MANUAL DE BENEFÍCIOS. ABEP Associação Beneficente dos Empregados da Prodabel

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE BENEFÍCIOS. ABEP Associação Beneficente dos Empregados da Prodabel"

Transcrição

1 MANUAL DE BENEFÍCIOS ABEP Associação Beneficente dos Empregados da Prodabel

2 ÍNDICE 1. Princípios gerais da assistência prestada pela ABEP. 2. Normas gerais para concessão de reembolsos. 3. Beneficiários do plano de assistência da ABEP. 4. Empréstimo simples. 5. Empréstimo de emergência. 6. Reembolso de despesas com tratamento de saúde. 7. Auxilio com funeral do associado ou de seu dependente. 8. Auxílio natalidade. 9. Auxílio matrimônio. 10. Normas para utilização dos convênios com empresas comerciais, industriais e prestadores de serviços. 11. Casos omissos. 2

3 1 - PRINCÍPIOS GERAIS DA ASSISTÊNCIA PRESTADA PELA ABEP Todo benefício concedido pela ABEP será reembolsado de acordo com a faixa salarial do beneficiado, inclusive os seguintes serviços médicos: acupuntura, foniátricos, fonoaudiológicos e psicoterápicas. Para tais casos é dado o tratamento ou interpretação de uma consulta médica normal, cujo reembolso eqüivale a faixa salarial, conforme Normas gerais para concessão de reembolso item - 2.8, deste manual com direito a 04 (quatro) sessões mensais. O valor da consulta será estipulado pela Diretoria Executiva através de portaria A cota para reembolso de cada associado terá seu valor anual, fixado pela diretoria, quando da prévia elaboração do orçamento (receita e despesa) do ano seguinte. Seu valor máximo será o resultado da divisão da receita total prevista para o ano, pelo número de associados. ( Estatutos da ABEP Capítulo IV Seção I Art Letra g ). Exemplos: Receita anual/ número de associados = Valor da cota para o ano seguinte. R$ /400 associados = R$ 600,00 (valor da cota). Na admissão do associado, o valor da cota será proporcional ao número de meses que faltarem para completar o ano. Exemplo: Valor da cota em Junho = R$ 600,00 Data da admissão = Setembro (mês 9) O valor da cota será: valor da cota no mês de admissão, multiplicado pelo resultado de ( doze menos - mês de admissão - dividido por doze). O valor da cota será = R$ 150,00 600,00 * (12-9 ) = X ,00 * 3 = 150,

4 2 - NORMAS GERAIS PARA CONCESSÃO DE REEMBOLSOS Os reembolsos concedidos pela ABEP, incidirão sobre despesas provenientes de: - Tratamento dentário em geral e manutenção de aparelhos, (exceto implante); - Tratamento psicoterápico; - Tratamento fonoaudiológico; - Tratamento foniátrico; - Aquisição de aparelho corretivo ortopédico (bota, palmilha e outros); - Aquisição de óculos corretivo; - Aquisição de lentes de contato desde que por indicação médica; - Compra de medicamentos; * Remédios homeopáticos. * Remédios Genéricos. * Remédios alopáticos. * Produtos medicamentosos. * Remédios manipulados. (Observar os itens 2.7 e 6.3 deste manual) - Meias e cintas de gestante por indicação médica; - Vacinas com receita médica ou cartão, (desde que essas não sejam aplicadas gratuitamente em postos de saúde); - Ligadura de trompas e vasectomia; - Colocação de DIU (Dispositivo intra-uterino); - Auxílio funeral; - Auxílio natalidade; - Auxílio matrimônio. Observações * Não terão reembolso quaisquer outros itens que não constarem da relação acima. * Só se entende como dependente(s) especial(ais), aqueles que se encontram incluídos no plano de saúde da Prodabel, com declaração do serviço de pessoal da empresa arquivado na ABEP. * Os reembolsos concedidos serão deduzidos da cota anual estipulada conforme item 1.2 dos Princípios Gerais deste Manual Nos casos em que o cônjuge for também associado(a) da ABEP, os reembolsos serão concedidos individualmente, ficando a parte relativa aos filhos vinculada ao homem Cada novo associado e/ou dependentes terão sempre que cumprir um período de carência de 90 (noventa) dias, a contar da data de inscrição do titular na ABEP Os documentos comprobatórios para a concessão de reembolso, deverão conter todas as informações necessárias e indispensáveis e não devem apresentar rasuras nem obscuridade; caso contrário, perderão sua validade. Os documentos originais, comprobatórios de despesas: Receita médica (Validade 12 meses da sua emissão, ou prazo determinado); Orçamento e perícia odontológica, conforme ítem 6.4; 4

5 Vacinas com receita médica ou cópia do cartão de vacina, conforme ítem 6.1; Recibo de psicólogo, deverá indicar o número de sessões, conforme ítem 6.2; Recibo, notas e cupons fiscais, somente terão validade até 60 (sessenta) dias após a data de sua emissão; As solicitações de reembolso serão recebidas na ABEP até o dia 03 (três) para a folha de pagamento no mesmo mês, sendo que após esta data, somente para a folha do mês seguinte. OBS: Quando o dia 03 (três), for aos finais de semanas ou feriados, será aceito até o primeiro dia útil após, ficando esta data sujeita a alteração mediante comunicação escrita Caso o associado e/ou dependentes tenham algum problema que os impeçam de comparecer à(s) consulta(s), no dia e horário(s) marcados, contactar seu dentista ou psicólogo, avisando-o com um mínimo de 03 (três) horas de antecedência; caso contrário, a consulta ser-lhe-á cobrada integralmente. 2.7 Para reembolso de produtos de consumo, receitados como medicamentos, deverão ter, além da receita, a declaração médica sobre a sua necessidade na condição de suplemento medicinal. (Exemplos: Filtro solar, leite nan, creme dental, hidratante, shampoo, etc...) O percentual de reembolso será concedido em função do salário contratual do associado, assim definido: -50% para associados que recebem acima de 01 (um) até 04 (quatro) salários mínimos; -40% para associados que recebem acima de 04 (quatro) até 06 (seis) salários mínimos; -30% para associados que recebem acima de 06 (seis) salários mínimos. (EM FASE DE DESINDEXAÇÃO) Em Dezembro não haverá concessão de reembolsos. 3 - BENEFICIÁRIOS DO PLANO DE ASSISTÊNCIA DA ABEP São beneficiários do plano de assistência da ABEP, todos os associados e seus dependentes de acordo com o artigo 26 do Estatuto da ABEP. Serão considerados dependentes dos associados, mediante obrigatória comprovação de dependência: a) A(o) esposa(o), comprovado pelo fornecimento de cópia da certidão de casamento; b) A(o) companheira(o) desde que tenha mais de 05 (cinco) anos de vida em comum com o associado, comprovado judicialmente, ou a qualquer tempo, desde que possuam filhos em comum, comprovado com cópia da certidão de nascimento, ou pelo fornecimento de cópia da declaração firmada pela Prodabel, comprovando inscrição no plano de saúde; c) Os filhos do associado, menores de 21 (vinte e um) anos, desde que solteiros, comprovado pelo fornecimento de cópia da certidão de nascimento; 5

6 d) Os enteados, observadas as mesmas condições previstas para os filhos do associado, com cópia de comprovante judicial e/ou declaração de inscrição no plano de saúde fornecida pela Prodabel; e) Os que, por determinação judicial, se encontrarem sob a guarda do associado, com cópia de comprovante judicial e/ou declaração de inscrição no plano de saúde fornecida pela Prodabel; f) Os tutelados do associado, desde que não possuam meios suficientes para seu sustento e educação, devidamente comprovado, com cópia de comprovante judicial e/ou declaração de inscrição no plano de saúde fornecida pela Prodabel; g) Os filhos do associado, maiores de 21 (vinte e um) anos, desde que portadores de invalidez permanente física e ou mental, com cópia de atestado médico competente e inerente; ou declaração de inscrição no plano de saúde pela Prodabel; h) A mãe ou pai do associado solteiro, desde que inválido (a) e que não possuam renda própria ou tenham renda inferior a 2 (dois) salários mínimos, com declaração de inscrição no plano de saúde fornecido pela Prodabel; i) Os filhos do associado, maiores de 21 (vinte e um) anos e até 24 (vinte e quatro) anos, desde que não possuam renda própria e estejam matriculados em qualquer escola de 3.grau, comprovante (xerox autenticado) de matrícula no período letivo vigente, e declaração do responsável atestando residir em sua companhia e não possuir renda própria O direito dos dependentes é acessório ao do beneficiário titular (associado), de forma que, extinta a relação entre este e a associação, extingue-se também, automaticamente, o direito daqueles, qualquer que seja o tempo de inclusão. 4. EMPRÉSTIMO SIMPLES Informações Gerais: A sua concessão visa facilitar ao associado, obter empréstimo a juros especiais. A sua liberação fica condicionada à apresentação dos documentos necessários e a disponibilidade de recursos. Esse benefício não será concedido, durante o período de quitação de empréstimos pré existentes. O valor máximo do empréstimo e juros cobrados, serão fixados a critério da Diretoria Executiva, e poderão ser revistos a qualquer tempo. O empréstimo será dividido em parcelas iguais, mensais e consecutivas de valor unitário até 20% do salário contratual, descontadas em folha de pagamento ou débito em conta bancária do tomador. 6

7 Para sua concessão, deverão ser observadas as seguintes condições: 4.1- O associado deverá estar contribuindo regularmente para ABEP há mais de 3 (três) meses; 4.2- Não ter nenhum financiamento em vigor junto a Associação no ato do pedido; 4.3- O associado não poderá ter deixado de honrar qualquer compromisso financeiro com a ABEP; 4.4- Preencher formulário de SOLICITAÇÃO DE EMPRÉSTIMO, sem rasuras; 4.5- Quitação total de débitos existentes com a ABEP, dedutíveis do valor a ser concedido; 4.6- Pagamento de títulos (promissórias, duplicatas e outros), ainda que sob execução judicial, casamento, separação judicial, roubos, mandatos de despejo, despesas com advogados, viagens e semelhantes, pagamento de aluguel e de imóvel do sistema habitacional Refinanciamentos serão objeto de estudo pela diretoria, desde que o compromisso em vigor esteja, pelo menos 50% (Cinqüenta por cento) quitado. 5. EMPRÉSTIMO DE EMERGÊNCIA. 5.1-Para sua concessão, deverão ser observadas as seguintes instruções: * Poderá ser concedido em qualquer época do ano para atendimento a despesas de natureza imprevisíveis, como: * Falecimento de dependentes do associado; * Internação hospitalar para tratamento de caráter imprevisto, do associado ou de seu(s) dependente(s); * Catástrofes que atinjam o domicílio do associado, tais como: incêndios, inundações, desmoronamentos, etc Ao solicitar o empréstimo de emergência, o associado apresentará a justificativa no campo próprio do impresso destinado a esta finalidade, juntando os respectivos comprovantes, inclusive rendimento mensal. Caso não tenha os comprovantes ao efetuar o pedido, o associado terá um prazo de 05 (cinco) dias para apresentá-los, sob pena de cancelamento da solicitação O associado indicará o valor do empréstimo observando o limite correspondente ao salário do próprio solicitante e um teto máximo de uma cota de reembolso O empréstimo será pago mediante desconto em folha de pagamento em até 04 (quatro) parcelas mensais e consecutivas, de acordo com a margem consignável, a partir do mês seguinte ao da liberação do empréstimo Despesas pelo: falecimento de pais e irmãos, despesas hospitalares ou medicamentos com os mesmos e outros parentes, não justificam o empréstimo de emergência, sendo casos estudáveis para empréstimos simples. 7

8 6- REEMBOLSO DE DESPESAS COM TRATAMENTO DE SAÚDE Para sua concessão, deverão ser observadas as seguintes condições: 6.1- Despesas médicas. Assistências como: Vacinas, Ligadura de trompas, vasectomia e colocação de DIU (Dispositivo intra-uterino); terão reembolso em percentual correspondente a faixa salarial, conforme Normas gerais para concessão de reembolsos item 2.8, deste manual. Documentação necessária: - Solicitação de reembolso preenchida e assinada pelo associado; - Recibo, notas ou cupons fiscais contendo CPF e CRM do médico ou CNPJ da Clínica, indicando o atendimento prestado, nome do atendido, carimbo e assinatura do profissional, valor pago por extenso e data de emissão; - Para vacina terá que apresentar receita médica ou cópia do cartão de vacina Despesas com tratamento psicoterápico, foniátrico e fonoaudiológico serão reembolsadas de acordo com os valores estabelecidos no item 1.1, deste manual. Documentação necessária: - Solicitação de reembolso preenchida e assinada pelo associado; - Recibo, notas ou cupons fiscais contendo CRM ou CRP do profissional, discriminando o número de sessões psicoterápicas e/ou o tipo de tratamento prestado ao associado com carimbo correspondente. - Somente serão reembolsadas 4 (quatro) sessões por mês Despesas com aquisição de óculos, lentes de contato, aparelhos corretivos, medicamentos e meias de compressão (receita médica): Serão reembolsadas em percentual correspondente a faixa salarial, conforme Normas gerais para concessão de reembolsos item 2.8, deste manual. Documentação necessária: Aquisição de óculos e/ou lentes de contato: Compras fora do convênio - solicitação de reembolso preenchida e assinada pelo associado, recibo, notas ou cupons fiscais da ótica indicando o óculos comprado, contendo CNPJ, endereço, inscrição municipal e estadual, receita do óculos contendo CRM e CPF do profissional, bem como carimbo correspondente. Compras em conveniados fazer orçamento e juntamente com a receita apresentar na ABEP para aprovação. Orçamento da ótica indicando o óculos comprado, contendo CNPJ, endereço, inscrição municipal e estadual, valor do produto; Na receita do óculos contendo CRM e CPF do profissional, bem como carimbo correspondente. OBS: O limite para reembolso de ótica será 9,87 ( nove unidades e oitenta e sete milésimos por cento) vezes o maior valor de contribuição individual (M.V.C.I). Exemplo: M.V.C.I = 30,20 Índice: 9,87 Cálculo: 9,87 x 30,20 = R$298,00 8

9 Aparelhos corretivos e meias de compressão: solicitação de reembolso preenchida e assinada pelo associado, recibo, notas ou cupons fiscais da empresa vendedora, indicando o produto comprado, contendo CNPJ, endereço, inscrição municipal e estadual, receita ou relatório do médico contendo CRM e CPF do profissional, bem como carimbo correspondente. É necessário a discriminação dos produtos e aparelhos ortopédicos. Medicamentos: solicitação de reembolso preenchida e assinada pelo associado, recibo, notas ou cupons fiscais da drogaria contendo CNPJ, indicando os medicamentos comprados. É necessário a discriminação dos medicamentos, com seus respectivos preços e quantidades na nota fiscal. No caso de medicamento manipulado, a receita e a nota fiscal deverão discriminar a fórmula do remédio, quantidades e nomes do componentes. Em se tratando de receituário de medicamentos genéricos, a nota fiscal deverá ser emitida com nome do genérico. Caso contrário, o associado deverá juntar ao pedido, a bula do medicamento com nome fantasia ou comercial, na qual conste a presença do agente ativo; - Receita contendo CRM e CPF do profissional, bem como carimbo correspondente. Nos casos de medicação de uso constante, a receita terá validade para aquisição dos medicamentos durante um ano, contado a partir da data de sua emissão. Vencido o prazo de validade, deverá ser fornecida nova receita. No documento deverá estar expresso: uso constante ; - Recibo, notas ou cupons fiscais de compra contendo CNPJ da loja, com discriminação dos itens adquiridos. Observações: * As compras poderão ou não serem efetuadas em conveniados com a ABEP. * Quando o medicamento for de uso constante ou por tempo indeterminado, deve-se solicitar ao médico que escreva esta especificidade na receita Despesas com tratamento dentário e manutenção de aparelho. Reembolso em percentual correspondente a faixa salarial, conforme Normas Gerais para Concessão de Reembolsos item 2.8, deste manual. Documentação necessária: - Solicitação de reembolso preenchida e assinada pelo associado; - Recibo, notas ou cupons fiscais contendo CPF, CRO, carimbo e assinatura do profissional; - Discriminação dos serviços prestados, nome do atendido, valor de cada serviço e data de emissão; - Orçamento original do profissional; - Perícia inicial e final, feita e assinada pelos peritos contratados pela ABEP. Observações Em se tratando dos convênios existentes entre ABEP e diversos dentistas, o procedimento a ser adotado é o seguinte: * Fazer orçamento e realizar perícia inicial; * Após término do serviço, realizar perícia final; Para reembolso: Apresentar na Associação: Orçamento, perícia final e recibo de pagamento; será efetuado lançamento de crédito em folha de pagamento, referente ao percentual de reembolso ao qual o associado tem direito, dentro do limite de sua cota; 9

10 Para adiantamento apresentar na Associação: Orçamento, perícia final; será efetuado lançamento de crédito em folha de pagamento, referente ao percentual de reembolso ao qual o associado tem direito, dentro do limite de sua cota; * Neste caso, o associado terá um prazo de 15 (quinze) dias corridos após o término do tratamento para realizar e apresentar na ABEP a perícia final. * O associado assinará um documento comprometendo-se a pagar ao profissional e retornar com o recibo à ABEP. 7- AUXÍLIO COM FUNERAL DO ASSOCIADO OU DE SEU DEPENDENTE. Reembolso em percentual correspondente a faixa salarial, conforme Normas gerais para concessão de reembolsos item 2.8, deste manual, calculado sobre o valor do serviço básico fixado no parágrafo 2º da clausula 3ª do contrato firmado com a empresa conveniada referente a funeral do associado e ou seus dependentes inscritos na ABEP. Documentação necessária: - Solicitação de reembolso preenchida e assinada pelo associado; - Recibo, notas ou cupons fiscais em nome do associado, discriminando as despesas; - Em caso de morte do associado, a solicitação será assinada pela pessoa da família, parente em 1º grau e que tenha custeado o funeral (Os documentos deverão estar em nome do parente que custeou). 8. AUXÍLIO NATALIDADE Informações Gerais: Esse benefício, tem como objetivo auxiliar à gestante ou mãe, nas despesas oriundas da maternidade tais como: locomoção, compra de roupas e acessórios para o bebê e pequenos gastos imprevistos. Seu valor é estipulado em 26% (Vinte e seis por cento) do valor da cota, vigente à época do nascimento da criança. Para a concessão, devem ser observadas as seguintes instruções: * Ser associada ou ser esposa do associado, e estar contribuindo regularmente para ABEP há mais de 90 (noventa) dias; * Ter em mãos certidão de registro da criança ou, se gestante, laudo médico comprovando estar no 8 mês de gravidez; * Preencher o formulário SOLICITAÇÃO DE REEMBOLSO, que se encontra disponível na ABEP; * O (a) associado (a), terá o prazo de 90 (noventa) dias contados após a data do nascimento da criança, para solicitar o benefício, constatada pela certidão de nascimento ou laudo médico, sob pena de caducidade do direito. 9. AUXÍLIO MATRIMÔNIO Informações Gerais: Tem seu valor estipulado em 26% (Vinte e seis por cento) do valor da cota vigente na data do casamento. Para a concessão, deverão ser observadas as seguintes instruções: 10

11 * Ser associado (a) e estar contribuindo regularmente para a ABEP há mais de 90 (noventa) dias; * Preencher o formulário SOLICITAÇÃO DE REEMBOLSO, que se encontra disponível na ABEP; * Xerox da certidão de casamento. * O associado (a), terá o prazo de 90 (noventa) dias para solicitar o benefício, contados a partir da data do casamento, fixada na certidão do casamento civil, sob pena de caducidade do direito. 11

12 10. NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DE CONVÊNIOS 10.1 Convênios são parcerias contratadas pela ABEP, visando facilitar aos associados, aquisição de bens e serviços, a preços compatíveis, para pagamento à vista ou parcelados, com desconto em débito em conta As compras serão feitas mediante apresentação do cartão UNIK e identidade do associado Deverá ser observado pelo comprador, o limite de 20% ( vinte por cento) do seu salário para o total de suas compras e prestação de empréstimos no mês ( débito em conta Banco do Brasil S/A A não observância do exposto no item anterior (10.3), implicará na transferência do excesso para quitação fora da folha, pessoalmente junto a ABEP. Caso este procedimento não for observado, o saldo devedor será transferido para desconto na folha do mês seguinte, computando-se juros mensais à taxa fixada pela Diretoria, sobre o saldo devedor Na hipótese do associado valer-se da prerrogativa estipulada no item anterior (10.4) e persistir nas compras em valores superiores aos limites citados, ficará impedido de utilizar os convênios até a quitação total do débito, com a devida atualização monetária, à taxa fixada pela Diretoria. A liberação para utilização dos convênios não será automática. Dependerá de prévia autorização da Diretoria da ABEP. 11. CASOS OMISSOS Os casos omissos neste regulamento, serão objeto de estudo da Diretoria Executiva da ABEP. OBS: Qualquer alteração, modificação e/ou inclusão neste manual, só poderá ser feito depois de autorizado, em conjunto pela Diretoria Executiva e Conselho Deliberativo, mediante decisão lavrada em ata de reunião convocada para esta finalidade. 12

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E

POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO OUTUBRO D E POLÍÍTIICA DE CRÉDIITO E DE EMPRÉSTIIMO OUTUBRO D E 2 0 0 9 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO DOS FUNCIONÁRIOS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - COOPERFEB POLÍTICA DE CRÉDITO E DE EMPRÉSTIMO

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul DECRETO Nº 12.507, DE 17 DE OUTUBRO DE 2005. Altera dispositivos do Decreto nº. 4.067, de 15 de setembro de 1976 do Instituto de Previdência e Assistência Municipal (IPAM) e dá outras providências. JOSÉ

Leia mais

VERSÃO 2013 (*) Para facilitar o entendimento do contido neste Regulamento Interno, fica definido que:

VERSÃO 2013 (*) Para facilitar o entendimento do contido neste Regulamento Interno, fica definido que: REGULAMENTO INTERNO DO PLANO DE SAÚDE DA PATROCINADORA SERCOMTEL S.A. - TELECOMUNICAÇÕES, ADMINISTRADO PELA SUPRE (autorização pelo OFÍCIO Nº. 3141/SPC/COJ, DE 31/10/2000) 1. Da Finalidade VERSÃO 2013

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL RESIDENCIAL Nota: Os documentos abaixo relacionados deverão ser apresentados na forma original ou por cópia autenticada em cartório. DOCUMENTOS DO COMPRADOR

Leia mais

TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO 93,75 16,29

TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO 93,75 16,29 TABELA DE CUSTOS ODONTOLÓGICO ODONTOLÓGICO PME + SAÚDE PME (NOVOS CLIENTES) ODONTOLÓGICO PME - CONTRATANDO SOMENTE O PLANO ODONTOLÓGICO 14,81 23,05 43,92 93,75 16,29 25,35 48,31 103,13 Saúde PME: O Valor

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz em 18 e 25/01/13 (Ata da 401ª e 403ª reunião). Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/03/2013. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ CAPÍTULO I

Leia mais

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal 2 Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Índice CAPÍTULO I DA FINALIDADE... 4 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES ELEGÍVEIS... 4 CAPÍTULO III DOS LIMITES

Leia mais

3 Benefícios. 3.1 Plano de Saúde

3 Benefícios. 3.1 Plano de Saúde 3 Benefícios O Processo de Benefícios atua como agente visando minimizar as situações problemas existentes na relação homem-trabalho, através de orientações e esclarecimentos aos empregados sobre os benefícios

Leia mais

Regulamento de Empréstimo

Regulamento de Empréstimo Regulamento $ de Empréstimo Para participantes do Plano Complementar de Benefícios Previdenciais - Plano BD $ Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

CIRCULAR Nº 110 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO CIRCULAR Nº 110 Regulamenta a Concessão e Manutenção de Empréstimos a Participantes e Assistidos da Fundação Banestes de Seguridade Social BANESES. 1. DA MODALIDADE E ENCARGOS FINANCEIROS DO EMPRÉSTIMO

Leia mais

RO Roteiro Operacional. Prefeitura de Campinas - SP Área responsável: Gerência de Produtos Consignados

RO Roteiro Operacional. Prefeitura de Campinas - SP Área responsável: Gerência de Produtos Consignados RO Roteiro Operacional Pref. Campinas - SP RO.05.145 Versão: 01 Excluso para Uso Interno Prefeitura de Campinas - SP Área responsável: Gerência de Produtos Consignados 1. PÚBLICO ALVO E REGRAS BÁSICAS

Leia mais

BENEFICIOS CONCEDIDOS PELA CODEVASF. Junho / 2010

BENEFICIOS CONCEDIDOS PELA CODEVASF. Junho / 2010 Ministério da Integração Nacional - M I Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba - CODEVASF Área de Gestão Administrativa e Suporte Logístico - AA Gerência de Gestão de Pessoas

Leia mais

RO Roteiro Operacional Marinha do Brasil Área responsável: Gerência de Produtos Consignados

RO Roteiro Operacional Marinha do Brasil Área responsável: Gerência de Produtos Consignados MARINHA DO BRASIL RO. 03.03 Versão: 38 Exclusivo para Uso Interno RO Roteiro Operacional Marinha do Brasil Área responsável: Gerência de Produtos Consignados 1. PÚBLICO ALVO E REGRAS BÁSICAS Categorias

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

3) RELAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA DE TODOS OS MEMBROS DA FAMÍLIA:

3) RELAÇÃO DA DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA DE TODOS OS MEMBROS DA FAMÍLIA: 1) DA CONCESSÃO: a) Para a CONCESSÃO da Bolsa de Estudo Social será considerado como grupo familiar, além do próprio candidato, o conjunto de pessoas residindo na mesma moradia do candidato; b) O candidato

Leia mais

FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO

FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO FUNDO DE RESERVA UNIMED/ADUFG SINDICATO Regulamento do Fundo de Reserva Unimed/ADUFG Sindicato Aprovado em assembleia geral dos usuários do Convênio ADUFG SINDICATO/UNIMED realizada em 16 de novembro de

Leia mais

2. DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Art. 2º A solicitação de empréstimo será efetuada mediante preenchimento de formulário fornecido pelo AGROS.

2. DAS DISPOSIÇÕES COMUNS Art. 2º A solicitação de empréstimo será efetuada mediante preenchimento de formulário fornecido pelo AGROS. NORMAS PARA HABILITAÇÃO, CONCESSÃO E ADMINISTRAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1. INTRODUÇÃO Art. 1º Estas Normas disciplinam as condições para concessão, manutenção e amortização de Empréstimos Simples, Saúde e Emergência

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, critérios e normas de concessão de Empréstimo Pessoal aos participantes da PREVICEL Previdência Privada da CELEPAR, obedecendo as disposições legais vigentes sobre

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz na 330ª reunião de 14/09/2011 e na 331ª reunião de 23/09/2011. Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/10/2011. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

Leia mais

$ $ Guia de Empréstimos. Fachesf

$ $ Guia de Empréstimos. Fachesf Guia de Empréstimos Fachesf Sobre os empréstimos da Fachesf Quais as modalidades de empréstimos que a Fachesf oferece? Empréstimo Pós-Fixado (sem comprovação) Empréstimo Educação (com comprovação) Empréstimo

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. - FINALIDADE Este Regulamento dispõe sobre a concessão de empréstimo pessoal pela Fundação de Previdência do Instituto Emater - FAPA, ao participante ativo, assistido,

Leia mais

1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? 3. Como funciona o parcelamento?

1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? 3. Como funciona o parcelamento? 1. Qual o limite de idade para o empréstimo pessoal? De 18 anos a 90 anos, 11 meses e 29 dias. 2. Qual é o valor mínimo e máximo do empréstimo? Mínimo: R$ 200,00 Máximo: R$ 10.000,00 3. Como funciona o

Leia mais

O QUE É O FIES? divulgação dos resultados e entrevistas são realizadas pela Internet. Os pagamentos ocorrerão em três etapas: Fase de utilização:

O QUE É O FIES? divulgação dos resultados e entrevistas são realizadas pela Internet. Os pagamentos ocorrerão em três etapas: Fase de utilização: O QUE É O FIES? O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Ministério da Educação (MEC) destinado à concessão de financiamento a estudantes matriculados em cursos superiores não gratuitos

Leia mais

SETOR DE ATENDIMENTO AO ALUNO S.A.A. PROGRAMA INTERNO DE BOLSAS DE ESTUDO CARÊNCIA. REGULAMENTO TÍTULO I DOS FINS DA BOLSA

SETOR DE ATENDIMENTO AO ALUNO S.A.A. PROGRAMA INTERNO DE BOLSAS DE ESTUDO CARÊNCIA. REGULAMENTO TÍTULO I DOS FINS DA BOLSA SETOR DE ATENDIMENTO AO ALUNO S.A.A. PROGRAMA INTERNO DE BOLSAS DE ESTUDO CARÊNCIA. REGULAMENTO TÍTULO I DOS FINS DA BOLSA O Conselho Universitário da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE, regulamenta

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS

CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS REGULAMENTO DO PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS Art.1º- O GBOEX Grêmio Beneficente, doravante denominado Entidade de Previdência Privada Aberta, institui

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria Nº 509, de 27

Leia mais

CAIXA DE AUXÍLIO FINANCEIRO DOS EMPREGADOS DA CELG CACELG REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO 1 DA ADMISSÃO E DESLIGAMENTO DOS SÓCIOS

CAIXA DE AUXÍLIO FINANCEIRO DOS EMPREGADOS DA CELG CACELG REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO 1 DA ADMISSÃO E DESLIGAMENTO DOS SÓCIOS CAIXA DE AUXÍLIO FINANCEIRO DOS EMPREGADOS DA CELG CACELG REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO 1 DA ADMISSÃO E DESLIGAMENTO DOS SÓCIOS Art. 1 - Todo empregado ativo inclusive diretores e assessores que ocupem cargo

Leia mais

GBOEX Grêmio Beneficente PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO

GBOEX Grêmio Beneficente PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO Fl. 1 / 16 GBOEX Grêmio Beneficente PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO CAPÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS Art.1º- O GBOEX Grêmio Beneficente, doravante denominado Entidade de Previdência

Leia mais

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná DECRETO N 526 DE 30 DE MAIO DE 2011 SÚMULA: Dispõe sobre a concessão de licença para tratamento de saúde do servidor e para o acompanhamento

Leia mais

Prev Jovem Bradesco PGBL V 40/30 PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO CAPÍTULO I - DAS CARACTERÍSTICAS

Prev Jovem Bradesco PGBL V 40/30 PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO CAPÍTULO I - DAS CARACTERÍSTICAS Prev Jovem Bradesco PGBL V 40/30 PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL INDIVIDUAL REGULAMENTO CAPÍTULO I - DAS CARACTERÍSTICAS Art.1º- A BRADESCO PREVIDÊNCIA E SEGUROS S.A., doravante denominada Entidade

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

EDITAL - BOLSA DE ESTUDO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR

EDITAL - BOLSA DE ESTUDO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR EDITAL - BOLSA DE ESTUDO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR Inscrições disponíveis no site da Prefeitura Municipal de Joinville Entrega de formulário preenchido e documentação exigida: Servidores Lotados nas demais

Leia mais

SUPER CLIENTE SHOPPING DA BAHIA REGULAMENTO

SUPER CLIENTE SHOPPING DA BAHIA REGULAMENTO SUPER CLIENTE SHOPPING DA BAHIA REGULAMENTO 1. Cadastramento no Programa 1.1 O Super Cliente Shopping da Bahia é um programa que objetiva oferecer benefícios e vantagens aos seus participantes, clientes

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Regulamento de Empréstimos Plano CV- 03 1/6 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO: ASSUNTO: GESTOR: ELABORADOR: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CMN nº 3456/2007 PO-GEREL-002_Solicitação de Empréstimo Estabelece as regras para

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 9 - Regulamentos Política de Empréstimos 9.1 Condições para associação O Funcionário, na sua admissão na empresa, assina a Proposta de Admissão e Depósito na Cooperativa, se for de seu interesse, sendo

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 10/2015 BOLSA DE ESTUDO

PROCESSO SELETIVO 10/2015 BOLSA DE ESTUDO PROCESSO SELETIVO 10/2015 BOLSA DE ESTUDO 1.0 - O Diretor Geral das Faculdades Adamantinenses Integradas torna público para conhecimento dos interessados, que estarão abertas, no período de 25 de março

Leia mais

RELAÇÃO DOS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS

RELAÇÃO DOS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS RELAÇÃO DOS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS 1. BOLSA FAMÍLIA 2. BOLSA EX-ALUNO 3. BOLSA FUNDAÇÃO 4. BOLSA P.B.H. 5. BOLSA SAAE 6. BOLSA SINPRO 7. BOLSA MEDALHA 8. BOLSA CONVENIO 9. DESCONTO ALUNOS MESMA EMPRESA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO DIREÇÃO DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS DACE REITORIA EDITAL DO AUXÍLIO-MORADIA 2014.2 Chamada para seleção de estudantes de graduação, candidatos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO TÍTULO I DOS ASSOCIADOS Art.1º. Os associados distribuem-se pelas seguintes categorias: I - fundadores:

Leia mais

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987 1 06/01/1988. CIRCULAR Nº 1.214 Documento normativo revogado pela Circular 1278, de 05/01/1988, a partir de Às Sociedades de Crédito Imobiliário, Associações de Poupança e Empréstimo e Caixas Econômicas

Leia mais

TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 23/2004. Considerando o que consta do processo TRT nº 9791/2004, e

TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 23/2004. Considerando o que consta do processo TRT nº 9791/2004, e TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 23/2004 O PLENO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO, na sessão administrativa realizada nesta data, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Edital de Credenciamento 003/2012

Edital de Credenciamento 003/2012 1/5 Edital de Credenciamento 003/2012 1 DO OBJETO: 1.1. O presente Termo tem por objetivo o credenciamento de Instituições Financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, para prestação

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

FIES. O que é o FIES? Quem pode solicitar o FIES? É exigido o ENEM para o FIES?

FIES. O que é o FIES? Quem pode solicitar o FIES? É exigido o ENEM para o FIES? FIES O que é o FIES? O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação na educação superior de estudantes matriculados em instituições

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO E MÍNIMO... 5 6. PRAZOS... 5 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 7 9. CONDIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples.

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. 2 CONCESSÃO 2.1 O empréstimo simples poderá ser concedido exclusivamente

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça TABELA DE ODONTOLOGIA DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA INSTRUÇÕES DE FATURAMENTO 1. Deverão ser faturados ao STJ somente os tratamentos concluídos. 2. Quando a(s) perícia(s) for(em) obrigatória(s) para

Leia mais

Este Contrato contém 5 (cinco) páginas que deverão ser lidas e preenchidas nos itens abaixo relacionados.

Este Contrato contém 5 (cinco) páginas que deverão ser lidas e preenchidas nos itens abaixo relacionados. INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO E ENVIO DO CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO ELETRÔNICO Este Contrato contém 5 (cinco) páginas que deverão ser lidas e preenchidas nos itens abaixo relacionados. página 1/5 -

Leia mais

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição Manual de Reembolso 2ª edição Você sabia que quando não utiliza os serviços da rede credenciada do Agros, seja por estar fora da área de cobertura do plano de saúde ou por opção, pode solicitar o reembolso

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo 1 CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, tendo em vista o disposto no i- tem XXIII

Leia mais

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.br

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.br Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.br EDITAL nº 001/2014 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSAS DE ESTUDOS O Pe. Eduardo

Leia mais

PASEP. Conceito. São participantes do PASEP todos os servidores em atividade, civis e militares, cadastrados no Programa.

PASEP. Conceito. São participantes do PASEP todos os servidores em atividade, civis e militares, cadastrados no Programa. PASEP Conceito O Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público PASEP é um programa criado pelo Governo Federal em 1970 para propiciar aos servidores públicos civis e militares a participação na

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO.

E, matrícula, inscrito no CPF sob o n.º doravante denominado MUTUÁRIO. CONTRATO DE MÚTUO, EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE NOVO CREDINÂMICO FUNCEF VARIÁVEL QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: A FUNDAÇÃO

Leia mais

3 Há alguma carência na adaptação de contrato, ou seja, quando o beneficiário já possui um plano?

3 Há alguma carência na adaptação de contrato, ou seja, quando o beneficiário já possui um plano? Navegue pelas perguntas mais frequentes respondidas pelo Santa Casa Saúde. Se sua dúvida não estiver nesta página ou as respostas não forem esclarecedoras, procure orientações no site através do link Atendimento,

Leia mais

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem:

O mútuo, objeto deste contrato, será concedido conforme condições que se seguem: SÃO PARTES DESTE CONTRATO: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO FUNCEF NA MODALIDADE DE CREDINÂMICO FUNCEF 13º SALÁRIO QUE ENTRE SI FAZEM AS PARTES ABAIXO IDENTIFICADAS, NAS CONDIÇÕES QUE SE SEGUEM: A FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS

Leia mais

REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004

REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004 REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004 Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Previdência

Leia mais

SAÚDE PAS MEDICINA & ODONTO Manual do Usuário

SAÚDE PAS MEDICINA & ODONTO Manual do Usuário 1. GARANTIAS E VANTAGENS O SAÚDE PAS Medicina & Odonto é um Plano de Saúde direcionado exclusivamente aos servidores públicos estaduais, que opera em regime de autogestão, sem fins lucrativos e sob a filosofia

Leia mais

O Responsável pelo candidato será notificado por e-mail, assim que a Instituição confirmar o recebimento da taxa.

O Responsável pelo candidato será notificado por e-mail, assim que a Instituição confirmar o recebimento da taxa. PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS COM IRMÃOS ATUALMENTE MATRICULADOS NO COLÉGIO E FILHOS DE MEMBROS DO CORPO DOCENTE DA INSTITUIÇÃO PARA O ANO LETIVO DE 2016 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL AO 3º ANO DO

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 4 6. PRAZOS... 4 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 5 8. GARANTIAS... 5 9. CONDIÇÕES GERAIS...

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO UO DOS FUNCIONARIOS DO SISTEMA FIERGS- CRESUL Travessa Francisco de Leonardo Truda, 40 sala 143 14 andar Porto Alegre-RS CEP 90010-050 Fone (0**51) 3224-3280 Fax:

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 09/2015 BOLSA DE ESTUDO

PROCESSO SELETIVO 09/2015 BOLSA DE ESTUDO PROCESSO SELETIVO 09/2015 BOLSA DE ESTUDO 1.0 - O Diretor Geral das Faculdades Adamantinenses Integradas torna público para conhecimento dos interessados, que estarão abertas, no período de 25 de março

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001900/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031733/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004900/2013-65 DATA DO PROTOCOLO: 09/08/2013 ACORDO COLETIVO

Leia mais

Seguro de Vida em Grupo

Seguro de Vida em Grupo Seguro de Vida em Grupo 01 Objetivo Visa garantir a continuidade econômica da família na falta do titular ou cônjuge e principalmente após a aposentadoria beneficiar o segurado em vida, nos casos de invalidez

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO:

PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: PLANO DE BENEFÍCIOS CARRO RESERVA 1.0 DO OBJETIVO DO PLANO: 1.1 A destinação deste plano de benefício é disponibilizar, ora contratado, diárias de veículo econômico com ar para as pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO COM CRÉDITO PRÉ-APROVADO PÁGINA 1/7 CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Dados do Contratante Nome: CPF: - Carteira de Identidade: Órgão: Matrícula: - Endereço: Bairro: Cidade: UF: CEP: - Estado Civil: Profissão: Empresa: Lotação: Banco: Agência:

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS

REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS Versão aprovada na 2ª reunião do Conselho Deliberativo da Cemig Saúde em 22.10.2010. Em vigor a partir de 01.10.2010. Alterada na 10ª reunião

Leia mais

ANEXO II PECÚLIO TAXA MÉDIA - VERSÃO 02

ANEXO II PECÚLIO TAXA MÉDIA - VERSÃO 02 ANEXO II PECÚLIO TAXA MÉDIA - VERSÃO 02 REGULAMENTO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE TAXA MÉDIA Processo SUSEP 001-10931/79 GBOEX GRÊMIO BENEFICENTE CNPJ Nº 92.872.1000-0001-26 Associados que ingressaram

Leia mais

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços TITULO I DEFINIÇÕES GERAIS DOS BENEFICIOS E SERVIÇOS CAPITULO I DA FINALIDADE Art.1. Este plano tem por finalidade estabelecer os benefícios e serviços da ABEPOM, bem como regulamentar os critérios, limites

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS PASEP - PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO 1 CONCEITO O Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PASEP foi criado pelo Governo Federal

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE ATO DELIBERATIVO Nº 56, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a assistência odontológica indireta aos beneficiários do Programa

Leia mais

PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE

PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE PROGRA M A DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PAS/SERPRO MANUAL DO USUÁRIO IMPORTANTE O PAS/SERPRO em Convênio de Reciprocidade com a CASSI foi criado de maneira a possibilitar o acesso de todos os empregados e seus

Leia mais

SEÇÃO III- DO PAGAMENTO DO PECÚLIO SIMPLES Art.10 - O pagamento do Pecúlio Simples será efetuado por uma das formas seguintes :

SEÇÃO III- DO PAGAMENTO DO PECÚLIO SIMPLES Art.10 - O pagamento do Pecúlio Simples será efetuado por uma das formas seguintes : REGULAMENTO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE TAXA MÉDIA Processo SUSEP 00.10931/79 GBOEX GRÊMIO BENEFICENTE CNPJ Nº 92.872.1000-0001-26 Associados que ingressaram até 31.12.1996, inclusive. TÍTULO

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

EDITAL DE BOLSA SOCIAL 2015

EDITAL DE BOLSA SOCIAL 2015 EDITAL DE BOLSA SOCIAL 2015 A Diretoria de Colégios da ABEU Colégios, no uso de suas atribuições, torna público o Edital para o Processo de Concessão de Bolsas Sociais destinadas a estudantes regularmente

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Empréstimo a Participantes e Assistidos dos Planos I, II e III Capítulo I Do Objetivo R E G U L A M E N T O Art. 1º Este Regulamento de Empréstimo, doravante denominado Regulamento, dispõe sobre as regras

Leia mais

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCRITA FISCAL A nota eletrônica é melhor do que a nota em papel? Sim a nota eletrônica não possui custo para emissão, necessitando apenas de um computador, um certificado digital

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS REGULAMENTO 1.1 - O presente regulamento objetiva a concessão de Crédito Educativo para estudantes devidamente Matriculados nos cursos

Leia mais

O BENEFICIÁRIO opta por aderir, juntamente com seus respectivos dependentes, ao Plano de Saúde:

O BENEFICIÁRIO opta por aderir, juntamente com seus respectivos dependentes, ao Plano de Saúde: ESTIPULANTE: VIVA ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS, inscrita no CNPJ nº 12.149.094/0001-44, com sede à Rua Dom Jaime Câmara, 66, salas 603 e 604, Centro, Florianópolis (SC), SUB-ESTIPULANTE: SINDICATO DOS

Leia mais

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015

NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015 NORMA PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL MODALIDADE PRESTAÇÕES PÓS FIXADAS Nº. 02/2015 1. DA FINALIDADE Esta Norma dispõe sobre a concessão de Empréstimo Pessoal Modalidade Prestações Pós Fixadas pelo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Súmula: Estabelece normas e procedimentos para a realização de inscrição dos mutuários, relaciona os documentos necessários a instruir

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA PRÓTESE E ÓRTESE

REGULAMENTO PROGRAMA PRÓTESE E ÓRTESE REGULAMENTO PROGRAMA PRÓTESE E ÓRTESE 1. Finalidade Estabelecer critérios para concessão de reembolso de parte das despesas com a aquisição de próteses e órteses não implantáveis por ato cirúrgico. 2.

Leia mais

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. 1 COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS INTEGRANTES DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO Art. 1º - Este Regulamento estabelece as modalidades de empréstimos,

Leia mais

DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS PARA CONCESSÃO DE BOLSA SOCIAL

DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS PARA CONCESSÃO DE BOLSA SOCIAL DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS PARA CONCESSÃO DE BOLSA SOCIAL O responsável legal pelo educando deverá apresentar os documentos abaixo relacionados; de todo os membros do grupo familiar onde o aluno esta inserido,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia RESOLUÇÃO Nº. CP- 002/2011 Dispõe sobre contribuições, taxas, multas e preços de serviços devidos à OAB-BA para o exercício de 2012, bem como normas

Leia mais

INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES

INSTITUTO CONAB DE SEGURIDADE SOCIAL NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES NR Nº 001/2013 NORMA PARA CONCESSÃO E COBRANÇA DE EMPRÉSTIMO PESSOAL SIMPLES 1. DO OBJETIVO 1.1. Esta norma dispõe sobre procedimentos a serem adotados no segmento da carteira de empréstimo pessoal na

Leia mais

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE LOTE URBANO 1. DOCUMENTOS INICIAIS

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE LOTE URBANO 1. DOCUMENTOS INICIAIS Após a aprovação do crédito e a avaliação do imóvel, retorne à sua Agência com a relação completa dos documentos descritos nos itens abaixo, para a efetivação de seu financiamento. 1. DOCUMENTOS INICIAIS

Leia mais

ROTINAS PARA ATENDIMENTO DO USUÁRIO

ROTINAS PARA ATENDIMENTO DO USUÁRIO ROTINAS PARA ATENDIMENTO DO USUÁRIO Rotinas para Atendimento do Usuário Este manual tem por objetivo facilitar a utilização do seu Plano de Saúde. A observância das instruções nele contidas facilita o

Leia mais