O E-COMMERCE E O DECRETO Nº 7.962, DE 15 DE MARÇO DE 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O E-COMMERCE E O DECRETO Nº 7.962, DE 15 DE MARÇO DE 2013"

Transcrição

1 O E-COMMERCE E O DECRETO Nº 7.962, DE 15 DE MARÇO DE 2013 Adriana de Góes dos Santos Jéssica Southier SUMÁRIO: Introdução - 1. O surgimento do comércio eletrônico e a internet - 2. Relação de consumo virtual - 3. A responsabilidade civil do fornecedor - 4. Decreto nº 7.962/ Conclusão - Referências. INTRODUÇÃO Diante de toda a evolução ocasionada pelas novas formas de contratação oriundas do meio eletrônico, que ultrapassam as limitações físicas e geográficas, também evoluiu a preocupação em proteger este e-consumidor que se mostra ainda mais frágil e suscetível às apelações dos fornecedores no ambiente virtual. Anteriormente à data de 15 de março de 2013, não havia uma regulamentação específica para estas relações, o que não impedia a aplicação de todas as normas protetoras do Código de Defesa do Consumidor e ainda a legislação civilista de forma subsidiária, como será demonstrado ao longo deste estudo. O objetivo desta pesquisa é realizar uma análise do Decreto nº 7.962/13, que regulamentou a Lei 8.078/90, para dispor sobre a contratação no comércio eletrônico, enumerando as inovações trazidas, sua relevância para as relações comerciais formadas após sua edição e possíveis omissões. O motivo da escolha do tema foi sua importância e atualidade diante da difusão desta forma de contratação, impulsionada pelo avanço da internet e das novas tecnologias da informação. O método utilizado foi o dedutivo e a dificuldade 1

2 encontrada foi a falta de obras específicas ou com apontamentos ao decreto mencionado acima, devido ao fato de se tratar de legislação recente. 1. O SURGIMENTO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO E A INTERNET Sabe-se que o comércio é uma constante que integra o quotidiano das relações humanas e possui um acentuado apreço na ordem social, pois movimenta e engrandece a economia de um país, gera empregos, fomenta o desenvolvimento e a inovação tecnológicos, coopera com a construção de infraestruturas que facilitam o fluxo de mercadorias, além de ser uma necessidade no vértice do mundo globalizado que permite e mantém a continuidade criativa da vida moderna em interdependência, também impulsiona a fugaz criação de novos ramos do Direito. Assim, com o advento da Era da Informação ou Era Digital,(1) ensejada pela expansão da Internet, que se afigura como outra parte atinente às atividades das pessoas nas formas de ato ou negócio jurídico, e a sua fusão com a natureza comercial, surge um novo conceito desse fator, chamado de comércio eletrônico ou e-commerce. Segundo apontamento de Marques (2004, p ), tem-se que: Podemos definir comércio eletrônico de uma maneira estrita, como sendo uma das modalidades de contratação não presencial ou a distância para a aquisição de produtos e serviços através de meio eletrônico ou via eletrônica. De maneira ampla, podemos visualizar o comércio eletrônico como um novo método de fazer negócios através de sistemas e redes eletrônicas. Lato sensu, pois, o comércio eletrônico abrangeria qualquer forma de transação ou troca de informação comercial ou visando a negócios, aquelas baseadas na transmissão de dados sobre redes de comunicação como a Internet, englobando todas as atividades negociais, juridicamente relevantes, prévias e posteriores à venda ou à contratação. O comércio eletrônico, em que se infere, atrelou uma forma proveitosa de se fazer contratos, quer dizer, um novo jeito de fazer negócios, se contrapondo ao comércio tradicional. Nessa linha, observa-se que os documentos e assinaturas elaborados em ambiente digital têm essa mesma qualidade. Por certo, a utilização 2

3 da Internet é um dos tipos dentre vários utilizados para a propagação do comércio eletrônico, por exemplo,(2) há os telefones fixos e celulares (linhas telefônicas de contratação: com pessoas ou gravações, voic , audiotexto etc.), televisores com tela de contato para aderência de algum plano de assinatura (por intermédio de satélites), Ethernet,(3) caixas eletrônicos de agências bancárias (sistema eletrônico próprio ou Intranet ou Extranet)(4) e técnicas semelhantes, todos dispensam a presença in persona do contratante no momento da aceitação da proposta. Antes de adentrar em outros termos, é necessário determinar o que seja a Internet e o seu funcionamento. O filósofo francês Pierre Lévy (1999, p. 255) qualifica a Internet conforme segue: O nome Internet vem de internetworking (ligação entre redes). Embora seja geralmente pensada como sendo uma rede, a Internet na verdade é o conjunto de todas as redes e gateways que usam protocolos TCP/IP. Note-se que a Internet é o conjunto de meios físicos (linhas digitais de alta capacidade, computadores, roteadores etc.) e programas (protocolo TCP/IP) usados para o transporte da informação. A Web (WWW) é apenas um dos diversos serviços disponíveis através da Internet, e as duas palavras não significam a mesma coisa. Fazendo uma comparação simplificada, a Internet seria o equivalente à rede telefônica, com seus cabos, sistemas de discagem e encaminhamento de chamadas. A Web seria similar a usar um telefone para comunicações de voz, embora o mesmo sistema também possa ser usado para transmissões de fax ou dados. Percebe-se que a Internet é transmitida pela interligação de redes que se dão com fio ou sem fio (wireless),(5) utilizando-se de hardwares,(6) organizados, por exemplo, na forma de aparelhos como um notebook, ipod, tablet ou smartphone,(7) para estabelecer a conexão no servidor de Rede, e com a ajuda de softwares(8) (programas) de acesso. Carece ressaltar que vários são os serviços oferecidos pela Internet aos seus usuários, em que a World Wide Web (WWW ou Web)(9) é um deles. Podem-se citar também os serviços de comunicação, seja por (correio eletrônico)(10) ou por instant messaging (mensagens instantâneas),(11) e os serviços de recuperação,(12) dessa forma, não se confunde Internet e Web, uma vez que, segundo a crítica, não são palavras sinônimas. 3

4 No que diz respeito à Internet, ela está presente em diversos lares brasileiros, como se verifica na pesquisa IBOPE/NetRatings, líder mundial em medição de audiência de Internet.(13) Em que pese a pesquisa mais recente disponibilizada no site da Associação Brasileira de Internet ser referente aos dados de outubro de 2011, esta informa que as pessoas com acesso em qualquer ambiente (residência, trabalho, escola e outros), considerando os brasileiros de 16 anos ou mais de idade, representam 77,8 milhões de usuários(14) com acesso à Internetworking.(15) É notável o excelente resultado que o comércio eletrônico vem obtendo na economia brasileira, com a progressão dos anos inclinou maior confiança em seu uso, de sorte que agregou prodigiosa porção de clientes vinculados ao emergente mercado de consumo. Como bem elucida Felipini (2006), em artigo publicado no site E-commerce,(16) em razão da persistência da Internet como propulsora do comércio: Essa questão pode ser respondida com base em duas premissas distintas: a do empresário que já tem um negócio físico e pensa em utilizar o novo canal de comercialização e negócios; e a do empreendedor, que cogita implantar um novo negócio majoritariamente na Internet, quer seja uma loja virtual voltada para o consumidor final (B2C) quer seja para o comércio com outras empresas (B2B). Para quem atua no comércio tradicional, utilizar a Internet deixou de ser uma escolha e passou a ser uma necessidade estratégica. Quase todas as empresas hoje em dia têm algum tipo de presença na Internet, desde um simples site institucional, passando por catálogo eletrônico de produtos, pelo relacionamento mais ágil com clientes, fornecedores, funcionários ou distribuidores, via web, até a implantação de uma loja virtual onde as vendas são totalmente efetivadas de forma eletrônica. Esse avanço ocorreu de modo tão rápido que, muitas vezes, o empresário nem se deu conta de que vários processos de negócios, que antes demandavam uma grande estrutura de hardware e software, passaram a ser realizados em ambiente web de maneira mais eficiente e, o que é melhor, a um custo surpreendentemente mais baixo. A Internet tornou-se uma espécie de estrada digital que chega gratuitamente às portas de todas as empresas. Pode-se até não utilizar essa infraestrutura, mas é 4

5 bom ter consciência de que a concorrência vai usá-la e vai ganhar produtividade e agilidade com isso. No que tange aos comerciantes, a tendência em incorporar o seu negócio na Rede mundial de computadores é refletida na organização empresarial, desde a tributação do comércio realizado por meio eletrônico até a expectativa de lucro e intento da empresa, o que se especula ser a inevitabilidade de inserção nesse nicho empreendedor, com setores direcionados e colaboradores instruídos para tal fim. eletrônico: Leal (2007, p. 34) leciona sobre as modalidades contidas no comércio Quanto aos partícipes, o e-commerce pode ser classificado em B2B - business to business -, quando realizado entre empresas que comercializam entre si, mantendo links (conexões) com seus fornecedores e distribuidores, e B2C - business to consumer -, quando se reflete nas relações jurídicas de consumo na Internet, por meio das quais as empresas ofertam bens e serviços, na Rede, para aquisição direta pelo consumidor, sem intermediários. Tendo como norte o comércio eletrônico do tipo fornecedor-consumidor, conhecido como B2C(17) - salienta-se aqui que o trabalho irá se limitar a esta modalidade de e-commerce, porém existem diversas a que não será dedicado o estudo -, a busca por produtos e serviços se disseminou na Internet e trouxe para o consumidor praticidade e rapidez na procura do objeto desejado, na comparação de preços e, inclusive, comodidade nos negócios efetuados. Então, devido à grande movimentação de compras, os contratos pactuados via Internet passaram a ser utilizados com maior frequência, por conseguinte a legislação brasileira buscou regulamentar esta relação para não gerar uma insegurança jurídica ao consumidor. De acordo com Leal (2007, p ): A Internet teve origem na década de 60, a partir de um projeto desenvolvido por militares americanos que, no auge da Guerra Fria, receando sofrer um ataque nuclear russo e para evitar que as informações armazenadas em seus 5

6 computadores se perdessem devido à obstrução de um tronco de tráfego de sinais eletrônicos, investiram na criação de um sistema descentralizado que permitisse a interação de vários computadores ao mesmo tempo. Foi assim que, em 1969, surgiu a ARPANET, responsável pela interligação de laboratórios de pesquisa e tecnologia (grifo da autora). Por força do exposto, Leal (2007, p. 32) acrescenta que a Internet atraiu cada vez mais a atenção das empresas e se expandiu, principalmente no meio comercial, modificando a forma de fazer negócios e dando surgimento ao e-commerce [...]. Logo, a Internet, fruto da Era Digital, eficaz e rápida ferramenta de difusão da informação, comunicação, negociação, estudo (e-learning), cultura e marketing, vem preenchendo uma posição muito importante no mercado de consumo, visto que sua exploração comercial trouxe mudanças sociais contundentes refletidas na organização do Estado de Direto. O marco da história da Rede no Brasil, quiçá de um modo geral, é narrado com a seguinte inspeção: O ano de 1988 pode ser considerado como o ano de início da Internet no Brasil. A iniciativa pioneira coube à Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo (FAPESP), ligada à Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia (FINKELSTEIN, 2004, p. 41). Já o acesso à internet aos particulares, cidadãos brasileiros, só foi possível em Compartilha dessa posição Finkelstein (2004, p. 41): Uma portaria conjunta do Ministério das Comunicações e do Ministério da Ciência e Tecnologia, publicada em maio de 1995, criou a figura do provedor de acesso privado, liberando a operação comercial da Rede no Brasil. 6

7 A Internet dinamizou as relações entre as pessoas, sendo instrumento principal das transações comerciais inseridas no seu meio, um mercado em que as fronteiras territoriais das nações não são mais obstáculos para a venda e compra de bens e serviços, desse modo, conduzindo o mercado a se atualizar criando as lojas virtuais, frente à nova realidade, isto é, o espaço virtual ou ciberespaço - no conceito de Peixoto (2001, p ) o ciberespaço é o conjunto de sites, computadores, pessoas, programas e recursos que formam a Internet -, buscando aprimorar as técnicas utilizadas, tanto na constituição da empresa quanto na estratégica pré e pós-venda. Em face disso, explana Leal (2007, p. 12): O ciberespaço, com suas peculiaridades, revolucionou e ampliou o espaço jurídico, fazendo com que as pessoas e as empresas passassem a interagir em um meio novo que privilegia a comunicação de forma instantânea e global, estabelecendo-se entre elas, em consequência, relações jurídicas atípicas, que levam ao aparecimento de conflitos inéditos a desafiar os operadores do Direito. O pioneirismo na iniciativa internacional para a elaboração de uma legislação acerca do comércio eletrônico se deu com a Comissão das Nações Unidas para o Direito Comercial Internacional - UNCITRAL, que em 1996 editou uma Lei Modelo para o assunto. No ensinamento de Finkelstein (2004, p ): A Lei Modelo da UNCITRAL sobre o comércio eletrônico de 1996 é uma das principais bases para as legislações sobre a matéria que vêm sendo criadas ao redor do mundo. Vale salientar que a Lei Modelo da UNCITRAL serve apenas como modelo para os países associados às Nações Unidas. É, portanto, uma mera sugestão para que os países associados elaborem leis tomando por base este modelo. Seu estudo, no entanto, é importante por ser esta uma iniciativa pioneira, e que, por este motivo mesmo, serviu inúmeras vezes como fonte de inspiração para os poucos diplomas legislativos relacionados ao comércio eletrônico. 7

8 O Brasil é um membro fundador da ONU (Organização das Nações Unidas) desde 24 de outubro de 1945,(18) então a Lei Modelo da UNCITRAL foi um incentivo para que em nível nacional fosse operada lei vigiando a sua circunspecção. A importância da Internet com o avanço tecnológico e científico é inegável, ela se sobressai perante as demais formas de comunicação. O impacto e a transformação causados na vida das pessoas, aliás, englobando a Política, o Direito e a Economia, são sem precedentes, e o comércio nela implantado não deixa por menos. Nessa conjetura, crê-se que, após todo o encadeamento histórico sobre o fenômeno do e-commerce, chega a hora de se saber como se estabelece a relação entre consumidor e fornecedor no ambiente virtual. 2. RELAÇÃO DE CONSUMO VIRTUAL À proporção que a Internet afetou toda a civilização do Oriente ao Ocidente, relativizou as noções de tempo e de espaço (atemporalidade): Portanto, os conceitos de tempo e espaço ficam relativizados ante a universalidade da Rede e a sua capacidade de colocar em contato pessoas domiciliadas em diferentes Estados, com fusos horários distintos. Essa característica da Internet é responsável pela dificuldade de saber-se qual o foro e a norma aplicável aos contratos eletrônicos, em que momento se considera formado o contrato, ou, em outras palavras, se esse tipo de contratação deve ser considerado entre presentes ou entre ausentes [...] (LEAL, 2007, p. 25). Construiu incrível liberdade de uso, contudo regulamentação vaga: Ninguém é dono da Internet. Não há ninguém que possa vendê-la ou alguém que possa assumir a sua paternidade de modo a transformá-la num monopólio. Dessa forma, não há autoridade central que regulamente o seu uso ou que edite normas quanto ao comportamento dos usuários. Existem comitês gestores, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos e em outros países, que coordenam os serviços, 8

9 mas sempre com as limitações técnicas que a evolução tecnológica impõe (FINKELSTEIN, 2004, p ). Também, criou-se um novo local de estabelecimentos, por meio de sites (páginas eletrônicas ou endereços na Internet) comerciais, governamentais, empresariais (público ou privado) e entidades, para esboçar alguns; é o mais diversificado desfrute das horas vagas (passatempo); é influente rumo, quase instantâneo, para obter informações e notícias; desimpediu a transferência de programas e arquivos de dados e de mídia; informatizou o acesso às instituições e órgãos governamentais, bem como auxiliou as suas atividades; proporcionou a comunicação em tempo real, independente de em qual canto do mundo a pessoa se encontre; além de se ocupar da dispensabilidade dos documentos físicos(19) (substituídos por documentos eletrônicos e contratos eletrônicos). Em confronto com tantos benefícios, ganha relevo a massificação das contratações eletrônicas via Internet, que são feitas a distância(20) e em regra pela forma de contratos virtuais de adesão.(21) Assim, não se pode evitar a preocupação com o consumidor. Então, surgiram problemas neste meio, problemas intrínsecos das relações de consumo, e é no ambiente da Internet que se verifica essa preocupação de maneira mais consistente, porque tem como apoio a vulnerabilidade do consumidor, que com o uso da Internet foi acentuada, por isso as disparidades entre as partes aumentaram em proporções extraordinárias. Com base nisto, no ciberespaço os consumidores são frequentemente prejudicados, dessa forma os aplicadores do Direito obrigam-se a visualizar o arranjo de normas consumeristas brasileiro. Nesse sentido: Assim, o contrato estabelecido entre fornecedor e consumidor, que tem por objeto a aquisição ou utilização, por meio eletrônico, de produto e/ou serviço disponibilizado, na Internet, subsume-se às normas do Código de Defesa do Consumidor. Os contratos nas relações de consumo estão sujeitos ao CDC quanto aos aspectos de existência, validade e eficácia. Podem, no entanto, ser invalidados ou 9

10 anulados pelas normas do direito comum, mormente quando ocorre fraude contra credores, fraude à lei, dolo, erro, coação, simulação etc. (ALMEIDA, 2008, p. 148). Além da proteção ao consumidor pelas práticas comerciais do fornecedor, está a proteção do contrato celebrado, este sempre com interpretação favorável ao consumidor (art. 47 do CDC)(22) e contra as possíveis cláusulas abusivas que são nulas de pleno direito, sendo que se aplicam ao consumidor eletrônico todas as regras sobre estas demarcações no Código de Defesa do Consumidor. Contudo, resumidamente, importa apresentar alguns pontos sobre o contrato de adesão, o descumprimento de prazos contratuais e o direito de arrependimento. Lembre-se que também discursa o Código Civil de 2002 quanto ao contrato de adesão nos artigos 423 e 424,(23) mas foi mais bem atendido em um lapso atrás de anos no Código do Consumidor.(24) De acordo com Finkelstein (2004, p. 299): No caso específico dos contratos eletrônicos, temos que os contratos de adesão materializam-se sob a forma dos chamados contratos clickwrap, normalmente escritos em um site, no qual o leitor expressa a sua aceitação mediante um click de mouse. Em síntese, quando o consumidor se deparar com contratos em que há a impossibilidade de discutir as suas cláusulas, encontra-se diante de um contrato de adesão,(25) meio privilegiado para aparecerem cláusulas abusivas, pois o consumidor não se senta para debater cláusula alguma do contrato. Conforme outrora examinado, na contratação eletrônica celebrada por meio da Internet, esses contratos são conhecidos como contratos eletrônicos interativos. Ao tratar do descumprimento de prazos contratuais, no capítulo da proteção do consumidor no comércio eletrônico em sua obra, é a explicação de Finkelstein (2004, p ): Após a celebração de um contrato eletrônico, pode ocorrer que a mercadoria não seja entregue no prazo anunciado no site pelo vendedor. A essa hipótese deve 10

11 ser aplicada a regra geral Código de Defesa do Consumidor que dá ao consumidor 3 (três) alternativas, à sua escolha: 1) exigir a entrega de um produto equivalente; 2) desfazer a transação, tendo direito à devolução das quantias que tenha eventualmente antecipado, mediante correção monetária; e 3) exigir do vendedor indenização por perdas e danos. Se existir alguma cláusula nos contratos virtuais que proíba a devolução das quantias pagas antecipadamente pelo consumidor, esta é considerada nula, podendo o consumidor fazer valer seus direitos judicialmente. Complementa essa posição Almeida (2008, p. 148): Em caso de não cumprimento da oferta ou do contrato, o fornecedor pode ser compelido a fazê-lo mediante execução específica, respondendo por perdas e danos, patrimoniais e morais (CDC, arts. 6º, VI, 35, I, e 84, 1º). O mesmo ocorre na hipótese de não cumprimento do pré-contrato, recibos e escritos (art. 84). É de se salientar que minuta-se da explicação de Finkelstein que esta consta de maneira similar no artigo 35 do Código de Defesa do Consumidor.(26) Finalmente, chega-se ao direito do arrependimento do artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor.(27) À conta do assunto, Leal (2007, p. 107) esclarece: Os contratos eletrônicos realizados via Internet equiparam-se aos contratos a distância, sendo que a aplicação do prazo de reflexão e a possibilidade do exercício do direito de arrependimento servem para minimizar os efeitos da impessoalidade e satisfação incerta da contratação eletrônica. 11

12 Vale a pena expor que para o exercício do direito de arrependimento basta o descontentamento do consumidor, assim, mesmo que não existam vícios no produto ou serviço, o consumidor pode desistir do negócio imotivadamente no prazo de 7 (sete) dias. Igualmente, a respeito do início da contagem do prazo mencionado: Questão a ser comentada é a que diz respeito ao início da contagem do prazo de 7 (sete) dias para o desfazimento do contrato: se do momento em que a aceitação é expedida (aplicação da teoria da expedição); se do momento em que a aceitação chega ao terminal de computador do ofertante (teoria da recepção); ou se do momento em que o consumidor recebe o produto ou serviço. [...] Assim, a interpretação mais favorável ao consumidor, e que corresponde à previsão legal para contratos que não costumam ser assinados, como é o caso dos contratos eletrônicos via Internet, é de que a contagem do prazo de arrependimento se inicia da data do recebimento do produto ou serviço (LEAL, 2007, p. 109). Em vista disso, o direito de arrependimento para o consumidor nos contratos eletrônicos começa a fluir a partir do recebimento do produto ou serviço, com prazo de 7 (sete) dias para o consumidor refletir se fica ou não com o ajustado. Apurado o presente, sem sombra de dúvidas que o microssistema legal de proteção e defesa do consumidor já abarcava a relação de consumo virtual e resguardava o consumidor como a parte mais fraca da relação jurídica, portanto ainda se mostra necessário analisarmos a responsabilidade civil do fornecedor. 3. A RESPONSABILIDADE CIVIL DO FORNECEDOR A responsabilidade civil, no ordenamento jurídico brasileiro, surgiu com o Código Civil de 1916 em seu prenunciado artigo 159, tendo por base o Código Civil francês,(28) mas, em razão da Lei nº /02, foi instituído um novo Código Civil brasileiro, e o artigo de que tratava a questão da responsabilidade civil passou a ser 12

13 o artigo 186,(29) bem como o artigo 927.(30) Lembre-se que a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 previu a reparação por danos materiais e morais em seu artigo 5º, incisos V e X.(31) Ante o que preconiza a Carta Magna brasileira, assegura o direito de resposta proporcional ao dano sofrido, somando-se com a indenização cabível ao caso individualizado. Nos dizeres de Venosa (2004, p. 36): O dano patrimonial, portanto, é aquele suscetível de avaliação pecuniária, podendo ser reparado por reposição em dinheiro, denominador comum da indenização. Pode-se dizer, assim, que a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 adotou o princípio da reparação integral do dano material. Ao passo que o dano moral corresponde à violação de um bem jurídico extrapatrimonial ou imaterial, contido nos direitos da personalidade, principalmente a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem (art. 5º, X, CF). Os efeitos do ato ilícito repercutem diretamente no equilíbrio psíquico, provocando distúrbios como a baixa autoestima, depressão, vergonha, descontentamento, angústia, humilhação ou sentimento de perda (SARMENTO, 2009, p ). Da responsabilidade civil, consoante Filomeno (2005, p. 167): Entende-se por responsabilidade civil a circunstância de alguém ser compelido a ressarcir algum prejuízo causado a outrem pela prática de um ato ilícito, quer por dolo, quer por culpa. Contudo, em muitos casos a obrigação de indenizar se apoia na prática de um ato ilícito, mas em alguns casos esse ato pode ser lícito, assim, essa obrigação pode decorrer do exercício de atividade perigosa (acidentes de trabalho, por exemplo) ou de outros fatos permitidos por lei e não abarcados pelo chamado risco social (atos praticados em estado de necessidade, só que obrigam o seu autor a indenizar o dono da coisa, p.ex.) (GONÇALVES, 2005, p. 30). 13

14 Dessa forma, a obrigação que incumbe um agente de reparar o dano causado a outrem por ato ou omissão praticado pelo próprio agente (responsabilidade direta) ou por fato de terceiros, animal ou coisa que dependam do agente sob sua responsabilidade indireta é o que se entende por responsabilidade civil.(32) Nesse sentido, como explica Gonçalves (2005, p. 3), numa visão voltada à sociologia jurídica, o conceito de responsabilidade civil: Quem pratica um ato, ou incorre numa omissão de que resulte dano, deve suportar as consequências do seu procedimento. Trata-se de uma regra elementar de equilíbrio social, na qual se resume, em verdade, o problema da responsabilidade. Vê-se, portanto, que a responsabilidade é um fenômeno social. Por certo, é de fácil constatação que a responsabilidade civil é uma noção social, modifica-se de acordo com a evolução do pensamento em sociedade e também é o mínimo que se abstrai do senso de justiça a obrigação do ofensor de reparar o dano cometido. Em face disso, não é difícil averiguar como funções da responsabilidade civil a sua natureza compensatória ou ressarcitória (compensar de certa forma o dano) e punitiva (pedagógica). Esse desvio de rumo foi suficiente para que melhor se percebesse a responsabilidade civil do fornecedor,(33) sob a ótica do Código de Defesa do Consumidor, que engloba os danos patrimoniais, morais, individuais, coletivos e difusos.(34) Na área do Código de Defesa do Consumidor, o fornecedor tem o dever legal de colocação no mercado de produtos e serviços seguros e que não causem riscos à saúde ou segurança (arts. 8º, 9º e 10 do CDC).(35) Se não cumprir com o dirigismo Estatal, o fornecedor será responsabilizado. Essa responsabilidade civil do fornecedor é dividia em: responsabilidade pelo fato do produto e do serviço e responsabilidade por vício do produto e do serviço. 14

15 Os artigos 12(36) e 14(37) do CDC deixam claro que a responsabilidade pelo fato(38) destina-se aquele aos produtos defeituosos e este aos serviços defeituosos,(39) ou seja, aos objetos da relação jurídica de consumo que não oferecem a segurança que deles legitimamente se esperava. O Código de Defesa do Consumidor (arts. 12 e 14 do CDC), conjuntamente com o Código Civil (art. 931 do CC),(40) consagra a responsabilidade objetiva do fornecedor pelos danos causados aos consumidores, quer dizer, aquela responsabilidade independentemente da existência de culpa. Contudo, desviam da regra geral os profissionais liberais, cuja responsabilidade é de natureza subjetiva, mediante a verificação de culpa (art. 14, 4º, do CDC), no entanto reserva Almeida (2008, p. 89) que: [...] Já os que assumem obrigação de resultado como o cirurgião plástico, o engenheiro e o arquiteto, respondem objetivamente, ou seja, independente de culpa. Observa-se que a responsabilidade subjetiva dos profissionais liberais é exceção, cuja interpretação deve ser reduzida a casos precisos. Se o vício do produto não for sanado no prazo de trinta dias, o consumidor pode exigir, alternativamente e à sua escolha: a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso (não sendo possível a substituição do bem, poderá haver substituição por outra espécie, marca ou modelo, mediante restituição da quantia paga a mais ou complementação do valor que faltar - art. 18, 4º, do CDC); a restituição da quantia paga atualizada e eventuais perdas e danos; ou o abatimento proporcional do preço (entendimento do art. 18, 1º, do CDC). Soma-se a isto, no que tratar de vício de quantidade do produto, que o consumidor pode exigir, como preferir, a complementação do peso ou medida (art. 19, II, do CDC). E o direito de reclamar pelos vícios aparentes ou de fácil constatação decai em trinta dias para o fornecimento de produtos ou serviços não duráveis e noventa dias para o fornecimento de produtos ou serviços duráveis (entendimento do art. 26, incisos, do CDC).(41) 15

16 Feita uma análise sob a responsabilidade dos fornecedores, que é objetiva e encontra um de seus fundamentos na disparidade técnica, jurídica e econômica das partes, é necessário fazer uma explanação acerca das mudanças trazidas pela edição do Decreto nº 7.962/2013, de 15 de março de 2013, que regulamentou a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, para dispor sobre a contratação do comércio eletrônico. 4. DECRETO Nº 7.962/2013 Diante da necessidade de maior segurança para as relações comerciais oriundas do meio virtual, o legislador viu-se obrigado a intervir por meio de uma norma regulamentadora que trouxesse algumas exigências para os fornecedores, bem como garantias ao crescente contingente de consumidores que fazem uso desta ferramenta para adquirir os mais diversos produtos e serviços. A preocupação primordial foi em reforçar os princípios já consagrados pela lei de proteção ao consumidor, como o dever de informação, o respeito ao arrependimento e a facilitação de seus direitos nos incisos do artigo 1º do Decreto, como aspectos a serem observados nesta modalidade de contratação. Já no artigo 2º o legislador trouxe para os sites a obrigação de destacar as seguintes informações: nome empresarial; CPF ou CNPJ do fornecedor; endereço físico e eletrônico, e demais informações necessárias para sua localização e contato; características essenciais do produto ou do serviço, incluídos os riscos à saúde e à segurança dos consumidores; discriminação, no preço, de quaisquer despesas adicionais ou acessórias, como seguros e frete; modalidades de pagamento, disponibilidade, forma e prazo da execução do serviço ou da entrega ou disponibilização do produto; e ainda, informações claras e ostensivas a respeito de quaisquer restrições à fruição da oferta. 16

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990 (Código de Defesa do Consumidor), para dispor sobre o comércio eletrônico. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS

COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS COMERCIALIZAÇÃO DE SEGUROS POR MEIOS REMOTOS 2014 Aluizio Barbosa l Direito - UFRJ l MBA Direito de Empresas PUC-RJ l Especialização em Desenvolvimento Gerencial IBMEC-RJ l Sócio do escritório Pellon &

Leia mais

Termos de Uso - Contrato

Termos de Uso - Contrato Termos de Uso - Contrato 1. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA COMPRA DE CURSO ONLINE NO SITE WWW.ALEMÃOONLINE.COM.BR 1.1. A contratada (nome fantasia) FCD., inscrita no CNPJ 22.030.123/00001-08, localizada

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA

POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA IMPORTANTE-LEIA ESTA GARANTIA DO FABRICANTE COM ATENÇÃO PARA ENTENDER SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES! O termo "Dispositivo de Hardware" significa

Leia mais

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa PRÁTICAS COMERCIAS Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa CONCEITO Práticas comerciais são os procedimentos, mecanismos, métodos e técnicas utilizados pelos fornecedores para,

Leia mais

Responsabilidade Civil de Provedores

Responsabilidade Civil de Provedores Responsabilidade Civil de Provedores Impactos do Marco Civil da Internet (Lei Nº 12.965, de 23 abril de 2014) Fabio Ferreira Kujawski Modalidades de Provedores Provedores de backbone Entidades que transportam

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS O presente contrato estabelece condições para os relacionamentos comerciais derivados da contratação do uso da Loja virtual sistema denominado LOJA EFICAZ, constituída

Leia mais

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR

O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR OSMAR LOPES JUNIOR O COMÉRCIO ELETRÔNICO E O CÓDIGO DE DEFESA E PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR Introdução Não é preciso dizer o quanto a internet

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR Escola Nacional de Defesa do Consumidor Oficina Desafios da Sociedade da Informação: comércio eletrônico

Leia mais

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA PARECER N, DE 2011 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 452, de 2011, da Senadora Angela Portela, que

Leia mais

Amercian Express, Diners, Hipercard, Aura e Elo.

Amercian Express, Diners, Hipercard, Aura e Elo. TERMO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE PRODUTOS PELA INTERNET Magazine Luiza S/A, pessoa jurídica de direito privado, com sede na cidade de Franca/SP, Rua Voluntários da Franca, nº 1465, inscrita no CNPJ

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Segurança e Responsabilidade Civil nas Transações via Internet. Copyright Renato da Veiga Advogados, 2005

Segurança e Responsabilidade Civil nas Transações via Internet. Copyright Renato da Veiga Advogados, 2005 Segurança e Responsabilidade Civil nas Transações via Internet Copyright Renato da Veiga Advogados, 2005 Apresentação RENATO DA VEIGA ADVOGADOS início das atividades: 1987; titular: Renato da Veiga, OAB/RS

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

ParanáBanco. REGULAMENTO DE USO DO NETBANKING PARANÁ BANCO Atualizado em 16/09/2015

ParanáBanco. REGULAMENTO DE USO DO NETBANKING PARANÁ BANCO Atualizado em 16/09/2015 O Cliente, pela assinatura física e/ou eletrônica do Termo de Adesão e Uso do NetBanking Paraná Banco, adere ao presente Regulamento, definido conforme os seguintes termos e condições: 1. Regras de uso

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET Pelo presente Instrumento Particular o BANCO MÁXIMA S/A, com sede na cidade de Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, na Avenida Atlântica, 1130, 12º andar

Leia mais

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015.

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015. COIFFEUR BRASIL Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 03 de Junho de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Coiffeur Brasil (registrada sob CNPJ 20.402.266/0001 78 e localizada

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 33/2015/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E OXMAN TECNOLOGIA

Leia mais

SUMÁRIO DO CONTRATO: ESTADÃO IMPRESSO, ESTADÃO DIGITAL, ESTADÃO IMPRESSO + DIGITAL; E PRODUTOS ESTADÃO DIGITAL

SUMÁRIO DO CONTRATO: ESTADÃO IMPRESSO, ESTADÃO DIGITAL, ESTADÃO IMPRESSO + DIGITAL; E PRODUTOS ESTADÃO DIGITAL SUMÁRIO DO CONTRATO: ESTADÃO IMPRESSO, ESTADÃO DIGITAL, ESTADÃO IMPRESSO + DIGITAL; E PRODUTOS ESTADÃO DIGITAL I. SUMÁRIO DO CONTRATO APENAS PARA CONTRATAÇÃO DE ESTADÃO IMPRESSO A Assinatura do Estadão

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR Os termos e condições abaixo se aplicam aos benefícios e ferramentas disponibilizados pelo CURRÍCULO AGORA para inclusão

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA O presente conjunto de Condições Gerais de Venda da GLUAL HIDRÁULICA se aplica a todas as entregas e a todos os serviços. ARTIGO 1. INFORMAÇÕES GERAIS ARTIGO 2. - OFERTAS E PEDIDOS ARTIGO 3. ESTUDOS, PLANTAS

Leia mais

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente;

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente; 1. CONTRATO Os termos abaixo se aplicam aos serviços oferecidos pela Sistemas On Line Ltda., doravante designada S_LINE, e a maiores de 18 anos ou menores com permissão dos pais ou responsáveis, doravante

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE

TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE GLOBAL VILLAGE TELECOM S.A., com sede na cidade de Maringá, estado do Paraná, na Rua João Paulino Vieira Filho, nº 752, 2º andar, Novo Centro,

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro

Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro Perspectivas do E-Commerce Brasileiro 78 Milhões de usuários de internet no Brasil Tíquete médio de compras pela web em 2011 foi de R$ 350,00 São mais de 3.000 de

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica Código de Defesa do Consumidor Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE- Art. 12,parag.3o. CDC Fornecedor prova que não colocou

Leia mais

MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET

MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET MJ ORIENTA CONSUMIDOR PARA COMPRAS PELA INTERNET O Ministério da Justiça divulgou na sexta-feira (20/8), durante a 65ª reunião do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC), um documento com as diretrizes

Leia mais

As palavras grafadas neste instrumento com letras maiúsculas terão o significado que a elas é atribuído de acordo com o estabelecido abaixo:

As palavras grafadas neste instrumento com letras maiúsculas terão o significado que a elas é atribuído de acordo com o estabelecido abaixo: Termo e Condições de Uso Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, entidade associativa sem fins lucrativos, CNPJ 04.481.317/0001-48, situada à Rua Bela Cintra, 756, 9 andar, conjunto 91, CEP 041415-000,

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 94/2014/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E TELECOMUNICACOES

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001 Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO

DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DA RELAÇÃO SEGURO/ROUBO DE CARGA NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO 1. Até a década de 70 não eram reconhecidos os crimes contra o patrimônio como risco a ser efetivamente protegido no transporte rodoviário de cargas,

Leia mais

Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015

Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015 Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015 1. INTRODUÇÃO 1.1 Esta Promoção é realizada pela TIM Celular S/A, prestadora de SCM, com sede na Avenida Giovanni Gronchi, número 7.143, Cidade

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Deputado Federal Alessandro Lucciola Molon (Partido dos Trabalhadores Rio de Janeiro) Relator do Projeto de Lei 2.126/2011 (Lei 12.965/2014) 16 Giugno 2014 Montecitorio publicado no D.O.U. de 24.4.2014

Leia mais

Instrumento Particular de Contrato de Prestação de Serviços

Instrumento Particular de Contrato de Prestação de Serviços 1 de Prestação de Serviços Contratada: Qt Soluções, inscrita no CNPJ sob o número 10.585.240/0001-59, com sede na Rua Gramado, n. 1899, bairro Laranjal, nesta cidade, Cep: 96090-290. OBJETO DO CONTRATO

Leia mais

Termo de Uso A AGENDA SUSTENTABILIDADE única e exclusiva proprietária do domínio www.agenda SUSTENTABILIDADE.com.br, doravante denominado AGENDA SUSTENTABILIDADE, estabelece o presente TERMO DE USO para

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Registrado no 1º Cartório de Registro de Títulos e Documentos da Cidade de Ponta Grossa Estado do Paraná, sob o nº 143.698

Registrado no 1º Cartório de Registro de Títulos e Documentos da Cidade de Ponta Grossa Estado do Paraná, sob o nº 143.698 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA OPERAR, MANTER E ADMINISTRAR CARTEIRA DE COBRANÇA NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES EM SITE DE PROPRIEDADE DA REGULARIZA IMOVEIS E COBRANÇAS LTDA Registrado no 1º Cartório

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

TERMOS DE CONDIÇÕES E USO. O Grupo Orguel o convida para ser um usuário deste Site e conhecer os Termos e Condições que conduzem a sua utilização.

TERMOS DE CONDIÇÕES E USO. O Grupo Orguel o convida para ser um usuário deste Site e conhecer os Termos e Condições que conduzem a sua utilização. TERMOS DE CONDIÇÕES E USO O Grupo Orguel o convida para ser um usuário deste Site e conhecer os Termos e Condições que conduzem a sua utilização. O presente Site destina-se a disponibilizar mais uma forma

Leia mais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Equifax do Brasil Ltda., empresa com mais de 100 anos de existência e presente em mais de 15 países, tendo iniciado suas atividades

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor.

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. O Direito do Consumidor estabelece as regras que regulam as relações de consumo entre consumidores e fornecedores de produtos ou serviços. Como vivemos em um

Leia mais

Circular de Oferta 5102/ sto Ago

Circular de Oferta 5102/ sto Ago Circular de Oferta Agosto / 2015 Índice Introdução 03 Quem Somos 04 Como funciona o negócio 05 Vantagens de ser constituir uma agência 06 Produtos e serviços 07 Ferramentas de apoio 08 Atividades desempenhadas

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 1.809, DE 1999

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 1.809, DE 1999 COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 1.809, DE 1999 (Apensado o Projeto de Lei nª 3.048, de 2000) Dispõe sobre a segurança nas transações bancárias efetuadas por

Leia mais

Edição Número 214 de 06/11/2012. Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012

Edição Número 214 de 06/11/2012. Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012 Edição Número 214 de 06/11/2012 Ministério da Educação Gabinete do Ministro PORTARIA NORMATIVA Nº 21, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre o Sistema de Seleção Unificada - Sisu. O MINISTRO DE ESTADO DA

Leia mais

Capítulo II. Da Adesão. Capítulo III

Capítulo II. Da Adesão. Capítulo III Decreto do Estado do Amazonas nº 33.405 de 16.04.2013 DOE-AM: 16.04.2013 Disciplina a emissão da Nota Fiscal Eletrônica a Consumidor Final, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS,

Leia mais

Nunca foi tão fácil utilizar

Nunca foi tão fácil utilizar Nunca foi tão fácil utilizar o Conectividade Social da CAIXA O que antes era feito com a autenticação de disquetes e precisava do antigo programa CNS para o relacionamento com a CAIXA e prestação de informações

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 078, DE 20 DE MAIO DE 2014. Institui a sala de pesquisa em dados

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização Contribuição de Dr. Rodrigo Vieira 17 de dezembro de 2008 Advocacia Bueno e Costanze O fornecimento de senhas

Leia mais

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR

RELAÇÃO DE CONSUMO DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RELAÇÃO DE CONSUMO APLICABILIDADE O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5, inciso XXXII,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SEDE EMPREENDIMENTOS ONLINE LTDA., com sede na Rua Piauí, nº 477 - Uberaba/MG, inscrita no CNPJ sob o nº 08.601.154/0001-40, daqui por diante denominada "MERCANCIA BRASIL", prestará os serviços doravantes

Leia mais

Termos de Uso Sistema Diário de Obras Online

Termos de Uso Sistema Diário de Obras Online Termos de Uso Sistema Diário de Obras Online Estes são os termos que determinarão o nosso relacionamento Este contrato refere-se ao sistema Diário de Obras Online, abrangendo qualquer uma de suas versões

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Noções de Direito e Legislação da Informática FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LUIZ GUILHERME JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA WISLIY LOPES Noções de Direito e Legislação da Informática GOIÂNIA JUNHO DE 2014 RELACIONAR

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES),

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 1 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 2 Sumário Conceitos Gerais SCM em Números Proteção e Defesa de Direitos dos Assinantes Regulamentos em Estudo 3 Conceitos Gerais Lei

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que a Empresa Associada e o

Leia mais

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA RESPONSABILIDADE CIVIL Principais Características ÍNDICE O que é RC Riscos Excluídos Forma de Contratação e Prescrição O que é a Responsabilidade Civil Responsabilidade

Leia mais

Este regulamento estabelece as regras para o PROGRAMA E PROMOÇÃO AVAX CORRETORA DE SEGUROS INDIQUE UM AMIGO, instituído pela AVAX CORRETORA DE SEGUROS

Este regulamento estabelece as regras para o PROGRAMA E PROMOÇÃO AVAX CORRETORA DE SEGUROS INDIQUE UM AMIGO, instituído pela AVAX CORRETORA DE SEGUROS REGULAMENTO E TERMO DE ADESÃO AO PROGRAMA E PROMOÇÃO AVAX CORRETORA DE SEGUROS INDIQUE UM AMIGO Este regulamento estabelece as regras para o PROGRAMA E PROMOÇÃO AVAX CORRETORA DE SEGUROS INDIQUE UM AMIGO,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

CONTRATO DE DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE

CONTRATO DE DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE CONTRATO DE DESENVOLVIMENTO DE WEBSITE 1 - IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE: Entende-se como contratante toda pessoa, física ou jurídica, independente de sua localização residencial, que solicitar

Leia mais

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares.

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares. Normas do RRDRP Estas Normas estão em vigor para todos os processos de RRDRP. Os processos administrativos referentes a resolução de disputas nos termos do Procedimento de resolução de disputas de restrições

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATO DE LOCAÇÃO DE SISTEMA DE ENGENHARIA GERENCIADOR DE OBRAS ON LINE IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES LOCADOR: Obra24horas Soluções Web para Engenharia Ltda., com sede na Rua Formosa, 75 1º andar

Leia mais

Contrato Servidor Dedicado

Contrato Servidor Dedicado Contrato Servidor Dedicado Pelo presente instrumento particular de contrato, de um lado, Intersit Tecnologia, sobre o CNPJ 09.131.781/0001-28 com sede em Curitiba PR, doravante denominada CONTRATADA, de

Leia mais

ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO

ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO ANEXO III PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG MINUTA DO CONTRATO Instrumento Particular de Contrato referente ao PREGÃO PRESENCIAL SESC/MA Nº 15/0019-PG, que entre si fazem o Serviço Social do Comércio

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Fit+ Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 16 de Setembro de 2015.

Fit+ Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 16 de Setembro de 2015. Fit+ Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 16 de Setembro de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Fit+ (registrada sob CNPJ 23.128.926/0001-62 e localizada à Rua Cassilândia,387,

Leia mais

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial.

A Nota Fiscal Eletrônica proporciona benefícios a todos os envolvidos em uma transação comercial. O QUE É A NOTA FISCAL ELETRÔNICA - NF-E? Podemos conceituar a Nota Fiscal Eletrônica como sendo um documento de existência apenas digital, emitido e armazenado eletronicamente, com o intuito de documentar,

Leia mais

Contrato. 22/01/2015 Registro.br Contrato. $Revision: 873 $ $Date: 2011 09 16 11:35:12 0300 (Fri, 16 Sep 2011) $

Contrato. 22/01/2015 Registro.br Contrato. $Revision: 873 $ $Date: 2011 09 16 11:35:12 0300 (Fri, 16 Sep 2011) $ Contrato $Revision: 873 $ $Date: 2011 09 16 11:35:12 0300 (Fri, 16 Sep 2011) $ CONTRATO PARA REGISTRO DE NOME DE DOMÍNIO SOB O ".BR" O NÚCLEO DE INFORMAÇÃO E COORDENAÇÃO DO PONTO BR NIC.br, inscrito no

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA PRESTADORA DNSLINK SOLUÇÕES PARA INTERNET LTDA., inscrita no CNPJ sob o nº. 11.170.163/0001-39, com sede na Av. Jequitibá 685, sala 328, Águas

Leia mais

4. O QUANDO QUISER não possui qualquer responsabilidade pelo CONTEÚDO existente no SITE do ANUNCIANTE;

4. O QUANDO QUISER não possui qualquer responsabilidade pelo CONTEÚDO existente no SITE do ANUNCIANTE; TERMO DE USO DO QUANDO QUISER O presente TERMO DE USO regula as condições gerais de uso dos serviços oferecidos pelo QUANDO QUISER (www.quandoquiser.com.br), da empresa N. O. S. SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL

RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL 1 RESPONSABILIDADE CIVIL DO SÍTIO NO COMÉRCIO ELETRÔNICO NACIONAL FABRICIO, M. A. F. Resumo: O presente trabalho tem por finalidade um estudo sobre a responsabilidade civil do sítio no comércio eletrônico,

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Jurídica CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo.

Art. 99. As medidas previstas neste Capítulo poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, bem como substituídas a qualquer tempo. Conforme o Estatuto da Criança e do Adolesecente Art. 98. As medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados: I -

Leia mais

Prezado usuário, ao se cadastrar no SITE www.e-closet.com.br você está de acordo com presente Contrato de Adesão.

Prezado usuário, ao se cadastrar no SITE www.e-closet.com.br você está de acordo com presente Contrato de Adesão. E-CLOSET Prezado usuário, ao se cadastrar no SITE www.e-closet.com.br você está de acordo com presente Contrato de Adesão. O presente CONTRATO DE ADESÃO ao site E-CLOSET, empresa com razão social INTERNET

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Pelo presente instrumento particular ( Contrato ), de um lado, ALGAR TELECOM S/A, prestadora de serviços de telecomunicações, inscrita no

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar:

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar: A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ,

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

1. O Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90) é aplicável às compras feitas via Internet?

1. O Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90) é aplicável às compras feitas via Internet? 1. O Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90) é aplicável às compras feitas via Internet? Quando consumidor e fornecedor estiverem estabelecidos no Brasil, o Código de Defesa do Consumidor (CDC)

Leia mais