2 o Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo & Gás

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 o Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo & Gás"

Transcrição

1 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS MONITORAMENTO DA PERFORMANCE TÉRMICA DE TROCADORES E REDES DE TROCADORES DE CALOR Paulo César Toi, Cezar Oaviao Ribeiro Negrão Laboraório e Ciêcias Térmicas - LACIT, Deo Acaêmico e Mecâica DAMEC, Cero Feeral e Eucação Tecológica o Paraá CEFET-PR, Av. See e Seembro, 365, CEP Curiiba-PR, Resumo No reio e eróleo, rees e rocaores e calor são emregaas com o roósio e recuerar calor e orao reuzir o cosumo e eergia a laa. Muios eses rocaores e calor a ree e ré-auecimeo o cru esão sueios a um alo risco e icrusação. Com o crescimeo a icrusação, os rocaores e calor vão ereo seu esemeho érmico e o moiorameo a sua erormace assa a ser uma area e grae imorâcia. O grae úmero e rocaores e calor resees em rees e ré-auecimeo o cru, a variação as coições oeracioais e a carga e eróleo rocessaa iiculam o moiorameo érmico iário esas rees. Nese arigo, uma meoologia roosa a lieraura (Jeróimo e al.,997 é alicaa o moiorameo érmico e rocaores e calor e é eseia ara o moiorameo e rees e rocaores e calor. O cuso o combusível aicioal cosumio os oros, evio ao roblema a icrusação, é mosrao. Os resulaos obios emosram a aciliae a alicação a meoologia e sua eicácia o moiorameo érmico esas rees. Palavras-Chave: moiorameo e esemeho érmico, rocaores e calor, icrusação. Absrac I oil reiig, hea exchagers eworks are emloye o recover hea a hereore save eergy o he la. However, may hea exchagers i he crue oil re-hea rais are uer high risk o oulig. Uer oulig coiios, he hermal erormace o hea exchagers is coiuously reuce a he moiorig becomes a imora ask. The large umber o hea exchagers i he re-hea rai, he chage i he oeraioal coiios a i he crue comosiio make he aily moiorig a iicul ask. This work alies a aroach or moiorig he erormace o hea exchagers (Jeróimo, e al. 997 a exes i o he moiorig o he whole rai. The exeses wih aiioal uel cosume by he uraces, ue o he hea exchager erormace reucio, are esimae. The obaie resuls show he aroach easibiliy a eiciecy o he moiorig o hea exchager eworks. Keywors: moiorig o hermal erormace, hea exchagers, oulig.

2 o Cogresso Brasileiro e P&D em Peróleo & Gás. Iroução No rocesso e reio o eróleo, a uaiae e eergia evolvia é muio grae. Trocaores e calor são usaos com o roósio e recuerar eergia o rocesso e orao, reuzir o cosumo a laa. A reseça a icrusação em rocaores e calor, uilizaos o ré-auecimeo o cru, reresea uma resisêcia à raserêcia e calor e, com o assar o emo, reuz a erormace érmica eses euiameos. A caaciae e moiorar o esemeho érmico os rocaores e calor e e suas rees é e uameal imorâcia ara o sucesso ecoômico e uma reiaria. Méoos e moiorameo simles e seguros ermiem ue a erormace aual os euiameos seam cohecias e o momeo ieal ara limeza o rocaores e calor sea esabelecio. Na lieraura, oucos rabalhos esa área são ecoraos. Leach & Facor (98 avaliam a eicácia e aiivos uímicos o corole a icrusação em rês rocaores e calor localizaos o ial a ree e réauecimeo e eróleo. Os resulaos mosram um eríoo e oeração maior o rocaor ue usou aiivos uímicos, iicao ue o roceimeo é eicaz. Jeróimo e al. (997 rouseram uma meoologia ara o moiorameo érmico iário a erormace e rocaores e calor, baseaa a avaliação o úmero e uiaes e raserêcia ( e a eeiviae (, oe as variações as coições oeracioais, ricialmee as vazões os luios, são levaas em cosieração. Esa meoologia esevolvia ara avaliar o esemeho e um úico rocaor e calor oi eseia ara uaiicar a erormace e uma ree e rocaores e calor. Um esuo e casos é areseao ara emosrar o oecial o méoo.. Euações Fuameais A eeiviae e um rocaor e calor é eiia como a razão ere a axa real e raserêcia e calor e a máxima axa e raserêcia e calor ossível em um rocaor e calor cora-corree. A máxima axa e raserêcia e calor é aa or: max ( mc Tmax Q & ( oe ( m& c é o meor valor o rouo vazão or calor esecíico ere as uas correes e luios. Tmax é a máxima iereça e emeraura o rocaor e calor ( T T. T é emeraura e eraa o luio uee e T, a emeraura e eraa o luio rio. A axa real e raserêcia e calor é o rouo a vazão, calor esecíico e variação e emeraura e ualuer uma as correes: real ( T T ( mc ( T T & oe T e T são as emerauras as correes ria e uee, resecivamee. Os subscrios e iicam, resecivamee, a eraa e a saía o luio o rocaor e calor. ( m & c e ( m & c são os rouos a vazão elo calor esecíico as correes uee e ria, resecivamee. A eeiviae oe eão ser escria como: ( T T T T ( T T T T real (3 máx Foi amiio ue a caaciae érmica o luio rio é maior o ue a caaciae érmica o luio uee. Aravés a euação (, oe-se cocluir ue a razão ere as caaciaes érmicas as correes será: & R & ( mc T T ( mc T T ( (4 será: Seo a corree ria a e meor rouo vazão or calor esecíico, o úmero e uiaes e raserêcia UA (5

3 o Cogresso Brasileiro e P&D em Peróleo & Gás A eeiviae e rocaores e calor oe ser obia e correlações a lieraura em ução e R e (Liu e Kakaç, 998. Para um rocaor e calor com um asse o casco e asses os ubos, em-se: x00 (6 + R + ( + R + e e ( + R ( + R As variações as coições oeracioais aleram as vazões as correes e ambém a comosição os rouos e, orao, moiicam a razão ere as caaciaes érmicas os luios, R, e os coeiciees e roca e calor, U. Esas variações everão causar muaças a eeiviae o rocaor. Jeróimo e al. (997 rouseram algumas correlações ara esimar as muaças em rovocaas elas variações as vazões mássicas. Esas correlações e correção e são baseaas o úmero e Nussel ara o lao o casco e o ubo. Noe ue as variações as rorieaes o cru e os rouos ão são coemlaas esas correlações. Para rocaores cora-corree, as seguies correlações são eiias: a luio e meor m& c escoao o lao o casco com < R ( 0,3 [( mc &, 0, 0,8 { + ( UA ha ( R R } [, (7 b luio e meor m& c escoao o lao os ubos com < R ( 0, [( mc &, 0,3 0,7 { + ( UA ha ( R R } [, (8 O íice "" reere-se à coição e roeo, h é o coeiciee e elícula o lao e maior m& c. O obeivo esas correlações é corrigir os valores e, as coições e roeo (rocaor limo e suo ara as coições oeracioais. Com o valor e corrigio e e R, calcula-se o valor a eeiviae aravés a Euação (6. Esa eeiviae oe ser comaraa com a eeiviae meia em camo (euação (3 ara esimar o eságio aual a icrusação. 3. Moiorameo e Rees e Trocaores e Calor Cosierao ue ão há vaorização o cru o rocesso, a uaiae oal e calor rocaa o réauecimeo será: Q m& c ( T T, r o i (9 oe T o e T i são as emerauras e saía e e eraa o cru a baeria, resecivamee. m& e c, r é a vazão mássica oal e o calor esecíico méio o cru o ré-auecimeo, resecivamee. A uaiae máxima ossível e calor raseria o ré-auecimeo oe ser calculaa como a soma as uaiaes máximas e caa rocaor e calor: [ ( T T máx, (0 oe reresea um eerao rocaor a baeria aé o limie máximo e. Para uma ree e rocaores e calor, a eeiviae meia oe eão ser eeraa como seo a uaiae real e calor rocaa em oos os rocaores iviia elo somaório a uaiae máxima ossível e ser rocaa: [ m& c, cru ( Ti To [ ( T T m, x máx, 00 (

4 o Cogresso Brasileiro e P&D em Peróleo & Gás Cosierao ue a uaiae oal e calor oe ser calculaa ela mulilicação a uaiae máxima e calor em um eerao rocaor ela sua reseciva eeiviae, a eeiviae global a ree lima ou sua será: ( { [ ( T T ( c } máx c c, x máx, [ ( T T 00 ( oe c, é a eeiviae e caa rocaor a coição lima (ou sua. c, é a eeiviae global a ree a coição lima ou sua. O íice c reresea ao a coição lima (l como sua (s. Jerôimo e al. (997 eiem aia um íice e icrusação como seo: IF ( m, ( s, oe m, é a eeiviae meia e um cero rocaor baseaa as coições e oeração o momeo. O íice e icrusação igual a 0 reresea o rocaor a coição lima e o íice e icrusação igual a reresea o rocaor a coição sua, ou sea, com o ível e icrusação máximo esimao em roeo. Ese íice e icrusação oe aia ser eseio ara a ree: oe IF e s, ( m, ( s, são resecivamee as eeiviaes a ree lima e sua. A iuição a eeiviae a ree, associaa ao roblema a icrusação, reuz a emeraura e saía o cru a baeria e ré-auecimeo. Ese eeio é comesao elo aumeo o cosumo e combusível os oros. Iso, orém, reresea um cuso aicioal ara a reiaria e oe ser uaiicao or: (3 (4 ( CAC CGC. Q máx, m, (5 oe CGC é o cuso o combusível ueimao os oros or uiae e calor rouzio. 4. Resulaos A Figura mosra a evolução as eeiviaes meia, lima e sua e roeo e um rocaor e calor or um eríoo e aos e 6 meses. Poe-se observar ue oas as rês eeiviaes areseam reüêcias e oscilação muio similares, iicao ue as correlações rereseam bem o comorameo a eeiviae e ue as variações as rorieaes ermoísicas o cru e os rouos ão ilueciam sigiicaivamee o valor as eeiviaes calculaas. Noe ue logo aós o iício a oeração o rocaor, a eeiviae meia aresea valores sueriores aos resecivos valores limos e suos e roeo. Iso iica ue os valores e roeo os coeiciees e roca e calor ão rereseam aeuaamee a sua coição lima e ucioameo. Em ezembro e 999, or ouro lao, os valores a eeiviae meia se reuzem e alcaça a eeiviae o rocaor limo. Em ouubro e 000, a eeiviae meia á esá róxima a eeiviae sua e roeo. Esa era e esemeho o rocaor iica ue um rocesso e icrusação se isaurou o rocaor. A Figura coirma as observações a Figura, mosrao ue valores e IF meor o ue iicam ue o rocaor esá limo uma coição mais avorável o ue a coição e roeo. IF igual a zero iica ue o rocaor esá a coição lima e IF igual a mosra ue o rocaor aigiu seu limie e icrusação esabelecio em roeo. A Figura 3, or sua vez, mosra a variação emoral a eeiviae global meia e calculaa a ree a coição lima e sua. Poe-se oar uaro eríoos muio bem eiios. No rimeiro, a eeiviae meia esá muio róxima o seu valor calculao a coição lima. No seguo eríoo, a eeiviae meia a ree aasa-se a coição lima iicao um aumeo o ível e icrusação. No erceiro eríoo, aós a araa ara limeza e ois rocaores, a erormace a ree reora róxima a coição e melhor esemeho. Observa-se ue o iício o uaro eríoo, ois meses aós a limeza os rocaores ciaos aeriormee, a eeiviae a ree começa a iuir ovamee. A Figura 4 mosra o resulao a esesa aicioal e combusível os oros, CAC, cosierao a era a eeiviae a ree ocorria aeas o uaro eríoo a Figura 3. Seguo Polley e al. (00, o cuso méio e geração e calor em uma reiaria e eróleo é e US$ 3,8/(MBTU. Poe-se aia oar ue a esesa com

5 o Cogresso Brasileiro e P&D em Peróleo & Gás combusível aicioal cosumio os oros cresce o eríoo aalisao. Iso se eve ao aumeo o ível e icrusação os rocaores e calor a ree. No rimeiro eríoo (5/06/0 a 5/07/0, a esesa méia esá em oro e US$ 830/ia. No seguo eríoo (5/07/0 a 5/08/0, a esesa méia esá em US$ 984/ia e o erceiro eríoo (5/08/0 a 5/09/0, a esesa méia esá or vola e US$ 644/ia. Os resulaos mosram ue os cusos associaos com o roblema a icrusação a ree e ré-auecimeo e eróleo são sigiicaivos. Ese cuso reresea somee um e muios ouros cusos relacioaos com ese roblema. Para ue a erormace érmica a ree se resabeleça é ecessário ue os rocaores mais susceíveis à icrusação seam limos. Por limiação e esaço, os resulaos são resrios e maiores ealhes são ecoraos em Toi (003. Figura - Eeiviae e um rocaor e calor em ução o emo. Figura - Íice e icrusação e um rocaor em ução o emo. 5. Coclusões Em uma reiaria e eróleo as variações iárias as coições oeracioais, ricialmee as vazões e as cargas e eróleo rocessaas rovocam alerações cosaes o esemeho érmico e rocaores e calor. No resee rabalho, é areseaa uma meoologia caaz e moiorar o esemeho érmico a baeria e réauecimeo o cru. Ao corário o roceimeo raicioa a meoologia areseaa ecessia e somee ois roceimeos: eeração a eeiviae baseaa em aos meios e cálculo as eeiviaes baseaa em correlações. A eeiviae meia é comaraa à eeiviae a coição lima e sua, mosrao ue o esemeho os rocaores e calor vai reuzio com o emo. Foi observao ue as variações e vazão são imoraes o cálculo a eeiviae, mas as muaças as rorieaes o eróleo e os rouos ão areseam iluêcia sigiicaiva a eeiviae. De acoro com os resulaos exerimeais obios, viu-se ue as correlações roosas or Jeróimo e al. (997 aresearam bos resulaos, ão somee o moiorameo érmico iiviual e rocaores e calor como ambém a ree e rocaores e calor. Esas correlações são muio mais simles e serem usaas o ue o cálculo as variações e c U e oem orar-se uma erramea uameal o moiorameo e rocaores e calor e e suas rees. O moiorameo coíuo a ree oe auar a eerar o eríoo aeuao ara limeza os rocaores e calor.

6 o Cogresso Brasileiro e P&D em Peróleo & Gás No emrego a meoologia, é ecessária a meição as emerauras e eraa e saía e caa corree e luio e uma as vazões em caa rocaor e calor. Vale lembrar ue uma ree e rocaores e calor uilizaa o réauecimeo o eróleo em em méia 40 rocaores e ue a coiabiliae os resulaos obios o emrego a meoologia é ireamee roorcioal ao grau e isrumeação a ree. Além isso, são ecessários ceros cuiaos ara garair a coiabiliae os aos meios. Figura 3 - Eeiviae a ree em ução o emo. Figura 4 - Desesa aicioal e combusível os oros. 6. Agraecimeos Os auores areseam seus agraecimeos: i à Perobras (Uiae e Negócios Reiaria Presiee Geúlio Vargas - REPAR, área e Oimização; ii ao CNP (Coselho Nacioal e Desevolvimeo Cieíico e Tecológico e; iii à Agêcia Nacioal e Peróleo - ANP e à Fiaciaora e Esuos e Proeos - FINEP or meio o Programa e Recursos Humaos a ANP ara o Seor e Peróleo e Gás PRH-ANP/MCT (PRH0 CEFET-PR, cuo aoio iaceiro ermiiu a realização ese rabalho. 7. Reerêcias JERÓNIMO, M. A. S., MELO, L. F., BRAGA, A. S., FERREIRA, P. J. B. F., MARTINS, C., Moiorig he hermal eiciecy o oule hea exchag. a simliie meho. Exer. Thermal a Flui Sciece, v.4, , 997. LEACH, S. H., FACTOR, S. A., Moiorig oulig i reiery a erochemical la hea exchage euime. 0 h Naioal Hea Traser Coerece. ASME, 98. LIU, H, KAKAÇ, S., Hea exchagers selecio, raig a hermal esig, CRC Press, 998. POLLEY, G. T., WILSON, D. I., YEAP, B. L., PUGH, S. J., Use o crue oil oulig aa i hea exchager esig. Alie Thermal Egieerig, v., , 00. TONIN, P. C., Meoologia ara Moiorameo o Desemeho Térmico e Rees e Trocaores e Calor, Disseração e Mesrao, Cero Feeral e Eucação Tecológica o Paraá, Curiiba-PR, 003.

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 03 Métodos Cinéticos

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 03 Métodos Cinéticos Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos Irodução O esudo ciéico, usualmee, é feio a arir de dados exerimeais coleados durae a evolução de uma reação química. Eses dados coleados

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA Kelly Araúo César Uiversiae Caólica e Brasília Resumo Ese rabalho apresea a aálise esaísica e sobrevivêcia. Essa esima o

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO MOVIMENTO DE UM CILINDRO E UMA ESFERA EM QUEDA LIVRE

MODELAGEM MATEMÁTICA E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO MOVIMENTO DE UM CILINDRO E UMA ESFERA EM QUEDA LIVRE 5º POSMEC - Simósio do Programa de Pós-Graduação em Egeharia Mecâica Uiversidade Federal de Uberlâdia Faculdade de Egeharia Mecâica MODELAGEM MATEMÁTICA E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO MOIMENTO DE UM CILINDRO

Leia mais

TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS

TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS A hipóese ula (Ho) usualmee esaa é a e que as uas amosras eham sio obias e populações om méias iguais,

Leia mais

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO 1. APRESENTAÇÃO Nese capíulo serão abordados vários méodos que levam em coa o uso das probabilidades a aálise de ivesimeos. Eses méodos visam subsidiar

Leia mais

Métodos de Amortização

Métodos de Amortização Méodos de Amorização Rui Assis Egeheiro Mecâico IST rassis@rassis.com www.rassis.com Fevereiro de 2006 Reviso em Seembro de 20 Méodos de Amorização Irodução Na perspeciva coabilísica, a amorização referese

Leia mais

Índices de preço para o transporte de cargas:

Índices de preço para o transporte de cargas: Ídices de reço ara o rasore de cargas: ocasodasoja Auguso Hauer Gameiro Professor da Uiversidade de São Paulo José Vicee Caixea-Filho Professor da Uiversidade de São Paulo Palavras-chave ídice, reço, rasore.

Leia mais

FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schubert

FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schubert FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schuber Esa maéria que ão em bibliografia e o seu coceio o ambiee coábil refere-se aos bes iagíveis e os auores ficam com os ies iagíveis possíveis de serem regisrados pela coabilidade

Leia mais

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS 15 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS Evaldo Ferezi Luiz Carlos Felicio EESC-USP, Av.

Leia mais

OPERAÇÃO OTIMIZADA INTELIGENTE DE GRUPOS GERADORES HIDRELÉTRICOS GUILHERME S. BASTOS

OPERAÇÃO OTIMIZADA INTELIGENTE DE GRUPOS GERADORES HIDRELÉTRICOS GUILHERME S. BASTOS Aais o XIX Cogresso Brasileiro e Automática, CBA 0. OERAÇÃO OTIMIZADA INTELIGENTE DE GRUOS GERADORES HIDRELÉTRICOS GUILHERME S. BASTOS Cetro e Referêcia em Tecologias a Iformação, Istituto e Egeharia e

Leia mais

Técnicas de Linearização de Sistemas

Técnicas de Linearização de Sistemas EA66 Pro. Vo Ze DCA/FEEC/Uc éccs e Lerzção e Sses Iroção ese óco vos recorrer reqüeeee éccs e lerzção e sse ão-ler e oro e oo e oerção. Iso ere qe o sse ler resle se lso co se s oeross erres e álse váls

Leia mais

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA)

SIMULADO. Física. 1 (Fuvest-SP) 3 (UERJ) 2 (UFPA) (Fuves-SP) (UERJ) No esáio o Morumbi, 0 000 orceores assisem a um jogo. Aravés e caa uma as 6 saías isponíveis, poem passar 000 pessoas por minuo. Qual é o empo mínimo necessário para esvaziar o esáio?

Leia mais

2 Métodos de previsão de vendas de itens de estoque 2.1 Introdução

2 Métodos de previsão de vendas de itens de estoque 2.1 Introdução 8 Méodos de previsão de vedas de ies de esoque. Irodução A previsão de demada é processo comum o plaejameo das empresas e poderá ser basae úil o corole de esoques e egociações de preços. Ao se rabalhar

Leia mais

8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre de 2007

8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Octubre de 2007 8º CONGRESO IBEROAMERICANO DE INGENIERIA MECANICA Cusco, 23 al 25 de Ocubre de 27 OPTIMIZAÇÃO DO PERÍODO DE SUBSTITUIÇÃO PREVENTIVA DE COMPONENTES EM FUNÇÃO DOS CUSTOS José Mendonça Dias *, José Gomes

Leia mais

Equação diferencial é uma equação que apresenta derivadas ou diferenciais de uma função desconhecida.

Equação diferencial é uma equação que apresenta derivadas ou diferenciais de uma função desconhecida. . EQUAÇÕES DIFERENCIAIS.. Coceito e Classificação Equação iferecial é uma equação que apreseta erivaas ou ifereciais e uma fução escohecia. Seja uma fução e e um iteiro positivo, etão uma relação e igualae

Leia mais

2.4. Grandezas Nominais e Reais

2.4. Grandezas Nominais e Reais 2.4. Gradezas Nomas e Reas rcpas varáves macroecoómcas (IB, C, G, I, X, Q,...): sedo agregações, são ecessaramee valores moeáros Calculadas a preços correes / em valor / em ermos omas, Mas eressa, frequeemee,

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA

MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA a MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA Âgela Maria Loureção Gerolômo 1 UEL Uiversidade Esadual de Lodria agela-maemaica@uol.com.br Rodolfo Eduardo Verua 2 UEL Uiversidade Esadual de Lodria rodolfoverua@yahoo.com.br

Leia mais

SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE CONDUÇÃO DE CALOR POR DECOMPOSIÇÃO DE DOMÍNIO

SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE CONDUÇÃO DE CALOR POR DECOMPOSIÇÃO DE DOMÍNIO SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE CONDUÇÃO DE CALOR POR DECOMPOSIÇÃO DE DOMÍNIO Idalmis Milián Sardiña 1 Luiz Nélio Henderson 2 Anônio J. Silva Neo 3 Insiuo Poliécnico UERJ, CP 97282, CEP 28601-970, Nova Friburgo,

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO CAPÍTULO 3 - RETFCAÇÃO A maioria dos circuitos eletrônicos recisa de uma tensão cc ara oder trabalhar adequadamente Como a tensão da linha é alternada, a rimeira coisa a ser feita em qualquer equiamento

Leia mais

RELATÓRIO DE CONSULTORIA

RELATÓRIO DE CONSULTORIA Recomendação ao Sr. Silva RELATÓRIO DE CONSULTORIA CONSTITUIÇÃO DO ÍNDICE PSI0 ALTRI SGPS, S.A. BCP Banco Comercial Português, S.A. BES Banco Esírito Santo, S.A. BPI Banco Português de Investimento, S.A.

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como:

1. ENTALPIA. (a) A definição de entalpia. A entalpia, H, é definida como: 1 Data: 31/05/2007 Curso de Processos Químicos Reerência: AKINS, Peter. Físico- Química. Sétima edição. Editora, LC, 2003. Resumo: Proas. Bárbara Winiarski Diesel Novaes 1. ENALPIA A variação da energia

Leia mais

Contabilometria. Números-Índices

Contabilometria. Números-Índices Coablomera Números-Ídces Foes: Seveso (1981) Esaísca Alcada à Admsração Ca. 15 Foseca, Mars e Toledo (1991) Esaísca Alcada Ca. 5 Números-Ídces Sezam modfcações em varáves ecoômcas durae um eríodo de emo

Leia mais

ENG04030 - ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030

ENG04030 - ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030 EG04030 AÁISE DE IRUITOS I Aulas 9 ircuios e ª orem: análise no omínio o empo aracerísicas e capaciores e inuores; energia armazenaa nos componenes; associação e capaciores/inuores Sérgio Haffner ircuios

Leia mais

Análise tributária das formas de remuneração dos sócios: uma abordagem com cálculo atuarial

Análise tributária das formas de remuneração dos sócios: uma abordagem com cálculo atuarial Aálse rbuára das formas de remueração dos sócos: uma abordagem com cálculo auaral Resumo A redução dos cusos de emresas or meo de laejameo rbuáro é óco recorree, ao a esqusa coábl acadêmca, como a ráca

Leia mais

MERCOFRIO 2000 - CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 - CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 - CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENO E VENILAÇÃO DO MERCOSUL OIMIZAÇÃO DE SISEMA DE REFRIGERAÇÃO DE AMBIENE COM LEIO DE PEDRA Eduardo José Cidade Cavalcanti - educanti@fem.unicam.br

Leia mais

Elasticidade - Demanda e Preço

Elasticidade - Demanda e Preço José Lásaro Cotta Elasticidade - Demanda e Preço Monografia aresentada ao Curso de Esecialização em Matemática Para Professores, elaborado elo Deartamento de Matemática da Universidade Federal de Minas

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

Educação, Salários e a Alocação de Trabalhadores entre Tarefas: Teoria e Evidências para o Brasil

Educação, Salários e a Alocação de Trabalhadores entre Tarefas: Teoria e Evidências para o Brasil Inspirar para Transformar Eucação, Salários e a Alocação e Trabalhaores enre Tarefas: Teoria e Eviências para o Brasil Reynalo Fernanes Naercio Menezes-Filho Insper orking Paper PE: 960 Inspirar para Transformar

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

1. Um capital de $80.000,00 é aplicado à taxa de 2,5% ao mês durante um trimestre. Determine o valor dos juros acumulados neste período.

1. Um capital de $80.000,00 é aplicado à taxa de 2,5% ao mês durante um trimestre. Determine o valor dos juros acumulados neste período. MATEMÁTIA FINANEIRA RESOLUÇÃO DOS EXERÍIOS I. UROS SIMPLES. Um capial de $8., é aplicado à axa de 2,5% ao mês durae um rimesre. Deermie o valor dos juros acumulados ese período. i..,25 8. 3 6., 2. Um egociae

Leia mais

Corrente. Grau 10 Grau 8 Elo Curto Elo Médio Elo Longo

Corrente. Grau 10 Grau 8 Elo Curto Elo Médio Elo Longo Corrente Grau 10 Grau 8 lo Curto lo Méio lo ongo Corrente Corrente Grau 10 (200), GrabiQ :3 Corrente Grau 10 (00), GrabiQ :3 Corrente e lo Curto KB, Grau 8, Classic :3 Corrente e lo Curto KFU, Grau 8 :

Leia mais

CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS.

CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Carlos Luciao Sa Aa Vargas Mesrado do Programa de Pós-graduação em Egeharia de Produção a UFSC Praça

Leia mais

Desafio em Física 2013 PUC-Rio 05/10/2013

Desafio em Física 2013 PUC-Rio 05/10/2013 Desafio e Física 2013 PUC-Rio 05/10/2013 Noe: GABARITO Idetidade: Nº iscrição o vestibular: Questão Nota 1 2 3 4 5 6 7 8 Total O teo de duração da rova é de 3 horas É eritido o uso de calculadora eletrôica;

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO A 0) Considere as seguintes roosições referentes a um gás erfeito. I. Na transformação isotérmica, o roduto. é roorcional à temeratura do gás. II. Na

Leia mais

INTERFERÊNCIA DE MICROONDAS (RELATÓRIO / EXPERIÊNCIA

INTERFERÊNCIA DE MICROONDAS (RELATÓRIO / EXPERIÊNCIA UNIVRSIDAD FDRAL DA BAHIA INSTITUTO D FÍSICA DPARTAMNTO D FÍSICA DO STADO SÓLIDO FIS 14 - FÍSICA GRAL XPRIMNTAL IV / LABORATÓRIO PROF.: José Ferao Turma: Teórica/ Prática T: P: 13 Data: 13/09/00 Aluo:

Leia mais

7. VENTILADORES INTRODUÇÃO CAMPOS DE APLICAÇÃO

7. VENTILADORES INTRODUÇÃO CAMPOS DE APLICAÇÃO 7. ENTILADORES INTRODUÇÃO eniladores são máquinas de fluxo geradoras que ransmiem a energia mecânica recebida do eixo ara o fluido (gás). Seu funcionameno é similar às bombas, sendo a rincial diferença

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO PERÍODO DE LIMPEZA DE TROCADORES DE CALOR UTILIZADOS NO REFINO DE PETRÓLEO

OTIMIZAÇÃO DO PERÍODO DE LIMPEZA DE TROCADORES DE CALOR UTILIZADOS NO REFINO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE CURITIBA DEPARTAMENTO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA E DE MATERIAIS - PPGEM MÁRCIO MADI OTIMIZAÇÃO DO

Leia mais

Compressão da mortalidade: um estudo da variabilidade da idade à morte na população do Estado de São Paulo, Brasil, 1980-2005

Compressão da mortalidade: um estudo da variabilidade da idade à morte na população do Estado de São Paulo, Brasil, 1980-2005 ARTIGO ARTICLE 1475 Compressão a mortaliae: um estuo a variabiliae a iae à morte a população o Estao e São Paulo, Brasil, 1980-2005 Compressio of mortality: a stuy o the variability of age at eath i the

Leia mais

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 *

Mecânica de Sistemas de Partículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * Mecânica e Sisemas e Parículas Prof. Lúcio Fassarella * 2013 * 1. A velociae e escape e um planea ou esrela é e nia como seno a menor velociae requeria na superfície o objeo para que uma parícula escape

Leia mais

Análise de Eficiência Energética em Sistemas Industriais de Ventilação

Análise de Eficiência Energética em Sistemas Industriais de Ventilação Aálse de Efcêca Eergéca em Ssemas Idusras de elação Kleber Davd Belovsk, Déco Bspo, Aôo Carlos Delaba, Sérgo Ferrera de aula Slva Faculdade de Egehara Elérca da Uversdade Federal de Uberlâda UFU, Aveda

Leia mais

MÉTODO PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS: ALTERNATIVA PARA CLASSIFICAÇÃO DE PROJETOS COM PRAZO E VOLUME DE RECURSOS DIFERENTES.

MÉTODO PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS: ALTERNATIVA PARA CLASSIFICAÇÃO DE PROJETOS COM PRAZO E VOLUME DE RECURSOS DIFERENTES. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de ouubro de

Leia mais

José dos Campos: CTA/IAE,1997.

José dos Campos: CTA/IAE,1997. BRBOS, F.I. Desig a liqui-rella rcke egie. Disseraçã Esecialiaçã e Mres-Fguee a Prelee Líqui. Sã Jsé s Cas: C/IE, 998. BRBOS, F.I. Melage iâica e siulaçã cuacial e res-guee a relee líqui. Disseraçã Mesra

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

conceito de análise de investimento

conceito de análise de investimento 1. coceio de aálise de ivesimeo Aálise de Ivesimeos Prof. Uério Cruz O coceio de aálise de ivesimeo pode hoje ser um cojuo de écicas que permiem a comparação ere resulados de omada de decisões referees

Leia mais

ASPECTOS FINANCEIROS DA PRODUÇÃO DE TECA NO ESTADO DE MATO GROSSO

ASPECTOS FINANCEIROS DA PRODUÇÃO DE TECA NO ESTADO DE MATO GROSSO ASPECTOS FINANCEIROS DA PRODUÇÃO DE TECA NO ESTADO DE MATO GROSSO Humbero Âgelo 1, Versides Sebasião de Moraes e Silva 2, Álvaro Nogueira de Souza 1, Adré Corazza Gao 3 1 Eg. Floresal, Dr., Depo. de Egeharia

Leia mais

Antenor Rodrigues Barbosa Júnior et al.

Antenor Rodrigues Barbosa Júnior et al. Engenharia ivil Anenor Rodrigues Barbosa Júnior e al. éodos direos de deerminação do coeficiene de disersão longiudinal em cursos d água naurais Pare - Fundamenos eóricos Anenor Rodrigues Barbosa Júnior

Leia mais

Transferência de calor em superfícies aletadas

Transferência de calor em superfícies aletadas Transferência de calor em superfícies aletadas Por ue usar aletas? Interior condução Na fronteira convecção = ha(ts - T) Para aumentar : - aumentar o h - diminuir T - aumentar a área de troca de calor

Leia mais

Índices Físicos ÍNDICES

Índices Físicos ÍNDICES Ínice Fíico ÍNDICES = volume oal a amora; = volume a fae ólia a amora; = volume a fae líquia; a = volume a fae aoa; v = volume e vazio a amora = a + ; = peo oal a amora ; a = peo a fae aoa a amora; = peo

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DO PESO DOS VEÍCULOS NAS ESTRADAS

ANÁLISE DO EFEITO DO PESO DOS VEÍCULOS NAS ESTRADAS ANÁLISE DO EFEITO DO PESO DOS VEÍCULOS NAS ESTADAS Luciao Bruo Faruolo 1, Divisão de Isrumeos de Medição de Massa, Direoria de Merologia Legal, Isiuo de Nacioal de Merologia, Normalização e ualidade Idusrial,

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

Dinâmica da tecnologia agrícola brasileira, 1995-2006

Dinâmica da tecnologia agrícola brasileira, 1995-2006 DINÂMICA DA TECNOLOGIA AGRÍCOLA BRASILEIRA 995-26 apgomes@ufv.br Apresenação Oral-Evolução e esruura a agropecuária no Brasil JOSÉ LUIZ ALCANTARA FILHO; ADRIANO PROVEZANO GOMES; ROSA MARIA OLIVERA FONTES;

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 17:23. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvios e Física Básica Jason Alfreo Carlson Gallas, professor titular e física teórica, Doutor em Física pela Universiae Luwig Maximilian e Munique, Alemanha Universiae Feeral a Paraíba (João

Leia mais

OTIMIZAÇÃO NOS PADRÕES DE CORTE DE CHAPAS DE FIBRA DE MADEIRA RECONSTITUÍDA: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO NOS PADRÕES DE CORTE DE CHAPAS DE FIBRA DE MADEIRA RECONSTITUÍDA: UM ESTUDO DE CASO versão impressa ISSN 0101-7438 / versão online ISSN 1678-5142 OTIMIZAÇÃO NOS PADRÕES DE CORTE DE CHAPAS DE FIBRA DE MADEIRA RECONSTITUÍDA: UM ESTUDO DE CASO Luciano Belluzzo Reinaldo Morabio * Deparameno

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem)

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem) Para melhor aroveitamento das informações roduzidas or diferentes sensores, alguns métodos de rocessamento de imagens têm sido roostos. Estes métodos combinam imagens de diferentes características esectrais

Leia mais

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA

A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA A FÁBULA DO CONTROLADOR PID E DA CAIXA D AGUA Era uma vez uma pequena cidade que não inha água encanada. Mas, um belo dia, o prefeio mandou consruir uma caia d água na serra e ligou-a a uma rede de disribuição.

Leia mais

Comparando Fluxos de Caixa Em Moedas Diferentes

Comparando Fluxos de Caixa Em Moedas Diferentes Trabalho Apreseado o II SEGeT II Simpósio de Excelêcia em Gesão e Tecologia promovido pela Associação Educacioal Dom Bosco (AEDB) Comparado Fluxos de Caixa Em Moedas Diferees Marcelo Heriques de Brio -

Leia mais

Sistemas Dinâmicos. Sistema massa-mola-atrito. O que é um sistema? Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo

Sistemas Dinâmicos. Sistema massa-mola-atrito. O que é um sistema? Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo Sisemas Diâmicos Sisemas Lieares e Ivariaes o Tempo O que é um sisema? Sisema massa-mola-ario Um sisema é um objeco ou grupo de objecos que ieragem com o mudo. Essa ieracção é represeada aravés de eradas

Leia mais

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti

Segunda aula de mecânica dos fluidos básica. Estática dos Fluidos capítulo 2 do livro do professor Franco Brunetti Segunda aula de mecânica dos fluidos básica Estática dos Fluidos caítulo 2 do livro do rofessor Franco Brunetti NO DESENVOLVIMENTO DESTA SEGUNDA AULA NÃO IREI ME REPORTAR DIRETAMENTE AO LIVRO MENCIONADO

Leia mais

Testando a existência de efeitos lead-lag entre os mercados acionários norte-americano e brasileiro

Testando a existência de efeitos lead-lag entre os mercados acionários norte-americano e brasileiro SEGeT Simpósio de Excelêcia em Gesão e Tecologia 2 Tesado a exisêcia de efeios lead-lag ere os mercados acioários ore-americao e brasileiro Oávio Reiro de Medeiros Professor Tiular da Uiversidade de Brasília

Leia mais

ELEMENTOS DE ÓPTICA. c v n

ELEMENTOS DE ÓPTICA. c v n ELEMENTOS DE ÓPTICA ÓPTICA GEOMÉTICA Dimesões dos comoetes óticos muito sueriores ao comrimeto de oda da luz. Um eixe lumioso como um cojuto de raios erediculares à rete de oda. ÍNDICES DE EFACÇÃO, LEI

Leia mais

Oktober Fórum 2005 PPGEQ

Oktober Fórum 2005 PPGEQ UNIVERSIAE FEERAL O RIO GRANE O SUL Okober Fórum 2005 PPGEQ MOELAGEM E TROCAORES E CALOR CASCO E TUBOS Gerson Balbueno Bicca 1, Argimiro sende Secchi 1, Keiko Wada 1 1 Grupo de Inegração, Modelagem, Simulação,

Leia mais

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009 INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Reginaldo J. Santos Deartamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais htt://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 última atualização em 10 de abril de

Leia mais

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões

13. MEDIÇÃO DE VAZÃO. 1. Introdução. 2. Aferição e Padrões 3. MEDIÇÃO DE VZÃO. Introdução Vazão é uma das grandezas mais utilizadas na indústria. s alicações são inúmeras, indo desde de medição de vazão de água em estações de tratamento e residências, até medição

Leia mais

Ponteiros em Pascal. Declaração e operadores. Resultado = 20. lixo. lixo. lixo 10,5. lixo. lixo lixo. lixo. lixo. lixo lixo

Ponteiros em Pascal. Declaração e operadores. Resultado = 20. lixo. lixo. lixo 10,5. lixo. lixo lixo. lixo. lixo. lixo lixo Introdução à Ciência da Comutação Rosane Minghim Aoio na confecção: Rogério Eduardo Garcia Danilo Medeiros Eler : Declaração e oeradores Em Pascal, o funcionamento de onteiros é arecido com o do seudocódigo.

Leia mais

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro

Luciano Jorge de Carvalho Junior. Rosemarie Bröker Bone. Eduardo Pontual Ribeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro Análise do preço e produção de peróleo sobre a lucraividade das empresas perolíferas Luciano Jorge de Carvalho Junior Rosemarie Bröker Bone Eduardo Ponual Ribeiro Universidade Federal do Rio de Janeiro

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

MAT302 - Cálculo 2. INTEGRAIS Integral Indefinida pág. 403. Bibliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Stewart Prof.

MAT302 - Cálculo 2. INTEGRAIS Integral Indefinida pág. 403. Bibliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Stewart Prof. MAT - Cálculo Biliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Sewar Prof. Valdecir Boega INTEGRAIS Iegral Idefiida pág. 4 Aé aqui, osso prolema ásico era: ecorar a derivada de uma fução dada. A parir de

Leia mais

CUSTOS POTENCIAIS DA PRODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

CUSTOS POTENCIAIS DA PRODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO XXII Enconro Nacional de Engenharia de rodução Curiiba R, 23 a 25 de ouubro de 2002 CUSTOS OTENCIAIS DA RODUÇÃO E OS BENEFÍCIOS DO LANEJAMENTO E CONTROLE DA RODUÇÃO Valério Anonio amplona Salomon José

Leia mais

NOVAS ABORDAGENS PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUES COM MÚLTIPLOS VEÍCULOS

NOVAS ABORDAGENS PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUES COM MÚLTIPLOS VEÍCULOS NOVAS ABORDAGENS PARA O PROBLEMA DE ROTEIRIZAÇÃO E ESTOQUES COM MÚLTIPLOS VEÍCULOS Thago Adré Gumarães Cero Uversáro Fracscao do Paraá hadgu@gmal.com Cassus Tadeu Scar Dearameo de Egehara de Produção Uversdade

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Análise de uma Fila Única

Análise de uma Fila Única Aálise de ua Fila Úica The A of oue Syses Pefoace Aalysis Ra Jai a. 3 Fila Úica O odelo de filas ais siles coé aeas ua fila Pode se usado aa aalisa ecusos idividuais e siseas de couação Muias filas ode

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS. Aulas 15-16. Compressores Alternativos

MÁQUINAS TÉRMICAS. Aulas 15-16. Compressores Alternativos MÁQUINAS TÉRMICAS Aulas 5-6 Comressores Alterativos Itrodução, descrição, tios, características. Termodiâmica: diagrama do ciclo, rocesso de comressão isetróico, olitróico, isotérmico, cálculo da otêcia,

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSISTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO MESTRADO EM FINANÇA A Prouiviae as Empresas Seguraoras e Angola Silvesre Dumbo Orienação: Carlos Albero Pesana Barros Professor

Leia mais

QUEBRA ESTRUTURAL, MODELAGEM E PREVISÃO DO PREÇO DO CAFÉ BRASILEIRO

QUEBRA ESTRUTURAL, MODELAGEM E PREVISÃO DO PREÇO DO CAFÉ BRASILEIRO 1 QUEBRA ESTRUTURAL, MODELAGEM E PREVISÃO DO PREÇO DO CAFÉ BRASILEIRO Carlos Enrique Carrasco Guierrez Douor em Economia ela Fundação Geúlio Vargas - RJ E-mail: carlosenrique@ucb.br Universidade Caólica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus de Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engenharia Civil UIVERSIDDE ESTDUL PULIST UESP - Camus e auru/sp FCULDDE DE EGEHRI Deartamento e Engenharia Civil Discilina: 33 - ESTRUTURS DE COCRETO III OTS DE UL SPTS DE FUDÇÃO Prof. Dr. PULO SÉRGIO DOS STOS STOS (www.feb.unes.br/bastos)

Leia mais

Aula - 2 Movimento em uma dimensão

Aula - 2 Movimento em uma dimensão Aula - Moimeno em uma dimensão Física Geral I - F- 18 o semesre, 1 Ilusração dos Principia de Newon mosrando a ideia de inegral Moimeno 1-D Conceios: posição, moimeno, rajeória Velocidade média Velocidade

Leia mais

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos ª aula Suário: licação da conservação da energia ecânica a ovientos e caos gravíticos. nergia oteial elástica. Forças não conservativas e variação da energia ecânica. licação da conservação da energia

Leia mais

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011

MATEMATICA Vestibular UFU 2ª Fase 17 de Janeiro de 2011 Vesibular UFU ª Fase 17 de Janeiro de 011 PRIMEIRA QUESTÃO A realidade mosra que as favelas já fazem pare do cenário urbano de muias cidades brasileiras. Suponha que se deseja realizar uma esimaiva quano

Leia mais

Quinta aula de estática dos fluidos. Primeiro semestre de 2012

Quinta aula de estática dos fluidos. Primeiro semestre de 2012 Quinta aula de estática dos fluidos Prieiro seestre de 01 Vaos rocurar alicar o que estudaos até este onto e exercícios. .1 No sistea da figura, desrezando-se o desnível entre os cilindros, deterinar o

Leia mais

PROCESSOS ESTOCÁSTICOS E TEORIA DE FILAS

PROCESSOS ESTOCÁSTICOS E TEORIA DE FILAS Uiversidade Federal do Rio de Jaeiro COE: rograma de Egeharia de rodução Área de esquisa Oeracioal O Escola oliécica: Dearameo de Egeharia Idusrial ROCESSOS ESTOCÁSTICOS E TEORIA DE FILAS rof. Virgílio

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

UM MODELO HIERÁRQUICO PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS A HIERARCHICAL MODEL TO AGRICULTURAL COMMODITIES PRICES FORECAST

UM MODELO HIERÁRQUICO PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS A HIERARCHICAL MODEL TO AGRICULTURAL COMMODITIES PRICES FORECAST Revisa Produção Olie v.0,.4, dez. 200 ISSN: 676-90 www.producaoolie.org.br UM MODELO HIERÁRQUICO PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS A HIERARCHICAL MODEL TO AGRICULTURAL COMMODITIES PRICES

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 2ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSCA º ANO - ª MENSAL - º RMESRE PO A ) Cosidere as seguites roosições referetes a u gás erfeito.. O gás é costituído de u úero uito elevado de éculas que tê diesões desrezíveis e coaração co

Leia mais

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados

Bombas com Variadores de Frequência Inteligentes Integrados Bombas com Variadores de Frequência Ineligenes Inegrados soluion ouline file no: 100.11p dae: january 2013 supersedes: new dae: new máxima performance durane odo o empo 125 a Armsrong desenvolveu o Design

Leia mais

Unidade VII - Teoria Cinética dos Gases

Unidade VII - Teoria Cinética dos Gases Unidade VII - eoria Cinética dos Gases fig. VII.. Nesse rocesso, a ressão em um gás aumenta e o olume diminui. Isto é, a colisão de suas moléculas dee aumentar, sua energia cinética aumenta e diminui a

Leia mais

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA)

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA) Modelo uzzy de tomada de decisão ara avaliação de rojetos de Resonsabilidade Socioambiental (RSA) Katia Cristina Garcia Laboratório Interdiscilinar de Meio Ambiente - COPPE/URJ Centro de Tecnologia, Bloco

Leia mais

FORMULAÇÃO DE POLÍTICA DE DISTRIBUIÇÃO COM LOTE ECONÔMICO DE ENTREGA EM PROBLEMAS DE ROTEIRIZAÇÃO COM ESTOQUE GERENCIADO PELO FORNECEDOR

FORMULAÇÃO DE POLÍTICA DE DISTRIBUIÇÃO COM LOTE ECONÔMICO DE ENTREGA EM PROBLEMAS DE ROTEIRIZAÇÃO COM ESTOQUE GERENCIADO PELO FORNECEDOR Smóso Braslero de Pesqusa Oeracoal A Pesqusa Oeracoal a busca de efcêca os servços úblcos e/ou rvados 6 a 9 Seembro de 203 Naal/RN FORMULAÇÃO DE POLÍTICA DE DISTRIBUIÇÃO COM LOTE ECONÔMICO DE ENTREGA EM

Leia mais

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY

ROGÉRIO S. COSTA, RODRIGO S. TEIXEIRA, DARIZON A. DE ANDRADE, AUGUSTO A. FLEURY MOTOR A RELUTÂNCIA CHAVEADO MONOFÁSICO ROGÉRIO S COSTA, RODRIGO S TEIXEIRA, DARIZON A DE ANDRADE, AUGUSTO A FLEURY Laboratório de Acionamentos Elétricos, Deartamento de Engenharia Elétrica, Universidade

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

lbs lbs 26 Peso do carro a motor (LM) lbs kg 59.5 27 26 Peso da talha, elevação standard 59.5 27 lbs kg 76.5 34.7 lbs kg 116.8 53 76.5 34.

lbs lbs 26 Peso do carro a motor (LM) lbs kg 59.5 27 26 Peso da talha, elevação standard 59.5 27 lbs kg 76.5 34.7 lbs kg 116.8 53 76.5 34. arros RROS apaciaes e carga: até 0 t Os carros estão isponíveis para toas as talhas as séries PROI e : arros manuais () para empurrar ou puxar os carros à mão arros e corrente () para movimentação o carro

Leia mais

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE RINCÍIOS DE COMUNICAÇÃO II MODULAÇÃO EM AMLITUDE Vaos iniciar o rocesso a artir de ua exressão que define sinais de tensão cossenoidais no teo, exressos genericaente or : e () t = E cos ω () t x x x onde

Leia mais