Estrutura e Estratégia de Empresas do Comércio Varejista no e-commerce Business-to-Consumer

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura e Estratégia de Empresas do Comércio Varejista no e-commerce Business-to-Consumer"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO Estrutura e Estratégia de Empresas do Comércio Varejista no e-commerce Business-to-Consumer por Fernando José Retumba Carneiro Monteiro Orientador: Professor Paulo Fernando Fleury Rio de Janeiro, RJ - Brasil 2002

2 ii TÍTULO: Estrutura e Estratégia de Empresas do Comércio Varejista no e- Commerce Business-to-Consumer Fernando José Retumba Carneiro Monteiro Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto de Pós-graduação e Pesquisa em Administração COPPEAD da Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de mestre. Aprovada por Prof. Paulo Fernando Fleury - (COPPEAD/UFRJ) Orientador Prof. Kleber Fossati Figueiredo (COPPEAD/UFRJ) Prof. Henrique Correa (FGV/SP) Rio de Janeiro, RJ Brasil 2002

3 iii Monteiro, Fernando. Estrutura e estratégia de empresas do comércio varejista no e- commerce business-to-consumer/ Fernando José Retumba Carneiro Monteiro. Rio de Janeiro: UFRJ/COPPEAD, xii, 212 p.; il. Tese Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD, Gerência de Operações. 2. e-commerce B2C. I. Título. II. Tese (Mestr. COPPEAD/UFRJ).

4 iv AGRADECIMENTOS A meus pais, irmãos e avós, por todo o apoio dado ao longo de meu desenvolvimento intelectual, profissional e pessoal. A minha mulher, Marcela, pelas revisões e sugestões realizadas durante a elaboração deste trabalho, bem como pelo apoio e paciência dedicados ao longo dessa jornada. Ao meu orientador, Paulo Fernando Fleury, que, apesar do intenso ritmo de trabalho, sempre respondeu rapidamente aos meus questionamentos, contribuindo para que o processo de elaboração desta dissertação fosse simples e eficiente. Às empresas aqui estudas, especialmente a todos os funcionários que foram entrevistados para a elaboração dos estudos de caso, bem como àqueles que me possibilitaram identificar essas pessoas e concretizar as entrevistas. Aos funcionários do Coppead, pela atenção e carinho dedicados a todos os alunos do mestrado. A todo o corpo docente do Coppead, pelo estímulo ao crescimento pessoal, acadêmico e profissional dos alunos que têm o privilégio de desfrutar da experiência do mestrado.

5 v MONTEIRO, Fernando. Estrutura e estratégia de empresas do comércio varejista no e-commerce business-to-consumer f. Dissertação (Mestrado em Administração) Instituo de Pós-graduação em Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. RESUMO O potencial impacto da Internet na forma como as organizações e pessoas fazem negócios é extraordinário. O ambiente oferecido pela Internet proporciona um grau de interação inédito a um custo extremamente baixo. Por conseqüência, o e-commerce tem se difundido muito rapidamente, ameaçando algumas empresas tradicionais e criando diversas oportunidades para antigas e novas empresas. É bem verdade que existem incertezas sobre o grau de transformação que a Internet pode realmente causar no varejo em termos de modelo de negócio. No entanto, essas incertezas pouco a pouco estão desaparecendo graças à experiência obtida pelas empresas pioneiras nas vendas on-line. Apesar das inúmeras possibilidades da Internet, o produto físico não pode ser enviado através da rede; por conseguinte, o sistema de distribuição é determinante para o sucesso ou fracasso das empresas que realizam e-commerce. Assim sendo, o objetivo principal deste trabalho é compreender e avaliar a estratégia de operações e a estrutura de empresas do comércio varejista que realizam e-commerce B2C. Para atingir esse objetivo, foi realizada uma revisão bibliográfica sobre o assunto, com enfoque nas particularidades da logística do e-commerce, bem como na questão da integração varejo físico com o varejo virtual. Posteriormente, foram realizados três estudos de caso com empresas tradicionais do comércio varejista que realizam e-commerce. Esses três casos foram devidamente analisados de modo a responder às perguntas de pesquisa aqui propostas. Por último, com base nas análises realizadas ao longo do trabalho, foram obtidas conclusões mais genéricas a respeito do tema. Esta dissertação não tem por objetivo propor um modelo ideal de comercialização e distribuição através da Internet. Todavia, ela poderá ser útil no planejamento e desenvolvimento de modelos de e-commerce através da discussão e análise dos modelos adotados pelas empresas aqui estudadas.

6 vi MONTEIRO, Fernando. Estrutura e estratégia de empresas do comércio varejista no e-commerce business-to-consumer f. Dissertação (Mestrado em Administração) Instituo de Pós-graduação em Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. ABSTRACT The potential impact of the Internet in the way organizations and people make businesses is extraordinary. The Internet provides an amazing degree of interaction at an extremely low cost. Due to that, e-commerce initiatives have been spread out very quickly, threatening some traditional companies and creating chances for new ones. There are still some uncertainties regarding how Internet can really change the retail business models. Nevertheless, these uncertainties are progressively disappearing due to the pioneer experience of some e-players. Despite all the Internet s features, tangible products cannot be sent through the web. As product distribution is a key dimension for the success of companies performing e-commerce B2C, this dissertation aims to understand and evaluate the strategy and structure of companies that perform e-commerce B2C, focusing on the bricks-and-clicks model. To accomplish that, some papers about the logistic of e-commerce B2C, as well as the issue around integration of physical and virtual retail operations were initially investigated. Afterwards, three study cases regarding traditional retailers that perform e-commerce B2C were developed and deeply analyzed in order to answer some basic research questions. Ultimately, additional analyses were performed aiming to draw broader conclusions about e-commerce. It is beyond this work to design ideal models of commercialization and distribution through the Internet. Nevertheless, this dissertation can be useful for planning and structuring those models.

7 vii SUMÁRIO 1 Problema Introdução Objetivos Questões a serem respondidas Delimitação do estudo Relevância do estudo Revisão da Literatura A Nova Economia da Informação : O fim do trade-off riqueza abrangência A separação entre o fluxo físico e de informação dos produtos Conseqüências do fim deste trade-off A comercialização de produtos através da Internet Oportunidades do novo canal Criação de valor através da Internet Utilizando a navegação para obter vantagem competitiva A logística no e-commerce business-to-consumer Impactos do e-commerce B2C nas atividades logísticas: maior complexidade Um novo modelo logístico para o e-commerce business-to-consumer Logística do e-commerce: considerações sobre terceirização Previsões e oportunidades O papel dos players no e-commerce Distribuidor e-tailer Navegador Fabricante Varejista físico Category Killer A Questão da Integração entre e-commerce e o Varejo físico Casos de diferentes graus de integração O grau de integração mais adequado Organigraphs: Representação Gráfica do Funcionamento das Empresas Formas Básicas Organigraphs em Ação Metodologia Tipo de pesquisa Universo e amostra... 61

8 viii 3.3 Seleção dos sujeitos Coleta de dados Tratamento dos dados Limitações do método Descrição dos Casos Caso Sendas Delivery Informações Gerais Evolução do e-commerce Estrutura para o e-commerce Estratégia de Produto-Mercado O Cliente do e-commerce Análise do Web Site Atendimento e Entrega dos Pedidos Preparação para a separação Separação Transporte e Entrega Ocorrências referentes ao pedido teste Problemas Atuais e Desafios Futuros Caso Ponto Frio Informações Gerais Evolução do e-commerce Estrutura para o e-commerce Estratégia de Produto-Mercado O Cliente do e-commerce Análise do Web Site Atendimento e Entrega dos Pedidos Recebimento e Preparação do Pedido Separação e Entrega Ocorrências do pedido teste Problemas Atuais e Desafios Futuros Caso Petco-Petopia Informações Gerais Evolução do e-commerce Estrutura para o e-commerce Estratégia de Produto-Mercado O Cliente do e-commerce Análise do Web Site Atendimento e Entrega dos Pedidos Recebimento do pedido Picking Transporte e Entrega Ocorrências do Pedido Teste Problemas Atuais e Desafios Futuros

9 ix 5 Análise dos Casos Qual a experiência anterior dessas empresas com delivery? Como ela interferiu no e-commerce? Como é a estratégia de e-commerce dessas empresas? Como é a política de preços? Quais as características, amplitude e a disponibilidade dos produtos? Segundo as dimensões abaixo, qual a política de distribuição? Área geográfica Serviço: rastreamento, devolução, prazo etc Como a capacidade de gerar informações é utilizada para promover produtos? Qual o mercado visado pelas empresas? Como é a estrutura dessas empresas para suportar as operações de seleção, atendimento e entrega? Como são as instalações? Como as empresas estruturaram seus Web Sites? Como é a política de capacidade? Que tecnologias são empregadas no atendimento e entrega? Qual o grau de terceirização? Segundo as dimensões abaixo, qual o grau de integração do e-commerce e do negócio tradicional? Quais os eventuais impactos e sinergias que ocorrem? Operações: gestão do estoque, distribuição etc Instalações: depósitos, escritórios etc Marca Gestão e Recursos Humanos Relacionamento com Fornecedores Investimentos Recursos tecnológicos: sistemas de informação, Call Center etc Como é o desempenho da empresa? Como é a experiência de compra? A estrutura da empresa está adequada à estratégia estabelecida? O desempenho está satisfatório vis à vis a estratégia e a estrutura da empresa? Conclusão Abrangência vs. Integração Deficiências Comuns das Empresas no e-commerce Sugestão de Pesquisas Futuras Referências Bibliográficas ANEXO I: Instrumentos de Coleta de Dados Questionário para Entrevista Roteiro para análise do site Roteiro para análise do acompanhamento do pedido Roteiro para análise da experiência de Compra

10 x LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Investimentos em e-commerce...5 Gráfico 2: Número de Usuários da Internet no Mundo (Milhões)...6 Gráfico 3: Economia da Informação Tradicional...10 Gráfico 4: Previsão do Número de Entregas Diárias de Pacotes (Mundo)...22 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Modelo Logístico de Ponta a Ponta...26 Figura 2: Exemplo de Organigraph de um Jornal...60 Figura 3: Layout da Área do Sendas Delivery...71 Figura 4: Figura 5: Figura 6: Organigraph do Sendas Delivery...88 Organograma Simplificado do Ponto Frio...97 Organigraph do PontoFrio.com Figura 7: Localidades nos EUA onde existe pelo menos uma loja Petco Figura 8: Organigraph Petco-Petopia Figura 9: Impacto Tecnológico da Internet na Cadeia de Valor do e- Commerce 184 Figura 10: Grau de Adequação da Estrutura ao e-commerce Figura 11: Escala de Grau de Integração (Instalações de Armazenagem / Estoques) 191 Figura 12: Figura 13: Matriz Abrangência vs. Integração Matriz Abrangência vs. Integração: Alternativas de Evolução...194

11 xi LISTA DE TABELAS Tabela 1: Comparação entre a Logística do e-commerce e a Tradicional...25 Tabela 2: Divisões das Casas Sendas...67 Tabela 3: Tabela 4: Tabela 5: Tabela 6: Tabela 7: Tabela 8: Evolução do Percentual de Pedidios por Internet e Telefone/Fax...69 Turnos de Trabalho do Sendas Delivery...69 Estrutura da Equipe de Expedição...70 Status do Pedido segundo o Sistema do SD...74 Dados Pessoais a serem fornecidos na Confirmação do Pedido...77 Seções de Produto do Sendas Delivery...78 Tabela 9: Subseções da Seção de Bebidas...78 Tabela 10: Exemplos de Vendas Casadas do site do SD...80 Tabela 11: Pedido (1) do Sendas Delivery...89 Tabela 12: Pedido (2) do Sendas Delivery...90 Tabela 13: Número de Lojas Ponto Frio por Estado...96 Tabela 14: Telefones do Tele-Express do Ponto Frio Tabela 15: Departamentos da Loja Virtual do Ponto Frio Tabela 16: Exemplos do Dicionário de Termos Técnicos Tabela 17: Pedido realizado no PontoFrio.com Tabela 18: CDs da Petco nos EUA Tabela 19: Subcategorias de Produtos da Seção Peixes Tabela 20: Subcategorias de Produtos da Seção Aquários & Tanques Tabela 21: Tabela 22: Tabela 23: Tabela 24: Taxas de Entrega conforme o Peso da Mercadoria (em Pounds) Pedido realizado na Petopia.com Experiência Anterior e Sua Influência no e-commerce Política de Preços e Forma de Pagamento Tabela 25: Análise dos Produtos Oferecidos Tabela 26: Escopo de Atendimento Tabela 27: Rastreamento ao longo do Ciclo do Pedido...155

12 xii Tabela 28: Características do Processo de Devolução Tabela 29: Prazos de Entrega Tabela 30: Geração de Informações para Promover Produtos Tabela 31: Mercado Alvo das Empresas Tabela 32: Características das Instalações Tabela 33: Analise do Web Site Tabela 34: Política de Capacidade Tabela 35: Tecnologia Empregada Tabela 36: Grau de Terceirização Tabela 37: Análise da Integração do e-commerce com o Varejo Tradicional:...173

13 1 Problema O presente trabalho consiste em um estudo do comércio eletrônico de produtos através da Internet (e-commerce), mais especificamente no comércio realizado entre empresa e consumidor (business-to-consumer ou B2C). Existem vários aspectos envolvendo o e-commerce business-to-consumer; contudo, este trabalho concentra-se nos modelos de negócio utilizados pelas empresas de comércio varejista que também atuam no varejo virtual. 1.1 Introdução O potencial impacto da Internet na forma como as organizações e pessoas fazem negócios é extraordinário. O ambiente oferecido pela Internet proporciona um grau de interação inédito a um custo extremamente baixo. Por conseqüência, o e-commerce tem se difundido muito rapidamente, ameaçando algumas empresas tradicionais e criando diversas oportunidades para antigas e novas empresas. A Internet, através de uma das suas principais aplicações a World Wide Web (WWW) proporciona a busca e seleção de produtos por parte dos clientes de forma totalmente revolucionária. Esta aplicação permite às empresas oferecerem, a baixo custo, informação detalhada referente a uma gama enorme de produtos, ocasionando fortes mudanças nas formas de comercialização. Por outro lado, Wilson (1999) ressalta uma simples verdade que não deve ser esquecida no que diz respeito ao e-commerce: apesar das inúmeras possibilidades da Internet, o produto físico não pode ser enviado através da rede. Assim sendo, o sistema de distribuição é determinante para o sucesso ou fracasso das empresas que efetuam e-commerce. Portanto, é extremamente importante estudar como as empresas que estão envolvidas com o comércio eletrônico através da Internet estão

14 2 estruturando suas atividades no que diz respeito tanto à comercialização, quanto à distribuição de seus produtos. 1.2 Objetivos O objetivo principal deste trabalho é compreender e avaliar a estratégia e a estrutura de empresas do comércio varejista que realizam e-commerce B2C. Pretende-se explorar a relação existente entre a estratégia e a estrutura dessas empresas para o e-commerce, procurando entender diversos aspectos dessa relação. Esses aspectos englobam desde como a estrutura das empresas pode limitar ou favorecer a implementação de um determinado modelo de e- commerce, até mesmo o grau de integração das operações de varejo físico e virtual e as respectivas implicações para as empresas em questão. 1.3 Questões a serem respondidas A questão principal a ser respondida através deste trabalho é a seguinte: Como é a estratégia, a estrutura e o desempenho das empresas de comércio varejista no e-commerce B2C? Esta questão é circundada por outras, são elas: 1) Qual a experiência anterior dessas empresas com delivery? Como ela interferiu no e-commerce? 2) Como é a estratégia de e-commerce dessas empresas? 2.1) Política de preços 2.2) Características, amplitude e a disponibilidade dos produtos 2.3) Política de distribuição 2.4) Capacidade de gerar informações para promover produtos 3) Como é a estrutura dessas empresas para suportar as operações de seleção, atendimento e entrega?

15 3 3.1) Como são as instalações? 3.2) Como é a política de capacidade? 3.3) Como é a tecnologia empregada? 3.4) Qual o grau de terceirização? 3.5) Qual o grau de integração do e-commerce e do negócio tradicional? Quais os eventuais impactos e sinergias que ocorrem? 4) Como é o desempenho da empresa? Como é a experiência de compra? 5) A estrutura da empresa está adequada à estratégia estabelecida? 6) O desempenho está satisfatório vis-à-vis a estratégia e a estrutura da empresa? 1.4 Delimitação do estudo Este trabalho não tem por objetivo propor um modelo ideal de comercialização e distribuição através da Internet. Todavia, ele poderá ser útil no planejamento e desenvolvimento de novos modelos através da identificação e compreensão da estratégia, estrutura e desempenho das empresas aqui estudadas, bem como das conclusões obtidas. 1.5 Relevância do estudo O volume de vendas através da Internet vem crescendo muito rapidamente. No final do ano de 1999, as vendas on-line quadruplicaram em relação ao mesmo período do ano anterior. Além disso, o valor médio de cada pedido cresceu cerca de 8% em relação ao final do ano de 1998 (SHOP.ORG, 1999). Uma outra pesquisa, realizada pela Jupiter Corporation, aponta que o volume de vendas nos últimos dois meses do ano foi de cerca de US$ 7 bilhões. Além disso, uma parcela de 35% dos entrevistados afirmou estar disposta a

16 4 efetuar novas compras através da Internet ao longo do ano 2000 (JUPITER, 2000). Mesmo as previsões mais pessimistas prevêem um considerável aumento das atividades comerciais através da Internet. O gráfico abaixo mostra a evolução do e-commerce de 1998 para 1999, e apresenta uma previsão de crescimento acentuado entre 2000 e 2003.

17 5 Gráfico 1: Investimentos em e-commerce Fonte: Forrester Research No gráfico acima, pode ser observado que o valor gasto por empresas em e-commerce business-to-business tem se mantido e deve continuar sendo significativamente superior ao gasto no e-commerce business-to-consumer. Apesar disto, o volume de negócios previsto na segunda categoria de e- commerce é considerável: a previsão de gastos para o ano de 2003 gira em torno de US$ 100 bilhões, somente nos EUA. Uma outra pesquisa, por sua vez, assinala o ritmo de crescimento do número de usuários da Internet em todo o mundo. O gráfico abaixo reflete o resultado da pesquisa: um levantamento da evolução do número de usuários e uma previsão para o período de

18 6 Gráfico 2: Número de Usuários da Internet no Mundo (Milhões) Fonte: Nua Internet Surveys A tendência de crescimento nas vendas pela Internet apresenta fortes implicações quanto à distribuição. A previsão de aumento de entregas residenciais, para o ano de 2003, gira em torno de 2,1bilhões de entregas em todo o mundo. Tomando por base essa estimativa, pode-se calcular que será necessária uma área adicional voltada para a distribuição de aproximadamente 100 milhões de pés quadrados para suportar o crescimento do e-commerce nos próximos anos (BROOKSHER, 1999). Diante deste cenário, é possível compreender o importante papel das atividades de comercialização e distribuição. Para Drucker (1999), a distribuição, tradicionalmente considerada uma função de suporte, constituirá competência fundamental para as empresas envolvidas com e-commerce: somente através dela as empresas poderão obter alguma forma de diferenciação.

19 7 2 Revisão da Literatura A revisão da literatura está dividida em seis partes. Na primeira parte, é feita uma análise das características da Nova Economia da Informação, enfatizando a questão relativa ao fim do trade-off riqueza abrangência. Os exemplos de indústrias atingidas pelas mudanças da Nova Economia favorecem a compreensão das conseqüências decorrentes do fim deste trade-off. A segunda parte aborda questões da comercialização, procurando evidenciar as possibilidades existentes e como as empresas devem se posicionar em relação a esta nova realidade. Além disso, é discutido o importante papel que a antiga função de navegação assume na Nova Economia. Na terceira parte, estão reunidas opiniões de vários autores que favorecem a compreensão das mudanças que estão ocorrendo nas atividades de distribuição em decorrência do e-commerce. A quarta parte consiste em uma análise de cada um dos players do e- commerce B2C, procurando ressaltar as deficiências e pontos fortes de cada um deles, baseado nas novas dimensões competitivas deste novo ambiente. Na quinta e penúltima parte, é discutida a questão da integração do e- commerce B2C com o varejo tradicional. São analisados modelos de negócio adotados por diversos varejistas, que integraram, em maior ou menor grau, as atividades tradicionais com a iniciativa de e-commerce. E finalmente, na última parte, é brevemente analisada a abordagem de Organigraphs; uma alternativa ao tradicional organograma, que favorece uma melhor representação do funcionamento das organizações.

20 8 2.1 A Nova Economia da Informação : O fim do trade-off riqueza abrangência Nas últimas décadas, o desenvolvimento de tecnologias da informação pode ser classificado como extraordinário. Por conseqüência, a direção das empresas vem sendo forçada a concentrar esforços na adaptação dos processos operacionais existentes às novas tecnologias que tem surgido. A explosão de conectividade que ocorreu nos anos 90 representou, no que diz respeito à elaboração de estratégias de negócio, a última e mais importante onda da revolução da informação (EVANS, WURSTER, 1997). O impacto desta última onda pode ser melhor compreendido com o exemplo da Encyclopædia Britannica. Nos anos 90, o aparecimento do CD-ROM devastou as vendas da Encyclopædia Britannica, que caíram cerca de 50%. O preço de uma coleção completa impressa da enciclopédia variava entre US$1.500 e US$2.000, que pode ser considerado extremamente alto se comparado com a enciclopédia Microsoft Encarta, disponível em CD-ROM e vendida por aproximadamente US$ 50. Enquanto o custo de se produzir os volumes de uma enciclopédia é de US$ 200 US$ 300 (incluindo impressão, encadernação e distribuição física), o custo de se produzir um CD-ROM é muito inferior (em torno de US$1,50). A direção da Britannica não conseguiu, naquele momento, compreender a nova realidade e não reagiu de forma eficaz. De qualquer maneira, este caso reflete como as mudanças tecnológicas e as novas formas de competição podem abalar uma indústria madura e estabelecida (EVANS, WURSTER, 1997). Segundo Sahlman (1999), a força da Nova Economia reside no fato de que ela está baseada em um sistema de negócios que já demonstrou que funciona, obriga as empresas a realizarem uma reengenharia inteligente de processos, elimina a ineficiência, e supera as expectativas de seus clientes. Além disso, a Nova Economia vem se caracterizando por empresas que atacam os

21 9 players tradicionais, e que estão constantemente em busca de novas tecnologias que substituam ou melhorem antigos processos. Ao contrário do senso comum, não são apenas os setores efetivamente baseados em informação que podem ser atingidos por essas mudanças. No caso da Britannica, apenas 5% dos custos eram oriundos da parte editorial, sendo realmente o maior custo referente à força de vendas direta. Assim sendo, a vulnerabilidade da Britannica também pode ser encontrada em outras indústrias, como as de viagem, automóvel, seguros etc. Este fato demonstra que tradicionais fontes de vantagens competitivas como força de vendas e marca forte podem se tornar obsoletas na Nova Economia da Informação. Esta Nova Economia permite o aparecimento de produtos substitutos e novos players com a capacidade de atuar de forma revolucionária e com eficiência superior (EVANS, WURSTER, 1997) A separação entre o fluxo físico e de informação dos produtos Tradicionalmente, o fluxo de informações está associado ao fluxo dos produtos. Desta forma, dificilmente se considera fluxos de forma independente. Com os novos recursos tecnológicos de comunicação e o elevado grau de conectividade, a informação não se submete mais às restrições da cadeia de valor física, podendo ela trafegar de forma independente em sua própria cadeia de valor. Portanto, a Nova Economia é marcada pela possibilidade de ruptura entre o fluxo de produtos físicos e o respectivo fluxo de informações; ou seja, entre a economia da informação e a economia de bens físicos. Não estando mais submetido às limitações dos modelos físicos de distribuição, o fluxo de informações deixa de ser governado por uma lei básica da antiga economia: o trade-off entre riqueza abrangência. A abrangência está relacionada ao número de pessoas que se pode alcançar. Já a riqueza está associada, a outros três aspectos da informação: conteúdo, personalização e interatividade. A informação pode ter gradações quanto à diversidade e ao volume a ser transmitido (conteúdo), personalização na elaboração e composição do conteúdo e, por

22 10 último, no que diz respeito à possibilidade de interação entre transmissor e receptor (EVANS, WURSTER, 1997). De acordo com Evans e Wurster (1997), a forma como as empresas historicamente resolvem o trade-off riqueza abrangência é refletida pelo padrão de comunicação, colaboração e realização de transações, tanto internamente, quanto em relação aos clientes, fornecedores e distribuidores. Antes do advento da Internet, a transmissão de informação com riqueza implicava, geralmente, na necessidade de haver proximidade entre as partes envolvidas e, até mesmo, canais dedicados. Por sua vez, estas necessidades acarretavam em maiores custos e sofriam de restrições físicas, limitando a abrangência desta forma de comunicação. Por outro lado, a comunicação visando alto grau de abrangência comprometia todos os três aspectos relativos à informação: conteúdo, personalização e interatividade (EVANS, WURSTER, 1997) Gráfico 3: Economia da Informação Tradicional Riqueza Trade-off tradicional Abrangência Fonte: Evans e Wurster (1997) Quando as empresas realizam negócios, na velha economia, o número de atores envolvidos é inversamente proporcional à riqueza das informações intercambiadas. Por exemplo, se o Citibank é capaz de negociar com centenas de bancos a cada minuto, é porque a troca de dados em questão requer um baixo grau de riqueza. Ao contrário, quando o Wal-Mart restringiu o número de fornecedores e promoveu um relacionamento de longo prazo, houve um sacrifício da abrangência (no que tange o número de fornecedores), em busca de uma

23 11 coordenação de maior grau de riqueza referente aos sistemas de marketing e logístico (EVANS, WURSTER, 1997) Conseqüências do fim deste trade-off O surgimento de diversas tecnologias de comunicação, com padrões técnicos universais, que permitem a comunicação de todos em qualquer lugar e a baixo custo, está causando esta revolução. As chamadas tecnologias de rede merecem destaque neste processo; são elas: Internet que conecta pessoas de todo o mundo, extranets que conectam empresas umas às outras, e intranets que conectam pessoas no âmbito de determinada empresa. Essas novas tecnologias estão libertando as informações de antigos canais, necessários para a realização da comunicação, tornando-os desnecessários ou não econômicos. Apesar dos padrões existentes ainda não serem o ideal para a maioria das aplicações, o desenvolvimento nesta linha vem ocorrendo em grande velocidade. Deste modo, é somente uma questão de tempo para empresas e indivíduos aumentarem consideravelmente o grau de abrangência na troca de informações, com um irrisório sacrifício do grau de riqueza (EVANS, WURSTER, 1997). Rayport e Sviokla (1995), quando abordam a questão das novas economias de escala dentro do contexto da cadeia virtual de valor, estão exemplificando o fim do trade-off riqueza abrangência. A comparação é feita entre duas empresas: o U.S. Postal Service e a FedEx. A medida em que a segunda empresa utiliza a WWW para permitir que seus clientes acompanhem a movimentação dos pacotes enviados, ela está realizando um feito nunca antes atingido pela primeira empresa: o U.S. Postal que enxerga o mundo segundo um paradigma industrial nunca conseguiu construir uma pequena agência na casa de cada pessoa. Com as novas economias de escala, a FedEx de fato construiu uma loja para cada cliente, independentemente se milhões ou apenas alguns usuários estão utilizando seu serviço. Gosh (1998) também aborda a questão das novas economias de escala na Internet e analisa as conseqüências do fim deste trade-off. Para ele, existem

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados

DIFERENCIAIS SERVIÇOS. 1. Desenvolvimento De Sites Personalizados DIFERENCIAIS Acredito que o desenvolvimento de soluções para Internet não é um trabalho qualquer, deve-se ter certa experiência e conhecimento na área para projetar sistemas que diferenciem você de seu

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Intranets e Capital Intelectual

Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual Intranets e Capital Intelectual As mídias sociais ultrapassaram os limites da vida privada. Os profissionais são 2.0 antes, durante e depois do expediente. É possível estabelecer

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes AGENDA - MERCADO DE FOOD SERVICE - MODELO ABASTECIMENTO ATUAL E ENTENDIMENTO CADEIA DE ABASTECIMENTO - MODELO PROPOSTO - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DO MODELO -

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO *

www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * CENTRO DE INFORMÁTICA APLICADA PROGRAMA DE EXCELÊNCIA DE NEGÓCIOS NA ERA DIGITAL PESQUISA FGV COMÉRCIO ELETRÔNICO NO MERCADO BRASILEIRO www.fgvsp.br/cia/ned 5 ª EDIÇÃO MARÇO DE 2003 RESUMO * COORDENADOR:

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: COMERCIO ELETRÔNICO (E-COMMERCE) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): EBERSON EVANDRO DA SILVA GUNDIN, PAULO

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Pesquisa Profissionais de Ecommerce

Pesquisa Profissionais de Ecommerce Pesquisa Profissionais de Ecommerce Agosto de 2011 http://www.ecommerceschool.com.br Introdução O crescimento do comércio eletrônico brasileiro é feito com tecnologia e pessoas. Por trás desse crescimento

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Contract Compliance Services

Contract Compliance Services RISK CONSULTING Contract Compliance Services Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros kpmg.com/br 2 / Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros Gerenciando o risco e aumentando

Leia mais

Estudo de caso. Varejo/Atacado Força de vendas Estudo de caso comercial

Estudo de caso. Varejo/Atacado Força de vendas Estudo de caso comercial Estudo de caso Representantes de vendas da Diarco otimizam o sistema de pedidos em mais de 50.000 lojas em todo o país com a Mobile Empresa: Diarco é a principal empresa de comércio atacadista de auto-atendimento

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Comércio Eletrônico em Números

Comércio Eletrônico em Números Comércio Eletrônico em Números Evolução do E-commerce no Brasil 23 milhões é um grande número. 78 milhões 23 milhões Enorme potencial de crescimento no Brasil Mas fica pequeno se comprarmos com o número

Leia mais

Startup de e-business terceirização de processos de negócios consolidação estratégias resultados prática, eficiente e segura produto impecável

Startup de e-business terceirização de processos de negócios consolidação estratégias resultados prática, eficiente e segura produto impecável Manual de Bordo e-dealers é uma Startup de e-business, a qual atua através da terceirização de processos de negócios (Business Process Outsorcing), que visem a consolidação de marcas em ambientes digitais,

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo

O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo O papel dos sistemas de informação no ambiente de negócios contemporâneo Mestrado em Gestão estratégicas de Organizações Disciplina: Sistemas de Informação e Novas Tecnologias Organizacionais Professor:

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações Curso de Especialização em Gestão Empresarial (MBA Executivo Turma 12) Disciplina: Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Dr. Álvaro José Periotto 3. Sistemas Empresariais de Processamento de Transações

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

A Gestão do estoque e do abastecimento é o pulmão de qualquer operação de e-commerce

A Gestão do estoque e do abastecimento é o pulmão de qualquer operação de e-commerce Guia de estudos sobre Estoque & Abastecimento Produzido entre 28 de janeiro e 10 de fevereiro de 2012, pelo Projeto E- Commerce Brasil Mais informações em: www.ecommercebrasil.com.br A Gestão do estoque

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 01. Apresentação Fator W é a marca fantasia através da qual o desenvolvedor web

Leia mais

Capítulo 8. 8.1 Laudon, Cap, 8

Capítulo 8. 8.1 Laudon, Cap, 8 Capítulo 8 Conquistando Excelência Operacional e Intimidade com o Cliente: Aplicativos Integrados 8.1 Laudon, Cap, 8 OBJETIVOS DE ESTUDO Demonstrar como os sistemas integrados ajudam a conquistar a excelência

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com

Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Daciane de Oliveira Silva www.daciane.wordpress.com Marketing direto e mediação eletrônica Como a internet criou novos meios de intermediação entre as pessoas e as organizações? O que é marketing direto?

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

Qualidade em e-serviços multicanal

Qualidade em e-serviços multicanal Qualidade em e-serviços multicanal Em anos recentes temos assistido a um grande crescimento dos serviços prestados pela internet (e-serviços). Ao longo deste percurso, os e-serviços têm também adquirido

Leia mais

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet.

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet. Algumas pesquisa realizada recentemente, revelaram resultados surpreendentes sobre o uso da Internet nas empresas no Brasil. Neste artigo interpreta alguns dados e lhe revela as soluções que podem ajudar

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013.

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013. Internet de Todas as Coisas (IoE). 10 principais descobertas da Pesquisa Índice de valor da IoE da Cisco com 7.500 responsáveis pela tomada de decisão em 12 países Joseph Bradley Jeff Loucks Andy Noronha

Leia mais