João P. de Albuquerque, Marcelo Nerling, Edmir Parada Vasques Prado, Antonio José Balloni, Homero Fonseca Filho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "João P. de Albuquerque, Marcelo Nerling, Edmir Parada Vasques Prado, Antonio José Balloni, Homero Fonseca Filho"

Transcrição

1 Relatório: UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS/SP João P. de Albuquerque, Marcelo Nerling, Edmir Parada Vasques Prado, Antonio José Balloni, Homero Fonseca Filho Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo {joao.porto, mnerling, eprado, 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho apresenta sinteticamente os principais resultados de uma pesquisa realizada junto a uma amostra de três hospitais da cidade de Guarulhos no estado de São Paulo, com o intuito de mapear e avaliar o estado atual da Gestão dos Sistemas e Tecnologias de Informação nos hospitais. Esta pesquisa teve o apoio do Núcleo de Gestão da Informação da Secretaria Municipal de Saúde do Município de Guarulhos e foi realizada em cooperação com o Projeto GESITI do Centro de Tecnologia da Informação CTI Renato Archer, coordenado pelo Pesquisador Antonio J. Balloni. Neste trabalho são apresentados e descritos tão-somente os resultados mais significativos, sendo que a totalidade dos dados obtidos será disponibilizada em um CD anexo ao workshop GESITI- Saúde/2010. O restante deste trabalho está organizado da seguinte forma: a Seção 2 apresenta uma breve contextualização do município de Guarulhos e de sua rede hospitalar, enquanto que a Seção 3 caracteriza os três hospitais que compõem a amostra deste estudo. A Seção 4 apresenta, então, os principais resultados e constatações da pesquisa, divididos nas principais categorias da pesquisa: recursos humanos, gestão estratégica do hospital, pesquisa e desenvolvimento, inovação tecnológica, equipamentos de tecnologia de informação e comércio eletrônico. Por fim, a Seção 5 apresenta as considerações finais deste estudo. 2. CONTEXTUALIZAÇÃO Segundo as estimativas, em 2009 o Brasil tem 191,5 milhões de habitantes espalhados pelas suas 27 unidades da federação e municípios. São Paulo se destaca como a unidade da federação mais populosa, com 41,4 milhões de habitantes, seguida por Minas Gerais (20 milhões) e Rio de Janeiro (16 milhões). Nestas três unidades da federação da Região Sudeste concentram-se cerca de 40,4% da população brasileira. São Paulo é o município mais populoso, com 11 milhões de habitantes, seguido pelo Rio de Janeiro (6,2 milhões) e Salvador (3 milhões). Belo Horizonte (2,5 milhões) esteve no quarto lugar em 2000 e, a partir de 2007, caiu para sexto, tendo sido ultrapassado pelo Distrito Federal e Fortaleza que, desde então, permanecem nos 4º e 5º lugares, respectivamente. Excluindo-se as capitais, os municípios brasileiros mais populosos são Guarulhos (1,3 milhão), Campinas (1,1 milhão) e São Gonçalo (992 mil habitantes), que estão nas três

2 primeiras posições desde de Borá (SP) continua sendo o município com a menor população do País, estimada em 837 habitantes, 42 a mais que em 2000 (IBGE, 2009). Guarulhos contava com uma população estimada de habitantes em 1980, passando para em Conta em 2009 com uma estimativa de habitantes. A Secretaria Municipal de Saúde de Guarulhos classifica os 11 hospitais instalados em seu território em Hospitais Públicos Municipais; Hospitais Filantrópicos Convenio SUS; Hospitais Públicos Estaduais; Organizações Sociais de Saúde; Hospitais Privados. Na categoria Hospitais Públicos Municipais estão arrolados o HMU Hospital Municipal de Urgência; o HMC Hospital Municipal Santa Casa da Criança de Guarulhos; o HMPB Hospital Municipal Pimentas Bonsucesso. Na categoria Hospitais Filantrópicos Convenio SUS, estão contidos a Associação Beneficiente Jesus, José e Maria; Hospital Stella Maris. Na categoria Hospita Público Estadual estão o Complexo Hospitalar Padre Bento de Guarulhos. Na categoria Organizações Sociais de Saúde está o Hospital Geral de Guarulhos. Na categoria Hospitais Privados está o Hospital Bom Clima; o Hospital Carlos Chagas; o Hospital Saúde de Guarulhos. 3. CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA Até o momento, a pesquisa levada ao cabo pela Equipe da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, promoveu o levantamento de dados pela aplicação do questionário em três hospitais de Guarulhos/SP, sendo dois deles públicos municipais e um filantrópico. A amostra foi definida por conveniência, sendo o principal critério para integrá-la a possibilidade e disponibilidade para o levantamento das informações no hospital. Hospital A O Hospital A é um hospital filantrópico fundado em 1957 que atende tanto por convênios particulares, como também é conveniado com o Sistema Único de Saúde. Conta atualmente com 900 funcionários. Hospital B O hospital B é um hospital público fundado em 1992 que conta com 764 funcionários e 110 leitos, realizando uma média anual de atendimentos com internação e mais de atendimentos ambulatoriais. Devido ao seu porte, o hospital atende a toda região sanitária do Alto Tietê, principalmente em atendimentos de urgência. Hospital C O Hospital C se trata de um hospital público fundado em 1987 e que conta atualmente com 597 funcionários, 59 leitos, com uma média anual de atendimentos com internação e atendimentos ambulatoriais. Quase a totalidade de seus atendimentos está relacionada à cidade em está localizado, possuindo ainda participação em relação à região sanitária na central de regulação de urgência e emergência, e sendo também referência no estado com o centro de reposição de enzimas para mps.

3 Tabela 1: Características principais dos hospitais Hospital A Hospital B Hospital C Funcionários Leitos Internações Laboratorial Pode-se perceber que os três hospitais diferem ligeiramente de porte em relação ao número de funcionários. Quantidade de Funcionários Hospital A Hospital B Hospital C A amostra tem predominância de hospitais públicos, que perfazem dois terços dos hospitais analisados.

4 Tipo de Hospital PRIVADO 33% PÚBLICO 67% 4. RESULTADOS DA PESQUISA As próximas seções apresentam gráficos selecionados e algumas observações, em cada uma das dimensões da pesquisa. 4.1 RECURSOS HUMANOS Hospital A O nível estratégico do Hospital A é composto por três diretorias, uma na área médica, outra na área administrativa e um presidente. Tanto o diretor da área médica quanto o presidente tem formação em medicina. O hospital possui um total de 300 médicos, 630 enfermeiros e 270 funcionários em atividades administrativas e de suporte. Cerca de 70% dos enfermeiros e demais funcionários possuem ensino médio completo. Especificamente na área de TI são três analistas, todos com nível superior. As ações de capacitação profissional se concentram no treinamento regular de mão-deobra inexperiente, em sua maioria de enfermeiros. O hospital possui também uma unidade educacional de formação de enfermeiros que são posteriormente aproveitados pelo próprio hospital. Os treinamentos são todos presenciais e visam atender necessidades específicas do hospital. Nos últimos anos a freqüência de treinamentos tem alcançado mais de 20% dos enfermeiros. Hospital B O nível estratégico do Hospital B é composto por uma diretora, que é médica com

5 especialização em gestão de saúde, e quatro chefias: médica, enfermagem, administração (infraestrutura) e de planejamento. Essas quatro chefias são respectivamente ocupadas com profissionais de formação em: medicina, enfermagem, gestão de saúde e enfermagem com pós-graduação em administração pública. Dos demais funcionários, aproximadamente 40 (5,2% do total de funcionários) possuem apenas o ensino fundamental completo e 14 (1,8% do total) possuem formação até o ensino médio/técnico. Os 710 demais colaboradores do hospital possuem formação superior, assim distribuídos: 287 enfermeiros (37,6% do total), 260 médicos (34% do total), 140 administradores de empresas (18,3% do total), 3 são analistas de sistemas (0,4% do total) e 10 têm diversas outras formações (1,3%). Quanto à capacitação de funcionários, as medidas do hospital concentram-se na educação permanente a partir de necessidades internas, às vezes envolvendo instrutores externos. Dessa forma, tanto a direção como os cargos de gerência e supervisão não participaram de medidas de capacitação nos últimos anos, mas apenas o nível operacional (profissionais da administração e dos principais processos) recebeu capacitação nesse período. Hospital C O perfil dos diretores do hospital reflete uma distribuição de poder de acordo com a divisão clássica no serviço público, cumprindo uma função política e técnica. O diretor vai depender de quem está no comando da Prefeitura. As divisões são de confiança do Diretor de Departamento. A mídia é a pauta. Há uma tendencia de atribuir o cargo de confiança atendendo a qualificação e os serviços prestados, com valorização para a corresponsabilidade técnica. O nível estratégico do Hospital C é composto por quatro diretores. Um Diretor de Departamento, que é médica; um Diretor Clínico/Médico; um Diretor Administrativo- Financeiro; um Diretor Geral (Presidente/Executivo). As duas últimas vagas citadas estavam incompletas na data da entrevista. Não se recebeu informações sobre processualidade, logística ou planejamento estratégico. Há chefias de 'divisão'. Não há organograma. Há ainda uma chefia de Sessão Técnica de Informação em Saúde e uma pessoa responsável pelo faturamento. O perfil dos funcionários não foi informado. Esses dados estão centralizados na Secretaria Municipal de Saúde. No quesito capacitação de funcionários, as medidas do hospital concentram-se na educação permanente a partir de necessidades internas, às vezes envolvendo instrutores externos. 'Há demanda e pouco oferta segundo os critérios colhidos pela Direção'. Há iniciativas e reconhecimento da importância da qualificação pela Direção. Há o diagnóstico de um vício/viés pessoal e político na formação de gestores, sem contribuição efetiva, registrado nos sucessivos governos. Os funcionários fazem concurso para emprego celetista na Autarquia, com lista, chamada, nomeação, posse, efetivo exercício em um concurso dito 'moroso e burocrático'. A contratação de médicos de emergência é difícil. O primeiro emprego do técnico e do

6 enfermeiro é a práxis, por força de uma formação insuficiente, o que aumenta o risco da atividade. As capacitações ocorrem sobre supervisão da Chefia da Enfermagem. Os principais cursos internos fornecidos trataram do tema da reabilitação neonatal; capacitação permanente em amamentação; cursos permanentes em humanização no Hospital e no Município. Oferece qualificação aos funcionários Hospital A Hospital B Hospital C Capacitação e Desenvolvimento do Colaborador A partir de necessidades de mão-de-obra de enfermagem 33% Módulos internos com instrutores externos. 67%

7 Proporção Média de Colaboradores Treinados nos últimos 2 anos 20% 18% 16% 14% 12% 10% 8% Hospital A Hospital B Hospital C 6% 4% 2% 0% Alta direção Cargos gerenciais Profissionais supervisores Profissionais da administração Profissionais dos principais processos Quantidade de Médicos Hospital A Hospital B Hospital C 4.2 GESTÃO ESTRATÉGICA DO HOSPITAL Hospital A O Hospital A não possui um plano estratégico formalmente definido, mas apenas um planejamento orçamentário que abrange o período de um ano. Esse plano é definido pela diretoria sem o envolvimento dos demais níveis hierárquicos. Posteriormente, parte desse plano é divulgado aos níveis de gerência do hospital. O plano é revisto a cada três meses. Sendo uma instituição filantrópica, que conta com serviços conveniados com a prefeitura da cidade, para atendimento da população carente, a obtenção de recursos financeiros se torna mais importante do que o atendimento às expectativas dos clientes. Mais ainda, o hospital oferece atendimento a toda a região sanitária e não somente à cidade onde está localizado.

8 O Hospital A não utiliza ferramentas de gestão para a definição e o acompanhamento das estratégias. Novas tecnologias relacionadas ao hospital são obtidas pelos médicos através da participação em feiras e congressos. Geralmente, as inovações colocadas em prática, ou que se tornam prioridade para o hospital, são aquelas relacionadas a melhoria da qualidade na prestação do serviço. Como conseqüência, o plano estratégico prevê muito pouco investimento em novas tecnologias. Hospital B O Hospital B possui plano estratégico formalmente definido e conhecido pela diretoria e pelas gerências e supervisões. Por estar subordinado à Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o planejamento possui contornos particulares, pois o plano estratégico é estabelecido para alcançar as metas estipuladas pela SMS, processo do qual participam a liderança executiva e os líderes de processos. Há revisão periódica do plano em reuniões semestrais, nas quais a execução do plano é também acompanhada. Além disso, o grau de satisfação dos clientes tem alta importância no planejamento, assim como também os recursos existentes. O Hospital B não utiliza as ferramentas de Balanced Scorecard e KPI, mas afirma manterse informado sobre novas tecnologias por meio de revistas, feiras e congressos, benchmarking e Internet. Também considera que a inovação tecnológica pode melhorar a qualidade do atendimento e a imagem do hospital, prevendo investimentos para introdução de inovação tecnológica. Hospital C O Hospital C não possui um plano estratégico formalmente definido e conhecido pela diretoria e pelas gerências e supervisões. Por estar subordinado à Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o planejamento possui contornos segundo diretrizes governamentais. O plano estratégico é estabelecido para alcançar metas dadas, a priori, pela SMS. Desse processo participam a liderança executiva e os líderes. Não havendo um plano formalmente definido como diretriz para o setor hospitalar, fica reduzida a possibilidade de revisitar as diretrizes através de revisões periódicas do plano, em reuniões semestrais, nas quais a execução do plano é também acompanhada. Com isso, seria possível pensar na tríade da gestão: Formulação, implementação e avaliação de políticas públicas, segundo planos, programas, projetos e ações. O plano se limita à tímida execução da LDO e da LOA Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual. O Hospital faz parte do orçamento da municipalidade, estando ligado ao Departamento de Gestão da Prefeitura. É na 'Mesa de Pactuação', que reúne os diversos hospitais, que se promovem as estratégias. A SMS faz essa intermediação. A satisfação dos 'clientes' tem importância no planejamento. Porém, este é de curto prazo, limitando-se a um ano. O Hospital C não utiliza as ferramentas de Balanced Scorecard e KPI. Afirma manter-se informado sobre novas tecnologias por meio de revistas, feiras e congressos,

9 benchmarking e Internet. Também considera que a inovação tecnológica pode melhorar a qualidade do atendimento e a imagem do hospital, prevendo investimentos para introdução de inovação tecnológica. A diretora sabe da existência de novas tecnologias relacionadas ao seu negócio, tanto por meio de revistas, pela internet e também pela participação em congressos. A melhoria da qualidade está ligada, segundo a direção, à introdução da inovação tecnológica. Tipo de Planejamento do Hospital Orçamentário - 33% Estratégico - 67% Periodicidade de Revisão do Plano De 6 a 12 meses - De 3 a 6 meses - 67% 4.3 PESQUISA E DESENVOLVIMENTO Hospital A A pesquisa e desenvolvimento não é uma atividade realizada pelo Hospital A. Essa atividade limita-se a iniciativas de médicos e estão associadas as suas pesquisas particulares ou a cursos de aperfeiçoamento e formação no qual eles estejam participando. Como conseqüência, a atividade de P&D realizada nos últimos quatro anos não é relevante. Da mesma forma, a à aquisição de outros conhecimentos externos não é relevante. Hospital B Quanto à pesquisa e desenvolvimento, o Hospital B realiza muito poucas atividades nesse sentido, geralmente desenvolvidas individualmente por médicos de seu quadro. Dessa forma, considera não relevante a atividade de P&D realizada nos últimos quatro anos, e confere baixa importância à aquisição de outros conhecimentos externos.

10 Hospital C São ocasionais as atividades de Pesquisa e Desenvolvimento, realizadas no período entre 2006 e 2010, no Hospital C. O investimento foi baixo e a prioridade é considerada como de nível médio pela Direção. 4.4 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Hospital A O Hospital A é uma instituição filantrópica e, portanto, a diretoria não está preocupada com a vantagem competitiva que a inovação tecnológica possa trazer. A instituição não tem o objetivo de competir com outros hospitais para obter a participação maior no mercado de prestação de serviços de saúde. Por essa razão, não é dada importância a TI, como ferramenta para agregar valor, melhorar o desempenho e disseminar a informação. O monitorando do ambiente externo é feito apenas pela participação dos médicos em congressos e feiras, aproveitando-se as inovações que contribuam com a melhoria na qualidade do serviço prestado, ou na redução de custo. Por essa razão, no Hospital A os maiores investimentos de TI estão previstos para o almoxarifado e a área administrativa. Hospital B Como o Hospital B é uma instituição pública, a diretoria não encara a inovação tecnológica como vantagem competitiva, porém considera que o uso da tecnologia agrega valor aos serviços prestados, ao contribuir para a disseminação rápida de informação e para a melhoria da performance/desempenho do hospital. As principais dificuldades para maior investimento em inovação tecnológica são financeiras e não de qualificação, entretanto considera o nível de conhecimento de seus funcionários é insuficiente para implantação de tecnologia de informação. O hospital está monitorando o ambiente externo através da participação em feiras/ congressos/ eventos e reuniões com representantes do setor. Os principais elementos monitorados usando a TI são os interesses e/ou nível de satisfação dos clientes. Não foi possível obter informações detalhadas acerca do percentual de investimento em inovação nos últimos três anos, mas as áreas prioritárias para investimento apontadas foram administração e sistemas de almoxarifado. Os fornecedores de produtos/serviços inovadores abrangem pequenas/médias empresas nacionais, uma universidade privada, e também desenvolvimento próprio. Além disso, o governo federal foi também apontado como um fornecedor de inovações. Os principais entraves à inovação no hospital se devem à indisponibilidade de verba e à baixa qualificação de seu quadro de funcionários. O hospital não tem parceria para desenvolvimento de inovação, porém conhece linhas de crédito e/ou incentivos

11 governamentais do Ministério de Ciência e Tecnologia, já tendo utilizado esse recurso para aquisição de equipamentos (hardware). Além disso, afirma estar disposto a participar de um esforço conjunto para a inovação tecnológica coordenado por uma entidade pública. As prioridades do hospital com referência à inovação concentram-se na informatização e na utilização de bases de dados para armazenar informações dos clientes. O hospital não possui sistema de qualidade baseado nas normas ISO, porém já utiliza a metodologia 5S para gestão de qualidade. No quesito cooperação para inovação, o Hospital B considera alta a importância da introdução das inovações tecnológicas entre 2006 e Nesse período o hospital esteve envolvido em arranjos cooperativos com outras organizações com vistas a desenvolver atividades inovativas, destacando-se entre elas uma universidade privada e fornecedores. Com universidade privada, o hospital realizou cooperação de Pesquisa e Desenvolvimento, enquanto que com fornecedores as cooperações se concentraram em outras atividades de cooperação (como o desenvolvimento de software). Dentre os fatores que prejudicaram as atividades inovativas do Hospital, destacam-se com alto grau de importânica: riscos econômicos excessivos, falta de pessoal qualificado, escassez de fontes apropriadas de financiamento, escassez de serviços técnicos externos adequado e centralização da atividade inovativa em outro hospital. Com grau de importância médio foram também mencionados os fatores: elevados custos da inovação e escassas possibilidades de cooperação com outras empresas/instituições. Hospital C O Hospital C é uma instituição pública e a diretoria não encara a inovação tecnológica como vantagem competitiva, porém, considera que o uso da tecnologia agrega valor aos serviços prestados, contribuindo para a disseminação rápida de informação e para a melhoria da performance/desempenho do hospital. São as dificuldades financeiras para maior investimento em inovação tecnológica e não qualificação de seus funcionários que restringe a implantação de tecnologia de informação. O monitoramento de elementos do ambiente externo se dá pela participação em feiras/ Congressos/ Eventos; na participação em Comitês Setoriais e na participação em Redes de Inovação. O hospital está monitorando o ambiente externo usando a TI para interesse e/ou nível de satisfação dos clientes, por meio do 'questionário de satisfação'. Para o hospital C, as áreas que se prevê maior investimento para a introdução de inovação tecnológica são os sistemas operacionais e de almoxarifado. O hospital tem investido menos de um por cento em inovação tecnológica, na relação comparativa com o faturamento nos últimos 3 anos e a expectativa futura não é superior ao indicador já apontado. Os maiores fornecedores de produtos/serviços inovadores são pequenas/médias empresas nacionais, universidades públicas e centros de pesquisas. A falta de verba e de parcerias não potencializa a ação no sentido sentido de superação dos entraves à implementação de investimentos em inovação.

12 O hospital C estaria disposto a participar de um esforço conjunto para a inovação tecnológica coordenado por uma entidade pública. Ele desconhece tipos de financiamento, linha de crédito ou incentivo governamental existentes para investimento em inovação tecnológica. Uma das prioridades no investimento em inovação deverá se dar para fins de utilização de bases de dados para armazenar informações dos clientes. O hospital C afirma possuir um sistema da qualidade, pelo qual não é certificado, chamado CQH. Trata-se de uma metodologia adotada no hospital desde No quesito cooperação para inovação, o hospital C considera alta a importância da introdução das inovações tecnológicas entre 2006 e 2010, ainda que tenham sido escassas. Nesse período o hospital esteve envolvido em arranjos cooperativos com outra (s) organização (ões) com vistas a desenvolver atividades inovativas. Os fornecedores, as universidades e os institutos de pesquisa tem grau 'a' na importancia de cada categoria de parceiro, enquanto que os centros de capacitação profissional e de assistencia técnica ficam com o conceito 'b'. Outros hospitais, consultorias não foram avaliadas por inexistirem. A prática tem sido informal. O processo de reestruturação do hospital visa reconhecimento social e institucional das ações. A cooperação também teve parceiros na temática do treinamento, de ensaios para testes de produtos e outras atividades de cooperação. Dentre os fatores que prejudicaram as atividades inovativas do Hospital, que tem uma importância média para a Diretoria, estão a falta de pessoal qualificado (b); a escassez de fontes apropriadas de financiamento (a); os elevados custos da inovação (a). Intenção de Investimento em Inovação Tecnológica (% faturamento) < 1% Entre 1 e 2% Entre 2 e 3% Entre 3 e 4% > de 4% Hospital A Hospital B Hospital C 4.5 EQUIPAMENTOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Hospital A A TI não é uma área reconhecida como estratégia para o Hospital A. Em função disso, os investimentos feitos até o momento e os previstos são inferiores a um por cento do

13 faturamento. A falta de verba é o maior entrave a inovação tecnológica no hospital. Mais ainda, o Hospital A não possui parceria com entidades púbicas para o desenvolvimento de inovação tecnológica e desconhece linhas de financiamento para essa finalidade. O Hospital A conta com 220 computadores conectados em rede, alguns dos quais são terminais virtuais, dos quais 180 estão conectados à Internet. Além disso, possui 35 impressoras laser, 25 impressoras jato de tinta e 5 impressoras matriciais. O Hospital A possui um software de gestão hospitalar próprio, desenvolvido por uma microempresa nacional. Com 18 módulos, o sistema possui 220 terminais implantados e cerca de 500 usuários. O custo estimado do sistema é de R$ ,00 e começou a ser utilizado em O sistema utiliza banco de dados Btrieve e linguagem COBOL. A Em relação à base de dados, o Hospital A não possui uma central de dados no hospital (DataWarehouse). Tampouco se utiliza software de gerenciamento de banco de dados ou dispositivos de armazenamento. O sistema próprio tem base de dados centralizada utilizada pelos departamentos: administrativo, financeiro fiscal, recursos humanos, hotelaria, urgência/pronto socorro, centro cirúrgico, laboratório clínico, controle de estoques, registro médico, ambulatórios e centro diagnóstico. Não há previsão de investimento em TI para o próximo trimestre. Hospital B Para o Hospital B, é baixa a importância da aquisição de máquinas e equipamentos realizada entre 2006 e O hospital possui 19 PC conectados à Rede Internet, tres impressoras jato de tinta e cinco impressoras laser. Os aplicativos mais utilizados são word, access, excel e power point, além do Corel Draw. O hospital B possui um software de gestão integrada chamado JSaúde (ou JAPI Saúde), desenvolvido em conjunto com uma empresa JAPI de desenvolvimento nacional de pequeno porte. O sistema possui 2 módulos e tem 13 terminais implantados, com 60 usuários. Seu custo não foi informado porque faz parte do Sistema Municipal de Dados da SMS. O sistema iniciou a operação em Trata-se de um sistema desenvolvido utilizando banco de dados PostGree e linguagem Java. Os hospital não possui aplicativos de contabilidade, recursos humanos, compra/venda ou gestão de ativos. Entretanto, possui software de controle de estoque que compõe o sistema integrado JSaude. Para composição de custos e determinação de preços o hospital utiliza planilhas eletrônicas. Em relação à base de dados, o Hospital C não possui uma central de dados no hospital (DataWarehouse). Tampouco se utiliza software de gerenciamento de banco de dados ou dispositivos de armazenamento. Não há previsão de investimento em TI para o próximo trimestre. Hospital C Para o Hospital C, é baixa a importância da aquisição de máquinas e equipamentos

14 realizada entre 2006 e O hospital possui 53 PCs, todos conectados à Internet, e 34 impressoras laser. Três PC contém aplicativos do tipo word, access, excel e power point. O Hospital C não possui aplicativos de manipulação e tampouco programas aplicativos (softwares) na área de gestão empresarial e/ou gestão hospitalar. Não possui programas aplicativos (softwares) nas áreas de: gestão integrada; recursos humanos; compra e venda; gestão de ativos; composição de custos e determinação de preços O Hospital possui programas aplicativos (softwares) na área de Controle de Estoques. O Nome do Software: Módulo de Almoxarifado do Sistema JAPI SAÚDE. Contém um módulo, um terminal com dois usuários. Custo não informado porque faz parte do Sistema Municipal de Dados da SMS. O sistema iniciou a operação em Trata-se de um sistema desenvolvido utilizando banco de dados PostGree e linguagem Java. Em relação à base de dados, o Hospital C não possui uma central de dados no hospital (DataWarehouse). Tampouco há dispositivos de armazenamento de dados. Há uma estimativa de investimento em dispositivos de armazenamento de dados para o próximo trimestre. As tecnologias de segurança utilizadas são os Software Antivírus, Software de gestão de identidade e acesso, segurança com logon único e software firewall. Há previsão de investimento em segurança de rede para o próximo trimestre. São utilizadas como tecnologias de telecomunicações o IP, o PBX, Banda Larga,. Há previsão de investimento no próximo trimestre. As parcas soluções de TI utilizadas no Hospital C são: Groupware; Supply Chain Management; Sistema de apoio a decisão; Softwares financeiros. Também aqui há previsão de investimento em soluções de gestão de TI no próximo trimestre. O Hospital C não utiliza computadores pessoais, estações de trabalho ou terminais. No quesito sobre as 'barreiras para o uso de TI em geral', a Direção entende como de 'bastante' importância o fato de que os gastos com TI são muito altos. Também de 'bastante' importância é o fato de que novas versões de softwares surgem com muita freqüência. O diagnóstico de que os 'suprimentos/soluções de TI' não suprirem de fato as necessidades do Hospital, tem 'muita importância' na análise da Direção. Para a Direção do Hospital C, o nível de qualificação profissional em relação à TI, sendo muito baixo entre empregados tem 'pouco importância'. Nesse mesmo critério está a dificuldade em recrutar pessoal qualificado em TI. Também tem pouca importância para a Direção o fato do pessoal existente relutante em usar TI ou o fato da falta de uma estratégia atualizada de uso de TI. A Direção vê benefícios nos aplicativos e não faz uso da telemedicina.

15 Infraestrutura de Hardware Quantidade de computadores Com acesso a Internet Com acesso à rede 50 0 Hospital A Hospital B Hospital C 4.6 COMÉRCIO ELETRÔNICO Nenhum dos hospitais analisados apresentou iniciativas relevantes em relação a comércio eletrônico. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Na amostra analisada, os três hospitais convergem em diversos aspectos, enquanto que em certos sentidos, o Hospital A, que é privado (comunitário), tem características peculiares em relação aos Hospitais B e C que são públicos. Em comum, todos os hospitais apresentam dificuldades em inovação tecnológica, particularmente na área de TI. A justificativa do alto gasto com TI e o fato de que novos software surgem no mercado com freqüência são mais relevantes do que a disponibilidade de pessoal qualificado em TI para justificar os problemas do baixo investimento em TI e por conseqüência, na própria possibilidade de ampliar a atuação por meio do comércio eletrônico e telemedicina ferramentas de que nenhum dos hospitais analisados dispõe. Em grandes linhas se pode afirmar que os hospitais B e C se tratam de hospitais públicos clássicos, com forte ligação política com o governo. Possuem um nível estratégico centralizado e empregados concursados. Não há um planejamento estratégico real, mas sim um planejamento de nível mais tático, a partir das diretrizes estabelecidas pela SMS. Tampouco há uma gestão da organização segundo fluxo de processos e logística. A formação continuada ou capacitação é baixa desde a direção até a base. Principalmente para os funcionários da direção, foi chamada a atenção para a baixa qualidade na oferta de cursos, capacitações e treinamentos. Os hospitais B e C não possuem um plano estratégico real, de médio e longo prazo, pois dependem fortemente da dotação orçamentária da SMS. Por isso, o planejamento é anual, seguindo a LDO e LOA. Não possuem autonomia financeira, orçamentária e patrimonial. A 'mesa de pactuação', regulada pela SMS, é o momento de compor as responsabilidades para partilhar o orçamento da SMS. A P&D tem baixa e média prioridade para todos os hospitais analisados. Trata-se de uma

16 instituição comunitária e duas públicas, todas não competitivas. Há um baixo investimento em TI e inovação tecnológica, frente ao faturamento. Os principais parceiros para inovação são pequenas e médias empresas, universidades e os fornecedores. O Hospital C possui um tímido sistema de aferição da qualidade, limitado a uma pesquisa de opinião, chamado 'questionário de satisfação'. A justificativa para a timidez no investimento está na escassez de financiamento e nos altos custos da inovação tecnológica. Quanto aos equipamentos de TI, os três hospitais contam com parcos recursos. O Hospital A foi o que apresentou um sistema de informação mais abrangente, o qual no entanto está baseado numa plataforma tecnológica um tanto obsoleta, pouco escalável e de difícil manutenção. Os hospitais B e C compartilham o sistema desenvolvido para a SMS, que no entanto abrange apenas dois módulos de vários planejados, de forma que grande parte das atividades do hospital está descoberta. Os três hospitais pesquisados se declararam dispostos a participar de um esforço conjunto para inovação tecnológica coordenado por uma instituição pública. A formação da base de dados para armazenagem de informações dos pacientes foi apontada como prioritária nos hospitais públicos. Currículo resumido do coordenador João Porto de Albuquerque Possui Bacharelado em Ciência da Computação (Unicamp, 2001) e Doutorado (direto) em Ciência da Computação (Unicamp, 2006, bolsa CAPES/DAAD), tendo realizado doutorado-sanduíche na Universidade de Dortmund, Alemanha ( , bolsa DAAD) e cursado graduação incompleta em Ciências Sociais (Unicamp, ). É Research Fellow da Alexander von Humboldt-Stiftung, pela qual realizou pós-doutorado na área de Sistemas de Informação, junto ao grupo de Informática Social e Aplicada da Universidade de Hamburgo ( ), e estágio de pesquisa junto à London School of Economics (Europe Fellowship, 2007). Desde 2008 é professor doutor na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP). Tem experiência nas áreas de Ciência da Computação e Administração da Informação, com ênfase em Sistemas de Informação, Engenharia de Software, Segurança da Informação, Redes de Computadores e no estudo interdisciplinar de Aspectos Sociotécnicos de Sistemas de Informação em diálogo com os estudos de Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS).

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO:

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO: Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 de Junho de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO: PROJETO GESITI/SAÚDE Uma avaliação da gestão em sistemas e tecnologia da

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. PROJETO GESITI/HOSPITALAR. Relatório:

RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. PROJETO GESITI/HOSPITALAR. Relatório: Relatório: PESQUISA HOSPITALAR GESITI / SETREM DOS HOSPITAIS DA REGIÃO FRONTEIRA NOROESTE DO RIO GRANDE DO SUL Ms. Fauzi de Moraes Shubeita, Dr. Antonio Balloni, Ms. Gilberto Souto Caramão, Ms. Estela

Leia mais

RELATÓRIO DA PESQUISA:

RELATÓRIO DA PESQUISA: Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 7/8 Juno de. ISSN: 87-95 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Faculdade de Ciências Contábeis Praça Treze de Maio, 6 Piedade 7- Salvador

Leia mais

GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS: O CASO DO MUNICÍPIO DE LODRINA / PR

GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS: O CASO DO MUNICÍPIO DE LODRINA / PR 1 GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS: O CASO DO MUNICÍPIO DE LODRINA / PR Marcia Regina Camara Gabardo 1, Saulo Fabiano Amâncio Vieira 1, Renato Fabiano Cintra e Antonio José

Leia mais

GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE BOA VISTA-RR

GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE BOA VISTA-RR GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE BOA VISTA-RR Cleide Maria Fernandes Bezerra1; Jaci Lima da Silva 1 ; Sandra Huzek 1 ; Fábia Micheline Duarte Alves 1 ; Ednalva Castelo 1 ;

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350 RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação

Leia mais

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório:

Publicado nos Anais do VI Workshop GESITI e Evento Acoplado II GESITI/Saúde. 17/18 Juno de 2010. ISSN: 1807-9350. Relatório: Relatório: UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DO MUNICÍPIO DE JAÚ E GARÇA, REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Paulo Fernando R. de Almeida Prof. Ms.

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. PROJETO GESITI/HOSPITALAR.

RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. PROJETO GESITI/HOSPITALAR. Diagnóstico acerca da Gestão de Tecnologias da Informação em hospitais de Uberlândia, MG Mirna Tonus 1 Adriana Cristina Omena dos Santos Marlon Wender Pinheiro Costa Tatiana Oliveira Lima Antonio José

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão

RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do Maranhão RELATÓRIO TÉCNICO DE PESQUISAS DO PROJETO GESITI HOSPITALAR. RELATÓRIO DE PESQUISA: Uma Avaliação da GEstão dos SIstemas e Tecnologias de Informação nos Hospitais na Região Metropolitana de São Luís do

Leia mais

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO

Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO Projeto: Fortalecimento Institucional e Qualificação da Gestão Municipal ANÁLISE DA GESTÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DO ESPÍRITO SANTO PARCERIAS Governo do Estado do Espírito Santo por meio do Instituto Jones

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Uma Avaliação da Gestão dos Sistemas e Tecnologias da Informação em Hospitais da Grande Florianópolis, Região Sul do Estado de Santa Catarina

Uma Avaliação da Gestão dos Sistemas e Tecnologias da Informação em Hospitais da Grande Florianópolis, Região Sul do Estado de Santa Catarina Uma Avaliação da Gestão dos Sistemas e Tecnologias da Informação em Hospitais da Grande Florianópolis, Região Sul do Estado de Santa Catarina (RELATÓRIO TÉCNICO) Clarissa Carneiro Mussi*, Rafael Ávila

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, REGIÃO METROPOLITANA

UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, REGIÃO METROPOLITANA Relatório: UMA AVALIAÇÃO DA GESTÃO DOS SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, REGIÃO METROPOLITANA Oliveira, S.B; Balloni, A.J.; G. P. Nogueira, G.P.;Villardi,

Leia mais

VANTAGENS E DIFERENCIAIS

VANTAGENS E DIFERENCIAIS A Treinar é uma escola com tradição na área de cursos de Informática, Tecnologia, Desenvolvimento Profissional e Educação à Distância. Oferece cursos do nível básico ao avançado, visando à formação completa

Leia mais

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão II Forum PLANISA de Gestão da Saúde Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.234 funcionários 68.000 m 2 - área construída

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO

INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A TOMADA DE DECISÃO Pauta Visão do Negócio Oportunidades de Melhoria Resultados Alcançados Como nos estruturamos para alcançar os resultados? Organograma Institucional Controladoria

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

Controlar. Otimizar. Crescer.

Controlar. Otimizar. Crescer. Controlar. Otimizar. Crescer. Neste material de suporte, você encontrará informações de SAM para: Novos Líderes de Tecnologia Fusões e Aquisições True-Up Assist Serviço Microsoft EAP Assist Assuma o controle

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS AEJ - ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE JAÚ CNPJ 05.311.136/0001-36 FACULDADE JAUENSE PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS JAÚ/2012 MANUTENÇÃO E ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DA FAJAU

Leia mais

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundação Municipal de Tecnologia da Informação e Comunicação de Canoas Diretoria Executiva PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012 2015 Controle de Revisão Ver. Natureza Data Elaborador Revisor

Leia mais

graduação administração linha de formação específica análise de sistemas

graduação administração linha de formação específica análise de sistemas graduação administração linha de formação específica análise de sistemas Características gerais O curso de Análise de Sistemas é o ramo da Administração que qualifica o profissional a gerir as organizações,

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I CURSO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas, exponenciais

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO As Faculdades mantidas pelo Instituto Educacional de Assis IEDA (Escola de Educação Física de Assis, Faculdade de Administração de Assis,

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado:

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado: IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 005 PROPÓSITO DA PESQUISA - As informações fornecidas por sua empresa

Leia mais

Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação

Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação Gestão de Tecnologia da Informação e Comunicação Curso autorizado pela Resolução nº 247-06/12/2010. Publicado:09/12/2010 SETEC/MEC Nota obtida na autorização: 4 Objetivos O Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Ambiente Organizacional voltado a inovação As 6 chaves para o Sucesso Foco Flexibilidade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

CRONOGRAMA DE CURSOS - DE MARÇO A ABRIL DE 2008 Revisão 04 de 12/03/08

CRONOGRAMA DE CURSOS - DE MARÇO A ABRIL DE 2008 Revisão 04 de 12/03/08 CRONOGRAMA DE CURSOS - DE MARÇO A ABRIL DE 2008 Revisão 04 de 12/03/08 Redação - Noturno Internet - Noturno CURSOS NOTURNOS MÓDULO DE CAPACITAÇÃO: LÍNGUA PORTUGUESA Ter conhecimentos básicos da Língua

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

CASE STUDY IMPLEMENTATION OF HOSPITAL INFORMATION SYSTEM AT HCFMUSP. Jacson Barros, Msc

CASE STUDY IMPLEMENTATION OF HOSPITAL INFORMATION SYSTEM AT HCFMUSP. Jacson Barros, Msc CASE STUDY IMPLEMENTATION OF HOSPITAL INFORMATION SYSTEM AT HCFMUSP Jacson Barros, Msc Agenda Dados Sócio Demográficos O Sistema HCFMUSP e o Hospital das Clínicas da FMUSP O Projeto de Implementação do

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios

Universidade. Estácio de Sá. Gestão e Negócios Universidade Estácio de Sá Gestão e Negócios A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades em 1970, como

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO A Secretaria Municipal da Saúde, gestora do Sistema Único de Saúde no Município, é responsável pela formulação e implantação de políticas, programas e projetos

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

TIC Empresas 2007 DESTAQUES 2007

TIC Empresas 2007 DESTAQUES 2007 TIC Empresas DESTAQUES Os computadores estão presentes em 95% das empresas, sendo que a informatização aumenta de acordo com o porte. Entre as que utilizam computadores, o acesso à Internet é quase integral:

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

Resultados de Pesquisa sobre utilização empresarial de Plataformas Móveis

Resultados de Pesquisa sobre utilização empresarial de Plataformas Móveis Resultados de Pesquisa sobre utilização empresarial de Plataformas Móveis Apresentação Esta pesquisa sobre a utilização empresarial de Plataformas Móveis, teve como público-alvo profissionais de TI e executivos

Leia mais

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Consultor por Produto para Projeto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a

Leia mais

EDITAL N 01/2014 DE 20 DE MAIO DE 2014 PROCESSO SELETIVO EXTERNO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

EDITAL N 01/2014 DE 20 DE MAIO DE 2014 PROCESSO SELETIVO EXTERNO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO II EDITAL N 01/2014 DE 20 DE MAIO DE 2014 PROCESSO SELETIVO EXTERNO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO A-01 - ASSESSOR TECNICO III - COORDENADOR/SUPERVISOR PEDAGOGICO; A-02 - ASSESSOR TECNICO III - COORDENADOR/SUPERVISOR

Leia mais

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica A Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 BOAS PRÁTICAS EM REDES NA IMPLANTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: SIPIA CONSELHO

Leia mais

ÁREA ADMINISTRATIVA / CONTÁBIL

ÁREA ADMINISTRATIVA / CONTÁBIL ÁREA ADMINISTRATIVA / CONTÁBIL SECRETÁRIA ADMINISTRATIVA Sexo: Preferencialmente feminino e/ou Cursando Ensino Superior em Artes Visuais, Designer, Artes Plásticas Experiência: Necessário experiência com

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Just to remember... Interação entre os processos segundo PMBOK... Cada processo

Leia mais

Márcia Mascarenhas Alemão Gerência Observatório de Custos/ Diretoria de Desenvolvimento Estratégico Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais

Márcia Mascarenhas Alemão Gerência Observatório de Custos/ Diretoria de Desenvolvimento Estratégico Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais O Modelo de Gestão FHEMIG e a Prestação de Contas ao Paciente: a implantação do sistema de custos hospitalares e o uso da informação de custos como ferramenta gerencial da transparência do gasto público

Leia mais

Márcia Mascarenhas Alemão Gerência Observatório de Custos/ Diretoria de Desenvolvimento Estratégico Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais

Márcia Mascarenhas Alemão Gerência Observatório de Custos/ Diretoria de Desenvolvimento Estratégico Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais O Modelo de Gestão FHEMIG e a Prestação de Contas ao Paciente: a implantação do sistema de custos hospitalares e o uso da informação de custos como ferramenta gerencial da transparência do gasto público

Leia mais

Seminário Em Busca da Excelência 2008

Seminário Em Busca da Excelência 2008 Seminário Em Busca da Excelência 2008 IEL/SC - Implementação de sistema de gestão com base nos fundamentos da excelência Natalino Uggioni Maio, 2008 1 IEL em Santa Catarina Integrante da FIESC Federação

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 1.325 de 18 de maio de 2004, publicada no DOU em 20 de maio de 2004. Diretor da Faculdade: Elita Grosch Maba Diretor

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

FACULDADE ERNESTO RISCALI

FACULDADE ERNESTO RISCALI PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS OLÍMPIA 2015 Rua Bruno Riscali Vila Hípica Olímpia (SP) - (17) 3281-1231 CEP: 15400-000 2 PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP

MBA É COM A FGV. MBA em Logística e Supply. Chain Management SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA É COM A FGV SUA MELHOR DECISÃO.. São José dos Campos - SP MBA em Logística e Supply Chain Management Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Cloud Ability PLANO DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS

Cloud Ability PLANO DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Cloud Ability PLANO DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Preparado por Erik de Oliveira Souza Diretor Presidente Versão: 1.0 Aprovado por João Victor Alves Barbosa Diretor Financeiro Data: 06-Nov-12 Douglas

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

OBSERVATÓRIO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRIGIDAS À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM PIRACICABA. Centro de Integração Empresa-Escola CIEE

OBSERVATÓRIO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRIGIDAS À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM PIRACICABA. Centro de Integração Empresa-Escola CIEE OBSERVATÓRIO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRIGIDAS À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM PIRACICABA Centro de Integração Empresa-Escola CIEE Entidade não governamental, com personalidade jurídica própria. Fundação

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. O CONSELHO

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS IBAITI/PR 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 3 ATUALIZAÇÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3.1 Laboratório de Informática, Departamentos Acadêmicos

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES A UTILIZAÇÃO DAS FERRAMENTAS ADMINISTRATIVAS CONTEMPORÂNEAS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES André F. Soares Correia, FSM, andre.s.correia@hotmail.com¹ Virginia Tomaz Machado, FSM, vtmachado@hotmail.com²

Leia mais

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS Secretário Executivo Carga horária 40 h/sanais Cargo Provimento cinco R$ 16.000,00 Assessoria ao liberações

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Relatório: AVALIAÇÃO DA GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS BRASILEIROS: O CASO DA MICRORREGIÃO RONDONÓPOLIS-MT.

Relatório: AVALIAÇÃO DA GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS BRASILEIROS: O CASO DA MICRORREGIÃO RONDONÓPOLIS-MT. Relatório: AVALIAÇÃO DA GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOS HOSPITAIS BRASILEIROS: O CASO DA MICRORREGIÃO RONDONÓPOLIS-MT Ruy Ferreira (1); Antonio José Balloni (3); Débora Aparecida da

Leia mais

Governança de TI no Ministério da Educação

Governança de TI no Ministério da Educação Governança de TI no Ministério da Educação José Henrique Paim Fernandes Secretário Executivo Ministério da Educação Novembro de 2008 Governança de TI no Ministério da Educação Contexto Gestão e Tecnologia

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE MARINGÁ-PR

GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE MARINGÁ-PR GESTÃO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO EM HOSPITAIS DE MARINGÁ-PR Heloise Manica Paris Teieira 1 ; Renato Balancieri 1 ; Maria Madalena Dias 1 ; Antonio José Balloni 2 1 Universidade Estadual de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Tabela 32 Empresas de Serviços que Utilizaram Instrumentos Gerenciais, segundo Tipos de Instrumentos Estado de São Paulo 2001

Tabela 32 Empresas de Serviços que Utilizaram Instrumentos Gerenciais, segundo Tipos de Instrumentos Estado de São Paulo 2001 Estratégias de Gestão Os resultados da Paer mostram que a maioria das empresas pesquisadas preocupava-se com a informatização, sobretudo das atividades administrativas (72,93%), mas também das atividades

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Estratégico. FUNDAÇÃO CENTRO DE HEMOTERAPIA E HEMATOLOGIA DO PARÁ Trav. Pe. Eutíquio, 2109 - Batista Campos - 66033-000 - Belém - PA - Brasil

Estratégico. FUNDAÇÃO CENTRO DE HEMOTERAPIA E HEMATOLOGIA DO PARÁ Trav. Pe. Eutíquio, 2109 - Batista Campos - 66033-000 - Belém - PA - Brasil Estratégico 2008 2011 FUNDAÇÃO CENTRO DE HEMOTERAPIA E HEMATOLOGIA DO PARÁ Trav. Pe. Eutíquio, 2109 - Batista Campos - 66033-000 - Belém - PA - Brasil PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA FUNDAÇÃO HEMOPA 2008 2011

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais