A Influência da Observabilidade e da Visualização Radial no Projeto de Sistemas de Monitoramento de Redes de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Influência da Observabilidade e da Visualização Radial no Projeto de Sistemas de Monitoramento de Redes de Computadores"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia CT Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica e de Computação PPgEEC A Influência da Observabilidade e da Visualização Radial no Projeto de Sistemas de Monitoramento de Redes de Computadores João Paulo de Souza Medeiros Orientador: Prof. Dr. Paulo Sérgio da Motta Pires Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica e de Computação da UFRN (área de concentração: Engenharia de Computação) como parte dos requisitos para obtenção do título de Doutor em Ciências. Natal, RN, 13 de fevereiro de 2014

2 UFRN / Biblioteca Central Zila Mamede. Catalogação da Publicação na Fonte. Medeiros, João Paulo de Souza. A Influência da Observabilidade e da Visualização Radial no Projeto de Sistemas de Monitoramento de Redes de Computadores. / João Paulo de Souza Medeiros. Natal, RN, f.: il. Orientador: Prof. Dr. Paulo Sérgio da Motta Pires. Tese (Doutorado) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Tecnologia. Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica e de Computação. 1. Monitoramento de redes Tese. 2. Sistemas complexos Tese. 3. Observabilidade de sistemas Tese. 4. Visualização de topologias Tese. 5. Análise de desempenho e complexidade Tese. I. Pires, Paulo Sérgio da Motta. II. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. III. Título. RN/UF/BCZM CDU 004.7

3

4

5 There is no end to education. It is not that you read a book, pass an examination, and finish with education. The whole of life, from the moment you are born to the moment you die, is a process of learning. Jiddu Krishnamurti

6

7 Agradecimentos Ao Prof. Paulo Sérgio da Motta Pires, pelo incentivo e apoio. Seu compromisso com a excelência ajuda-nos a descobrir do quão somos capazes. Sou grato também pelos valiosos conselhos e oportunidades, além do exemplo de profissionalismo. Ao Prof. Agostinho de Medeiros Brito Júnior, pelo incentivo e apoio. Sou grato pois é de sua responsabilidade minha inserção em pesquisa e no meio científico. Ao Prof. Selan Rodrigues dos Santos, pelas conversas esclarecedoras e por ter me ajudado a refletir sobre os rumos de minha vida profissional. À minha mãe, Maria Nerivan de Souza Medeiros, pela benção, incentivo e por ter me mostrado que mãe é definição de determinação e lealdade. Ao meu pai, Josias Martinho de Medeiros, por me influenciar com os dons da paciência, superação e discernimento. Ao meu irmão, Prof. Luiz Paulo de Souza Medeiros, pelas discussões enriquecedoras e por demonstrar de maneira própria como se tornar um profissional exemplar. À minha companheira, Graciele Saionara Linhares de Lima, por sempre me ajudar a recuperar as forças e refletir sobre meus objetivos. Seu apoio, atenção e compreensividade foram fundamentais e dignos. Ao meu filho, Pedro Joaquin de Lima Medeiros, sua anunciação e presença me proporcionaram a base emocional, firme como rocha, que precisamos quando enfrentamos grandes desafios, além de propiciar a elevação espiritual necessária na finalização deste trabalho. Aos meus amigos, Franscisco da Chagas Araujo de Lima (em memória) e Maria Cassé Linhares de Lima, por terem me acolhido e ajudado de forma generosa e amável. Aos meus amigos, Prof. João Batista Borges Neto e Prof. Luiz Paulo de Assis Barbosa, pelo apoio, pelas discussões esclarecedoras e pelos momentos de descontração. Ao grupo de desenvolvedores do Umit, especialmente ao Adriano Monteiro Marques e ao Luís António Bastião Silva, pelo enriquecedor envolvimento no meu trabalho. Ao criador do Nmap, Gordon Fyodor Lion, pelos comentários, oportunidades e conhecimento compartilhados. Finalmente, sou grato pela oportunidade de desenvolver este trabalho no Laboratório de Segurança da Informação (LabSIN) e no Laboratório de Elementos do Processamento da Informação (LabEPI), ambos sediados na Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

8

9 Resumo Este trabalho apresenta um levantamento dos problemas associados à influência da observabilidade e da visualização radial no projeto de sistemas de monitoramento para redes de grande magnitude e complexidade. Além disso, se propõe a apresentar soluções para parte desses problemas. Através da utilização da Teoria de Redes Complexas, são abordadas duas questões: (i) a localização e a quantidade de nós necessários para garantir uma aquisição de dados capaz de representar o estado da rede de forma efetiva e (ii) a elaboração de um modelo de visualização das informações da rede capaz de ampliar a capacidade de inferência e de entendimento de suas propriedades. Esta tese estabelece limites teóricos para estas questões e apresenta um estudo sobre a complexidade do monitoramento eficaz, eficiente e escalável de redes. Palavras-chave: Monitoramento de redes; Sistemas complexos; Observabilidade de sistemas; Visualização de topologias; Análise de desempenho e complexidade.

10

11 Abstract This thesis presents a survey of problems associated to the influence of observability and radial visualization in the design of a monitoring system for huge and complex networks. In addition, there were proposed solutions for part of these problems. Through the use of Complex Networks Theory, this thesis addresses two questions: (i) the localization and the quantity of nodes needed to ensure the gathering of data sufficient to effectively represent the network state, and (ii) the elaboration of an information visualization model capable of amplify the capability of inference and understating of network properties. This thesis establishes theoretical limits for these questions and presents a study about the complexity of an effective, efficient and scalable network monitoring system. Keywords: Network monitoring; Complex systems; System observability; Topology visualization; Performance analysis and complexity.

12

13 Sobre a Observabilidade e a Visualização no Monitoramento de Redes i Sumário Lista de Algoritmos Lista de Definições Lista de Figuras Lista de Tabelas Lista de Teoremas Glossário iii vi viii ix xii xiii 1 Introdução Motivação Objetivos Trabalhos relacionados Contribuições Organização do trabalho Publicações relacionadas Projeto de monitoramento Introdução Fundamentação Topologia Observadores Otimização Predicados Visualização Objetivos específicos Metodologia Observabilidade de redes Introdução Modelo linear de representação topológica Modelo estocástico de propagação da informação Modelo proposto Observabilidade estrutural Observabilidade funcional

14 3.3 Experimentos Observabilidade estrutural Observabilidade funcional Considerações Quantidade de nós Localização dos nós Visualização de redes Introdução Modelo proposto Disposição radial Otimização Análise Tempo de execução esperado Escalabilidade da visualização Experimentos Distribuição do raio da visualização Relação entre o diâmetro e o raio Relação entre a eficiência e o raio Considerações Conclusões Resultados Trabalhos futuros A Caracterização de redes complexas 85 A.1 Introdução A.2 Métricas A.2.1 Distribuição dos graus A.2.2 Distância média A.2.3 Diâmetro A.2.4 Eficiência A.2.5 Coeficiente de agrupamento B Representação de redes complexas 101 B.1 Introdução B.2 Topologias determinísticas B.3 Grafos aleatórios B.4 Mundo pequeno B.5 Livre de escala C Resultados complementares 113 C.1 Caracterização de redes determinísticas C.2 Observabilidade C.3 Visualização Referências Bibliográficas 132 Índice Remissivo 137

15 Sobre a Observabilidade e a Visualização no Monitoramento de Redes iii Lista de Algoritmos 3.1 Algoritmo (Busca do conjunto observador estrutural mínimo) Algoritmo (Rendimento) Algoritmo (Construção da matriz estocástica de transição) Algoritmo (Busca do conjunto observador funcional mínimo) Algoritmo (Cálculo do espaço angular necessário) Algoritmo (Cálculo do raio mínimo) A.1 Algoritmo (Cálculo dos graus de entrada e saída de cada nó) A.2 Algoritmo (Construção da função de distribuição dos graus) A.3 Algoritmo (Distância em relação a um nó) A.4 Algoritmo (Caminho mais curto) A.5 Algoritmo (Distância média) A.6 Algoritmo (Diâmetro) A.7 Algoritmo (Eficiência média) A.8 Algoritmo (Coeficiente de agrupamento) A.9 Algoritmo (Coeficiente de agrupamento da rede) B.1 Algoritmo (Criação de uma rede aleatória) B.2 Algoritmo (Criação de uma rede de mundo pequeno) B.3 Algoritmo (Criação de uma rede livre de escala)

16

17 Sobre a Observabilidade e a Visualização no Monitoramento de Redes v Lista de Definições 2.1 Definição (Monitoramento) Definição (Nós observadores ou monitores) Definição (Aquisição passiva) Definição (Aquisição ativa) Definição (Eficácia) Definição (Eficiência) Definição (Escalabilidade) Definição (O conceito de topologia) Definição (O problema da identificação topológica) Definição (O problema da escolha dos observadores) Definição (Controlabilidade) Definição (Observabilidade) Definição (O problema da otimização e aproximação) Definição (O problema da inferência de predicados) Definição (Visualização da informação) Definição (O problema da apresentação da informação) Definição (Representação eficaz) Premissa (Invariância topológica) Premissa (Evolução discreta de estado) Definição (Sistema linear discreto invariante no tempo) Premissa (Conservação da informação) Premissa (Atingibilidade) Definição (Processo marcoviano) Definição (Conjunto observador estrutural) Definição (Conjunto observador funcional) Definição (Observabilidade estrutural) Definição (Observabilidade funcional) Definição (Rendimento de um nó) Definição (Matriz estocástica regular) Definição (Disposição radial) Definição (Disposição radial expressiva) Definição (Disposição radial expressiva mínima) Definição (Sobreposição angular) Definição (Sobreposição parental) A.1 Definição (Grafo direcionado com pesos)

18 A.2 Definição (Matriz de adjacência) A.3 Definição (Grau) A.4 Definição (Densidade) A.5 Definição (Distribuição dos graus da rede) A.6 Definição (Distância entre dois nós) A.7 Definição (Distância média) A.8 Definição (Diâmetro) A.9 Definição (Eficiência) A.10 Definição (Eficiência média) A.11 Definição (Vizinhança) A.12 Definição (Coeficiente de agrupamento) A.13 Definição (Coeficiente de agrupamento da rede) C.1 Definição (Grafo direcionado em anel) C.2 Definição (Grafo direcionado em estrela) C.3 Definição (Grafo direcionado em linha)

19 Sobre a Observabilidade e a Visualização no Monitoramento de Redes vii Lista de Figuras 2.1 Representação do processo de monitoramento de redes Representação das etapas do projeto de um sistema de monitoramento Ilustração de uma árvore multicast Representação de grafos por matriz de adjacência Representação do processo de identificação de sistemas Mapa auto-organizável de assinaturas de sistemas operacionais Descritores do TCP ISN PRNG de diferentes sistemas operacionais Ilustração do procedimento metodológico Representação em blocos da equação de espaço de estado Exemplo de mapeamento topológico para equação de espaço de estado Matrizes de adjacência das topologias determinísticas Matriz de transmissão para topologias determinísticas Exemplo de emparelhamento máximo em grafos não direcionados Rendimento dos nós em uma rede livre de escala Relação entre o rendimento e o grau em redes livre de escala Cardinalidade do conjunto observador estrutural Distribuição da quantidade de nós observadores estruturais Grau esperado relativo dos nós observadores estruturais Relação entre o diâmetro e a observabilidade estrutural Relação entre a eficiência e a observabilidade estrutural Relação entre o agrupamento e a observabilidade estrutural Relação entre a cardinalidade de O o e e a quantidade de rotas Exemplo de localização dos nós observadores estruturais Relação entre o rendimento e a cardinalidade de O o c Relação entre o rendimento e a quantidade de tráfego instantâneo Cardinalidade do conjunto observador funcional Distribuição da quantidade de nós observadores funcionais Grau esperado relativo dos nós observadores funcionais Relação entre o diâmetro e a observabilidade funcional Relação entre a eficiência e a observabilidade funcional Relação entre o agrupamento e a observabilidade funcional Relação entre a cardinalidade de O o c e a quantidade de rotas Exemplo de localização dos nós observadores funcionais Composição de traçados de rota para universidades brasileiras Ilustração das regras da visualização por disposição radial Restrições de sobreposição da disposição radial expressiva

20 4.4 Espaço angular e raio base necessários para evitar sobreposição Valor esperado do raio da visualização Distribuição do tamanho do raio da visualização Relação entre o diâmetro e o raio da visualização Relação entre a eficiência e o raio da visualização A.1 Tipos de representação de redes complexas A.2 Representação de redes por meio de lista de adjacência A.3 Caracterização e transformação de grafos B.1 Ilustração das topologias em anel, em estrela e linear B.2 Distância média das topologias determinísticas B.3 Eficiência média das topologias determinísticas B.4 Exemplo de rede de mundo pequeno B.5 Exemplo da evolução de uma rede livre de escala B.6 Distribuição dos graus em uma rede livre de escala

21 Sobre a Observabilidade e a Visualização no Monitoramento de Redes ix Lista de Tabelas 3.1 Influência das métricas na observabilidade Representação por meio da utilização das propriedades retinais Eficácia da representação de cada propriedade retinal Desempenho das métricas de caracterização Influência das métricas na visualização B.1 Densidade e distribuição dos graus em topologias determinísticas

22

23 Sobre a Observabilidade e a Visualização no Monitoramento de Redes xi Lista de Teoremas 3.1 Teorema (Condição para observabilidade estrutural) Lema (Correspondência entre controlabilidade e observabilidade) Teorema (Conjunto controlador mínimo) Corolário (Conjunto observador estrutural mínimo) Teorema (Comportamento do processo marcoviano regular) Teorema (Estado estável do processo marcoviano regular) Teorema (Potências da matriz de adjacência) Lema (Regularidade da matriz de transição) Corolário (Influência do diâmetro sobre a matriz regular) Corolário (Conjunto observador funcional mínimo) Lema (Equivalencia entre o raio base e o espaço) Lema (Espaço angular necessário de um nó) Lema (Espaço angular necessário para evitar sobreposição angular) Lema (Raio base mínimo necessário para evitar sobreposição angular) Lema (Raio base mínimo necessário para evitar sobreposição parental) Teorema (Raio base mínimo para a disposição radial expressiva) Teorema (Tempo de execução esperado do algoritmo espaco-angular() ) Teorema (Tempo de execução esperado do algoritmo raio-minimo() ) Lema (Quantidade máxima de nós por área) Lema (Quantidade máxima de nós distribuídos em anéis concêntricos) Lema (Relação entre quantidade de nós em anéis concêntricos e a área) Lema (Pior caso da escalabilidade em anéis concêntricos) Teorema (Escalabilidade da disposição radial expressiva mínima) C.1 Lema (Distância média na topologia em anel) C.1 Corolário (Influência da paridade de N em E{S ring }) C.2 Corolário (Comportamento assintótico de E{S ring }) C.2 Lema (Distância média na topologia em estrela) C.3 Corolário (Comportamento assintótico de E{S star }) C.3 Lema (Distância média na topologia em linha) C.4 Corolário (Comportamento assintótico de E{S line }) C.4 Lema (Eficiência média na topologia em anel) C.5 Corolário (Influência da paridade de N em E{F ring }) C.6 Corolário (Comportamento assintótico de E{F ring }) C.5 Lema (Eficiência média na topologia em estrela) C.7 Corolário (Comportamento assintótico de E{F star }) C.6 Lema (Eficiência média na topologia em linha)

24 C.8 Corolário (Comportamento assintótico de E{F line }) C.7 Lema (Conjunto observador estrutural mínimo da topologia em anel) C.8 Lema (Conjunto observador estrutural mínimo da topologia em linha) C.9 Lema (Conjunto observador estrutural mínimo da topologia em estrela) C.10 Lema (Estado estável da topologia em estrela) C.11 Lema (Comportamento assintótico de f(n,m) = (n m+1 n)/(n 1)) C.12 Lema (Quantidade esperada de nós em uma árvore) C.13 Lema (Comportamento assintótico linear de f(n) = 1/ arcsin(1/2n))

25 Sobre a Observabilidade e a Visualização no Monitoramento de Redes xiii Glossário Acrônimos BFS...Breadth-First Search BGP...Border Gateway Protocol CAIDA... Cooperative Association for Internet Data Analysis CDF... Cumulative Distribution Function DDoS... Distributed Denial of Service DoS...Denial of Service FIFO... First-In First-Out IDS...Intrusion Detection System IoT...Internet of Things IP...Internet Protocol IPv4... Internet Protocol version 4 IPv6... Internet Protocol version 6 IPS...Intrusion Prevention System ISN...Initial Sequence Number NAPT...Network Address and Port Translation NAT...Network Address Translation NAT-PT... Network Address Translation Protocol Translation NP...Nondeterministic Polynomial Time P2P...Peer to Peer PDF...Probability Distribution Function PRNG...Pseudo-Random Number Generator SOM... Self-Organizing Map TCP...Transmission Control Protocol Simbologia C.Q.D Demarcador contração de como se queria demonstrar. Demarca fim de Algoritmos, Definições, Teoremas, dentre outros. Representações x... Letras minúsculas em negrito indicam vetores coluna. É possível parametrizar o vetor, por exemplo, x(t) = [ x 1 (t) x n (t) ] indica que o vetor x é variante no tempo.

26 xiv Glossário X... X... ẋ(t)... Letras maiúsculas em negrito indicam matrizes. Assim como é possível parametrizar vetores, o mesmo é possível com matrizes, por exemplo, uma matriz variante no tempo pode ser representa por X(t). Letras maiúsculas caligráficas representam variáveis aleatórias. Indica a derivada da função x( ) em relação ao tempo t. Também se aplica a funcionais em vetores e matrizes. n!... Operador fatorial, definido recursivamente como n! = n(n 1)! e com caso base 0! = 1. De forma iterativa também pode ser descrito como para n 2. n 2 n! = (n i), ( n ) k... Coeficiente binomial de n dado k, onde 0 k n, definido como ( ) n = k i=0 n! k!(n k)!, que pode ser computado de forma eficiente utilizando ( ) n = k que possui complexidade Θ(k). k i=1 n (k i), i δ(t),δ ij... A função delta de Kronecker, definida como δ ij { 1 se i = j 0 caso contrário, utilizada como contrapartida discreta da função delta de Dirac. Por conveniência, é possível usar a seguinte representação { 1 se t = 0 δ(t) 0 caso contrário. Dessa forma temos de forma equivalente que o valor δ(i j) é 1 se i = j e 0 caso contrário.

27 Glossário xv H n... Indica a soma dos n primeiros termos da série harmônica, representada por n 1 H n = i, que diverge no limite quando n. Porém, possui a seguinte propriedade assintótica i=1 lim H n log(n) = γ, n onde γ representa a constante de Euler-Mascheroni. Portanto, é possível usar a seguinte igualdade assintótica H n log(n)+γ, onde o logaritmo natural é o da base natural e. {x : p(x)}... Descrição do conjunto representado pelos elementos x que têm a propriedade, ou predicado, p(x). Adicionalmente, o predicado p(x) pode ser descrito utilizando os operadores da lógica proposicional. ( x)(p(x))... Quantificação universal em relação aos elementos x que têm a propriedade, ou predicado, p(x). A pertinência dos elementos representados por x também pode ser descrita de forma explicita, por exemplo, ( x N)(p(x)). Que expressa que todos os elementos do conjunto dos números naturais possuem o predicado p. Adicionalmente, o predicado p(x) pode ser descrito utilizando os operadores da lógica proposicional. ( x)(p(x))... Quantificação existencial em relação aos elementos x que têm a propriedade, ou predicado, p(x). A pertinência dos elementos representados por x também pode ser descrita de forma explicita, por exemplo, ( x N)(p(x)). Que expressa que existe pelo menos um número natural que possui o predicado p. Adicionalmente, o predicado p(x) pode ser descrito utilizando os operadores da lógica proposicional. Notação assintótica O( )... Ω( )... Quando é expresso que f(n) O(g(n)) [i], dize-se que existe uma constante k, tal que a função f(n), para todo valor de n > n 0, é sempre limitada superiormente por kg(n). Quando é expresso que f(n) Ω(g(n)), dize-se que existe uma constante k, tal que a função f(n), para todo valor de n > n 0, é sempre limitada inferiormente por kg(n). [i] Utiliza-se o símbolo de pertinência pois interpreta-se que o operador O( ) representa o conjunto das funções que são limitadas superiormente pelo seu argumento, no caso a função g( ). O mesmo princípio pode ser aplicada aos outros operadores assintóticos apresentados em sequência.

28 xvi Glossário Θ( )... Quando é expresso que f(n) Θ(g(n)), dize-se que existe uma constante k 1, tal que a função f(n), para todo valor de n > n 0, é sempre limitada inferiormente por k 1 g(n), e também existe uma outra constante k 2, tal que a função f(n), para todo valor de n > n 0, é sempre limitada superiormente por k 2 g(n). De forma equivalente, define-se que f(n) Θ(g(n)) se e somente se Igualdades matemáticas f(n) lim n g(n) = c, para g(n) diferente de zero ou, pelo menos, sempre maior de que zero a partir de algum ponto e para 0 < c < Valor aproximado. Igualdade assintótica, isto é, se f(n) g(n) então f(n) lim n g(n) = 1, para g( ) infinitamente diferente de zero.... Proporcionalidade, isto é, se f(n) g(n), então existe uma constante k tal que f(n) = kg(n). De forma generalista, pode considerar também a igualdade assintótica.... Igualdade por definição, por exemplo, dx(t) dt onde x(t) é um vetor coluna. [ dx1 (t) dt ] dx, n(t) dt... Equivalência, por exemplo, x y significa que x é definido como sendo logicamente igual à y. Notação estatística... Indicadordedistribuiçãodeprobabilidade, porexemplox N(µ,σ) indica que a variável aleatória X segue uma distribuição de probabilidade normal com média µ e desvio padrão σ. X ζ... Resultado ou realização ζ da variável aleatória X. P(X ζ )... Probabilidade da variável aleatória X assumir a realização ζ.

29 Glossário xvii P(X ζ p)... E{X}... E{X p}... Probabilidade da variável aleatória X assumir a realização ζ dado que o predicado p é verdadeiro. Valor esperado da variável aleatória X. No caso discreto é definido como E{X} = X ζ P(X ζ ), {ζ } onde é o conjunto de possíveis realizações da variável aleatória. Valor esperado da variável aleatória X dado que o predicado p é verdadeiro. No caso discreto é definido como E{X} = X ζ P(X ζ p), {ζ } Operadores matemáticos onde é o conjunto de possíveis realizações da variável aleatória.... Se for aplicado a um escalar, indica o seu valor absoluto. Caso seja aplicado a um conjunto, indica sua cardinalidade O maior valor inteiro menor ou igual ao escalar. O menor valor inteiro maior ou igual ao escalar. ρ( )... Posto de uma matriz, por exemplo dada uma matriz identidade I n n, ρ(i) = n. X... X Y... Operação de transposição da matriz X, isto é, troca dos elementos x ij pelos elementos x ji. Também pode ser aplicada a vetores, no qual transforma vetores coluna em vetores linha, e vice-versa. Subtração de elementos de conjuntos. Utilizando a notação de conjuntos pode ser definido por X Y {z : (z X) (z / Y)}, que representa o conjunto resultante da retirada dos elementos em X que também estão em Y. X Y... Produto cartesiano entre dois conjuntos X e Y. Utilizando a notação de conjuntos pode ser definido por X Y {(x,y) : (x X) (y Y)}, que representa todas as possíveis combinações de pares ordenados entres os elementos de X e de Y.

30 xviii Glossário Operadores lógicos... Operador unário de negação Operador binário de disjunção, definido como ou inclusivo. Operador binário de conjunção, definido com valor lógico e. Operador binário de implicação, por exemplo, (a b), onde a é denominado antecedente e b consequente. Único operador binário não comutativo. Operador binário de bi-implicação. Onde (a b) é logicamente equivalente a representação ((a b) (b a)).

31 Sobre a Observabilidade e a Visualização no Monitoramento de Redes 1 Capítulo 1 Introdução If knowledge can create problems, it is not through ignorance that we can solve them. Isaac Asimov Desde sua criação até sua popularização, a Internet tem sido usada para os mais diversos fins. A influência que a Internet exerce no início do século XXI, faz com que instituições militares, científicas, políticas ou comerciais despertem um grande interesse no conhecimento de sua estrutura [Deibert et al. 2008, Deibert et al. 2010, Lordet 2012]. Esse interesse deve-se, dentre outras coisas, ao fato da Internet tornar possível, enquanto meio de comunicação, a liberdade de expressão e a pluralidade ideológica em escala global [Arsu 2011, Goodman 2011]. Este trabalho apresenta um levantamento dos problemas associados à influência da observabilidade e da visualização radial no projeto de sistemas de monitoramento para redes de grande magnitude, como a Internet, e estabelece limites teóricos para esses problemas. Além disso, esta tese se propõe a apresentar soluções para parte desses problemas. É dada ênfase na localização e na quantidade de nós necessários para garantir uma aquisição de dados capaz de representar o estado da rede de forma efetiva e na elaboração de um modelo de visualização das informações da rede com o objetivo de ampliar a capacidade de inferência e de entendimento de suas propriedades. Este Capítulo está organizado da seguinte forma: na Seção 1.1, são apresentadas as razões responsáveis pela definição do tema deste trabalho. Os objetivos do trabalho são apresentados na Seção 1.2. Em seguida, na Seção 1.3 é apresentada uma revisão bibliográfica. As principais contribuições deste trabalho são resumidas na Seção 1.4. Finalmente, na Seção 1.5, é apresentada a organização do conteúdo dos outros Capítulos e dos Apêndices constituintes desta tese.

Segurança na Rede Local Redes de Computadores

Segurança na Rede Local Redes de Computadores Ciência da Computação Segurança na Rede Local Redes de Computadores Disciplina de Desenvolvimento de Sotware para Web Professor: Danilo Vido Leonardo Siqueira 20130474 São Paulo 2011 Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006

Redes Overlay. Estrutura. Exemplo. Um Exemplo Histórico. Aldo Monteiro do Nascimento, Dionei Marcelo Moraes. 08 de novembro de 2006 1 DINF / UFPR 08 de novembro de 2006 2 3 4 5 6 são redes lógicas construídas sobre redes físicas. Nas são estabelecidos enlaces lógicos entre nós que pertencem a rede. Estes enlaces podem ou não ser enlaces

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 1: Introdução Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013 Antes de

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO Em quase todas as nossas atividades diárias precisamos enfrentar filas para atender as nossas necessidades. Aguardamos em fila na padaria, nos bancos, quando trafegamos

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

Ferramenta para Gerência de Segurança Usando Análise de Tráfego em Backbones IP

Ferramenta para Gerência de Segurança Usando Análise de Tráfego em Backbones IP Ferramenta para Gerência de Segurança Usando Análise de Tráfego em Backbones IP Cláudia de Abreu Silva 1,2 claudia@dtm.mar.mil.br Luís Felipe Magalhães de Moraes 1 moraes@ravel.ufrj.br 1 Universidade Federal

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa

Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa Grupo de Trabalho em Segurança GTS2007 Um IDS utilizando SNMP e Lógica Difusa Apresentador: Émerson Virti Autores: Émerson Virti, Liane Tarouco Índice 1. Motivação 2. Conceitos 3. IDS Proposto 4. Testes

Leia mais

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer

Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Análise matemática para avaliação de desempenho em ambientes Peer-to-Peer Érico Santos Rocha 1, Janaina Lemos 1, Daniel Bertoglio 1, Rafael Ávila 1, Luis Paulo Luna de Oliveira 1 1 PIPCA - Programa de

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação

Correlação Canônica. Outubro / 1998. Versão preliminar. Fabio Vessoni. fabio@mv2.com.br (011) 30642254. MV2 Sistemas de Informação Correlação Canônica Outubro / 998 Versão preliminar Fabio Vessoni fabio@mv.com.br (0) 306454 MV Sistemas de Informação Introdução Existem várias formas de analisar dois conjuntos de dados. Um dos modelos

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Administração de Redes TCP/IP Roteamento: Sistemas Autônomos e EGP Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@ieee.org UNESP - IBILCE - São José do Rio Preto 2001 1. Introdução

Leia mais

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e

I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa. Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e I Seminário dos Grupos de Pesquisa da UNISC Ficha de Inscrição do Grupo de Pesquisa Nome do Grupo: GPSEM Grupo de Projeto de Sistemas Embarcados e Microeletrônica Área: Sistemas de Computação Nome do Líder:

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Arquiteturas Capítulo 2 Agenda Estilos Arquitetônicos Arquiteturas de Sistemas Arquiteturas Centralizadas Arquiteturas Descentralizadas Arquiteturas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Mestrado em Ciência da Computação CENTRO DE INFORMÁTICA Análise comparativa entre os diferentes tipos De protocolos para transmissão de dados Grupo: Professora: Disciplina:

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

II- profissional tecnicamente capacitado, com conhecimentos cientificamente

II- profissional tecnicamente capacitado, com conhecimentos cientificamente MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 240, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: A PERCEPÇÃO DO CONCEITO DE INOVAÇÃO PELOS EMPRESÁRIOS DO SETOR TÊXTIL DA REGIÃO DE AMERICANA/SP

TÍTULO DO PROJETO: A PERCEPÇÃO DO CONCEITO DE INOVAÇÃO PELOS EMPRESÁRIOS DO SETOR TÊXTIL DA REGIÃO DE AMERICANA/SP PROJETOS INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1 SEMESTRE DE 2014 162 A Fatec Americana promove o Programa de Iniciação Científica para seus alunos oferecendo semestralmente projetos que estimulem a essência do saber fazer

Leia mais

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores

1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores 1 Introdução 1.1. Segurança em Redes de Computadores A crescente dependência das empresas e organizações modernas a sistemas computacionais interligados em redes e a Internet tornou a proteção adequada

Leia mais

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas 4 Estudo de Caso Com o propósito de melhor apresentar a arquitetura NeMaSA, assim como melhor ilustrar seu funcionamento, dois exemplos práticos de testes desenvolvidos sobre a arquitetura proposta serão

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis.

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis. 1 Introdução O grande aumento de performance das redes de computadores, combinado com a proliferação de computadores de baixo custo e alto desempenho, trouxe à tona ambientes de meta-computação, ou grids[15,

Leia mais

ESTUDOS REALIZADOS. Camada Física. Redes de Computadores AULA 13 CAMADA DE REDE. Camada Física Camada de Enlace Subcamada de Acesso ao Meio AGORA:

ESTUDOS REALIZADOS. Camada Física. Redes de Computadores AULA 13 CAMADA DE REDE. Camada Física Camada de Enlace Subcamada de Acesso ao Meio AGORA: Redes de Computadores AULA 13 CAMADA DE REDE Profº Alexsandro M. Carneiro Outubro - 2005 ESTUDOS REALIZADOS Camada Física Camada de Enlace Subcamada de Acesso ao Meio AGORA: Camada de Rede Camada Física

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL

MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL MODELO DE AVALIAÇÃO EM PROJETOS DE INVESTIMENTO DE CAPITAL Marcelo Maciel Monteiro Universidade Federal Fluminense, Engenharia de Produção Rua Martins Torres 296, Santa Rosa, Niterói, RJ, Cep 24240-700

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Fault-Tolerant Virtual Private Networks Within an Autonomous System

Fault-Tolerant Virtual Private Networks Within an Autonomous System Fault-Tolerant Virtual Private Networks Within an Autonomous System Junghee Han, G. Robert Malan e Farnam Jahanian 21st IEEE Symposium on Reliable Distributed Systems (SRDS 2002) Fault-TolerantVirtual

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Professor: Cleber Schroeder Fonseca cleberfonseca@charqueadas.ifsul.edu.br 8 1 SEGURANÇA EM REDES DE COMPUTADORES 2 Segurança em redes de computadores Consiste na provisão de políticas

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa Redes de Computadores II Professor Airton Ribeiro de Sousa 1 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento 2 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento A quantidade de endereços possíveis pode ser calculada de forma simples.

Leia mais

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Karolyne Oliveira, Tarcísio Pereira, Emanuel Santos, Jaelson Castro Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife, PE 50 740-560, Brazil

Leia mais

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem:

As fases na resolução de um problema real podem, de modo geral, ser colocadas na seguinte ordem: 1 As notas de aula que se seguem são uma compilação dos textos relacionados na bibliografia e não têm a intenção de substituir o livro-texto, nem qualquer outra bibliografia. Introdução O Cálculo Numérico

Leia mais

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante

Cálculo Numérico Aula 1: Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Cálculo Numérico Aula : Computação numérica. Tipos de Erros. Aritmética de ponto flutuante Computação Numérica - O que é Cálculo Numérico? Cálculo numérico é uma metodologia para resolver problemas matemáticos

Leia mais

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO Regime Modular ORIENTAÇÕES SOBRE O ROTEIRO DO PROJETO FINAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES [Observação: O template a seguir é utilizado como roteiro para projeto de sistemas orientado

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Estudo de caso III Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução Em alguns ambientes industriais, pode ser necessário priorizar

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014

Cláudio Tadeu Cristino 1. Julho, 2014 Inferência Estatística Estimação Cláudio Tadeu Cristino 1 1 Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil Mestrado em Nutrição, Atividade Física e Plasticidade Fenotípica Julho, 2014 C.T.Cristino

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS TENDÊNCIAS DO ATAQUE DISTRIBUÍDO DE NEGAÇÃO DE SERVIÇO DA VERISIGN 1A EDIÇÃO - 1O TRIMESTRE DE 2014

RELATÓRIO SOBRE AS TENDÊNCIAS DO ATAQUE DISTRIBUÍDO DE NEGAÇÃO DE SERVIÇO DA VERISIGN 1A EDIÇÃO - 1O TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO SOBRE AS TENDÊNCIAS DO ATAQUE DISTRIBUÍDO DE NEGAÇÃO DE SERVIÇO DA VERISIGN 1A EDIÇÃO - 1O TRIMESTRE DE 214 RESUMO EXECUTIVO Este relatório contém as observações e conhecimentos derivados de

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Dispositivo que de alguma maneira descreve o comportamento do sistema

Dispositivo que de alguma maneira descreve o comportamento do sistema Sistema: Conceito primitivo (intuitivo) Tentativas de definição: Agregação ou montagem de coisas, combinadas pelo homem ou pela natureza de modo a formar um todo unificado. Grupo de itens interdependente

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

Modelagem do Controle de Tensão por Geradores e de Múltiplas Barras Swing na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão

Modelagem do Controle de Tensão por Geradores e de Múltiplas Barras Swing na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão Marcel René Vasconcelos de Castro Modelagem do Controle de Tensão por Geradores e de Múltiplas Barras Swing na Avaliação das Condições de Estabilidade de Tensão Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Palavras-chave: aprovisionamento de recursos, redes da próxima geração, redes sensíveis ao contexto, Qualidade de Serviço.

Palavras-chave: aprovisionamento de recursos, redes da próxima geração, redes sensíveis ao contexto, Qualidade de Serviço. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Título: PROPOSTA DE SOLUÇÃO PARA SOBRE-APROVISIONAMENTO DE RECURSOS SOBRE CAMINHOS HETEROGÊNEOS EM REDES SENSÍVEIS

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção.

Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção. Estrutura de servidor e banco de dados para multijogadores massivos Marcelo Henrique dos Santos marcelosantos@outlook.com Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção. São Paulo SP, Fevereiro/2013

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

CS: : Um Simulador de Protocolos para Computação Móvel

CS: : Um Simulador de Protocolos para Computação Móvel MobiCS CS: : Um Simulador de Protocolos para Computação Móvel Daniel de Angelis Cordeiro Rodrigo Moreira Barbosa {danielc,rodbar}@ime.usp.br 7 de outubro de 2004 Motivação O desenvolvimento de aplicações

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS E TOLERÂNCIA A FALHAS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS E TOLERÂNCIA A FALHAS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS E TOLERÂNCIA A FALHAS Automatic detection of firewall misconfigurations using firewall and network routing policies Flávio Amorim nº3409 Fábio Campos nº3481 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

Veja abaixo um exemplo de um endereço IP de 32 bits: 10000011 01101011 00010000 11001000

Veja abaixo um exemplo de um endereço IP de 32 bits: 10000011 01101011 00010000 11001000 4 Camada de Rede: O papel da camada de rede é transportar pacotes de um hospedeiro remetente a um hospedeiro destinatário. Para fazê-lo, duas importantes funções da camada de rede podem ser identificadas:

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca <ulisses.cotta@gmail.com> DESEMPENHO DE REDES Fundamentos de desempenho e otimização de redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 Sumário 1. Introdução 2. Gerência de redes 3. Fundamentos

Leia mais

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CEATEC PUC-CAMPINAS ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais