Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Planejamento e Controle da Manutenção na empresa Louis Dreyfus Commodities unidade Ponta Grossa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Planejamento e Controle da Manutenção na empresa Louis Dreyfus Commodities unidade Ponta Grossa"

Transcrição

1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Planejamento e Controle da Manutenção na empresa Louis Dreyfus Commodities unidade Ponta Grossa Banca: Thiago Antonini Alves Rui Tadashi Yoshino Felipe Barreto Campelo Cruz Realizado por: Vivian Machado Ponta Grossa, 03 de fevereiro de 2014.

2 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Ponta Grossa Coordenação de Engenharia Mecânica e de Engenharia de Produção Mecânica TERMO DE APROVAÇÃO do ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO por Vivian Machado A Defesa Final desse Estágio Curricular Obrigatório foi realizada em 03 de fevereiro de 2014 como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Engenharia Mecânica. A candidata foi arguida pela Banca Examinadora composta pelos professores abaixo assinados. Após deliberação, a Banca Examinadora considerou o estágio aprovado. Prof. Dr. Thiago Antonini Alves Prof. Orientador Prof. Dr. Rui Tadashi Yoshino Membro Titular Prof. Dr. Eng. Felipe Barreto Campelo Cruz Coordenador de Estágios dos Cursos de Engenharia Mecânica e de Engenharia de Produção Mecânica UTFPR/Campus Ponta Grossa Prof. Dr. Thiago Antonini Alves Coordenador dos Cursos de Engenharia Mecânica e de Engenharia de Produção Mecânica UTFPR/Campus Ponta Grossa - O Termo de Aprovação assinado encontra-se na Coordenação do Curso -

3 Lista de Figuras Figura 1 Unidades Louis Dreyfus Commodities no Brasil...5 Figura 2 Processo de Beneficiamento de Soja...6 Figura 3 Cálculo do MTBF através da planilha criada como modelo...10 Figura 4 Pareto correspondente as horas de manutenção gastas nos diferentes setores Figura 5 Pareto por famílias de equipamentos...14 Figura 6 Exemplo de TAG...,,...15

4 Lista de Tabelas Tabela 1 Indicadores de manutenção...9 Tabela 2 Variáveis correspondentes as ordens de serviço...11

5 Sumário 1. Identificação Responsabilidade pelas Informações Introdução Descrição da Empresa Histórico Louis Dreyfus Commodities Louis Dreyfus em Ponta Grossa Beneficiamento do grão de soja Descrição das Atividades Desenvolvidas no Estágio Atividades desenvolvidas Controle dos indicadores de manutenção Controle das ordens de serviço Envolvimento com o processo de Tagueamento Atualização de inspeções e documentações Auxílio nas programações de paradas de manutenção Contato com fornecedores e solicitação de orçamentos Atuação no mini-negócio MEN AT WORK Treinamentos/Eventos Dificuldades Encontradas Áreas de Identificação com o Curso Resultados Conclusão... 24

6 1. Identificação Aluna Nome: Vivian Machado Registro Acadêmico: Telefone: (42) Empresa Louis Dreyfus Commodities - Unidade Ponta Grossa CNPJ: / Endereço: Rodovia BR km 506,75 Distrito Industrial Ponta Grossa/PR CEP: Telefone: (42) Site: Professor Orientador Nome: Thiago Antonini Alves Telefone: (42) Formação: Engenheiro Mecânico Supervisor de Estágio Nome: Tiago Manosso de Castro Telefone: (42)

7 Cargo: Gerente de Manutenção Industrial Formação: Tecnólogo em Processos de Fabricação Mecânica Estágio Cargo: Estagiária de Manutenção Horário: 8:00 às 15:30 (seg-sex) com intervalo de 90 minutos (30 horas semanais) Início: 01/08/2013 Conclusão: 03/02/2014 Carga horária: 780 horas (mínimo 400h) Plano de estágio: Auxiliar na elaboração de planilhas de controle, indicadores de desempenho, elaboração de procedimentos e documentação pertinente a área de PCM (Planejamento e Controle da Manutenção).

8 2. Responsabilidade pelas Informações Este relatório apresenta as atividades realizadas durante o estágio da aluna Vivian Machado na empresa Louis Dreyfus Commodities, com o intuito de avaliar o aprendizado e validar a disciplina de Estágio Obrigatório do 10 Período do Curso de Engenharia Mecânica, da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR, campus Ponta Grossa. Para isto, os seguintes declaram sua responsabilidade quanto à veracidade das informações apresentadas. ALUNA: Eu, Vivian Machado, estudante do Curso Superior de Engenharia Mecânica na Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Ponta Grossa, sob número de matrícula , declaro estar ciente da veracidade das informações contidas neste relatório referente às atividades de estágio desenvolvidas na empresa Louis Dreyfus Commodities, Ponta Grossa-PR. SUPERVISOR: Vivian Machado Aluno/ Estagiário Eu, Tiago Castro, Gerente de Manutenção na empresa Louis Dreyfus Commodities, supervisor da estagiária Vivian Machado, afirmo que todas as informações contidas neste relatório são verdadeiras e responsabilizo-me pelas mesmas. Tiago Manosso de Castro Gerente de Manutenção Industrial

9 3. Introdução Este relatório tem como principal objetivo, expor as atividades realizadas pela acadêmica do curso de Engenharia Mecânica, Vivian Machado, no setor de Manutenção, na empresa Louis Dreyfus Commodities, alocada no distrito industrial da cidade de Ponta Grossa/Paraná. A unidade da Louis Dreyfus Commodities onde foi realizado o estágio corresponde a uma das 5 unidades no Brasil do processamento da soja, produzindo três subprodutos principais: Óleo de soja, Lecitina e Farelo. O estágio realizado compreende a grande área de Manutenção, mais especificamente o Planejamento e Controle, assunto que surge por volta de 1900 com as primeiras técnicas de planejamento de serviço por Taylor e Fayol (VIANA, 2006). Do latim manus tenere, que significa manter o que se tem, a manutenção com seu planejamento e controle bem efetuados, são essenciais para o bom desempenho de uma planta industrial e uma boa produção. O objetivo central do estágio foi atuar na área de manutenção, absorvendo o máximo possível de conhecimento, não restritos apenas a esta área, como também a todo o âmbito industrial, e principalmente colocar em prática todo o embasamento teórico construído durante os anos de academia. Dentro do escopo do plano de atividades, podemos incluir o controle dos indicadores de manutenção, o auxilio no planejamento, a atualização das documentações como inspeções de rota e cronogramas, e controle de ordens de serviço. Todas as atividades desempenhadas durante aproximadamente seis meses de estágio serão explicitadas na sequência.

10 4. Descrição da Empresa 4.1. Histórico Louis Dreyfus Commodities Líder mundial no setor agrícola, a Louis Dreyfus Commodities possui mais de 160 anos atuando no mercado e com operações mais de 90 países. Em solo Brasileiro, se instalou em 1924 e atualmente está em operação em mais de 12 estados, representando uma das maiores operações do Grupo no mundo. Atuando desde a originação, produção, transporte, armazenagem, comercialização até o beneficiamento de produtos agrícolas, a Louis Dreyfus Commodities possui uma estratégia sustentada na diversificação de seus negócios, com as seguintes plataformas de atuação no Brasil. Figura 1 - Unidades Louis Dreyfus no Brasil Louis Dreyfus em Ponta Grossa A unidade instalada em Ponta Grossa, a qual foi realizada o estágio, corresponde a uma das plataformas de grãos e oleaginosas, trabalhando diretamente com a soja. Produzindo basicamente três subprodutos do grão, a planta abastece o mercado com o óleo de soja, farelo para a confecção de ração animal, e a lecitina utilizada na indústria alimentícia e química. A unidade de Ponta Grossa é dividida em setores, os quais englobam desde o recebimento da soja até seu embarque em forma de produto beneficiado. Os principais setores da empresa são: Recebimento, Preparação, Extração e Refinaria.

11 4.3. Beneficiamento do grão de soja Com grandes perspectivas para se tornar o maior produtor mundial de soja em 2014, o Brasil possui grande destaque no ramo e graças a tecnologia, consegue agregar valor ao grão pelo processo de beneficiamento. As etapas principais para a obtenção do óleo de soja, da lecitina e do farelo de soja, são esquematizadas na Fig. 2. Recebimento Pré-limpeza Secagem (14%) Armazenagem Secagem (10,5 a 11%) Quebra Descasque Condicionamento Laminação Extração Farelo de soja Óleo se soja bruto degomado Refinaria Óleo refinado Lecitina Figura 2 Processo de beneficiamento da soja

12 5. Descrição das Atividades Desenvolvidas no Estágio O estágio em questão foi realizado no setor de manutenção, mais especificamente na oficina mecânica onde existe uma sala que ficam alocados o PCM (Planejador do Controle da Manutenção) e os supervisores de manutenção mecânica, elétrica e de produtividade. A Louis Dreyfus Commodities atualmente se encontra em um processo de implementação do módulo PM (Plant Maintenance Planta de Manutenção) do SAP. Trata-se de um projeto grande, onde mais unidades no Brasil também estão passando por esta mudança. Atualmente os controles e planejamentos são realizados basicamente através de planilhas no Excel. Os tipos de manutenção que foram vivenciados durante o estágio foram a manutenção preditiva, preventiva e corretiva. O envolvimento durante o estágio não se restringiu apenas as atividades apresentadas no programa. Algumas atividades como participação do mini-negócio, entre outras, foram contempladas e agregaram um valor extra para os conhecimentos. As principais atividades desenvolvidas e as participações extras são demonstradas e explicadas nos tópicos na sequencia Atividades desenvolvidas Controle dos indicadores de manutenção A fim de retratar aspectos importantes no processo produtivo, os indicadores de manutenção, também definidos como KPIs (Key Performance Indicators Indicadores Chave de Performance) são de extrema importância e devem ser controlados e avaliados mensalmente. Durante a execução do estágio, uma das atividades desenvolvidas foi o controle mensal dos indicadores pré definidos e utilizados pela Louis Dreyfus. Primeiramente as orientações sobre os indicadores foram repassadas e um estudo a respeito delas foi executado para que houvesse uma familiarização. Na sequencia, a atividade de coleta e

13 compilação dos dados para preenchimento da planilha contendo os cálculos dos KPIs era realizada mensalmente durante todo o período de estágio (agosto até dezembro), para todas as unidades do divisional (Alto Araguaia/MT, Jataí/GO, Itumbiara/MG, Paraguaçu Paulista/SP e Ponta Grossa/PR). Os valores para cálculo dos KPIs referentes às unidades de Alto Araguaia, Jataí, Itumbiara e Paraguaçu Paulista eram solicitados junto aos responsáveis de cada unidade e compilados na planilha, já os para os indicadores de Ponta Grossa-PR, as informações eram obtidas internamente pela estagiária. Uma relação contendo os Indicadores estudados e controlados durante o estágio é apresentada na Tab. 1.

14 Tabela 1 - Indicadores de Manutenção Maintenace KPIs (Key Performance Indicators) Indicadores chave-desempenho OEE - Overall Equipment Effectivenesss (Eficiência Global do Equipamento) MTBF - Mean Time Between Failures (Tempo médio entre falhas) OVERTIME (Horas extras) PRODUCTIVITY (Produtividade) OPEX - Operational Expenditure (Despesas Operacionais) OPEX x INPUT PROCESSED (Despesas Operacionais x Entradas Processadas) CAPEX - Capital Expediture (Despesas de Capital) PROACTIVE WORK (Trabalho Proativo) TRAINING HOURS (Horas de Treinamento) Definição Mensura a eficiência do processo produtivo/equipamento, baseado na disponibilidade, performance e qualidade. Período médio entre falhas corresponde à confiabilidade de um equipamento. Indica quando pode ocorrer uma falha em questão. Quanto maior este valor, maior a confiabilidade. Corresponde as horas extras realizadas pela equipe de manutenção. Mede a produtividade equivalente a cada funcionário da equipe de manutenção. Capital utilizado para manter os bens físicos da empresa, como equipamentos por exemplo. Valor gasto para manter os bens, em relação à produção. Despesas de capital mensura o valor gasto com bens de capital. Trabalho proativo, leva em consideração as horas disponíveis para trabalho e as horas que são utilizadas para manutenção. Mensura a quantidade de horas de treinamento da equipe de manutenção. A partir o estudo e um alinhamento com o Supervisor de estágio, foi possível criar uma planilha modelo, contendo a maneira correta de calcular cada indicador, para assim consolidar

15 um padrão. Esta planilha foi aprovada e repassada para os responsáveis de cada unidade, assim, no final do estágio, a coleta dos dados se deu de forma mais facilitada e com maior confiança. O exemplo de um dos indicadores da planilha modelo é apresentado na Fig. 3. O indicador em questão é o MTBF, onde o cálculo é demonstrado com o significado de todas as siglas envolvidas e também a fonte de onde se obtém os dados. Figura 3 - Cálculo do MTBF através da planilha criada como modelo A criação de uma representação gráfica de todos os indicadores, separados por unidades e na sequencia um comparativo, foi realizada também durante o estágio. Desta maneira é possível uma melhor visualização, obtenção de parâmetros, análise de metas e maior facilidade para encontrar erros.

16 Controle das ordens de serviço Com o objetivo de controlar a manutenção, apontar os materiais utilizados, a mão de obra e o tempo desprendido para a realização da manutenção, as ordens de serviço devem ser abertas e encerradas. Por não possuírem ainda um software de manutenção implementado, o controle das ordens é realizado através de planilhas no Excel. Uma das atividades durante o período de estágio foi o controle das ordens de serviço, que após serem encerradas, eram enumeradas de acordo com uma sequencia estabelecida, então os dados eram lançados a uma planilha e na sequencia serviam de fonte para obtenção de dados como: Histórico de manutenção corretiva Histórico de manutenções preventivas Controle de horas de manutenção Controle de horas/homem de trabalho na manutenção As variáveis relatadas na planilha de ordens de serviço são: Tabela 2 - Variáveis correspondentes as ordens de serviço n da Solicitante Setor Tag Família Prioridade Especialidade OS LAMI- 123 João Preparação LAMI A Mecânica Data de Data de Hora Hora Total de Consumo de Funcionário Matrícula solicitação execução inicial Final Horas material (02) Rolamentos 1/1/2014 2/1/2014 Vivian :00 12:00 04: ZZ Um estudo utilizando a ferramenta do gráfico de Pareto foi realizado mensalmente para a classificação dos setores que mais demandam de manutenção na planta. O conceito da criação do gráfico de Pareto está relacionado com a priorização de ações.

17 Como não é possível atacar em todos os setores, ou todos os equipamentos que demandam muitas horas de manutenção, os principais podem ser definidos de acordo com a criação de um gráfico de barras que ordena a frequência das ocorrências em ordem decrescente. O valor de porcentagens acumuladas das ocorrências permite observar onde se enquadram as 20% das causas que geram 80% das consequências. A Fig. 4 exemplifica um dos gráficos de Paretos criados durante o estágio. Ele foi construído, baseado nas horas de manutenção demandadas pelos diferentes setores da fábrica, demonstrando que a maior parte do trabalho foram realizados no setor do Recebimento II, que é onde a soja é recebidas após os caminhões passarem pelos tombadores. Em segundo lugar está o setor da Preparação, que é onde a soja é preparada para o processo de extração do óleo. De acordo com o conceito de 80/20 no gráfico, os setores que se forem atacados surtirão mais efeitos são: Setor 1, Setor 2, Setor 3 e Setor 4. Figura 4 Diagrama de Pareto correspondente as horas de manutenção gastas nos diferentes setores. Outro exemplo de gráfico de pareto utilizado no estudo, foi o que separa as horas de manutenção por famílias de equipamentos. As famílias correspondem a diferentes equipamentos

18 com as mesmas características. Na Fig. 5, um pareto representando as fámilias demostra que dentro do conceito 80/20, as familias de equipamentos que precisam ser prorisadas são: TCOR (Transportadores de correia); LAMI (Laminadores); ECAN (Elevadores de caneca); VROT (Válvulas rotativas); TTAL (Transportadores de Talisca); BHEL (Bombas helicoidais); TCAL (Trocadores de calor). As demais famílias de equipamentos representadas no gráfico são: CALD: Caldeira; BCEN: Bomba Centrífuga; SECA: Secador; TRAT: Trator; TCSI: Transportador de Corrente Simples; CHID: Condicionador Hidráulico; TCDU; Transportador de Corrente Duplo; LGAS: Lavador de Gases; VENT: Ventilador; PEXP: Prensa Expander; EXAU: Exaustor; BALA: Balança; ALIM: Alimentador; SILO: Silo; DTOS: Dessolventizador Tostador; THEL: Trasnportador Helicoidal; GUIN: Guindaste; MMAR: Moinho de Martelos; CANC: Cancela.

19 Figura 5 Diagrama de Pareto por famílias de equipamentos.

20 Envolvimento com o processo de Tagueamento Por se encontrar em uma fase de implementação de um software de manutenção, o módulo PM do SAP, a Louis Dreyfus Commodities necessitou da realização do processo de tagueamento, para identificar os objetos físicos individuais, os sistemas e áreas comuns da empresa. A palavra inglês TAG significa etiqueta de identificação, e o termo tagueamento, representa a identificação da localização das áreas operacionais e seus equipamentos, para um controle setorizado e uma melhor organização da manutenção. (VIANA, 2006). Assim é possível também criar a chamada Árvore Estrutural, que permite visualizar a localização dos equipamentos ou de um determinado item, a posição no sistema a que pertence e os chamados equipamentos pais ou filhos. Os TAGS são formados basicamente por quatro letras e quatro números, como no exemplo: LAMI-0101 Figura 6 Eemplo de TAG As letras representam as inicias da palavra correspondente ao nome do equipamento, como no exemplo citado, LAMI equivale a LAMINADOR. Já para nomes de equipamentos compostos por duas palavras, é utilizada a primeira letra da primeira palavras e as demais letras da segunda palavra, e assim sucessivamente, como por exemplo, CHOR - Condicionador Horizontal, ou TCSI Transportador de corrente simples. Quanto aos números, os dois primeiros correspondem à identificação do setor, e os dois últimos ao número do equipamento. Durante o estágio, uma empresa terceirizada foi contratada para a realização do tagueamento da fábrica. O acompanhamento do processo e algumas tarefas relacionadas, como por exemplo, a separação de famílias de equipamentos, contabilidade dos mesmo e criação de códigos foram realizada durante o estágio.

21 Uma experiência que forneceu um grande crescimento em relação ao conhecimento de equipamentos foi o auxílio na colagem das placas com os TAGS, nos equipamentos no setor da Extração. O acompanhamento de um mecânico com vários anos de experiência foi de grande valia para o aprendizado prático e identificação de novos equipamentos até então desconhecidos Atualização de inspeções e documentações Com a realização do tagueamento em toda a planta, uma padrão de identificação dos equipamentos foi estabelecido, assim as documentações desatualizadas sofreram alterações. O auxílio na alteração da documentação, com a atualização dos novos TAGS dos equipamentos foi realizada durante o estágio, além do controle, impressão e fornecimento das inspeções quinzenais quando se tratava de manutenção mecânica e semanais no caso de manutenções elétricas Auxílio nas programações de paradas de manutenção Durante o período de estágio, foram realizadas duas paradas de manutenção, uma de apenas um dia (19 de novembro de 2013) e outra denominada como parada anual entre safra que se estendeu do dia 06 de janeiro de 2014 até dia 24 de janeiro. Para a realização das paradas, principalmente a anual, se faz necessário todo um planejamento antecipado envolvendo desde a definição dos serviços a serem realizados até a solicitação de orçamentos, definição de terceiros e empresas que prestarão serviços e fornecerão insumos, fechamento de contratos e principalmente uma organização para que todo o trabalho seja realizado em tempo hábil e a fábrica volte a produzir no prazo definido e em bom estado. Durante o estágio, o auxilio na programação, bem como o contato com alguns fornecedores foi desenvolvido em parceria com o PCM. Na parada anual, o controle dos terceiros que trabalharam na empresa prestando serviços também foi uma tarefa desempenhada.

22 Contato com fornecedores e solicitação de orçamentos O contato com fornecedores a fim de solicitação de orçamentos foi realizada várias vezes durante o estágio, principalmente no período pré-parada. Uma experiência extra foi a solicitação para a aquisição de uma determinada polia, a criação de um esboço foi então realizada para sua fabricação. O contato com o fabricante se deu em conjunto com o supervisor de manutenção e as medidas e o esboço foram realizados pela estagiária e conferidos pelo fabricante Atuação no mini-negócio MEN AT WORK A Louis DreyfusCommodities possui um programa de desenvolvimento de novas atitudes e de produtividade denominado como DNA (Desenvolvendo novas atitudes). Este programa gera a separação dos setores da fábrica em mini-negócios, ou seja, espécies de negócios independentes que se complementam, possuem fornecedores e consumidores internos e que possuem metas e devem realizar atividades para aumento da produtividade e melhorias. Cada mini-negócio é composto por seus líderes e por membros representantes dos setores. A fábrica é dividida em cinco mini-negócios com seus correspondentes setores: Best Stage (Recebimento) Equipreparo (Preparação) Mini-Max (Extração) Gervap (Caldeira) LDR (Lecitina, Degomação e Refinaria) Men at work (Manutenção) Possuindo um mini negócio próprio correspondente ao setor da manutenção, no Men at work, foram desenvolvidas atividades durante o período de estágio, como a participação nas

23 reuniões diárias, sugestão e auxilio na implementação de inovações e realização de abordagens de segurança. Mensalmente, são realizadas as reuniões denominadas como reuniões de múltiplos níveis as quais contam com a presença dos representantes dos mini-negócios, a fim de serem apresentadas melhorias realizadas na fábrica e as inovações criadas. Durante o período de estágio, a participação nestas reuniões acarretou uma experiência impar, pois poder visualizar os próprios operadores terem ideias, implementá-las, renderem resultados favoráveis e por fim, apresentarem usando recursos multi-mídia era muito gratificante e trazia um conhecimento agregado que somente os operadores podem repassar, uma vez que quem mais conhece o processo produtivo, são aqueles que atuam diretamente fazendo a produção acontecer Treinamentos/Eventos Durante o período de estágio, foram realizados treinamentos e participação em eventos fornecidos pela empresa como: Treinamento de HACCP (Hazard Analysis and Critical Control Points Análises de Perigos e Pontos Críticos de Controle) e Segurança de alimentos Treinamento de Proteção Respiratória Treinamento de PCA (Programa de Conservação Auditiva) Treinamento de Conceitos e Ferramentas da Qualidade Treinamento de Etiquetas e anomalia Café de integração com o Gerente Comercial Participação no call-conference Quarterly Review August 2013 LDC Maintenace Program. Participação no teatro Os malefícios do Alcool na SIPAT-2013 (Semana Interna de Prevenção de Acidentes) Palestra/ Workshop - Dengue - Grupo Zoonose

24 Palestra Lei Seca - Polícia Rodoviária Federal Participação na auditoria de HCCP e GMP+ (Segurança Alimentar) Participação em reuniões de múltiplos níveis e revisões de progresso Visita ao Serviço de Proteção à criança Pequeno Anjo

25 6. Dificuldades Encontradas A princípio a principal dificuldade encontrada foi a de relacionamento interpessoal e adaptação ao ambiente. Como primeira experiência no setor industrial, se familiarizar com os operadores e passar a confiança foram o primeiro desafio vencido. Superar a timidez e se relacionar com os fornecedores e prestadores de serviço também foi uma dificuldade encontrada, porém, eliminada com o passar dos meses. A falta de conhecimento do maquinário, dos setores, e por apresentar grande complexidade, do processo produtivo, foi uma dificuldade nos primeiros meses de estágio. Com o passar do tempo, convivência com os operadores e com o processo produtivo estas dificuldades foram sanadas.

26 7. Áreas de Identificação com o Curso O estágio realizado contemplou principalmente a área de gestão da manutenção, a qual engloba indiretamente muitas outras. Para um bom planejamento e controle da manutenção se faz necessário o conhecimento desde processos de fabricação, materiais, projetos até noções de gestão e gerenciamento de custos e pessoas. Durante o estágio percebeu-se que das áreas da Engenharia, a manutenção é a que engloba mais conhecimentos variados e fornece uma visão holística de todo o processo produtivo. Servindo como base para o desenvolvimento do estágio a disciplina de Gestão da Manutenção, forneceu fundamentação teórica para a utilização das ferramentas, conceitos envolvendo a TPM (Total Productive Maintenance), indicadores de manutenção e os tipos de Manutenção Preventiva, Preditiva e Corretiva. A relação direta ou indireta das demais disciplinas cursadas durante a graduação com as atividades executadas durante o estágio, são listadas: Gestão da qualidade: Utilização de ferramentas da qualidade como Gráfico de Pareto, Ishikawa e demais conceitos. Relação direta com as normas de segurança alimentar como HACCP e GMP+. Gestão de Pessoas: Auxilio direto para o bom relacionamento interpessoal, possibilitando uma boa convivência com os diferentes níveis hierárquicos da empresa. Segurança no trabalho: Auxilio para a execução do trabalho com segurança, fornecendo conhecimentos necessários para o convívio industrial, conhecimentos de EPIs adequados. Elementos de máquina: Conhecimentos de elementos de máquina como rolamentos e correias, convívio com catálogos para escolha de materiais os quais foram vivenciados durante o estágio. Materiais de construção mecânica: Embasamento para o reconhecimento de materiais e propriedades.

27 Desenho técnico: Embasamento para interpretação de desenhos e até mesmo realização de rascunhos para confecção de peças. Metrologia: Conhecimentos para realização de medições e utilização de instrumentos como o paquímetro. Engenharia Econômica: Noções de cálculos relacionados a orçamentos e redução de custos. Processos de Fabricação Mecânica: Conhecimento e vivência com processos no interior da oficina, como soldagem, usinagem e conformação. Vibrações: Foi possível observar os conceitos aplicados na manutenção preditiva conhecida como Análise de vibrações Transferência de calor: Foi possível observar os conceitos aplicados na manutenção preditiva conhecida como Termografia, vivencia prática de manutenção e conhecimento de tipos de trocadores de calor. Geração e distribuição de vapor: Conhecimentos para um melhor entendimento do processo de geração de vapor para alimentação da fábrica e possibilidade de observar na prática o funcionamento de uma caldeira. Máquinas de fluxo: Conhecimento e identificação de diferentes tipos de bombas para finalidades distintas. Mecânica dos fluidos: Conceitos de viscosidade e propriedades de diferentes fluidos utilizados no processo produtivo. Termodinâmica: Conceitos bascos para o entendimento e aplicação de processos relacionados com trocas térmicas e diferenças de fases de fluidos.

28 8. Resultados Como resultados da execução do estágio pode-se enumerar resultados benéficos tanto para a empresa, quanto para a estagiária. A padronização no preenchimento das planilhas de indicadores de manutenção gerou uma maior facilidade e entendimento dos conceitos, uma vez que agora os indicadores são avaliados internamente pelas unidades antes de serem enviados para a compilação dos resultados. A visualização gráfica dos indicadores com a comparação entre as unidades possibilita uma melhor visualização do desenvolvimento dos mesmos no passar dos meses, uma analise visual para a criação de metas e tendências, como também facilita a visualização de erros e valores fora do aceitável. A realização da organização e separação de alguns documentos arquivados, como catálogos e ordens de serviços possibilitou um melhor acesso e facilidade para a obtenção de informações. Durante a execução do estágio o auxílio nas atividades de planejamento e controle da manutenção, possibilitou também uma maior eficiência dentro do setor, uma vez que as atividades não estavam concentradas apenas nas mãos do PCM, pois existia então um auxílio da parte da estagiária, principalmente nos períodos pré-parada de manutenção. Já os resultados pessoais foram de vivência com a prática, conhecimentos do processo de extração do óleo de soja, maquinário, vivência no setor industrial e principalmente o crescimento profissional e pessoal. Outro grande ganho foi o desenvolvimento a fim de sentir confiança para encarar desafios e executar atividades.

29 9. Conclusão O processo de execução do estágio foi o momento mais esperado durante o curso de Engenharia. Poder estar no ambiente industrial, vivenciar a prática, sempre foram de grande almejo. Atuar no setor de manutenção, vivenciar o processo produtivo e conviver com diferentes pessoas durante o estágio, superou as expectativa criadas inicialmente. Os conhecimentos práticos, a observação dos processos e vivência com a engenharia em execução, foi uma experiência que agregou valor não somente para a vida profissional como também ao desenvolvimento como pessoa e futura Engenheira. A execução do plano de estágio e o envolvimento extra em outras atividades e tarefas puderam fornecer uma visão prática, dos conhecimentos até então limitados a sala de aula e laboratórios acadêmicos. Poder conviver com profissionais com anos de experiência e muito conhecimento prático, foram uma das maiores conquistas durante o estágio. Ganhar a confiança e absorver o máximo de conhecimento possível foi uma vitória que não tem preço. Por fim, são relatados os mais sinceros agradecimentos a todos que de alguma forma contribuíram para a execução do estágio, que ajudaram a construir uma visão prática do ambiente industrial e principalmente a Louis Dreyfus Commodities, por acreditar no potencial da estagiária, não se deixando levar pelo preconceito, e possibilitando a gratificante oportunidade de atuar na área de Manutenção. Aqui, são deixados registrados os agradecimentos especiais para: Tiago Castro (Gerente de Manutenção e Supervisor de estágio), Ariana Dias (Trainee Industrial), Halisson Dotes (PCM), Fabiana Dias Aranha (Supervisora de Produtividade), Célio Chmiloviski (Supervisor de Elétrica) e Adair Mello (Supervisor da Mecânica).

Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO

Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO Banca: Prof. Alexandre

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com

Gerenciamento de Projetos. Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com Gerenciamento de Projetos Prof. Dr. Rodolfo Miranda de Barros rodolfomdebarros@gmail.com MODELO DE GERENCIAMENTO PMI PMI (Project Management Institute); O modelo PMI é divido em áreas de conhecimento da

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio. Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio. Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Banca: Prof. Dr. Eng. Laércio Javarez Júnior Prof. Dr.

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ALEXANDRE PRADO BARBOSA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ALEXANDRE PRADO BARBOSA Relatório

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Corporação BUNGE BRASIL

Corporação BUNGE BRASIL Corporação BUNGE BRASIL Esta é uma jornada de uma grande corporação, onde trabalham aproximadamente 20 mil funcionários espalhados em 92 ( 32) unidades operacionais açúcar e bioenergia, processamento de

Leia mais

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações. Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Recursos Humanos e Gerenciamento de Comunicações Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Just to remember... Interação entre os processos segundo PMBOK... Cada processo

Leia mais

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1)

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO PLANEJADA NA COSIPA (1) Wilson Roberto Nassar (2) Siméia Mendes do Amparo Dias (3) RESUMO A eliminação das lacunas na gestão da manutenção, com base na metodologia TPM, possibilita

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 11741/08 e Lei nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Manutenção Mecânica Qualificação:

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Project Management Institute. Prof. Miguel Torres miguel.torres@terra.com.br

Gerenciamento de Projetos Project Management Institute. Prof. Miguel Torres miguel.torres@terra.com.br Gerenciamento de Projetos Project Management Institute Prof. Miguel Torres miguel.torres@terra.com.br Objetivo do Curso Criar condições e proporcionar métodos para o desenvolvimento da capacidade gestora,

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas SIGMA Sistema de Gerenciamento de Manutenção CMMS - Sistema Computadorizado de Gestão da Manutenção Estrutura Base de Dados Plataforma O SIGMA é um software utilizado na plataforma

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

INDICADORES E CUSTOS NA MANUTENÇÃO. 9 e 10 de junho

INDICADORES E CUSTOS NA MANUTENÇÃO. 9 e 10 de junho INDICADORES E CUSTOS NA MANUTENÇÃO 9 e 10 de junho OBJETIVO Nos dias atuais o Gerente de Manutenção deve estar apto a medir e divulgar os resultados de seu gerenciamento de modo que possa ser facilmente

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Gestão do tempo do projeto

Gestão do tempo do projeto Gestão do tempo do projeto É representada pelos processos que efetivarão o cumprimento dos prazos envolvidos no projeto, definição, seqüenciamento e estimativa da duração das atividades, desenvolvimento

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente.

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente. Copyright 2015 PMtotal.com.br - Todos os direitos reservados PMI, Guia PMBOK, PMP, CAPM são marcas registradas do Project Management Institute, Inc Simulado de 20 questões para as provas CAPM e PMP do

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília INTEGRANDO UM DIAGNÓSTICO À GESTÃO POR PROCESSOS Pedro Barreto SUMÁRIO 1 Diagnóstico financeiro versus

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS

UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS AMBIENTAIS RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Bruna Cristina Vieira Lopes CURITIBA JUNHO, 2013 1 BRUNA

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

COMO DETALHAR E DESENVOLVER UMA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO NA EMPRESA MODERNA

COMO DETALHAR E DESENVOLVER UMA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO NA EMPRESA MODERNA COMO DETALHAR E DESENVOLVER UMA POLÍTICA DE MANUTENÇÃO NA EMPRESA MODERNA 12 a 15 de março de 2008 OBJETIVO Facilitar o aprimoramento dos profissionais e conseqüentemente das empresas quanto a necessidade

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 4 - ATRIBUIÇÕES DO PCM Luiz Carlos Dorigo As quatro funções fundamentais do PCM, quais sejam, Planejamento, Programação, Coordenação e Controle devem

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

EDITAL N 03/2015 PRODIN/IFBA PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO DE NÍVEL SUPERIOR

EDITAL N 03/2015 PRODIN/IFBA PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL N 03/2015 PRODIN/IFBA PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO DE NÍVEL SUPERIOR A Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Infraestrutura PRODIN, do Instituto Federal da

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Implementação da Manutenção Produtiva Total (TPM)

Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Implementação da Manutenção Produtiva Total (TPM) Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica Implementação da Manutenção Produtiva Total (TPM) Banca:

Leia mais

Portfólio CETCB & CFO. Treinamentos. Consultoria

Portfólio CETCB & CFO. Treinamentos. Consultoria Portfólio CETCB & CFO Consultoria e Treinamentos Consultoria e treinamento Prestadora de serviço - Fundada em 2008; Soma aproximadamente 05 anos de experiência em seu corpo de Consultores; Atua nos mais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br 222 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da UFV visa fornecer a seus estudantes

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Soraia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Warlei Xavier de Oliveira

Warlei Xavier de Oliveira Warlei Xavier de Oliveira Brasileiro, solteiro, 31 anos Rua da Ressurreição, Número 100, Apartamento 207, Jd Primavera. Cuiabá Mato Grosso MT Telefone: (66) 9629-1645 / E-mail: wxengmec@hotmail.com.br

Leia mais

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para. Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro. A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas Interessando enviar currículo para crescerh@crescerh.com.br e/ou realizar cadastro no site Endereço: Avenida Getulio Dorneles Vargas; 540 N 2ª andar - Centro.

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO 2/08/203 Recursos. INTRODUÇÃO A Política de Treinamento tem por objetivo estabelecer critérios para o tratamento das solicitações de Capacitação, Desenvolvimento, Cursos Intensivos, Seminários, Palestras,

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO

IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO IV PLANO DE GERENCIAMENTO DE TEMPO 1 - Descrição do Plano de Gerenciamento detempo (PMBOK) O gerenciamento de tempo do projeto inclui os processos necessários para realizar o término do projeto no prazo.

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 21/11/28 Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 21/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R SO / VC RESPONSÁVEL PELA DISTRIBUIÇÃO : (ÁREA)

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular.

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Gerencia de Ensino e Pesquisa Coordenação de Informática Estágio supervisionado curricular Relatório Final João Pedro Cavasin Estagiário André Luis Schwerz Orientador

Leia mais

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho Tel. 98202-0143 (celular) / 3853-0734 (residencial) E-mail: hartog.william@yahoo.com.br Objetivo Síndico Profissional Formação Acadêmica Graduação: Administração

Leia mais

Introdução à Lubrificação Industrial

Introdução à Lubrificação Industrial Introdução à Lubrificação Industrial Prof. Matheus Fontanelle Pereira Curso Técnico em Eletromecânica Departamento de Processos Industriais Campus Lages Objetivos da Unidade Curricular Conhecer os 5 Ws

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

People. Passion. Performance.

People. Passion. Performance. People. Passion. Performance. Apresentando Chicago Pneumatic É simples assim. Você tem trabalho a fazer e clientes a atender. A CP está aqui para ajudá-lo a realizar seu trabalho, sem compromisso. Nosso

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica GESTÃO DE MANUTENÇÃO AGRÍCOLA

Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica GESTÃO DE MANUTENÇÃO AGRÍCOLA Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Mecânica Coordenação de Estágio Relatório Final de Estágio Engenharia Mecânica GESTÃO DE MANUTENÇÃO AGRÍCOLA Banca: Prof. Davi Fusão

Leia mais

Cargo Descrição e Requisitos Benefícios

Cargo Descrição e Requisitos Benefícios Vitória, 06 de Maio de 2012. A Selecta, empresa de Recrutamento e Seleção, divulga as vagas de emprego em aberto, com destaque para: Auxiliar de Inventário, Comprador, Auxiliar Administrativo, Coordenador

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG Gestão da engenharia de manutenção Otimização no uso de equipamentos Gestão de custos e mão de obra Aumente a confiabilidade e disponibilidade dos equipamentos

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 06 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE E ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE EM INSTALAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UNED PARANAGUÁ Ensino Médio Subsequente PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ENSINO MÉDIO SUBSEQUENTE 2009 SUMÁRIO 1. JUSTIFICATICA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. REQUISITOS

Leia mais

Encontram-se abertas as inscrições para o Programa de Estágio Novelis 2013/2

Encontram-se abertas as inscrições para o Programa de Estágio Novelis 2013/2 Encontram-se abertas as inscrições para o Programa de Estágio Novelis 2013/2 Seguem abaixo as vagas por área: Estágio em Administração/ Pedagogia Cursos: Administração de Empresas/ Pedagogia. Área de estágio:

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Débora Cristina de Souza RODRIGUES; 1 Warley Alves Coutinho CHAVES; 1 Caroline Passos de

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS KARINE LETÍCIA NOWAK RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS KARINE LETÍCIA NOWAK RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS KARINE LETÍCIA NOWAK RELATÓRIO DE ESTÁGIO PONTA GROSSA 2012 KARINE LETÍCIA NOWAK RELATÓRIO DE ESTÁGIO Relatório

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

SELECIONA: Venda Externa - Chapecó/SC Remuneração: Benefícios: Descrição: Requisitos: Ref.: Auxiliar Marketing - Chapecó/SC Remuneração: Descrição:

SELECIONA: Venda Externa - Chapecó/SC Remuneração: Benefícios: Descrição: Requisitos: Ref.: Auxiliar Marketing - Chapecó/SC Remuneração: Descrição: Venda Externa - Chapecó/SC Remuneração: R$ 1570.00 Benefícios: Benefícios: NETBOOK, CELULAR; VEÍCULO;ALIMENTAÇÃO;DESPESAS COM VIAGENS; CESTA BÁSICA; CARTÃO DE CONVENIO;SEGURO DE VIDA Descrição: Vendas

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade

Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade Importância da análise holística de um plano de manutenção por meio de simulação: Uma abordagem de RCM voltada a custo e disponibilidade Celso Luiz Santiago Figueiroa Filho, MSc Eng Alberto Magno Teodoro

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br Olá! A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas. Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: ASSISTENTE DE TI (Cód. 119060) Área de atuação: Assistente de TI, responsável pela

Leia mais

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos

Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Implantação dos Processos Gerência de Projeto e Medição com Auxílio de Ferramenta Baseada em Planilhas Carlos Simões Claudia Lasmar Gleison Santos Agenda: Carlos Simões cs@synapsisbrasil.com.br carlossimoes@cos.ufrj.br

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento e Especificações do sistema

1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento e Especificações do sistema SISTEMA DE CONTROLE DE INDICADORES DE DESEMPENHO VOLTADO À DISPONIBILIDADE DE SERVIÇOS DE TI BASEADO NA BIBLIOTECA ITIL V3 Eduardo Cuco Roteiroda apresentação 1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto I Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição de Projeto, Operação, Programa e Portfólio. Stakeholders. O que é Gerenciamento de

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

Excelência na Gestão de Ativos

Excelência na Gestão de Ativos Excelência na Gestão de Ativos 2015 Mudanças em Tempos Difíceis Em tempos difíceis é que as mudanças são necessárias, e a habilidades dos navegantes são testadas. Neste contexto a NT Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

COPASA Águas Minerais de Minas S/A

COPASA Águas Minerais de Minas S/A ANEXO I EDITAL 001/2009 CÓDIGOS/DETALHES DE ESPECIALIDADE DO CARGO DE AGENTE INDUSTRIAL Código: 01 Detalhe de Especialidade: Ajudante de Serviços Faixa Salarial: 1 Salário Base (R$): 465,00 Requisitos

Leia mais

Sumário. 8:30 h Avaliação de projetos (I-Níveis e tipos de Planejamento II Ferramentas de Planejamento (EAP, Gráfico de Gantt)

Sumário. 8:30 h Avaliação de projetos (I-Níveis e tipos de Planejamento II Ferramentas de Planejamento (EAP, Gráfico de Gantt) Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos Disciplina: Técnicas de Planejamento aplicadas ao projeto e manutenção de sistemas elétricos on e offshore) Professor: Ronaldo Camara Cavalcante Msc Engenharia

Leia mais