Encontro Regional da Medicus Mundi Maputo, 13 de Outubro de 2010 Rogério P. Ossemane (IESE)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Encontro Regional da Medicus Mundi Maputo, 13 de Outubro de 2010 Rogério P. Ossemane (IESE)"

Transcrição

1 Encontro Regional da Medicus Mundi Maputo, 13 de Outubro de 2010 Rogério P. Ossemane (IESE)

2 Introdução: Crescimento e Desenvolvimento Características do padrão de crescimento Análise da actual estratégia de desenvolvimento

3 Crescimento económico assinalável nos últimos 15 anos (crescimento anual médio de 8%) Estabilidade macroeconómica: Inflação, défice primário, nível de reservas externas, divida pública.

4 Há crescimento económico com estabilidade de variáveis macroeconómicas mas há desenvolvimento? O actual padrão de crescimento é sustentável? Existem perspectivas de mudanças no padrão de acumulação? Desenvolvimento como crescimento económico com mudança da estrutura económica (diversificação, maior interligação da malha produtiva, melhoria da logística da produção e comércio incluindo serviços financeiros, ampliação de capacidades científicas e tecnológicas, fortalecimento de ligações pecuniárias), melhoria da qualidade de vida e redução de desigualdades.

5 Padrão de crescimento assente numa economia de natureza extractiva e, por consequência: Concentrada Desarticulada Porosa Dependente

6 Açucar 3% Outros 10% Farinha 4% Cerveja 4% Gas natural 4% Cimento 5% Alumínio 70%

7 Fonte: Castel-Branco, C.N. (2010). Economia Extractiva e Desafios de Industrializacao em Mocambique

8 80% dos investimentos entre concentrado em 4 produtos: algodao, açucar, tabaco e madeira. Indice de produtividade estagnada ou decrescente, produção alimentar per capita decrescente. Infraestruturas e serviços desenvolvidos à volta dos Infraestruturas e serviços desenvolvidos à volta dos interesses dominantes com reduzida influência na estruturação de novas dinâmicas

9

10 Castanha de cajú 1% Diversos/outros 27% Bunker s 1% Aluminio 46% Madeiras 1% Açucar Tabaco 2% 2% Algodão Fibra 3% Energia Gás electrica 3% 7% Camarão e lagosta 7% Fontes: INE (vários anuários estatísticos), Banco de Moçambique (balança de pagamentos),

11

12

13 Esta porosidade está directamente ligada com a natureza concentrada e desarticulada mais particularmente: Fraqueza de ligações produtivas (a montante e jusante) e de emprego entre a economia, Os benefícios fiscais, aduaneiros e de repatriamento de lucros de que beneficiam os mega projectos; Sem mudança da natureza porosa do padrão de crescimento não há maneira de reduzir os desequilíbrios interno e externo sem contrair a economia e sem aumentar a dependência externa.

14

15 Melhoria do ambiente de negócios, redução de custos de transacção e exploração de vantagens comparativas promovem que tipo de economia? Qual o papel da ajuda externa na estruturação das dinâmicas económicas? Saúde, educação, infra-estruturas. Muito importante, mas com reduzido rácio custo/beneficio e insustentável se desligado das dinâmicas de produção, ou ligado de maneira a reproduzir as dinâmicas de uma economia extractiva. Necessidade de uma estratégia de despesas que faça crowding in do investimento privado (que necessite do apoio do Estado e que contribua para a diversificação e articulação da economia); Exploração dos recursos naturais sim, mas com menos imediatismo e equacionada dentro de uma matriz económica de longo prazo; Foco em estabilização macroeconómica com esterilização da ajuda externa, acumulação de reservas, financiamento do Estado através de dívida pública: a custa da manutenção de desequilíbrios estruturais? O que significa aumento da produção e da produtividade? Demasiadas estratégias e prioridades (e desarticuladas) reflectem falta de estratégia; Quais as opções? Como diversificar, articular, inovar, distribuir mais amplamente.como fazer?

16 Obrigado!

17 Empréstimos, 51% Investimento directo estrangeiro 46% Investimento directo nacional, 3% Fonte: CPI (base de dados de investimento privado aprovado)

18 Construção 2% Transportes e comunicações 10% Banca 1% Agricultura e pescas 0% Outros 3% Agro-indústrias 11% Recursos minerais 43% Turismo 13% Indústria 17% Fonte: CPI (base de dados do investimento privado aprovado)

19 CABO DELGADO 6% ZAMBEZIA 2% SOFALA 4% MANICA 2% NIASSA 1% INHAMBANE 1% TETE 8% MAPUTO 43% GAZA 9% NAMPULA 24% Fonte; CPI (base de dados do investimento privado aprovado)

20 Sem dados desagregados ( ) Fim da guerra Taxa de cobertura das importações com mega projectos (%) Taxa de cobertura das importações sem mega projectos (%) Fonte: INE (vários anuários estatísticos)

21

Dinâmicas de Investimento Privado em Moçambique: tendências e questões preliminaries para análise

Dinâmicas de Investimento Privado em Moçambique: tendências e questões preliminaries para análise Dinâmicas de Investimento Privado em Moçambique: tendências e questões preliminaries para análise Carlos Muianga, Helena Pérez-Nino, Sara Stevano, Michael Sambo Conference Paper nº 41 III CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 I - Escolha a resposta correcta (ou mais correcta) para cada uma das seguintes questões:

Leia mais

Análise de Políticas e Interpretação de Indicadores Macroeconómicos/ Pobreza e Desenvolvimento

Análise de Políticas e Interpretação de Indicadores Macroeconómicos/ Pobreza e Desenvolvimento Análise de Políticas e Interpretação de Indicadores Macroeconómicos/ Pobreza e Desenvolvimento Carlos Nuno Castel-Branco Segundo curso de actualização de jornalistas da área económica ISCTEM 06 de Agosto

Leia mais

Conferencia AQUASHARE 2012

Conferencia AQUASHARE 2012 REPÚBLICA DE MOCAMBIQUE MINISTERIO DA ENERGIA Conferencia AQUASHARE 2012 PERSPECTIVAS DA ENERGIA HIDROELECTRICA EM MOCAMBIQUE PASCOAL ALBERTO BACELA MINISTERIO DA ENERGIA MOCAMBIQUE MAPUTO, 10-11 MAIO

Leia mais

Quarta Avaliação Nacional da Pobreza e Bem-Estar em Moçambique,

Quarta Avaliação Nacional da Pobreza e Bem-Estar em Moçambique, Quarta Avaliação Nacional da Pobreza e Bem-Estar em Moçambique, 2014-15 Ministério da Economia e Finanças Outubro 2016 Introdução O PARP 2011 2014 estabelece que A avaliação do PARP 2011 2014 [ ] será

Leia mais

Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais. Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz

Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais. Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz Iª FEIRA ANUAL DO LIVRO 23 DE FEVEREIRO 2010 1 Estrutura da Apresentação 1. Introdução 2. Quadro Analítico 3. Problemática

Leia mais

Informe 3 Novembro de 2008

Informe 3 Novembro de 2008 Parceria para os Direitos da Criança em Moçambique Informe 3 Novembro de 2008 O QUE DIZ A PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO 2009 SOBRE A PREVISÃO DE RECURSOS NO SECTOR DE SAÚDE? Mensagens Chave Aumento significativo

Leia mais

Desafios da Indústria Extractiva em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco

Desafios da Indústria Extractiva em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco Desafios da Indústria Extractiva em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco carlos.castelbranco@gmail.com www.iese.ac.mz Workshop Extractive industry: identifying programmatic opportunities for Oxfam in Mozambique

Leia mais

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria C, T & I e a Defesa Nacional: A visão da indústria C,T&I e a Defesa: a visão da indústria A indústria e a Defesa Nacional Os desafios de C,T&I no País e a visão da CNI para a Política de Inovação Os desafios

Leia mais

Situação Económica em Moçambique: reavaliação da evidência com foco na dinâmica da produção industrial

Situação Económica em Moçambique: reavaliação da evidência com foco na dinâmica da produção industrial Situação Económica em Moçambique: reavaliação da evidência com foco na dinâmica da produção industrial por Carlos Nuno Castel-Branco 1 A análise oficial da situação económica em Moçambique é geralmente

Leia mais

Informe 3 Novembro de 2008

Informe 3 Novembro de 2008 Parceria para os Direitos da Criança em Moçambique Informe 3 Novembro de 2008 O QUE DIZ A PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO 2009 SOBRE A PREVISÃO DE RECURSOS NO SECTOR DE SAÚDE? Mensagens Chave Aumento significativo

Leia mais

Competitividade das Culturas de Rendimento em Moçambique: O caso da Castanha de Caju

Competitividade das Culturas de Rendimento em Moçambique: O caso da Castanha de Caju Competitividade das Culturas de Rendimento em Moçambique: O caso da Castanha de Caju Monitoria e Análise de Políticas Agroalimentares (MAFAP) RESULTADOS PRELIMINARES Helder Zavale (CEPPAG-UEM) Luis Monroy

Leia mais

Câmara de Comércio Moçambique Portugal. Apresentado por: José Alexandre Ascenção

Câmara de Comércio Moçambique Portugal. Apresentado por: José Alexandre Ascenção Câmara de Comércio Moçambique Portugal Apresentado por: José Alexandre Ascenção Lisboa, 19 de Novembro 2014 Vantagens competitivas dentro da SADC (Desarmamento tarifário até 2015) Removendo Barreiras ao

Leia mais

A expansão dos recursos naturais de Moçambique. Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da indústria do Arroz em Moçambique?

A expansão dos recursos naturais de Moçambique. Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da indústria do Arroz em Moçambique? A expansão dos recursos naturais de Moçambique Quais são os Potenciais Impactos na Competitividade da indústria do Arroz em Moçambique? Moçambique depende das importações para dois terços do seu consumo

Leia mais

A evolução do sector da pecuária em Moçambique (2002-2012)

A evolução do sector da pecuária em Moçambique (2002-2012) A evolução do sector da pecuária em Moçambique (2002-2012) Gerson Machel (DNSV) Jaquelino Massingue (MSU) 19 de Dezembro de 2013 Seminario sobre estudos tematicos do TIA, Hotel VIP, Maputo Estrutura da

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Resultado da Validação dos por to e * FILIPE JACINTO NYUSI NIASSA 861 637 0 52 9 0 163 CABO DELGADO 2.012 784 2 18 22 1 1.185 NAMPULA 2.490 2.189 55 106 24 18 98 ZAMBÉZIA 2.465 2.150 17 16 3 268 TETE 2.103

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos Processo de seleção para Analistas Temáticos A SPI está reestruturando sua atuação, buscando reforçar

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos

PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS PRINCÍPIOS GERAIS NÍVEIS DA REFORMA PRINCÍPIOS GERAIS. Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos PRINCÍPIOS GERAIS Funções de suporte Apoio à Governação Gestão de Recursos Funções Operacionais 30-03-2006 1 30-03-2006 2 PRINCÍPIOS GERAIS Apoio à Governação (em todos os Ministérios) Serviços de planeamento,

Leia mais

Maximização de oportunidades

Maximização de oportunidades Maximização de oportunidades Portugal Sou Eu Jaime Carvalho Esteves Partner PwC Agenda 1. Portugal Sou Eu 2. Equilíbrio sustentado da balança comercial Visão holística 3. Vantagens comparativas 4. Setores

Leia mais

Gestão Estratégica. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Análise Estratégica de uma Organização

Gestão Estratégica. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira. Análise Estratégica de uma Organização Administração e Organização - Análise Estratégica: Brasil marcopereira@usp.br Análise Estratégica de uma Organização Realidade Brasil: Crescimento Médio Anual da Produtividade (Fonte: IPEA) Realidade:

Leia mais

MINAG. Os Conteúdos da Apresentação

MINAG. Os Conteúdos da Apresentação MINAG Análise da Renda e Dinâmica de Pobreza nas Zonas Rurais de Moçambique 00- Apresentação no Seminário Nacional de Harmonização da Planificação para 009. Namaacha, -3/Junho/008 Apresentado por Gilead

Leia mais

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO Manuel Alcino Ribeiro da Fonseca THOMSON * Austrália Brasil Canadá Cingapura Espanha Estados Unidos México Reino Unido D D D Prefácio Introdução XI XIII PARTE 1

Leia mais

Boletim de Estatísticas

Boletim de Estatísticas 20 Anos Banco de Cabo Verde BOLETIM DE ESTATÍSTICAS 20 ANOS Banco de Cabo Verde 2012 1 Banco de Cabo Verde BANCO DE CABO VERDE Avenida Amílcar Cabral, 27 CP 7600 101 Praia Cabo Verde Tel: +238 2607000

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014

Política Nacional de Atenção Básica. Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014 Política Nacional de Atenção Básica Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014 A ATENÇÃO BÁSICA A AB é o nível de atenção mais próximo das pessoas e deve ser, integral, resolutiva, inserida no território e a

Leia mais

Luís Figueiredo. Unit Business Director and International Business Development. 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique

Luís Figueiredo. Unit Business Director and International Business Development. 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique Luís Figueiredo Unit Business Director and International Business Development 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique "Um electrão um sorriso" O impacto social das infraestruturas eléctricas

Leia mais

Padrões de Acumulação Económica e Pobreza em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco (IESE)

Padrões de Acumulação Económica e Pobreza em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco (IESE) Padrões de Acumulação Económica e Pobreza em Moçambique Carlos Nuno Castel-Branco (IESE) carlos.castel-branco@iese.ac.mz www.iese.ac.mz Debate público sobre Questões do crescimento económico e redução

Leia mais

Competitividade do subsector do caju em Moçambique

Competitividade do subsector do caju em Moçambique Competitividade do subsector do caju em Moçambique Máriam Abbas 1 04 de Setembro de 2013 1 Assistente de investigação do Observatório do Meio Rural e mestranda em Economia no Instituto Superior de Economia

Leia mais

PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS. Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES. Loca e Data aqui

PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS. Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES. Loca e Data aqui Região Metropolitana de Belo Horizonte. Maio de 2010 PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES Uma RMBH melhor hoje e no futuro Qual é a metrópole

Leia mais

Contrastes no Desenvolvimento

Contrastes no Desenvolvimento Contrastes no Desenvolvimento Professor António Ervideira 9º Ano Sumário Crescimento e Desenvolvimento Indicadores de desenvolvimento IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) Regiões de desenvolvimento homogéneo

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

OS JOVENS AGRICULTORES EM PORTUGAL. Desafios na PAC 2014-2020

OS JOVENS AGRICULTORES EM PORTUGAL. Desafios na PAC 2014-2020 Desafios na PAC 2014-2020 Ameaça 1. Acesso à terra -Dificuldades do acesso ao trabalho e meios de produção noutras profissões -Existência de zonas com algum sub aproveitamento -Folga de progressão em aspectos

Leia mais

Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM

Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM Imperativos de uma participação bem sucedida de Portugal na UEM Carlos da Silva Costa Governador 27 março 2014 Apresentação do livro A Economia Portuguesa na União Europeia: 1986-2010" Imperativos de uma

Leia mais

Madeira Tropical Amazônica Indústria de Base Florestal Diálogo e Construção de Governança

Madeira Tropical Amazônica Indústria de Base Florestal Diálogo e Construção de Governança Madeira Tropical Amazônica Indústria de Base Florestal Diálogo e Construção de Governança Mário Cardoso Especialista em Meio Ambiente Gerência Executiva de Meio Ambiente e Sustentabilidade GEMAS Confederação

Leia mais

Fazer face à queda dos preços das matérias-primas

Fazer face à queda dos preços das matérias-primas Fazer face à queda dos preços das matérias-primas Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Departamento de África Fundo Monetário Internacional 3 de Maio de 216 Ciclos dos termos de troca

Leia mais

Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira

Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira Parte III: Abordagem Histórica da Economia Brasileira Capítulo 12: O Brasil ao Longo do Século XX: alguns fatos estilizados Parte III Capítulo 12 Gremaud, Vasconcellos e Toneto Jr. 2 Brasil ao longo do

Leia mais

Centro de Competência de Ciências Sociais

Centro de Competência de Ciências Sociais Centro de Competência de Ciências Sociais PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS PROGRAMA PARA A PROVA DE ECONOMIA

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 24 Tabelas Comparativas (versão para informação e comentários)

Leia mais

ESTUDO INTERNACIONAL. Pequenas e Médias Empresas: riscos e oportunidades

ESTUDO INTERNACIONAL. Pequenas e Médias Empresas: riscos e oportunidades ESTUDO INTERNACIONAL Pequenas e Médias Empresas: riscos e oportunidades Metodologia Método Instrumentos Grupo alvo Países Amostra Entrevistas Telefónicas Questionário totalmente estruturado CEO/Proprietários,

Leia mais

!"!" #$!" % &!" & ' (% & &.!/ &0,1" 2, ' 34),5 6 )%! #$% $ &!", & 71" 2, $ '(!", &,

!! #$! % &! & ' (% & &.!/ &0,1 2, ' 34),5 6 )%! #$% $ &!, & 71 2, $ '(!, &, % &!" & ' (% & )* +,-!" &.!/ &0,1" 2, ' 34),5 6 )%! #$% $ &!", & 71" 2, ' 34),5 6 )%! $ '(!", &, 71" 2, #$!" 8 Introdução Evolução da Administração Evolução das empresas Consequência dessa evolução para

Leia mais

Informe 6 Novembro de 2008

Informe 6 Novembro de 2008 Parceria para os Direitos da Criança em Moçambique Informe 6 Novembro de 28 O QUE DIZ A PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO 29 SOBRE A PREVISÃO DE RECURSOS NO SECTOR DE ACÇÃO SOCIAL? Mensagens Chave A Proposta

Leia mais

Mercados de Sistemas de Energias Renováveis. O Papel do Sistemas Solares Isolados e as Mini-Redes Solares: O caso de Moçambique

Mercados de Sistemas de Energias Renováveis. O Papel do Sistemas Solares Isolados e as Mini-Redes Solares: O caso de Moçambique Energia Para Mercados de Sistemas de Energias Renováveis O Papel do Sistemas Solares Isolados e as Mini-Redes Solares: O caso de Por: António Saíde, PCA do FUNAE Maputo, Novembro de 2016 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO

PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO PERSPECTIVAS PARA O CRESCIMENTO Estratégias de Desenvolvimento em Minas Gerais Raphael Guimarães Andrade Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais Belo Horizonte, 09 de outubro

Leia mais

IV Seminário do Comitê de Estatísticas Sociais

IV Seminário do Comitê de Estatísticas Sociais IV Seminário do Comitê de Estatísticas Sociais Aproveitando a Agenda ODS para repensar indicadores sociais como indicadores de políticas Paulo Jannuzzi SAGI/MDS 2015 O Brasil passou por intensas transformações

Leia mais

António Jorge Monteiro Professor Associado do IST

António Jorge Monteiro Professor Associado do IST A SUSTENTABILIDADE DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO EM PAÍSES EM VIAS DE DESENVOLVIMENTO António Jorge Monteiro Professor Associado do IST antonio.jorge.monteiro@tecnico.ulisboa.pt Estrutura da Apresentação

Leia mais

Balanço dos 10 anos de delimitação de terras comunitárias

Balanço dos 10 anos de delimitação de terras comunitárias GOVERNO DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA AGRICULTURA Direcção Nacional de Terras e Florestas Balanço dos 10 anos de delimitação de terras comunitárias 2008 Nampula, 9-11 de Março de 2010 Estrutura da apresentação

Leia mais

Denis Alcides Rezende Educação e Consultoria em Informação e Estratégia - 55 (41) 9974.1168-9D Consultoria

Denis Alcides Rezende Educação e Consultoria em Informação e Estratégia  - 55 (41) 9974.1168-9D Consultoria Denis Alcides Rezende Educação e Consultoria em Informação e Estratégia www.denisalcidesrezende.com.br - 55 (41) 9974.1168-9D Consultoria Funções Organizacionais Privadas ou Públicas As macroatividades

Leia mais

Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas

Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas Apresentação: Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas Objectivo: Qual a razão da Zambézia, com grande

Leia mais

Relatório Projectos Aprovados de Janeiro á Dezembro de 2014

Relatório Projectos Aprovados de Janeiro á Dezembro de 2014 Relatório Projectos Aprovados de Janeiro á Dezembro de 2014 O presente Relatório tem por finalidade apresentar informação sobre os projectos de investimento submetidos ao CPI - Centro de Promoção de Investimentos,

Leia mais

INSTRUMENTO DE PRIORIZAÇÃO DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICÍPIO DE GUARANTÃ DO NORTE

INSTRUMENTO DE PRIORIZAÇÃO DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICÍPIO DE GUARANTÃ DO NORTE GRUPO: Desenvolvimento Econômico INSTRUMENTO DE PRIORIZAÇÃO DOS CONSELHOS MUNICIPAIS DE POLÍTICAS PÚBLICAS COMPOSIÇÃO: Desenvolvimento Econômico, Turismo, Economia Solidária, Trabalho, Emprego, Indústria,

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO PRIORIDADE DE INVESTIMENTO: INVESTIMENTO NA SAÚDE E NAS INFRAESTRUTURAS SOCIAIS QUE CONTRIBUAM PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL, REGIONAL E LOCAL, PARA A REDUÇÃO

Leia mais

DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA

DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA 2º Fórum Brasileiro sobre Energias Renováveis veis Biocombustíveis Belo Horizonte Outubro 2007 O QUE É EXTENSÃO RURAL É um instrumento de política pública

Leia mais

"Internacionalização: Oportunidades de Negócio em Moçambique. OEIRAS, 13 de Março 2012

Internacionalização: Oportunidades de Negócio em Moçambique. OEIRAS, 13 de Março 2012 "Internacionalização: Oportunidades de Negócio em Moçambique OEIRAS, 13 de Março 2012 Localização: Costa Oriental de África População:21.530 milhões Fronteiras 6 Países Área: 799,380 Km 2 2.515 km de costa

Leia mais

República de Moçambique Presidência da República Paz e progresso como pilares para a construção de um Moçambique Próspero

República de Moçambique Presidência da República Paz e progresso como pilares para a construção de um Moçambique Próspero República de Moçambique Presidência da República Paz e progresso como pilares para a construção de um Moçambique Próspero Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique,

Leia mais

Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação. IV.1. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos. Tipologia de Investimento

Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação. IV.1. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos. Tipologia de Investimento Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação IV.. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos Tipologia de Investimento Eixo IV IV. Objectivo Consolidar a cobertura regional das infra-estruturas e equipamentos

Leia mais

Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial PORTO 12/11/2014

Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial PORTO 12/11/2014 Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial PORTO 12/11/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES Medellin Cali Barranquila

Leia mais

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique

Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique Diversificação e articulação da base produtiva e comercial em Moçambique "Tendências do Investimento Privado em Moçambique: questões para reflexão" Nelsa Massingue da Costa Maputo, Setembro 2013 TENDÊNCIAS

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

As megatendências globais que moldarão os governos até 2030

As megatendências globais que moldarão os governos até 2030 Smart Cities Fórum Brasil As megatendências globais que moldarão os governos até 2030 Charles Schramm Cities Global Center of Excellence at KPMG Brasil Setembro 2014 FutureState 2030 As megatendências

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO ANUAL. ANO LECTIVO: 2011/2012 DISCIPLINA: Geografia ANO: 9º. (1ºPeríodo) AULAS (de 45 )

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO ANUAL. ANO LECTIVO: 2011/2012 DISCIPLINA: Geografia ANO: 9º. (1ºPeríodo) AULAS (de 45 ) ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO ANUAL ANO LECTIVO: 2011/2012 DISCIPLINA: Geografia ANO: 9º Aulas previstas 1º Período: 30 (45 ) 2º Período: 32 (45 ) 3º Período: 20 (45 ) UNIDADE

Leia mais

Tabela 1. Síntese metodológica. Tema Sub-tema Metodologia

Tabela 1. Síntese metodológica. Tema Sub-tema Metodologia Avaliação das externalidades do regadio em Portugal Sumário executivo Junho 2013 á Em Portugal, a produção nacional de bens alimentares assegura cerca de 70% do consumo, gera aproximadamente 2% do PIB

Leia mais

AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO

AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO AS EMPRESAS GAZELA E AS EMPRESAS DE CRESCIMENTO ELEVADO (2006 2009) Maio 2011 1 OBJECTIVOS Identificar as empresas gazela e as empresas de crescimento elevado (ECE) do tecido empresarial português. Caracterizar

Leia mais

O Meio Ambiente das Organizações

O Meio Ambiente das Organizações O Meio Ambiente das Organizações Meio Envolvente Contextual Meio Envolvente Transaccional Nadim Cassamo 1 Meio Ambiente das Organizações Contexto Económico Clientes Meio Envolvente Contextual Meio Envolvente

Leia mais

Betão de baixo carbono

Betão de baixo carbono Betão de baixo carbono 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Betão de baixo carbono O betão é o material de construção

Leia mais

Determinantes do Rendimento, Pobreza, e Percepção do Progresso Económico dos Agregados Familiares nas Zonas Rurais de Moçambique em

Determinantes do Rendimento, Pobreza, e Percepção do Progresso Económico dos Agregados Familiares nas Zonas Rurais de Moçambique em Determinantes do Rendimento, Pobreza, e do Progresso Económico dos Agregados Familiares nas Zonas Rurais de Moçambique em 2001-2002 Reunião Nacional da Direcçao de Economia do MADER Pemba, Junho de 2004

Leia mais

PROGRAMA DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO & GÁS INSERÇÃO DE PEQUENAS EMPRESAS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÓLEO E GÁS

PROGRAMA DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO & GÁS INSERÇÃO DE PEQUENAS EMPRESAS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÓLEO E GÁS INSERÇÃO DE PEQUENAS EMPRESAS NA CADEIA PRODUTIVA DE ÓLEO E GÁS CENÁRIO POR QUE TRABALHAR NA CADEIA DO PETRÓLEO? Em função do potencial do mercado (Oportunidade) A Cadeia Produtiva do Petróleo e Gás movimentará

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Presidência da República INTERVENÇÃO PARA O ENCONTRO DE TRABALHO COM EMPRESÁRIOS DE NOVA DELI (5 de Agosto de 2015) Intervenção de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA INTEGRADA EXERCÍCIO 2015

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA INTEGRADA EXERCÍCIO 2015 01 Legislativa 12.481.878,92 455.614.427,68 468.096.306,60 01 031 Ação Legislativa 0,00 186.049.391,21 186.049.391,21 01 031 3282 ATUAÇÃO LEGISLATIVA 0,00 186.049.391,21 186.049.391,21 01 032 Controle

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016. Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE

RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016. Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE RELATÓRIO TÉCNICO: Maio/2016 Produtividade e Infraestrutura PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA DE PRODUTIVIDADE: Hugo Ferreira

Leia mais

Situando Conceitos sobre a Saúde e Desenvolvimento Econômico

Situando Conceitos sobre a Saúde e Desenvolvimento Econômico Situando Conceitos sobre a Saúde e Desenvolvimento Econômico Janice Dornelles de Castro Esmeralda Macana Maria Lecticia Pelegrini Katia Isse Kihyun Byun Alice Diefenbach Débora Nunes Saúde e Desenvolvimento

Leia mais

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente República de Angola Ministério do Ambiente Seminário Energias Limpas em Angola: Ministério da Energia e das Águas O Impacto das Energias Limpas no Ambiente Direcção Nacional de Tecnologias Ambientais 7

Leia mais

I&D NO SECTOR EMPRESARIAL: RESULTADOS DO INQUÉRITO AO POTENCIAL CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL

I&D NO SECTOR EMPRESARIAL: RESULTADOS DO INQUÉRITO AO POTENCIAL CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL I&D NO SECTOR EMPRESARIAL: RESULTADOS DO INQUÉRITO AO POTENCIAL CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL EMPRESAS AUMENTAM ACTIVIDADES DE I&D A Investigação e Desenvolvimento empresarial aumentou significativamente

Leia mais

SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012

SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012 SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012 Índice de Desempenho dos Municípios Goianos - IDM THIAGO ALVES, MARCOS ARRIEL, LILLIAN PRADO, EDUIGES ROMANATTO E JULIANA DIAS XVII

Leia mais

A Fileira de Madeira em Portugal 2006. Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário

A Fileira de Madeira em Portugal 2006. Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário A Fileira de Madeira em Portugal 2006 Caracterização estatística do Sector Madeira e Mobiliário A economia portuguesa 2002 2003 2004 2005 2006 estimativa 2007 previsão Produto Interno Bruto 0,8-1,2 1,2

Leia mais

CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA

CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA 1 CRESCIMENTO ECONÓMICO POTENCIAÇÃO DO CRÉDITO À ECONOMIA XXIII ENCONTRO DE LISBOA 2 Sumário da Apresentação 1. Objectivos. Principais Constrangimentos ao Crescimento do Crédito Bancário em Angola. Conclusões

Leia mais

INDICADORES DE REFERÊNCIA NA ÁREA DO TURISMO 1. Chegadas Internacionais o número de viajantes que entraram no país durante um determinado período.

INDICADORES DE REFERÊNCIA NA ÁREA DO TURISMO 1. Chegadas Internacionais o número de viajantes que entraram no país durante um determinado período. REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE ------------------ INDICADORES DE REFERÊNCIA NA ÁREA DO TURISMO 1. Chegadas Internacionais o número de viajantes que entraram no país durante um determinado período. Por motivo

Leia mais

A sustentabilidade Financeira do Serviço Nacional de Saúde. Motivação

A sustentabilidade Financeira do Serviço Nacional de Saúde. Motivação A sustentabilidade Financeira do Serviço Nacional de Saúde Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Motivação 25º Aniversário do SNS Qual a sua sustentabilidade financeira? O

Leia mais

PPPs em Projetos de Infraestrutura 8º Encontro de Logística e Transportes - FIESP Projetos Estruturantes

PPPs em Projetos de Infraestrutura 8º Encontro de Logística e Transportes - FIESP Projetos Estruturantes PPPs em Projetos de Infraestrutura 8º Encontro de Logística e Transportes - FIESP Projetos Estruturantes Bruno Ramos Pereira 07/05/2013 10h40 12h30 Estrutura Apresentação do PPP Brasil Ingredientes para

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

Sumário da 9ª aula. Curva da oferta de mercado. Curva da oferta de mercado. Curva da oferta de mercado. Análise marginal.

Sumário da 9ª aula. Curva da oferta de mercado. Curva da oferta de mercado. Curva da oferta de mercado. Análise marginal. Sumário da 9ª aula 86 Elasticidade da procura e da oferta 87 Pcosme 18 Out 2004 Sendo dado o preço Um indivíduo / produtor / vendedor Faz uma análise custo/benefício Determina a quantidade óptima a vender

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO PARA A PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES - IPEX

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO PARA A PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES - IPEX 1 MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO PARA A PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES - IPEX MOÇAMBIQUE Informação Geral IPEX Instituto para a Promoção de Exportações POTENCIAIS SECTORES DE EXPORTAÇÃO Por Provincia

Leia mais

AGRICULTURA E NUTRIÇÃO: TENDÊNCIAS NA PRODUÇÃO E RETENÇÃO

AGRICULTURA E NUTRIÇÃO: TENDÊNCIAS NA PRODUÇÃO E RETENÇÃO AGRICULTURA E NUTRIÇÃO: TENDÊNCIAS NA PRODUÇÃO E RETENÇÃO DE NUTRIENTES E ANALISE DE PADRÕES NUTRICIONAIS Rui Benfica Cynthia Donovan Jaquelino Massingue Michigan State University Projecto de Fortalecimento

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI

INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI 11/05/011 INTRODUÇÃO ÀS ESTRATÉGIAS DE TI Prof. Carlos Faria (adaptação) 011 O CONCEITO DE TI A Tecnologia da Informação abrange todos os aspectos envolvidos no gerenciamento das informações de uma organização.

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério do Trabalho, Emprego e Segurança Social Inspecção Geral do Trabalho

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério do Trabalho, Emprego e Segurança Social Inspecção Geral do Trabalho REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério do Trabalho, Emprego e Segurança Social Inspecção Geral do Trabalho 1 Moçambique é um Estado de Direito baseado no primado da Lei, ou seja, na subordinação de todos à

Leia mais

Economia Florestal. Problemas económicos fundamentais

Economia Florestal. Problemas económicos fundamentais Economia Florestal Problemas económicos fundamentais O que é a economia? É o estudo da forma como as sociedades afectam os recursos escassos para produzirem bens com valor e a forma como os distribuem

Leia mais

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável

Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável Políticas macroeconômicas para um crescimento robusto e sustentável São Paulo, FGV-SP, 10º Fórum de Economia, 30/09/2013 Luiz Fernando de Paula Professor Titular da FCE/UERJ e ex- Presidente da AKB Email:

Leia mais

Fórum da Conectividade Rural

Fórum da Conectividade Rural FUNDO DO SERVIÇO DE ACESSO UNIVERSAL (FSAU) Fórum da Conectividade Rural O Fundo do Serviço de Acesso Universal e o seu papel na promoção de parcerias Público- Privadas para a conectividade rural Apresentado

Leia mais

Relatório Síntese janeiro de 2014

Relatório Síntese janeiro de 2014 Relatório Síntese janeiro de 2014 Índice I II III IV V VI Caracterização dos Registos Efetuados Impacto Energético Impacto expectável com a Isenção de ISP Registos de Técnicos e Entidades Reconhecidas

Leia mais

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata

Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Noções de Economia Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata Prof. Francisco Mariotti CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Microeconomia. 1.1 Demanda do Consumidor.1.1.1 Preferências. 1.1.2 Equilíbrio do consumidor.

Leia mais

CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS Balanço e próximos passos 1 de dezembro de 2015

CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS Balanço e próximos passos 1 de dezembro de 2015 1 de dezembro de 2015 1.Caraterísticas e objetivos dos CTeSP 2.Fases de registo de cursos 3.Ações de divulgação 4.Cursos registados em números 5.Próximos passos 1. Caraterísticas e objetivos Interação

Leia mais

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento

Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Rumo a um Novo Ciclo de Desenvolvimento Guido Mantega Presidente do BNDES Setembro 2005 A economia brasileira reúne condições excepcionais para impulsionar um novo Ciclo de Desenvolvimento Quais são as

Leia mais

Plano de Acção da Estratégia para a Fiscalização Participativa de Florestas e Fauna Bravia em Moçambique. Primeiro Draft

Plano de Acção da Estratégia para a Fiscalização Participativa de Florestas e Fauna Bravia em Moçambique. Primeiro Draft Plano de Acção da Estratégia para a Fiscalização Participativa de Florestas e Fauna Bravia em Moçambique Primeiro Draft Meta estratégica Lograr no prazo de cinco anos (2006-2010) que todas a províncias

Leia mais

SENADO FEDERAL Audiência Pública

SENADO FEDERAL Audiência Pública SENADO FEDERAL Audiência Pública ECONOMIA VERDE Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) e Redução de emissões por desmatamento e degradação (REDD) 30 de junho de 2011 Experiência do Instituto Sadia no

Leia mais

Informação Geral sobre Moçambique. Nome República de Moçambique Capital Cidade de Maputo

Informação Geral sobre Moçambique. Nome República de Moçambique Capital Cidade de Maputo Informação Geral sobre Moçambique Nome República de Moçambique Capital Cidade de Maputo Presidente Filipe Jacinto Nyusi Primeiro-Ministro Carlos do Rosário Sistema Politico Democracia Multipartidária Data

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DO NIASSA. Turismo- Indutor do Desenvolvimento na Província do Niassa

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DO NIASSA. Turismo- Indutor do Desenvolvimento na Província do Niassa REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE GOVERNO DA PROVÍNCIA DO NIASSA Turismo- Indutor do Desenvolvimento na Província do Niassa CARACTERIZAÇÃO GERAL DO NIASSA Área Total: 129.056 km 2 incluindo a superfície do Lago

Leia mais

Conferência da Associação Lusófona de Energias Renováveis. Energias Renováveis na Electrificação de Moçambique

Conferência da Associação Lusófona de Energias Renováveis. Energias Renováveis na Electrificação de Moçambique Conferência da Associação Lusófona de Energias Renováveis Energias Renováveis na Electrificação de Moçambique Carteira de Projectos de Energias Renováveis Recurso Hídrico e Solar Maputo, 25 e 26 de Outubro

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. No quadro seguinte estão representadas as quantidades oferecidas e procuradas do bem A e as quantidades procuradas dos bens B e C, para

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei n.º /2012. de Dezembro

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei n.º /2012. de Dezembro REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Lei n.º /2012 de de Dezembro O Orçamento do Estado para 2012 materializa a política financeira do Governo, em conformidade com os objectivos do Plano Económico e Social (PES) -

Leia mais

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil

Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Investimento e Comércio Entre Portugal e Brasil Realizado para: Última Atualização 11/03/2016 Próxima Atualização 11/04/2016 I. Principais indicadores macroeconómicos entre Portugal-Brasil 2016 População,

Leia mais

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP.

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 INTRODUÇÃO Há três iniciativas simultâneas

Leia mais