CONCEITOS EM PLANEJAMENTO E OTIMIZAÇÃO DE REDES PARA MONITORAMENTO DE DEFORMAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCEITOS EM PLANEJAMENTO E OTIMIZAÇÃO DE REDES PARA MONITORAMENTO DE DEFORMAÇÕES"

Transcrição

1 CONCEIOS EM PLANEJAMENO E OIMIZAÇÃO DE REDES PARA MONIORAMENO DE DEFORMAÇÕES Antono Smões Slva 1 Veônca Maa Costa Romão 1 Unvesdade Fedeal de Vçosa UFV -Depatamento de Engenhaa Cvl, Unvesdade Fedeal de Penambuco UFPE -,Depatamento de Engenhaa Catogafca, RESUMO Levantamentos paa contola defomação de estutuas são mplementados com objetvo de med as vaações de copos defomáves nas suas fomas, dmensões e posção. Usualmente a defomação é avalada atavés da vaação das coodenadas de pontos. Potanto um conjunto de pontos estáves deve esta dsponível paa sev de efeênca. Neste tabalho é apesentada uma sstemátca evsão dos concetos e modelos paa consegu uma ótma ede de levantamentos atavés dos ctéos de pecsão e confabldade. Otmzação, Confabldade, Montoamento CONCEPS IN DESIGN AND OPIMIZAION OF DEFORMAION MONIORING NEWORKS ABSRAC Defomaton netwok s caed out wth the pupose of measung the changes of defomable bodes n the shape, dmenson and poston. Usually the defomaton s assessed though the changng of coodnates of the ponts. hs pape shows an extensve evson of modellng and concepts on defomaton montong. he ctea used ae pecson and elablty Optmzaton, Relablty, Montong. 1- INRODUÇÃO Na medda em que novos tpos de nstumentos se tonam dsponíves é às vezes convenente faze novas obsevações paa melhoa a qualdade das coodenadas ou da ede de levantamento exstente. Sugem então questões sobe o tpo e a manea de seem fetas estas meddas. Paa tenta esponde este tpo de questão são apesentados modelos matemátcos baseados em ctéos de otmzação. Estes ctéos de otmzação de edes planas de levantamento têm como base a pecsão,e a confabldade da ede de montoamento, de tal foma que: a) ctéo de pecsão: a vaânca a posteo de cada ponto montoado deve se mínma; b) ctéo de confabldade: o númeo de edundânca de uma ede deve se máxmo e a nfluênca dos eos gosseos não detectados nos paâmetos da ede deve se mínma; A pecsão das coodenadas pode se avalada atavés da matz de vaânca-covaânca a posteo estmada pelo método dos mínmos quadados. A confabldade da ede é sua habldade de detecta eos gosseos. Neste tabalho fez-se uma evsão dos concetos e modelos matemátcos paa apoa algotmos que mplementem a otmzação de edes paa montoamento. Uma extensa fomulação é feta pncpalmente sobe o conceto de confabldade de edes, exploando a confabldade ntena e extena.

2 - PLANEJAMENO DAS REDES A otmzação de uma ede de montoamento de defomações pode se mplementada levando-se em conta a mesma abodagem usada paa planeja edes geodéscas. Gafaend (1974) fez um clássco estudo sobe planejamento e otmzação de edes que anda hoje é a efeênca básca paa este assunto. Ele fez uma classfcação do planejamento po odens. Assm, sendo fel a classfcação usada ntenaconalmente, temos a) Zeo Ode Desgn (ZOD) efee-se ao poblema do datum tatando potanto da escolha de uma efeênca ótma paa os paâmetos e suas matzes vaânca-covaânca. b) Fst Ode Desgn (FOD) está afeto ao poblema de confguação da matz de obsevações e envolve a análse da escolha de posções dos pontos a obseva, de tal modo que se obtenha uma ótma confguação das obsevações; c) Second Ode Desgn (SOD) tata o poblema de detemnação dos pesos das obsevações; d) hd Ode Desgn (HOD) estuda a densfcação de uma ede vsando a um ótmo melhoamento; Estas odens do poblema de planejamento emboa sepaadas paa classfcação estão todas ntelgadas e se nteagndo no momento da mplantação ou densfcação de uma ede. Especfcamente, no caso de edes de montoamento de defomações podemos enfoca o planejamento vendo as peculadades desse tpo de levantamento. Em geal são edes planas e locas, cobndo uma áea pequena de tal odem que justfque seu tatamento no plano; O ZOD paa uma ede de montoamento não é um ponto cítco, uma vez que o que mpota é a establdade da ede de efeênca mas que a establdade de um ponto datum. De qualque modo o datum ótmo é aquele que é estável. Paa estuda o FOD em uma ede de montoamento tem-se que atenta paa os lmtes apesentados pela foma de estutua montoada. Assm nem sempe uma ótma confguação de pontos a obseva se adapta a foma da estutua e potanto o estudo deve se efomulado. De manea geal o que se pode nfe é que os pontos da ede de efeênca devem esta localzados foa da egão onde as foças defomadoas atuam e que os pontos objetos estaão localzados na egão da estutua onde se suspeta que as defomações possam ocoe. Com a tendênca de se combna obsevações GPS com obsevações convenconas ou teestes suge outo aspecto do FOD. Essa combnação, em edes de montoamento dá-se com esquemas já exstentes o que paece se um poblema de densfcação (HOD) da dze-se que estas odens estão entelaçadas. No entanto a adção de obsevações GPS tem a ve com a otmzação do númeo e da confguação dos pontos GPS elaconados com os pontos teestes peexstentes (Delkaaoglou, 1989). Po se tata da quantfcação dos pesos das obsevações, o SOD está assocado à seleção dos nstumentos que sevão na mplementação da ede. Gealmente esse pocesso é feto fxando alguns dos paâmetos envolvdos e vaando o peso paa se chega a uma ótma stuação. É um pocesso complexo e tem que se feto com bastante cudado, uma vez que a matz peso, também conhecda como matz de vaânca-covaânca a po, ou matz dos pesos das obsevações, tem gande nfluenca na matz de vaânca-covaânca dos paâmetos. Quando as obsevações são de tpos dfeentes, como é o caso de edes de montoamento, atbu pesos é um pocesso dfícl e, emboa exstam tentatvas de solucona o poblema atavés de algotmos e métodos estatístcos como é o caso deste tabalho, este é um pocesso subjetvo e que paece que nunca seá esolvdo totalmente. O HOD é estudado quando po alguma azão o esultado de uma ede de montoamento não está satsfatóo. Este esultado é então otmzado atavés da ntodução de obsevações adconas, seja do mesmo tpo das obsevações exstentes, seja de outo tpo. Em futuas épocas do montoamento novos pontos podem se adconados aos já exstentes, desde que se obsevem as odens anteoes do planejamento. 3 PRECISÃO O planejamento de uma ede eque uma pecsão especfcada de algumas ou de todas as coodenadas calculadas. A pecsão é avalada po uma matz vaânca-covaânca a posteo C x. Esta matz é o pncpal componente do ctéo de pecsão. O popósto a que uma ede de levantamento sevá é cítco paa a detemnação da pecsão exgda. Po exemplo, quando se planeja uma ede de geodésca paa montoa uma estutua de engenhaa, podem se necessáas exgêncas bastante específcas. Paa edes de fnaldades geas, não podem se estabelecdas as exgêncas paa pecsão tão faclmente. Em tas casos alguns concetos de ede deal podeam se necessáos. Estes ctéos de pecsão deal ou podem esta baseado em esultados teócos

3 como matz ctéo sotópca e homogênea, ou eles podem se alcançados de estudos empícos. Este tpo de matz ctéo tem uma estutua aylo-kaman (Gafaend, 198) que esulta em cículos em vez de elpses de eos nas edes planas. Uma matz ctéo é uma matz vaânca-covaânca que tem uma estutua deal que epesenta uma ótma stuação na ede planejada. Paa uma ede de montoamento de defomação nem sempe é necessáo estabelece uma matz ctéo. Como às vezes só alguns pontos têm que se montoados, elpses de eos são usadas como ctéo de pecsão. Estas elpses de eos não são nvaantes em elação ao datum. Po sto, a elpse de eo elatva é o melho ndcado da pecsão elatva. Paa edes de fnaldades específcas como as de montoamento de defomação, um ctéo útl sea uma matz de vaânca-covaânca modfcada. Esta matz vaânca-covaânca modfcada é usada como uma matz ctéo paa a otmzação, como demonstado em Koch (198). A matz ctéo é obtda modfcando-se a matz vaânca-covaânca dos pontos da ede. Supondo-se x a, y a e x b, y b as coodenadas estmadas dos pontos A e B de uma ede bdmensonal, a matz vaânca-covaânca é detemnada po x a xaya xaxb xayb y y x y y a a b a b C x = (1) smétca x b byb xy b Se fo mposto que as elpses de eos paa os pontos da ede tenham uma foma ccula, a gualdade segunte é assumda paa o pmeo ponto, que é satsfeta po Paa o ponto B ( ) + ( ) = 0 () xa xa ya ya xaya = (3)` e 0 (4) x b y b x = a y a = (5) e 0. (6) x = b y b Assm estas condções conduzem à matz vaânca-covaânca modfcada x a y a C x = (7) xb y b que pode se usada como matz ctéo paa a otmzação. Nas equações de 1 a 7 os x epesentam as vaâncas das coodenadas e xy as covaâncas. Esta déa de geal de muda a matz vaânca covaânca paa a otmzação tem que se adaptada paa cada stuação patcula. Um conhecmento pévo da tendênca do deslocamento é de muta mpotânca. Este conhecmento nos hablta paa a escolha da função de sco, desde que nem sempe a função sco é a elpse de eos tansfomada em um cículo. 4 CONFIABILIDADE Confabldade de uma ede é a habldade paa detecta eos gosseos nas obsevações e estma os efetos dos eos gosseos não detectados nos paâmetos estmados a pat das obsevações. A qualdade da ede é de fundamental mpotânca no montoamento de defomação. adconalmente, a qualdade de uma ede fo sempe descta pela medda de sua pecsão cujo componente pncpal é a matz vaânca-covaânca de coodenadas calculadas. Esta matz é dependente do datum e neglgenca o aspecto da confabldade. As obsevações e funções devadas desta, como as coodenadas, podem se julgadas atavés da pecsão e confabldade usando abodagem estatístca. O conceto de confabldade possblta uma boa avalação de possíves eos gosseos e sstemátcos. Um conjunto de obsevações que tenha alguma tendênca que não tenha sdo bem analsada pode leva a conclusões eadas. Em tas obsevações, sem nem um outo eo, meddas de pecsão vão ndca um bom esultado mesmo que este esultado esteja tendencoso e potanto não confável. 3

4 A confabldade de uma ede depende de sua confguação e dos pesos mas que das obsevações em s mesmas. Uma ede confável deveá te a capacdade de detecta eos gosseos tão pequenos quanto possível e também os efetos dos eos gosseos não detectados. Os pncpas ctéos de confabldade de edes são: confabldade ntena e confabldade extena. A confabldade ntena de uma ede de montoamento é habldade de detecção de eos gosseos atavés de testes de hpóteses fetos com níves de confança específcos. A confabldade extena de uma ede de montoamento é a capacdade que esta tem de contola os efetos nas coodenadas dos eos gosseos não detectados. 4.1 NÚMERO DE REDUNDÂNCIA O númeo de edundânca é a contbução da ésma obsevação à edundânca total de um conjunto de obsevações. Em outas palavas, é a contbução duma obsevação ao gau de lbedade do conjunto. Repesenta um papel mpotante em confabldade de uma ede geodésca. Os esíduos calculados atavés do método dos mínmos quadados são computados po: V 1 = A( A PA) A P I L [8] onde V e L são vetoes dos esíduos e obsevações espectvamente e A e P são matzes dos coefcentes e dos pesos Se uma obsevação contém um eo l o veto de obsevação se tona L ( l,l,l,l + l...l ) O efeto do eo da obsevação l, nos esíduos é = [9] ( PA) A P I l V = A A [10] Fazendo a gualdade 1 R = I ( ) A A PA A P, [11] a equação 10 tona-se V = - R [1] l n onde R é a matz cujos elementos da dagonal são os númeos de edundânca. Os númeos de edundânca são epesentados pelos elementos dagonas de matz R e nomalmente chamados. Eles podem se vstos como a contbução das obsevações à edundânca total do sstema. Os númeos de edundânca contêm nfomação sobe a geometa da ede consdeando a nfluênca de eos das obsevações nos esíduos. Das equações 10 e 1, pode se vsto que o efeto no esíduo causado pelo eo l na obsevação de odem é detemnado pelo ésmo elemento dagonal de Se a matz de peso P é dagonal, o númeo de edundânca é computado po, = q p [13] onde, q é o elemento dagonal da matz vaânca-covaânca dos esíduos Qv Q v 1 1 ( PA) A = P A A [14] p é o peso da ésma obsevação. O valo paa vaa ente 0 e 1, 0 1. Da equação 1 pode-se estma o tamanho do eo de uma de obsevação l V l = [15] Baada (1968) afma que a melho estatístca paa descobeta de eos gosseos de obsevações não coelaconadas é V ω = [16] Um eo l l na obsevação l afeta a estatístca ω po v ω = [17] A equação 15 na equação 17 nos fonece: l v 4

5 l δ = ω= [18] l A equação 18 substtuu a função de pobabldade de ω po δ que é chamado de paâmeto de não - centaldade. A função pobabldade de ω sobe as hpóteses nula e altenatva são espectvamente dstbução nomal cental e não-cental Ho: n(0,1) Ha; n(δ,1) Este teste pode conduz a uma decsão eada de eo tpo I ou tpo II que são assocados às pobabldades α e β. α é a pobabldade que uma obsevação lve de eo é consdeada como tendo eo. β é a pobabldade que uma obsevação ncoeta é consdeada como coeta. Ambos os valoes do de eo gosseo l e do paâmeto de não-centaldade δ, não são conhecdos, assm a pobabldade β não pode se calculada. De acodo com Baada (1968), a elação ente o pode do teste e o paâmeto de não-centaldade é δ = δ (β,α) [19] e paa um dado β é computado o valo de δ. A tabela 1 nos fonece alguns valoes paa. δ o abela 1 δ o em função do nível de sgnfcânca α o e de (1-β o) α o 0.10% 1% 5% (1-β o ) 50% % % % % % Fonte: BAARDA (1968) Da equação 18 a elação ente o númeo de edundânca e o mao eo gosseo detemnada pela fómula, δo l = [0] l não detectado é Esta equação nos pemte calcula o mao eo gosseo detectável. Quanto mao fo o númeo de edundânca da obsevação meno seá o mao eo gosseo detectável. Das equações e 3 pode se mostado que δo =δoτ e, onde, v v = vaânca estmada do esíduo = [1] = vaânca estmada da obsevação. Esta equação 1 é a equação base paa uso em testes de confabldade no ajustamento de obsevações pelo método de mínmos quadados, devdo a sua fácl aplcação. Assm conhecdos as matzes vaânca covaânca dos esíduos (equação 14) e a matz vaânca covaânca das obsevações ( P -1 Q v ) chega-se faclmente ao cálculo do numeo de edundânca paa detemnada obsevação. E com base nesse numeo pode-se te uma boa ndcação paa avalação da pesença ou não de eos gosseos nas obsevações (Slva, 1997) É espeado que a vaânca dos esíduos e a vaânca das obsevações sejam póxmas. Neste caso o uído dos esíduos é gual ao uído das obsevações, e as obsevações ajustadas são detemnadas com pecsão alta. Então, o valo de peto de 1 é pefedo e ndca que o ganho do ajustamento é alto. Se está peto de zeo, sto pode esta sendo causado po um pequeno valo da vaânca do esíduo. Se a vaânca estmada da obsevação fo gande, nesse mesmo caso, o numeo de edundânca tendeá se anda meno. O que sgnfca que esíduos com pequenas vaâncas ou pequenos uídos nem sempe sgnfca um bom ajustamento. 5

6 4. CONFIABILIDADE INERNA Confabldade ntena é uma medda de avalação das obsevações. É assocada com a capacdade de a ede descob eos gosseos com uma detemnada pobabldade. Esta capacdade pode se avalada usando a fómula: δo l = [] onde, é o mao eo gosseo que pemaneceá não detectado na obsevação l ; l é o desvo padão da ésma obsevação; δ o é o lmte nfeo do paâmeto de não centaldade ; é o numeo de edundânca da ésma obsevação; A equação mosta que o valo lmte l depende da pecsão da obsevação dada po ; do nível de sgnfcânca α o e do fato (1-ßo) no lmte nfeo do paâmeto de não centaldade δ o ; depende também da ede aqu explctada atavés do numeo de edundânca. Como fo dto antes, a vaação paa é de 0 a 1. Quanto meno o númeo de edundânca da obsevação, mao deveá se um eo gosseo paa que este seja detectável. O númeo de edundânca só é gual a um quando o vedadeo valo de obsevação é conhecdo. Quando o númeo de edundânca é gual a zeo o valo do mao eo gosseo detectável tende a nfnto e o teste da obsevação não é possível. O mao eo gosseo não detectável em cada obsevação pode se também estmado pela fómula (Dodson,1990) =δ τ [3] onde τ = v l o Como na equação, δ aqu também é admensonal e é calculado a pat da densdade de pobabldade da dstbução nomal, e depende do valo escolhdo de α e (1-β). Cada obsevação fonece um detemnado τ que po s só já é uma medda de confabldade. τ tem valoes ente um e nfnto. Quanto mao fo τ meno seá a confabldade da obsevação. Uma quantdade altenatva e pátca usada como uma medda de confabldade ntena é poposta po Ashkenaz(1981), que é: ˆ ρ = [4] Que dze, a azão ente o desvo padão a posteo da ésma obsevação e o desvo padão a po da mesma obsevação. Quanto mao o númeo de obsevações que ndetamente afetam uma detemnada obsevação ou devada desta ede geodésca, meno seá o fato ρ. Isto ndca um alto gau de confabldade. Po outo lado, uma azão gual a undade coespondea a uma falta completa de confabldade, que dze, a medda envolvda podea conte um eo gosseo sem modo de se descobeto. ρ é gual zeo paa uma obsevação que tenha completa confabldade ntena, e gual a um paa uma medda completamente não confável. Das equações 13 e 14 podemos faze 1 = ˆ ˆ ˆ = = 1 [5] ( ) Então 1 = ρ [6] Assm pode se dto que paa uma medda completamente confável ρ é gual a zeo e é gual a um. Paa uma medda completamente nceta ρ é gual a um e é gual a zeo. 4.3 CONFIABILIDADE EXERNA A confabldade extena de uma ede de montoamento é a capacdade que esta tem de contola os efetos nas coodenadas, dos eos gosseos não detectados. Ela é medda da nfluênca de cada dos eos gosseos que pemanecem no sstema, nos paâmetos do ajustamento ou nas funções destes paâmetos (Leck,1990). 6

7 Paa levantamentos de contole de obas de engenhaa, os efetos de eos gosseos nos paâmetos e quantdades devadas destes são de valo mas pátco que a confabldade ntena, uma vez que os eos gosseos não detectados não têm nenhuma conseqüênca se eles não afetaem os paâmetos ou coodenadas (Coss,1983). Na análse de defomação, onde a vaação das coodenadas ente ajustamentos de épocas dfeentes ndca defomações exstentes, é patculamente mpotante que o mpacto de eos gosseos nos paâmetos seja mínmo. O ajustamento de obsevações pelo método paamétco nos mosta que pela equação abaxo são computados as estmatvas dos paâmetos 1 ( A PA) A PL X = [7] onde L epesenta o veto das obsevações e os demas símbolos são como nas equações anteoes Se l é um eo na ésma obsevação, temos o veto [ ] l = [8] O eo de obsevação altea o veto das obsevações L atavés de paâmetos calculados x é afetado po calculado. Da equação 7, é calculado como x x = l e, po consegunte, o veto dos, que é o efeto de um eo de obsevação no paâmeto x 1 ( A PA) A P l onde é um veto de coluna nulo com exceção de um elemento de undade na lnha. x Como x é um fato datum dependente, Baada (1976) sugee paa computa a nfluênca de l nas coodenadas o segunte modelo: λ = C 1 x ( x ) x o onde C x é a matz vaânca covaânca dos paâmetos ajustados Em edes paa montoamento de defomações, é mpotante que nenhum eo gosseo que possa não te sdo detectado tenha nfluênca nas coodenadas dos pontos de ede. Po consegunte, uma confabldade extena boa eque um λ tão pequeno quanto possível. Isto é expessado pela elação λ o = max λ mn [30] A nfluênca de um eo gosseo não detectado nas coodenadas pode se também computada em temos do númeo de edundânca,. Da equação, l o = δ e da equação 9 a equação 30 tona-se δo. 1 ( ) ( ) 1 λ = ( ) A PA A P l A PA A PA A P l l Que esulta em 1 λ = δ0 [3] Esta equação mosta que uma ede com uma confabldade ntena boa, sto é peto de um, faz com que os eos gosseos não detectados tenham uma nfluênca pequena nos paâmetos estmados. O equsto de confabldade em uma ede de montoamento defomação esponde a pegunta: quão gande devea se um eo gosseo paa se detectado pelo sstema? A pecsão pevamente dscutda pode se consdeada como a qualdade do planejamento ou otmzação de uma ede de montoamento. Mas de mpotânca pncpal no montoamento de defomação é a confabldade da ede que é a confabldade com que com que as eas obsevações confomam com o planejamento. Paa alcança uma confabldade alta, as edes têm que se auto-vefcáves po meo de obsevações edundantes ndependentes. Paa estabelece um ctéo de confabldade paa ede de montoamento de defomação, é nteessante nvestga quão bem as obsevações ndvduas são checadas pelas outas. Além dsso, nvestga o efeto dos eos gosseos não detectados nas coodenadas da ede de montoamento de defomação. A pmea nvestgação esulta na confabldade ntena e a segunda, na confabldade extena. Valoes de confabldade ntena podem se ntepetados como as pequenas [30] [9] 7

8 dscepâncas em obsevações soladas. Elas podem e acontece de tal um modo que a dscepânca pode se detectada, e a obsevação ejetada. Paa uma ede, os valoes dos eos detectáves podem vaa de obsevação a obsevação e potanto dá magem a dfeentes eos gosseos. É útl leva em conta a elação l / Esta elação mosta qual quão gande devea se uma dscepânca em uma obsevação em compaação a sua pópa pecsão, antes que ela possa se detectada. O ctéo de confabldade ntena pode se avalado pelo o númeo de edundânca,. Paa uma ótma ede de montoamento de defomação, o númeo de edundânca devea se máxmo. Um númeo de edundânca gande sgnfca que os eos gosseos não detectáves são pequenos. O eo gosseo de uma obsevação afeta os paâmetos e este efeto é meddo pela confabldade extena. Como mostado pela equação 3, um máxmo (númeo de edundânca) conduz a um λ mínmo (efeto do eo gosseo nas coodenadas). Assm um ctéo geal, elatvo à confabldade, paa uma ótma ede de montoamento de defomação ou mesmo uma ede geodésca genéca, é max mo λ mn mo 5. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ASHKENAZI, V. Least squaes adjustment: sgnal o just nose? Chateed Land and Mneals Suveyo 3(1), 4-49., 1981 BAARDA, W. A testng pocedue fo use n geodetc netwoks. Nethelands Geodesy Com. New Sees, No.5. Delft. Nethelands BAARDA, W. Relablty and pecson of netwoks. Damstadt. VII Intenatonal Couse fo Engneeng Suveys of Hgh Pecson, pp 17-7.,1976 CROSS, P.A. Advanced Least Squaes Appled o Poston-Fxng. London. Noth East Polytechnc. Wokng pape No.6..,1983 DELIKARAOGLOU,D & LAHAHYE,F. Optmsaton of GPS theoy, technques and opeatonal systems: pogess & pospects. Ednbugh. Symposum 10 of the Intenatonal Assocaton of Geodesy., 1989 DODSON, A. Analyss and applcaton of contol netwoks n KENNIE,. J. M. & PERIE, G (eds.) Engneeng Suveyng echnology. London. Blacke and Son Ltd..,1980 GRAFAREND, E.W. Optmsaton of geodetc netwoks. he Canadan Suveyo, vol. 8, No.5., 1974 GRAFAREND, E.W. Optmzaton of geodetc netwoks. Munchen. DGK, B, 58/III ,198 KOCH, K.R. Optmzaton of the confguaton of the geodetc netwoks. Munchen DGK, B, 58/III 8-89.,198 LEICK, A. GPS Satellte Suveyng. New Yok. John Wley & Sons.,1990 SILVA, A. S. Optmzaton of suveyng montong netwoks. PhD hess, Insttute of Engneeng Suveyng and Space Geodesy. Unvesty of Nottngham,168pp,

PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZVOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263

PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZVOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263 839 PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263 Abeuçon Atanáso Alves 1 ;AntonoDelson Conceção de Jesus 2 1. Bolssta voluntáo, Gaduando

Leia mais

Breve Revisão de Cálculo Vetorial

Breve Revisão de Cálculo Vetorial Beve Revsão de Cálculo Vetoal 1 1. Opeações com vetoes Dados os vetoes A = A + A j + A k e B = B + B j + B k, dene-se: Poduto escala ente os vetoes A e B A B A B Daí, cos A AB cos A B B A A B B AB A B

Leia mais

Controle de Erros Adaptativo para Redes de Sensores sem Fio usando Valor de Informação de Mensagens Baseado em Entropia

Controle de Erros Adaptativo para Redes de Sensores sem Fio usando Valor de Informação de Mensagens Baseado em Entropia Contole de Eos Adaptatvo paa Redes de Sensoes sem Fo usando Valo de Inomação de Mensagens Baseado em Entopa João H. Klenschmdt e Walte C. Boell Resumo Este atgo popõe estatégas de contole de eos adaptatvo

Leia mais

MODELAÇÃO ESTOCÁSTICA DE ESCOAMENTOS EM AQUÍFEROS. SIMULAÇÕES DE MONTE-CARLO CONDICIONADAS

MODELAÇÃO ESTOCÁSTICA DE ESCOAMENTOS EM AQUÍFEROS. SIMULAÇÕES DE MONTE-CARLO CONDICIONADAS MODELAÇÃO ESTOCÁSTICA DE ESCOAMENTOS EM AQUÍFEROS. SIMULAÇÕES DE MONTE-CARLO CONDICIONADAS Manuel M. PACHECO FIGUEIREDO (1), Luís RIBEIRO (2) e José M. P. FERREIRA LEMOS (3) RESUMO Na sequênca do desenvolvmento

Leia mais

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I PART I ndade B 9 Capítulo Geadoes elétcos Seções: 91 Geado Foça eletomotz 92 Ccuto smples Le de Poullet 93 Assocação de geadoes 94 studo gáfco da potênca elétca lançada po um geado em um ccuto Antes de

Leia mais

Potencial Elétrico. Prof. Cláudio Graça 2012

Potencial Elétrico. Prof. Cláudio Graça 2012 Potencal Elétco Po. Cláudo Gaça Campo elétco e de potencal Campo e Potencal Elétcos E Potencal gavtaconal Potencal Elétco O potencal elétco é a quantdade de tabalho necessáo paa move uma caga untáa de

Leia mais

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013 Aula-9 ampos Magnétcos Poduzdos po oentes uso de Físca Geal F-38 o semeste, 13 Le de Bot - Savat Assm como o campo elétco de poduzdo po cagas é: 1 dq 1 dq db de ˆ, 3 ε ε de manea análoga, o campo magnétco

Leia mais

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE DERIVATIVOS: SEGMENTO BM&F

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE DERIVATIVOS: SEGMENTO BM&F MAUAL DE ADMIISRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE DERIVAIVOS: SEGMEO BM&F Maço 0 Págna ÍDICE. IRODUÇÃO... 4. CÁLCULO DE MARGEM DE GARAIA... 6.. MEOOGIAS DE CÁLCULO DE MARGEM DE GARAIA... 7.. PRICIPAIS COCEIOS

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Vesão pelmna 4 de setembo de Notas de Aula de Físca. OTAÇÃO... AS VAÁVES DA OTAÇÃO... Posção angula... Deslocamento angula... Velocdade angula... 3 Aceleação angula... 3 OTAÇÃO COM ACELEAÇÃO ANGULA CONSTANTE...

Leia mais

A questão das cotas: otimização empresarial respeitando a capacidade de suporte ambiental

A questão das cotas: otimização empresarial respeitando a capacidade de suporte ambiental A questão das cotas: otmzação empesaal espetando a capacdade de supote ambental Mesa: a Teoa econômca e meo ambente: mco e macoeconoma, métodos de valoação. Autoes: Eto Maques de Souza Flho Lcencado em

Leia mais

ANÁLISE DE SISTEMAS REATIVOS PARA CONTROLE DE RUÍDO EM DUTOS PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

ANÁLISE DE SISTEMAS REATIVOS PARA CONTROLE DE RUÍDO EM DUTOS PELO MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS ÁLISE DE SISEMS REIVOS PR COROLE DE RUÍDO EM DUOS PELO MÉODO DOS ELEMEOS IIOS lexande Mattol Pasqual UIVERSIDDE EDERL DE MIS GERIS ESCOL DE EGEHRI CURSO DE PÓS-GRDUÇÃO EM EGEHRI DE ESRUURS "ÁLISE DE SISEMS

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Amperímetros e voltímetros

Amperímetros e voltímetros Apesentaemos, neste tópco, os galvanômetos, ou seja, apaelhos ou dspostvos capazes de detecta ou med a coente elétca. Apesentamos, também, um método paa a medda da esstênca elétca. Meddoes de coente Ampeímetos

Leia mais

Tópico 2. Em cada caso, observe o sentido do campo magnético devido ao f io e determine o sentido da corrente que passa por ele.

Tópico 2. Em cada caso, observe o sentido do campo magnético devido ao f io e determine o sentido da corrente que passa por ele. Tópco ogem do campo magnétco Tópco Um campo magnétco é geado: a) po eletzação: o polo note magnétco é postvo e o polo sul magnétco é negatvo. b) po cagas elétcas em epouso. c) po cagas elétcas necessaamente

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

O PLANEJAMENTO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA DE PANIFICAÇÃO POR MODELOS MATEMÁTICOS

O PLANEJAMENTO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA DE PANIFICAÇÃO POR MODELOS MATEMÁTICOS Assocação Baslea de Engenhaa de Podução - ABEPRO Unvesdade Fedeal de Santa Catana - UFSC www.poducaoonlne.og.b O PLANEJAMENTO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA DE PANIFICAÇÃO POR MODELOS MATEMÁTICOS

Leia mais

A estrutura do PAEG Ângelo Costa Gurgel, Matheus Wemerson G. Pereira e Erly Cardoso Teixeira Dezembro 2010 PAEG Technical Paper No.

A estrutura do PAEG Ângelo Costa Gurgel, Matheus Wemerson G. Pereira e Erly Cardoso Teixeira Dezembro 2010 PAEG Technical Paper No. A estutua do PAEG Ângelo Costa Gugel, Matheus Wemeson G. Peea e Ely Cadoso Texea Dezembo 2010 PAEG Techncal Pape No. 1 A estutua do PAEG Ângelo Costa Gugel; Matheus Wemeson G. Peea e Ely Cadoso Texea PAEG

Leia mais

O transistor de junção bipolar (BJT) NPN Base. PNP Base. Departamento de Engenharia Electrotécnica (DEE)

O transistor de junção bipolar (BJT) NPN Base. PNP Base. Departamento de Engenharia Electrotécnica (DEE) Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O tanssto de junção bpola (J) pola dos tpos de cagas, electões e buacos, enoldos nos fluxos de coente Junção duas junções pn. Junção base/emsso e junção base/colecto

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e eoa da Decsão Logístca e Lcencatua em Engenhaa vl Lcencatua em Engenhaa do etóo 005/006 Agenda 005/006. O papel dos stocks. lassfcação dos odelos de. omposção do custo assocados aos stocks 4.

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

MODELO PLANO DE SUSPENSÃO MACPHERSON UTILIZANDO TRANSFORMADORES CINEMÁTICOS

MODELO PLANO DE SUSPENSÃO MACPHERSON UTILIZANDO TRANSFORMADORES CINEMÁTICOS MODELO PLNO DE UPENÃO MPHERON UTLZNDO TRNFORMDORE NEMÁTO Rcado Texea da osta Neto cado@epq.me.eb.b nsttuto Mlta de Enenhaa, Depatamento de Enenhaa Mecânca Paça Geneal Tbúco, 8 9-7 Ro de Janeo, RJ, Basl

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca ndade Capítulo 9 Geadoes elétcos esoluções dos execícos popostos 1 P.19 Dados: 4 ; 1 Ω; 0 a) 0 4 1 4 b) Pot g Pot g 4 4 Pot g 96 W Pot º Pot º 0 4 Pot º 80 W Pot d Pot g Pot º Pot d 96 80 Pot

Leia mais

Um Modelo Adaptativo para a Filtragem de Spam

Um Modelo Adaptativo para a Filtragem de Spam Um Modelo Adaptatvo paa a Fltagem de Spam Ígo Asss Baga, Macelo Ladea Depatamento de Cênca da Computação Unvesdade de Basíla (UnB) Basíla, DF Basl goasssbaga@aluno.unb.b, mladea@unb.b Abstact. Spammng

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

Aula 4: O Potencial Elétrico

Aula 4: O Potencial Elétrico Aula 4: O Potencal létco Cuso de Físca Geal III F-38 º semeste, 4 F38 S4 Potencal elétco Como podemos elacona a noção de oça elétca com os concetos de enega e tabalho? Denndo a enega potencal elétca (Foça

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

O USO DA ANÁLISE POR ENVELOPAMENTO DE DADOS (DEA) PARA REALIZAÇÃO DE BENCHMARKING

O USO DA ANÁLISE POR ENVELOPAMENTO DE DADOS (DEA) PARA REALIZAÇÃO DE BENCHMARKING O USO DA ANÁLISE POR ENVELOPAMENTO DE DADOS (DEA) PARA REALIZAÇÃO DE BENCHMARKING EM EMPRESAS DE MINERAÇÃO BASEADO NOS CRITÉRIOS DOS PRÊMIO NACIONAIS DE QUALIDADE Jacquelne Rutkowsk Gustavo Pexoto Slva

Leia mais

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001

Credenciada e Autorizada pelo MEC, Portaria n. o. 644 de 28 de março de 2001 Publicado no D.O.U. em 02/04/2001 Ceecaa e Autozaa pelo MEC, Potaa. o. 644 e 8 e maço e 00 Publcao o D.O.U. em 0/04/00 ESTATÍSTICA Pelo Poesso Gealo Pacheco A Estatístca é uma pate a Matemátca Aplcaa que oece métoos paa coleta, ogazação,

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

O uso de integradores numéricos no estudo de encontros próximos

O uso de integradores numéricos no estudo de encontros próximos Revsta TECCE volue núeo - setebo de 009 ISS 1984-0993 O uso de ntegadoes nuécos no estudo de encontos póxos Éca Cstna oguea 1 1 Obsevatóo aconal MCT - eca.noguea@on.b Resuo. O estudo da dnâca do Sstea

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PILHAS EM PARALELO: ONDE E QUANDO A USAMOS? *

ASSOCIAÇÃO DE PILHAS EM PARALELO: ONDE E QUANDO A USAMOS? * ASSOCIAÇÃO DE PILHAS EM PARALELO: ONDE E QUANDO A USAMOS? * Comentáo sobe o atgo Assocação de plhas novas e usadas em paalelo: uma análse qualtatva paa o ensno médo, de Deyse Pedade Munhoz Lopes, Dante

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

MODELAGEM DE INCERTEZAS EM SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICOS JOÃO BATISTA JOSÉ PEREIRA

MODELAGEM DE INCERTEZAS EM SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICOS JOÃO BATISTA JOSÉ PEREIRA UNIERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MODELAGEM DE INCERTEZAS EM SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICOS JOÃO BATISTA JOSÉ PEREIRA ORIENTADOR: LEONARDO R. A. X.

Leia mais

4. Potencial Elétrico (baseado no Halliday, 4a edição)

4. Potencial Elétrico (baseado no Halliday, 4a edição) 4. Potencal létco 4. Potencal létco (baseado no Hallday, 4a edção) Gavtação, letostátca e nega Potencal Mutos poblemas podem se tatados atavés de semelhanças. x.: a Le de Coulomb e a Le da Gavtação de

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

Priorização de chamadas de voz em redes em malha sem fio

Priorização de chamadas de voz em redes em malha sem fio XXVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES - SBT 29, DE 29 DE SETEMBRO A 2 DE OUTUBRO DE 29, BLUMENAU, SC Pozação de chamadas de voz em edes em malha sem o Clayton Res da Slva e Célo V. N. Albuqueque

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

A Base Termodinâmica da Pressão Osmótica

A Base Termodinâmica da Pressão Osmótica 59087 Bofísca II FFCLRP P Pof. Atôo Roque Aula 7 A Base emodâmca da Pessão Osmótca Elemetos de emodâmca As les báscas da temodâmca dzem espeto à covesão de eega de uma foma em outa e à tasfeêca de eega

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA Femin A. Tang Montané Pogama de Engenhaia de Sistemas, COPPE/UFRJ Vigílio José Matins Feeia Filho Depatamento de Engenhaia Industial/ UFRJ/ Escola

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MATRIZ DE LINHA DE TRANSMISSÃO TRIDIMENSIONAL SCN-TD E FD CONTRIBUIÇÃO AO DESENOLIMENTO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

PLANEJAMENTO DE OPERAÇÕES DE LAVRA EM MINAS A CÉU ABERTO COM ALOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE CARGA E DE TRANSPORTE

PLANEJAMENTO DE OPERAÇÕES DE LAVRA EM MINAS A CÉU ABERTO COM ALOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE CARGA E DE TRANSPORTE PLANEJAMENTO DE OPERAÇÕES DE LAVRA EM MINAS A CÉU ABERTO COM ALOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE CARGA E DE TRANSPORTE Mônca do Amaal Unesdade Fedeal de São Calos Rodoa Washngton Luís, km 235, Monjolnho, São Calos

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira ensidade de Fluxo Elético Pof aniel ilveia Intodução Objetivo Intoduzi o conceito de fluxo Relaciona estes conceitos com o de campo elético Intoduzi os conceitos de fluxo elético e densidade de fluxo elético

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb.

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb. apítul 3-Ptencal eletc PÍTULO 3 POTEIL ELÉTRIO Intduçã Sabems ue é pssível ntduz cncet de enega ptencal gavtacnal pue a fça gavtacnal é cnsevatva Le de Gavtaçã Unvesal de ewtn e a Le de ulmb sã mut paecdas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 7 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR Cesar Augusto Taconel Curtba-PR . INTRODUÇÃO Taconel, C.A. Análse de Regressão Lnear Ao se tratar da relação

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

Os Fundamentos da Física

Os Fundamentos da Física TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência Lista de Execícios Capítulo Citéios de Resistência 0.7 A tensão de escoamento de um mateial plástico é y 0 MPa. Se esse mateial é submetido a um estado plano de tensões ocoe uma falha elástica quando uma

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS Smone P. Saramago e Valder Steffen Jr UFU, Unversdade Federal de Uberlânda, Curso de Engenhara Mecânca Av. João Naves de Ávla, 2160, Santa Mônca,

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

Renato Frade Eliane Scheid Gazire

Renato Frade Eliane Scheid Gazire APÊNDICE A CADENO DE ATIVIDADES PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DE MINAS GEAIS Mestado em Ensino de Ciências e Matemática COMPOSIÇÃO E/OU DECOMPOSIÇÃO DE FIGUAS PLANAS NO ENSINO MÉDIO: VAN HIELE, UMA OPÇÃO

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais