Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 SistemasIntegradosdeApoioaDecis~ao, TEORIADADECIS~AOI MestradoemSIAD ISCTE,DCTI 3deNovembrode2010 DuarteTrigueiros

2 2

3 1Estruturaconceptualdatomadadedecis~oes Indice IAdecis~aoempresarialeossistemasqueaapoiam Aempresacomosistema Organizac~ao,valor,empresa Estado,problema,decis~ao Hierarquiadeobjectivosnaempresa Sistemasevis~aosistemica SistemasdeInformac~ao 1.6Oprocessodevaloracrescentado Informac~aoeseupapelnaempresa Convers~aodedadoseminformac~ao Atributosqualitativosdosdados Atributosquantitativosdosdados Atributosdainformac~aopornveldeobjectivos OUsodainformac~aonaempresa 3.4Planicac~ao,execuc~ao,controloemedic~aododesempenho Ossistemasdeapoioadecis~ao(SAD) Ossistemastransaccionais Atomadadedecis~oesnaempresa Registodetransac~oesparaligartarefasentresi...45 IICriteriosdedecis~ao,comeseminformac~aoapriori 4ValoresEsperadoseUtilidade 4.3OCriteriodoValorEsperadoeasDecis~oesRepetitivas CalculodoValorEsperado Decis~aoeDesenlaces

4 5ArvoresdeDecis~ao 44.5AtitudesPeranteoRisco AFunc~aoUtilidade...77 INDICE 6Ovalordainformac~ao 6.1Informac~aoperfeita CalculodoValorEsperadoemArvoresdeDecis~ao OElementoBasicodeUmaArvoredeDecis~ao Adecis~aoseminformac~aoapriori 6.2Informac~aoincompleta OcriteriodeLaplaceoudainsucienteraz~ao OcriterioMINIMAXoudolamentomnimo OcriterioMAXIMAXouoptimista Possveiscriteriosdedecis~ao OcriterioMAXIMINoupessimista IIIRobustezepesocausaldeumadecis~ao 8Exerccios 9RobustezcomoCriteriodeDecis~ao 9.1Introduc~aoaNoc~aodeRobustez OAlgoritmoID3paraInduc~aodeRegras 9.2Discuss~ao UmaNovaIdeiadeRobustez Sumario CrticaaoUsodaInduc~aodeRegrasemEstatstica ADiferencaEntreModelareOrdenar QuantidadedeInformac~aoeGanho OAlgoritmoID OutrosAlgoritmos Induc~aodeRegraseModelosUsuaisemFinancas ProblemasdeMedic~ao ComoPodarArvoresdeRegras? Generalizac~ao Induc~aodeRegraseEstrutura...129

5 11Induc~aodeRegraseRobustez INDICE 10.6Sumario ProbabilidadeseCorrelac~oesA-Priori QuanticandoaRobustez OID3emModelosSequenciais ComoAplicaroID3aArvoresdeDecis~ao AArvoredeDecis~aopara\PrismPaintsInc." Quanticac~aodaCausalidade Discuss~aodosResultados EstruturasConcordantes Conclus~oes 11.3Sumario

6 6 INDICE

7 Estetextoeumaintroduc~aoateoriadadecis~aonaempresaeaossistemasqueaapoiam. Introduc~ao queofuturodossistemasdeapoioadecis~aonaempresapassavapeloaumentosubstancialda entreoutilizadoreaferramenta.desdeonaldosanos50doseculopassado,tornou-seclaro nainf^ancia. 1947comottuloAdministrativeBehaviour[40],numaalturaemqueossistemasdigitaisestavam Oprimeiroproblemaqueossistemasdeapoioadecis~aotiveramqueresolverfoiododialogo OtrabalhofundacionaldesteramodoconhecimentofoiolivroqueHerbertSimonpublicouem inter-actividadeentreodecisoreoscomputadores.nessaaltura,asmaquinasdeprocessamento digitaldedadosn~aopermitiamsen~aoummnimodeinter-actividade.aesseproposito,oestudo aconcretizar-se,esobformasrudimentares,emnaisdadecadaseguinte. dej.licklider(1960)signicativoporpreconizarumasimbioseentreohomemeamaquinaem tarefasdedecis~aoempresarial.masfoiprecisoesperaraindaunsanospoistalsimbiosesocomecou decadaseguinte,podiajaoferecerumataxonomiadossistemasdeapoioadecis~aobaseadanos7 problemasdedecis~aoeoutrossistemas,maisorientadosparaoapoioadecis~oessemi-estruturadas. apresentaumsistemadeapoioaproduc~ao.j.scottmortomeosseuscolegas[31]publicaramem 1968umartigonaSloamManagementReviewondedistinguiamentrearesoluc~aoautomaticade Adecadados70foiderapidaevoluc~ao;atalpontoqueS.Alter,[1]poralturasdoincioda Duranteosanos70aparecemosprimeirossistemasdeapoioadecis~ao.Little(1970)[24] grandestiposent~aoexistentes: sistemasnanceirosecontabilsticos; sistemasparaacessodiversicadoabasesdedados; sistemasparaaanalisededadoscontidosemcheiros; sistemasparacriac~aoeacessoacheiros; sistemasparaprocessamentologicoecapazesdeoferecersugest~oesaodecisor. sistemasparaocalculodeoptimos; sistemasparaarepresentac~aodedados,porexemploatravesdesimulac~ao; 7

8 acriac~aodaquiloaqueseviriaachamaroexecutiveinformationsystem:umsistemacapazde 8Em1979J.Rockart[37]publicounoHarvardBusinessReviewumartigoinuencialondepropunha empresa. mostraraogestoroestadoemqueseencontramoskeyperformanceindicators(kpi)dasua INDICE motordosmicro-computadoresedetodasassuasaplicac~oesactuais,incluidaaworld-wideweb. Umanoantes,eimportanteassinalaroaparecimentodafolhadecalculo,aqualsetornouno epocaeoifps,umaferramentainter-activaparaplaneamentonanceiroesimulac~ao.osanos80 e,prestavampoucaatenc~aoaorgemdosdados,asuarecolhaeformatac~aoprevia,focando-se foramtambemaepocadosgrandessistemaspericiais,osquaisserevelarampoucoexveise,por simulac~ao,analiseestatsticaoumodelac~aonanceira).oexemplotpicodeumsistemadessa exclusivamentenoprocessamentodessesdadoscomvistasaumdadom(geralmenteoptimizac~ao, Atenaisdosanos80,ossistemasdesuporteadecis~aoempresarialerammodel-driven,isto n~aoseapoiaremnosdadosdaempresa,cavamdesactualizadosempoucotempo. drivendeapoioadecis~ao.porumlado,asbasesdadosrelacionaiseosseussistemasgerenciadores, especializadoapenaspararealizaressastarefas. acessoaosdadosdaempresa,atalpontoqueesseacesso,formatac~aoesumarizac~aodedadospara usonoapoioadecis~ao,requeria,emmuitasempresasdosanos90,aexist^enciadeumgabinete Ointeressepelosmodelosdeixouporresolverdurantemaisdeumadecadaoproblemado passaramadedicarmaisatenc~aoainterfacecomosdados. foramconseguindoconquistaromundodasoperac~oesesubstituirampoucoapoucoossistemas dedicadosaoprocessamentodetransacc~oes;poroutrolado,ospropriossistemasparamodelac~ao, Areacc~ao,porem,n~aosefezesperareosanos90foramdegrandeprogressonossistemasdata- processingeosdatamarts,realmentecapazesdetirarpartidodaorganizac~aologicadedados,n~ao seculo,dosdatawarehousesedosseusmodosdeacesso,asferramentasparaon-lineanalytical apenasdeorganizac~oesrelacionais. pelasferramentasdedatamining,comoredesneuronaisealgoritmosdeextracc~aoderegras.surgirament~aoutensliosintegradosqueprocuravamfacilitaroacessoaosdadoseaomesmotempo punhamaodisp^ordodecisorumagamavariadadeferramentasdemodelac~ao. dist^ancia:workowmanagementtoolscomoonotes.estessistemasorganizamotrabalhode umnovotipodesistemadeapoioadecis~ao,documentoriented. gruposeauxodedocumentosentrevariosintervenientesnumprocedimento,independentemente dadist^anciaaqueseencontremunsdosoutros. edeassinalaroaparecimento,tambemnosanos90,desistemasparaapoioaotrabalhoa Odesapontamentocausadopelossistemaspericiaislevoutambemaumredobradointeresse Nestecampo,porem,ograndeavancofoiprotagonizadopelapopularizac~ao,jaeminciosde driven,n~aos~aogeralmenteestudadoscomosistemasdeapoioadecis~ao,areaondedeixaramde Umanotanal,apenasparafrisarquehoje,ossistemasbaseadosemregrasouknowledge- OinciodoseculoviuoaparecimentodemotoresdebuscaecazescomooGoogleecomeles,

9 robots. usadosnaresoluc~aodeproblemasbemestruturados,naproduc~aoeoperac~oesouintegradosem serusadosdevidoasuarigidezefracacapacidadededialogoeinter-acc~ao.taissistemass~aomais INDICE Poroutrolado,ointeressedasempresaspormodelosdecontrolodegest~aocomootableaudebord9 estrategiaateaosnveisinferioresdedecis~ao. correspondeatentativadeorganizarosdadossegundoobjectivos,obtidosporpropagac~aoda sistemasexistentes,nomeadamenteentreosdata-eosmodel-driven.aestaultimaferramenta ouobalancedscorecard(kaplan&norton)acabouporditarumamaiorintegrac~aoentreosdiversos informaticascomunsnasempresas. agest~aodasempresas.tambempressup~oealguma-vontadeeprontid~aonousodeferramentas dosalunospressup~oeummnimodefamiliariedadecomosproblemasestudados,nomeadamrnte Acabamosestaintroduc~aolembrandoqueoaproveitamentoproveitosodamateriaporparte

10 10 INDICE

11 Adecis~aoempresarialeossistemas queaapoiam ParteI 11

12

13 Captulo1 Estecaptulointroduzpostuladosedenic~oesnecessariosaoestudodoprocessodetomadade Estruturaconceptualdatomadade edeinic~oes. porbaseumaestruturaconceptialeecomelaquedesenvolvenovosconceitosapartirdepostulados formacoerente,formandoaquiloquesedesignaporestruturaconceptual.cadaramodosabertem decis~oesnaempresaedossistemasqueoapoiam.essespostuladosencontram-seinter-ligadosde 1.1Estado,problema,decis~ao desenvolvidaporsimon(1947;[40];1960[41]). estudodatomadadedecis~oesnaempresa.existemoutrasedessas,talvezamaisproximasejaa Denotarqueaestruturaconceptualapresentadan~aoesen~aoumadaspossveisabordagensao existamentreumestadoousituac~aorealeoutroestadoconsideradocomodesejavel. Opostuladomaisbasicoeintuitivoeodemaatingir;etemavercomdiferencasqueporventura complexosmascertamentemenosprementes.oqueeumproblema?eadiferenca(gap)entreum dasnecessidadesbasicas(seguranca,alimentac~ao,saude,abrigo);epassandoporoutrostalvezmais estadorealeoutrodesejavel. 1.Estadosobjectivaveisen~aoobjectivaveis.Osestadosqueagorainteressaconsiderar Aolongodavida,todostemosnecessidadederesolverproblemas,comecandocomasatisfac~ao s~aoaquelesquesepodemdescreveratravesdeumacolecc~aodeatributos.s~aoportantoestados objectivaveis.oaumentonaprodutividadeeumproblemaetantooseuestadorealcomoo desejavelpodem,emgeral,sedescritosatravesdeumacolecc~aodeatributos;acompetitividadede umnegociotambemeumproblemaobjectivavel.jaainsatisfac~aopessoal(anseios,inquietac~oes) ecertasopini~oesdegestores,(comopressentimentos,gostos,manias)ser~aodedifcilouimpossvel 13

14 14 CAPITULO1.ESTRUTURACONCEPTUALDATOMADADEDECIS~OES Estado actual objectivac~ao. actual,ogapeoestadodesejavel. Figura1.1:Representac~aoesquematicadeumproblemacomosseustr^eselementos:oestado eapenasconduzaalienac~aodoscolaboradoresdaempresanaquiloquepossuemdemaisvalioso. baseadosemlogicaematematicaaproblemasn~ao-objectivaveis,eumequvoco,umamanipulac~ao; frontaeamaioriadosestadosaelesassociados,n~aos~aoobjectivaveis.aaplicac~aodeprocedimentos 2.As3partesdeumproblema.Emqualquerproblema,mesmonosn~ao-objectivaveis, Ogestornuncapodeesquecerqueinumerosproblemasimportantescomqueaempresasede- ogapeadist^anciaoufossoqueeprecisotransp^orpara,partindodoestadoousituac~aoreal, observam-sesempre3partesoucomponentes: ooutput,objectivooumaatingir,easituac~ao(estado)desejavel(desiredstateofaairs);e chegarmosaoqueconsideramosdesejavel;econviralembrarqueexistem,emgeral,varios podeacontecerquenosencontremosnumestadodeinsatisfac~ao,massemsabermosbemonde n~ao;edeentreosfactveis,unstalvezmenoscustososdoqueoutros; caminhosouprocedimentoscapazesdetransp^orogapelevar-nosaom,unsfactveiseoutros queremoschegar; oinputenalmenteasituac~aoreal,oupontodepartida,oasisouactualstateofaairs;e posic~ao)ouquejulgaencontrar-senumestadoemquerealmentesen~aoencontra;eassim, nuncaseracapazdeencontrarumprocedimentoadequadoaconsecuc~aodosseusobjectivos. tambemaqui,hamuitoboagentequen~aosabeondeesta(n~aoecapazdeobjectivarasua "gap" Estados intermédios Procedimento 2 Procedimento 1 Estado desejável

15 deumproblema: Objectivaroucompreenderoproblemaeterapercepc~aoverdadeira,realista,doseuinpute 1.2.ORGANIZAC~AO,VALOR,EMPRESA 3.Passospararesolverumproblema.Podem-sedistinguirosseguintespassosnaresoluc~ao output;esaberportantoondeestamoseondequeremoschegar.atarefadeobjectivarum 15 Modelaroproblemaeencontrarcaminhos(chamadosprocedimentos)quenoslevemdesdeonde problemacostumachamar-seanalise;esemprequepossvel,aanaliselevaa estamosateondequeremosestar.modelareomesmoquediagnosticareimplicasempre 2.medic~ao,oupelomenosdescric~aodessesatributosdeinput(actuais);a 3.denic~aodosvaloresdeoutput(desejados)paraessesatributos. 1.denic~aodosatributosdescritivosdeumdadoestado;a Escolherumadeentreaspossveissoluc~oesdoproblemaeidenticarprocedimentosquesejam dominaroproblema. viaveisedeentreosviaveis,aquelequeestejaaonossoalcanceutilizar;edeentreosque estejamaonossoalcance,aquelequetransp~oeogapcomummnimodesacrifciosoumais Podemosagoracompreenderoqueeumadecis~ao.Tomarumadecis~aoepassardoestadode Resolveroufecharumproblemaeexecutarumdosprocedimentosquelevamatransposic~aodo gapeassimsoluciona-lodefacto. chama-secriteriodedecis~ao. rapidamenteouquepossuaoutracaractersticadesejavel.aessacaractersticamaisdesejavel (obedecendoaumdadocriterio)deumentreosvariosprocedimentosdisponveispararesolvero problema.umadecis~aoesempreorientadaparatransp^orumdadogapusandoumdeentrevarios modelaroproblemaparaoseguinteecarassimemcondic~oesderesolve-lo.eportantoaescolha procedimentospossveis. aoaparecimentodasorganizac~oesest~aodoisprincpiosintuitivos: 1.2Organizac~ao,valor,empresa escapamacapacidadedeumasopessoa,foramcriadasformasdecooperac~aoentrepessoas;e umadessasformaseaorganizac~ao.asorganizac~oess~aogruposdepessoasqueseservemde Nemtodososproblemaspodemserresolvidosporumasopessoa.Pararesolverproblemasque recursoseferramentasparaatingiremjuntasnsque,sozinhos,n~aopoderiamatingir.subjacente 1.certastarefassosetornamfactiveisoumenoscustosasquandos~aolevadasacaboporum homemn~aoconsegue. grupodepessoasemvezdeindividualmente.dezhomenspodemfazercoisasqueumso

16 162.umapessoatreinadanaexecuc~aodecertastarefaspodeatingirumaeci^enciaelevadanes- sastarefas;eumgrupodepessoasespecializadas,cadaumanasuatarefa,acabaporser CAPITULO1.ESTRUTURACONCEPTUALDATOMADADEDECIS~OES indiferenciadoonden~aoexistamespecializac~oes. claramentemaisecientenaquiloquefacaemconjunto,quandocomparadocomoutrogrupo organizac~oes.asorganizac~oesexistemparasatisfazernecessidadesoupararesolverproblemas Estesprincpios(daeci^enciadonumeroedaespecializac~ao)s~aoosquefazemcomqueexistam niaumascomasoutras,n~aosebaseiamnosdoisprincpiosacima;enemt^empormetaatingir determinadosns,an~aosernumsentidolato. querequeiramnumeroeespecializac~ao.n~aosedevejulgarqueaorganizac~aoeaunicaformade cooperac~aoharmonicaentrepessoas.muitasoutrasformasondeaspessoascooperamemharmo- potenciaisabusos(roubos,agress~oes);osbombeiroslutamcontrafogosecatastrofes:esseeoseu m.existemorganizac~oesrecreativas,caritativas,outrascujomepromoveraeducac~aoeotreino dasoutras?pelosnsquequerematingir.aquiloquecaracterizacadaorganizac~aoeotipode necessidadequevemsatisfazerouproblemaquevemresolver:eoseum.assim,umexercito tempormdefenderopascontraagress~oesexternas;omdapolciaeprotegeraspessoasde 4.Fins.Asorganizac~oesn~aos~aotodasiguais.Comosedistinguemasorganizac~oesumas donoseoutrosintervenientesepromoveremosustentodeassalariados.essasorganizac~oeschamamseempresasounegocios.portantoasempresasexistempararesolverumproblema,odacriac~ao deriquezaeparasatisfazeraseguintenecessidade:osustentodosassalariados.aempresaepois umtipoespecialdeorganizac~aoeparacompreendermosaempresaprecisamosprimeirodedenir qualsejaoseum. Asorganizac~oesquemaisinteressamaquis~aoaquelascujomeaumentarariquezadosseus profshonal.cadaumacomoseum;eseesemmudasse,deixavamdeseroqueeram. onegocioimplicaaexist^enciadeumaorganizac~ao,costumachamar-seempresa.emboratodas chamamempresas. emsacrifciosparausufruirdesseprodutooudesseservico.apartirderecursospre{existentes, asempresassejamnegocios,hanegociosquen~aoprecisamdeumaorganizac~aoeportanton~aose 5.Criac~aodeValor.Umnegocioeumprocedimentoatravesdoqualsecriavalor.Quando pessoas,osclientes. onegocioexecutaprocedimentosquedisponibilizamprodutosouservicoscomvalorparacertas Diz-sequeumprodutoouumservicotemvalorquandoexistempessoasdispostasaincorrer Osservicoss~aoactividadesquesatisfazemnecessidadesouasquais,deoutraqualquerforma,e outrovalor:comidaebebida,roupaecalcado,medicamentos,combustveis,electro-domesticos, mobiliario,objectosdeadornooudeluxo,livros,computadores,automoveisemuitosoutros. Osprodutoss~aoobjectosfsicoscapazesdesatisfazernecessidadesouaqueeatribuidoqualquer

17 1.2.ORGANIZAC~AO,VALOR,EMPRESA oudistracc~oes,meiosinformativosemuitosoutros. custosmonetarios:aoentregar,emtrocadeumprodutoouservico,umadadaquantidadede atribuidovalor:transportes,comunicac~oes,hoteisehospitais,ocinasdereparac~ao,divertimentos Ossacrifciosexigidosporumnegocioaosseusclientest^emhoje(quasesempre)aformade 17 nosetransporta-los.estessacrifciosn~aomonetarioss~aotambemcontabilizadospelospotenciais apenasmonetarios.paracompraralimentos,porexemplo,equasesempreprecisodeslocar-mo- dinheiro,oclientesacricahoje(nopresente)apossibilidadedeauferirdebensnofuturo.mas monetariosquelhess~aoimpostos.isto,eclaro,numaeconomiaondeexistaconcorr^encia. clienteseogestorfarabememt^e-losemconta.umhotelcomacessosdifceisouumalojasem estacionamento,ter~aoquereduzirprecosparacompensarpotenciaisclientespelossacrifciosn~ao- devenotar-sequeesteauferirdeumbemimplicamuitasvezesincorreremsacrifciosquen~aos~ao Comercio,onderecursosexistentesnoutroslugaress~aotransportadosparajuntodequemdeles dosquaishagentedispostaapagar.osgrandesmeiosparachegaracriac~aodevalors~ao: conseguemreunirrecursoseexecutarprocedimentosquelevamaumprodutoouservicopelaposse 6.Tiposdenegocio.Criarvalorn~aoefacilnemimediato.Emgeral,cria-sevalorquandose Agriculturaepescas,ondeosrecursosresultamdocultivoerecolhaousorecolhadeanimais Actividadesextractivas,ondeosrecursoss~aoextraidosdosub-solo(minasepocos)epostosa Industria,ondeosrecursoss~aotransformadosemprodutosdequeaspessoasprecisam; disposic~aodequemdelesprecisa; precisa; Servicos,ondeosrecursosn~aos~aopalpaveis,materiais,massimacc~oes. Emmuitoscasosacriac~aodevalorresultoudainovac~ao;esta,porsuavez,foioresultadode umapesquisaintencional.noseculoxix,todaagenteatribuiagrandevalorapossibilidadede conversarcomoutraspessoasadist^ancia,desedeslocarcommaiorrapidezesegurancaouainda ouplantas. outrosprodutoseservicos. deseiluminarnaescurid~ao;efoiessesentimentodovalordecertasinvenc~oesoquelevouos inventoresdaepocaadesenvolveremotelefone,oautomovel,oavi~ao,al^amparaelectricaetantos casos,transforma-los.amanufacturadeumsimplespneudeautomovelrequerarecolhadolatex sidoinventado;eocontrariotambemaconteceu:s~aoinumerososcasosdeinvenc~oessupostasde grandevalor,masquedepoisninguemquercomprar. 7.Cadeiadevalor.Parasecriarvaloreprecisorecolherrecursos,transporta-lose,emmuitos Emoutroscasos,porem,ovalordeumprodutoouservicosofoicompreendidodepoisdejater

18 recolecc~aodosrecursosmaisprimarios(osquen~aosofreramquaisquertransformac~oes),atea doprodutonal,opneu,pelospotenciaisinteressados. nasplantac~oesdamalasia,oseutransporteparaasfabricas,asuatransformac~aoeadistribuic~ao 18Chama-secadeiadevaloratodasastarefasqueeprecisoexecutar,desdeaextracc~aoou CAPITULO1.ESTRUTURACONCEPTUALDATOMADADEDECIS~OES s~aoprecisosevendem-nos. essas,porsuavez,produzemospneus;enalmenteasempresascomerciaislevam-nosparaonde v~ao-seencontrandodiferentesempresas,cadaumaespecializadanaexecuc~aodecertasactividades. Umaempresaagrcolaproduzolatex;outra,detransporte,levaestamateria-primaparaasfabricas; obtenc~aodeumdadoprodutoouservicoprontoaatrairaatenc~aodocliente. Aolongodacadeiadevalor,desdeoseuincioateaobtenc~aodoprodutonalesuavenda, omcomum,odaorganizac~ao. partesdeveraternsaatingir,nsessesescolhidosdemodoacontribuiremharmonicamentepara tarefasdiferenciadas(especializac~oeseoutrasdivis~oesdetrabalho),eevidentequecadaumadessas 1.3Hierarquiadeobjectivosnaempresa Seumaorganizac~aoexistepararesolverproblemas(atingirdeterminadosns),aplica-se-lheoque Osobjectivoss~aoportantoosdiversosdesiredstateofaairsquecadapartedeumaorganizac~ao jafoireferidosobreproblemasedecis~oes.masnamedidaemqueumaorganizac~aotempartese procuraraalcancardemodoacontribuirharmonicamenteparaaconsecuc~aodomcomum,oda organizac~ao. Osnsaatingirporcadaumadaspartesdeumaorganizac~aocostumamchamar-seobjectivos. ser~aoasmaisadequadasparatransp^orogapeatingirosobjectivosquelheforamxados. queumaorganizac~aosecomp~oedeveterumaclaraconsci^enciadequaloseuinputoupontode partidaeondepretendechegar(deveobjectivaratarefa);eprocurara,atravesdamodelac~aoede umprocessodetomadadedecis~oes,denirquaisasactividadesconcretasque,numdadoperodo, Omdeumaorganizac~aomantem-seenquantoelaexistir.Maseimportantenotarqueoinput Deformasemelhanteaoqueacontececomaorganizac~aonoseutodo,cadaparteoutarefade partesumcomportamentodin^amico.assim,emboraomdeumaorganizac~aon~aomude,jao mesmon~aosepassacomosobjectivosqueassuasdiversaspartestentamatingir. n~aosemantemestaticoeportantoadist^anciaquefaltaparaatingirom(ogap)eaformacomo seprocuraatingi-lo(oprocedimento),variamaolongodotempo.estefactodeterminaranassuas Porexemplo,casoqueiramosiniciarumnegociodeprestac~aodecuidadosdesaudeparaidosos, dessesobjectivosimplicaquetenhamsidoantesatingidosvariosoutrosobjectivosmaiscircunscritos eestespodemaindaestarsubordinadosaconsecuc~aodeoutrosaindamaislimitados,eporaabaixo. hierarquiadeobjectivosnasorganizac~oes.notopodessahierarquiaestaomaatingir;logoabaixo, v^emosobjectivosgeraisedecisivos,semosquaisomeinalcancavel.porsuavez,aconsecuc~ao Tendopresenteoimperativodaharmonia,podefacilmentereconhecer-seanecessidadedeuma

19 1.3.HIERARQUIADEOBJECTIVOSNAEMPRESA 19 Para OE1 Para OE2 OE1 eprecisoprimeiroatingirostr^esseguintesobjectivos:disp^ordeumaclnicaequipada;contratar Figura1.2:Representac~aodeumahierarquiadeobjectivoscom3nveis,dosquaisoultimoconsiste ematingiromdaorganizac~ao. Para OE3 OE2 FIM comtr^esnveisdeobjectivos,oultimodosquaiseom. pessoalespecializado;criarmeiosdetransporteadequados.aobtenc~aodecadaumdestesexige, equipamentoseinstalac~oeseoutros);eporaabaixo.agura1.2esquematizaumatalhierarquia, porsuavez,terem-seatingidooutros(nanciamento,recrutamentoetreinodepessoal,comprade OE3 8.Nveisnahierarquiadeobjectivos.Assim,numahierarquiadeobjectivosexistir~ao(em Objectivos Os 3 nível inferior estratégicos geralmasn~aonecessariamente),nveisoupatamares.onveleconstituidoportodososobjectivos quedevemserobrigatoriamenteatingidosparasepoderpassaraopatamarseguinte. Operacional,cadaetapaoutarefaconcreta,necessariasparaaproximaraorganizac~aodasatisfac~aodosobjectivosestrategicos. Financas,Produc~ao,RecursosHumanoseoutras)decadaobjectivoestrategico; Estrategico,ouasgrandesmetasconsideradascomodecisivasparaaconsecuc~aodom; degest~ao,atraduc~aoconcreta,nomedio-prazoesegundovertentesespecializadas(marketing, Naempresa,ecostumedistinguirem-seosseguintestr^esnveis: Aformatradicionalderepresentaresses3nveiseaqueagura1.3mostra. Oexitonaconsecuc~aodecertosobjectivosoperacionaisiracondicionarasatisfac~aodeumdado objectivoestrategico.chama-sehierarquiadesubordinac~aodeobjectivosaestaconcatenac~aoentre

20 20 CAPITULO1.ESTRUTURACONCEPTUALDATOMADADEDECIS~OES Figura1.3:Estetri^angulocortadoeaformahabitualcomquealiteraturarepresentaostr^esnveis Nível estratégico deobjectivosexistentesnasorganizac~oes. Nível Gestao e,segundootempoquelevamaseratingidos.assim,ter-se-iam militar. objectivos.astr^esdesignac~oesacimat^em,comovariosoutrasusadospelosgestores,umaorgem 9.Etambemcostumecatalogarosobjectivosdaempresasegundoasuavig^enciaoudurac~ao,isto Nível operacional aosns.naindustriaaeronautica,asdecis~oesquelevamadenic~aodeobjectivosestrategicos Objectivosnomedioprazo,osquelevamentre1e2anos; Objectivosnolongoprazo,osquelevam,emgeral,maisde2anosaserematingidos; delosoadevendasnumprazomuitomaiscurto(poucosmeses).mesmoassim,osobjectivos podemcomprometerumaempresaparaostrintaouquarentaanosseguintes.pelocontrario,na industriadeconfecc~oesoucalcado,asempresasmudamcompletamentedelinhadefabricoeate N~aoexisterelac~aoentreotempoqueumobjectivolevaaseratingidoeasuahierarquiaemordem Objectivosnocurtoprazo,osquelevammenosde1ano. econhecidocomoobjectivotactico.porsuavez,aexpress~aomelhoriatacticadeveraentende-se operacionaiscostumamserdeprazomaiscurtodoqueosestrategicos. paraosucessodaestrategiadeumaempresa(istoa,quandoesseobjectivopodeconsiderar-secomo umpassoimportanteadarnocurtoprazo,paraaconsecuc~aodumobjectivoestrategico)tambem daempresa(vendas,fornecedoresououtrastarefassensiveis). comooavanco,aserconseguidonocurtoprazo,numaoperac~aodirectamenteligadaaestrategia 10.Objectivostacticos.Quandoumobjectivooperacionalcontribuidirectamenteeecondic~ao

21 1.3.HIERARQUIADEOBJECTIVOSNAEMPRESA 21 Figura1.4:Representac~aoesquematicadeproblemaseformacomosehierarquizamnaempresa. execuc~aodoquefoidecidido.estasoutrashierarquiass~aoasqueasseguramaefectivatransposic~ao objectivos,aorganizac~aoteratambemascorrespondenteshierarquiasdemodelos,dedecis~oesede n~aochega.eprecisodepoismodelar,escolhererealizar.portanto,paralelamenteahierarquiade dogap.comoagura1.4ilustra,existir~aoportanto jectivac~aodoproblemageraldonegocio,acriac~aodevalor(queeoseum).masobjectivar 11.Hierarquiademodelosededecis~oes.Ahierarquiadeobjectivoslevaacorrectaob- osobjectivosoperacionais,osmodelosoperacionais,asdecis~oesoperacionaise,atenc~ao,as osobjectivosdegest~ao,osmodelosdegest~aoeasdecis~oesdegest~aodaempresa; osobjectivosestrategicos,osmodelosestrategicoseasdecis~oesestrategicasdaempresa; Etantonessesobjectivoscomonosmodeloserespectivasdecis~oes,haumahierarquiadesubordinac~ao. Assim,osobjectivosestrategicoss~aodenidosaonvelcorrespondentededecis~aoeplanicac~ao.Na Ahierarquiaeavig^enciadosobjectivosdeumaempresareectemosseusnveisdedecis~ao. operac~oesdaempresa,ondeasdecis~oess~aoexecutadas,venhamelasdeondevierem. dequadrosintermediosespecializadosemdeterminadasfunc~oes.porem,arelac~aodirectaentre trac~ao.adeterminac~aoeseguimentodosobjectivosoperacionaisdependetradicionalmentelmente empresaclassica,essenvelseriaomaiselevadodentrodaorganizac~ao,odoconselhodeadminis- func~oesehierarquiadeobjectivosnemsempreseverica. Estratégia Gerir Operar Objectivar Modelar Decidir

22 1.4Sistemasevis~aosistemica 22 Oproblema,talcomodenidoacima,coincidecomadenic~aodesistema.Chama-sesistemaa tudoaquiloondesepodemdistinguirtr^espartesclaramentediferenciadas: CAPITULO1.ESTRUTURACONCEPTUALDATOMADADEDECIS~OES procedimento,astarefasqueconduzemdoincioaom;asmodicac~oesqueoimputsofrepara input,oquedaincio,eabsorvidoouentra; output,oqueeumm,edistribuidoousai; comosendocompostasdessastr^espartes.ateoriadossistemasepoisumaferramentaconceptual, adequadaaanaliseemodelac~aodeproblemas. demodelosbaseadonofactodemuitasrealidadesesituac~oescaremrazoavelmentebemdescritas Ateoriadossistemaseummetododeobjectivac~ao(analise)deproblemasededesenvolvimento Umproblemapodeserdescritocomoumsistemaondeoinputeoasis,ooutputeodesiredstate setransformarnooutput. emsentidoestricto,costumaexigir-se,paraalemdadivis~aoemtr^espartes,queoprocedimentoou transformac~aolevadaacaboporumsistemapossaserestudadoindependentementedoinput. ofaairseoprocedimentoeumdospossveiscaminhosparatransp^orogap.anoc~aodesistemae transformadosparaproduziroutros,podetambemserdescritacomosistema.porem,note-seque aliasmuitogeral.porexemplo,qualquersituac~aoondedeterminadosrecursossejamabsorvidose todasaspross~oesaquemeexigidaacapacidadedeidenticarinputseprocedimentosnecessarios emaltograujaque,semela,n~aoser~aocapazesdedirigirharmonicamenteasdiversastarefasdo sistemas.avis~aosistemicaepropriadosengenheirosde\software",dosanalistasdesistemasede paraatingiroutputsdesejados(objectivar,modelar,escolher).osgestoresdevempossuirtalvis~ao negocionosentidodaobtenc~aodomcomum. 12.Vis~aosistemica.Chama-sevis~aosistemicaainterpretac~aodarealidadeemtermosde eportantoaempresa,podemedevemserestudadascomosistemas,comoveremosaseguir. dosalimentos,ocomportamentodoconsumidoremuitas,muitasoutrasrealidades.aorganizac~ao umacidadepodeserestudadocomoumsistema,bemcomoaeducac~aoouotreino,aassimilac~ao sistemaondexeys~aoosinputs,zeooutput,efoprocedimento.otr^ansitoqueentraesaide Umafunc~aoz=f(x;y)que,perantedeterminadosvaloresdexey,produzumcertoz,eum S~aoinumerososproblemasaosquaisavis~aosistemicaseaplicaouseajustanaturalmente. nosestudosempresariaistemavercom dedeterminadarealidadecomosistematemgrandesvantagensquandoaplicadoaoestudodos problemastacticoseoperacionaisdaempresa.araz~aopelaqualateoriadossistemaset~aousada 13.Vantagenseaplicabilidadedavis~aosistemica.Comometododeanalise,amodelac~ao

23 1.4.SISTEMASEVIS~AOSISTEMICA INPUTSZZZZZZ~- PROCESSO 23 > 3OUTPUTS ZZZZZZ~ aestreitaligac~aoentresistemaseobjectivos:umsistemaapontasempreparaumobjectivo; ecom Figura1.5:Umsistemaeosseustr^eselementos. - Defacto,nenhumaorganizac~aopodepermitirqueassuastarefasfuncionemseparadasdeoutrasa estranhocomopossaparecer,existeumperigorealdequetalaconteca. quedevamestarligada;et~aopoucopodepermitirquesedesentendamdosobjectivosaatingir.e, ofactodeestaanalisesercapazdemostrarcomclarezaastarefasaexecutareasligac~oes produzumavis~aodaorganizac~aoondeestasligac~oescamemevid^encia.oresultadoeummapa Aanalise,modelac~aoeescolha(ochamadoplaneamentoorganizacional)baseadosemsistemas, quedevemexistirentreelasdemodoaobter-seumfuncionamentoharmonico. construido,irapermitir: carealcadosobaformadeinputseoutputsqueseligamunscomosoutros.estemapa,umavez ouesquemaorganizativoondeaquiloqueemaisdifcildeconseguir,acorrectaligac~aodastarefas, 3.Identicarasinterac~oesdastarefasumascomoutras,pormeiodoestudodascorrelac~oes 2.Identicar,numproblemaousituac~ao,oselementoseinu^enciasmaisrelevantes(pormeio, 1.Compreendermelhorumasituac~aoouumproblema,aoserpossvelterdeleedetudooque paraelecontribua,umavis~aoestruturada. porexemplo,deanalisescaetibus-paribusoumetodosdesimulac~ao). Estalistadevantagensevidenciaopapelpositivoqueavis~aosistemica,adequadamenteusada, podeternafacilitac~aodasfasedeobjectivac~ao,modelac~aoeescolhadasoluc~aodeproblemas;e 4.Dividirumproblemaemsub-problemas,umsistemaemsub-sistemas,eassimser-secapaz deoenfrentarporpartessemperderacapacidadeparaoreconstroirdepois. entreinputseoutputs. atemesmonafasedeexecuc~ao.

24 24 consequ^enciadasprimeiras.elarepresenta,tantooseupontomaisforte,comoomaisvulneravel aomauuso,comotemsidoevidenciadoporcrticasrecentes. Aultimadasvantagensetalvezaquetornamaisatractivaaanalisebaseadaemsistemasee CAPITULO1.ESTRUTURACONCEPTUALDATOMADADEDECIS~OES todootipodeproblemasesituac~oes.defacto, 14.Masn~aodeveconsiderar-seaanalisebaseadaemsistemascomoumapanaceia,aplicavela soquandointeressarrealcarasligac~oesentretarefaseaconsequenteharmonizac~aodeobjectivosacimadetudooresto,teraestemetodovantagemsobreoutrospossveis.soque, Quandoestan~aosevericanemsequeraproximadamente,aabordagemsistemicatorna-se maisacimadaharmonizac~aodeobjectivosest~ao,porexemplo,imperativosmoraiscomoa perigosamenteenganosa.s~aoinumerosos\procedimentos"(criac~aoartstica,inovac~ao)de grandeimport^anciamasondearelac~aocomosinputn~aoeunvoca. estan~aodeveserusada.aspessoasn~aos~aoinstrumentosmasnsemsi.alemdisso, liberdadeedignidadedoserhumano;equandoestess~aopostosemcausapelavis~aosistemica, nuncasedeveesqueceramencionadaindepend^enciadoprocedimentoemrelac~aoaosinputs. paradistinguirosproblemastecnicoseobjectivaveisdosquepertencamaoutrosforos,comoja referido. Emgeral,aregraparausaravis~aosistemicacorrectamenteconsisteemteramaturidadesuciente hierarquia. sistemas,ecostumedesignaressaspartesporsub-sistemaseaformacomoelassearticulampor organizac~aoondesepodedistinguiraraizeotronco,osramos,osgalhoseasfolhasnais.para queahierarquiadossistemasosejanoseusentidomaisestricto,n~aobastariaaconsiderac~ao 15.Hierarquiadesistemas.Quandoumsistemasecomp~oedepartesques~ao,elasproprias, desub-sistemascomopartedesistemas.seriatambemprecisoqueessessub-sistemasestivessem organizadosemsistemascomogalhosdeumtroncocomum.portanto,devetomar-seousodotermo hierarquianateoriadossistemascomoumaconcess~aoaoqueecostume,n~aocomoadesignac~ao Note-sequeotermohierarquiatemumsentidomuitopreciso.Designaapenasaformade correcta. sistemasdemodoaconceptualizarumahierarquiaouumaoutradivis~aofuncional,isson~aosignica maisbaixonvel. queeleocupanasuahierarquia.naempresa,ossistemasrelacionadoscomasoperac~oess~aoosde 16.Fronteiradesistemas.Mesmoquandoumanalistaecapazdesepararsistemasesub- Aoestudarmosumsistema,oprimeiropassoconsistirageralmentenoreconhecimentodonvel paraasdiferencasencontradasentreateoriadossistemaseapraticadasempresas.amaisgerale queapraticadasempresasreictaexactamentetalconceptualizac~ao.podemexistirvariasraz~oes

Oslivrosquetratamdemetodologiasdedesenvolvimentodiscutemosconceitosenvol-

Oslivrosquetratamdemetodologiasdedesenvolvimentodiscutemosconceitosenvol- dostopicosabordadosnaareadeengenhariadesoftware.oslivrosdaserieforamescritos porprofessoresdoinstitutodecomputac~aodauniversidadeestadualdecampinas,que ensinamoutrabalhamnessaarea,emalgunscasosemparceriacomprofessoresdeoutras

Leia mais

Gestão de Informação Digital

Gestão de Informação Digital Gestão de Informação Digital Op6mização de recursos em processos de digitalização Miguel Pacheco Universidade de Coimbra/Redinteg Sumário Digitalização como processo Digitalização como sistema Projecto

Leia mais

O e-learning como etapa da universidade para o virtual

O e-learning como etapa da universidade para o virtual lmbg@ufp.pt & fergomes@ufp.pt O e-learning como etapa da universidade para o virtual Luis Borges Gouveia Fernando Gomes Universidade Fernando Pessoa e-learning como objectivo ou etapa? o e-learning como

Leia mais

RESPONSABILIDADES DOS AGENTES FORMATIVOS

RESPONSABILIDADES DOS AGENTES FORMATIVOS RESPONSABILIDADES DOS AGENTES FORMATIVOS CAB ÉPOCA 2015/2016 SUPERVISORES Definem os conceitos e os modelos de treino e de jogo que devem orientar o funcionamento das equipas da Formação de maneira a que

Leia mais

Agenda: BIMFórum Portugal. Funcionamento. Plataforma de Apoio. a união de Vontades. Próximos passos

Agenda: BIMFórum Portugal. Funcionamento. Plataforma de Apoio. a união de Vontades. Próximos passos Agenda: BIMFórum Portugal Funcionamento Plataforma de Apoio a união de Vontades Próximos passos Ineficiências (MOLETE, 2003 colaboração de empresas inscritas na Associação de Empreiteiros Gauteng, de

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações Introdução: Os Sistemas de Informação (SI) enquanto assunto de gestão têm cerca de 30 anos de idade e a sua evolução ao longo destes últimos anos tem sido tão dramática como irregular. A importância dos

Leia mais

A valorização dos inventários em floricultura

A valorização dos inventários em floricultura Paula Franco 28 de Fevereiro de 2015 Santarém LUSOFLORA 2 Pela especificidade da actividade, empresários e Técnicos Oficiais de Contas tem de caminhar de mãos dadas! A valorização dos inventários depende

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade Sistemas de estão da Qualidade Transparências de apoio à disciplina de estão da Qualidade rupo de ontrolo e estão Normas de arantia da Qualidade Historicamente Imposição dos grandes compradores e detentores

Leia mais

ASARVORESDEDECIS~AO. DuarteTrigueiros

ASARVORESDEDECIS~AO. DuarteTrigueiros ASARVORESDEDECIS~AO DuarteTrigueiros domestradoemci^enciasempresariais \SistemasdeApoioaDecis~ao" DuarteTrigueiros ccopyright1991 by Estacopiaefornecidasobcondic~aodequequemaconsultarreconhecequeosdireitosdeautorpermanecem

Leia mais

Livraria dos Mestres

Livraria dos Mestres Gestão de Projectos Informáticos Livraria dos Mestres 3ª Entrega Empresa B Grupo nº 11 João Maurício nº 53919 Ricardo Carapeto nº 53942 Nuno Almeida nº 53946 Page 1 of 28 Índice 1. Sumário para a Gestão

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ

Procedimento de Gestão PG 01 Gestão do SGQ Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação... 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 4 5.1. Política da Qualidade 4 5.2. Processos de gestão do

Leia mais

Departamento comercial e Marketing

Departamento comercial e Marketing Departamento comercial e Marketing Tânia Carneiro Nº20 12ºS Departamento Comercial Noção e objectivos da função comercial O departamento de vendas é considerado por muitos como mais importante da empresa,

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

Circular nº 36/2014. 06 de Outubro de 2014. Caros Associados,

Circular nº 36/2014. 06 de Outubro de 2014. Caros Associados, Circular nº 36/2014 06 de Outubro de 2014 Assunto: Quadro Técnico das empresas de construção: enquadramento dos Técnicos de Manuseamento de gases fluorados com efeito de estufa face à Portaria n.º 16/2004,

Leia mais

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI

SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST System Intelligent Process Testing. Estado da arte na prática de testes tendo como referência o CMMI SIPTEST - System Intelligent Testing Link Consulting,SA Pág. 0 de 10 Índice 1 Introdução...

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

Hospital das Forças Armadas

Hospital das Forças Armadas Hospital das Forças Armadas Jaime Ribeiro da Cunha cunha.jacr@mail.exercito.pt Sumário Introdução Contextualização Desafio Objectivos Solução Proposta Cenários Conclusões Introdução Fraca partilha de informação

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Apresentação e Capítulo I I A ou ou Interna como Instrumento de de Gestão Apresentação Objectivos da disciplina Programa Metodologia / Método de Estudo Avaliação Bibliografia -2-

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho

GESTÃO LOGÍSTICA. Capítulo - 12. Organização para uma Logística Efectiva. Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho GESTÃO LOGÍSTICA Capítulo - 12 Organização para uma Logística Efectiva Objectivos do Capítulo Identificação do impacto de uma logística efectiva no desempenho eficaz e eficiente da empresa Descrição de

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

Objectivos Estratégicos Meta 2008 Taxa de Realização

Objectivos Estratégicos Meta 2008 Taxa de Realização Data de Actualização: 08/9/2008 Ministério: Organismo: Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Instituto Politécnico de Santarém MISSÃO: A criação, transmissão e difusão da cultura, da ciência

Leia mais

PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA

PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA Mestrado em Psicologia Social e das Organizações PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA Susana Fonseca Carvalhosa susana.carvalhosa@iscte.pt Gabinete 116, Ala Autónoma PSICOLOGIA SOCIAL COMUNITÁRIA 15 de Outubro

Leia mais

Coordenar investimentos numa perspectiva de serviço: a função de um registo nacional de obras digitalizadas. Maria Inês Cordeiro

Coordenar investimentos numa perspectiva de serviço: a função de um registo nacional de obras digitalizadas. Maria Inês Cordeiro Coordenar investimentos numa perspectiva de serviço: a função de um registo nacional de obras digitalizadas Coordenar investimentos numa perspectiva de serviço: a função de um registo nacional de obras

Leia mais

Diversificação de produtos

Diversificação de produtos Diversificação de produtos Mobilização de poupanças 30/10/12 Presentation by David Quien Sumario 1. Diversificação de produtos 2. Processo de desenvolvimento de Produto 3. Mobilização de poupança 4. As

Leia mais

CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO

CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC 1999/2000 Cap. 6. As etapas do projecto 1 6.1. As etapas básicas CAPÍTULO 6 AS ETAPAS DO PROJECTO IDEIA!!! FORMULAÇÃO ANÁLISE DE VIABILIDADE DECISÃO PLANIFICAÇÃO EXECUÇÃO

Leia mais

Indicações para a elaboração do trabalho a realizar em horário extra lectivo

Indicações para a elaboração do trabalho a realizar em horário extra lectivo Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Curso: Eng a Mecânica e G. I. Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2005/2006 Indicações para a elaboração do trabalho a realizar em horário extra

Leia mais

BANCO DE CABO VERDE AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGULAMENTO DA AGMVM N.º 8/2013

BANCO DE CABO VERDE AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGULAMENTO DA AGMVM N.º 8/2013 BANCO DE CABO VERDE AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGULAMENTO DA AGMVM N.º 8/2013 PUBLICIDADE DAS OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS A publicidade assume, nos dias actuais, uma

Leia mais

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas.

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas. PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre ASPECTOS GERAIS TEORIA DE APRENDIZAGEM DE ROBERT GAGNÉ: 1.Informação verbal; 2.Competências intelectuais; 3.Estratégias

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Estrutura Organizacional É o sistema de organização de tarefas onde se estabelecem

Leia mais

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008

Gestão da Qualidade NP EN ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade A norma NP EN ISO 9001:2008 O que é a norma? É um conjunto de requisitos que uma organização tem de respeitar para implementar e manter eficazmente um Sistema de Gestão da Qualidade.

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos)

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos) ! " Capítulo I Introdução Geral Capítulo II Antecedentes do Projecto Capítulo III Conformidade com a DIA Capítulo IV Planos de Monitorização Ambiental Capítulo V Conclusões ANEXOS TÉCNICOS BIBLIOGRAFIA

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE REGULAMENTO DA BOLSA DE AVALIADORES Preâmbulo O processo de avaliação de cursos de Engenharia foi iniciado em Portugal, de forma pioneira,

Leia mais

ADECIS~AOSEQUENCIALEMPROJECTOSDE INVESTIMENTO. DuarteTrigueiros

ADECIS~AOSEQUENCIALEMPROJECTOSDE INVESTIMENTO. DuarteTrigueiros ADECIS~AOSEQUENCIALEMPROJECTOSDE INVESTIMENTO DuarteTrigueiros MestradoemCi^enciasEmpresariais SistemasdeApoioaDecis~ao, INDEG/ISCTE DuarteTrigueiros ccopyright1991 by Estacopiaefornecidasobcondic~aodequequemaconsultarreconhecequeosdireitosdeautorpermanecem

Leia mais

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade

ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade Publicação Nº 4-13 Janeiro 2010 ISO 9001:2000 - Gestão da Qualidade PONTOS DE INTERESSE: Estrutura Metodologia de Implementação São notórias as crescentes exigências do mercado no que toca a questões de

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MARKETING. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Marketing Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MARKETING. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Marketing Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE MARKETING PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Marketing Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE - COMÉRCIO OBJECTIVO GLOBAL - Colaborar na definição

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Informação 2007/2008 Pág. 1

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Informação 2007/2008 Pág. 1 DESENVOLVIMENTO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO PRÁTICO DE 2007/2008 4º ANO: LESI Entrega: SETEMBRO de 2008 AEROGEST Sistema de Gestão de Voos O problema centra-se na modelação e implementação do AEROGEST

Leia mais

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade Certificação e Acreditação Auditorias Sumário da Aula JN2 Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade 1 Normalização Norma Internacional

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA. PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA. PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Objectivos Definição de estrutura organizacional. Descrever a configuração e as

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA

PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Médico de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO MÉDICO DE SAÚDE PÚBLICA (Aprovado pela Portaria 47/2011, de 26 de Janeiro) Internato 2012/2016 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO 1 1. DURAÇÃO

Leia mais

Riscos do Outsourcing

Riscos do Outsourcing Riscos do Outsourcing RISCOS FINANCEIROS Custos associados (processo de negociação) Custos não esperados RISCOS TECNOLÓGICOS Qualidade do serviço (degradação/má qualidade) Concorrência entre fornecedores

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM

COMISSÃO EXECUTIVA DA ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PROCEDIMENTOS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM Procedimentos para a atribuição do título de Engenheiro Especialista em Segurança no Trabalho da Construção 1 Introdução...2 2 Definições...4

Leia mais

Jacques Piccard e o Ten. Don Walsh atingiram o Challenger Deep, a 10.911 m (35.797pés) abaixo da linha de água, em 23 de Janeiro de 1960.

Jacques Piccard e o Ten. Don Walsh atingiram o Challenger Deep, a 10.911 m (35.797pés) abaixo da linha de água, em 23 de Janeiro de 1960. Jacques Piccard e o Ten. Don Walsh atingiram o Challenger Deep, a 10.911 m (35.797pés) abaixo da linha de água, em 23 de Janeiro de 1960. Jacques Piccard bathyscaphe Trieste de Auguste Piccard Mais nenhum

Leia mais

O Sistema da Reciclagem em Portugal:

O Sistema da Reciclagem em Portugal: O Sistema da Reciclagem em Portugal: Comparação com outros Estados-Membros Nuno Ferreira da Cruz, Pedro Simões, Sandra Ferreira, Marta Cabral e Rui Cunha Marques CEG-IST Centro de Estudo de Gestão do IST

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

Organização da Segurança. www.juliosantos.net - js@juliosantos.net

Organização da Segurança. www.juliosantos.net - js@juliosantos.net Organização da Segurança Sumário Objectivo: Tomar conhecimento de uma forma de como organizar a Segurança Patrimonial Temas abordar Política de Segurança Definições e Conceitos Modelo de Segurança Análise

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Serviço ao cliente (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Serviço ao cliente reconhecido como um aspecto importante do negócio da empresa dificuldade de definir

Leia mais

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria A. Enquadramento e Objectivos A EDP Distribuição - Energia, S.A. (EDP Distribuição), empresa que exerce a actividade de Operador de Rede de Distribuição (ORD) de Energia Eléctrica em Média Tensão (MT)

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

BPM no Instituto Geográfico Português. A oportunidade do desafio.

BPM no Instituto Geográfico Português. A oportunidade do desafio. Rosário Gaspar Instituto Geográfico Português 1 Estrutura 1. Enquadramento 2. As Is 3. To Be 4. Conclusões Rosário Gaspar 2 1. Enquadramento IGP / DSIGIG (Direcção de Serviços de Investigação e Gestão

Leia mais

Serviço Público Inteligente

Serviço Público Inteligente Serviço Público Inteligente Sistemas de BI, decidir com base em informação de qualidade 15 de maio de 2013 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Prata Patrocinadores Globais APDSI CALM António Gameiro Marques

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA O sistema educativo deve garantir a coordenação, a consistência e a coerência do ensino para o desenvolvimento da educação científica Critérios de qualidade O conhecimento dos alunos e das suas aptidões

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão por Processos. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1

Gestão da Qualidade. Gestão por Processos. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Gestão da Qualidade Gestão por Processos 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Juntar-se é um começo, permanecer juntos é um processo e trabalhar juntos é um sucesso. Henry Ford 09-12-2009

Leia mais

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem;

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem; ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 2007/2008 ANO GEOGRAFIA 7.º GERAIS Tema 1: A Terra: estudos e representações Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos

Leia mais

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo

O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo O ciclo de estratégia, planeamento, orçamento e controlo João Carvalho das Neves Professor catedrático, Finanças e Controlo, ISEG Professor convidado, Accounting & Control, HEC Paris Email: Página Web:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular FINANÇAS PÚBLICAS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Economia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular FINANÇAS

Leia mais

Gestão por Processos ISO 9001: 2000

Gestão por Processos ISO 9001: 2000 Gestão por Processos 1 2 Existem três tipos de empresas: - as que fazem as coisas acontecer; - as que vêem as coisas acontecer; - as que não fazem ideia do que está a acontecer (Kotler) 3 Para o Sucesso

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 11 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011

Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 Grupo de Trabalho Internacionalização e Desenvolvimento (I&D) PROJECTO DE RELATÓRIO 25 de Agosto de 2011 SUMÁRIO 1.OS CINCO PONTOS DE CONSENSO E TRÊS CENÁRIOS APRESENTADOS A SEGUIR FORAM NEGOCIADOS APÓS

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt

das Auditorias na Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 www.apcer.pt O Papel das Auditorias na Gestão Empresarial Hélder Estradas helder.estradas@apcer.pt 18 de Outubro de 2010 Auditoria Processo sistemático, independente e documentado, realizado com o propósito p de obter

Leia mais

ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO

ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO >> Voltar ao índice ANEXO II - MODELOS DE DIVULGAÇÕES RESPEITANTES A PLANOS DE BENEFÍCIO DEFINIDO O presente Anexo apresenta um conjunto de modelos que as instituições devem considerar no âmbito das divulgações

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO PROFISSIONAL E ADMINISTRATIVO Avaliador Cargo NIF A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica

Leia mais

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23

23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 23.11.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 305/23 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N. o 1206/2011 DA COMISSÃO de 22 de Novembro de 2011 que estabelece os requisitos aplicáveis à identificação das aeronaves

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Wincrm Gestão das Oportunidades de Negócio

Wincrm Gestão das Oportunidades de Negócio Wincrm Gestão das Oportunidades de Negócio Wincrm Gestão das Oportunidades de Negócio Soluções Com o módulo WinCRM, aumente drasticamente a produtividade comercial e o volume de negócios da organização.

Leia mais

Sistemas Informáticos

Sistemas Informáticos Sistemas Informáticos Sistemas Distribuídos Eng.ª Sistemas de Informação Escola Superior de Tecnologia e Gestão - IPVC Ano Lectivo 2005-2006 1.º Semestre Gestão de Nomes 1 - Objectivos - Os nomes são fundamentais

Leia mais

Requisitos- Análise e Especificação

Requisitos- Análise e Especificação Requisitos- Análise e Especificação Patrícia Macedo Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/2006 EST, Setúbal Fase de definição de requisitos 1 Fase de Requisitos: O que é? O processo de

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

"A redução da burocracia nos sistemas de incentivos"

A redução da burocracia nos sistemas de incentivos "A redução da burocracia nos sistemas de incentivos" Reporto-me expressamente à notícia de ontem, 2006.12.19, sobre a decisão de extensão pelo Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Dr. Rui

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

PASC. Plataforma Activa da Sociedade Civil. Carta de intenções

PASC. Plataforma Activa da Sociedade Civil. Carta de intenções PASC Plataforma Activa da Sociedade Civil Carta de intenções 1 Designação da Plataforma PASC Plataforma Activa da Sociedade Civil Razão de Ser da PASC Plataforma Activa da Sociedade Civil Várias Associações

Leia mais

Critérios para Avaliação do Desempenho

Critérios para Avaliação do Desempenho Critérios para Avaliação do Desempenho Índice AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 INFORMAÇÃO...5 O QUE É A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO?...5 OBJECTIVOS DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO...5 A ENTREVISTA DE AVALIAÇÃO...6 OBJECTIVOS

Leia mais

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações.

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. Os Directores de Operações são os responsáveis pelo fornecimento de bens ou

Leia mais

Engenharia de Segurança 2/12

Engenharia de Segurança 2/12 Especialização em Engenharia de Segurança Um Contributo da Ordem dos Engenheiros para a Prevenção de Riscos A. Sérgio Miguel & Pedro Arezes Lisboa, Auditório da OE 27Abril2011 Engenharia de Segurança 2/12

Leia mais

RELEASE NOTES. LOGIN RH PTF ACT Abril_Setemb2011. Histórico de versões Versão Referência Autor Dt. Emissão Comentários

RELEASE NOTES. LOGIN RH PTF ACT Abril_Setemb2011. Histórico de versões Versão Referência Autor Dt. Emissão Comentários RELEASE NOTES LOGIN RH PTF ACT Abril_Setemb2011 Histórico de versões Versão Referência Autor Dt. Emissão Comentários 01 ACT Abril_Setemb2011 Teresa Barrote 2011-09-26 Sumário 1. INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa EUROPA: RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO Elaborado por Research em colaboração com a SAP Patrocinado por O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa LÍDERES FINANCEIROS PRONUNCIAM-SE SOBRE A SUA MISSÃO

Leia mais

31.5.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 141/5

31.5.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 141/5 31.5.2008 Jornal Oficial da União Europeia L 141/5 REGULAMENTO (CE) N. o 482/2008 DA COMISSÃO de 30 de Maio de 2008 que estabelece um sistema de garantia de segurança do software, a aplicar pelos prestadores

Leia mais

Instituto Geográfico do Exército

Instituto Geográfico do Exército Instituto Geográfico do Exército Av. Dr Alfredo Bensaúde - Olivais Norte 18491849-014 LISBOA Tel: Tel: (+351) 21 850 53 00 Fax: (+351) 21 853 21 19 http://www.igeoe.pt E-mail: igeoe@igeoe.pt http://www.igeoe.pt

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem.

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. O que é o Failure Score? O que prevê o Failure Score? Qual é a disponibilidade do Failure Score? Como é calculado o Failure Score? Qual o desempenho

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

Avaliação da data de execução 33% Semestral

Avaliação da data de execução 33% Semestral Recursos Qualidade Eficiência Eficácia Ministério da Saúde Administração Central do Sistema de Saúde, IP Missão: Administrar os recursos humanos, financeiros, instalações e equipamentos, sistemas e tecnologias

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira Instituto Superior Politécnico de Viseu SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental José Vicente Ferreira SÉRIE ISO 14000 Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Análise Ciclo Vida Avaliação Performance Ambiental

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo

ANÁLISE FINANCEIRA. Objectivo ISEG/UTL ANÁLISE FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Teoria tradicional do Equilíbrio Financeiro Fundo de Maneio Funcional e as NFM Tesouraria Líquida Estratégias de Financiamento face ao Risco EQUILÍBRIO

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação.

Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens da certificação. Objectivos Gerais Definir o que é a Qualidade; Determinar a evolução da qualidade. Definir os requisitos da Norma NP EN ISO 9001. Como implementar sistemas da qualidade em empresas. Conhecer as vantagens

Leia mais

PARTE I GESTÃO DA PERFORMANCE E BALANCED SCORECARD CONCEITOS E INSTRUMENTOS

PARTE I GESTÃO DA PERFORMANCE E BALANCED SCORECARD CONCEITOS E INSTRUMENTOS Índice PREFÁCIO 15 PARTE I GESTÃO DA PERFORMANCE E BALANCED SCORECARD CONCEITOS E INSTRUMENTOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À GESTÃO DA PERFORMANCE 1. Medir a performance 24 2. Gerir a performance 27 3. Contexto

Leia mais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais

Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais TERMOS DE REFERÊNCIA Elaboração de Planos Estratégicos gerais de Formação de quadros de funcionarios municipais 1. ANTECEDENTES A Fundação IEPALA tem assinado com a Agencia Espanhola de Cooperação Internacional

Leia mais

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE A GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE B ESTATÍSTICAS C PRINCIPAIS MEDIDAS ADOPTADAS GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE Com o objectivo de proteger os nossos Clientes

Leia mais

DIREITO DAS ORGANIZAÇÕES

DIREITO DAS ORGANIZAÇÕES GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Profissionais Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO DAS ORGANIZAÇÕES (2º ano de formação) Página 1 de 5 Competências Gerais Utilizar correctamente a terminologia

Leia mais

Planeamento e Controlo de Gestão Parte I

Planeamento e Controlo de Gestão Parte I Mestrado em Contabilidade, Fiscalidade e Finanças as Empresariais Planeamento e Controlo de Gestão Parte I António nio Samagaio Lisboa, 21 de Fevereiro de 2008 APRESENTAÇÃO I. Apresentação Docente Alunos

Leia mais