Gestão da Manutenção em Edifícios: Modelos para uma abordagem LARG (Lean, Agile, Resilient e Green)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão da Manutenção em Edifícios: Modelos para uma abordagem LARG (Lean, Agile, Resilient e Green)"

Transcrição

1 César Duarte Freitas Gonçalves Mestre em Engenharia Industrial Gestão da Manutenção em Edifícios: Modelos para uma abordagem LARG (Lean, Agile, Resilient e Green) Dissertação para obtenção do Grau de Doutor em Engenharia Industrial Orientador: Professor Doutor José António Mendonça Dias, Professor Auxiliar, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa Júri: Presidente: Prof. Doutor Virgílio António Cruz Machado Arguentes: Vogais: Prof. Doutor Francisco Manuel Vicente Sena Prof. Doutor Luís António de Andrade Ferreira Prof. Doutor Filipe José Didelet Pereira Prof. Doutor José António Mendonça Dias Prof. Doutor António Carlos Bárbara Grilo Prof. Doutor José Augusto da Silva Sobral Setembro 2014

2

3 César Duarte Freitas Gonçalves Mestre em Engenharia Industrial Gestão da Manutenção em Edifícios: Modelos para uma abordagem LARG (Lean, Agile, Resilient e Green) Dissertação para obtenção do Grau de Doutor em Engenharia Industrial Orientador: Professor Doutor José António Mendonça Dias, Professor Auxiliar, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa Júri: Presidente: Prof. Doutor Virgílio António Cruz Machado Arguentes: Vogais: Prof. Doutor Francisco Manuel Vicente Sena Prof. Doutor Luís António de Andrade Ferreira Prof. Doutor Filipe José Didelet Pereira Prof. Doutor José António Mendonça Dias Prof. Doutor António Carlos Bárbara Grilo Prof. Doutor José Augusto da Silva Sobral Setembro 2014

4

5 Gestão Manutenção em Edifícios: Modelos para uma abordagem LARG (Lean, Agile, Resilient e Green) Copyright César Duarte Freitas Gonçalves, FCT/UNL e UNL A Faculdade de Ciências e Tecnologia e a Universidade Nova de Lisboa têm o direito, perpétuo e sem limites geográficos, de arquivar e publicar esta dissertação através de exemplares impressos reproduzidos em papel ou de forma digital, ou por qualquer outro meio conhecido ou que venha a ser inventado, e de a divulgar através de repositórios científicos e de admitir a sua cópia e distribuição com objetivos educacionais ou de investigação, não comercias, desde que seja dado crédito ao autor e editor. A elaboração desta dissertação beneficiou do regime de isenção de propinas de doutoramento, no âmbito do acordo específico de cooperação existente entre a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de lisboa e o Instituto Superior de Engenharia da Universidade do Algarve.

6

7 À Ana Paula e às nossas filhas Maria e Rita À alegria de partilharmos a Vida

8

9 Agradecimentos O meu primeiro agradecimento é dirigido ao Professor Doutor José António Mendonça Dias, pela sua orientação científica, pelas sugestões e importantes recomendações que conduziram à concretização deste trabalho de investigação. Quero expressar o meu reconhecimento pela partilha de conhecimento, pela disponibilidade e compreensão demonstrada que, ao longo desta jornada, se revelaram substanciais no alcance dos meus objetivos. Ao Professor Doutor Virgílio António Cruz Machado, apresento igualmente os meus agradecimentos pelo incentivo e determinação com que sempre pautou as suas palavras. Os meus agradecimentos dirigem-se também à Universidade Nova de Lisboa pelo apoio institucional dado ao presente trabalho de investigação. Dirijo um especial agradecimento ao Eng. João Nuno Gonçalves Fernandes, pelo seu envolvimento, disponibilidade e partilha da sua experiência profissional. A sua colaboração e empenho foram essenciais para a aplicação prática dos modelos desenvolvidos nesta dissertação. Os meus agradecimentos sinceros aos meus colegas, docentes e funcionários, do Departamento de Engenharia Mecânica do Instituto Superior de Engenharia da Universidade do Algarve, pelo apoio que sempre prestaram e pelas palavras de incentivo. Aos meus amigos sem exceção, quero igualmente agradecer, pelo estímulo da amizade, pelo incentivo e confiança que sempre me demonstraram. Agradeço ainda aos meus pais e restantes familiares o apoio e a compreensão tida ao longo deste trabalho, pois todos, de alguma forma, contribuíram para que o mesmo se tornasse possível. À Ana Paula e às nossas filhas Maria e Rita, os meus ternos agradecimentos pela compreensão e apoio em todos os momentos, imprescindíveis para vencer este desafio. Foram os pilares da minha motivação, embora muitas vezes se tenham privado da minha companhia e atenção ao longo da minha dedicação a este trabalho. VII

10

11 Resumo Face à complexidade, à dimensão tecnológica e às exigências funcionais dos edifícios torna-se necessário equacionar modelos para assegurar o desempenho da gestão da manutenção dos seus ativos físicos. O conceito LARG (Lean, Agile, Resilient e Green) fornece uma visão inovadora e abrangente na resposta às necessidades técnicas, económicas e competitivas atuais. O presente trabalho promove os conceitos dos paradigmas LARG numa abordagem de integração à gestão da manutenção de ativos físicos em edifícios. O modelo desenvolvido pretende estabelecer uma visão da manutenção pró-ativa que viabilize a máxima fiabilidade, disponibilidade e conforto das instalações, garantindo eficiência e qualidade de serviço do edifício ao longo do seu ciclo de vida, proporcionando a segurança ambiental, de pessoas e bens, a custos otimizados. O modelo LARG pretende contribuir para um melhor desempenho da gestão das atividades da manutenção, verificando aspetos atualmente fundamentais no âmbito da sua atuação e em coerência com as estratégias do negócio das organizações. Nesta dissertação é proposto um modelo de avaliação do desempenho da gestão da manutenção, integrando os seus diferentes aspetos no âmbito dos paradigmas LARG. Este modelo baseia-se no uso de um sistema harmonizado de indicadores chave de desempenho (KPIs). A metodologia contempla a seleção de KPIs relevantes para a manutenção, através da aplicação de métodos MCDA (Multiple Criteria Decision Aiding), considerando a preferência do decisor. O modelo de avaliação de desempenho da gestão da manutenção é estabelecido através da agregação ponderada de KPIs selecionados para as categorias LARG. A metodologia desenvolvida foi aplicada a um caso de estudo baseado na gestão das atividades da manutenção de um aeroporto. Foram identificados e desenvolvidos KPIs com interesse para medir aspetos fundamentais da manutenção integrados nas categorias LARG. A metodologia permitiu selecionar os KPIs mais relevantes com a preferência do decisor. Os resultados da avaliação LARG proporcionaram uma análise global do desempenho da manutenção que compreendeu a interpretação dos objetivos alcançados e a perceção dos desvios mais preocupantes. Caberá aos gestores da manutenção determinar orientações para as correções técnicas, funcionais e organizacionais da manutenção. A implementação da metodologia proposta possibilita às organizações otimizar a gestão da manutenção dos seus ativos com melhor desempenho, a um menor custo, com uma gestão técnica e operacional ágil, correndo menores riscos, resiliente a adversidades e, sobretudo, com responsabilidade ambiental. Palavras-chave Gestão da Manutenção; Ativos Físicos; KPI; LARG; MCDA; ELECTRE IX

12

13 Abstract Given buildings complexity, technological dimension and functional requirements, it is necessary to equate models so as to ensure the performance of maintenance management of their physical assets. The LARG (Lean, Agile, Resilient and Green) concept provides an innovative and comprehensive insight in the response to current technical, economic and competitive needs. This study promotes the concepts of LARG paradigms in an approach of integration to maintenance management of physical assets in buildings. The model developed seeks to establish a vision of proactive maintenance that enables facilities maximum reliability, availability and comfort, ensuring the building s efficiency and service quality throughout its life cycle, providing environmental safety of people and property, at optimised costs. The LARG model aims at contributing to a better performance of activities maintenance management, verifying aspects that are, currently, critical within the scope of its performance and in line with organisations business strategies. This dissertation proposes a model to assess maintenance management performance, integrating its various aspects within the scope of LARG paradigms. This model is based on the use of a harmonised system of key Performance Indicators (KPIs). The methodology encompasses the selection of KPIs that are relevant for maintenance, through the application of MCDA (Multiple Criteria Decision Aiding) methods, considering the decision maker s preference. The model of assessment of maintenance management performance is established through the weighted aggregation of KPIs selected for LARG categories. The methodology was applied to a case study based on the maintenance management of activities of an airport. Relevant KPIs in the measurement of key aspects of maintenance integrated in LARG categories were identified and developed. The methodology allowed selecting the most relevant KPIs with the preference of the decision maker. Results of LARG assessment provided an overall analysis of maintenance performance that involved the interpretation of the goals attained and the perception of the most worrying deviations. It is up to maintenance managers to determine guidelines for the technical, functional and organisational adjustments of maintenance. The implementation of the proposed methodology enables organisations to optimise the maintenance management of their assets with better performance, at a lower cost, with a responsive technical and operational management, with reduced risks, resilient to adversity and, above all, with environmental responsibility. Keywords: Maintenance Management; Physical Assets; KPI; LARG; MCDA; ELECTRE XI

14

15 Índice de Matérias CAPÍTULO 1 - Introdução 1.1. Âmbito da Dissertação Objetivos da Dissertação Motivação Estrutura da Dissertação... 4 CAPÍTULO 2 - Abordagem à Manutenção em Edifícios 2.1. Introdução Manutenção em Edifícios Manutenção em Edifícios, Necessidades e Objetivos Exigências Funcionais dos Edifícios Dimensão Tecnológica dos Edifícios Sistemas de Gestão da Manutenção Estrutura organizacional, funções e planeamento Implementação da manutenção Documentos técnicos para a manutenção Sistemas de informação na gestão da manutenção Manutenção e qualidade Manutenção, higiene, saúde e segurança Manutenção e ambiente Eficiência Energética Legislação e Normas Aplicáveis Custos de manutenção Objetivos e Estratégia da Manutenção Desempenho da Gestão da Manutenção Key Performance Indicators (KPIs) CAPÍTULO 3 Abordagem Paradigmática LARG à Gestão da Manutenção 3.1. Introdução Modelação da Manutenção LARG LARG (Lean, Agile, Resilient e Green) Lean Agile Resilient Green CAPÍTULO 4 Modelos de Apoio à Gestão da Manutenção 4.1. Introdução TPM - Total Productive Maintenance Implementação de metodologias TPM RAMS Reliability, Availability, Maintainability and Safety Fiabilidade Modelos de Fiabilidade Fiabilidade Humana Disponibilidade Manutibilidade Segurança FMEA - Failure Mode and Effects Analysis RCM Reliability Centred Maintenance BIM - Building Information Model XIII

16 Contexto histórico do BIM Benefícios do BIM no ciclo de vida dos edifícios Contributos do BIM na gestão de edifícios Eficiência energética Segurança Ambiente Gestão da manutenção Interoperabilidade do BIM com software de gestão da manutenção Contributos do BIM para uma manutenção LARG CAPÍTULO 5 Modelos de Apoio Multicritério à Decisão 5.1. Introdução Apoio Multicritério à Decisão Método ELECTRE ELECTRE I ELECTRE III Analytic Hierarchy Process (AHP) Limitações do método AHP Procedimentos do método AHP Procedimento Simos revisto Software SRF Principais vantagens do procedimento de Simos revisto: Limitações do SRF e do procedimento de Simos revisto: Aplicação dos métodos MCDA CAPÍTULO 6 Metodologia Proposta 6.1. Introdução Avaliação de Desempenho da Gestão da Manutenção Modelo para avaliação LARG Objetivos e estratégias da manutenção Seleção de indicadores Aplicação dos modelos MCDA Definição dos critérios de avaliação Pesos e limiares dos critérios Pré-seleção de KPIs Escala de avaliação das alternativas (KPIs) Seleção das alternativas (KPIs) Quantificação dos indicadores LARG selecionados Pesos para agregação dos indicadores LARG Normalização dos resultados dos indicadores Indicador Global LARG Representações Gráficas dos Resultados LARG Análise de Resultados LARG CAPÍTULO 7 Aplicação da Metodologia Caso de estudo Aeroporto 7.1. Introdução Apresentação do Caso de Estudo Aeroporto Aplicação da Metodologia Objetivos da gestão da manutenção no aeroporto Critérios de avaliação dos KPIs Pré-seleção dos indicadores (KPIs) Avaliação dos KPIs Ordenação dos KPIs Seleção dos KPIs Atribuição das ponderações para agregação LARG Avaliação LARG Análise dos resultados da avaliação LARG XIV

17 CAPÍTULO 8 Conclusões e Sugestões para Trabalhos Futuros 8.1. Conclusões Sugestões para Trabalhos Futuros BIBLIOGRAFIA ANEXO I Contribuições do BIM no apoio à gestão da manutenção LARG em edifícios ANEXO II KPIs propostos para avaliação LARG ANEXO III Quantificação dos KPIs (caso de estudo aeroporto) ANEXO IV Código VBA Métodos MCDA IV.1. Código Método ELECTRE I IV.1.1. Código Gráfico de decisão Kernel IV.2. Código Método AHP XV

18 Índice de Figuras Figura 2.1 Tipos de edifícios e tipos de utilização... 8 Figura 2.2 Instalações e equipamentos em edifícios..9 Figura 2.3 Exemplo de estrutura organizacional do departamento de manutenção...17 Figura 2.4 Iceberg de custos.30 Figura 2.5 Custos versus nível de manutenção.31 Figura 2.6 Rácios da manutenção orientados para o custo 32 Figura 2.7 Rácios da manutenção orientados para o custo (globais da organização)...32 Figura 2.8 Fatores que influenciam o desempenho da manutenção.34 Figura 3.1 Modelo concetual da gestão da manutenção LARG.47 Figura 3.2 Pirâmide da gestão da manutenção. 54 Figura 4.1 Pilares fundamentais do TPM...77 Figura 4.2 Integração do BIM com CMMS no processo de gestão da manutenção.111 Figura 4.3 Contribuições do BIM na integração com a manutenção LARG Figura 5.1 Processo de decisão por multicritérios..122 Figura 5.2 Estrutura geral do método ELECTRE III 135 Figura 5.3 Exemplo de árvore de hierarquias no método AHP.143 Figura 6.1 Gestão da manutenção, expectativas e desempenho 157 Figura 6.2 Estrutura conceptual da metodologia proposta 160 Figura 6.3 Metodologia para seleção de indicadores (KPIs) através do método ELECTRE I.163 Figura 6.4 Metodologia para seleção de indicadores (KPIs) através do método ELECTRE III..164 Figura 6.5 Avaliação global da manutenção LARG 177 Figura 6.6 Interpolação linear.180 Figura 6.7 Diagrama de contribuições na avaliação LARG..183 Figura 7.1 Estrutura organizacional do departamento de manutenção do aeroporto Figura 7.2 Diagrama de contribuições na avaliação LARG (2012)..234 Figura 7.3 Diagrama de contribuições na avaliação LARG (2013)..236 Figura 7.4 Diagrama de contribuições na avaliação LARG (comparação 2012/2013).240 Figura I.1 Contribuições do BIM para a manutenção Lean Figura I.2 Contribuições do BIM para a manutenção Agile Figura I.3 Contribuições do BIM para a manutenção Resilient.266 Figura I.4 Contribuições do BIM para a manutenção Green.267 Figura IV.1 Folha Excel ElectreI-Dados.287 Figura IV.2 Folha Excel ElectreI-Result.287 Figura IV.3 Folha Excel Grafico, identificação do Kernel (alternativa 3) 289 Figura IV.4 Folha Excel AHP-Dados Figura IV.4 Folha Excel AHP-Result XVI

19 Índice de Tabelas Tabela 2.1 Lista de legislação e normas da manutenção em edifícios.29 Tabela 5.1 Variantes do método ELECTRE Tabela 5.2 Escala Fundamental do AHP (Saaty) Tabela 5.3 Valores do índice aleatório de consistência RCI (Saaty) Tabela 6.1 Escala Likert para avaliação das alternativas (KPIs) Tabela 7.1 Pesos dos critérios gerados pelo software SKF..199 Tabela 7.2 Limiares de discriminação para cada critério (ELECTRE III) 200 Tabela 7.3 Lista de KPIs propostos para a categoria Lean (conjunto de alternativas). 202 Tabela 7.4 Lista de KPIs propostos para a categoria Agile (conjunto de alternativas).203 Tabela 7.5 Lista de KPIs propostos para a categoria Resilient (conjunto de alternativas)..204 Tabela 7.6 Lista de KPIs propostos para a categoria Green (conjunto de alternativas)..205 Tabela 7.7 Avaliação dos KPIs para a categoria Lean (desempenho das alternativas)..206 Tabela 7.8 Avaliação dos KPIs para a categoria Agile (desempenho das alternativas)..207 Tabela 7.9 Avaliação dos KPIs para a categoria Resilient (desempenho das alternativas) 208 Tabela 7.10 Avaliação dos KPIs para a categoria Green (desempenho das alternativas) Tabela 7.11 Ordenação dos KPIs para a categoria Lean através do método ELECTRE I Tabela 7.12 Ordenação dos KPIs para a categoria Agile através do método ELECTRE I Tabela 7.13 Ordenação dos KPIs para a categoria Resilient através do método ELECTRE I Tabela 7.14 Ordenação dos KPIs para a categoria Green através do método ELECTRE I 212 Tabela 7.15 Ordenação dos KPIs para a categoria Lean através do método ELECTRE III 213 Tabela 7.16 Ordenação dos KPIs para a categoria Agile através do método ELECTRE III 214 Tabela 7.17 Ordenação dos KPIs para a categoria Resilient através do método ELECTRE III Tabela 7.18 Ordenação dos KPIs para a categoria Green através do método ELECTRE III. 216 Tabela 7.19 Seleção dos KPIs para a categoria Lean Tabela 7.20 Seleção dos KPIs para a categoria Agile Tabela 7.21 Seleção dos KPIs para a categoria Resilient. 219 Tabela 7.22 Seleção dos KPIs para a categoria Green. 221 Tabela 7.23 Matriz de comparação AHP e pesos para agregação LARG..222 Tabela 7.24 Matriz de comparação AHP e pesos para ponderação dos KPIs na categoria Lean Tabela 7.25 Matriz de comparação AHP e pesos para ponderação dos KPIs na categoria Agile Tabela 7.26 Matriz de comparação AHP e pesos para ponderação dos KPIs na categoria Resilient.224 Tabela 7.27 Matriz de comparação AHP e pesos para ponderação dos KPIs na categoria Green Tabela 7.28 Avaliação da gestão da manutenção na categoria Lean (2012) 227 Tabela 7.29 Avaliação da gestão da manutenção na categoria Lean (2013) 227 Tabela 7.30 Avaliação da gestão da manutenção na categoria Agile (2012) 228 Tabela 7.31 Avaliação da gestão da manutenção na categoria Agile (2013) 228 Tabela 7.32 Avaliação da gestão da manutenção na categoria Resilient (2012)..229 Tabela 7.33 Avaliação da gestão da manutenção na categoria Resilient (2013)..229 Tabela 7.34 Avaliação da gestão da manutenção na categoria Green (2012)..230 Tabela 7.35 Avaliação da gestão da manutenção na categoria Green (2013)..230 Tabela 7.36 Avaliação global LARG da gestão da manutenção (2012)..231 Tabela 7.37 Avaliação global LARG da gestão da manutenção (2013)..232 Tabela II.1 Lista de KPIs propostos para a categoria Lean (conjunto de alternativas). 270 Tabela II.2 Lista de KPIs propostos para a categoria Agile (Conjunto de alternativas) 271 Tabela II.3 Lista de KPIs propostos para a categoria Resilient (Conjunto de alternativas). 272 Tabela II.4 Lista de KPIs propostos para a categoria Green (Conjunto de alternativas)..273 Tabela III.1 Quantificação dos KPIs selecionados para a categoria Lean Tabela III.2 Quantificação dos KPIs selecionados para a categoria Agile Tabela III.3 Quantificação dos KPIs selecionados para a categoria Resilient 278 Tabela III.4 Quantificação dos KPIs selecionados para a categoria Green 279 XVII

20

21 Abreviaturas AEC AFTM AHP ANP ASEP AVAC BIM BREAM BSLCA CAD CIM CMMS COBie CR CREAM EAM ELECTRE FM FMEA ETA FTA GDM GMAC HEART HEP HRA IAI IFC IT KPI JIT LARG LCA LCC LEED MADM MAMD Arquitetura, Engenharia e Construção Accelerated Failure Time Models Analytic Hierarchy Process Analytic Network Process Accident Sequence Evaluation Program Aquecimento, Ventilação e Ar Condicionado Building Information Model Building Research Establishment Environmental Assessment Method Building Services Life Cycle Analysis Computer Aided Design Computer Integrated Manufacturing Computerized Maintenance Management System Construction Operations Building information exchange Consistency Ratio (rácio de consistência no método AHP) Cognitive Reliability and Error Analysis Enterprise Asset Management ELimination Et Choix Traduisant la REalité Facilities Management Failure Mode and Effects Analysis Event Tree Analysis Fault Tree Analysis Group Decision Making Gestão da Manutenção Assistida por Computador Human Error Assessment and Reduction Technique Human Error Probability Human Reliability Analysis Industrial Alliance for Interoperability Industry Foundation Classes Information Technology Key Performance Indicator Just-In-Time Lean, Agile, Resilient e Green Lifecycle Assessment Analysis Life Cycle Cost Leadership in Energy and Environmental Design Multiple Attribute Decision Making Modelos/Métodos de Apoio Multicritério à Decisão XIX

22 MCDA MCDM MEP MODM MPPS MTBF MTTR NC ND OEE OTs PAM PHM PM QAI RAMS RCFA RCM RODS RPN SHERPA SRF TESEO THERP TI TPM TPS TQM VBA Multiple Criteria Decision Aiding Multiple Criteria Decision Making Mechanical, Electrical, Plumbing Multiple Objective Decision Making Maintenance Personnel Performance Simulation Mean Time Between Failures Mean Time To Repair Net Concordance Value, valor de concordância líquida Net Discordance Value, valor de discordância líquida Overall Equipment Effectiveness Ordens de Trabalho Physical Asset Management Proportional Hazards Modelling Productive Maintenance Qualidade do Ar Interior Reliability, Availability, Maintainability and Safety Root Cause Failure Analysis Reliability Centered Maintenance Reliability Of Dormant Systems Risk Priority Number Systematic Human Error Reduction and Prediction Approach Simos-Roy-Figueira (software) Technique for Empirical Simulation of Errors in Operations Technique for Human-Error Rate Prediction Tecnologia de Informação Total Productive Maintenance Toyota Production System Total Quality Management Visual Basic for Applications XX

23 Símbolos a i Alternativa i (ELECTRE) a ij Importância do critério i sobre o critério j (AHP) a p a q Alternativa p Alternativa q A Conjunto de alternativas (ELECTRE) A Matriz de comparação de pares (AHP) A i Valor normalizado de cada KPI Agile A m Conjunto de alternativas (KPIs) para a categoria Agile; A n Conjunto de KPIs selecionados para a categoria Agile c Índice de concordância do conjunto C( p, q) (ELECTRE I) pq c Índice de concordância do conjunto C( q, p) (ELECTRE I) qp C Matriz de índices de concordância (ELECTRE I) C n Critério de índice n C Limiar de concordância (ELECTRE I) C ( p, q) Conjunto de concordância (ELECTRE I) C ( a, b) Índices de concordância global de a prevalecer b (ELECTRE III) C j ( a, b) Índice de concordância com a prevalência da alternativa a sobre b para o critério g j (ELECTRE III) CI CR Índice de consistência (AHP) Rácio de consistência (AHP) d pq Índice de discordância do conjunto D( p, q) (ELECTRE I) D Matriz de índices de discordância (ELECTRE I) D Limiar de discordância (ELECTRE I) D k Processo de destilação k (ELECTRE III) D k +1 Destilação descendente (ELECTRE III) D k +1 Destilação ascendente (ELECTRE III) D ( p, q) Conjunto de discordância (ELECTRE I) D j ( a, b) Índice de discordância com a prevalência da alternativa a sobre b para o critério g j (ELECTRE III) e pq Elementos da matriz E E Matriz domínio de concordância (ELECTRE I) f pq Elementos da matriz F XXI

24 λ k f 1 a D + k F ( ) Número de alternativas que prevalecem a (ELECTRE III) Conjunto de critérios (ELECTRE) F Matriz domínio de discordância (ELECTRE I) g j Critério de índice j (ELECTRE) g j (a) Desempenho da alternativa a segundo o critério g j (ELECTRE III) G i Valor normalizado de cada KPI Green G m Conjunto de alternativas (KPIs) para a categoria Green G n I k Conjunto de KPIs selecionados para a categoria Green Valor da agregação dos KPI na categoria I Valor real resultado do KPI, valor a normalizar ' k Índice de desempenho normalizado [0;1] k max Melhor valor da escala de normalização do KPI k min Pior valor da escala de normalização do KPI K i L i L n Valor normalizado do KPI i na categoria I Valor normalizado de cada KPI Lean Conjunto de KPIs selecionados para a categoria Lean L m Conjunto de alternativas (KPIs) para a categoria Lean LARG m n Índice global de avaliação LARG Número de alternativas Número de elementos NC m Net Concordance, valor de concordância líquida da alternativa m NC p Net Concordance, valor de concordância líquida da alternativa p ND m Net Discordance, valor de discordância líquida da alternativa m ND p Net Discordance, valor de discordância líquida da alternativa p p j Limiar de preferência para o critério g j (ELECTRE III) λ ( ) p k 1 a D + k Número de alternativas prevalecidas por a (ELECTRE III) q j Limiar de indiferença para o critério g j (ELECTRE III) λ 1 ( a) q D k + k Posição relativa da alternativa a face ao conjunto A (ELECTRE III) r Desempenho normalizado da alternativa a segundo o critério ij (ELECTRE I) R Matriz de desempenho normalizada (ELECTRE I) i g j RCI R i Índice aleatório de consistência (AHP) Valor normalizado de cada KPI Resilient R m Conjunto de alternativas (KPIs) para a categoria Resilient XXII

25 R n Conjunto de KPIs selecionados para a categoria Resilient s( λ k ) Limite de descriminação, com o nível de corte λ k (ELECTRE III) k +1 S λ A Relação de prevalência discriminatória entre as alternativas do conjunto com o nível de corte λ k+1 (ELECTRE III) A v j Limiar de veto para o critério g j (ELECTRE III) v Valor ponderado de r com o peso w (ELECTRE I) ij ij V Matriz de desempenho normalizada ponderada (ELECTRE I) j w j w' j W Peso ou importância relativa do critério j Média geométrica de cada linha da matriz A (AHP) Conjunto de pesos relativos ao conjunto de critérios Wk i Peso para agregação de cada indicador K i W I WL i WA i WR i WG i Peso para agregação do valor da categoria I no índice LARG Peso para agregação de cada KPI Lean Peso para agregação de cada KPI Agile Peso para agregação de cada KPI Resilient Peso para agregação de cada KPI Green W L Peso para agregação da avaliação na categoria Lean W A Peso para agregação da avaliação na categoria Agile W R Peso para agregação da avaliação na categoria Resilient W G Peso para agregação da avaliação na categoria Green x Desempenho da alternativa a segundo o critério g (ELECTRE I) ij X Matriz de desempenho (ELECTRE I) Z Diferença de importância entre critérios (SRF) Z Matriz de domínio agregada (ELECTRE I) z pq Elementos da matriz Z (ELECTRE I) i j α β λ k Coeficiente de destilação (ELECTRE III) Coeficiente de destilação (ELECTRE III) Nível de corte (ELECTRE III) λ max Autovalor máximo (maximum eigenvalue) (AHP) σ ( a, b) Matriz dos índices de credibilidade (ELECTRE III) XXIII

26

27 CAPÍTULO 1 Introdução CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1. Âmbito da Dissertação O presente trabalho insere-se no âmbito da gestão da manutenção, com especial ênfase para os edifícios, consistindo na sua plenitude, uma área da Engenharia Industrial. O conceito de Manutenção tem evoluído e continua a evoluir no tempo e, consequentemente, dentro de cada organização (Gonçalves, 2005). As organizações modernas, nomeadamente aquelas que detêm património imobiliário edificado, necessitam de modelos de trabalho e gestão à altura das exigências e em função dos serviços e utilidades que as suas instalações prestam. Neste âmbito, julga-se necessário o desenvolvimento de modelos mais ajustados à gestão da manutenção das instalações que integram as funcionalidades dos edifícios e grandes estruturas. Perante a competitividade, cada vez mais evidenciada entre as empresas, estas necessitam de atingir diversos aspetos como o da inovação, diversidade, melhoria contínua e qualidade ao melhor preço. Para atingir estes objetivos, as empresas têm de corresponder com flexibilidade e eficácia, sempre tendo em atenção a qualidade dos seus produtos e serviços para satisfação dos seus clientes. O progressivo aumento da complexidade das instalações, sistema e equipamentos nos edifícios acompanhou a crescente exigência na qualidade do serviço por parte do cliente, assim como os custos de operação, a que acrescem as preocupações atuais de segurança e ambientais. Com a evolução tecnológica surgem novas práticas, técnicas e filosofias na manutenção. Assim, o conceito da atuação da gestão da manutenção centra-se, cada vez mais, na eliminação de desperdícios e redução de custos, na capacidade técnica e agilidade das equipas de trabalho, na capacidade de resposta a situações de emergência e disruptivas dos processos e, com primordial atenção, para as questões ambientais, nomeadamente, para a eficiência energética e minimização da agressividade ambiental nas suas intervenções. Atualmente, gerir a manutenção é uma tarefa complexa e compreende o domínio de um vasto número de disciplinas e conceitos. Neste âmbito, surge o conceito LARG (Lean, Agile, Resilient e Green), que pretende fornecer às organizações na atualidade, uma visão inovadora e abrangente na resposta às necessidades técnicas, económicas e competitivas. O tema da dissertação é bastante abrangente, contudo, procuraram-se abordar modelos e metodologias mais adequadas para uma abordagem LARG no seio da manutenção. Estas metodologias, conceitos e soluções, numa perspetiva integrada, podem contribuir para a avaliação Gestão da Manutenção em Edifícios: Modelos para uma abordagem LARG 1

EDUCAÇÃO EM MANUTENÇÃO

EDUCAÇÃO EM MANUTENÇÃO MANUTENÇÃO COMO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E UMA ALIADA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EDUCAÇÃO EM MANUTENÇÃO José Sobral 1 MANUTENÇÃO: OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO? MANUTENÇÃO: UMA ALIADA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA?

Leia mais

Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco

Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Ciclo de formações: Fiabilidade e manutenção/ e Segurança Funcional e Analise de risco Edição de 201 Organização CIPROMEC

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis

Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis Uma análise de investimentos considerando fatores intangíveis Leila Keiko Canegusuco Jansen (POLIUSP) leila.jansen@poli.usp.br Tamio Shimizu (POLIUSP) tmshimiz@usp.br José Ulisses Jansen (IPEN) nana021295@uol.com.br

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: Prof.ª Doutora Florbela Correia Mestre/Especialista José Carlos Sá PLANO Listagem das Unidades Curriculares CONTROLO ESTATÍSTICO DO PROCESSO...

Leia mais

Qpoint Rumo à excelência empresarial

Qpoint Rumo à excelência empresarial Qpoint Rumo à excelência empresarial primavera bss A competitividade é cada vez mais decisiva para o sucesso empresarial. A aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance dos processos organizacionais

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

DESEMPENHO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS METODOLOGIAS E TENDÊNCIAS. Porto, 29 de Abril, 2008 Dia Mundial da Energia

DESEMPENHO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS METODOLOGIAS E TENDÊNCIAS. Porto, 29 de Abril, 2008 Dia Mundial da Energia DESEMPENHO AMBIENTAL DE EDIFÍCIOS METODOLOGIAS E TENDÊNCIAS Porto, 29 de Abril, 2008 Dia Mundial da Energia 1 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 2 INTRODUÇÃO Também no parque edificado sustentabilidade é um assunto

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de ENERGIAS RENOVÁVEIS PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Organização Industrial Escolas Proponentes / Autores Escola Profissional de

Leia mais

Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014

Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014 www.pwc.pt/academy Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014 Formação profissional para profissionais. Mobilizar e capacitar profissionais Valorizar conhecimentos, experiências

Leia mais

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção Índice 1. Introdução. 3 2. PROM&E GROUP.... 4 3. Building Management Organograma. 6 3.1 Project Management 7 3.2 Gestão Manutenção.. 16 3.3 Otimização

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Avaliação e Gestão da Atividade Imobiliária

Avaliação e Gestão da Atividade Imobiliária Avaliação e Gestão da Atividade Imobiliária Enquadramento/Apresentação O curso de Avaliação e Gestão da Atividade Imobiliária é um curso de Pós-graduação, cujo objetivo é formar ativos na área da avaliação

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA ECTS Controlo Estatístico do Processo Doutora Florbela Correia 32 4 Gestão da Qualidade Mestre José Carlos Sá 24 4 Informática Aplicada a Qualidade

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção

Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Manutenção em tempos de crise económica Importância da Gestão da Manutenção Por: Patrícia Isabel Correia* A ausência de um Sistema de Gestão de Manutenção provocou, ao longo de muitos anos, a deterioração

Leia mais

Soluções para SMART CITIES. Nuno Alves

Soluções para SMART CITIES. Nuno Alves Soluções para SMART CITIES Nuno Alves Agenda Contexto Organizacional Conceito e Objetivos Intergraph Smart Cities 12/7/2014 2014 Intergraph Corporation 2 Intergraph Corporation Intergraph Intergraph helps

Leia mais

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN

Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN Seminário MANUTENÇÃO E GESTÃO LEAN LISBOA 9 de Novembro de 2011 A PROCURA INCESSANTE DO EMAGRECIMENTO 1 INTRODUÇÃO HOJE EM DIA A MAIOR PARTE DAS ORGANIZAÇÕES ACTUA MAIS NUMA LÓGICA DE SOBREVIVÊNCIA. O

Leia mais

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias

Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aumento da eficiência e produtividade nas indústrias Roberto Campos MAXMES Agenda Introdução Definição de Métricas M de Operações e KPIs Sistemas

Leia mais

Performance Measurement Dashboard. António Almeida INESC Porto. VFF project. Holistic, extensible, scalable and standard Virtual Factory Framework

Performance Measurement Dashboard. António Almeida INESC Porto. VFF project. Holistic, extensible, scalable and standard Virtual Factory Framework Performance Measurement Dashboard António Almeida INESC Porto VFF project Holistic, extensible, scalable and standard Virtual Factory Framework Agenda 1. Motivações e Desafios 2. Projeto Virtual Factory

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! www.pwc.pt/academy

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! www.pwc.pt/academy www.pwc.pt/academy IT Governance Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais IT Governance Alinhar as TI s com o negócio Os projetos

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO. Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC

CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO. Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC Instituto Tecnológico de Aeronáutica / Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica, roterdan05@hotmail.com;

Leia mais

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições Prefácio Dezoito anos passados da primeira obra do autor sobre a temática, e olhando o percurso a esta distância, não deixamos de nos surpreender pela evolução realizada no mundo empresarial e na sociedade.

Leia mais

Daniel Gaspar. A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão

Daniel Gaspar. A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão Daniel Gaspar A evolução da Manutenção e os seus modelos de gestão Leiria, 2 de Junho de 2004 Introdução Evolução Estratégia Organização Modelos de gestão 2 3 Quando a manutenção e o sistema de informação

Leia mais

Qualidade: do mundo empresarial ao Ensino Superior

Qualidade: do mundo empresarial ao Ensino Superior Qualidade: do mundo empresarial ao Ensino Superior José António Sarsfield Cabral Universidade do Porto Garantia da Qualidade e Acreditação Universidade de Coimbra, Auditório da Reitoria 30092009 1 Os conceitos

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE.

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. Ivan Santos de Lima Engenheiro Naval pela Universidade Federal do Rio

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte

A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte Fabiano Sannino A Dinâmica em um Projeto de Tecnologia de Grande Porte Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo

Leia mais

Formação Manutenção: Curso de Segurança Funcional e Análise de risco

Formação Manutenção: Curso de Segurança Funcional e Análise de risco CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PROJECTO EM CONTROLO E APLICAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Formação Manutenção: Curso de Segurança Funcional e Análise de risco Edição de 2013 Organização Índice Organização 2 Âmbito

Leia mais

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os Formação Interempresas 2016 11 Formação Interempresas 2016 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os desperdícios,

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

ESTUDO DE CASO EM GERENCIAMENTO DE PRODUÇÃO: EFICIÊNCIA/OEE.

ESTUDO DE CASO EM GERENCIAMENTO DE PRODUÇÃO: EFICIÊNCIA/OEE. artigo gerenciamento de produção ESTUDO DE CASO EM GERENCIAMENTO DE PRODUÇÃO: EFICIÊNCIA/OEE. Luis Phillipe F. Machado (luis.machado@techplus.com.br), Coordenador de Projetos; e Samarone Guimarães Ruas

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO 1 GESTÃO DA MANUTENÇÃO 1. INTRODUÇÃO; 2. METODOLOGIA 5 S ; 3. TEORIA DA MANUTENÇÃO; 4. ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE; 5. TPM TOTAL PRODUCTIVE MAINTENANCE; 6. MANUTENÇÃO AUTONOMA; 7.

Leia mais

Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS

Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS Maximo EAM GESTÃO INTELIGENTE DE ATIVOS Herbert De Carvalho MAXIMO EAM Sales IBM Corporation Tivoli Software +55 11 2322.6738 (phone) +55 11 9 8134.3131 (cel) herbert.carvalho@br.ibm.com Agenda Introdução

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO/ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO QUALIDADE, AMBIENTE, SEGURANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL FORMAÇÃO SGS ACADEMY PORQUÊ A SGS ACADEMY? Criada, em 2003, como área de negócio da

Leia mais

Esta formação tem como objectivo dotar os profissionais de conhecimentos teóricos e práticos que lhes permitam:

Esta formação tem como objectivo dotar os profissionais de conhecimentos teóricos e práticos que lhes permitam: Pós Graduação Business Process Management Gestão - Pós-Graduações Com certificação Nível: Duração: 180h Sobre o curso O Business Process Management tem vindo a ganhar um posicionamento distintivo nas organizações.

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

Manutenção Efetiva e Competitiva

Manutenção Efetiva e Competitiva Manutenção Efetiva e Competitiva Marcelo Albuquerque de Oliveira (1) Resumo Existem várias técnicas para gerenciamento de manutenção disponíveis, com uma gama de alternativas, facilidades e complexidades.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

Gestão de Imóveis Property & Asset Management. Acrescentamos valor aos imóveis que gerimos

Gestão de Imóveis Property & Asset Management. Acrescentamos valor aos imóveis que gerimos Gestão de Imóveis Property & Asset Management Acrescentamos valor aos imóveis que gerimos A excelência e o fator diferenciador estão patentes na abordagem proativa da JLL Onde atuamos Premium Assets Escritórios

Leia mais

Proposta de Modelo de Desenvolvimento de Sistema de Medição de Desempenho Logístico

Proposta de Modelo de Desenvolvimento de Sistema de Medição de Desempenho Logístico Winston Carvalho Santana Proposta de Modelo de Desenvolvimento de Sistema de Medição de Desempenho Logístico DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL Programa de Pós-Graduação Profissional

Leia mais

Excelência na Gestão de Ativos

Excelência na Gestão de Ativos Excelência na Gestão de Ativos 2015 Mudanças em Tempos Difíceis Em tempos difíceis é que as mudanças são necessárias, e a habilidades dos navegantes são testadas. Neste contexto a NT Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado Livia Pires Chaves Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO UNINOVE

CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO UNINOVE CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO UNINOVE MODELO CONCEITUAL E PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL NO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EMPRESARIAL JOSE CARLOS PANTAROTO Orientador: Prof.

Leia mais

Formação Interempresas 2015 2.º semestre

Formação Interempresas 2015 2.º semestre Formação Interempresas 2015 2.º semestre 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam

Leia mais

GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista

GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista GESTÃO DE ATIVOS E O PAS 55 UM NOVO PARADIGMA? Valéria Simões de Marco Engenheira Eletricista RESUMO O documento PAS 55 é uma especificação disponível publicamente, que foi emitida em 2004 pela British

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life ENERGIA PARA A VIDA Energy for life A GREEN SOLUTIONS A ambição de uma empresa não se reflecte nos seus feitos individuais, mas antes na realização de projectos marcantes para sua indústria. O reconhecimento

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Projeto EnerBuiLCA. Life Cycle Assessment for Energy Efficiency in Buildings. Envolvimento de stakeholders em direção à Construção Sustentável

Projeto EnerBuiLCA. Life Cycle Assessment for Energy Efficiency in Buildings. Envolvimento de stakeholders em direção à Construção Sustentável Programa de Cooperação Territorial SUDOE Interreg IV B Projeto EnerBuiLCA Life Cycle Assessment for Energy Efficiency in Buildings Envolvimento de stakeholders em direção à Construção Sustentável Ana Paula

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO SISTEMATIZAÇÃO PARA A IMPLANTA- ÇÃO INTEGRADA DE SISTEMAS DE PLANEJAMENTO FINO DA PRODUÇÃO Eng. Fábio Favaretto, MSC Dep. de Eng. Mecânica da Escola de Eng. de São Carlos - USP Av. Dr. Carlos Botelho,

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

ThyssenKrupp Elevadores

ThyssenKrupp Elevadores ThyssenKrupp Elevadores ,, Temos à sua disposição uma rede de delegações que nos permite estar próximos dos nossos clientes. Todos os nossos colaboradores são formados e estão empenhados em fornecer um

Leia mais

Helping your business grow faster

Helping your business grow faster Helping your business grow faster Espírito de Inovação TECNOLOGIA E INOVAÇÃO A FAVOR DAS EMPRESAS Fundada em 1995, a NOESIS é uma consultora portuguesa que fornece soluções para aumentar a competitividade,

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira 15 INTELIGÊNCIA DE MERCADO: TRANSFORMANDO AS OLIMPÍADAS EM NEGÓCIOS 1 RESUMO Um dos grandes desafios das organizações hoje é a aplicabilidade assertiva das técnicas de análise e métodos utilizados em Inteligência

Leia mais

ThyssenKrupp Elevadores

ThyssenKrupp Elevadores Modernize o seu elevador O transporte para o futuro ThyssenKrupp Elevadores 2 3 ThyssenKrupp Elevadores Modernização Um conjunto de soluções à medida das suas necessidades. Pacotes de modernizações. Atualizações

Leia mais

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais.

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. No atual cenário econômico, organizações do mundo inteiro enfrentam uma pressão enorme para gerir seus ativos proativamente

Leia mais

Informações ambientais sobre o CICLO DE VIDA dos produtos utilizados quotidianamente pelas famílias

Informações ambientais sobre o CICLO DE VIDA dos produtos utilizados quotidianamente pelas famílias Informações ambientais sobre o CICLO DE VIDA dos produtos utilizados quotidianamente pelas famílias INTRODUÇÃO O desempenho ambiental dos diferentes produtos em opção é cada vez mais importante para os

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda CATÁLOGO DE SERVIÇOS Consultores Associados de Organizações e Informática, Lda ÍNDICE ÍNDICE 2 HISTÓRICO DE ALTERAÇÕES 2 1 INTRODUÇÃO 3 2 A CASO 4 2.1 Apresentação 4 2.2 Visão, Missão e Valores 4 3 SERVIÇOS

Leia mais

Tecnonews Maio-2012. 3. Reciclagem para clientes e Palestras abertas gratuitas: Confiram a agenda!

Tecnonews Maio-2012. 3. Reciclagem para clientes e Palestras abertas gratuitas: Confiram a agenda! Tecnonews Maio-2012 1. Artigo: UEP, OEE, OEE+ e OEE++ : Rastreie, mensure, reduza custos e melhore a produtividade e os resultados de sua empresa rápida e eficazmente. Produtividade e otimização da capacidade

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E DA LIDERANÇA NA PERFORMANCE ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO DE CASO Marisa Bettencourt Mota Março de 2015 UNIVERSIDADE DOS AÇORES

Leia mais

Plataforma para a implementação de um sistema de gestão de acordo com o normativo OHSAS 18001:2007

Plataforma para a implementação de um sistema de gestão de acordo com o normativo OHSAS 18001:2007 Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Ciências Empresariais Plataforma para a implementação de um sistema de gestão de acordo com o normativo OHSAS 18001:2007 Vanessa Sofia Rodrigues de Almeida

Leia mais

O programa assenta em três eixos determinantes:

O programa assenta em três eixos determinantes: São vários os estudos europeus que apontam para um défice crescente de recursos especializados nas tecnologias de informação. Só em Portugal, estima-se que estejam atualmente em falta 3.900 profissionais

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 2º Painel Incentivos à Indústria O papel do IAPMEI na Competitividade do setor Miguel Cruz 26 Novembro de 2015 Apoiar as PME nas suas estratégias de crescimento inovador

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 139, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 139, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 139, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Euclides Coimbra Managing Director, Kaizen Institute Iberia

Euclides Coimbra Managing Director, Kaizen Institute Iberia KAIZEN COLLEGE A Melhoria Contínua (também designada de Excelência no Negócio) é hoje em dia parte da estratégia das melhores empresas mundiais e, quando corretamente aplicada, gera excelentes resultados

Leia mais

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1

O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia GESTÃO LOGÍSTICA. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 6 Objectivos Identificação das actividades de gestão de materiais; Familiarização do conceito de Gestão em Qualidade Total (TQM); Identificar e descrever uma variedade de filosofias

Leia mais

Sílvio Glicério Mendonça. O impacto dos Sistemas Integrados de Gestão (ERP) nas instituições de ensino. Dissertação de Mestrado (Opção profissional)

Sílvio Glicério Mendonça. O impacto dos Sistemas Integrados de Gestão (ERP) nas instituições de ensino. Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Sílvio Glicério Mendonça O impacto dos Sistemas Integrados de Gestão (ERP) nas instituições de ensino Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

Gestão e Controle de Energia Building Technologies

Gestão e Controle de Energia Building Technologies Gestão e Controle de Energia Copyright Siemens Switzerland Ltd. All rights reserved. Índice Empresa e Organização 3 Performance e Sustentabilidade em Edifícios 6 Produtos, Soluções e Serviços 10 Gestão

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À GESTÃO DA QUALIDADE

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À GESTÃO DA QUALIDADE Índice Índice de figuras e tabelas 19 Prefácio 29 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À GESTÃO DA QUALIDADE 1. Introdução 35 2. Conceitos da qualidade 36 3. Origem dos principais problemas da qualidade 41 4. Alguns

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: sexta-feira, 16 de Novembro de 2012 17:40 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

Governança de TI: O que é COBIT?

Governança de TI: O que é COBIT? Governança de TI: O que é COBIT? Agenda Governança de TI Metodologia COBIT Relacionamento do COBIT com os modelos de melhores práticas Governança de TI em 2006 Estudo de Caso Referências Governança de

Leia mais