ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DE FRANCÊS DENOMINAÇÃO, FINS E SEDE DA ASSOCIAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DE FRANCÊS DENOMINAÇÃO, FINS E SEDE DA ASSOCIAÇÃO"

Transcrição

1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS PROFESSORES DE FRANCÊS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO I - DENOMINAÇÃO, FINS E SEDE DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º: A Associação dos Professores de Francês do Estado do Rio de Janeiro - APFERJ é uma sociedade civil, de caráter exclusivamente cultural, sem fins lucrativos, com sede e foro na cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, podendo ter filiais em outros municípios do Estado do Rio de Janeiro. Artigo 2º: A APFERJ tem por objetivos: a) congregar todos os professores de francês do Estado do Rio de Janeiro para troca permanente de idéias visando maior eficiência do ensino da lingua francesa; b) fornecer-lhes os meios para aperfeiçoarem a prática pedagógica e os conhecimentos da língua francesa e das culturas de língua francesa; c) trabalhar para a conservação e o desenvolvimento do ensino de francês no sistema educacional brasileiro. Parágrafo Único: Para a consecução de seus objetivos, a APFERJ divulgará aos associados as diferentes experiências pedagógicas dos professores no exercício da profissão, bem como examinará as dificuldades eventualmente encontradas e envidará todos os esforços a seu alcance para dar-lhes solução adequada. Artigo 3º: A APFERJ é associada à Federação Brasileira dos Professores de Francês - FBPF, sociedade civil de caráter sócio-cultural e sem fins lucrativos, com sede na cidade de Brasília, Distrito Federal. Parágrafo Único: A desfiliação da APFERJ da FBPF somente poderá ser deliberada em Assembléia Geral, especialmente convocada para esse fim. II - DOS ASSOCIADOS CATEGORIAS, ADMISSÃO, EXCLUSÃO, DIREITOS E DEVERES Artigo 4º: Os associados serão em número ilimitado e não responderão subsidiariamente pelas obrigações da APFERJ, dividindo-se nas seguintes categorias: a) sócios efetivos; b) sócios honorários.

2 Artigo 5º: Para ser admitido como sócio efetivo o candidato deve comprovar, através de documentação específica, que é professor de língua francesa ou estudante de Letras Português Francês, bem como ser residente no Estado do Rio de Janeiro ou ter filiação originária neste Estado. Parágrafo Primeiro - São sócios efetivos aqueles que assim forem admitidos na Associação e contribuírem regularmente para a sua manutenção, competindo à Diretoria fixar o valor da contribuição anual para professores e estudantes. Parágrafo Segundo: Os sócios efetivos terão direito, desde que em dia com suas obrigações sociais, a participar das atividades da APFERJ, a votar e a ser votado, bem como comparecer às assembléias e participar de suas decisões. Artigo 6º: São sócios honorários aqueles que, não sendo associados, tenham prestado relevantes serviços para o cumprimento dos objetivos a que se propõe a APFERJ, dispensados de quaisquer contribuições. Parágrafo Primeiro A admissão de sócios na categoria de honorário será deliberada pela Diretoria. Parágrafo Segundo O sócio honorário não poderá votar nem ser votado nas assembléias gerais da Associação. Artigo 7º: Os sócios têm obrigação de respeitar o Estatuto da Associação e manter sempre atualizado junto à Associação o seu cadastro e endereço para recebimento de correspondências, inclusive relativas à convocação para assembléias gerais. Artigo 8º: O associado poderá solicitar o seu desligamento do quadro social, através de correspondência à Diretoria, sendo que a demissão somente será aceita após a liquidação de débitos junto à APFERJ. Artigo 9º: A exclusão do associado pela Diretoria somente será admitida havendo justa causa, mediante prévio procedimento que lhe assegure o direito de defesa, cabendo recurso à Assembléia Geral. III - DAS ASSEMBLÉIAS Artigo 10º: A Assembléia Geral é órgão soberano da APFERJ e é constituída por seus associados habilitados e em pleno gozo de seus direitos sociais, na forma deste Estatuto.

3 Artigo 11: A Assembléia Geral será convocada e dirigida pelo Diretor Presidente, ou por seu substituto, sempre que os interesses sociais assim o exigirem, ou por solicitação de pelo menos 1/5 (um quinto) dos sócios efetivos. Parágrafo Primeiro A Assembléia Geral Ordinária será convocada anualmente, nos quatro primeiros meses seguintes ao término do exercício social, para tomar conhecimento e deliberar sobre as contas da Diretoria, depois de aprovadas pelo Conselho Fiscal. Parágrafo Segundo A Assembléia Geral será convocada extraordinariamente sempre que necessário e para deliberar sobre as matérias de sua competência exclusiva previstas no Artigo 60 do Código Civil. Parágrafo Terceiro: A convocação para a Assembléia Geral deverá ser feita através de carta-circular dirigida aos associados e anúncio publicado uma vez em jornal local, com pelo menos 8 (oito) dias de antecedência. Artigo 12: Compete privativamente à Assembléia Geral: a) eleger e destituir os administradores; b) eleger os membros do Conselho Fiscal; c) alterar o Estatuto. Artigo 13: A Assembléia Geral será instalada pelo Presidente, em primeira convocação, com a presença dos associados que representem a maioria pelo menos metade mais um dos associados ou, em segunda convocação, com qualquer número de associados presentes. Parágrafo Único: O Presidente, na instalação da Assembléia, designará um Secretário para auxiliá-lo nos trabalhos da mesa e para elaboração da ata da reunião, que poderá ser lavrada de forma sumária e que levará as assinaturas do Secretário e do Presidente. Artigo 14: As deliberações serão sempre tomadas por maioria simples de votos. IV - DA ADMINISTRAÇÃO Artigo 15: A APFERJ será administrada por uma Diretoria composta por 3 (três) a 5 (cinco) Diretores, sendo: um Diretor Presidente e um Diretor Vice-Presidente, e os demais sem designação especial. Parágrafo Primeiro: A Diretoria será eleita para um mandato de 2 (dois) anos, podendo os Diretores ser reeleitos.

4 Parágrafo Segundo: Ressalvados os atos de competência privativa previstos neste Estatuto, caberá ao Diretor Presidente distribuir entre os demais membros da Diretoria as respectivas funções. Parágrafo Terceiro: Somente poderão ser membros da Diretoria os sócios efetivos, desde que associados há no mínimo dois (02) anos. Artigo 16: O Diretor Presidente será substituído, nos seus impedimentos, pelo Diretor Vice-Presidente ou, no impedimento deste, por outro Diretor que designar. Parágrafo Único: Em caso de vacância dos cargos de Diretor Presidente e de Diretor Vice-Presidente, assumirão os respectivos cargos os Diretores sem designação especial por ordem de antiguidade de filiação à APFERJ. Artigo 17: A Diretoria poderá escolher e nomear assessores para auxiliar os seus membros no exercício das respectivas funções. Artigo 18: Nenhum membro da Diretoria será remunerado. Artigo 19: A Diretoria reunir-se-á sempre que houver assunto relevante a tratar, sob a presidência do Diretor Presidente ou o seu substituto, lavrando-se a ata dos trabalhos. Artigo 20: A Diretoria da APFERJ representará a associação junto ao Consulado Geral da França e entidades culturais e de educação, a fim de estabelecer parcerias visando a preservação e o desenvolvimento de suas atividades. V DAS ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA Artigo 21: Compete ao Diretor Presidente: a) dirigir a Associação; b) convocar e presidir as reuniões da Diretoria e da Assembléia Geral; c) assegurar o cumprimento dos Estatutos da APFERJ; d) representar a APFERJ, em juízo e fora dele, ou designar um membro da Diretoria para tal fim; e) representar a APFERJ junto às instâncias nacionais e internacionais; f) preparar, em colaboração com a Diretoria, um plano de trabalho para o mandato;

5 g) apresentar, no final do mandato, perante a Assembléia, um relatório das atividades desenvolvidas durante sua gestão; h) assinar o balanço financeiro anual, aprovado pelo conselho fiscal; i) autorizar, previamente, o pagamento das despesas da APFERJ; j) assinar, juntamente com outro Diretor, os cheques emitidos pela APFERJ; k) garantir-se dos meios e das ajudas necessários para a execução de seus projetos e de suas missões; l) garantir-se, se assim entender, da assistência de um colaborador para a execução de tarefas precisas e circunstanciadas; m) constituir comissões e grupos de trabalho para fins específicos; n) assessorar, no término de sua gestão, o Presidente da APFERJ que o sucederá. Artigo 22: Compete ao Diretor Vice-Presidente, a pedido do Diretor Presidente, representá-lo ou substituí-lo, em caso de impedimento. VI DO CONSELHO FISCAL Artigo 23: A Assembléia Geral elegerá um Conselho Fiscal, que será constituído por três (03) sócios efetivos e seus respectivos suplentes, com mandato de duração igual ao da Diretoria. Artigo 24: O Conselho Fiscal deverá examinar as contas da Diretoria, emitindo parecer que será levado à votação durante Assembléia Geral. VII - DAS ELEIÇÕES E DA COMISSÃO ELEITORAL Artigo 25 - As inscrições de candidaturas aos cargos de Diretor Presidente, Diretor Vice-Presidente e demais Diretores devem ser apresentadas através de chapas compostas de sócios efetivos e encaminhadas à Comissão Eleitoral da APFERJ, com antecedência mínima de 45 (quarenta e cinco) dias da data da Assembléia Geral que elegerá a nova Diretoria.

6 Parágrafo Primeiro: O candidato ao cargo de Diretor Presidente deverá comparecer à Assembléia Geral convocada para eleger a Diretoria, a fim de apresentar programa de trabalho para sua gestão. Parágrafo Segundo: A APFERJ se obriga a informar, por escrito, aos associados sobre as candidaturas existentes e seus respectivos programas, no prazo máximo de 30 (trinta) dias antes da Assembléia Geral. Artigo 26: Compete à Diretoria indicar os membros e nomear a Comissão Eleitoral que será formada por 3 (três) sócios efetivos. Parágrafo Único: Não podem fazer parte da Comissão Eleitoral os membros da Diretoria. Artigo 27: O sócio efetivo, desde que em dia com suas obrigações sociais, poderá exercer seu direito de voto por procuração. Parágrafo Único: A critério da Comissão Eleitoral, a votação nas chapas concorrentes poderá ser feita através de cédula, em formulário próprio e confeccionado exclusivamente para esse fim, podendo ainda ser adotado o sistema de voto pelo Correio, resguardado o respectivo sigilo. Artigo 28: A eleição da Diretoria da APFERJ ocorrerá em Assembléia Geral Extraordinária, a ser realizada conjuntamente com a Assembléia Geral Ordinária anual prevista no Parágrafo 1º do Artigo 11º deste Estatuto. Parágrafo Único: A Assembléia Geral Extraordinária para eleição da Diretoria poderá ter seus trabalhos suspensos por até 3 (três) dias, a fim de permitir o exercício do direito de voto e a apuração do resultado da votação. Artigo 29: A Diretoria eleita será empossada na data da assembléia em que for eleita. Artigo 30: A APFERJ terá como fontes de recursos para a sua manutenção as contribuições dos sócios efetivos, fixadas anualmente pela Diretoria, bem como doações prestadas por associados ou terceiros.

7 VIII DO PATRIMÕNIO, DAS RECEITAS E DAS DESPESAS Artigo 31: O patrimônio da APFERJ será constituído por: a) valores, bens móveis e imóveis adquiridos pela Associação; e b) doações. Artigo 32: Constituem receitas da APFERJ: a) contribuições anuais dos sócios efetivos, professores e estudantes, cujo valor será fixado anualmente pela Diretoria por deliberação da maioria absoluta de seus membros, em reunião especialmente convocada para este fim; e b) subvenções em geral; c) recebimentos de eventos promovidos pela Associação. Artigo 33: Constituem despesas da Associação todos os gastos necessários ao seu funcionamento e inerentes à sua atividade-fim. IX DO EXERCÍCIO SOCIAL Artigo 34: O exercício social terminará em 31 de dezembro de cada ano, quando serão elaboradas as demonstrações financeiras da Associação, obedecidas as disposições legais. X - DA DISSOLUÇÃO DA ASSOCIAÇÃO Artigo 35: A APFERJ somente poderá ser extinta pela vontade de seus sócios, expressamente manifestada em Assembléia Geral especialmente convocada para tal fim, e por decisão da maioria absoluta dos sócios efetivos. Parágrafo Único: Nessa Assembléia decidir-se-á o destino a ser dado ao patrimônio social, observado o disposto no Art. 61 e Primeiro, do Código Civil. Artigo 36 - O presente Estatuto entrará em vigor 30 (trinta) dias após a data de sua aprovação.

8 XI DA REFORMA DO ESTATUTO Artigo 37 O presente Estatuto somente poderá ser reformulado ou alterado por aprovação da maioria de cinqüenta por cento mais um dos sócios efetivos presentes ou representados na Assembléia Geral convocada especialmente para esse fim, com antecedência mínima de trinta (30) dias. Parágrafo Único: Excepcionalmente, em caso de urgência, poderá ser realizada uma Assembléia Geral Extraordinária, convocada pela Diretoria por correspondência. Artigo 38: Os casos omissos serão resolvidos pela Diretoria.

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ECONOMIA, CONTÁBEIS E ATUARIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DAECA

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ECONOMIA, CONTÁBEIS E ATUARIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DAECA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ECONOMIA, CONTÁBEIS E ATUARIAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL DAECA TÍTULO I DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ECONOMIA, CONTÁBEIS E ATUARIAIS DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO

CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO ELEITORAL, DE ESTATUTO, REGIMENTOS E REGULAMENTOS DA SOBED CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO Art. 1º.- A Comissão Eleitoral, de Estatuto, Regimentos e Regulamentos,

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO MUSEU CASA GUIGNARD CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO MUSEU CASA GUIGNARD CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO MUSEU CASA GUIGNARD CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º A Associação dos Amigos do Museu Casa Guignard é uma associação civil, sem fins lucrativos, com prazo

Leia mais

A T E N Ç Ã O 2 A ELEIÇÃO NÃO MAIS PODERÁ SER REALIZADA ATRAVÉS DE CHAPAS;

A T E N Ç Ã O 2 A ELEIÇÃO NÃO MAIS PODERÁ SER REALIZADA ATRAVÉS DE CHAPAS; A T E N Ç Ã O 1 OS DIRETORES CLÍNICO, TÉCNICO (RESPONSÁVEL TÉCNICO) E ADMINISTRATIVOS, ALÉM DOS MEMBROS DA COMISSÃO ELEITORAL, ESTÃO IMPEDIDOS DE SE CANDIDATAREM A COMISSÃO DE ÉTICA MÉDICA; 2 A ELEIÇÃO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração Art. 1º - Sob a denominação de ACONTAR - Associação dos Contabilistas de Atibaia e Região, fica constituída uma associação, sem fins

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE SUPERVISÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE SUPERVISÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO ARTIGO 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo disciplinar o funcionamento do Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados ( BSM ), sendo as suas disposições

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS

ESTATUTO SOCIAL DO FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS ESTATUTO SOCIAL DO FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DE CRACK E OUTRAS DROGAS TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E COMPOSIÇÃO Artigo 1º - O FÓRUM GOIANO DE ENFRENTAMENTO AO USO DO CRACK E OUTRAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA REGIMENTO da Comissão Permanente de Pessoal Docente da Universidade Federal de Juiz de Fora Capítulo I FINALIDADE, ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO Art.

Leia mais

SUGESTÃO DE MODELO DE REGIMENTO INTERNO PARA OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE JUVENTUDE.

SUGESTÃO DE MODELO DE REGIMENTO INTERNO PARA OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE JUVENTUDE. SUGESTÃO DE MODELO DE REGIMENTO INTERNO PARA OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE JUVENTUDE. O Conselho Municipal de Juventude (inserir nome do município) elabora este regimento interno de acordo com o projeto de

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM 01, de 03 de janeiro de 2006

RESOLUÇÃO CNRM 01, de 03 de janeiro de 2006 RESOLUÇÃO CNRM 01, de 03 de janeiro de 2006 Dispõe sobre a estrutura, organização e funcionamento das Comissões Estaduais de Residência Médica O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA - CNRM,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DA ESCOLA PAULISTA DE ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DA ESCOLA PAULISTA DE ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DE GRADUAÇÃO DA ESCOLA PAULISTA DE ENFERMAGEM Capítulo I - Da Natureza Art.1º. A é um órgão consultivo e deliberativo, vinculada à Congregação da Escola Paulista de Enfermagem

Leia mais

Estado de Pernambuco

Estado de Pernambuco Estado de Pernambuco Recife, 09 de abril de 2012 GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS SEDSDH REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO ESTADUAL DE

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE BACHARELADO EM PSICOLOGIA

ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE BACHARELADO EM PSICOLOGIA 1 ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO DO CURSO DE BACHARELADO EM PSICOLOGIA CAPÍTULO I DO CENTRO ACADÊMICO DE PSICOLOGIA, SUA INSTITUIÇÃO E FINS. Art. 1º - O Centro Acadêmico do Curso de Psicologia É constituído

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE. Regimento Interno do Comitê de Auditoria

SUZANO PAPEL E CELULOSE. Regimento Interno do Comitê de Auditoria SUZANO PAPEL E CELULOSE Regimento Interno do Comitê de Auditoria Este Regimento estabelece a composição, a forma de funcionamento e as competências do Comitê de Auditoria ( Comitê ) da Suzano Papel e Celulose

Leia mais

1. Existem as seguintes categorias de Sócios:

1. Existem as seguintes categorias de Sócios: REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I (Dos Sócios) Artigo 1º (Categorias de Sócios) 1. Existem as seguintes categorias de Sócios: a) Sócios Fundadores; b) Sócios Ordinários (individuais e institucionais); c)

Leia mais

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL (RAN) REGULAMENTO INTERNO DA ENTIDADE REGIONAL DA RAN DO CENTRO (ER-RAN.C)

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL (RAN) REGULAMENTO INTERNO DA ENTIDADE REGIONAL DA RAN DO CENTRO (ER-RAN.C) RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL (RAN) REGULAMENTO INTERNO DA ENTIDADE REGIONAL DA RAN DO CENTRO (ER-RAN.C) (Artigo 35º do Decreto - Lei n.º 73/2009, de 31 de Março) O DL 73/2009,de 31 de Março, veio introduzir

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS LOJISTAS DO SHOPPING CENTER IGUATEMI BA

ASSOCIAÇÃO DOS LOJISTAS DO SHOPPING CENTER IGUATEMI BA ASSOCIAÇÃO DOS LOJISTAS DO SHOPPING CENTER IGUATEMI BA ALSCIB Estatuto Social ART. 01 - Sob a denominação de Associação dos Lojistas do Shopping Center Iguatemi BA, abreviadamente ALSCIB, organiza-se,

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS ATOS DO CONSELHO FISCAL Resolução nº 001/2011 REGIMENTO INTERNO O Conselho Fiscal do Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos Municipais de Santos IPREVSANTOS elaborou e votou o seu REGIMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO PORTARIA Nº 026 DE 11 DE MARÇO DE 2011

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO PORTARIA Nº 026 DE 11 DE MARÇO DE 2011 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO PORTARIA Nº 026 DE 11 DE MARÇO DE 2011 Estabelece instruções sobre a participação de representante dos empregados nos conselhos de administração das empresas

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAN-AMERICANA DE CIÊNCIAS COMPUTACIONAIS INTERDISCIPLINARES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAN-AMERICANA DE CIÊNCIAS COMPUTACIONAIS INTERDISCIPLINARES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PAN-AMERICANA DE CIÊNCIAS COMPUTACIONAIS INTERDISCIPLINARES PANAMERICAN ASSOCIATION OF COMPUTATIONAL INTERDISCIPLINARY SCIENCES PACIS Capítulo I - Da Duração, da Sede, do Nome e

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Jerónimo Martins, SGPS, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO. Jerónimo Martins, SGPS, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Jerónimo Martins, SGPS, S.A. ARTIGO 1.º (Composição do Conselho de Administração) 1. O Conselho de Administração tem a composição que venha a ser deliberada em

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE - CSS

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE - CSS Os objetivos deste modelo de regimento visam a padronização de critérios importantes para melhorar o funcionamento da comissão, estabelecer condições mínimas de composição e fortalecer a comissão junto

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO DEPARTAMENTO CURRICULAR DA EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR 1 Preâmbulo O presente regimento interno, adiante designado por regimento, é o documento que define o regime de funcionamento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas Regulamento Interno da Comissão para a igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR) (n.º 2 alínea a) do artigo 5º da lei nº 134/99, de 28 de Agosto) Artigo 1º Objecto A Comissão para a Igualdade e

Leia mais

ABRIFAR ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES E IMPORTADORES DE INSUMOS FARMACÊUTICOS, COSMÉTICOS, VETERINÁRIOS, ALIMENTÍCIOS E ADITIVOS ABRIFAR

ABRIFAR ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES E IMPORTADORES DE INSUMOS FARMACÊUTICOS, COSMÉTICOS, VETERINÁRIOS, ALIMENTÍCIOS E ADITIVOS ABRIFAR ABRIFAR ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES E IMPORTADORES DE INSUMOS FARMACÊUTICOS, COSMÉTICOS, VETERINÁRIOS, ALIMENTÍCIOS E ADITIVOS ABRIFAR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I NOME, DURAÇÃO, SEDE E OBJETIVOS

Leia mais

CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR REGIMENTO INTERNO

CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR REGIMENTO INTERNO SANTA BÁRBARA DE GOIÁS GOIÁS 2011 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DO MUNICÍPIO DE SANTA BÁRBARA DE GOIÁS REGIMENTO INTERNO Art. 1º

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO. Secção I. Disposições Gerais. Artigo 1º

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO. Secção I. Disposições Gerais. Artigo 1º REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO Secção I Disposições Gerais Artigo 1º O presente Regulamento pretende completar e objectivar as disposições dos Estatutos da Escola Superior de Enfermagem Dr.

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Tel: (55.61) 2101-6150 - Fax: (55.61) 3322-0523 - www.febnet.org.br - E-mail: diretoria@febnet.org.

FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Tel: (55.61) 2101-6150 - Fax: (55.61) 3322-0523 - www.febnet.org.br - E-mail: diretoria@febnet.org. Resolução FEB n o 01/2014 O presidente da Federação Espírita Brasileira Antonio Cesar Perri de Carvalho, fundamentado no Estatuto da Entidade (Art. 32, incisos X e XIII; Art.39, inciso XIII), homologa

Leia mais

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Resolução n o 623, de 18 de Outubro de 2013 1. Qual a Resolução que trata sobre Conselho de Usuários e onde ela está disponível? Trata-se da Resolução n

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE CHEFES DE DEPARTAMENTOS ACADÊMICOS DA UTFPR

REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE CHEFES DE DEPARTAMENTOS ACADÊMICOS DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Conselho de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DE CHEFES DE DEPARTAMENTOS ACADÊMICOS DA UTFPR APROVADO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DO SINDICATO E SUAS FINALIDADES CAPÍTULO I

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DO SINDICATO E SUAS FINALIDADES CAPÍTULO I ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO MATEUS ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DO SINDICATO E SUAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE FORO E DURAÇÃO Artigo

Leia mais

IBRI promove eleições gerais para Conselho de Administração e Conselho Fiscal

IBRI promove eleições gerais para Conselho de Administração e Conselho Fiscal IBRI promove eleições gerais para Conselho de Administração e Conselho Fiscal O IBRI abre processo eleitoral para a renovação de membros dos Conselhos de Administração e Fiscal do Instituto. Para o Conselho

Leia mais

ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA 2016-2018

ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA 2016-2018 DA INDICAÇÃO DAS CHAPAS: ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA 2016-2018 O comitê eleitoral receberá as chapas completas dos cargos para a Diretoria Executiva, referidos no artigo 23º, do Estatuto Social.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA ESTUDO DE INFECÇÕES E IMPLANTES OSTEOARTICULARES (AsBIO)

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA ESTUDO DE INFECÇÕES E IMPLANTES OSTEOARTICULARES (AsBIO) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA ESTUDO DE INFECÇÕES E IMPLANTES OSTEOARTICULARES (AsBIO) ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPÍTULO I : Da Fundação, Denominação, Duração e Sede CAPÍTULO II : Dos Objetivos e Finalidades

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO INTERNO

FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO INTERNO 1 FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO INTERNO Sumário TÍTULO I - Da Faculdade e suas Finalidades... 2 TÍTULO II - Da Administração... 2 CAPÍTULO I - Da Congregação... 2 CAPÍTULO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MINEIRA DOS PROFESSORES DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA - AMPPLIE. Capítulo I. Da Denominação, Fins e Sede da Associação

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MINEIRA DOS PROFESSORES DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA - AMPPLIE. Capítulo I. Da Denominação, Fins e Sede da Associação ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MINEIRA DOS PROFESSORES DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA - AMPPLIE Capítulo I Da Denominação, Fins e Sede da Associação Artigo 1º: A Associação Mineira dos Professores de Português

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores da FPDD do processo eleitoral da FPDD. 2. Os casos omissos serão resolvidos

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração

Regulamento do Conselho de Administração Regulamento do Conselho de Administração Regulamento do Conselho de Administração Artigo 1.º Objeto O presente regulamento visa fixar os princípios de atuação do Conselho de Administração da Oitante, S.A.

Leia mais

ESTATUTO PRIMEIRA IGREJA BATISTA BRASILEIRA DE ORLANDO

ESTATUTO PRIMEIRA IGREJA BATISTA BRASILEIRA DE ORLANDO ESTATUTO PRIMEIRA IGREJA BATISTA BRASILEIRA DE ORLANDO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º- A PRIMEIRA IGREJA BATISTA BRASILEIRA DE ORLANDO, doravante denominada IGREJA, foi constituida na

Leia mais

IGREJA EVANGÉLICA CONGREGACIONAL EM... Rua xxxxxxxxxxx n.º bairro/cidade/estado/uf CEP 00000-000 CNPJ n.º

IGREJA EVANGÉLICA CONGREGACIONAL EM... Rua xxxxxxxxxxx n.º bairro/cidade/estado/uf CEP 00000-000 CNPJ n.º ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Associação Seção I Da Apresentação da Associação: Denominação, fins, sede e tempo de duração Art 1º. A Igreja Evangélica Congregacional em xxxxxx, fundada em xx de xxxxxx

Leia mais

ESTATUTOS SOCIAIS DA ABRAT - Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação.

ESTATUTOS SOCIAIS DA ABRAT - Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação. ESTATUTOS SOCIAIS DA ABRAT - Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação. CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVO E DURAÇÃO. ARTIGO I - Sob a denominação de ABRAT -

Leia mais

Norma para a criação da Comissão de Apoio Técnico à Tecnologia da Informação CATI

Norma para a criação da Comissão de Apoio Técnico à Tecnologia da Informação CATI Norma para a criação da Comissão de Apoio Técnico à Tecnologia da Informação CATI Justificativa A Norma Derivada nº 005/95, de 14 de dezembro de 1995 instituiu o Conselho de Usuários de Informática CI

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG RESOLUÇÃO N 3 DE 29 DE JUNHO DE 2015, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM Aprova o Regulamento Interno da Comissão Permanente de

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1.º Fica aprovado o Regulamento do Colegiado de Curso do Centro Universitário Franciscano do Paraná, em anexo.

RESOLUÇÃO. Artigo 1.º Fica aprovado o Regulamento do Colegiado de Curso do Centro Universitário Franciscano do Paraná, em anexo. RESOLUÇÃO CONSEPE 24/2006 Aprova o Regulamento do Colegiado de Curso do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso das atribuições

Leia mais

BANCO PAULISTA S/A. CNPJ 61.820.817 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO DE DURAÇÃO CAPÍTULO II - DO CAPITAL SOCIAL

BANCO PAULISTA S/A. CNPJ 61.820.817 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO DE DURAÇÃO CAPÍTULO II - DO CAPITAL SOCIAL BANCO PAULISTA S/A. CNPJ 61.820.817 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de BANCO PAULISTA S/A, reger-se-á esta Sociedade, pelo presente Estatuto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 39/2002 CSPP RESOLVE: Juiz de Fora, 29 de agosto de 2002. Prof. Dr. Murilo Gomes Oliveira Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa

RESOLUÇÃO Nº. 39/2002 CSPP RESOLVE: Juiz de Fora, 29 de agosto de 2002. Prof. Dr. Murilo Gomes Oliveira Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA RESOLUÇÃO Nº. 39/2002 CSPP Ética para Trabalho Científico com Animais na Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF O Conselho Setorial de Pós-Graduação e

Leia mais

REGULAMENTO DOS DELEGADOS SINDICAIS

REGULAMENTO DOS DELEGADOS SINDICAIS REGULAMENTO DOS DELEGADOS SINDICAIS DIRECÇÃO DEZEMBRO DE 2009 REGULAMENTO DOS DELEGADOS SINDICAIS Secção I Direitos, deveres, área de representação e reuniões Artigo 1.º Delegados Sindicais 1 Os delegados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DECRETO EXECUTIVO N.º 557, de HOMOLOGA O REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - CAE. LAURO MAINARDI, Prefeito do Município de Candelária, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE FARROUPILHA - RS

CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE FARROUPILHA - RS CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE - COMAM CAPÍTULO I SEÇÃO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidades Art.1º - O presente regimento interno tem por finalidade regular as atribuições do Conselho Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS RESOLUÇÃO Nº 003 DE 13 DE AGOSTO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação do Regimento do NDE do curso superior de Tecnologia em Design de Interiores do Instituto Federal Minas Gerais câmpus Santa Luzia. O PRESIDENTE

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO Chaves, Janeiro 2010 REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO Secção I Disposições Gerais Artigo 1º 1. Em cumprimento no disposto no Artigo 106º da Lei nº 62/2007 de 10 de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece a normatização das disciplinas de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BLOCO CARNAVALESCO E TORCIDA URUBUZADA. CAPÍTULO PRIMEIRO Nome e Natureza Jurídica

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BLOCO CARNAVALESCO E TORCIDA URUBUZADA. CAPÍTULO PRIMEIRO Nome e Natureza Jurídica ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BLOCO CARNAVALESCO E TORCIDA URUBUZADA CAPÍTULO PRIMEIRO Nome e Natureza Jurídica Art. 1º - Sob a denominação de Associação Bloco Carnavalesco e Torcida Urubuzada, ou pela forma

Leia mais

EDITAL Nº 01/2016 CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO

EDITAL Nº 01/2016 CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO EDITAL Nº 01/2016 CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÃO Pelo presente edital, ficam convocados os servidores municipais, ativos e inativos, interessados em concorrer à eleição para membros titulares e suplentes do Conselho

Leia mais

Edital de Eleição para formação do Conselho de Usuários da Nextel Telecomunicações LTDA.

Edital de Eleição para formação do Conselho de Usuários da Nextel Telecomunicações LTDA. Edital de Eleição para formação do Conselho de Usuários da Nextel Telecomunicações LTDA. Triênio 2017/2019 São Paulo, 22 de julho de 2016. A Comissão Eleitoral, no uso de suas atribuições legais, de acordo

Leia mais

DESPACHO IPP/PR-48/2006

DESPACHO IPP/PR-48/2006 DESPACHO IPP/PR-48/2006 HOMOLOGAÇÃO DO REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO UNIDADE DE APOIO À ESCOLA INCLUSIVA Considerando que: 1- A aprovação pelo Conselho Geral, na sua reunião de 08.03.2006 da criação

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE REGIMENTO INTERNO

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE REGIMENTO INTERNO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO ART. 1º - A Comissão Intergestores Bipartite, instituída através da Portaria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 039, DE 11 DE JANEIRO DE 2013. RESOLVE: DENIO REBELLO ARANTES Reitor

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 039, DE 11 DE JANEIRO DE 2013. RESOLVE: DENIO REBELLO ARANTES Reitor MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 039, DE 11 DE JANEIRO DE 2013. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO, nomeado através da Portaria MEC nº 265, de 24.03.2009,

Leia mais

EDITAL UnC 040/2012. Art. 2º) O regulamento do Processo Eleitoral é parte integrante do presente edital.

EDITAL UnC 040/2012. Art. 2º) O regulamento do Processo Eleitoral é parte integrante do presente edital. EDITAL UnC 040/2012 Dispõe sobre as eleições para escolha dos representantes dos Docentes e dos Coordenadores dos cursos de graduação no CONSUN. O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Ministério da Saúde Secretária de Vigilância em Saúde Comitê de Ética em Pesquisa do Instituto Evandro Chagas. Regimento Interno

Ministério da Saúde Secretária de Vigilância em Saúde Comitê de Ética em Pesquisa do Instituto Evandro Chagas. Regimento Interno Ministério da Saúde Secretária de Vigilância em Saúde Comitê de Ética em Pesquisa do Instituto Evandro Chagas Regimento Interno Capítulo I Categoria e Finalidade Art. 1º. O Comitê de Ética em Pesquisa

Leia mais

COMITÊ DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIAS

COMITÊ DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIAS COMITÊ DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIAS Art. 1º - O Comitê de Assistência Técnica e Extensão Rural, órgão criado para assessorar o Conselho

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DEMITIDOS DO BANCO DO BRASIL

ASSOCIAÇÃO DOS DEMITIDOS DO BANCO DO BRASIL ASSOCIAÇÃO DOS DEMITIDOS DO BANCO DO BRASIL ESTATUTO SOCIAL CONSOLIDADO CAPITULO I Art. 1º. A Associação dos Demitidos do Banco do Brasil - ADBB, associação de direito civil, pessoa jurídica de direito

Leia mais

Lei Municipal nº. 504/2011-AST

Lei Municipal nº. 504/2011-AST Lei Municipal nº. 504/2011-AST Cria o Conselho Gestor do Telecentro Comunitário de Guamaré/RN e dá outras providências. O Prefeito Municipal faz saber que a Câmara Municipal aprovou e o Prefeito sancionou

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Fundo Estadual de Recursos para o Meio Ambiente - FERFA.

Aprova o Regimento Interno do Fundo Estadual de Recursos para o Meio Ambiente - FERFA. RESOLUÇÃO Nº 001 DE 07 DE OUTUBRO DE 2010. Aprova o Regimento Interno do Fundo Estadual de Recursos para o Meio Ambiente - FERFA. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS PARA O MEIO AMBIENTE,

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CRS

REGIMENTO DO COMITÊ DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CRS REGIMENTO DO COMITÊ DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CRS TÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Comitê de Responsabilidade Social da FURJ/UNIVILLE foi instituído pela resolução 05/05, de 28 de abril de 2005, vinculado

Leia mais

ESTATUTO DO CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DA MICRORREGIÃO DO VALE DO PARANAÍBA - CIS/AMVAP

ESTATUTO DO CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DA MICRORREGIÃO DO VALE DO PARANAÍBA - CIS/AMVAP ESTATUTO DO CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DA MICRORREGIÃO DO VALE DO PARANAÍBA - CIS/AMVAP CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE Art. 1º. O Conselho ora constituído tem a denominação de Consórcio

Leia mais

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PARA ALTERAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVIAÇÃO EXPERIMENTAL

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PARA ALTERAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVIAÇÃO EXPERIMENTAL ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA PARA ALTERAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVIAÇÃO EXPERIMENTAL Aos 18 dias do mês de março de 2006, às 10:00 horas em primeira chamada,

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL DO HOSPITAL DAS REGIMENTO INTERNO CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS -CAE/HC/UFG- COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Resolução Nº 02/2014. Regulamenta as normas para realização de consulta eleitoral para os cargos de coordenador e vice-coordenador no Programa de Pós-graduação em Odontologia da Universidade Federal da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE PONTA GROSSA ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE PONTA GROSSA ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE PONTA GROSSA ESTATUTO Em Assembléia Geral Extraordinária realizada no dia 31 de Março de 2006, a Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Ponta Grossa, aprovou

Leia mais

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO INSTITUTO DE SEGURIDADE DOS SERVIDORES MUNICIPAIS - ISSEM

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO INSTITUTO DE SEGURIDADE DOS SERVIDORES MUNICIPAIS - ISSEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO INSTITUTO DE SEGURIDADE DOS SERVIDORES MUNICIPAIS - ISSEM REGIMENTO INTERNO - CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I - DAS ATRIBUIÇÕES DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO II

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DEFESA E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE CODEMA MONTES CLAROS MG REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE DEFESA E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE CODEMA MONTES CLAROS MG REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE DEFESA E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE CODEMA MONTES CLAROS MG REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO Art. 1º O CODEMA, instituído pela Lei nº 1.442 de 27 de dezembro de 1983, modificada

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Comitê Gestor da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos, nos termos do anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Comitê Gestor da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos, nos termos do anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 01, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento Interno do Comitê Gestor da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos. O COMITÊ GESTOR DA REDE INTEGRADA DE BANCOS DE PERFIS GENÉTICOS,

Leia mais

Edital de Eleição para formação do Conselho de Usuários da Nextel Telecomunicações LTDA

Edital de Eleição para formação do Conselho de Usuários da Nextel Telecomunicações LTDA Edital de Eleição para formação do Conselho de Usuários da Nextel Telecomunicações LTDA Triênio 2014/2016 São Paulo, 20 de setembro de 2014 A Comissão Eleitoral, no uso de suas atribuições legais, de acordo

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 404/2006 Publicada no D.O. 07-09-2006, pág. 21/22

RESOLUÇÃO N.º 404/2006 Publicada no D.O. 07-09-2006, pág. 21/22 RESOLUÇÃO N.º 404/2006 Publicada no D.O. 07-09-2006, pág. 21/22 Aprova as NORMAS REGULAMENTARES para eleição direta de Coordenador de Colegiado de Curso de Graduação. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO CONSU da

Leia mais

Estatutos da União Nacional dos Analistas Transacionais - UNAT-BRASIL

Estatutos da União Nacional dos Analistas Transacionais - UNAT-BRASIL Estatutos da União Nacional dos Analistas Transacionais - UNAT-BRASIL I. DENOMINAÇÃO, NATUREZA, FINS E SEDE Art. 1º -A UNIÃO NACIONAL DE ANALISTAS TRANSACIONAIS- BRASIL (UNAT-BRASIL) é uma associação civil,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE MUNICÍPIO DE SERRA PRETA - ESTADO DO BAHIA CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE MUNICÍPIO DE SERRA PRETA - ESTADO DO BAHIA CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho de Alimentação Escolar CAE, criado por meio da Lei Municipal nº 192, de 22 de março de 2001 é um órgão deliberativo, fiscalizador e de assessoramento,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CAMPUS BINACIONAL DO OIAPOQUE CURSO DE LICENCIATURA INTERCULTURAL INDÍGENA EDITAL E REGIMENTO ELEITORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CAMPUS BINACIONAL DO OIAPOQUE CURSO DE LICENCIATURA INTERCULTURAL INDÍGENA EDITAL E REGIMENTO ELEITORAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CAMPUS BINACIONAL DO OIAPOQUE CURSO DE LICENCIATURA INTERCULTURAL INDÍGENA EDITAL E REGIMENTO ELEITORAL A Comissão Eleitoral, constituída em reunião de colegiado do Curso

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Osasco 2013 Apresentação O presente instrumento regulamenta o exercício e a validação dos Estágios Supervisionados Curriculares e

Leia mais

ESTATUTOS DO MOSAIKO

ESTATUTOS DO MOSAIKO ESTATUTOS DO MOSAIKO CAPÍTULO I DA NATUREZA, FIM E OBJECTO SOCIAL Artigo 1º Da Natureza O Mosaiko Instituto para a Cidadania é uma associação sem fins lucrativos, que se inspira nos ideais do missionário

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Julho/2015 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Art. 1º. O Comitê de Governança Corporativa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 087/2013 Aprova o Regimento Interno do Fórum Permanente do

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS. Capítulo I DA NATUREZA

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS. Capítulo I DA NATUREZA REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Capítulo I DA NATUREZA Art. 1 - O Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos da Faculdade ASCES (CEP- ASCES) é uma instância

Leia mais

ESTATUTO CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE SANTA MARIA SERVIÇO DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO - SPC

ESTATUTO CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE SANTA MARIA SERVIÇO DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO - SPC ESTATUTO CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE SANTA MARIA SERVIÇO DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO - SPC Rua Astrogildo de Azevedo, 354 97015 150 Santa Maria RS Fone: (55) 3220.6633 www.cdlsm.com.br CÂMARA DE DIRIGENTES

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO Nº 13745, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 PUBLICADO NO DOE Nº 1063, DE 20.08.08 REPUBLICADO POR INCORREÇÃO Aprova o Regulamento da Adjudicação e Doação de Bens Móveis. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA,

Leia mais

5 - O que significa ser voltado para orientação, análise e avaliação dos serviços?

5 - O que significa ser voltado para orientação, análise e avaliação dos serviços? 1 - Qual é a Resolução que fala sobre os Conselhos de Usuários? Resolução N o 623, de 18 de Outubro de 2013, e pode ser encontrada no site da ANATEL (www.anatel.gov.br) 2 - O que é o Conselho de Usuários?

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA DA APEL ASSOCIAÇÃO PROMOTORA DO ENSINO LIVRE ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA DA APEL ASSOCIAÇÃO PROMOTORA DO ENSINO LIVRE ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA DA APEL ASSOCIAÇÃO PROMOTORA DO ENSINO LIVRE ESTATUTOS Capítulo I Constituição, Natureza e Fins Artigo 1º Constituição A Associação de

Leia mais

DECRETO Nº 4.054/14.

DECRETO Nº 4.054/14. 6 DECRETO Nº 4.054/14. INSTITUI O COMISSÃO INTERINSTITUCIONAL DE MOBILIZAÇÃO, PREVENÇÃO E CONTROLE DA DENGUE E FEBRE DO CHIKUNGUNYA NO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS, APROVA O REGIMENTO INTERNO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS

Leia mais

ANEXO 2 Modelo ATA DE ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES E CONSTITUIÇÃO DO REGIMENTO DA COMISSÃO DE FORMATURA DA TURMA

ANEXO 2 Modelo ATA DE ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES E CONSTITUIÇÃO DO REGIMENTO DA COMISSÃO DE FORMATURA DA TURMA ANEXO 2 Modelo ATA DE ELEIÇÃO DE REPRESENTANTES E CONSTITUIÇÃO DO REGIMENTO DA COMISSÃO DE FORMATURA DA TURMA Curso: Formandos em ( ) Junho ( ) Dezembro de 20. Aos dias do mês de de 20, reuniram-se, às

Leia mais

Associação Psiquiátrica de Goiás APG Federada da Associação Brasileira de Psiquiatria - ABP ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PSIQUIÁTRICA DE GOIÁS TÍTULO I

Associação Psiquiátrica de Goiás APG Federada da Associação Brasileira de Psiquiatria - ABP ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PSIQUIÁTRICA DE GOIÁS TÍTULO I Associação APG ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PSIQUIÁTRICA DE GOIÁS TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO Art. 1º - A Associação, de sigla APG, fundada em 27 de dezembro de 1966, é uma associação civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

REGIMENTO PARA ELEIÇÃO DE MEMBROS DOS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL DA TELOS

REGIMENTO PARA ELEIÇÃO DE MEMBROS DOS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL DA TELOS REGIMENTO PARA ELEIÇÃO DE MEMBROS DOS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL DA TELOS 1 FINALIDADE O presente Regimento tem por finalidade estabelecer os princípios básicos e procedimentos necessários para a

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS),S.A

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS),S.A REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA PARPÚBLICA - PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS),S.A Artigo 1.º (Composição) 1. A sociedade é gerida por um conselho de administração composto por sete membros eleitos

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA E JAPONESA DE BENEFICÊNCIA SANTA CRUZ - HOSPITAL SANTA CRUZ - REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ

SOCIEDADE BRASILEIRA E JAPONESA DE BENEFICÊNCIA SANTA CRUZ - HOSPITAL SANTA CRUZ - REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ SOCIEDADE BRASILEIRA E JAPONESA DE BENEFICÊNCIA SANTA CRUZ - HOSPITAL SANTA CRUZ - REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO DO HOSPITAL SANTA CRUZ CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS E OBJETIVOS ARTIGO 1º - O presente

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA OI INSTRUÇÕES GERAIS

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA OI INSTRUÇÕES GERAIS EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA OI São convocados os senhores usuários dos serviços das empresas Telemar Norte Leste S.A., Oi S.A. e Oi Móvel S.A. (em conjunto denominadas

Leia mais

Art. 5º - São direitos dos membros efetivos:

Art. 5º - São direitos dos membros efetivos: ANTE-PROJETO DO ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE AMERICANA - 06/04/ Capítulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Art. 1º - A empresa Júnior da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

a. Representar perante as autoridades administrativas e judiciárias os interesses das associadas relativos à categoria profissional;

a. Representar perante as autoridades administrativas e judiciárias os interesses das associadas relativos à categoria profissional; 1 ESTATUTO ATUALIZADO DO SINDICATO DAS MISERICORDIAS E ENTIDADES FILANTRÓPICAS E BENEFICENTES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO LEI 10.406 de 10 de Janeiro de 2002 CAPÍTULO I DO SINDICATO, FINS E SEDE ARTIGO

Leia mais

DECRETO Nº 4.613, DE 11 DE MARÇO DE

DECRETO Nº 4.613, DE 11 DE MARÇO DE DECRETO Nº 4.613, DE 11 DE MARÇO DE 2003 (Publicado no Diário Oficial de 12 de março de 2003) com nova redação dada pelo DECRETO Nº 5.263, de 05 de novembro de 2004 (Publicado no Diário Oficial de 06 de

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 01. Art. 2º Esta Deliberação entra em vigor nesta data. Goiânia, 25 de Fevereiro de 2013

DELIBERAÇÃO Nº 01. Art. 2º Esta Deliberação entra em vigor nesta data. Goiânia, 25 de Fevereiro de 2013 DELIBERAÇÃO Nº 01 Aprova o Regimento Interno do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio dos Bois CBH RIO DOS BOIS. A Diretoria Provisória do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio dos Bois, no uso das atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DE PRÉVIAS E ENCONTROS ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016

REGULAMENTO DE PRÉVIAS E ENCONTROS ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016 REGULAMENTO DE PRÉVIAS E ENCONTROS ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2016 Comissão Executiva Nacional do PT PARTIDO DOS TRABALHADORES 03 DE MARÇO DE 2016 Art. 1º: O processo interno para escolha dos candidatos e das

Leia mais

PROJETO DE LEI 00/2015 Cria o Conselho Estadual de Juventude CEJUV/RN e dá outras providências. CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DAS COMPETÊNCIAS

PROJETO DE LEI 00/2015 Cria o Conselho Estadual de Juventude CEJUV/RN e dá outras providências. CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DAS COMPETÊNCIAS PROJETO DE LEI 00/2015 Cria o Conselho Estadual de Juventude CEJUV/RN e dá outras providências. CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º. O Conselho Estadual de Juventude do Rio Grande do Norte,

Leia mais