ESTUDO DO DESEMPENHO DE UMA LINHA DE PRODUÇÃO ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA KPI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DO DESEMPENHO DE UMA LINHA DE PRODUÇÃO ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA KPI"

Transcrição

1 ESTUDO DO DESEMPENHO DE UMA LINHA DE PRODUÇÃO ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA KPI Julio Cezar Mairesse Siluk (UFSM ) Naiara Tatiane Hupfer (UFSM ) Alvaro Luiz Neuenfeldt Junior (UFSM ) Charlene Dalcol (UFSM ) Deise Graziele Dickel (UFSM ) O objetivo desse trabalho é apresentar a importância da utilização de um Sistema de Medição de Desempenho (SMD), e mostrar os principais gargalos produtivos, analisando dados de uma linha de produção referente ao mês de agosto de 2013 de umma empresa, onde relacionaram-se dados estabelecidos em metas gerenciais com valores efetivos de montagem do estudo, coletados em campo, semanalmente. O estudo é referente a uma indústria de produtos de limpeza localizada na Região Central do Rio Grande do Sul e seus dados são tratados através de Indicadores Chave de Desempenho (Key Performance Indicators - KPI), relevantes para a empresa para, dessa forma, poder analisar o desempenho de uma linha de produção. A análise de dados foi realizada com a utilização do modelo KPI e com o auxílio do software Excel de propriedade da Microssoft, para avaliar a eficiência da linha em estudo. O presente trabalho apresenta problemas quanto à falta de planejamento em termos de compra de insumos, capital de investimento para melhoria de maquinários e também a dependência da empresa ao comprometimento de seus fornecedores. Palavras-chaves: Indicadores Chave de Desempenho, Competitividade, Sistemas de mensuração de desempenho, Sistemas de manufatura.

2 1. Introdução Um dos maiores desafios encontrados na era de competividade está na capacidade de desenvolver uma visão holística do empreendimento, inserindo a empresa às novas demandas do público alvo, através do desenvolvimento de novas tecnologias, novos mercados e um novo método de gerenciamento, buscando a reformulação dos processos e adaptando a empresa ao contexto atual do ramo de negócio, assim como uma maior integração entre os valores da empresa, clientes e fornecedores, criando uma relação de parceria e confiança antre ambas as partes (SLACK et. al, 2009). A literatura cita estratégias organizacionais para a constante busca pelo diferencial competitivo, o qual está atrelado à atitude organizacional e à administração das atividades executadas pelas empresas (SANTOS; PAPODIUK, 2010). Dessa forma, para que uma empresa seja competitiva, é preciso que assimile muito bem o significado da expressão flexibilidade, desenvolvendo a capacidade de reconfigurar-se conforme exigências do mercado. Assim, qualquer medida pode ser incorporada ao processo de gestão, e posteriormente, através de um modelo de avaliação de desempenho identificar sua eficiência e eficácia. Para que seja possível a obtenção de resultados e para que esses sejam satisfatórios, a medição deve ser compatível com os objetivos estratégicos do negócio (HUBBARD, 2008). Tendo como base esse contexto, o trabalho objetiva propor um Sistema de Mensuração de Desempenho (SMD) para identificar problemas e sugerir melhorias no processo de manufatura do produto. Nesse sentido, será utilizado o modelo Keys Performance Indicators (KPI) para que seja possível auxiliar as empresas a tomarem decisões mais coerentes com a sua realidade, diminuindo riscos e incertezas, obtendo um maior conhecimento dos fatores que interferem no sucesso da organização e possam desenvolver melhorias para alavancar seu negócio e maximizar os lucros. 2. A Influência da competitividade no desempenho empresarial 2

3 Atualmente uma das principais preocupações no mundo de negócios é o processo de competição que envolve as empresas. Possuir vantagens competitivas sustentáveis é o básico para que uma atividade possa se estabelecer ou se manter no mercado (CRUZ, 2009). Segundo Slack et. al (2009), para que seja possível alcançar um alto nível competitivo é necessário um bom desempenho da administração da produção, a qual pode construir ou quebrar qualquer empresa, não só porque a função da produção representa para a maioria delas a grande parte dos bens e dos funcionários, mas também por ser a responsável por agregar competitividade à empresa oferecendo maior habilidade de resposta aos consumidores e ao desenvolver as capacitações que a colocarão à frente de seus concorrentes. Neste cenário, é possível afirmar que a estratégia competitiva se refere ao modo como a empresa se posiciona para competir no mercado em relação às respostas, as estratégias e as relações externas, visando obter uma vantagem competitiva sustentável. É possível desenvolver a competitividade de duas formas distintas, explicitamente, por meio de um processo de planejamento, ou implicitamente, desenvolvida mediante as atividades dos vários departamentos da organização (SILUK; MARQUES, 2011). Para tornar esses conceitos mais tangíveis e saber o quanto uma empresa é competitiva é preciso mensurar a contribuição de diversos indicadores no desempenho da organização. Para isso faz-se necessário a utilização de Sistemas de Medição de Desempenho, que podem ser descritos como ferramentas gerenciais que permitem o alinhamento das atividades que estão sendo desenvolvidas com os objetivos da organização (GALON et. al, 2008). Oliveira (2006) menciona que a melhor forma de garantir qualidade, tempo, flexibilidade e custo aos objetivos estratégicos de uma empresa é através da correta medição e avaliação do desempenho dos processos e do sistema produtivo em geral. Kaplan e Norton (2001) corroboram essa ideia quando citam que a medição do desempenho empresarial apresenta relevada importância, por envolver consequências que vão além do simples relato do passado, pois os indicadores comunicam à organização o que realmente é importante. Conforme Resende (2005) é preciso que as medidas encontram-se agrupada estrategicamente em um sistema de indicadores de desempenho para possibilitar aos gestores da organização agirem de forma mais eficiente no sentido de alcançar os objetivos almejados. Dessa forma, os indicadores tornam-se um ponto crucial para o sucesso da empresa, quando 3

4 usados como ferramentas estratégicas nos vários níveis e departamentos de um sistema organizacional. De acordo com Parmenter (2010), os KPIs representam um conjunto de medidas focadas no desempenho organizacional, apresentando os pontos críticos para o sucesso da organização, sendo continuamente revisados e ajustados com base nas mudanças industriais, ambientais e econômicas ou com a capacidade de recursos em suas cadeias de suprimentos, também é possível acrescentar novos indicadores que respondam à situação atual da organização. De forma geral os KPIs visam o melhoramento contínuo das atividades de negócio e levam ao estabelecimento de metas mais elevadas (AL-JIBOURI, 2008). 3. Metodologia Para analisar a eficiência de uma linha de produção de uma empresa química do setor de saneantes, localizada na região central do Rio Grande do Sul, realizou-se uma estudo de caráter quantitativo, que avalia matematicamente os indicadores mais significativos para o sucesso da linha estudada. No que tange os objetivos trata-se de uma pesquisa exploratória apresentada através de um estudo de caso, que busca a aproximação com o problema, tornando-o menos complexo e de fácil compreenção, facilitando a construção de hipóteses adequadas para dimensionar a eficiência das atividades desempenhadas no setor de estudo (VIEIRA, 2002). Nesse artigo serão utilizados Indicadores Chave de Desempenho (KPI s), que podem ser considerados ferramentas de avaliação de desempenho, os quais apresentam participação plausível no resultado final da eficiência da linha de produção em questão. A ferramenta KPI foi utilizada por apresentar-se satisfatória na análise de dados quantitativos e por ser possível avaliar e compreender de forma clara a interferência dos indicadores que apresentam maior relevância no bom funcionamento da linha, além de mostrar uma perspectiva da eficiência da produção em relação as metas estabelecidas para o setor. A pesquisa foi realizada em campo, através de coleta de dados diários obtidos da linha de produção em estudo. Após a coleta dessas informações os dados foram tratados através da ferramenta Excel de propriedade da Microsoft, para uma posterior análise e comparação com a meta global da empresa. 4

5 4. Elaboração do modelo Após a verificação do cenário interno e externo da empresa é preciso definir um objetivo geral para que, a partir disso, possam ser elaborados os indicadores organizacionais que influenciam diretamente no setor de produção, conduzindo para a construção de um modelo que mensure o seu desempenho. Não é possível saber se uma operação é bem sucedida, se os objetivos de desempenho que levarão ao sucesso da empresa não estão bem defenidos (SLACK et. al, 2009). Dessa maneira, a estratégia central está definida como sendo a análise de uma linha de produção para que seja possível o atingimento das metas estabelecidas pela empresa, partindo da avaliação de quatro KPI s que representam os possíveis gargalos e que estão diretamente vinculados ao cálculo do objetivo proposto, estabelecido pela equação (1) a seguir: (1) onde espera-se que a determinação represente o índice de eficiência de produção, considerando o seu comparativo em relação a um alvo, no qual é definido conforme a caracterização proposta para o sistema produtivo encontrado na empresa, sendo ambos caracterizados por uma única unidade de medida. Os são propostos a partir da padronização da mensuração de cada um dos quatro, originados dos indicadores chave escolhidos para representar o desempenho empresarial, originados da busca de práticas que conduzem a obtenção de um desempenho superior quando da competitividade existente entre as empresas consideradas do mesmo setor, sendo eles: a produtividade do setor (KPI 1 ), falta de insumos (KPI 2 ), paradas de máquinas para ajustes (KPI 3 ) e tempo de setup da máquina (KPI 4 ). Na sequência serão descritos os quatro indicadores para uma melhor compreensão da metodologia aplicada Produtividade do setor (KPI 1 ) A produtividade de um setor tem impacto diretamente no custo dos seus produtos, de acordo com Slack et. al (2009), quando menciona que o custo de uma operação é derivado de muitos fatores, como por exemplo a eficiência com a qual ela converte os materiais, a produtividade, 5

6 a proporção entre pessoal direto e indireto. Todos esses fatores quando estudados individualmente dão uma visão parcial do desempenho de custos da produção, isso pode ser útil para identificar áreas de melhoramento ou para monitorar a extenção do melhoramento. Sob a mesma ótica Ferreira e Torres (2005) mencionam a importância da produtividade quando citam que essa tem sido considerada uma medida de eficiência nas empresas, argumentando que a produtividade, a par da qualidade e rentabilidade, permite aos gestores avaliar se estão caminhando em direção à excelência empresarial. Logo, o KPI 1 referente a produtividade do setor está definido de acordo com a Equação (2): (2) O KPI 1 é resultado do somatório da produtividade semanal, onde a determinação representa as possíbilidade de tempo a ser analisado e remete ao número de dias de dados coletados para a análise, já é a produtividade, para uma unidade de medida em Litros do produto final Escassez de insumos (KPI 2 ) Grande parte das empresas possuem fornecedores terceirizados e dependem da pontualidade e rapidez desses para o bom funcionamento de sua produção, podendo atender seus clientes de forma satisfatória e cumprir os prazos pré estabelecidos. Dessa forma se estabelece uma rede de suprimentos entre fornecedores, empresas e clientes (SLACK et. al, 2009). Quando os suprimentos se fazem escassos podem gerar atrasos significativos no processo de fabricação, ocasionando períodos de máquina ociosa, reduzindo assim a produção. Nesse sentido observa-se a grande necessidade de monitorar o tempo em que a máquina pemanece parada devido a falta de insumos, para que seja possível tomar providências que visam eliminar essa ocorrência. Da mesma forma Gaither e Frazier (2005) citam que uma boa administração dos materiais è cada vez mais, vista como a chave para uma produtividade mais elevada em muitas empresas. Nesse sentido a métrica utilizada será relativa ao tempo de máquina parada, conforme a equação (3), (3) onde o KPI 2 é resultado do somatório do tempo em que a máquina permaneceu parada por falta de insumos, refere-se a quantidade de dias de dados coletados, equivalentes a uma 6

7 semana, e é a escasses de insumo registrada diariamente no local de estudo. A análise foi realizada semanalmente com o propósito de monitoramento dos insumos para que a carência desses não prejudique o bom funcionamento da linha de produção Ociosidade de máquina para ajustes (KPI 3 ) Todas as instalações estão sujeitas a falhas, o defeito pode ser parcial ou uma interrupção repentina e total da produção, em qualquer caso os efeitos da paralização são importantes, pois serão responsáveis por atrasos na produção, acarretando no não cumprimento de entregas, diminuindo a credibilidade da empresa (SLACK et. al, 2009), da mesma forma reduzir defeitos, sucatas e retrabalho aumenta diretamente a produtividade de todos os fatores de produção (GAITHER; FRAZIER, 2005). A fim de representar esse tempo ocioso de máquina devido a ajustes necessários para o seu bom funcionamento, apresenta-se a seguinte equação (4), (4) no qual KPI 3 refere-se ao somatório dos dias de funcionamento da linha de produção, os quais são representados por, sendo o tempo em horas em que a linha permaneceu parada devido ajustes que venham a surgir nos equipamentos. Para esse indicador o período utilizado é semanal, tendo como propósito monitorar as paradas de máquinas e posteriormente buscar alternativas para a redução do tempo gasto para ajustes nos maquinários. 4.4 Tempo de setup da máquina (KPI 4 ) A forma como são gerenciados os recursos humanos tem impacto profundo sobre a eficácia das funções operacionais, pois a maior parte das tarefas exige uma interface entre pessoas e tecnologia, mesmo que esta não seja sofisticada, a escolha pela forma mais eficaz de interrelacionar esses dois fatores pode trazer uma resposta mais rápida à atividade desempenhada (SLACK et. al, 2009). A partir disso observa-se a importância do bom treinamento do funcionário para operar um equipamento e o comprometimento com as tarefas desempenhadas no manuseio do equipamento. 7

8 Um colaborador ágil e devidamente capacitado para operar um equipamento reduz significativamente o tempo desperdiçado no momento do start, aumentando o rendimento da linha de produção. Isto tambem é observado por Reis e Alves (2010) quando citam que a redução do tempo de setup possibilita trabalharem pequenos lotes, diminuindo estoques, aumentar a flexibilidade e atender com maior rapidez os cliente. Para representar o KPI 4 que é referente ao tempo desperdiçado no setup da máquina é utilizada a equação a seguir: (5) O tempo de setup é o número de horas desperdiçadas para que a linha entre em plenas condições de funcionamento, o somatório desse tempo no período representa o quarto Indicador. Os dados para desse indicador foram coletados semanalmente com o propósito de determinar o tempo gasto no setup do equipamento. 4.5 Normalização dos indicadores Ao definir-se os indicadores que farão parte da metodologia aplicada para avaliar o desempenho, sua métrica deve estar de acordo com os dados coletados em campo, sendo que cada indicador apresenta uma unidade de medida distinta. Para que seja possível uma análise desses indicadores com a meta global da empresa, é necessário que os valores dos indicadores chave de desempenho estajam todos na mesma medida. Para tanto, a metodologia de normalização proposta está baseada de acordo com a aplicada pelo software Excel, ocorrendo através da elaboração de seis etapas sequenciais de tratamento dos dados, descritas pela Figura (1). Figura1 - Etapas para o processo de normalização dos KPI s 8

9 Fonte: Baseado em PerformancePoint Server (2007) A primeira etapa denominada de pontuação bruta refere-se a comparação dos valores reais da linha de produção com as metas estabelecidas pela empresa, os limites e faixas são intervalos caracterizados qualitativamente de acordo com a realidade da empresa. Em seguida é realizado o cálculo da pontuação convertida que relaciona a pontuação bruta com o fator limite, para posteriormente esse valor ser ajustado dentro das faixas establecidas para obter-se ao final o valor normalizado para cada um dos quatro Indicadores selecionados, esse representará todas as variáveis dos indicadores em uma única unidade de medida para faciltar a análise, e por fim o KPI obj é resultado do somatório dessa normalização, conforme mostrado anteriormente na equação (1). 5. Aplicação do modelo O modelo descrito no ítem anterior recebeu a aplicação em uma empresa de produtos saneantes cituada na região central do Rio Grande do Sul. A empresa é considerada de médio porte e conta com 30 colaboradores diretos, incorporados em todos os departamentos da fábrica. O principal produto de comercialização é a água sanitária e o alvejante, contando também com outros produtos como amaciantes de roupa, desinfetantes, detergentes e limpadores multiuso. O estudo de caso se baseou na linha de produção mais significativa em termos de quantidade produzida e automatização. Esse enquadramento refere-se a linha 03, responsável pelo envase 9

10 da água sanitária e alvejante. Nessa linha aplicou-se a metodologia KPI para identificar os principais agravantes para o seu mau funcionamento. De acordo com o porte e a realidade da empresa estabeleceu-se as faixas que representam um intervalo de valores entre dois pontos extremos chamados limites, essas faixas são utilizadas no processo de normalização dos indicadores. Neste cenário estabeleceu-se três faixas: a) Faixa 1: Esta faixa caracteriza um mau desempenho. As pontuações KPI vão de Pior (0,0%) até o Limite 1 (50%); b) Faixa 2: Esta faixa representa desempenho moderadas. As pontuaçoes nesta faixa vão do Limite 1 (50%) até o Limite 2 (100%); c) Faixa 3: Esta faixa representa desempenho excelente. As pontuações KPI nesta faixa vão do Limite 2 (100%) até Melhor (120%). Os limites foram definidos levando-se em conta a capacidade da empresa, seu porte e a tecnologia utilizada nos processos. Através de dados coletados em campo diariamente, durante o período referente às semanas 31 a 35 de 2012 e de um diagnóstico sobre as metas da empresa fornecido pela gerência, desenvolveu-se os cálculos do KPI obj com o auxílio da ferramenta Excel. A tabela a seguir apresenta os resulatdos obtidos para os KPI s citados anteriormente. Tabela 1: Resultados do KPI obj para os KPI s em análise na linha 03 Fonte: Elaborado pelos autores No que se refere ao KPI 1, a semana 33 apresenta o melhor desempenho no quesito produtividade com um percentual de efetividade de 89,4, já na semana 31 ocorreu o pior desempenho com uma efetividade de 30,49%. Na semana em que o KPI 1 apresentou-se menos 10

11 favorável, a produção esperada era menor que nos outros meses, devido a menor demanda, a qual não tem comportamento regular. Por esse motivo a produção real ficou afastada da meta. Ao analisar-se o segundo KPI em questão é possível a constatação de duas semanas que apresentan-se favoráveis, com um índice de efetividade de 100%, demonstrando a eficiência na compra e entrega de insumos para as semanas 31 e 34, nas demais semanas o resultado foi muito insatisfatório devido ao mal planejamento de compras e atrasos nas emtregas de insumos pelos fornecedores. Para o KPI 3 que representa o tempo perdido em ajuste de máquinas devido o mau funcionamento dos equipamentos ou para ajustes de rotina, as semanas 32 e 34 foram as que apresentaram um melhor desempenho, sendo seu índice de efetividade de 100% e apresentando a semana 35 como a semana mais preocupante em questão ao tempo desperdiçado com reparos. Com relação ao quarto Indicador Chave de Desempenho analisado, a semana 34 mostra um bom desempenho nesse quesito, tendo a semana 35 como a que apresenta o menor índice de desempenho do mês. Se os equipamentos encontram-se em plenas condições de uso e os operadores devidamento treinados, o tempo de setup deve ser igual em todas as semanas, porém isso não acontece devido a precariedade e falta de tecnologia das máquinas da linha de envase e possívelmente por problemas de operação. Uma análise mais abrangente é feita através dos KPI s objetivo que representam a média aritmética dos quatro Indicadores em estudo, mostrando o desempenho semanal da linha de produção. O melhor desempenho ocorreu na semana 34 onde o índice de efetividade ultrapassou ao valor estipulado pela meta, mostrando que nessa semana todos os Indicadores em análise aproximaram-se ou superaram as espectativas dos gestores em termos de eficiência. Essa situação tem seus méritos atribuídos a vários fatores, que em conjunto contribuiram para esse resultado. Apesar de a produtividade não apresentar um desempenho máximo, as compras de insumos foram devidamente planejadas e entregues dentro dos prazos estipulados, os equipamentos não apresentaram problemas significativos para que fosse necessário a interupção do processo produtivo. 11

12 O pior desempenho ocorreu na semana 35, onde observa-se que o índice de efetividade esteve muito a baixo do esperado em todos os Indicadores Chave analisados, apresentando um KPI objetivo muito afastado da meta global estabelecida pela empresa. Alguns fatores que interferem no sistema produtivo são fácilmente detectados e solucionados, como o mau planejamento das compras de insumos e a falta de treinamento dos operadores. Já questões como atrasos na data de entrega de produtos por fornecedores e falta de tecnologia adequado são fatores mais difíceis de serem solucionados, pois dependem da eficiência e ficácia de terceiros ou exigem o despreendimento de alto capital de investimento, muitas vezes indisponível para empresas de pequeno porte. 6. Considerações finais A partir da análise realizada torna-se notória a necessidade de melhoramentos no planejamento de produção e posterior execução, fazendo com que este seja cumprido, garantindo os prazos de entrega aos clientes, para que dessa forma seja possível obter ganhos em produtividade e qualidade dos produtos, aumentando consequentemente a competitividade frente ao mercado e conquistando maior confiança do mercado consumidor. Para que se tenha uma visão abrangente do setor ou mesmo de toda empresa, a aplicação da ferramenta de medição de desempenho utilizada, KPI, teve uma contribuição relevante por permitir uma avaliação mais consistente dos principais indicadores de desempenho da linha de produção, cumprindo assim o objetivo do trabalho. Por se tratar de uma empresa de médio porte, as limitações quanto ao capital de investimento também são responsáveis por muitas das falhas encontradas na organização, a falta de recursos financeiros apresenta-se como o principal agravante para tomadas de decisões que possam intervir na melhoria do sistema produtivo da empresa. No que se refere à eficiência dos equipamentos, pode-se constatar a falta de tecnologia e qualidade para que o processo ocorra uniformemente e sem interrupções. Dessa forma cabe aos gestores analisarem esses gargalos produtivos e buscarem formas de minimizar seus efeitos, para que a organização possa crescer e alcançar as metas estabelecidas. Quanto aos fornecedores é necessário que se faça uma revisão quanto à sua credibilidade e se busque fornecedores que consigam atrelar preço condizente com a realidade da empresa, qualidade e pontualidade nas entregas. Futuramente, sugere-se que seja feita uma 12

13 análise mais abrangente, englobando todos os setores da empresa para que se tenha uma visão holística do negócio através da utilização de ferramentas de avaliação de desempenho e assim, tome-se medidas que contribuam para o crescimento de toda organização, tornando-a mais competitiva. REFERÊNCIAS AL-JABOURI, T. H. S. Identifying key performance indicators for use in control of pre-project stage process in construction. International Journal of Productivity and Performance Management. v. 58, n. 2, CAI, J.; LIU, X.; XIAO, Z.; LIU, J. Improving supply chain performance management: A systematic approach to analyzing iterative KPI accomplishment. Decision Support System, 46, p , CARPINETTI, L. C. R. Uma proposta para o processo de identificação e desdobramento de melhorias de manufatura: uma abordagem estratégica. Tese (Livre Docência) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, CRUZ, J. S. S. Uma proposta de modelo para análise prospectiva da competitividade. Revista Contábil, UFRN, Natal, RN, v.1, n.1, p DOLABELL, M. M. Demonstração dos excedentes: Um modelo da mensuração da produtividade empresarial. XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção Curitiba PR, 23 a 25 de outubro de FERREIRA, L. F.; TORRES, M. M. Contributo para a revisão da literatura sobre Produtividade no âmbito da Economia Empresarial. Revista Brasileira de Gestão e Negócios - FECAP, n.17, GAITHER, N.; FRAZIER, G. Administração da Produção e Operações. 8 edição, editora Cengage Learning, GALLON, A. V.; NASCIMENTO, S.; ENSSLIN, S. R.; ENSSLIN, L.; DUTRA, A. Mapeamento das ferramentas gerenciais para avaliação de desempenho disseminada em pesquisas da área de engenharia. Revista Pesquisa e Desenvolvimento em Engenharia de Produção. n. 7 p , HUBBARD, D. W. Como Mensurar Qualquer Coisa. Rio de Janeiro: Qualitymark Editora Ltda, KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. Organização orientada para a estratégia: Como as empresas que adotam o Balanced Scorecard prosperam no novo ambiente de negócios. Rio de Janeiro, RJ : Elsevier Editora Ltda, 2001, 411p. OLIVEIRA, C. R. I. Um estudo sobre a medição de desempenho organizacional nas concessionárias de veículos automotores localizadas na região metropolitana do Recife. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis), Programa Multiinstitucional e Inter-Regional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Recife

14 PARMENTER, D. Key Performance Indicators, Developing, Implementing and using Winning KPI. Segunda edição REIS, M. E. P.; ALVES, J. M. Um método para o cálculo do benefício econômico e definição da estratégia em trabalhos de redução de tempo de setup. Revista Gestão e Produção, v. 17, n. 3, RESENDE, J. F. B. Modelos de Indicadores de desempenho empresarial, utilidade, usos e usuários. Revista Administração, v. 2, SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. Terceira edição, São Paulo, SANTOS, A. E. M.; POPADIUK, S. A gestão do conhecimento e a capacidade de competição. Revista Contemporânea de Economia e Gestão. v. 8, n.1, SOUZA, D. B.; SOUZA, M. P. De; FILHO, T., A. De SOUZA; RIVA, F. R. Estratégias de Inovação na Produção Primária no Agronegócio. VII Congresso de Excelência em Gestão, Rio de Janeiro, SILUK, J. C. M.; MARQUES, K. F. S. A gestão da inovação no varejo do RS: Um estudo de caso com os empresários da EXPOAGAS Revista eletrônica RACE Unoesc, v. 10, n. 2, p VIEIRA, V. A. As tipologias, variações e características da pesquisa de Marketing. Revista da FAE, Curitiba, v. 5, n. 1, p ,

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Os modelos atuais para governança partem de processos empresariais serviços prestados, modelos

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

6. Resultados obtidos

6. Resultados obtidos 6. Resultados obtidos 6.1 O Balanced corecard final Utilizando a metodologia descrita no capítulo 5, foi desenvolvido o Balanced corecard da Calçados yrabel Ltda. Para facilitar o entendimento deste trabalho,

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Rodrigo Arozo O processo de gestão de estoques pode ser decomposto em quatro aspectos básicos: as políticas e modelos quantitativos utilizados, as questões

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria

Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Disciplina: Inovação e Competitividade Empresarial Sistemas de Medicação de Desempenho Fundamentos e Exemplificações

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia Balanced Scorecard Da estratégia às ações do dia-a-dia Perspectivas Em se tratando de gerenciamento de desempenho, perspectivas são os grandes vetores debaixo dos quais são agrupados objetivos, indicadores

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

UnG. As cinco funções do administrador são: Planejar, Organizar, Comandar, Coordenar e Controlar.

UnG. As cinco funções do administrador são: Planejar, Organizar, Comandar, Coordenar e Controlar. Balanced Scorecard Estratégia Michael Porter difundiu a ideia de que estratégia ou posicionamento estratégico consiste em realizar um conjunto de atividades distinto da dos competidores, que signifique

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 1 OBJETIVOS 1. Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação? Quais modelos deveríamos usar para

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua.

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua. Balanced Score Card A Tecnologia da Informação é considerada fundamental para os vários setores, tanto no nível operacional como estratégico. Muitas das razões para Tecnologia da Informação fazer parte

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais