Manual do professor para elaboração de tarefas de Competência Intercultural (CI) e aplicação na comunicação video-web e mundos virtuais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do professor para elaboração de tarefas de Competência Intercultural (CI) e aplicação na comunicação video-web e mundos virtuais"

Transcrição

1 Networked Interaction in Foreign Language Acquisition and Research Grant Agreement Number / NIFLAR para elaboração de tarefas de Competência Intercultural (CI) e aplicação na comunicação video-web e mundos virtuais Documento Número 1.2, 1,3, 2.3, 2.4 Nível de divulgação Público Data de entrega 28 de janeiro de 2011 Status Final Autores Rick de Graaff, Ton Koenraad

2 Índice 1. Objetivos... 3 a. Objetivos e fundamentos do projeto NIFLAR b. Objetivos das tarefas em rede para o desenvolvimento de competências comunicativas interculturais c. Objetivos e público-alvo do manual do professor d. Estrutura do manual do professor 2. Tarefas de consciencialização para (futuros) professores de línguas (1.2/2.3)... 6 a) Participação como aluno/aprendente de línguas nas tarefas de Comunicação Video-Web (CVW) e/ou Mundos Virtuais (MV) b) Estudo de literatura relevante em CVW / MV e Competência Intercultural (CI) c) Aplicação da grelha de análise em tarefas existentes de CVW / MV i. Lista breve da literatura relevante ii. Grelha de análise de tarefas iii. Exemplos de tarefas para diferentes línguas /níveis. 3. Desenvolvimento de tarefas para CVW /MV, com base em boas práticas do projeto NIFLAR: (1.3/2.4) a. Desenvolvimento de tarefas a partir de critérios de eficácia da grelha de análise de tarefas 4. Organização das tarefas para CVW / MV: (1.3/2.4)...16 a. Incidência em b-learning: tarefas para CVW / MV relacionadas com a aprendizagem da língua baseada na sala de aula b. Questões de organização em cada escola / instituição c. Questões de organização entre as escolas parceiras / institutos d. Apêndice: i. Organização: o que deve/não deve ser feito 5. Especificações Técnicas para o funcionamento de CVW/ MV a. Especificações para CVW (1,3) b. Especificações para MV (2,4) c. Apêndice: i. (Ligações) manuais e tutoriais Project number LLP NL-KA2-KA2MP - 2 -

3 1. Objetivos a. Objetivos e fundamentos do projeto NIFLAR O projeto NIFLAR teve como objetivo estudar as oportunidades e os efeitos de ambientes e- learning inovadores para a criação de contextos autênticos e interativos para estudantes de línguas estrangeiras e (futuros) professores de línguas. Alguns estudantes de línguas, (futuros) professores e investigadores de cinco países europeus participaram do projeto. As línguas-alvo foram o Espanhol, o Português, o Holandês e o Russo. As tarefas foram desenvolvidas, aplicadas e avaliadas para o ensino secundário e superior nos níveis A2-B2. Para a comunicação video-web foi usado o Adobe Connect, e para os mundos virtuais foram usados o Second Life e o Open Sim. Dentro do projeto NIFLAR, os parceiros trabalharam juntos na concepção de manuais de professores para o ensino secundário e superior, fornecendo orientações sobre a comunicação em rede, os formatos de interação, o desenvolvimento de tarefas, a aplicação e avaliação, a consciência intercultural e investigação-ação. b. Objetivos das tarefas em rede para o desenvolvimento da competência comunicativa intercultural Num contexto de Língua Estrangeira (LE) há muito menos oportunidades para a construção de ambientes de aprendizagem ricos quando comparados a um contexto natural de L2: os estudantes têm poucas possibilidades de obterem inputs ricos (tanto a nível linguístico como intercultural) e de se envolverem numa interação com sentido com falantes nativos. Os processos de comunicação e configurações avançadas nas salas de aula LE são artificiais. No entanto, a comunicação realista orientada para objetivos e em contextos desafiadores e autênticos entre falantes não-nativos e nativos são benéficas para o uso e desenvolvimento eficaz das línguas. A fim de superar as limitações de aprendizagem de língua estrangeira em sala de aula tradicional, as tarefas em rede podem proporcionar oportunidades de interação intercultural significativa entre os estudantes de línguas e falantes nativos. A execução das tarefas propostas neste manual do professor pode apoiar os professores de línguas nos seguintes pontos: Para lidar com as limitações impostas pelo contexto LE, expandindo e enriquecendoo, favorecendo uma interação autêntica e contextualizada com os parceiros falantes nativos. A interação autêntica e em contexto pode ser facilitada e melhorado de duas maneiras: 1) através de comunicação de vídeo na web, para promover uma interação autêntica a distância; 2) através do estabelecimento de comunicação num Mundo Virtual, para promover a interação em rede contextualizada. Para melhorar as abordagens ao ensino de LE através da criação de oportunidades para os alunos exercerem interações online significativas com falantes nativos, de acordo com objetivos definidos pelas tarefas que promovem o intercâmbio de informações e consciencialização intercultural. Para oferecer a prática real e experiência nas atividades de aprendizagem colaborativa e online de línguas e ambientes de imersão e, assim, apoiar o desenvolvimento de competências para responder às preocupações interculturais e a integração bem sucedida das chamadas tecnologias de segunda geração da web no ensino de idiomas. Project number LLP NL-KA2-KA2MP - 3 -

4 Além disso, as tarefas em rede podem tornar a formação de professores LE mais autêntica, eficaz e inovadora: 1) ao incentivar os professores em formação a exercerem online interações sobre questões interculturais com o seu futuro grupo-alvo; 2), desafiando-os a analisar as interações em ambientes virtuais, e 3) ao fazê-los refletir e ter consciência da complexidade dos processos de aprendizagem (em contextos à distância e presenciais), a fim de aprender a desenvolver estratégias para lidar com possíveis dificuldades. Este manual do professor facilita o desenvolvimento, execução e avaliação de tarefas de aprendizagem mista (b-lerning) concebidas para fomentar a interação inter-pares no Ensino das Línguas. Para alcançar este objetivo, o ensino presencial formal com o professor e os colegas é articulado com dois ambientes online: a comunicação com vídeo na web e os mundos virtuais. Com esta abordagem os professores serão capazes de tornar a aprendizagem e o ensino de LEs uma experiência mais relevante, gratificante e atraente, resultando numa maior motivação e no desenvolvimento de maior competência comunicativa intercultural 1. c. Objetivos e público-alvo do manual do professor Uma forma de desenvolver e reforçar competências dos futuros professores de línguas no uso da Comunicação Mediada por Computador (CMC) para aprendizagem interativa e colaborativa de línguas é envolvê-los na investigação-ação 2 sobre os efeitos da CMC no desenvolvimento da competência de comunicação intercultural (CI). No projeto NIFLAR, os professores em formação adquiriram competências para a investigação-ação em CMC com vista à CI, participando no desenvolvimento, realização e avaliação de tarefas para a comunicação video-web e mundos virtuais. A investigação-ação foi realizada para determinar os efeitos da tarefa na interação, na competência intercultural, na proficiência linguística, na motivação e no valor acrescentado da utilização de ferramentas de CMC para o processo de ensino e aprendizagem. Com base na experiência do projeto NIFLAR, este manual fornece ferramentas para a sensibilização sobre CMC para o desenvolvimento da CI, o desenvolvimento, execução, avaliação de tarefas e investigação-ação para os (futuros) professores de línguas. Para a comunicação de vídeo na web (WP 1.2, 1.3) e mundos virtuais 3D (WP 2.3, 2.4) em diferentes línguas-alvo, o manual do professor inclui recomendações sobre o modo e a razão de as ferramentas interativas virtuais serem úteis em programas de LE, sobre como incrementar a consciência intercultural e sobre o papel das tarefas na aprendizagem de línguas em geral e no reforço da sensibilização intercultural em particular. As melhores práticas (reflexões, avaliações, lições aprendidas) são descritas e discutidas. Os manuais do professor incluem ainda orientações sobre questões organizacionais e as especificações técnicas, bem como manuais e tutoriais de ferramentas CMC, e sugestões de leituras posteriores. 1 Byram (1997) define Competência Comunicativa Intercultural como a atitude linguística e intercultural, o conhecimento, as habilidades e a consciência necessários para um contacto adequado com as pessoas de outras línguas e culturas. 2 Nunan e Bailey (2009) definem a investigação-ação como a systematic, iterative process of (1) identifying an issue, problem, or puzzle we wish to investigate in our own context; (2) thinking and planning an appropriate action to address that concern; (3) carrying out the action; (4) observing the apparent outcomes of the action; (5) reflecting on the outcomes and on other possibilities; and (6) repeating these steps again. A investigação-ação é geralmente desenvolvida pelos professores na sua prática educativa. Project number LLP NL-KA2-KA2MP - 4 -

5 Quanto à investigação-ação sobre a interação em rede (WP 3.1), o manual do professor contém orientações para os (estudantes) professores, com incidência na concepção e realização de pesquisas relacionadas com o desenvolvimento e execução de tarefas para CVW e MV, e nos efeitos no desempenho das tarefas na proficiência linguística e no desenvolvimento de CI. O manual do professor tem como objetivo apoiar os (futuros) professores de línguas que realizam as seguintes atividades: (1) A participação como interlocutores nas tarefas para o desenvolvimento de CI em comunicação video-web e em mundos virtuais (1.2, 2.3), (2) Desenvolvimento de tarefas para aprofundamento da CI através de comunicação video-web e mundos virtuais (1,3, 2,4); (3) Aplicação das tarefas no ensino secundário ou superior, e participação nas tarefas como um interlocutor falante nativo em comunicação com os alunos de língua estrangeira (1,3, 2,4); (4) Realização de investigação-ação sobre os efeitos das tarefas na comunicação, na competência intercultural, na proficiência linguística e no valor acrescentado das ferramentas de TIC (3,1). O manual do professor NIFLAR, portanto, incide particularmente sobre: os princípios de elaboração de tarefas que os (alunos) os professores utilizam para o desenvolvimento de tarefas de aprendizagem de línguas em rede: o papel dos professores como executores de tarefas e como interlocutores falantes nativos na realização de tarefas com os estudantes de línguas; as especificações técnicas e de organização que os professores devem ter em conta; a agenda de investigação-ação em que os (futuros) alunos de línguas estão envolvidos, focando os pressupostos e os contributos de tal investigação-ação para o seu processo de desenvolvimento profissional. d. Estrutura do manual do professor O manual do professor NIFLAR tem uma estrutura modular, relacionada com as questões pedagógicas, organizacionais, técnicas e de pesquisa, para CVW e para MV. O manual do professor inclui os documentos NIFLAR 1.2 e 2.3 (sensibilização para as tarefas CVW / MV), 1.3 e 2.4 (Guias para professores CVW / MV). O manual inclui procedimentos para professores e professores em formação na sua função de elaboradores e executores de tarefa, bem como avaliadores e facilitadores das interações em rede. Dá uma especial atenção à abordagem mista do NIFLAR, isto é, à relação entre CVW / MV e a aprendizagem e ensino da língua baseados na sala de aula. O manual do professor está disponível on-line e também para download. Alguns documentos específicos NIFLAR têm hiperligações para boas práticas, (software) manuais e tutoriais. Todos os parceiros NIFLAR contribuíram para a compilação do manual do professor, por isso, o manual contém exemplos das diferentes línguas-alvo (Espanhol, Holandês, Português, Russo e Inglês). Project number LLP NL-KA2-KA2MP - 5 -

6 2. Tarefas de consciencialização para professores de LE em formação a) Participação como aluno / aprendente de línguas nas tarefas de Comunicação Video-Web (CVW) e / ou Mundos Virtuais (MV) b) Estudo de literatura relevante em CVW / MV e CI c) Aplicação da grelha de análise em tarefas existentes de CVW / MV i. lista breve da literatura relevante ii. grelha de análise de tarefas iii. exemplos de tarefas para diferentes línguas /níveis Tarefas, projetos e pontos de partida para o debate de professores de línguas em formação são apresentados abordando as seguintes questões fundamentais: o que constitui a competência intercultural, como pode ser favorecida a CI, que papel as tarefas desempenham na promoção da CI, como podem as TIC interativas ser utilizadas para estimular a aquisição de língua estrangeira e a consciência intercultural, quais são os papéis de professores e alunos neste processo? O objetivo principal dos materiais é aumentar as competências de consciencialização, reflexão, análise e avaliação de futuros profissionais do ensino, associando teoria, prática e colaboração mediada por computador. Além disso, os professores em formação interagem com seu futuro público-alvo (os alunos a aprender a língua que eles irão ensinar) e outros colegas também em formação num fórum internacional. Isso contribui para a ampliação do cenário educacional e faz das questões teóricas um elemento mais tangível. O documento nº 3 de WP2 foi desenvolvido em articulação com o documento nº 2 de WP1 a. Participação como aluno/aprendente de línguas nas tarefas de Comunicação Video-Web (CVW) e/ou Mundos Virtuais (MV) Desenvolver e implementar tarefas de CVW e/ou MV para a competência comunicativa intercultural (CI) é um fenómeno bastante novo para a maioria dos professores em formação. Portanto, recomendamos-lhes que participem em tais ambientes de aprendizagem como aprendentes de línguas, se possível. Isto proporciona oportunidades para a aprendizagem experimental e para a avaliação das potencialidades de tais ambientes de aprendizagem e as tarefas de comunicação para CI. Em alternativa, os professores estagiários podem usar as ferramentas CVW / MV como modelo experimental (como sugerido por Hoven, 2006) para interagir com os colegas professores, para que todos experimentem a ferramenta e preparem as sessões para os seus alunos. Se a participação ativa não é viável para os professores em formação que estão a considerar a implementação de CVW / MV para a CI nas sua própria prática de ensino, o site do projeto NIFLAR oferece amplas oportunidades para orientação sobre as boas práticas. ver também e b. Estudo de literatura relevante em CVW / MV e CI O desenvolvimento e realização de tarefas CVW / MV para a CI são um desafio conceptual, pedagógica, administrativa e tecnicamente exigente. Portanto, recomendamos a seguinte bibliografia essencial para professores em formação, considerando o uso de CVW / MV para a CI. Este conjunto de obras também foi usado como parte do curso de mestrado em Ensino de Línguas da Universidade de Utrecht, na qual os alunos participaram no desenvolvimento, implementação e avaliação de comunicação video-web e mundos virtuais. Project number LLP NL-KA2-KA2MP - 6 -

7 Leituras recomendadas sobre ensino e aprendizagem das línguas baseados em tarefas (TBLT): Bygate, M., Skehan, P., & Swain, M. (2001). Researching pedagogic tasks. Second language learning, teaching and testing. Harlow, UK: Pearson. Ellis, R. (2003). Task-based language learning and teaching. Oxford, UK: Oxford University Press. Hauck, M. (2010) The enactment of task design in Telecollaboration 2.0, pp , in Thomas, M. and H. Reinders (eds.) Task-based Language Learning and Teaching with Technology. London & New York: Continuum. Loschky, L., & Bley-Vroman, R. (1993). Grammar and task-based methodology. In G. Crookes and S. Gass (Eds.), Tasks and language learning: integrating theory and practice. Clevedon: Multilingual Matters. Moonen, M. (2008). Testing the multi-feature hypothesis; Tasks, mental actions and second language acquisition. Utrecht, the Netherlands: Universiteit Utrecht. Moonen, M., De Graaff, R., & Westhoff, G. (2006). Focused tasks, mental actions and second language learning. Cognitive and connectionist accounts of task effectiveness. ITL - International Journal of Applied Linguistics, 152, Skehan, P. (1998). A cognitive approach to language learning. Oxford: Oxford University Press. Van Gorp, K., & Bogaert, N. (2006). Developing language tasks for primary and secondary education. In K. van den Branden (Ed.), Task-based language education: from theory to practice (pp ). Cambridge, UK: Cambridge University Press Westhoff, G. (2004). The art of playing a pinball machine. Characteristics of effective SLAtasks. Babylonia, 12(3), Willis, J. (1996). A framework for task-based learning. Harlow, UK: Longman. Leituras complementares sobre ensino e aprendizagem das línguas baseados em tarefas (TBLT): Van den Branden, K. (2006). Introduction: Task-based language teaching in a nutshell. In K. van den Branden (Ed.), Task-based language education: from theory to practice (pp. 1-16). Cambridge, UK: Cambridge University Press Schroten, W. (2006). Task-based language teaching and ICT: developing and assessing interactive multimedia for task-based language teaching. In K. van den Branden (Ed.), Task-based language education: from theory to practice (pp ). Cambridge, UK: Cambridge University Press Van Avermaet, P., Colpin, M., Van Gorp, K., Bogaert, N., & van den Branden, K. (2006). The role of the teacher in task-based teaching. In K. van den Branden (Ed.), Task-based language education: from theory to practice (pp ). Cambridge, UK: Cambridge University Press Leituras recomendadas sobre competência comunicativa intercultural (CI): Byram, M. (1997). Teaching and assessing intercultural communicative competence. Multilingual Matters. Lázár, I., Huber-Kriegler, M., Lussier, D., Matei, G., Peck, C. (Eds.) (2007). Developing and assessing intercultural communicative competence. A guide for language teachers and teacher educators.graz, Austria: ECML. Müller-Jacquier, B. (2000). Linguistic awareness of cultures; principles of a training module. In J. Bolten (Ed.), Studien zur internationalen Unternehmenskommunikation (pp ). Leipzig: Popp. Project number LLP NL-KA2-KA2MP - 7 -

8 Leituras recomendadas sobre comunicação mediada por computador (CMC): Doughty, C., & Long. M. (2003). Optimal psycholinguistic environments for distance foreign language learning. Language Learning and Technology, 7 (3), Hauck, M. (2010) The enactment of task design in Telecollaboration 2.0, pp , in Thomas, M. and H. Reinders (eds.) Task-based Language Learning and Teaching with Technology. London & New York: Continuum. O'Dowd, R., & Ware, P. (2009). Critical issues in telecollaborative task design. Computer Assisted Language Learning, 22 (2), Schroten, W. (2006). Task-based language teaching and ICT: developing and assessing interactive multimedia for task-based language teaching. In K. van den Branden (Ed.), Task-based language education: from theory to practice (pp ). Cambridge, UK: Cambridge University Press Ware, P., & O'Dowd, R. (2008). Peer feedback on language form in telecollaboration. Language Learning and Technology, 12 (1), pp Leituras recomendadas sobre mundos virtuais para aprendizagem (de línguas) (MV): Bryant, T. (2006) Using World of Warcraft and Other MMORPGs to Foster a Targeted, Social, and Cooperative Approach Toward Language Learning. Academic Commons. Cooke-Plagwitz, J. (2008). New Directions in CALL: An Objetive Introduction to Second Life. CALICO Journal, 25 (3). Deutschmann, M., & Panichi, L. (2009). Instructional design, teacher practice and learner autonomy. In J. Molka-Danielsen and M. Deutschmann (Eds.), Learning and teaching in the virtual world of second life: Trondheim: Tapir Academic Press. Deutschmann, M., Panichi, L. & Molka Danielsen, J. (2009). Designing oral participation in Second Life A comparative study of two language proficiency courses. ReCALL, 21 (2), Dieterle, E., & Clarke, J. (2008). Multi-user virtual environments for teaching and learning. In M. Pagani (Ed.), Encyclopedia of multimedia technology and networking. Hershey, PA: Idea Group, Inc. Kuriscak, L.M, & Luke C.L. (2009). Language learner attitudes toward virtual worlds: An investigation of Second Life. In G. Lord & L. Lomicka (Eds.), The next generation: Online collaboration and social networking in CALL (pp ). San Marcos, TX: CALICO. Molka-Danielsen, J. & Deutschmann, M. (Eds.) (2009): Learning and teaching in the virtual world of Second Life. Trondheim, Norway: Tapir Academic Press. Open Simulator project Sweeney, P (2009). The classroom is dead - Long live the classroom. Presentation at Slanguages 2009 reporting on two years of language programme development with Languagelab.com. Steinkuehler, C. (2006). Massively multiplayer online videogaming as participation in a discourse. Mind, Culture & Activity, 13 (1), Thorne, S. L. (2008). Transcultural communication in open internet environments and massively multiplayer online games. In S. Magnan (Ed.), Mediating Discourse Online (pp ). Amsterdam: John Benjamins. Warburton, S. (2009). Second Life in higher education: Assessing the potential for and the barriers to deploying virtual worlds in learning and teaching. British Journal of Educational Technology, 40 (3), Project number LLP NL-KA2-KA2MP - 8 -

9 c. Aplicação da grelha de análise em tarefas existentes de CVW/MV No projeto NIFLAR, considerou-se importante que os professores em formação avaliassem as tarefas CVW / MV usando a grelha de análise de tarefas NIFLAR baseada na bibliografia sobre CVA, MV e tarefas CI. Avaliar as tarefas já existentes ajuda os professores a compreender e reconhecer os aspetos a serem considerados no momento de desenvolverem e aplicarem tarefas sozinhos. Ao avaliar tarefas para CVW / MV, deve ser dada atenção à aplicação dos seguintes princípios de elaboração: A tarefa expõe os alunos a inputs ricos da língua-alvo (Westhoff, 2004; Doughty & Long, 2003). A tarefa proporciona usos com sentido da língua-alvo (Doughty & Long, 2003; Ellis, 2003; Westhoff, 2004; Willis, 1996). A tarefa requer que os aprendentes atentem na forma (Doughty & Long, 2003; Ellis, 2003; Ware & O'Dowd, 2008; Willis, 2996). A tarefa tem um resultado comunicativo claramente definido (Doughty & Long, 2003; Ellis, 2003). A tarefa aumenta a consciência estratégica na aprendizagem e uso das línguas (Westhoff, 2004). A tarefa leva em consideração o nível de competência comunicativa e intercultural (QECR) de todos os interlocutores. A tarefa reforça a atenção na competência linguística intercultural (Byram, 1997). A tarefa faz uso efetivo das potencialidades da comunicação video-web ou dos mundos virtuais. A tarefa tem em consideração a função e as metas de aprendizagem dos professores em formação. Os parâmetros que se seguem são relevantes ao avaliar a conceção de tarefas CVW e MV para a competência comunicativa intercultural: A tarefa expõe os alunos a inputs ricos da língua-alvo A tarefa: fornece inputs autênticos, originais, relevantes, desafiadores e multimodais? melhora a modificação interacional ou a negociação de significados? suscita o uso de recursos autênticos, tanto antes como durante a realização? suscita o uso de recursos pré-definidos e de recursos fornecidos pelos próprios interlocutores? A tarefa proporciona usos com sentido da língua-alvo: Significação: Os alunos: usam a linguagem de forma adequada e comunicativa? usam a linguagem para se envolverem em atividades que envolvem processos do mundo real no uso da língua? permite escolher como usar a linguagem, isto é, não são prescritas com antecedência formas linguísticas? Uso: A tarefa: Project number LLP NL-KA2-KA2MP - 9 -

10 envolve algum tipo de diferença (informação, raciocínio, cultura)? tem um bom equilíbrio entre o processamento da linguagem e do conteúdo exigidos? promove a aprendizagem através da prática (processamento e interação)? promove a aprendizagem colaborativa? o papéis complementares, informação, perspetivas o troca de informação bidirecional o comunicação convergente com objetivo específico o interdependência positiva o responsabilidades partilhadas o responsabilização individual A tarefa requer que os aprendentes atentem na forma A tarefa: cria um "espaço semântico" a fim de obter o processamento de formas específicas da língua? promove a deteção e utilização de frases feitas relevantes? suscita feedback do falante nativo ao aprendente sobre as estruturas da língua? permite atentar na forma, quando surgem dúvidas ao aluno (elaboração, negociação, reformulação, etc.)? A tarefa tem um resultado comunicativo claramente definido: A tarefa: tem um propósito claramente definido que é relevante para todos os interlocutores? tem um produto comunicativo final bem definido? suscita a sequência de um procedimento lógico, pertinente e desafiador? fornece instruções que esclarecem as dúvidas de todos os interlocutores? visa a troca de informações subjetivas e pessoais, relacionadas com recursos factuais e objetivos? é simultaneamente aberta (não rígida nem pré-estabelecida) e determinada (orientada para objetivos)? A tarefa aumenta a consciência estratégica na aprendizagem e uso das línguas: A tarefa: prevê planificação, feedback e reflexão o sobre o uso da linguagem o sobre a comunicação o sobre as questões interculturais A tarefa reforça a atenção na competência comunicativa intercultural A tarefa: requer que os alunos se concentrem em assuntos interculturais, crenças, contrastes? Project number LLP NL-KA2-KA2MP

11 permite prestar atenção em hábitos culturais implícitos e crenças quotidianas? cria a consciência intercultural, onde os tópicos dão oportunidades para contrastar e comparar as crenças e hábitos de cada um com os dos outros e dos interlocutores? sensibiliza e suscita a reflexão não só sobre a cultura-alvo, mas também sobre os próprios hábitos e crenças culturais? A tarefa desenvolve: Atitudes de curiosidade e abertura, disponibilidade para desfazer preconceitos sobre outras culturas e juízos sobre si próprio? Conhecimento dos grupos sociais e seus produtos e práticas, no seu próprio país e no do seu interlocutor, e do processo geral de interação social e individual? Competências de interpretar e relacionar: interpretar um documento ou acontecimento de outra cultura, para explicá-los e relacioná-los com documentos da sua própria cultura? Habilidades de descoberta e de interação: para adquirir novos conhecimentos de uma cultura e práticas culturais e a capacidade de operar os conhecimentos, atitudes e competências com as restrições do tempo real que demora a interação comunicativa? Consciência crítica cultural: avaliar criticamente as práticas e produtos na sua própria cultura e país e nos dos outros? A tarefa leva em consideração o nível de competência comunicativa e intercultural (QECR) de todos os interlocutores: A tarefa ajusta-se ao nível do QECR na interação oral e na consciência intercultural: relativamente ao objetivo da tarefa? relativamente ao tema da tarefa? no que diz respeito aos procedimentos? Geral: As fases da tarefa são apresentadas clara e sequencialmente? o introdução o comparação/contraste o construção/conversão o produção/publicação o reflexão A tarefa faz uso efetivo das potencialidades da comunicação video-web ou dos mundos virtuais: Comunicação video-web: É possível a comunicação não verbal (gestos, etc.)? Não existe a necessidade de tarefas adicionais causadas pela comunicação a distância? Não existem exigências de tarefas adicionais provocadas pelo local fixo (limitado pela visão da webcam)? É possível a utilização de materiais comuns e materiais individualizados? Mundos virtuais: Project number LLP NL-KA2-KA2MP

12 O contexto virtual tem suficientes especificidades culturais pertinentes e contrastantes? O contexto virtual é suficientemente relevante e atrativo para o objetivo da tarefa? O contexto virtual é bastante ilustrativo da cultura-alvo, sem ser caricatural? O contexto virtual é utilizado de uma forma social, cognitiva, afetiva, criativa, desafiadora e espacialmente eficaz, por exemplo: o aprender explorando o aprender através da colaboração o aprender pelo ser (desenvolvimento da personalidade do avatar) o aprender através da criação / construção o aprender pela competição (com destaque dos pontos fortes e sucessos) o aprender expressando-se O contexto virtual proporciona um ambiente seguro (por exemplo, não estão presentes outros ouvintes/interlocutores em níveis mais baixos)? O número de interlocutores é relevante para os objetivos, temas e procedimentos da comunicação? É facilitada familiarização suficiente com o contexto e aspetos técnicos da comunicação virtual? A tarefa tem em consideração a função e as metas de aprendizagem dos professores em formação: O que aprendem os professores interlocutores com a experiência? Porque vale a pena o esforço? Como avaliam eles a sua melhoria como facilitadores de CI? Como avaliam eles as suas próprias melhorias? O que eles aprendem relativamente às potencialidades e desafios da aplicação CVW/MV? A tarefa inclui uma fase de reflexão para os professores em formação? Eles refletem e avaliam as opções tomadas no desenvolvimento consciência cultural, na realização das tarefas e nos estádios após a sua conclusão? Eles analisam as sessões de interação com essa grelha e os questionários de orientação. Eles avaliam: o as tarefas (A tarefa desenvolvida é eficaz? A tarefa expõe o aluno a registos pertinentes da língua-alvo? A tarefa proporciona usos com sentido da línguaalvo? A tarefa tem um objetivo comunicativo? Há momentos para refletir sobre a forma? A tarefa reforça a atenção nas competências interculturais? Será que a tarefa faz uso efetivo das potencialidades e oportunidades de comunicação de vídeo na web? etc.) Eles também devem ter em conta a forma como o contexto pode ter afetado a comunicação intercultural, analisando situações críticas nas sessões. Eles são convidados a fornecer exemplos significativos das sessões como prova. o as suas capacidades didáticas de gerir a interação (Sentiu dificuldades em (a) manter-se em segundo plano para deixar o campo de ação para os alunos, (b) dar instruções claras e ter a certeza de que eram compreendidas, (c) decidir o feedback a fornecer aos aprendentes durante a interação? Eles tentaram criar um ambiente descontraído e positivo durante a sessão? etc.) Eles também devem dizer em que atividades (dos professores) se sentem particularmente satisfeitos e informar sobre o que eles poderiam fazer melhor, tudo no sentido de articular a reflexão com o desenvolvimento profissional em ação; o o ambiente virtual (relacionado com competências digitais e técnicas: como funciona o ambiente? Será que eles ficam ansiosos quando surgem problemas Project number LLP NL-KA2-KA2MP

13 técnicos? Sentem-se confortáveis no ambiente CVW/MV? etc.) 3. Desenvolvimento de tarefas para CVW/MV, com base em boas práticas do projeto NIFLAR: O Guia do Professore inclui recomendações sobre como e porquê implementar o uso de ferramentas virtuais interativas em programas de LE, como fomentar a consciência intercultural e qual é o papel das tarefas nos processos de aprendizagem e no reforço da consciência intercultural. As boas práticas (reflexões, avaliações de colaboração interativa a distância, lições aprendidas) são descritas com o que se deve e não deve fazer. a. Desenvolvimento de tarefas a partir de critérios de eficácia da grelha de análise de tarefas Eficácia das tarefas para reforçar a comunicação intercultural em encontros interculturais Na prática docente atual, as tarefas de aprendizagem de uma segunda língua são usadas para envolver os alunos em diferentes tipos de aprendizagem e processamento da comunicação. Como apontado por vários autores (de Graaff & Westhoff (2006) e Moonen (2008), entre outros) não há apenas uma definição geralmente aceite do que é uma tarefa no campo da aquisição de segundas línguas. Por exemplo, enquanto Breen (1987) inclui todas as atividades em sala de aula orientadas para a aprendizagem de línguas (exercícios, testes, etc.) para Willis (1996) as tarefas são atividades comunicativas orientadas por objetivos que deixam os alunos livres para se exprimirem. Para Skehan (1998) as tarefas devem ser significativas, realistas e levar a resultados reais. Bygate, Skehan e Swain (2001) definem uma tarefa como uma atividade que exige que os alunos usem a língua, com ênfase no significado, para atingir um objetivo, e que se destina a causar ou estimular a aquisição. Ellis (2003, p.3) define as tarefas de um modo mais geral, como atividades que exigem o uso da língua focado principalmente no sentido. As linhas essenciais da maioria destas definições são orientação para o significado, orientação para os objetivos e orientação para aquisição. No âmbito deste projeto incluímos ainda uma orientação para a consciência intercultural (Byram, 1997; Müller-Jacquier, 2000), e especificamos as caraterísticas de tarefas para a exploração das mais-valias de uma comunicação a distância apoiada virtualmente (Deutschmann, Panichi & Molka, 2009; O'Dowd & Ware, 2009). Princípios de elaboração de tarefas de comunicação intercultural em mundos virtuais Os princípios de elaboração no quadro atual têm em conta a competência comunicativa e intercultural na aquisição de L2 no contexto de interação virtual. Princípios de elaboração para a Competência Comunicativa Para a promoção da competência comunicativa podemos distinguir quatro componentes: (1) inputs ricos; (2) promoção de usos da língua com significado, contextualmente adequados; (3) atenção na estrutura da língua a par do significado, e (4) produtos comunicacionais convergentes como resultado da negociação de significado. Project number LLP NL-KA2-KA2MP

14 1. Inputs ricos implicam a exposição a linguagem autêntica, multimodal e contextualmente relevante (Westhoff, 2004, Doughty & Long, 2003). Durante a execução da tarefa, o input é estruturado através de modificação interacional ou negociação de significado. 2. A promoção de usos da língua com significado implica: que os aprendentes usam a língua-alvo de forma pragmática e comunicativa, ao invés de simplesmente mostrarem conhecimento da língua-alvo (Ellis, 2003, p 9, 10); que eles usam a língua-alvo para participar em atividades de comunicação do mundo real que envolvem processos de uso da língua (Ellis, 2003, p 9, 10); que eles são livres de escolher como usar a língua-alvo; que a tarefa não prescreve com antecedência os elementos da língua-alvo que os alunos devem usar. (Ellis, 2003, p 9, 10; Willis, 1996); que envolve algum tipo de "lacuna" (informação, raciocínio), que os alunos têm que "preencher", utilizando a língua-alvo eficazmente (Ellis, 2003, p 9, 10); que promove o aprender fazendo (Doughty & Long, 2003), destacando os processos cognitivos (Ellis, 2003) ou ações mentais (Westhoff, 2004), como o processamento de inputs, criação (forçada) de interação e de produtos comunicacionais (Westhoff, 2004; Willis, 1996; Ellis, 2003; Doughty & Long, 2003); que promove a aprendizagem colaborativa (Doughty & Long, 2003) como a negociação de significado, aportando papéis complementares, informações e perspetivas aos participantes/aprendentes. 3. A atenção na estrutura da língua a par do significado implica: que a tarefa não especifica antecipadamente que formas da língua-alvo devem ser utilizadas pelos alunos (Willis, 1996; Ellis, 2003); que ela cria um "espaço semântico" (Ellis, p 9) que pode predispor os alunos para o processamento de formas linguísticas específicas; que promove a aquisição de frases feitas pertinentes (Doughty & Long, 2003); que fornece ao aluno feedback negativo, por exemplo através de uma reformulação corrigida (Doughty & Long, 2003 ); que oferece diferentes oportunidades para se concentrar na forma quando o aluno tem necessidade, como, por exemplo, na multiplicidade de inputs, na elaboração de inputs ou na reformulação e processamento de inputs (Doughty & Long, 2003, p 64; Ware & O'Dowd 2008). 4. Produtos comunicacionais convergentes como resultado da negociação de significado implicam que a tarefa tem um propósito/ meta geral, um produto comunicativo final claro e bem definido, um procedimento mais ou menos determinado (Ellis, 2003, p 21), e um conjunto de instruções que é feito sob medida para atender às necessidades específicas dos alunos (Doughty & Long, 2003). Princípios de design para Competências Interculturais Para promover a competência intercultural aplicamos os cinco savoirs de Byram (1997, 50-54). A Tarefa deve fomentar: Project number LLP NL-KA2-KA2MP

15 1. Atitudes de curiosidade e abertura, disponibilidade para desfazer preconceitos sobre outras culturas e juízos sobre si próprio. 2. Conhecimento dos grupos sociais e seus produtos e práticas, no seu próprio país e no do seu interlocutor, e do processo geral de interação social e individual. 3. Competências de interpretar e relacionar: interpretar um documento ou acontecimento de outra cultura, para explicá-los e relacioná-los com documentos da sua própria cultura 4. Capacidades de descoberta e de interação: para adquirir novos conhecimentos de uma cultura e práticas culturais e a capacidade de operar os conhecimentos, atitudes e competências com as restrições do tempo real que demora a interação comunicativa. 5. Consciência crítica cultural/ política educacional: avaliar de forma crítica e com base em perspetivas e critérios explícitos as práticas e produtos da sua própria cultura e país e da cultura e país dos outros. Além disso, aplicamos o conceito de consciência linguística de culturas segundo Müller- Jacquier (2000), que propõe um enquadramento para a Comunicação Intercultural que inclui significado social, atos de fala, organização da conversação, escolha e desenvolvimento de temas de conversa, diretividade / não-diretividade, registo, fatores paraverbais, modos de expressão não-verbais, valores e atitudes específicos de uma cultura, e comportamentos culturais próprios. Mais concretamente, propomos tarefas que têm como ponto de partida conceções e equívocos na vida quotidiana, que incidem sobre contrastes e semelhanças interculturais, o que implica uma necessidade de compreender o ponto de vista do outro para a conclusão da tarefa, e a necessidade de avaliar os próprios pontos de vista por intermédio de outra pessoa. Princípios de concepção para os mundos virtuais Embora os mundos virtuais, e particularmente o Second Life, sejam cada vez mais populares entre os professores e alunos de línguas, até à data, existem muito poucos estudos documentados sobre o uso específico do Second Life para o ensino e a aprendizagem de línguas estrangeiras (para uma visão geral, ver Molka-Danielsen & Deutschmann, 2009, e Deutschmann, Panichi & Molka-Danielsen, 2009) e em especial do Second Life como um lugar onde os aprendentes de língua estrangeira podem encontrar falantes nativos da língua-alvo (Kuriskak & Lucas, 2009) para se envolverem numa comunicação significativa, interação social e atividades. No entanto, espaços de interação como o Second Life têm sido avaliados como valiosos para aprender e alcançar a competência comunicativa e intercultural (Bryant, 2006; Thorne, 2008). Nesses mundos virtuais, os usuários podem experimentar e interagir com uma variedade de normas de interação social (Steinkuehler, 2006) e é nesses ambientes 3-D, como o Second Life, que os alunos podem ter a oportunidade de experimentar a interação social como se fosse ao vivo, ao mesmo tempo que se envolvem em atividades de aprendizagem significativa (Cooke- Plagwitz, 2008). O realismo do cenário oferece condições de aprendizagem autêntica que de outra forma seriam difíceis de recriar numa sala de aula tradicional (Dieterle & Clarke, 2008). A fim de explorar melhor os desafios e oportunidades de um cenário de comunicação a distância apoiado virtualmente para o desenvolvimento de tarefas, levamos em conta as seguintes questões elaboradas por Deutschmann e Panichi (2009): as complexidades do cenário virtual; a percepção do ambiente por parte do professor e do aluno, combinando Project number LLP NL-KA2-KA2MP

16 com as suas ideias sobre aprendizagem e aquisição de uma segunda língua; a seleção de caraterísticas físicas a partir de e dentro do mundo virtual; o anonimato pessoal e cultural; a representação visual de si mesmo através do Avatar; a construção conjunta da realidade e da cultura partilhada; as simulações das tarefas da vida real. Deutschmann e Panichi ainda distinguem as tarefas que fazem uso da dimensão social, comunicativa e cognitiva; as tarefas que fazem uso da dimensão afetiva/criativa; e as tarefas que fazem uso da dimensão espacial/física. Dentro do guia do professor, fizemos uso da teoria de Deutschmann & Panichi para elaborar os princípios de concepção específicos para mundos virtuais. Nos mundos virtuais o cenário visual que rodeia a comunicação dos parceiros é relevante, o contexto é especificamente adaptado para os temas de conversa, os outros interlocutores podem interferir, os cenários pode ser adaptados de forma a promover a consciencialização e a aprendizagem, e as tarefas devem despoletar a comunicação oral, ou seja, a comunicação oral intensiva é necessária para a conclusão da tarefa com sucesso. 4. Organização das tarefas para CVW / MV: a. Incidência em b-learning: tarefas para CVW / MV relacionadas com a aprendizagem da língua baseada na sala de aula b. Questões de organização em cada escola / instituição c. Questões de organização entre as escolas parceiras / institutos d. Apêndice: i. Organização: o que deve/não deve ser feito Num projeto educativo, como o NIFLAR, a questão principal está em investigar como as interações orais síncronas através comunicação video-web e/ou dos mundos virtuais podem ser integradas no nosso sistema de ensino nos níveis secundário e superior baseadas em princípios pedagógicos sólidos. O valor acrescentado que tais ambientes podem oferecer para enriquecer e dinamizar os processos de ensino e aprendizagem são o ponto de partida para esse trabalho. Para esse efeito recolhendo as intuições adquiridas durante as intervenções da fase piloto e do follow up -, o projeto NIFLAR propõe orientações pedagógicas para a integração da interação em rede, incluindo a familiarização com os ambientes específicos e as suas potencialidades, partilhando as conceções pedagógicas com colegas, recebendo apoio dos decisores institucionais, tendo acesso a equipamentos técnicos e apoio adequados, esboçando um plano de ação, desenvolvendo e partilhando critérios para construção de tarefas a serem aplicadas em ambos os ambientes onde a interação social e a consciência intercultural podem desempenhar um papel importante, aprendendo a organizar, gerir, ensaiar e avaliar as interações síncronas, refletindo sobre o papel dinâmico dos tutores, professores e aprendentes neste processo, e adquirindo estratégias eficazes para lidar com problemas inesperados que possam surgir nas trocas telecolaborativas. a. Incidência em b-learning: tarefas para CVW / MV relacionadas com a aprendizagem da língua baseada na sala de aula Este manual concentra-se na aplicação de tarefas CVW / MV num contexto de aprendizagem de línguas baseada na sala de aula. Ou seja, as tarefas CVW/MV são aplicadas como atividades complementares, a fim de alcançar os objetivos de aprendizagem Project number LLP NL-KA2-KA2MP

17 que são menos propensos a serem alcançados por atividades usuais de sala de aula sem recurso à rede. Este é particularmente o caso da competência comunicativa intercultural, que é melhor desenvolvida quando os alunos estão envolvidos numa comunicação com sentido com os parceiros falantes nativos da língua-alvo. Através das tarefas CVW / MV, os alunos podem interagir com seus parceiros falantes nativos de forma síncrona dentro de uma sala de aula ou no seu próprio lugar de estudo. Como a execução das tarefas CVW / MV exige organização extra por parte da escola / instituição envolvida, é fundamental que os professores tenham uma visão clara dos objetivos de aprendizagem que se pretende atingir com as tarefas (ver Documento 1.2/2.3). As tarefas CVW / MV não devem ser implementadas de forma isolada, mas antes estar relacionadas com outras atividades da sala de aula. As seguintes questões devem ser analisadas: Como preparam os estudantes as tarefas CVW / MV? Que conhecimentos e capacidades específicas são necessários para realizar as tarefas? O que fazem os alunos com o resultado das tarefas? Como refletem e reportam esse resultado? Como vão ser avaliados / como é que o resultado vai ser avaliado? b. Questões de organização em cada escola / instituição Quer as escolas secundárias quer os institutos de línguas das universidades se deparam com uma série de questões organizacionais quando implementam CVW ou MV. Estas questões e experiências foram documentadas, recolhidas e avaliadas durante o projeto NIFLAR, e estão totalmente relatadas no apêndice. As questões técnicas estão relatadas no parágrafo n. º 5. Antes de iniciar um projeto de CVW ou de MV, as escolas/instituições devem considerar as seguintes questões relacionadas com a sua organização interna: durante o horário de aula ou em tempo de auto-estudo? Descobrimos que organizar CVW / MV durante as horas de aula fornece aos professores maior controlo, mas dá aos alunos menos flexibilidade. Na perspetiva da autonomia dos alunos, é preferível planear as sessões em tempo de auto-estudo. na escola ou em casa? Nas nossas sessões, a maioria dos estudantes universitários realizou as tarefas em casa, enquanto os estudantes do ensino secundário realizaram as tarefas na escola. Aqui, também, observou-se um comportamento mais autónomo (tomando a iniciativa, indo além dos objetivos da tarefa, ajudando-se uns aos outros, gastando muito mais tempo (eficaz) do que o previsto) nos alunos que trabalharam em casa do que nos que o fizeram na escola. No entanto, isto pode ter sido motivado pela idade e nível de experiência dos alunos (estudantes universitários versus estudantes do secundário). na sala de aula ou numa sala de informática? Project number LLP NL-KA2-KA2MP

18 Essa escolha depende, principalmente, de fatores logísticos. Durante a primeira série de tarefas no projeto das escolas secundárias, por exemplo, as sessões decorreram na sala de informática; na segunda fase, decorreram na sala de aula. A sala de informática tinha a vantagem de oferecer mais oportunidades para se concentrarem na tarefa e de terem o apoio técnico à mão. A sala de aula tinha a vantagem de as sessões serem consideradas parte das atividades normais em sala de aula. acordo com os colegas, direção da escola e apoio técnico. disposições claras sobre funções, responsabilidades e prazos. testar bem todo o equipamento e software antes de começar as sessões. Para aumentar as hipóteses de desenvolvimento bem sucedido de um projeto baseado em CVW nas escolas secundárias, recomendamos que os organizadores do projeto a) saibam quais são as possibilidades de implementação de um projeto CVW, antes de informar a direção da escola; b) determinem os objetivos de aprendizagem do projeto CVW; c) indiquem claramente as metas e expectativas; d) documentem todos os acordos feitos com o máximo de detalhes possível; e) prevejam as possibilidades técnicas e eventuais contratempos. c. Questões de organização entre as escolas parceiras / institutos Os projetos CVW / MV normalmente desenvolvem-se entre escolas/instituições de diferentes países e culturas. Isso não diz respeito apenas aos aprendentes envolvidos nas tarefas CI, mas também a questões organizacionais entre as escolas/instituições participantes. Portanto, a partir da experiência das sessões CVW e MV do projeto NIFLAR, deverão ser tidas em conta as seguintes recomendações: como professores organizadores: conhecerem-se todos bem. Este é um desafio de comunicação intercultural também para vocês, como professores! como técnicos / administradores da rede das escolas/instituições parceiras: devem conhecer-se bem um ao outro. Este é um desafio de comunicação intercultural também para vocês, como técnicos de apoio! Esclareçam bem as funções, responsabilidades e prazos. definição dos objetivos de aprendizagem: o que se espera que todos os alunos vão aprender com as tarefas? Como devem eles aprender uns com os outros? acerto de horários e sobre como lidar com as mudanças imprevistas nos mesmos. formação de pares: de preferência os mesmos parceiros durante todas as sessões, a fim de construir um relacionamento. Só se os objetivos de aprendizagem visarem o conhecimento de diferentes parceiros, é que os pares devem ir diferindo de sessão para sessão. testar todo o equipamento técnico e ligações antes de iniciar as sessões dar aos alunos a oportunidade de se conhecerem uns aos outros online antes ou (de preferência) durante a primeira sessão de CVW/MV, por exemplo, utilizando recursos das redes sociais para a apresentação pessoal e troca de informações relacionadas com as tarefas. Project number LLP NL-KA2-KA2MP

19 5. Especificações Técnicas para o funcionamento de CVW/ MV a. Especificações para CVW (1,3) b. Especificações para MV (2,4) c. Apêndice: i. (hiperligações) manuais e tutoriais a. Especificações para CVW No projeto NIFLAR, foi utilizado o Adobe Connect para a comunicação video-web, uma vez que este software permite partilhar de forma síncrona imagens de webcam e sala de chat, bem como documentos, apresentações em PowerPoint, clipes de vídeos e hiperligações, etc. Além disso, todas as sessões podem ser gravadas para fins de avaliação e investigação. Os seguintes recursos deverão estar disponíveis e ser verificados: computadores com internet de banda larga configuração da firewall acesso ao servidor Adobe Connect webcams e auscultadores com microfone Como é evidente a CVW pode ser realizada com outro software para videoconferência síncrona, como o Skype, por exemplo. Para manuais e tutoriais sobre o uso do Adobe Connect para CVW, consulte os apêndices. b. especificações para MV No projeto NIFLAR, foram utilizados como mundos virtuais 3D para a comunicação síncrona o Second Life e OpenSim. No Second Life, o acesso foi orientado para locais específicos para a aprendizagem de línguas estrangeiras, e alguns cenários foram utilizados para outras especificações do mundo virtual. Como o Second Life é acessível apenas a adultos, criámos um ambiente OpenSim para os participantes do ensino secundário. Este ambiente era acessível apenas a membros NIFLAR. Os seguintes recursos deverão estar disponíveis e ser verificados: computadores com internet de banda larga configuração da firewall instalação de software específico para Second Life / OpenSim webcams e auscultadores com microfone Para manuais e tutoriais sobre o uso do Second Life e OpenSim para 3D MV, consulte os apêndices. c. Apêndice: Os manuais e tutoriais estão incluídos nos Deliverables/WP1/VWC manuals/ e nos Deliverables/WP2/VW manuals. Para manuais e tutoriais, veja também Project number LLP NL-KA2-KA2MP

20 Para CVW consulte os manuais em: Para MV: consulte os manuais em: consulte o guia de iniciação ao NIFLAR. Apêndice Título da tarefa Descrição sumária Vamos às compras A sessão consta de três partes construídas a partir da análise de textos, vídeos e imagens que servem de ponto de partida para a reflexão, o comentário e a troca de opiniões. Seguem-se pequenos questionários formulados a partir das ideias dos textos, dos vídeos ou das imagens para que os participantes da tarefa possam descobrir os aspectos, relativos ao tema central da tarefa, que aproximam ou afastam as suas culturas. A primeira sessão é dedicada à reflexão sobre as compras, os diferentes tipos de estabelecimentos comerciais existentes em cada um dos países e os critérios que influenciam a opção pela compra de um determinado produto. A segunda sessão é dedicada à reflexão sobre dois temas distintos: o papel da publicidade na sociedade atual e o uso mais adequado da língua, numa determinada situação comunicativa. A terceira sessão é dedicada à reflexão sobre os direitos dos consumidores na sociedade atual e os procedimentos de devolução, troca e reclamação. Grupo-alvo: Língua Nível (QECR) Participantes Instituições participantes Resultados da tarefa: Abordagens linguísticas Português Nível B1 Pre-teachers de Coimbra e aprendentes de Utrecht Universidade de Coimbra Universidade de Utrecht Após a realização da tarefa, os aprendentes serão capazes de: Produzir discursos de forma desbloqueada Enriquecer com propriedade o seu vocabulário Respeitar indicadores de produção oral (plano/ registo); Distinguir atos de fala de acordo com a situação comunicativa Respeitar indicadores de produção escrita (plano/ Project number LLP NL-KA2-KA2MP

Index of VWC Networked Interaction tasks for Portuguese

Index of VWC Networked Interaction tasks for Portuguese Networked Interaction in Foreign Language Acquisition and Research Grant Agreement Number - 2008 4467 / 001-001 NIFLAR Index of VWC Networked Interaction tasks for Portuguese Deliverable number Dissemination

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

TECHONOLOGY FOR SECOND LANGUAGE LEARNING

TECHONOLOGY FOR SECOND LANGUAGE LEARNING CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE LINGUAGEM E TECNOLOGIA Mestrado em Estudos de Linguagens TECHONOLOGY FOR SECOND LANGUAGE LEARNING CAROL A. CHAPELLE Disciplina: Ambientes

Leia mais

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS Berta Bemhaja, Elizabeth Ashall, Inês Tavares, Sara Barroca, Zara Baltazar Escola Secundária, com 3º ciclo,

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Curso em grupo DEUTSCH online (Níveis A1 e A2)

Curso em grupo DEUTSCH online (Níveis A1 e A2) Curso em grupo DEUTSCH (Níveis A1 e A2) Seite 1 Seite 2 Gruppenkurs DEUTSCH Vantagens das aulas à distância Flexibilidade Ritmo de aprendizagem individual Acompanhamento individual pelo tutor, durante

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO

ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO ROSETTA STONE LANGUAGE LEARNING SUITE PARA O SETOR PÚBLICO Garanta o sucesso da missão. Garanta o sucesso da missão. A Rosetta Stone ajuda organizações governamentais e sem fins lucrativos a capacitar

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

SPEEXX Empowering Communication

SPEEXX Empowering Communication Empowering Communication Empowering communication speexx Coach... 38 speexx Live... 38 speexx Phone... 39 speexx 1:1... 39 Encontrar a sua formação Índice do Guia 2 Índice detalhado 10 Procura por palavras-chave

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015 TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 204 / 205 SUBDOMÍNIO CC8.. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS

Leia mais

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 AULAS PREVISTAS (50 minutos) 1.- Conhecimento e utilização adequada e segura de diferentes tipos de ferramentas de comunicação,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN...

DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN... DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN... por um trabalho colaborativo e de geração de redes para o crescimento da literacia da informação 1 no contexto dos países ibero-americanos

Leia mais

Planificação da Formação Total

Planificação da Formação Total Planificação da Formação Total Mobility Coach - Introdução e Indução - Duração 5 horas Tempo: Assunto: Método: Resultado: Material: Introdução à Formação e ao Projeto Mobility Coach Apresentação-PP Os

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 03 DOCÊNCIA E TUTORIA NA EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Introdução A Educação a Distância, por meio dos inúmeros recursos didáticos e tecnológicos,

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação

Tecnologias da Informação e Comunicação SUBDOMÍNIO CC8.1. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO E AS REGRAS DE CONDUTA E DE FUNCIONAMENTO DE

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO E-Tutor: especialização pedagógica em e-learning DURAÇÃO DO CURSO 60 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO 1. VIRTUAL LEARNING CENTER

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DE ENSINO DE INGLÊS

PROGRAMA DE METODOLOGIA DE ENSINO DE INGLÊS PROGRAMA DE METODOLOGIA DE ENSINO DE INGLÊS 11ª Classe Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia de Ensino de Inglês - 11ª Classe Formação de

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização Comunicação e Colaboração Planificação da Disciplina de Planificação Semestral DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização OBJETIVOS Explorar sumariamente diferentes ferramentas e

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Estudo do processo de aquisição/ aprendizagem de uma segunda língua/ língua estrangeira, métodos e técnicas para o ensino, especialmente da habilidade de leitura. Análise de recursos didáticos.

Leia mais

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE)

LINHA DE PESQUISA E DE INTERVENÇÃO METODOLOGIAS DA APRENDIZAGEM E PRÁTICAS DE ENSINO (LIMAPE) História da profissão docente em São Paulo: as estratégias e as táticas em torno dos fazeres cotidianos dos professores primários a instrução pública paulista de 1890 a 1970 Linha de Pesquisa: LINHA DE

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Hai Hora Atividade Interativa: Uso do dicionário nas aulas de Língua Estrangeira Moderna Espanhol, na escola pública do Estado do Paraná.

Hai Hora Atividade Interativa: Uso do dicionário nas aulas de Língua Estrangeira Moderna Espanhol, na escola pública do Estado do Paraná. Hai Hora Atividade Interativa: Uso do dicionário nas aulas de Língua Estrangeira Moderna Espanhol, na escola pública do Estado do Paraná. Jaqueline Inês Koloda Moletta Resumo Este artigo visa apresentar

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Introdução ao e-learning

Introdução ao e-learning Introdução ao e-learning Francisco Restivo FEUP/IDIT fjr@fe.up.pt Guião Ser um e-aprendente competente Trabalho de casa: pensar num curso Ser um desenhador de cursos competente Trabalho de casa: desenhar

Leia mais

Elementos Centrais da Metodologia

Elementos Centrais da Metodologia Elementos Centrais da Metodologia Apostila Virtual A primeira atividade que sugerimos é a leitura da Apostila, que tem como objetivo transmitir o conceito essencial de cada conteúdo e oferecer caminhos

Leia mais

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA

PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA 11 PVANET: PRINCIPAIS FERRAMENTAS E UTILIZAÇÃO DIDÁTICA O PVANet é o ambiente virtual de aprendizagem (AVA) de uso exclusivo da UFV. Os AVAs apresentam diferenças de layout, forma de acesso, funcionamento,

Leia mais

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça

GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP. AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça GRELHA PARA A CARACTERIZAÇÃO DE RTP Entidade interlocutora: Identificação do Projecto AEBJC Associação para o Ensino Bento de Jesus Caraça Nº do projecto: 2001/EQUAL/A2/AD/139 Designação do projecto: Área

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO PARA AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM Ronei Ximenes Martins (Trabalho apresentado no II Colóquio Regional EAD Edição Internacional Outubro/2010 Juiz de Fora/MG) Introdução Um

Leia mais

Projeto de Design Instrucional

Projeto de Design Instrucional Projeto de Design Instrucional Curso: Educação Financeira Modalidade: EaD on-line o que é Design Instrucional? A ação institucional e sistemática de ensino, que envolve o planejamento, o desenvolvimento

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Introdução. a cultura científica e tecnológica.

Introdução. a cultura científica e tecnológica. Introdução A cultura científica e tecnológica é cada vez mais reconhecida como uma condição estratégica para o desenvolvimento de uma cidadania ativa, traduzindo-se numa sociedade mais qualificada e no

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

II Congresso Internacional TIC e Educação

II Congresso Internacional TIC e Educação ITIC: UM PROJETO PARA CONTRIBUIR PARA O APERFEIÇOAMENTO E EMBASAMENTO DO CORPO DE PROFESSORES DO PROGRAMA APRENDIZAGEM DO SENAC NO DOMÍNIO DA UTILIZAÇÃO DAS TIC Claudia Machado, Maria João Gomes Universidade

Leia mais

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4

História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem do Ciclo 4 História e Atividades de Aprendizagem para o Ciclo 4 de pilotagens, a iniciar em fevereiro de 2013. Instruções Histórias de Aprendizagem do Ciclo 4 Contar

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação

PLANO DE ENSINO. 1. Identificação 1. Identificação PLANO DE ENSINO Curso: A INTERNET E SUAS FERRAMENTAS Disciplina: A Internet e suas Ferramentas Período Ministrado/Semestre- Bimestre- Mês/Ano: 03 de setembro a 08 de outubro/2º Semestre

Leia mais

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood As Escolas Públicas de Norwood acolhem estudantes de diversas origens e experiências culturais. Nós estamos atualmente prestando

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: INGLÊS Código: 06 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira I, Nível

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo

1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Oficina de Formação de Professores em Empreendedorismo 2. RAZÕES JUSTIFICATIVAS DA ACÇÃO: PROBLEMA/NECESSIDADE DE FORMAÇÃO IDENTIFICADO Esta formação de professores visa

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE T.I.C. 8.º ANO DE T.I.C. 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno deve ser capaz de: - desenvolver capacidades na utilização das tecnologias de informação e comunicação que permitam uma literacia digital

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

O curso de italiano on-line: apresentação

O curso de italiano on-line: apresentação O curso de italiano on-line: apresentação Índice Porque um curso de língua on-line 1. Os cursos de língua italiana ICoNLingua 2. Como é organizado o curso 2.1. Estrutura geral do curso 2.2. Andamento e

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Prova Escrita + Oral de Inglês

Prova Escrita + Oral de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita + Oral de Inglês Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos (sem tolerância); Oral: 25 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março)

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março) Código: 345921 Escola Básica e Secundária de Melgaço Sede do Agrupamento de Escolas de Melgaço INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 10 E 11º ANOS DE ESCOLARIDADE INGLÊS (Nos termos do Despacho

Leia mais

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo GUIA DO FORMANDO Índice Enquadramento... pág. 3 Descrição do Curso... Destinatários... Objetivos de aprendizagem... Estrutura e Duração do Curso... Autor... Metodologia Pedagógica... Avaliação e Certificação...

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação 56 4 Metodologia O objetivo desse trabalho é observar o uso de textos de multimodais na sala de aula de língua inglesa, assim como a escolha do professor no uso de este ou aquele texto multimodal, de modo

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial.

Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Alcance e flexibilidade nem sempre oferecidos pelo ensino presencial. Nos programas e cursos da Educação a Distância da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (EAD/ ENSP), a formação dos profissionais

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Módulo:

Leia mais

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities

Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Online Learning communities Baseado no Seminário de Joan Thormann Creating Online Learning communities Nº 171303109 Mestrado em Ciências da educação Informática educacional Online Learning Communities.

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD!

MANUAL DO ALUNO 1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVOS 3. ACESSO AO CURSO. Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! MANUAL DO ALUNO MANUAL DO ALUNO Bem-vindo (a) ao curso de Capacitação para cursos em EAD! 1. APRESENTAÇÃO Preparado pela equipe da Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO A DISTÂNCIA SECADI/UFC AULA 02: EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TÓPICO 03: CARACTERÍSTICAS DO ENSINO A DISTÂNCIA VERSÃO TEXTUAL Antes de iniciar este curso, você deve ter refletido bastante sobre

Leia mais

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014

DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA. Curitiba - PR - Outubro de 2014 1 DOCENCIA NA EAD: REFLEXÕES SOBRE O FAZER DOCENTE DA TUTORIA Curitiba - PR - Outubro de 2014 Fabio Maia - AVM Faculdade Integrada - fabiomaia.di@gmail.com Educação Superior Teorias e Modelos Inovação

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO An 2-A Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

FORMAÇÃO TurmaMais Línguas

FORMAÇÃO TurmaMais Línguas FORMAÇÃO TurmaMais Línguas 1. Noção de Competência "Competencies are structured around demands and tasks. Fulfilling complex demands and tasks requires not only knowledge and skills but also involves strategies

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD)

A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) A IMPORTÂNCIA DA MOTIVAÇÃO NO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) PADILHA, Emanuele Coimbra; SELVERO, Caroline Mitidieri Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal de Santa Maria UFSM. E-mail: emanuelecp@hotmail.com

Leia mais

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RAINHA SANTA ISABEL BIBLIOTECA ESCOLAR Projeto Desenvolver a autonomia dos alunos para gerar conhecimento Tabela de articulação das diferentes literacias 3º Ciclo PLANO I - Competências

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Conhecer e partilhar para inovar na Educação. Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas

Conhecer e partilhar para inovar na Educação. Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas Conhecer e partilhar para inovar na Educação Boas Práticas nas Escolas Portuguesas Colégio Vasco da Gama Inácio Casinhas Missão da escola Não perdendo de vista o contexto da sociedade actual em constante

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Práticas Pedagógicas em e learning

Práticas Pedagógicas em e learning Instituto de Educação Universidade do Minho Práticas Pedagógicas em e learning Clara Pereira Coutinho ccoutinho@ie.uminho.pt Conceitos Ensino a distância/ Educação a distância/ d learning educação online

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.

Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais. Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail. Infraestrutura de EaD para apoio a cursos presenciais Prof. ª Dra. Christine da Silva Schröeder ICEAC/SEaD/FURG christine1004sch@gmail.com Perspectivas de análise: EAD e mudança Perspectivas de análise:

Leia mais