2 REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE POTIGUAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE POTIGUAR"

Transcrição

1 Volume 2 REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE POTIGUAR Coleção Documentos Normativos da UnP Série Azul: Normas da Organização Universitária Título: Regimento Geral da Universidade Potiguar NATAL/RN 2012

2 UNIVERSIDADE POTIGUAR REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE POTIGUAR Atualizado pela Resolução nº 011/2012-ConSUni/UnP, de 18/07/2012. Natal/RN

3 Sumário TÍTULO I DO REGIMENTO... 7 TÍTULO II DA ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO ACADÊMICOADMINISTRATIVA DA UNIVERSIDADE... 7 CAPÍTULO I DAS RELAÇÕES COM A MANTENEDORA... 8 CAPÍTULO II DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS... 8 SEÇÃO I DO CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) SEÇÃO II DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONEPE) SEÇÃO III DO CONSELHO DE CURSO (CC) CAPÍTULO III DOS ÓRGÃOS EXECUTIVOS SEÇÃO I DA REITORIA SUBSEÇÃO I DA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA SUBSEÇÃO II DOS ÓRGÃOS DE ASSESSORAMENTO SUBSEÇÃO III DOS ÓRGÃOS ESPECIAIS SUBSEÇÃO IV DOS ÓRGÃOS SUPLEMENTARES SUBSEÇÃO V DA DIRETORIA DE CAMPUS FORA DE SEDE SEÇÃO II DA DIRETORIA DE ESCOLA SEÇÃO III DA COORDENADORIA DE CURSO SEÇÃO IV DA COORDENADORIA DE PROGRAMA CAPÍTULO IV DA ESTRUTURA DE PLANEJAMENTO SEÇÃO I DO COMITÊ ACADÊMICO SEÇÃO II DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL TÍTULO III DA ATIVIDADE ACADÊMICA CAPÍTULO I DO ENSINO SEÇÃO I DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO SEÇÃO II DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO SEÇÃO III DOS CURSOS, PROGRAMAS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO SEÇÃO IV DOS OUTROS CURSOS CAPÍTULO II DA PESQUISA CAPÍTULO III DA EXTENSÃO E DA AÇÃO COMUNITÁRIA

4 CAPÍTULO IV DA MONITORIA TÍTULO IV DO REGIME ACADÊMICO CAPÍTULO I DO ANO LETIVO CAPÍTULO II DO INGRESSO NA UNIVERSIDADE CAPÍTULO III DA MATRÍCULA NA UNIVERSIDADE CAPÍTULO IV DO TRANCAMENTO E DO CANCELAMENTO DA MATRÍCULA CAPÍTULO V DA TRANSFERÊNCIA, DO APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E DA ADAPTAÇÃO CAPÍTULO VI DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO CAPÍTULO VII DOS ESTÁGIOS CURRICULARES E TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO SEÇÃO I DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SEÇÃO II DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO V DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA CAPÍTULO I DO CORPO DOCENTE CAPÍTULO II DO CORPO DISCENTE SEÇÃO I DA CONSTITUIÇÃO SEÇÃO II DOS DIREITOS E DEVERES SEÇÃO III DA REPRESENTAÇÃO DISCENTE CAPÍTULO III DO CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO TÍTULO VI DO REGIME DISCIPLINAR CAPÍTULO I DO REGIME DISCIPLINAR GERAL CAPÍTULO II DO REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DOCENTE CAPÍTULO III REGIME DISCIPLINAR DO CORPO DISCENTE SEÇÃO I DA PENA DE ADVERTÊNCIA SEÇÃO II DA PENA DE REPREENSÃO SEÇÃO III DA PENA DE EXCLUSÃO DA SALA DE AULA OU DE ATIVIDADE ACADÊMICA SEÇÃO IV DA PENA DE SUSPENSÃO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS SEÇÃO V DA PENA DE EXCLUSÃO DO QUADRO DISCENTE DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO IV DO REGIME DISCIPLINAR DO CORPO TÉCNICO-ADMINISTRATIVO CAPÍTULO V DOS ELOGIOS TÍTULO VII DOS DIPLOMAS, CERTIFICADOS E TÍTULOS HONORÍFICOS CAPÍTULO I DOS DIPLOMAS E CERTIFICADOS

5 CAPÍTULO II DOS TÍTULOS HONORÍFICOS E DIGNIDADES UNIVERSITÁRIAS TÍTULO VIII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

6 6

7 TÍTULO I DO REGIMENTO Art. 1º O Regimento Geral da Universidade Potiguar (UnP) regulamenta o seu Estatuto, orientando as atividades acadêmico-administrativas e didático-científicas dos diversos órgãos, programas e serviços da Universidade e disciplinando os relacionamentos entre os membros de sua comunidade. Parágrafo único. Os órgãos e programas com procedimentos de rotina específicos obedecem aos respectivos regimentos ou regulamentos internos próprios, os quais devem apresentar consonância com este Regimento e com o Estatuto da Universidade. Art. 2º Este Regimento, além de regulamentar os dispositivos estatutários da UnP, tem a finalidade específica de: I orientar a operacionalização das ações institucionais de formação profissional, de incentivo à pesquisa, de difusão do conhecimento, de integração com a comunidade e de estímulo à cultura; II disciplinar os relacionamentos entre os membros da comunidade acadêmica e entre a Universidade e sua Mantenedora; III contribuir para a integração entre as instâncias acadêmicas e administrativas que constituem a estrutura organizacional da Universidade. TÍTULO II DA ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO ACADÊMICO-ADMINISTRATIVA DA UNIVERSIDADE Art. 3 A UnP tem a sua estrutura física constituída de Campus, polo de educação a distância e núcleo avançado. I O campus é o espaço físico dotado de recursos humanos, técnicos e materiais indispensáveis ao desenvolvimento pleno das atividades permanentes de ensino, pesquisa e extensão. II Na forma da legislação em vigor, a implantação de campus fora da sede e de polo de educação a distância fica sujeito à aprovação do Ministério da Educação. III A UnP mantém em sua estrutura organizacional o campus fora de sede Mossoró, criado em 13/12/2001, na forma da legislação em vigor, autorizado por ato do Ministro da Educação (Portaria Ministerial nº 2849, de 13 de dezembro de 2001, publicada no Diário Oficial da União de 18 de dezembro de 2001), para funcionar no Município de Mossoró, Estado do Rio Grande do Norte. IV - Polo de educação a distância, ou polo de apoio presencial, é o local devidamente credenciado pelo MEC, próprio para o desenvolvimento descentralizado de atividades pedagógicas e administrativas relativas aos cursos e programas ofertados a distância. V O núcleo avançado, em localidade fora da sede da Universidade, é a base onde se desenvolvem atividades acadêmicas especiais de forma não permanente. Art. 4º A organização administrativa da UnP, na forma do seu Estatuto, é composta das instâncias da Administração Superior e da Administração Acadêmica, assim definidas: I A Administração Superior é exercida pela Presidência, pelo Conselho Superior Universitário (ConSUni), pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (ConEPE) e pela Reitoria. 7

8 II A Administração Acadêmica é exercida pela estrutura de planejamento, composta pelo Comitê Acadêmico e a Avaliação Institucional; pelos órgãos de natureza deliberativa e consultiva os Conselhos de Cursos (ConseC), e pelos órgãos executivos, a Pró-Reitoria Acadêmica, a Diretoria de Campus Fora de Sede, as Diretorias de Escolas e as Coordenadorias de Cursos. Parágrafo único. A UnP conta, ainda, com órgãos especiais, suplementares e de assessoramento as suas atividades-fim. CAPÍTULO I DAS RELAÇÕES COM A MANTENEDORA Art. 5º A Presidência da UnP é o órgão articulador do processo de relacionamento da Universidade com sua Mantenedora e suas competências estão definidas no Estatuto da Universidade. 1º. Constitui responsabilidade da Mantenedora assegurar as condições necessárias para o funcionamento da Universidade, disponibilizando-lhe, inclusive, recursos financeiros, bens móveis e imóveis. 2º. Fica na dependência de aprovação por parte da Mantenedora a adoção, no âmbito da Universidade, das seguintes medidas: I aceitação de legados, doações e heranças; II criação, ampliação, incorporação, desmembramento, suspensão e fechamento de cursos, habilitações e órgãos especiais, suplementares e de apoio; III execução orçamentária; IV anuidades, taxas e emolumentos escolares, respeitada a legislação vigente; V proposta de contratação e dispensa, nos termos e normas da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), do pessoal integrante do Corpo Docente e Técnico-Administrativo; VI política financeira e salarial, observadas as normas dos órgãos Competentes. Art. 6º A Mantenedora, respeitadas as prerrogativas legais que regem as instituições de ensino superior, especialmente no que se refere ao princípio da autonomia universitária, responde pela Universidade perante as autoridades constituídas e a comunidade externa. Art. 7º O valor pecuniário relativo aos serviços educacionais prestados pela UnP é fixado pela Mantenedora, observados os critérios e pressupostos estabelecidos por lei. Art. 8º A Mantenedora, por intermédio de seu representante no Conselho Superior Universitário (ConSUni), tem a prerrogativa de decidir sobre matéria, em tramitação naquele Colegiado, que tenha repercussão financeira. CAPÍTULO II DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS Art. 9º Os órgãos colegiados da Administração Superior e da Administração Acadêmica têm composição, organização geral e respectivas competências definidas no Estatuto da Universidade e funcionamento definido em regimentos internos próprios, os quais devem apresentar consonância com este Regimento e com o Estatuto da Universidade. 1º As reuniões do Conselho Superior Universitário (ConSUni) e do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (ConEPE) podem ser realizadas de forma conjunta, segundo a conveniência dos assuntos que compõem as suas respectivas pautas e a critério da sua presidência. 8

9 2º O mandato de membro de órgão colegiado se inicia na data do ato designativo. Art. 10. A convocação dos colegiados é feita por escrito, pelos seus respectivos presidentes, por iniciativa própria ou a requerimento de, pelo menos, 1/3 (um terço) de seus membros, com antecedência mínima de quarenta e oito horas. 1º Em qualquer das hipóteses de convocação, aos membros do colegiado deve ser dado conhecimento da pauta da reunião para a qual estão sendo convocados. 2º Em caso de urgência e em caráter de excepcionalidade, o Presidente do Colegiado tem a prerrogativa de convocá-lo de forma verbal. Art. 11. O Presidente do Colegiado pode suspender, adiar ou encerrar a reunião, sempre que assim julgar conveniente, especialmente em consideração a encaminhamento dado à matéria em deliberação e à necessidade de esclarecimentos essenciais sobre as mesmas. Art. 12. O comparecimento à reunião de colegiado é obrigatório e tem precedência sobre qualquer outra atividade acadêmico-administrativa de seus respectivos membros. 1º O não-comparecimento, por parte de membro de colegiado, a duas reuniões consecutivas, ou a quatro alternadas, semadevida justificativa, pode implicar na perda do mandato. 2º As justificativas devem ser formalmente apresentadas até a realização da reunião seguinte. Art. 13. O Presidente da UnP e o Reitor, observada esta ordem e as disposições estatutárias, presidem as reuniões de qualquer dos colegiados a que se fizerem presentes, com direito a voz e voto. Parágrafo único. Na ausência ou impedimento do Presidente do Colegiado, a presidência das reuniões é exercida por seu substituto estatutário. Art. 14. Os órgãos colegiados só podem deliberar com a presença mínima de 2/3 (dois terços) de seus membros em primeira convocação ou da maioria absoluta, em segunda convocação. 1º As decisões são tomadas por maioria simples de votos, salvo quando se tratar de matéria cuja aprovação exija, na forma deste Regimento, maioria constituída de 2/3 (dois terços). 2º Entende-se por maioria absoluta, o número inteiro que se segue à metade do número total dos membros do colegiado, sendo este o quorum mínimo para deliberação. 3º A ausência de qualquer categoria ou classe de representantes não impede o funcionamento dos colegiados, nem invalida as suas decisões. 4º A segunda convocação é automática, depois de decorridos trinta minutos da hora prevista para o início da reunião, desde que haja o quorum mínimo para deliberação. Art. 15. As deliberações dos Colegiados ocorrem em votação aberta, adotando-se, contudo, a forma de votação secreta quando se tratar de apuração de responsabilidade do Reitor ou de Pró-Reitor, ou quando, por proposição da Presidência, assim deliberar a maioria do Colegiado. 9

10 1º Nas deliberações, em reuniões conjuntas de colegiados, os votos são tomados por membro de cada colegiado, independentemente de acúmulo de representatividade ou do exercício da presidência. 2º O presidente, em caso de empate, tem direito a voto de qualidade ou um voto especial de desempate, sem prejuízo do prescrito no caput deste artigo. 3º É facultado a membro de colegiado justificar ou não o seu voto ou a sua abstenção. Art. 16. Considera-se unânime a votação cujo resultado não registra voto discordante. 1º Para efeito do previsto no caput deste artigo, não se consideram como voto discordante as abstenções e os votos nulos. 2º As abstenções e os votos nulos são registrados em ata. Art. 17. A deliberação de qualquer colegiado que tenha finalidade normativa deve se constituir em objeto de resolução assinada por seu presidente. Art. 18. É facultado a membro de qualquer colegiado solicitar vistas a processos ou a outro documento que esteja sendo objeto de apreciação durante qualquer votação, desde que o presidente acate a justificativa do pedido. Art. 19. Em caso de urgência justificada pela necessidade do serviço ou risco de prejuízo para a Instituição, o presidente do Colegiado pode adotar, ad referendum do respectivo conselho, decisões em matéria de competência do colegiado, inclusive editá-las sob a forma de resolução, devendo submetê-las à apreciação do plenário na reunião ordinária imediatamente subseqüente. 1º As matérias submetidas ao referendo de colegiados, depois de justificadas e esclarecidas pelo presidente, são consideradas automaticamente aprovadas, independentemente de votação, caso não haja contestação por parte dos membros do conselho. 2º Em caso de contestação ao ato a ser referendado, a matéria deve ser submetida à votação, de cujo resultado cabe recurso às instâncias superiores na forma adiante estabelecida neste Regimento. Art. 20. É obrigatória a lavratura de ata de cada reunião de colegiado, a qual, depois de apreciada e aprovada, é assinada pelo Presidente, pelo Secretário e pelos Conselheiros. Art. 21. Compete ao órgão colegiado, na instância cabível, apreciar pedido de reconsideração, para o próprio órgão, ou recurso à instância colegiada imediatamente superior, em relação a ato ou deliberação de dirigente ou de órgão, no prazo de 48 horas, na forma seguinte: I do Coordenador do Curso e dos Professores, ao respectivo Conselho de Curso (ConseC), em matéria de caráter disciplinar; II dos Conselhos de Curso, ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (ConEPE); III do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (ConEPE), ao Conselho Superior Universitário (ConSUni); IV do Conselho Superior Universitário, à Entidade Mantenedora nos casos de pedido de reexame de matéria envolvendo assuntos financeiros, conforme estabelecido no Estatuto da Universidade. 10

11 Parágrafo único. O prazo de 48 (quarenta e oito) horas estabelecido no caput deste artigo é contado, no caso de pedido de reconsideração, a partir da data da decisão adotada, e no caso de recurso, a partir da data da publicação da decisão no âmbito da Universidade. Art. 22. Os órgãos colegiados da Administração Superior são apoiados, no seu funcionamento, pela Secretaria dos Colegiados Superiores, exercida por um secretário designado pelo Reitor, a quem compete: I organizar a pauta das reuniões e submetê-la à apreciação da Presidência; II providenciar, por determinação do presidente, a convocação dos conselheiros na forma prevista neste Regimento; III secretariar as reuniões; IV redigir as atas das sessões, certidões, resoluções e demais atos que traduzam as decisões tomadas pelos Colegiados; V manter codificadas, publicar e arquivar todas as decisões e deliberações dos Colegiados; VI formalizar os processos das matérias encaminhadas aos Colegiados, submetê-los à presidência para distribuição e encaminhá-los aos relatores designados; VII manter controle sobre os processos em tramitação nos Colegiados no que diz respeito à distribuição para relato, a pedido de vistas e a sua decisão final; VIII manter, sob a sua guarda, o arquivo com todo o material dos Colegiados; IX organizar a correspondência dos Colegiados; X desenvolver todas as atividades necessárias ao funcionamento dos Colegiados da Administração Superior da Universidade, além de outras que lhe sejam delegadas. SEÇÃO I Do Conselho Superior Universitário (ConSUni) Art. 23. O Conselho Superior Universitário (ConSUni) reúne-se, ordinariamente, uma vez por semestre letivo e, extraordinariamente, quando se julgar necessário, por convocação do Reitor ou a requerimento de, pelo menos, 2/3 (dois terços) de seus membros. Art. 24. Na forma do Estatuto da Universidade, é necessária a presença mínima de 2/3 (dois terços) do ConSUni para deliberar sobre as seguintes matérias: I aprovação de normas internas de funcionamento dos órgãos da Universidade; II criação e concessão pela Universidade de títulos honoríficos; III alteração do Estatuto e deste Regimento; IV apuração de responsabilidades do Reitor, do Pró-Reitor e demais Diretores executivos. SEÇÃO II Do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (ConEPE) Art. 25. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (ConEPE) reúne-se ordinariamente, duas vezes por semestre letivo e, extraordinariamente, quando se julgar necessário, por convocação do Reitor ou a requerimento de, pelo menos, 2/3 (dois terços) de seus membros. Art. 26. Não constituem objeto de resolução do ConEPE, as decisões tomadas por este Conselho enquanto pronunciamento sobre matéria a ser deliberada pelo Conselho Superior Universitário (ConSUni), sendo bastante para comprová-las, quando se tratar de peça necessária ao processo, cópia autêntica da ata da reunião em causa ou certidão a ser expedida pela Secretaria dos Colegiados Superiores. 11

12 SEÇÃO III Do Conselho de Curso (ConseC) Art. 27. O Conselho de Curso (ConseC) é presidido pelo Coordenador de Curso e possui a função de auxiliar e propor medidas, no âmbito do curso, para a sua gestão e para a execução do respectivo projeto pedagógico. Art. 28. O ConseC reúne-se ordinariamente uma vez por mês ou, extraordinariamente, sempre que assim justifique a necessidade da administração acadêmica do curso. Art. 29. No seu funcionamento, o ConseC é secretariado por um dos seus membros, designado pelo Presidente, com a incumbência de lavrar as atas das reuniões e executar as demais atividades que lhe sejam atribuídas. CAPÍTULO III DOS ÓRGÃOS EXECUTIVOS Art. 30. Os órgãos executivos da Administração Superior e da Administração Acadêmica têm composição, organização geral e respectivas competências definidas no Estatuto da Universidade e funcionamento definido em regimentos internos próprios, os quais devem apresentar consonância com este Regimento e com o Estatuto da Universidade. Art. 31. Os órgãos especiais e suplementares afetos à estrutura da Administração Superior ou da Administração Acadêmica têm condições de criação e funcionamento definidas neste Regimento. SEÇÃO I Da Reitoria Art. 32. A Reitoria é o órgão da Administração Superior da Universidade, cuja função executiva é exercida pelo Reitor, com forma de designação, mandato e competências definidas no Estatuto da Universidade, contando com o apoio da Pró-Reitoria Acadêmica. Parágrafo único. No caso de vacância do cargo e nas ausências e impedimentos do Reitor, a Reitoria é exercida na forma definida no Estatuto da Universidade. Art. 33. O Reitor pode delegar ao Pró-Reitor Acadêmico parte das suas atribuições, no que melhor convier aos interesses da Universidade, pelo período que considerar necessário. Art. 34. A Reitoria, como instância executiva superior da Universidade, reúne, em sua estrutura geral, os seguintes órgãos: I Gabinete do Reitor; II Pró-Reitoria Acadêmica; III - Diretoria de Qualidade Acadêmica; IV Diretoria de Campus fora de sede; V Diretorias de Escolas; VI Núcleo de Educação a Distância; VII International Office; VIII Secretaria Geral; IX - Órgãos Especiais; X Órgãos Suplementares; XI Assessorias. Parágrafo único. A estrutura e funcionamento dos órgãos da Reitoria são definidos no Regimento Interno da Reitoria. 12

13 SUBSEÇÃO I Da Pró-Reitoria Acadêmica Art. 35. A Pró-Reitoria Acadêmica (ProAcad) é órgão executivo da Administração Acadêmica da Universidade, vinculado à Reitoria, responsável pelo apoio ao desenvolvimento local das atividades de ensino, pesquisa e extensão tem forma de designação e mandato definidos no Estatuto da Universidade. Art. 36. A Pró-Reitoria Acadêmica (ProAcad) tem a função de gerenciar, supervisionar e implementar a política de ensino, de pesquisa, de extensão e de pós-graduação da Universidade, em consonância com a missão e o Projeto Pedagógico Institucional (PPI), possuindo, para isso, a competência de: I planejar e coordenar a execução das atividades de ensino, pesquisa, extensão e ação comunitária da Universidade, visando promover, em consonância com os objetivos institucionais, o desenvolvimento do conhecimento e o incremento da produção científica, bem como a interação entre a Universidade e a comunidade externa; II propor à Reitoria a criação, expansão, modificação, suspensão ou fechamento de cursos, assim como modalidades de oferta presencial, semipresencial ou à distância; III dar suporte as Diretorias de Escolas e Coordenadorias de Curso no que diz respeito aos aspectos técnico-pedagógicos, de organização gerencial e de infra-estrutura logística de funcionamento dos cursos; IV definir, semestralmente, conjuntamente com o Reitor, as Diretorias de Campus fora de sede e as Diretorias de Escolas, a localização e relocalização de cursos, a organização de turmas de cada curso, podendo promover a criação, extinção, divisão ou fusão de turmas, de acordo com as necessidades e as conveniências da Universidade; V sistematizar os procedimentos para a organização, controle e acompanhamento das atividades de ensino nos diversos cursos e das atividades de pesquisa, extensão e ação comunitária; VI orientar e supervisionar as atividades de planejamento e avaliação do ensino nos diversos cursos, e das atividades de pesquisa, extensão e ação comunitária; VII zelar pela constante atualização dos projetos pedagógicos dos cursos de graduação, assegurando unidade e coerência ao desenvolvimento do ensino, das atividades complementares e dos estágios curriculares; VIII subsidiar a política de ingresso na Universidade e acompanhar a execução do processo seletivo; IX apoiar as Diretorias de Escolas e as Coordenadorias de Curso no que diz respeito ao acompanhamento eficiente do processo de avaliação do desempenho docente; X supervisionar a execução do Plano Institucional de Capacitação Docente (PICD), no que for pertinente; XI subsidiar a Reitoria no processo de criação, reconhecimento e renovação do reconhecimento dos cursos de graduação; XII prestar orientação e assistir as Coordenadorias de Curso nos processos de avaliação externa promovidas pelo órgão oficial competente; XIII elaborar e executar o Plano de Metas da Pró-Reitoria; XIV articular-se com organismos de fomento a atividades de pesquisa, extensão e ação comunitária em nível estadual, regional, nacional e, através da Reitoria, com entidades internacionais; XV acompanhar e manter o registro dos convênios de estágio e de outros instrumentos referentes a assuntos culturais, de extensão e ações comunitárias; XVI acompanhar, supervisionar e assessorar tecnicamente os projetos de pesquisa da Universidade zelando pela observância das linhas prioritárias e implementando mecanismos de avaliação dos seus resultados parciais ou finais; XVII articular-se com as Diretorias de Escolas para incrementar os Programas institucionais de Bolsas de Iniciação Cientifica, de Monitoria e de Extensão e os Fundos de Apoio à Pesquisa e a Extensão; 13

14 XVIII gerenciar a produção científica institucionalizada, devidamente avaliada pelo Comitê de Pesquisa e pelo Comitê de Ética em Pesquisa, objetivando atender as metas estabelecidas pela legislação pertinente e pela Instituição; IX avaliar, por meio do Comitê de Pesquisa, os projetos apresentados de acordo com editais específicos e encaminhá-los para análise e aprovação do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (ConEPE); XX encaminhar para deliberação dos Colegiados Superiores os projetos de criação de cursos técnicos, de graduação e de pós-graduação, em consonância com as diretrizes e metas institucionais; XXI promover o cadastramento de pesquisadores da Universidade em organismos de pesquisa; XXII promover o intercâmbio de pesquisadores da Universidade com outras instituições bem como incentivar a sua participação em projetos de pesquisa; XXIII promover, em conjunto com as Diretorias de Escolas, eventos de divulgação da produção científica da Universidade; XXIV supervisionar a implementação dos programas de cursos de extensão de educação continuada, planejando e avaliando a sua execução em conjunto com os respectivos coordenadores, implementando mecanismos de avaliação dos seus resultados parciais ou finais; XXV implementar a política editorial da Universidade, promovendo a difusão da produção artística, cultural e técnico-científica, através de revistas da própria Instituição ou em intercâmbio com outras editoras universitárias; XXVI exercer todas as funções próprias ou correlatas à gerência da política da Universidade para o ensino, a pesquisa, extensão e a ação comunitária, ou ainda outras que lhe sejam delegadas pelo Reitor. Art. 37. A Pró-Reitoria Acadêmica, como forma de viabilizar as suas competências, conta, na sua estrutura interna, com os seguintes setores: I - Gerência de Planejamento Acadêmico-Administrativo de graduação e extensão; II - Gerência de Planejamento Acadêmico-Administrativo de pesquisa e de cursos de extensão e pós-graduação; III Gerência de Controle Acadêmico de graduação e pós-graduação; IV Núcleo de Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária; V Núcleo de Pós-Graduação Lato Sensu; VI Núcleo de Projetos Acadêmicos; VII Núcleo de Estágio e Empregabilidade; VIII Comitê de Ética em Pesquisa. Art. 38. Os Gerentes e Coordenadores de Núcleo deverão submeter ao Pró-Reitor as decisões a serem adotadas no exercício de suas atribuições, dando-lhe conhecimento prévio das ações a serem executadas na sua área de atuação. SUBSEÇÃO II Dos Órgãos de Assessoramento Art. 39. Os órgãos de assessoramento, além das suas atribuições específicas, têm a função geral de prestar consultoria permanente ao Reitor em suas respectivas áreas. 1º A UnP conta com os seguintes setores formais de assessoramento: I - Assessoria de Comunicação; II - Assessoria Jurídica; III - Setor de Marketing. 2º. Os órgãos de assessoramento têm as suas atribuições específicas e a forma de funcionamento regulamentados no Regimento Interno da Reitoria. 14

15 SUBSEÇÃO III Dos Órgãos Especiais Art. 40. Os órgãos especiais da Universidade, vinculados diretamente à Reitoria ou, por delegação, a Pró-Reitoria Acadêmica ou a uma Diretoria de Escola, desenvolvem atividades em áreas consideradas relevantes aos objetivos institucionais, cuja ação de interesse permanente para a Universidade justifica a sua institucionalização. 1º A Universidade conta com os seguintes Órgãos especiais: I - Ouvidoria; II - Comissão Própria de Avaliação CPA/UnP; III - Comissão Permanente de Processo Seletivo; IV - Comitê de Pesquisa (ComPesq); V - Comitê de Ética em Pesquisa (CEP); VI - Comissão Interna de Biossegurança (COINB); VII - Grupos de Trabalho. 2º. Os órgãos especiais têm as suas funções definidas no Regimento Interno da Reitoria. SUBSEÇÃO IV Dos Órgãos Suplementares Art. 41. São órgãos suplementares da estrutura da Universidade os núcleos de estudo e as unidades de apoio técnico em áreas consideradas estratégicas, que funcionam como campo de atuação das atividades de ensino, pesquisa e extensão, vinculados diretamente à Reitoria ou, por delegação, a Pró-Reitoria Acadêmica ou a uma Diretoria de Escola específica, com funcionamento definido em regimento próprio. 1º Os órgãos suplementares servem de suporte à Universidade, exercendo a interface com a comunidade interna e externa, com autonomia relativa, podendo, inclusive, gerar recursos para sua própria manutenção nos termos de seus regimentos internos. 2º Por vinculação do órgão suplementar entende-se o relacionamento administrativo para efeito de planejamento, coordenação geral e acompanhamento das atividades. 3º Os dirigentes dos órgãos suplementares são designados pelo Reitor. 4º A Universidade conta com os seguintes Órgãos Suplementares: I - Sistema Integrado de Bibliotecas SIB/UnP II - Núcleo Integrado de Ensino, Pesquisa, Extensão e de Ação Comunitária NIPEC/UnP III - Editora Universidade Potiguar Edunp SUBSEÇÃO V Da Diretoria de Campus Fora de Sede Art. 42. A Diretoria de Campus fora de sede, órgão executivo da Administração Acadêmica da Universidade, vinculado à Reitoria, é responsável pelo apoio ao desenvolvimento local das atividades de ensino, pesquisa e extensão da Universidade, em articulação com as Coordenadorias de Cursos e demais unidades acadêmicas e administrativas de sua jurisdição. 15

16 Art. 43. São atribuições principais do Diretor do Campus: I - zelar pela integração das atividades de ensino, pesquisa e extensão em âmbito local, mantendo o controle e acompanhamento das atividades dos cursos, programas e projetos; II - superintender todas as atividades acadêmicas e administrativas dos cursos com base no Estatuto e no Regimento Geral e demais documentos institucionais pertinentes; III - subsidiar a Reitoria nas decisões institucionais que estejam relacionadas ao Campus, mantendo-a informada sobre ocorrências que possam influir no desempenho institucional; IV - adotar estratégias necessárias à consolidação da imagem e do conceito da Universidade, apoiando as atividades de divulgação dos cursos e de captação de novos alunos; V - estabelecer parcerias visando à integração da comunidade interna e externa e à obtenção de melhores resultados nas atividades de ensino, pesquisa, extensão e ação comunitária; VI - zelar pelo cumprimento dos planos de metas de cada curso e pela aplicação e controle orçamentários, responsabilizando-se pelos resultados; VII - supervisionar a guarda, a preservação e o controle dos bens patrimoniais utilizados pela comunidade acadêmica, assim como dos registros acadêmicos; VIII - promover reuniões com os professores para elaboração e divulgação da programação dos cursos e disseminação de novas orientações advindas da Reitoria; IX - promover, no início de cada período letivo, reuniões com os alunos, orientando-os quanto aos direitos e deveres e o bom aproveitamento acadêmico; X - propor ou encaminhar propostas à Reitoria para a criação de cursos, programas ou projetos de pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades do mercado e da comunidade e considerando a sua viabilidade pedagógica e financeira; XI - estimular e incentivar professores para o desenvolvimento de produção intelectual e científica, criando mecanismos para a sua difusão; XII - participar ativamente, como membro nato, das reuniões dos Colegiados Superiores, encaminhando os projetos e os assuntos de natureza acadêmica e administrativa de interesse do Campus; XIII - administrar, de forma ética, os relacionamentos, criando condições favoráveis ao desenvolvimento de um clima de respeito e cordialidade acadêmica; XIV - coordenar, com base nas diretrizes institucionais, a avaliação dos diferentes processos de trabalho acadêmicos e administrativos; XV - executar outras tarefas que lhe sejam atribuídas pelo Reitor. Parágrafo único. O Diretor de Campus Fora de Sede é designado pelo Reitor, para mandato de dois anos, permitida a recondução.. SEÇÃO II Da Diretoria de Escola Art. 44. A Diretoria de Escola, ou Unidade Acadêmica Especializada, órgão executivo da Administração Acadêmica, é exercida por um diretor, designado pelo Reitor, para mandato de dois anos, permitida a recondução. 1 A Diretoria de Escola é vinculada à Reitoria. 2 A função da Diretoria de Escola é de gestão acadêmica e administrativa de cursos, programas e projetos de ensino, pesquisa e extensão, e objetiva o cumprimento de metas em conformidade com as políticas e estratégias institucionais e com os projetos pedagógicos dos cursos de graduação e de pós-graduação. 16

17 Art. 45. As Escolas têm como objetivo a integração entre cursos de graduação e entre estes e os de pós-graduação, fortalecendo os seus diferenciais de qualidade e de sustentabilidade e a indissociabilidade ensino-pesquisa extensão. Art. 46. As Diretorias de Escolas, no desenvolvimento de suas ações, terão o apoio da seguinte estrutura acadêmica-administrativa: I - Coordenador de Curso de Graduação; II - Coordenador Acadêmico-Administrativo da Graduação; III - Supervisor Acadêmico-Administrativo da Graduação; IV - Coordenador de Curso de Pós-Graduação Lato Sensu; V - Coordenador de Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu; VI - Coordenador Acadêmico-Administrativo da Pós-Graduação Lato Sensu; VII - Supervisor Acadêmico-Administrativo da Pós-Graduação Lato Sensu; VIII - Coordenador de Pesquisa e Pós-Graduação Stricto Sensu; IX - Coordenador de Extensão e de Internacionalidade; X - Coordenador de Curso de Extensão. 1º Os Coordenadores e Supervisores citados no caput do presente artigo deverão submeter ao Diretor de Escola as decisões a serem adotadas no exercício de suas atribuições, dando-lhe conhecimento prévio das ações a serem executadas na sua área de atuação. 2º Na estrutura da Diretoria de Escola, haverá ainda um Assistente Executivo para apoio acadêmico-administrativo ao Diretor, aos Coordenadores e atendimento ao aluno. Art. 47. São atribuições da Diretoria de Escola: I gerenciar a implementação de cursos, programas, projetos acadêmicos e serviços, zelando pela constante elevação dos seus padrões de qualidade e por sua coerência com a missão e visão institucionais; II contribuir para o sucesso dos serviços oferecidos pela Universidade nas áreas de ensino, pesquisa e extensão, ampliando a posição estratégica institucional; III adotar estratégias para valorização e atratividade de alunos; IV promover ações de interdisciplinaridade pela identificação de objetivos comuns a cursos de uma mesma área ou de áreas afins, considerando os projetos pedagógicos dos cursos; V manter-se em contínuo contato com o público externo, fortalecendo parcerias com os setores públicos e privados; VI implementar estratégias de incorporação de recursos tecnológicos nos diferentes cursos, programas e projetos acadêmicos; VII supervisionar o uso adequado de recursos físicos, materiais e financeiros; VIII identificar e recomendar estratégias de expansão de cursos, programas e projetos da Escola; IX analisar projetos pedagógicos de cursos que integrem a Escola; XII articular-se com o mercado de trabalho e entidades de classe com vistas à implementação e expansão de cursos, programas e projetos adequados às necessidades sociais; XIII apoiar as iniciativas de divulgação de cursos, programas e projetos vinculados a Escola; XIV propor a criação de novos cursos, programas e projetos considerando necessidades identificadas e condições de viabilidade; XV participar dos processos de planejamento e de auto-avaliação institucional; XVI propor estratégias de atualização e educação continuada de coordenadores e professores de cursos; XVII acompanhar o desempenho de cursos, programas e projetos da Escola do ponto de vista acadêmico e da sustentabilidade; e 17

18 XVIII exercer outras atividades que lhe sejam delegadas pelo Reitor ou pelo Pró-Reitor Acadêmico. SEÇÃO III Da Coordenadoria de Curso Art. 48. A Coordenadoria de Curso, órgão executivo da Administração Acadêmica da Universidade, é exercida por um Coordenador, designado pelo Reitor para mandato de dois anos, permitida a recondução. Art. 49. A função da Coordenadoria de Curso é de gestão e visa à obtenção dos resultados definidos em forma de metas específicas para a sua área, do ponto de vista das estratégias institucionais, Parágrafo único. A Coordenadoria de Curso vincula-se à Diretoria de Escola específica de sua área do conhecimento, com suporte da Pró-Reitoria Acadêmica. Art. 50. O Coordenador de Curso, no exercício das funções gestoras inerentes ao cargo, além do compromisso com o empreendedorismo, com a visão de futuro e com os valores e princípios adotados pela Universidade, deve especificamente demonstrar competência como gestor político-estratégico, acadêmico, administrativo e institucional. Art. 51. São atribuições gerais do Coordenador de Curso: I superintender, coordenar, acompanhar e controlar o funcionamento do curso sob a sua gestão; II coordenar a elaboração e atualização permanente do projeto pedagógico do curso em consonância com as correspondentes diretrizes curriculares nacionais e com o apoio do respectivo Conselho de Curso e Núcleo Docente Estruturante - NDE; III especificar e propor a infra-estrutura necessária à realização e execução do projeto pedagógico do curso, observando-se os padrões de qualidade fixados pela Universidade; IV zelar pela integração das atividades de ensino, pesquisa e extensão no âmbito do curso, com o apoio das Diretorias de Escola; V coordenar o planejamento e o controle das atividades de ensino, de pesquisa e extensão e as atividades complementares previstas no projeto pedagógico do curso, assegurando-lhes integração e articulação vertical e horizontal; VI presidir o Conselho de Curso (ConseC) e o Núcleo Docente Estruturante - NDE); VII administrar, de forma ética, os relacionamentos, criando condições favoráveis ao desenvolvimento de um clima de respeito e cordialidade acadêmica; VIII realizar visitas periódicas às turmas do curso e participar das reuniões mensais com os seus representantes, registrando expectativas e informações que contribuam para a melhoria das condições de ensino; IX coordenar a elaboração e implantação de manuais de procedimentos específicos do curso, visando à padronização e à otimização dos processos de trabalho, em consonância com as normas da Universidade; X articular-se com o mercado de trabalho, visando à constante adequação do curso e do processo seletivo dos seus candidatos às necessidades e exigências econômicas, políticas e sociais; XI definir o público-alvo, o mercado e as estratégias necessárias à consolidação da imagem e do conceito do curso e programas e projetos a ele relacionados, apoiando as atividades de divulgação do Curso e de captação de novos alunos; XII estabelecer parcerias visando à integração da comunidade interna e externa e à obtenção de melhores resultados nas atividades de ensino, pesquisa, extensão e ação comunitária; 18

19 XIII propor a criação cursos, nas modalidades presencial e a distância, através da elaboração de projetos que demonstrem a viabilidade administrativa e financeira da proposta; XIV promover a avaliação integrada dos processos de trabalho e dos resultados esperados da gestão do curso, mediante a análise das estratégias empregadas e dos níveis de consecução das metas estabelecidas, segundo parâmetros qualitativos e quantitativos; XV promover a avaliação do desempenho dos docentes e dos seus colaboradores técnicoadministrativos, identificar necessidades e propor ações para a sua qualificação; XVI gerenciar aspectos acadêmicos, administrativos e financeiros relacionados com os alunos vinculados ao curso; XVII adotar as providências necessárias ao funcionamento regular do curso e, em caso de urgência, as medidas que considerar pertinentes, mesmo que sujeitas à aprovação posterior das autoridades acadêmicas; XVIII contribuir para a gestão do Diretor da Escola à qual seu curso faça parte; e XIX exercer todas as funções próprias ou correlatas à Coordenadoria de Curso ou ainda outras que lhe sejam delegadas pelo Reitor, pelo Pró-Reitor Acadêmico ou pelo Diretor da Escola à qual seu curso faça parte. 1º As atribuições específicas e a forma de funcionamento das Coordenadorias de Curso são definidas em regulamento interno próprio. 2º As atribuições das Diretorias de Curso na modalidade a distância são definidas no Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEaD). SEÇÃO IV Da Coordenadoria de Programa Art. 52. Programa é um conjunto de ações desenvolvidas de forma integrada, na área do ensino, da pesquisa, da extensão e da gestão acadêmica, em caráter permanente e de forma continuada, articulando-se entre si por metas e objetivos comuns, com funcionamento definido em regulamento próprio. Art. 53. Os programas são criados por decisão da Universidade a partir da aprovação de propostas submetidas à aprovação do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (ConEPE) e institucionalizam-se em coordenadorias vinculadas às Diretorias de Escolas de conformidade com a natureza de suas ações. Art. 54. A Coordenadoria de Programa, na forma estatutária, é exercida por um coordenador escolhido e nomeado pelo Reitor, a partir da proposta ou indicação da Diretoria de Escola à qual se vincula o programa, a quem compete supervisionar e acompanhar a execução das atividades e projetos abrangidos pelos respectivos programas acadêmicos. Art. 55. São atribuições comuns aos coordenadores de programa: I gerenciar o programa no que diz respeito a sua execução e acompanhamento com vistas à obtenção dos resultados previstos em suas metas específicas, em consonância com as diretrizes estratégicas institucionais; II planejar, com a orientação do Diretor de Escola da área e, quando for o caso, com o Coordenador do Curso a que as ações estejam afetas, as atividades a serem desenvolvidas e ofertadas a cada semestre letivo, consolidando-as em plano de metas setorial; III avaliar, conjuntamente com o Diretor de Escola da área e, se for o caso, com o Coordenador do Curso, a execução das ações com vistas ao aprimoramento do curso; IV elaborar anualmente relatório de atividades, apresentando propostas para o aperfeiçoamento contínuo do programa; V gerir os recursos humanos e materiais necessários ao desenvolvimento das ações programadas; 19

20 VI adotar outras providências indispensáveis à execução das ações previstas em cada programa; e VII exercer todas as funções próprias ou correlatas às coordenadorias de programa ou ainda outras que lhe sejam delegadas pelo Diretor de Escola ou pelo Pró-Reitor Acadêmico. CAPÍTULO IV DA ESTRUTURA DE PLANEJAMENTO Art. 56. A estrutura de planejamento, integrante da Administração Acadêmica, na forma do Estatuto da Universidade, compreende o Comitê Acadêmico e a Avaliação Institucional. SEÇÃO I Do Comitê Acadêmico Art. 57. O Comitê Acadêmico é o órgão responsável pela gestão estratégica da Universidade, com composição e representatividades funcionais definidas no Estatuto da Universidade. 1º Visando à constante articulação dos seus membros e ao alinhamento com as diretrizes gerais da Universidade, o Comitê Acadêmico pode reunir-se semanalmente, de forma plena ou não, de acordo com a urgência, a conveniência e a natureza dos assuntos a serem tratados. 2º O Comitê Acadêmico pode contar em suas reuniões com a participação de assessores e consultores especializados. Art. 58. O Comitê Acadêmico tem as seguintes atribuições: I analisar os planos de ação propostos pela Reitoria em consonância com os objetivos institucionais e as metas estabelecidas no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e no Plano Anual de Trabalho (PAT); II definir estratégias a serem adotadas e ações prioritárias a serem implementadas em face dos recursos disponíveis e das metas institucionais e dos resultados da avaliação institucional; III harmonizar estilos, alinhar e definir procedimentos gerais de conformidade com a filosofia da Instituição; IV assessorar-se com consultores especializados em assuntos acadêmico-administrativos, quando for o caso, visando à adoção dos melhores procedimentos de gestão universitária; V analisar previamente propostas de programas estratégicos da Universidade com vistas a manter padrões de excelência acadêmica; e VI exercer todas as funções de análise e planejamento das ações da Universidade nas áreas meio e fim em articulação com a Comissão Própria de Avaliação (CPA). SEÇÃO II Da Avaliação Institucional Art. 59. A Avaliação Institucional, atividade de natureza permanente, tem por objetivo o aprimoramento da eficácia institucional e da efetividade acadêmica e social, por meio da valoração da prática dos princípios, finalidades e objetivos da Universidade. Art. 60. A Avaliação Institucional, integrada ao Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), contempla a análise global e integrada das dimensões, estruturas, 20

www.unp.br REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE POTIGUAR

www.unp.br REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE POTIGUAR www.unp.br REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE POTIGUAR REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE POTIGUAR Atualizado pela Resolução nº 002/2015-CONSUNI/UnP, de 24/03/2015 Natal/RN 2015 DIRIGENTES DA UNIVERSIDADE POTIGUAR

Leia mais

REGIMENTO GERAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE

REGIMENTO GERAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REGIMENTO GERAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE Manaus, 2015 Sumário TÍTULO I... 5 DO REGIMENTO... 5 TÍTULO II... 5 DA DENOMINAÇÃO DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS... 5 CAPÍTULO I... 6 DA RELAÇÃO COM A

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX

CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX REGIMENTO GERAL DO CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX UNIFACEX NATAL/RN 2012-2 - CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX UNIFACEX Prof. José Maria Barreto de Figueiredo Chanceler Prof. Raymundo Gomes

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina

Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina Regimento do Curso de Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º - O Curso de Bacharelado em Artes Cênicas, criado pela Resolução

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 38/2013/Consup Florianópolis, 07 de outubro de 2013. A PRESIDENTE DO DO IF-SC no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto de 15/12/2011, publicado no DOU de 16/12/2011 e atendendo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR DA FACULDADE DOS GUARARAPES ConAc e ConAd

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR DA FACULDADE DOS GUARARAPES ConAc e ConAd REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR DA FACULDADE DOS GUARARAPES ConAc e ConAd FACULDADE DOS GUARARAPES REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR DAFACULDADE DOS

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO)

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO) ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURO-AMERICANO (UNIEURO) APROVADO PELO PARECER CES/CNE Nº 3/2005 Portaria MEC nº 769, de 09 de março de 2005 (DOU nº 47, 10/03/2005, seção 1. p15) BRASÍLIA, DF, NOVEMBRO,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL

FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL FACULDADE DE TECNOLOGIA CNA FATECNA REGIMENTO GERAL Consultoria Técnica Delta Teresinha Buchfink Sandra Elena Gehlen Inhoqui Brasília, 2011 1 SUMÁRIO TÍTULO I... 5 DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS... 5 TÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ REGIMENTO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO TERESINA-PI 2005 RESOLUÇÃO Nº 011/84 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova o Regimento do Conselho de

Leia mais

REGIMENTO GERAL 1 Regimento Geral

REGIMENTO GERAL 1 Regimento Geral CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE UNINORTE REGIMENTO GERAL 1 Regimento Geral Manaus - AM 2014 REGIMENTO GERAL 2 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE UNINORTE SUMÁRIO TÍTULO I... 04 DO REGIMENTO... 04 TÍTULO II...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONSELHO DE GRADUAÇÃO R E G I M E N T O I N T E R N O CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

CAPÍTULO I - DO FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

CAPÍTULO I - DO FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS ESTATUTO. Centro Universitário Cândido Rondon/UNIRONDON Abril de 2013 SUMÁRIO TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO, SEUS OBJETIVOS E AUTONOMIA CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO CAPÍTULO II - DOS OBJETIVOS CAPÍTULO III

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS FINS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprova o Regimento do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ. INSTITUTO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE Cria as Comissões de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE CONSELHO DE CURSO. (aprovado pela Resolução Nº 066/2004-ConSUni-UnP, de 3 de agosto de 2004)

REGIMENTO INTERNO DE CONSELHO DE CURSO. (aprovado pela Resolução Nº 066/2004-ConSUni-UnP, de 3 de agosto de 2004) REGIMENTO INTERNO DE CONSELHO DE CURSO (aprovado pela Resolução Nº 066/2004-ConSUni-UnP, de 3 de agosto de 2004) Série: Documentos Normativos da UnP Volume 01 Organização Universitária Número 05 Regimento

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Mantenedora ASPEC SOCIEDADE PARAIBANA DE EDUCAÇÃO E CULTURA S.A. Mantida FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA REGIMENTO INTERNO

Mantenedora ASPEC SOCIEDADE PARAIBANA DE EDUCAÇÃO E CULTURA S.A. Mantida FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA REGIMENTO INTERNO Mantenedora ASPEC SOCIEDADE PARAIBANA DE EDUCAÇÃO E CULTURA S.A. Mantida FACULDADE INTERNACIONAL DA PARAÍBA REGIMENTO INTERNO JOÃO PESSOA / PARAÍBA 2013 REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA FACULDADE INTERNACIONAL

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ

REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ REGIMENTO DA FACULDADE SÃO LUIZ 2011 Brusque - SC SUMÁRIO TITULO I DA FACULDADE SÃO LUIZ E SEUS OBJETIVOS... Art.1 o Art.3º TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA CAPÍTULO I Dos Órgãos... Art.4 o CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Sete Lagoas 2012 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SUMÁRIO TÍTULO PÁGINA

Leia mais

FACULDADE DOS GUARARAPES REGIMENTO INTERNO DE CONSELHO DE CURSO. Jaboatão dos Guararapes/PE

FACULDADE DOS GUARARAPES REGIMENTO INTERNO DE CONSELHO DE CURSO. Jaboatão dos Guararapes/PE FACULDADE DOS GUARARAPES REGIMENTO INTERNO DE CONSELHO DE CURSO Jaboatão dos Guararapes/PE SUMÁRIO TÍTULO I: Do Regimento e Sua Finalidade... 03 TÍTULO II: Da Estrutura Colegiada da Administração Acadêmica

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013)

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA REGULAMENTO A Comissão Própria de Avaliação da FACISA CPA/FACISA, constituída pela Diretoria-Geral de acordo com o estabelecido pela Lei n 10.861 de 14

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Ibmec-MG é o órgão responsável pela

Leia mais

FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO

FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS Mantida pela Fundação Instituto de Administração REGIMENTO INTERNO São Paulo 2011 1 SUMÁRIO TÍTULO I - DA FACULDADE FIA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS... 4 TÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Art. 1º - O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Graduação em Odontologia, instituído pela Portaria IMMES nº 010, de 15 de

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em BIOINFORMÁTICA tem como objetivos: a formação de docentes,

Leia mais

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia

Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Portaria MEC n º 1.727, de 13 de junho de 2002 TÍTULO I Da Mantida e da Entidade Mantenedora Art. 1º. As Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia com

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA Av. Mamoré, nº 1520, Bairro Três Marias CEP: 78919-541 Tel: (69) 3733-5000 Porto Velho - RO 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2012 Autoriza a criação do Comitê de Gestão e Tecnologia da Informação (CGTI), da Universidade Federal da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E DE AÇÃO COMUNITÁRIA

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E DE AÇÃO COMUNITÁRIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO E DE AÇÃO COMUNITÁRIA (Aprovado pela Resolução Nº 007//2006-ConEPE-UnP, de 30/05/2006) Natal-RN APRESENTAÇÃO Criada pela Reitoria da Universidade Potiguar no ano

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO (UNICENTRO BELAS ARTES) Junho de 2005 ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO ÍNDICE TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DO -CAEx CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art.1º O Conselho Acadêmico de Atividades de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, IFRJ, é um órgão

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO (UNICEUMA)

ESTATUTO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO (UNICEUMA) CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DO MARANHÃO - CEUMA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO UNICEUMA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO (UNICEUMA) Aprovado pelo Parecer CNE/CES nº 195/2002. Portaria MEC 1767, de

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art.1º A Comissão de Ética no Uso de

Leia mais

REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA

REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÂO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E LIBRAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art.

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Universidade Potiguar CPA/UnP (Aprovado pela Resolução nº 018/2007-ConSUni, de 14/06/2007)

Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Universidade Potiguar CPA/UnP (Aprovado pela Resolução nº 018/2007-ConSUni, de 14/06/2007) Coleção Documentos Normativos da UnP Série Azul: Organização Universitária Título: Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação - CPA Volume 25 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA 1 DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS JUSTIFICATIVA Dois grandes órgãos de deliberação superior foram propostos: O Conselho Universitário e o Conselho de Administração e Finanças. Este último, com a missão de deliberar

Leia mais

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regimento Interno define a competência, a estrutura e o funcionamento

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA REGIMENTO GERAL Belém Pará 2013 SUMÁRIO TITULO I - DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA... 4 CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO... 4 CAPÍTULO II - DOS PRINCÍPIOS E

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAFS

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAFS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS AMILCAR FERREIRA SOBRAL CAFS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO BR 343 KM 3,5 Bairro Meladão CEP 64.800-000 Floriano PI. Fone (89) 3522-0138 REGIMENTO DO

Leia mais

ACADEMIA PAULISTA ANCHIETA LTDA.

ACADEMIA PAULISTA ANCHIETA LTDA. UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO UNIBAN Rua Maria Cândida, nº 1813 Vila Guilherme São Paulo/SP CEP 02710-13 (11) 2967-9000 ABC Campo Limpo Maria Cândida Marte Morumbi Osasco Tatuapé Vila Mariana ESTATUTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE

ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE 1 ESTATUTO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE ÍNDICE TÍTULO I DA INSTITUIÇÃO E SEUS OBJETIVOS Capítulo I Da Instituição Capítulo II Dos Objetivos Capítulo III Da Autonomia TÍTULO

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES

REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES REGIMENTO DA FACULDADE DE ENFERMAGEM TÍTULO I DA FACULDADE DE ENFERMAGEM, SUAS DIRETRIZES E FINALIDADES Art. 1º. - A Faculdade de Enfermagem (FAEN), com sede no campus da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS

ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS ESTATUTO TÍTULO I NORMAS PRELIMINARES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E PRINCÍPIOS Art. 1º. A Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre UFCSPA, instituída pela Lei

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Art. 1 - O Conselho Setorial de Pós-Graduação e Pesquisa constitui-se em órgão consultivo, deliberativo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE R E S O L V E: RESOLUÇÃO Nº 18/00 - CEPE Aprova as normas básicas da atividade acadêmica dos Cursos de Graduação na modalidade de Educação à Distância da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

REGULAMENTO. Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA. Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO

REGULAMENTO. Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA. Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO REGULAMENTO Pós-Graduação Stricto Sensu MESTRADO PROFISSIONAL EM BIOTECNOLOGIA E GESTÃO VITIVINÍCOLA Capítulo I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art.1º. O Mestrado Profissional em Biotecnologia e Gestão Vitivinícola

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

REGIMENTO GERAL DA FACULDADE INEDI TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO GERAL DA FACULDADE INEDI TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO GERAL DA FACULDADE INEDI TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Faculdade Inedi é regulamentada pela legislação de ensino superior, por este regimento e resoluções complementares e,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REABILITAÇÃO E INCLUSÃO Stricto Sensu (Mestrado Profissional) Dispõe sobre as normas de organização e funcionamento do Programa de Pós-Graduação em Reabilitação

Leia mais

Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Pró Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU VASSOURAS - RJ 2010 REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

Leia mais

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL Diamantina junho de 2013 O Núcleo Docente Estruturante - NDE do Curso de Licenciatura em Letras Português/Espanhol

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET BARBACENA 2010 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais da UNISEB é um órgão deliberativo

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1075

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1075 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1075 Aprova o novo Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Federal de Goiás, e revoga a Resolução

Leia mais