Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países"

Transcrição

1 Harmonização das Compras da ONU Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países Comitê de alto nível sobre Gerenciamento da Rede de Compras em colaboração com o Grupo das Nações Unidas para o Desenvolvimento Maio de 2013, versão 2.01

2

3 Sumário Siglas e abreviaturas... iii 1. Introdução Vantagens da cooperação nas atividades de compras Modificações em relação à primeira edição Autoridade Modelos de compras em comum Introdução Oportunidades Cooperação mínima em matéria de compras em comum Uso de acordos de longo prazo ou contratos de outros organismos das Nações Unidas Processo Dificuldades Implementação e uso de acordos de longo prazo conjuntos ( organismo líder em processos de compras ) Processo Dificuldades Uso dos serviços de compras de outros organismos das Nações Unidas Processo Dificuldades Compras de outro organismo das Nações Unidas Processo Dificuldades Permitir e institucionalizar as compras em comum Normas e regulamentos financeiros e políticas de compras Compromisso da UNCT/OMT Dados sobre compras e análise das despesas Objetivos Dados necessários para fazer uma análise de alto nível Processo de compilação de dados Análise das despesas Equipe encarregada de compras em comum Processo de avaliação de compras e comitês comuns de avaliação de compras Intercâmbio de informações entre organismos Especificações comuns Intercâmbio de listas de fornecedores Avaliação e monitoramento Mensuração do impacto, das vantagens e da economia obtida...26 i Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países

4 Economia de custos Redução de custos Seminários de negócios interinstitucionais Lista de verificação: permitir e institucionalizar as compras em comum...29 A. Ferramentas, modelos e exemplos...30 A.1 Compromisso da UNCT com o Processo de Compras em Comum (modelo)...30 A.2 Termos de Referência da Equipe Encarregada de Compras em Comum (CPT) (exemplo/modelo)...30 A.2.1 Objetivo da CPT...30 A.2.2 Funções e responsabilidades...30 A.3 Indicadores da Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas...31 A.4 Unidades de Compras em Comum (elementos para discussão)...31 A.5 Locais Comuns (elementos para discussão)...36 A.6 Plano de Seleção de Fornecedores (modelo) A.7 Prefácio para Contratos de Longo Prazo (LTA), Avisos de Licitação (ITB), Solicitações de Propostas (RFP) e Pedidos de Cotação (RFQ) (exemplo)...38 A.8 Processo de Compras Harmonizado das Nações Unidas (exemplo)...38 A.9 Custeio Baseado em Atividades (exemplo/modelo) versão STANDARD...38 A.9.1 Introdução e visão geral...38 A.9.2 Objetivos...39 A.9.3 Instruções...40 A.10 Custeio Baseado em Atividades (exemplo/modelo) versão EXPERT...40 A.10.1 Instruções...40 A.10.2 Conteúdo da tabela em Excel...42 A.11 Coleta de Dados sobre Compras Locais (modelos)...44 A.12 Base de Dados de Acordos de Longo Prazo Locais (modelo)...44 A.13 Modelo de Acordos de Longo Prazo Específicos de Diferentes Organismos (modelo)...44 A.14 Monitoramento de Contratos e Licitações (exemplo/modelo)...44 B. Glossário...45 C. Contatos e websites...51 D. Recursos...52 D.1 Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível...52 D.2 Website do Grupo de Desenvolvimento das Nações Unidas (UNDG)...52 D.3 Ferramental do Grupo de Desenvolvimento das Nações Unidas (UNDG)...53 D.4 Portal Mundial para os Fornecedores dos Organismos das Nações Unidas (UN Global Marketplace UNGM)...53 D.5 Websites de organismos específicos, inclusive de comunidades de prática...53 ii E. Referências...54 F. Endnotes...56 Harmonização das Compras da ONU

5 Siglas e abreviaturas ABC ACNUR BAfD CEB CoP CPAG CPT CR Diretrizes DOCO ECA ERP FAO FIDA FRRs HLCM HQ ITB JPRC KPI LTA M&E MoU MPF OIT OMM OMPI Custeio Baseado em Atividades Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados Banco Africano de Desenvolvimento Conselho de Chefes Executivos para Coordenação (da ONU) Comunidade de Prática Grupo de Atividades Comuns de Compras Equipe Encarregada de Compras em Comum Coordenador Residente Diretrizes para a Harmonização das Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países Escritório de Coordenação das Operações de Desenvolvimento das Nações Unidas (UNDG) Economia de Custos Estimada Planejamento de Recursos Empresariais Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola Normas e Regulamentos Financeiros Comitê de Alto Nível sobre Gestão (da ONU) Sede Aviso de Licitação Comitê Comum de Avaliação de Compras Principais Indicadores de Desempenho Acordo de Longo Prazo Monitoramento e Avaliação Memorando de Entendimento Quadro de Políticas Modelo Organização Internacional do Trabalho Organização Meteorológica Mundia Organização Mundial de Propriedade Intelectual iii Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países

6 OMS OMT ONU OPAS PMA PN PNUD PO PPV RFP RFQ SMART TCGs TCO TIC TR TTCP UIT UNCT UNDAF UNDG UNESCO UNFPA UNGM UNICEF UNOG UNOPS UNPD UNRWA WG Organização Mundial da Saúde Equipe de Gestão de Operações Organização das Nações Unidas Organização Pan-Americana da Saúde Programa Mundial de Alimentos Rede de Compras Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Ordem de Compra Variação do Preço de Compra Solicitação de Propostas Pedido de Cotação Específico, Mensurável, Atingível, Pertinente, Oportuno (Specific, Measurable, Attainable, Relevant, Timely) Termos e Condições Gerais Custo Total de Propriedade Tecnologia da Informação e Comunicação Termos de Referência Grupo de Trabalho sobre Locais Comuns União Internacional de Telecomunicações Equipe do País das Nações Unidas Quadro de Assistência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Grupo de Desenvolvimento das Nações Unidas Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura Fundo de População das Nações Unidas Portal Mundial para os Fornecedores dos Organismos das Nações Unidas Fundo das Nações Unidas para a Infância Escritório das Nações Unidas em Genebra Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos Divisão de Compras das Nações Unidas Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos Grupo de Trabalho iv Harmonização das Compras da ONU

7 1 Introdução Ainalidade do documento Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países (para facilitar a leitura, doravante Diretrizes ) é apoiar a cooperação na área de compras entre os organismos do sistema das Nações Unidas (ONU) em campo. Ao apoiar iniciativas de compras em comum, as Diretrizes promovem a harmonização das práticas comerciais e contribuem para o aumento da eficácia e da eficiência das atividades de compras da ONU. As Diretrizes se destinam ao pessoal da ONU encarregado de compras, mas também pode ser de interesse de outras categorias de pessoal que trabalhem no nível da Equipe de Gestão de Operações (OMT) ou das equipes dos países. Os links para o glossário ou websites foram sublinhados com uma linha tracejada em todo o documento. Opiniões, comentários e outras ideias são bem-vindos e podem ser enviados pelo endereço 1.1 Vantagens da cooperação nas atividades de compras A cooperação na área de compras pode trazer vantagens monetárias e não monetárias. Estudos empíricos sobre o impacto do agrupamento das atividades de compras no setor público revelam uma economia de até 10%. 1 Essa cooperação pode resultar em vantagens em termos de economias de escala, redução do trabalho repetitivo e melhoria das relações com fornecedores. Especificamente, podem ser obtidas as seguintes vantagens: otimização dos recursos mediante a melhoria do planejamento, o agrupamento das necessidades e exigências, descontos por volume e aumento do poder de negociação; melhoria da coordenação, uniformidade e planejamento em todos os organismos; redução de processos paralelos e dos custos de transação; melhoria das relações com fornecedores, por exemplo, ao reduzir a fadiga dos licitantes ; melhoria da gestão do risco relacionado às compras; promoção do conceito de unidade de ação (One UN) entre o setor privado; intercâmbio de experiências, informações e conhecimento técnico e aprendizado em matéria de compras. Contudo, os mesmo estudos indicam que a obtenção dessas vantagens depende de uma série de fatores importantes, como: a confiança e relações abertas; a comunicação e a disposição para manterem-se mutuamente informados; 1 Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países

8 a promoção de êxitos e de resultados positivos no curto prazo; a vontade de cooperar com o apoio de outros organismos; serviços de compras competentes; recursos suficientes; dedicação e compromisso claros; apoio dos quadros de chefia. As Diretrizes abrangem uma série de modelos e ferramentas para apoiar a concretização desses fatores. Contudo, as vantagens e os fatores necessários para o sucesso devem ser discutidos dentro da sua equipe do país ou da sua OMT. Exemplo Vantagens da cooperação na área de compras entre os organismos da ONU sediados em Genebra A simplificação e harmonização das atividades de compras para aumentar a eficiência e a eficácia é esse o objetivo do Grupo de Atividades Comuns de Compras (CPAG) dos organismos internacionais sediados em Genebra. Contratos de compra de grandes volumes resultam em práticas comerciais mais eficazes e coerentes, além de reduzir o custo de bens e serviços normalmente destinados aos diversos organismos. Em 2012, o CPAG está participou de 14 projetos de compras e os resultados têm sido impressionantes. Foram obtidas vantagens significativas em áreas como serviços de viagens, negociações de tarifas com as linhas aéreas, fornecimento de energia elétrica, bens e serviços de tecnologia da informação e comunicação (TIC), material de escritório, papel e diversos outros bens e serviços. O CPAG se pauta pelos seguintes princípios: promover a padronização das políticas, procedimentos e programas de formação em matéria de compras entre os organismos membros; agrupar as necessidades de compras do posto Genebra, a fim de beneficiar-se de economias de escala; promover a padronização dos bens, obras e serviços em uso nos organismos sediados em Genebra; permitir aos organismos membros beneficiar-se dos resultados das atividades de compras dos demais membros. Para mais informações, consulte <www.cpag.org>. 2 Harmonização das Compras da ONU

9 1.2 Modificações em relação à primeira edição A primeira edição das Diretrizes foi publicada pela equipe do grupo de trabalho do Grupo de Desenvolvimento das Nações Unidas (UNDG) encarregada das questões de compras e serviços em comum e pela Rede de Compras (PN) do Comitê de Alto Nível sobre Gestão (HLCM), com o título Guidelines for Harmonized UN Procurement at the Country Level (Diretrizes para a Harmonização das Compras das Nações Unidas no Nível dos Países). Ele está disponível para consulta no website do UNDG desde Um estudo mundial interinstitucional sobre a cooperação nas Em quase todos atividades de compras das Nações Unidas, feito em agosto de 2011, os campos locais, constatou que essa primeira edição era pouco conhecida e usada. as organizações Apenas 36% das pessoas consultadas haviam ouvido falar das das Nações Unidas Diretrizes e 29% dos países que haviam feito compras em comum as haviam usado. Posteriormente, foram feitas sugestões sobre temas cooperam em a serem adicionados e melhorias a serem feitas. A principal sugestão compras de era que as Diretrizes deveriam ser mais práticas, voltadas para a alguma forma implementação e inclusão de ferramentas e instruções passo a passo. O relatório do estudo, assim como as entrevistas com presidentes das OMTs, está disponível no Portal Mundial para os Fornecedores dos Organismos das Nações Unidas (UNGM). 2 Mais informações podem ser consultadas no Anexo E (Referências) deste documento. O grupo de trabalho sobre a harmonização das compras em comum da HLCM PN deu início ao processo de revisão em outubro de 2011, em estreita colaboração com o Escritório de Coordenação das Operações de Desenvolvimento das Nações Unidas (DOCO). Essa revisão leva em conta as sugestões feitas pelos usuários finais e tira partido das experiências extraídas em Genebra, em Roma e nos países-piloto da iniciativa Unidade de Ação ( Delivering as One ). Novas atualizações das Diretrizes serão publicadas conforme necessário. 1.3 Autoridade O mandato para elaborar estas Diretrizes foi atribuído pelos Exames Trienais Completos da Política pela Assembleia Geral das Nações Unidas (2004 e 2007) e pelas Resoluções A/RES/ 59/250 e A/RES/62/208 da Assembleia Geral. Embora a Assembleia Geral ainda não tenha chegado a uma decisão oficial sobre o conceito de organismo líder, ela reconhece que o conceito está sendo formulado no sistema das Nações Unidas. Ademais, ela incentiva a ampliação da participação e a melhoria do nível de cooperação, coordenação e intercâmbio de informações entre os organismos da ONU com relação às atividades de compras, a fim de obter economias de escala e eliminar a duplicação de tarefas. Além disso, o subcomitê do HLCM encarregado do aumento da eficácia e das medidas de controle de custos, no âmbito do Conselho de Chefes Executivos para Coordenação (CEB), insta pela maximização do uso de acordos de longo prazo (LTAs) e pelo aumento do volume de compras dos mesmos fornecedores no caso de produtos e serviços adquiridos em comum. Esse subcomitê também solicitou que as equipes encarregadas de compras em comum se ocupassem das funções de compra, a fim de permitir consultas conjuntas para a compra de bens e serviços no âmbito das normas e procedimentos harmonizados. 3 Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países

10 O relatório da missão do UNDG-HLCM sobre os gargalos nas práticas comerciais no nível dos países ( Addressing Country-Level Bottlenecks in Business Practices ) recomenda que as Diretrizes sejam implementadas nos escritórios nos países envolvidos em compras em comum. Além disso, incentivou o uso dos acordos de longo prazo já existentes tanto quanto possível. 3 Em setembro de 2011, a Rede de Compras do HLCM reconheceu a necessidade de adotar diretrizes sobre a cooperação em todos os níveis pertinentes dos quadros regulamentares dos organismos membros. Recomendou que os participantes incorporassem aos seus manuais de compras os seguintes temas: orientações sobre a cooperação dentro das Nações Unidas; acordos de longo prazo, cooperação sem restrições e operações de compras em nome de outros organismos da ONU com base nos modelos de texto fornecidos. A Rede de Compras também recomendou que os membros especificassem as condições em que uma segunda avaliação dos processos de compra pudesse ser dispensada. Em março de 2012, a HLCM PN recomendou que os membros usassem, de acordo com as suas normas e regulamentos, as modalidades do documento Common UN Procurement at the Country Level (Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países) no quadro operacional específico dos seus organismos e incentivou os organismos a aplicá-las. No espírito dessas decisões, os organismos são incentivados a usar as Diretrizes para complementar as suas políticas e procedimentos internos. Como documento de orientação, o seu conteúdo não tem caráter vinculante nem prescritivo. 4 Harmonização das Compras da ONU

11 Modelos de compras 2em comum 2.1 Introdução Este capítulo foi subdividido de forma a seguir os modelos de compras em comum apresentados na Figura 1, abaixo. Uma ilustração de cada um dos processos dos modelos descritos está disponível em Tools and Templates (Ferramentas e Modelos), no endereço <www.ungm.org/harmonization/harmonizationguidelines.aspx>. Os modelos apresentados aqui foram identificados e elaborados junto com as equipes dos países das Nações Unidas que obtiveram os melhores resultados em termos da implementação da cooperação nas atividades de compras. Outros modelos diferentes ou híbridos talvez possam ser adaptados ao seu contexto local. Ademais, normalmente não há um único modelo que abranja todas as categorias de produtos compradas no âmbito de um dado país. Assim, talvez lhe convenha escolher o modelo que mais se adapte a cada categoria de produtos. Uma tabela lhe permitirá fazer uma avaliação rápida da situação das compras em comum no seu contexto local (Anexo A.3). Além disso, recorrer a uma equipe ou unidade de compras conjunta Figura 1. Modelos de Compras em Comum Cooperação mínima ou inexistente Uso de uma equipe de compras conjunta Uso de LTAs de outros organismos da ONU Compras de outro organismo da ONU MODELOS DE COMPRAS EM COMUM Uso dos serviços de compras de outros organismos da ONU Uso de LTAs e contratos conjuntos ( organismo líder ) 5 Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países

12 talvez seja a forma mais avançada de compras em comum. O Anexo A.4 oferece sugestões úteis para as suas próprias discussões. 2.2 Oportunidades Cada opção ou modelo de compras em comum oferece oportunidades específicas. Em função do modelo, será possível tirar partido de algumas ou de todas estas oportunidades: posição mais favorável dos organismos para negociar com os fornecedores (melhoria do atendimento e da relação), alavancagem do poder de mercado dos organismos perante os fornecedores (condições, preços e tarifas preferenciais, melhoria do atendimento); redução de custos administrativos ao fazer melhor uso do tempo de trabalho e das atividades do pessoal; possibilidade de evitar uma avaliação suplementar das compras, dependendo dos procedimentos de compras do seu organismo; 4 alavancagem dos conhecimentos de outro organismo nas compras de determinados bens ou serviços ou na execução de certos tipos de projeto (por ex., obras complexas de construção, como estradas ou pontes, serviços relativos a eleições, etc.) possível utilidade de alguns modelos para pequenos organismos que não contam com conhecimentos nem capacidade suficientes na área de compras nem de gestão de projetos em um determinado país; possibilidade de que algumas opções reduzam consideravelmente o prazo necessário para concluir o processo de compra (por ex., quando outro organismo das Nações Unidas dispõe dos produtos em estoque). 2.3 Cooperação mínima em matéria de compras em comum Em quase todos os postos em campo, os organismos das Nações Unidas buscam certo nível de cooperação em matéria de compras. Contudo, mesmo quando essa cooperação é mínima ou inexistente, uma série de atividades pode ser levada a cabo em conjunto a fim de reduzir custos e esforços: estabelecer o intercâmbio de informações, ainda que informal, entre funcionários da ONU envolvidos em compras, por exemplo, por meio de uma lista de discussão ou uma plataforma de informações interinstitucional (veja também a Seção 3.6); compartir especificações ou formular especificações comuns (veja também a Seção 3.7); identificação em conjunto de possíveis fornecedores e intercâmbio de listas de fornecedores (veja também a Seção 3.8); participação em seminários de negócios interinstitucionais (veja também a Seção 3.11); cooperação na compra recorrente de artigos de baixo valor e necessidade comum (veja o exemplo abaixo). 6 Harmonização das Compras da ONU

13 Exemplo Cooperação em compras de baixo valor no Uruguai No Uruguai, a equipe das Nações Unidas do país vem cooperando de maneira satisfatória em compras de baixo valor. A combinação dos volumes de compras permite obter bens e serviços a preços melhores. Por exemplo, as compras em comum de material de escritório vêm sendo feitas da seguinte maneira: a OMT formulou em conjunto a lista de exigências, ou seja, uma lista dos itens necessários, para então passar a uma relação dos possíveis fornecedores. Esses fornecedores foram convidados a apresentar uma lista de preços a serem cobrados dos organismos no país, considerando o valor total da compra pelos organismos em conjunto. O apoio do Escritório do Coordenador Residente foi fundamental no contato com os possíveis fornecedores em nome da OMT e dos respectivos organismos. A OMT selecionou o fornecedor com a maior seleção de produtos e os preços mais baixos. Uma vez feita a seleção, cada organismo tratou diretamente com o fornecedor. Para chegar a esses resultados, não foi necessário modificar os procedimentos nem os processos. Posteriormente, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) firmou um acordo de longo prazo com o fornecedor para oficializar o acordo, pois estava próxima de atingir o limite de compra de um fornecedor específico. Esse tipo de contrato também está à disposição de outros organismos da ONU, que podem recorrer a ele. Outros fornecedores também foram consultados de forma semelhante, para que considerassem a ONU como uma única entidade em vez de tratar cada organismo como um cliente individual. 2.4 Uso de acordos de longo prazo ou contratos de outros organismos das Nações Unidas Neste modelo de cooperação, os acordos de longo prazo já existentes ou os contratos celebrados por outros organismos das Nações Unidas são usados para reduzir os custos administrativos, obter preços e tarifas preferenciais já negociados e, em alguns casos, tirar partido dos conhecimentos acumulados por outros organismos na compra de certas categorias de produtos. Ao recorrer aos acordos de longo prazo já existentes, a finalidade é criar uma situação benéfica tanto para o titular do contrato, como para o outro organismo: a) o organismo que se beneficia desse arranjo pode concluir as compras mais rapidamente e, ao mesmo tempo, reduzir os custos de transações; e b) o aumento do uso de um acordo de longo prazo já existente poderia permitir obter tarifas preferenciais ou preços unitários mais baixos e, assim, otimizar os recursos de todos os participantes. Os bens e serviços destinados à administração de um escritório são, obviamente, as categorias de produtos para as quais faz mais sentido recorrer a um acordo de longo prazo de outro organismo. Este modelo costuma ser usado no nível dos países para as seguintes categorias de produtos: viagens, papel/artigos de papelaria, serviços de limpeza, segurança, equipamentos de informática, hotéis e hospedagem, serviços bancários, comunicações (telefonia fixa e móvel), impressão, serviços postais e de remessa, e material de escritório. 7 Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países

14 2.4.1 Processo São duas as maneiras de usar o contrato ou o acordo de longo prazo de outro organismo: proceder efetivamente à compra no âmbito do acordo já celebrado ou usar os resultados da consulta para criar o seu próprio acordo. A Figura 2 e a Figura 3 ilustram os processos usados neste modelo de cooperação. Primeiro método (Figura 2): Uso direto do contrato ou do acordo de longo prazo de outro organismo. Figura 2. Uso de contratos ou acordos de longo prazo já celebrados por outro organismo das Nações Unidas Contrato/ LTA Org. A 1 Org. A Fornecedor Fornecedor 2 Ordem de Compra Org. B Fatura BENS SERVIÇOS Para: Org.B Org. B 3 1º etapa: Este contrato ou acordo de longo prazo já está em vigor entre o organismo A e um fornecedor, e o organismo B deseja usá-lo. Normalmente, aplicam-se os mesmos termos e condições, isto é, preços, prazos de entrega, serviços e obrigações. Antes de o contrato ou acordo de longo prazo poder ser usado, tanto o organismo A como o fornecedor precisam confirmar a viabilidade de estender as suas condições ao organismo B. Caso se preveja um aumento significativo do volume em decorrência do uso do acordo por outros organismos, A pode decidir negociar descontos suplementares, beneficiando A e B. 2º etapa: B é responsável pela avaliação interna das suas compras antes de emitir ordens de compra no âmbito do acordo de longo prazo ou do contrato. Contudo, o uso de um acordo de longo prazo já existente pode ou não exigir o controle do comitê de avaliação de compras do organismo. 5 Dependendo da política do organismo específico, B pode então emitir ordens de compra no âmbito do acordo de A. 8 3º etapa: B trata diretamente com o fornecedor todos os aspectos operacionais relacionados à sua ordem de compra (entrega, pagamento, etc.). Como titular natural, A administrará o acordo de longo prazo ou contrato em termos do desempenho do prestador, aditamentos, prorrogações e outras ações necessárias. Harmonização das Compras da ONU

15 Segundo método (Figura 3): O resultado da consulta de outro organismo é usado para estabelecer o seu próprio acordo de longo prazo ou contrato. Figura 3. Uso de acordos de longo prazo/contratos de outros organismos no sistema das Nações Unidas Reutilização de resultados de uma consulta ITB/RFP Org. A 1 Fornecedor Contrato/ LTA 2 Org. B Org. B Fornecedor 3 Fatura Para: Org.B BENS SERVIÇOS 1º etapa: O organismo B pode lançar mão de processos de consulta do organismo A se, na opinião de B, os possíveis benefícios de fazer um novo processo de consultas não justificarem os custos administrativos associados e os preços obtidos por A forem considerados suficientemente recentes. B pode então usar os resultados da consulta para estabelecer o seu próprio acordo de longo prazo ou contrato com o fornecedor sem precisar fazer um processo de consulta separado. A 2º e a 3º etapas geralmente são as mesmas que no primeiro método. Neste caso, porém, B, como titular natural, também administrará o acordo de longo prazo ou o contrato em termos do desempenho do prestador, aditamentos, prorrogações e outras ações necessárias, e emitirá as suas ordens de compra segundo os seus próprios termos e condições gerais (TCGs). 6 Observações: A partilha de acordos de longo prazo foi incentivada em todos os níveis de direção dos organismos das Nações Unidas. Ao mesmo tempo, em certos casos pode ser difícil partilhar um acordo desse tipo entre vários organismos, sobretudo se o contrato estiver ligado a objetivos ou se tiver um montante que não pode ser ultrapassado. Essas dificuldades podem ser superadas mediante o devido planejamento ou o estabelecimento de um acordo de longo prazo partilhado (veja a Seção 2.5). A participação nas aquisições no âmbito de certos acordos de longo prazo talvez não seja possível quando se tratar de bens e serviços estratégicos para um determinado organismo ou quando o contrato estiver limitado a um organismo específico. Nesses casos, podem ser considerados outros enforques colaborativos, como o uso de serviços de compras de outro organismo das Nações Unidas (veja a Seção 2.6). 9 Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países

16 Não devem ser cobradas taxas pelo uso de acordos de longo prazo de outros organismos do sistema das Nações Unidas. Ao usar esse modelo (seja por um método ou pelo outro), o organismo B não tem a oportunidade de influenciar as especificações dos bens e serviços abrangidos pelo acordo de longo prazo. Assim, B deve alinhar-se com as especificações dos acordos ou contratos já existentes. Os detalhes dos acordos de longo prazo internacionais, que podem ser usados mundialmente, estão disponíveis no portal do UNGM <www.ungm.org> Além disso, os contratos locais e as informações relativas aos fornecedores também podem ser carregados nesse portal.para mais detalhes sobre plataformas para o intercâmbio de informações e sobre como transmitir os seus contratos existentes com fornecedores locais e informações sobre prestadores, queira contactar Constituem boa prática para a OMT partilhar informações com todos os organismos sobre os termos e condições dos acordos de longo prazo existentes (inclusive taxas, se for o caso) e criar bases de dados locais contendo informações detalhadas sobre acordos desse tipo vigentes no país ou na região. O Anexo A.12 apresenta um modelo que pode ser usado para criar bases de dados como essas. Os acordos de longo prazo e contratos exigem uma gestão e um monitoramento contínuos para garantir a eficiência e a otimização dos recursos. Constitui boa prática incluir uma cláusula, seja no edital, seja no contrato/acordo de longo prazo, dispondo que outros organismos das Nações unidas podem beneficiar se dos mesmos mecanismos contratuais. No caso de o contratado concordar com a melhoria dos termos e condições, todos os organismos das Nações Unidas que se tornem parte desse contrato devem beneficiar-se desses novos termos e condições Dificuldades As principais dificuldades ligadas ao uso deste modelo são: O uso de acordos de longo prazo de outros organismos da ONU exige a aprovação do organismo que originou o contrato e do fornecedor. Nos casos de emergência ou grande demanda, os fornecedores podem dar prioridade ao organismo que iniciou o acordo de longo prazo/contrato. O Escritório das Nações Unidas em Genebra (UNOG), por exemplo, encontrou uma solução para contornar esse problema. O UNOG aconselhou determinados fornecedores a manter em estoque quantidades mínimas de artigos para emergências (por ex., barracas, cobertores, etc.), que poderiam ser disponibilizados em 24 a 72 horas. O UNOG incluiu esse acerto em uma cláusula dos seus contratos. Dispor de uma base de dados de acordos de longo prazo detalhada e atualizada permite conhecer e usar de forma coerente os acordos já existentes (veja um modelo no Anexo A.12). Como opção, pode-se decidir usar a funcionalidade LTA database (base de dados de acordos de longo prazo) disponível no portal do UNGM (<www.ungm.org>). 2.5 Implementação e uso de acordos de longo prazo conjuntos ( organismo líder em processos de compras ) 10 Neste modelo de cooperação, os organismos das Nações Unidas colaboram por meio de um processo de consulta conjunto. Este modelo é usado para alavancar a força do grupo e obter Harmonização das Compras da ONU

17 tarifas e preços que nenhum organismo conseguiria obter individualmente. Ademais, pode ajudar também a reduzir ineficiências e a carga de trabalho no longo prazo para todos os organismos participantes. Usado com frequência no nível dos países, este modelo é comumente aplicado às seguintes categorias de produtos: viagens, segurança, papel/artigos de papelaria, serviços bancários, comunicações (telefonia fixa e móvel), hotéis e hospedagem, limpeza, serviços postais e de remessa, serviços de manutenção, impressão e combustíveis Processo Figura 4: Consulta conjunta com um organismo líder ITB/RFP Contrato/ LTA Org. A 2 3 Fornecedor Rep. do Org. A Rep. do Org. B Rep. do Org. C Rep. do Org. D 1 Especif. Conjuntas Possivelmente, avaliação financeira e técnica conjunta Org. A Fornecedor Ordem de Compra Org. B 4 TCG x Org. C Org. B Org. C Org. D Fatura BENS SERVIÇOS Org. D 5 Para: Org. A, Org. B, Org. C or Org. D 1º etapa: Devem ser estabelecidos acordos de longo prazo conjuntos para os bens e serviços requisitados com mais frequência, conforme identificados pela OMT no nível do país. Assim, recomenda-se proceder a uma análise das despesas (veja a Seção 3.3) a fim de selecionar as categorias de produtos mais apropriadas. Isso também ajudará a estabelecer o volume global de compras no âmbito do acordo de longo prazo conjunto. Quando feitos de forma conjunta, a consulta e os acordos de longo prazo também podem ser considerados parte de um plano de preparação para a aquisição de artigos talvez difíceis de obter em uma situação de emergência. Neste modelo, os organismos envolvidos normalmente escolhem entre eles um para liderar o processo de compra. Em uma primeira etapa, os participantes (aqui, A, B, C e D) chegam a um acordo quanto às necessidades, ao edital e aos critérios de avaliação (por meio de representantes delegados a um comitê conjunto, formado por todos os organismos participantes) e ao processo a ser adotado. Neste ponto, talvez lhe seja útil o modelo de Plano de Seleção de Fornecedores (Anexo A.3). 2º etapa: O organismo A conduz o processo de consulta seguindo as suas próprias políticas e procedimentos na área de compras. O edital deve indicar claramente que o acordo de longo prazo resultante será aberto a outros organismos das Nações Unidas. 11 Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países

18 Outra opção nesta etapa pode ser que cada organismo venha a estabelecer o seu próprio acordo de longo prazo com o fornecedor. Neste caso, o edital deve indicar claramente se haverá apenas um ou vários desses acordos em consequência do processo de consulta. As consultas conjuntas podem estar sujeitas apenas às exigências de avaliação do organismo líder. Constitui boa prática que o organismo líder (organismo A) estipule a representação dos outros organismos participantes no comitê de avaliação das compras. O uso de um acordo de longo prazo compartido pode ou não exigir um segundo exame por um comitê de avaliação de outro organismo. 7 LTAs e contratos requerem gerenciamento de contratos e constante monitoramento 3º etapa: O organismo A fecha o processo de compra ao celebrar um acordo de longo prazo ou contrato com o fornecedor. Deve constar de um ou outro instrumento uma cláusula indicando que ele é aberto a outros organismos das Nações Unidas. Um modelo foi elaborado para esse fim (veja o Anexo A.7). Nos casos em que forem usados vários acordos de longo prazo, cada organismo fecha o processo de compra ao celebrar um acordo de longo prazo ou contrato com o fornecedor. Se for escolhida essa opção, os Termos e Condições Gerais (TCGs) de cada organismo farão parte do instrumento resultante. 4º etapa: Os organismos participantes agora podem emitir ordens de compra no âmbito do(s) acordo(s) de longo prazo/contrato(s). 5º etapa: A, B, C e D tratam diretamente com o fornecedor todos os aspectos operacionais relacionados às suas próprias ordens de compra (entrega, pagamento, etc.). Se há apenas um acordo de longo prazo ou contrato, A, como titular natural, o administrará em termos do desempenho do prestador, aditamentos e outras ações necessárias, porém o fará em consulta com os outros organismos das Nações Unidas participantes. Quando houver vários acordos de longo prazo, cada organismo será responsável pelo seu próprio acordo, inclusive por avaliar o desempenho do prestador, fazer aditamentos e tomar outras ações necessárias. De modo geral, é mais econômico celebrar apenas um acordo compartido. Observações: Os acordos de longo prazo e contratos exigem uma gestão e um monitoramento contínuos para garantir a eficiência e a otimização dos recursos. Vários acordos de longo prazo podem ser celebrados para a obtenção dos mesmos bens e serviços. Nesses casos, deve-se recorrer a uma pequena concorrência ou a uma licitação secundária para garantir a transparência e a otimização dos recursos. Cada organismo participante de uma iniciativa de compras em comum deve manter nos seus arquivos uma cópia de toda a documentação Dificuldades 12 As principais dificuldades ligadas ao uso deste modelo são: indicar um organismo líder quem conduzirá o processo de compras e assumirá a carga de trabalho? Essa dificuldade pode ser resolvida ao equilibrar a carga de trabalho, distribuindo as diversas categorias de Harmonização das Compras da ONU

19 produtos entre vários organismos no caso de múltiplas oportunidades de consulta conjunta, ou repartindo o trabalho (consulta, avaliação, etc.) entre os organismos participantes no caso de consulta individual. Chegar a um acordo sobre as especificações comuns, a consulta conjunta e os processos de avaliação exige um investimento inicial significativo de tempo e recursos. Dispor de uma base de dados de acordos de longo prazo detalhada e atualizada permite conhecer e usar de forma coerente os acordos existentes (veja um modelo no Anexo A.12). Como opção, pode-se decidir usar a funcionalidade LTA database (base de dados de acordos de longo prazo) disponível no portal do UNGM (<www.ungm.org>). 2.6 Uso dos serviços de compras de outros organismos das Nações Unidas Em determinadas circunstâncias, talvez seja conveniente ou necessário solicitar que outro organismo das Nações Unidas se encarregue de determinadas atividades de compras em seu nome. Essa abordagem pode ser especialmente vantajosa na compra de produtos ligados a um programa. Na verdade, muitos organismos da ONU que oferecem esses serviços se concentram em áreas diretamente ligadas à sua missão, ou seja, aquelas em que têm uma vantagem competitiva em termos de conhecimentos técnicos. Esse modelo de cooperação pode ser considerado em situações como: Conhecimento: Quando o seu organismo reconhece os conhecimentos especiais de outro organismo na compra de bens, obras ou serviços específicos. Capacidade em matéria de compras: Quando outro organismo dispõe da capacidade necessária em matéria de compras de que o seu organismo não dispõe em um determinado local. Capacidade administrativa: Quando, em um determinado país, o seu organismo não dispõe da capacidade administrativa nem em matéria de compras, as operações de compras podem ser feitas em nome do seu organismo ou por outro organismo que disponha dessas capacidades. Serviços compartidos: Em um determinado local, pode-se celebrar um acordo para que um único organismo preste determinados serviços administrativos a todos os organismos parceiros, por meio de um memorando de entendimento ou instrumento semelhante. O acordo pode abranger serviços relacionados a finanças, recursos humanos, gestão de viagens, compras e gestão de ativos. Uma alta porcentagem de organizações no Sistema das Nações Unidas compartilham ou dão acesso aos seus LTAs para Existem dois modelos para esse tipo de operação de compra: serviços de viagem 1) serviços de compras para uma operação específica (pontual ou repetida) e 2) serviços de compras no quadro de um projeto completo e mais voltado para a gestão de um projeto global, o que compreenderia uma ou mais operações de compras como parte da execução do projeto. Esses dois modelos são apresentados em mais detalhes nas seções a seguir. 13 Cooperação nas Atividades de Compras das Nações Unidas no Nível dos Países

20 2.6.1 Processo Uso de serviços de compras para uma operação específica 1º etapa: Como primeiro passo, um memorando de entendimento ou acordo semelhante deve ser estabelecido entre os organismos que desejam adotar este modelo de cooperação. O memorando estipulará o objeto e os termos e condições, detalhando as possíveis taxas de serviço, as condições de pagamento e a duração. O processo de implementação e renovação desse memorando deve ser planejado dentro do devido prazo, ou seja, anualmente ou de acordo com a duração específica da cooperação. 2º etapa: Quando surge uma necessidade de compra específica nos termos do memorando de entendimento, o organismo B emite um pedido especificando os detalhes da compra solicitada a A. O organismo A submete à aprovação de B uma estimativa de custo, refletindo os custos estimados e uma taxa de administração e outras cobranças eventuais, conforme o caso. Após a aceitação de B, os recursos normalmente são transferidos de B para A antes que se dê início à compra, salvo acordo em contrário. Figura 5: Uso dos serviços de compras de outros organismos das Nações Unidas para uma operação específica 1 MoU 3 ITB/RFP Org. B 2 Solicitação Execute a operação de compra Org. A 4 Contrato/ LTA Fornecedor TCG Org. A Fornecedor 5 BENS SERVIÇOS Fatura Fatura 7 Para: Org. B, com taxa de serviço 6 Para: Org.A 3º etapa: O organismo A se encarregará do serviço de compras solicitado, por exemplo, a aquisição de determinados bens ou serviços, por meio de um processo de consulta. Esse processo normalmente é realizado dentro dos regulamentos, normas e políticas de compra de A. 4º etapa: O organismo A conduz o processo de compra ao celebrar ou usar um acordo de longo prazo ou contrato já existente com o fornecedor e emitir a ordem de compra, normalmente seguindo os seus TCGs, salvo no caso de disposições especiais terem sido incluídas no memorando de entendimento. 14 5º etapa: O fornecedor (ou A) providencia a entrega a B dos bens ou serviços solicitados. 6º etapa: O fornecedor envia a A uma fatura pelo bens e serviços entregues. 7º etapa: O organismo A emite uma fatura para B. Harmonização das Compras da ONU

Anexo F: Ratificação de compromissos

Anexo F: Ratificação de compromissos Anexo F: Ratificação de compromissos 1. Este documento constitui uma Ratificação de compromissos (Ratificação) do Departamento de Comércio dos Estados Unidos ("DOC") e da Corporação da Internet para Atribuição

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 17 a 21 de junho de 2013 Tema 7.3 da Agenda Provisória CE152/INF/3 (Port.) 26 de

Leia mais

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 4 de outubro de 2013 Tema 5.2 da Agenda Provisória CE153/5 (Port.) 30 de setembro

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1

Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Plano de Gerenciamento das Aquisições Exemplo 1 Este plano descreve como serão administrados os processos de aquisição de bens e serviços neste projeto. As perguntas a serem respondidas no plano são: o

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL INTRODUÇÃO... 2 1. ACESSO À INFORMAÇÃO... 3 1.1. Disposições gerais... 3 1.2. Cumprimento... 3 1.3. Supervisão...

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

ADMIRAL MARKETS UK LTD POLÍTICA DE EXECUÇÃO NAS MELHORES CONDIÇÕES

ADMIRAL MARKETS UK LTD POLÍTICA DE EXECUÇÃO NAS MELHORES CONDIÇÕES ADMIRAL MARKETS UK LTD POLÍTICA DE EXECUÇÃO NAS MELHORES CONDIÇÕES 1. Disposições gerais 1.1. As presentes Regras de Execução nas Melhores Condições (doravante Regras ) estipulam os termos, condições e

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar

Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Certificado uma vez, aceito em qualquer lugar Introdução O International Accreditation Forum (IAF) é uma associação mundial de Organismos de Acreditação, Associações de Organismos de Certificação e outras

Leia mais

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI Notas de orientação 9 3 de julho de 2015 Estas notas de orientação foram produzidas pela Secretaria Internacional da EITI para ajudar os países implementadores a publicarem dados eletrônicos do Relatório

Leia mais

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos.

Celebrado em Brasília, aos 20 dias do mês de março de 1996, em dois originais, nos idiomas português e alemão, ambos igualmente válidos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERAL DA ALEMANHA SOBRE COOPERAÇÃO EM PESQUISA CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO O Governo da República

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros 21 de junho de 2013 Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros Fernando Lage Sócio-Diretor KPMG Risk Advisory Services Definição A definição de Control Self Assessment (Auto

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil Pautas para a promoção da acessibilidade das TIC para pessoas com Deficiência na região das Americas Preâmbulo

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa.

Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa. Com esse guia, nós vamos te ajudar a organizar a gestão das viagens da sua empresa. Economizar é a prioridade e sabemos que é possível ter até 40% de economia se a empresa nunca teve nenhum tipo de controle

Leia mais

Comitê Consultivo Governamental

Comitê Consultivo Governamental Comitê Consultivo Governamental Regras de auxílio viagem do GAC 23 de junho de 2015 Histórico O orçamento da ICANN determinou o auxílio viagem para 30 membros do GAC em cada encontro da ICANN. Esses membros

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário

Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS. Representação no Brasil Setor Fiduciário Banco Interamericano de Desenvolvimento CICLO DE PROJETOS Representação no Brasil Setor Fiduciário Ciclo de projetos Cada projeto financiado pelo BID passa por uma série de etapas principalmente as de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Associados Comerciais estabelecidos fora dos Estados Unidos Número da Política: LEGL.POL.102

Associados Comerciais estabelecidos fora dos Estados Unidos Número da Política: LEGL.POL.102 1.0 Finalidade 1.1 A CommScope, Inc. e suas empresas afiliadas ( CommScope ) podem, a qualquer tempo, contratar consultores, agentes de vendas, conselheiros e outros representantes e, frequentemente, estabelecer

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento Access the complete publication at: http://dx.doi.org/10.1787/9789264175877-pt Sumário executivo

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Brazil. Improvement Plan. Thematic window: Children, Food Security & Nutrition

Brazil. Improvement Plan. Thematic window: Children, Food Security & Nutrition Brazil Improvement Plan Thematic window: Children, Food Security & Nutrition Programme Title: MDGs beyond averages: Promoting Food Security and Nutrition for Indigenous Children in Brazil Rascunho do Plano

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC. FAQs Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC FAQs Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC. Perguntas Mais Frequentes

Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC. Perguntas Mais Frequentes Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC Perguntas Mais Frequentes 1) Onde encontro o Formulário Online de Propostas? O formulário Online

Leia mais

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas

PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas 13 de maio de 2015 PPP e Desenvolvimento de Competências Desenvolvimento e implementação de projetos de parcerias de desenvolvimento público-privadas Virpi Stucki Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENai SESi de inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES 3 1)

Leia mais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais C A P E S Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) convida as instituições públicas de ensino superior

Leia mais

Sistema de Qualificação do Fornecedor (SQS)

Sistema de Qualificação do Fornecedor (SQS) Sistema de Qualificação do Fornecedor (SQS) Visibilidade global dos fornecedores Shell www.shell.com/supplier/qualification Nossa abordagem à pré-qualificação dos fornecedores O setor de contratos e aquisições

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Caro parceiro, Queremos fornecedores e parceiros que tenham nível de comprometimento com a sociedade tão amplo quanto o do Rio 2016.

Caro parceiro, Queremos fornecedores e parceiros que tenham nível de comprometimento com a sociedade tão amplo quanto o do Rio 2016. Caro parceiro, O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 trabalha para entregar Jogos excelentes, com celebrações memoráveis que irão promover a imagem global do Brasil, baseados

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais