL, É UM ATOR FUNDAMENTAL NA DEFINIÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS NACIONAIS, REGIONAIS

Leia mais

MBA Gestão de Negócios Internacionais (Dupla Certificação Brasil / EUA) Telefone 0800.7183810 - Whatsapp (27)98833515

MBA Gestão de Negócios Internacionais (Dupla Certificação Brasil / EUA) Telefone 0800.7183810 - Whatsapp (27)98833515 MBA Gestão de Negócios Internacionais (Dupla Certificação Brasil / EUA) Telefone 0800.7183810 - Whatsapp (27)98833515 Apresentação do Professor Caio Rafael Peppe Caio Peppe é mestre em Administração de

Leia mais

www.jeve.pt O que é?

www.jeve.pt O que é? O que é? A Plataforma para a Educação do Empreendedorismo em Portugal (PEEP) em parceria com a K-Evolution desenvolveram o JEVE Jovens para o Empreendedorismo Verde e Empregabilidade, um projeto experimental

Leia mais

O planeamento como factor de sustentabilidade e competitividade de um destino turístico. José Sancho Silva

O planeamento como factor de sustentabilidade e competitividade de um destino turístico. José Sancho Silva O planeamento como factor de sustentabilidade e José Sancho Silva Resumo da intervenção: Macro tendências do turismo O turismo como factor de desenvolvimento nacional, regional e local A competitividade

Leia mais

de habitação social em 246 Municípios, constituído por cerca de 97 mil fogos e 22 mil edifícios edifícios

de habitação social em 246 Municípios, constituído por cerca de 97 mil fogos e 22 mil edifícios edifícios Caracterização da Habitação Social em Portugal 2009 09 de Julho de 2010 Parque de habitação social em 246 Municípios, constituído por cerca de 97 mil fogos e 22 mil edifícios Em termos médios nacionais,

Leia mais

Revista Viajar. 1 Quais as grandes vantagens da certificação?

Revista Viajar. 1 Quais as grandes vantagens da certificação? Dra. Carla Pinto Mais de 80 Certificados emitidos no sector do Turismo publicada na Revista Viajar, nº 187, dossier especial Certificação, em Junho 2006 Revista Viajar 1 Quais as grandes vantagens da certificação?

Leia mais

RESOLUÇÃO. Modalidade Tecnólogo em processo de extinção, conforme Res. CONSEPE 50/2003, de 29 de outubro de 2003.

RESOLUÇÃO. Modalidade Tecnólogo em processo de extinção, conforme Res. CONSEPE 50/2003, de 29 de outubro de 2003. RESOLUÇÃO CONSEPE /99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE TURISMO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que

Leia mais

O QUE É HISTORIAL III PARA QUÊ PARA QUEM LEMA COMO PARTICIPAR VII CRONOGRAMA VIII SELECÇÃO PREMIAÇÃO NOVIDADES

O QUE É HISTORIAL III PARA QUÊ PARA QUEM LEMA COMO PARTICIPAR VII CRONOGRAMA VIII SELECÇÃO PREMIAÇÃO NOVIDADES 5ª EDIÇÃO 2016 X 1 II III IV V VI VII VIII IX X O QUE É HISTORIAL PARA QUÊ PARA QUEM LEMA COMO PARTICIPAR CRONOGRAMA SELECÇÃO PREMIAÇÃO NOVIDADES Pemba Lichinga O QUE É 1I O Prémio 100 Melhores PME de

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade de Custos e de Gestão

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Contabilidade de Custos e de Gestão INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico / / Aprovação do Conselho Técnico-Científico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas estada média taxas de ocupação proveitos médios/dormida receitas do turismo

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas estada média taxas de ocupação proveitos médios/dormida receitas do turismo movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas estada média taxas de ocupação proveitos médios/dormida receitas do turismo Em Fevereiro de, o número de passageiros desembarcados de voos internacionais

Leia mais

Vale Inovação. Dezembro de 2011. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME)

Vale Inovação. Dezembro de 2011. Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) 1 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) Projecto Simplificado de Inovação Dezembro de 2011 2 Enquadramento: Apoiar de forma simplificada a aquisição de

Leia mais

Parte II. Turismo Industrial: O Caso da Região de Aveiro Ex Região de Turismo Rota da Luz

Parte II. Turismo Industrial: O Caso da Região de Aveiro Ex Região de Turismo Rota da Luz Parte II Turismo Industrial: O Caso da Região de Aveiro Ex Região de Turismo Rota da Luz I. Perfil dos visitantes Caracterização do Visitante Região de Residência NUT II Alentejo Não Respondeu Algarve

Leia mais

CENTRO DE REABILITAÇÃO DE PONTE DE LIMA

CENTRO DE REABILITAÇÃO DE PONTE DE LIMA Município de Ponte de Lima Associação Cultural CAL Comunidade Artística Limiana Associação dos Amigos de Arte Inclusiva Dançando com a Diferença (AAIDD) Associação Nacional de Arte e Criatividade de e

Leia mais

A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS

A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS COM HABILITAÇÃO SUPERIOR Em Fevereiro de 2008, o GPEARI do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior publicou o segundo relatório sobre a procura de emprego

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Web Marketing e Comércio Eletrónico

Ficha de Unidade Curricular (FUC) de Web Marketing e Comércio Eletrónico INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÂO DE COIMBRA Aprovação do Conselho Pedagógico 26/3/2014 Aprovação do Conselho Técnico-Científico 21/5/2014 Ficha de Unidade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008 9. Cooperar com outros em tarefas e projectos comuns. O Império Colonial português no Séc. XVIII: - Recursos naturais e actividades económicas; - Movimentos da população, tráfico de escravos; - A sociedade

Leia mais

GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os recursos disponibilizados pela organização,

GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os recursos disponibilizados pela organização, LIDERANÇA E PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DAS IPSS Cuidamos do Futuro do Envelhecimento em Portugal GESTÃO DE EXCELÊNCIA 2 Gestão: um conjunto de tarefas que procuram garantir a afectação eficaz de todos os

Leia mais

ciclo de WORKSHOPS «COMO MAXIMIZAR A SUA PARTICIPACÄO EM FEIRAS» LISBOA I PORTO I BRAGA I ALGARVE Apoio lnstitucional ~ IAEE CertOfledO~ Organizac;:äo

ciclo de WORKSHOPS «COMO MAXIMIZAR A SUA PARTICIPACÄO EM FEIRAS» LISBOA I PORTO I BRAGA I ALGARVE Apoio lnstitucional ~ IAEE CertOfledO~ Organizac;:äo ciclo de WORKSHOPS LISBOA I PORTO I BRAGA I ALGARVE «COMO MAXIMIZAR A SUA PARTICIPACÄO EM FEIRAS» Organizac;:äo Apoio lnstitucional ~ IAEE CertOfledO~ Exhibition ~t=.=!~ ~~g~ ont ~ WORKSHOP Como Maximizar

Leia mais

Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF

Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF Workshop: Importância da participação de Moçambique no Sistema Global de Informação Sobre Biodiversidade (GBIF) Participação nacional e guia para o estabelecimento de um Nó Nacional GBIF Rui Figueira Nó

Leia mais

UNIVERSIDADE DO MINHO

UNIVERSIDADE DO MINHO UNIVERSIDADE DO MINHO Instituto de Ciências Sociais Mestrado em Sociologia Especialização em Organizações e Desenvolvimento dos Recursos Humanos Higiene e Segurança no Trabalho e suas implicações na Gestão

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 18/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 18/XII Exposição de Motivos Nos últimos anos, os serviços e órgãos da administração directa e indirecta do Estado, bem como as Regiões Autónomas e as autarquias locais, têm, no âmbito

Leia mais

República de Moçambique Presidência da República

República de Moçambique Presidência da República República de Moçambique Presidência da República TURISMO PARA A PAZ E DESENVOLVIMENTO DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA, FILIPE JACINTO NYUSI, PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE, POR OCASIÃO DA REALIZAÇÃO

Leia mais

Calendário Anual de Eventos Culturais- São Brás de Alportel

Calendário Anual de Eventos Culturais- São Brás de Alportel Calendário Anual de Eventos Culturais- São Brás de Alportel 1.º Trimestre Jan> Março CHAROLAS, A FORÇA DA TRADIÇÃO Início de Janeiro Actuação de Grupos de Charolas do concelho, em digressão pelos sítios

Leia mais

Rede das Aldeias do Xisto

Rede das Aldeias do Xisto Rede das Aldeias do Xisto Plano de Desenvolvimento Sustentado As Aldeias do Xisto são constituídas por 23 aldeias distribuídas por 13 Municípios do Pinhal Interior, num território de uma enorme beleza

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO MUNICIPAL DE BRAGANÇA Tendo em conta o aumento da utilização do Aeródromo Municipal de

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO MUNICIPAL DE BRAGANÇA Tendo em conta o aumento da utilização do Aeródromo Municipal de REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO E EXPLORAÇÃO DO AERÓDROMO MUNICIPAL DE BRAGANÇA Tendo em conta o aumento da utilização do Aeródromo Municipal de Bragança nos últimos anos, torna-se necessário estabelecer

Leia mais